Printer Friendly

Ferruginous Cangas: pedagogical proposal about the conservation necessity of a threatened ecosystem/ Cangas ferruginosas: proposta pedagogica sobre a necessidade de conservacao de um ecossistema ameacado/Cangas ferruginosas: propuesta pedagogica sobre la necesidad de conservacion de un ecosistema amenazado.

1 INTRODUCAO

A questao ambiental, diante do molde socioeconomico de producao em massa, oriunda da revolucao industrial, tem sido materia de discussao constante (GOUDIE, 2000). As diversas atividades de producao proporcionaram a sociedade ganhos em desenvolvimento, porem, acompanhados de elevados custos. Os ganhos proporcionados pelos meios de producao dominantes culminaram com a apropriacao dos lucros por uma minoria local, enquanto que os problemas ambientais resultantes foram socializados em escala global (DUTCH COMMITTEE FOR LONG-TERM ENVIRONMENTAL POLICY, 1994). As disparidades sociais e os consequentes impactos ambientais decorrentes do modelo hegemonico de desenvolvimento propiciaram problemas socioambientais (VANCLAY, 2003).

A educacao ambiental (EA), enquanto campo epistemologico, surge nesse contexto com o proposito de fornecer subsidios teoricos, mas tambem como uma acao pratica por meio da qual as pessoas se apropriam do mecanismo funcional do meio ambiente natural, dependendo dele, afetando-o e promovendo a sua sustentabilidade (DIAS, 2004). De acordo com o Artigo 225 da Constituicao Brasileira de 1988, todos tem direito a um meio ambiente ecologicamente equilibrado, sendo esse um bem de uso comum do povo e essencial a sadia qualidade de vida. Com isso, a Constituicao impoe ao poder publico e a coletividade o dever de defender o meio ambiente e de preserva-lo para as presentes e futuras geracoes (BRASIL, 1988).

Destarte, a promocao de uma sociedade consciente de suas acoes, as quais geram consequencias para o meio ambiente, torna-se materia cada vez mais relevante e necessaria. Isso coloca em evidencia o desafio de atingir a reflexao dos seres humanos, sobretudo dos mais jovens e em formacao, com o proposito de que, num futuro nao muito distante, eles interfiram de forma positiva em suas relacoes com o ambiente. Dessa forma, o trabalho de educacao e conscientizacao das futuras geracoes que estao construindo seu entendimento de mundo se mostra como efetiva e fundamental via de atuacao (HODSON, 2003). Ao encontro desse proposito, surgem os programas de pos-graduacao em Ensino de Ciencias ligados a instituicoes de ensino superior, cujo proposito de desenvolver pesquisas nessa area do conhecimento entra em consonancia com a funcao de fornecer suporte e apoio as escolas de ensino basico.

Este trabalho tem o objetivo de capacitar docentes da educacao basica e fornecer subsidios para que os alunos tenham acesso a um conhecimento diversificado sobre ecossistemas brasileiros. Por meio da parceria entre o Mestrado Profissional em Ensino de Ciencias (MPEC) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e o Instituto Pristino foi elaborada uma cartilha que envolve o tema referente aos ecossistemas ferruginosos, tambem conhecidos como cangas. Essa cartilha e um produto com fins educacionais, desenvolvida com rigor cientifico, linguagem adequada e com qualidade grafica. Ela permite a difusao do tema do meio ambiente em diferentes anos do ensino fundamental, servindo como material pedagogico suplementar aos livros didaticos.

2 POR QUE CONHECER AS CANGAS?

Embora o pais apresente diversidade biologica impar, apenas os mais abrangentes ecossistemas sao trabalhados e discutidos sob a perspectiva de ensino nas escolas nacionais: a Amazonia, a Mata Atlantica, o Cerrado, os Pampas e a Caatinga--estes tres ultimos campestres e aqueles florestais. Dessa forma, os ecossistemas em areas restritas permanecem desconhecidos da sociedade, embora fundamentais ao ciclo da vida de muitas especies e aos servicos ecossistemicos relevantes (JACOBI et al., 2007). Entre os muitos fatores associados a esse desconhecimento, talvez um dos mais contundentes seja o negligenciamento no processo de difusao do conhecimento cientifico. Isso pode ter alguma relacao com o atual sistema de avaliacao das pesquisas e dos pesquisadores nacionais, embora acoes afirmativas em divulgacao e popularizacao cientifica tenham sido colocadas em pratica pela Capes nos ultimos anos. Ainda assim, e preciso aprofundar a reflexao sobre a popularizacao do ensino de Ciencias (REGO, 2014).

Dentre esses ecossistemas negligenciados, as cangas merecem destaque. Quando recorrer ao dicionario (1), o leitor ira encontrar os seguintes significados: "Peca de madeira que prende os bois pelo pescoco e os liga ao carro, ou arado; jugo"; "Opressao, sujeicao, jugo"; "Pau que carregadores poem aos ombros para suspender fardos"; "Antigo instrumento de suplicio us. em parte da Asia, formado por uma tabua com furos onde se prendia a cabeca e as maos dos condenados"; "Certo tecido de algodao". No entanto, no contexto deste trabalho, a terminologia "canga" sera abordada sob a otica de um ecossistema desenvolvido junto da rocha ferruginosa. A palavra original, itapanhoacanga, datada do seculo XIX, sofre uma reducao para a denominacao atual e no dicionario o conceito relacionado e "concentracao de hidroxidos de ferro na superficie do solo sob a forma de concrecoes, e que as vezes constitui um bom minerio de ferro".

As cangas formam extensas couracas posicionadas como ilhas de ferro em meio a uma matriz geologica formada ha bilhoes de anos. Ela representa uma das superficies expostas mais antigas do planeta. As couracas sao compostas por ate 90% de oxidos e hidroxidos de ferro. A temperatura da superficie pode atingir quase 70[degrees]C e contem solos muito acidos, rasos, com reduzidos indices de fertilidade (CARMO et al., 2012; CARMO; KAMINO, 2015).

No Brasil, quatro estados concentram a presenca das cangas: a) Minas Gerais: nas regioes do Quadrilatero Ferrifero (QF), do vale do rio Peixe Bravo e da bacia do rio Santo Antonio; b) Para: na regiao de Carajas; c) Bahia: no entorno do municipio de Caetite; e d) Mato Grosso do Sul: na regiao de Morraria de Urucum.

Devido as suas especificidades, o ecossistema ferruginoso apresenta elementos com caracteristicas adaptativas e evolutivas singulares, como e o caso das plantas metalofilas, capazes de sobreviver em solos com elevado teor de metais (JACOBI; CARMO, 2008). Alem disso, abriga especies endemicas e ameacadas de extincao, contando tambem com varios tipos de habitats, como cavernas, capoes de mata, fendas, lagoas (Figura 1A-C), entre outros (CARMO, 2010).

Registros arqueologicos foram identificados nas cangas como artefatos liticos e ceramicos feitos por povos antigos, alem de paleotocas (Figura 1D), que sao estruturas em forma de tunel, escavados por animais extintos, provavelmente tatus e preguicas gigantes. Ha ainda atributos historicos, dentre os quais se destaca a existencia de ruinas dos seculos XVIII e XIX em trechos da Estrada Real. Outrossim, nesse ecossistema, ainda sao encontradas muitas cavernas, que abrigam especies com elevado valor para a conservacao e para o conhecimento cientifico. Recentemente, foi descoberta em apenas uma dessas cavernas uma cigarra chamada Ferricixius davidii, classificada como um organismo troglobio, ou seja, que sobrevive apenas em ambiente subterraneo (FERREIRA et al., 2015), sendo entao de vital importancia a preservacao de seu habitat.

Os servicos ecossistemicos associados as cangas tambem sao de extrema relevancia ambiental, pois representam importantes areas de recarga hidrica (OLIVEIRA; JACQUES; SHINZATO, 2005). Isso se deve pela enorme quantidade de poros, fendas, fissuras, canais e cavidades existentes nesses substratos ferruginosos, que funcionam como verdadeiras esponjas, logo transferem com eficiencia a agua da chuva para o interior das montanhas. Nos ecossistemas ferruginosos do QF, encontramos as nascentes dos rios Piracicaba, Santa Barbara e Santo Antonio (Bacia do Rio Doce), dos rios das Velhas e Arrudas (Bacia do Rio Sao Francisco).

As cangas estao distribuidas em areas restritas e associadas a importantes depositos de minerio de ferro, o que desperta interesse economico em sua exploracao. Ao mesmo tempo, as unidades de conservacao de protecao integral ainda protegem uma parcela pouco representativa para a manutencao adequada dos processos ecologicos. Com o aumento da demanda por minerios, os impactos ambientais causados pela atividade da extracao tambem tendem a aumentar. Esses impactos podem ser classificados como diretos, de alta magnitude, e irreversiveis, sendo que um dos mais graves esta relacionado com a perda e a degradacao dos habitats naturais. De acordo com Carmo et al. (2012):

As maiores jazidas podem ter extensao (perimetro linear) de 30 km e profundidade de 0,5 km, em geral alcancando o lencol freatico. As cangas que recobrem a jazida sao descartadas na extracao do minerio, feita com o uso de milhares de toneladas de explosivos. No processo de extracao, o minerio e beneficiado e o material restante, com baixo teor de ferro (chamado de esteril), e descartado e armazenado em pilhas enormes ao lado das cavas de extracao. O processo de beneficiamento, por sua vez, quando feito por lavagem e peneiramento, gera o residuo conhecido como "polpa", de aspecto semelhante a lama. No Brasil, o metodo mais comum para a deposicao desta polpa sao barragens de contencao, com frequencia localizadas em vales naturais. Em muitos casos, a vegetacao destes vales--quase sempre formacoes florestais associadas a rede de drenagem--e degradada ou suprimida.

As jazidas, portanto as principais cavas de extracao, frequentemente estao situadas nos topos ou encostas de areas montanhosas de onde partem densas redes hidrograficas. O proprio geossistema ferruginoso constitui um aquifero, com alta capacidade de recarga e armazenamento de agua. Assim, o potencial de poluicao ao longo de todo o sistema e bastante elevado, quando ocorrem alteracoes de grande magnitude nas partes mais altas do relevo (CARMO et al., 2012, p. 53).

No QF, recentemente, aconteceu o maior desastre ambiental do Brasil, e um dos maiores do mundo, devido ao rompimento de uma barragem de rejeito de minerio de ferro, o que causou a degradacao de mais de 600 km de rios, incluindo o rio Doce e sua foz no oceano Atlantico (FOLHA DE S. PAULO, 2016).

Portanto, com base nessas caracteristicas geomorfologicas e biologicas, e importante pensar no uso responsavel e racional dos recursos naturais associados as cangas. Destaca-se nessas areas a possibilidade de obter grande quantidade de informacoes acerca de praticas, valores e estruturas das sociedades antigas, tornando sua preservacao um importante meio de conservacao do patrimonio de informacoes historicas. Todas essas informacoes cientificas justificam a importancia de estabelecer um dialogo com a sociedade, para que esta possa conhecer a importancia das cangas num contexto biologico, mas tambem social e economico. E a proposta de criacao de uma cartilha contendo parte dessas informacoes se caracteriza como um dos passos objetivados pela equipe cientifica.

3 A PARCERIA MPEC-UFOP E O INSTITUTO PRISTINO

Por meio de uma associacao entre docentes de quatro departamentos da UFOP, foi criada uma proposta diferenciada de mestrado profissional, cujo proposito era ofertar a professores das redes publica e privada, nos mais variados niveis de ensino, uma perspectiva de qualificacao, diferentemente das propostas ate entao existentes em outras universidades. Assim, o MPEC apresenta um projeto interdisciplinar com linhas de pesquisa voltadas a tres areas do conhecimento: Ciencias Biologicas, Quimica e Fisica, alem das Ciencias Humanas, que se correlacionam em todos os momentos a essas outras tres areas.

Uma das metas fundamentais do laboratorio de Ensino em Ciencias Moleculares, vinculado ao MPEC-UFOP, foi estabelecer parcerias com a sociedade civil organizada para o desenvolvimento de pesquisas. Para isso, estabeleceu uma cooperacao cientifica com o Instituto Pristino. Criado em junho de 2012, o Instituto Pristino tem como objetivo promover a defesa e conservacao do patrimonio natural, historico e cultural. Alem do uso racional dos recursos naturais, o instituto desenvolve pesquisas em diagnostico ambiental e conservacao da biodiversidade, oferece cursos de capacitacao tecnica, bem como prestacao de apoio tecnico-cientifico as instituicoes publicas. Entre as acoes esta ainda a socializacao gratuita do conhecimento produzido pela ciencia em uma linguagem de facil entendimento pela sociedade.

Uma cooperacao foi celebrada entre o MPEC-UFOP e o Instituto Pristino para desenvolver ferramentas de aporte pedagogico com o proposito de fortalecer o ensino de EA. O proposito central foi discutir sobre "a necessidade de conhecer para preservar", o uso racional dos recursos naturais e os impactos aos ecossistemas ferruginosos em decorrencia da extracao mineral. Essa discussao foi estimulada a partir do desenvolvimento e aplicacao de uma cartilha voltada para professores e alunos do ensino fundamental II, cujos detalhes sobre a construcao e avaliacao serao apresentados a seguir (2).

4 COMO SE DEU A CONSTRUCAO DA CARTILHA

A elaboracao de um ferramental de apoio para professores no ensino de Ciencias e condicao obrigatoria para a conclusao do programa do MPEC e deve acompanhar a dissertacao do aluno a ser titulado (Figura 2A). A Cartilha Canga representou esse produto.

Durante sua construcao, alem da obrigatoriedade de serem trabalhados os conceitos cientificos associados ao tema focal, de forma clara e precisa, a principal preocupacao da equipe era tornar a cartilha atrativa aos alunos da educacao basica. Para isso, um dialogo preliminar foi estabelecido, na tentativa de compreender como os alunos teriam melhor aproveitamento do aprendizado. A solucao se deu a partir de uma demanda proveniente dos alunos de uma escola publica de Joao Monlevade (MG), na qual a mestranda do MPEC Jalula Maria Lage Macia atuava como docente. Quando questionados sobre a maneira com a qual gostariam de aprender, alunos do 6[degrees] a 9[degrees] anos responderam, majoritariamente, "Com aulas interativas!", "Com diversao!", "Fazendo atividades!" e "Dialogando!". A partir do desafio em satisfazer esses desejos, a elaboracao da cartilha foi estabelecida como base em avaliacao e interacao, no intuito de que o aprendizado ocorresse em uma relacao horizontal, dialogica e reciproca (BORGES; ROCHA FILHO; BASSO, 2008). Nesse contexto, o aluno tera a oportunidade de conhecer e compreender sobre o conteudo, alem de refletir a respeito da intervencao sobre a realidade em que esta inserido (SANTOS, 2007). Dessa forma, privilegia-se o desenvolvimento de sua autonomia e moral (RASERA; NARDI, 2010).

Em um segundo momento, foi realizada uma pesquisa a respeito dos subtemas que seriam associados ao tema focal. Por meio de sugestoes dos alunos, os textos para cada tematica foram elaborados pela equipe tecnica (MPEC-Pristino). Estes eram sempre acompanhados de atividades e ilustracoes que reproduzissem em muitos aspectos a realidade do contexto no ecossistema de canga. Com a perspectiva de tornar o material adequado a linguagem dos alunos, escolheu-se uma personagem para protagonizar, explicar e apresentar esses atributos, permitindo intensificar o significado dos conceitos e dos temas abordados. Denominado "Ecocereus", a personagem representa um signo desenhado a partir das caracteristicas morfologicas de uma especie de cacto endemico e ameacado de extincao, visualizados apenas nas cangas do QF, o Arthrocereus glaziovii (Figura 2B). Por isso a denominacao Eco = Ecologia e cereus = Arthrocereus.

Com o proposito de retribuir o empenho dos alunos, ao final da cartilha, uma carteirinha destacavel foi elaborada para instituir o status de agente ecologico ao discente participante. Finaliza-se assim a composicao dessa cartilha (Figura 2C). Isso permitiu a cada estudante concluinte dos estudos da cartilha assumir seu papel de agente ecologico. Assim, ele se torna um propagador de conhecimento cientifico e um defensor das cangas.

Desde a primeira ate a versao final, a participacao e o envolvimento dos alunos diante do material apresentado foram utilizados como recursos de melhoria de formatacao e redacao do conteudo trabalhado para a conclusao do material proposto. Para a diagramacao final e estruturacao das ilustracoes da cartilha, um profissional prestador de servicos foi contratado. Com o material finalizado e impresso, deu-se entao a aplicacao da cartilha e avaliacao do seu potencial como descrito a seguir.

E importante destacar que o desenvolvimento da cartilha nao se insere num projeto de codigo aberto (open source project). Desta forma, nao ha a possibilidade de o usuario contribuir com a edicao da cartilha, embora possa sugerir modificacoes, comunicando-se com a equipe que a desenvolveu. Embora a proposta de desenvolvimento da cartilha tenha se findado com sua conclusao, as acoes de divulgacao cientifica desenvolvidas pela parceria supracitada terao continuidade em outros projetos de acao educativa, a exemplo de palestras e eventos de capacitacao docente ja estabelecidos pelo Instituto Pristino e seus parceiros.

5 AS POTENCIALIDADES DA CARTILHA COMO FERRAMENTA PEDAGOGICA

A sequencia dos assuntos abordados na cartilha foi elaborada a partir de temas sugeridos pelos alunos, mas regida pela equipe tecnica por uma logica de aprofundamento e correlacoes tematicas. A cartilha e composta por uma breve introducao sobre a personagem Ecocereus, seu estilo de vida e onde e encontrada. Nas paginas seguintes, encontra-se a essencia da palavra "canga", seu significado e a abordagem sobre esse ecossistema unico. Compoem o material os conceitos de "solo", "agua", "flora" e "fauna". Todos abordados com linguagem simples e sempre acompanhados de dicas que procuram destacar e explicar algum tema especifico para que o leitor possa se manter atento ao texto. Mais ao final da cartilha, as principais ameacas as areas de canga, a importancia das unidades promotoras de conservacao desse ecossistema e os conflitos relacionados ao Parque Nacional da Serra do Gandarela sao apresentados.

Dessa maneira, da forma como foi estruturada, a cartilha fornece ao professor ou tutor, que busca introduzir o assunto em sala de aula, a potencialidade de estabelecer uma proposta hierarquica, mas tambem integrada, de ensino, como representado pelo mapa da Figura 3. Mesmo que a cartilha retrate as relacoes muito bem estabelecidas entre conceitos fundamentais e tema focal, a dinamica de aula, o interesse dos alunos e a disposicao dos professores-tutores podem nortear a expansao das tematicas a serem trabalhadas. Logo, essa cartilha passa a ser utilizada inclusive como uma proposta de livro paradidatico.

Outra potencialidade da cartilha e a diversidade de tarefas de fixacao e investigacao presente ao longo de suas paginas. Estas colocam em evidencia a discussao e reflexao sobre o conhecimento cientifico e suas acoes praticas ora pela presenca de perguntas abertas, ora pela simples oportunidade dada ao aluno para que expresse sua opiniao textualmente (3).

A partir das respostas oriundas dessas questoes ou opinioes, os professores certamente deparar-se-ao com diversas possibilidades de aprofundamentos, que permitam os alunos participarem ativamente da aula, dialogando e socializando o conhecimento.

Ao mesmo tempo, e de uma forma geral, a cartilha ainda traz consigo galerias de fotos da flora, fauna e unidades de conservacao associadas as cangas ferruginosas, para que o leitor aprecie a beleza e a importancia desse ecossistema num contexto mais amplo (Figura 4).

Pelo fato de algumas das especies presentes nas galerias serem endemicas e a maioria apresentarem risco elevado de extincao, outra potencialidade fica evidenciada: a de instigar os alunos a refletirem sobre a beleza e a importancia desses seres vivos no ecossistema e sobre as acoes que estao os dizimando. Isso permite ao aluno participante refletir sobre o uso consciente dos recursos naturais, colocando em evidencia a importancia de cada individuo (leitor) no processo de preservacao do meio ambiente.

Num contexto mais amplo, embora a cartilha tenha sido desenvolvida para alunos do ensino fundamental II, acreditamos que ela tenha um forte apelo para acoes de capacitacao de professores de toda a educacao basica. Muitos dos conceitos e discussoes presentes na cartilha fazem parte das propostas curriculares de ensino de Ciencias e podem ser trabalhados em outros niveis de ensino, dadas as devidas adaptacoes linguisticas e investigativas. Alem disso, o material pedagogico desenvolvido pode ser aplicado por educadores ambientais ao longo das atividades realizadas em unidades de conservacao que abrigam as cangas ferruginosas, como, por exemplo, o Parque Estadual da Serra do Rola Moca, o Parque Nacional de Gandarela, o Parque Municipal Mangabeiras e a Estacao Ecologica de Aredes. Algumas dessas areas protegidas ja recebem escolas ao longo do periodo de visitacao, com desenvolvimento de atividades educativas.

6 AVALIACAO DA QUALIDADE

Apesar de a aplicacao da cartilha se restringir a um conjunto pequeno de alunos (37), em uma proposta piloto, sem uma avaliacao qualitativa ou quantitativa criteriosa sobre o seu potencial e uso, o retorno desses envolvidos mediante respostas de entrevista semiestruturada refletiu a qualidade objetivada pela equipe MPEC-Pristino. Para a equipe multidisciplinar da escola em Joao Monlevade, a elaboracao e aplicacao da cartilha mudaram o comportamento e a rotina escolar durante o processo. Destacou-se tambem sua interferencia no habito dos alunos.

7 PERSPECTIVAS FUTURAS

Pelos resultados preliminares apresentados e por se tratar de um material diferenciado ao ensino de EA envolvendo o ecossistema de canga, duas acoes conjuntas e congruentes foram instituidas para serem implementadas em curto espaco de tempo, como propostas de continuidade cientifica pela equipe MPEC-Pristino: a) disponibilizacao da cartilha na integra via portal do Instituto Pristino para que qualquer docente possa fazer uso de seus recursos; e b) ampliacao do numero de escolas e alunos agraciados com a aplicacao e avaliacao orientada da cartilha. Isso permitira promover uma futura avaliacao quali-quantitativa da cartilha e de suas atividades com o devido rigor cientifico.

Numa perspectiva de medio prazo, ha a pretensao de disponibilizar esse material impresso em parques ambientais que possuam as cangas em sua constituicao (Parque Estadual da Serra do Rola-Moca, Estacao Ecologica de Aredes, Parque Estadual do Itacolomi, Parque Nacional da Serra do Gandarela, Parque Municipal das Mangabeiras e Parque Serra do Curral) e que ja possuam ou estao por implementar acoes de visitacao publica como uma alternativa potencial para difusao desse conhecimento cientifico. No mesmo contexto, essas versoes impressas serao trabalhadas em escolas que carecem de recursos de informatica ou acesso a rede mundial de computadores para obterem o arquivo digital.

8 CONSIDERACOES FINAIS

A proposta deste trabalho se torna unica pela divulgacao desse ecossistema por meio da abordagem da producao de uma cartilha sobre as areas de canga, trazendo para as novas geracoes sua importancia enquanto area de recarga hidrica e habitat de especies endemicas. Ao mesmo tempo, essa cartilha coloca em perspectiva de discussao e reflexao as ameacas a integridade do ecossistema de canga, uma vez que ocorre acao exploratoria da mineracao desenfreada, fruto de um consumismo exorbitante. Embora tenha um teor cientifico, o papel da cartilha vai alem da simples transmissao de conhecimento. A cartilha corrobora a perspectiva de elaboracao de outros materiais de apoio pedagogico que possam ser produzidos envolvendo outros biomas ou ecossistemas e que venham a contribuir para a EA, consequentemente, para uma futura preservacao do meio ambiente.

Sob a perspectiva de importancia das parcerias estabelecidas com o Instituto Pristino e com escolas de ensino basico, a cartilha reitera que estas podem ser bastante beneficas e produtivas, precisando ser incentivadas. A partir dessa reflexao, espera-se que programas de posgraduacao possam desenvolver propostas cada vez mais aplicadas a sociedade, pois a universidade e responsavel direta pelo fomento das pesquisas, e usuaria irrestrita de seu desenvolvimento.

Finalmente, mas nao menos importante, a divulgacao dessa proposta e os resultados desse projeto em meios de circulacao cientifica colocam em evidencia o produto e a parceria universidade-escolas no cenario nacional.

http://dx.doi.org/10.21713/2358-2332.2016.v13.1011

Agradecimentos

Os autores agradecem os alunos, diretor, coordenadores de ensino e professores do Centro Educacional de Joao Monlevade pelo apoio e suporte no desenvolvimento da cartilha. Agradecem ainda o Instituto Pristino e o MPEC/UFOP pela oportunidade que a parceria estabelecida proporcionou para a realizacao da pesquisa, culminando com o presente artigo.

Referencias

BORGES, R. M. R.; ROCHA FILHO, J. B.; BASSO, N. R. S. Avaliacao e interatividade na educacao basica em ciencias e matematica. Rio Grande do Sul: EdiPUCRS, 2008. 184 p.

BRASIL. Constituicao (1988). Constituicao da Republica Federativa do Brasil. Brasilia, DF: Senado Federal, 1988.

CARMO, F. F. Importancia ambiental e estado de conservacao dos ecossistemas de cangas no Quadrilatero Ferrifero e proposta de areasalvo para a investigacao e protecao da biodiversidade em Minas Gerais. 2010. 90 f. Dissertacao (Mestrado em Ecologia, Conservacao e Manejo da Vida Silvestre)--Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

CARMO, F. F. et al. Cangas: ilhas de ferro estrategicas para a conservacao. Ciencia Hoje, Rio de Janeiro, v. 295, p. 49-53, 2012.

CARMO, F. F.; KAMINO, L. H. Y. Geossistemas ferruginosos do Brasil: areas prioritarias para conservacao da diversidade geologica e biologica, patrimonio cultural e servicos ambientais. 1. ed. Belo Horizonte: 3i, 2015. 551 p. v. 1.

DIAS, G. F. Educacao ambiental: principios e praticas. 9. ed. Sao Paulo: Gaia, 2004. 541 p.

DUTCH COMMITTEE FOR LONG-TERM ENVIRONMENTAL POLICY. The environment: towards a sustainable future. The Hague: Kluwer Academic Publishers, 1994.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionario Aurelio da Lingua Portuguesa. Coordenacao Marina Baird Ferreira, Margarida dos Anjos. 4. ed. Curitiba: Positivo, 2009.

FERREIRA, R. L. et al. Biodiversidade subterranea em geossistema ferruginosos. In: CARMO, F. F.; KAMINO, L. H. Y. (Orgs.). Geossistemas ferruginosos do Brasil: areas prioritarias para conservacao da diversidade geologica e biologica, patrimonio cultural e servicos ambientais. 1. ed. Belo Horizonte: 3i, 2015.

GOUDIE, A. The human impact on the natural environment. 5. ed. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press, 2000.

HODSON, D. Time for action: science education for an alternative future. International Journal of Science Education, London, v. 25, n. 6, p. 645-670, 2003.

JACOBI, C. M. et al. Plant communities on ironstone outcrops: a diverse and endangered Brazilian ecosystem. Biodiversity and conservation, Dordrecht, v. 16, n. 7, p. 2185-2200, 2007.

JACOBI, C. M.; CARMO, F. F. Diversidade dos campos rupestres ferruginosos no Quadrilatero Ferrifero. Megadiversidade, Belo Horizonte, v. 4, p. 24-32, 2008.

MACIEL, J. M. L. Ecocereus e as multifuncoes ecologicas da canga: contribuicoes para educacao ambiental. 2016. 135f. Dissertacao (Mestrado em Ensino de Ciencias)--Instituto de Ciencias Exatas e Biologicas, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2016.

OLIVEIRA, G. S. R.; JACQUES, P. D.; SHINZATO, E. Projeto APA Sul RMBH: uso e cobertura da terra, mapas cobertura e uso da terra, escala 1:50.000. Belo Horizonte: SEMAD; CPRM, 2005.

RASERA, J. C. C.; NARDI, R. Ensino de ciencias e educacao moral: uma interface de implicacoes mutuas. Revista Iberoamericana de Educacion, Madrid, v. 53, n. 3, p. 1-12, 2010.

REGO, T. C. Produtivismo, pesquisa e comunicacao cientifica: entre o veneno e o remedio. Educacao e Pesquisa, Sao Paulo, v. 40, n. 2, p. 325-346, 2014.

SANTOS, W. L. P. Contextualizacao no ensino de ciencias por meio de temas CTS em uma perspectiva critica. Ciencia & Ensino, Campinas, v. 1, 2007. Numero especial.

TRAGEDIA no Rio Doce. Folha de S. Paulo, Sao Paulo, 27 abr. 2016. Disponivel em: <http://www1.folha.uol.com.br/especial/2015/tragediano-rio-doce/>. Acesso em: 2 nov. 2016.

VANCLAY, F. International principles for social impact assessment. Impact Assessment and Project Appraisal, Guildford, v. 21, n. 1, p. 5-11, 2003.

Recebido em 30/04/2016

Aprovado em 03/10/2016

Jalula Maria Lage Maciel, mestre em Ensino de Ciencias pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) e professora de laboratorio de Ciencias do Centro Educacional de Joao Monlevade (CEJM), Joao Monlevade, MG, Brasil. E-mail: jalulalm@yahoo.com.br.

Flavio Fonseca do Carmo, doutor em Ecologia, Conservacao e Manejo da Vida Silvestre pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e coordenador do Instituto Pristino, Belo Horizonte, MG, Brasil. E-mail: flavio@institutopristino.org.br.

Luciana Hiromi Yoshino Kamino, doutora em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e coordenadora do Instituto Pristino, Belo Horizonte, MG, Brasil. E-mail: luciana@ institutopristino.org.br.

Leandro Marcio Moreira, doutor em Bioquimica pela Universidade de Sao Paulo (USP) professor de Bioquimica e Biologia Molecular da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Ouro Preto, MG, Brasil. E-mail: lmmorei@gmail.com.

(1) FERREIRA, Aurelio Buarque de Holanda. Novo dicionario Aurelio da Lingua Portuguesa. Coordenacao Marina Baird Ferreira, Margarida dos Anjos. 4a. Edicao. Curitiba: Editora Positivo, 2009.

(2) A versao digital concluida da cartilha estara disponivel gratuitamente no endereco: http:/www.institutopristino. org.br/

(3) "O que voce ou sua familia tem feito para economizar agua?" "Redija um pequeno texto explicando por que, em sua opiniao, e importante proteger estas areas onde sao encontradas as paleotocas." "Voce acha que estamos usando racionalmente os recursos naturais presentes nesta regiao? De sua opiniao" "Se voce tivesse o poder de criar uma lei ambiental para prevenir paisagens como esta, o que voce sugeriria?"

Caption: Figura 1--Exemplos de habitats em cangas ferruginosas

Caption: Figura 2--Componentes da cartilha

Caption: Figura 3--Mapa hierarquico de conceitos que podem ser trabalhados a partir do tema focal "cangas ferruginosas"

Caption: Figura 4--Galerias de fotos obtidas em regioes de cangas ferruginosas
COPYRIGHT 2016 Coordenacao de Aperfeicoamento de Pessoal de Nivel Superior
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Experiencias
Author:Maciel, Jalula Maria Lage; do Carmo, Flavio Fonseca; Kamino, Luciana Hiromi Yoshino; Moreira, Leandr
Publication:Revista Brasileira de Pos-Graduacao
Article Type:Ensayo
Date:Sep 1, 2016
Words:4552
Previous Article:Sustainable territorial development: a new experience in the Atlantic Rain Forest/ Desenvolvimento territorial sustentavel: uma nova experiencia na...
Next Article:Contributions of the Graduate Program in Environmental Science and Conservation to the generation of scientific knowledge that promotes regional...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters