Printer Friendly

INCIDENCIA DA SIFILIS: UM ESTUDO DE CASO DO MUNICIPIO DE GUACUI, ESPIRITO SANTO, BRASIL.

1 Introducao

A sifilis e uma doenca infectocontagiosa causada pela bacteria Treponema pallidum. A infeccao pode ser adquirida atraves de contato sexual, transfusao de sangue, transplante de orgao, ou por transmissao congenita (LIMA, 2013). Embora, possua um tratamento eficaz e de baixo custo, tem se perpetuado como um desafio para a sociedade, pois se mantem como um grave problema de Saude Publica (CARVALHO, 2014).

No final do seculo XV sao identificados na Europa os primeiros casos de sifilis, que rapidamente se propagaram por todo continente. Acreditava-se que a doenca havia sido inserida pelos marinheiros espanhois que auxiliaram na descoberta do novo mundo (BOTTINO, 2006). Embora, sua origem geografica continue causando polemicas ha certo consenso quanto ao fato de a sifilis ter sido uma doenca desconhecida no velho mundo.

Por se tratar de uma doenca infecciosa cronica, que acomete praticamente todos os orgao e sistemas (BOTTINO, 2006), a sifilis, quando ocorre durante a gestacao, traz implicito o risco de transmissao vertical se a gestante nao e tratada, podendo desencadear quadros de sifilis congenita (SC), tendo como consequencia desde ma formacao do feto, aborto espontaneo e morte fetal. Sendo essa a principal justificativa para sua definicao como um problema de saude publica (QUINONES, 2014). Devido seu tamanho populacional e prevalencia de sifilis na gestacao, o Brasil e um dos quinze paises que sao considerados prioritarios para o controle da sifilis congenita (DOMINGUES, 2014).

O boletim epidemiologico do Ministerio da Saude sobre a sifilis, lancado em 2015, traz dados alarmantes. Uma das informacoes mais preocupantes da conta que, em 2004, a taxa de infeccao era de 1,7 casos para cada 1.000 nascidos vivos. Em 2013, essa taxa aumentou para 4,7, ou seja, um aumento de mais de 100%, em menos de dez anos (SILVA, 2015).

O presente trabalho tem como objetivo avaliar a incidencia de anticorpos antitreponemicos em amostragem de pacientes atendidos por um laboratorio no Municipio de Guacui no Estado de Espirito Santo.

2 Revisao da literatura

2.1 Agente etiologico

Descoberto somente em 1905, pelo zoologista Fritz Schaudin e pelo dermatologista Paul Erich Hoffman, o Treponema pallidum e uma bacteria gram-negativa do grupo das espiroquetas, anaerobia facultativa e catalase negativa, que possui forma espiral. A pequena diferenca de densidade entre o corpo e a parede do T. pallidum prejudica sua visualizacao a luz direta no microscopio. E por se corar fracamente deu origem ao nome palido, do latim pallidum (BOTTINO, 2006).

O T. pallidum penetra no corpo atraves das mucosas ou de um corte ou abrasao na pele. A nivel epidemiologico estima-se que ate 50% dos contatos sexuais das pessoas infectadas nao desenvolvam infeccao. Logo apos a inoculacao, as espiroquetas se disseminam por todo o corpo, onde finalmente podem causar doenca (KONEMAN, 2008).

Uma das piores tragedias da sifilis e a infeccao intrauterina do feto. Refletindo o aumento na populacao geral, a sifilis congenita tem aumentado de forma constante desde 1983 (KONEMAN, 2008).

O genoma do T. pallidum subsp pallidum foi sequenciado. E um cromossoma circular de 1138006bp e com 1041ORFs. E limitada a capacidade de biossintese, e por isso prefere locais com baixo teor de oxigenio e apresenta poucos componentes proteicos em sua parede externa (AVELLEIRA, 2006).

2.2 Manifestacoes clinicas

Apos um periodo de incubacao entre 10 e 90 dias, e progressao lenta, apresentando periodos sintomaticos e assintomaticos, com peculiaridades clinicas, imunologicas e histopatologicas, pode progredir sendo dividida em tres fases distintas: sifilis primaria, sifilis secundaria e sifilis terciaria (FERREIRA, 2008).

Sifilis primaria: O primeiro sintoma e o aparecimento de uma lesao unica (denominada cancro duro) no local de entrada da bacteria, que surge em media tres semanas apos a infeccao. Em 90% a 95% dos casos as lesoes estao localizadas na regiao genital. O cancro regride espontaneamente em periodo que varia de quatro a cinco semanas sem deixar cicatriz. Quando nao e tratada na fase primaria, evolui para sifilis secundaria (BRASIL, 2006).

Sifilis secundaria: Apos periodo de latencia que pode durar de seis a oito semanas, o T. pallidum ja invadiu todos os orgaos e liquidos do corpo, e a sifilis entrara novamente em atividade, acometendo a pele e os orgaos internos. Nesta fase, aparece como manifestacao clinica o exantema (erupcao) cutaneo, rico em treponemas. O acometimento das regioes palmares e plantares e bem caracteristico. Algumas vezes a descamacao e intensa, atribuindo aspecto psorisiforme as lesoes. A sintomatologia geral e discreta e incaracteristica: mal-estar, astenia, anorexia, febre baixa, cefaleia, meningismo, artralgias, mialgias, periostite, faringite, rouquidao, hepatoesplenomegalia, sindrome nefrotica, glomerulonefrite, neurite do auditivo, iridociclite. Nao havendo tratamento apos a sifilis secundaria, existem dois periodos de latencia: um recente, com menos de um ano, e outro de latencia tardia, com mais de um ano de doenca (FERREIRA, 2008).

Sifilis terciaria: Essa fase da doenca pode levar 10, 20 ou mais anos para se manifestar. Os pacientes desenvolvem lesoes localizadas envolvendo pele e mucosas, podendo ocorrer destruicao de tecidos e ossos. Alem das manifestacoes mais graves incluindo a sifilis cardiovascular e a neurossifilis (BRASIL, 2006).

A sifilis congenita e decorrente da disseminacao hematogenica do T. pallidum da gestante nao tratada ou inadequadamente tratada para o seu concepto, por via transplancentaria. A transmissao pode ocorrer em qualquer fase da gestacao e em qualquer estagio da doenca, com probabilidades de 50% a 100% na sifilis primaria e secundaria, 40% na sifilis latente precoce e 10% na sifilis latente tardia. E possivel transmissao direta no canal do parto. Ocorrendo a transmissao da sifilis congenita, cerca de 40 % dos casos podem evoluir para aborto espontaneo, natimorto e obito perinatal (SAUDE PUBLICA, 2008).

2.3 Epidemiologia

Segundo a Organizacao Mundial de Saude (OMS), diariamente mais de um milhao de pessoas sao infectadas por uma das Doencas Sexualmente Transmissiveis (DST). Estimando ainda que, anualmente surgem cerca de 357 milhoes de novos casos das DST curaveis. Desse total 6,6 milhoes sao pacientes acometidos pela sifilis. Alem do efeito imediato da propria infeccao, a sifilis, pode multiplicar por tres ou mais vezes o risco de contrair HIV (WHO, 2016).

A OMS estima que, em 2005, 11 milhoes de pessoas foram acometidas pela sifilis. Assim, a incidencia de sifilis por 1000 habitantes foi estimada em 3,02 para mulheres e 3,19 para homens em todo o mundo. Na America, a incidencia foi de 5,06 e 5,33 em mulheres e homens, respectivamente; tanto global e continental, a frequencia foi ligeiramente mais elevada nos homens: 1,05 casos em homens em cada caso em mulheres (HERRERA e ORTIZ, 2013).

No Brasil, todos os tipos de sifilis sao de notificacao obrigatoria ha pelo menos cinco anos. Dados do ultimo boletim epidemiologico, referentes aos anos de 2014 e 2015, indicam que a sifilis adquirida teve um aumento de 32,7%; a sifilis em gestantes, de 20,9%; e a sifilis congenita, de 19% (BRASIL, 2016).

Em 2015, foram notificados 65.878 casos de sifilis adquirida no pais. No mesmo periodo, a taxa de deteccao foi de 42,7 casos para cada 100 mil habitantes, sendo a maioria em homens--136.835 casos (60,1%). No periodo de 2010 a junho de 2016, foi registrado um total de 227.663 casos de sifilis adquirida (BRASIL, 2016).

Entre gestantes, em 2015, a taxa de deteccao da sifilis foi de 11,2 casos para cada mil nascidos vivos, considerando um total de 33.365 casos da doenca. Ja de janeiro de 2005 a junho de 2016, foram notificados 169.546 casos. Com relacao a sifilis congenita (em bebes), em 2015, foram registrados 19.228 casos--uma taxa de incidencia de 6,5 para cada mil nascidos vivos. (BRASIL, 2016).

No Estado do Espirito Santo, o numero de casos de sifilis adquirida tem aumentado tambem, em 2012 foram 1.472 e em 2014 foram notificados 2.648 casos (SESA-ES, 2014). 2.4 Diagnostico.

Para obter um diagnostico laboratorial da sifilis adequado devemos considerar a fase evolutiva da doenca e entao selecionar os exames laboratoriais. Na sifilis primaria e em algumas lesoes da fase secundaria, o diagnostico podera ser direto, isto e, feito pela demonstracao do Treponema. A utilizacao da sorologia podera ser feita a partir da segunda ou terceira semana apos o aparecimento do cancro, quando os anticorpos comecam a ser detectados (AZULAY, 2006).

Sao utilizados tres metodos para o diagnostico laboratorial da sifilis: exame microscopico direto (tecnica de campo escuro), testes nao treponemicos que sao utilizados para triagem e acompanhamento e testes treponemicos que sao usados para confirmar resultados de baixa titulacao dos nao treponemicos (CAMPOS, 2006).

Os Testes treponemicos detectam a presenca ou ausencia de anticorpos contra antigenos do T. pallidum. Sao testes qualitativos. Testes nao treponemicos detectam anticorpos nao treponemicos. Esses anticorpos nao sao especificos para T. pallidum, porem estao presentes na sifilis. Os testes nao treponemicos se dividem em qualitativos (testes de triagem para determinar se uma amostra e reagente ou nao); quantitativos (determina o titulo dos anticorpos presentes nas amostras que tiveram resultado reagente no teste qualitativo) (AVELLEIRA, 2006).

Dentre os testes nao treponemicos, tem-se o Venereal Disease Research Laboratory (VDRL) e o Rapid Plasma Reagin (RPR). O VDRL e o mais recomendado por varios orgaos mundiais de saude devido ao seu baixo custo, facilidade de execucao, alta sensibilidade (70% na sifilis primaria, 99% a 100% na sifilis secundaria e 70% a 80% na sifilis terciaria) e a alta especificidade na Sifilis Congenita (ate 98%) (BOTELHO et al., 2008). E realizada a utilizacao de um antigeno constituido de lecitina, colesterol e cardiolipina purificada. A cardiolipina e um componente da membrana plasmatica das celulas dos mamiferos liberado apos dano celular e encontra-se presente tambem na parede do T. pallidum (ROTTA, 2005).

O VDRL e um teste de floculacao, nao treponemico, para diagnostico da sifilis, atraves da pesquisa de anticorpos (reaginas) no soro, plasma ou liquido cefalorraquidiano (LCR). Quando a suspensao antigenica e misturada com o soro, plasma ou liquido cefalorraquidiano do individuo que contenham anticorpos (reaginas), as particulas de antigeno floculam e o resultado da reacao e observado ao microscopio. A ausencia de floculacao indica resultado negativo. A ligacao de anticorpos em varias micelas resulta na floculacao, que pode ser observada ao microscopio como ilustrado na figura 1.

O resultado do VDRL e descrito qualitativamente como "reagente" ou "nao reagente", e quantitativamente pela titulacao obtida, como por exemplo, 1:32, contudo mesmo sem um tratamento adequado ou ainda sem nenhum tratamento o teste apresenta queda progressiva dos titulos ao longo de varios anos. Com o tratamento ha queda, tendendo a negativacao, podendo, porem, se manter reagente por longos periodos, mesmo apos a cura da infeccao, fenomeno conhecido como memoria imunologica ou cicatriz sorologica. No Brasil, o VDRL e o teste mais utilizado para o diagnostico da sifilis (BRASIL e CAMPOS, 2006).

Os testes treponemicos utilizam o T. pallidum como antigeno e sao usados para a confirmacao da infeccao pelo T. pallidum, permitindo a exclusoes dos resultados falso--positivos dos testes nao treponemicos, tendo em vista a sua elevada especificidade. Em 85% das pessoas tratadas com sucesso, os resultados permanecem reativos por anos ou ate mesmo por toda a vida. Estao incluidos neste tipo de exame o Treponema pallidum Hemaglutination (TPHA); Fluorescent Treponemal Antibody--Absorption (FTA- Abs), ELISA, PCR e o Western-blot (ROTTA, 2005). Esses testes nao sao utilizados na rotina de triagem sorologica, tendo em vista a sua menor sensibilidade em comparacao a dos testes nao treponemicos (BRASIL, 2006).

Em 2012 o Ministerio da Saude implantou o teste rapido de sifilis no pre-natal na Atencao Basica no ambito da Rede Cegonha com a finalidade de eliminar a transmissao da doenca de mae para filho, ate o ano de 2015, conforme estabelece as Metas do Milenio (BRASIL, 2012).

O uso de exames para identificacao de doencas que podem prejudicar o desenvolvimento do feto durante a gestacao, atraves da triagem das gravidas acompanhadas pelos servicos de saude, e uma estrategia utilizada por varios paises e identificada como um meio eficaz para prevenir a SC, considerando de maneira positiva o seu custo-beneficio na reducao das taxas de incidencia da doenca (SCHIMID, 2004).

3 Material e Metodos

A partir de um estudo retrospectivo dos resultados sorologicos de testes laboratoriais realizados para o diagnostico de sifilis, em amostras de sangue encaminhadas ao Laboratorio Kashima de Analises Clinicas com Sede no Municipio de Guacui-ES, onde foi realizado levantamento no banco de dados do referido laboratorio no intuito de promover o levantamento do numero total de testes VDRL e FTA-ABS realizados no periodo de outubro a dezembro de 2014, totalizando 980 testes. Inicialmente foram avaliados os resultados obtidos nos testes realizados de VDRL e estes confirmados o diagnostico de sifilis a partir do teste FTA-ABS realizado apenas nas amostras reativas para o teste VDRL.

O estudo descritivo foi composto na analise de 980 exames em pacientes residentes das cidades Guacui, Jeronimo Monteiro, Bom Jesus do Norte, Sao Jose do Calcado, Ibitirama e Divino do Sao Lourenco de ambos os sexos no laboratorio de analises clinicas situado no Municipio de Guacui-ES, ocorreu durante o ultimo trimestre do ano de 2014.

Em um segundo momento, foram analisadas as notificacoes realizadas junto ao Sistema de Informacao de Agravos de Notificacao--SINAN, dados fornecidos pelo Setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saude do Municipio de Guacui-ES (SINAN, 2014).

O municipio de Guacui, localizado no sul do estado do Espirito Santo, esta a 230 km da capital Vitoria. Sua populacao estimada em 2014 era de 29.893 habitantes, estima-se que a populacao capixaba era de 3.820.972 habitantes (IBGE, 2014).

4 Resultados

As 980 amostras analisadas pelo Laboratorio Kashima de Analises Clinicas, com sede na cidade de Guacui-ES que atende a regiao Sul do Espirito Santo, mais especificamente as microrregioes do Central Sul e Caparao, totalizando uma populacao de 77.098 habitantes, distribuidos com os seguintes percentuais: Bom Jesus do Norte (13,25%), Divino do Sao Lourenco (6,01%), Ibitirama (12,17%), Guacui (38,77%), Jeronimo Monteiro (15,51%) e Sao Jose do Calcado (14,30%) apresentados no grafico 1.

A populacao estudada apresenta um indice de confianca de 95% (IC95%). Do total de 980 amostras analisadas, 935 (95,41%) nao apresentaram reatividade nos testes nao treponemicos VDRL, desses pacientes obtivemos acessos a informacao que a faixa etaria da populacao pesquisada variou de 0 a 50 anos. Das 45 (4,59%) amostras que apresentaram reatividade ao VDRL, alem da informacao sobre a faixa etaria, que ficou compreendida entre 0 a 50 anos, tambem obtivemos acesso quanto ao genero dos pacientes, onde constatamos que a populacao analisada era composta por 33,33% de homens, e 64,44% de mulheres restando ainda 2,23% que nao foi informado o sexo, pois, se tratava de recem-nascido, especificado na documentacao apenas por RN.

Apos reagirem ao VDRL, a titulacao das 45 amostras, ficaram assim distribuidas: 02 (4,44%) apresentaram positividade com titulo 1/2, sendo todas (100%) pertencentes a individuos do sexo feminino; 07 (15,55%) com o titulo 1/4; (100%) pertenciam a individuos de sexo feminino; 16 (35,55%) com o titulo 1/8, dessas amostras 09 (56,25%) pertenciam a individuos de sexo feminino, 06 (37,5%) masculino e 01 (7,71%) pertencia a um recem-nascido que nao teve o sexo informado; 13 (28,89%) com o titulo 1/16, dessas amostras, 08 (61,54%) pertenciam a individuos de sexo feminino e 05 (38,46%) masculino; 06 (13,33%) com o titulo 1/32, dessas amostras, 03(50%) pertenciam a individuos de sexo feminino e 03 (50%) masculino; 01 (2,22%) apresentaram positividade com titulo 1/64, sendo todas (100%) pertencentes a individuos do sexo masculino. Nas 45 amostras que positivaram para teste de VDRL, ficaram assim distribuidas: Bom Jesus do Norte (11,11%), Divino do Sao Lourenco (4,44%), Ibitirama (6,67%), Guacui (44,44%), Jeronimo Monteiro (22,22%) e Sao Jose do Calcado (11,11%). Conforme apresentado na figura 2.

Ja nos testes treponemicos, das 45 amostras analisadas, 44 (97,88%) reagiram ao FTA-ABS e apenas 01 (2,22%) nao foi reagente. Conforme demonstrado na tabela 1.

Apos a realizacao dos testes treponemicos de FTA-ABS, a incidencia de anticorpos antitreponemicos na populacao estudada foi de 4,49 casos para cada 1000 habitantes.

Ao analisarmos os dados fornecidos pelo Setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saude de Guacui-ES. Verificamos que em 2013 foram notificados 69 casos de sifilis, destes, 68 casos foram confirmados. Ficando assim distribuidos: 62 (91,18%) Sifilis adquirida, 05 (7,35%) sifilis gestacional e 01 (1,47) sifilis congenita. Onde 36 (52,94%) das notificacoes eram de individuos do sexo feminino e 32 (47,06%) do sexo masculino. E a faixa etaria da populacao variou de 0 a 83 anos (SINAN, 2013).

Em 2014 foram notificados 76 casos de sifilis, destes, 71 casos foram confirmados. Ficando assim distribuidos: 59 (83,10%) Sifilis adquirida, 09 (12,68%) sifilis gestacional e 03 (4,22%) sifilis congenita. Onde 31 (43,66%) das notificacoes eram de individuos do sexo feminino e 40 (56,34%) do sexo masculino. E a faixa etaria da populacao variou de 0 a 65 anos (SINAN, 2014).

No ultimo trimestre de 2014, 20 novos casos foram confirmados e notificados no Municipio de Guacui-ES, sendo 18 (90%) sifilis adquirida, 01 (5%) sifilis gestacional e 01 (5%) sifilis congenita. Onde 09 (45%) das notificacoes eram de individuos do sexo feminino e 11 (55%) do sexo masculino. E a faixa etaria da populacao vaiou de 0 a 65 anos (SINAN, 2014).

5 Discussao

Embora nao raramente os testes do VDRL, podem apresentar-se reativos, mesmo na ausencia da sifilis, das 45 amostras que reagiram ao VDRL, apenas 01 amostra de um paciente do sexo feminino nao apresentou reatividade para FTA-ABS. O que pode ser justificado por algumas reacoes inespecificas, dentre elas, destacam-se as doencas do colageno, especialmente o LES, insuficiencia hepatica e cirrose hepatica, na lepra, malaria, apos imunizacoes, no curso de doencas febris e em alguns casos de gestacoes (BRASIL, 2014).

O presente trabalho demonstra dados relevantes, pois somente no ultimo trimestre do ano de 2014; 1,27% da populacao da regiao que abrange as cidades Guacui, Jeronimo Monteiro, Bom Jesus do Norte, Sao Jose do Calcado, Ibitirama e Divino do Sao Lourenco, foram encaminhadas ao Laboratorio Kashima de Analises Clinicas, a fim de realizar testes para pesquisa de anticorpos antitreponemicos. Cabe ressaltar que, esse nao e o unico estabelecimento de saude que presta esse servico na regiao, sugerindo que esse percentual possa ser ainda maior.

As 20 amostras que apresentam soropositividade para T. pallidun diagnosticadas atraves de analises laboratoriais corroboram com as notificacoes efetuadas pelo setor de Epidemiologia da Secretaria Municipal de Saude de Guacui durante o ultimo quadrimestre do ano de 2014.

Toda via, o foco do estudo e a populacao do municipio de Guacui-ES, considerando que os dados fornecidos pela Secretaria Municipal de Saude do Municipio de Guacui informa que a populacao do municipio de Guacui representar 0,78% de todo o Estado do Espirito Santo, este e responsavel por 2,19% dos casos de sifilis adquirida e 1,21% dos casos de sifilis gestacional, e ocupa a decima primeira colocacao entre os municipios que apresentaram as maiores taxas de incidencia de Sifilis congenita, por mil nascidos vivos, no ano de 2014, mantendo uma Taxa de 6,6 casos por mil nascidos vivos (ESPIRITO SANTO, 2014).

Nos resultados obtidos atraves dos dados expostos e notorio que a sifilis adquirida se manteve no mesmo patamar nos anos de 2013 e 2014, houve uma elevacao de 180% dos casos de sifilis gestacional e de 200% nos casos de sifilis congenita se comparado ao ano de 2013.

Os dados nos conduzem as reflexoes, o que levou esses pacientes a procurar o servico de saude? A maioria seria de pacientes oriundos de acompanhamento de pre-natal, tanto das gestantes como de seus parceiros? Seriam pacientes com sintomas e manifestacoes clinicas de sifilis?

Todavia, vale salientar que um paciente que foi acometido pela sifilis, ainda que tenha sido tratado adequadamente, pode permanecer com sorologia reativa por um longo periodo ou durante toda a vida, sendo necessaria a realizacao de testes sorologicos, a fim de verificar se o tratamento foi adequado, devendo ser realizado o VDRL com 6 e 12 meses, nos dois primeiros anos e, pelo menos, uma vez por ano apos esse periodo. Onde se pode constatar uma reducao de 4X nas titulacoes do VDRL. E devido a "cicatriz sorologia", o FTA-ABS se mantem reagente.

6 Consideracoes Finais

A sifilis e sem duvida nenhuma um grande problema de saude publica, que parece ter sido negligenciado por todos. Pois seu tratamento e diagnostico sao conhecidos e de baixo custo.

A pesquisa sorologica na infeccao pelo Treponema pallidum e sine qua non, para o estudo epidemiologico e diagnostico diferencial. E devido a acuracia permite verificar a eficacia do tratamento.

Um dos maiores empecilhos na realizacao deste trabalho foi encontrar literaturas que abordassem o tema de uma forma muito abrangente, ou seja, ha diversas publicacoes sobre a incidencia e prevalencia da sifilis congenita, ou em profissionais do sexo, o que nao retrata a realidade.

Pelos resultados obtidos atraves dos dados das notificacoes feitas junto ao SINAN, pelo Departamento de Vigilancia Epidemiologica da Secretaria Municipal de Saude de Guacui, ES, notasse que no ano de 2014, embora tenha ocorrido uma queda de 4,76% nos casos de sifilis adquirida. Houve uma elevacao de 4,42% dos casos de sifilis no municipio de Guacui-ES, indicando um crescimento da soropositividade populacional, sendo refletido na elevacao de 180% dos casos de sifilis gestacional e de 200% nos casos de sifilis congenita se comparado ao ano de 2013.

Sao necessarias a implementacoes de estrategias de promocao da saude, atraves da adocao de politicas publicas que sensibilizem a populacao, sobre as consequencias da infeccao causada pelo T. palidum e da importancia de se realizar o tratamento de acordo com as fases da doenca, uma vez que, e famigerado que sem o tratamento e o controle adequado, e impossivel romper a cadeia de transmissao do T. palidum, incentivar o acompanhamento do pre-natal, salientando a importancia da comunicacao com o parceiro, pra que maiores complicacoes sejam evitadas. Alem de, proporcionar a Educacao Permanente das equipes de saude, visando sempre um acompanhamento mais humanizado.

Apesar de o presente trabalho ter como objetivo avaliar a incidencia de anticorpos antitreponemicos na populacao do Municipio de Guacui no Estado do Espirito Santo, o que foi alcancado, e apresentou uma incidencia de 2,54 casos para cada 1000 habitantes. Fica evidente que e necessaria a realizacao de uma nova pesquisa, onde seja possivel, apurar se ha casos subnotificados, se os pacientes foram submetidos ao tratamento de forma adequada, se foram realizados acompanhamentos atraves de testes sorologicos VDRL apos o tratamento. Alem de obtencao de dados demograficos.

Sao viaveis estudos mais abrangentes em outras cidades circunvizinhas comparando com regioes do pais, com proposta de promover um conhecimento especifico, possibilitando resultados de diversas regioes e locais, a fim de dar subsidios para um plano de acoes garantindo entao uma evolucao para uma mudanca nesta realidade em que vivenciamos.

6 Referencias Bibliograficas

AVELLEIRA, J. C. R.; Sifilis: Diagnostico, Tratamento e Controle. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 81, n. 2, p. 118-119, 2006.

AZULAY, M. M.; AZULAY, D. R. Treponematoses. Dermatologia. 4. ed., p.323-339, 2006. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

BOTELHO, C. A. O.; TOMAZ, C. A. B.; CUNHA, R. V. Prevalencia dos agravos triados no programa de protecao a gestante do estado de Mato Grosso do Sul de 2004 a 2007. Revista de Patologia Tropical, v. 37, n. 4, p. 341-353, 2008.

BOTTINO, G. Sifilis: Diagnostico, Tratamento e Controle. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 81, n. 2, p. 111-126, 2006.

BRASIL. Diretrizes para o controle da sifilis congenita. Brasilia: Ministerio da Saude, 2006.

BRASIL. Boletim Epidemiologico--Sifilis 2005 a 2011. Brasilia: Ministerio da Saude, 2012.

BRASIL. Ministerio da Saude. Secretaria de Vigilancia em Saude. Programa Nacional de DST e Aids. Manual de Controle das Doencas Sexualmente Transmissiveis, p 43 b. Serie Manuais n[degrees] 68. 4. ed. 2006.

BRASIL. Sifilis: Estrategias para Diagnostico no Brasil. Brasilia: Ministerio da Saude, Coordenacao de Doencas Sexualmente Transmissiveis e Aids. 2014.

BRASIL. Sifilis: Acao Nacional de Combate a Sifilis. Brasilia: Ministerio da Saude, Coordenacao de Doencas Sexualmente Transmissiveis e Aids. 2016.

CAMPOS, J. E. B. Significado clinico dos baixos titulos de VDRL (Veneral Disease Research Laboratories) para a sifilis em gestantes, a luz das provas Treponemicas, 2006. Fundacao Oswaldo Cruz.

CARVALHO, ISAIANE DA SILVA; BRITO, ROSINEIDE SANTANA DE. Sifilis congenita no Rio Grande do Norte: estudo descritivo do periodo 2007-2010. Epidemiol. Serv. Saude, Brasilia, v. 23, n. 2, p. 287-294, June 2014.

DOMINGUES, ROSA MARIA SOZARES MADEIRA et al. Prevalence of syphilis in pregnancy and prenatal syphilis testing in Brazil: Birth in Brazil study. Rev. Saude Publica, Sao Paulo, v. 48, n. 5, p. 766-774, Oct. 2014.

ESPIRITO SANTO, boletim epidemiologico--Analise dos dados do Hiv/Aids, Sifilis e de hepatites virais no ano de 2014, estado do Espirito Santo. http://saude.es.gov.br/Media/sesa/NEVE/Boletim%20Epidemiologico/AN%C3%81LISE%20D a dos%20da%20AIDS,%20S%C3%8DFILIS%20e%20HV%20%20-%20BOL%20EPID%20ES% 20N.%2030-%20at%C3%A9%20DEZ%202014%20novo.pdf acessado em 31 Outubro 2016.

FERREIRA, LUIZ ALBERTO PEREGRINO. O conceito de contagio de Girolamo Fracastoro nas teses sobre sifilis e tuberculose, p. 159 a e b. Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pos-Graduacao em Enfermagem, 2008.

HERRERA, ORTIZ, ANATONIA. Analisis de la tendencia de sifilis adquirida en Mexico durante el periodo 2003-2013. Salud publica Mex, Cuernavaca, v. 57, n. 4, p. 335-342, agosto 2015.

IBGE, http://cidades.ibge.gov.br/painel/painel.php?codmun=320230, 2014.

KONEMAN, WASHINGTON WINN JR, STEPHEN ALLEN, WILLIAM JANDA, ELMERR

KONEMAN, GARY PROCOP, PAUL SCHRECKENBERGER, GAIL WOODS. Diagnostico Microbiologico, texto e atlas colorido 2008, p. 1121-1122, 6a edicao.

LARSEN, S.A., POPE, V., JOHNSON, R.E., KENNEDY, JR., E.J. A Manual of Tests for SYPHILIS. Washington: Apha, 1998, 361p. 9a edicao

LIMA, MARINA GUIMARAES. Incidencia e fatores de risco para sifilis congenita em Belo Horizonte, Minas Gerais, 2001-2008. Cienc. saude coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 499-506, Fevereiro 2013.

QUINONES, PATRICIA. Resultados de la validacion del formulario nacional de auditoria de sifilis gestacional y congenita en el Centro Hospitalario Pereira Rossell. Rev. Med. Urug. MONTEVIDEANO, v. 30, n. 4, dic. 2014.

SAUDE PUBLICA, Sifilis congenita e sifilis na gestacao. Sao Paulo, v. 42, n. 4, p. 768-772, Agosto 2008.

SCHIMIDI, G. Economic and programmatic aspects of congenital syphilis prevention. Bulletin of World Health Organization, v. 82, n. 6, p. 402-409, 2004.

SESA-ES, Cordenacao Estadual de DST-AIDS e Hepatites Virais, Secretaria de Saude do Governo do Estado do Espirito Santo.

SILVA, LEONARDO DA; FERNANDES, ALESSANDRO MURANO FERRE. A recrudescencia da sifilis congenita: um alerta. Audiol., Commun. Res., Sao Paulo, v. 20, n. 4, p. VII-VIII, dezembro 2015.

SINAN, PMG/SMS/DVE--PREFEITURA MUNICIPAL DE GUACUI. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE. DEPARTAMENTO DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA. Relatorio de notificacoes de casos de sifilis, junto ao Sistema de Informacao de Agravos de Notificacao--2013. Guacui: SMS.

SINAN, PMG/SMS/DVE--PREFEITURA MUNICIPAL DE GUACUI. SECRETARIA MUNICIPAL DE SAUDE. DEPARTAMENTO DE VIGILANCIA EPIDEMIOLOGICA. Relatorio de notificacoes de casos de sifilis, junto ao Sistema de Informacao de Agravos de Notificacao--2014. Guacui: SMS.

ROTTA, O. Diagnostico sorologico da sifilis. Anais Brasileiros de Dermatologia, v. 80, n. 3, p. 299-302, 2005.

WHO, World Health Organization (2013): Infecciones de transmision sexual. Nota descritiva No 110 Agosto de 2016. http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs110/es/. Acessado em 19 Marco 2016.

Eliezer Bastos de OLIVEIRA Junior, Vagner de Souza PINHEIRO, Wilkes de OLIVEIRA & Juliano Gomes BARRETO *

Universidade Iguacu--Campus V, Itaperuna, Rio de Janeiro, Brasil.

* Autor para correspondencia: julianobarreto@hotmail.com

DOI: http://dx.doi.org/10.18571/acbm.117

Caption: Figura 1. Representacao esquematica de uma reacao de floculacao na qual os anticorpos nao. Treponemicos ligam-se simultaneamente em varias micelas (BRASIL, 2014).
Tabela 1: Amostras com reatividade para o VDRL e FTA-ABS.

AMOSTRA   VDRL    FTA-ABS   SEXO    AMOSTRA   VDRL    FTA-ABS   SEXO

01        1/16      (+)       F       24       1/8      (+)       F
02         1/8      (+)       M       25      1/32      (+)       M
03         1/8      (+)       M       26       1/8      (+)       M
04         1/8      (+)       F       27      1/16      (+)       F
05         1/8      (+)       M       28      1/32      (+)       F
06        1/16      (+)       F       29      1/16      (+)       M
07         1/8      (+)       F       30       1/8      (+)       M
08         1/8      (+)       F       31      1/16      (+)       F
09        1/32      (+)       M       32       1/4      (+)       M
10         1/8      (+)       F       33       1/4      (+)       F
11        1/16      (+)       M       34       1/8      (+)       F
12         1/4      (+)       F       35       1/8      (+)      RN
13         1/2       -        F       36       1/2      (+)       F
14         1/4      (+)       F       37       1/4      (+)       F
15        1/16      (+)       F       38       1/4      (+)       F
16        1/32      (+)       F       39       1/8      (+)       F
17         1/8      (+)       F       40       1/4      (+)       F
18         1/8      (+)       M       41      1/16      (+)       M
19        1/32      (+)       M       42      1/16      (+)       F
20        1/16      (+)       M       43      1/32      (+)       F
21        1/64      (+)       M       44      1/16      (+)       M
22        1/16      (+)       F       45       1/8      (+)       F
23        1/16      (+)       F       (-)      (-)      (-)      (-)

Legenda: (-) nao reagente, (+) reagente. F--Feminino. M--Masculino.
RN--Recem-nascido.

Figura 2: Demostra a distribuicao percentual da populacao dos
municipios atendida e o total de soropositividade distribuidas em
porcentagens pelos mesmos municipios.

Percentual de soropositividade nas amostras para T.
pallidum

                           % Populacao    % de amostras reagentes

Bom Jesus do Norte             13,24              11,11
Divino de Sao Lourenco          6,00               4,44
Ibitirama                      12,16               6,66
Guacui                         38,77              44,44
Jeronimo Monteiro              15,50              22,22
Sao Jose do Calcado            14,29              11,11

Note: Table made from bar graph.
COPYRIGHT 2017 Universidade Federal Fluminense
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Oliveira, Eliezer Bastos, Jr.; Pinheiro, Vagner de Souza; de Oliveira, Wilkes; Barreto, Juliano G
Publication:Acta Biomedica Brasiliensia
Date:Jul 1, 2017
Words:4895
Previous Article:DIOCTOFIMOSE EM UM CAO PROVENIENTE DO MUNICIPIO DE VALENCA, RJ: RELATO DE CASO.
Next Article:COMPREENSAO DOS ADOLESCENTES SOBRE A PREVENCAO E TRANSMISSAO DAS INFECCOES SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS EM ESCOLAS DO MUNICIPIO DE PRESIDENTE MEDICI,...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters