Printer Friendly

Lodo de esgoto tratado na composicao de substrato para producao de mudas de Plathymenia reticulata Benth/Sewage sludge treated in the substrate composition for Plathymenia reticulata Benth seedling production.

Introducao

A especie florestal Plathymenia reticulata Benth, conhecida como vinhatico, pertence a familia das Fabaceae e pode ser considerada pioneira ou tardia, dependendo do bioma que se localiza. E uma especie adaptada a terrenos pobres, com potencial para atender a demanda atual de mudas para recuperacao de areas degradadas e adequacao das propriedades rurais. Alem disso, possui madeira de boa qualidade, com aptidao para exploracao comercial (LACERDA et al., 2002; CARVALHO, 2010).

As exigencias de medidas ambientais compensatorias, bem como a exploracao das florestas nativas sao fatores que contribuem para o aumento da demanda de mudas nativas para recuperacao das areas, revegetacao, e adequacao ambiental das propriedades rurais (CALDEIRA et al. 2013; DELARMELINA et al., 2014). Neste cenario, a composicao do substrato e um fator de grande influencia sobre as mudas que serao ofertadas ao mercado, devendo propiciar a formacao de mudas com qualidade satisfatoria, facilitando as operacoes do plantio e garantindo bom desempenho pos-plantio. Alem das questoes ambientais, nos ultimos anos houve aumento da demanda de mudas nativas tambem para atender a silvicultura economica.

O processo de tratamento dos esgotos para retorno da agua aos corpos hidricos gera um residuo denominado de lodo de esgoto que e um residuo de carater organico e que apresenta teores de componentes organicos e inorganicos. A maior parte deste residuo e destinada aos aterros sanitarios, sendo um procedimento complexo e dispendioso, buscando-se alternativas para uma destinacao mais adequada, entre as quais se destaca o uso agricola, em especial no setor florestal (GOMES et al., 2013). O lodo de esgoto, apos tratamento para uso agricola, pode tambem ser denominado de biossolido.

A destinacao do lodo de esgoto para o setor florestal e promissora, destacando-se a utilizacao na formulacao de substrato para producao de mudas. Embora o lodo apresente elevados teores de materia organica e nutrientes, e ainda beneficie a retencao de agua, deve-se ponderar a quantidade adicionada deste residuo na formulacao final do substrato, pela possibilidade de possuirem substancias prejudiciais as plantas, assim, na maioria das vezes, nao deve ser utilizado como substrato puro (ROCHA et al., 2013; SANTOS et al., 2014; TRAZZI et al., 2014; SIQUEIRA et al., 2018).

Pesquisas relacionadas ao efeito de diferentes composicoes de substrato sobre a qualidade de mudas formadas sao constantes e atuais, buscando-se integrar os preceitos da sustentabilidade, proporcionar diminuicao do tempo e dos custos do processo produtivo, alem de fornecer opcoes para os viveiristas. Desta forma, este estudo teve como objetivo avaliar o uso de lodo de esgoto tratado na composicao de substrato para producao de mudas de Plathymenia reticulata Benth, puro ou associado a substratos comerciais a base de casca de pinus ou fibra de coco, avaliando a qualidade das mudas formadas e do torrao.

Material e metodos

O experimento foi realizado em casa de vegetacao, localizada na unidade de apoio a pesquisa da Universidade Estadual do Norte Fluminense, no Municipio de Campos dos Goytacazes - RJ (UAP - UENF), durante o periodo de junho a novembro de 2016. A temperatura media para o periodo experimental foi de 24,23[degrees]C e a umidade relativa media de 72,51%. A casa de vegetacao conta com sistema de irrigacao automatico via microaspersao com lamina de agua aplicada de 4 mm [dia.sup. -1], parcelada tres vezes ao dia.

Para formulacao dos substratos que compunham os tratamentos foram utilizadas as seguintes proporcoes de lodo de esgoto tratado (LET): 20, 40, 60 e 80% associado ao substrato comercial a base de casca de pinus Basaplant Florestal[R] (SC1) ou ao substrato comercial a base de fibra de coco Golden Mix[R] textura fina (SC2) - (v:v). Alem desses, utilizaram-se 100% de LET e 100% do SC1, no qual foi adicionado 8 kg de adubo de liberacao lenta (15-9-12 N-P-K) por [m.sup.-3] de substrato, considerado como tratamento controle.

O lodo de esgoto utilizado foi cedido pela empresa "Aguas do Paraiba", prestadora de servicos do Municipio de Campos dos Goytacazes - RJ, produzido na estacao de tratamento da Chatuba, cujos teores de metais pesados observados e os limites estabelecidos pela legislacao vigente para destinacao agricola (BRASIL, 2006) estao descritos na Tabela 1, estando o lote apto para tal finalidade. Para higienizacao do lodo, foi adicionado cal (BRASIL, 2006) a 15% do peso seco (LOUSADA, 2015).

As sementes de vinhatico utilizadas para producao das mudas foram coletadas em novembro de 2015, no Municipio de Trajano de Moraes - RJ, obtidas de tres matrizes. As mudas foram entao produzidas por semeadura direta em tubetes de polipropileno de 180 [cm.sup.3], ja contendo as diferentes composicoes de substrato, sendo semeadas duas sementes por tubete e o raleio feito quando as mudas apresentavam entre 3 e 5 cm, deixando-se a mais centralizada e vigorosa.

O experimento foi instalado em blocos casualizados, com quatro blocos e 20 mudas por parcela, totalizando 80 mudas uteis para cada tratamento. Antes da semeadura, foi realizada a analise fisica do substrato, determinando-se a densidade de particulas, do substrato e a porosidade total (Tabela 2), pelo metodo do balao volumetrico (EMBRAPA, 2017).

Realizou-se a caracterizacao quimica para determinacao dos teores totais de nutrientes nos diferentes substratos (Tabela 3) e a condutividade eletrica.

Apos 120 dias de crescimento na casa de vegetacao, as mudas seguiram para a area de rustificacao, permanecendo a pleno sol e com aumento gradual nos intervalos de aplicacao de agua. Nesta fase, as mudas foram molhadas ate o escorrimento de agua pelo orificio inferior do tubete, sendo que, em dias chuvosos, a aplicacao de agua foi suspensa. O procedimento foi feito manualmente, com auxilio de mangueiras, duas vezes ao dia, nos primeiros 10 dias e nos 10 dias finais da fase de rustificacao, uma vez ao dia.

Apos os 20 dias na fase de rustificacao, avaliou-se a altura (H) e o diametro do coleto (DC) de todas as mudas. Foram selecionadas tres mudas por parcela, com base no diametro medio para as analises destrutivas. Foi determinada a area foliar (AF), por meio do medidor de bancada (LICOR--LI3000).

Com relacao a qualidade do torrao formado, avaliou-se a extracao das mudas do tubete, analisada de acordo com a facilidade de retirada do recipiente sem danos a planta ou ao torrao, sendo atribuidas, pelo operador, notas de 1 a 5, em que 1 representa a maior dificuldade de livrar a muda do recipiente e 5, menor dificuldade (TRIGUEIRO, 2002).

A agregacao do torrao foi avaliada de acordo com a quantidade de substrato aderida ao sistema radicular, sendo atribuidas notas de 1 a 5, em que: nota 1 representa menos de 20% do substrato aderido ao sistema radicular, nota 2, de 20 a 40%, nota 3, de 40 a 60%, nota 4, de 60 a 80% e nota 5, de 80 a 100%. Para determinar a porcentagem aderida, foi pesado o torrao (raiz + substrato) e o que restou no tubete. Deste valor, foi descontado o valor da massa fresca de cada raiz, pesada apos a lavagem, sendo determinada assim, a porcentagem de substrato aderido ao sistema radicular por meio de regra de tres simples (SIQUEIRA et al., 2018).

Avaliou-se a curvatura do torrao, atribuindo-se notas de 1 a 5, de acordo com o grau de deformacao ao ser colocado suspenso na horizontal. Classificou-se com nota 1, a partir de 25[degrees] de curvatura ou quando o torrao apresentou rachaduras ou quebra; nota 2, de 20-25[degrees]; nota 3, de 15-20[degrees]; nota 4, de 10-15[degrees] e nota 5, de 5-10[degrees] de curvatura (SIQUEIRA et al., 2018).

Apos a avaliacao da qualidade do torrao, o sistema radicular foi submetido ao processo de lavagem para retirada do substrato. A quantificacao de raizes foi feita por meio do software WinRhizo, acoplado a um scanner, equipado com uma unidade de luz adicional, determinando-se o comprimento e o volume radicular com base em area de imagem (8,4 [cm.sup.-2]), tomada aleatoriamente, gerada pelo software.

Avaliou-se a nodulacao das mudas de acordo com a presenca ou ausencia de nodulos no sistema radicular das mudas, calculando-se a porcentagem de mudas com nodulos presentes. A massa seca da parte aerea (MSPA) e do sistema radicular (MSSR) das mudas foi determinada apos secagem das amostras em estufa de circulacao forcada de ar a 65[degrees]C por 72 horas.

Apos a determinacao da massa seca, os diferentes compartimentos foram moidos em moinho de facas, tipo Willey, e pesadas as amostras de 0,1 g em tubos de ensaio para determinacao dos teores de nitrogenio (N), fosforo (P) e potassio (K), e estimativa dos conteudos. As amostras do material vegetal foram submetidas a oxidacao por digestao sulfurica ([H.sub.2][O.sub.4] e [H.sub.2][O.sub.2]) em sistema de digestao aberta. Em seguida, o N foi determinado por meio do metodo Nessler (JACKSON, 1965), o P pelo espectrofotometro (Specord 210) pelo metodo colorimetrico (azul de molibdato) e o K, determinado no fotometro de emissao de chama.

As variaveis quantitativas foram submetidas a analise de variancia e as diferencas a agrupamento de medias por meio do teste de Scott-Knott, a 5% de probabilidade. As variaveis qualitativas foram comparadas pelo teste nao parametrico de Kruskal-Wallis a 5% de probabilidade.

Embora os resultados nao estejam apresentados neste trabalho, para comprovacao da real qualidade das mudas produzidas nos diferentes substratos testados, foram selecionados os tratamentos que resultaram nas melhores mudas para avaliacao do desempenho das mesmas a campo, analisando-se em longo prazo seu comportamento frente as condicoes adversas encontradas apos plantio.

Resultados e discussao

Com relacao aos atributos fisicos dos substratos contendo LET e SC1, observou-se densidade de particula compativel com a referencia para materiais organicos - entre 1,2 e 1,5 g [cm.sup.-3] (PREDEVELLO, 1996). Quando as misturas foram feitas com SC2, a densidade ficou abaixo desta referencia (Tabela 2), porem, tal fato tambem foi observado por Barreto e Testezlaf (2014). A maior porosidade total foi observada no substrato composto por 20% de LET e 80% de SC2, havendo reducao a medida que se elevou a porcentagem de LET. A alta porosidade e caracteristica da fibra de coco (CARRIJO; LIZ; MAKISHIMA, 2002; ZORZETO et al., 2014), podendo ser benefica em condicoes de disponibilidade otima de agua, entretanto, em condicao de deficit hidrico, a retencao de agua pode ser prejudicada.

A caracterizacao quimica dos substratos testados (Tabela 3) revelou valores de pH e CE acima do sugerido como ideal, entre 5,0 e 5,8 (KAMPF, 2005) e de 1,0 mS [cm.sup.-1] (GONCALVES et al., 2000), respectivamente. A CE do substrato contendo 100% de LET foi de 3,54 mS [cm.sup.-1]. Goncalves et al. (2000) e Novais et al. (2007) destacam os efeitos deleterios do pH e CE altos, o que, no presente trabalho, pode ter influenciado o desenvolvimento das mudas de vinhatico.

As mudas produzidas nos substratos contendo 20 ou 40% de LET em SC2 apresentaram altura (H) inferior aquelas produzidas em substrato comercial fertilizado, no entanto, foram superiores as produzidas nos substratos com maiores quantidades de LET (Tabela 4). O diametro de colo (DC) das mudas produzidas em 20 e 40% de LET foi semelhante aquelas produzidas em SC1 fertilizado e tambem superior as demais proporcoes testadas.

Resultados semelhantes foram verificados por Trigueiro e Guerrini (2014) em mudas de Schinus terebinthifolius, aos 120 dias apos a semeadura, sendo observada reducao de H e DC das mudas a medida que se elevou a quantidade de lodo em mistura com casca de arroz carbonizada. Os maiores valores foram observados em mudas produzidas em substrato comercial puro, contudo, a metodologia para tratamento do lodo nao foi descrita pelos autores.

Em mudas de Enterolobium contortisiliquum, Teles, Costa e Goncalves (1999) observaram reducao em H e DC, produzidas em diferentes proporcoes de LET e terra de subsolo. Para higienizacao e estabilizacao do lodo, os autores tambem utilizaram a caleacao, entretanto, a aplicacao foi feita a 50% do peso seco do lodo, superior a utilizada neste trabalho.

Delarmelina et al. (2014) encontraram a maior altura de mudas de Sesbania virgata produzidas em 60% de LET em vermiculita, entretanto, para tratamento do lodo, os autores utilizaram a exposicao do residuo ao sol, nao promovendo alcalinidade do mesmo.

De acordo com Goncalves et al. (2000), mudas de especies nativas de boa qualidade para plantio devem possuir altura entre 20 e 35 cm, assim, os tratamentos: SC1 fertilizado, 20% em ambas as misturas e 40% de LET em SC2 produziram mudas que atenderam aos requisitos minimos sugeridos pelo autor.

A reducao no crescimento aereo das mudas nas maiores proporcoes de LET tambem resultou em menor area foliar (AF), massa seca da parte aerea (MSPA) e do sistema radicular (MSSR). A formacao de mudas com menor AF pode ser benefica em sitios de plantio com elevada temperatura e/ou baixa pluviosidade, reduzindo perdas de agua e favorecendo a sobrevivencia das mudas apos o plantio. Forrester (2013) destaca que, a reducao da parte aerea das plantas resulta em menor captacao de recursos por meio da fotossintese, mas que, no entanto, algumas vezes tal reducao pode ser vantajosa pela compensacao com o aumento da eficiencia do remanescente foliar, sendo capaz de suprir a demanda fotossintetica.

Gomes e Paiva (2011) ressaltam que a sobrevivencia, o estabelecimento e a boa produtividade dos povoamentos florestais sao consideravelmente maiores quanto mais abundante for o sistema radicular, independente da altura da parte aerea, podendo ser representado pela MSSR, o que indica que, possivelmente, as mudas produzidas no substrato comercial fertilizado e na proporcao de 20% de LET associado ao SC1 podem ter maior probabilidade de sobrevivencia pos-plantio.

Trazzi et al. (2014), avaliando o LET como substrato para producao de mudas de Tectona grandis encontraram a maior MSSR no substrato contendo 60% de LET + 40% de fibra de coco, proporcao de LET superior a observada neste trabalho. Os mesmos autores afirmam que a mistura entre LET e fibra de coco confere boa interacao entre as caracteristicas fisicas, promovendo adequada aeracao do sistema radicular, entretanto, nao foram descritas pelos autores as caracteristicas do torrao formado.

Quando avaliada a relacao entre a massa seca do sistema radicular/massa seca da parte aerea (MSSR/MSPA), embora sem diferenca estatistica, as mudas produzidas em SC1 fertilizado ou quanto utilizada a menor proporcao de LET em SC2 apresentaram valores mais proximos ao sugerido como ideal, que e de 0,5. Este valor reflete em um bom padrao de qualidade das mudas, pressupondo melhor alocacao da biomassa entre os compartimentos (DANIEL et al., 1997).

Com relacao a qualidade do torrao formado, pouco abordada na literatura, a extracao da muda do tubete foi ligeiramente facilitada nas misturas feitas com a SC2 em relacao aquelas utilizando o SC1 (Tabela 5). Possivelmente, este fato ocorreu devido as melhores caracteristicas fisicas apresentadas por essas formulacoes de substrato, tendo em vista a possibilidade das raizes se enovelarem nas fibras, melhorando a qualidade do torrao. Gomes e Paiva (2011) classificam a agregacao do sistema radicular ao substrato como um dos requisitos para a determinacao da qualidade das mudas. Para o presente estudo, a agregacao nao foi afetada pela adicao de LET ao substrato.

O SC1 fertilizado e a proporcao de 20% em ambas as misturas e 40% de LET em SC2 apresentaram a menor curvatura, indicando que os torroes destes tratamentos mantiveram alta estabilidade quando posicionados suspensos na horizontal, favorecendo o processo de plantio, especialmente mecanizados.

As maiores curvaturas do torrao foram verificadas nas mudas produzidas em substratos com maiores proporcoes de LET, mesmos tratamentos que apresentaram reducao na MSSR (Tabela 4), comprimento e volume radicular, evidenciando os danos ao enraizamento das mudas e seu efeito sobre a qualidade final do torrao formado.

Trigueiro e Guerrini (2003) tambem observaram que a adicao de LET ao substrato influenciou negativamente a extracao de mudas de eucalipto dos tubetes, o que atribuiram ao baixo enraizamento apresentado nas maiores proporcoes de LET, corroborando este trabalho.

Com relacao a curvatura do torrao, Siqueira et al. (2018), avaliando diferentes combinacoes de LET e substrato comercial a base de casca de pinus para producao de mudas de Lafoensia glyptocarpa, concluiram que, a partir de 50% de LET, houve aumento da curvatura do torrao formado, mesmo comportamento deste trabalho nas maiores proporcoes de LET. Alem disso, Cabreira et al. (2017) destacam que, quando utilizado o lodo de esgoto na composicao de substratos para producao de mudas florestais, o peso das mudas formadas e diminuido, facilitando a logistica de expedicao para o campo.

As mudas produzidas nos substratos contendo 20% de LET em SC1 e ate 40% quando em SC2 apresentaram mesmo comprimento e volume radicular daquelas produzidas em substrato comercial adubado. As misturas de LET e SC2 podem ter sido levemente favorecidas pela menor densidade e maior porosidade apresentada, melhorando a aeracao do sistema radicular. Trigueiro e Guerrini (2014) observaram o maior desenvolvimento radicular de mudas de Schinus terebinthifolius produzidas em substrato comercial adubado em relacao as produzidas em diferentes proporcoes de lodo de esgoto, atribuindo este resultado as caracteristicas fisicas apresentadas pelo residuo.

A adicao de 20% e 40% de LET ao SC2 resultou em mudas com menor MSSR, no entanto, o comprimento radicular destas mudas nao diferiu daquelas produzidas em SC1 fertilizado. Tal fato sugere a formacao de maior quantidade de raizes finas, e, consequentemente, mais ativas em tais formulacoes de substrato.

SC1 fertilizado e a proporcao de 20% de LET em ambas misturas resultaram em mudas com maior percentual de nodulos radiculares presentes, resultantes da simbiose com bacterias diazotroficas, quando comparados aos demais substratos testados. A utilizacao de LET e seus efeitos sobre a nodulacao de mudas florestais sao pouco conhecidos, especialmente para especies nativas. Para o presente trabalho, a menor nodulacao das mudas nas maiores proporcoes de LET pode ter sido ocasionada pelos altos valores de pH (ARANJUELO; ARRESE-IGOR; MOLERO, 2014) e pela presenca de metais pesados (TRANNIN; MOREIRA; SIQUEIRA, 2001), contudo, a nodulacao nao influenciou o conteudo de nitrogenio (N) na parte aerea (Tabela 6).

Os conteudos de fosforo (P) e potassio (K) foram maiores nas mudas produzidas em SC1 adubado, com reducao mais acentuada nas mudas produzidas em substrato com proporcoes a partir de 40% de LET. Nao houve variacao do K entre as mudas produzidas nos substratos com diferentes proporcoes de LET e SC2. Apesar do menor conteudo de P e K, as mudas produzidas nas menores proporcoes de LET nao apresentaram variacoes biometricas em relacao a testemunha, evidenciando maior eficiencia de utilizacao destes nutrientes pelas mudas.

Trazzi (2011) encontrou maior conteudo de N, P e K em mudas de Tectona grandis produzidas em substratos que receberam LET, sendo este resultado atribuido a maior disponibilidade destes nutrientes, entretanto, os autores nao utilizaram qualquer tipo de adubacao no tratamento contendo substrato comercial puro, o que desfavorece o mesmo.

Composto a base de lodo de esgoto e poda de arvores trituradas em diferentes proporcoes (3:1 e 2:1, v:v) e tres niveis de fertilizantes mineral granulado (0; 2,7 e 4,0 g dm-3) testados por Scheer, Bressan e Santos (2012) para producao de mudas de Lafoensia pacari, geraram mudas com maiores conteudos de N e P na biomassa aerea daquelas produzidas nas maiores proporcoes do composto a base de lodo e nas maiores doses de fertilizantes, em relacao ao substrato comercial.

O maior acumulo de K em mudas de Schinus terebinthifolius foi observado por Trigueiro e Guerrini (2014) na utilizacao do substrato comumente utilizado nos viveiros, em relacao a diferentes proporcoes de LET testadas, como observado no presente trabalho. Abreu et al. (2017) tambem trabalhando com mudas de Schinus terebinthifolius observaram aumento no teor de nutrientes, principalmente N, P e K, a medida que se elevou a proporcao de lodo de esgoto no substrato.

Cunha et al. (2006), tambem observaram maior acumulo de N nas mudas de Acacia sp. produzidas na maior proporcao de LET (100%), principalmente quando inoculadas com rizobios, no entanto, estes tratamentos apresentaram maior crescimento de mudas, contrario ao observado neste trabalho para o mesmo tratamento. Alem disso, nao foi descrita pelos autores a metodologia para tratamento do lodo nem as caracteristicas do torrao formado.

Nao houve grande variacao nos teores totais de [P.sub.2][O.sub.5] e [K.sub.2]O verificados nas diferentes composicoes de substrato (Tabela 3), contudo, o mesmo nao foi observado nos conteudos destes nutrientes, o que possivelmente foi ocasionado pelos altos valores de pH, alterando a disponibilidade dos nutrientes. Alem disso, a alta CE pode ter afetado negativamente o sistema radicular (KAMPF, 2005), ocasionando problemas para a absorcao dos nutrientes.

Conclusoes

A menor proporcao de lodo de esgoto em ambas misturas se mostrou a mais adequada para producao de mudas de Plathymenia reticulata Benth, com padrao de crescimento semelhante aquelas produzidas em substrato comercial a base de casca de pinus fertilizado.

A agregacao do torrao ao substrato nao foi influenciada pela adicao de LET ao substrato, no entanto, a curvatura foi prejudicada nas maiores proporcoes de LET.

Referencias

ABREU, A. H. M. et al. Caracterizacao e potencial de substratos formulados com biossolido na producao de mudas de Schinus terebinthifolius Raddi. e Handroanthus heptaphyllus (Vell.) Mattos. Ciencia Florestal, Santa Maria, v. 27, n. 4, p. 1179-1190, 2017.

ARANJUELO, I.; ARRESE-IGOR, C.; MOLERO, G. Nodule performance within a changing environmental context. Journal of Plant Physiology, Minneapolis, v. 171, p. 1076-1090, 2014.

BARRETO, C. V. G.; TESTEZLAF, R. Particle size distribuition effects on physical characteristics of coconut and pine bark substrates. Revista de Ciencias Agroveterinarias, Lages, v. 13, n. 3, p. 327-336, 2014.

BRASIL. Ministerio do Meio Ambiente. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolucao n. 375/2006. Define criterios e procedimentos para o uso agricola de lodos de esgoto gerados em estacoes de tratamento de esgoto sanitario e seus produtos derivados. Diario Oficial da Republica Federativa do Brasil, Brasilia, n. 167, p. 141-146, 30 ago. 2006.

CABREIRA, G. V. et al. Biossolido como componente de substrato para producao de mudas florestais. Floresta, Curitiba, v. 47, n. 2, p. 165-176, 2017.

CALDEIRA, M. V. W. et al. Substratos alternativos na producao de mudas de Chamaecrista desvauxii. Revista Arvore, Vicosa, MG, v. 37, n. 1, p. 31-39, 2013.

CARRIJO, O. A.; LIZ, R. S.; MAKISHIMA, N. Fibra de coco verde como substrato agricola. Horticultura Brasileira, Vitoria da Conquista, v. 20, n. 4, p. 533-535, 2002.

CARVALHO, P. E. R. Especies arboreas brasileiras. Brasilia: Embrapa Informacao Tecnologica; Colombo: Embrapa Florestas, 2010. v. 4. 644 p. (Colecao Especies Arboreas Brasileiras).

CUNHA, A. M. et al. Efeito de diferentes substratos sobre o desenvolvimento de mudas de Acacia sp. Revista Arvore, Vicosa, MG, v. 30, n. 2, p. 207-214, 2006.

DANIEL, O. et al. Aplicacao de fosforo em mudas de Acacia mangium. Revista Arvore, Vicosa, MG, v. 21, n. 2, p. 163-168, 1997.

DELARMELINA, W. M. et al. Diferentes substratos para producao de mudas de Sesbania virgata. Floresta e Ambiente, Seropedica, v. 21, n. 2, p. 224-233, 2014.

FORRESTER, D. I. Growth responses to thinning, prunning and fertiliser application in Eucalyptus plantations: A review of their production ecology and interactions. Forest Ecology and Management, Amsterdam, v. 310, p. 336-347, 2013.

EMBRAPA. Manual de metodos de analises de solo. 3. ed. Brasilia, 2017. 575 p.

GOMES, D. R. et al. Lodo de esgoto como substrato para producao de mudas de Tectona grandis. Cerne, Lavras, v. 19, n. 1, p. 123-131, 2013.

GOMES, J. M.; PAIVA, H. N. Viveiros florestais: propagacao sexuada. Vicosa, MG: UFV, 2011. 116 p.

GONCALVES, J. L. M. et al. Producao de mudas de especies nativas: substrato, nutricao, sombreamento e fertilizacao. In: GONCALVES, J. L. M.; BENEDETTI, V. (Ed.). Nutricao e fertilizacao florestal. Piracicaba: IPEF, 2000. p. 309-350.

JACKSON, M. L. Soil chemical analysis. New Jersey: Prentice Hall, 1965. 498 p.

KAMPF, A. N. Producao comercial de plantas ornamentais. Guaiba: Agropecuaria, 2005. 256 p.

LACERDA, D. R. et al. A tecnica RAPD: uma ferramenta molecular em estudos de conservacao de plantas. Lundiana, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 87-92, 2002.

LOUSADA, L. L. Nutricao e crescimento do sorgo sacarino e alteracoes nos atributos do solo pela aplicacao de lodo de esgoto domestico. 2015. 122 f. Tese (Doutorado em Producao Vegetal) - Universidade Estadual do Norte Fluminense, Campos dos Goytacazes, 2015.

NOVAIS, R. F. et al. Fertilidade do solo. Vicosa, MG: Sociedade Brasileira de Ciencia do Solo, 2007. 1017 p.

PREVEDELLO, C. L. Fisica do solo com problemas resolvidos. Curitiba: [s.n.], 1996. 446 p.

ROCHA, J. H. T. et al. Composto de lodo de esgoto como substrato para producao de mudas de eucalipto. Pesquisa Florestal Brasileira, Colombo, v. 33, n. 73, p. 27-36, 2013.

SANTOS, E. V. F. et al. Caracteristicas quimicas de substratos formulados com lodo de esgoto para producao de mudas florestais. Revista Brasileira de Engenharia Agricola e Ambiental, Campina Grande, v. 18, n. 9, p. 971-979, 2014.

SIQUEIRA, D. P. et al. Lodo de esgoto tratado na composicao de substrato para producao de mudas de Lafoensia glyptocarpa. Floresta, Curitiba, v. 48, n. 2, p. 277-284, 2018.

SCHEER, M. B.; BRESSAN, C. C. O. A.; SANTOS, K. G. Crescimento e nutricao de mudas de Lafoensia pacari com lodo de esgoto. Floresta e Ambiente, Seropedica, v. 19, n. 1, p. 55-65, 2012.

TELES, C. R.; COSTA, A. N.; GONCALVES, R. F. Producao de lodo em lagoas de estabilizacao e seu uso no cultivo de especies florestais na regiao Sudoeste do Brasil. Sanare, Vitoria, v. 12, n. 12, p. 53-60, 1999.

TRANNIN, I. C. B.; MOREIRA, F. M. S.; SIQUEIRA, J. O. Crescimento e nodulacao de Acacia mangium, Enterolobium contortisiliquum e Sesbania virgata em solo contaminado com metais pesados. Revista Brasileira de Ciencias do Solo, Vicosa, MG, v. 25, n. 1, p. 743-753, 2001.

TRAZZI, P. A. Substratos renovaveis na producao de mudas de Tectona grandis Linn F. 2011. 98 f. Dissertacao (Mestrado em Ciencias Florestais) - Universidade Federal do Espirito Santo, Jeronimo Monteiro, 2011.

TRAZZI, P. A. et al. Producao de mudas de Tectona grandis em substratos formulados com biossolido. Cerne, Lavras, v. 20, n. 2, p. 293-302, 2014.

TRIGUEIRO, R. M. Uso de biossolido como substrato para producao de mudas de pinus e eucalipto. 2002. 94 f. Dissertacao (Mestrado em Agronomia) - Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", Botucatu, 2002.

TRIGUEIRO, R. M.; GUERRINI, I. A. Uso de biossolido como substrato para producao de mudas de eucalipto. Scientia Forestalis, Piracicaba, n. 64, p. 150-162, 2003.

TRIGUEIRO, R. M.; GUERRINI, I. A. Utilizacao de lodo de esgoto na producao de mudas de aroeira-pimenteira. Revista Arvore, Vicosa, MG, v. 38, n. 4, p. 657-665, 2014.

ZORZETO, T. Q. et al. Caracterizacao fisica de substratos para plantas. Bragantia, Campinas, v. 73, n. 3, p. 300-311, 2014.

David Pessanha Siqueira (I), Deborah Guerra Barroso (II), Giovanna Campos Mamede Weiss de Carvalho (III), Rommel Monnerat Erthal (IV), Maria Clara Coutinho Rodrigues (V), Claudio Roberto Marciano (VI)

(I) Engenheiro Agronomo, MSc., Doutorando pelo Programa de Pos-Graduacao em Producao Vegetal, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Av. Alberto Lamego, CEP 28013-602, Campos dos Goytacazes (RJ), Brasil. dps@pq.uenf.br (ORCID: 0000-0002-0756-0153).

(II) Engenheira Agronoma, Dra., Professora Associada do Laboratorio de Fitotecnia, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Av. Alberto Lamego, CEP 28013-602, Campos dos Goytacazes (RJ), Brasil. deborahbarroso@gmail.com (ORCID: 0000-0002-6869-8076)

(III) Engenheira Agronoma, Mestranda pelo Programa de Pos-Graduacao em Producao Vegetal, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Av. Alberto Lamego, CEP 28013-602, Campos dos Goytacazes (RJ), Brasil. giovannacampos85@yahoo.com.br (ORCID: 0000-0002-6896-2359)

(IV) Graduando(a) em Agronomia, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Av. Alberto Lamego, CEP 28013-602, Campos dos Goytacazes (RJ), Brasil. erthalrm@gmail.com (ORCID: 0000-0003-3399-645X)

(V) Engenheira Agronoma, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Av. Almberto Lamego, CEP 28013-602, Campos dos Goytacazes (RJ), Brasil. mariaclaracoutinho3@gmail.com (ORCID: 0000-0001-8222-4582)

(VI) Engenheiro Agronomo, Dr., Professor Associado do Laboratorio de Solos, Universidade Estadual do Norte Fluminense, Av. Alberto Lamego, CEP 28013-602, Campos dos Goytacazes (RJ), Brasil. marciano@uenf.br (ORCID: 0000-0002-5344-6087)

Submissao: 22/05/2017 Aprovacao: 24/05/2018 Publicacao: 30/06/2019

DOI: https://doi.org/10.5902/1980509827297
Tabela 1--Teores de metais pesados do lote de lodo de esgoto doado pela
"Aguas do Paraiba" e os requisitos minimos para destinacao agricola,
conforme a resolucao do No 375/2006 do CONAMA.
Table 1--Content of heavy metals in sewage sludge donated by "Aguas do
Paraiba" and minimum requirements for agricultural destination,
according to CONAMA resolution No. 375/2006.

             Resultados analiticos   Resolucao no
                                     375/2006 CONAMA
Parametros             mg [kg.sup.-1]

Arsenio        2,96                    41
Bario        202,75                  1300
Cadmio         0,79                    39
Chumbo        31,84                   300
Cobre        205,09                  1500
Cromo         65,26                  1000
Mercurio       0,19                    17
Molibdenio     8,75                    50
Niquel        31,31                   420
Selenio        2,56                   100
Zinco        846,32                  2800

Determinacao feita pelo traco dos elementos em agua ou residuo (Metodo
3050B), realizada pela empresa Hidroquimica--Grupo Oceanus.

Tabela 2--Densidade de particula, densidade do substrato e porosidade
total das diferentes proporcoes de lodo de esgoto tratado (LET) em
mistura com o substrato a base de casca de pinus (SC1) ou substrato a
base de fibra de coco (SC2), utilizados na producao de mudas de
Plathymenia reticulata Benth.
Table 2--Particle density, substrate density and total porosity of
different proportions of sewage sludge treated (LET) with substrate
based on pinus bark (SC1) or substrate based on coconut fiber (SC2) in
the production of Plathymenia reticulate Benth seedlings.

Tratamento         Densidade       Densidade       Porosidade
                   particula       substrato       total
                   g [cm.sup.-3]   g [cm.sup.-3]   cm [cm.sup.-3]

100%SC1            1,292           0,369           0,754
20% LET + 80%SC1   1,266           0,357           0,762
40% LET + 60%SC1   1,240           0,348           0,768
60% LET + 40%SC1   1,214           0,343           0,772
80% LET + 20%SC1   1,188           0,358           0,761
100% LET           1,158           0,347           0,769
20% LET + 80%SC2   0,836           0,119           0,921
40% LET + 60%SC2   0,915           0,208           0,861
60% LET + 40%SC2   0,995           0,275           0,817
80% LET + 20%SC2   1,075           0,305           0,797

Tabela 3--Caracterizacao quimica dos substratos formulados com
diferentes proporcoes de lodo de esgoto tratado (LET) associado ao
substrato a base de casca de pinus (SC1) ou substrato a base de fibra
de coco (SC2), utilizados na producao de mudas de Plathymenia
reticulata Benth.
Table 3--Chemical characterization of substrates formulated with
different proportions of sewage sludge treated (LET) with substrate
based on pinus bark (SC1) or substrate based on coconut fiber (SC2) in
the production of Plathymenia reticulata Benth seedlings.

            pH            N    [P.sup.2]  [K.sub.2]O   Ca     Mg
                               [O.sup.5]
Tratamento  [H.sub.2]O                 g [kg.sup.-1]

20% LET +   6,5          9,38     3,2        1,9      220,7  22,8
80%SC1
40% LET +   7,1         11,4      3,3        1,9      234,5  18,3
60%SC1
60% LET +   7,7         12,5      3,6        1,4      237,1  38,2
40%SC1
80% LET +   7,2         14,5      4,1        1,4      274,5  34,3
20%SC1
100% LET    7,7         19,8      3,8        0,9      228,8  34,1
20% LET +   6,6         12,8      4,0        9,7      161,8  14,3
80%SC2
40% LET +   7,0         16,3      3,3        5,4      237,1  35,7
60%SC2
60% LET +   7,4         17,6      4,3        3,9      230,5  18,3
40%SC2
80% LET +   7,8         19,8      4,4        2,4      176,7  20,0
20%SC2

            C      Cu   Zn   Mn    S     B
Tratamento             mg [kg.sup.-1]

20% LET +   168,0   62  300  156   12,4  25,0
80%SC1
40% LET +   189,6   74  360  184   14,9  28,4
60%SC1
60% LET +   153,6   78  420  198   19,7  38,8
40%SC1
80% LET +   158,4   94  552  194   17,9  38,5
20%SC1
100% LET    146,4  134  720  220   26,5  32,5
20% LET +   352,8  080  456  140   23,9  39,4
80%SC2
40% LET +   228,0  102  600  180   27,6  44,4
60%SC2
60% LET +   170,4  108  648  194   25,7  39,6
40%SC2
80% LET +   165,6  116  684  194   32,9  44,6
20%SC2

Analises realizadas no centro de analises pertencente a Universidade
Federal Rural do Rio de Janeiro Campus de Campos dos Goytacazes
utilizando-se metodologia proposta por EMBRAPA (2017).

Tabela 4--Altura (H), diametro do coleto (DC), area foliar (AF), massa
seca da parte aerea (MSPA), massa seca do sistema radicular (MSSR) e
relacao materia seca do sistema radicular/massa seca da parte aerea
(MSSR/MSPA) de mudas de Plathymenia reticulata Benth produzidas em
diferentes substratos, aos 140 dias apos a semeadura.
Table 4--Height (H), stem diameter (DC), leaf area (AF), shoot dry mass
(MSPA), root dry mass (MSSR) and root dry mass/shoot ratio (MSSR/MSPA)
in Plathymenia reticulata Benth seedlings produced in different
substrates, 140 days after sowing.

              H            DC        AF         MSPA     MSSR
Tratamento    cm           mm     [cm.sup.2]          g

SC1 + A     26,77 A (1)   4,17 A  224,8 A      2,10 A   1,12 A
20% LET +   21,88 B       3,71 A  211,8 A      1,83 A   0,87 A
80%SC1
40% LET +   18,50 C       3,15 A  151,6 A      1,49 A   0,59 B
60%SC1
60% LET +   14,86 C       2,18 B   84,18 B     0,80 B   0,30 C
40%SC1
80% LET +   14,80 C       2,43 B  108,2 B      0,94 B   0,34 C
20%SC1
100% LET    15,58 C       2,50 B   93,20 B     0,87 B   0,29 C
20% LET +   20,29 B       3,56 A  180,0 A      1,15 A   0,62 B
80%SC2
40% LET +   20,16 B       3,50 A  204,8 A      1,58 A   0,63 B
60%SC2
60% LET +   18,34 C       3,01 B  180,0 A      1,55 A   0,60 B
40%SC2
80% LET +   14,70 C       2,52 B   75,60 B     0,61 B   0,24 C
20%SC2
CV (%)      14,08        15,31     34,39      38,89    37,20

            MSSR/MSPA
Tratamento

SC1 + A      0,54 A
20% LET +    0,47 A
80%SC1
40% LET +    0,41 A
60%SC1
60% LET +    0,39 A
40%SC1
80% LET +    0,44 A
20%SC1
100% LET     0,43 A
20% LET +    0,59 A
80%SC2
40% LET +    0,42 A
60%SC2
60% LET +    0,41 A
40%SC2
80% LET +    0,42 A
20%SC2
CV (%)      45,24

(1) Medias seguidas de letras iguais, na coluna, nao diferem entre si
pelo teste de Scott Knott, em 5% de significancia. Em que: LET = Lodo
de esgoto tratado; SC1 = Substrato comercial a base de casca de pinus;
A = adubo de liberacao lenta e SC2 = substrato comercial a base de
fibra de coco.

Tabela 5--Comprimento e volume de raiz, porcentagem de mudas com
presenca de nodulos radiculares (Nodulacao) e pontuacao qualitativa
dada a facilidade de extracao, agregacao e curvatura do torrao de mudas
de Plathymenia reticulata Benth produzidas em diferentes substratos,
aos 140 dias apos a semeadura.
Table 5--Root lenght, root volume, percentage of seedlings with root
nodules and qualitative score given for extraction facility,
aggregation and curvature of clod in Plathymenia reticulata Benth
seedlings produced in different substrates, 140 days after sowing.

Tratamento  Comprimento   Volume de  Nodulacao  Extracao    Agregacao
             de raiz        raiz
               cm        [cm.sup.2]     %

SC1 + A     89,94 A (1)    0,31 A     100 A     4,54 B (2)  5,00 A
20% LET +   95,08 A        0,23 A      55 A     4,41 B      5,00 A
80%SC1
40% LET +   57,28 B        0,15 B      33 B     4,67 B      4,67 A
60%SC1
60% LET +   36,40 B        0,09 B      11,3B    4,67 B      4,08 A
40%SC1
80% LET +   37,05 B        0,09 B       0 B     4,91 A      4,67 A
20%SC1
100% LE     33,90 B        0,08 B       0 B     4,67 B      4,75 A
20% LET +   97,98 A        0,26 A      77,3A    5,00 A      5,00 A
80%SC2
40% LET +   74,07 A        0,18 A      33 B     4,91 A      5,00 A
60%SC2
60% LET +   42,50 B        0,11 B       0 B     5,00 A      5,00 A
40%SC2
80% LET +   94,78 B        0,08 B      11,3B    4,91 A      4,67 A
20%SC2
CV (%)      29,26         36,45        82,47    5,06        8,95

Tratamento  Curvatura

SC1 + A      5,00 A
20% LET +    4,35 A
80%SC1
40% LET +    3,33 B
60%SC1
60% LET +    1,91 C
40%SC1
80% LET +    2,25 C
20%SC1
100% LE      1,50 C
20% LET +    5,00 A
80%SC2
40% LET +    4,67 A
60%SC2
60% LET +    3,66 B
40%SC2
80% LET +    1,50 C
20%SC2
CV (%)      23,78

(1) Medias seguidas de letras iguais, na coluna, nao diferem entre si
pelo teste de Scott Knott, em 5% de significancia. (2) Medias seguidas
de letras iguais, na coluna, nao diferem entre si pelo teste de
Kruskal-Wallis em 5% de significancia. Em que: LET = Lodo de esgoto
tratado; SC1 = Substrato comercial a base de casca de pinus; A = adubo
de liberacao lenta e SC2 = substrato comercial a base de fibra de coco.

Tabela 6--Conteudo de N, P e K na biomassa aerea e radicular de mudas
de Plathymenia reticulata Benth produzidas em diferentes substratos,
aos 140 dias apos a semeadura.
Table 6--N, P and K content in leaf and root biomass in Plathymenia
reticulata Benth seedlings produced in different substrates, 140 days
after sowing.

Tratamento  N pa          N r     P pa     P r               K pa
                                         g [planta.sup.-1]
SC1 + A     16,1 A (1)   4,4 B   6,44 A   4,29 A            21,7 A
20% LET +   20,6 A       6,1 B   3,66 B   2,46 B            14,4 B
80%SC1
40% LET +   23,5 A       6,2 B   1,16 C   1,41 C            10,7 C
60%SC1
60% LET +   24,7 A       7,5 B   0,44 C   0,60 C             6,70 C
40%SC1
80% LET +   24,8 A       9,7 A   0,49 C   0,98 C             7,30 C
20%SC1
100% LE     30,2 A      10,8 A   0,42 C   0,70 C             6,80 C
20% LET +   31,7 A      10,9 A   3,70 B   2,27 B             7,50 C
80%SC2
40% LET +   35,3 A      11,0 A   2,67 B   2,04 B            10,1 C
60%SC2
60% LET +   35,8 A      11,8 A   1,03 C   1,75 C            10,0 C
40%SC2
80% LET +   46,1 A      16,3 A   0,30 C   0,59 C             5,21 C
20SC2
CV (%)      41,15       41,36   63       45,70              33,08

Tratamento   K r

SC1 + A     16,9 A
20% LET +    7,51 B
80%SC1
40% LET +    5,90 B
60%SC1
60% LET +    2,93 C
40%SC1
80% LET +    2,30 C
20%SC1
100% LE      2,18 C
20% LET +    2,98 C
80%SC2
40% LET +    2,77 C
60%SC2
60% LET +    2,60 C
40%SC2
80% LET +    1,53 C
20SC2
CV (%)      46,89

(1) Medias seguidas de letras iguais, na coluna, nao diferem entre si
pelo teste de Scott Knott, em 5% de significancia. Em que: LET = Lodo
de esgoto tratado; SC1 = Substrato comercial a base de casca de pinus;
A = adubo de liberacao lenta e SC2 = substrato comercial a base de
fibra de coco.
COPYRIGHT 2019 Universidade Federal de Santa Maria
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Artigos
Author:Siqueira, David Pessanha; Barroso, Deborah Guerra; de Carvalho, Giovanna Campos Mamede Weiss; Erthal
Publication:Ciencia Florestal
Date:Apr 1, 2019
Words:7110
Previous Article:Gas exchange, root hydraulic conductivity, water use efficiency and the growth of Toona ciliata clones and seedlings/Trocas gasosas, condutividade...
Next Article:Photosynthetic responses of Eucalyptus seedlings submitted to chemical and mechanical stimulus/Respostas fotossinteticas em mudas de eucalipto...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters