Printer Friendly

Knowledge production on community education and audiology in primary health care/Producao do conhecimento sobre educacao popular e audiologia na atencao primaria.

INTRODUCAO

A implantacao e manutencao de um sistema de saude igualitario, integral e universal constituem processos sociais e politicos que se viabilizam por meio da criacao de politicas publicas voltadas para a saude, mas nao somente, tambem e indispensavel que tais politicas estejam presentes no cotidiano das acoes e servicos de saude, ou seja, no saber e no fazer, levando em consideracao a legislacao vigente e a pedagogia vivencial humanescente, A perspectiva de que politicas publicas em saude sejam praticadas no territorio e contribuam para a qualificacao em diversos aspectos do SUS, tem sido importante para a analise critica dos processos de trabalho em saude, visando a producao de novos conhecimentos em um campo dinamico e consolidado e o desenvolvimento de novas praticas de saude consonantes com os principios, diretrizes e normas propostos (1).

Nas ultimas duas decadas diversas politicas foram instituidas e regulamentadas em respostas ao anseio da populacao brasileira por uma saude publica mais justa, equanime, humana e integral para todos, No que se refere as Ciencias da Comunicacao Humana, a saude auditiva ganhou grande representatividade nesse cenario, No ano 2000, o Ministerio da Saude tornou publica a Portaria MS/SAS 434, Esse foi o primeiro passo para o surgimento da Politica Nacional de Atencao a Saude Auditiva, pois esse dispositivo legal determinou alguns avancos consideraveis, como a formacao da equipe multidisciplinar, a organizacao do servico voltado especificamente para os pacientes da saude auditiva e acompanhamento fonoaudiologico atrelado a concessao de aparelho de amplificacao sonora individual (2).

Tal politica foi definitivamente instituida com a publicacao da Portaria 2.073/GM em setembro de 2004, que teve como um dos pontos fundamentais a consolidacao, organizacao e operacionalizacao da pratica fonoaudiologica dentro do sistema publico de saude no campo da Audiologia Social, direcionando o fonoaudiologo como o responsavel pelo diagnostico, selecao e adaptacao de aparelho de amplificacao sonora individual e monitoramento dos pacientes com deficiencia auditiva, A portaria estabeleceu a organizacao da implantacao da nova rede de forma articulada entre as tres esferas de poder (federal, estadual e municipal) e atendeu as demandas de promocao, prevencao e reabilitacao (2).

Ainda em meados do ano de 2004, no mes de outubro, tornaram-se publicas outras duas Portarias, MS/SAS 587 e MS/SAS 589, que estabeleceram o cadastramento dos Servicos de Atencao a Saude Auditiva e as atribuicoes dos tres diferentes niveis de complexidade do sistema, Nessa perspectiva, a atencao basica e responsavel por acoes coletivas que visem a promocao da saude auditiva, a prevencao e a identificacao precoce da deficiencia da audicao, alem da realizacao de atividades e processos informativos e educativos, Passado alguns anos, desde a implantacao desta politica, sao poucos os estudos objetivados a avaliar, acompanhar e analisar criticamente os processos que envolvem educacao em saude e saude auditiva realizados no ambito da atencao basica (3).

No que se refere a pratica de educacao em saude, entende-se por esse termo quaisquer arranjos de experiencias de aprendizagem delineadas com vistas a facilitar acoes voluntarias conducentes a saude, Aliando a pluralidade comportamental com a experiencia de intervencoes educativas, de forma a possibilitar momentos construtivos, sem coercao e com plena harmonia e aceitacao dos objetivos propostos implicitos e explicitos no desenvolvimento de sujeitos capazes de se auto cuidar (4).

Quanto a relacao existente entre educacao e saude, os meios de comunicacao em massa e a convivencia diaria dos profissionais com os usuarios acabam se tornando os dois principais polos de difusao do saber, Este ultimo aspecto gera, impreterivelmente, um vinculo estreito e baseado em confianca entre os diversos atores, proporcionando um rico aprendizado dos caminhos de uma educacao em saude que considere a autonomia e ressalte a cultura da populacao (5).

Nos territorios, a educacao em saude nao e a unica arquitetura pedagogica que valoriza aspectos como a pluralidade social, interacao dinamica, pacto com as classes mais vulneraveis, participacao social e o dialogo entre o conhecimento popular e o conhecimento cientifico. Porem, acaba sendo, no cenario de saude publica do Brasil, um marco no desenvolvimento de uma nova cultura profissional que busca romper antigos paradigmas e tradicoes autoritarias que permeavam as relacoes entre os servicos de saude e os usuarios do sistema (5).

Estudos que buscaram observar determinadas vivencias em educacao em saude no ambito do SUS concluiram que tal pratica e considerada uma ferramenta metodologica fundamental para uma reorganizacao mais profunda dos sistemas e precisam ser cada vez mais incentivadas, pois possibilitam cada vez mais a construcao de uma atencao mais integral, em que as pessoas e os grupos possam assumir maior controle sobre sua saude e suas vidas (6).

Cumpre salientar que, muito embora, ja sejam observadas razoaveis acoes de incentivo a educacao em saude, tal estrategia ainda e considerada um grande desafio para as equipes multiprofissionais que atuam na atencao basica, por nao possuir modelo padrao, acompanhamento, monitoramento especifico ou aconselhamento em relacao as praticas educativas a serem desenvolvidas (5).

Diante das consideracoes tecidas, nota-se a necessidade de verificar o que, de fato, esta sendo realizado acerca da tematica abordada, expondo os metodos e praticas utilizados nas intervencoes informativas em saude auditiva e confrontando-os com o que e considerado ideal pela literatura cientifica. Para tanto, esse estudo objetiva-se em analisar a arte publicada sobre os processos educativos das acoes coletivas de saude auditiva no Brasil. O estudo e orientado pela seguinte perspectiva de analise: a distribuicao das publicacoes ao longo do tempo; a identificacao e caracterizacao do tipo de processo educativo; a categorizacao dos principais focos e temas/conteudos e sua relacao com o periodo de publicacao.

METODOS

Trata-se de uma revisao integrativa da literatura. Como principio fundamental da pesquisa baseada em evidencias, a pergunta de investigacao deste estudo foi: "O que vem sendo publicado sobre processos educativos em saude auditiva na literatura cientifica Brasileira?".

Para tanto, foram consultados periodicos cientificos nacionais, livros, anais de congressos da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, alem de bases de dados virtuais (MedLine, LILACS, Cochrane Library, SciELO, OneFile ((GALE)), ERIC, SciVerse ScienceDirect e Biblioteca Digital Brasileira de Teses e Dissertacoes).

A estrategia de busca utilizada na revisao bibliografica foi guiada pela combinacao de dez descritores, indexados no MeSH Database da MedLine, em lingua Portuguesa e Inglesa, num total de 7 chaves de busca. Para a realizacao dos rastreios, os descritores foram empregados conforme apresentado na Tabela 1.

A coleta dos estudos seguiu criterios de inclusao baseados na proposta tematica e nos objetivos deste trabalho. Os criterios adotados para a inclusao de estudos nesta revisao sistematica foram: estudos envolvendo processos educativos aplicados a saude auditiva; realizados nos ultimos quinze anos (2000-2015); realizados no cenario da saude publica brasileira; publicados nas linguas portuguesa e inglesa e; artigos originais, teses e dissertacoes relacionadas ao tema.

Foram excluidas do estudo as obras de carater meramente teorico-bibliografico; os levantamentos epidemiologicos, as direcionadas para a avaliacao audiologica, as referentes as intervencoes individuais e/ou coletivas de carater clinico-terapeutico-reabilitador, bem como as que se limitavam ao objetivo de levantamentos de prevalencia de disturbios, alteracoes, queixas e sintomas auditivos e que nao incorporavam experiencias de intervencoes educativas.

A selecao dos estudos foi feita em tres etapas apos a busca inicial baseada nas palavras-chave preestabelecidas. Na sequencia, foram analisados todos os estudos encontrados por meio da combinacao dos descritores nas bases de dados consultadas. Esta primeira selecao consistiu na analise do titulo do estudo, sendo selecionados os artigos que apresentavam os criterios de elegibilidade predeterminados e supracitados, nesta fase, foram encontrados 39 artigos (1a etapa).

Em seguida, verificou-se na leitura dos resumos dos artigos se eles abordavam em suas metodologias algum mecanismo educativo que, independentemente dos profissionais envolvidos, abordassem explicitamente a saude auditiva. Nessa fase, foram excluidos 17 artigos, pois se limitavam ao objetivo de levantamentos de prevalencia de disturbios, alteracoes, queixas e sintomas auditivos (2a etapa).

Em seguida todos os estudos selecionados, 22 artigos, foram lidos e analisados na integra (3a etapa).

Foi utilizada a escala PEDro (PEDro Scale) para a analise da qualidade metodologica dos estudos selecionados, especificamente para a avaliacao de aspectos relativos a validade interna e realizada criteriosa analise por parte dos pesquisadores para garantir que os estudos selecionados estavam de acordo com os criterios inicialmente estabelecidos.

REVISAO DE LITERATURA

A Audiologia, como ciencia, foi estruturada em meados da decada de 1940, apos a II Guerra Mundial, nos Estados Unidos da America e, apos a decada de I960, chegou ao Brasil. Essa area de conhecimento e compreendida como uma vertente das Ciencias da Comunicacao Humana que se dedica ao estudo da audicao, bem como dos meios para prevenir, identificar, avaliar, diagnosticar e intervir na deficiencia auditiva e dos disturbios do equilibrio, em criancas, adultos e idosos, promovendo a saude auditiva do individuo e da coletividade (7,8).

Pesquisas publicadas na ultima decada elegeram a deficiencia auditiva como, dentre todas as deficiencias humanas, uma das mais devastadoras em relacao a comunicacao, interacao e convivio social, pois interfere diretamente no desenvolvimento e manutencao da linguagem, fala, relacoes interpessoais e aprendizagem, podendo prejudicar o desempenho escolar, profissional e social (8).

O desenvolvimento da Audiologia e da atencao a saude auditiva tem sido beneficiado por meio de diversos dispositivos legais aprovados pelos Ministerios da Saude, do Trabalho e pela producao cientifica de fonoaudiologos que se dedicam a essa area de conhecimento. Porem, historicamente, a grande maioria dos estudos desenvolvidos neste ambito de conhecimento possui carater clinico-terapeutico-reabilitador e prioriza levantamentos de prevalencia e incidencia. No Brasil, poucos estudos referem-se a analise de projetos de promocao, prevencao e identificacao precoce de problemas auditivos junto a comunidade, bem como a propostas informativas e educativas voltados a atencao basica (9).

Diante disso, foram encontrados e analisados 22 publicacoes entre 2005 e 2015, devidamente organizados na Tabela 2.

Uma analise ampla, de carater quantitativo, buscou a distribuicao das publicacoes ao longo do tempo. Os resultados sao organizados por periodos de tres anos, com excecao do ano de 2015, que foi incorporado ao ultimo conjunto de anos, somando um periodo composto de quatro anos. Observaveis na Tabela 3.

E possivel constatar a insuficiencia de estudos publicados na area ate hoje. A partir de 2006 percebe-se o surgimento de publicacoes relacionadas ao tema, sendo que mais das metades foram vinculadas a midia cientifica nos ultimos anos, entre 2009 e 2015.

Esses dados corroboram os achados de um estudo que objetivou analisar a incidencia de publicacoes realizadas em Audiologia. Nele foi registrado o aumento progressivo no numero de publicacoes em 2006 e a consideravel multiplicacao dos trabalhos a partir de 2009. O autor acrescenta que trabalhos sobre saude auditiva associada a atencao basica aparecem em menor numero (10).

Por volta do ano 2005, iniciou-se um processo de retroalimentacao entre a arte publicada e os avancos politicos e sociais no ambito da saude auditiva, ou seja, a literatura que alicercou projetos de politicas publicas a favor do bem estar auditivo passou a ser estimulada e desenvolvida cada vez mais. O aumento dos artigos publicados nesse periodo pode ser entendido como resposta aos subsidios teoricos e praticos proporcionados pela aprovacao da Politica Nacional de Atencao a Saude Auditiva, pela Portaria GM 2073, em 2004, que possuia o objetivo maior de proteger, recuperar a saude e garantir a qualidade de vida e autonomia das pessoas com deficiencia auditiva (10,11).

No rol de diretrizes propostas pela Politica Nacional de Atencao a Saude Auditiva para as acoes em ambito nacional, e possivel observar a estruturacao de uma rede de cuidados, com acoes de promocao, prevencao, tratamento e reabilitacao na baixa, media e alta complexidade; a importancia de identificar os determinantes e condicionantes dos principais processos de adoecimento e situacoes de vulnerabilidade que levam a deficiencia auditiva; a delimitacao de parametros minimos para o funcionamento e a avaliacao dos servicos que realizam reabilitacao auditiva. Em consonancia com as diretrizes do Sistema Unico de Saude e da Politica Nacional da Saude da Pessoa com Deficiencia, a politica ressalta a importancia do acesso, da acessibilidade, da equidade, da integralidade e do controle social nas acoes da saude auditiva. Evidencia, ainda, a importancia da educacao continuada dos profissionais, a imprescindibilidade da disseminacao da bagagem informativa sobre saude auditiva, alem da educacao popular, como forma de assegurar a participacao social e o autocuidado (11,12).

Apos esse marco, a presenca de fonoaudiologos nas equipes da Estrategia Saude da Familia e Nucleo de Apoio a Saude da Familia esteve cada vez mais frequente. Com o seu patrimonio empirico e olhar diferenciado, esses profissionais vem contribuindo consideravelmente para a estruturacao das praticas em cenarios de atencao basica e desenvolvendo acoes e pesquisas sobre educacao em saude no ambito da Ciencia da Comunicacao Humana, abarcando, dentre outro temas, a Audiologia (13).

Quanto as outras variaveis analisadas no presente estudo, investigacoes qualitativas buscaram apreciar os processos educativos desenvolvidos em cenario de atencao basica, ou seja, identificar e caracterizar as formas de desenvolvimento das acoes, o tipo de processo e os principais focos e temas abordados, relacionando-os com o periodo de tempo.

No que se refere a constancia de encontros, buscou-se identificar se a intervencao educativa foi realizada de maneira pontual, em apenas um ou dois episodios ou se de modo sequencial, somando tres ou mais episodios. Tabela 4.

Nota-se que as acoes vem sendo realizadas, predominantemente, de maneira pontual, compostas por, no maximo, dois encontros caracterizados por grupos constituidos sob uma proposta de cursos e oficinas. As acoes desenvolvidas pontualmente geralmente nao promovem a consolidacao do conhecimento e constroem vinculos frageis entre os educadores e educandos. Dessa forma, a maioria dos estudos nao atingiram os parametros sugeridos pela literatura especializada, que consideram intervencoes desenvolvidas sequencialmente mais pertinentes as propostas de promocao da saude.

Os processos pedagogicos ainda estao predominantemente associados a perspectiva da transmissao de saberes e nao da transformacao sociocultural. A pedagogia da transformacao, neste contexto, assume um papel de essencial importancia no que se refere aos processos educativos e na construcao de uma consciencia coletiva que seja capaz de moldar as diferentes realidades a partir do conhecimento (14).

E importante destacar a necessidade do profissional se atentar a aspectos que proporcionem o desenvolvimento de momentos nao unicos e desassociados, mas sim processuais e articulados. Essa abordagem e entendida, atualmente, como o melhor metodo quando se trata de intervencoes informativas e esta atrelada as reformas de paradigmas pedagogicos, uma vez que proporciona ao publico-alvo, por meio de reforco e monitoramento frequente, a consciencia sobre o trajeto de aprendizagem--nivel de absorcao de tematicas abordadas, eventuais duvidas e objetivos a serem alcancados (15).

No ambito da dinamica das acoes, buscou-se identificar a caracterizacao unidirecional ou multidirecional, esta ultima, podendo ser de forma transversal, interativa, construtiva, dinamica e participativa. Tabela 5.

No presente estudo houve maior prevalencia de acoes educativas que priorizou dinamicas unidirecionais de aprendizagem.

Esse tipo de dinamica possui seus fundamentos nos tradicionais modelos pedagogicos, onde se estabelece uma relacao verticalizada e o papel de agente ativo/detentor de conhecimento e exclusivo do profissional tecnico. A difusao isolada e autoritaria do conhecimento acaba sendo a maior prioridade--exposicoes, discursos e explicacoes oriundas de saberes especificos e cientificos hegemonicos, sem contexto e dissociado da realidade local, distanciam a populacao dos objetivos delineados. Comumente possui foco cognitivista e comportamental e tem recebido criticas nao positivas pela literatura especializada (16).

Em contrapartida, de acordo com preconizado pela arte de Paulo Freire, quando a acao e multidirecional e possui inclinacao dialogica, democratica, participativa e interativa, todos os atores se relacionam de forma associada e articulada. O profissional tecnico deixa de ser o unico sujeito ativo e se integra ao grupo, compartilhando experiencias refletidas, discutidas e construidas sob a juncao dos saberes cientificos e populares. Sob esse prisma, a subjetividade, as historias de vida, os conhecimentos, crencas e experiencias culturais sao tao importantes quanto os conceitos teoricos formais; ao mesmo tempo em que as diversas maneiras de se perceber o mundo, as diversas formas e tipos de expressoes, opinioes, sentimentos e ideias fortificam o comprometimento dos sujeitos como "ser social" (17).

E possivel observar a relativa diversidade dos desenvolvimentos das acoes educativas. A falta de um dispositivo nacional que regulamente e oriente as acoes em saude auditiva no territorio, aliada a uma precaria literatura voltada para a investigacao geral dos processos educativos neste ambito e associada a pluralidade das condicoes, em nivel local para o desenvolvimento das acoes, pode explicar, parcialmente, tais diferencas (18). Isso confirma a necessidade de pesquisas para organizacao e orientacao das acoes educativas,

O trabalho de inumeros profissionais embasado nos conceitos estabelecidos pelo estudo da educacao em saude tem evoluido consideravelmente no sentindo do combate ao antigo modelo de medicalizacao social, da indiferenca ao saber popular, da imposicao de solucoes e a falta de espaco para a autonomia do paciente, Porem, nao basta apenas uma parcela dos trabalhadores da saude faze-lo, e imprescindivel que esse conhecimento seja difundido e generalizado em toda rede de atencao (19).

A forma mecanicista e individualizada de se enxergar os processos de saude e, consequentemente, as formas com que o conhecimento e transmitido no ambito da educacao em saude ainda possui relativa influencia do modelo biomedico e hospitalocentrico baseado no processo de formacao flexineriano. Compreendendo isso, esforcos de profissionais e instituicoes comprometidas com a saude publica de qualidade vem juntando esforcos e tem conseguido na ultima decada mudar, arduamente, esse panorama critico, Indubitavelmente, se torna cada vez mais urgente a necessidade de se superar os modelos ultrapassados de assistencia a saude, em que as praticas integradas a realidade e necessidades da populacao aconteciam apenas experimentalmente como alternativas pontuais e temporarias (20).

Este trabalho ainda buscou categorizar e elencar o publico-alvo que participou com maior frequencia das acoes formativas, Tabela 6.

De acordo com o visto, e possivel perceber que a maioria das acoes educativas foi direcionada para a capacitacao tecnico-cientifica dos agentes comunitarios de saude e para orientacao de escolares, ambos com 27,2% das representacoes, Tais dados estao em harmonia com os achados em uma obra que cita o aumento do numero de publicacoes sobre saude auditiva envolvendo aspectos como avaliacao do servico de saude, satisfacao do usuario e capacitacao dos profissionais (21), Outro estudo relata que temas abordados em intervencoes na atencao basica sao diversificados, porem, a capacitacao profissional representa grande parte destes (22).

Observando o momento historico que acompanhou o inicio dos anos 2000, e inevitavel nao associar tais resultados aos estimulos direcionados a Politica Nacional de Formacao e Desenvolvimento para o Sistema Unico de Saude e, especificamente, ao Programa de Agentes Comunitario de Saude, Esses dispositivos politicos e organizacionais buscam inserir os conceitos de gestao do trabalho e da educacao em saude a partir dos principios e diretrizes do SUS, alem de procurar promover a qualificacao e a humanizacao nos servicos prestados pelo Estado (23).

Concomitantemente aos incentivos a articulacao entre desenvolvimento pessoal e coletivo, servicos, gestao tatica e controle social, esses processos constituem-se na perspectiva da transfiguracao da organizacao do trabalho, dos processos instrutivos, das vivencias em saude e das praticas pedagogicas em relacoes dinamicas e permanentes entre as instituicoes formadoras e o sistema de saude em suas varias esferas de governo para a capacitacao tecnico-pedagogica e humanescente dos profissionais (23).

Ja quando se fala em um publico composto por escolares, as instituicoes educacionais surgem como espaco social com um dos mais consideraveis potenciais promotores de saude, nao apenas abarcando os discentes, como tambem a comunidade escolar generalizada. Para o estabelecimento de um sistema de atencao a saude que esteja concatenado as reais necessidades de transformacao da nossa sociedade se fazem necessarias politicas que atuem de forma transversal, integrada e articulada lacando mao da intersetorialidade. A educacao em saude nas escolas pode ser compreendida como toda e qualquer intervencao que visa proteger, melhorar ou recuperar a saude das pessoas que la estao (24).

Surge no Brasil, em 2007, o Programa Saude na Escola articulado a atencao primaria, que preconiza a efetivacao da parceria entre as acoes da rede publica de educacao basica e da atencao basica a saude de forma a ampliar o impacto de suas intervencoes na vida dos estudantes, familia e toda a comunidade. Apesar de bem desenhada, sao inumeros os obstaculos para efetivacao de uma rede de atencao intersetorial que seja eficaz, resolutiva e acessivel, desta forma, os enfrentamentos ao descompromisso dos trabalhadores da saude e educacao e da falta de investimento governamental, inclusive em melhores condicoes de trabalho, sao constantes (25).

Nao obstante, entre os objetivos do PSE, encontram-se as acoes direcionadas a saude bucal, ocular e auditiva. Nesse sentindo, as intervencoes voltadas ao monitoramento da audicao dos escolares ganharam maior representativa dentre as acoes realizadas pelas equipes de saude (25).

Quantos aos principais temas e conteudos abordados, a tabela sete expoe quais foram mais frequentes e busca relaciona-los com o periodo de suas respectivas publicacoes. Tabela 7.

E possivel afirmar que a Audiologia Geral e a Audiologia Ocupacional foram os temas mais abordados, ambas possuindo 27,2% das representacoes. Foi a partir do ano de 2006 que se observou a maior representatividade desses temas no ambito do conhecimento cientifico. Em seguida, a Audiologia Infantil com 13,6%.

Nesse momento do estudo, surge a tematica saude do trabalhador como sendo o principal foco especifico abordado nas publicacoes analisadas.

Foi tambem no inicio dos anos 2000 que muitos direitos voltados a saude do trabalhador passaram a adquirir maior imponencia, sobretudo apoiados pelo surgimento da Rede Nacional de Assistencia a Saude dos Trabalhadores. Tal artificio veio para organizar uma assistencia mais articulada com os setores de vigilancia, aperfeicoando o controle e monitoramento sob as atividades relacionadas a prevencao de agravos e a promocao da saude no ambito laboral, atingindo, dessa maneira, todas as camadas sociais e contribuindo para a melhoria da qualidade de vida e garantia de direitos trabalhistas (26).

Nesse contexto, surgem movimentos, servicos e acoes associadas em Audiologia Ocupacional que buscam prevenir a perda auditiva induzida por ruido. Tal doenca foi levada em consideracao, pois possui carater cronico e irreversivel em que as celulas ciliadas do orgao de Corti sao lesadas, em decorrencia da frequente exposicao a ruido, cujos niveis de pressao sonora sao elevados e por um periodo de tempo maior que o permitido (9).

Ao se confrontar tais dados com a literatura cientifica, percebe-se que todos os temas e conteudos sao importantes para o desenvolvimento de uma educacao popular eficaz e coerente com as fragilidades e rupturas atuais, porem, existem aspectos que sao de extrema relevancia e foram pouco explorados nas intervencoes educativas, como as abordagens especificamente voltadas para o conhecimento dos fatores de risco e metodos de prevencao da perda auditiva a luz do autocuidado, nao apenas aplicadas as deficiencias adquiridas nas praticas laborais, como tambem as congenitas que possuiem relacao com habitos nao saudaveis (27)--esse ultimo ponto nao foi evidenciado de acordo com seu merito no cenario da promocao a saude.

De forma ampla, e indispensavel se atentar ao fato de que a atual tendencia e de que a educacao em saude va alem de simplesmente informar ou tentar mudar comportamentos nocivos. Cumpre ressaltar que um processo educativo em saude engloba a formacao para o exercicio de uma cidadania ativa e consciente, com desenvolvimento e aprimoramento de competencias e habilidades para que as pessoas participem ativamente dos trabalhos de definicao de suas necessidades e das acoes transformadoras da realidade social que consigam negociar e implantar suas propostas para a obtencao das metas de saude, e buscar melhorias da qualidade de vida no ambiente de trabalho e alem dele (28). E, evidentemente, processos educativos, assim definidos, dificilmente se concretizam satisfatoriamente em acoes educativas pontuais, unidirecionais, tradicionais, limitadoras e sem planejamento e controle de qualidade, eles demandam uma forma de desenvolvimento processual, amplo, inovador, participativo, democratico e sempre atento aos parametros de qualidade.

CONSIDERACOES FINAIS

Sob essa otica, evidenciou-se, em linhas gerais, que o maior numero dos processos educativos realizados em cenario de atencao basica tem sido desenvolvido de forma pontual e conduzido por uma dinamica educativa unidirecional, verticalizada e tradicional. Os agentes comunitarios de saude e escolares tem sido o publico-alvo mais frequente, e, nos encontros, os assuntos mais abordados sao Audiologia Geral e Ocupacional.

Ha necessidade de avanco, revisao e reformulacao das acoes fonoaudiologicas em saude auditiva, de modo a proporcionar padronizacoes basicas que levem em consideracao as caracteristicas particulares de cada territorio. Tambem e necessario assegurar que as acoes sejam continuas, multiplicaveis e transversais, de modo que atendam as reais demandas da populacao, abranjam o maior numero de pessoas possivel e que atinjam seus objetivos.

A construcao de mecanismos de controle que observem parametro como eficiencia, eficacia, efetividade, abrangencia, acesso e acessibilidade aliados ao acompanhamento, monitoramento e auditoria dos processos e seus resultados sao indispensaveis para construcao de politicas publicas saudaveis e para contribuicao para melhoria da qualidade do SUS.

doi: 10.1590/1982-0216201618320415

REFERENCIAS

(1.) Trevisan LN, Junqueira LAP. Construindo o "acto de gestao" no SUS: da descentralizacao tutelada a gestao em rede. Cienc saude coletiva. 2007;12(4):893-902.

(2.) Brasil. Ministerio da Saude. Resolucao MS/CNS ng 335 de 27 de novembro 2003. Dispoe sobre a Politica Nacional de Formacao e Desenvolvimento para o SUS: caminhos para a educacao permanente em saude e a estrategia de polos ou rodas de educacao permanente em saude. Disponivel em: http://conselho.saude.gov.br/ resolucoes/reso_04.htm>. Acesso em 03/10/2015.

(3.) lanni A, Pereira PCA. Acesso da comunidade surda a rede basica de saude. Saude Soc. 2009;18(2):89-92.

(4.) Vasconcelos EM. Educacao Popular: de uma pratica alternativa a uma estrategia de gestao participativa das politicas de saude. Rev Saude Coletiva. 2004;14(1):6-83.

(5.) Pelicioni MC, Pelicioni AF. Educacao e promocao da saude: uma retrospectiva historica. Mundo Saude. 2007;31(3):8-320.

(6.) Carneiro AC, Oliveira ACM, Santos MMS, Alves MS, Casais NA, Santos AS. Educacao Popular em Saude Mental: relato de uma experiencia. Saude Soc. Sao Paulo. 2010;19(2):74-462.

(7.) Bonaldi LV, Texeira C, Griz S, Advincula C, Boechat EM, Menezes PL et al. Bases da audicao. ln: Boechat EM, Menezes PL, Couto CM, Frizzo ACL, Scharlach RC, Anastasio ART. Tratado de Audiologia. 2 ed. Rio de Janeiro: Santos; 2015. p. 1-50.

(8.) Cruz MS, Oliveira LR, Carandina L, Lima MCP, Cesar CLG, Barros MBA et al. Prevalencia de deficiencia auditiva referida e causas atribuidas: um estudo de base populacional. Cad Saude Publica. 2009;25(5):31-1123.

(9.) Arlinger S. Negative consequences of uncorrected hearing loss-a review. Int J Audiol. 2003;42(2):17-20.

(10.) Silva KR, Ferreira MC, Guia AC, Neto RO, Lemos SMA. Producao cientifica em saude auditiva no Brasil: analise do periodo de 2000 a 2010. 215. Rev CEFAC. 2013;15(1):27-215.

(11.) Daher CV, Pisaneschi E. A politica nacional de atencao a saude auditiva: a atencao especializada as pessoas com deficiencia auditiva no SUS. In: Bevilaquca MC, Martinez MAN, Balen SA, Pupo AC, Reis ACMB, Frota S. Saude auditiva no Brasil: politicas, servicos e sistemas. Sao Jose dos Campos: Pulso; 2010. p. 15-30.

(12.) Brasil. Ministerio da Saude. Portaria n. 2.073/GM, 28 de setembro de 2004. Institui a Politica Nacional de Atencao a Saude Auditiva. Brasilia: MS, 2004. Disponivel em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/ PORTARIAS/Port2004/GM/GM-2073.htm>. Acesso em 03/10/2015.

(13.) Teixeira CF. Estudo avaliativo da politica de atencao a saude auditiva: estudo de caso em Pernambuco --Recife [tese], Recife (PE): Fundacao uswaldo Cruz, Centro de Pesquisas Ageu Magalhaes; 2007.

(14.) Lima JVC, Turini B, Carvalho BG, Nunes EFPA, Lepre RF, Mainardes P et al, A educacao permanente em saude como estrategia pedagogica de transformacao de praticas: possibilidade e limites, Trab, Educ, Saude, 2010;8(2):207-27.

(15.) Penteado RZ, Servilha EA, Fonoaudiologia em saude publica/coletiva: compreendendo prevencao e o paradigma da promocao da saude, Disturb Comun, 2004;16(1):16-107.

(16.) Dias JS, Avaliacao educativa: producao de sentidos com valor de formacao, Avaliacao, 2008;13(1):193-207.

(17.) Freire P, Ensinar nao e transferir conhecimento, In: Freire P, Pedagogia da Autonomia: saberes necessarios a pratica educativa, 25 ed, Rio de Janeiro: Paz e Terra; 1997, p, 21-33,

(18.) Sant'Ana VL, Dimensoes do processo ensino aprendizagem: desafios a pratica docente. Pedagogia Acao, 2009;1(1):15-23.

(19.) Vasconcelos EM. Redefinindo as praticas de saude a partir de experiencias de educacao popular nos servicos de saude, Interface--Comunic, Saude, Educ, 2008;8(5):12-21.

(20.) Marco MA, Do modelo biomedico ao modelo biopsicossocial: um projeto de educacao permanente, Rev, bras, educ, med, 2006;30(1):45-56.

(21.) Melo TM, Alvarenga KF. Capacitacao de profissionais da saude na area de saude auditiva: revisao sistematica, Rev Soc Bras Fonoaudiol, 2009;14(2):6-280.

(22.) Alvarenga KF, Bevilacqua MC, Martinez MANS, Melo TM, Blasca WK, Taga MFL, Proposta para capacitacao de agentes comunitarios de saude em saude auditiva, Pro-Fono R Atual Cient, 2008;20(3):6-171.

(23.) Nunes MO, Trad LB, Almeida BA, Homem CR, Melo MCIC, O agente comunitario de saude: construcao da identidade desse personagem hibrido e polifonico, Cad, Saude Publica, 2002;18(6):639-46.

(24.) Barros DF, Barbieri AR, Ivo ML, Silva MG, O contexto da formacao dos agentes comunitarios de saude no Brasil, Texto Contexto Enf, 2010; 19(1):78-84,

(25.) Brasil, Ministerio da Saude, Decreto 6,286 de 05 de dezembro de 2006. Institui o Programa Saude na Escola, Brasilia: MS, 2006. Disponivel em: http://www,planalto,gov.br/ ccivil_03/_ato2007-2010/2007/decreto/d6286.htm>, Acesso em 03/10/2015.

(26.) Ferreira D, A Fonoaudiologia, o Direito Previdenciario e a perda auditiva induzida por ruido, In: Morata TC, Zucki F, Caminhos para a saude auditiva ambiental-ocupacional, Sao Paulo: Plexus, 2005. p, 203-19.

(27.) Hein MA, Aragaki SS, Saude e envelhecimento: um estudo de dissertacoes de mestrado brasileiras (2000-2009). Cienc, saude coletiva, 2012;(17)8:9-101.

(28.) Penteado RZ, Chun RY, Silva RC, Do higienismo as acoes promotoras de saude: a trajetoria em saude vocal, Disturb Comun, 2005;17(1):9-17.

Marcelo Luiz Medeiros Soares [1]

[1] Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN. Natal, RN--Brasil. Conflito de interesses: inexistente

Recebido em: 03/12/2015

Aceito em: 20/04/2016

Endereco para correspondencia:

Marcelo Luiz Medeiros Soares Rua Doutor Viriato Correia--138 Natal--RN--Brasil CEP: 59131-060

E-mail: marcelloluyz2@hotmail.com
Tabela 1. Descritores indexados no MeSH utilizados na estrategia
de busca

Descritores em Portugues Brasileiro          Descritores em Ingles

Educacao em Saude x Fonoaudiologia     Health education x
ou Audiologia x Atencao Basica          Speech-language Pathology or
                                           Audiology x Primary
                                               Health Care

Oficinas x Fonoaudiologia ou              Workshops x Speech-language
Audiologia x Atencao Basica             Pathology or Audiology x Primary
                                                  Health Care

Atividades Educativas x                      Educational Activity x
Fonoaudiologia ou Audiologia x            Speech-language Pathology or
Atencao Basica                          Audiology x Primary Health Care

Atividades Educacionais x                   Educational Activities x
Fonoaudiologia ou Audiologia x            Speech-language Pathology or
Atencao Basica                          Audiology x Primary Health Care

Promocao em Saude x Fonoaudiologia      Health Promotion x
ou Audiologia x Atencao Basica           Speech-language Pathology or
                                          Audiology x Primary Health
                                                Care

Educacao em Saude x Perda Auditiva x    Health education x Hearing Loss
Atencao Basica                                 x Primary Health Care

Educacao em Saude x Perda Auditiva x    Health education x Hearing Loss
Saude Publica                                     x Public Health

Fonte: MeSH/MEDLINE (2015)

Tabela 2. Fichamento dos estudos selecionados

Titulo                            Autores                           Ano

Promocao da Saude Auditiva        Correa CC, Silva RA, Barros       2015
Baseada na Dinamica do Projeto    GT, et al.
Jovem Doutor

Efeito de Intervencao             Oliveira CL.                      2015
Educativa no Conhecimento de
Gestantes Sobre Triagem
Auditiva Neonatal

Capacitacao em Saude Auditiva:    Conceicao HV, Barreira-           2014
Avaliacao da Ferramenta no        Nielsen C.
Programa de Telessaude Brasil

Promocao da Saude Auditiva:       Franca AG, Lacerda ABM.           2014
Estrategias Educativas
Desenvolvidas por Estudantes
do Ensino Medio

A Eficiencia de Oficinas em       Moreira AC, Goncalves CGO.        2014
Acoes Educativas na Saude
Auditiva Realizadas com
Trabalhadores Expostos ao
Ruido

Educacao em Saude Na Sala de      Reis FV, Brito JR, Santos JN,     2014
Espera--Relato de Experiencia     et al.

Avaliacao de Um Programa de       Arakawa AM, Sitta EI, Maia        2013
Capacitacao em Fonoaudiologia     Junior A, et al.
para Agentes Comunitarios de
Saude na Amazonia Brasileira

Projeto Jovem Doutor Bauru:       Blasca WQ, Picolini MM, Silva     2013
Capacitacao de Estudantes do      ASC, et al.
Ensino Medio em Saude Auditiva

Oficina Educativa: Estrategia     Lobato DCB, Lacerda ABM, et       2013
de Promocao da Saude Auditiva     al.
do Escolar

A Teleducacao Interativa na       Ascencio ASC.                     2012
Capacitacao de Profissionais
em Saude Auditiva

Ensino a Distancia na             Araujo ES.                        2012
Capacitacao de Agentes
Comunitarios de Saude na Area
de Saude Auditiva Infantil:
Analise da Eficacia do CD-ROM

Acoes em Saude Auditiva           Correi FBF, Coelho JMS.           2012
Escolar no Municipio de
Sobral-Ce: Percepcao de
Fonoaudiologos

Promocao da Saude e Acoes         Mendonca JE, Lemos SMA.           2011
Fonoaudiologicas em Educacao
Infantil

Programa de Prevencao de          Heupa AB, Goncalves CGO,          2011
Perdas Auditivas em               Albizu EJ, et al.
Pescadores: Perfil Auditivo e
Acoes Educativas

Verificacao da Efetividade de     Rocha CH, Santos LHD, Moreira     2011
Uma Acao Educativa Sobre          RR, et al.
Protecao Auditiva Para
Trabalhadores Expostos a Ruido

Capacitacao de Agentes            Melo TM, Alvarenga KF, Blasca     2010
Comunitarios de Saude em Saude    WQ.
Auditiva Infantil: Efetividade
da Videoconferencia

Acoes Educativas em               Batista LM.                       2010
Fonoaudiologia: Promovendo a
Comunicacao Saudavel no
Ambiente Escolar

Educacao a Distancia na           Melo TM.                          2009
Capacitacao de Agentes
Comunitarios de Saude na Area
de Saude Auditiva Infantil

Fonoaudiologo e Agente            Brites LS, Souza APR,             2008
Comunitario de Saude:Uma          Hundertmarck AL.
Experiencia Educativa

Acoes Educativas com Enfoque      Bramatti L, Morata TC, Marques    2008
Positivo em Programa de           JM.
Conservacao Auditiva e sua
Avaliacao

Acoes Educativas em Promocao      Assis M, Alvarez de Steenhagen    2007
da Saude no Envelhecimento: A     CHV, Pacheco LC, et al.
Experiencia do Nucleo de
Atencao ao Idoso da UNATI/UERJ

Programa de Orientacao Nao        Motti TFG.                        2005
Presencial de Pais de Criancas
com Deficiencia Auditiva

Fonte: Acervo da Pesquisa (2015)

Tabela 3. Disposicao das publicacoes considerando periodo
de publicacao

Periodo de Publicacao   N      %

2000-2002               0     0%
2003-2005               1    4,5%
2006-2008               3    13,6%
2009-2011               6    27,2%
2012-2015               12   54,5%
Total                   22   100%

Fonte: Acervo da Pesquisa (2015)

N: Numero de publicacoes

Tabela 4. Constancia dos processos educativos realizados

Constancia         N       %

Sequencial         9      41%
Pontual            13     59%
Total              22     100%

Fonte: Acervo da Pesquisa (2015)

N: Numero de publicacoes

Tabela 5. Classificacao das publicacoes de acordo com a dinamica
dos processos

Dinamica dos Processos     N        %

Unidirecional              14     63,6%
Multidirecional            8      36,4%
Total                      22      100%

Fonte: Acervo da Pesquisa (2015)

N: Numero de publicacoes

Tabela 6. Publico-alvo

Publico-Alvo                           N         %

Agentes comunitarios de saude          6     27,2%
Escolares                              6     27,2%
Familia com membro                     1      4,5%
deficiente auditivo
Fonoaudiologos                         1      4,5%
Gestantes                              1      4,5%
Idosos                                 1      4,5%
Pescadores                             2        9%
Professores                            1      4,5%
Populacao em geral                     1      4,5%
Trabalhadores em geral                 2        9%
Total                                 22      100%

Fonte: Acervo da Pesquisa (2015)

N: Numero de publicacoes

Tabela 7. Principais temas e
conteudos abordados em relacao
ao periodo de publicacao

                                                    Periodo de
Temas e Conteudos Abordados            N      %     Publicacao   N

Anatomofisiologia do aparelho          1    4,5%    2000-2002    0
auditivo                                            2003-2005    0
                                                    2006-2008    0
                                                    2009-2011    0
                                                    2012-2015    1

Audiologia Geral                       6    27,2%   2000-2002    0
                                                    2003-2005    0
                                                    2006-2008    1
                                                    2009-2011    1
                                                    2012-2015    4

Audiologia Infantil                    3    13,6%   2000-2002    0
                                                    2003-2005    0
                                                    2006-2008    0
                                                    2009-2011    2
                                                    2012-2015    1

Audiologia Ocupacional                 6    27,2%   2000-2002    0
                                                    2003-2005    0
                                                    2006-2008    1
                                                    2009-2011    2
                                                    2012-2015    3

Identificacao precoce da deficiencia   1    4,5%    2000-2002    0
auditiva                                            2003-2005    0
                                                    2006-2008    0
                                                    2009-2011    0
                                                    2012-2015    1

Impacto da deficiencia auditiva        1    4,5%    2000-2002    0
a familia                                           2003-2005    1
                                                    2006-2008    0
                                                    2009-2011    0
                                                    2012-2015    0

Processamento auditivo                 1    4,5%    2000-2002    0
                                                    2003-2005    0
                                                    2006-2008    0
                                                    2009-2011    1
                                                    2012-2015    0

                                            4,5%    2000-2002    0
Triagem Auditiva Neonatal Universal    1            2003-2005    0
                                                    2006-2008    0
                                                    2009-2011    0
                                                    2012-2014    1
                                                       2015      0

Presbiacusia                           2     9%     2000-2002    0
                                                    2003-2005    0
                                                    2006-2008    1
                                                    2009-2011    0
                                                    2012-2015    1
Total                                  22   100%

Fonte: Acervo da Pesquisa (2015)

N: Numero de publicacoes
COPYRIGHT 2016 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Soares, Marcelo Luiz Medeiros
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:May 1, 2016
Words:5932
Previous Article:Applicability of burden of disease methodology in human communication disorders/Aplicabilidade dos estudos de carga de doenca nos disturbios...
Next Article:Hipoplasia condylar of probable otologic origin/ Hipoplasia condilar de provavel origem otologica.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters