Printer Friendly

FROM THE THEME TO SAMBA'S AVENUE: THE VISIBILITY OF SCIENCE IN CARNIVAL/DO ENREDO A PASSARELA DO SAMBA: A VISIBILIDADE DA CIENCIA NO CARNAVAL.

Neste trabalho, tornamos visiveis alguns aspectos que tangem ao desfile de uma escola de samba e que possibilitam pensar/problematizar (1) os conceitos do campo da ciencia, especialmente o desfile da Unidos da Tijuca em 2004. Ao materializar nosso desejo de abordar e mostrar esse potente campo, damos visibilidade a ciencia em um desfile em que, muitas vezes, ela so e pensada, pouco escrita e pesquisada.

Foi importante perceber, em nossa pesquisa, que a ciencia tem sido recorrentemente interpelada nos desfiles das escolas de samba. Apos verificar e categorizar os desfiles desde sua genese, conforme apresentamos no artigo "Pontos de contato entre ciencia e o desfile de uma escola de samba" (Soares E Loguercio, 2016), observamos a existencia de tematicas ligadas a biografias, ciencia, educacao, energia, meio ambiente, saude e universo em quase todas as escolas e percebemos a existencia de conceitos cientificos, tais como ecossistema, biodiversidade, modelos atomicos, clonagem, cinematica, entre outros.

Dessa forma, poderiamos utilizar varias dessas tematicas para visibilizar a ciencia e seus contornos no desfile de uma escola de samba, o que, entretanto, demandaria muito tempo; sendo assim, refinamos nossa busca e observamos que apenas quatro sao realmente de cunho cientifico (Tabela 1). A Unidos da Tijuca, em 2004, se destaca dos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro, conforme Farias (2007), e e por isso que se torna util como fio condutor na construcao deste trabalho.

Desses quatro temas cientificos, o de 2006, do Academicos do Salgueiro aborda o universo que nao vemos, mas que se faz presente em nossa vida, dia a dia, na "maquina humana" e no interior que a compoe.

A Unidos de Vila Isabel, em 2007, tem como fio condutor as pesquisas de Darwin, e a escola mostrou as transformacoes sofridas pela humanidade em seu processo evolutivo.

A Unidos da Tijuca, no desfile de 2009, decifra o ceu e suas curiosidades por meio de mitos e lendas, bem como das explicacoes cientificas sobre a estrutura celestial e sua composicao.

O ultimo tema, abordado pela Unidos da Tijuca em 2004--"O sonho da criacao e a criacao do sonho: a arte da ciencia no tempo do impossivel"--e nosso guia neste trabalho e e por meio dele que observaremos a visibilidade da ciencia no desfile.

Analisamos todas as linguagens do desfile na perspectiva de Foucault (2007), que as ve como discursos que assujeitam, que interpelam e que mostram uma maneira de ver a ciencia. Elegemos a Unidos da Tijuca de 2004 por conta de ser visivel a ideia de transformacao que surge com forca na quimica e que nos serve de ponto de contato.

Para nos manter no proposito deste artigo remontamos, pela articulacao de diferentes aspectos, a construcao de um desfile ate sua apresentacao, pois, como Blass (2007, p. 38) sinaliza,
   A producao de um desfile de carnaval engloba multiplas atividades e
   tarefas individuais e coletivas que sao invisiveis e
   descentralizadas, combinando uma pluralidade de processos de
   trabalho que obedece a uma certa sequencia, embora sejam
   simultaneos e sincronicos (...). Esses processos ganham
   visibilidade publica pela primeira e, em geral, uma unica vez na
   sua totalidade, no momento do desfile.


Dessa forma, mostramos as diferentes linguagens que compoem um desfile de escolas de samba e que podem ser entendidas como parte da "didatizacao" do desfile e que sao "ensinadas" por sua execucao, em um ambiente diverso, de maneira prazerosa e que pode ter como efeito a constituicao de um saber da ciencia adquirido nesse espaco.

A PASSARELA DO SAMBA--SEU ESPACO

Nao pretendemos aqui marcar o nascimento da Marques de Sapucai no carnaval de 1984 nem tampouco (re)visitar os espacos que o antecederam, mesmo tendo sido eles palcos dos eventos que levaram ao que hoje temos em termos de desfile de escolas de samba.

Fazemos essa opcao porque, na perspectiva pos-critica, nao se buscam as origens como sendo as relacoes causais dos acontecimentos, evitamos mostrar uma "evolucao" ou ainda uma continuidade dos fatos, fugindo da linearidade como algo natural e nao construido. Mostramos o que nos interpela da Marques de Sapucai e quais desses aspectos constituem as praticas que auxiliam a "didatizacao" dos enredos apresentados.

Nesse sentido, olhamos a estetica da Passarela do Samba, suas nuancas, sua arquitetura, suas sensacoes, e qual e seu efeito nas escolas de samba, nos seus desfiles, na sua maneira de fazer seu carnaval, nos seus espectadores.

Segundo Harvey (2002, p. 69), "A aparencia (...) e o modo como os espacos se organizam formam uma base material a partir da qual e possivel pensar, avaliar e realizar uma gama de possiveis sensacoes e praticas sociais", sensacoes essas que sao percebidas pelos espectadores in loco ou pelos telespectadores, que observam o desfile atraves das cameras e das opcoes dos editores da televisao, ou seja, filtrado pelo que esses editores consideram importante mostrar. Seja de uma ou de outra perspectiva, temos as sensacoes e as praticas sociais.

Esses multiplos olhares (presenciais ou a distancia) produzem uma estrutura quase panoptica, em que tudo e visto por todos sempre e todos disciplinam todos, pois existem regras, existem olhares que mantem a maneira de desfilar e de confeccionar o desfile em funcao do local.

Assim, observamos a estetica da Avenida Marques de Sapucai nas figuras 1, 2 e 3.

E possivel intuir a extensao da pista de desfile e a visao do espectador que se encontra nas arquibancadas pela vista lateral, tanto das alegorias como das alas e dos demais atores do desfile. Essa visao lateral permite que se olhe a escola em seu sentido longitudinal, sendo, porem, necessaria "didatizacao" do tema proposto para a compreensao de quem assiste ao desfile, bem como dos jurados de alguns itens, como, por exemplo, o enredo--aspecto que faz parte do Manual do julgador. (2)

Nesse sentido, a forma de desfile sequencial com encadeamento das ideias, como em uma "aula", e um requisito tambem solicitado pela Avenida, alem do que afirmam os historiadores do carnaval (araujo, 2000; cabral, 2011; Cavalcanti, 2006; farias, 2007) quando narram a maneira de desfilar das escolas de samba, dos ranchos e grandes sociedades, haja vista que de outra forma seria inconcebivel pensar o desfile e compreende-lo. O fato de ser transmitido (3) para mais de 180 paises, com equipes de jornalistas espalhados desde a concentracao ate a dispersao, fazendo a cobertura do desfile, ala a ala, por todos os angulos, intensifica a necessidade de temas interessantes, bem desenvolvidos e com plastica compreensivel a todos ou a maioria.

Cabe-nos, entao, observar o aumento de tematicas educativas, ou com possibilidade de educar, sobre ciencia, o universo, educacao, biografias e outras, cruzando o Sambodromo todos os anos, instigando nossa expectativa de que algo do campo da ciencia possa ser aprendido nesse local, por meio dos argumentos e dos metodos ali utilizados para divulgacao daquilo que propoe cada agremiacao.

Para tanto, observaremos nos itens seguintes algumas partes que compoem os desfiles de uma escola de samba destacando como isso pode ser pensado e traduzido na linguagem do desfile (tema, musica e plastica), tornando-se argumento para a aquisicao de conhecimento.

A ESCOLHA DE UM TEMA

Antes de abordar propriamente o desfile de 2004 da Unidos da Tijuca, escolhida como objeto de nossa analise, vejamos a necessidade de existir um tema no carnaval, bem como algumas probabilidades que auxiliem sua escolha.

Para tanto, e importante observar que alguns autores (ARAUJO, 2000; CAVALCANTI, 2006; FERREIRA, 2004; FARIAS, 2007; CABRAL, 2011) marcam em seus trabalhos que nas primeiras decadas nao havia didatizacao dos tema selecionado para o desfile, mas que esse fato foi sendo revisto e, em 1952, o regulamento normatiza a existencia da fantasia nos desfiles, fato que auxilia a consolidacao do quesito enredo.

Dessa epoca em diante, verifica-se cada vez mais a necessidade da existencia de fios que auxiliem o relato de uma historia que, durante muitos anos, foi a do Brasil--aquela "legitima", relatada nos livros didaticos--e que depois passa por outras visoes, chegando mesmo a temas ja nao nacionais, o que estendeu o espectro de fatos historicos para realismos fantasticos, biografias, questoes de cunho geografico e tambem cientifico. Isso talvez seja efeito primeiramente da chegada de artistas ligados a Academia4 que trazem outra cultura, outro olhar para desenvolver as tematicas, proximos das metodologias de pesquisa academicas e das formas de narrativa.

Outros efeitos foram o aumento da abrangencia da discussao sobre as preocupacoes ambientais, com o surgimento de acordos internacionais e nacionais, a visibilidade nos espacos de midia, a ideia de enredos patrocinados--a partir de 1990, segundo Farias (2007)--, que efetivamente motivam as tematicas, no sentido de ser possiveis captadores de recursos, dando maior folego as escolas de samba para feitura do carnaval.

A Tabela 1, construida para este trabalho, categoriza quatro enredos como sendo de cunho cientifico. Essa pratica se intensifica na decada de 1980, aparecendo com mais frequencia na seguinte e alcanca mais destaque no inicio dos anos 2000, mantendo-se ate hoje.

A possibilidade de enredos patrocinados muda, em certa medida, a estetica do carnaval, pois aumentam os recursos financeiros e se instala a responsabilidade de divulgar as tematicas como atos discursivos serios, (5) nao mais ruidos ou ecos que perpassam os temas.

Dessa maneira, torna-se visivel o que ate entao apenas passava na Avenida, era cantado e se constituia em fantasia, mas de forma mais sutil. Agora, alguns conceitos da ciencia sao retratados de forma explicita, inaugurando outro estilo de pensar o carnaval, utilizando argumentos do campo da ciencia e suas criacoes para dar conta de narrar algo na intencao de trata-lo de forma seria nesse espaco antes jocoso.

Abordamos, portanto, o carnaval da Unidos da Tijuca de 2004, analisando o efeito dos temas ligados a ciencia, tao claramente explicita no enredo. E verdade que Paulo Barros, o responsavel pelo desenvolvimento da obra, nao criou a tematica sozinho. Estando em contato com a Casa da Ciencia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, percebeu ele, ainda em 2003, que haveria possibilidade de falar a respeito das criacoes da ciencia. Entrou, entao, em contato com os pesquisadores, fundindo o conhecimento do carnaval com os conhecimentos da ciencia, para que aquela se tornasse de fato uma tematica de cunho cientifico, marcando epoca em funcao da linguagem e de conceitos como DNA, modelos atomicos, historia da quimica, desejos da criacao humana e outros que atravessaram a Avenida.

Observemos a seguir os metodos de desenvolvimento desses temas e o modo como acontecem as metodologias de pesquisa nos laboratorios do carnaval.

O DESENVOLVIMENTO DA PESQUISA DE UMA ESCOLA DE SAMBA

Para desenvolver uma pesquisa faz-se necessario escolher, primeiramente, uma metodologia a assumir como "nossa", que justifique nossas escolhas e como iremos atuar durante o processo de coleta de dados.

De forma similar, o carnaval tambem se serve desse mecanismo. Na atualidade, e preciso ter pesquisas (temas (6)) e justificativas densas para explicar de forma contundente a tematica escolhida, tendo em vista a ocorrencia de julgamento que demanda uma "didatizacao" na forma de explicita-la--maneiras bem claras de abordar o tema, para que nao seja apenas um "invencionismo" ou uma viagem de sonhos, mas que apresente argumentos serios, sequenciais e compreensiveis, facilitando o entendimento do publico presente, a percepcao dos jurados e, antes disso, a busca do investimento para a realizacao da ideia (seu patrocinio com vistas tanto a avaliacao (julgamento) do tema escolhido quanto a venda do espetaculo para a midia).

Segundo o Manual do julgador de 2014, o quesito enredo e subdividido em dois subquesitos:

CONCEPCAO: (valor do subquesito: de 4,5 a 5,0 pontos) o argumento ou tema, ou seja, a ideia basica apresentada pela Escola e o desenvolvimento teorico do tema proposto.

REALIZACAO: (valor do subquesito: de 4,5 a 5,0 pontos) A sua adaptacao, ou seja, a capacidade de compreensao do enredo a partir da associacao entre o Tema ou Argumento proposto e o seu desenvolvimento apresentado na Avenida atraves das Fantasias, Alegorias e outros elementos plastico-visuais.

A apresentacao sequencial das diversas partes (alas, alegorias, fantasias, etc.) que ira possibilitar o entendimento do tema ou argumento proposto, de acordo com o roteiro previamente fornecido pela Escola (Livro Abre-Alas), a criatividade (nao confundir com ineditismo) (LIESA, 2014, p. 45).

Este excerto sinaliza para a necessidade de haver uma metodologia, uma "didatizacao", uma compreensao daquilo que e narrado, reiteramos.

Como efeito desse aspecto, temos percebido alguma mudanca na concepcao dos temas, com varias escolas de samba se aproximando dos academicos para desenvolver e legitimar seus argumentos. Recorrem, assim, aos instrumentos da pesquisa de cunho bibliografico, com possibilidades de "saidas de campo" para conhecer, por exemplo, o lugar a ser abordado, ou ainda de cunho cartografico, utilizando a memoria de lugares, filmes e sensacoes para construir os objetos sobre os quais escrevem.

E importante aqui sinalizar que o material distribuido para a comunidade da escola de samba, (7) imprensa, jurados8 e publico em geral e uma derivacao da pesquisa, que ganha contornos mais concisos e e conhecida popularmente como sinopse do enredo (grifo nosso).

No caso da Unidos da Tijuca em 2004, para a escrita de seu enredo, foi realizada parceria entre a escola de samba, seu carnavalesco e a Casa da Ciencia da UFRJ, por intermedio de seus pesquisadores; por meio dessa parceria o artista Paulo Barros foi "alimentado" com uma serie de informacoes sobre as maiores criacoes da ciencia e sua maneira de ser constituida, bem como os sonhos que geram o caminho da pesquisa.

Pode-se pensar que, devido ao lugar de poder em que se encontram os cientistas em funcao do conhecimento que possuem, a maneira de eles "sonharem" suas criacoes e constituirem seu pensamento torna-se parte do interesse cotidiano, podendo transformar-se em enredo de uma escola de samba, cujo enunciado e capaz de levar saber para muitos dos envolvidos.

Observemos uma tentativa de contar um pouco da historia da quimica na sinopse, sendo possivel inferir a tentativa e o desejo de mostrar que existe ligacao entre a ciencia ja estabelecida e a pratica holistica que a antecedeu:

Estamos prontos para fazer nossa maquina retroceder ainda mais no tempo. Ao acionarmos nossa engenhoca, vamos chegar ao seculo III a.C. quando surgem os primeiros Alquimistas da historia da humanidade. Vistos como magos, misteriosos homens que buscavam o impossivel, com suas pocoes magicas, manipulando substancias de forma a transforma-las em remedios. Em torno deles, surgiram simbolos magicos como a pedra filosofal, um elemento capaz de transformar qualquer material em ouro, e o elixir da vida, que buscava o sonho da eterna juventude. A quimica bebeu na fonte dos alquimistas e de seus misteriosos praticantes (SINOPSE ..., 2004).

E na potencialidade da construcao do saber, por meio dos movimentos do desfile (sinopse, samba e plastica), que ha a possibilidade da construcao de um saber que pode ser articulado nesse local (a Passarela do Samba), nos seus entornos (barracao de alegorias e quadra de ensaios) e que, em nossa perspectiva, em outros espacos.

Dessa forma, cabe ainda olharmos as outras linguagens que constituem o desfile da escola de samba. Observaremos no proximo item como a tematica escolhida, ja pesquisada e sobre a forma de sinopse, adquire o formato de samba e como o samba da Unidos da Tijuca traduziu sua sinopse.

A ESCOLHA DO SAMBA

Nao iremos aqui narrar o nascimento do samba nem tampouco cerradas disputas populares sobre "Pelo telefone" ser ou nao o primeiro samba. Tentaremos antes construir a ideia de como se escolhe um samba--sim, eles sao escolhidos --, passando por um processo de avaliacao primeiro interna e depois externa.

Comecamos retomando a ideia de sinopse que, em alguns casos, passa por um tratamento estetico deixando de ser so um duro texto digitado pela agremiacao em algumas folhas de papel timbrado para ganhar contornos, imagens, ilustracoes, tornando-se um pequeno caderno (Figura 4) que e distribuido para os compositores em um dia especifico, em que os autores da sinopse, o carnavalesco e os outros segmentos da agremiacao, irao expor o tema-enredo, sua pesquisa e seus principais desdobramentos. Nesse momento, entendemos que se estabelece uma especie de aula, em que os estudantes sao os compositores, que necessitam entender a tematica para articular seus versos, poesias, rimas, prosas, a ser materializados em musica e disputar com outros compositores durante cerca de dois meses as eliminatorias de samba-enredo. Em alguns casos se utilizam da "expertise" de alguns segmentos da escola (velha guarda, baianas, carnavalesco etc.) que irao julgar qual e a mais adequada para a plastica e para a pesquisa teorica, representando pela musica a tematica que se quer falar.

Os aspectos de legitimacao de um samba e de sua linguagem em detrimento de outros transitam pelo fato de se aproximarem ao maximo dos aspectos direcionadores e que sao contados na pesquisa (sinopse). Os compositores se valem dos argumentos da pesquisa, articulando a poesia da forma mais eficaz possivel a fim de interpelar os atores e espectadores para que entendam a tematica em questao e cantem coracoes abertos.

No caso especifico da Unidos da Tijuca no Carnaval de 2004, percebemos uma apropriacao dos conceitos mais relevantes que aparecem destacados na sinopse emergindo da poesia proposta por seus autores para o samba:
   Nessa maquina do tempo, eu vou / Vou viajar ... (com a Tijuca te
   levar) / A era do Renascimento / De sonhos, e criacao / Desejos,
   transformacao / Acreditar, desafiar / Superar os limites do homem /
   Brincar de Deus, criar a vida / Querer voar e flutuar


Neste excerto, observa-se o convite a embarcar no sonho--a maquina do tempo que realizara uma serie de viagens--, um recurso explicativo da Unidos da Tijuca, que num primeiro momento perpassa pelo periodo historico nominado Renascimento e sinaliza o trabalho do artista Leonardo da Vinci, cuja obra estuda o corpo humano, as possibilidades de voar, tanques de guerra, paraquedas e outros artefatos que possibilitaram a ciencia sonhar e desejar a realizacao desses sonhos.

Isso e expresso no samba, quando afirma ser necessario ter desejos de transformacao, superar os limites, apontando para a perspectiva de que a ciencia, para acontecer, necessita desses desejos.

O conceito de transformacao presente nesse samba e um conceito da ciencia, particularmente da quimica (pois aparece em sua genese). Transformacao e a base do texto de Lavoisier, e os desejos de transformacao sao narrados fortemente no samba, desde aqueles que movem os artistas ate os levados para a sala de aula, onde os professores de ciencia convidam seus alunos a perceber esses sonhos, possibilidades que nem sempre se encontram nos livros didaticos, mas em outros locais, como a literatura de divulgacao cientifica; nos versos de uma escola de samba; na arte; no cotidiano e que podem ser aprendidos nesses outros locais alem daqueles tidos como legitimos para a aquisicao de conhecimento.

Em outra estrofe do samba encontramos:
   Na arte da ciencia / A busca continua / Na luta incessante pra
   vencer o mal / E no vai e vem dessa historia / O velho sonho de ser
   imortal / Profecia, loucura, magia / A vontade de explorar / A lua,
   a terra e o mar / Pro futuro viajar, eu vou / Misterios que ainda
   quero desvendar, levar / O destino e quem dira / O amanha, como
   sera


Nas primeiras linhas sinalizamos a ideia de uma ciencia sempre em construcao, mostrando as rupturas desses processos como parte da necessidade de rever os conhecimentos ja estabelecidos para que possamos ir alem, ensinando ciencia de alguma maneira .

O "vai e vem" leva a reconhecer que a ciencia e construida com acertos e desacertos, com a utilizacao de modelos e com a articulacao do pensar cientifico. A mesma estrofe reitera as ideias quimicas e traz os lugares da natureza em que acontecem algumas investigacoes da ciencia e enuncia que ainda ha o que conhecer e desvendar.

Esse verso destaca uma historizacao da ciencia em uma perspectiva das vivencias cotidianas e dos imaginarios que, como vimos, remontam a alquimia. Como academicos, podemos evidenciar alguns aspectos questionaveis, como a supervalorizacao da ciencia "na luta incessante para vencer o mal" ou ainda na perspectiva de "desvendar" os misterios do mundo.

Permanece, no entanto, a possibilidade de se pensar a ciencia, a natureza e seus desdobramentos na Avenida Marques de Sapucai, o que se faz ainda mais contundente quando se observa o verso "o velho sonho de ser imortal", que se refere a uma das mais extraordinarias construcoes da ciencia, o DNA (Figura 5).

Na analise da construcao do samba-enredo, constatamos a recorrencia a sinopse de maneira poetica e concisa com a intencao de cantar durante os 85 minutos de destile a tematica escolhida visibilizando, assim, os conceitos ali incluidos e que narram a pesquisa.

A TRADUCAO EM PLASTICA

Na mesma pesquisa em que se encontram argumentos para construir o samba por meio de uma analise detalhada da sinopse, o artista, carnavalesco, tenta traduzir em plastica (9) elementos que possam ajudar a contar a tematica.

Segundo o Manual do julgador (LIESA, 2014, p. 47-48), tanto com relacao a fantasias quanto a alegorias e aderecos, e necessario observar "a concepcao e a adequacao das Fantasias/Alegorias e Aderecos ao Enredo as quais devem cumprir a funcao de transmitir as diversas partes do conteudo desse Enredo". Dessa forma, se faz necessaria ao carnavalesco uma pesquisa iconografica que o ajude a conceber as fantasias e alegorias para contar o tema, bem como sondagem de materiais adequados a sua realizacao.

O processo pode ter quatro fases: a) divisao da tematica em blocos que narrarao o tema; b) desenvolvimento dos desenhos das fantasias e alegorias que irao representar num primeiro momento esses elementos; c) confeccao dos prototipos --modelos de cada uma das fantasias que se multiplicarao para formar as alas; e, nao menos importante, d) a fase de ferragem, madeiramento e decoracao das alegorias.

Ainda sobre as fantasias, algumas escolas de samba fazem a festa dos prototipos, geralmente no mes de outubro. (10) Ela serve para apresentar as fantasias, bem como "ensinar" o que cada uma delas significa, fazendo um movimento educacional que integra os participantes mais ainda com o tema e com as fantasias. A festa e uma oportunidade para compreender o destile e, na sequencia, produzilo, pois articula nesse movimento o saber sobre a tematica que agora se encontra como fantasia, saber esse que pode auxiliar no entendimento de diversos conceitos, incluindo aqueles do campo da ciencia.

Observaremos algumas fantasias e alegorias que fizeram parte do desfile da Unidos da Tijuca para verificar qual a narrativa de ciencia que a escola propos.

Na figura 6, o primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira da Unidos da Tijuca traz a fantasia Energia. A porta-bandeira representando o anel aromatico (formato da saia) e sua ressonancia (circulo fechado superior) e o mestre-sala o eletron que circula em torno do anel proporcionando varias ligacoes. E uma proposta alegorica, mas trata-se de tema bastante complexo na ciencia, principalmente na quimica, que e a questao da ressonancia. E possivel pensar que esses argumentos, agora de ordem visual, tambem contribuam para aquisicao/formacao de um saber a respeito da quimica.

Nas figuras 7, 8 e 9, vemos o carro "Da alquimia a quimica", onde visualizamos em primeiro plano (Figura 7) a ideia primitiva das bruxas/bruxos como eram pensados no medievo, quando as pessoas que tinham conhecimento diferente daquele normatizado pelas vivencias da epoca e que ganharam contornos de misticismo, muitas vezes foram punidas com a morte. Ainda na mesma alegoria, aparecem vidrarias, algumas mais rudimentares, outras mais atuais compondo o cenario de um laboratorio (Figura 9) Observam-se tambem nesse conjunto, algumas capsulas para medicamentos na barra do carro. Por fim, e possivel ver o destaque central fantasiado de alquimista, (11) segurando o tubo de raios catodicos (Figura 8).

Todos estes elementos se propoem a remontar uma historia da quimica, desde seu principio mais rudimentar, trazendo elementos que, carnavalizadamente, evidenciam sua existencia, sua importancia e cotidianidade--eles incluem a possibilidade de interpelar muitos que assistiram/montaram/criaram o desfile em outro espaco diferente da escola, estimulando assim a curiosidade que pode potencializar a aquisicao de um conhecimento.

O carro abre-alas (Figura 10), "A maquina do tempo", traz na parte inferior o cientista Albert Einstein (ver em detalhe na figura 11), que elaborou a teoria da relatividade, as teorias de tempo e espaco e que apresenta a maquina que e capaz de viajar na tematica da Unidos da Tijuca destacando as criacoes da ciencia. Nesse carro encontramos elementos como cilindros de oxigenio, turbinas e mais de 1.200 relogios (figura 12), que remetem a possibilidade de viajar no tempo, visibilizando os "avancos" da ciencia por meio dos sonhos, dos desejos que sao (re) visitados na maquina do tempo "pilotada por Einstein", trazendo a ideia de ciencia nao linear, ciencia que sofre transformacoes com o passar do tempo.

A relacao entre a ciencia e o pesquisador (Figura 13) e encenada pelo segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira carregando em sua fantasia elementos plasticos que remetem a cadeias carbonicas, elementos quimicos que sao investigados pelo cientista, alegoricamente comparado ao detetive Sherlock Holmes, tracando um paralelo entre o processo de investigacao e a intimidade/busca/minucia entre ciencia e pesquisador.

Varios outros elementos foram utilizados para justificar plasticamente o enredo de 2004 da Unidos da Tijuca. Nao pretendemos de forma alguma contalo ala a ala, ou carro a carro, apenas trouxemos a luz alguns elementos para que se possa visualizar como e tratado plasticamente um desfile de escola de samba, como se retrata a ciencia e se fala a seu respeito e de seus conceitos nesse desfile.

Na proxima secao trataremos propriamente do encontro das linguagens no desfile em si.

O DESFILE--A APRESENTACAO

O desfile de uma escola de samba e o acontecimento da festa "momesca" para essas entidades, e e tambem quando temos o encontro das linguagens (tema/pesquisa, samba e plastica), que descrevemos e visualizamos. No momento em que se arma a escola (pratica de ordenacao para coloca-la em desfile), destaca-se o elemento capaz de agregar todas essas linguagens: o enredo. Nos 85 minutos de desfile, verificamos o resultado da pesquisa desenvolvida incialmente e que agora e posta a prova para mais de 70 mil espectadores in loco e os milhares de outros que, em suas residencias, acompanham o desfile ala a ala, carro a carro.

No Sambodromo, sao distribuidas gratuitamente inumeras publicacoes (Cante com a gente, Ensaio geral, Livro abre-alas) que narram o enredo quadro a quadro, alem de resumir a tematica escolhida e reproduzir a letra do samba.

O Roteiro dos Desfiles (Figura 14), criado oficialmente em 2010, mas que existia como outras publicacoes em anos anteriores, e subsidiado pelo orgao oficial de turismo, Riotur, (12) que tem como objetivo facilitar aos espectadores locais o entendimento do que esta sendo visto e cantado, alem de justificar os motivos da escolha do enredo.

Dessa forma, podemos pensar que ha condicoes de se adquirir algum tipo de saber relativo a ciencia por meio de um desfile de escola de samba. Entendemos, e claro, que esse conhecimento necessita da multiplicidade de linguagens, da "didatizacao" das tematicas e tambem do interesse, da afinidade, do desejo de conhecer. Pois uma boa parcela de quem desfila/assiste identifica-se com alguma agremiacao e com os proprios desfiles. Outra evidencia de que ha condicoes de aprendizagem num desfile se da quando espectadores lacam mao de algum samba ou alguma justificativa do desfile para explicar algo cotidiano, historico ou mesmo da ciencia.

PENSANDO MAIS ALGUMAS POSSIBILIDADES

Comecamos este trabalho tendo como objetivo visibilizar como e tratada/ retratada/criada a ciencia nos desfiles de uma escola de samba por meio da linguagem que compoe o enredo. Usamos como guia um desfile emblematico que trata especificamente da ciencia e seus desdobramentos--o desfile de 2004 do GRES Unidos da Tijuca--por se tratar de um marco e abordar o tema de que queremos dar conta.

Visitamos a estrutura arquitetonica da Marques de Sapucai a fim de perceber quais os fatores do local que instituem uma maneira de desfilar e de apresentar esse desfile, entendemos que as inscricoes das paredes, arquibancadas e espaco como um todo dao conta de um dizer sobre o como organizar e apresentar desfiles.

Em um segundo momento, buscamos definir o tema narrando as possiveis formas da escolha e as nuancas que fazem com que uma tematica seja mais potente do que outra.

Ainda nesse sentido, tornamos visiveis as metodologias da pesquisa sobre o tema, mostrando como o pesquisador/carnavalesco montou o tema de 2004 e quais foram seus principais colaboradores, sinalizando para uma interlocucao entre academia e escola de samba, no intuito de alcancar uma tematica seria, capaz de justificar o investimento que se faz no carnaval.

No terceiro momento, abordamos a maneira como se da a construcao de um samba de enredo, suas fases, as escolhas e onde os autores se pautam para escrever seus versos. Tambem apontamos como e onde foi retratada a ciencia na obra que emoldurou o desfile da Unidos da Tijuca de 2004, destacando a ideia de quimica, o desejo do homem de voar e toda a fisica envolvida nesse processo, o dominio do DNA e o que isso significa em termos de reproducao, de melhora genetica, os sonhos que mobilizam e sempre mobilizarao os desejos de transformacao que se valem dos argumentos da ciencia para ser edificados.

Num quarto momento, visibilizamos a plastica por meio de algumas imagens do desfile da Unidos da Tijuca para mostrar alguns entendimentos sobre fatos da ciencia, plastica que e fundamental para a execucao de um desfile e para a materializacao de tudo que foi pesquisado em argumentos semioticos, que agora sao incorporados por diversos signos na tentativa de montar uma fantasia capaz de interpelar aqueles que a visualizem.

Num quinto e ultimo momento, trouxemos o encontro das linguagens, ou ainda a formacao do que preferimos entender como sendo o enredo de uma escola de samba, quando essas linguagens sao "entremeadas" e postas em acao. Sinalizamos ainda para mais um artificio didatico usado como ultimo recurso de compreensao--a distribuicao de materiais impressos, que explicam as tres linguagens, em dois idiomas (ingles e portugues) e somam mais um esforco de se fazer entender aquilo que e visto e cantado.

Todas as acoes que constituem esta pesquisa sobre os pontos de contato entre a ciencia e o desfile, e sua potencialidade de se constituir em conhecimento, nos mobilizam a pensar que ocorre, sim, a formacao de um conhecimento nesse espaco nao formal.

DOI: 10.12957/tecap.2017.21843

NOTAS

(1) "Pensar e experimentar, e problematizar O saber, o poder e o si sao a tripla raiz de uma problematizacao do pensamento" (DELEUZE, 2005, p. 124).

(2) O Manual do julgador e documento produzido pela Liga Independente das Escolas de Samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro (Liesa) no qual se encontra cada item a ser julgado, expresso de forma a conduzir o olhar do julgador a observar todas as agremiacoes sob os mesmos criterios, criando uma condicao de compreensao necessaria ao desfile.

(3) Transmitido pelas emissoras de televisao para mais de 180 paises em todo o mundo, o carnaval carioca chega a movimentar, so na cidade do Rio de Janeiro, cerca de 41 milhoes de reais (aproximadamente 14 milhoes de dolares) todos os anos, entre o turismo e outras atividades comerciais, segundo dados da Prefeitura do Municipio do Rio de Janeiro (souzA, 2004, p. 11).

(4) No fim da decada de 1950, comeca o intercambio de mao de obra, sendo con vidados artistas ligados a Academia para desenvolver o processo de realizacao do desfile, por exemplo, o casal Dirceu e Marie Louise Nery ou Fernando Pamplona. Nessa epoca se destaca tambem a participacao de Joao Jorge Trinta--um autodidata (FARIAS, 2007, p. 19).

(5) A expressao atos discursivos serios e utilizada por Dreyfus e Rabinow (1995, p. 28), para distinguir os enunciados cotidianos que pressupoem um tipo de comunicacao direta e familiar dos enunciados especiais que sao entendidos como reivindicacoes diretas da verdade, "o que os peritos dizem quando falam como peritos".

(6) Destacamos aqui a diferenciacao de enredo e tema, conforme Farias (2007, p. 17): "Convem aqui esclarecermos a confusao que muitos fazem entre tema e enredo. Todo enredo possui um tema central que pode ser desdobrado em varios subtemas ou enfoques do assunto principal".

(7) Entendemos como comunidade da escola de samba as pessoas que frequen tam seus espacos--quadra de ensaio e barracao de alegorias--, os segmentos da escola, baianas, velha-guarda, compositores, passistas, componentes das alas, casais de mestre-sala e porta-bandeira, cantores. Grande parte dessas pessoas nasce nos locais onde se encontram localizadas as quadras de ensaio e frequenta regularmente seus espacos, compondo o cortejo que desfilara no carnaval.

(8) Imprensa e jurados recebem o material de cada agremiacao conhecido como Livro Abre-alas, que conta a sinopse, o que sera visto e por que sera visto, setor a setor.

(9) A plastica no desfile e entendida pelo que concerne a alegorias (carros) e fan tasias.

(10) A circulacao da sinopse (anterior a esse momento) acontece junto do lancamento do enredo, entre o inicio e o meio do ano, e isso se da, atualmente, por meio das midias sociais.

(11) Retomando a ideia de J.J. Thomson, reconhecido na ciencia como um dos cientistas que propos os modelos atomicos.

(12) Orgao da Prefeitura do Rio de Janeiro responsavel por eventos como o desfile das escolas de samba.

REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

Araujo, Hiram. Carnaval: seis milenios de historia. Rio de Janeiro: Editora Gryphus, 2000.

Blass, Leila M. S. Desfile na avenida, trabalho na escola de samba: a dupla face do carnaval. Sao Paulo: Annablume, 2007.

Cabral, Sergio. As escolas de samba do Rio de Janeiro. Sao Paulo: Companhia Editora Nacional, 2011.

Cavalcanti, Maria L. V. de Castro. Carnaval carioca: dos bastidores ao desfile. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2006.

Deleuze, Gilles. Foucault. Traducao: Claudia Santanna Martins. Revisao: Renato Ribeiro. Sao Paulo: Brasiliense, 2005.

Dreyfus, Hubert; Rabinow, Paul. Michel Foucault: uma trajetoria filosofica para alem do estruturalismo e da hermeneutica. Rio de Janeiro: Forense Universitaria, 1995.

Farias, Julio Cesar. O enredo de uma escola de samba. Rio de Janeiro: Litteris, 2007.

Ferreira, Felipe. O livro de ouro do carnaval. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004.

Harvey, David. A condicao pos-moderna. 11. ed. Sao Paulo: Loyola, 2002.

Foucault, Michel. Arqueologia do saber. 7 ed. Traducao de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense, 2007.

Letra do samba da Unidos da Tijuca, 2004 Disponivel em: http://www.museudavida.tiocruz.br/brasiliana/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=109&sid=20. Acessado em 08/04/2015

Liesa. Manual do julgador, 2014. Disponivel em: http://liesa.globo.com/2014/ por/03-carnaval14/manual/manual.htm. Acessado em 08/04/2015

Riotur. Roteiro dos Desfiles--oficial do Carnaval do Rio de Janeiro, v. III, n. 3. Rio de Janeiro: Companhia Multiplicar Producoes. Disponivel em: www.roteirodosdestiles.com.br. Acessado em 20/11.2017.

SINOPSE do enredoda Unidos da Tijuca,2004Dispomvelem:http://www.museudavida.tiocruz.br/brasiliana/cgi/cgilua.exe/sys/sta rt.htm?infoid=109&sid=20. Acessado em 08/04/2015.

Soares, Alessandro C.; Loguercio, Rochele Q. Pontos de contato entre ciencia e o destile de uma escola de samba. In: Anais do V SINECT, v. 1. p. 1-20. Ponta Grossa: Editora UFTPr, 2016.

Sousa, A. Livro de sinopse. G.R.E.S. Uniao Da Ilha do Governador. Rio de Janeiro, 2014.

Souza, Cassia G.N. O desfile das escolas de samba na televisao: vinte anos de Sambodromo. Monografia de Curso de Especializacao. Universidade Estacio de Sa, Rio de Janeiro, 2004.

Alessandro Cury Soares (UFCA)

Rochele de Quadros Loguercio (UFRGS)

Alessandro Cury Soares e doutor em Educacao em Ciencias: Quimica da Vida e Saude, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e professor do Instituto de Formacao de Educadores da Universidade Federal do Cariri.

Rochele de Quadros Loguercio e orientadora no Programa de Pos-graduacao em Educacao em Ciencias: Quimica da Vida e Saude da Universidade Federal do Rio Grande do Sul; professora do Departamento de Inorganica da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e atual coordenadora do PPGQVS da UFRGS.

Caption: Figura 1: Visao frontal da avenida dos desfiles, que comecam na Avenida Presidente Vargas (concentracao) e terminam na Praca da Apoteose (dispersao), em primeiro plano na foto Fonte: http:// www.revistadehistoria.com. br/secao/reportagem/borracha-e-trator-na-historia Acesso em: 28/07/2014

Caption: Figura 2: Visao da arquibancada; carro sobre a geracao de energia, Unidos do Porto da Pedra, 2015 Fonte: foto do autor

Caption: Figura 3: Visao lateral da arquibancada; Ala do modelo atomico, unidos do Porto da Pedra, 2015 Fonte: foto do autor

Caption: Figura 4:--Capa do livro contendo a sinopse distribuido aos compositores, redigido e editorado pelo carnavalesco da GRES Uniao da ilha do Governador, Alex de Sousa (2014)

Caption: Figura 5: Carro Criacao da Vida Fonte: Casa da Ciencia da UFRJ

Caption: Figura 6: Casal de mestre-sala e porta-bandeira; fantasia Energia remetendo ao anel aromatico Fonte: imagem capturada de video disponivel no youtube, Unidos da Tijuca, 2004

Caption: Figura 7: Carro Da alquimia a quimica, Unidos da Tijuca, 2004 Fonte: Casa da Ciencia da UFRJ

Caption: Figura 8: O alquimista, destaque central do carro do DNA; imagem capturada de video disponivel no youtube

Caption: Figura 9: Visao lateral do carro Da alquimia a quimica Fonte: Casa da Ciencia da UFRJ

Caption: Figura 10: Carro abre-alas A maquina do tempo, Unidos da Tijuca, 2004 Fonte: retirado de uma pagina de uma rede social

Caption: Figura 11: Albert Einstein, destaque do carro abre-alas Maquina do Tempo Fonte: Casa da Ciencia da UFRJ

Caption: Figura 12: Detalhe dos relogios do carro abre-alas Maquina do tempo Fonte: Casa da Ciencia da UFRJ

Caption: Figura 13: Segundo casal de mestre-sala e porta-bandeira; fantasia Molecula de DNA e o pesquisador Fonte: Casa da Ciencia da UFRJ

Caption: Figura 14: Capa da revista Roteiro dos Desfiles, de 2012; disponivel em: www.roteriodosdesfiles.com.br
Tabela 1: Enredos que tratam da tematica da ciencia

TEMA ENREDO                            ESCOLA DE SAMBA

O sonho da criacao e a criacao do      Unidos da Tijuca
sonho: a arte da ciencia no tempo
do impossivel
Microcosmos: o que os olhos nao        Academicos do
veem o corpo sente                     Salgueiro
Metamorfoses: do reino natural a
corte do popular do carnaval--as       Unidos de Vila Isabel
transformacoes da vida
Uma Odisseia sobre o espaco sideral    Unidos da Tijuca

TEMA ENREDO                            ANO    CATEGORIA

O sonho da criacao e a criacao do      2004   Ciencia
sonho: a arte da ciencia no tempo
do impossivel
Microcosmos: o que os olhos nao        2006   Ciencia
veem o corpo sente
Metamorfoses: do reino natural a
corte do popular do carnaval--as       2007   Ciencia
transformacoes da vida
Uma Odisseia sobre o espaco sideral    2009   Ciencia
COPYRIGHT 2017 Universidade do Estado do Rio de Janeiro- Uerj
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Soares, Alessandro Cury; Loguercio, Rochele de Quadros
Publication:Textos Escolhidos de Cultura e Arte Populares
Date:May 1, 2017
Words:6365
Previous Article:CARNIVAL IN PAULICEIA: SAO PAULO CITY IN DISCOURSE OF SAMBA-ENREDO/CARNAVAL NA PAULICEIA: A CIDADE DE SAO PAULO NO DISCURSO DO SAMBA-ENREDO.
Next Article:UNIFORM AND COSTUME IN BEIJA-FLOR SAMBA-SCHOOL PARADES (1973-1975)/CHAPA BRANCA: FARDA E FANTASIA NOS DESFILES DA BEIJA-FLOR (1973-1975).
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters