Printer Friendly

Genetic evaluation of weight gain and feed-to-gain ratio of White New Zealand rabbits raised in different environments/Avaliacao genetica do ganho de peso e conversao alimentar de coelhos da raca Nova Zelandia Branco criados em ambientes diferenciados.

Introducao

O desenvolvimento de material genetico superior se da por meio de programas de melhoramento genetico. A eficiencia desse processo e dependente da precisao com que sao obtidas as estimativas dos componentes de (co)variancia das caracteristicas usadas como criterios de selecao (MARTINS et al., 1997). Os metodos usados para a estimacao dessas (co)variancias ja estao bem definidos (GIANOLA; FERNANDO, 1986) e as estimativas podem variar de acordo com a populacao e com o ambiente em que os individuos sao criados.

As caracteristicas, normalmente, consideradas em programas de melhoramento de coelhos se referem ao desempenho reprodutivo das coelhas e ao desempenho individual dos laparos. O desempenho reprodutivo e avaliado por caracteristicas referentes a ninhada a desmama tais como o seu tamanho, peso medio e o ganho de peso (KHALIL et al., 1987). Na avaliacao de desempenho individual dos laparos, sao considerados o ganho de peso pos-desmama e o peso ao abate, caracteristicas que sao influenciadas tanto por efeitos geneticos diretos como pelos efeitos maternos (POLASTRE et al., 1992).

Todavia, outras caracteristicas de desempenho dos laparos sao de fundamental importancia para a rentabilidade da exploracao, como o consumo de racao e a conversao alimentar (POLASTRE, 1990; MOURA et al., 1991; SIMONELLI, 1996). Garrido (2001), trabalhando com coelhos, relatou valores de herdabilidade de 0,01 e 0,68, respectivamente, para ganho de peso e conversao alimentar. Estes resultados sugerem que a selecao para conversao alimentar proporcionaria consideravel ganho genetico. Entretanto, Sakaguti (1994) ressalta que a selecao de individuos, com base nas caracteristicas peso ao abate, consumo de racao e conversao alimentar, e considerada relativamente dificil, em razao da complexidade de sua base genetica e do elevado grau de influencia do ambiente a que sao sujeitas, podendo gerar interacao genotipo x ambiente.

A mensuracao do consumo de racao e da conversao alimentar pode ser feita de forma coletiva, considerando toda a ninhada, ou individualmente. No entanto, o controle individual pode influenciar o comportamento dos laparos com possibilidade de ocorrencia de interacao genotipo x ambiente. O objetivo do presente trabalho foi avaliar se a selecao para conversao alimentar e ganho de peso, com base no desempenho individual dos laparos pode produzir ganhos geneticos em progenies criadas coletivamente.

Material e metodos

Os dados analisados neste estudo foram coletados no periodo de setembro de 2005 a novembro de 2006. Os animais avaliados foram alojados em um galpao de alvenaria com piso de concreto, cobertura de telha de fibrocimento e pedireito de 3,5 m, possuindo nas laterais paredes de 0,3 m de altura e o restante em tela e cortina plastica para a protecao de ventos e chuva. As gaiolas utilizadas eram de arame galvanizado, providas de bebedouro automatico e comedouro semiautomatico.

O experimento iniciou-se com uma populacao de 36 machos e de 108 femeas da raca Nova Zelandia Branco, tomados ao acaso, denominada geracao 1, os quais nao tinham registros de desempenho para as caracteristicas avaliadas. Ao apresentarem condicoes de cobertura (femeas entre cinco a seis meses e machos com seis a sete meses de idade), as femeas foram levadas as gaiolas dos machos para o acasalamento, utilizando-se tres femeas para cada macho. Os acasalamentos foram devidamente registrados nas fichas de controle, para posterior controle da descendencia.

Desses acasalamentos foram produzidos os animais da geracao 2, criados recebendo como fonte de alimento o leite materno e tendo acesso a racao da mae. Aos 32 dias, os animais foram desmamados, pesados, sexados e tatuados na orelha esquerda com numero de identificacao para posterior controle. Em seguida, seguiram para gaiolas onde permaneceram alojados em ninhadas ate aos 47 dias de idade, momento em que foram aleatoriamente escolhidos para serem mantidos juntos ou separados conforme o tratamento.

Os machos foram submetidos a dois tratamentos experimentais que foram compostos por ambientes diferenciados. O periodo experimental foi precedido de um periodo de adaptacao de tres dias. Durante o periodo experimental (50 a 70 dias de idade), os animais foram alojados em ninhada no ambiente 1 e em gaiolas individuais no ambiente 2.

Foram mensurados os pesos na entrada (50 dias de idade) e saida (70 dias de idade), alem do consumo de racao, por meio do controle do alimento fornecido dos 50 aos 70 dias de idade por recipientes colocados em cima da gaiola de cada animal ou ninhada. Por meio desses dados, foram avaliados o ganho de peso e a conversao alimentar dos coelhos pos-desmama. Para os animais criados em ninhada foi calculada a conversao alimentar do grupo (ninhada em cada gaiola). Cada animal teve a sua disposicao agua e racao a vontade. A racao foi formulada de acordo com as recomendacoes de Blas e Wiseman (1998).

Apos as avaliacoes geneticas com base no ganho de peso dos 50 aos 70 dias utilizando-se modelo animal e considerando como (co)variavel o tamanho da ninhada, os machos da geracao 2 foram classificados em cada ambiente e 110 foram selecionados para reproducao, sendo escolhidos animais que estavam entre os dez melhores, os dez intermediarios e os dez com menores valores geneticos em cada avaliacao, evitando parentesco entre os animais selecionados. Estes animais foram recriados e acasalados com femeas tomadas ao acaso, obtendo para cada macho em media seis ninhadas desmamadas que formaram a geracao 3. Todos os animais da geracao 3 foram criados em gaiolas coletivas.

Ao final do periodo experimental foram obtidos dados de desempenho de 2.294 animais dos quais 200 foram criados individualmente e 2.094 foram criados em gaiolas coletivas (Tabela 1), desses os netos (geracao 3) sao 1.887 animais. Considerando os animais das geracoes 1, 2 e 3 (avos, pais e netos) a matriz de parentesco envolveu 2.597 animais.

Os dados foram analisados por meio do software MTGSAM--Multiple Trait Gibbs Sampling in Animal Models (VAN TASSEL; VAN VLECK, 1995) que procede a estimacao Bayesiana por meio da tecnica de amostragem de Gibbs.

Para a realizacao das analises, foi utilizado um modelo animal que inclui o efeito genetico direto. Foi considerado tamanho de ninhada como (co)variavel para todas as caracteristicas, e ambiente, data de nascimento e sexo como efeitos fixos, os animais foram separados por grupos geneticos ou grupos de contemporaneos, formados com base nas datas de nascimento.

O ganho de peso e a conversao alimentar em cada ambiente (1 = ninhada e 2 = individual) foram considerados como caracteristicas distintas: ganho de peso de animais criados no ambiente 1 (GP1), ganho de peso dos animais criados no ambiente 2 (GP2), conversao alimentar dos animais criados no ambiente 1 (CA1) e conversao alimentar dos animais criados no ambiente 2 (CA2).

Para a selecao dos machos que entraram em reproducao utilizou-se analise unicarater.

Para a realizacao do teste final de desempenho de todos os animais, foram realizadas seis analises bicarater, sendo elas compostas por combinacoes das caracteristicas avaliadas (GP1GP2, CA1CA2, GP1CA1, GP1CA2, GP2CA1 e GP2CA2), obtendo assim as estimativas para componentes de (co)variancias e herdabilidades, tambem como meritos geneticos, que foram utilizados na avaliacao do experimento.

As avaliacoes geneticas resultaram em meritos geneticos para os animas em cada caracteristica, o que possibilitou o calculo da correlacao genetica entre as caracteristicas avaliadas nas analises bicarater.

O modelo animal utilizado para avaliacao genetica animal foi:

Y = X[beta] + [Z.sub.1]a [epsilon]

em que:

Y e o vetor de observacoes;

X e matriz de incidencia dos efeitos fixos;

[beta] e o vetor dos efeitos fixos;

[Z.sub.1] e a matriz de incidencia do valor genetico aditivo; a e o vetor dos efeitos geneticos aditivos do coelho; [epsilon] e o vetor dos erros aleatorios associados as observacoes do vetor Y.

Admitiu-se a seguinte distribuicao normal multivariada:

[MATHEMATICAL EXPRESSION NOT REPRODUCIBLE IN ASCII]

sendo V a matriz de (co) variancia fenotipica = [Z.sub.1]G[Z.sub.1] + R;

em que:

G e a matriz de (co) variancia genetica aditiva,

G = A[[sigma].sup.2.sub.a] dada por:

A e a matriz de coeficientes de parentesco;

[[sigma].sup.2.sub.a] a e o componente de variancia genetica aditiva;

R e a matriz de variancia e (co) variancia residual, dada por: [I.sub.n[[sigma].sup.2.sub.e]

[I.sub.n] e uma matriz identidade de ordem igual ao numero de observacoes;

[[sigma].sup.2.sub.e] e o componente de variancia residual.

Para realizacao deste trabalho, foram utilizados, nas analises, varios tamanhos de cadeias de Gibbs, conforme necessidade de convergencia das cadeias, no entanto todas as analises tiveram um descarte inicial dos primeiros 500.000 ciclos (burn-in), com uma amostragem a cada 1.000 ciclos (thinning interval) gerando de 1.000 a 10.000 amostras dos componentes de variancias e valores geneticos para cada animal conforme a caracteristica. De acordo com Van Tassel e Van Vleck (1995), procedimentos de retiradas de amostras a grandes intervalos asseguram que a correlacao entre as amostras seja nula ou muito pequena.

A convergencia das cadeias de Gibbs para distribuicoes estacionarias foi testada por meio dos testes de diagnostico de Geweke e de Heidelberger & Welch, disponiveis no CODA (Convergence Diagnosis and Output Analysis), implementado no software R (R DEVELOPMENT CORE TEAM, 2004). Foram construidos intervalos de credibilidade para todos os componentes de (co)variancia estimados.

Resultados e discussao

As estatisticas descritivas dos dados utilizados nas analises do experimento estao descritas na Tabela 1.

Scapinello et al. (2000), objetivando estudar a inclusao de feno do terco superior da rama da mandioca para coelhos em crescimento, obtiveram ganhos de peso de 620 a 720 g e conversao alimentar de 3,26 a 3,68; Arruda et al. (2000), avaliando porcentagem de amido dietetico sobre a atividade microbiana cecal, encontraram os valores para ganho de peso de 679,2 a 708,4 g e 3,22 a 4,03 para conversao alimentar, ja Oliveira e Almeida, (2002), trabalhando com desempenho de coelhos em crescimento criados em diferentes densidades populacionais, encontraram ganhos que variam de 740 a 780 g e 3,56 a 3,68 em conversao alimentar, enquanto que Furlan et al. (2003), testando a utilizacao do milho, processado ou nao por extrusao, na alimentacao de coelhos em crescimento, encontraram os valores para ganho de peso de 764,4 a 798,6 g e conversao alimentar de 3,45 a 3.60, o que corrobora os valores encontrados no presente estudo (Tabela 1), estando os mesmos proximos aos encontrados em literatura.

As estimativas de herdabilidade para as caracteristicas de ganho de peso e conversao alimentar nos dois ambientes testados estao descritas na Tabela 2.

Observa-se que as estimativas de herdabilidade de todas as caracteristicas foram proximas e de media a alta magnitudes permitindo assim o uso dessas caracteristicas em programas de selecao.

Para o ganho de peso nos dois ambientes, as herdabilidades estimadas neste trabalho nao diferem quando comparadas aos valores das estimativas encontradas por Santos et al. (2006) de 0,33 e 0,47 para ambiente 1 e 2, e das obtidas por Garrido (2001) de 0,38 e 0,35 para ambiente 1 e 2. Moura et al. (1991) afirmam que a herdabilidade para ganho de peso em coelhos encontrada na literatura deve estar entre 0,34 e 0,60, o que vem a corroborar os resultados encontrados. Simonelli (1996), McNitt e Lukefahr (1996) e Su et al. (1999), encontraram estimativa de herdabilidade para ganho de peso em coelhos em torno de 0,17.

Para a caracteristica conversao alimentar as estimativas de herdabilidades foram de 0,47 e 0,60 para os ambientes 1 e 2 respectivamente, Garrido (2001) trabalhando com coelhos testados logo apos a desmama e criados em gaiolas individuais encontrou herdabilidade para a conversao alimentar de 0,68. No entanto, Garrido (2001) utilizou dados de animais criados em gaiolas individuais e nao considerou desempenho de parentes criados em gaiolas coletivas, enquanto, no presente estudo considerou-se os desempenhos das progenies criadas em gaiolas coletivas, alem das progenies criadas em gaiolas individuais, o que influenciou na classificacao dos progenitores criados no ambiente individual, e no valor da herdabilidade da caracteristica.

As correlacoes geneticas entre ganho de peso e conversao alimentar nos dois ambientes (0,68 e 0,56), sao moderadas, o que sugere que parte dos reprodutores tem progenies que apresentam desempenho semelhante para ganho de peso tanto nos animais mantidos em ninhadas como mantidos em gaiolas individuais (Tabela 3). Porem, alguns reprodutores tem progenies que possivelmente nao conseguem adaptar-se ao ambiente diferenciado (gaiola individual), apresentando ganho de peso inferior, devido a interacao entre o genotipo do animal e o ambiente em que ele e mantido.

Avaliacao genetica e performance em coelhos

A correlacao genetica entre o ganho de peso e a conversao no ambiente 1 e alta e negativa (-0,60) o que tambem e observado quanto a correlacao para ganho de peso e conversao alimentar no ambiente 2 (-0,70), ou seja, selecionando-se coelhos com base em sua conversao alimentar em qualquer dos ambientes, o ganho de peso de suas progenies quando criadas no mesmo ambiente dos pais tende a aumentar. Isto, em consequencia da conversao alimentar ser inversamente proporcional ao ganho de peso.

Simonelli (1996) e Garrido (2001) encontraram correlacao genetica muito baixa, de 0,01 e 0,06, respectivamente entre o ganho de peso e conversao alimentar de coelhos criados em gaiolas coletivas. Isto sugere que a maioria dos genes que influencia o ganho de peso nao necessariamente influencia a conversao alimentar.

As correlacoes geneticas observadas para ganho de peso em um ambiente e conversao alimentar em outro foram negativas, (sendo -0,39 para [r.sub.GP1xCA2] e -0,48, para [r.sub.GP2xCA1]). Como o interesse e a diminuicao do valor da conversao alimentar, o resultado vem demonstrar que se pode lancar mao desta caracteristica em programas de melhoramento visando a melhora do ganho de peso.

As correlacoes fenotipicas seguiram o comportamento das correlacoes geneticas, ou seja, para correlacao entre ganho de peso e conversao alimentar nos dois ambientes foram 0,30 e 0,17, respectivamente. Garrido (2001) encontrou correlacao fenotipica para ganho de peso nos dois ambientes de 0,25, sendo muito proximo ao obtido no presente trabalho. A correlacao fenotipica entre ganho de peso e conversao alimentar no ambiente 1 foi negativa (-0,75) como para o ambiente 2 (-0,44). Sendo de interesse diminuir a conversao alimentar e aumentar o ganho de peso.

As correlacoes fenotipicas para as caracteristicas ganho de peso em um ambiente e a conversao alimentar em outro, foram negativas, porem baixas ou quase nulas, sendo -0,054 para [r.sub.GP1xCA2] e -0,041 para [r.sub.GP2xCA1].

Ocorreu alta correlacao genetica (0,68) entre o ganho de peso nos dois ambientes avaliados. A selecao para ganho de peso em algum dos ambientes, para suas proles serem criadas em outro, permite uma resposta significativa. O que tambem foi observado para conversao alimentar, ou seja, selecionando-se reprodutores com base na conversao alimentar em gaiolas individuais, quando suas progenies serao criadas em gaiolas coletivas, elas obterao uma resposta significativa.

A Tabela 3 apresenta as estimativas dos componentes de (co)variancia genetica aditiva para as caracteristicas avaliadas e seus respectivos intervalos de credibilidade em nivel de 90%.

Garrido (2001) encontrou estimativas de componentes de variancia para efeito genetico direto para ganho de peso nos dois ambientes de 124,11 e 113,18, demonstrando baixa variacao, diferente das estimativas aqui encontradas, de 4.158,0 e 6.708,0 com intervalo de credibilidade de 3.202,87-5.198,0 e 3.300,61-11.290,0 em nivel de 90%, respectivamente, diferindo tambem na covariancia encontrada entre o ganho de peso nos dois ambientes, que foi de 76,87, enquanto, no presente trabalho foi estimada em 2.242,0, com intervalo de credibilidade de 785,23-3.736,0, como observado na Tabela 4.

As estimativas para os componentes de variancia genetica aditiva para conversao alimentar nos dois ambientes foram de 0,16 e 0,19 com intervalo de credibilidade de 0,13-0,20 e 0,14-0,24 respectivamente, e a covariancia para a conversao alimentar entre os dois ambientes foi baixa ou quase nula (0,04).

Na Tabela 5, estao descritas as estimativas dos componentes de (co)variancia fenotipica para as caracteristicas ganho de peso e conversao alimentar. Garrido (2001) encontrou estimativas para o componente de variancia fenotipica para ganho de peso de 345,33 e 290,97 nos dois ambientes, respectivamente.

Conclusao

O uso do teste de desempenho em gaiolas individuais tanto para ganho de peso como para conversao alimentar, pode resultar em progresso genetico, quando as progenies forem criadas em ambiente coletivo.

Received on February 2, 2009. Accepted on December 9, 2009.

Referencias

ARRUDA, A. M. V.; CARREGAL, R. D.; FERREIRA, R. G. Desempenho produtivo e atividade microbiana cecal de coelhos alimentados com dietas contendo diferentes niveis de amido. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 29, n. 3, p. 762-768, 2000.

BLAS, C.; WISEMAN, J. The nutrition of the rabbit. Cambridge: CABI Publishing, 1998.

FURLAN, A. C.; MONTEIRO, R. T.; SCAPINELLO, C.; MOREIRA, I.; MURAKAMI, A. E.; OTOTUMI, L. K.; SANTOLIN, M. L. R. Valor nutritivo e desempenho de coelhos em crescimento alimentados com racoes contendo milho extrusado. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 32, n. 5, p. 1157-1165, 2003.

GARRIDO, D. A. D. Parametros geneticos e fenotipicos para caracteristicas de desempenho de coelhos da raca Nova Zelandia Branca, usando inferencia Bayesiana. 2001. 74f. Dissertacao (Mestrado em Zootecnia)-Universidade Estadual de Maringa, Maringa, 2001.

GIANOLA, D.; FERNANDO, R. L. Bayesian methods in animal breeding theory. Journal of Animal Science, v. 63, p. 217-244, 1986.

KHALIL, M. H.; OWEN, J. B.; AFIF, E. A. A genetic analysis of litter traits in Bouscat and Giza White rabbits. Animal Production, v. 45, n. 1, p. 123-134, 1987.

MARTINS, E. N.; SILVA, M. A.; LOPES, P. S.; REGAZZI, A. J.; RAGGI, L. A. Desenvolvimento de um sistema para simulacao de populacao de coelhos. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 26, n. 2, p. 272-282, 1997.

McNITT, J. I.; LUKEFAHR, S. D. Genetic and environment parameters for postweaning growth traits of rabbits using an animal model. In: WORLD RABBIT CONGRESS, 6., 1996, Toulouse. Proceedings ... Toulouse: AFC/INRA, 1996. v. 2, p. 325-329.

MOURA, A. S. A. M. T.; POLATRE, R.; CARMELO, M. J. Genetic study of individual performance from weaning to slaughter in selecta rabbits. Journal of Applied Rabbit Research, v. 14, p. 228-234, 1991.

OLIVEIRA, M. C.; ALMEIDA, C. V. Desempenho de coelhos em crescimento criados em diferentes densidades populacionais. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinaria e Zootecnia, v. 54, n. 5, p. 530-533, 2002.

POLASTRE, R. Selecao em coelhos para o desempenho da ninhada e crescimento individual: estimacao e ponderacao de efeitos geneticos direto e materno. 1990. 124f. Tese (Livre Docencia)-Faculdade de Medicina Veterinaria e Zootecnia, Universidade Estadual Paulista "Julio de Mesquita Filho", Botucatu, 1990.

POLASTRE, R.; MOURA, A. S. A. M. T.; PONS, S. S. Expectativa de um programa de selecao em massa para taxa de crescimento individual em coelhos a raca Selecta. Revista da Sociedade Brasileira de Zootecnia, v. 21, n. 1, p. 45-46, 1992.

R DEVELOPMENT CORE TEAM. R: a language and environment for statistical computing. Vienna: R Foundation for Statistical Computing, 2004.

SAKAGUTI, E. S. Utilizacao de tecnicas de analise multivariada na avaliacao de cruzamentos dialelicos em coelhos. 1994. 181f. Dissertacao (Mestrado em Zootecnia)-Universidade Federal de Vicosa, Vicosa, 1994.

SANTOS, A. L.; MARTINS, E. N.; SCAPINELLO, C. Evaluation of the genotype x environment interaction in weight gain of rabbits submitted to two different environments. In: WORLD CONGRESS ON GENETICS APPLIED TO LIVESTOCK PRODUCTION, 8., 2006, Belo Horizonte. Proceedings ... Belo Horizonte: Instituto Prociencia, 2006. (CD ROOM).

SCAPINELLO, C.; FALCO, J. E.; FURLAN, A. C.; FARIA, H. G. Desempenho de coelhos em crescimento alimentados com diferentes niveis de feno da rama da mandioca (Manihot esculenta, Crantz). Ciencia Rural, v. 30, n. 3, p. 493-497, 2000.

SIMONELLI, S. M. Estimacao de parametros geneticos e fenotipicos de caracteristicas posdesmama em coelhos. 1996. 21f. Monografia (Graduacao em Zootecnia)-Universidade Estadual de Maringa, Maringa, 1996.

SU, G.; KJAER, I. B.; SORENSEN, P. Estimatives of genetic parameters in danihs white rabbits using an animal model: I growth and carcass traits. World Rabbit Science, v. 7, n. 2, p. 59-64, 1999.

VAN TASSEL, C. P.; VAN VLECK, L. D. A manual for use of MTGSAM: a set of Fortran programs to apply gibbs sampling to animal models for variance component estimation (DRAFT). Lincoln: Department of Agriculture /Agricultural Research Service, 1995.

License information: This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.

DOI: 10.4025/actascianimsci.v32i1.6262

Alexandre Leseur Santos *, Claudio Scapinello, Elias Nunes Martins, Fernanda Granzotto, Meiby Carneiro Paula e Andre Marubayashi Hidalgo

Programa de Pos-graduacao em Zootecnia, Universidade Estadual de Maringa, Av. Colombo, 5790, 87020-900, Maringa, Parana, Brasil. * Autor para correspondencia. E-mail: aleseur@gmail.com
Tabela 1. Estatistica descritiva para as caracteristicas ganho de
peso (g) (GP) e conversao alimentar em ambos os ambientes.

Table 1. Descriptive statistics for weight gain and feed-to-gain
ratio for each environment.

                                 Coeficiente    Erro
                                 variacao       Padrao

Caracteristica   Media    N      Coefficient    Standard
Traits           Mean     N      of variation   error

GP1              712,51   2094   14,88          2,37
GP2              787,00   200    13,63          7,58
CA1              3,89     2094   14,83          0,01
CA2              3,76     200    12,17          0,03

Tabela 2. Estimativas de herdabilidade para as caracteristicas
ganho de peso (GP) e conversao alimentar (CA) e respectivos
intervalos de credibilidade (p = 0,9) e desvio-padrao em cada
ambiente.

Table 2. Estimates of heritability for weight gain and feed-to-gain
ratio and their respective confidence intervals (p = 0.9) and
standard deviation for each environment.

                             Intervalo de    Desvio-
Caracteristicas     Medias   Credibilidade   padrao

                             Confidence      Standard
Traits              Means    intervals       deviation

[h.sup.2.sub.GP1]   0,42     0,34--0,50      0,0492
[h.sup.2.sub.GP2]   0,56     0,31--0,83      0,1591
[h.sup.2.sub.CA1]   0,47     0,40--0,53      0,0469
[h.sup.2.sub.CA2]   0,60     0,48--0,69      0,0693

Tabela 3. Estimativas de correlacoes geneticas e fenotipicas para
as caracteristicas ganho de peso e conversao alimentar, em cada
ambiente.

Table 3. Estimates of genetic and phenotypic correlations for
weight gain and feed-to-gain ratio, in each environment.

                    Correlacao    Correlacao
Correlacoes         Genetica *    Fenotipica

                    Genetic       Phenotypic
Correlations        Correlation   Correlation

[r.sub.GP1 x GP2]        0,679         0,301
[r.sub.CA1 x CA2]        0,558         0,170
[r.sub.GP1 x CA1]       -0,600        -0,746
[r.sub.GP1 x CA2]       -0,391        -0,054
[r.sub.GP2 x CA1]       -0,476        -0,041
[r.sub.GP2 x CA2]       -0,704        -0,438

                    Correlacao    Intervalo de
Correlacoes         Genetica **   Credibilidade

                    Genetic       Confidence
Correlations        Correlation   Interval **

[r.sub.GP1 x GP2]        0,439     0.164 -  0.693
[r.sub.CA1 x CA2]        0,229     0.043 -  0.408
[r.sub.GP1 x CA1]       -0,641    -0.708 - -0.558
[r.sub.GP1 x CA2]       -0,073    -0.267 -  0.125
[r.sub.GP2 x CA1]       -0,069    -0.212 -  0.076
[r.sub.GP2 x CA2]       -0,436    -0.606 - -0.235

* Calculada a partir dos valores geneticos preditos; ** Calculada
a partir das estimativas dos componentes de (co)variancia;
[r.sub.YxZ] correlacao entre as caracteristicas avaliadas.

* Calculatedfrom the predicted breeding values; ** Calculated from the
estimates of (co)variance; [r.sub.YxZ] correlation between
the traits evaluated.

Tabela 4. Estimativas dos componentes de (co)variancia genetica
e respectivos intervalos de credibilidade (p = 0,9) e desvio-padrao
para o efeito genetico aditivo das caracteristicas ganho de peso e
conversao alimentar (CA) em cada ambiente.

Table 4. Estimates of the components of genetic (co)variances and
their respective confidence intervals (P = 0.9) and standard deviation
for the additive genetic effect of weight gain and feed-to-gain ratio
in each environment.

                                                   Intervalo de
(co)Variancias                     Media          Credibilidade

                                                     Confidence
(co)variances                      Means              intervals

[[sigma].sup.2.sub.GP1]          4.158,0    3.202,87 - 5.198,00
[[sigma].sup.2.sub.GP2]         6.708,00   3.300,61 - 11.290,00
[[sigma].sup.2.sub.CA1]             0,16            0,13 - 0,20
[[sigma].sup.2.sub.CA2]             0,19            0,14 - 0,24
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x GP2]   2.242,00      785,23 - 3.736,00
[[sigma].sup.2.sub.CA1 x CA2]       0,04          0,007 - 0,073
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x CA1]     -16,53        -21,95 - -11,81
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x CA2]     -2,798      -10,1697 - 4,6110
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA1]    -2,4787       -7,8995 - 2,5090
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA2]   -22,7924         -41,45 - -7,89

(co)Variancias                  Desvio-padrao

                                    Standard
(co)variances                     deviations

[[sigma].sup.2.sub.GP1]               607,50
[[sigma].sup.2.sub.GP2]             2.455,00
[[sigma].sup.2.sub.CA1]                0,021
[[sigma].sup.2.sub.CA2]                0,032
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x GP2]         893,30
[[sigma].sup.2.sub.CA1 x CA2]          0,020
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x CA1]          3,078
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x CA2]          4,493
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA1]           3,20
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA2]          10,29

[[sigma].sup.2] variancia e a covariancia para as caracteristicas
avaliadas.

* [[sigma].sup.2] variance and O covariancefor the traits evaluated.

Tabela 5. Estimativas dos componentes de (co)variancia
fenotipica e respectivos intervalos de credibilidade (p = 0,9) e
desvio-padrao para o efeito genetico aditivo das caracteristicas
ganho de peso e conversao alimentar (CA) em cada ambiente.

Table 5. Estimates of the components of phenotype (co)variances and
their respective confidence intervals (p = 0.9) and standard deviation
or the additive genetic effect of weight gain and feed-to-gain ratio in
each environment.

                                                   Intervalo de
(co)Variancias                     Media          Credibilidade

(co)variances                       Means    Confidence intervals

[[sigma].sup.2.sub.GP1]           9.966,0     9.345,06 - 10.640,0
[[sigma].sup.2.sub.GP2]          11.880,0     9.803,61 - 1.4420,0
[[sigma].sup.2.sub.CA1]             0,340           0,318 - 0,357
[[sigma].sup.2.sub.CA2]             0,310           0,261 - 0,353
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x GP2]     2856,00       -2846,72 - 7823,0
[[sigma].sup.2.sub.CA1 x CA2]       0,055         0,0008 - 0,0956
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x CA1]   -45,25120         -48,74 - -41,90
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA2]       -2,79           -14,05 - 8,45
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA1]     -2,3675            -9,43 - 4,70
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA2]   -38,81460         -51,76 - -27,12

(co)Variancias                  Desvio-padrao

                                     Standard
(co)variances                      deviations

[[sigma].sup.2.sub.GP1]                397,10
[[sigma].sup.2.sub.GP2]              1.416,00
[[sigma].sup.2.sub.CA1]                 0,014
[[sigma].sup.2.sub.CA2]                 0,033
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x GP2]         3511,00
[[sigma].sup.2.sub.CA1 x CA2]           0,033
[[sigma].sup.2.sub.GP1 x CA1]           2,062
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA2]           6,924
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA1]           4,320
[[sigma].sup.2.sub.GP2 x CA2]           7,505

[[sigma].sup.2] variancia e a covariancia para as caracteristicas
avaliadas.

* [[sigma].sup.2] variance and Ocovariance for the traits evaluated.
COPYRIGHT 2010 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2010 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Santos, Alexandre Leseur; Scapinello, Claudio; Martins, Elias Nunes; Granzotto, Fernanda; Paula, Mei
Publication:Acta Scientiarum Animal Sciences (UEM)
Date:Jan 1, 2010
Words:4513
Previous Article:Agronomic and nutritional characterstics of Marandu grass from the application of liquid slaughterhouse effluent/Caracteristicas agronomicas e...
Next Article:Royal jelly production in Africanized honeybee colonies considering different protein supplements and the influence of environmental factors/Producao...
Topics:

Terms of use | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters