Printer Friendly

Longitudinal study of the anatomical characteristics of the lingual frenulum and comparison to literature/Estudo longitudinal das caracteristicas anatomicas do frenulo lingual comparado com afirmacoes da literatura.

* INTRODUCAO

Poucos estudos descrevem as variacoes anatomicas do frenulo da lingua, havendo uma controversia muito grande entre os diferentes profissionais da area da saude. Esta divergencia de opinioes pode causar prejuizo ao paciente, que muitas vezes nao tera um diagnostico conclusivo e consequentemente, um tratamento adequado.

A literatura refere que o frenulo, no recem-nascido, se posiciona desde o apice da lingua ate a base do processo alveolar mandibular, e na medida em que ocorre o desenvolvimento e crescimento osseo, ele migra para sua posicao central, na face inferior da lingua, para ocupar sua posicao definitive [1,2]. Relata ainda que durante o crescimento, o frenulo pode alongar ou ate sofrer uma ruptura espontanea, e que, portanto, o diagnostico da alteracao nao deve ser realizado antes de 5 anos [3-5]. Descreve tambem que, no recem-nascido, o frenulo lingual se apresenta hipertrofico e e responsavel pela escassa movimentacao da lingua, sofrendo progressivamente, durante o desenvolvimento, fenomenos de atrofia, permitindo maior mobilidade da lingua [6]. Existem relatos ainda, que afirmam que a gravidade e as alteracoes funcionais presentes ao nascimento tendem a diminuir com o tempo e com o crescimento, pois durante os primeiros 5 anos de vida, a cavidade oral sofre modificacoes significativas em tamanho e forma, podendo o frenulo lingual esticar e romper, reduzindo as restricoes iniciais do movimento da lingua e assim, diminuindo a gravidade [7]. Foi encontrado na literatura que a boca do bebe possui uma pequena membrana que se estende da lingua a face interna da mandibula.

Tal membrana mantem a lingua em posicao correta durante a amamentacao. Apos alguns dias de desenvolvimento da crianca, a membrana transforma-se no frenulo lingual e modifica a sua fixacao. Desse modo, a crianca sera capaz de esticar a lingua para frente. Em alguns casos, a membrana torna-se mais espessa e curta e a ponta da lingua fica presa, determinando a anquiloglossia [8-10].

Entretanto, o que encontramos na literatura nao corresponde ao que e observado no acompanhamento de bebes durante seu desenvolvimento. Nao foram encontrados estudos que tenham realizado acompanhamento longitudinal do desenvolvimento do frenulo lingual durante o primeiro ano de vida.

Recentemente, estudos referem que as variacoes anatomicas do frenulo da lingua acontecem porque uma pequena porcao de tecido, que nao sofreu apoptose durante o desenvolvimento embrionario, permanece na face sublingual da lingua, podendo ou nao restringir seus movimentos [11-13]. A partir dessa visao pode-se compreender a razao da grande variacao dos frenulos linguais.

Estudos recentes afirmam que a espessura e a fixacao do frenulo na lingua e no assoalho da boca nao se modificam durante os seis primeiros meses de vida [14]. Estudos histologicos demonstram que o frenulo lingual nao se rompe, nem se alonga, pois sua estrutura histologica nao permite que isso ocorra [15].

O objetivo desse estudo foi avaliar caracteristicas anatomicas do frenulo lingual, normal ou alterado, em bebes no 1, no 6 e no 12 mes de vida, comparando as possiveis modificacoes ocorridas com o que e apontado na literatura.

* METODOS

Foi realizado um estudo longitudinal do qual participaram 71 bebes, de ambos os generos. Foram incluidos nessa pesquisa, bebes nascidos a termo. Os criterios de exclusao considerados foram prematuridade, presenca de anomalias craniofaciais e sindromes geneticas visiveis.

O exame clinico foi realizado por uma fonoaudiologa, por meio da inspecao visual do frenulo no primeiro, no sexto e no decimo segundo mes de vida, sendo registrado com filmagens, utilizando para avaliacao o protocolo proposto por Martinelli et al 201216.

Posteriormente, os videos foram analisados separadamente por duas fonoaudiologas especialistas em motricidade orofacial, com experiencia em avaliacao do frenulo lingual, considerando os seguintes aspectos anatomicos do frenulo: espessura, fixacao na lingua e fixacao no assoalho da boca. Quanto a espessura, o frenulo foi classificado como delgado ou espesso. Com relacao a fixacao do frenulo na face ventral da lingua foi observado se a mesma ocorria no terco medio, entre o terco medio e o apice ou no apice. Quanto a fixacao no assoalho da boca, foi verificado se era visivel a partir das carunculas sublinguais ou a partir da crista alveolar inferior. Todos os aspectos avaliados foram comparados com o que a literatura afirma.

Este estudo foi aprovado pelo Comite de Etica em Pesquisa do CEFAC Saude e Educacao, sob o numero 019-10.

* RESULTADOS

Dos 71 bebes, 16 (22,5%) foram diagnosticados com alteracao de frenulo e imediatamente encaminhados para frenotomia, porem esse procedimento nao foi realizado ate os 12 meses de vida, pois estavam aguardando agendamento do servico responsavel pela cirurgia ou porque os pais demoraram para procurar o agendamento.

Dos 71 bebes, 51 apresentaram frenulo com a espessura delgada e 20 espessa. 40 bebes apresentaram a fixacao no terco medio da lingua, 27 entre o apice e o terco medio da lingua e 4 no apice. Com relacao a fixacao no assoalho da boca, 42 bebes apresentaram fixacao na crista alveolar e 29 entre as carunculas sublinguais, conforme demonstrado na Tabela 1.

A figura 1 mostra a comparacao dos aspectos anatomicos dos 71 frenulos linguais no 1, no 6 e no 12 mes de vida, evidenciando que nao ocorreram modificacoes quanto a espessura, fixacao na lingua e fixacao no assoalho da boca.

[FIGURE 1 OMITTED]

Contrapondo-se a literatura, observou-se que no primeiro ano de vida as seguintes caracteristicas anatomicas nao se modificaram quanto a espessura [3-10]; fixacao do frenulo na lingua e fixacao do frenulo no assoalho da boca [12] (Figura 2).

* DISCUSSAO

Devido a ausencia de estudos longitudinais descrevendo as possiveis alteracoes do frenulo da lingua durante o primeiro ano de vida, as informacoes da literatura sao controversas e nao baseadas em evidencias [1,10].

Estudos recentes referem que as variacoes anatomicas do frenulo da lingua acontecem porque uma porcao de tecido que nao sofreu apoptose durante o desenvolvimento embrionario, permanece na face sublingual da lingua, podendo ou nao restringir seus movimentos [11-13]. Com a restricao dos movimentos da lingua, causada por alteracoes do frenulo lingual, as funcoes orofaciais de succao, degluticao, mastigacao e fala podem ficar comprometidas.

Varios autores citam as alteracoes do frenulo lingual como uma das possiveis causas de dificuldades de amamentacao e sugerem a realizacao da frenotomia imediata [11,15-28], se contrapondo a outros estudos que sugerem que o frenulo lingual pode se modificar ate os cinco anos de idade, nao sendo necessaria nenhuma intervencao antes dessa idade [1-10].

Nesse estudo longitudinal foi observado que os 71 frenulos linguais diagnosticados como normais ou alterados [16], nao se modificaram no primeiro ano de vida quanto a espessura e fixacao, tanto na lingua como no assoalho da boca. A partir dos resultados desse estudo, e possivel inferir que, se o frenulo lingual nao se modificou com o crescimento e desenvolvimento ate o primeiro ano de vida, provavelmente nao apresentara modificacoes nos anos seguintes. Portanto, esperar ate 5 anos de idade para fazer o diagnostico das alteracoes do frenulo lingual e definir conduta, como sugerido na literatura, podera comprometer a amamentacao e o desenvolvimento das funcoes orofaciais.

Estudos longitudinais que possam verificar a ocorrencia de possiveis modificacoes do frenulo lingual de criancas ate os cinco anos de idade poderao trazer novos dados que confirmarao os achados desse estudo.

Assim que a restricao dos movimentos da lingua for diagnosticada, condutas eficazes devem ser tomadas, principalmente para evitar o desmame precoce [11,13-28].

* CONCLUSAO

Contrapondo-se ao que a literatura afirma, o frenulo da lingua nao se modificou durante o primeiro ano de vida quanto a espessura, fixacao na lingua e fixacao no assoalho da boca nos 71 bebes examinados.

* REFERENCIAS

[1.] Navarro NP, Lopez M. Anquiloglossia en ninos de 5 a 11 anos de edad. Diagnostico y tratamiento. Rev Cubana Estomatol. 2002; 39:3-7.

[2.] Correia MSNP. Odontopediatria na primeira infancia. 3. ed. Sao Paulo: Santos; 2009. p. 942.

[3.] Wright JE. Tongue-tie. J Paediatr Child Health. 1995; 31:276-8.

[4.] Wallace AF. Tongue-tie. Lancet. 1963; 2:377-8.

[5.] Wallace AF. The tongue-tie controversy. Nurs Times. 1964; 60:527-8.

[6.] Mazzochi A, Clini F La brevitadelfrenulolinguale: cosiderazionicliniche e terapeutiche. Pediatr Med Chir. 1992; 14:643-6.

[7.] Kummer AW. Ankyloglossia: To Clip or Not to Clip? That's the Question. The ASHA Leader. 2005; December 27.

[8.] Moss SJ. Crescendo sem carie. Sao Paulo: Quintessence; 1996.

[9.] Usberti AC. Odontopediatria clinica. Sao Paulo: Santos; 1991.

[10.] Walter L, Ferelle A, Issao M. Odontologia para o bebe. Sao Paulo: Artes Medicas; 1996.

[11.] Knox I. Tongue Tie and Frenotomy in the Breastfeeding Newborn. NeoReviews 2010; 11(9):513-9.

[12.] Morita H, Mazerbourg S, Bouley DM, et al. Neonatal lethality of LGR5 null mice is associated with ankyloglossia and gastrointestinal distension. Mol Cell Biol. 2004; 24:9736-43.

[13.] Karahan S, CinarKul B. Ankyloglossia in dogs: a morphological and immunohistochemical study. Anat Histol Embryol. 2009; 38:118-21.

[14.] Martinelli RLC, Marchesan IQ, Gusmao RJ, Berretin-Felix G, Rodrigues AC. Caracteristicas histologicas do frenulo lingual em humanos. In: XX Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, Brasilia. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia--Suplemento especial. 2012.

[15.] Martinelli RLC, Marchesan IQ. Frenulo lingual nos primeiros meses de vida. In: XX Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia, Brasilia. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia Suplemento especial. 2012.

[16.] Martinelli RLC, Marchesan IQ, Berretin-Felix G. Lingual Frenulum Protocol with scores for infants.Int J Orofacial Myology. 2012; 38:104-12.

[17.] National Institute for Health and Clinical Excellence. Interventional Procedure Guidance 149. Division of Ankylogossia (Tongue-tie) for breastfeeding. www.nice.org.uk (acesso em novembro 2011).

[18.] Hall DMB, Renfrew MJ. Tongue tie. Arch Dis Child 2005; 90:1211-5.

[19.] Dollberb S, Botzer E, Grunis E, et al. Immediate nipple pain relief after frenotomy in breast-fed infants with ankyloglossia: a randomised, prospective study. J PediatrSurg 2006; 41:1598-600.

[20.] Berry J, Griffiths M, Westcott C. A double-blind, randomized, controlled trial of tongue-tie division and its immediate effect on breastfeeding. Breast Med 2011; 0:1-5.

[21.] Buryk M, Bloom D, Shope T. Efficacy of Neonatal Release of Ankyloglossia: A Randomized Trial. Pediatrics 2011; 128:280-8.

[22.] Edmunds J, Hazelbaker A, Murphy JG, Philipp BL. Roundtable discussion: tongue-tie. J Hum Lact 2012; 28:114-7.

[23.] Cho A, Kelsberg G, Safranek S. When should you treat tongue-tie in a newborn? JFPONLINE. COM 2010; 59(12):712a-b.

[24.] Forlenza GP, Black NMP, McNamara EG, Sullivan SE. Ankyloglossia, Exclusive Breastfeeding, and Failure to Thrive. Pediatrics 2010; 125:e1500-4.

[25.] Constantine AH, Williams C, Sutcliffe AG. A systematic review of frenotomy for Ankyloglossia (tongue tie) in breast fed. Infants Arch Dis Child 2011; A62 96(Suppl 1):A1-A100.

[26.] Edmunds J, Miles S, Fulbrook P. Tongue-tie and breastfeeding: a review of the literature. BreastRev 2011; 19(1):19-26.

[27.] Martinelli RLC. Relacao entre as caracteristicas anatomicas do frenulo lingual e as funcoes de succao e degluticao em bebes. Dissertacao de mestrado. Universidade de Sao Paulo. 2013.

[28.] Miranda BH, Milrou CJ. A quick snip e A study of the impact of outpatient tongue tie release on neonatal growth and breastfeeding. J Plast Reconst AesthSurg 2010; 63:e683-5.

http://dx.doi.org/ 10.1590/1982-021620149913

Recebido em: 02/06/2013

Aceito em: 28/08/2013

Endereco para correspondencia:

Roberta Lopes de Castro Martinelli Av. Angelo Piva, 331--Brotas--Sao Paulo CEP: 17380-000

E-mail: robertalcm@gmail.com

Roberta Lopes de Castro Martinelli (1), Irene Queiroz Marchesan (2), Giedre Berretin-Felix (3)

(1) Faculdade de Odontologia, Universidade de Sao Paulo Bauru, SP--Brasil.

(2) CEFAC--Saude e Educacao, Sao Paulo, SP--Brasil.

(3) Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Odontologia, Universidade de Sao Paulo--Bauru, SP--Brasil.

Conflito de interesses: inexistente
Tabela 1--Caracteristicas anatomicas dos frenulos linguais de 71
bebes avaliados no primeiro mes de vida

Caracteristicas anatomicas do frenulo da lingua   n

Espessura
  delgado                                         51
  espesso                                         20

Fixacao do frenulo na lingua
  no terco medio                                  40
  entre o terco medio e o apice                   27
  no apice                                        4

Fixacao do frenulo no assoalho da boca
  entre as carunculas sublinguais                 29
  na crista alveolar inferior                     42

Figura 2--Caracteristicas anatomicas do frenulo lingual no
primeiro, sexto e decimo segundo mes
de vida.

                     1 mes   6 mes   12 mes

Fixacao no apice e
na crista alveolar

                        Frenulo alterado

Fixacao entre o
terco medio e o
apice e na crista
alveolar

                        Frenulo alterado

Fixacao no terco
medio e entre
as carunculas
sublinguais

                        Frenulo normal
COPYRIGHT 2014 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2014 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 
Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Martinelli, Roberta Lopes de Castro; Marchesan, Irene Queiroz; Berretin-Felix, Giedre
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Article Type:Clinical report
Date:Jul 1, 2014
Words:2010
Previous Article:Breathing characteristic of individuals with dentofacial deformity/Caracteristicas respiratorias de individuos com deformidade dentofacial.
Next Article:What happens to columellar angle after cleft lip surgery?/O que ocorre com o angulo columelar apos cirurgia de correcao da fissura labial?
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters