Printer Friendly

Instituto de Pesquisa e Memoria Pretos Novos--IPN.

Pretos Novos

"Pretos novos" ou "bocais" era a denominacao dada aos cativos recem-chegados da Africa, no Brasil,assim que desembarcavam no porto. Logo que eram vendidos ou aprendiam a o portugues passavam a ser chamados de "ladinos".

Para entender a sua importancia

O Cemiterio dos Pretos Novos, que funcionou durante os anos de 1769 a 1830, e a principal prova material e incontestavel, encontrada ate hoje, sobre a barbarie ocorrida no periodo mais intenso do trafico de cativos africanos para o Brasil. Depois da descoberta fortuita feita pela familia Guimaraes dos Anjos, em 8 de janeiro de 1996, nao ha mais como admitir uma visao equivocada e romanceada sobre a escravidao de africanos e seus descendentes diretos no Brasil. Foram depositados no cemiterio os restos mortais de dezenas de milhares de africanos, brutalmente retirados de sua terra natal e trazidos a forca para o trabalho escravo. E igualmente bruta tambem era a forma como seus corpos foram despedacados, queimados e espalhados pelo terreno, cobertos apenas com algumas pas de terra. Ha indicios de que, dada a situacao de descarte humano que apresentava o local, moradores daquela epoca que passavam pela Rua do Cemiterio lancavam seu lixo domestico: restos de comida e fragmentos de loucas, ceramicas e vidros.

Apesar de ser considerado o maior cemiterio de escravizados deste genero nas Americas, o terreno destinado aos sepultamentos era muito pequeno para tantos corpos. Os vestigios arqueologicos e historicos deste campo santo sao testemunhos da acao violenta e cruel sofrida pelos africanos que nao resistiram aos maus tratos da captura e viagem transatlantica. Este relato revelado pela historiografia e trazido a luz pela Arqueologia, repleto de desrespeito e dor, ainda e desconhecido por muitos, pois nao e contado em todas as escolas e nem sequer e mencionado nos livros de historia que tem a escravidao como tema. Por isto, reafirma-se a importancia deste Museu Memorial, no qual o Cemiterio dos Pretos Novos se impoe como peca central para este debate.

Origem

G. W. Freireyss, o viajante alemao que descreveu o cemiterio notou horrorizado que, neste local, a unica marca da egide da Igreja era "uma pequena cruz de paus toscos mui velhos" fincada no centro do terreiro e cercada por ossadas insepultas.
   Pelo lado do fundo esta tudo aberto, dividido do quintal de uma
   propriedade vizinha por uma cerca de esteiras, e pelos outros dois
   lados com mui baixo muro de tijolos, e no meio uma pequena cruz de
   paus toscos mui velhos, e a terra do campo revolvida, e juncada de
   ossos mal queimados.


Os relatos de viajantes que estiveram pelo Rio de Janeiro, no seculo XIX, contam que o Cemiterio dos Pretos Novos nao passava de uma montanha de terra e de corpos despidos, em decomposicao, que de tempos em tempos eram queimados e seus ossos quebrados e revirados a terra. Em 1853, o Caminho do Cemiterio passa a se chamar Rua da Harmonia. Embora a existencia do Cemiterio dos Pretos Novos fosse conhecida de historiadores e da literatura sobre a cidade do Rio de Janeiro e sobre a escravidao no Brasil, sua localizacao tornou-se totalmente desconhecida por decadas ate o ano de 1996, quando, por ocasiao de uma obra realizada na fundacao da casa, foram encontradas ossadas humanas a poucos centimetros de escavacao.

A pesquisa inicial e a analise dos vestigios arqueologicos, feitas pelo Instituto de Arqueologia Brasileira (IAB), confirmaram que se tratava das ossadas depositadas no antigo Cemiterio dos Pretos Novos. Apos quatro anos de descaso do poder publico, a Familia Guimaraes dos Anjos decide realizar por conta propria exposicoes itinerantes com o rico material encontrado nas escavacoes. Mas reconhecendo a importancia do local para a historia da cidade do Rio de Janeiro e para a divulgacao da historia dos Pretos Novos, percebem que ali deveria se tornar um espaco de visitacao publica. No dia 20 de novembro de 2001 foi realizado o primeiro evento aberto ao publico na residencia. As atividades eram realizadas de maneira irregular e sem qualquer tipo de patrocinio ou subvencao, como por exemplo: os encontros com liderancas do movimento negro, rodas de samba e os bate-papos, que foram o embriao das oficinas realizadas atualmente.

No inicio, muito pouco se sabia sobre a historia desses africanos sequestrados e trazidos para o Brasil. Os poucos registros encontrados sobre o tema falavam de numeros, mas muito pouco sobre a chegada e a vida do negro africano na colonia. Este fato e o que tem inspirado a trajetoria do IPN a desenvolver atividades diversificadas voltadas a divulgacao e a valorizacao da cultura negra, mesmo que no decorrer, o poder publico tem se mantido praticamente omisso, com raros periodos em que se pode registrar o apoio parcial do governo. Este descaso continuo se contrapoe aos diversos premios e mocoes de reconhecimento que a instituicao tem recebido, desde a sua fundacao. Entendemos que se faz urgente debatermos sobre o nosso passado, sobretudo o periodo escravocrata, que gerou feridas sociais que se negam a cicatrizarem. E nao por acaso, o massacre dos povos africanos em terras brasileiras se estende ate os dias de hoje aos seus descendentes.

DOI: 10.12957/rep.2018.39437

Marco Antonio Teobaldo *

* Curador do IPN. Correspondencia: Rua Pedro Ernesto, 32-34, Gamboa, Rio de Janeiro--RJ. CEP: 20220-350. Email: <pretosnovos@pretosnovos.com.br>.

Caption: Galeria Pretos Novos, 2012. Primeiro grupo de artistas.

Caption: Rosana Paulino. ASSENTAMENTO. IPN, 2014.

Caption: Escavacoes arqueologicas durante obras do VLT, 2014.

Caption: Arqueologia Rua I, 2014.

Caption: Escavacoes I, 2014.

Caption: Tradicional Missa de Finados, IPN, 2015.

Caption: Tia Lucia trabalhando I, 2015.

Caption: Heberth Sobral. Pelourinho. Exposicao Estandartes, 2016.

Caption: IV--Escavacao 1, 2017.

Caption: Memorial. Visitacao, 2018.

Caption: Vista geral do Museu, 2018.
COPYRIGHT 2018 Universidade do Estado do Rio de Janeiro- Uerj
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Teobaldo, Marco Antonio
Publication:Em Pauta
Date:Dec 1, 2018
Words:940
Previous Article:History of Social Work--Recuperating a history of women/ Historia do Servico Social--resgatando uma historia de mulheres.
Next Article:Proteccion social y familia: la experiencia de la construccion del Sistema Nacional: Integrado de Cuidados de Uruguay--Entrevista con el profesor...

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters