Printer Friendly

Investigation of factors associated with toxoplasma gondii infection in dogs and human beings from Porto Figueira, PR/Investigacao dos fatores associados ainfeccao pelo Toxoplasma gondii em caes e seres humanos de Porto Figueira, PR/Investigacion de los factores asociados a la infeccion con toxoplasma gondii en perros y seres humanos de Porto Figueira, PR.

INTRODUCAO

Toxoplasma gondii e um parasito intracelular obrigatorio do filo Apicomplexa, com ciclo de vida facultativamente heteroxeno, e a toxoplasmose e uma das zoonoses parasitarias mais comuns, causando perdas economicas significativas a pecuaria (1).

A toxoplasmose humana e na maioria das vezes assintomatica, com cerca de 15% das 1.500.000 infeccoes anuais nos EUA, sendo sintomaticas (2).

Entre os principais fatores de risco associados a infeccao pelo T gondii no ser humano tem sido apontados a idade, o nivel educacional e socio-economico, o contato com o solo (3,4), habitos alimentares (5) e o numero de gatos em associacao com os humanos (4,6).

De forma semelhante ao que acontece no homem, a infeccao pelo T. gondii em caes e na maioria das vezes assintomatica, podendo ocorrer tambem a reagudizacao de casos cronicos quando o animal e afetado concomitantemente por doenca imunodepressora ". Os levantamentos epidemiologicos em caes tem verificado que a idade, o acesso a rua e o tipo de habitacao estao relacionados a maiores taxas de infeccao (13).

O Brasil registra altas taxas de toxoplasmose congenita, da ordem de dois a 20 casos a cada 10000 nascidos vivos (14), e a associacao destes casos com o desenvolvimento de retardamento mental (15), sao de grande preocupacao para os gestores de saude publica, principalmente pela desinformacao da populacao. Estudo realizado em Maringa, PR, apontou que 75% das maes entrevistadas nao reconheciam a toxoplasmose como causa de retardo mental (16). Na regiao noroeste do Estado do Parana sao recentes os trabalhos investigando a toxoplasmose, seja na populacao humana, bem como na populacao animal. Correa e Lonardoni (17) encontraram uma frequencia de 60,8% de positivos entre as amostras de 1329 gestantes do municipio de Umuarama. Em Londrina, regiao norte do Estado do Parana, Lopes et a (l5) referem 49,2% de gestantes infectadas pelo parasito, sendo que 1,2% apresentam perfil de infeccao aguda.

Devido a importancia da infeccao toxoplasmica e da toxoplasmose para o ser humano e para os animais, a possibilidade de diferentes fatores epidemiologicos estarem associados a infeccao, e a ausencia de trabalhos deste tipo na regiao Noroeste do Parana, o presente estudo tem por objetivos determinar a frequencia de infeccao e os fatores de risco associados a infeccao pelo T. gondii em humanos e em caes da comunidade de Porto Figueira, municipio de Alto Paraiso.

MATERIAL E METODOS

Descricao da area

A comunidade denominada Porto Figueira esta localizada na regiao noroeste do Parana, sendo distrito do municipio de Alto Paraiso. Esta regiao, por estar localizada as margens do Rio Parana, tem forte apelo turistico, no que resulta em grande fluxo de pessoas para atividades recreativas. A populacao fixa tem na pesca uma das principais fontes de renda, sendo este produto comercializado na propria comunidade. Em 2008 possuia um total de 102 familias, contabilizando 360 pessoas (18).

Coleta de amostras e deteccao de anticorpos anti-Toxoplasma gondii

A coleta de amostras, seja de caes, como de seres humanos, foi realizada durante uma campanha de vacinacao anti-rabica canina, organizada pela Prefeitura Municipal de Alto Paraiso, como maneira de reunir a populacao, e facilitar o contato com os individuos e seus respectivos animais. A campanha de vacinacao foi realizada em dois dias, no ano de 2008. Ao trazer o seu animal, o individuo era instado, pelo responsavel pela pesquisa, a participar do projeto. Neste momento era explicada a natureza da coleta, os exames que seriam realizados e apresentados os termos de consentimento esclarecido, seja para a coleta das amostras de sangue humano, como do sangue canino.

Foram coletadas amostras de 10 mL de sangue humano pela puncao ou da veia mediana cefalica ou da veia mediana cubital, e de 5 mL de sangue dos caes pela puncao da veia jugular. As amostras foram imediatamente transferidas para tubos de ensaio e transportadas sob refrigeracao ate o laboratorio de Medicina Veterinaria Preventiva e Saude Publica (LMVPSP/UNIPAR), da Universidade Paranaense, Campus Umuarama - PR. As coletas de material humano foram realizadas por farmaceutico-bioquimico, enquanto que para os caes, por medico-veterinario.

As amostras foram centrifugadas para separacao do soro, e armazenadas a -20[degrees]C. Para a pesquisa de anticorpos sericos contra T gondii foi realizado o metodo de aglutinacao direta (MAD) (19). Foi utilizado como antigeno suspensao de taquizoitos da cepa RH de T. gondii fixados em formalina, preparados no LMVPSP/UNIPAR. Inicialmente as amostras humanas e caninas foram diluidas na proporcao 1:25, e as amostras reagentes foram diluidas sucessivamente na base 2, para determinacao do titulo de anticorpos nas amostras. Todas as amostras com titulos iguais ou superiores a 25 foram consideradas positivas (20). Em todos os testes, para ambas as especies, foram examinadas amostras sabidamente positivas e negativas, oriundas do banco de amostras do LMVPSP/UNIPAR.

Levantamento de dados epidemiologicos

Durante a coleta das amostras os individuos foram entrevistados para a coleta de dados epidemiologicos, transcritos em questionarios estruturados. Para a populacao humana foi utilizado o questionario descrito por Marques et al (21) e para os caes, o questionario descrito por Da Silva et al (22).

Analise dos resultados

As frequencias de positivos foram obtidas e tabuladas com as respostas aos questionarios, de forma a verificar a associacao dos resultados em tabelas de contingencia pelos testes de [chi square], Exato de Fischer ou G. As variaveis com valores de P menores que 0,25 foram utilizadas para reavaliacao em modelos multivariados. Nestes modelos de regressao logistica as variaveis foram selecionadas pelo metodo backward stepwise, computando a significancia estatistica da exclusao de cada variavel por testes de razao de verosimuanca (p<0,05) e o ajuste de cada modelo foi verificado utilizando-se o teste de Hosmer-Lemeshow (23).

RESULTADOS E DISCUSSAO

Foram colhidas um total de 98 amostras de humanos, com positividade de 84,7% (IC95%: 76,0-91,2). Examinando a Figura 1, que compara os resultados do presente trabalho com o de outros similares realizados no Brasil a partir de 1999, verifica-se que a frequencia de anticorpos anti-T. gondii detectada e significativamente mais elevada na populacao estudada do que em outras regioes do Parana (24,23) e mesmo de outras contingentes urbanos brasileiros (26-31).

Igualmente, a frequencia de positivos obtida e similar a de estudos realizados em populacoes rurais (32, 21) ou cuja amostra continha individuos oriundos da zona rural (33). Nas zonas rurais brasileiras concentram-se elementos relacionados a um maior risco de infeccao pelo T. gondii, representados pelo contato com agua e solo contaminados, contato com animais carreadores do parasito e a ingestao de alimentos vegetais crus ou carne e derivados potencialmente contaminados. A populacao estudada compunha-se de individuos oriundos das zonas rurais, nao so do Estado do Parana, como tambem de outros estados, o que pode ser uma explicacao para a alta prevalencia encontrada.

[FIGURA 1 OMITIR]

Para os caes, entre os 42 amostrados, 54,8%o (IC95%o: 39,8-68,8) foram positivos. Como se depreende da analise da Figura 2, os titulos de anticorpos encontrados neste trabalho excedem significativamente a maioria dos trabalhos brasileiros publicados a partir de 1998. Com relacao ao conjunto de amostras obtidas em campanhas de vacinacao anti-rabica, a mesma estrategia de coleta utilizada neste trabalho, verifica-se prevalencia superior a estudos realizados em Minas Gerais (38), Paraiba (39) e Sao Paulo (40), em areas urbanas. Por outro lado, os dados nao diferem daqueles obtidos em populacoes caninas rurais no Parana (34) e Mato Grosso do Sul (41).

[FIGURA 2 OMITIR]

Assim, apesar de constituirem-se de caes domiciliados, os animais examinados nesta pesquisa aproximam-se, em termos de comportamento e exposicao a fatores de risco, aos animais oriundos de zona rural. A comunidade avaliada, formada por uma nucleacao urbana, tem caracteristicas que se aproximam da zona rural, como o acesso e consumo de produtos animais sem industrializacao e os caes tem oportunidade de acesso as ruas, e com isso a fatores associados ao risco de infeccao toxoplasmica que podem nao estar presentes no interior dos domicilios. Comportamento semelhante e verificado em estudos (42, 50, 51, 52) nos quais, apesar de tratarem-se de caes da zona urbana, a amostra constitui-se de caes errantes, nao domiciliados, normalmente retirados das ruas em atividades de controle populacional canino. Nestas populacoes as taxas de infeccao sao elevadas, aproximando-se daquelas encontradas em animais da zona rural e nos avaliados na presente pesquisa.

Os titulos de anticorpos para as amostras humanas foram de 25 em uma (1%), 100 em duas (2%), 400 em 16 (19%) e 1600 em 57 (68%) amostras. Cavalcante et al (35) tambem referem a titulos elevados ([greater than or equal to]800) em 47,2% das amostras humanas positivas ao MAD entre a populacao rural de Rondonia. Para os caes os titulos encontrados foram de 25 em duas (8,7%), 50 em cinco (21,7%), 100 em duas (8,7%), 200 em uma (4,3%), 400 em duas (8,7%) e 800 em 11 (47,8%) amostras. Titulos elevados, seja no ser humano, seja nos caes, tem sido associados com perfis compativeis com toxoplasmose ativa ou com infeccoes recentes (7,53), ha de se ressaltar, entretanto, que ao utilizar o MAD seja no homem (54) como no cao (53), evidenciam-se titulos mais elevados quando comparados a reacao de imunofluorescencia indireta. Por outro lado, Lindsay et al (56), em infeccao experimental com bradizoitos em caes evidenciou titulos ascendentes ao MAD ate os 35 dias pos-inoculacao, e comportamento semelhante e encontrado quando se utilizou taquizoitos, cistos e oocistos (57,59) em infeccoes experimentais de caes, levando a crer que titulos elevados podem ser indicativos de infeccoes recentes tambem nestes animais.

A avaliacao dos questionarios pela analise univariada determinou as variaveis que foram avaliadas nos modelos para a analise de regressao logistica. Para os humanos as variaveis com valores de P menores que 0,25, e entao reavaliadas pela regressao logistica foram: estado civil, consumo de linguica artesanal, consumo de miudos bovinos, pratica de fervura do leite, possuir caixa d'agua na residencia, beber agua da caixa d'agua, manipular carne crua, possuir gato em casa, manter gato dentro de casa, ja ter sido exposto a fezes de gato, ja ter observado ratos no domicilio, e ter pelo menos um cao positivo para a presenca de anticorpos contra- T gondii. No modelo final de regressao logistica, as variaveis que foram incluidas foram estado civil, consumo de miudos bovinos, possuir caixa d'agua na residencia, beber agua da caixa d'agua, possuir gato em casa e ter pelo menos um cao positivo para a presenca de anticorpos contra-T. gondii, sendo consideradas significativas as variaveis possuir caixa d'agua na residencia e ter pelo menos um cao positivo para a presenca de anticorpos contra- T. gondii (Tabela 1).

Entre as seis variaveis reavaliadas pela regressao logistica, duas tiveram valor de P menores que 0,05: possuir caixa d'agua na residencia e haver pelo menos um cao positivo para a presenca de anticorpos para T. gondii na residencia.

Entre os individuos que relataram nao possuir caixa d'agua na residencia, a proporcao de positivos foi de 92,5% (49/53), enquanto que entre aqueles que possuiam caixa d'agua, 83,3% (20/24) foram positivos. Desta maneira, esta variavel e considerada um fator de protecao na populacao examinada. Outras variaveis relacionadas ao consumo de agua nao foram significativamente associadas, tais como a origem da agua de consumo, limpeza da caixa d'agua, fervura ou filtragem da agua, ter bebido agua de poco ou de rio. Bahia-Oliveira et al26 relatam que, para os tres extratos populacionais estudados em Campos dos Goytacazes, RJ, o fator beber agua nao filtrada ou diretamente de um lago, rio ou riacho esteve positivamente associado com a infeccao pelo T gondii (OR 1,5-1,6), enquanto que para a populacao de baixo padrao socio-economico, beber agua nao filtrada aumentava a chance de infeccao em 3,04 vezes. De forma semelhante, Garcia et al. (27), na analise univariada dos fatores relacionados a infeccao de 1024 individuos em Natal, RN, relatam o contato com rios ou lagos (OR=l,31) e consumir agua nao tratada (OR=l,46) como fatores de risco para a infeccao. Galisteu et al. (30) tambem implicaram a agua de consumo como fator de risco para a infeccao pelo T. gondii em gravidas no Noroeste do Estado de Sao Paulo. A partir do relato de grandes surtos de toxoplasmose de provavel veiculacao hidrica (60) no Canada e nos EUA, bem como a confirmacao desta via no Brasil, as investigacoes epidemiologicas passaram a considerar fatores relacionados ao consumo de agua. O encontro de fatores associados a esta via, tal como o consumo de agua contaminada, ou, neste trabalho, a ausencia de uma caixa d'agua, ressalta a importancia dos felideos na contaminacao ambiental, bem como de animais como caes, roedores e aves, que podem carrear oocistos infectantes ate as fontes de agua.

Apesar da analise univariada apontar que possuir um gato implicava numa maior taxa de infectados (32/33), esta variavel nao foi apontada como fator de risco, inclusive pela analise multivariada. Nao se pode menosprezar o papel dos felideos na transmissao da toxoplasmose, pois sao os unicos animais a contaminar o ambiente com oocistos, mas o padrao das respostas, neste trabalho, incluia apenas o gato domiciliado, nao permitindo concluir sobre o papel de animais errantes na contaminacao do ambiente peri-domestico. Avelino et al [37] implicam um risco de 2,05 para os individuos em contato com gatos em Goiania, semelhante ao apontado em Natal (OR=l,47 (27) e OR=2,72 (31)), em areas urbanas no Rio Grande do Sul (33) e nas cidades de Palmas (24) e Londrina (25), no Estado do Parana.

Entre aqueles individuos que possuiam um cao positivo para a presenca de anticorpos antI-7. gondii (13/14=92,9%) houve uma chance 3,9 vezes maior de ser positivo para Toxoplasma do que naqueles que nao possuiam um cao positivo (3/7=42,9%)). Assim, demonstrou-se que os caes podem ser considerados sentinelas para a infeccao do ser humano pelo parasito. Provavelmente devido a fontes comuns de infeccao, seja pelo ambiente comum, contaminado por oocistos, ou pelo consumo de agua ou de alimentos contaminados com estagios parasitarios infectantes, estas duas especies sao expostas a risco semelhante de infeccao. O contato com o cao ja havia sido implicado com maior risco de infeccao toxoplasmica em Jaguapita-PR34, Goiania (37) e Natal (31), mas nenhum destes trabalhos havia apontado a relacao cao positivo no domicilio com a prevalencia da infeccao humana, como relatado nesta pesquisa.

Em vista dos achados relacionados a infeccao humana pelo parasito, o estudo das variaveis associadas a infeccao dos caes ganha relevancia, para apontar os possiveis fatores de risco. Entretanto, neste trabalho, a qualidade da informacao sobre os caes recolhida a partir dos proprietarios foi deficitaria, com elevada proporcao de questionarios nao respondidos parcial (37%o) ou completamente (12%0). Para os caes, as variaveis com valores de P menores que 0,25, reavaliadas pela regressao logistica foram: raca, contato com outros animais, tipo de alimentacao e consumo de leite. O modelo logistico final incluiu raca e consumo de leite, entretanto nenhuma variavel esteve significativamente associada a presenca de anticorpos contra o parasito (Tabela 2).

Apesar do modelo estatistico nao ter conseguido demonstrar a associacao dos fatores a prevalencia de infeccao na populacao canina, e provavel que esta esteja exposta a fatores semelhantes aqueles encontrados na populacao humana. Desta maneira ganham relevancia a infeccao pelo consumo de alimentos ou agua contaminados, bem como o contato com outros animais, notadamente os felideos. Moura et al (44) apontam o consumo de comida caseira como fator associado a infeccao dos caes, enquanto que caes com disturbios neurologicos associados a toxoplasmose recebiam mais frequentemente carne ou visceras cruas (7). Por outro lado, Souza et al. (42) apontam que a maior frequencia da infeccao em caes de origem rural poderia estar associada a uma maior chance de consumo de carne crua, seja pela oferta pelos proprietarios, seja pelo carnivorismo. Com relacao ao contato com felideos ou com suas fezes foram apontados como fatores de risco para a infeccao de caes nos trabalhos realizados na Paraiba (39), Santa Catarina (44) e Sao Paulo (8).

CONCLUSOES

A pesquisa de anticorpos anti-T". gondii na populacao humana e canina da comunidade de Porto Figueira, PR, revelou altas taxas de infeccao, compativeis com o encontrado em populacoes rurais em outros estudos realizados no Brasil. Nao foi possivel associar a infeccao em caes com nenhum dos fatores de risco pesquisados para esta especie, mas em humanos, a ausencia de caixa d'agua no domicilio e a presenca de pelo menos um cao positivo estiveram significativamente associados com a soropositividade. A despeito da alta taxa de infeccao, salienta-se a necessidade de intensificacao das medidas de profilaxia, uma vez que ainda existe uma populacao soronegativa, e portanto, em risco de adquirir a infeccao.

AGRADECIMENTOS

A Universidade Paranaense, pela concessao de apoio financeiro para o desenvolvimento do projeto de pesquisa e concessao de bolsa de estudos no Programa de Treinamento TecnicoCientifico (PIT). Ao CNPq e Fundacao Araucaria, pela concessao de bolsas de Iniciacao Cientifica nos programas PEBIC-CNPq/UNIPAR e PEBIC-Fundacao Araucaria/UNIPAR.

COMITE DE ETICA

Os procedimentos de coleta e exame das amostras para este projeto de pesquisa foram submetidos, avaliados e aprovados pelo Comite de Etica em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos (CEPEH) da Universidade Paranaense, em 09/02/2009, e pelo Comite de Etica em Pesquisa Envolvendo Experimentacao Animal (CEPEEA) da Universidade Paranaense, em 29/08/2009.

REFERENCIAS

(1.) Tenter AM, Heckeroth AR, Weiss LM. Toxoplasma gondii: from animals to humans. Int J Parasitai. 2000;30 (12-13): 1217-58.

(2.) Mead PS, Slutsker L, Dietz V, McCaig LF, Bresee JS, Shapiro C, et al. Food-related illness and death in the United States. Emerg Infect Dis. 1999;5(5):607-25.

(3.) Jones JL, Kruszon-Moran D, Wilson M, McQuillan G, Navin T, McAuley JB. Toxoplasma gondii infection in the United States: seroprevalence and risk factors. Am J Epidemiol. 200i;154(4):357-65.

(4.) Sousa OE, Saenz RE, Frenkel JK. Toxoplasmosis in Panama: a 10-year study. Am J Trop MedHyg. 1988;38(2):315-22.

(5.) Lopes FMR, Mitsuka-Bregano R, Goncalves DD, Freire RL, Karigyo CJT, Wedy GF, et al. Factors associated with seropositivity for anti-Toxoplasma gondii antibodies in pregnant women of Londrina, Parana, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2009; 104(2):37882.

(6.) Frenkel JK, Hassanein KM, Hassanein RS, Brown E, Thulliez P, Quintero-Nunez R. Transmission of Toxoplasma gondii in Panama City, Panama: a five-year prospective cohort study of children, cats, rodents, birds, and soil. Am J Trop Med Hyg. 1995; 53(5):458-68.

(7.) Brito AF, Souza LC, Da Silva AV, Langoni H. Epidemiological and serological aspects in canine toxoplasmosis in animals with nervous symptoms. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2002;97(l):31-5.

(8.) Moretti L, Da Silva AV, Ribeiro MG, Paes AC, Langoni H. Toxoplasma gondii genotyping in a dog co-infected with distemper virus and ehrlichiosis rickettsia. Rev Inst Med Trap Sao Paulo. 2006;48(6):359-63.

(9.) Araujo WN, Silva AV, Langoni H. Toxoplasmose: uma zoonose - realidades e riscos. Caes Gatos. 1999;12(79): 20-7.

(10.) Ehrensperger F, Pospischil A. Spontaneous mixed infections with distemper virus and Toxoplasma in dogs. Dtsch Tierarztl Wochenschr. 1989;96(4): 184-6.

(11.) Ahmed BA, Gaafar SM, Weirich WE, Kanitz CL. Relationship of Toxoplasma infections to other diseases in dogs. Vet Parasitai. 1983;12(2):199-203.

(12.) Sanmartin C, Ayala SC. Toxoplasma in animals submitted for rabies diagnosis in Cali, Colombia. Trans R Soc Trap Med Hyg. 1972;66(5):799.

(13.) Bresciani KDS, Costa AJ, Navarro IT, Toniollo GH, Sakamoto CAM, Arantes TP, et al. Toxoplasmose canina: aspectos clinicos e patologicos. Semin Ciene Agrar. 2008; 29(1): 189-202.

(14.) Camargo Neto E, Amorin F, Lago EG. Estimation of the regional distribution of congenital toxoplasmosis in Brazil from the results of neonatal screening. Sci Med. 2010;20(l):64-70.

(15.) Caiaffa WT, Chiari CA, Figueiredo AR, Orefice F, Antunes CM. Toxoplasmosis and mental retardation--report of a case-control study. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1993; 88(2):253-61.

(16.) Moraes AMSM, Magna LA, Marques de Faria AP. Conhecimento de maes sobre fatores de risco e prevencao do retardo mental e/ou defeitos congenitos. Cienc Cuid Saude. 2007;6(4):40l-6.

(17.) Correa NAB, Lonardoni MVC. A prevalencia de anticorpos IgG e IgM durante a gravidez e o diagnostico de toxoplasmose. Rev Bras Epidemiol. 2002; 5 Suppl 1: 328.

(18.) Alto Paraiso. Relatorio do programa de saude da familia. Alto Paraiso: Secretaria Municipal de Saude; 2008.

(19.) Desmonts G, Remington JS. Direct agglutination test for diagnosis of Toxoplasma infection: method for increasing sensitivity and specificity. J Clin Microbiol. 1980; ll(6):562-8.

(20.) Dubey JP. Toxoplasmosis of animals and humans. Boca Raton: CRC Press; 2009.

(21.) Marques JM, Da Silva DV, Correia NAB, Velasquez LG, Silva RC, Langoni H, et al. Prevalence and risk factors for human toxoplasmosis in a rural community. J Venom Anim Toxins incl Trop Dis. 2008; 14(4):673-84.

(22.) Silva AV, Goncalves GF, Livero FAR, Bottin JMP, Belinato FC, Bastos Junior EA, et al. Avaliacao de fatores epidemiologicos na ocorrencia de anticorpos contra Toxoplasma gondii em caes atendidos em um hospital universitario. Vet Zootec. 2009; 16(l):239-47.

(23.) Bingham GM, Budke CM, Slater MR. Knowledge and perceptions of dog-associated zoonoses: Brazos County, Texas, USA. Prev Vet Med. 2010;93(2-3):211-21.

(24.) Millar PR, Daguer H, Vicente RT, Costa T, Carli AL, Sobreiro LG, et al. Soroprevalencia de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em trabalhadores de um matadouro de suinos e em individuos com outras atividades na cidade de Palmas, Parana, Brasil. Cienc Rural. 2007;37(l):292-5.

(25.) Lopes FMR, Mitsuka Bregano R, Goncalves DD, Freire RL, Karigyo CJT, Wedy GF, et al. Factors associated with seropositivity for anti-Toxoplasma gondii antibodies in pregnant women of Londrina, Parana, Brasil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2009;104(2): 37882.

(26.) Bahia-Oliveira LM, Jones JL, Azevedo-Silva J, Alves CC, Orefice F, Addiss DG. Highly endemic, waterborne toxoplasmosis in north Rio de Janeiro state, Brazil. Emerg Infect Dis. 2003;9(1):55-62.

(27.) Garcia CAA, Orefice F, Lyra CO, Gomes AB, Franca M, Garcia Filho CAA. Socioeconomic conditions as determining factors in the prevalence of systemic and ocular toxoplasmosis in northeastern Brasil. Ophthalmic Epidemiol. 2004;2(4):301-17.

(28.) Francisco FM, Souza SLP, Gennari SM, Pinheiro SR, Muradian V, Soares RM. Soroprevalencia de toxoplasmose em comunidade de baixa renda da municipalidade de Sao Paulo, SP, Brasil. Rev Inst Med Trop Sao Paulo. 2006;48(3): 167-70.

(29.) Jones JL, Muccioli C, Belfort Jr R, Holland GN, Roberts JM, Silveira C. Recently acquired Toxoplasma gondii infection, Brazil. Emerg Infect Dis. 2006;12(4):582-7.

(30.) Galisteu KJ, Mattos CB, Lelis AGL, Oliveira MP, Spejorim LF, Jordao P, et al. Prevalencia e fatores de risco associados a toxoplasmose em gravidas e suas criancas no Noroeste Paulista, Brasil. Rev Panam Infectol. 2007;9(4):24-9.

(31.) Barbosa IR, Holanda CMCX, Andrade Neto VF. Toxoplasmosis screening and risk factors amongst pregnant females in Natal, northeastern Brasil. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2009;103(4):377-82.

(32.) Cavalcante GT, Aguiar DM, Camargo LMA, Labruna MB, Andrade HF, Meireles LR, et al. Seroprevalence of Toxoplasma gondii antibodies in humans from rural Western Amazon, Brazil. J Parasitai. 2006;92(3):647-9.

(33.) Spalding SM, Amendoeira MR, Klein CH, Ribeiro LC. Serological screening and toxoplasmosis exposure factors among pregnant women in South of Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2005;38(2):173-7.

(34.) Garcia JL, Navarro IT, Ogawa L, Oliveira RC, Kobilka E. [Seroprevalence, epidemiology and ocular evaluation of human toxoplasmosis in the rural zone Jauguapita (Parana) Brazil]. Rev Panam Salud Publica. 1999;6(3): 157-63.

(35.) Cavalcante GT, Aguilar DM, Camargo LM, Labruna MB, Andrade HF, Meireles LR, et al. Seroprevalence of Toxoplasma gondii antibodies in humans from rural Western Amazon, Brazil. J Parasitai. 2006;92(3):647-9.

(36.) Varela IS, Wagner MB, Darela AC, Nunes LM, Miiller RW. Prevalencia de soropositividade para toxoplasmose em gestantes. J Pediatr. 2003;79(l):69-74.

(37.) Avelino MM, Campos Jr D, Parada JB, Castro AM. Risk factors for Toxoplasma gondii infection in women of childbearing age. Braz J Infect Dis. 2004;8(2): 164-74.

(38.) Cabral DD, Silva DAO, Mineo JR, Ferreira FA, Duran FP. Frequency of antiToxoplasma gondii antibodies in apparently healthy dogs of the city of Uberlandia -MG. Rev Bras Parasitai Vet. 1998;7(2):87-90.

(39.) Azevedo SS, Batista CS, Vasconcellos SA, Aguiar DM, Ragozo AM, Rodrigues AA, et al. Seroepidemiology of Toxoplasma gondii and Neospora caninum in dogs from the state of Paraiba, Northeast region of Brazil. Res Vet Sci. 2005;79(l):51-6.

(40.) Langoni H, Modolo JR, Pezerico SB, Silva RC, Castro APB, Da Silva AV, et al. Serological profile of anti-Toxoplasma gondii antibodies in apparently healthy dogs of the city of Botucatu, Sao Paulo state, Brasil. J Venom Anim Toxins incl Trop Dis. 2006;12(l):142-8.

(41.) Marques JM, Isbrecht FB, Lucas TM, Guerra IP, Dalmolin A, Silva RC, et al. Deteccao de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em animais de uma comunidade rural do Mato Grosso do Sul, Brasil. Semin Cienc Agrar. 2009;30(4):909-18.

(42.) Souza SLP, Gennari SM, Yai LEO, Auria S RN, Cardoso SMS, Guimaraes Junior JS, et al. Ocurrence of Toxoplasma gondii antibodies in sera from dogs of the urban and rural areas from Brasil. Rev Bras Parasitei Vet. 2003;12(1): 1-3

(43.) Santos TR, Costa AJ, Toniollo GH, Luvizotto MCR, Benetti AH, Santos RR, et al. Prevalence of anti-Toxoplasma gondii antibodies in dairy cattle, dogs, and humans from the Jauru micro-region, Mato Grosso state, Brasil. Vet Parasitei. 2009;161(3-4): 324-6.

(44.) Moura AB, Souza AP, Sartor AA, Bellato V, Theixeira EB, Pisetta GM, et al. Occurrence of antibodies and risk factors for infection for Toxoplasma gondii in dogs in the cities of Lages and Balneario Camboriu, Santa Catarina State, Brazil. Rev Bras Parasitei Vet. 2009;18(3):52-6.

(45.) Mineo TW, Silva DA, Costa GH, von Ancken AC, Kasper LH, Souza MA, et al. Detection of IgG antibodies to Neospora caninum and Toxoplasma gondii in dogs examined in a veterinary hospital from Brazil. Vet Parasitol. 2001;98(4):239-45.

(46.) Varandas NP, Rached PA, Costa GHN, Souza LM Castagnoli KC, Costa AJ. Frequencia de anticorpos anti-Neospora caninum e anti-Toxoplama gondii em caes da regiao nordeste do estado de Sao Paulo. Correlacao com neuropatias. Cienc Agrar. 2001;22(1):105-11.

(47.) Mineo TWP, Silva DAO, Naslund K, Bjorkman C, Uggla A, Mineo JR. Toxoplasma gondii and Neospora caninum serological status of different canine populations from Uberlandia, Minas Gerais. Arq Bras Med Vet Zootec. 2004;56(3):414-7.

(48.) Ullmarm LS, Guimaraes FF, Fornazari F, Tome RO, Camossi LG, Greca H, et al. Acoes de vigilancia continuada, papel do cao como animal sentinela para toxoplasmose. Rev Bras Parasitol Vet. 2008;17(l):345-7.

(49.) Guimaraes AM, Rocha CMBM, Oliveira TNFS, Rosado IR, Moraes LG, Santos RRD. Fatores associados a soropositividade para Babesia, Toxoplasma, Neospora e Leishmania em caes atendidos em nove clinicas veterinarias do municipio de Lavras, MG. Rev Bras Parasitol Vet. 2009; 18(l):49-53.

(50.) Barbosa IR, Holanda CMCX, Andrade Neto WF. Toxoplasmosis screening and risk factors amongest pregnant females in Natal, northeastern Brazil. Trans R Soc Trop Med Hyg. 2009;103(4):377-82.

(51.) Bresciani KDS, Costa AJ, Nunes CM, Serrano ACM, Moura AB, Stobbe NS, et al. Ocorrencia de anticorpos contra Neospora caninum e Toxoplasma gondii e estudo de fatores de risco em caes de Aracatuba- SP. Ars Vet. 2004;23(l):40-6.

(52.) Riva E, Dreer MKP, Zafanelli MCG, Lago E, Zafanelli CCG, Maesta AA, et al. Soroprevalencia de toxoplasmose em caes da Sociedade de Amparo aos Animais - 2005. In: Anais do 5o Encontro de Iniciacao Cientifica, 5o Forum de Pesquisa da UNIPAR, Io Encontro Cientifico do Mestrado em Ciencia Animal, Io Encontro Universidade e Comunidade; 2006, Umuarama. Umuarama: Coordenadoria de Editoracao e Divulgacao Cientifica; 2006. p.13-4.

(53.) Camargo ME, Ferreira AW, Mineo JR, Takiguti CK, Nakahara OS. Immunoglobulin G and immunoglobulin M enzyme-linked immunosorbent assays and defined toxoplasmosis serological patterns. Infect Immun. 1978;2l(l):55-8.

(54.) Silva DV, Correa NAB, Silva RC, Da Silva AV. Analise da correlacao entre os titulos de anticorpos anti-Toxoplasma gondii em amostras de soro humano pelos metodos de imunofluorescencia, ensaio imunoenzimatico e aglutinacao direta. In: Anais do 7o Encontro de Iniciacao Cientifica, 7o Forum de Pesquisa da Universidade Paranaense; 2008, Umuarama. Umuarama: Coordenadoria de Editoracao e Divulgacao Cientifica; 2008. p.119.

(55.) Da Silva AV, Cutolo AA, Langoni H. Comparacao da reacao de imunofluorescencia indireta e do metodo de aglutinacao direta na deteccao de anticorpos anti-Toxoplasma em soros de ovinos, caprinos, caninos e felinos. Arq Inst Biol. 1999;69(1):7-11.

(56.) Lindsay DS, Dubey JP, Butler JM, Blagburn BL. Experimental tissue cyst induced Toxoplasma gondii infections in dogs. J Eukaryot Microbiol. 1996;43 Suppl 5:S113.

(57.) Bresciani KDS, Toniollo GH, Costa AJ, Sabatini GA, Moraes FR. Clinical, parasitologica! and obstetric observations in pregnant bitches with experimental toxoplasmosis. Cienc Rural. 2001:31(6): 1039-43.

(58.) Abreu CB, Navarro IT, Reis ACF, Souza MSB, Machado R, Marana ERM, et al. Toxoplasmose ocular em caes jovens inoculados com Toxoplasma gondii. Cienc Rural. 2002;32(5):807-12.

(59.) Arantes TP, Lopes WD, Ferreira RM, Pieroni JS, Pinto VM, Sakamoto CA, et al. Toxoplasma gondii: Evidence for the transmission by semen in dogs. Exp Parasitol. 2009; 123(2): 190-4.

(60.) Dubey JP. Toxoplasmosis - a waterborne zoonosis. Vet Parasitol. 2004;126(l-2):57-72.

Recebido em: 27/05/2010

Aceito em: 21/12/2010

Duarte Alves de Araujo [1]

Aristeu Vieira da Silva [2]

Daniele Fink Zanette [3]

Danilo Ratti da Silva [4]

Nelton Anderson Bespalez Correa [5]

Leonardo Garcia Veslasquez [5]

Adalgiza Pinto Neto [1]

* Estudo financiado pela Universidade Paranaense - UNIPAR (suporte financeiro e bolsa de estudos), Fundacao Araucaria (bolsa de iniciacao cientifica) e CNPq (bolsa de iniciacao cientifica).

[1] Mestrado cm Ciencia Animal, bolsista PIT/UNIPAR, Universidade Paranaense. Campus Umuarama - SEDE (UNIPAR)

[2] Grupo de Pesquisa em Parasitologia, Laboratorio de Analises Clinicas e Parasitologia, Departamento de Ciencias Biologicas, Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, BA

[3] Curso de Medicina Veterinaria, bolsista PEBIC/Fundacao Araucaria-UNIPAR, UNIPAR

[4] Curso de Medicina Veterinaria, bolsista PEBI C/CNPq-UNI PAR

[5] Curso de Farmacia, UNIPAR
Tabela 1. Modelo final de regressao logistica dos
fatores associados a infeccao pelo Toxoplasma gondii
em humanos. Porto Figueira/Alto Paraiso, Parana,
Brasil. 2008-2009.

Variavel                             Odds ratio

Estado civil                             0,305
Consumo de miudos bovinos                0,415
Possuir caixa d'agua na residencia       0,242
Beber agua da caixa d'agua               2,151
Possuir gato em casa                     3,109
Cao positivo para T. gondii              3,956

Variavel                             IC95% para o odds ratio

Estado civil                                    0,083-1,115
Consumo de miudos bovinos                       0,096-1,796
Possuir caixa d'agua na residencia              0,070-0,836
Beber agua da caixa d'agua                      0,608-7,614
Possuir gato em casa                           0,838-11,532
Cao positivo para T. gondii                    1,412-11,085

Variavel                             Valor de P

Estado civil                             0,073
Consumo de miudos bovinos                0,239
Possuir caixa d'agua na residencia       0,025
Beber agua da caixa d'agua               0,235
Possuir gato em casa                     0,090
Cao positivo para T. gondii              0,009

Estatistica: Ra/ao de verosi mi lanca ([chi square]-21,904;
valor de P=0,001): ajuste do modelo (valor de P=0,281)

Tabela 2. Modelo final de regressao logistica dos fatores
associados a infeccao pelo Toxoplasma gondii em caes. Porto
Figueira/Alto Paraiso, Parana, Brasil. 2008-2009.

Variavel            OR     IC95% para OR   Valor de P

Raca               0,398    0,139-1,140      0,086
Consumo de leite   2,680    0,907-7,920      0.075

Estatistica: Razao de verosimilanca ([chi square]=5,348;
valor de P 0,069); ajuste do modelo (valor de P=0,368)
COPYRIGHT 2011 Universidade Estadual Paulista. Facultade de Medicina Veterinaria e Zootecnia
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2011 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 
Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Araujo, Duarte Alves; da Silva, Aristeu Vieira; Zanette, Daniele Fink; da Silva, Danilo Ratti; Co
Publication:Veterinaria e Zootecnia
Date:Mar 1, 2011
Words:5250
Previous Article:Does the follicular fluid obtained from bovine follicles of different diameters influence oocyte development?/O fluido folicular obtido de foliculos...
Next Article:Storage systens in the pos-harvest of mulberry branches (Morus sp.)/Sistemas de armazenagem no pos-colheita dos ramos de amoreira (Morus...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters