Printer Friendly

FOOTBALL AND THE "NEW" MINEIRAO AS TOURIST ATTRACTIONS OF BELO HORIZONTE-MG/O FUTEBOL E O "NOVO" MINEIRAO COMO ATRACOES TURISTICAS DE BELO HORIZONTE-MG/EL FUTBOL Y EL "NUEVO" MINEIRAO COMO ATRACCIONES TURISTICAS DE BELO HORIZONTE-MG.

1. INTRODUCAO

Para o Brasil poder sediar a Copa do Mundo de 2014, o pais teve que acatar uma serie de exigencias da Federation Internationale de Football Association (FIFA) relacionadas a ampliacao e melhoria em areas como, por exemplo, mobilidade urbana, infraestrutura turistica e, sobretudo, infraestrutura esportiva, principalmente em relacao aos estadios, que deveriam nivelar-se ao padrao desejado pela entidade maxima responsavel pelo futebol em escala planetaria. Dentre as doze cidades que sediaram a Copa (3), Belo Horizonte foi uma das escolhidas. Assim, para poder se adequar ao "padrao FIFA", o estadio Governador Magalhaes Pinto (conhecido popularmente como Mineirao) passou por uma grande reforma entre os anos de 2010 a 2012.

Os estadios brasileiros que serviram a Copa foram idealizados em razao de aspectos voltados para a questao de conforto e seguranca, e ainda, dentro da concepcao de arenas multiusos, oferecem uma variada opcao de produtos e servicos ligados diretamente e indiretamente ao espetaculo esportivo. Diante deste novo cenario, os grandes estadios de futebol, que sempre possuiram notoria vocacao para a atividade do turismo (Pinheiro, 2012) tem a sua relevancia turistica acentuada, pois os valores que sao intrinsecos aos estadios "padrao FIFA" somam-se, em muitos casos, ao desejo de viajar para assistir a uma partida de futebol.

Tratando-se especialmente sobre a capital mineira, o Mineirao--localizado ao lado do Conjunto Arquitetonico da Pampulha (regiao oficial do lazer e do turismo da capital mineira, construida na decada de 1940, atraves da iniciativa do entao prefeito Juscelino Kubitschek--1940\1945) --, desde a sua inauguracao, em 1965, alem de ter se constituido como o principal simbolo da grandiosidade do futebol mineiro, sempre foi visto como um dos principais atrativos turisticos de Belo Horizonte, inclusive, fazendo parte de um dos mais imponentes cartoes postais da cidade.

Todavia, nesta decada em que se comemorou o meio-centenario do "gigante da Pampulha"--forma como o estadio e tratado carinhosamente pelo torcedor mineiro -, o "antigo" Mineirao deixou de existir, ele se perdeu junto ao processo de modernizacao do estadio para Copa de 2014. Em detrimento ao estadio, emergiu o conceito de arenas multiuso, e, apesar deste novo modelo de equipamento esportivo apresentar diversas contradicoes--que merecem ser analisadas em um trabalho a parte--a sua atratividade turistica tem se tornado mais evidente.

E importante destacar que, o viajante que participa de eventos esportivos, concomitantemente ao interesse pela vivencia esportiva propriamente dita--como, por exemplo, o espetaculo futebolistico--necessita tambem consumir outro conjunto de componentes da oferta turistica. Ele necessita de transporte, hospedagem (no caso de turistas, uma vez que, conforme definicao da Organizacion Mundial del Turismo--OMT, uma das premissas que caracteristica a atividade turistica e a necessidade do viajante permanecer pelo menos uma noite na cidade em que esta visitando), alimentacao, informacoes turisticas, comercio local, servicos publicos, entre outros (OMT, 1995).

Assim, no momento que se ampliaram as discussoes sobre o torcedor consumidor, em consonancia com o momento de intensificacao da logica mercadologica inserida no futebol, as arenas multiuso tornam-se espacos para a fruicao do torcedor viajante--o sujeito que viaja para assistir a jogos de futebol--uma vez que o turismo futebolistico tambem recai sobre a logica mercadologica, pois se torna uma pratica intrinsecamente associada as demandas do espetaculo e do consumo esportivo e requer dividendos economicos para usufrui-lo.

A partir destas transformacoes que abarcaram o futebol brasileiro de forma mais ampla, surgiram varias indagacoes a respeito de um contexto mais especifico envolvendo o "novo" Mineirao e a sua relacao com a atividade turistica na capital mineira, principalmente na regiao Pampulha: Qual o perfil socioeconomico do torcedor viajante que frequenta o Mineirao apos a sua reforma? A reforma do Mineirao e um fator que motiva este tipo de torcedor a frequentar o estadio? Qual a assiduidade do torcedor viajante no "novo" Mineirao? Existe uma diferenca na frequencia antes e depois da reforma do estadio? O que o torcedor viajante consome alem do espetaculo futebolistico? Quais sao os principais aspectos que influenciam as viagens futebolisticas?

Os diversos questionamentos que sao suscitados quando se reflete sobre a pratica do turismo futebolistico, demonstram o quanto e complexo este fenomeno. No ambito academico, o tema "turismo futebolistico" se insere no segmento do turismo esportivo. Autores como Higham e Hinch (2009), Gibson et al. (2003) e Carvalho e Lourenco (2008) concordam que, nas ultimas decadas, a literatura internacional existente sobre o tema "turismo esportivo", no seu sentido mais amplo, vem apresentando grande crescimento.

Especificamente sobre o tema "turismo futebolistico", apesar de haver crescimento desta pratica de turismo no Brasil, envolvendo a temporada regular, ou seja, as competicoes de clube ao nivel regional, nacional e continental, ainda existe uma grande lacuna a ser preenchida na sua abordagem enquanto assunto academico. Tal crescimento, inclusive, aparece com destaque no sitio eletronico do MTur (http: // www.turismo.gov. br/turi smo/noti cias/todas noticias/20140325 2.html).

Portanto, este estudo possui como objetivo geral analisar, a partir das concepcoes teorico-conceituais do campo turismo esportivo--especialmente da tipologia do turismo de eventos esportivos -, a pratica do turismo futebolistico em Belo Horizonte. Especificamente, este artigo busca identificar o perfil socioeconomico do torcedor viajante e a composicao do grupo de viagem, avaliar a atratividade turistica do "novo" Mineirao e a assiduidade do torcedor viajante antes e apos a reforma do estadio, verificar o consumo turistico agregado a vivencia futebolistica e identificar as principais barreiras que impedem o torcedor viajante frequentar com mais assiduidade o "novo" Mineirao.

Para o alcance dos objetivos propostos, buscouse a aplicacao de teorias existentes sobre o turismo em geral e sobre o turismo esportivo a partir dos dados coletados empiricamente. Ademais, o estudo visou contribuir com o desenvolvimento do turismo esportivo no pais, em especial, o turismo futebolistico na sua perspectiva cientifica e na sua abrangencia enquanto fenomeno sociocultural, apresentando resultados condizentes com as peculiaridades do local em que ele foi realizado.

2. REFERENCIAL TEORICO

2.1 A Concepcao do "novo" Mineirao e Perspectivas para o Fomento da Pratica do Turismo

A literatura aponta que a realizacao da Copa de 2014 acentuou a logica mercadologica inserida no futebol brasileiro (4), em razao, sobretudo, da proliferacao das arenas multiuso pelo pais, ja que neste novo modelo de estadio passou-se a privilegiar a presenca do um tipo de torcedor de maior poder aquisitivo--o torcedor consumidor em detrimento do torcedor menos abastado economicamente. A partir deste contexto, as arenas evidenciaram-se, sobretudo, em razao do desempenho de um duplo papel, destacando-se nao apenas como equipamento esportivo, mas tambem como atracao turistica das principais capitais brasileiras onde estes novos modelos de estadios floresceram.

De acordo com Pinheiro (2012), grande parte do apelo de um estadio como atrativo turistico e seu potencial de fornecer ao viajante uma experiencia real do esporte, assim, a sua natureza global principalmente o futebol--contribui para que os locais em que sejam praticados tornem-se icones simbolicos, atraindo turistas para si de modo semelhante as atracoes tradicionais.

Segundo Arruda (2009, p. 35), "o estadio enquanto icone, cria um incentivo as visitas a cidade, aumentando as receitas atraves do turismo, e pode inclusivamente potenciar o desenvolvimento urbano". Pensando estritamente na capital mineira, no contexto em que os estadios passaram assumir papeis simbolicos de grande destaque na cultura global contemporanea, servindo como representacao das identidades culturais de programas de desenvolvimento urbano em diversas cidades do mundo, o "novo" Mineirao acabou engendrando um conjunto de intervencoes urbanisticas em Belo Horizonte.

A propria historia de Belo Horizonte e marcada por diversas transformacoes urbanas na paisagem da cidade--inclusive, foi diante de um ousado projeto de reestruturacao urbana que a Pampulha

Copa do Mundo de 2014, consultar DAMO (2012), DAMO, OLIVEN (2013) e CAMPOS, AMARAL (2013). emergiu como espaco oficial de lazer e de turismo. Segundo Campos e Silva (2013), a realizacao da Copa do Mundo inaugurou um novo momento no contexto urbano da capital mineira, no qual o processo de desenvolvimento priorizou a reinvencao da cidade para um mercado mundial.

A reestruturacao das cidades e, ao mesmo tempo, economica, espacial e simbolica, pois envolve a realizacao dos interesses globais sobre o espaco urbano e constitui modos de afirmacao da hegemonia capitalista em seu estado atual. Por isso, o esforco politico de alguns prefeitos e governos de cidades em vender o sucesso e promover a reinvencao dos lugares guarda relacoes com o mercado global de cidades. Esse esforco dos governos tambem esta orientado pela necessidade de dar visibilidade internacional a seus projetos e acoes urbanas, visando um transito notavel junto as agencias multilaterais--que, por sua vez, garantirao futuros financiamentos para novos projetos. A construcao de imagens-modelo e a conquista de expressao no mercado de cidades torna-se fundamental nesse contexto (Sanchez, 2003).

Esta logica de reestruturacao das cidades e coerente ao ideario de realizacao de um megaevento--de ser bastante lucrativo para a FIFA e para os demais agentes privados parceiro desta entidade--que trata as cidades como uma mercadoria que precisa possuir algum atrativo para receber investimento.

Dessa forma, para se adaptar ao chamado "padrao FIFA", o Mineirao teve que passar por um projeto de modernizacao moldado, concomitantemente, a um "novo modelo de planejamento e gestao de cidades, calcado na logica do mercado" (Mascarenhas, 2008, p. 195).

Para a capital mineira adequar-se as exigencias da FIFA, o poder publico local teve que executar suas acoes "conforme compromissos firmados em um documento denominado Matriz de Responsabilidades para Belo Horizonte" (Gomes et al., 2014, p. 200). A Matriz de Responsabilidades tratou das areas prioritarias--chamadas tambem de areas estrategicas--de infraestrutura, como: aeroporto, arena, energia, mobilidade urbana, saude, seguranca, telecomunicacoes e turismo. Este instrumento teve por objetivo definir as responsabilidades de cada um dos seus signatarios (Uniao, Estados, Distrito Federal ou Municipios) para a execucao das medidas conjuntas e dos projetos imprescindiveis para a realizacao deste megaevento (Brasil, 2014).

Concomitantemente a Matriz de Responsabilidades,

o Estado de Minas Gerais em parceria com a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte, lancou o Planejamento Estrategico Integrado que tem por objetivo criar ferramentas de gestao que levem a utilizacao eficaz dos recursos necessarios a implementacao dos projetos necessarios a realizacao da Copa em Belo Horizonte (Campos & Silva, 2013, p. 11, grifo nosso).

Os cinquenta e quatro projetos executados atraves do Planejamento Estrategico Integrado (PEI), considerados de grande impacto para a cidade (Campos & Amaral, 2013), foram ajuntados em grupos tematicos denominados de infraestrutura esportiva; mobilidade; turismo e rede hoteleira; comunicacao e marketing; utilidade publica e requisitos da FIFA.

Percebe-se, portanto, que as areas prioritarias tratadas no ambito da Matriz de Responsabilidades e os grupos tematicos abarcados no PEI reforcaram as exigencias da FIFA em investimentos destinados a campos como, por exemplo, infraestrutura esportiva, infraestrutura turistica e mobilidade urbana. Vislumbrava-se que o conjunto de acoes nessas areas fossem capazes de potencializar o desempenho de outras atividades, durante e posteriormente a realizacao da Copa, como o turismo esportivo--especialmente atraves do publico do futebol.

2.2 Turismo Esportivo

Segundo Carvalho e Lourenco (2008), o esporte e o turismo tiveram origem na Revolucao Industrial e mantem, desde essa epoca, uma evolucao individualizada, mas com um paralelismo muito interessante. Este aspecto torna-se especialmente evidente nas ultimas decadas do seculo XX, dando origem ao que se passou a designar, na literatura, por turismo esportivo, pois as ligacoes entre esporte e turismo passaram a se tornar claramente mais definidas (Higham & Hinch, 2001).

Gibson et al. (2003), tambem observando o crescimento da pratica do turismo esportivo, fizeram a seguinte indagacao: o que mudou para fazer do esporte o motivador primario das viagens de lazer para muitas pessoas? Carvalho e Lourenco (2008), corroborando com Standeven e De Knop (1999), listam quatro fatores primordiais para explicar a ascensao desta pratica de turismo: a concentracao das populacoes em torno dos centros urbanos, o aumento da duracao do tempo de lazer, o aumento do poder de compra da populacao e o desenvolvimento dos meios de transporte.

Tikander (2010) tambem considera o turismo esportivo como uma pratica que vem apresentando grande crescimento nas ultimas decadas. Atrelado aos fatores elucidados por Standeven e De Knop (1999) e por Carvalho e Lourenco (2008), Tikander (2010) ve o turismo esportivo como um fenomeno em ascensao, pois, de acordo com o nivel de envolvimento do individuo com determinada modalidade esportiva, a pratica ou a assistencia fora do seu ambiente habitual torna-se necessaria. Nesta mesma linha, Kurtzman e Zauhar (2003) acreditam que os pontos de contato entre o esporte e o turismo tem aumentado drasticamente, impulsionados pelo fato de que o esporte e o turismo situam-se entre as atividades de lazer mais procuradas no mundo desenvolvido.

E evidente que, no Brasil, as viagens de esportistas, torcedores e atletas tem se tornado tambem cada vez mais frequentes em niveis regionais, nacionais e internacionais, ja que exibicoes, jogos amistosos, torneios e campeonatos acontecem de forma permanente, nas mais diversas modalidades esportivas (Carneiro, 2000), no entanto, as pesquisas na area do turismo esportivo ainda sao incipientes (5). Assim, justifica-se a necessidade de lancar mao de uma literatura estrangeira, pois o conhecimento cientifico produzido no pais ainda nao e o suficiente para afirmar que ha uma base epistemologica capaz de subsidiar as pesquisas que sao desenvolvidas no contexto local.

As mais diversas definicoes encontradas na literatura partem de uma premissa fundamental--e ate mesmo obvia--que compreende o "turismo esportivo como uma inter-relacao entre as areas e nao uma ruptura entre o esporte e o turismo" (Pinheiro, 2012, p. 61), ou seja, "o turismo esportivo representa assim o corpo de conhecimento e o conjunto de praticas onde as areas do turismo e do esporte tornam interdependentes" (Carvalho & Lourenco, 2008, p. 122).

Partindo desta fundamentacao basica, encontram-se muitas definicoes que acabam se aproximando em alguns aspectos especificos. Para Gibson (1998, p. 41), o turismo esportivo se resume em viagens a lazer que levam individuos para fora de sua localidade de moradia habitual temporariamente, seja para praticar ou assistir atividades esportivas. Nesta mesma linha de raciocinio, Kurtzman (2005) argumenta que atividades de turismo esportivo incluem um ou mais elemento fisico do esporte e ate mesmo a assistencia de jogos esportivos de times, grupos ou individuos. Este autor define o turismo esportivo como o uso do esporte para fins turisticos.

O conceito proposto por Hall (1992) apud Gibson (1998) tambem se aproxima das definicoes formuladas pelos autores mencionados anteriormente, compreendendo o turismo esportivo como sendo as viagens para fora da cidade de origem dos sujeitos, para participar de atividades esportivas, seja na pratica ou na assistencia. Standeven e De Knop (1999) sao ainda mais abrangentes, pois estes autores levam em conta a possibilidade das viagens de negocios se inserirem no contexto do turismo esportivo, uma vez que "um profissional que esporadicamente viaja para participar de um congresso ou para fechar negocio em outra localidade que nao a de sua residencia estara fazendo turismo" (Ignarra, 2001, p. 25). E importante considerar este ultimo caso, pois mesmo que o sujeito esteja viajando a negocio, ele ainda podera preencher seu tempo livre durante a viagem com o envolvimento em alguma atividade esportiva.

De acordo com Tikander (2010), as definicoes que se encontram na literatura apresentam-se, muitas vezes, de maneira semelhante, abarcando, sobretudo, o aspecto em relacao a necessidade do individuo deslocar-se para longe do ambiente habitual e a possibilidade de praticar ou de assistir a uma determinada modalidade esportiva durante o periodo de permanencia no destino onde esta visitando.

Embasados nas definicoes que foram apresentadas anteriormente, Carvalho e Lourenco (2008) dividem a participacao de turistas em atividades esportivas nas seguintes tipologias: turismo de pratica esportiva, turismo de espetaculo esportivo e outros contextos turisticos esportivos.

Observa-se que a definicao proposta por Carvalho e Lourenco (2008) e mais completa, pois vai alem das definicoes apresentadas anteriormente, que consideravam o turismo esportivo apenas como pratica ou assistencia a determinada modalidade esportiva. Carvalho e Lourenco (2008) exibem uma terceira possibilidade, chamada por eles de "outros contextos turisticos esportivos". Pigeassou (2004) tambem formulou tres tipologias para tratar da pratica do turismo esportivo, porem, sobre aquilo que Carvalho e Lourenco (2008) chamaram de outros contextos turisticos esportivos, este autor denominou como turismo esportivo de nostalgia.

Outra consideracao a ser feita e que a segunda tipologia formulada por Carvalho e Lourenco (2008)--turismo de espetaculo esportivo--e tratada de maneira mais comum pela literatura como "turismo de eventos esportivos" (Gibson, 1998; Pigeassou, 2004; Kurtzman, 2005).

2.2.1 Turismo de Eventos Esportivos

Tikander (2010) avalia que o conceito de turismo de eventos esportivos geralmente define aqueles individuos que viajam para assistir a algum evento que envolve o esporte, nao somente aqueles que participam de competicoes. Carvalho e Lourenco (2008, p. 127) complementam esta definicao dizendo que o turismo de evento esportivo trata-se de um "conjunto de actividades desportivas de que usufruam os turistas enquanto espectadores considerando-se a pessoa com este tipo de participacao no turismo desportivo como o turista espectador desportivo".

Ja Higham e Hinch (2009) apresentam uma definicao cunhada mais no ambito antropologico, ao compreender a pratica do turismo de eventos esportivos e as reacoes das pessoas a eles como as mais claras manifestacoes publicas de cultura e identidades coletivas em uma dada sociedade, pois o turista esportivo, em um dado momento, tambem se sujeita a experiencia cultural do local onde esta visitando. Nesta mesma linha de raciocinio, Carvalho e Lourenco (2008, p. 127) enfatizam que o turismo de eventos esportivos permite "uma proximidade sensorial e emocional com a situacao real".

Sobre as caracteristicas que lhe conferem certa peculiaridade, Higham e Hinch (2001) dizem que o turismo de eventos esportivos difere-se das demais tipologias que abarcam o fenomeno do turismo esportivo, pois, muitas vezes, a participacao no esporte e no turismo ocorre de forma simultanea, ja que os recursos empregados na infraestrutura esportiva e turistica frequentemente sao partilhados - isso inclui as instalacoes construidas (esportivas e turisticas), transportes, servicos de alimentos e bebidas, hospitalidade etc. Assim, Standeven e De Knop (1999) acreditam que a probabilidade dos investimentos empenhados para o desenvolvimento do esporte afetar o setor do turismo--e vice-versa e grande. Na pratica, pode-se citar, como ilustracao da situacao exposta anteriormente, o fato de um equipamento esportivo (arena multiuso) servir tanto para o espetaculo esportivo quanto para a visitacao turistica.

Podemos dizer que existe um conjunto de actividades que sao simultaneamente turisticas e desportivas carecendo, portanto, das abordagens pluridisciplinares entre o turismo e desporto [...] Nao e xiste uma pratica que tenha deixado de ser desportiva, ou deixado de ser turistica, para passar a ser turistico-desportiva (Carvalho & Lourenco, 2008, p. 125)

Diferentes autores concordam que os eventos esportivos de carater permanente--como as competicoes regulares de futebol--prestam grande contribuicao para se atenuar os efeitos da sazonalidade--tao comum em diversas destinacoes (Gibson, 1998; Gibson et al., 2003; Higham & Hinch, 2001; Koc, 2005; Santos & Souza, 2012; Raatikainen, 2013; Erdogru & Yazici, 2013).

O aumento do fluxo turistico proveniente da demanda de eventos esportivos proporciona uma serie de beneficios, sobretudo, economico, para as localidades que sediam periodicamente algum tipo de modalidade esportiva, especialmente para o setor de varejo, alimentos e bebidas, hospitalidade e operados de turismo (Higham & Hinch, 2001). De acordo com Ignarra (2001), o turista que participa, direta ou indiretamente, de um evento esportivo tem por objetivo, alem de sua participacao no evento propriamente dito, conhecer coisas novas. Mas, para isso, ele tem necessidade de consumir outro conjunto de componentes. O turista necessita de transporte, hospedagem, alimentacao, entretenimento, informacoes turisticas, comercio local, servicos publicos, entre outros.

Devido a tais necessidades, a variavel "renda e emprego" torna-se um fator determinante na formacao da demanda turistica que envolve a participacao em eventos esportivos, pois essas variaveis "estao intimamente relacionadas e exercem importantes influencias sobre o nivel e a natureza do turismo demandado por um individuo. O turismo e uma atividade cara, que exige certo nivel de renda antes que a participacao seja possivel" (Cooper et al., 2007, p. 136).

Gibson et al. (2003) tambem concordam que o turista de eventos esportivos pode contribuir economicamente para a cidade atraves do consumo de diversos servicos associados a oferta turistica local, assim, os autores destacam a importancia de compreender o comportamento desse participante, a fim de avaliar o que ele quer de um evento e as possibilidades de atrai-los para a vivencia de outras atividades na localidade.

Corroborando com Gibson et al. (2003), Standeven e De Knop (1999) chamam a atencao para a necessidade de saber mais sobre os diferentes tipos de turistas esportivos em termos de motivacoes e comportamentos, uma vez que os turistas do esporte diferem-se em niveis de compromisso, sejam como praticante ou espectadores. Especialmente a respeito do turista de eventos esportivos, Tinkander (2010) considera que, normalmente, a motivacao desse tipo de turista esta mais associada ao esporte que a viagem, mas, na maior parte das vezes, as necessidades de viagem e de esporte se complementam.

De acordo com Carvalho e Lourenco (2008, p. 127),
   tem-se assim uma enorme quantidade de pessoas
   que se deslocam tendo como objectivo principal
   assistir a espectaculos desportivos ou que, estando
   de ferias com qualquer outra motivacao, acabam
   por assistir a espectaculos desportivos que se
   realizam no mesmo destino turistico.


Segundo Pinheiro (2012, p. 65), "alguns paises podem ser comumente associados a esportes especificos, como o caso do Brasil com o futebol". Portanto, torna-se importante elucidar as caracteristicas mais relevantes sobre a pratica do turismo de evento esportivo que envolve a participacao no futebol--o turismo futebolistico.

2.3 Turismo Futebolistico

Erdogru e Yazici (2013) consideram o turismo futebolistico como um tipo de turismo alternativo, apesar de, conceitualmente, suas concepcoes teorica-conceituais estarem relacionadas as definicoes do campo do turismo esportivo, especialmente a tipologia do turismo de eventos esportivos.

Segundo os autores mencionados acima, nas destinacoes onde ha a pratica do turismo futebolistico, o esporte contribui para a diversificacao do produto turistico local, assim, o setor turistico beneficia-se das receitas obtidas a partir da demanda do futebol, e, por conseguinte, o esporte torna-se um elemento fundamental para o fomento do turismo local.

O futebol, devido a realizacao de competicoes que acontecem de forma permanente durante quase todo o ano (no Brasil o calendario tem inicio na segunda quinzena de janeiro--com a realizacao das primeiras rodadas das competicoes estaduais--e se encerra no inicio de dezembro--com a ultima rodada do campeonato brasileiro e as finais da Copa Sulamericana), contribui mais do que outras modalidades esportivas--que nao possuem um calendario anual completo--para a reducao dos grandes desequilibrios sazonais (Koc, 2005). Partindo deste mesmo raciocinio, Erdogru e Yazici (2013) consideram que o futebol ajuda a superar flutuacoes sazonais e conseguem expandir o setor de turismo ao longo de todo o ano. Assim, em muitas destinacoes, o turismo futebolistico tem sido uma renovacao para o setor.

Assim como no turismo de eventos esportivos, de maneira geral, na pratica do turismo futebolistico, os aspectos motivacionais incidem diretamente sobre o comportamento do torcedor/viajante, no entanto, tais aspectos podem se demonstrar de forma mais peculiar. Dessa forma, Tinkander (2010) elaborou sete categorias abarcando as motivacoes e os tipos de comportamento mais comuns levando em consideracao a participacao de turistas em partidas de futebol: o fa do esporte; o fa social; o que esta em busca de relaxamento; o turista; o atleta; o viajante em familia e o que esta em busca de experiencia.

O fa do esporte viaja tendo como objetivo assistir a eventos esportivos, e emocionalmente muito envolvido com o esporte e o contato social que a viagem proporciona tambem e importante para este turista. O fa social nao se importa muito com o destino ou com as atividades programadas, para este turista o importante e a oportunidade de passar um tempo com os amigos. O que busca relaxamento viaja com o objetivo de relaxar e escapar da rotina. O turista e interessado na historia e nos atrativos turisticos da cidade. Para o atleta, a possibilidade de praticar algum esporte no destino e importante. Para o viajante em familia, o mais importante e poder passar um tempo com seus familiares, e um tipo de turista similar ao fa social. Por ultimo, o turista que busca por experiencias esta sempre em busca de novos desafios, vivencias ou relaxamento (Tikander, 2010).

Portanto, a partir das categorias formuladas por Tikander (2010), alem do tipo de turista muito envolvido com o futebol que viaja exclusivamente por conta de uma partida, considera-se tambem a "possibilidade de se atrair para as pracas futebolisticas, ou para outras formas de lazer inspiradas no futebol, o chamado "turista circunstancial", cuja viagem tenha tido um motivo que nao o futebol" (Paz, 2006, p. 451).

Os autores que foram abordados anteriormente trazem importantes contribuicoes teoricoconceituais a respeito da abrangencia e da complexidade do turismo esportivo, pois ajudam a pensar a pratica deste tipo de turismo no contexto local, ou seja, no Brasil, e mais especificamente em Belo Horizonte--particularmente atraves do futebol. Dessa forma, a partir da discussao dos resultados da pesquisa de campo, sera possivel identificar aspectos que se aproximam e/ou se distanciam da literatura.

3. METODOLOGIA

De acordo com Gomes e Amaral (2005), a natureza do problema de investigacao ou o seu nivel de profundidade que definira a escolha da abordagem, isto e, se o problema devera ser tratado pela vertente qualitativa, pela quantitativa ou por ambas. Neste trabalho, devido a complexidade do problema investigado (analisado sobre otica do processo de transformacao arquitetonica do Mineirao, que engendrou novas formas de uso e apropriacao, privilegiando a presenca de um outro tipo de publico--muitas vezes interessado nao apenas no espetaculo futebolistico -, em contexto com as modificacoes sociourbanisticas que ocorreram na capital mineira), foi necessario combinar a abordagem qualitativa com a abordagem quantitativa.

A pesquisa qualitativa foi desenvolvida atraves da analise de documentos como a Matriz de Responsabilidade e o PEI, que orientaram as acoes do governo federal, estadual de Minas Gerais e da Prefeitura de Belo Horizonte na execucao das acoes de infraestrutura (infraestrutura urbana, esportiva e turistica--dentre outras) demandas pela FIFA.

Ja a pesquisa quantitativa ocorreu atraves a coleta de dados realizada com torcedores presentes ao Mineirao em dias de jogos realizados no estadio, atraves da aplicacao de questionarios.

3.1 Instrumento

Conforme dito anteriormente, o instrumento utilizado para a coleta de dados foi o questionario. De acordo com Dencker (1998), no ambito das Ciencias Humanas e Sociais, o questionario situase entre os instrumentos de pesquisa mais utilizados. Basicamente, o questionario constitui uma lista de indagacoes formuladas pelo pesquisador para o levantamento das informacoes desejadas. No caso desta pesquisa, em particular, o pesquisador--apos apresentacao--fazia as perguntas aos sujeitos da pesquisa e ele mesmo anotava as respostas recebidas.

O questionario foi elaborado pelos proprios autores da pesquisa, com base em outros instrumentos utilizados em pesquisas semelhantes envolvendo o torcedor e a sua relacao com o estadio de futebol--que privilegiaram uma abordagem socioantropologicos sobre o esporte.

Apos a formulacao do instrumento de coleta de dados da pesquisa, foi necessario realizar um preteste antes de sua utilizacao, com o objetivo de desenvolver os procedimentos de aplicacao; testar o vocabulario empregado nas questoes; e assegurar-se de que as questoes ou as observacoes a serem feitas possibilitem medir as variaveis que se pretende medir. E necessario que o preteste dos instrumentos seja feito com populacao tao similar quanto possivel a que sera estudada. Nao requer, todavia, uma amostra rigorosamente representativa dessa populacao (Gil, 2009, p. 132)

Seguindo todas as recomendacoes propostas por Gil (2009), o pre-teste foi realizado no jogo da primeira fase do Campeonato Mineiro de 2014, durante a partida realizada entre o Cruzeiro Esporte Clube e Tupi Football Club. Foram aplicados um total de dez questionarios com os torcedores viajantes. Nao obstante, ressalta-se que os questionarios aplicados nesta partida nao foram contabilizados, pois, apos a realizacao do pre-teste, o mesmo precisou ser adaptado. Assim, o unico jogo do Campeonato Mineiro no qual a pesquisa foi realizada, foi o da partida da final, no classico entre Cruzeiro vs. Atletico.

Portanto, o questionario utilizado nesta pesquisa foi composto por perguntas fechadas, que limitam as respostas as alternativas apresentadas; pergunta aberta, que da aos respondentes uma liberdade maior para responder, pois eles o fazem de uma maneira adequada a sua interpretacao; perguntas semiabertas, quando o participante tem que explicar os motivos que levaram a escolher tal resposta; pergunta encadeada, quando a resposta da segunda pergunta esta condicionada a primeira questao formulada e pergunta-filtro, quando ha exigencia de uma determinada resposta para prosseguir com as indagacoes (Dencker, 1998).

3.2 Procedimentos e Coleta de Dados

Os dados que serao apresentados foram coletados na parte externa (na proximidade dos bares/restaurantes, meios de hospedagem e atrativos turisticos situados no entorno do Mineirao) e interna (esplanada e cadeiras) do "estadio" ate trinta minutos antes do inicio das partidas, entre os meses de abril a dezembro de 2014 (ou seja, apenas um ano apos a reinauguracao do estadio, assim, pode-se afirmar que no contexto em que a pesquisa foi realizada, o "novo" estadio ainda era novidade), abarcando um total de vinte e quatro jogos transcorridos em cinco diferentes competicoes: Campeonato Mineiro (1); Campeonato Brasileiro (15); Copa do Brasil (5); Taca Libertadores da America (2) e Recopa Sul-Americana (1), ou seja, as principais competicoes ao nivel estadual, nacional e continental.

Para poder participar da pesquisa, o torcedor deveria ter mais de dezoito anos de idade e nao possuir moradia fixa na cidade de Belo Horizonte. Ressalta-se, ainda, que, para poder realizar a pesquisa na parte interna do estadio, a concessionario Minas Arenas, responsavel pela administracao do Mineirao, disponibilizou-se duas credenciais por jogo. Portanto, apesar de todo o processo de coleta de dados ter envolvido a participacao de 04 (quatro) pesquisadores--um dos autores deste trabalho e mais tres colaboradores -, ocorreu um revezamento, com um numero maximo de dois pesquisadores por partida, em razao do numero de credenciais disponibilizadas.

3.3 Caracteristicas sobre a populacao e a amostra

De acordo com Levin (1987) e com Marconi e Lakatos (2009), a populacao (ou universo) consiste em um conjunto de individuos que partilham de, pelo menos, uma caracteristica comum. A partir desta definicao, compreende-se a populacao desta pesquisa como todos os torcedores que viajaram para assistir a jogos da temporada regular do futebol brasileiro (competicoes de clube ao nivel regional, nacional e continental) no "novo" Mineirao.

Posto que o pesquisador trabalha com tempo, energia e recursos economicos limitados, ele raras vezes estuda individualmente todos os sujeitos da populacao na qual esta interessado. Em lugar disso, o pesquisar estuda apenas uma amostra que se constitui de um numero menor de sujeitos tirados de uma determinada populacao (Levin, 1987, p. 119, grifo nosso).

Segundo Gil (2009), existem dois metodos principais de amostragem, que sao a probabilistica e a nao-probabilistica. Devido as especificidades deste estudo, optou-se por adotar o metodo de amostra nao-probabilistica. "Entende-se por amostragem nao probabilistica qualquer tipo de amostragem em que a possibilidade de escolher um determinado elemento do universo e desconhecida" (Dencker, 1998, p. 179). Este metodo de amostragem tornou-se o mais apropriado para este estudo, pois, quando o torcedor foi abordado para participar da pesquisa, a localidade de sua moradia habitual era desconhecida. Destaca-se este aspecto, uma vez que um dos criterios de exclusao para participacao nesta pesquisa era o fato do torcedor possuir moradia fixa na cidade de Belo Horizonte.

Dentre os tipos de amostragem naoprobabilistica que existem, definiu-se que a amostragem acidental seria a mais adequada para este estudo, pois ela permite ao pesquisador incluir "os sujeitos convenientes na amostra, dela excluindo os inconvenientes" (Levin, 1987, p. 120). Assim, para efeito de selecao dos participantes desta pesquisa, consideraram-se os torcedores de ambos os sexos (sendo que houve a participacao de 79,3% do sexo masculino e 20,7% do sexo feminino), que nao mantem moradia fixa na capital mineira e com idade igual ou superior a dezoito anos.

Os sujeitos da pesquisa poderiam ser torcedores dos clubes que realizaram jogos como mandantes no Mineirao (6), dos clubes que jogaram como adversarios dos times mandantes e de outros times quaisquer (independente de mandante ou adversario). Ao final da realizacao da pesquisa, houve a participacao de um total de 335 torcedores.

3.4 Analise de dados

Foi realizada analise estatistica descritiva utilizando-se frequencia simples para descrever os resultados referentes aos seguintes dados: perfil do participante, composicao do grupo de viagem, atratividade turistica do "novo" Mineirao, presenca do torcedor no estadio, consumo turistico e barreiras percebidas a pratica do turismo futebolistico. Os dados coletados foram inseridos e tabulados no software SPSS (Statistical Package for Social Sciences), versao 19.0

4. RESULTADOS E DISCUSSAO

4.1 Perfil do Torcedor Viajante

Neste topico sera apresentado o perfil socioeconomico do torcedor viajante, destacandose os resultados em relacao ao genero, estado civil, faixa etaria, escolaridade, a adesao em programa de socio-torcedor, pertencimento a torcida organizada, localidade de moradia habitual e presenca de turista/excursionista.

Os torcedores viajantes sao, em sua maioria, do genero masculino, correspondendo a 79,3% do total da amostra. De acordo com Damo (2007, p. 135), "esta tendencia tem se reproduzido com o passar dos anos e confirma-se em quase todos os lugares nos quais o futebol foi adotado" Este dado ainda se aproxima do resultado encontrado na pesquisa de Pinheiro (2012), pois este autor identificou que, entre os viajantes interessados em futebol na cidade de Porto Alegre-RS, 72% referem-se ao publico masculino.

Apesar de ter obtido um resultado que expressa pouca participacao das mulheres no contexto das viagens futebolisticas em Belo Horizonte, ainda assim, os numeros desta pesquisa sao superiores aos resultados de outras pesquisas realizadas sobre a pratica do turismo futebolistico, por exemplo, na Europa. Na pesquisa desenvolvida por Raatikainen (2013), na Inglaterra, a participacao feminina foi de apenas 7%. Ja na pesquisa realizada por Tikander (2010), sobre os turistas fas do futebol na Finlandia, a participacao das mulheres foi ainda menor, somando apenas 3%.

Os estudos de Toledo (1996) e de Romera e Reis (2009), sobre o publico de futebol no Brasil de maneira geral, indicam que, tradicionalmente, os estadios tem sido apropriados por um publico predominantemente solteiro. Allan et al. (2007) e Tikander (2010), estudando os turistas fas do futebol na Escocia e na Finlandia, respectivamente, tambem observaram grande predominio deste tipo de publico. Todavia, os resultados desta pesquisa demonstram outro panorama, pois 54,6% sao casados; 39,7% solteiros; 5,4% divorciados e 0,3% viuvo.

Os resultados em relacao a faixa etaria dos torcedores viajantes indicam certa equidade nas faixas que variam entre os 20 aos 54 anos. Comparando-se estes resultados com outras pesquisas ja realizadas, percebe-se que o torcedor viajante que frequenta o "novo" Mineirao em jogos da temporada regular do futebol brasileiro apresenta uma caracteristica mais diversificada, pois Allan et al. (2007), Tikander (2010) e Raatikainen (2013) observaram que, entre os turistas fas do futebol na Europa, predomina-se um publico mais jovem, entre os 18 e 30. Esta tendencia tambem foi observada durante a Copa, uma vez que, entre os torcedores brasileiros que viajaram pelo pais, prevaleceu-se um publico situado na faixa etaria entre os 25 e 34 anos (FGV, 2014).

Assim, diferentemente dos estudos que indicam haver, entre os torcedores viajante, a predominancia de um publico mais jovem, a media de idade deste tipo de torcedor que frequenta o "novo" Mineirao o permite caracteriza-lo como um publico essencialmente adulto, com media de idade de 36,9 anos.

Em relacao a escolaridade do torcedor viajante, os resultados da pesquisa apontam que 9% completaram apenas o Ensino Fundamental, 43% concluiram o Ensino Medio, 32% tem formacao em Ensino Superior e 16% possuem formacao em nivel superior com pos-graduacao concluida. Diante destes resultados, observa-se um perfil de torcedor com nivel de instrucao alta, pois os torcedores que possuem formacao superior--considerando-se a soma dos torcedores que possuem apenas graduacao e graduacao com pos-graduacao representam 48% do total dos participantes da pesquisa.

Dentro da logica de transformacao do futebol brasileiro em negocio de entretenimento e lazer (Pereira, 2003), em que os torcedores sao tratados como sujeitos com potencial de compra, destaca-se o recente crescimento dos programas de sociotorcedor no pais (7). Dentre as vantagens oferecidas pelos clubes ao torcedor que se torna socio do time, esta a garantia de poder assistir a todos os jogos do clube como mandante, como uma recompensa ao valor pago em forma de mensalidade.

Dessa forma, a principio, e de se esperar que o socio-torcedor seja prioritariamente local, pois o torcedor de outras cidades nao pode viajar sempre. Todavia, analisando apenas os torcedores do Cruzeiro (8)--pois sao a maioria dos participantes desta pesquisa, conforme explicitado acima observou-se que a adesao aos programas de sociotorcedor do clube vem se tornando uma realidade entre os torcedores do interior e de outros Estados, uma vez que 27,1% dos torcedores viajantes cruzeirenses disseram ser socio-torcedores do clube.

Visando ampliar ainda mais a participacao dos torcedores viajantes do Cruzeiro nos programas de socio-torcedor do time, a diretoria do clube vem criando e aperfeicoando novas modalidades, desde o ano de 2014, para contemplar, principalmente, os torcedores que nao moram em Belo Horizonte e, assim, motiva-los a frequentar mais assiduamente o estadio.

Sobre o vinculo com torcidas organizadas, os resultados mostram que apenas 5% afirmaram fazer parte deste tipo de agremiacao. Assim, "embora nao seja dito as claras, os novos gestores das arenas estao promovendo uma higienizacao do publico, afastando aqueles tidos como inconvenientes, seja porque consomem pouco ou causam muitos transtornos--caso das torcidas organizadas" (Damo & Oliven, 2013, p. 57). Em relacao a localidade de moradia habitual, houve predominio de torcedores viajantes oriundos do proprio pais, 97,6%. Especificamente sobre estes torcedores, a maioria, 65,8% disseram morar no Estado de Minas Gerais; seguidamente, 11,7% afirmaram residir em Sao Paulo; 4,3% no Rio de Janeiro; 3,4% no Espirito Santo; 3,4% no Rio Grande do Sul; 2,5% na Bahia; 2,2% no Parana; 1,5% no Distrito Federal; 1,2% no Rio Grande do Norte e outros 4% alegaram habitar em outros Estados do pais.

E importante ressaltar que os dados expostos acima aproximam-se dos resultados da pesquisa realizada sobre a demanda turistica da cidade de Belo Horizonte no inicio do de 2017, durante o periodo de ferias, que tambem indica a predominancia dos viajantes que moram em Minas Gerais.

De acordo com a pesquisa realizada pela Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte BELOTUR, nas ferias de verao de 2017, 59,38% do publico que visitou a capital mineira sao do proprio Estado de Minas Gerais. Depois dos mineiros, os paulistas foram os que mais visitaram a cidade: 11,56%; seguidamente dos viajantes do Estado do Rio de Janeiro e Espirito Santo, com 10,31% e 3,13%, respectivamente (BELO HORIZONTE, 2017). Dessa forma, nota-se um panorama muito parecido em relacao ao publico que visita a capital mineira, independente da motivacao da viagem.

A partir da definicao turista/excursionista proposta pela OMT--mencionada anteriormente -, os resultados da pesquisa demostram que a maioria do torcedor viajante pode ser considerado turista--57,9% - em razao desse numero representar o quantitativo de torcedor que afirmou realizar, pelo ao menos, uma pernoite em Belo Horizonte. Conforme resultado apresentado, e possivel notar uma mudanca em relacao a configuracao das viagens futebolisticas realizadas no Brasil, uma vez que Paz (2006) havia identificado que grande parte das viagens envolvendo o futebol acontecia no sistema do excursionismo. Todavia, estes dados ainda sao inferiores aos resultados encontrados por Allan et al. (2006), que observaram um predominio ainda maior, de 78%, na participacao de turistas nas viagens futebolisticas realizadas na Escocia.

4.2 Composicao do Grupo de Viagem

Os resultados em relacao a composicao do grupo de viagem podem ser interpretados em consonancia com o GRAFICO 1.

Percebe-se, a priori, que houve uma maior relevancia das viagens entre amigos. Contudo, somando-se as respostas obtidas em relacao as viagens acompanhadas de "conjuge", "filhos" e "outros familiares", o resultado de 71,7% demonstra uma participacao expressiva da familia no contexto da pratica do turismo futebolistico no "novo" Mineirao.

Relacionando-se estes resultados com a variavel de "genero", nao se observam mudancas significativas em relacao ao panorama geral. Entretanto, estabelecendo-se uma relacao com a variavel "estado civil", e possivel notar outras tendencias.

Entre os homens, manteve-se o predominio da presenca da familia--considerando-se conjuge, filhos e outros membros familiares--com participacao de 70,9%, enquanto as viagens entre amigos representaram 34,3% e as viagens a sos tiveram representatividade de 18,1%. Em relacao as mulheres, os resultados tambem indicam preponderancia da participacao da familia, com 73,2%, seguindo das viagens entre amigos, com 37,7%, no entanto, nota-se ainda uma reducao das viagens a sos para 8,7%.

Em relacao ao torcedor viajante solteiro, a participacao da familia perde grande parte de sua relevancia, diminuindo sua representatividade para 47,3%, ao passo que se observa um aumento das viagens entre amigos, com 42,9%, e ainda 19,5% que viajam sozinhos. No que tange ao publico casado, ha uma inversao nesta relacao, pois as viagens com a familia crescem para 91,8% e as viagens entre amigos diminuem para 28,4%, neste caso as viagens a sos representam 13,1%.

4.3 Atratividade Turistica do "novo" Mineirao

De acordo com Pinheiro (2012), os estadios de futebol possuem notoria vocacao para a atividade turistica ao se constituirem como parte significativa de muitas destinacoes. Na capital mineira, o Mineirao configura-se como um dos principais atrativos turisticos da cidade, sendo reconhecido, inclusive, como um dos principais cartoes postais (Campos & Silva, 2012).

Segundo Pereira (2004), a atratividade turistica exercida pelo estadio ja era notada desde a sua inauguracao.

E importante ressaltar que o Mineirao, desde antes da reforma para a Copa, ja apresentava caracteristicas proprias em relacao as diferentes e diversas formas de apropriacao, que nao se limitavam apenas a realizacao de partidas de futebol.

Desde a sua inauguracao, o Mineirao foi se transformando em um espaco onde foram desenvolvidas relacoes informais, encontros e trocas de vivencias para alem do futebol. Nos finais de semana, visita-lo, exercitar-se, levar as criancas para andar de bicicleta e/ou empinar pipa, ir a Feira de Automoveis e frequentar as barraquinhas de comida antes dos jogos eram algumas das formas de uso e apropriacao daquele espaco (FERREIRA; CAMPOS & COSTA, 2018).

Pensando sobre as diferentes formas de usos e apropriacoes do estadio, o advento do "novo" Mineirao, trouxe como grande novidade a esplanada. Sobre este novo espaco, destaca-se que, se de um lado a sua arquitetura eliminou antigos usos do estadio entre eles o costume de frequentar as barracas de alimento antes dos jogos e a realizacao da Feira de Carros aos domingos--este tambem passou a significar um novo espaco de lazer e de turismo em Belo Horizonte, que possibilitou uma area com infraestrutura e seguranca para seus frequentadores (CAMPOS, 2016).

Nesse sentido, a esplanada, construida onde era a area de estacionamento do Mineirao, contem atributos pouco frequentes nos espacos publicos de Belo Horizonte. Assim, a esplanada, construida mediante a reforma, acabou se tornando um equipamento de lazer e de turismo importante para Belo Horizonte, mesmo sem a intencionalidade dos gestores publicos, como afirma Lages (2015). Alem da esplanada, pode-se citar o Museu Brasileiro do Futebol como outra grande novidade do "novo" Mineirao. E importante ressaltar que a pratica de turismo associado a museus esportivos tem se tornado mais evidente no pais considerando a modalidade do futebol, principalmente, a partir do contexto das arenas multiuso. Na literatura, este tipo de turismo e denominado de turismo esportivo de nostalgia, que "se refere a um carater mais cognitivo da cultura esportiva, que pode estar associado a um sentido de historia esportiva, de curiosidade intelectual ou de veneracao, quando participantes visitam estadios esportivos, museus esportivos e halls da fama de esportes" (Pinheiro, 2012, p. 64). Neste contexto, com o objetivo de atrair mais viajantes e diversificar o seu publico, este tipo de turismo tambem pode ser praticado no Mineirao atraves das visitas guiadas dentro do estadio, que abarcam tanto a parte interna (campo) como as demais dependencias (vestiarios, sala de imprensa etc.).

Estritamente em relacao ao publico do futebol, a partir do advento do "novo" Mineirao, os aspectos em relacao ao conforto, a seguranca e a oferta diversificada de servicos--elementos que tornam os estadios adequados ao "padrao FIFA"--contribuem para a maximizacao do seu apelo turistico. Neste sentido, os resultados da pesquisa indicam que, para a maioria, 58,5%, a reforma do Mineirao, de fato, e um fator motivador para a ida ao estadio.

Conforme dados expostos na TABELA 1, observa-se que a propria modernizacao do Mineirao tornou-se um motivo para o torcedor viajante querer conhece-lo. Ademais, nota-se que o cumprimento das exigencias da FIFA tambem sao fatores que aumentam a atratividade do estadio. Estes resultados, inclusive, corroboram os resultados da pesquisa realizada por Fagundes e Veiga (2013). Segundo estes autores, seguranca, conforto e a qualidade dos servicos oferecidos nas novas arenas brasileiras sao os principais aspectos que incidem na satisfacao e na intencao de retorno do torcedor ao estadio.

Dessa forma, a soma dos aspectos destacados na tabela acima indica que, em grande medida, a reforma do Mineirao e a sua adequacao ao padrao contemporaneo, nivelada a das melhores, mais modernas e exemplares arenas multiuso do cenario internacional (Barreto & Nascimento, 2011), aumentou a sua potencialidade turistica, possibilitando uma avaliacao positiva do estadio por parte dos torcedores viajantes.

Ademais, ressalta-se que alem das melhorias apontadas pelos torcedores que credenciam o Mineirao como um equipamento esportivo e turistico de qualidade, as novidades trazidas pelo novo estadio, como a esplanada e o Museu do Futebol Brasil, tambem podem serem vistas como potencialidades capazes de maximizar a atratividade turistica e a visibilidade do estadio, assim como atrair um publico diversificado, interessado no esporte, de maneira geral, e no futebol, em particular, seja pelas partidas realizadas ou pelas atividades ofertadas e possiveis de serem vivenciadas.

4.4 Assiduidade do Torcedor Viajante no Estadio

Evidenciando apenas a assiduidade do torcedor viajante do Cruzeiro, em razao da representatividade deste torcedor nesta pesquisa (53%), destaca-se, inicialmente, a assiduidade antes da reforma do Mineirao. Grande parte destes torcedores (44,1%) viajava raramente para assistir a um jogo no "antigo" Mineirao. Ja os que viajavam sempre ou frequentemente eram menos (37,3%).

Ao que se refere o "novo" Mineirao, no ano de 2013 (10), continuou-se observando pouca assiduidade do torcedor viajante do Cruzeiro no estadio, pois considerando os que nao viajaram e os que viajaram apenas uma vez nesse ano, obtem-se, como resultado, 57,6% do total. Os resultados referentes ao ano de 2014 indicam, de modo geral, que o torcedor viajante do Cruzeiro continuou sendo pouco assiduo no "novo" Mineirao, pois considerando os que estavam viajando pela primeira vez no dia de participacao da pesquisa e os que viajaram duas vezes no ano, o resultado foi de 66,1%.

A respeito das viagens do torcedor do Cruzeiro que e socio do clube, houve aumento das viagens para assistir aos jogos no Mineirao a partir do ano subsequente a reinauguracao do estadio. Considerando que 45,8% desses torcedores disseram ter viajando cinco ou mais vezes no ano de 2014, este resultado aproxima-se, inclusive, da assiduidade do torcedor cruzeirense que frequenta o "novo" Mineirao, mora em Belo Horizonte e vai ao estadio sempre ou frequentemente (11).

Percebe-se, portanto, que os programas de socio-torcedores tornaram-se, de fato, uma realidade no atual contexto do futebol brasileiro influenciando a presenca de publico no estadio, inclusive o torcedor viajante--e se inserem como umas das principais prioridades na gestao dos clubes. Os resultados tambem demonstram que a variavel renda e outro fator significativo em relacao a presenca do torcedor viajante no estadio--quanto maior o poder aquisitivo, com mais frequencia o torcedor tende a viajar para assistir um partir de futebol.

4.5 Consumo Turistico Agregado a Vivencia Futebolistica

A analise dos dados que seguem e de suma importancia, uma vez que a definicao fundamental do turismo corresponde a um conjunto de atividades e servicos relacionados aos deslocamentos de individuos para fora de suas residencias habituais com reflexo na utilizacao de servicos turisticos (Andrade, 1999; Lage & Milone, 2000).

Em relacao a utilizacao de meios de hospedagem, e importante destacar, incialmente, alguns aspectos conceituais. Segundo Lohmann e Panosso Netto (2008, p. 69), os servicos de hospedagem podem ser divididos em domestico ("fornecimento de pouso e abrigo em casa para as pessoas"), publico ("a hospitalidade proporcionada pela cidade e pelo pais, incluindo hospitais, casas de saude, presidios") e comercial (hoteis, pousadas e etc.). Conforme esta definicao, os dados da pesquisa demonstram que maioria dos torcedores viajantes, 55,2%, se hospedou em estabelecimento comercial--hotel/pousada.

Comparando-se este resultado com a pesquisa da Belotur, nota-se um aumento significativo em relacao a demanda habitual por hoteis/pousadas na cidade. Os resultados da pesquisa supracitada indicam que 57,6% dos turistas que visitaram a capital mineira no ano de 2014 utilizaram a casa de amigos ou parentes como meio de hospedagem, enquanto apenas 33,1% disseram ter usado hotel ou pousada (Belo Horizonte, 2014.)

O uso de hotel ou pousada como principal meio de hospedagem entre os torcedores turistas que frequentaram o "novo" Mineirao no ano 2014 tambem foi superior quando se compara com os dados da pesquisa realizada durante Copa (FGV, 2014), pois, entre os turistas brasileiros que viajaram pelo pais durante esse megaevento, 48,2% pernoitaram em casa de amigos ou parentes e 45% hospedaram-se em hoteis/pousadas.

Diante de tais resultados, apreende-se que a pratica do turismo futebolistico em Belo Horizonte pode contribuir para o desenvolvimento e a viabilidade operacional e economica do setor.

Alem da utilizacao de meio de hospedagem comercial na cidade, buscou-se identificar a atividade turistica agregada a vivencia futebolistica.

Especialmente em relacao a Pampulha, apenas 29% dos torceres viajantes buscaram experimentar outras atividades na regiao alem do futebol. Assim, para a maioria, 71%, a atratividade turistica da regiao resume-se apenas ao estadio e aos jogos que nele sao realizados. Estes dados diferem-se da percepcao de Pinheiro (2012, p. 137) em relacao ao contexto da capital gaucha, pois este autor, apesar de reconhecer a atratividade turistica que os estadios de Porto Alegre exercem, afirma que eles "sozinhos nao possuem forca para atrair os viajantes ao destino".

Dentre os torcedores viajantes que nao vivenciaram outras atividades turisticas na Pampulha, alem do futebol, para 39,6% o principal motivo foi a falta de tempo (foi visto anteriormente que a maioria dos torcedores viajantes e turista, no entanto, grande parte permanece apenas uma ou duas noite na cidade); 22,6% afirmaram que o futebol e o motivo exclusivo da viagem--sao os fas do esporte (Tikander, 2010); 21,3% disseram que iam embora apos o jogo (ainda que implicitamente, esta resposta remete-se novamente a questao da falta de tempo e abarca os torcedores excursionistas); 6,8% afirmaram que ja conhecem os atrativos turisticos da regiao, por isso, nao houve interesse em visita-los novamente; 4,3% disseram que o motivo principal foi o horario do jogo (grande parte dos jogos abarcados nesta pesquisa ocorreram a noite, horario no qual os atrativos encontram-se fechados para visitacao); 2,1% afirmaram que nao houve oportunidade e apenas 0,4% disseram preferir outras regionais da cidade para vivencias de atividades de lazer.

A posicao que o Mineirao assume como principal atrativo turistico da Pampulha se confirma quando se confronta este dado com os resultados de outras pesquisas ja realizadas. Segundo Horta (2009), dentre os atrativos turisticos mais conhecidos da capital mineira, o Mineirao destacase perante os demais atrativos da Pampulha. Tratando-se exclusivamente dos atrativos turisticos desta regiao, os resultados da pesquisa de Assis e Capanema (2009) e de Bessa e Alvares (2010) indicam que o estadio e o atrativo que mais demanda visitacao. Diante dos resultados destes estudos, percebe-se que o Mineirao ja possuia um apelo turistico antes mesmo da reforma efetuada para a realizacao da Copa. Mesmo que autores como Paz (2006) e Pinheiro (2012) concordem que ha, no Brasil, um crescimento da pratica do turismo futebolistico, no contexto da capital mineira ainda sao poucos os torcedores que utilizam o tempo de permanencia na cidade para vivenciar outras possibilidades de lazer existentes na Pampulha.

Sobre a atividade turistica na cidade de maneira geral, observou-se um panorama parecido com a Pampulha, pois apenas 25,4% dos torcedores viajantes buscaram agregar a vivencia futebolistica com outras atividades.

Relacionando o resultado desta variavel com os dados a respeito da motivacao da viagem ate Belo Horizonte, observa-se que a atividade turistica agregada a vivencia futebolistica e menos frequente entre os torcedores que se deslocaram ate capital mineira em razao principal do futebol. Entre os torcedores cuja viagem teve como motivacao principal o futebol, apenas 23,9% aproveitaram o tempo de permanencia na capital mineira para realizar outras atividades turisticas na Pampulha. Ja os torcedores que disseram que o futebol nao foi o motivo principal da viagem, nota-se um aumento substancial, uma vez que 37,6% afirmaram ter vivenciado atividades turisticas na Pampulha alem do futebol. Nota-se, portanto, que a demanda por atracoes turisticas na cidade e condizente com o perfil de um torcedor mais especifico, interessado nao apenas no esporte (Tikander, 2010). Alem disso, foi identificado que o consumo turistico agregado a vivencia futebolistica e mais frequente entre os torcedores com maior renda, entre os turistas--principalmente aqueles que permanecem mais tempo na cidade--e, sobretudo, entre aqueles que hospedam na regiao da Pampulha.

4.6 Barreiras que Impedem o Torcedor Viajante Frequentar mais Assiduamente o "Novo" Mineirao

De acordo com Cooper et al. (2007, p. 138), os principais inibidores das viagens turisticas sao: renda, falta de tempo, limitacoes fisicas, circunstancias familiares, restricoes governamentais, falta de interesse e medo. Cooper et al. (2007, p. 138) ressaltam ainda que "e comum as pessoas se enquadrarem em mais de uma barreira". Assim, na TABELA 2, estao expostas as principais razoes pelas quais os torcedores do Cruzeiro viajam pouco para assistirem a jogos no "novo" Mineirao.

Considerando os dados expostos na TABELA 2, observa-se que, para o torcedor do Cruzeiro (destaca-se novamente o torcedor deste clube pelas mesmos motivos apontados anteriormente), a distancia e a principal razao que limita sua presenca mais constante no "novo" Mineirao.

Nao obstante, somando-se as respostas dos torcedores que consideraram o preco dos ingressos e as despesas com a viagem como os principais fatores que inibem sua presenca no estadio percebese que o fator economico torna-se um elemento preponderante. Nestes casos, a demanda diminuiu em decorrencia do preco do "produto" turistico (ingresso do jogo) (12) e do preco dos produtos complementares (transportes, hospedagem e servicos de alimentos e bebidas) (Ignarra, 2001).

Em consonancia com os entendimentos de Ignarra (2001), de Cooper et al. (2007) e com os resultados da pesquisa de Raatikainen (2013), o fator "tempo" tambem foi considerado, pelos torcedores viajantes do Cruzeiro, como um dos principais motivos que os impedem de frequentar o "novo" Mineirao com mais assiduidade.

Alem dos aspectos mais citados--distancia, dinheiro e tempo -, em menor proporcao, os torcedores tambem consideraram a ineficiencia do transporte publico como um inibidor das viagens futebolisticas, seguidamente do aspecto em relacao ao horario dos jogos (grande parte das partidas abarcadas nesta pesquisa aconteceu a noite), o numero reduzido de estacionamento (este aspecto, alem de ser uma das principais dificuldades encontradas pelo torcedor viajante durante o tempo de permanencia na Pampulha, e tambem um inibidor da ida deste torcedor ao estadio) e, em menor escala, a violencia.

A respeito o aspecto violencia, em especial, ha que se ressaltar que, mesmo havendo uma grande propagacao midiatica sobre o tema que envolve especificamente a violencia nos estadios de futebol brasileiros--abarcando tambem as novas arenas -, nota-se que este fator possui a menor representatividade entre as razoes pelas quais os torcedores deixam de viajar para assistir a um jogo no "novo" Mineirao. Assim, percebe-se que existe grande sensacionalismo em torno deste tema, ate mesmo porque a sensacao de seguranca entre os torcedores foi destacada como um dos principais elementos que os motivam a frequentar o estadio.

5. CONSIDERACOES FINAIS

As intervencoes realizadas na capital mineira para a Copa de 2014 contribuiram para que a cidade pudesse se desenvolver como espaco turistico, abarcando acoes em um conjunto de atrativos, equipamentos, infraestrutura e servicos. Estas transformacoes ocorridas especialmente no espaco urbano da Pampulha aconteceram em consonancia com o novo momento do futebol brasileiro, em que as arenas multiuso se proliferaram e, com elas, emergiram uma serie de problematizacoes, principalmente, em relacao a vivencia do torcer. Nesse contexto, o torcedor passou a receber novas conotacoes e classificacoes, como, por exemplo, torcedor consumidor (categoria na qual se insere o torcedor viajante).

Assim, para compreender a logica do turismo futebolistico no ambito do "novo" Mineirao tornouse necessario analisar o perfil socioeconomico dos torcedores viajantes, incluindo a composicao do grupo de viagem, identificar a atratividade turistica exercida pelo estadio apos a reforma para a Copa de 2014, alem de verificar o consumo turistico agregado a vivencia futebolistica e as principais barreiras que impedem o torcedor viajante frequentar com mais assiduidade o estadio.

Atraves das informacoes coletadas nos questionarios, foi possivel perceber que o perfil socioeconomico do torcedor viajante que frequenta o "novo" Mineirao apresenta algumas caracteristicas que se aproximam do perfil geral do torcedor brasileiro e outras caracteristicas que lhe conferem certa peculiaridade.

Em linhas gerais, o torcedor viajante e, em sua maioria, casado (esta caracteristica influencia tambem na composicao do grupo de viagem, pois a maioria viaja entre familiares), adulto (existe uma equidade entre as faixas etarias que abarcam as idades entre 20 a 54 anos), possui nivel de instrucao elevado (48% tem formacao em Ensino Superior).

Em consonancia com o atual momento do futebol brasileiro, que vem se consolidando com um negocio mercadologico, uma nova "modalidade" de torcedor vem crescendo em todo o pais, os socio-torcedores. Assim, os resultados desta pesquisa ilustram a abrangencia destes programas, uma vez que se identificou uma parte relevante de torcedores viajantes que disseram ser associados aos seus respectivos clubes. E importante ressaltar que a adesao ao programa de socio-torcedor incide diretamente na assiduidade do torcedor no estadio.

Para a maioria do torcedor viajante, a reforma do Mineirao e tida como uma motivacao para frequentar o estadio. Sobre este aspecto, a modernizacao do "novo" Mineirao em si e uma razao para o torcedor querer conhece-lo. Atrelado a este aspecto, os valores que sao intrinsecos ao proprio padrao das arenas multiusos (seguranca, conforto e oferta diversificada de produtos e servicos) tambem sao fatores que maximizam a atratividade turistica do estadio.

Sobre a atividade turistica de maneira geral, a minoria dos torcedores viajantes optou por vivenciar outras opcoes de lazer na Pampulha, alem da partida de futebol "novo" Mineirao, assim como em outras regioes da capital mineira, por razoes principais como a falta de tempo e o interesse exclusivo no jogo, respectivamente. Tendo em vista o fluxo turistico proveniente das partidas futebol e considerando o panorama apresentado em relacao ao baixo indice da vivencia turistica na capital mineira--atrelada ao futebol--acredita que, tanto pelas acoes de melhoria na infraestrutura urbana da cidade quanto pela modernizacao do Mineirao, o turismo futebolistico possa ser melhor incentivado e valorizado, principalmente pelo poder publico, como fenomeno capaz de atenuar os efeitos da sazonalidade turistica na capital mineira e capaz de proporcionar oportunidades, como, por exemplo, geracao de renda e emprego para a populacao.

Acredita-se que, com base nos resultados alcancados, esta pesquisa possa se tornar o passo inicial para a elaboracao de politicas publicas municipais na area do esporte, lazer e turismo. Ademais, alem de poder colaborar na elaboracao de politicas publicas, este trabalho pode contribuir com os estudos no campo do lazer e do turismo, bem como com os estudos sobre o futebol nas areas das Ciencias Humanas e Sociais, pois se trata de uma investigacao que apresenta dados relevantes sobre um fenomeno sociocultural pouco investigado no pais.

Por fim, ressalta que, devido ao prazo conciso em que a pesquisa foi realizada, foi possivel obter apenas informacoes quantitativas sobre um unico ator social (o torcedor). No entanto, a dinamica do turismo futebolistico envolve tambem outros sujeitos. Assim, este trabalho possui suas limitacoes e considera importante, em outro momento, aprofundar-se nas concepcoes dos torcedores atraves da realizacao de metodos qualitativos e, ainda, dar voz ao poder publico e aos agentes da iniciativa privada (por exemplo, os empresarios do setor hoteleiro e de alimentos e bebidas) para poder identificar o que pensam sobre o turismo futebolistico, e o que essa pratica pode proporcionar em termos de beneficios e/ou prejuizos.

6. REFERENCIAS

Allan, G. et al. (2207). The economic impact of regular season sporting competitions: the Glasgow Old Firm football spectators as sports tourists. Journal of Sport & Tourism, 12(2), 1-68.

Andrade, J. V. (1999). Turismo: fundamentos e dimensoes. Sao Paulo: Atica.

Arruda, M. J. (2009). O estadio na cidade contemporanea. (Dissertacao de Mestrado). Universidade Tecnica de Lisboa, Lisboa, Portugal.

Assis, M. C. L. & Capanema, L. M. (2009). A gestao do patrimonio no caso da Pampulha e a necessidade de um planejamento turistico integrado e sistemico. Forum Patrimonio: ambiente construido e patrimonio sustentavel, 3 (2), 15-35.

Barreto, T. V. & Nascimento, C. (2011). Os espacos fisicos e o habitus dos torcedores brasileiros em estadio de futebol: o que pode mudar com a adocao do "padrao FIFA" para a Copa de 2014. Anais ANPOCS, Caxambu, MG, Brasil, 35.

Belo Horizonte (2014). Cadernos de dados 2014. Observatorio do Turismo. Publicacao da Belotur sobre indicadores de turismo em Belo Horizonte.

Belo Horizonte (2017). Cadernos de dados 2017. Observatorio do Turismo. Publicacao da Belotur sobre indicadores de turismo em Belo Horizonte.

Bessa, A. S. M. & Alvares, L. M. C. (2010). O turismo como agente de transformacoes socioespaciais do territorio da Pampulha: de 1940 aos dias atuais. Observatorio de Inovacao do Turismo: Revista Academica, 5 (2), 1-19.

Brasil. (2014). Matriz de Responsabilidades. Portal da Copa: site do governo federal brasileiro sobre a Copa do Mundo FIFA 2014.

Campos, P. A. F. (2016). As formas de uso e apropriacao do estadio Mineirao apos reforma. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de CampinasUNICAMP, Campinas, SP, Brasil.

Campos, P. A. F. & Amaral, S. C. F. (2013). A copa do mundo de 2014 e o (novo) Mineirao. Revista Rua, 19(1), 40-56.

Campos, P. A. F. & Silva, S. R. (2013). O futebol como instrumento para as transformacoes urbanas em Belo Horizonte/MG. Anais XIII Simposio Nacional de Geografia Urbana, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 13.

Carneiro, R. A. (2000). Identificacao do comportamento do turista de eventos esportivos a partir de uma analise de criterios para avaliacao dos servicos turisticos na cidade de Maringa. 2000. (Dissertacao de Mestrado). Universidade Federal de Santa Catarina-UFSC, Florianopolis, SC, Brasil.

Carvalho, P. G. & Lourenco, R. (2008). Turismo de pratica desportiva: um segmento do mercado do turismo desportivo. Revista Portuguesa de Ciencia do Desporto, 9(2), 122-132.

Cooper, C. et al. (2007). Turismo: principios e praticas. (3a. ed.) Porto Alegre: Bookman.

Damo, A. S. (2007). A dinamica de genero nos jogos de futebol a partir de uma etnografia. Revista Genero, 7 (2), 135-150.

Damo, A. S. (2012). O desejo, o direito e o dever: a trama que trouxe a Copa ao Brasil. Movimento, 18(2), 41-85.

Damo, A. S. & Oliven, R. G. (2013). O Brasil no horizonte dos megaeventos esportivos de 2014 e 2016: sua cara, seus socios e seus negocios. Horizontes Antropologicos, 19(40), 19-63.

Dencker, A. F (1998). Metodos e tecnicas de pesquisa em turismo. (5. ed.) Sao Paulo: Futura.

Erdogru, B. B. & Yazici, H. N. T. (2013). Advantages af football tourism within Framework of Sustainable Tourism (model study, a Mediterranean City, Antalya). International Journal of Trade, Economics and Finance, 4 (6), 372-375.

Fagundes, A. F. A. & Veiga, R. T. (2013). Fatores que influenciam a satisfacao dos torcedores na ida aos estadios de futebol no Brasil e a sua intencao de retorno. Encontro da Associacao Nacional dos Programas de Pos-Graduacao em Administracao ENANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 37.

Ferreira, E. A. M; Campos, P. A. F & Costa, T. C. (2018). Estudos do futebol em perspectiva: interdisciplinaridade e producao do conhecimento. O estadio como equipamento de lazer na/da cidade. Belo Horizonte: Sao Jeronimo.

Fundacao Getulio Vargas (2014). Pesquisa do ministerio do turismo revela perfil do turista brasileira durante a Copa. Pesquisa realizada pelo Ministerio do Turismo, em parceria com a Fundacao Getulio Vargas.

Gibson, H. J. (1998). Sport tourism: a critical analysis of research. Sport Management review, 1, 45-76.

Gibson, H. J. et al. (2003). Small-scale event sport tourism: fans as tourists. Tourism Management, 6, 181-190.

Gil, A. C. (2009). Como elaborar projetos de pesquisa. Sao Paulo: Atlas.

Gomes, C. L. et al. (2014). Lazer, megaeventos esportivos e acoes de infraestrutura relacionadas a Copa do Mundo de 2014 em Belo Horizonte. Coletanea do Congresso Brasileiro de Estudos do Lazer e do Seminario "O Lazer em Debate", Belo Horizonte, MG, Brasil, 1, 15.

Hall, C, M. (1992). Adventure, sport and health tourism. In: Weiler, B. & Hall, C. M. Special interest tourism. (pp. 141-158). London: Belhaven Press.

Higham, J. & HINCH, T. (2001). Tourism, sport and seasons: the challenges and potential of overcoming seasonality in the sport and tourism sectors. Tourism Management, 1, 1-11.

Higham, J. & Hinch, T. (2009). Sport and tourism: globalization, mobility and identity. Oxford: BH.

Horta, N. M. (2009). Patrimonio historico, cultural e turistico de Belo Horizonte: incentivo a implantacao do "turismo de cidade". (Dissertacao de Mestrado).Universidade de Brasilia-UNB, Brasilia, DF, Brasil.

Ignarra, L. R. (2001). Fundamentos do turismo. Sao Paulo: Pioneira.

Koc, E. (2005). New product development in the Turkish market: the case of football tourism. Journal of Sport Tourism, 10(3), 165-173.

Kurtzman, J. (2005). Sport Tourism Categories. Journal of Sport Tourism, 10(1), 15-20.

Kurtzman, J. & Zauhar, J. (2003). A wave in time: the sport tourism phenomena. Journal of Sport Tourism, 8(1), 35-47.

Lage, B. H. G. & Milone, P. C. (2000). Turismo: teoria e pratica. Sao Paulo: Atlas.

Lages, C. E. D. M. (2012). A Copa de 2014 na capital mineira e relacoes com as politicas publicas de esporte e lazer: estudo a partir de projetos que compoem o Planejamento Estrategico Integrado do Estado de Minas Gerais e da Prefeitura de Belo Horizonte. Dissertacao (Mestrado Interdisciplinar em Estudos do Lazer)--Escola de Educacao Fisica, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte. 211 p.

Levin, J. (1987). Estatistica aplicada a Ciencias Humanas. (2. ed.) Sao Paulo: Pearson.

Lohmann, G. & Panosso, A. N. (2008). Teoria do turismo: conceitos, modelos e sistemas. Sao Paulo: Aleph.

Marconi, M. A. & Lakatos. (2009). E. M. Metodologia de trabalho cientifico. Sao Paulo: Atlas.

Mascarenhas, G. (2008) O ideario urbanistico em torno do olimpismo. Barcelona (1992) e Rio de Janeiro (2007): os limites de uma apropriacao. In: Pereira, E. M. (org.). Planejamento Urbano no Brasil: conceitos, dialogos epraticas. (pp. 9-313). Chapeco: Argos.

Organizacao Mundial do Turismo--OMT (1995). Guia practica para el desarrollo y uso de indicadores de turismo sostenible.

Paz, S. M. (2006). O futebol como patrimonio cultural do Brasil: estudo exploratorio sobre possibilidades de incentivos ao turismo e ao lazer. (Tese de Doutorado).Escola de Comunicacao e Artes, Universidade de Sao Paulo-USP, Sao Paulo, SP. Brasil.

Pereira, J. A. O. (2003). Futebol, de esporte amador a negocio de entretenimento e lazer em uma sociedade midiatizada. (Dissertacao de Mestrado). Escola de Administracao, Universidade Federal da Bahia-UFBA, Salvador, BA, Brasil.

Pereira, P. C. (2004). Mineirao em cena: palco de sociabilidades e imagens. (Dissertacao de Mestrado). Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais-PUC, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Pigeassou. C. (2004). Contribution to the definition of Sport tourism. Journal of Sport Tourism, 9(3), 287-289.

Pinheiro, P. M. S. (2012). Planejamento e acoes para o desenvolvimento do turismo no ambiente do futebol: um estudo do Gremio e do Internacional de Porto Alegre. (Dissertacao de Mestrado). Universidade do Vale do Itajai, Balneario Camboriu, SC, Brasil.

Raatikainen, M. (2003). Football and tourism to England: reasons why fnnish fans travel. 2003. (Monografia de Graduacao). Programa de Licenciatura em Turismo, Laurea University of Applied Sciences.

Romera, L. A. & Reis, H. H. B. (2009). O uso de alcool, futebol e torcedores jovens. Motriz, 75(13), 541-551.

Sanchez, F. (2003). A reinvencao das cidades para um mercado mundial. Chapeco: Ed. Argos.

Santos, R. A. & Souza, N. S. (2012). Eventos esportivos: definicao de mercado e perspectivas de atuacao. Revista Eletronica Cientifica de Turismo, 9(16), 1-8.

Standeven, J. & De Knop, P. (1999). Sport tourism. Leeds: Human Kinetics.

Tikander, J. (2010). Traveller and identities of the finnish football fans. (Dissertacao de Mestrado). Departamento de Ciencias do Esporte, Universidade de Jyvaskila.

Toledo, L. H. (1996). Torcidas organizadas de futebol. Campinas: Anpocs.
APENDICE--Questionario

Universidade Federal de Minas Gerais
Escola de Educacao Fisica, Fisioterapia e Terapia Ocupacional
Programa de Pos-Graduacao Interdisciplinar em Estudos do Lazer
Pesquisa de Mestrado: Interfaces entre o Futebol e o Turismo:
A Regiao da Pampulha e o "Novo" Mineirao

Data:           Horario:

Campeonato:     Jogo:

Aplicador:

1. Em que cidade voce mora? (ESPONTANEA) (CASO FOR Belo Horizonte,
encerrar questionario).

1.1 Nome:

2. Para que time voce torce?

3. Sexo? () M / () F

4. Qual o seu estado civil?

() Solteiro / () Casado / () Divorciado/Separado / () Viuvo / () Outro--

5. Qual a sua idade?

6. Quantas pessoas moram na sua residencia?

() Uma / () Duas / () Tres / () Quatro / () Cinco / () Mais de
Cinco/ () Nao possui filhos

7. Qual a sua renda familiar mensal?

() sem rendimento

() 0 a 362,00

() 363,00 a 724,00

() 725,00 a 1.448,00

() 1.448,00 a 2.172,00

() 2.173,00 a 3.620,00

() 3.631,00 a 7.240,00

() 7.241,00 a 14.480,00

() 14.481,00 ou mais

8) Escolarizacao (o que ja completou)?

() Nunca Estudou

() Ensino Fundamental

() Ensino Medio

() Ensino Superior

() Pos--Graduacao

9) (SE TRABALHA) No seu trabalho (PRINCIPAL) voce e?

() Funcionario Publico

() Assalariado

() Negocio Proprio

() Trabalho autonomo

() Outros--

10) (SE NAO TRABALHA) Qual a sua Ocupacao Principal?

() Estudante

() Aposentado

() Dona-de-Casa

() Desempregado

() Pensionista

() Outros--

11) Voce e socio torcedor?

() Sim / () Nao

12) Voce pertence a alguma torcida organizada?

() Sim / () Nao

13) Quantas vezes voce VIAJOU para assistir a uma partida no Mineirao
no ano de 2014?

() Uma vez / () Duas vezes / () Tres vezes / () Quatro vezes
/ () Cinco ou mais vezes

14) E no ano de 2013?

() Nenhuma / () Uma vez / () Duas vezes / () Tres vezes / ()
Quatro vezes / () Cinco ou mais vezes

15) No ano de 2013, para assistir qual competicao voce VIAJOU mais?

() Campeonato Mineiro / Copa do Brasil / () Campeonato Brasileiro

16) E no ano de 2014?

() Campeonato Mineiro / Copa do Brasil / () Campeonato Brasileiro /
() Taca Libertadores da America

17) Nestas VIAGENS, qual o principal motivo da sua vinda a Belo
Horizonte?

() Assistir exclusivamente jogos de futebol

() Outra:--

18. Antes da reforma do estadio, com que frequencia voce VIAJAVA
para assistir jogos no Mineirao?

() Sempre / () Frequentemente / () Raramente / () Nunca

19. A reforma do Mineirao e um fator motivador da sua vinda
ao estadio?

() Sim / () Nao

Se sim, Por que?

20. Com quem voce costuma vir ao Estadio?

() Sozinho / () Conjugue/namorado / () Filhos (as) /
() Outros familiares /

() Amigos / () Outro(s)_

21. Qual o meio de transporte o senhor (a) utilizou para a
realizacao desta viagem (ate BH)?

() Proprio / () Alugado / () Amigos ou Parentes / Onibus ou
Van Fretado / () Onibus Fretado de torcida Organizada /
() Transporte

Regular (linha convencional) /() Aviao

22. Se for o caso, qual o meio de hospedagem utilizado na cidade
nesta viagem?

() Nao vai dormir / excursionista

() Hotel / Pousada

() Albergue / Republica

() Casa de Amigos e Parentes

() Acampamento Turistico (campings ou similares)

() Casa Propria / Alugada

() Resort

() Hotel Fazenda

() Outro:--

23. Qual bairro da cidade voce esta hospedado?

24. Durante VIAGENS PARA ASSISTIR JOGOS DE FUTEBOL NO MINEIRAO,
voce ja se hospedou em algum meio de hospedagem comercial (hotel,
pousada ou similares) na regiao da Pampulha?

() Sim / () Nao

Se sim, o que achou do servico?

() Excelente / () Bom / () Regular / () Ruim / () Pessimo

Se nao, por que nao o fez?

25. Quantas pernoites voce pretende realizar nesta cidade
(RESPONDER APENAS SE FOR PERNOITAR)?

() Uma / () Duas / () Tres / () Quatro / () Cinco ou mais

26. Considerando todos os gastos para assistir aos jogos, desde o
momento em que voce sai de casa ate o momento do seu
retorno, quanto sera o seu gasto nesta viagem?

() Ate R$ 50.

() Entre R$ 51,00 e R$150,00.

() Entre R$ 151,00 e R$250,00.

() Entre R$ 251,00 e R$350,00.

() Entre R$ 351,00 e R$450,00.

() Entre R$ 451,00 e R$550,00.

() Acima de R$ 550,00.

27. O seu PRINCIPAL gasto para essa viagem se da com:

() Ingresso / () Transporte / () Alimentacao / () Hospedagem / ()
Visita a outros atrativos turisticos

28. Voce visitou ou vai visitar apos o jogo outro(s) equipamentos(s)
de lazer/turismo da regiao da Pampulha?

() Sim / () Nao

Se sim, Qual(is)?

() Orla da Lagoa da Pampulha

() Igreja de Sao Francisco

() Museu de Arte

() Parque Guanabara

() Parques Aquaticos

() Parque Ecologico

() Jardim Zoologico

() Bares / Restaurantes /Casas Noturna

() Shopping

() Outros:_

Se nao, qual motivo?

29. Voce consumiu produtos de vendedores ambulantes /
Barraqueiros no entorno do Mineirao?

() Sim / () Nao

Se sim, o que achou do servico?

() Excelente / () Bom / () Regular / () Ruim / () Pessimo

Se nao, por que nao o fez?

30. Como voce avalia os equipamentos e os servicos de lazer
/turismo da regiao da Pampulha?

() Excelente / () Bom / () Regular / () Ruim / () Pessimo / ()
Nao sei opinar

31. Em sua opiniao, quais os problemas que a regiao da Pampulha
possui para receber o torcedor/viajante (TORCEDORES
DE FORA DE BH)?

32. Houve ou havera visitacao a outros atrativos turisticos da
cidade (fora da regiao da Pampulha)?

() Sim / () Nao

33. Voce gostaria de frequentar mais o estadio?

() Sim / () Nao

Se sim, o que impede que isto ocorra?

Voce aceitaria, em outro momento, ser contactado(a) para um
entrevista com o objetivo de dar continuidade a essa pesquisa?

() Sim () Nao

Telefone:

E-mail:


e-ISSN: 2316-932X

DOI: 10.5585/podium.v8i1.279

Data de recebimento: 02/01/2018

Data de Aceite: 24/07/2018

Organizacao: Comite Cientifico Interinstitucional

Editor Cientifico: Julio Araujo Carneiro da Cunha

Avaliacao: Double Blind Review pelo SEER/OJS

Revisao: Gramatical, normativa e de formatacao

(1) Erick Alan Moreira Ferreira

(2) Luciano Pereira da Silva

Como referenciar em APA:

Moreira Ferreira, E., & da Silva, L. (2019). O Futebol e o "Novo" Mineirao como Atracoes Turisticas de Belo HorizonteMG. PODIUM Sport, Leisure And Tourism Review, 8(1), 57-80. https://doi.org/10.5585/podium.v8i1.279

(1) Mestre em Lazer Universidade Federal de Minas Gerais--UFMG, Minas Gerais, (Brasil). E-mail: erickalan@hotmail.com Orcid id: https://doi.org/0000-0003-1667-0933

(2) Doutor pela Universidade Federal de Minas Gerais--UFMG, Minas Gerais, (Brasil). E-mail: lpereira45@hotmail.com Orcid id: https://doi.org/0000-0003-3456-5766

(3) A partir daqui o termo Copa sera usado como referencia a Copa do Mundo de Futebol de 2014.

(4) Para conhecer mais sobre as problematicas que envolveram as reformas e as construcoes dos estadios para

(5) Fazendo uma busca no diretorio no qual se encontram cadastrados os grupos de pesquisas vinculados ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnologico CNPq (Plataforma Sucupira) com o uso das palavras-chave "turismo" e "esporte", o resultado da pesquisa remeteu apenas dois resultados com grupos que se dedicam, de maneira direita ou indireta, a pesquisa na area do turismo esportivo.

(6) O torcedor mandante nesta pesquisa e representado por torcedores do Cruzeiro Esporte Clube e do Clube Atletico Mineiro. Ressalta-se que a maioria e torcedor do Cruzeiro, pois, dos vinte e quatro jogos abrangidos nesta pesquisa, vinte e um tiveram mando de campo desse time e em apenas tres jogos o mandante foi o Atletico. (7) Os dados atualizados sobre o numero de socio-torcer no pais pode ser consultado atraves do seguinte link: Disponivel em: https://www.futebolmelhor.com.br/ (Acesso em: 22/11/2018).

(8) Destacam-se apenas o torcedor do Cruzeiro, pois, como dito anteriormente, eles sao a maioria dos participantes da pesquisa, uma vez que o clube e quem em utiliza o estadio majoritariamente como mandante.

(9) E importante ressaltar que estes resultados sao oriundos de uma questao semiaberta do questionario, em que o participante poderia pontuar diferentes elementos considerados por ele no aspecto da reforma do Mineirao ter se tornado uma motivacao para frequentar o estadio.

(10) Ano de reabertura do estadio, em 03 de fevereiro.

(11) Esse dado faz parte dos resultados da pesquisa "Percepcao e manifestacao dos torcedores no Mineirao" que vem sendo realizada pelo Grupo de Estudos sobre Futebol e Torcidas--GEFuT da Escola de Educacao Fisica, Fisioterapia e Terapia Ocupacional--EEFFTO da Universidade Federal de Minas Gerais--UFMG.

(12) Em 2014, o Campeonato Brasileiro e a competicao nacional que tinha o ingresso mais caro do mundo. Isso e o que concluiu um estudo realizado pela Pluri Consultoria. A analise comparou os precos relativos dos ingressos no Brasil com doze dos mais importantes mercados do futebol mundial, considerando a renda per capita de cada pais, o que permite mensurar adequadamente o preco em funcao do nivel de renda da populacao. Disponivel em: http://new.pluriconsultoria.com.br/relatorios/ brasil-paassingressos-mais-caros-mundo/. (Acesso em: 27/11/2018.)
Tabela 1: Aspectos relacionados com a atratividade
turistica do "novo" Mineirao (9)

Aspecto                      Percentual Valido (%)

Conhecer o "novo" Mineirao            49
Seguranca                            29,1
Conforto                             26,8
Estetica e Arquitetura               18,4
Organizacao                          14,8
Servicos                             14,4
Visibilidade do Campo                 9,7
Infraestrutura                        9,5
Acessibilidade                        6,4
Comportamento do Torcedor             4,1

Fonte: Dados primarios da pesquisa

Tabela 2: Principais barreiras que impedem o torcedor viajante do
Cruzeiro frequentar mais o "novo" Mineirao

Aspecto                            Percentual Valido (%)

Distancia                                  33,9
Preco dos ingressos                        24,3
Despesas com a viagem                      22,6
Falta de tempo                             18,1
Transporte publico insuficiente             4,5
Horario dos jogos                           4,0
Estacionamento                              4,0
Violencia                                   1,0

Fonte: Dados primarios da pesquisa

GRAFICO 1--Composicao do grupo de viagem (%)

Amigos              34.9
Conjuge             26
Filhos              23.6
Outros familiares   22.1
1 Sozinho           16.1

Fonte: dados primarios da pesquisa
COPYRIGHT 2019 Universidade Nove de Julho
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Ferreira, Erick Alan Moreira; da Silva, Luciano Pereira
Publication:Podium: Sport, Leisure and Tourism Review
Date:Jan 1, 2019
Words:12797
Previous Article:AN INVESTIGATION AND MODELING OF THE INTERMEDIARY ROLE OF PSYCHOLOGICAL CAPITAL IN THE RELATIONSHIP BETWEEN ORGANIZATIONAL TRUST AND JOB...
Next Article:COMPETITIVENESS FACTORS OF TOURIST TRAIN OPERATOR IN BRAZIL/FATORES DE COMPETITIVIDADE DAS OPERADORAS DE TRENS TURISTICOS NO BRASIL/FACTORES DE...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters