Printer Friendly

Identification of risk factors and prevalence of kidney stones among construction workers/Identificacao de fatores de risco e prevalencia de litiase urinaria entre trabalhadores da construcao civil.

INTRODUCAO

Crescimentos consideraveis vem sendo notados no setor da construcao civil brasileira, setor que movimenta cerca de 5% do produto interno bruto nacional. Devido a grande concorrencia existente entre os empreendedores do setor, as empresas deste seguimento de mercado passaram, nos ultimos anos, a desenvolver estrategias de planejamento, controle de producao e da qualidade dos servicos prestados (1).

Com relacao a geracao de empregos, a construcao civil e a atividade mais importante do pais, respondendo por aproximadamente 3,5 milhoes de empregos no Brasil, o que corresponde a 6% do total. A maior parte dos trabalhadores deste importante setor da economia brasileira (cerca de 81%) e composta por individuos oriundos da regiao Nordeste, com baixa escolaridade e limitadas condicoes socioeconomicas (2).

Dentre os agravos de saude mais observados neste grupo de trabalhadores, podemos citar as doencas associadas ao consumo de alcool, doencas mentais e psicossomaticas, alem evidentemente dos acidentes de trabalho (2,3). Segundo Rocha (4), os trabalhadores da construcao civil demonstram ter um grau de conhecimento baixo com respeito a sua saude ocupacional, e direcionam seus cuidados quase que exclusivamente para a prevencao de acidentes.

Informacoes empiricas fornecidas por profissionais de Enfermagem que atuam no setor de pronto atendimento relatam um aumento constante do numero de trabalhadores da construcao civil que dao entrada no setor de pronto atendimento queixando-se de quadros dolorosos agudos, na sua maioria associadas a presenca de calculos no trato urinario. Neste sentido, pode-se imaginar que a litiase do trato urinario parece ser uma condicao clinica bastante prevalente nesse grupo especifico de individuos, embora este fato ainda nao tenha sido comprovado cientificamente pela literatura especializada, e tao pouco se saiba algo sobre sua etiopatogenia neste grupo especifico de trabalhadores.

A litiase urinaria e uma condicao patologica bastante frequente, cuja incidencia varia entre 5 e 15% da populacao mundial, sendo maior a prevalencia em paises de primeiro mundo (5,6). Dentre os fatores que podem favorecer a sua ocorrencia figuram os geneticos (7-9), dieteticos (10-13), nivel de atividade fisica (14,15), temperatura do ambiente (16-18), umidade relativa do ar (19,20), presenca de anormalidades anatomicas (21-23), infeccao do trato urinario (24) e diversas alteracoes metabolicas (25).

A formacao de um calculo no trato urinario e um fenomeno bastante complexo que envolve varias etapas: supersaturacao urinaria, cristalizacao, agregacao dos cristais e adesao deste agregado ao urotelio formando um nicho para a adesao de novos cristais e, consequentemente, crescimento dos calculos (26). A supersaturacao urinaria, que pode ser considerada o evento inicial do processo de calculogenese (26), pode resultar de um excesso na urina de substancias promotoras ou reducao de substancias inibidoras da cristalizacao (30,31), ou ainda de alteracoes do pH (potencial hidrogenionico) da urina (32), e de reducao do volume urinario (27-29).

Ja e um fato bastante difundido em nosso meio que a ingestao regular de agua com consequente manutencao de um debito urinario em torno de 1,5 L/dia e um fator protetor contra a formacao de calculos, ja que dilui os sais urinarios, evitando sua agregacao. Todavia, e recomendado que a ingestao hidrica nao exceda a tres litros por dia para que nao ocorra diluicao das substancias inibidoras como, por exemplo, o citrato (33,34).

Devido a restricao de acesso em qualquer momento a agua na area operacional em algumas obras da construcao civil, fato este relatado informalmente por inumeros trabalhadores do referido ramo, em especial no tangente a inexistencia de bebedouros ou a demora na reposicao de outras fontes de agua potavel, e tambem pelo fato de muitos trabalhadores nao serem adeptos a levarem esta agua para o seu respectivo posto de trabalho, alguns funcionarios desse tipo de servico poderiam, porventura, apresentar um reduzido volume de urina, urina de coloracao escura e/ou cheiro forte, dentre outros sinais, que poderiam ser sugestivos de aumentada predisposicao a formacao de calculos no trato urinario (2). Sendo assim, verificar a prevalencia de fatores de risco para calculose entre trabalhadores da construcao civil poderia, de alguma forma, contribuir para o conhecimento do risco litogenico nessa amostra populacional, permitindo a criacao de estrategias e campanhas focadas na prevencao, ja que a litiase urinaria e um importante fator que contribui para o aumento dos indices de absenteismo, em especial devido ao desconforto e potencial morbidade da condicao.

OBJETIVO

Avaliar a prevalencia de episodios calculosos e de fatores de risco para litogenese entre funcionarios da construcao civil.

METODO

Trata-se de um estudo transversal, descritivo, prospectivo, de abordagem quantitativa, realizado no periodo de abril a julho de 2011. A amostra populacional desta pesquisa, escolhida aleatoriamente, foi constituida por trabalhadores da construcao civil que atuavam em diversas regioes da cidade de Sao Paulo--SP. Os trabalhadores pertenciam a diversas empresas de construcao civil contratadas para executar obras nas quais os mesmos exerciam as mais variadas funcoes no momento da abordagem. O campo de trabalho, ou seja, a obra visitada, foi escolhido aleatoriamente pelo pesquisador responsavel pela coleta de dados. O instrumento de coleta de dados foi composto por um questionario com 20 perguntas fechadas relativas a presenca nesses individuos de sinais que pudessem sugerir a presenca de risco para a formacao de calculos no trato urinario. Foram considerados litiasicos os trabalhadores que relataram ao menos um episodio regresso de calculose, confirmado por exame de imagem. Ainda, foram obtidos dos entrevistados dados com relacao a frequencia de diurese, coloracao da urina, presenca ou nao de odor forte, existencia de episodios regressos de colica renal, eliminacao espontanea de calculos, internacao por colica renal, realizacao de procedimentos de litotripsia extracorporea, realizacao de outros procedimentos terapeuticos para retirada de calculos, realizacao de avaliacao metabolica da urina atraves de coleta de amostras de 24 horas, e grau de ingestao hidrica. Dados relativos a funcao exercida, ao sexo, idade, etnia, peso e altura (para calculo do IMC--Indice de Massa Corporea), tambem foram coletados com o intuito de melhor descrever a amostra populacional estudada. Os questionarios foram respondidos sem qualquer interferencia dos investigadores, com tempo maximo de 20 min. Qualquer voluntario maior de 18 anos, que exercesse atividades bracais, que se dispusesse a preencher o questionario citado, e que consentisse a utilizacao de seus dados para a confeccao deste trabalho atraves da assinatura de Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, foi incluido na amostra. Trabalhadores declaradamente analfabetos foram excluidos do estudo pela impossibilidade de leitura e resposta as perguntas do questionario. Nenhum outro criterio especifico de inclusao ou exclusao necessitou ser observado. Os dados com respeito ao sexo, etnia, funcao exercida e IMC, bem como as respostas as questoes especificas presentes no instrumento de coleta de dados, foram expressos por frequencia absoluta e relativa sem a aplicacao de testes estatisticos. A variavel idade foi apresenta pelos seus valores medios [+ or -] desvio-padrao. Todas as variaveis estudadas passaram por uma analise multivariada utilizando-se o programa EPI INFO 7, visando identificar se algum dos fatores avaliados apre sentou real influenciano desfecho final, que foi a presenca de episodios confirmados de calculose. Nenhuma informacao que pudesse identificar as empresas responsaveis pelas obras ou os participantes do estudo foram divulgadas. Este trabalho foi registrado no Conselho Nacional de Etica em Pesquisa (CONEP) sob o no. 398451-2011 e aprovado pelo Comite de Etica em Pesquisa (COEP) da Universidade Nove de Julho UNINOVE, por estar de acordo com as diretrizes previstas pela Resolucao 196/96 do Conselho Nacional de Saude quanto aos seus aspectos eticos e legais.

RESULTADOS

Foram avaliados 100 individuos, dos quais 94 foram incluidos no estudo, sendo todos do sexo masculino, com media de idade de 41 [+ or -] 14 anos, que preencheram corretamente o questionario e autorizaram a utilizacao de seus dados pela assinatura do TCLE. Os seis individuos excluidos nao preencheram o questionario adequadamente ou mesmo desistiram de participar do estudo no decorrer do preenchimento do instrumento de coleta de dados.

Com relacao ao indice de massa corporal (IMC), 54 individuos (57% da amostra) apresentaram IMC menor ou igual a 25, sendo considerados dentro do padrao de normalidade. Obesidade mostrou-se presente em 40 participantes (43% do total), sendo que 12 individuos (13% dos entrevistados) eram obesos morbidos (IMC maior ou igual a 30) e 28 participantes (30% da amostra estudada) apresentavam IMC maior do que 25 e menor do que 30 sendo, mesmo assim, considerados obesos.

Quanto a etnia, 91 individuos (96,8% dos entrevistados) declararam-se pardos e apenas tres individuos (3,2% da amostra) declararam-se brancos. Nenhum individuo declarou-se pertencente a outras etnias.

Do total de individuos avaliados, 18 participantes (pouco mais de 19% da amostra total estudada) foram classificados como litiasicos, ja que relataram historia regressa de ocorrencia de pelo menos um episodio de colica renal confirmada por exames de imagem ou por eliminacao espontanea. Quatro deles (22% dos litiasicos) relataram apenas um episodio de litiase. Outros quatro (tambem 22% dos individuos calculosos) relataram dois episodios. Oito participantes litiasicos (45% da amostra) relataram tres episodios de colica renal decorrente de calculo, e dois portadores de calculos (11% do total de litiasicos entrevistados) relatam ter atravessado cinco episodios de colica nefretica.

Avaliando somente a amostra de litiasicos quanto ao IMC, sete individuos (48% da amostra) apresentavam IMC>25, sendo considerados portadores de sobrepeso ou obesos. Avaliando-os quanto a etnia, 17 deles (94,5% da amostra) declararam-se pardos e apenas um individuo (5,5% dos entrevistados) declarou-se branco.

Com relacao a realizacao de exames para confirmacao da presenca de calculos, cinco litiasicos (28% da amostra) confirmaram ter realizado o exame de imagem de ultrassonografia. Dos litiasicos, tambem cinco individuos (28% da amostra) confirmaram ter realizado o exame de radiografia pelo menos uma vez. No tangente a realizacao de avaliacao metabolica atraves da coleta de urina de 24 horas, 12 individuos (67% dos litiasicos) confirmaram ter realizado o exame pelo menos uma vez.

Com relacao a realizacao de sessoes de litotripsia, dois litiasicos (11% do total) relataram te-las realizado. Apenas um participante (5,5% dos litiasicos) relatou ter eliminado calculos espontaneamente. Os outros 17 litiasicos (95% dos doentes) relataram terem eliminado calculos apos administracao de soro em ambiente hospitalar.

Com relacao a coloracao da urina, dois individuos (11% dos litiasicos) relataram emitir urina de coloracao amarelo escura; 11 participantes (61% dos litiasicos) relataram que suas urinas eram de coloracao amarelo clara; tres participantes (17% dos litiasicos) relataram que suas urinas eram de coloracao quase branca; um participante (5,5% dos litiasicos) relatou que sua urina era de coloracao vermelha; um participante (5,5% dos litiasicos) nao quis se referir a cor da sua urina.

Quando indagados sobre o odor percebido durante a diurese, cinco participantes (28% dos litiasicos) relataram presenca de "cheiro forte"; sete entrevistados (39% dos litiasicos) afirmaram sentir "cheiro fraco" durante a miccao; seis individuos (33% dos litiasicos) relataram ausencia de odor ao urinar.

Na avaliacao do numero de diureses, tres litiasicos (17% dos litiasicos) relataram urinar seis vezes durante o dia; quatro individuos (22% dos litiasicos) relataram urinar cinco vezes; dois (11% dos litiasicos) individuos entrevistados relataram urinar oito vezes ao dia; um in dividuo (5,5%) entrevistado relatou que urina tres vezes durante o dia; tres individuos entrevistados (17% dos litiasicos) relataram que urinam quatro vezes durante o dia; um individuo entrevistado (5,5%) relatou que realiza diurese umavez durante o dia; dois individuos entrevistados (11% dos litiasicos) relataram urinar duas vezes durante o dia; dois entrevistados (11% dos litiasicos) relataram urinar 10 vezes durante o dia.

Por fim, quando indagados sobre o fato de levar agua ao posto de trabalho, sete litiasicos (48% da amostra) afirmaram que nao praticam tal ato.

Na analise multivariada as variaveis observadas nao apresentaram relacao estatisticamente significante com o com a maior prevalencia de calculos urinarios na amostra avaliada. Todavia, as variaveis IMC e volume urinario apresentaram tendencia de associacao com fenomeno calculogenico, sendo esta tendencia, embora nao significante do ponto de vista estatistico, de consideravel relevancia clinica.

DISCUSSAO

A formacao de "pedras nos rins" tornou-se um grave problema de saude publica para a sociedade atual. A incidencia de litiase urinaria vem aumentando com o passar dos anos, estimando-se que algo em torno de 10 a 15% da populacao mundial seja, atualmente, acometida pelos processos calculogenicos do trato urinario (5,6).

Os eventos etiopatogenicos associados a formacao de calculos podem variar de acordo com a regiao onde reside o individuo acometido. Fatores como temperatura ambiente e umidade relativa do ar, dentre outros, podem exercer consideravel influencia no volume de urina. Por este fato, torna-se importante a avaliacao regionalizada individualizada de individuos sabidamente litiasicos (3).

Trabalhadores da construcao civil permanecem por periodos razoaveis de tempo sem mudanca postural, muitas vezes em ambientes de elevada temperatura (1,2). A existencia de horarios pre-determinados para pausas pode levar a uma reduzida ingestao hidrica com consequente reducao do volume urinario final. Por outro lado, as pausas pre-determinadas podem resultar em diurese pouco frequente, aumentando o risco de supersaturacao e cristalizacao da urina armazenada (19,20), alem de contribuir para a instalacao de um maior nu mero de quadros infecciosos (24), o que pode influenciar na elevacao do risco de formacao de calculos urinarios.

Ate a presente data, nao existem na literatura trabalhos que avaliaram a prevalencia de litiase urinaria entre trabalhadores da construcao civil, sendo esta pesquisa, portanto pioneira. Embora este trabalho tenha sido realizado com um numero de individuos reduzido e tambem por um curto periodo de observacao, chama-se a atencao para a elevada prevalencia pontual de episodios calculosos observada (19% da amostra), consideravelmente acima da prevalencia media da populacao mundial que e de 10% (5 a 15%) (5,6). Buscando identificar quais as variaveis avaliadas teriam exercido alguma influencia sobre a maior predisposicao a litiase na amostra estudada, as variaveis etnia, sexo, e odor da urina nao apresentaram, neste breve levantamento, relacao direta com o fenomeno calculogenico. Talvez, em trabalhos prospectivos realizados com um maior numero de participantes e com controle mais apurado das variaveis urinarias, alem da dieta, possiveis associacoes possam ser identificadas. Todavia, um elevado IMC e tambem uma reduzida ingestao hidrica foram notados em 53% dos individuos que relataram episodios regressos de colica nefretica. Esse fato, embora nao significante pelo ponto de vista estatistico, e de consideravel importancia clinica ja que individuos com elevado IMC, muitos deles portadores de sindrome metabolica, e baixa ingestao hidrica sao sabidamente mais propensos a cristalizacao urinaria, que e o passo inicial para a formacao de calculos (10,12,15,19).

Ainda, diversos autores ja relataram a importante relacao existente entre um elevado IMC e um maior risco de cristalizacao urinaria e litogenese, corroborando os achados deste breve estudo (37,39). Dentre os principais disturbios metabolicos que sao frequentemente encontrados em individuos obesos, destaque pode ser dado a hipercalciuria, hiperoxaluria e a hiperuricosuria (40). Embora em nossa pesquisa nao tenhamos realizado avaliacao metabolica da amostra avaliada, acreditamos que algum dos disturbios metabolicos citados, comum em individuos com indices de massa corporea acima do preconizado, possa ter contribuido para a maior prevalencia de litiase notada nessa populacao.

Sabe-se que a dieta e um fator de extrema importancia quando se busca reduzir o numero de episodios calculosos. Os cuidados com a alimentacao de vem ter como foco principal a reducao da incidencia e, principalmente, da recorrencia de litiase urinaria. Modificacoes na dieta podem ser feitas visando evitar a instalacao dos diversos disturbios metabolicos que contribuem para a formacao dos calculos. Neste trabalho, pelo fato de nenhum inquerito alimentar ter sido realizado, nao podemos dizer ao certo se algum dos litiasicos da amostra fazia uso constante de alimentos com risco calculogenico. Todavia, seguir uma dieta regrada visando a manutencao de um IMC dentro da faixa de normalidade ja pode ser considerada uma importante manobra profilatica contra a formacao de calculos (39).

A manutencao de uma ingestao hidrica em torno de 2 L/dia mantem um razoavel fluxo de urina que por si so ja e um fator de prevencao contra a cristalizacao urinaria (10,27,28). Nesta pesquisa notamos que metade da amostra de litiasicos nao levava agua para o posto de trabalho, o que pode resultar em formacao de urina concentrada com consequente aumento do risco de cristalizacao.

Como a maioria das empresas de construcao civil pre-determina os horarios de pausa dos funcionarios, acreditamos que a simples atitude de levar agua ao posto de trabalho poderia contribuir para a formacao de maior volume de urina e, consequentemente, para a reducao do numero de casos de litiase nessa populacao especifica de trabalhadores. Todavia, vale ressaltar que nem todos os liquidos sao indicados. Chas pretos e refrigerantes a base de cola devem ser evitados, pois interferem negativamente na bioquimica urinaria e predispoem a cristalizacao (41). Sucos naturais de laranja e limao poderao, alem de aumentar o volume da urina, elevar a concentracao urinaria de citrato, que e uma importante substancia inibidora da cristalizacao urinaria (42,43).

CONCLUSAO

A prevalencia de litiase urinaria em trabalhadores da construcao civil aproximou-se do dobro observado na populacao mundial. Um elevado IMC e reduzida ingestao hidrica, notados em metade da amostra de litiasicos, parecem estar envolvidos na elevada prevalenciade calculose observada. Novos trabalhos prospectivos e com melhor controle das variaveis observadas, amparados por inqueritos alimentares e avaliacao metabolica, mostram-se necessarios no sentido de confirmar a grande predisposicao a litiase urinaria observada nesta pesquisa. Nossos dados sugerem que as empresas da construcao civil, de posse das informacoes aqui expostas, criem programas de incentivo a ingestao hidrica e a reducao do IMC, visando reduzir o numero de episodios calculosos entre seus funcionarios, reduzindo assim os prejuizos gerados pelas altas taxas de absenteismo associadas a esta condicao clinica.

REFERENCIAS

(1.) Moreira M, Bernardes S. Planejamento e Controle da Producao para Empresas de Construcao Civil. Sao Paulo (SP): LTC, 2003.

(2.) Klausmeyer ML. O peao e o acidente de trabalho na construcao civil do Rio de Janeiro [dissertacao]. Rio de Janeiro: Fundacao Getulio Vargas; 1988.

(3.) Dias JC. Programas de atencao ao tabagismo e ao uso indevido do alcool e outras drogas no ambiente de trabalho: um investimento vantajoso. Rev Bras Med Trab 2005; 3(1):58-63.

(4.) da Rocha PF. Avaliando o nivel de conhecimento dos trabalhadores da construcao civil em relacao a sua saude ocupacional [trabalho de conclusao de curso]. Florianopolis: Universidade do Estado de Santa Catarina; 2008.

(5.) Stamatelou KK, Francis ME, Jones CA, Nyberg Jr. LM, Curhan GC. Time trends in reported prevalence of kidney Stones in the United States: 1976-1994. Kidney Int 2003; 63:1817-23.

(6.) Norlin A, Lindell B, Granberg P, Lindvall N. Urolithiasis: A study of its frequency. Scand J Urol Nephrol 1976; 10:150-3.

(7.) Jaeger P. Genetic versus environmental factors in renal stone disease. Curr Opin Nephrol Hypertens 1996; 5:342-6.

(8.) Baggio B. Genetic and dietary factors in idiopathic calcium nephrolithiasis. What do we have, what do we need? J Nephrol 1999; 12:371-4.

(9.) Monga M, Macias B, Groppo E, Hargens A. Genetic heritability of urinary stone risk in identical twins. J Urol 2006; 175:2125-8.

(10.) Heilberg IP. Update on dietary recommendations and medical treatment of renal stone disease. Nephrol Dial Transplant 2000; 15:117-23.

(11.) Siener R, Schade N, Nicolay C, Von Unruh GE, Hesse A. The efficacy of dietary intervention on urinary risk factors for stone formation in recurrent calcium oxalate stone patients. BJU International 2005; 173:1601-5.

(12.) Al Zahrani H, Norman RW, Thompson C, Weerasinghe S. The dietary habits of idiopathic calcium stone-formers and normal control subjects. BJU International 2000; 85:616-20.

(13.) Carvalho M, Ferrari AC, Renner LO, Vieira MA, Riella MC. Quantification of stone clinic effect in patients with nephrolithiasis. Rev Assoc Med Bras 2004; 50:79-82.

(14.) Sakhaee K, Nigam S, Snell P, Hsu MC, Pak CY. Assessment of the pathogenetic role of physical exercise in renal stone formation. J Clin Endocrinol Metab 1987; 65:974-9.

(15.) Rodgers AL, Greyling KG, Noakes TD. Crystalluria in marathon runners. III. Stone-forming subjects. Urol Res 1991; 19:189-92.

(16.) Pierce LW, Bloom B. Observations on urolithiasis among American troops in a desert area. J Urol 1945; 54:466-76.

(17.) Borghi L, Meschi T, Amato F. Hot occupation and nephrolithiasis. J Urol 1993; 150:1757-60.

(18.) Atan L, Andreoni C, Ortiz V, Silva EK, Pitta R, Atan F, Srougi M. High kidney stone risk in men working in steel industry at hot temperatures. Urology 2005; 65:858-61.

(19.) Prince CL, Scardino PI, Wolan CT. The effect of temperature, humidity and dehydratation on the formation of renal calculi. J Urol 1956; 75:209-14.

(20.) Kambal A, Wahab EM, Khattab AH. Urolithiasis in Sudan. Geographical distribution and the influence of climate. Trop Geogr Med 1979; 31:75-9.

(21.) Evans WP, Resnick MI. Horseshoe kidney and urolithiasis. J Urol 1981; 125:620-1.

(22.) Husmann DA, Milliner DS, Segura JW. Ureteropelvic junction obstruction with a simultaneous renal calculus: long-term follow-up. J Urol 1995; 153:1399-402.

(23.) Gambaro G, Fabris A, Pulliata D, Lupo A. Lithiasis in cystic kidney disease and malformations of the urinary tract. Urol Res 2006; 34:102-7.

(24.) Rieu P. Infective lithiasis. Ann Urol (Paris) 2005; 39:16-29.

(25.) Borghi L, Meschi T, Guerra A, Bergamaschi E, Mutti A, Novarini A. Effects of urinary macromolecules on the nucleation of calcium oxalate in idiopathic stone formers and healthy controls. Clin Chim Acta 1995; 239:1-11.

(26.) Balaji KC, Menon M. Mechanism of stone formation. Urol Clin North Am 1997; 24:1-11.

(27.) Borghi L, Meschi T, Amato F, Briganti A, Novarini A, Gianini A. Urinary volume, water and recurrences in idiopathic calcium nephrolithiasis: a 5-year randomized prospective study. J Urol 1996; 155:839-43.

(28.) Borghi L, Meschi T, Schianchi T, Briganti A, Guerra A, Allegri F, Novarini A. Urine volume, stone risk factor and preventive measure. Nephron 1999; 81:31-7.

(29.) Guerra A, Allegri F, Meschi T, Adorni G, Prati B, Nouvenne A, Novarini A, Maggiore U, Fiaccadori E, Borgh L. Effects of urine dilution on quantity, size and aggregation of calcium oxalate crystals induced in vitro by an oxalate load. Clin Chem Lab Med 2005; 43:585-9.

(30.) Marangella M, Bagnis C, Bruno M, Vitale C, Petrarulo M, Ramello A. Crystallization inhibitors in the pathophysiology and treatment of nephrolithiasis. Urol Int 2004; 72:6-10.

(31.) Dal Moro F, Mancini M, Tavolini IM, De Marco V, Bassi P. Cellular and molecular gateways to urolithiasis: a new insight. Urol Int 2005; 74:193-7.

(32.) Sakhaee K, Adams-Huet B, Moe OW, Pak CY. Pathophysiologic basis for normouricosuric uric acid nephrolithiasis. Kidney Int 2002; 62:971-9.

(33.) Agreste AS, Schor N, Heilberg IP. Atualizacao em nefrologia clinica: Papel da constituicao fisico-quimica da agua potavel na litogenese renal. Jornal Brasileiro de Nefrologia 2001; 23:45-7.

(34.) Riella MC. Principios de Nefrologia e Disturbios Hidroeletroliticos. 4. ed. Rio de Janeiro (RJ): Guanabara Koogan; 2003.

(35.) Stamatelou KK, Francis ME, Jones CA, Nyberg Jr. LM, Curhan GC. Time trends in reported prevalence of kidney Stones in the United States: 1976-1994. Kidney Int 2003; 63:1817-23.

(36.) Lopez M, Hoope B. History, epidemiology and regional diversities of urolithiasis. Pediatr Nephrol 2008; 1:38-42.

(37.) Hall WD, Pettinger M, Oberman A, Watts NB, Johnson KC, Paskett ED, Limacher MC, Hays J. Dietary factors and the risk of incident kidney stones in men: new insights after 14 years of follow-up. J Am Soc Nephrol 2005; 15:3225-32.

(38.) Trinchieri A, Mandressi A, Luongo PL, Longo G, Pisani E. The influence of diet on urinary risk factors for stone in healthy subjects and idiopathic renal calcium stone formers. Brit J Urol 1991; 67:230-6.

(39.) Taylor EN, Stampfer MJ, Curhan GC. Obesity, weight gain, and the risk of kidney stones. JAMA 2005; 293:455-62.

(40.) Traxer O, Lechevallier E, Saussine C, Daudon M, Haymann JP. Syndrome metabolique et lithiase urinaire. Une notion nouvelle pour l'urologue. Progres en urologie 2008; 18:828-31.

(41.) Weiss GH, Sluss PM, Linke CA. Changes in urinary magnesium, citrate, and oxalate levels due to cola consumption. Urology 1992; 39: 331-3.

(42.) Haleblian GE, Leitao VA, Pierre SA, Robinson MR, Albala DM, Ribeiro AA, Preminger GM. Assessment of citrate concentrations in citrus fruitbased juices and beverages: implications for management of hypocitraturic nephrolithiasis. J Endourol 2008; 22:1359-66.

(43.) Odvina CV. Comparative value of orange juice versus lemonade in reducing stone-forming risk. Clin J Am Soc Nephrol 2006; 1:1269-74.

Antonio de Fatima Coutinho [1], Joao Victor Fornari [2], Anderson Sena Barnabe [3], Renato Ribeiro Nogueira Ferraz [4]

Recebido em: 26/10/2012--Aprovado em: 11/04/2013

Trabalho realizado na Universidade Nove de Julho (UNINOVE)--Sao Paulo (SP), Bras

[1] Enfermeiro pela UNINOVE--Sao Paulo (SP), Bras

[2] Enfermeiro; Mestre em Farmacologia pela Universidade Federal de Sao Paulo (UNIFESP)--Sao Paulo (SP), Bras

[3] Biologo; Doutor em Saude Publica pela Universidade de Sao Paulo (USP)--Sao Paulo (SP), Bras

[4] Biologo; Doutor em Ciencias pela UNIFESP--Sao Paulo (SP), Bras

Endereco para correspondencia: Renato Ribeiro Nogueira Ferraz--Avenida Pedro Mendes, 872--CEP: 097914-530--Sao Paulo (SP), Brasil--E-mail: renatoferraz@uninove.br

Fonte de financiamento: nenhuma.
COPYRIGHT 2013 Associacao Nacional de Medicina do Trabalho
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2013 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Coutinho, Antonio de Fatima; Fornari, Joao Victor; Barnabe, Anderson Sena; Ferraz, Renato Ribeiro No
Publication:Revista Brasileira de Medicina do Trabalho
Date:Jan 1, 2013
Words:4113
Previous Article:Association between Metabolic Syndrome and Health at Work/Associacao entre sindrome metabolica e saude no trabalho.
Next Article:Work and health/disease: the continuous challenge of occupational risk prevention and the recurrent forget fullness of health promotion/Trabalho e...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters