Printer Friendly

Internacionalizacao de PME no continente Americano: Revisao da Literatura.

INTERNACIONALIZACION DE PYMES EN EL CONTINENTE AMERICANO: REVISION DE LA LITERATURA

SMEs' INTERNATIONALIZATION IN THE AMERICAN CONTINENT: A LITERATURE REVIEW

INTERNATIONALISATION DES PME SUR LE CONTINENT AMERICAIN: REVUE DE LA LITTERATURE

Introducao

Apesar de varios estudos terem analisado a literatura sobre a internacionalizacao de Pequenas e Medias Empresas (PME), ainda persiste a necessidade de compreender as varias facetas destas, dada a multiplicidade de fenomenos intrinsecos e extrinsecos que as influenciam.

A comunidade academica tem vindo a interessar-se cada vez mais pelos estudos sobre a internacionalizacao das PME (McAuley, 2010; Singh, Gaur & Schmid, 2010; Singh, Pathak & Naz, 2010), devido essencialmente a relacao entre a competitividade e o aumento da produtividade, da flexibilidade e da presenca cada vez mais ativa das PME no mercado global.

Na literatura sobre a internacionalizacao de PME, e evidente o contraste entre OS modelos tradicionais de internacionalizacao, por estagios ou etapas, e OS "recentes" fenomenos denominados por born globals ou international new ventures (D'Angelo et al., 2013). Neste sentido e apesar de ser evidente o crescimento do conhecimento teorico e metodologico sobre a internacionalizacao de PME, o seu estudo continua a mostrar-se fragmentado e necessitado de uma visao holistica e inclusiva das perspetivas plurais sobretudo no que se refere a visao endogena e exogena da empresa.

Existem varios trabalhos de revisao sobre esta tematiCA. McAuley (1999; 2010) desenvolveu a sua pesquisa entre 1989-2009, analisando 24 artigos relevantes na literatura sobre a internacionalizacao de PME na perspetiva sequencial. Leonidou e Katsikeas (1996), Coviello e McAuley (1999), Coviello e Jones (2004) e Rialp, Rialp e Knight (2005) limitaram-se a analisar a internacionalizacao de empresas na sua fase embrionaria. Fillis (2001) analisou 33 artigos sobre a internacionalizacao no periodo de 1975-2000, sem identificar claramente o tamanho da empresa, incluindo mesmo multinacionais. Etemad (2004) e Kuivalainen, Sundqvist, Saarenketo e McNaughton (2012) analisaram artigos conceptuais relacionados com OS padroes de internacionalizacao de PME. A partir destas revisoes de literatura, e possivel concluir que esta area de estudo e pautada pelo crescente interesse em diversos topicos ou vertentes de investigacao, e nao por uma abordagem generiCA. Entre outros, destacam-se OS seguintes exemplos: Moreira (2007), que estudou a relacao entre PME e multinacionais no setor automovel; Floriani e Fleury (2012), que relacionaram o desempenho e a experiencia internacionais com o grau de internacionalizacao; Williams (2013), que combinou a perspetiva cognitiva com a internacionalizacao de PME, barreiras e desafios da internacionalizacao e ainda incluiu o genero no seu estudo; Barbosa e Ayala (2014), que combinaram a internacionalizacao de PME com a abordagem empreendedora, born globals e inovacao.

A nivel academico e empresarial, avaliar a internacionalizacao de PME continua a ser pertinente como forma de identificar o tipo de artigos existente neste campo, as revistas onde sao publicados, as caracteristicas fundamentais, a situacao atual e o potencial para futuras investigacoes. Tendo em consideracao que, na literatura sobre internacionalizacao de empresas, (a) nao e apropriado fazer generalizacoes da realidade das empresas multinacionais, que tem muito mais recursos e competencias (Thong, Yap & Raman, 1996) que as PME, (b) a analise que envolve as grandes empresas e muito mais antiga do que a realidade das PME (Ribau, Moreira, & Raposo, 2015), (c) o comportamento estrategico das grandes empresas nao e semelhante ao das PME (Raymond & St-Pierre, 2013), (d) o estudo da internacionalizacao tem dado grande destaque as PME europeias e as multinacionais Americanas (Rugman, 1981; Rialp & Rialp, 2001; Ribau et al., 2015) e (e) tanto quanto e nosso conhecimento, nao existe qualquer estudo que analise trabalhos de internacionalizacao de PME no continente americano (CA), especificamente na America Latina (AL), este artigo tem como objetivo retratar OS trabalhos publicados na area da internacionalizacao de PME especificamente do CA, comparando a perspetiva norteamericana com a latinoamericana. Este trabalho de pesquisa complementa igualmente estudos anteriores, que, apesar de nao seguirem uma linha sistematiCA, debrucaram-se na revisao de literatura sob a egide da internacionalizacao de PME. A presente revisao da literatura pretende nao so contribuir para a identificacao de padroes e tendencias, bem como indicar caminhos de como futuras investigacoes poderao evoluir.

Considerando pormenorizadamente a analise de 39 artigos publicados em revistas cientificas internacionais, este artigo procura alcancar o objetivo acima referido nas seguintes abordagens: a analise dos principais topicos de cada artigo; a metodologia adotada, incluindo as caracteristicas da amostra e OS intervalos de tempo (o tamanho da amostra e as fontes de informacao); a recolha de dados; a metodologia de analise dos resultados; OS paises de origem das PME e o sector de atividade das PME. Deste modo e com base em toda a pesquisa efetuada, nao foi encontrada qualquer pesquisa contemporanea que analise tao profundamente a realidade da internacionalizacao das PME localizadas no CA, pelo que este artigo procura complementar estudos anteriores (McAuley, 1999; 2010; Leonidou & Katsikeas, 1996; Coviello & McAuley, 1999; Coviello & Jones, 2004; Rialp et al., 2005; Fillis, 2001; Etemad, 2004; Kuivalainen, Sundqvist, Saarenketo e McNaughton, 2012), que se focaram em areas especifica da internacionalizacao de PME que nao tinham por objeto a analise do CA.

O artigo esta dividido em cinco seccoes. Depois da introducao, que corresponde a primeira seccao, OS conceitos de internacionalizacao e PME foram abordados na seccao dois. A terceira seccao apresenta a metodologia adotada nesta pesquisa. Os resultados sao apresentados e discutidos na quarta seccao. Finalmente, as conclusoes e OS principais desafios e futuros desenvolvimentos sao apresentados na seccao cinco.

Internacionalizacao de PME

Os conceitos de internacionalizacao e PME sao multifacetados. De acordo com a literatura, o conceito de internacionalizacao tem evoluido ao longo dos tempos, incorporando diferentes perspetivas analiticas e teoricas. Parece ser um termo ambiguo e a sua definicao varia de acordo com o fenomeno em estudo (Chetty & Campbell-Hunt, 2003). Pode incluir exportacao, comercio, cluster transfronteirico, aliancas, filiais e joint ventures localizadas fora do pais de origem (singh, Pathak & Naz, 2010); genericamente esta associado a um movimento outward das operacoes internacionais da empresa (Luostarinen, 1980; Welch & Luostarinen, 1988; Hitt, Hoskisson & ireland, 1994; Ruzzier, Hisrich, & Antoncic, 2006) ou um processo de adaptacao e aumento do envolvimento nas operacoes internacionais (Calof & Beamish, 1995), bem como o fenomeno de de-internationalisation (Chetty & Campbell-Hunt, 2003; Calof & Beamish, 1995; Chetty, 1999; Benito & Welch, 1997). Fletcher (2001) da-lhe uma perspetiva integrada ao incluir os movimentos inward. Varia de acordo com diversos fatores que incluem o tamanho da empresa, a idade, o tipo de gestao, a lideranca, o sector, etc., sendo que algumas empresas preferem internacionalizar as suas atividades de producao, enquanto outras internacionalizam apenas o seu negocio (Kafouros et al, 2008).

A internacionalizacao tem vindo a ser intensivamente estudada, assumindo varios pontos de vista e varias perspetivas (Mejri & Umemoto, 2010), entre as quais se destacam: a teoria organizacional, o marketing, a estrategia, a gestao internacional, o empreendedorismo e a gestao de pequenos negocios (Ruzzier et al., 2006; o'Cass & Weerawardena, 2009). O crescimento das pesquisas em marketing internacional inclui diversos estudos na area das estrategias de entrada em mercados externos, no uso de informacoes sobre as exportacoes, nas estrategias de marketing utilizadas pelas PME e no desempenho em mercados internacionais (o'Cass & Weerawardena, 2009). Para proteger a sua posicao no mercado domestico e aumentar as suas receitas, as PME encontram nas atividades de exportacao uma alternativa de risco relativamente baixo como forma de aceder a mercados externos (Bello & Gilliland, 1997; Peng & York, 2001; Salomon & Jin, 2008). Neste contexto, as PME enfrentam uma concorrencia intensiva nos mercados internacionais, confrontando-se nao so com as multinacionais, como tambem com a concorrencia local do mercado destino (Etemad, 2004).

Em face da heterogeneidade das caracteristicas intrinsecas das PME, as perspetivas macro foram dando lugar a abordagens microeconomicas, em que OS modelos tradicionais de internacionalizacao focam uma perspetiva processual ou de rede (Moreira, 2009), e perspetivas empreendedoras (Lu & Beamish, 2001; Jones & Nummela, 2008; O'Cass & Weerawardena, 2009), mais adaptadas as PME, sobretudo as menos passivas, o que tem colocado em causa a visao tradicional baseada no processo de internacionalizacao (O'Cass & Weerawardena, 2009).

As novas abordagens empresariais tem dado origem a novas tipologias comportamentais como as international new ventures ou global start-ups (Oviatt & McDougall, 1994), high-technology start-ups (Jolly, Alahuhta, & Jeannet, 1992), born globals (Knight & Cavusgil, 1996; Madsen & Servais, 1997), ou as "multinacionais infantis" (Lindqvist, 1991; 1997). Os estudos mais recentes tem vindo a identificar um aumento do numero de empresas que nao se encaixam na perspetiva das etapas tradicionais do processo de internacionalizacao; pelo contrario, elas ja nascem com o objetivo de desempenhar um papel ativo nos mercados internacionais.

Na literatura, encontram-se ainda modelos conceptuais que explicam a internacionalizacao como um processo comportamental, no qual a expansao para mercados externos comeca em mercados geograficamente proximos a empresa (denominada por zona de conforto), seguido por mercados caracterizados por uma proximidade psicologica (Johanson & Vahlne, 1977; Johanson & Wiedersheim-Paul, 1975). Claramente existe um confronto entre os estudos tradicionais que descrevem o desenvolvimento das atividades internacionais das empresas de forma sequencial e as novas abordagens empresariais com um cunho mais dinamico (Wennberg & Holmquist, 2008). No entanto, nao ha um unico modelo agregador que explique o processo de internacionalizacao desde uma fase embrionaria. Ha claramente uma perspetiva evolutiva que tem sido alimentada por questoes contextuais e por um processo de decisao interno a empresa que e complexo e multifacetado (Ribau et al., 2015).

Desde o inicio do seculo XXI, OS investigadores tem tentado dar uma explicacao holistica a internacionalizacao das empresas. Alguns estudos se centram na explicacao de aspetos especificos da internacionalizacao, negligenciando outros, o que deu origem a um aumento de modelos, encaixando nao so varias teorias, como tambem a globalizacao, a complexidade dos mercados e as "novas" empresas (Fletcher, 2001; Etemad, 2004; McAuley, 2010; Mejri & Umemoto, 2010; Kuivalainen, Saarenketo e Puumalainen, 2012; Ribau et al., 2015).

Se a internacionalizacao de empresas e multifacetada, o conceito de PME nao lhe fica atras. A definicao de PME varia significativamente entre OS varios paises. Contudo, entre OS Estados Unidos (EUA) e a Uniao Europeia (EU) utilizam-se criterios relativamente semelhantes na sua definicao (EC, 2015; US-SBA, 2015), embora nos EUA possa variar de acordo com o tipo de sector.

Nos EUA, uma PME pode ter entre 100 a 1.500 trabalhadores ou um volume de negocios anual que pode rondar entre OS USD$ 2,5 a usd$ 21,5 milhoes (US-SBA, 2015). No Brasil, o criterio mais utilizado (embora nao o oficial) baseia-se igualmente no volume de negocios anual (com mais de R$ 3,6 milhoes) ou no numero de trabalhadores (embora se distinga entre empresas industriais e comerciais ou de servicos, sendo que, na primeira ronda, dos 100 aos 499 e, na segunda, entre 50 a 99 trabalhadores) (IBGE, 2016). No Chile, na Argentina e na Colombia, nao existem criterios unanimes. Neste ultimo, uma PME tem normalmente menos de 150 trabalhadores e um volume de vendas anual entre OS COP $ 100 a 150 milhoes; na Argentina, e dependendo do sector de atividade (industria, minerio e pesCA; comercio e servicos; transporte; agropecuaria), e feito um calculo com base em tres criterios, a saber: (a) numero de trabalhadores (ate 300); (b) volume de vendas anuais (ate USD $18 milhoes), e (c) ativos produtivos (ate USD $10 milhoes) (Cepal, 2016). No Chile, e segundo o Ministerio da Economia (2016), uma PME pode ter um volume de vendas anual ate UF$ 100 mil. Independentemente da definicao especifica de PME, que certamente varia de pais para pais, o importante na analise deste artigo e a relevancia dada a PME enquanto unidade economica e a forma como ela perceciona a Internacionalizacao.

No mundo, as PME representam 90% dos negocios e empregam mais de 50% da mao de obra disponivel (ifc, 2015). Especificamente na al, as PME sao um fator-chave no crescimento economico e no desenvolvimento, sendo que grande parte da populacao e da economia depende da sua atividade, capacidade produtiva e criacao de emprego (Cepal, 2016). Desta forma, as PME representam caminhos estrategicos de saida da atual crise financeira global, especialmente em mercados emergentes, como forma de desenvolvimento e reducao da pobreza (IFC, 2015).

As PME ocupam mais de 40% do emprego registado na Argentina, no Brasil e no Uruguai; mais de 30% na Colombia, no Mexico e na Republica Dominicana e entre 25% e 30% no Chile, no Equador e em El Salvador. Estas percentagens sao mais elevadas quando se juntam as microempresas as PME, conjunto que representa mais de 93% das empresas registadas na AL, pelo que OS diversos governos destes paises tem feito esforcos de desenvolvimento de programas de apoio as PME, como forma de fomentar o seu crescimento (Cepal, 2016).

As PME sao um dos principais motores de desenvolvimento economico, pelo que tem vindo a receber cada vez mais atencao na literatura, o que justifica por si so a sua analise no CA, onde tradicionalmente as multinacionais tem obtido mais atencao por parte dos investigadores.

Metodologia na Recolha de Dados

Esta pesquisa inclui varias perspetivas da investigacao na internacionalizacao de PME que recorrem as seguintes bases de dados cientificas: EBSCO, Emerald, Web of Knowledge e ScienceDirect.

Contrariando a tendencia de apenas analisar alguns artigos tipo "a" aquando da revisao da literatura (Pickering & Byrne, 2014), esta pesquisa nao teve qualquer restricao quanto as revistas cientificas deste campo de investigacao, ja que o objetivo era captar as diversas perspetivas existentes na literatura.

A metodologia utilizada teve por base tres condicoes essenciais: (1) apenas artigos completos; (2) todos os artigos que incluiam duas palavras-chave (SME e internationaliz(s)ation), de forma a abranger a terminologia americana e britanica no titulo, no resumo e/ou nas palavras-chave; (3) artigos empiricos com investigacoes nas PME do CA. A pesquisa foi efetuada com as duas palavras-chave em ingles, uma vez que esta e a lingua obrigatoria no titulo, resumo e palavras-chave das revistas cientificas internacionais, indexadas naquelas bases de dados, mesmo que o corpo do texto esteja noutra lingua. O foco desta pesquisa esta na internacionalizacao de PME, refletido na metodologia, eliminando toda a literatura que, podendo basear-se na internacionalizacao de empresas, nao identificou claramente a PME. So assim se garantiu que a pesquisa se direcionasse exclusivamente ao nicho das PME, incluindo qualquer subtema no ambito da internacionalizacao.

Na Tabela 1, identificam-se OS criterios metodologicos assumidos nesta pesquisa.

Numa primeira fase, foram aplicados nas bases de dados os criterios "tipo de artigo", "topico de pesquisa" no titulo, no resumo e nas palavras-chave, sem qualquer restricao temporal ou tipo de revista, resultando em 329 artigos. Numa segunda fase, a selecao foi refinada tendo em conta a confirmacao dos criterios anteriores e a aplicacao dos restantes: artigos empiricos respeitantes a internacionalizacao de PME localizadas no CA. Aplicados os criterios metodologicos e, apos as duas fases de selecao, identificaram-se 39 artigos entre 1999 e 2014, escritos nas linguas inglesa, francesa, espanhola e portuguesa.

De notar que nao foram encontrados artigos anteriores a 1999 que correspondessem ao criterio definido, o que se pode explicar pelo facto de a grande maioria dos estudos anteriores nao mencionar explicitamente pequena e media empresa ou o acronimo "SME" (PME em ingles). De forma a verificar a "ausencia" de estudos sobre PME, foi realizada uma pesquisa em varios artigos sobre internacionalizacao de PME e verificou-se que a alusao as PME e mais tacita do que explicita, o que foi uma novidade.

Para analisar OS 39 artigos identificados, foi desenhada uma matriz que continha: (1) a referencia do artigo; (2) topico principal; (3) principais resultados/implicacoes; (4) metodologia (que inclui o metodo utilizado na recolha de dados, tamanho da amostra, as fontes de informacao, o periodo da pesquisa, a taxa de resposta); (5) o pais da PME; (6) o sector de atividade, e (7) a identificacao da revista. Estes sete itens permitiram criar tabelas dinamicas, de onde foram exportados varios quadros de analise a partir dos quais se tiraram conclusoes sobre o estado, padroes e tendencias das investigacoes sobre o tema em analise. O metodo utilizado nesta revisao da literatura respeita um processo sistematico, envolvendo uma analise indutiva dos topicos de cada artigo (Braun & Clarke, 2006) e uma tentativa de organizar a literatura em padroes, OS quais foram agrupados de forma a identificar categorias mais abrangentes.

Tal como apresentado por Jones, Coviello e Tang (2011), foi seguida uma perspetiva interpretativista, baseada na analise do foco, ideias e argumentos dos artigos. Como resultado desta analise, foram criados topicos--que representam conceitos/temas fundamentais de cada artigo--e categorias--que representam conceitos mais latos que incluem topicos relacionados. Para tal, foram primeiro identificados os topicos e posteriormente as categorias. De forma a facilitar a analise dos artigos, foi construida uma tabela organizada por topicos, categorias, referencias dos artigos e o ano de publicacao. Cada artigo foi analisado atraves de uma abordagem interpretativo-sintetica (Noblit & Hare, 1988), recorrendo a uma combinacao de analise quer tematiCA, quer de conteudo (Weed, 2008), de forma a identificar aspetos quantitativos e qualitativos de cada artigo.

De forma a apurar esta revisao da literatura, optou-se por dividir, em todos OS itens de analise, OS estudos com origem na America do Norte (an)--EUA e Canada, excetuando o Mexico--e na al, que neste estudo incluem OS paises hispano-americanos do CA.

Resultados da Analise

A Tabela 2 mostra o numero de artigos publicados ao longo dos anos, sendo que 69% do total de publicacoes estao entre 2009 a 2014, o que reflete a crescente importancia do tema e das publicacoes dos paises da al, embora 54% dos estudos tenham por base a an. publicacoes

Os 39 artigos identificados estao publicados em 27 revistas diferentes, sendo que as tres revistas mais representativas, com tres artigos cada, representam 23,1% do total de artigos publicados neste periodo (Tabela 3). Seis revistas publicaram dois artigos (representando 30% do total de publicacoes) e as restantes 18 revistas identificadas publicaram um artigo cada.

Do top 3, OS dois primeiros meios publicaram artigos que abordaram PME localizadas na an. Os tres artigos publicados na Estudios Gerenciales identificam PME da al, o mesmo acontece com OS dois artigos publicados na Cuadernos de Gestion e na Revista Brasileira de Gestao de Negocios.

Topicos e Categorias

Da revisao da literatura, foram identificados 28 topicos diferentes, sendo que o conjunto dos 39 artigos abordou um total de 77 topicos, conforme se apresenta na Tabela A1, no apendice. Os topicos mais utilizados pelos investigadores sao: (1) estrategia internacional (em oito artigos, representando 20,5% do total de artigos e 10,4% do total de vezes em que os topicos foram analisados); (2) desempenho e (3) internacionalizacao sequencial em ex-aequo (em sete artigos, representado 18% do total de artigos e 9,1% do total de vezes em que os topicos foram analisados); (4) abordagem empreendedora (identificado em seis artigos, representando 15,4% do total de artigos e 7,8% do total de vezes em que OS topicos foram analisados); (5) teoria de recursos (com cinco artigos, representando 12,8% do total de artigos e 6,5% do total de vezes em que OS topicos foram analisados). Estes cinco topicos representam 84,7% do total de artigos (39) e 42,9% do total de vezes em que OS topicos foram analisados.

A Tabela 4 expressa duas realidades diferentes mas complementares. Se, por um lado, OS investigadores tem tido uma clara preferencia pela abordagem de um e dois topicos nas suas investigacoes, por outro, OS artigos publicados mais recentemente tem revelado uma complexidade crescente, verificando-se que, a partir de 2009, ha uma clara tendencia para serem investigados tres ou mais topicos. De notar que apenas em 2013 e 2014 foram publicados artigos que analisam quatro ou mais topicos.

Aliado ao aumento da quantidade de topicos, ha tambem a emergencia de novos topicos. Por exemplo, o efeito bancario, as international new ventures, as aliancas, a selecao do mercado, o pais de acolhimento e o capital humano nunca foram tratados antes de 2010, tendo por base investigacoes nas PME da AN. Por outro lado, a inovacao, as redes e a gestao intercultural sao temas que emergiram na al. Por exemplo, o topico genero, que tambem emergiu apos 2010, esta representado equitativamente nos estudos da AN e da AL.

Os 39 artigos analisaram 28 topicos diferentes com uma tendencia mais acentuada para OS ultimos tres anos, quer na investigacao (quantidade de artigos publicados), quer nos topicos em estudo (quantidade, complexidade e inovacao), o que confirma a fragmentacao encontrada na literatura nesta area.

Com base nos 28 topicos, foram encontradas quatro categorias fundamentais transversais aos 39 artigos analisados. Estas quatro categorias foram identificadas tendo por base padroes e tendencias, a saber: (1) teorias da internacionalizacao; (2) estrategia; (3) perspetiva internacional; (4) desempenho. Agrupando tematicamente e classificando os 28 diferentes topicos encontrados na literatura, esta tipologia deu origem a um quadro analitico em que estas quatro categorias se relacionam duas a duas (denominado por quadrantes). As categorias 1 e 2 incluem os topicos que se encaixam nas categorias teorias de internacionalizacao e estrategia (por exemplo, born global). As categorias 2 e 3 englobam todos OS topicos relacionados com a estrategia e perspetiva internacional (por exemplo, canais on-line). As categorias 3 e 4 compreendem OS topicos relacionados com a perspetiva internacional e desempenho (exemplo, capacidade/intensidade de exportacao) e as categorias 4 e 1 incluem OS topicos relacionados com desempenho e teorias da internacionalizacao (exemplo, grau de internacionalizacao). E usual encontrar investigadores que se enquadram em duas categorias (Li, Li & Shi, 2011). Sao poucos OS que relacionam tres categorias (Floriani & Fleury, 2012).

As categorias 1, 2 e 3 (teorias da internacionalizacao, estrategia e perspetiva internacional) representam 89,4% da investigacao, isto e, as categorias 1 e 2 (teorias da internacionalizacao e estrategia) com 35,8% (10 topicos identificados no conjunto dos 28 topicos) e as categorias 2 e 3 (estrategia e perspetiva internacional) com 53,6% (15 topicos identificados de entre OS 28). Por outro lado, as categorias 3, 4 e 1 (perspetiva internacional, desempenho e teorias da internacionalizacao) representam apenas 10,7% da investigacao, ou seja, as categorias 3 e 4 (perspetiva internacional e desempenho) com 7,1% (dois topicos identificados no conjunto dos 28 topicos) e as categorias 4 e 1 (desempenho e teorias de internacionalizacao) com 3,6% (um topico identificado de entre OS 28). Verifica-se, nesta analise, que o desempenho e o conceito de estrategia sao cruciais na literatura sobre internacionalizacao de PME, reforcando o facto de que o desempenho e um constructo de dificil investigacao, quer quantitativamente, quer qualitativamente, sobretudo em PME que acabam por nao ter tradicao na utilizacao sistematica de diferentes e aprofundados indicadores de desempenho (ao contrario das multinacionais).

Se, num primeiro nivel, se identificaram 28 topicos, tendo-se destacado cinco pela sua ampla utilizacao, num segundo nivel OS topicos foram agrupados em quatro categorias (teorias de internacionalizacao, estrategia, perspetiva internacional e desempenho) relacionadas duas a duas. Comparando todos OS topicos identificados, OS cinco principais topicos e a relacao com as quatro categorias, confirma-se uma dicotomia entre a fragmentacao e a concentracao encontrada na literatura, por exemplo, se os 39 artigos abordam 28 topicos diferentes, cerca de 84,7% dos artigos cingem-se a cinco principais topicos de analise (33 artigos num total de 39 artigos) e 42,9% do total de vezes em que OS topicos foram analisados (77). As categorias estrategia e perspetiva internacional representam 53,6% do total de topicos e 87,2% do total de artigos (34/39).

Quando se analisa a origem dos estudos, verifica-se equilibrio entre a internacionalizacao das PME localizadas na an e al, quer em relacao ao numero total de artigos que analisam diferentes topicos (38 vs 39 respetivamente), quer ao numero total de topicos investigados (20 vs 21 respetivamente). Quanto ao numero total de artigos, e na an onde se concentra o maior numero de artigos (21, o que corresponde a 53,9% dos 39 artigos analisados) com destaque para o Canada, enquanto na al se identificaram 18 artigos (46,2% do total de 39). Quanto ao numero de topicos analisados, OS estudos centrados na an destacam-se por analisar um e dois topicos, embora haja um artigo que relaciona cinco topicos diferentes. Por sua vez, ha dois artigos que abordam quatro topicos com origem na AL.

Os topicos de maior investigacao nos EUA e no Canada sao: (1) a estrategica internacional e (2) a performance (ambos com cinco artigos cada), seguido pelo topico internacionalizacao sequencial, abordagem empreendedora e canais on-line (com tres artigos cada). Topicos como o grau de internacionalizacao, a capacidade/intensidade de exportacao, a perspetiva cognitiva, a gestao intercultural, a inovacao, o apoio governamental a exportacao e a globalizacao nas PME sao topicos exclusivos dos artigos que centram as suas pesquisas em PME da AL. Ja OS topicos como a proximidade e a diversidade geografiCA, canais on-line, parcerias, credito bancario, marketing internacional, selecao do mercado sao exclusivos dos artigos que se focalizam nas PME da AN.

Metodos de Pesquisa e Analise

Os metodos utilizados na recolha de dados estao apresentados na Tabela 5. O questionario e o metodo mais utilizado, seguido da entrevista. Apenas 7,7% dos artigos utilizam multiplos metodos na recolha de dados. Por sua vez, dos artigos que identificam claramente o metodo de pesquisa e analise, OS casos de estudo tomam de alguma forma relevancia (cerca de 18% do total das publicacoes). Os estudos empiricos optam claramente pela analise quantitativa, com amostras acima de 50 empresas. Apenas foi encontrado um estudo que utiliza as duas abordagens (quantitativa e qualitativa). 36% das investigacoes sao de corte transversal.

As fontes de informacao mais comuns nos investigadores com a recolha de dados sao OS gestores de topo (com 28% do total das publicacoes), seguido dos fundadores e do gestor internacional (com 7,7% cada).

Tratando-se de estudos com abordagem empiriCA, torna-se pertinente perceber o tamanho da amostra utilizada pelos investigadores. Grande parte dos estudos quantitativos (cerca de 41%) opta por uma amostra pequena (entre 50 a 400 PME), contudo 23% dos artigos contem uma amostra acima de 1000 PME, centradas na an. Dos 8 estudos qualitativos, a amostra centra-se maioritariamente abaixo de 20 empresas. O alvo destes estudos sao PME, pelo que tendencialmente as amostras sao de numero mais reduzido ao contrario de estudos extensiveis ao "grande publico". Nestes 39 artigos, so foram encontrados dois artigos que tenham optado por multiplas fontes de informacao, ambos com foco em PME da AN.

O principal metodo de analise identificado neste estudo e a regressao (com 23%), seguido da investigacao exploratoria, analise descritiva ou indutiva e modelagem por equacoes estruturais, (com 10,26% cada), este ultimo presente nos estudos apenas a partir de 2012 e maioritariamente aplicado as PME da AL (75%). Oito (21%) dos estudos combinam duas tecnicas de analise dos dados recolhidos (dos quais 63% sao estudos que se baseiam em PME da AN) e apenas um estudo combinou tres tecnicas (Kuhlmeier & Knight, 2010), que se focou em PME da an.

Os estudos empiricos cingem-se maioritariamente a recolher dados de PME de um unico pais (71,9%). Apenas um estudo envolveu 11 paises da al (Ketkar & Acs, 2013).

Conclusoes e implicacoes

A primeira conclusao e a de que dos 77 topicos que emergiram na revisao da literatura, OS mais importantes sao os seguintes: estrategia internacional, desempenho, internacionalizacao sequencial, abordagem empreendedora e teoria de recursos.

Embora haja topicos especificos na an e na al, outra conclusao importante esta relacionada com a proximidade de topicos quando se compara a perspetiva da an e da al, como e o caso da internacionalizacao sequencial, da abordagem empreendedora e da teoria dos recursos. Mais, ha topicos como a bornglobalness ou as international new ventures, que sao proximos e onde se verifica que as necessidades das empresas e da academia sao relativamente semelhantes tanto na an como na al.

Confirma-se a fragmentacao tematica encontrada na literatura, tal como apresentado por McAuley (2010). O tema e multifacetado em termos de analise e configuracoes, refletindo diversos modelos propostos sob a egide economiCA, comportamental, social, estrategica e, como ultima tendencia, integrativa, ao explicar todo o complexo fenomeno da internacionalizacao de empresas.

Ao contrario das revisoes da literatura anteriores, o presente artigo apenas inclui estudos do CA, que representam apenas 12% do total de 329 artigos identificados nesta area, tendo sido identificada uma ligeira preponderancia dos estudos originarios dos EUA e do Canada, relativamente aos paises da AL, embora, a nivel temporal, esta tendencia seja decrescente. Ha uma clara necessidade de aumentar o foco em estudos sobre PME localizadas na AL com o objetivo de melhor compreender a variabilidade das caracteristicas unicas das PME localizadas nestes paises emergentes, o que permitira nao so apoiar OS profissionais nas suas tomadas de decisao, bem como as entidades governamentais a definir estrategias de apoio a internacionalizacao de PME.

Tal como no estudo de McAuley (2010), existe um crescente interesse na analise de determinados topicos (por exemplo, a inovacao, gestao intercultural e capital humano, todos eles investigados entre 2013 e 2014) e a combinacao de diferentes topicos (Cui, Walsh & Zou, 2014, que combinaram a estrategia internacional com marketing internacional, desempenho, selecao de mercados e o pais de acolhimento).

Confirmando o estudo de McAuley (2010), grande parte dos investigadores opta por um unico metodo na recolha dos dados, sendo que apenas tres artigos utilizam multiplos metodos (7,7%), muito longe da percentagem referida quer no primeiro estudo de McAuley (1999) (18,5%), quer no segundo (37,4%) (McAuley, 2010). Da Tabela 5, conclui-se que tanto OS estudos da an como OS da al tem uma maior preponderancia por estudos quantitativos em detrimento dos qualitativos.

Ratificando as conclusoes de revisoes anteriores, o tamanho da amostra e normalmente maior em estudos quantitativos do que qualitativos e OS ceos, fundadores e executivos sao as fontes de informacao eleitas pela maioria dos estudos. De referir que apenas 5% dos estudos recorrem a varias fontes de informacao, aspeto que se sugere ver ultrapassado em proximas investigacoes, uma vez que varias fontes de informacao promovem diferentes perspetivas e suportam a triangulacao dos dados recolhidos pelo investigador, valorizando o estudo.

Mais de 50% dos estudos revistos por McAuley (1999) referiam-se a um unico sector. Esta revisao indica-nos que os investigadores se dividem entre estudos multissectoriais e unissetoriais, quer na an, quer na al. Apesar de existirem mais estudos que envolvem multiplos sectores, ha um gap na pesquisa comparativa dentro e entre sectores. Tanto nos estudos da an como nos da al, o sector industrial e alvo dos investigadores, em detrimento dos servicos, o que indicia um gap em todo o CA.

Os temas que dominam a investigacao sao a compreensao e conceptualizacao da internacionalizacao das PME numa perspetiva estrategica e empreendedora, seguindo uma visao tradicional em que a internacionalizacao e identificada como um processo evolutivo. Dos 28 topicos encontrados, 57,2% foram utilizados por um ou dois artigos. Entre OS artigos encontrados referentes a AN e a AL, e comum OS investigadores centrarem-se no estudo de um topico, contudo e nos artigos da AN que se identificam as amostras mais elevadas, o recurso a multiplas fontes de informacao e a combinacao de duas ou tres tecnicas de analise de dados. No entanto, e na al que foi identificado um artigo que envolve onze paises. Sendo as PME consideradas um fator-chave de crescimento sobretudo nas economias emergentes da AL e alvo de programas governamentais de apoio, seria expectavel que a literatura refletisse a preocupacao do financiamento das entidades bancarias, os efeitos dos programas de apoio no desenvolvimento das PME, de forma a suportar a definicao de estrategias publicas e empresariais.

A diversidade e OS novos temas trazidos para a discussao indicam que, apesar de a literatura sobre a internacionalizacao de empresas ser uma area de intensas pesquisas, ainda pode ser alargada e aprofundada. Um desafio futuro e o de sedimentar conhecimento que integre topicos em estudo (por exemplo, born global, e-commerce, gestao intercultural, proximidade geografiCA, capital humano, pais de origem). Outros temas podem ser identificados com potencial desenvolvimento e ainda nao estudados, por exemplo, OS avancos tecnologicos como facilitadores dos negocios internacionais das PME; o grau de integracao economica (com base em acordos comerciais de integracao e livre comercio, como Nafta, Mercosul, Comunidade Andina) do pais de origem como influenciador da internacionalizacao das PME e OS seus resultados; a diferenca das PME entre entrarem num mercado externo pertencente ao mesmo espaco economico do pais de origem, de um espaco economico diferente; as diferencas culturais como influenciadoras da internacionalizacao das PME quando estas estao em paises de diferentes continentes; o comportamento das empresas familiares no seu processo de internacionalizacao; genero como influenciador no alcance de objetivos de desempenho internacional. As questoes etnicas, familiares e de igualdade de genero parecem ser questoes criticas nas empresas localizadas sobretudo na AL, onde a resposta a uma questao basica de como estas PME se internacionalizam parece nao ter resposta na literatura. Torna-se, portanto, necessario dar uma perspetiva multipla aos temas abordados pelos investigadores, como forma de atingir uma visao multidimensional das PME em ambientes internacionais.

Qualquer revisao da literatura tem limitacoes. Esta resulta da analise de um numero selecionado de artigos a partir de um criterio predefinido. Este artigo partiu de duas palavras-chave, independentemente do subtopico abordado. Comparando com revisoes da literatura anteriores, com criterios mais limitativos (nao so referente a notoriedade do trabalho, do investigador, da revista, como tambem referente aos temas abordados), o criterio adotado para este estudo foi integrativo, tendo em conta que apenas se definiu uma limitacao: as PME do CA.

Este trabalho teve como proposito estimular a analise e a interpretacao. Nao foi encontrado nenhum estudo que refletisse as investigacoes feitas a internacionalizacao de PME do CA, nem que agrupasse tematicamente OS topicos encontrados ou que identificasse tendencias e padroes. Contudo, para futuras revisoes sistematicas, poderao ser incluidas outras palavras-chave na pesquisa, livros e capitulos de livros, monografias e dissertacoes academicas que complementem o conhecimento aqui gerado.

Como apenas 10% dos estudos utilizam tecnicas e ferramentas analiticas mais sofisticadas, como equacoes estruturais e Partial Least Squares (PLS), que analisam relacoes entre constructos e efeitos de moderacao e mediacao, e expectavel que estudos futuros recorram a estas tecnicas de analise, bem como a tecnicas econometricas que abracem estudos longitudinais. De forma a complementar OS resultados obtidos, seria relevante que investigacoes vindouras enderecassem a internacionalizacao de servicos, dado que complementaria a classica perspetiva industrial.

Devido a natureza multidisciplinar e a diversidade teorica desta area, torna-se fundamental o seu desenvolvimento e consolidacao, sobretudo em economias emergentes, onde as PME desempenham um papel fundamental no seu dinamismo e desenvolvimento economico e social.

Referencias

Alvarado, T., & Granados, M. (2013). La innovacion en entornos economicos poco favorables: El sector autopartes mexicano. Estudios Gerenciales, 29(127), 167-176. doi:10.1016/j.estger.2013.05.005

Barbosa, D. M., & Ayala, A. H. (2014). Factores que influyen en el desarrollo exportador de las pyme en Colombia. Estudios Gerenciales, 30(131), 172-183.

Barbosa, E., Gonzalez-Campo, C., & Vargas, G. (2013). Factores que condicionan la aparicion de las born global: Analisis de la internacionalizacion temprana de las pyme en Colombia. Pensamiento & Gestion, 35, 206-223.

Bell, J., & Loane, S. (2010). "New-wave" global firms: Web 2.0 and SME internationalisation. Journal of Marketing Management, 26(3), 213-229. doi:10.1080/02672571003594648

Bello, D. C., & Gilliland, D. I. (1997). The effects of output controls, process controls and flexibility on export channel performance. Journal of Marketing, 61(1), 22-38.

Benito, G., & Welch, L. (1997). De-internationalisation. Management International Review, 37(2), 7-25.

Boehe, D. (2009). Brazilian software sme's export propensity: bridging "born global" and Stage Approaches. Latin American Business Review, 10(2), 187-216. doi:10.1080/10978520903238388

Braun, V., & Clarke, V. (2006). Using thematic analysis in psychology. Qualitative Research in Psychology, 3(2), 77-101.

Bustamante-Zapata, L., & Aguilar-Barrientos, S. (2013). Retos de gestion intercultural en las actividades de internacionalizacion de microempresas de Medellin. Estudios Gerenciales, 29(129), 456-465.

Calof, J., & Beamish, P. (1995). Adapting to foreign markets: Explaining internalisation. International Business Review, 4(2), 115-131.

Cancino, C., & La Paz, A. (2010). International new ventures in Chile: Three cases of success. Revista Latino-americana de Administracion, 45, 140-162.

Carazo, P. (2007). Influencia de la promocion de exportaciones en el proceso del desarrollo exportador de las pyme: Un estudio de caso. Pensamiento & Gestion, 23, 1-57.

Chetty, S. (1999). Dimensions of internationalisation of manufacturing firms in the apparel industry. European Journal of Marketing, 33(1/2), 121-142.

Chetty, S., & Campbell-Hunt, C. (2003). Paths to internationalisation among small-to medium-sized firms: A global versus regional approach. European Journal of Marketing, 37(5/6), 796-820.

Comision Economica para America Latina y el Caribe (Cepal). (2016). Recuperado de http://www.cepal.org/es

Coviello, N. E., & Jones, M. V. (2004). Methodological issues in international entrepreneurship research. Journal of Business Venture, 19, 485-508.

Coviello, N. E., & McAuley, A. (1999). Internationalisation and the smaller firm: A review of contemporary empirical research. Management International Review, 39(3), 223-256.

Cui, A., Walsh, M., & Zou, S. (2014). The importance of strategic fit between host-home country similarity and exploration exploitation strategies on small and medium-sized enterprises' performance: A contingency perspective. Journal of International Marketing, 22(4), 67-85. doi: http://dx.doi.org/10.1509/jim.14.0045

D'Angelo, A., Majocchi, A., Zucchella, A., & Buck, T. (2013). Geographical pathways for sme internationalization: Insights from an Italian sample. International Marketing Review, 30(2), 80-105.

Etemad, H. (2004). Internationalization of small and medium-sized enterprises: A grounded theoretical framework and an overview. Canadian Journal of Administrative Sciences, 21(1), 1-21.

European Commission (ec) (2015). Recuperado de http://ec.europa.eu/ enterprise/policies/sme/

Fabian, F., Molina, H., & LabianCA, G. (2009). Understanding decisions to internationalize by small and medium-sized firms located in an emerging market. Management International Review, 49(5), 537-563. doi:10.1007/s11575-009-0007-6

Fernandez, A. M., & Bustamante, V. M. (2005). Estrategia e internacionalizacion en las pymes: Caso Antioquia. Cuadernos de Administracion, 18(30), 137-164.

Fillis, I. (2001). Small firm internationalisation: An investigative survey and future research directions. Management Decision, 39(9), 767-83.

Fletcher, R. (2001). A holistic approach to internationalization, International Business Review, 10(1), 25-49.

Floriani, D., & Fleury, M. T. (2012). O efeito do grau de internacionalizacao nas competencias internacionais e no desempenho financeiro da PME Brasileira. Revista de Administracao Contemporanea, 16(3), 438-458. doi:http://dx.doi.org/10.1590/ S1415-65552012000300007

Garcia, L. R. (2009). European markets as challenges or opportunities for Mexican SMEs' internationalization: a critical analysis of globalization. Perspectives on Global Development & Technology, 8(2/3), 372-398. doi:10.1163/156914909X423935

Gemser, G., Brand, M., & Sorge, A. (2012). Internationalisation strategies of technology-driven small--and medium-sized enterprises. Technology Analysis & Strategic Management, 24(3), 311-326. doi: 10.1080/09537325.2012.655418

Gurau, C., & Merdji, M. (2008). The internationalization process of online smes in the u.K., u.s. and Australia. Journal of Asia-Pacific Business, 9(1), 55-81. doi:10.1080/10599230801971267

Hitt, M., Hoskisson, R., & Ireland, R. (1994). A mid-range theory of the interactive effects of international and product diversification on innovation and performance. Journal of Management, 20, 297-326.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (ibge). (2016). Recuperado de http://www.ibge.gov.br/home/default.php

International Finance Corporation (ifc): World Bank Group (2015). Recuperado de www.ifc.org

Ioan, D. (2012). Elaboracion de una metodologia para medir la capacidad exportadora de las pymes en Venezuela. Compendium, 15(28), 23-42.

Johanson, J., & Vahlne, J-E. (1977). The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign markets commitments. Journal of International Business, 8(1), 23-32.

Johanson, J., & Wiedersheim-Paul, F. (1975). The internationalization of the firm: four Swedish cases. Journal of Management Studies, 2(3), 305-322.

Jolly, V., Alahuhta, M., & Jeannet, J-P. (1992). Challenging the incumbents: How high technology start-ups compete globally. Strategic Change, 1(2), 71-82.

Jones, M., Coviello, N., & Tang, Y. (2011). International entrepreneurship research (1989-2009): a domain ontology and thematic analysis. Journal of Business Venturing 26, 632-659.

Jones, M., & Nummela, N. (2008). International entrepreneurship: Expanding the domain and extending our research questions. European Management Journal, 26(6), 349-353.

Kafouros, M., Buckley, P., Sharp, J., & Wang, C. (2008). The role of internationalization in explaining innovation performance. Technovation, 28, 63-74.

Ketkar, S., & Acs, Z. (2013). Where angels fear to tread: Internationalization of emergi ng country smes. Journal of International Entrepreneurship, 11 (3), 201-219. doi:10.1007/s10843-013-0107-z

Knight, G., & Cavusgil, S. (1996). The born global firm: A challenge to traditional internationalization theory. Advances in International Marketing, 8, 11-26.

Kuhlmeier, D., & Knight, G. (2010). The critical role of relationship quality in small-and medium-sized enterprise internationalization. Journal of Global Marketing, 23(1), 16-32. doi:10.1080/08911760903439636

Kuivalainen, O., Saarenketo, S., & Puumalainen, K. (2012). Start-up patterns of internationalization: A framework and its application in the context of knowledge-intensive smes. European Management Journal, 30(4), 372-385.

Kuivalainen, O., Sundqvist, S., Saarenketo, S., & McNaughton, R. (2012). Internationalization patterns of small and medium-sized enterprises. International Marketing Review, 29(5), 448-465.

Leonidou, L., & Katsikeas, C. (1996). The export development process: An integrative review of empirical models. Journal of International Business Studies, 27(3), 517-551.

Li, L., Li, D., & Shi, W. (2011). Internationalization, internalization and the performance of US biopharmaceutical smes. Multinational Business Review, 19(1), 65-93. doi:http://dx.doi.org/10.1108/15253831111134830

Lindqvist, M. (1991). Infant multinationals: The internationalization of young, technology-based Swedish firms (Tese de doutoramento nao publicada). Stockholm School of Economics, Stockholm.

Lindqvist, M. (1997). Infant Multinationals: Internationalisation of Small Technology-based Firms. Em D. Jones-Evans, & M. Kloften (Eds.), Technology, Innovation and Enterprise: The European Experience (pp. 303-324). Basingstoke: MacMillan.

Lu, J., & Beamish, P. W. (2001). The internationalization and performance of smes. Strategic Management Journal, 22(6/7), 565-588.

Luostarinen, R. (1980). The Internationalization of the Firm. Helsinki: Helsinki School of Economics.

Madsen, T., & Servais, P. (1997). The internationalization of born globals: An evolutionary process? International Business Review, 6(6), 561-583.

Martinez-Carazo, P. (2009). Proceso del desarrollo exportador de la pyme colombiana. Cuadernos de Gestion, 9(1), 47-65.

McAuley, A. (1999). Research into the internationalization process: Advice to an alien. Journal of Research in Marketing Entrepreneurship, 1(1), 11-17.

McAuley, A. (2010). Looking back, going forward: Reflecting on research into the sme internationalisation process. Journal of Research in Marketing Entrepreneurship, 12(1), 21-41.

Mejri, K., & Umemoto, K. (2010). Small and medium-sized enterprise internationalization: Towards the knowledge-based model. Journal of International Entrepreneurship, 8(2), 156-167.

Merrilees, B., & Tiessen, J. (1999). Building generalizable sme international marketing models using case studies. International Marketing Review, 16(4/5), 326-344. doi:http://dx.doi. org/10.1108/02651339910281875

Ministerio da Economia (2016). Recuperado de http://www.economia. gob.cl/

Moini, H., & Tesar, G. (2005). The internet and internationalization of smaller manufacturing enterprises. Journal of Global Marketing, 18(3/4), 79-94. doi:10.1300/J042v18n03_04

Moreira, A. C. (2007). La internacionalizacion de pymes industriales a traves de multinacionales. Presentacion de algunos casos de los sectores automotor y electronico, Cuadernos de Administracion, 20(34), 89-114.

Moreira, A. C. (2009). The evolution of internationalisation: Towards a new theory? Global Economics and Management Review, xiv(1), 41-59.

Neupert, K., Baughn, C., & Dao, T. (2006). sme exporting challenges in transitional and developed economies. Journal of Small Business and Enterprise Development, 13(4), 535-545. doi:http://dx.doi. org/10.1108/14626000610705732

Nkongolo-Bakenda, J-M., Anderson, R., Ito, J., & Garven, G. (2010). Structural and competitive determinants of globally oriented small-and medium-sized enterprises: an empirical analysis. Journal of International Entrepreneurship, 8(1), 55-86. doi:10.1007/ s10843-010-0048-8

Noblit, G., & Hare, R. (1988). Meta-ethnography: synthesising qualitative studies (v. 11). Newbury Park: Sage.

O'Cass, A., & Weerawardena, J. (2009). Examining the role of international entrepreneurship, innovation and international market performance on sme internationalisation. European Journal of Marketing, 43(11/12), 1325-1348.

Orser, B., Spence, M., Riding, A., & Carrington, C. (2010). Gender and export propensity. Entrepreneurship: Theory and Practice, 34(5), 933-958. doi:10.1111/j.1540-6520.2009.00347.x

Oviatt, B. M., & McDougall, P. P. (1994). Toward a theory of international new ventures. Journal of International Business Studies, 25(1), 45-64.

Peng, M., & York, A. (2001). Behind intermediary performance in export trade: Transactions, agents and resources. Journal of International Business Studies, 32(2), 327-346.

Pett, T., & Wolff, J. (2003). Firm characteristics and managerial perceptions of nafta: An assessment of export implications for u.s. smes. Journal of Small Business Management, 41(2), 117-133. doi:10.1111/1540-627X.00071

Pickering, C., & Byrne, J. (2014). The benefits of publishing systematic quantitative literature reviews for phd candidates and other earlycareer researchers, Higher Education Research & Development, 33(3), 534-548.

Prater, E., & Ghosh, S. (2005). Current operational practices of u.s small and medium-sized enterprises in Europe. Journal of Small Business Management, 43(2),155-169. doi:10.1111/j.15 40-627x.2005.00131.x

Raymond, L., & St-Pierre, J. (2013). Strategic capability configurations for the interna-tionalization of smes: A study in equifinality. International Small Business Journal, 31(1), 82-102.

Raymond, L., St-Pierre, J., Uwizeyemungu, S., & Le Dinh, T. (2014). Internationalization capabilities of smes: A comparative study of the manufacturing and industrial service sectors. Journal of International Entrepreneurship, 12(3), 230-253 doi:10.1007/s108 43-014-0123-7

Rialp, A., & Rialp, J. (2001). Conceptual frameworks on SMEs' internationalization: Past, present and future trends of research. Em C. N. Axinn, & P. Matthyssens (Eds.), Advances in International Marketing: Reassesing the Internationalization of the Firm (pp. 49-78). Bingley: Emerald.

Rialp, A., Rialp, J., & Knight, G. (2005). The phenomenon of early internationalizing firms: What do we know after a decade (1993-2003) of scientific inquiry? International Business Review, 14, 147-166.

Ribau, C. P., Moreira, A. C., & Raposo, M. (2015). Internationalisation of the firm theories: a schematic synthesis. International Journal of Business and Globalisation, 15(4), 528-554. doi:10.1504/IJB G.2015.072535

Riding, A., Orser, B., Spence, M., & Belanger, B. (2012). Financing new venture exporters. Small Business Economics, 38(2), 147-163. doi:10.1007/s11187-009-9259-6

Rodriguez, J. (2007). The internationalisation of the small and medium-sized firm. Prometheus, 25(3), 305-317. doi:10.1080/081 09020701531411

Rugman, A. (1981). Inside the Multinationals. Nova York: Columbia University Press.

Rutihinda, C. (2008). Export barriers and performance of small and medium size enterprises. Journal of International Business Research, 7(2), 57-64.

Ruzzier, M., Hisrich, R., & Antoncic, B. (2006). SME internationalization research: Past, present, and future. Journal of Small Business and Enterprise Development, 13(4), 476-497.

Salomon, R., & Jin, B. (2008). Does knowledge spill to leaders or laggards? Exploring industry heterogeneity in learning by exporting. Journal of International Business Studies, 39(1), 132-150.

Seifriz, A., Gondim, G. S., & Pereira, E. (2014). Internacionalizacao e Networks em Pequenas e Medias Empresas: o papel dos lacos de descendencia imigratoria. Revista Brasileira de Gestao de Negocios, 16(50), 5-24.

Singh, D., Gaur, A., & Schmid, F. (2010). Corporate diversification, tmt experience, and performance: Evidence from German smes. Management International Review, 50(1), 35-57.

Singh, G., Pathak, R., & Naz, R. (2010). Issues faced by SMEs in the internationalization process: Results from Fiji and Samoa. International Journal of Emerging Markets, 5(2), 153-182.

Spence, M., & Crick, D. (2006). A comparative investigation into the internationalisation of Canadian and uk high-tech smes. International Marketing Review, 23(5), 524-548. doi:http://dx.doi. org/10.1108/02651330610703436

Spence, M., Orser, B., & Riding, A. (2011). A comparative study of international and domestic new ventures. Management International Review, 51(1), 3-21. doi:10.1007/s11575-010-0065-9

St-Pierre, J., Defays, L., Benezech, D., & Garcia, C. (2014). Le role du capital humain dans l'etablissement de collaborations international des PME. Management International, 18, 72-84. doi: 10.7202/1027866ar

Thong, J. Y. L., Yap, C. S., & Raman, K. S. (1996). Top management support, external expertise and information systems implementation in small businesses. Information Systems Research, 7(2), 248-267.

Tiessen, J., Wright, R., & Turner, I. (2001). A model of e-commerce use by internationalizing smes. Journal of International Management, 7(3), 211-233. doi:10.1016/S1075-4253(01)00045-X

Torrens, W., Amal, M., & Tontini, G. (2013). Determinantes do Desempenho Exportador de Pequenas e Medias Empresas Manufatureiras Brasileiras sob a Perspectiva da Visao Baseada em Recursos e do Modelo de Uppsala. Revista Brasileira de Gestao de Negocios, 16(53), 511-539.

US Small Business Administration (2015). Recuperado de https://www. sba.gov

Weed, M. (2008). A potential method for the interpretative synthesis of qualitative research: issues in the development of "meta-interpretation". International Journal of Social Research Methodology, 11 (1), 13-28.

Welch, L., & Luostarinen, R. (1988). Internationalization: Evolution of a concept. Journal General Management, 14(2), 34-55.

Wennberg, K., & Holmquist, C. (2008). Problemistic search and international entrepreneurship. European Management Journal, 26, 441-445.

Williams, D. (2013). Gender and the internationalization of smes. Journal of International Business Research, 12(1), 133-146.
Apendice 1.
Referencias por categorias e topicos

Quadrantes                    Topico              Referencias

Categorias                                             AN

Teorias da             Genero                 (Orser et al., 2010)
internacionalizacao
vs Estrategia          Internacionalizacao    (Gurau & Merdji,
                       sequencial             2008; Neupert,
                                              Baughn & Dao, 2006;
                                              Spence, Orser &
                                              Riding, 2011)

                       Abordagem              (Nkongolo-Bakenda,
                       empreendedora          Anderson, Ito &
                                              Garven, 2010; Orser
                                              et al., 2010; Spence
                                              & Crick, 2006)

                       Perspetiva de
                       network

                       Teorias de             (Orser et al., 2010)
                       internacionalizacao

                       International new      (Riding et al.,
                       ventures               2012; Spence, Orser
                                              & Riding, 2011)

                       Born global            (Yu & Baum, 2012)

                       Perspetiva
                       cognitiva: processo
                       de decisao

                       Proximidade/           (Li, Li & Shi, 2011)
                       diversidade
                       geografica

                       Teoria de recursos     (Kuhlmeier & Knight,
                                              2010; Pett & Wolff,
                                              2003)

Estrategia vs          Gestao intercultural
Perspetiva
internacional

                       Canais on-line         (Bell & Loane, 2010;
                                              Moini & Tesar, 2005;
                                              Tiessen, Wright &
                                              Turner, 2001)

                       Estrategia             (Cui, Walsh & Zou,
                       internacional          2014; Gemser, Brand,
                                              & Sorge, 2012;
                                              Prater & Ghosh,
                                              2005; Raymond et
                                              al., 2014; Spence &
                                              Crick, 2006)

                       Competitividade        (Raymond et al.,
                                              2014)

                       Barreiras a            (Nkongolo-Bakenda,
                       internacionalizacao/   Anderson, Ito &
                       exportacao,            Garven, 2010;
                       incertezas,            Rutihinda, 2008)
                       desafios, motivacoes

                       Promocao a
                       exportacao/
                       assistencia
                       governamental

                       Experiencia            (St-Pierre et al.,
                       internacional,         2014)
                       orientacao,
                       competencias,
                       capital humano

                       Parcerias/aliancas     (Li, Li, & Shi,
                                              2011)

                       Efeito bancario        (Riding et al.,
                       (credito e             2012)
                       financiamento)

                       Marketing              (Cui, Walsh & Zou,
                       internacional          2014; Merrilees &
                                              Tiessen, 1999)

                       Inovacao

Estrategia vs          Selecao do mercado     (Cui, Walsh & Zou,
Perspetiva                                    2014)
internacional
                       Internacionalizacao    (Bell & Loane, 2010)
                       veloz

                       Globalizacao de PME

                       Pais de acolhimento    (Cui, Walsh & Zou,
                                              2014)

Perspetiva             Capacidade/
internacional          intensidade de
vs Desempenho          exportacao

                       Desempenho             (Cui, Walsh, & Zou,
                                              2014; Kuhlmeier &
                                              Knight, 2010; Li, Li
                                              & Shi, 2011; Raymond
                                              et al., 2014;
                                              Rutihinda, 2008)

Desempenho vs          Grau de
Teorias de             internacionalizacao
internacionalizacao

Numero total de vezes em que o topico foi referido por continente

Numero total de vezes em que o topico foi referido

Quadrantes                    Topico              Referencias

Categorias                                             AL

Teorias da             Genero                 (Williams, 2013)
internacionalizacao
vs Estrategia          Internacionalizacao    (Boehe, 2009;
                       sequencial             Carazo, 2007;
                                              Rodriguez, 2007;
                                              Torrens, Amal &
                                              Tontini, 2014)

                       Abordagem              (Barbosa & Ayala,
                       empreendedora          2014; Boehe, 2009;
                                              Ketkar & Acs, 2013)

                       Perspetiva de          (Seifriz, Gondim &
                       network                Pereira, 2014)

                       Teorias de             (Barbosa,
                       internacionalizacao    Gonzalez-Campo &
                                              Vargas, 2013;
                                              Torrens, Amal &
                                              Tontini, 2014)

                       International new      (Cancino & La Paz,
                       ventures               2010)

                       Born global            (Barbosa & Ayala,
                                              2014; Barbosa,
                                              Gonzalez-Campo &
                                              Vargas, 2013)

                       Perspetiva             (Fabian, Molina &
                       cognitiva: processo    LabianCA, 2009;
                       de decisao             Williams, 2013)

                       Proximidade/
                       diversidade
                       geografica

                       Teoria de recursos     (Boehe, 2009; Ioan,
                                              2012; Torrens, Amal
                                              & Tontini, 2014)

Estrategia vs          Gestao intercultural   (Ketkar & Acs, 2013;
Perspetiva                                    Bustamante-Zapata &
internacional                                 Aguilar-Barrientos,
                                              2013)

                       Canais on-line

                       Estrategia             (Cancino & La Paz,
                       internacional          2010; Fernandez &
                                              Bustamante, 2005;
                                              Rodriguez, 2007)

                       Competitividade        (Alvarado &
                                              Granados, 2013;
                                              Barbosa, Gonzalez-
                                              Campo & Vargas,
                                              2013; Fernandez &
                                              Bustamante, 2005)

                       Barreiras a            (Williams, 2013)
                       internacionalizacao/
                       exportacao,
                       incertezas,
                       desafios, motivacoes

                       Promocao a             (Carazo, 2007)
                       exportacao/
                       assistencia
                       governamental

                       Experiencia            (Floriani & Fleury,
                       internacional,         2012)
                       orientacao,
                       competencias,
                       capital humano

                       Parcerias/aliancas

                       Efeito bancario
                       (credito e
                       financiamento)

                       Marketing
                       internacional

                       Inovacao               (Alvarado &
                                              Granados, 2013;
                                              Barbosa & Ayala,
                                              2014)

Estrategia vs          Selecao do mercado
Perspetiva
internacional
                       Internacionalizacao    (Barbosa, Gonzalez-
                       veloz                  Campo & Vargas,
                                              2013; Cancino & La
                                              Paz, 2010)

                       Globalizacao de PME    (Garcia, 2009)

                       Pais de acolhimento

Perspetiva             Capacidade/            (Ioan, 2012)
internacional          intensidade de
vs Desempenho          exportacao

                       Desempenho             (Floriani & Fleury,
                                              2012; Torrens, Amal
                                              & Tontini, 2014)

Desempenho vs          Grau de                (Floriani & Fleury,
Teorias de             internacionalizacao    2012)
internacionalizacao

Numero total de vezes em que o topico foi referido por continente

Numero total de vezes em que o topico foi referido

Quadrantes                    Topico          Topicos *

Categorias                                    AN   AL

Teorias da             Genero                 1    1
internacionalizacao
vs Estrategia          Internacionalizacao    3    4
                       sequencial

                       Abordagem              3    3
                       empreendedora

                       Perspetiva de               1
                       network

                       Teorias de             1    2
                       internacionalizacao

                       International new      2    1
                       ventures

                       Born global            1    2

                       Perspetiva                  2
                       cognitiva: processo
                       de decisao

                       Proximidade/           1
                       diversidade
                       geografica

                       Teoria de recursos     2    3

Estrategia vs          Gestao intercultural        2
Perspetiva
internacional

                       Canais on-line         3

                       Estrategia             5    3
                       internacional

                       Competitividade        1    3

                       Barreiras a            2    1
                       internacionalizacao/
                       exportacao,
                       incertezas,
                       desafios, motivacoes

                       Promocao a                  1
                       exportacao/
                       assistencia
                       governamental

                       Experiencia            1    1
                       internacional,
                       orientacao,
                       competencias,
                       capital humano

                       Parcerias/aliancas     1

                       Efeito bancario        1
                       (credito e
                       financiamento)

                       Marketing              2
                       internacional

                       Inovacao                    2

Estrategia vs          Selecao do mercado     1
Perspetiva
internacional
                       Internacionalizacao    1    2
                       veloz

                       Globalizacao de PME         1

                       Pais de acolhimento    1

Perspetiva             Capacidade/                 1
internacional          intensidade de
vs Desempenho          exportacao

                       Desempenho             5    2

Desempenho vs          Grau de                     1
Teorias de             internacionalizacao
internacionalizacao

Numero total de vezes em que o topico foi refe38   39

Numero total de vezes em que o topico foi refe77

Nota. * Numero de artigos em cada topico.

Fonte: elaboracao propria.


Claudia Pires Ribau

PhD. em Marketing e Estrategia

Universidade de Aveiro

Aveiro, Portugal

cpr@ua.pt

ORCID link: http://orcid.org/0000-0003-2796-0354

Antonio Carrizo Moreira

PhD. em Management

Universidade de Aveiro

Aveiro, Portugal

Research Unit on Governance, Competitiveness and Public Policies

amoreira@ua.pt

ORCID link: http://orcid.org/0000-0002-6613-8796

Mario Raposo

PhD. em Gestao

Universidade da Beira Interior

NECE--Research Center in Business Sciences

Covilha, Portugal

mraposo@ubi.pt

ORCID link: http://orcid.org/0000-0001-6213-5355

ENLACE DOI: https://doi.org/ 10.15446/innovar.v28n67.68613.

CLASIFICACION JEL M16, M20, F20.

RECIBIDO: marzo 2015. APROBADO: DICIEMBRE 2016.

DIRECCION DE CORRESPONDENCIA: Claudia Pires Ribau. Rua Gago Coutinho, 1523830-669. Gafanha da Nazare, Portugal.
Tabela 1.
Criterio de selecao

Criterio                                   Descricao

Bases de dados                  EBSCO, Emerald, Web of
                                  Knowledge e ScienceDirect
Tipo de artigos                 Artigos empiricos completos
Topico de pesquisa              sme internationaliz(s)ation
Pais                            Investigacoes em PME do CA
Topico de pesquisa no artigo    Titulo, resumo, palavras-chave
Areas de pesquisa               Gestao, marketing, economia,
                                  ciencias sociais
Anos                            Todos sem qualquer restricao
                                  (ate dezembro 2014)
Revistas                        Cariz academico

Fonte: elaboracao propria.

Tabela 2.
Intensidade dos artigos publicados

ano    Numero de    % artigos   artigos    artigos
        artigos                    AN         AL

1999       1          2,56         1
2001       1          2,56         1
2003       1          2,56         1
2005       3          7,69         2          1
2006       2          5,13         2
2007       2          5,13                    2
2008       2          5,13         2
2009       4          10,26                   4
2010       5          12,82        4          1
2011       2          5,13         2
2012       5          12,82        3          2
2013       5          12,82                   5
2014       6          15,38        3          3
Total      39        100,00        21         18

ano      % anual      % acumulada
       AN/(AN + AL)   AN/(AN + AL)

1999       100           100,0
2001       100           100,0
2003       100           100,0
2005        50            83,3
2006       100            87,5
2007        0             70,0
2008       100            75,3
2009        0             69,2
2010        80            61,9
2011       100            65,2
2012        60            64,3
2013        0             54,5
2014        50            53,8
Total       18            53,8

Nota. Fonte: elaboracao propria.

Tabela 3.
Top das publicacoes

Meios                                          Numero de artigos
                                                  publicados

International Marketing Review                         3
Journal of International Entrepreneurship              3
Estudios Gerenciales                                   3
Cuadernos de Gestion                                   2
Journal of Small Business Management                   2
Journal of Global Marketing                            2
Journal of International Business Research             2
Management International Review                        2
Revista Brasileira de Gestao de Negocios               2
Total                                                 21

Fonte: elaboracao propria.

Tabela 4.
Numero de artigos por quantidade de topico selecionado por artigo

Ano           Um topico      Dois topicos    Tres topicos

            AN      AL      AN      AL      AN      AL

1999         1
2001         1
2003         1
2005         2                       1
2006         1               1
2007                                 2
2008         1               1
2009                 3                               1
2010                         3               1       1
2011                         1               1
2012         1               1       2       1
2013                 1               1               2
2014                 1       1               1       1
Subtotal     8       5       8       6       4       5
(%)        20,51   12,82   20,51   15,38   10,26   12,82
Total            13              14              9
(%)            33,33           35,90           23,08

Ano        Quatro topicos Cinco topicos   Total de artigos

            AN     AL          AN                AL

1999                                             1
2001                                             1
2003                                             1
2005                                             3
2006                                             2
2007                                             2
2008                                             2
2009                                             4
2010                                             5
2011                                             2
2012                                             5
2013                1                            5
2014                1           1                6
Subtotal            2           1                39
(%)               5,13        2,56
Total                2          1
(%)                   5,13    2,56

Fonte: elaboracao propria.

Tabela 5
Numero de artigos relacionados com o metodo na recolha de dados
e opcoes analiticas

Ano     Numero de     Entrevista  Questionario
        artigos

                      AN     AL     AN     AL

1999        1         1
2001        1
2003        1                              1
2005        3                1      2
2006        2         2
2007        2                              1
2008        2         1             2
2009        4                1             2
2010        5                1      3
2011        2         1             1
2012        5         1             1      1
2013        5                3             4
2014        6                       3      2
Total      39         6      6      12     11
                         12            23
          100%              30,77%         58,97%

Ano     Quantitativa  Qualitativa

          AN    AL     AN     AL

1999                   1
2001                   1
2003      1
2005      2
2006                   2
2007            1
2008      2
2009            3
2010      3            1      1
2011      2
2012      2     1             1
2013            5             1
2014      3     3
Total     15    13     5      3
             28           8
                 71,7          20,51%

Fonte: elaboracao propria.
COPYRIGHT 2018 Universidad Nacional de Colombia, Facultad de Ciencias Economicas
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Estrategia y Organizaciones; texto en portugues
Author:Pires Ribau, Claudia; Carrizo Moreira, Antonio; Raposo, Mario
Publication:Revista Innovar
Date:Jan 1, 2018
Words:10288
Previous Article:El clima y su relacion con las actividades, la fidelidad y la satisfaccion del turista nautico que visita la Ruta del sol (Ecuador).
Next Article:?La capacidad de absorcion es dinamica?
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters