Printer Friendly

NIVEL DE ATIVIDADE FISICA DE IDOSOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVENCIA E FATORES ASSOCIADOS/Level of physical activity of elderly participants of coexistence group and associated factors.

INTRODUCAO

O Brasil passa por uma fase de transformacao na piramide etaria, com caracteristicas semelhantes aos paises europeus (Vasconcelos e Gomes, 2012).

Na transicao demografica atual, ha um numero cada vez maior de idosos, o que tem feito com que, pela primeira vez na historia do Brasil, uma maior parcela da populacao seja adulta e em idade ativa (Dool, Ramos e Buaes, 2015).

Por essa razao, a piramide etaria deixa de ser predominantemente jovem para iniciar um processo progressivo de envelhecimento (Alves e Cavenhaghi, 2014).

O envelhecimento e um decurso irreversivel, caracterizado por alteracoes organicas, fisiologicas e psicologicas acarretando um desgaste funcional progressivo no organismo (Borges, 2011).

Esse processo causa muitas alteracoes no corpo, aumenta o grau de vulnerabilidade e facilita a incidencia de doencas e transtornos causados pela idade, podendo influenciar nos quadros de depressao, aumento no numero de quedas e ainda amplia as chances de morte subita (Silva, 2012).

Estas alteracoes prejudicam o bemestar, os habitos de vida e ainda acarretam serios graus de incapacidade nos idosos (Silva e colaboradores, 2015), no entanto, parte dessas afeccoes sao consequencia do estilo de vida, uma vez que muitas comorbidades que acometem os idosos sao em decorrencia da falta de atividade fisica (Maciel, 2010).

Estudos relatam que os idosos que tem um estilo de vida sedentario sao mais frageis e vulneraveis ao desenvolvimento de comorbidades, ja que a inatividade antecipa o processo de envelhecimento, que tem os seus sintomas agravados, deixando-os expostos as doencas cronicas e aos efeitos negativos da idade (Maciel, 2010; Santos e Cunha, 2014).

Com isso, entende-se que a atividade fisica e um mecanismo valioso para a diminuicao das alteracoes provocadas pela idade, sendo tambem uma condicao importante na prevencao e tratamento de doencas, alem de ajudar na preservacao da independencia do idoso (Civinski, Montibeller e Braz, 2015).

Assim, a pratica de atividade fisica vem sendo usada como principal metodo para aumentar a expectativa de vida e reduzir os efeitos nocivos da idade, proporcionando a melhora das oportunidades de seguranca, participacao e saude, para que a medida que as pessoas fiquem mais velhas tenham uma melhor qualidade de vida (Beck e colaboradores, 2011; Dawalibi e colaboradores, 2013).

Nesse sentido, trabalhos que descrevam o nivel de atividade fisica de idosos contribuem para a melhor compreensao dos processos envolvidos atraves dessa pratica, favorecendo, ainda, a identificacao de fatores de risco associados a inatividade fisica, o que permitira uma assistencia multidisciplinar e abordagem completa da saude dessa populacao.

Alem disso, a carencia de dados relacionados a populacao idosa, no norte de Minas Gerais, faz com que estudos nessa area se tornem relevantes, a fim de gerar mudancas individuais (mudanca de comportamento quando se conhece o risco para doencas e decisao por cuidado profissional em saude) e coletivas que contribuam para a transformacao social e melhora da qualidade de vida.

Diante desse pressuposto, este trabalho tem como objetivo se avaliar o nivel de atividade fisica de idosos participantes de grupo de convivencia e os fatores associados.

MATERIAIS E METODOS

Trata-se de um estudo quantitativo, do tipo transversal, ocorrido no periodo de setembro a outubro de 2017. A amostra foi constituida por 150, selecionadas aleatoriamente.

Foram inclusos idosos com mais de 60 anos participantes de um grupo de convivencia de Montes Claros, Minas Gerais e excluidos os idosos que apresentarem algum comprometimento que a dificultasse responder as avaliacoes propostas, alem dos que nao comparecerem no dia da entrevista.

A coleta de dados foi realizada mediante entrevistas conduzidas pelos pesquisadores em locais reservados no clube, previamente estabelecidos junto a coordenacao do mesmo, sendo o entrevistado convidado a comparecer no local, por livre espontaneidade, onde assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para participacao na pesquisa.

Os dados foram coletados a partir de um questionario que abordava aspectos sociodemograficos e economicos (idade, situacao conjugal, cor de pele, escolaridade e remuneracao), antropometricos (IMC e CA), habitos de vida (tabagismo, etilismo e atividade fisica), alem de ser avaliado o nivel de atividade fisica utilizando o International Physical Activity Questionnaire (IPAQ), versao curta.

A mensuracao da estatura ocorreu com o auxilio do antropometro numa parede com noventa graus em relacao ao chao e sem rodapes com o participante na devida posicao para avaliacao deste dado; o peso (kg) e do IMC pelo produto da divisao do peso corporal pela altura ao quadrado. Os resultados do IMC foram classificados, segundo os criterios da WHO (2000) em adultos: eutrofico (18,5 a 24,9), sobrepeso (25,0 a 29,9) e obesidade (30,0 ou acima).

A CA foi aferida com o auxilio de uma fita metrica flexivel e inelastica, durante a medicao, o avaliado se manteve na posicao ortostatica, com os bracos ao longo do corpo, abdome descontraido e com o olhar num ponto fixo a sua frente (WHO, 2010). Com relacao a atividade fisica, foi utilizado o International Physical Activity Questionnaire (IPAQ) para a avaliacao do sedentarismo. A versao curta consta de seis perguntas relacionadas a atividade fisica realizada na ultima semana por pelo menos 10 minutos continuos, anterior a aplicacao do questionario (IPAQ) (Matsudo e colaboradores, 2001).

O banco de dados foi digitado e armazenado no Microsoft Office Excel 2007[R]. A analise dos dados foi realizada no software StatisticalPackage for Social Sciences (SPSS) versao 20.0 Inicialmente, foram descritas as frequencias simples e as porcentagens, das variaveis analisadas. A analise bivariada foi realizada por meio do teste qui-quadrado. Em todas as analises estatisticas, considerou-se relevancia estatistica para p<0,05.

A pesquisa seguiu todos os criterios estabelecidos pela Resolucao numero 466/2012 do Conselho Nacional de Saude para pesquisas envolvendo seres humanos, tendo sido aprovado pelo Comite de Etica e Pesquisa das Faculdades Integradas do Norte - FUNORTE, sob o parecer de numero 2.286.145.

RESULTADOS

Foram avaliados 49 idosos com media de idade de 69[+ or -]6,88 anos. Sendo 72,4% do sexo masculino e 28,6% feminino. Observouse que a maioria dos idosos eram casados (57,1%), de cor de pele branca (57,1%).

Quanto a escolaridade, a maioria possuia ensino fundamental completo (42,9%), recebiam de um a dois salarios minimos (42,9%) e frequentaram escolas publicas (83,7%). Em relacao a quantidade de membros na familia, a maioria possui mais de tres membros (69,3%) (Tabela 1).

Os idosos referiram-se nao fumar (89,8%), nao ingerir alcool (81,6%) e realizaram tratamento para a perda de peso (73,5%).

Em relacao aos habitos alimentares, a maioria referiu-se nunca colocar sal na comida (81,6%), relataram ingerir frutas 3 a 6 vezes por semana (87,8%), nao ingerem refrigerantes semanalmente (36,7%), e a maioria afirmou retirar a gordura da carne vermelha ingerida (63,3%) (Tabela 2).

Foi possivel observar que a maioria dos idosos nao sao diabeticos (77,6%), e tem um bom estado de saude (44,9%). Quanto as medidas antropometricas, houve prevalencia de idosos com sobrepeso (46,9%), CA e RCQ alterados (69,4%; 75,5%), respectivamente (Tabela 3).

Em relacao ao nivel de atividade fisica, 59,2% dos idosos foram classificados como insuficientemente ativos, 22,4% ativos e 18,4% sedentarios (Grafico 1).

Ao associar os niveis de atividade fisica entre os fatores socios demograficos, observamos significancia apenas em relacao ao genero (p=0,040) e cor da pele (p=0,044) (Tabela 4).

Onde as idosas do sexo feminino e da raca negra apresentaram um maior indice de insuficiencia ativa, 62,9% e 78,6%, respectivamente.
Grafico 1 - Nivel de Atividade Fisica dos Idosos Participantes de Grupo
de conivencia.

Ativo                         22,4
Insuficientemente ativo       59,2
Sedentario                    18,4

Note: Table made from bar graph.


Na tabela 5, associou-se os fatores habitos de vida e alimentares com o nivel de atividade fisica, entretanto nao houve diferenca significativa. Os fatores clinicos e antropometricos tambem nao apresentaram diferenca significativa ao serem associados (Tabela 6).

DISCUSSAO

A pratica regular de exercicios fisicos proporciona melhorias na forca e condicionamento fisico, nas habilidades motoras e cognitivas, alem de estar associada a maior expectativa de vida e prevencao de doencas (Angelo, 2016).

Entretanto, os idosos aqui estudados, apresentaram baixos niveis de atividade fisica, corroborando com outros estudos como o de Ribeiro e colaboradores, (2009) e Boscatto e colaboradores (2012) nos quais se observou que grande parcela da populacao tambem apresentou um alto percentual de inatividade fisica, sendo essa situacao mais preocupante com o avancar dos anos.

O aumento da inatividade fisica caracteriza-se como um problema de saude publica (Florindo e colaboradores, 2001).

Visto que com a diminuicao da aptidao fisica, ha um aumento da fragilidade dos idosos, podendo torna-los vulneraveis a desenvolver, em longo prazo, mais incapacidades quando confrontados com episodios de morbidades cronicas e agudas (Barbosa e colaboradores, 2017).

A maior prevalencia de inatividade fisica entre idosos pode ser explicada pela presenca de barreiras como limitacao fisica, medo de quedas, presenca de dores, falta de disposicao, falta de seguranca e sensacao de nao conseguir realizar o exercicio por nunca o ter realizado anteriormente (Krug e colaboradores, 2013; Krug, Lopes e Mazo, 2015).

Ao analisar as variaveis sociodemograficas associadas com o nivel de atividade fisica dos idosos, observamos que os homens sao mais ativos que as mulheres, semelhantes aos dados encontrados no estudo de Vitorio e colaboradores (2012), em que 16,7% dos homens sao ativos e apenas 10% das mulheres. Esse fato pode ser explicado pela dupla jornada de trabalho da mulher, o que, portanto, pode reduzir seu tempo de lazer e reduzir a pratica de atividade fisica no tempo livre.

As diferencas de genero podem ser esclarecidas pelos papeis sociais e familiares diferenciados que homens e mulheres adultos exercem, influenciados pela cultura e organizacao social em que convivem. As mulheres usualmente sao as responsaveis pelas tarefas domesticas e cuidadoras de criancas, frequentemente tambem exercem trabalho remunerado ou sao dependentes do marido, e acabam tendo menor disponibilidade de tempo e de oportunidades para atividades de lazer (Zanchetta e colaboradores, 2010; WHO, 2003)

Apos analise dos resultados, os individuos mais inativos eram de cor negra e os mais ativos de cor branca, indo de encontro com os achados do estudo de Vitorio e colaboradores (2012) em que 91,7% dos individuos da cor negra eram considerados inativos, 25% dos idosos de raca/cor branca apresentaram maior frequencia de atividade fisica.

Com o decorrer da idade, os individuos negros, tem um declinio de massa muscular, bem como de forca, maior que idosos brancos na mesma faixa etaria. Tal fato, nos leva a pensar que talvez a qualidade muscular e das fibras do tipo II estejam comprometidas, podendo desencadear sarcopenia e incapacidades funcionais, o que pode esta causando uma reducao dos niveis de atividade fisica maior do que em individuos brancos (Schopf, 2013).

A literatura ainda nao possui estudos que tenham por objetivo mostrar as diferencas e semelhancas entre idosos de origem branca e negra quanto os niveis de atividade fisica e funcionalidade. Salientando a importancia da realizacao de estudos para melhor compreensao dessa diferenciacao da raca.

Neste contexto, a maior prevalencia de idosos insuficientemente ativos mostra que ha uma pequena participacao desta populacao nas praticas relacionadas a atividade fisicas.

Ambientes propicios para a pratica dessas atividades nos bairros podem contribuir para um comportamento ativo, que podera minimizar queixas e doencas incapacitantes, alem de melhorar a QV.

Deste modo, aconselham-se politicas publicas que elaborem intervencoes a niveis estruturais, bem como no suporte social por meio de atividades em grupo e profissionais capacitados, respeitando as caracteristicas intrinsecas dos mais idosos.

As limitacoes do estudo devem ser consideradas. O desenho transversal nao permite verificar as relacoes de temporalidade entre as variaveis

e a amostra estudada foi pequena.

Sendo assim ve-se a necessidade de novos estudos a fim de conhecer o nivel de atividade fisica dos idosos e fatores associados a sua alteracao.

CONCLUSAO

Os resultados encontrados nesse estudo demonstraram pratica insuficiente de atividade fisica em idosos.

Foi identificada associacao significativa entre os niveis de atividade fisica e as variaveis genero e raca.

A formulacao de programas de intervencao direcionada a mudanca de comportamento e ao incentivo a adocao de estilo de vida ativo podera contribuir na melhoria da capacidade funcional e qualidade de vida dessas pessoas.

Recomendasse assim, a realizacao de estudos longitudinais, no intuito de melhor estabelecer essas relacoes.

REFERENCIAS

1-Alves, J.E.D.; Cavenhagui, S.M. A demanda habitacional demografica brasileira de 2001 a 2011. Informe Gepec. Vol. 18. Num. 1. 2014.

2-Angelo, E.R.D. Atividade Fisica E Fatores Associados Em Idosos Longevos. Dissertacao de Mestrado. UFPE. Recife. 2016.

3-Barbosa, A. R.; Souza, J. M. P.; Lebrao, M. L.; Marucci, M. D. F. N. Estado nutricional e desempenho motor de idosos de Sao Paulo. Revista da Associacao Medica Brasileira. Vol. 53. Num. 1. 2017. p. 75-79.

4-Beck, A.P.; Antes, D.L.; Meurer, S.T.; Beneditt, T.N.R.B.; Lopes, M.A. Fatores associados as quedas entre idosos praticantes de atividades fisicas. Texto e Contexto Enfermagem. Vol. 20. Num. 2. 2011, p. 280-289.

5-Borges, A. Alteracoes neuromusculares e funcionais decorrentes do envelhecimento e da osteoartrite e suas consequencias para mudancas na qualidade de vida. Trabalho de Conclusao de Curso de Graduacao em Educacao Fisica: Bacharelado. UFRGS. Porto Alegre. 2011.

6-Boscatto, E.C.; Duarte, M.D.F.S.; Barbosa, A.R. Nivel de atividade fisica e variaveis associadas em idosos longevos de Antonio Carlos, SC. Rev. Bras. Ativ. Fis. e Saude. Vol. 17. Num. 2. 2012. p. 132-136.

7-Civinski, C.; Montibeller, A.; Braz, A. L. O. A importancia do exercicio fisico no envelhecimento. Revista da Unifebe. Vol. 9. 2011. p.163-175.

8-Dawalibi, N.W.; Aquino, R.D.C.D.; Goulart, R.M.M.; Witter, C.; Anacleto, G.M.C. Envelhecimento e qualidade de vida: analise da producao cientifica da SciELO. Estud. psicol. Campinas. Vol. 30. Num. 3. 2013. p. 393-403.

9-Florindo, A.A.; Latorre, M.R.D.O.; Tanaka, T.; Jaime, P. C.; Zerbini, C. A.D.F. Fatores associados a pratica de exercicios fisicos em homens voluntarios adultos e idosos residentes na grande Sao Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia. Vol. 4. Num. 2. 2001. p. 105-113.

10-Krug, R.R.; Lopes, M.A.; Mazo, G.Z.; Marchesan, M. A dor dificulta a pratica de atividade fisica regular na percepcao de idosas longevas. Rev Dor. Vol. 14. Num. 3. 2013. p. 192-195.

11-Krug, R.R.; Lopes, M.A.; Mazo, G.Z. Barreiras e facilitadores para a pratica da atividade fisica de longevas inativas fisicamente. Rev. Bras. Med. Esporte. Vol. 21. Num. 1. 2015. p. 57-64.

12-Maciel, M. G. Atividade fisica e funcionalidade do idoso. Motriz. Vol. 16. Num. 4. 2010. p.1024-1032.

13-Matsudo, S.; Araujo, T.; Matsudo, V.; Andrade, D.; Andrade, E.; Oliveira, C.; et al. Questionario Internacional de Atividade Fisica (IPAQ): estudo de validade e reprodutibilidade no Brasil. Rev Bras Ativ Fis Saude. Vol.6. Num.2. 2001. p.5-12.

14-Ribeiro, Q.; Salgado, M.L.; Ivani, S.G.; Fogal, A.S.; Martinho, K.O.; Almeida, L.F.F.; Oliveira, W.C. Prevalencia e fatores associados a inatividade fisica em idoso: um estudo de base populacional. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. Vol.19. Num.3. 2009. p. 483-493.

15-Santos, G.S.; Cunha, I.C.K.O. Avaliacao da capacidade funcional de idosos para o desempenho das atividades instrumentais da vida diaria: um estudo na atencao basica a saude. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro. Vol. 3. Num. 3. 2014. p. 821.

16-Schopf, P.P. Associacao de raca com variaveis de funcionalidade, composicao corporal e atividade fisica em idosos atendidos pela estrategia da saude da familia do municipio de Porto Alegre. Dissertacao de Mestrado. Pontificia Universidade Catolica do Rio Grande do Sul. Porto Alegre. 2016.

17-Silva, J.V.F.; Silva, E.C.; Rodrigues, A.P.R.A.; Miyazana, A.P. A relacao entre o envelhecimento populacional e as doencas cronicas nao transmissiveis: serio desafio de saude publica. Caderno de Graduacao-Ciencias Biologicas e da Saude-UNIT-Alagoas. Vol. 2. Num. 3. 2015. p. 92.

18-Vasconcelos, A.M.N.; Gomes, M.M.F. Transicao demografica: a experiencia brasileira. Epidemiologia e Servicos de Saude. Vol. 21. Num. 4. 2012. p. 539-548.

19-Vitorio, V. M.; Gil, C. C. N.; Rocha, S. V.; Cardoso, J. P.; Carneiro, L. R. D. V.; Amorin, C. R. Fatores associados ao nivel de atividade fisica entre idosos asilares. Estud. interdiscip. Envelhec. Vol. 17. Num. 1. 2012. p. 75-89.

20-WHO - World Health Organization. Gender, health and aging. WHO; 2003. Disponivel em: <http://www.who.int/gender/documents/en/Gender_Ageing.pdf>. Acesso em: 12/11/2017.

21-Zanchetta, L. M.; Barros, M. B. D. A.; Cesar, C. L. G.; Carandina, L.; Goldbaum, M.; Alves, M. C. G. P. Inatividade fisica e fatores associados em adultos, Sao Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Epidemiologia.Vol.13. Num. 3. 2010. p. 387-399.

Conflito de interesses

Nao ha conflito de interesses.

Recebido para publicacao 28/08/2018

Aceito em 27/01/2019

Larissa Pereira Santos (1), Jessica Michely Cardoso Soares Silva (1) Vivianne Margareth Chaves Pereira Reis (2), Josiane Santos Brant Rocha (2) Ronilson Ferreira Freitas (1,2)

(1-)Instituto de Ciencias da Saude, Faculdades Integradas do Norte de Minas (FUNORTE), Montes Claros-MG, Brasil.

(2-)Centro de Ciencias Biologicas e da Saude, Universidade Estadual de Montes Claros (Unimontes), Montes Claros-MG, Brasil.

E-mail dos autores:

larissa-p2010@hotmail.com

jessicamichelysilva@gmail.com

josianenat@yahoo.com.br

viola.chaves@yahoo.com.br

ronnypharmacia@gmail.com

Endereco para correspondencia:

Ronilson Ferreira Freitas.

Faculdades Integradas do Norte de Mina (FUNORTE).

Av. Osmane Barbosa, 11111 - Conj. Res. JK,

Montes Claros-MG.

CEP: 39.404-006.
Tabela 1 - Caracterizacao da amostra segundo fatores sociodemograficos.

                         Variavel            n   %

Perfil sociodemografico
                         Masculino           14  28,6
Genero                   Feminino            35  72,4
Situacao                 Com companheiro     28  57,1
Conjugal                 Sem companheiro     21  42,9
                         Branca              28  57,1
Cor de pele              Negra               14  28,6
                         Parda                5  10,2
                         Amarela              2   4,2
                         Ensino Superior      8  16,3
Escolaridade             Ensino Medio        18  36,7
                         Ensino Fundamental  21  42,9
                         Nao alfabetizado     2   4,1
                         <1 SM               11  20,5
Renda (*)                De 1 a 2 SM         21  42,9
                         >3 SM               17  34.7
Tipo de Escola           Publica             41  83,7
                         Privada              8  16,3

Legenda: (*) SM: Salarios minimos.

Tabela 2 - Caracterizacao da amostra segundo os habitos de vida e
habitos alimentares dos idosos.

                     Variavel             n   %

Habitos de vida
Tabagismo            Nao                 44  89,8
                     Sim                  5  10,2
Etilismo             Nao                 40  81,6
                     Sim                  9  18,4
Tratamento para      Sim                 36  73,5
perder peso          Nao                 13  26,5
Habitos alimentares
Sal na comida        Nao                 40  81,6
                     Sim                  9  18,4
Frutas               De 3 a 6 na semana  43  87,8
                     <3 na semana         6  12,2
                     Nenhum              18  36.7
Refrigerante         De 3 a 6 na semana  15  30,6
                     < 3 na semana        9  18,4
                     Nao come            11  22,4
Carne Vermelha       Tira a gordura      31  63,3
                     Come a gordura       7  14,3

Tabela 3 - Caracterizacao da amostra segundo fatores clinicos e
antropometricos dos idosos.

                         Variavel        n   %

Fatores Clinicos
Diabetes                 Nao diabetico  38  77,6
                         Diabetico       9  18,4
Percepcao de             Muito bom       8  16,3
saude                    Bom            22  44,9
                         Regular        19  38,8
Fatores Antropometricos
                         Eutrofico      17  34,7
IMC                      Sobrepeso      23  46,9
                         Obeso           9  18,4
                         Normal         15  30,6
CA                       Alterada       34  69,4
RCQ                      Normal         12  24,5
                         Alterada       37  75,5

Legenda: IMC: Indice de massa corporal; CA: Circunferencia abdominal;
RCQ: Relacao cintura quadril.

Tabela 4 - Associacao dos niveis de atividade fisica entre os fatores
socios demograficos.

Variaveis                                       Ativo

                                                n   %

Fatores sociodemograficos
Genero                     Masculino            6   42,9
                           Feminino             5   14,3
Situacao Conjugal          Com companheiro      9   32,1
                           Sem companheiro      2   09,5
Cor de pele                Branca               9   32,1
                           Negra                1   07,1
                           Parda                1   20,0
                           Amarela              0   00,0
Escolaridade               Ensino Superior      2   25,0
                           Ensino Medio         3   16,7
                           Ensino Fundamental   5   23.8
                           Nao alfabetizado     1   50,0
Salario Minimo             >2salarios minimos   5   29,4
                           <2 salarios minimos  6   18,8
Escola que frequentou      Privada              9   22,0
                           Publica              2   25,0

Variaveis                  Insuficientermente  Sedentario  P valor
                           Ativo                           (([X.sup.2]))
                           n    %              n     %

Fatores sociodemograficos
Genero                      7   50,0           1     7,1   0,040 (*)
                           22   62,9           8    22,9
Situacao Conjugal          15   53,6           4    14,3   0,159
                           14   66,7           5    23,8
Cor de pele                15   53,6           4    14,3   0,044 (*)
                           11   78,6           2    14,3
                            3   60,0           1    20,0
                            0   00,0           2   100,0
Escolaridade                5   62,5           1    12,5   0,943
                           11   61,1           4    22,2
                           12   57,1           4    19,9
                            1   50,0           0     0,0
Salario Minimo              8   47,1           4    23,5   0,452
                           21   65,6           5    15,6
Escola que frequentou      24   58,5           8    19,5   0,894
                            5   62,5           1    12,5

Legenda: (([x.sup.2])): Teste Qui-quadrado; p valor: Nivel de
significancia p< 0,05.

Tabela 5 -Associacao do nivel de atividade fisica entre os fatores de
habitos de vida e alimentares dos idosos.

Variaveis                                            Ativo
                                                   n  % (*)

Habitos de Vida
Tabagismo                Nao fuma                 11  25,0
                         Fuma                      0   0,0
Etilismo                 Nao ingere alcool         7  17,5
                         Ingere alcool             4  44,4
Tratamento para perder   Nao fez tratamento        4  30,8
peso                     Fez tratamento            7  19,4
Habitos alimentares
Sal no prato de comida   Nunca coloca sal          7  17,5
                         Coloca sal                4  44,4
Ingesta de frutas por    3 a 6 vezes               9  20,9
semana                   < 3 vezes                 2  33,3
Ingesta de refrigerante  Nao ingere                4  22,2
por semana               < de 3 vezes              1  11,1
                         3 a 6 vezes               5  33,3
Ingere gordura da carne  Nao come carne vermelha   3  27,3
vermelha                 Tira a gordura            6  19,4
                         Come a gordura            2  28,6

Variaveis                Insuficienternente  Sedentario  P valor
                         Ativo                           (([x.sup.2]))
                         n    % (*)          n    %*

Habitos de Vida
Tabagismo                24   54,5           9   20,5    0,147
                          5  100,0           0    0,0
Etilismo                 24   60,0           9   22,5    0,109
                          5   55,6           0    0,0
Tratamento para perder    6   46,2           3   21,1    0,531
peso                     23   63,9           6   16,7
Habitos alimentares
Sal no prato de comida   25   62,5           8   20,0    0,213
                          4   44,4           1   11,1
Ingesta de frutas por    27   62,8           7   16,3    0,374
semana                    2   33,3           2   33,3
Ingesta de refrigerante  11   61,1           3   16,7    0,212
por semana                4   44,4           4   44,4
                          9   60,0           1    6,7
Ingere gordura da carne   6   54,5           2   18,2    0,704
vermelha                 18   58,1           7   22,6
                          5   71,4           0   00,0

Legenda: (([x.sup.2])): Teste Qui-quadrado; p valor: Nivel de
significancia p< 0,05.

Tabela 6 - Associacao do nivel de atividade fisica entre os fatores
clinicos e antropometricos dos idosos.

                                         Ativo     Insuficientemente
                                                   Ativo
                                         n  % (*)  n    % (*)

Fatores clinicos
Diabetes                 Nao diabetico   7  18,4   23   60,5
                         Diabetico       2  22,2    6   66,7
                         Muito Bom       2  25,0    6   75,0
Percepcao de saude       Bom             5  22,7   13   59,1
                         Regular         4  21,1   10   52,6
Fatores antropometricos
RCQ                      Normal          1   8,3    9   75,0
                         Alterada       10  27,0   20   54,1
CA                       Normal          5  33,3    8   53,3
                         Alterada        6  17,6   21   61,8
                         Eutrofico       5  29,4    9   52,9
IMC                      Sobrepeso       5  21,7   14   60,9
                         Obeso           1  11,1    6   66,7

                         Sedentario  P valor
                                     (([X.sup.2]))
                         n   % (*)

Fatores clinicos
Diabetes                 8   21,1    0,789
                         1   11,1
                         0    0,0
Percepcao de saude       4   18,2    0,620
                         5   26,3
Fatores antropometricos
RCQ                      2   16,7    0,349
                         7   18,9
CA                       2   13,3    0,457
                         7   20,6
                         3   17,6
IMC                      4   17,4    0,881
                         2   22,2

Legenda: IMC: Indice de massa corporal; CA: Circunferencia abdominal;
RCQ: Relacao cintura quadril;(([x.sup.2])): Teste Qui-quadrado;
p valor: Nivel de significancia p< 0,05.
COPYRIGHT 2019 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Santos, Larissa Pereira; Silva, Jessica Michely Cardoso Soares; Reis, Vivianne Margareth Chaves Pere
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:May 1, 2019
Words:4456
Previous Article:EFEITO DO DESCANSO ATIVO NO TREINAMENTO DE CIRCUITO SOBRE A COMPOSICAO CORPORAL DE ADULTOS/Effect of the active rest in the circuit training on the...
Next Article:EFEITOS DA ORGANIZACAO DA CARGA DE TREINAMENTO NO LIMIAR ANAEROBIO DE CORREDORES AMADORES/Effects of training load organization on the anaerobic...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters