Printer Friendly

INFECCAO DO TRATO URINARIO: ACHADOS LABORATORIAIS DE EXAMES DE URINA EM HOMENS IDOSOS NO PRIMEIRO TRIMESTRE DO ANO DE 2016 NA CIDADE DE PARNAIBA-PI.

1 Introducao

A infeccao do trato urinario (ITU) representa uma afeccao frequente tanto em pacientes internados em hospitais, quanto na comunidade. Nos EUA a ITU e responsavel por, em media, 8,3 milhoes de visitas medicas por ano e esta em segundo lugar no indice de infeccoes mais prevalentes, de forma que nos paises em desenvolvimento a situacao nao e diferente (MASSON, 2009). A mesma e caracterizada pela presenca de microrganismos patogenicos nas vias urinarias, frequentemente bacterias, que podem acometer tanto as estruturas do trato urinario superior quanto as estruturas do trato urinario inferior. Dessa forma, as ITUs podem ser classificadas em: altas, que envolvem o parenquima renal (pielonefrite) e os ureteres (ureterite) e baixas, abrangendo a bexiga (cistite), uretra (uretrite) e, no caso de homens na prostata (prostatite) e epididimo (epididimite) (SBU, 2004).

A incidencia de ITU varia de acordo com a faixa etaria, sendo mais comum no sexo masculino durante o primeiro ano de vida, por conta da maior ocorrencia de malformacoes congenitas (valvula da uretra posterior) e malformacoes da uretra (hipospadia, epispadia, entre outras). Os problemas da prostata fazem com que a incidencia volte a aumentar no sexo masculino logo apos a 5a e 6a decadas de vida. Ja no sexo feminino, passa a ser mais evidenciada no periodo que compreende da idade pre-escolar a fase adulta, onde nesta ultima, esta associada com atividades sexuais, gestacao e menopausa (ZAMAN, 1998).

As complicacoes e a gravidade da ITU determinam-se pela vulnerabilidade do paciente e pelas complexas interacoes entre o hospedeiro e o patogeno. A sintomatologia clinica varia de acordo com a faixa etaria, a localizacao da infeccao, o estado nutricional do paciente e alteracoes anatomicas e funcionais do trato urinario (SILVA, 2014). A ITU classifica-se como nao complicada quando ocorre em pacientes com normalidades anatomicas e funcionais do aparelho genitourinario e e adquirida fora do ambiente hospitalar. As condicoes nas quais associam-se a ITU complicada incluem as de causa obstrutiva, anatomo funcionais, metabolicas, uso de cateter de demora ou qualquer tipo de instrumentacao e procedencia infiel (SANTOS, 1999).

Um dos principais exames que auxiliam na orientacao terapeutica das infeccoes do trato urinario e o exame de urina tipo I, composto por exame fisico, quimico e microscopico do sedimento, a saber que as duas primeiras etapas sao de realizacao mais simples e a ultima e classificada como relativamente complexa (CARVALHAL, 2006). Algumas alteracoes como a leucocituria, hematuria e proteinuria sugerem ITU, mas nem sempre sao indicativos de infeccao, podendo apresentar-se como sinais inflamatorios ou ainda estar presente em outras doencas (DUARTE, 2008).

Em funcao da literatura escassa sobre estudos voltados para a saude do homem idoso, o presente trabalho teve como objetivo mostrar a importAncia da analise do exame de urina tipo I, em idosos do sexo masculino, durante o primeiro trimestre de 2016 como possivel indicacao de ITU. Objetivou tambem, corroborar para um melhor entendimento sobre o assunto pelos profissionais da saude.

2 Materiais e Metodos

A analise desenvolveu-se a partir de dados secundarios obtidos no setor de arquivos de um laboratorio particular de analises clinicas situado em Parnaiba, cidade litorAnea localizada no norte do estado do Piaui a 334km da capital Teresina, com populacao estimada de 150.201 habitantes (IBGE, 2016). Foram colhidas informacoes de 163 exames de urina tipo I de pacientes do sexo masculino atendidos durante o primeiro trimestre do ano de 2016, com idade igual ou superior a 60 anos.

Trata-se de uma pesquisa quantitativa, retrospectiva, de observacao estruturada nao participante, de cunho comparativo e exploratorio, onde a analise da frequencia relativa dos dados colhidos se deu por meio de tabelas. Os resultados obtidos foram distribuidos em faixas etarias (60 a 70 anos, 71 a 81 anos e idade igual ou superior a 82 anos) e relacionados de acordo com os aspectos fisicos, quimicos e de sedimento urinario por meio do metodo de leitura em fita reativa e visualizacao microscopica em lAmina e laminula.

Os aspectos fisicos foram analisados de acordo com a coloracao (amarelo claro, amarelo citrino e amarelo Ambar), densidade (intervalo dos valores de 1000 a 1030), aspecto (limpido, semiturvo e turvo), deposito (presente ou ausente) e pH (entre 5,0 e 8,5).

Por meio do exame quimico avaliou-se proteinas e glicose (negativas, tracos ou positivas), cetonas, bilirrubina, urobilinogenio, hemoglobina e nitrito (positivos ou negativos), enquanto na microscopia do sedimento (sedimentoscopia) subclassificou-se em leucocitos e hemacias (3 a 5, moderados ou incontaveis), muco (raro, frequente ou aumentado), celulas epiteliais (raras ou frequentes), cilindros (presentes ou ausentes), flora bacteriana (discreta, moderada ou aumentada) e cristais (ausentes ou conforme o tipo encontrado, podendo ser acido urico, fosfato triplo, oxalato de calcio e urato amorfo).

Em seguida, com intuito de evidenciar a relevAncia das variaveis quanto sua presenca ou a quantidade que cada uma poderia se mostrar, realizou-se o calculo de porcentagens. Apos tabulacao dos dados obtidos, deu-se a producao e analise de graficos e tabelas atraves dos programas Microsoft Office Excel[R] 2013 e Microsoft Office Word[R] 2013.

3 Resultados

Com os resultados dos diferentes parAmetros obtidos no setor de arquivos de um laboratorio particular de analises clinicas, foram tracados perfis etarios para facilitar a analise de dados, e dessa forma avaliar a frequencia que determinados achados se apresentavam. Dentre os resultados encontrados para coloracao verificou-se, como mostra na tabela 1, que as urinas apresentaram coloracao amarelo claro (76,1%), amarelo citrino (10,4%) e amarelo Ambar (13,5%).

O grau de translucidez da urina e avaliado pelo aspecto e retrata a quantidade de sedimentos suspensos. Foram achados 12,8% para o aspecto limpido, 79,1% para semi-turvo e 7,9% para turvo. Em relacao a depositos observou-se que 7,3% estavam presentes e 92,6% ausentes (tabela 1). A turbidez nao e verificada em condicoes normais, de forma que tal mudanca sera constatada mediante tambem ocorra modificacao nos depositos e, por consequente, na microscopia. Desse modo existe uma relacao equivalente entre o aspecto da urina e o deposito, alem da serie de estruturas visualizadas na microscopia. Na presente pesquisa foi encontrado em sua grande maioria um pH levemente acido 6,0 (53,99%) e 6,5 (41,7%).

Dentre os valores da analise quimica destacaram-se os encontrados para proteinas que foram em sua maioria negativos (60,7%) e positivos (1,8%) sendo indicativo de proteinuria. Para glicose tiveram como resultados negativos 85,9% e positivos (2,0%) para a faixa de 60 a 70 anos. Os resultados para cetonas, bilirrubina, urobilinogenio e hemoglobina apresentaram-se negativos (Tabela 2).

A acao indireta de bacterias conversoras de nitrato em nitrito acarreta na presenca deste ultimo nas amostras de urina, onde estao inclusas as enterobacterias, as bacterias nao fermentadoras e os cocos Gram positivos. Ao fazer analise dos resultados expostos (tabela 2), observou-se que cinco (3,1%) foram positivos e 158 (96,9%) negativos, contudo a capacidade de conversao nao cabe a todas as bacterias, nao descartando a possibilidade de infeccao urinaria nos casos que o nitrito nao se mostrou presente.

A quantidade de leucocitos e hemacias encontrados nos resultados esta evidenciada na tabela 3. Os mesmos foram distribuidos desde valores considerados normais a incontaveis. Conforme tabulacao de dados para leucocitos, 151 (92,6%) encontraram-se com valores de 3 a 5, sete (4,3%) mostraram-se moderados e cinco (3,1%) incontaveis.

Para a analise de hemacias foi seguido o mesmo parAmetro dos leucocitos, tendo como distribuicao final dos dados obtidos: 154 (94,4%) para a faixa de 3 a 5, cinco (3,6%) para moderado e quatro (2,4%) para a categoria incontaveis. As hemacias sao estimadas em microscopia de urina afim de facilitar o diagnostico de possiveis lesoes do trato urinario.

Por estarem relacionados em alguns casos com processos inflamatorios e infeccoes, os filamentos de muco e celulas epiteliais tambem devem ser mencionados nos resultados de urina. Como mostrado na tabela 3, os filamentos de muco foram distribuidos em raros (96,9%), frequentes (1,2%) e aumentados (1,8%), enquanto as celulas epiteliais em raras (96,9%) e presentes (3,6%). A presenca dos dois parAmetros foi apresentada mesmo que de forma rara.

Ao fazer a relacao dos dados de acordo com as faixas etarias estipuladas, foi possivel inferir que nao houveram diferencas quanto a variavel predominante, uma vez que os resultados se mostraram semelhantes. Logo, e necessario dar importAncia para variaveis com menor frequencia, pois entende-se que uma pequena porcao a curto prazo, pode estar vinculada a uma grande quantidade de idosos ao decorrer do ano.

4 Discussao

Os fatores de risco para desenvolvimento de ITU em homens estao relacionados com a instrumentacao das vias urinarias e hiperplasia prostatica. O que caracteriza a infeccao como hospitalar se da pelo fato de microrganismos serem introduzidos por meio de alguma instrumentacao--como cateterismo vesical--e uma vez que a bexiga nao e esvaziada totalmente, favorece a proliferacao ate que atinja altos indices de concentracao (MARANGONI, 1994).

As taxas de ITU sao elevadas nao apenas pelos fatores citados, mas tambem pela presenca de patologias associadas em idosos e em pacientes hospitalizados. Em homossexuais masculinos, as taxas de infeccao sao mais elevadas devido ao ato sexual anal desprotegido, o que facilita a entrada de microrganismos fecais pela uretra, em individuos com prepucio integro e em pacientes infectados pelo HIV (RORIZ-FILHO, 2010).

Utilizado como metodo diagnostico complementar desde o seculo II, o exame de urina tipo I pode fornecer sinais importantes sobre patologias, principalmente doencas renais e nas vias urinarias. A existencia de sangue, leucocitos, proteinas e diversos outros achados sugerem a presenca de disturbios que podem ainda nao ter sido diagnosticados. (CARVALHAL, 2006).

Segundo Lopes (2004) e Da Cruz et. al (2005), a coloracao amarela da urina se deve ao resultado da excrecao de tres pigmentos, urocromo (amarelo), uroeritrina (vermelho) e urobilina (laranja) que sao gerados no metabolismo natural do organismo. A acentuacao da cor da urina esta associada com a concentracao da amostra que se altera por conta de varios fatores, tais como alimentos ingeridos, realizacao de atividades fisicas, medicamentos, nivel de hidratacao, entre outros, com isto faz-se necessario que o ambiente onde o material sera analisado disponha de boa iluminacao. Assim uma urina mais clara ou mais escura ira corresponder a um aumento ou escassez no consumo de liquidos, respectivamente. Uma parcela dos dados encontrados se apresentou em coloracao amarelo Ambar (13,50%), sendo referentes a individuos com baixa ingesta de liquidos (ROCHA, 2014).

A transparencia da urina e referenciada pelo termo aspecto, usualmente descrito como limpido, semiturvo e turvo. Logo apos sua emissao, a urina normal apresenta-se clara e transparente, no entanto quando ocorre precipitacao de alguns cristais amorfos (fosfatos e uratos), sua aparencia altera e ela tende a ficar turva (DA CRUZ, 2005). A relacao entre aspecto e deposito juntamente com a quantidade de estruturas visualizadas na microscopia e imensamente estreita, uma vez que a alteracao do aspecto da amostra se da por conta de estruturas suspensas que se depositam apos o repouso ou centrifugacao. Neste estudo foi possivel observar que dos 163 idosos, 13 (7,97%) se mostraram com turvacao e destes, 12 (7,36%) apresentaram depositos, corroborando assim, com os dados encontrados.

Para identificar previamente infeccoes bacterianas no trato urinario, e realizada a investigacao de nitrito na urina, visto que a presenca de bacterias gram- negativas na amostra analisada converte o nitrato em nitrito (LOPES 2004). Vale ressaltar que o nitrito ingerido em medicamentos ou alimentacao nao e eliminado na amostra e que outras bacterias patogenicas nao produtoras de enzimas que reduzem nitrato podem estar presentes, assim tambem causando infeccao (STRASINGER, 2008). No estudo foi observado que 158 (96,9%) resultados se mostraram negativos quanto a presenca de nitrito enquanto 5 (3,1%) foram positivos, sendo estes sugestivos de infeccao.

Um achado comum no exame de urina para sugestao de ITU e o de leucocitos, embora nao estando relacionado com uma infeccao, ele pode estar presente em diversas situacoes, como lesao, irritacao ou qualquer inflamacao que nao esteja associada a um agente nocivo, contudo, algumas alteracoes inflamatorias do trato urinario possibilita a presenca de leucocitos na amostra sem que exista infeccao ativa, como por exemplo litiase urinaria. Dentre os achados, leucocituria e o mais sugestivo para ITU conforme seja constatado um numero elevado de leucocitos por campo, pois para ser considerado normal os valores variam em torno de 3 a 5 (CARVALHAL, 2006 e STRASINGER, 2008). Nossos resultados demonstraram a predominAncia de niveis normais (92,63%), no entanto, o fato do numero de resultados de exames positivos (12) ter sido relativamente baixo, se comparado com a quantidade total de amostras, nao descarta a importAncia para os achados de leucocitos no exame de urina tipo 1, pois qualquer evidencia ja se torna um alerta para existencia de infeccao.

As hemacias nao conseguem adentrar no filtrado glomerular integro, de forma que ao ser encontrada mais de uma celula por campo, pode corresponder a alguma anormalidade. A presenca das mesmas na urina (Hematuria) esta relacionada com lesoes na membrana dos glomerulos ou nos vasos do sistema urogenital (DA CRUZ, 2005). Na microscopia, a existencia de hemacias na amostra pode estar relacionada com piuria ou bacteriuria, em compensacao na macroscopia ela raramente esta associada com ITU. (MARANGONI, 1994). Dentre os resultados encontrados, o numero de hemacias de 3 a 5 se mostrou mais prevalente, equivalendo a 154 (94,4%) e assim como os leucocitos, os nove casos que elas se mostraram em maior quantidade nao devem ser subestimados.

Os diversos tipos de celulas epiteliais, classificados de acordo com sua localizacao, sao encontrados no sedimento por conta da descamacao habitual de celulas velhas que revestem o epitelio do trato geniturinario. Processos inflamatorios ou doencas renais podem estar relacionados com a presenca de algumas celulas epiteliais eliminadas na urina, como por exemplo, celulas dos tubulos renais que ao serem encontradas em grande quantidade, indicam necrose tubular (LOPES, 2004 e DA CRUZ 2005). E importante lembrar que os dados analisados nao diferem os tipos de celulas encontradas quanto a sua localizacao, dessa forma foram apresentados em cinco (3,6%) pacientes a presenca deste achado, evidenciando suposta infeccao.

5 Conclusao

Os resultados apontados por esta pesquisa demonstraram que a saude do homem, mais especificamente a saude do homem idoso passa por descuido recorrente, visto que muitas patologias, por mais que em pequena proporcao, atingem uma parcela da populacao que foi objeto alvo do estudo. Alguns parAmetros como cor, densidade e depositos apresentam intima relacao, que por serem de caracteristica macroscopica, tornam sua manutencao mais viavel por meio de boa hidratacao e alimentacao saudavel. Conscientizar os profissionais da saude e orientar os pacientes quanto a esses cuidados e em fazer o exame de urina tipo I rotineiramente e de suma importAncia.

E importante ficar atento a prevalencia de ITU, ao possivel grau de suscetibilidade que pode ser apresentado e que mais estudos sejam realizados na area para que se tenha um controle mais especifico de qual faixa etaria e a mais acometida.

6 Referencias

ANDREOLI, T. E.; BENNETT, J. C.; CARPENTER, C. C. J.; PLUM, F. Cecil Medicina interna basica. 4 ed. Rio de Janeiro: Guanabara--Koogan, 1997. p. 171-241.

Associacao Medica Brasileira--Conselho Federal de Medicina--Projeto Diretrizes Infeccoes do Trato Urinario: Diagnostico. Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Urologia, 2004. [Internet] Disponivel em: <http: //www.projetodiretrizes.org.br/projeto_diretrizes/067.pdf>. Acesso em: 06/10/2016

CARVALHAL, G. F.; ROCHA, L. C. A.; MONTI, P. R. Urocultura e exame comum de urina: consideracoes sobre sua coleta e interpretacao. Revista da AMRIGS, v. 50, n. 1, p. 59-62, 2006.

DA CRUZ, C. S. O.; BERGAMASCHI, G. C. Desenvolvimento e utilizacao de conservante quimico em amostras de urina para analises microbiologicas (urocultura) e rotina (EAS). RBAC, v. 37, n. 3, p. 137-147, 2005.

DUARTE, G. et al. Urinary tract infection in pregnancy. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetricia, v. 30, n. 2, p. 93-100, 2008.

LOBATO, O. Elaboracao diagnostica em nefrologia. Revista CASL, 27:7 1--90, 1965.

LOPES, H.V; TAVARES, W. Projeto Diretrizes--Associacao Medica Brasileira (AMB) e Conselho Federal de Medicina (CFM); Sociedade Brasileira de Infectologia e Sociedade Brasileira de Urologia. Infeccoes do Trato Urinario: Diagnostico, 2004.

LOPES, H. J. J. O laboratorio clinico na avaliacao da funcao renal. Belo Horizonte: Gold Analisa Diagnostico Ltda, p. 27, 2004.

MARANGONI, D. V.; MOREIRA, B. M. Infeccoes do Trato Urinario. In: Mauro Schechter; Denise Vantil Marangoni. (Org). Doencas Infecciosas: Conduta Diagnostica e Terapeutica. 1ed. Rio de Janeiro, RJ Brasil: Guanabara Koogan, 1994, p. 302-324

MASSON, P. et al. Meta-analyses in prevention and treatment of urinary tract infections. Infectious disease clinics of North America, v. 23, n. 2, p. 355-385, 2009.

NETO, O. M. V. Infeccao do trato urinario. Medicina (Ribeirao Preto. Online), v. 36, n. 2/4, p. 365-369, 2003.

ROCHA, A. Biodiagnosticos--Fundamentos e tecnicas laboratoriais. 1 ed., Sao Paulo, Editora Riedeel, 2014.

RORIZ-FILHO, J. S. et al. Infeccao do trato urinario. Medicina (Ribeirao Preto. Online), v. 43, n. 2, p. 118-125, 2010.

SANTOS, S. R.; AMADO, C.A.B.; ASSEF, S.M.C. Infeccoes urinarias. Arq Cienc Saude Unipar, v. 3, n. 1, p. 43-50, 1999.

SILVA, J. M. P. et al. Aspectos atuais no diagnostico e abordagem da infeccao do trato urinario. p. 20-30, 2014.

STRASINGER, S. K.; DI LORENZO, M. S. Urinalysis & Body Fluids. FA Davis, 2008.

ZAMAN, A.B. Disappointing dipstick screening for urinary tract infection in hospital in patients. J Clin Pathol, v. 51, p. 471-2, 1998.

Rafael Cunha da SILVA *, Ana Carolina Santos de ASSIS, Renan da Silva MELO, Vinicius Ribeiro dos SANTOS & Claudio Angelo VENTURA

Universidade Federal do Piaui. Parnaiba, Piaui, Brasil.

* Autor para correspondencia: rafaelcunhadasilva@hotmail.com

DOI: http://dx.doi.org/ 10.18571/acbm.137
Tabela 1: Distribuicao das analises de urina quanto os parAmetros
fisicos.

                        FAIXA ETARIA (Anos)

PARAMETROS FISICOS
                        60 - 70       71 - 81

Coloracao
  * Amarelo Claro     76,47% (78)   74,47% (35)
  * Amarelo Citrino    9,80% (10)   12,76% (06)
  * Amarelo Ambar     13,72% (14)   12,76% (06)
Densidade
  * 1.005              1,96% (02)    93,62% (44)
  * 1.010              1,96% (02)     4,25% (02)
  * 1.015             95,09% (97)     2,12% (01)
  * 1.020              0,98% (01)        0% (00)
Aspecto
  * Limpido           10,78% (11)    14,89% (07)
  * Semiturvo         79,41% (81)    80,85% (38)
  * Turvo              9,80% (10)     4,25% (02)
Deposito
  * Presente           4,90% (05)     8,51% (04)
  * Ausente           95,09% (97)    91,48% (43)
P.H * 5.0              0,98% (01)        0% (00)
  * 6.0               51,96% (53)    61,70% (29)
  * 6.5               45,09% (46)    34,04% (16)
  * 7.0                1,96% (02)     4,25% (02)
  * 7.5                   0% (00)        0% (00)

                           FAIXA ETARIA (Anos)
PARAMETROS FISICOS

                        [greater than or       % (N)
                           equal to] 82

Coloracao
  * Amarelo Claro            78,57% (11)    76,07% (124)
  * Amarelo Citrino           7,14% (01)    10,42% (17)
  * Amarelo Ambar            14,28% (02)    13,50% (22)
Densidade
  * 1.005                    85,71% (12)    35,59% (58)
  * 1.010                     7,14% (01)     3,06% (05)
  * 1.015                     7,14% (01)    60,73% (99)
  * 1.020                        0% (00)     0,61% (01)
Aspecto
  * Limpido                  21,43% (03)    12,88% (21)
  * Semiturvo                71,42% (10)    79,14% (129)
  * Turvo                     7,14% (01)     7,97% (13)
Deposito
  * Presente                 21,42% (03)     7,36% (12)
  * Ausente                  78,57% (11)    92,63% (151)
P.H * 5.0                     7,14% (01)     1,23% (02)
  * 6.0                      42,86% (06)    53,99% (88)
  * 6.5                      42,86% (06)    41,71% (68)
  * 7.0                          0% (00)     2,45% (04)
  * 7.5                       7,14% (01)     0,61% (01)

Tabela 2: Distribuicao das analises de urina quanto aos
parametros quimicos.

                        FAIXA ETARIA (Anos)
PARAMETROS QUIMICOS
                       60 - 70      71 - 81
Proteinas
  * Negativo          57,84%(59)   74,47%(35)
  * Tracos            30,39%(31)   12,76%(06)
  * +                  5,88%(06)    4,25%(02)
  * ++                 3,92%(04)    8,51%(04)
  * +++                1,96%(02)       0%(00)
Glicose
  * Negativo          86,27%(88)   89,36%(42)
  * 250(+)             0,98%(01)    2,13%(01)
  * 500(++)            4,90%(05)    4,25%(02)
  * 1000(+++)          6,86%(07)    4,25%(02)
  * 2000(++++)         0,98%(01)       0%(00)
Cetonas
  * Negativo            100%(102)    100%(47)
Bilirrubina
  * Negativo            100%(102)    100%(47)
Urobilinogenio
  * Negativo            100%(102)    100%(47)
Hemoglobina
  * Negativo            100%(102)    100%(47)
Nitrito
  * Negativo           97,05%(99)   97,87%(46)
  * Positivo            2,94%(03)    2,12%(01)

                           FAIXA ETARIA (Anos)             (N)%

PARAMETROS QUIMICOS

                      [greater than or equal to] 82

Proteinas
  * Negativo                    35,71%(05)             60,74% (99)
  * Tracos                      28,57%(04)             25,15% (41)
  * +                           14,29%(02)              6,13% (10)
  * ++                          14,29%(02)              6,13% (10)
  * +++                         7,142%(01)              1,84% (03)
Glicose
  * Negativo                    71,42%(10)             85,89% (140)
  * 250(+)                        0%(00)               1,226% (02)
  * 500(++)                     7,14%(01)               4,91% (08)
  * 1000(+++)                   21,43%(03)             7,361% (12)
  * 2000(++++)                    0%(00)               0,613% (01)
Cetonas
  * Negativo                     100%(14)               100% (163)
Bilirrubina
  * Negativo                     100%(14)               100% (163)
Urobilinogenio
  * Negativo                     100%(14)               100% (163)
Hemoglobina
  * Negativo                     100%(14)               100%(163)
Nitrito
  * Negativo                    92,85%(13)             96,93% (158)
  * Positivo                    7,14%(01)               3,06% (05)

Tabela 3: Distribuicao da analise microscopica das urinas quanto aos
sedimentos (sedimentoscopia).

                          FAIXA ETARIA (Anos)
PARAMETROS DE
MICROSCOPIA DO            60 - 70      71 - 81
SEDIMENTO

Leucocitos
  * 3 a 5               98,03%(100)   89,36%(42)
  * Moderado              0% (00)     8,51%(04)
  * Incontaveis         1,96% (02)    2,12%(01)
Hemacias
  * 3 a 5               96,07%(98)    93,61%(44)
  * Moderado             1,96%(02)    4,25%(02)
  * Incontaveis         1,96% (02)    2,12%(01)
Filamento de muco
  * Raro                97,05%(99)    97,87%(46)
  * Frequente            0,98%(01)    2,12%(01)
  * Aumentado            1,96%(02)      0%(00)
Celulas epiteliais
  * Raro                97,05%(99)    97,87%(46)
  * Presente            2,94% (03)    2,12%(01)
Cilindros
  * Ausente             97,05%(99)    97,87%(46)
  * Presente             2,94%(03)    2,12%(01)
Flora bacteriana
  * Discreta            97,05%(99)    97,87%(46)
  * Moderada             1,96%(02)     0% (00)
  * Aumentada            0,98%(01)    2,12%(01)
Cristais
  * Ausente             78,43%(80)    64,95%(31)
  * Acido urico          6,86%(7)      8,51%(4)
  * Fosfato triplo       4,90%(5)      10,63(5)
  * Oxalato de calcio    7,48%(8)     12,76%(6)
  * Urato amorfo         1,96%(2)      2,12%(1)

                             FAIXA ETARIA (Anos)
PARAMETROS DE
MICROSCOPIA DO          [greater than or equal to] 82       % (N)
SEDIMENTO

Leucocitos
  * 3 a 5                         64,28%(09)             92,63% (151)
  * Moderado                      21,42%(03)              4,30% (7)
  * Incontaveis                   14,28%(02)              3,06% (5)
Hemacias
  * 3 a 5                         85,71%(12)             94,48% (154)
  * Moderado                      7,14%(01)                3,6% (5)
  * Incontaveis                   7,14%(01)               2,45% (4)
Filamento de muco
  * Raro                          92,85%(13)             96,93% (158)
  * Frequente                      0% (00)                1,23% (2)
  * Aumentado                     7,14%(01)               1,84% (3)
Celulas epiteliais
  * Raro                          92,85%(13)             96,93% (158)
  * Presente                      7,14%(01)                3,6% (5)
Cilindros
  * Ausente                       92,85%(13)             96,93% (158)
  * Presente                      7,14%(01)               3,96% (05)
Flora bacteriana
  * Discreta                      92,85%(13)             96,93% (158)
  * Moderada                      7,14% (01)              1,84% (03)
  * Aumentada                      0% (00)                1,22% (02)
Cristais
  * Ausente                       71,42%(10)             74,23% (121)
  * Acido urico                   7,14%(01)               7,36% (12)
  * Fosfato triplo                7,14%(01)               6,74% (11)
  * Oxalato de calcio             7,14%(01)               9,20% (15)
  * Urato amorfo                  7,14%(01)                2,45% (4)
COPYRIGHT 2017 Universidade Federal Fluminense
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:da Silva, Rafael Cunha; de Assis, Ana Carolina Santos; Melo, Renan da Silva; dos Santos, Vinicius Ri
Publication:Acta Biomedica Brasiliensia
Date:Dec 1, 2017
Words:3833
Previous Article:MUSGOS COMO BIOINDICADORES DE METAIS PESADOS NO AMBIENTE.
Next Article:IDENTIFICACAO DE CONTEUDOS DE QUIMICA COMO PRE-REQUISITOS PARA AS DISCIPLINAS ESPECIFICAS DO CURSO TECNICO EM FARMACIA.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters