Printer Friendly

Life quality for mouth and oronasal breathing subjects/ Qualidade de vida em sujeitos respiradores orais e oronasais.

INTRODUCAO

Respirar e condicao vital para o ser humano e diversos estudos tem comprovado a maior adequacao da respiracao nasal [1,2]. Diante de comprometimentos como a insuficiencia respiratoria nasal, mecanismos compensatorios podem ocorrer. A respiracao parcial (oronasal) ou integral pela boca (respirador oral) [2,3] pode ser observada e estao associadas a um padrao de respiracao ineficiente de causa obstrutiva ou nao obstrutiva, viciosa [4,5].

A respiracao oral ja e considerada por diversos autores como sindrome, a "Sindrome do Respirador Oral", caracterizada por alteracoes mecanicas das vias aereas superiores e/ou alteracoes faciais [2,6,7].

Nesses casos, alteracoes no desenvolvimento do sistema estomatognatico [2]; posturais [4,8]; no sono [7]; comportamentais [4,9]; esteticas e funcionais [4,10,11] e de aprendizagem [12] podem ocorrer.

Tais comprometimentos respiratorios em geral sao de instalacao precoce [7] e perpetuante onde os individuos muitas vezes se adaptam a situacao e nem sempre percebem o impacto gerado na qualidade de vida.

Estudos epidemiologicos tem indicado que entre 10 e 25% da populacao geral apresentam comprometimentos respiratorios [13], o que justifica considerar este, um problema de saude publica [2] por gerar prejuizos na qualidade de vida dos individuos [14,15].

A maior parte dos estudos [7,8] com respiradores orais descreve as alteracoes do quadro de forma isolada, como eversao de labio, sonolencia diurna, falta de atencao, baixa concentracao dentre outros, porem, as implicacoes no cotidiano desses individuos e principalmente dos respiradores oronasais tem sido pouco destacada na literatura [14,16].

Os estudos nao deixam claro, todavia, se ha diferenca entre o perfil do comportamento dos respiradores orais e oronasais. Os respiradores oronasais na maior parte das vezes nao sao considerados [3,14] ou sao agrupados como respiradores orais, como descrito na Sindrome do Respirador Oral [4].

Com um olhar para a qualidade de vida, tem sido destacado na literatura que para assegurar a manutencao do bem-estar, e necessario cuidado constante. O qual inclui estrategias mediadoras entre as pessoas e o ambiente, com o objetivo de aumentar a participacao dos sujeitos e da coletividade na modificacao dos determinantes do processo saude-doenca, que inclui, entre muitos aspectos, os ligados aos habitos de vida, lazer, trabalho, emprego, renda, educacao e cultura. [17].

Assim, compreende-se a qualidade de vida como uma categoria analitica central que favorece a promocao de acoes integradoras e interdisciplinares [18] e que decorre de uma construcao subjetiva, multidimensional, constituida de elementos positivos e negativos [19].

Tendo como premissa a concepcao de saude que considera o bem-estar fisico, psiquico, social e nao apenas a ausencia de doenca [20,21] este estudo foi conduzido com o objetivo de analisar e comparar a qualidade de vida entre sujeitos adultos caracterizados como respiradores orais ou oronasais.

METODO

Os participantes foram selecionados no Ambulatorio de Motricidade Orofacial da Clinica de Fonoaudiologia da FCM/UNICAMP. A amostra foi constituida por 49 sujeitos, de ambos os sexos sendo 24 respiradores orais e 25 respiradores oronasais, com faixa etaria entre 18 e 38 anos e diagnosticados por um otorrinolaringologista.

Os criterios de inclusao utilizados foram sujeitos que respirassem parcialmente ou integralmente pela boca e os de exclusao aqueles com alteracoes neurologicas, sindromes geneticas diagnosticadas, deformidades craniofaciais, e/ou que apresentassem historico cronico de comprometimentos emocionais como ansiedade, depressao e compulsao.

A escolha do instrumento da pesquisa definiu-se por ser um protocolo validado para a populacao brasileira e ancorou-se no fato de que as pesquisas sobre qualidade de vida que utilizam instrumentos de medida podem colocar o Brasil em consonancia com pesquisas internacionais que contribuem para o avanco metodologico e teorico na area e facilitar a compreensao da qualidade de vida em ambito nacional [22].

O instrumento utilizado para avaliacao da qualidade de vida foi o World Health Organization Qualityof Life--WHOQOL-BREF [23],(WHOQ) versao em portugues, composto por 24 questoes divididas nos dominios: fisico, psicologico, relacoes sociais e meio ambiente, alem de duas questoes gerais [19]. Cada dominio foi analisado isoladamente sendo que maiores escores correspondem a melhor qualidade de vida. Apos a coleta dos dados, estes foram tabulados e analisados estatistica e descritivamente.

O presente estudo foi aprovado pelo Comite de Etica em Pesquisa da Faculdade de Ciencias Medicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM/UNICAMP) sob no. 262/2010.

Analise estatistica

A analise estatistica dos dados se iniciou pela construcao de tabelas de contingencia para comparar as frequencias e porcentagens de pessoas dos grupos oral e oronasal em categorias de escore dos dominios do WHOQOL-BREF. A aplicacao do teste de qui-quadrado de MantelHaenszel para teste da hipotese de existencia de associacao linear entre os grupos de respiradores e os estratos dos escores dos dominios de qualidade de vida.

A comparacao de medias de escore de qualidade de vida dos grupos oronasal e oral foi feita por meio de uma analise de variancia com modelo apropriado para comparacao de um fator com dois niveis. Um estudo preliminar evidenciou que a variavel de resposta (escores dos dominios da qualidade de vida) seria melhor analisadas se adotada tecnica que as tratasse como tendo distribuicao lognormal. Foi adotada a tecnica de estimacao REML(RestrictedMaximumLikelihood) e a funcao de ligacao identidade.

Os calculos da analise de variancia foram executados com apoio do procedimento (media e desvio padrao) Glimmix e a tabela de contingencia e o teste de qui-quadrado de Mantel Haenszel com apoio do procedimento FREQ, ambos do sistema StatisticalAnalysis System [24] (SAS).

RESULTADOS

Na Tabela 1 sao apresentados os resultados referentes a distribuicao dos grupos de respiradores orais e respiradores oronasais de acordo com os indicadores de qualidade de vida.

Para verificar a existencia de associacao entre os grupos e os diferentes dominios de qualidade de vida explorados pelo WHOQOL-BREF, utilizou-se o teste de qui-quadrado de Mantel e Haenszel. Os resultados estatisticos demonstraram existencia de associacao entre os grupos estudados nos dominios ambiental, psicologico e fisico, com valores de p<0,05, arbitrado como nivel de significancia estatistica para o estudo. De acordo com as frequencias obtidas nos diferentes escores verificou-se associacao linear no dominio ambiental.

O teste de qui-quadrado de Mantel eHaenszelnos da fortes indicios (p<0,01) da existencia de associacao entre o grupo de respiracao e os escores dos dominios psicologico e fisico quantificados por meio do WHOQOL-BREF, que nos da evidencias (p<0,05) da existencia de associacao linear entre os grupos e os escores do dominio ambiental.

Somente nao foram encontrados indicios de associacao no nivel de significancia de 5% no dominio social (p:0,1718), muito superior ao nivel de significancia arbitrado para o estudo.

A natureza ordinal usada no tratamento dos escores do WHOQOL-BREF revelou no dominio ambiental que 100,00% das pessoas com os escores mais baixos (20-40) sao respiradores oronasais, proporcao que se mantem mais alta (59,09%) nos escores entre 40 e 60. Nos escores mais altos, as proporcoes se inverteram, e nos escores entre 60 e 80, houve uma minoria (38,89%) de respiradores oronasais, diminuicao que se consolida nos escore entre 80 e 100, onde ha apenas 20% dos respiradores mistos.

Efeito similar foi observado quando se analisou o dominio psicologico onde um decrescimo da proporcao de pessoas do grupo de respiradores oronasais nos maiores escores de qualidade de vida foi detectado. Enquanto que nos escores que revelam qualidades de vida inferiores (20 a 40 e 40 a 60) sao observados respectivamente 80,00% e 83,33% de respiradores oronasais, quando analisados os escores mais altos de qualidade de vida a proporcao de respiradores oronasais se mostra inferior a de respiradores orais com 43,48% no caso dos escores entre 60 e 80 e com 11,11% no caso dos escores entre 80 e 100.

O mesmo comportamento foi evidenciado no estudo do dominio fisico, ja que nos niveis mais baixos de qualidade de vida, de 0 a 20, 20 a 40 e 40 a 60 ha respectivamente 100,00%; 83,33% e 84,62% de respiradores mistos, ou seja, os respiradores oronais aparecem em proporcoes maiores. Ja nos niveis mais altos de qualidade de vida (60 a 80 e de 80 a 100) a proporcao de respiradores oronasais e relativamente menor ja que inferiores a 50% da amostra (38,10% e 0,00%).

Frente aos resultados obtidos, realizou-se a analise de variancia com o objetivo de investigar os dominios isoladamente.

A analise de variancia nos revelou existencia de diferencas (p<0,01) entre os grupos estudados em tres dominios da qualidade de vida mensurados por meio do WHOQOL-BREF. Nos dominios fisico, ambiental e psicologico, a media do escore qualidade de vida do respirador oronasal foi significantemente inferior a dos respiradores orais.

No dominio social a diferenca foi nao significante no nivel de significancia de 5% (p:0,2854) mas a media de escore do respirador oronasal tambem foi inferior a do grupo de respiradores orais.

DISCUSSAO

Na analise e comparacao da qualidade de vida entre os respiradores orais e oronasais foi detectada uma diferenca significante entre os grupos, em tres dos quatro dominios de qualidade de vida analisados pelo WHOQOL-BREF.

Ao se investigar a frequencia da qualidade de vida nos grupos detectou-se a existencia de associacao linear, onde na medida em que ha um aumento da frequencia indicando melhora de qualidade de vida o grupo de respiradores orais aumenta em proporcao concomitantemente a diminuicao da participacao do grupo com respiracao oral (Tabela 1).

Evidenciou-se com isso uma melhor qualidade de vida nos respiradores orais e pior nos respiradores oronasais, corroborando a hipotese fundamental do estudo de que os grupos apresentam diferencas significantes na qualidade de vida, e contrariando os estudos que consideram a inexistencia de diferencas entre os grupos [4] ou a irrelevancia do grupo de respiradores oronasais [3,14].

A partir dos resultados obtidos, destacou-se a importancia de diferenciar cada grupo na populacao de sujeitos com ineficiencia respiratoria, uma vez que condutas especificas necessitam serem adotadas em cada situacao devido ao perfil diferenciado dos grupos.

Na analise da qualidade de vida os dominios ambiental, fisico e psicologico dos respiradores oronasais significantemente piores em relacao aos respiradores orais (Tabela 2).

E interessante observar que o fato dos sujeitos respirarem parcialmente pela boca, nao significa que a qualidade de vida seja melhor em relacao aqueles que respiram integralmente pela boca, contrariando inclusive a hipotese inicial do trabalho.

O fato dos respiradores oronasais experimentarem a sensacao de bem estar ao respirarem pelo nariz, mesmo que assistematicamente pode ser significativo nesses casos. Assim, a importancia da "experiencia" para que expectativas possam ser criadas, e referida em estudo sobre a qualidade de vida [25]. O respirador oral que esta fadado a condicao de somente respirar pela boca, fatalmente acaba se adaptando as circunstancias e dificilmente tem uma consciencia critica de seu estado.

Com isso nos respiradores mistos ha provavelmente uma maior percepcao de seus comprometimentos de saude como dificuldade para respirar, falta de animo e necessidade do uso de medicamentos, caracterizados no dominio fisico.

Ainda, na analise de variancia evidenciou-se diferenca significante entre os grupos no dominio psicologico, a proporcao de respiradores oronasais nos escores que indicam pior qualidade de vida foi superior nesse dominio. Acredita-se que diante do reconhecimento das condicoes fisicas negativas e adversas, o dominio psicologico tambem pode ser afetado, uma vez que alteracoes no rendimento, concentracao, aparencia fisica, humor e ansiedade podem ser desencadeados, como verificado em estudos com criancas e adolescentes [14,26].

Ja o fato do dominio ambiental ter sido afetado, provavelmente esta relacionado com os fatores etiologicos alergenos desencadeantes da obstrucao nasal dos grupos, uma vez que a rinite alergica foi considerada a maior causa das obstrucoes nasais na avaliacao clinica dos sujeitos [14,27].

O ambiente tem contribuido de maneira significante, devido aos avancos tecnologicos das ultimas decadas, gerando o aumento vertiginoso da quantidade e variedade de contaminantes quimicos eliminados no meio ambiente, alem de mudancas abruptas das condicoes termicas e condicoes insalubres de moradias [21]. Tais fatores nao estao somente relacionados com o desencadeamento dos processos alergicos como tambem com a perpetuacao dos mesmos.

A percepcao mais critica dos respiradores mistos pode inclusive favorecer um maior enfrentamento da situacao [16], e ser um dos fatores que justifique o porque dos sujeitos nao respirarem integralmente pela boca.

A deteccao de diferencas estatisticamente significantes entre os grupos de respiradores orais e oronasais, apontam para a necessidade de continuidade dos estudos para melhor compreensao do perfil do comportamento de cada grupo. Os conhecimentos poderao ampliar e fundamentar acoes fonoaudiologicas e interdisciplinares no ambito da promocao da saude.

CONCLUSAO

Este estudo revelou que respiradores oronasais apresentam pior qualidade de vida que respiradores orais nos aspectos ambiental, psicologico e fisico.

REFERENCIAS

[1.] Krakauer LH, Guilherme A. Relationship between mouth breathing and postural alterations of children: a descriptive analysis. Int J Orofacial Myology. 2000; 26:13-23.

[2.] Menezes VA, Tavares RLO, Garcia AFG. Sindrome da respiracao oral: alteracoes clinicas e comportamentais. Arquivos em Odontologia. 2009; 45(3): 160-5.

[3.] Queluz DP, Gimenes CMM. A sindrome do respirador bucal. Rev CROMG. 2000; 6(1):4-9.

[4.] Barros JR, Becker HM, Pinto JA. Evaluation of atopy among mouth-breathing pediatric patients referred for treatment to a tertiary care center. J Pediatr. 2006;82(6):458-64.

[5.] Bianchini AP, Guedes ZCF, Hitos S. Respiracao oral: causa x audicao. Rev CEFAC. 2009; 11(1):38-43

[6.] Oliveira AC, Lira dos Anjos CA, Silva EHAA, Menezes PL. Aspectos indicativos de envelhecimento facial precoce em respiradores orais adultos. Pro-Fono Revista de Atualizacao Cientifica. 2007;19(3):305-12.

[7.] Di Francesco RC, Passerotii G, Paulucci B, Miniti A. Respiracao oral na crianca: repercurssoes diferentes de acordo com o diagnostico, RevBrasOtorrinolaringol. 2004; 70(5):665-70.

[8.] Ribeiro EC, Marchiori SC, Silva AMT. Electromyographic analysis of trapezius and sternocleidomastoideus muscles during nasal and oral inspiration in nasal and mouth breathing children. J of Electrom Kinesiology. 2002;12(4): 305-16.

[9.] Menezes VA, Leal RB, Pessoa RS, Pontes RMES. Prevalence and factors related to mouth breathing in school children at Santo Amaro Project Recife. Braz J Otorhinol. 2006;72:394-9.

[10.] Cintra CFSC, Castro FFM, Cintra PPVC. As alteracoes oro-faciais apresentadas em pacientes respiradores bucais. RevBrasAlerImunopatol. 2000; 23(2):78-83.

[11.] Rodrigues HOSN, Faria SR, Paula FSG, Motta AR. Ocorrencia de respiracao oral e alteracoes miofuncionais orofaciais em sujeitos em tratamento ortodontico. Rev CEFAC. 2005; 7(3):356-62.

[12.] Vera CFD, Conde GES, Wajnsztein R, Nemr K. Transtornos de aprendizagem e presenca de respiracao oral em individuos com diagnostico de transtornos de deficit de atencao/hiperatividade (TDAH). Revista CEFAC. 2006; 8(4):441-55.

[13.] Bousquet J, Van Cauwenberge P, Khaltaev N, Aria Workshop Group, World Health Organization. Allergic rhinits and its impacto on asma (ARIA). Workshop report.J AllergyClinImmunol. 2001; 108(5):147-334

[14.] Campanha SMA, Freire LMS, Fontes MJF. O impacto da asma, da rinite alergica e da respiracao oral na qualidade de vida de criancas e adolescentes. Rev. CEFAC. 2008;10(4):513-9.

[15.] Blaiss MS. Important aspects in management of allergic rhinitis: compliance, cost, and quality of life. Allergy Asthma Proc. 2003; 24(4):231-8.

[16.] Silva LF, Guedes MVC, Moreira RP, Souza ACC. Doenca cronica: o enfrentamento pela familia. Acta Paul Enf. 2002; 15(1):40-7.

[17.] Aerts D, Alves GG, La Salvia MW, Abegg C. Promocao de saude: a convergencia entre as propostas da vigilancia da saude e da escola cidada. Cadernos de Saude Publica [online]. 2004; 20(4):1020-8.

[18.] Penteado RZ, Pereira MTB. Qualidade de vida e saude vocal de professores. Rev Saude Publica. 2007;41(2):236-43.

[19.] Fleck MPA, Fachel O, Louzada S, Xavier M, Chachamovich E, Vieira G, et al. Aplicacao da versao em portugues do instrumento abreviado de avaliacao de qualidade de vida WHOQOL-bref. Rev Saude Publica. 2000;34:178-83.

[20.] Minayo, MCS, Hartz ZMA, Buss PM. Qualidade de vida e saude: um debate necessario. Revista Ciencia e Saude Coletiva. 2000; 5(1):7-18.

[21.] Gouveia N. Saude e meio ambiente nas cidades: os desafios da saude ambiental. Saude e Sociedade. 1999;8(1):49-61.

[22.] Campos MO, Rodrigues Neto JF. Qualidade de vida: um instrumento para promocao de saude. Revista Baiana de Saude Publica. 2008;32(2):232-40.

[23.] WHOQOL-BREF.Whoqol Group. The World Health Organization quality of life assessment (WHOQOL): position paper from the World Health Organization. SocSci Med. 1995; 10:1403-9. WHOQOL Group. Disponivel em: http://www.ufrgs. br/psiq/whoqol84.html

[24.] SAS Institude Inc. The SAS system release 9.2. SAS Institute Inc., Cary NC, 2008.

[25.] Carr AJ, Gibson B, Robinson PG. Is quality of life determined by expectations or experience? British Medical Journal. 2001;322:1240-3.

[26.] Junqueira P, Parro FM, Toledo MR, Araujo RLT, Di Francesco R, Rizzo MC. Conduta fonoaudiologica para pacientes com diagnostico de rinite alergica: relato de caso. Rev CEFAC. 2005; 7(3):336-9.

[27.] Wasilewska J, Kaczmarski M, Protas PT, Kowalczuk-Kryston M, Mazan B, Topczewska M. Sleep disorders in childhood and adolescence with special reference to allergic diseases. Pol Merkur Lekarski. 2009;26(153):188-93.

Mirian Hideko Nagae (1), Marcelo Correa Alves (2), Renato Lyuti Kinoshita (3), Zelia Z L de Camargo Bittencourt (4), Heloisa Gagliardo (5)

(1) Fonoaudiologa; Professora Doutora do Departamento de Desenvolvimento Humano e Reabilitacao da Faculdade de Ciencias Medicas da Universidade de Campinas-FCM/ UNICAMP, Campinas, Sao Paulo, Brasil.

(2) Engenheiro Agronomo; Analista de Sistemas da Escola Superior de Agronomia Luiz de Queiroz da Universidade de Sao Paulo-ESALQ/USP, Piracicaba, Sao Paulo, Brasil.

(3) Fonoaudiologo da Clinica de Otorrinolaringologia Rezende & Paula, Campinas, Sao Paulo, Brasil.

(4) Assistente Social; Professora Doutora do Departamento de Desenvolvimento Humano e Reabilitacaoda Faculdade de Ciencias Medicas da Universidade de Campinas-FCM/ UNICAMP, Campinas, Sao Paulo, Brasil.

(5) Terapeuta Ocupacional; Professora Doutora do Departamento de Desenvolvimento Humano e Reabilitacaoda Faculdade de Ciencias Medicas da Universidade de Campinas-FCM/UNICAMP, Campinas, Sao Paulo, Brasil.

Conflito de interesses: inexistente

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462012005000048

RECEBIDO EM: 29/09/2011

ACEITO EM: 15/11/2011

Endereco para correspondencia:

Mirian Hideko Nagae

Av. Paulista 1195/152--Bela Vista

Sao Paulo--SP

CEP: 01311/900

E-mail: mnagae@fcm.unicamp.br
Tabela 1--Distribuicao de frequencias e porcentagens dos estratos de
indicadores de qualidade de vida dos grupos estudados

                              Estratos de indicadores de
                                qualidade de vida

Dominio       Grupo         0-20        20-40        40-60

Ambiental     Oronasal                 4(100,00)    13(59,09)
              Oral                     0(0,00)       9(40,91)
Psicologico   Oronasal                 4(80,00)     10(83,33)
              Oral                     1(20,00)      2(16,67)
Fisico        Oronasal     1(100)      5(83,33)     11(84,62)
              Oral         0(0,00)     1(16,67)      2(15,38)
Social        Oronasal     0(0,00)     3(100,00)    10(55,56)
              Oral         1(100)      0(0,00)       8(44,44)

                         Estratos de indicadores
                         de qualidade de vida

Dominio       Grupo        60-80        80-100      Valor-p

Ambiental     Oronasal    7(38,89)     1(20,00)      0,0140
              Oral       11(61,11)     4(80,00)
Psicologico   Oronasal   10(43,48)     1(11,11)      0,0005
              Oral       13(56,52)     8(88,89)
Fisico        Oronasal    8(38,10)     0(0,00)       0,0001
              Oral       13(61,90)     8(100,00)
Social        Oronasal    9(52,94)     3(30,00)      0,1718
              Oral        8(47,06)     7(70,00)

Teste Mantel-Haenszel Chi-Square (p<0,005)

Legenda: respirador oronasal: respiracao oral e nasal,
oral: respirador oral

Tabela 2--Media dos escore de qualidade de vida dos grupos de
respiradores oronasal e oral

                                         Limites de confianca
                                             da media (95%)
Grupo
(dominio)       Media          DP        Superior     Inferior

Ambiental
Oronasal       54,1250      14,0544      59,9264      48,3236
Oral           65,3646      12,1527      70,4962      60,2330
Psicologico
Oronasal       58,3333      15,4504      64,7110      51,9557
Oral           72,5694      14,9434      78,8795      66,2594
Fisico
Oronasal       51,0000      14,8160      57,1158      44,8842
Oral           73,8095      14,5422      79,9502      67,6689
Social
Oronasal       60,6667      19,0212      68,5182      52,8151
Oral           68,0556      19,6077      76,3351      59,7760

Grupo
(dominio)         F         Valor-p

Ambiental
Oronasal         9,19        0,0040
Oral
Psicologico
Oronasal         8,36        0,0058
Oral
Fisico
Oronasal        22,08        0,0001
Oral
Social
Oronasal         1,17        0,2854
Oral

Tste de Analise de variancia com modelo apropriado para
experimentos com 1 fator (one-way ANOVA) e distribuicao lognormal
da variavel de resposta

Legenda: oronasal: respirador oral e nasal, oral: respirador
oral, DP: desvio padrao, F: frequencia
COPYRIGHT 2013 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2013 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:Nagae, Mirian Hideko; Alves, Marcelo Correa; Kinoshita, Renato Lyuti; Bittencourt, Zelia Z.L. de Cam
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:Jan 1, 2013
Words:3338
Previous Article:Scientific production in hearing health in Brazil: analysis of the period from 2000 to 2010/Producao cientifica em saude auditiva no Brasil: analise...
Next Article:Analysis of aerodynamic measures in Brazilian Portuguese through Multiparameter Assessment Method Vocal Objective Assist (EVA)/ Analise das medidas...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters