Printer Friendly

MEMES ON THE INTERNET: TRAINING BETWEEN THE "ZOEIRA" OF STUDENTS AND THE APPROPRIATION OF THE GENDER DISCURSIVE IN SCHOOL/ MEMES NA INTERNET: ENTRELACAMENTOS ENTRE A "ZOEIRA" DE ESTUDANTES E A APROPRIACAO DO GENERO DISCURSIVO NA ESCOLA/ MEMES EN INTERNET: ENTRELECCIONES ENTRE LA "ZOEIRA" DE ESTUDIANTES Y LA APROPIACION DEL GENERO DISCURSIVO EN LA ESCUELA.

INTRODUCAO

A expressao "a internet nao perdoa" passou a integrar o jargao jornalistico nos ultimos anos. Em sintese, o conceito utilizado por reporteres e redatores faz referencia a diversos acontecimentos da vida social que, ao despertar interesse dos usuarios das redes sociais, se tornam objeto de critica, parodia, deboches e piadas. Sao incontaveis exemplos de como artistas, personalidades, politicos, atletas profissionais entre outras categorias, ao cometer algum deslize ou gafe, se tornam --em poucos minutos--personagens de memes. Podemos, a titulo ilustrativo, citar alguns casos emblematicos que circularam na imprensa no decorrer dos ultimos anos: "Internet nao perdoa e Temer e zoado em publicacao com cachorro", "Neymar muda o visual e a internet nao perdoa" e "Sandy se enrola ao cantar hit de Ivete Sangalo e internet nao perdoa" (2).

"Nao perdoar", no caso, suscita uma das marcas da interacao na web e que, na linguagem digital, se convem classificar como "zoeira sem limites". Zoar (3) e uma forma de, a partir de alguma informacao ou noticia que circula na internet, criar e compartilhar intervencoes comicas a respeito de um determinado tema. Sao, no geral, montagens e criacoes livres, que se manifestam em forma de meme.

Antes de avancarmos ao nosso estudo, e imperioso definir um conceito fundamental: marcado pelo discurso do entretenimento, dos prazeres rapidos e imediatos, os memes podem assumir uma dimensao de mero "oba-oba", sob a egide das superficialidades, que impedem uma compreensao mais aprofundada sobre o fenomeno. Num mundo marcado por injusticas sociais e agressoes simbolicas nas redes, tal perspectiva compromete o entendimento das implicacoes socioculturais das montagens e parodias no cotidiano da vida social. Nesse sentido, ao discutir esse assunto no universo da Educacao, nosso esforco e de problematizar o objeto de pesquisa, tendo como enfoque a compreensao do funcionamento interno dessa linguagem, suas variacoes e, sobretudo, o conceito de genero discursivo. Para alem de determinismos tecnologicos, como explica Lemos (2015), o objetivo e compreender e construir pontes para um relacionamento mais consciente e responsavel com as tecnologias. Nossa abordagem esta comprometida com a promocao da cidadania a partir da compreensao dos codigos e significados desses novissimos mecanismos comunicacionais. Isso nao significa, em contrapartida, desprezar um dos elementos centrais da linguagem dos memes: a zoeira. Pelo contrario, buscamos conceituar o que sao os deboches, as provocacoes e as montagens que buscam acionar o humor nas redes sociais.

Memes e zoeira se entrelacam e sao, mutuamente, elementos constitutivos do presente artigo. Trata-se de uma forma de participacao entre usuarios das redes sociais que, ao se valer da cultura de compartilhamento (LEMOS, 2015) e se apropriar de sistemas tecnicos e produtos culturais (RECUERO, 2014), criam e ressignificam conteudos--que podem ser imagens, videos, GIFs, noticias de portais da internet--a fim de produzir sentidos, sobretudo de ironia, deboche e brincadeira, como nos casos de Michel Temer, Neymar e Sandy, citados acima.

A "zoeira sem limites" esta em ampla circulacao nas redes sociais e, neste artigo, nos desperta um interesse particular: apropriados em larga escala pelos jovens estudantes, essa manifestacao cultural representa uma das principais expressoes narrativas da internet, tendo desdobramento em como os jovens constroem a percepcao de realidade. Conectar-se ao Facebook, Whatsapp, Instagram ou qualquer outro tipo de rede social implica quase que inevitavelmente na interacao com algum tipo de montagem ou piada feita em forma de meme. E, no Brasil, os numeros sao significativos: pelo menos 23 milhoes de jovens interagem com as redes sociais (CGI, 2016).

Isso significa que os conteudos, as mensagens e as parodias que circulam na web permeiam a cultura que jovens estao desenvolvendo no cotidiano. Iremos argumentar, neste artigo, que essa nova realidade comunicacional impoem desafios para o universo da educacao, afinal as redes digitais, na verdade, reorientam praticas e reconfiguram padroes de sociabilidade. Logo, ha no universo escolar novas formas de ser, conhecer, comunicar e produzir. Essa transformacao desloca a forma como o conhecimento e produzido e como os jovens estudantes se relacionam.

Nessa perspectiva, nosso referencial teorico atenta ao fato de ocorrer, hoje, no interior das escolas o cruzamento do universo infanto-juvenil com a cultura construida nas redes sociais por meio da circulacao das mensagens, parodias e montagens dos memes. Trata-se do reconhecimento que, mesmo proibidos ou nao inseridos no discurso escolar, as cadeias comunicativas acionadas pelos memes dinamizam o cotidiano de jovens estudantes. Ora, seja para provocar um amigo ou uma amiga no Whatsapp seja para referenciar uma situacao corriqueira no Facebook, os memes passaram a ocupar lugar de destaque nas sociabilidades e na linguagem presente na sala de aula. A nossa pesquisa revela, em diversos niveis, que as montagens da internet sao, em ultima instancia, parte integrante cultura construida pelos jovens. Com essa delimitacao, apresentaremos alguns dos resultados apreendidos na pesquisa de mestrado realizada com estudantes do ensino fundamental, na cidade de Sao Paulo, sobre como o fenomeno da "zoeira" dinamiza a interacao entre os pares. Tambem iremos definir, a partir dos dados coletados, o conceito de "genero discursivo meme" e como essa linguagem opera nas relacoes entre Comunicacao e Educacao--a Educomunicacao.

O nosso objetivo e, nos limites de um artigo, apresentar aspectos relevantes da pesquisa que demonstram como os memes estao relacionados a uma nova realidade comunicacional com implicacoes diretas para a rotina dos discentes.

1. A DEFINICAO DE MEME: AS REFERENCIAS TEORICAS ENTRE COMUNICACAO E EDUCACAO

A partir do trabalho de Richard Dawkins no livro o "O Gene Egoista", ha uma ideia amplamente difundida: os memes funcionam como replicadores da cultura (DAWKINS, 1976). Ou seja, sao unidades e imitacoes que se reproduzem nas redes sociais em forma de contagio viral. Evidentemente as ideias de Dawkins estao inseridas num contexto de debate sobre a evolucao das especies e nao temos pretensao de reduzir a obra do autor ou diminuir a importancia dos estudos sobre a replicacao da cultura. Buscamos apenas salientar alguns aspectos relevantes que nos ajudam na definicao do fenomeno meme.

Entre os principais topicos nos estudos de memetica (4), Dawkins (1976) elabora a expressao meme para, a partir do estudo da evolucao, argumentar que as ideias e a propria cultura circulam na sociedade como a propagacao dos genes humanos. Da reducao da palavra mimeme (que significa imitacao em grego), a intencao e ser semelhante a palavra gene para conceituar que, por meio de copias e imitacoes, pequenas unidades da cultura passam de pessoa para pessoa, carregando em seu interior percepcoes gerais da sociedade. Se, de um lado, os genes sao responsaveis pela formacao de nossas caracteristicas fisicas, por outro lado os memes sao responsaveis por manter vivos os aspectos culturais da convivencia humana. Nessa perspectiva, meme e aquilo que e imitado a fim de se reproduzir e proliferar (BLACKMORE, 2008).

Shifman (2014) argumenta que o referencial teorico calcado exclusivamente nos pressupostos de "O Gene Egoista" nao e suficiente para explicar a circulacao dos memes na sociedade contemporanea. Em nosso entendimento, a ideia de "replicador da cultura" ou a proposta de memes como "virus" da mente (DAWKINS, 1976) nao atendem a abrangencia do que esses artefatos se tornaram atualmente. A comunicacao preve interacao e trocas simbolicas dentro da trama cultural. Esta ideia nao e tao obvia quando pensamos que a comunicacao e comumente confundida com a midia, ou seja, com produtos midiaticos e seus respectivos instrumentos de emissao e recepcao. Na abordagem que propomos, que pressupoe a comunicacao dentro da cultura, numa relacao ecossistemica (CITELLI, 2004; MARTIN-BARBERO, 1997; BACEGGA, 2011), o substancial e compreender como os sujeitos (especificamente em nosso estudo, estudantes do ensino fundamental) se relacionam com os processos comunicacionais contemporaneos e com a teia de significados que emergem a partir das linguagens digitais.

O objetivo de trazer uma alternativa teorica aos estudos de memetica e demonstrar como os memes sao, na verdade, um fenomeno comunicacional, que se organiza em funcoes de linguagem e cadeias comunicativas. Isso significa que, com as montagens e a "zoeira sem limites", os memes atendem necessidades comunicativas dos usuarios da internet dentro da trama cultural contemporanea. Os generos discursivos permitem que os usuarios da lingua possam construir relacoes, funcionando de acordo com os contextos e as necessidades de operar a linguagem. Ou ainda:

Os diferentes enunciados orais ou escritos, produzidos pelos usuarios da lingua, constituem generos textuais. Exemplifica-se: telefonema, discurso, palestra, piada, bate-papo, romance, conto, cronica, artigo de opiniao, reportagem, editorial, conto popular, lenda, apologo e artigo de divulgacao cientifica. Bakthin coloca que "a diversidade desses generos deve-se ao fato de eles variarem conforme as circunstancias, a posicao social e o relacionamento pessoal dos parceiros (KOCHE & MARINELLO, 2015, p.9)

Como artefatos culturais construidos historicamente pelo ser humano (MARCUSHI, 2009), os generos surgem em razao das necessidades comunicativas dos individuos dentro da vida social. Os memes, nesse sentido, materializam as necessidades comunicativas do contexto historico-social ao qual pertencem: a sociedade contemporanea, altamente marcada pela comunicacao descentralizada e a dinamica dos mercados de consumo e das redes digitais. Foram as transformacoes economicas e sociais e tambem as inovacoes tecnologicas que permitiram a atual producao material e imaterial da atualidade, que permitem a circulacao de memes em diversas plataformas, como Facebook, Whatsapp e Intagram. Dantas (2002) explica que as redes e os sistemas de informacao foram construidos em comunhao com o desenvolvimento do capital. Logo, o sucesso dos memes nao e obra do acaso: temos no mundo contemporaneo uma nova forma de produzir e comunicar influenciada pelo tempo acelerado e dinamico dos mercados. Os memes sao uma das principais expressoes narrativas desse movimento: com montagens simples, recortes feitos com uma estetica amadora, os memes produzem sentidos rapidos e dinamicos, prontos para serem esquecidos em poucos minutos. As montagens tambem nao exigem alto padrao de qualidade ou geram preocupacoes pela repercussao estetica: os memes sao montagens feitas com textos e imagens, interdiscursivas, que referenciam situacoes do cotidiano, celebridades de televisao, radio, web e assim por diante. Essa e a imbricacao que nos permite a definicao do genero discursivo meme:

Ja se tornou trivial a ideia de que os generos textuais sao fenomenos historicos, profundamente vinculados a vida cultural e social. Fruto de trabalho coletivo, os generos contribuem para ordenar e estabilizar as atividades comunicativas do dia-a-dia.Sao entidades socio-discursivas e formas de acao social incontornaveis em qualquer situacao comunicativa. No entanto, mesmo apresentando alto poder preditivo e interpretativo das acoes humanas em qualquer contexto discursivo, os generos nao sao instrumentos estanques e enrijecedores da acao criativa. Caracterizam-se como eventos textuais altamente maleaveis. dinamicos e plasticos. Surgem emparelhados a necessidades e atividades socioculturais, bem como na relacao com inovacoes tecnologicas, o que e facilmente perceptivel ao se considerar a quantidade de generos textuais hoje existentes em relacao a sociedades anteriores a comunicacao escrita. (MARCUSCHI, 2009).

Operar a linguagem pressupoe a escolha de generos para interacao com os pares. Por exemplo, nas redes sociais, os jovens se negam, muitas vezes, a utilizar o mecanismo do textao (5). Como as redes sociais operam sob o imperativo da pressa, da alta velocidade, ha pouco espaco e paciencia para enunciados longos e reflexivos. Essa e a razao dos jogos rapidos e dinamicos dos memes, organizados em micronarrativas, acionarem os sentidos necessarios para atender a demanda dos usuarios da internet.

Ao trazer essa perspectiva dos generos discursivos para o interior do universo da Educacao e ao acionar o conceito de Educomunicacao, consideramos a centralidade que a midia ocupa atualmente nas dinamicas formativas, nas relacoes entre estudantes e professores e, sem duvida, na formacao intelectual dos alunos. Com as possibilidades de comunicacao organizadas em redes rizomaticas (SHIRKY, 2012), faz mais sentido pensar a entrada da midia nos espacos educativos a partir do conceito de ecossistema comunicativo (MARTIN-BARBERO, 1997). Este pressupoe que a midia funciona como agencia de socializacao, sendo decisiva para a forma como nos relacionamos com o mundo. Assim, ao tratar de como os estudantes se relacionam com os memes, nossa preocupacao teorica e investigar as tensoes e as cadeias comunicativas do genero meme e, consequentemente, como os bens simbolicos que circulam nas redes sociais tem desdobramentos nas sociabilidades de alunos e alunas. Ou ainda:

A comunicacao transformou-se em dimensao estrategica para o entendimento da producao, circulacao e recepcao dos bens simbolicos, dos conjuntos representativos, dos impactos materiais--afinal estamos falando, tambem, de uma industria que faz computadores, vende celulares, televisores de alta definicao etc. Tal conjunto de sistemas e processos esta provocando profundas transformacoes sociais, de algum modo promovendo impactos diretamente na vida dos homens e mulheres do nosso tempo, quer velando, quer revelando ou desvelando informacoes e conhecimentos. A totalidade desses circuitos de retroalimentacao envolvendo desde o plano da producao material, passando pelas estrategias de composicao e circulacao das mensagens, chegando aos jogos coenunciativos, podemos chamar de ecossistema comunicativo --conceito utilizado, em sentido proximo, por autores como Mario Kaplun, Jesus Martin-Barbero, Pierre Levy, Adilson Citelli e Ismar Soares. (CITELLI, 2011, pg.62)

Nessa perspectiva, o foco de reconhecer os memes como um genero discursivo esta na construcao de identidades e nas ressignificacoes dos conteudos feitas pelos estudantes nas redes sociais. Foi nesse sentido que realizamos uma investigacao de campo, que teve como objetivo central observar, descrever e analisar os sentidos atribuidos por estudantes do ensino fundamental aos memes. Em termos de redes sociais, outra possibilidade analitica e violencia empregada na internet por meio de memes. No presente artigo nao exploraremos essa fronteira, porem, pensando no contexto das interacoes em rede, sobretudo pela alta frequencia da utilizacao da internet, e possivel afirmar que os jovens estao imersos em cultura altamente influenciada por bullying digital, vazamentos de fotos intimas e boatos disseminados nas redes sociais (CALIXTO, 2017). A propria dimensao politica, as reducoes, apropriacoes e transgressoes da norma culta para provocar o riso, sao elementos constitutivos dos memes e merecem uma atencao analitica, como propoe Lulkin (2007). No entanto, mesmo que num exercicio de sintese, e sobre o genero discursivo que buscamos estruturar a nossa analise.

2. A PESQUISA SOBRE MEMES: QUESTOES METODOLOGICAS

Na investigacao de campo, foram organizados dois grupos de referencia, formados por nove discentes integrantes da Radio JMS (projeto educomunicativo da EMEF Julio Marcondes Salgado) e nove discentes que nao participam do referido projeto. Com o numero reduzido de participantes, nao foi possivel apresentar generalizacoes a partir da interpretacao dos dados coletados. Portanto, a amostragem e de representatividade social (nao-estatistica) (LOPES, 2005). Em termos metodologicos, adotamos o modelo proposto por Lopes (2005). Essa opcao tem como objetivo desenvolver uma construcao metodologica constante que, a partir do referencial teorico, orienta as estrategias conforme a construcao do objeto. Como, em termos de coleta de dados, as pesquisas sobre memes ainda sao recentes, carecendo de reflexoes criticas no ambito da Comunicacao, com Lopes (2005), tivemos instrumentos de pesquisa que permitiram uma estrategia aberta e sempre pronta para adequacoes. A fim de construir dados significativos a analise qualitativa a partir da amostragem no qual trabalhamos, cruzamos tres instrumentos para levantar os dados capazes de oferecer elementos analiticos ao nosso objeto de pesquisa, a saber:

(a) a observacao direta, realizada na sala de informatica da EMEF Julio Marcondes Salgado, com dois grupos de alunos. Esse metodo foi traduzido em fichas de observacao dos quatro encontros e tambem com gravacoes feitas em video da interacao dos estudantes com os memes. Alem disso, tambem como parte da observacao, realizamos entrevistas informais, uma vez que perguntas eram feitas enquanto os estudantes interagiram com os memes nos computadores da escola. Os depoimentos tambem foram registrados nas fichas de observacao e nos videos; (b) sistematizacao dos memes coletados pelos estudantes durante a realizacao da pesquisa na sala de informatica; (c) e, como forma de encerramento dos encontros feitos com os estudantes, realizamos uma Roda de Conversa com o objetivo de discutir, a partir da propria perspectiva dos jovens, as percepcoes e os significados que eles atribuem ao memes;

Foi na integracao dos procedimentos (a, b e c) que os dados para realizar sistematizacoes, comentarios e interpretacoes foram obtidos. Consequentemente, na etapa posterior ja com a sistematizacao dos dados realizada, foi feita a categorizacao de generos e subgeneros que constatamos nas dinamicas relacionadas aos memes. No processo de investigacao, decidimos nao utilizarmos os metodos de Analise de Redes Sociais (RECUERO, 2014). A partir das preocupacoes relacionadas aos conceitos de genero discursivo e ecossistema comunicativo, preferimos focalizar os depoimentos e a observacao dos jovens interagindo com as redes sociais. Como constatamos nas entrevistas iniciais da pesquisa, estudantes do Ensino Fundamental II tem alta familiaridade com a linguagem da internet, o que garantiu densidade na interlocucao com participantes da investigacao. Assim, no processo de sistematizacao e analise dos dados coletados tivemos como objetivo, a partir da abordagem qualitativa, dar ordem as recorrencias mais frequentes e os jogos de linguagem estipuladas entre os estudantes.

3. ANALISE DO MATERIAL COLETADO: OS SENTIDOS ATRIBUIDOS AOS MEMES

A dinamica metodologica, deliberadamente sintetizada pelo espaco deste artigo, nos permitiu chegar a tres categorias de analise sobre o genero discursivo meme: cotidiano, afetos e zoeira. Para criar as tres categorias partimos da premissa que, a partir de referencial teorico articulado com os procedimentos metodologicos, recorrencias, concentracoes e similaridades podem ser entendidas como um criterio. Entre os dados coletados, nao buscamos sistematizacoes numericas--como, por exemplo, quantas vezes um meme foi mencionado--, mas sim os fatos de significacao, ou seja, ocorrencias capazes de nos dar elementos de analise sobre Educomunicacao, cibercultura e o "genero discursivo meme". Passamos a apresentar os resultados das categorias (6):

3.1 Os memes do cotidiano

Com o material obtido a partir da investigacao, pudemos identificar, a partir do trabalho de sistematizacao dos dados, que os estudantes utilizam expressoes tipicas da linguagem dos memes para dialogar entre os pares sobre situacoes do cotidiano. Uma expressao muito utilizada chamou a atencao nos depoimentos colhidos junto aos estudantes: "esse meme e muito a minha vida". Citacoes semelhantes a esta tambem foram recorrentes, como, por exemplo, "isso ja aconteceu comigo", "isso acontece o tempo todo na escola", "minha mae, irma, pai, irmao fazem isso". Os memes coletados que faziam referencia a essas expressoes remetiam as dinamicas do dia-dia, da escola, dos amigos, da familia e assim por diante. Como explica Shifman (2014), os memes podem ser vistos como uma especie de folclore moderno, justamente por sintetizar acontecimentos e dinamicas das cidades e do cotidiano. Muitos dos memes apontados pelos estudantes se interrelacionavam com essa perspectiva. Para evidenciar a categoria de "cotidiano", selecionamos um meme compartilhado por um estudante participante da pesquisa e o respectivo depoimento atribuido a esse meme.

Esse meme e muito a minha vida. Minha mae olha pra mim e ja me manda trabalhar, depoimento registrado na investigacao de campo da estudante ao nos mostrar a Imagem 1, meme do Chapolin.

Os memes e o consequente depoimento da estudante entrevistada evidenciam como as dinamicas do dia-a-dia sao expressas nas montagens. Ora, devemos considerar que a linguagem cumpre certas funcoes. Logo, assume-se que "uma serie de mecanismos e acionada--de forma mais ou menos consciente--pelos usuarios, com a finalidade de construir teses, elaborar ideias, assumir pontos de vista e rechacar preconceitos" (CITELLI, 1994, p. 8). Nesse sentido, podemos definir que uma das funcoes dos memes e elaborar e narrar relacoes e peripecias do cotidiano.

Ou seja, e por meio das montagens e remodelagens que os memes constituem micronarrativas que operam as representacoes e as producoes de sentido sobre o desenrolar das atividades cotidianas. Devemos pontuar, em contrapartida, que os memes nao servem apenas para transmitir pensamentos ou para se reproduzir atraves dos seus replicadores, como discutimos na obra de Dawkins. Pelo contrario: e na dialetica entre pensamento e linguagem, como uma unidade hibrida, que a producao de sentido e acionada. Alguns outros depoimentos colhidos juntos aos estudantes participantes da pesquisa indicam essa dimensao:

Sempre tem um meme para falar dessas coisas que acontecem na escola. Intervalo, professor bravo, gente colando na prova. Depoimento 1.

E os memes da vida real. Tem uma pagina so sobre isso. So de zoeira que acontece na vida. Quando voce ta em casa, ta jogando video-game, quer falar com os amigos. Depoimento 2.

Os memes que eu mais gosto e quando serve para mandar para alguem da escola. Para alguem que precisa ver umas verdades. Depoimento 3.

3.2 Memes dos afetos

Constatamos que os memes cumpriam uma funcao de dinamizar as relacoes estabelecidas entre os estudantes entrevistados. Jogos de paquera, amizades e inimizades com colegas, tensoes e paixoes com a familia e outras manifestacoes do genero ocorreram nos depoimentos e nos sentidos atribuidos aos memes. Concluimos que os memes carregam nao apenas juncoes de textos, videos e imagens, mas sim sistemas imageticos, montagens que unem movimentos, sons, cores e assim por diante. Memes fazem referencia a programas de TV, seriados da internet, partidas de futebol, games, a vida das celebridades, sucessos e fracassos da vida cotidiana e uma serie de outras expressoes. Logo, podemos dizer, sao diversos elementos afetivos, jogos de projecao e identificacao e emocoes associadas ao dia a dia que circulam nas mensagens. Ou seja, e na integracao de movimentos, cores, imagens e sons que as ideias e as representacoes que circulam pelos memes sao dinamizadas. Como consequencia, existe uma dimensao afetiva acionada pelos estudantes ao interagir com os memes.

Elementos capazes de mobilizar afetos perpassam todos os memes e, por isso, tratamos as categorias de analise a partir do conceito de dominancia. Ou seja, cotidiano, afetos e zoeira mantem entre si relacao de dialogo, tendo em um meme especifico a prevalencia de um elemento em relacao ao outro. Na categoria de afetos, gostariamos de enfatizar que os estudantes se valem dessa funcao de mobilizar afetos nos memes para se relacionar com os pares. Vejamos um exemplo, seguido de um depoimento do estudante, que demonstra como constamos essa perspectiva na investigacao de campo:

A vida ta assim agora, tem muitas falsianes, mas crush que e bom, nada. Depoimento 4

Podemos notar que a inter-relacao do meme com o depoimento faz referencia aos atritos, as emocoes e as tensoes que compoem o cotidiano dos jovens. Quando pensamos na alta intensidade de utilizacao das redes sociais pelos entrevistados, nao e obra do acaso que as relacoes entre eles sejam dinamizadas pelas mensagens e provocacoes dos memes. Entre os 18 estudantes de nossa amostragem, 7 declararam usar as redes sociais a cada 10 minutos. Outros 8 pelo menos uma vez a cada hora. Logo, devemos levar em consideracao que se relacionar nas redes sociais e uma constante. Como consequencia, a dimensao afetiva, de interacao com amigos e amigas, e feita de forma hibrida com a linguagem digital. Muitas vezes, mesmo que estejam proximos fisicamente, e nas redes sociais que eles se comunicam, trocam mensagens e vivenciam as experiencias cotidianas, como, por exemplo, indiretas no Facebook, ciumes da melhor amiga, predominancia de falsianes (7) em detrimento dos crushes (8) e assim por diante.

3.3 Memes da zoeira

Podemos categorizar: os estudantes entrev'stados reconhecem nos memes o principal produto daquilo que eles classificam como "zoeira". Vejamos um exemplo e depoimento que nos permitem compreender as representacoes que circundam o assunto.

Miga, sua loca, se acalme. Nao precisa ficar estressada. E muito engracado.

Depoimento 5.

Em termos de linguagem, Possenti (2014) explica que ha diversas formas de acionar o humor. Repeticoes, exageros e, sobretudo, surpresas sequenciais, ou seja, fatos que desestabilizam um final esperado ou tenham capacidade de romper com a logica, sao tipicos das narrativas comicas. Para o autor de Humor, lingua e discurso, e possivel provocar o riso tanto pela tecnica quanto pelo sentido, o que significa que, a depender da intencao, varios elementos podem desencadear os efeitos necessarios para ativar o comico. No entanto, e nas referencias aos paradoxos e as controversias da vida que o humor geralmente acontece. Os temas que causam desconforto ou surpresa, sobretudo se "as controversias que se tornaram mais ou menos populares e algum dos aspectos relacionados ao tema foi estereotipado" (POSSENTI, 2014, p. 51), sao fontes inesgotaveis de piada, pois podem produzir sentido a partir de polemicas e tabus.

No mundo contemporaneo, a busca pelos prazeres imediatos, pela seducao e o divertimento e uma marca estrutural da navegacao nas redes sociais. Em detrimento dos textoes e de expressoes narrativas que exigem maior elaboracao, o humor emerge como potencia de circulacao nas redes: eles atendem rapidamente os anseios dos usuarios da internet. A desobrigacao com certos "esforcos" intelectuais, como explica Possenti (2014), e elemento fundamental para o comico. A velocidade de compartilhamentos e a propria configuracao das redes.

Durante a investigacao de campo era evidente a empolgacao dos estudantes para "praticar a zoeira". Ao suscitar--no titulo do artigo--a expressao zoeira, chamamos atencao a uma das facetas dessa nova forma de se relacionar no mundo, onde o humor permite intervencoes sobre o cotidiano, conforme a imagem acima demonstra.

4. CONCLUSAO

A partir da investigacao de campo e da analise sobre as categorias de cotidiano, afetos e zoeira, elaboramos a definicao do genero meme: em termos de tipologia textual, memes relatam situacoes, fatos e expressoes a partir de montagens e jogos de linguagem construidos nas redes sociais. Com referencias intertextuais e interdiscursivas aos produtos midiaticos que circulam no ciberespaco, os memes sao narrativas que materializam--em micronarrativas--os enunciados formados por composicoes visuais-verbais, cuja finalidade e a interacao com os pares. Nesse sentido, com personagens reais (como celebridades e atletas profissionais) ou imaginarios (como animais de estimacao que dialogam com humanos), os memes ocorrem de acordo com as cadeias comunicativas que os usuarios da internet buscam ativar.

Apropriados em larga escala, os memes sintetizam o momento historico-social em que a comunicacao passou a ocupar papel decisivo em termos de producao, circulacao e recepcao dos bens simbolicos. Nesse aspecto, ha uma nova dimensao da acao comunicativa--organizada em redes rizomaticas --, que impoe desafios a diversos setores da sociedade. A presente dissertacao se concentrou em um locus especifico: o universo da escola, a partir do olhar de estudantes do ensino fundamental.

Com essas definicoes, a pesquisa de mestrado aponta o complexo territorio de transformacoes que marcam o cotidiano juvenil. Nos entrelacamentos entre Educomunicacao e a "zoeira", demonstramos como novas modalidades de comunicacao fazem parte da rotina dos discentes, forjando sociabilidades e os modos de compreensao da realidade. Foi possivel deduzir que ha nos memes funcoes que se articulam com o intuito de narrar e representar o cotidiano, assim como dinamizar jogos de paquera, amizades e inimizades entre outras possibilidades. Verificamos tambem que a zoeira e um dos elementos centrais nas brincadeiras no interior da

Compreender como funciona um meme, em ultima instancia, constitui um passo significativo para construir pontes e interlocucoes com os discentes. Ha nos dias atuais, como apresentamos no decorrer da pesquisa, novos codigos e formas de organizacao da linguagem, que evidencia como alunos e alunas constroem expressoes comunicativas sob sigla diferente das "tradicionais". "Miga, sua loka", "como voce e burro, cara", "crush", "falsiane" e tantos outros exemplos mostram que ha, de fato, uma nova maneira de se relacionar com o mundo pouco compreendida pelo universo adulto. Sem pretensoes generalizantes, acredito que a pesquisa de mestrado, mesmo que modestamente, conseguiu respostas sobre esse universo tao pouco compreendido enquanto fenomeno comunicacional.

REFERENCIAS

BACCEGA, Maria. Comunicacao/educacao e a construcao de nova variavel historica. In: Educomunicacao: construindo uma nova area do conhecimento. CITELLI, Adilson ; Costa, Maria. (org.). Sao Paulo: Paulinas, 2011.

BLACKMORE, Susan. Susan Blackmore sobre memes e "temes". TEDTalks, publicado em fev. de 2008. Disponivel em: < https://www.ted.com/talks/susan_blackmore_on_memes_and_temes?language=p t-br>. Acesso em 15 de dez. de 2016.

CALIXTO, D. Memes na internet: entrelacamento entre Educomunicacao, cibercultura e a 'zoeira' de estudantes nas redes sociais. Sao Paulo: USP, 2017, 220 f. Dissertacao (Mestrado em Ciencias da Comunicacao)--Programa de Pos-Graduacao em Ciencias da Comunicacao, area de concentracao: Interfaces Sociais. Linha de Pesquisa: Comunicacao e Educacao, USP, Sao Paulo, 2017..

CITELLI, Adilson. O texto argumentativo. Sao Paulo: Scipione, 1994.

CITELLI, Adilson. Comunicacao e Educacao: a linguagem em movimento. 3a edicao, Sao Paulo: Senac Sao Paulo, 2004.

CITELLI, Adilson. Comunicacao e educacao: implicacoes contemporaneas. In: Educomunicacao: construindo uma nova area do conhecimento. CITELLI, A.; Costa, M. (org.). Sao Paulo: Paulinas, 2011.

COMITE GESTOR DA INTERNET NO BRASIL. Pesquisa TIC KIDS ONLINE 2016. Sao Paulo: GCI.br, 2016. Disponivel em: < http://cetic.br/pesquisa/kids-online/>

DANTAS, Marcos. A logica do capital-informacao: a fragmentacao dos monopolios e a monopolizacao dos fragmentos num mundo de comunicacoes globais. 2a edicao. Rio de Janeiro: Contraponto, 2002.

DAWKINS, Richard. O gene egoista. Le Livros, PDF Online, 1976. Disponivel em: <https://goo.gl/PrJrb9>. Acesso em 10 fev. 2016.

KOCHE, Vanilda; MARINELLO, Adiane. Generos textuais: praticas de leitura escrita e analise linguistica. Petropolis: Vozes, 2015.

LEMOS, Andre. Cibercultura: tecnologia e vida social na cultura contemporanea. 7a edicao. Porto Alegre: Sulina, 2015.

LOPES, Maria. Pesquisa em Comunicacao. Sao Paulo, Edicoes Loyola: Sao Paulo, 2005.

LULKIN, Sergio Andres. O riso nas brechas do siso. Porto Alegre: UFRGS, 2007, 184 f. Tese (Doutorado em Educacao)--Programa de Pos-Graduacao em Educacao, UFRGS, Porto Alegre, 2007.

MARCUSCHI, L. A. Generos Textuais: Definicao e Funcionalidade. In: Generos Textuais: Constituicao e Praticas. Cortez Online, 2009. Disponivel em: <https://goo.gl/UsxD85>. Acesso em 10 de jul. de 2017.

MARTIN-BARBERO, Jesus. Dos meios as mediacoes: comunicacao, cultura e hegemonia. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1997.

POSSENTI, Sirio. Humor, lingua e discurso. Sao Paulo: Contexto, 2014.

RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. 2a edicao, Porto Alegre: Sulina, 2014.

SHIFMAN, L. Memes in Digital Culture. Londres, Inglaterra: The MIT PRESS, 2014.

SHIRKY, C. La vem todo mundo: o poder de organizar sem organizacoes. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

DOI: 10.12957/penfena.2019.36457

Douglas de Oliveira Calixto (1)

Universidade de Sao Paulo

(1) Jornalista especializado em Comunicacao e Educacao. Mestrado em Ciencias da Comunicacao (ECA-USP). Integra o grupo de pesquisa MECOM (Mediacoes Educomunicativas), coordenado pelo prof. titular da ECA-USP Adilson Citelli. Idealizador do projeto Labeducom. E-mail: dcalixto@usp.br

(2) As tres reportagens em questao apresentam a acao conjunta de usuarios da internet para debochar, respectivamente, do presidente Michel Temer, do jogador de futebol Neymar e da cantora Sandy. Trata-se de publicacoes que circularam amplamente nas redes sociais e sao encontradas facilmente com uma pesquisa simples no Google com o disparador "internet nao perdoa".

(3) Na classificacao dicionarizada (3), a palavra feminina zoeira exprime--entre outros topicos que nao servem para nossa classificacao, como, por exemplo, quando remetem aos sons produzidos por insetos --(1) "aquilo que se faz com a intencao de ser engracado, de provocar risos"; (2) "desordem; excesso de alvoroco; falta de ordem"; (3) "acao ou efeito de zoar; zoada"; (4) "Gritaria, som que nao se consegue distinguir". "Zoar", nesse sentido, designa as interacoes que buscam provocar, ironizar, brincar ou parodiar situacoes do cotidiano por meio de memes e outros generos discursivos das redes sociais.

(4) Em sintese, o conceito de memetica faz referencia a pesquisadores e pesquisadores que utilizam a obra de Dawkins para investigar atributos gerais da circulacao dos memes na sociedade, como, por exemplo, as categorias de longevidade, fecundidade e fidelidade de copia. De maneira geral, os estudos de memetica apontam que as percepcoes culturais que circulam na sociedade sao definidas pela selecao natural, ou seja, so sucedem aqueles que conseguem se adaptar as condicoes e evoluir. Trata-se de uma comparacao ao funcionamento dos genes humanos que, em diversos niveis e diferentes perspectivas teoricas, busca estudar as razoes para determinadas ideias e gostos se

(5) A expressao textao remete aos enunciados produzidos nas redes sociais que ultrapassam um limite de caracteres "tolerados" pelos usuarios da internet. Ou seja, quando um texto excede um padrao de rapidez e alta sintese, ele e classificado como "textao". Tanto e que algumas publicacoes das redes sociais, antes mesmo do titulo, sao acompanhadas da expressao "Alerta de Textao" para que todos saibam que alguem esta irrompendo com as tradicionais publicacoes e ira apresentar algo de maior extensao. Os textoes, na linguagem digital, geralmente sao associados as narrativas chatas ou que exigem um grau de atencao mais alto que a efemeridade dos memes

(6) Na dissertacao "Memes na internet: entrelacamentos entre educomunicacao, cibercultura e a 'zoeira' de estudantes nas redes sociais", a metodologia de pesquisa e explicada em detalhes a partir da construcao teorica feita sobre os memes e a inter-relacao Comunicacao e Educacao. A fim de reservarmos um espaco para a apresentacao dos resultados, tivemos que apresentar uma sintese do que foi feito. A integra da dissertacao pode ser acessada no banco de dissertacoes e teses da USP. Disponivel em: < http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27154/tde-01112017-102256/pt-br.php>

(7) Extremamente popular nas redes sociais, o termo falsiane e empregado para se referir as pessoas que sao falsas ou tem uma conduta duvidosa. Como demonstram os depoimentos dos entrevistados de nossa pesquisa, falsianes sao geralmente identificados como pessoas que costumam "falar nas costas" e terem atitudes dubias e, sobretudo, mentirosas. Assim como falsiane, escrotiane, otariane, obesiane e outros designativos terminados em "iane" fazem parte do vocabulario de criacoes livres das redes sociais.

(8) Nas redes sociais, crush e uma pessoa que se deseja paquerar ou que ja se esteja paquerando. No caso da paquera se converter em encontro, beijo ou algo do genero, nao trata-se mais de crush, mas sim "date", na acepcao semelhante a lingua inglesa.

Caption: Imagem 1--Meme selecionado por estudante do ensino fundamental durante pesquisa de campo Fonte: Facebook (2016). Legenda: Meme retirado da pagina "Chapolin Sincero" por uma das participantes da pesquisa. Na montagem, o personagem Chapolin--que e muito popular na linguagem dos memes--ironiza as frequentes cobrancas das maes para que tarefas sejam realizadas.

Caption: Imagem 2--Meme selecionado durante a investigacao de campo Fonte: Facebook (2016). Legenda: A imagem remete a personagem Carminha, interpretada por Adriana Esteves na novela da Rede Globo "Avenida Brasil". Carminha e popular na linguagem dos memes e frequentemente utilizada para montagens na internet.

Caption: Imagem 31--Meme selecionado durante a investigacao de campo Fonte: Facebook (2016). Legenda: A expressao "miga, sua loca" e extremamente popular nas redes sociais. Na imagem, ao usar a expressao "siacalme", e possivel notar uma pratica comum na rede: criacao de neologismos e criacoes livres.
COPYRIGHT 2019 Universidade do Estado do Rio de Janeiro- Uerj
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Oliveira Calixto, Douglas
Publication:Periferia
Date:May 1, 2019
Words:5627
Previous Article:MEMES AND THE COUP D'ETAT/OS MEMES E O GOLPE/LOS MEMES Y EL GOLPE.
Next Article:'BRACE YOURSELVES, THE ZUERA IS COMING': MEMES, DIGITAL MEDIA LITERACY AND CREATIVE APPROPRIATION OF GAME OF THRONES FANS ON FACEBOOK/'BRACE...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters