Printer Friendly

Morphological characterization of Archontophoenix cunninghamii (Arecaceae) diaspores and seedlings/Caracterizando morfologica do diasporo e da plantula de Archontophoenix cunninghamii (Arecaceae).

Introducao

As palmeiras (Arecaceae), comumente associadas com paisagens dos tropicos e encontram-se distribuidas, principalmente, nessas regioes, proximas ao Equador. Os limites de distribuicao segundo Taveira (1998) sao 44[grados]00'N e 44[grados]18'S na Europa e na Nova Zelandia, respectivamente.

O interesse pelo cultivo de palmeiras ornamentais tem aumentado significativamente devido ao seu indiscutivel valor paisagistico, proporcionando beleza e serenidade a paisagem de campos abertos, ruas, jardins, parques e pracas (Stringheta et al., 2004; Lorenzi et al., 2004).

As especies de Archontophoenix sao muito cultivadas como ornamentais nos tropicos e subtropicos de ambos os hemisferios (Pinheiro, 1986; Lorenzi et al., 2004). Archontophoenx cunninghamii H.Wendl. & Drude, conhecida popularmente por seafortia ou palmeira real, e uma especie originaria da Australia, regiao tropical com altitude inferior a 1.100 m, sendo utilizada no Brasil e em outros paises em parques e jardins (Maeda et al., 1987; Lorenzi et al., 2004). A palmeira real australiana comecou a ser cultivada para producao de palmito, sobretudo na regiao litoranea de Santa Catarina. Nos ultimos anos esta atividade vem-se expandindo rapidamente pela Regiao Centro-Sul do pais (Chaimsohn & Durigan, 2004).

Os trabalhos de morfologia de plantulas tem merecido atencao ha algum tempo, visando a sistematizacao da identificacao de plantas. As caracteristicas morfologicas manifestamse por componentes estruturais das plantas e, quando sao constantes, oferecem grande valor e confianca na identificacao de especies (Lawrence, 1973). Os aspectos morfologicos da planta podem ser usados em estudos taxonomicos, contribuir na interpretacao de testes de germinacao em laboratorio, ampliar o conhecimento sobre os metodos de producao de mudas e identificacao da especie no campo e auxiliar nos trabalhos de regeneracao natural, facilitando o seu reconhecimento nos estadios iniciais de crescimento (Botelho et al., 2000). No caso da maioria das palmeiras, o processo germinativo nao foi completamente descrito, assim como nao foram identificadas estruturas das plantulas em formacao (Gentil & Ferreira, 2005).

Oliveira (1993) comenta que muitos autores ressaltaram que, alem da unidade de dispersao, e imprescindivel um conhecimento melhor da germinacao, do crescimento e do estabelecimento da plantula para compreender o ciclo biologico e a regeneracao natural da especie. Dentro da tecnologia e analise de sementes, o teste de germinacao e o suporte para todas as outras analises e experimentos, e o conhecimento das plantulas e de suas estruturas e importante para uma correta interpretacao. O estudo do potencial germinativo de palmeiras representa um avanco significativo para a domesticacao e a exploracao racional de seu potencial economico, alimentar e energetico (Cunha & Jardim, 1995). Pinheiro & Araujo-Neto (1987) defenderam o fato de que estudos descritivos da germinacao de sementes de palmeiras sao importantes para o melhor conhecimento do processo germinativo e basico para o desenvolvimento tecnico eficiente da producao de mudas. De maneira geral os trabalhos sobre morfologia de sementes e plantulas da especie Arecaceae sao escassos, desta forma, este trabalho teve como objetivo confirmar e acrescentar caracteres morfologico do diasporo e apresentar alguns aspectos morfologico da plantula, a fim de contribuir na identificacao e propagacao da especie.

Material e Metodos

Coleta e beneficiamento dos frutos

Os frutos de ArchontophoenX cunninghamii H.Wendl. & Drude foram coletados de 10 exemplares existentes na Faculdade de Ciencias Agrarias e Veterinarias--UNESP, Jaboticabal.

O trabalho foi conduzido no Laboratorio de Analise de Sementes Horticolas do Departamento de Producao Vegetal e no Laboratorio de Morfologia do Departamento de Biologia Aplicada a Agropecuaria, da Faculdade de Ciencias Agrarias e Veterinarias, FCAV/UNESP, Campus de Jaboticabal.

Apos a colheita, o epicarpo e o mesocarpo dos frutos foram removidos por meio de atrito manual contra a peneira sob agua corrente. Os diasporos (sementes com o endocarpo aderido) foram enxaguados em agua corrente e secos a sombra por 24 horas. Foram anotados os dados biometricos e determinado o grau de umidade, a curva de embebicao e posterior instalacao dos experimentos.

Biometria dos diasporos

Numa amostra de 100 diasporos, foram determinados o comprimento e a largura, com o uso de um paquimetro digital graduado em milimetros. Foram determinados, tambem, o numero de diasporos por quilograma e o peso de 1000 diasporos, de acordo com o metodo descrito nas Regras para Analise de Sementes (Brasil, 2009).

Morfologia do diasporo e da plantula

Efetuou-se a semeadura de 100 diasporos em bandejas de plastico transparente (50 x 25 x 0,6 cm), contendo uma camada de 5 cm do substrato vermiculita media umedecida em condicoes nao controladas de laboratorio (temperatura media de 28[grados]C e fotoperiodo de aproximadamente 9 horas de luz. Nas regas, utilizou-se agua destilada com nistatina a 0,2% para minimizar a contaminacao por fungos e foram realizadas sempre que se observou a necessidade de reposicao de agua no substrato. As faces externa e interna dos diasporos, bem como o embriao, foram esquematizados com auxilio de camara clara acoplada ao estereomicroscopio (SMZ 1000, Nikon[R]).

Foram retiradas amostras representativas de cada fase do processo germinativo. Estas foram fixadas em FAA para posterior analise. As amostras foram documentadas por meio de esquemas, com auxilio de camara clara acoplada ao estereomicroscopio, para a documentacao e descricao dos eventos morfologicos externos.

Resultados e Discussao

As sementes possuem em media 9,70mm de comprimento, considerando um desvio padrao de 0,78. O diametro tem media de 8,21 mm, com desvio padrao de 0,37. Verificou-se que o peso de 1000 diasporos foi de 1150,8 g e 1 Kg continha 868 unidades.

Segundo Lorenzi et al. (2004), um quilo de sementes de Archontophoenix cunninghamii contem aproximadamente 1250 unidades. Essa variacao da quantidade de sementes por quilo pode ser explicada por fatores geneticos, condicoes climaticas onde se desenvolve a planta, estagio de maturacao dos frutos, teor de agua dos diasporos, dentre outros que podem interferir na quantidade de sementes.

O teor de agua do lote de sementes foi de de 36,8 [+ o -] 1,6% para sementes de Archontophoenix cunninghamii, o que segundo Castellani et al. (2001), esta dentro da normalidade para essa especie.

O teor de agua para os diasporos de Archontophoenix cunninghamii no lote estudado esta dentro dos niveis otimos, pois Roberts (1973) ressalta que o valor critico de umidade para sementes recalcitrantes e de 12 a 30 % dependendo da especie. As sementes recalcitrantes tem sua viabilidade reduzida quando o teor de agua atinge valores inferiores aqueles considerados criticos; quando iguais ou inferiores aqueles considerados letais ocorre a perda total de viabilidade, sendo que essa sensibilidade a dessecacao varia de acordo com a especie (Martins et al., 1999).

As sementes sao albuminosas, com endosperma ruminado sendo suas placas ou rugas procedentes do tecido da capa da semente, rigido ocupando quase todo o interior do diasporo. O embriao e periferico basal e pouco diferenciado com aproximadamente 4 mm de comprimento, de forma conica, com uma das extremidades concava. A outra extremidade e arredondada e mais afilada (Figura 1).

[FIGURA 1 OMITIR]

Semelhantemente, Viana (2003) descreveu o diasporo de Livistona rotundifolia (Lam.) Mart. como globoso e com a maior parte ocupada pelo endosperma rigido. Segundo Vallilo et al. (2004), o teor de substancias volateis representa 47,72% da composicao total da semente de Archontophoenix cunninghamii H.Wendl. & Drude, indicando alto teor de agua e alto valor calorico das sementes, o que esta associado a presenca de lipidios e carboidratos, a grande quantidade de fibras presentes nessas sementes e provavelmente a causa da sua dureza.

Segundo Tomlinson (1961), a germinacao de sementes de palmeiras pode ocorrer de duas maneiras basicas: germinacao adjacente e remota, sendo que esta ultima subdivide-se em germinacao remota ligulada e germinacao remota aligulada ou tubular. A germinacao dos diasporos de Archontophoenix cunninghamii H.Wendl. & Drude e do tipo adjacente ligulada (Figura 2). Nesse tipo de germinacao, segundo Meerow (1991), o cotiledone nao apresenta grande alongamento, o desenvolvimento da plantula e adjacente ao diasporo a ligula e sempre desenvolvida e proeminente, apresentando forma cilindrica.

O inicio da germinacao dos diasporos de Archontophoenx cunninghamii H.Wendl. & Drude ocorreu entre 9 e 45 dias, com a abertura de um operculo circular no diasporo, por onde e emitida uma estrutura bulbosa e oca, denominada peciolo cotiledonar (figura 2). Essa estrutura e um alongamento do cotiledone unico, que internamente passa a funcionar como orcao de absorcao de reservas, denominado haustorio.

Com o crescimento do peciolo cotiledonar, o material de reserva (endosperma) vai sendo consumido gradativamente. O peciolo cotiledonar cresce aproximadamente ate 3 cm, quando entao se inicia uma dilatacao em sua extremidade (Figura 2).

Na extremidade dessa regiao dilatada, inicia-se o crescimento da raiz primaria. A plumula e composta pela primeira folha juvenil completa (eofilo) revestida por uma bainha. Nesta fase observa-se o aparecimento de raizes secundarias (Figura 2).

De acordo com Tomlinson (1990), as palmeiras raramente apresentam uma camada pilifera consideravel. O primordio caulinar e constituido por tres bainhas que envolvem a primeira folha jovem, as quais se abrem, sucessivamente, permitindo a emergencia da folha primaria. A primeira bainha e localizada proximo ao eixo embrionario e apresenta menor extensao que as demais.

A folha primaria e bifida, com nervuras paralelas tipicas (Figura 2).

[FIGURA 2 OMITIR]

Conclusoes

Os diasporos possuem em media 9,70mm de comprimento, 8,21mm de diametro. As sementes sao albuminosas, com endosperma ruminado sendo suas placas ou rugas procedentes do tecido da capa da semente, rigido ocupando quase todo o interior do diasporo.

A germinacao dos diasporos e adjacente ligulada.

Os estudos morfologicos envolvendo a unidade de dispersao, a germinacao e o crescimento inicial de Archontophoenix cunninghamii H.Wendl. & Drude podem auxiliar o conhecimento do ciclo biologico, o manejo e conservacao dessa especie.

Referencias

Botelho, S.A., Ferreira, R.A., Malavasi, M.M., Davide, A.C. 2000. Aspectos morfologicos de frutos, sementes, plantulas e mudas de Jatobado-cerrado (Hymenaea stigonocarpa Mart. ex Hayne)--Fabaceae. Revista Brasileira de Sementes 22: 144-152.

Brasil. 2009. Ministerio da Agricultura e Reforma Agraria. Regras para analise de sementes. SNDA/ DNDV/CLAV, Brasilia, Brasil. 365 p.

Castellani, E.D., Silva, A., Dematte, M.E.S.P. 2001. Conservacao de sementes de palmeira seafortia. Revista Brasileira de Horticultura Ornamental 7: 135-141.

Chaimsohn, F.P., Durigan, M.E. 2004. Rentabilidade do cultivo de palmeira-real versus pupunha para producao de palmito. In: Encontro paranaense sobre palmitos cultivados: o agronegocio pupunha e palmeira-real. Anais ... Pontal do Parana, Brasil. v. 105. p. 131-136.

Cunha, A.C.C., Jardim, M.A.G. 1995. Avaliacao do potencial germinativo em acai (Euterpe oleracea Mart.) variedades preto, branco e espada. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi--Serie Botanica 11: 55-60.

Gentil, D. F. O., Ferreira, S. A. N. 2005. Morfologia da plantula em desenvolvimento de Astrocaryum aculeatum Meyer (Arecacea). Acta Amazonica 35: 337-342.

Lawrence, G.H.M. 1973. Taxonomia das plantas vasculares. Fundacao Caluste Gulbekian, Lisboa, Portugal. 296 p.

Lorenzi, H., Souza, H. M., Costa, J. T. M., Cerqueira, L. S. C., FERREIRA, E. 2004. Palmeiras brasileiras exoticas e cultivadas. Instituto Plantarum, Nova Odessa, Brasil. 416 p.

Maeda, J.A., Nucci, T.A., Lago, A.A., Zink, E. 1987. Germinacao de sementes da palmeira Archontophoenix alexandrae. In: Encontro nacional sobre arborizacao urbana. Anais... Maringa, Brasil. p. 99-107.

Martins, C.C., Nakagawa, J., Bovi, M.L.A. 1999. Tolerancia a dessecacao de sementes de palmito-vermelho (Euterpe espiritosantensis Fernandes). Revista Brasileira de Botanica 22: 391-396.

Meerow, A.W. 1991. Palm seed germination. Cooperative Extension Service, Florida, USA. 10 p. (Bulletin 274)

Oliveira, E.C. 1993. Morfologia de plantulas. In: Aguiar, I.B., Pina-Rodrigues, F.C. M., Figliolia, M.B. Sementes florestais tropicais. Abrates, Brasilia, Brasil. p.175-213.

Pinheiro, C.U.B., Araujo-Neto, A. 1987. Descricao do processo germinativo de semente de babagu (Orbignya phalerata Mart.). EMAPA, Sao Luis, Brasil. 7 p. (Comunicado Tecnico, 14).

Pinheiro, C.V.B. 1986. Germinacao de sementes de palmeiras: revisao bibliografica. EMBRAPA/ UEPAE, Teresina, Brasil.101p.

Roberts, E.H. 1973. Predicting the storage life of seeds. Seed Science and Technology 1: 499-514.

Stringheta, A.C.O., Alves, E.A., Araujo, E.F., Cardoso, A.A. 2004. Secagem e armazenamento de sementes de palmeira real australiana (Archontophoenix alexandrae). Revista Brasileira de Armazenamento 29: 51-57.

Taveira, L.R. 1998. Caracterizacao morfologica do crescimento inicial e histologia de plantulas de carnaubeira (Copernicia prunifera Miller H. E. Moore). 56f. (Monografia)--Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, Brasil.

Tomlinson, P.B. 1961. Anatomy of the monocotyledons. In: Tomlinson, P.B. II Palmae. C.R. Metcalf, Oxford, UK. p. 308-311.

Tomlinson, P.B. 1990. The structural biology of palms. Clarendon Press, Oxford, UK. 460 p.

Vallilo, M.I., Crestana, C.S.M., Pimentel, S.A., Tavares, M., Kumagai, E.E., Garbelotti, M.L. 2004. Composicao quimica das sementes de Archontophoenix alexandrae H. Wendl. e Drude (ARECACEAE). Revista Arvore 28: 676-679.

Viana, F.A.P. 2003. Estudos sobre germinacao e morfo-anatomia do diasporo e da plantula de Livistona rotundifolia (Lam.) Mart. (Arecaceae). 76 f. (Dissertacao de Mestrado)--Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, Brasil.

Petterson Baptista da Luz (1) *, Kathia Fernandes Lopes Pivetta (2), Leonardo Grillo Neves (1), Severino de Paiva Sobrinho1, Marco Antonio Aparecido Barelli1

(1) Departamento de Agronomia, Universidade do Estado de Mato Grosso, Caceres, MT, Brasil

(2) Departamento de Producao Vegetal, Faculdade de Ciencias Agrarias e Veterinarias, Universidade Estadual Paulista, Jaboticabal, SP, Brasil

* Autor correspondente, e-mail: petterbaptista@yahoo.com.br.
COPYRIGHT 2012 Federal University of Piaui
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2012 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:da Luz, Petterson Baptista; Pivetta, Kathia Fernandes Lopes; Neves, Leonardo Grillo; de Paiva Sobrin
Publication:Comunicata Scientiae
Date:Dec 1, 2012
Words:2163
Previous Article:Assessing the mutagenic effects of gamma irradiation on Cajanus cajan (L.) Huth and Vigna unguiculata (L.) walp landraces using morphological...
Next Article:Pitahaya (Hylocereus spp.): a short review/Pitaya (Hylocereus spp.): uma revisao.

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |