Printer Friendly

Evaluation of Higher Education: An analysis of the use of Information and Communication Technologies in the federal universities of the state of Minas Gerais (Brazil)/Avaliacao da Educacao Superior: analise do uso das Tecnologias da Informacao e Comunicacao nas universidades federais mineiras.

Introducao

No contexto educacional, o que mais se preza e a busca por instituicoes acessiveis a todos e preocupadas em manter elevados os seus indicadores de qualidade. Por meio desses indicadores e possivel analisar em que patamar esta cada instituicao, de acordo com os parametros de qualidade exigidos pelos seus usuarios.

Segundo Bertolin (2007), a partir de 1980 comecaram a surgir os primeiros questionamentos acerca da qualidade da educacao. Nessa mesma decada, o assunto se tornou prioritario nos Estados Unidos e na Europa, passando-se a valorizar a avaliacao e discuti-la cada vez mais. Avaliar a qualidade do ensino na Educacao Superior passou a ser algo preocupante para os governos, instituicoes educacionais e tambem para toda a sociedade, na medida em que as avaliacoes sao de extrema importancia para dar sentido e uma visao significativa da area da educacao.

No Brasil, em geral, a avaliacao ressoa como algo punitivo, associada a pressao e a cobranca. No entanto, ela e um componente necessario no processo de ensino e aprendizagem, pois viabiliza a tomada de decisao e a melhora da qualidade de ensino (Batistti; Preto; Heinzle, 2017). De acordo com Sant'Anna (1995), a avaliacao e o termometro que possibilita analisar a condicao em que se encontram os elementos presentes em um ambiente. Ela tem uma funcao muito significativa na educacao, e a "alma do processo educacional".

Nas Instituicoes de Ensino Superior (IES) brasileiras, ja houve varios metodos avaliativos, partindo do Programa de Avaliacao da Reforma Universitaria (PARU), na decada de 1980, ate o Sistema Nacional de Avaliacao da Educacao Superior (Sinaes), criado pela Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004 (Brasil, 2004a), que vigora ate hoje.

De acordo com Maccari et al. (2014), a avaliacao de desempenho das IES, por meio de sistemas avaliativos especificos, tornou-se um metodo importante para o desenvolvimento da educacao em varios paises, principalmente para as nacoes que apostam no dominio tecnologico como meio de promover o progresso e o bem-estar social. Nesse contexto, o uso das Tecnologias da Informacao e Comunicacao (TIC) e considerado um elemento facilitador em algumas etapas da avaliacao Institucional, como, por exemplo, na implantacao da autoavaliacao institucional (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2011). Segundo Batista et al. (2013), os recursos de informatica tem facilitado o trabalho de processamento de informacoes nas avaliacoes, principalmente quando se trata de dados estatisticos. Na mesma direcao, Balbe (2014) afirma que os avancos tecnologicos tem ajudado a melhorar o processo de tomada de decisao, principalmente em setores que mantem contato continuo com a populacao.

Dessa forma, este trabalho tem por objetivo responder a seguinte indagacao: Como as TIC aparecem e sao avaliadas nas autoavaliacoes? Para isso, o artigo buscou conhecer como estao sendo usadas as TIC no contexto institucional, tomando como foco as universidades federais do Estado de Minas Gerais. A pesquisa teve como proposta identificar a realidade quanto ao uso das TIC em cada instituicao, com base nos relatorios das Comissoes Proprias de Avaliacao (CPA) e, depois, fazer uma pontuacao e sugerir melhorias, com base nos resultados encontrados.

Avaliacao Institucional

A avaliacao institucional surgiu com o objetivo de aumentar a qualidade do Ensino Superior, de forma atrelada as responsabilidades sociais. Nas IES brasileiras, os processos avaliativos iniciaram-se em 1983 com o Programa de Avaliacao da Reforma Universitaria (PARU), por decisao do Conselho Federal de Educacao (CFE) (Barreyro; Rothen, 2008). O PARU tratava de dois temas: (i) a gestao das IES, que engloba o poder e tomada de decisoes, a administracao academica e financeira, e o financiamento e politica de pessoal; e (ii) a producao e a disseminacao do conhecimento, que engloba o ensino e pesquisa e a interacao com a comunidade (Cunha, 1997).

O Programa de Avaliacao da Reforma Universitaria (PARU) tinha por objetivo realizar avaliacoes sistemicas e para isso apelou a avaliacao institucional, estabelecendo a avaliacao interna e propondo a participacao da comunidade atraves da autoavaliacao. Essas caracteristicas tornaram o PARU o precursor das experiencias de avaliacao posteriores no Brasil, como o Programa de Avaliacao Institucional das Universidades Brasileira (PAIUB) e o Sistema Nacional de Avaliacao da Educacao Superior (Sinaes) (Barreyro; Rothen, 2008). No entanto, tanto por nao apresentar indicacoes tecnicas e legais para avaliar as instituicoes, quanto por disputas internas no Ministerio da Educacao (MEC), o PARU foi desativado um ano depois, em 1984 (Cunha, 1997).

A avaliacao institucional ganha relevancia quando se trata de politicas e servicos educacionais publicos, sendo um dos principais instrumentos para a tomada de decisao de politicas publicas (Durli, 2018). Atualmente, a avaliacao das IES brasileiras e realizada por meio do Sinaes.

Sistema Nacional de Avaliacao da Educacao Superior

A Constituicao Brasileira, no artigo 206, inciso VII, estabelece a garantia de padrao de qualidade como um dos principios fundamentais para se ministrar o ensino no Brasil (Brasil, 1988). Nesse cenario, o Sinaes tem por objetivo, dentre outros pontos, melhorar o merito e o valor das instituicoes, areas, cursos e programas, nas dimensoes de ensino, pesquisa, extensao, gestao e formacao, bem como melhorar a qualidade da Educacao Superior (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2011).

O Sinaes foi estabelecido pela Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004 (Brasil, 2004a), e originou-se a partir da constituicao da Comissao Especial de Avaliacao do Ensino Superior (CEA) (Brasil, 2003), composta por representantes das IES, membros do Ministerio da Educacao e da Uniao Nacional dos Estudantes (UNE) (Polidori, 2009). Com base em um conceito de avaliacao que se apoia nas ideias de integracao e participacao, o Sinaes e composto por tres elementos principais: avaliacao do curso de graduacao, avaliacao do desempenho dos estudantes e avaliacao institucional (Ribeiro, 2014).

A avaliacao institucional e dividida em dois momentos, avaliacao interna e avaliacao externa, que fazem uma analise geral das dimensoes, estrutura, relacoes, compromisso social, atividades, finalidades e responsabilidade social das IES e dos cursos ofertados por elas (Frauches, 2014). O Ministerio da Educacao e o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (Inep) sao responsaveis por realizar a avaliacao externa. Ja a avaliacao interna, ou autoavaliacao, e de responsabilidade da Comissao Propria de Avaliacao, formada por membros da comunidade academica (Balbe, 2014).

Comissao Propria de Avaliacao

A Comissao Propria de Avaliacao (CPA) e responsavel pelo processo de autoavaliacao e busca atender os objetivos recomendados pelo Sinaes para envolver a comunidade academica na construcao de uma universidade cada vez melhor em busca de sua identidade como Instituicao de Ensino Superior (Brasil, 2004b).

Uma das dimensoes que devem ser abrangidas, segundo as orientacoes do Sinaes, e a analise da infraestrutura fisica, especialmente a de ensino e de pesquisa, como biblioteca e recursos de informacao e comunicacao. Ainda como objetivo da autoavaliacao, tem-se de coletar dados da comunidade para a producao de informacoes e reflexoes sobre as condicoes do ensino, pesquisa e extensao, bem como dados da gestao para compreender e orientar as acoes, visando manter as potencialidades e sanar as fragilidades encontradas (Universidade Federal de Uberlandia, 2018; Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, 2018)

A Comissao Propria de Avaliacao tem por atribuicoes coordenar o processo interno de avaliacao da instituicao, gerar relatorios e prestar informacao do processo ao Inep. A CPA tem autonomia sobre os conselhos e orgaos colegiados dentro da instituicao, ficando a cargo do colegiado maximo de cada instituicao regulamentar a duracao de mandato de seus membros e a dinamica de funcionamento. Deve respeitar as orientacoes do Inep, como garantir a participacao de todos os membros da comunidade academica (docente, discente, corpo tecnico-administrativo) e da sociedade civil, alem de dar ampla divulgacao da composicao da comissao e suas atribuicoes (Brasil, 2004b).

A autoavaliacao interna atende a propria IES, apresentando as fragilidades e deficiencias que ela possui, formando assim a autoconsciencia institucional em relacao a sua missao, planos, metodos e trajetorias para ajudar no processo de melhoria da qualidade da educacao. O processo de avaliacao tende a refletir toda a instituicao, e nao somente um pequeno grupo ou comissao. Sendo assim, a CPA tem por compromisso buscar sensibilizar todos para a importancia de retratar a realidade para se poder atuar de forma positiva sobre a universidade (Universidade Federal de Uberlandia, 2018; Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, 2018).

As TIC podem desempenhar um papel de grande importancia na autoavaliacao interna, seja apoiando a CPA na realizacao da autoavaliacao, seja processando os dados obtidos, seja ainda elaborando os relatorios destinados ao Sinaes.

Tecnologias da Informacao e Comunicacao

As Tecnologias da Informacao e Comunicacao trouxeram importantes impactos na vida social, trabalho, lazer e tambem nas relacoes e comunicacao entres as pessoas. A aplicacao dessas tecnologias gera novas formas de relacao e novos habitos sociais, ou seja, cria novas formas de sociabilidade (Morigi; Pavan, 2004). Segundo Zuin (2010), as inovacoes tecnologicas que surgiram no mundo globalizado da midia eletronica estao originando estruturas diferentes para a vida social e conduzindo a novos conceitos. Werthein (2000) acrescenta que:

As transformacoes em direcao a sociedade da informacao, em estagio avancado nos paises industrializados, constituem uma tendencia dominante mesmo para economias menos industrializadas e definem um novo paradigma, o da tecnologia da informacao, que expressa a essencia da presente transformacao tecnologica em suas relacoes com a economia e a sociedade (Werthein, 2000, p.72).

As TIC podem ser vistas como o conjunto de recursos tecnologicos que facilitam o acesso a informacao e sua dissipacao (Farias, 2013). Segundo Oliveira e Moura (2015, p.77), as TIC "[...] consistem de todos os meios tecnicos usados para tratar a informacao e auxiliar na comunicacao".

Gracas ao aparecimento da World Wide Web, a reducao de custos e ao aumento de conteudo, na decada de 1990 a Internet espalhou-se pelo mundo (Tellaroli; Albino, 2007). Essa popularizacao contribui para a intensificacao do uso das TIC em diversas areas, dentre as quais a educacao (Locatelli; Zoch; Trentin, 2015).

Atualmente, o termo TIC esta sendo substituido por TDIC (Tecnologias Digitais de Informacao e Comunicacao). Esta ultima se diferencia das TIC pela utilizacao de tecnologias digitais (Fontana; Cordenonsi, 2015), o que permite a transformacao de qualquer linguagem ou dado em zeros e uns (Ribeiro, 2014).

No setor publico, gracas ao emprego da Internet nas diferentes esferas do governo, as TDIC tem ganhado continua aplicacao, seja na comunicacao (e-mail), pesquisas eletronicas e tambem na chamada governanca eletronica (Pereira; Silva, 2010). Segundo os autores, a adocao dessas tecnologias na administracao publica tem por objetivo:

O alcance e a melhoria continua da qualidade, o aumento da eficacia e da eficiencia, a transparencia dos atos administrativos, a fiscalizacao das acoes governamentais e a participacao popular no exercicio da cidadania, por meio da facilidade de acesso a servicos publicos ofertados na Internet (Pereira; Silva, 2010, p.153).

Conforme exposto por Santos (2005), sistemas informatizados de gerencia de processos sao ferramentas fundamentais para a organizacao e tratamento de grandes quantidades de informacao e documentos, de maneira agil e eficaz. Essas caracteristicas possibilitam a prestacao de servicos publicos de forma mais rapida e eficiente. Dessa forma, o uso de Tecnologias Digitais de Informacao e Comunicacao (TDIC) nas universidades federais tambem vem ganhando espaco, seja para auxiliar a administracao ou como ferramenta importante para auxiliar alunos e professores no processo de ensino-aprendizagem.

No que diz respeito ao ensino e aprendizagem, as TDIC podem servir de ferramentas transformadoras e motivadoras para a renovacao de procedimentos tecnicos e estrategias de ensino e aprendizagem. Dentre essas ferramentas, os softwares educacionais podem ser utilizados como alicerce em didaticas que ampliem a capacidade de aprendizagem dos alunos. As TDIC possibilitam tambem o aperfeicoamento de professores atraves de capacitacoes ofertadas por instituicoes de Ensino Superior (Fontana; Cordenonsi, 2015). De acordo com Farias (2013), a utilizacao de ferramentas tecnologicas no procedimento de ensino e aprendizagem e interessante nao so para incrementar os recursos didaticos, mas tambem para promover a inclusao digital e o compartilhamento de informacoes e experiencias entre os alunos.

Procedimentos Metodologicos

A metodologia desta pesquisa se fundamenta em uma abordagem qualitativa, com estudo documental dos relatorios de autoavaliacao institucional. Tambem possui carater exploratorio, na medida em que visa investigar o uso das TIC pelas Comissoes Proprias de Avaliacao das universidades (Gil, 2002).

Foi utilizado o metodo de pesquisa descritiva com a finalidade de analisar como estao sendo utilizadas as TIC nos processos de ensino, a partir dos relatorios mais recentes das autoavaliacoes institucionais de onze universidades federais do Estado de Minas Gerais, a saber: Universidade Federal de Alfenas (Unifal), Universidade Federal de Itajuba (Unifei), Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Universidade Federal de Lavras (UFLA), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), Universidade Federal de Sao Joao Del Rei (UFSJ), Universidade Federal de Uberlandia (UFU), Universidade Federal de Vicosa (UFV), Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM) e Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM).

As leituras e releituras dos relatorios das Comissoes Proprias de Avaliacao das universidades federais mineiras foram feitas a partir da busca de termos gerais do campo semantico das TIC encontrados nos relatorios, a saber: Sistema; Capacitacao; Acessibilidade; Inclusao; Educacao a distancia; Ensino a distancia; Divulgacao tecnologica; TIC; Infraestrutura; Rede sem fio/Wifi e Videoconferencia.

Discutiu-se a selecao desses termos no sentido de eles serem os mais gerais possiveis como forma de encontrar o maximo de informacoes nos relatorios. Sendo assim, expressoes como Sistemas de informacao, Sistema de matricula, Sistema de coleta de dados, Sistema de recursos humanos, Sistema de gestao academica e outras variantes foram substituidas por "Sistema" ao buscar pelo termo em cada relatorio. Aqueles nao relacionados a Tecnologia de Informacao (TI) foram excluidos da selecao (por exemplo, Sistema de abastecimento de agua). De modo semelhante, o mesmo foi feito com outros termos; assim, para expressoes como Capacitacao em informatica ou Capacitacao tecnica em digitalizacao, colocou-se "Capacitacao" e buscou-se por esse termo excluindo as demais especificacoes.

Por exemplo, Acessibilidade e Inclusao, que sao expressoes frequentemente encontradas juntas, foram separadas, porque em alguns relatorios aparece uma e nao a outra. Seguindo o mesmo raciocinio, foram selecionados os demais termos com suas variantes, dentre os quais citam-se aqui, pela importante e grande necessidade das TIC, os termos ligados a Educacao a Distancia, podendo ser: Ensino a Distancia, EaD, Polos, Tutoria a distancia e Curso online.

A partir da analise de cada relatorio, sera feito um quadro com a pontuacao de cada universidade de acordo com as terminologias selecionadas. Sera seguido o item 4.7 do Roteiro de Autoavaliacao Institucional elaborado pelo Sinaes/Inep/MEC (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2004); nele sao verificadas as adequacoes da infraestrutura da instituicao, incluindo os equipamentos das TIC em funcao das atividades de ensino, pesquisa e extensao. A partir desse item, para compilar a pontuacao, sera explorada, alem da terminologia e seus campos semanticos, a forma como os relatorios referenciam (i) os catalogos de servicos das TIC; (ii) o plano de expansao e renovacao das TIC; (iii) a avaliacao e composicao da equipe tecnica, (iv) a maneira como ela esta alinhada com os fins da instituicao.

Segundo as orientacoes do Sinaes, uma das dimensoes que devem ser abrangidas e a infraestrutura fisica da instituicao, especialmente a de ensino e pesquisa, a biblioteca e os recursos de informacao e comunicacao. Sendo assim, nesta secao e apresentada uma sintese referente as TIC constantes nos relatorios de autoavaliacao das universidades federais de Minas Gerais.

Universidade Federal de Alfenas (Unifal)

A Universidade Federal de Alfenas possui campi em tres cidades mineiras: Alfenas, Varginha e Pocos de Caldas. O relatorio mais recente disponibilizado pela CPA da Universidade, referente a 2016, informa que ela possui 517 docentes, 6.551 discentes de graduacao, 34 cursos de graduacao, 26 de posgraduacao e 13 laboratorios de informatica (Universidade Federal de Alfenas, 2016). Participaram dessa avaliacao tanto a comunidade externa atendida pela instituicao, quanto os membros da comunidade academica. Desde o ano de 2007 a coleta de dados era feita por um sistema eletronico denominado Taksilo, criado e administrado pelo Nucleo de Tecnologia da Informacao. Esse sistema possibilitou a propria instituicao coletar e gerenciar seus dados, sem necessitar de terceirizacao. Na busca de melhoria continua e maior eficacia, a atual Comissao revisou o instrumento, desenvolvendo uma nova plataforma de avaliacao em formato mobile (para tablets e celulares), que tornou o processo mais dinamico para os respondentes.

O questionario apresentado a comunidade foi elaborado considerando a Lei do Sinaes, sendo feitos diversos questionamentos no que diz respeito direta ou indiretamente as TIC. Com base nas respostas obtidas, constatou-se que a comunidade academica demonstra satisfacao com as salas de aula e laboratorios, mas boa parte se queixa da falta de investimento em aquisicoes digitais e do mau funcionamento da Internet na biblioteca.

No que se refere a comunicacao com a comunidade externa, feita por meio do site e da ouvidoria, por exemplo, esta nao e satisfatoria. A comunidade externa, em sua maioria, nao usa os canais de comunicacao da universidade, ressaltando-se que as midias utilizadas (televisao, jornais etc.) nao sao suficientes para se comunicar com a sociedade.

Universidade Federal de Itajuba (Unifei)

A analise tem por base os relatorios de 2017 (relatorio integral, relativo aos anos de 2015 e 2016) e de 2018 (relatorio parcial, relativo ao ano de 2017).

Segundo o primeiro relatorio (Universidade Federal de Itajuba, 2017), a Universidade Federal de Itajuba, presente nas cidades de Itajuba e Itabira, contava, em 2016, com 6.386 discentes nos cursos de graduacao, 769 nos cursos de pos-graduacao, 470 docentes e 391 servidores tecnico-administrativos. Ja conforme o ultimo relatorio, a participacao da comunidade academica ficou muito abaixo da meta estipulada no planejamento estrategico.

Para obter as informacoes, a Unifei utiliza o Sistema Integrado de Gestao de Atividades Academicas (SIGAA), que emprega uma escala de 0 a 10 e conta ainda com a opcao N/A (nao se aplica). Os questionarios sao aplicados eletronicamente, considerando os bancos de dados de discentes de graduacao, docentes e servidores tecnico-administrativos da instituicao, gerenciados pela Diretoria de Suporte a Informatica (DSI).

No que tange as TIC, o relatorio nao apresenta muitas informacoes, sendo feitos apenas alguns questionamentos por meio do item comunicacao, tais como: as informacoes do site sao rapidas e faceis de acessar; as informacoes do site sao objetivas; voce se sente satisfeito com o site; as informacoes do e-mail sao relevantes; as informacoes sao apresentadas de maneira completa? (Universidade Federal de Itajuba, 2017). De posse das respostas, a Comissao constatou que, dos meios de acesso as informacoes e noticias utilizados pelos servidores da universidade, tem-se que o e-mail e o mais utilizado, seguido pelo site e, depois, pelas redes sociais.

Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF)

A Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) tem dois campi: Juiz de Fora e Governador Valadares, alem de possuir 55 polos de Educacao a distancia (EaD). A CPA da UFJF e sediada no campus de Juiz de Fora, e possui uma Comissao Setorial Propria de Avaliacao sediada no campus de Governador Valadares (CSPA-GV). Conforme documento elaborado pela CPA, relativo ao trienio 2015-2017, no primeiro semestre de 2017 a instituicao possuia 28.756 discentes matriculados em cursos de graduacao e pos-graduacao, presenciais e em EaD, alem de contar com 1.594 docentes efetivos e 1.593 servidores tecnico-administrativos em educacao nos dois campi que utilizam o Sistema Integrado de Gestao Academica (SIGA) (Universidade Federal de Juiz de Fora, 2018).

Especificamente sobre Tecnologias da Informacao, o relatorio cita algumas acoes, como o Centro de Educacao a Distancia (Cead), que em 2015 reunia 6.452 alunos em 49 polos e ofereceu suporte ao curso de extensao "e-Teia--Tecnologias de Informacao e Comunicacao na Educacao: Inovacao na Sala de Aula".

A Diretoria de Comunicacao informou que houve expressivos avancos e conquistas, destacando o novo Portal da UFJF e o desenvolvimento de projetos para a divulgacao e popularizacao da ciencia, tecnologia e inovacao, voltados a comunidade academica, nao so por meio do site, mas tambem pelas midias sociais.

O setor de Infraestrutura fisica Programa de Incentivo as Fontes Alternativas de Energia Eletrica (Proinfra) destacou o investimento no processo de renovacao de assinaturas de e-books e base de dados, ambos com conclusao prevista para o inicio de 2016, bem como a aquisicao de 36 leitoras de codigo de barras e a finalizacao da instalacao da Central de Monitoramento com cameras.

A Proinfra ainda elencou diversas outras melhorias: implantacao de um repositorio institucional com os arquivos digitalizados de toda a producao intelectual interna; projeto-piloto de emprestimo de tablets e netbooks; disponibilizacao de 15 scanners na biblioteca e nas unidades (incluindo Governador Valadares); Infocentro com 60 computadores online; rede de Internet sem fio (WiFi) gratuita; orientacoes aos usuarios da biblioteca, de forma presencial e virtual; treinamentos para auxiliar no manuseio dos sistemas de biblioteca; consulta ao acervo, reservas de material emprestado e renovacoes online; elaboracao e geracao online de ficha catalografica; e acesso ao Portal de Periodicos Capes.

O Centro de Difusao do Conhecimento (CDC/UFJF) possui um novo software gerenciador de acervos, responsavel pela automacao dos servicos, o Sistema Pergamum, em substituicao ao modulo do Sistema Integrado de Gestao Academica (Siga-Biblioteca). O processamento do acervo bem como a consulta, emprestimo, reserva e renovacao de obras, sao realizados atraves desse sistema, que funciona em uma interface Web.

O relatorio de avaliacao interna da UFJF, analisado neste trabalho, relata que um importante passo foi dado para a evolucao da gestao de Tecnologia da Informacao: a elaboracao e aprovacao do Plano Diretor de Tecnologia da Informacao (PDTI). Tal plano direciona as acoes de TI em um prazo de 30 meses e esta alinhado com o Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) e outros planos governamentais, como a Estrategia de Governanca Digital.

Universidade Federal de Lavras (UFLA)

Com 9.603 alunos e 26 cursos, a UFLA disponibiliza o relatorio de CPA do trienio 2015-2017 em seu site oficial. Para coleta dos dados a serem analisados, foram criados formularios digitais na plataforma Google. Posteriormente foi divulgado o link de acesso no Sistema Integrado de Gestao (SIG) da instituicao, para que toda a comunidade realizasse sua contribuicao.

Segundo o relatorio (Universidade Federal de Lavras, 2018), alem desse canal de comunicacao, a participacao da comunidade foi incentivada por meio de notas de divulgacao, veiculadas em destaque na pagina principal da UFLA, no campus virtual, e na propria pagina da CPA. A autoavaliacao tambem foi divulgada na Radio Universitaria da UFLA e nas redes sociais e de mensagens instantaneas. No relatorio, os resultados sao apresentados por segmento, como: discentes de graduacao, graduacao a distancia, pos-graduacao, docentes e corpo tecnico-administrativo.

Na Universidade existe a Diretoria de Gestao de Tecnologia da Informacao (DGTI), que traca as metas e levanta as necessidades em TI. Estas sao divididas em algumas categorias, como: Informacao; Infraestrutura; Servicos; Governanca de TI; Seguranca de TI e Contratacoes. Os incidentes de seguranca de TI sao relatados por meio do sistema interno de chamados da DGTI.

Seguindo as sugestoes informadas no relatorio de avaliacao interna, a UFLA instituiu seu Comite de Governanca Digital, por meio da Portaria no 1.586/2016 (Universidade Federal de Lavras, 2016). A instituicao desse comite se deu para seguir exigencias do Decreto no 8.638, de 15 de janeiro de 2016 (Brasil, 2016), que instituiu a Politica de Governanca Digital.

A DGTI disponibiliza os seguintes sistemas para automatizar e integrar processos institucionais administrativos e academicos: Sistema Integrado de Patrimonio (Sipac), Almoxarifado e Compras; Sistema Integrado de Gestao de Recursos Humanos (SIGRH); Sistema Integrado de Gestao de Atividades Academicas (SIGAA); Sistema Integrado de Gestao (SIG-UFLA); e o aplicativo movel MinhaUFLA.

Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG)

Segundo o relatorio de avaliacao (Universidade Federal de Minas Gerais, 2017), a UFMG possui aproximadamente 33 mil discentes de graduacao e 14 mil de pos-graduacao, 3.093 docentes e 4.299 servidores tecnico-administrativos em educacao. Sao tres campi: Pampulha, Saude e Montes Claros, alem das unidades especiais: Fazenda Experimental Prof. Helio Barbosa, em Igarape; Instituto Casa da Gloria, em Diamantina e Centro Cultural de Tiradentes.

O relatorio de avaliacao da UFMG mais recente, de 2017 (Universidade Federal de Minas Gerais, 2017), aponta os seguintes instrumentos e fontes para a coleta de dados: dados estatisticos; questionarios do estudante do Exame Nacional de Desempenho do Estudantes (Enade); relatorios e estudos sobre o Enade; relatorios de avaliacao externa (relatorios de visitas in loco); entrevistas com membros da comunidade academica; questionario de avaliacao discente da UFMG; relatorios de seminarios realizados com coordenadores de colegiado e membros do Nucleo Docente Estruturado (NDE); aplicacao de questionarios; analise de documentos, dentre os quais: PDI, Programa UFMG Contemporanea, instrumentos de avaliacao do Inep, boletins informativos e Projetos Pedagogicos dos cursos. O relatorio nao fez referencia quanto ao uso de Tecnologias da Informacao na avaliacao.

Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP)

Segundo o Relatorio de Autoavaliacao mais recente (Universidade Federal de Ouro Preto, 2017), relativo ao ano de 2016, a Universidade tinha 936 docentes, 11.610 discentes de graduacao, 1.577 discentes de pos-graduacao, 52 cursos de graduacao, 47 cursos de pos-graduacao distribuidos em 3 campi: Ouro Preto; Mariana e Joao Monlevade. O relatorio e organizado em dimensoes, sendo as dimensoes 1,4 e 7 aquelas que tratam da infraestrutura. A pagina do CPA da Universidade aponta para varios links quebrados, sem acesso.

O portal ou a pagina da CPA esta em fase de teste. As metas a serem atingidas, de acordo com o relatorio, sao: "(i) implementar, ate o fim da vigencia deste PDI, a criacao automatica de uma sala na Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA), integrada aos demais sistemas da UFOP, para cada disciplina de todos os cursos de pos-graduacao; (ii) manter grupo permanente de analise da viabilidade de oferta de cursos de pos-graduacao na modalidade a distancia"(Universidade Federal de Ouro Preto, 2017, p.100)

Nao foram encontradas mais informacoes relacionadas as TIC no relatorio da CPA da UFOP.

Universidade Federal de Sao Joao Del Rei (UFSJ)

Segundo o relatorio relativo ao periodo 2016-2017, analisado nesta pesquisa (Universidade Federal de Sao Joao Del Rei, 2018), a UFSJ possui um quantitativo de 618 docentes, 10.268 discentes e 431 servidores tecnico-administrativos, 39 cursos de graduacao, 21 cursos de pos-graduacao. Esta presente em cinco municipios: Congonhas, Divinopolis, Ouro Branco, Sao Joao Del Rei e Sete Lagoas.

A universidade fez o relatorio de autoavaliacao em dialogo com o seu Plano de Desenvolvimento Institucional. Participaram todos os segmentos da comunidade academica, porem com um decrescimo significativo em relacao as edicoes dos anos anteriores. As razoes desse descenso na participacao, especialmente entre os discentes, precisam ainda ser analisadas, coincidindo com um contexto de restricoes orcamentarias e das perspectivas academicas, em um cenario de crise economica (Universidade Federal de Sao Joao Del Rei, 2018).

Os termos relacionados as TIC, encontrados no relatorio da instituicao, foram: EaD; AVA; qualidade dos conteudos e servicos dos meios de comunicacao; planos e programas de capacitacao para docentes e servidores tecnico-administrativos; participacao em cursos de capacitacao; salas de apoio a informatica; respondentes por polo de EaD e infraestrutura de EaD (Universidade Federal de Sao Joao Del Rei, 2018).

Universidade Federal de Uberlandia (UFU)

O relatorio de autoavaliacao institucional aqui analisado refere-se ao ciclo de 2015 a 2017. No segundo semestre de 2016 foram contabilizados 20.461 alunos de graduacao, 4.810 matriculados em pesquisa e pos-graduacao, 236 em Educacao a Distancia, 700 no Ensino Fundamental e 138 alunos na Educacao Infantil. As trinta unidades da UFU contam com um total de 1.898 docentes efetivos, distribuidos nas modalidades de 1[degrees] e 2[degrees] graus Escola de Educacao Basica (Eseba), Escola Tecnica de Saude e no Ensino Superior, alem de 3.302 servidores tecnico-administrativos (Universidade Federal de Uberlandia, 2018).

Em 2014 foi aplicado um questionario, utilizado no ano seguinte para a elaboracao do Relatorio Geral de Autoavaliacao Institucional. Este, por sua vez, foi postado no sistema e-MEC e disponibilizado na pagina virtual da CPA. A sociedade civil nao apontou fragilidades na Universidade. Posteriormente, em 2017, foi feita uma reestruturacao e melhoria dos questionarios de autoavaliacao, aplicados no ano seguinte. Tais informacoes, somadas as ja existentes nos relatorios de 2015 e 2016, serviram para a construcao da terceira etapa, o relatorio da autoavaliacao do ciclo 2015-2017.

Os diversos segmentos apontaram o servico de WiFi nos campi como a principal fragilidade relacionada ao Centro de Tecnologia da Informacao (CTI). Diversos outros pontos foram considerados frageis, tanto por docentes e discentes quanto por servidores tecnico-administrativos, destacando-se o setor de infraestrutura, que foi mal avaliado. Foi solicitada a troca de computadores nos laboratorios e apontados varios problemas em relacao a estes ultimos: pequena quantidade; problemas de ventilacao, limpeza e conservacao; carencia de mobiliario; necessidade de ampliacao e renovacao dos equipamentos (o que foi contemplado em 2016).

Universidade Federal de Vicosa (UFV)

A UFV tem 1.324 docentes, 14.535 discentes de graduacao, 5.781 discentes de pos-graduacao, distribuidos nos campi de Vicosa, Florestal e Rio Paranaiba, segundo dados do ultimo relatorio de avaliacao da UFV (Universidade Federal de Vicosa, 2018). Os questionarios foram aplicados sem utilizacao de ferramentas tecnologicas como apoio.

Sobre o uso de Tecnologias da Informacao na avaliacao, o relatorio nao faz referencia, apenas se atendo as metas fixadas no PDI de 2012 a 2017 para Tecnologias de Informacao e Comunicacao (TIC). Conforme o relatorio, algumas delas foram atingidas no ano de 2018, como: intensificar a divulgacao, junto a comunidade universitaria, da utilizacao de novas Tecnologias de Informacao e Comunicacao na educacao; ampliar para 150 o numero de disciplinas de graduacao e pos-graduacao que utilizam novas Tecnologias de Informacao e comunicacao; ampliar para 12 a oferta de cursos de pos-graduacao lato sensu na modalidade a distancia (Universidade Federal de Vicosa, 2018). O relatorio apresenta tambem as mesmas metas para serem alcancadas ate o ano de 2023.

Universidade Federal do Triangulo Mineiro (UFTM)

A UFTM, com sede em Uberaba e um campus em Iturama, possui aproximadamente 7.000 alunos nos cursos de graduacao, pos-graduacao e educacao profissionalizante, distribuidos em 28 cursos de graduacao e 19 de pos-graduacao (Universidade Federal do Triangulo Mineiro, 2018).

Com base no relatorio, observa-se que a instituicao nao se aprofundou no assunto de TI. O relatorio apenas informa que os instrumentos aplicados aos docentes, coordenadores de cursos e servidores tecnico-administrativos foram disponibilizados por meio do Sistema Integrado da UFTM, e, para os discentes, por meio do Sistema Academico. Nos questionarios aplicados a comunidade academica, em relacao a TI, foram identificadas apenas perguntas voltadas para a comunicacao e divulgacao de informacoes. Os dados das avaliacoes (pesquisa de opiniao) foram compilados, e calculadas as frequencias e percentuais com uso do Excel. A divulgacao foi feita online, por meio do Google Forms, e tambem de forma impressa para conhecimento da comunidade externa.

O relatorio cita uma meta de finalizacao da revisao e implementacao dos instrumentos de avaliacao institucional, aplicados a toda comunidade interna e externa, tendo ocorrido discussoes com o Departamento de Tecnologia de Informacao (DTI) e representante da comunidade externa, para disponibilizacao e explicacao dos instrumentos de avaliacao (Universidade Federal do Triangulo Mineiro, 2018).

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM)

A Universidade contava, em 2017, com 756 docentes, 604 servidores tecnico- administrativos e 10.800 discentes de graduacao e de pos-graduacao matriculados em 44 cursos nos seguintes campi: JK, em Diamantina; Mucuri, em Teofilo Otoni; Janauba e Unai (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, 2018). Foi analisado o relatorio final de 2017/2018, referente a autoavallacao dos anos de 2015 a 2017. Para desenvolver o relatorio de autoavaliacao de 2018, foi aplicado questionario a comunidade interna e externa, no periodo de marco a abril de 2017. Buscando maior participacao dos docentes, discentes e servidores tecnico-administrativos, o questionario foi divulgado por diferentes meios: e-mail; radio universitaria; banner na pagina eletronica da UFVJM, dentre outros. Dada a ampla divulgacao, foi constatada uma maior participacao dos tres segmentos acima e tambem da comunidade externa. Foram respondidos 2.212 questionarios, sendo 374 por docentes, 1.274 por discentes, 296 por servidores tecnico-administrativos e 268 pela comunidade externa, numero expressivo que confirma o progressivo envolvimento dos segmentos na autoavaliacao (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, 2018).

De acordo com o relatorio de autoavaliacao referente ao ano de 2018, poucos projetos puderam ser contemplados nos dois anos anteriores, em razao de pesadas restricoes orcamentarias (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, 2018). Alguns projetos de TI desenvolvidos foram: aquisicao de software para projetos de rede cabeada; contratacao de empresa para rede estruturada; instalacao de sistema de atendimento ao usuario de TI (help desk); instalacao de software para comunicacao interna na Diretoria de TI (DTI); instalacao de nova infraestrutura de execucao de servicos via containers, para manter maior agilidade da implantacao de servicos institucionais e maior seguranca na hospedagem e execucao de servicos; implantacao de sistema de auditoria interna (Siaudi/Audin); atualizacao da infraestrutura de execucao de servicos da Divisao de Desenvolvimento de Sistemas, garantindo a melhoria na prestacao de servicos institucionais como e-Campus/Siga; migracao do webmail Expresso Livre para o Rainloop, que possui atualizacoes e apresenta facilidade para correcao de bugs; nova infraestrutura de operacao dos sistemas academicos (containers) com evolucao do sistema, respostas mais rapidas e melhor desempenho, seguranca e disponibilidade de servicos; novo sistema de gestao academica e administrativa (e-Campus), visando a substituicao do Siga; instalacao de equipamento de videoconferencia nos campi de Janauba, Unai e Campus JK, com melhoria sensivel na comunicacao institucional e reducao de custos, alem da possibilidade de comunicacao com outras instituicoes (Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, 2018).

Resultados e Discussao

Os relatorios das Comissoes Proprias de Avaliacao das universidades federais mineiras apresentam as particularidades de cada instituicao; no entanto, tendem a ser padronizados de acordo com as linhas gerais apontadas pelo Roteiro de Autoavaliacao Institucional do Sinaes/Inep/MEC. Ainda assim, as informacoes relacionadas a utilizacao das TIC e suas variacoes estao alem daquelas do eixo/dimensao das quais se esperou encontrar mais informacoes, a de infraestrutura fisica.

Alem da leitura baseada na escolha terminologica (2) como forma de extracao de conteudo das TICs a partir dos relatorios das CPAs, considerou-se o item 4.7 do Roteiro de Autoavaliacao Institucional elaborado pelo Sinaes/Inep/MEC (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2004). A versao mais recente desse documento parece ser a unica, desde a criacao do Sinaes. Nesse item sao verificadas as adequacoes da infraestrutura da instituicao, incluindo os equipamentos das TIC em funcao das atividades de ensino, pesquisa e extensao. O documento propoe a averiguacao do uso da infraestrutura nas politicas institucionais de conservacao, atualizacao, seguranca e estimulo ao emprego dos meios em funcao dos fins, bem como o desenvolvimento de praticas pedagogicas inovadoras (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2004). Por exemplo, recomenda verificar se o espaco dos laboratorios de informatica e suficiente para os alunos desempenharem suas atividades, qual seu nivel de funcionalidade, seu estado de conservacao, seus numeros e suas condicoes.

Na Tabela 1 e apresentada uma sintese quantitativa de todos os itens relacionados as TIC, com base nos relatorios das CPA de cada universidade, sendo atribuida a seguinte pontuacao: (1) nao cita/dados insuficientes; (2) cumpre parcialmente; (3) cumpre totalmente.

O item Sistema aparece com boa pontuacao em todas as universidades quando se trata de sistema academico ou administrativo. O sistema academico cuida do lancamento de notas, frequencia, matricula, oferta de disciplinas e de Ambientes Virtuais de Aprendizagem para EaD, enquanto o sistema administrativo diz respeito ao controle do acervo de bibliotecas, avaliacao de desempenho, compras, licitacoes e gestao de patrimonio, dentre outros aspectos. No entanto, esses itens, tanto academicos como administrativos, nao aparecem explicitamente nos relatorios das CPA da maioria das IES analisadas.

Ja os itens relacionados a Capacitacao tiveram uma pontuacao mediana nos relatorios. De modo pouco mais significativo, aparecem os itens Acessibilidade e Inclusao.

Por outro lado, a EaD aparece de modo muito significativo na maioria das universidades, exceto em duas com pontuacao baixa: UFMG e Unifei. Em especial no que se refere aos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA), seria esperado encontrar, por exemplo, a descricao dos objetivos, o logo institucional, a coerencia logico-semantica dos menus, a identificacao tematica funcional de cada item de menu, um numero de cores que nao prejudique a saude visual, o uso grafico-iconico-textual para orientacao, focalizacao, navegacao e legendas nas imagens. Sao criterios que, tabulados, facilitam a avaliacao da legibilidade, usabilidade, navegabilidade e interatividade de um sistema de informacao, como apontado por Zuanelli (2010). Essas propriedades sao fundamentais em EaD porque ela e uma das areas em que melhor confluem as TIC e as atividades meio e fim de uma universidade.

Ja os itens TIC, Infraestrutura, WiFi e Videoconferencia foram pouco encontrados nos relatorios das CPAS, exceto no da UFLA, que os enfatizou mais que as demais universidades.

Como se pode observar na Tabela 1, os termos tratados para compor as TIC nos relatorios das CPA, em sua grande maioria, nao sao citados, ou possuem poucas informacoes. Isso se explica porque para cada instituicao ha setores que sao tratados como mais importantes, ou porque o setor de Tecnologia da Informacao desempenha um bom papel, de forma que as pessoas nao veem tanta dificuldade a ser sanada. Ha a necessidade de padronizacao nos relatorios das CPA, como sugerido pelo manual do Sinaes elaborado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (2004).

A pouca referencia aos documentos das TIC ou a sua governanca reflete, talvez, a cultura brasileira em relacao a avaliacao dentro das instituicoes de avaliacao; exemplo disso e o fato de, em 15 anos, nao ser encontrada nova versao do manual do Sinaes. Isso pode justificar as pontuacoes medianas aqui encontradas. Deveria haver mencao dos documentos relacionados a governanca das TIC, incluindo o Indice de Governanca de TI (IGovTI), elaborado pelo Tribunal de Contas da Uniao (Brasil, 2018).

Na Tabela 2 estao apresentados dois rankings: o do IGovTI e o da media da pontuacao feita com os scores da Tabela 1, ambos em ordem decrescente. A Tabela apresenta duas listas das universidades, para efeito comparativo: cada ranking ordenou de um modo; por isso ha coincidencias e variacoes de posicoes.

Comparar esses rankings e uma forma de validar a analise realizada nesta pesquisa, usando o IGovTI como referencia. Pode-se observar que o ranking das medias esta em consonancia com o do IGovTI na 1, 2, 6, 7 e 9a posicoes, destacadas em cinza: as universidades Ufla, UFJF, Unifei, UFTM e UFU nao variam ou variam somente uma posicao do ranking IGovTI em relacao ao outro. De outro lado, as demais universidades (mais de 50%) nao apresentam consonancia de rankings. Assim, estando mais da metade das instituicoes fora do padrao esperado, confirma-se a necessidade de se realizarem mais relacoes dos dados e informacoes das TIC, nos relatorios das CPA.

Consideracoes Finais

Como foi apresentado ao longo deste estudo, o Relatorio de Avaliacao Institucional e um importante documento, elaborado atraves do levantamento de informacoes da propria instituicao e da participacao de toda comunidade academica e externa. Assim, o documento reflete a realidade institucional e auxilia na tomada de decisoes.

Este artigo teve como objetivo apresentar como as TIC sao analisadas nas autoavaliacoes institucionais elaboradas pela CPA de cada instituicao. Para isso, utilizaram-se como universo de estudo os relatorios elaborados pelas CPA das onze universidades federais do Estado de Minas Gerais. Foi realizada analise documental do ultimo relatorio disponibilizado por cada uma das comissoes dessas Instituicoes, o que possibilitou enxergar um panorama sobre o uso das TIC na Educacao, principalmente nas instituicoes federais de Ensino Superior.

Observa-se que, mesmo tendo que obrigatoriamente seguir as diretrizes preconizadas pela Lei do Sinaes, os relatorios elaborados pelas CPA nao sao padronizados, o que dificultou a extracao e comparacao de informacoes durante o desenvolvimento da pesquisa. Por outro lado, como cada instituicao possui diferentes caracteristicas e particularidades, dificilmente seria possivel todas comissoes seguirem um mesmo padrao de elaboracao de relatorio.

Especificamente sobre conteudos relativos as TIC nos relatorios, alguns dao ao assunto mais enfase que outros; no entanto, alguns temas sao comuns a maioria deles, como, por exemplo, os sistemas utilizados pela CPA para levantamento de dados e a infraestrutura dos laboratorios de informatica e comunicacao, atraves do portal da instituicao. Por outro lado, temas importantes relativos a PDTI, Comite de Informatica, incentivo a projetos com incubadoras e empresas junior, parcerias com agentes publicos/privados e bases online em bibliotecas, sao citados por poucas instituicoes.

Outro ponto importante a ser notado diz respeito ao conteudo relativo a EaD, ja que essa modalidade de ensino necessita de total apoio das TIC para alcancar seus objetivos. Analisando a EaD nos relatorios, notou-se que a maioria das comissoes esta dando mais enfase ao numero de cursos e de alunos em seus polos, deixando um pouco de lado a avaliacao das TIC, principalmente em relacao aos AVA, que sao ferramentas fundamentais.

Como o avanco tecnologico na area educacional e constante, seria interessante que as comissoes de avaliacao institucional sempre contassem com profissionais da area de tecnologia em sua composicao; assim, provavelmente o tema TICs seria mais bem tratado na elaboracao dos relatorios. Ter profissionais com esse conhecimento na composicao das CPA tambem pode agilizar a divulgacao dos resultados da avaliacao, de modo que a informacao nos sites das instituicoes nao fique defasada.

Por fim, percebeu-se que, mesmo sendo um grande desafio e contando com diversos percalcos, as CPA sao fundamentais, e todas as instituicoes de Ensino Superior devem, cada vez mais, dar total suporte a elas. Assim, consequentemente, as autoavaliacoes institucionais realmente irao se tornar uma poderosa ferramenta de auxilio na busca pelo ensino de qualidade.

Colaboradores

PERINI, C.A.S. e SILVA, D.A.A contribuiram em todas as etapas do artigo. COSTA, J.M., ANDRADE, P.C.R., ABREU, R.M. e BATISTA, R.M. contribuiram na concepcao, projeto e redacao do artigo.

http://dx.doi.org/10.24220/2318-0870v24n3a4499

Referencias

Balbe, R.S. Uso de Tecnologias de Informacao e Comunicacao na gestao publica: exemplos no governo federal. Revista do Servico Publico, v.61, n.2, p.189-209, 2014.

Barreyro, G.B.; Rothen, J.C. Para uma historia da avaliacao da educacao superior brasileira: analise dos documentos do PARU, CNRES, GERES e PAIUB. Avaliacao: Revista da Avaliacao da Educacao Superior (Campinas), v.13, n.1, p.131-152, 2008. Disponivel em: <http://www.sdelo.br/scielo.php?pid=S1414-40772008000100008&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 2 out. 2019.

Batista, M.A. et al. Avaliacao institucional no Ensino Superior: construcao de escalas para discentes e docentes. Avaliacao: Revista da Avaliacao da Educacao Superior (Campinas), v.18, n.1, p.883-999, 2013. Disponivel em: <http://www.scielo.br/scielo. php?script=sci_abstract&pid=S1414-40772013000100011&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 1 ago. 2019.

Batistti, T.S.; Preto, V.M.; Heinzle, M.R.S. Processos avaliativos na Educacao Superior: os planos de ensino em analise. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educacao, v.12, n.3, p.1774-1791,2017.

Bertolin, J.C.G. Indicadores em nivel de sistema para avaliar o desenvolvimento e a qualidade da Educacao Superior brasileira. Avaliacao: Revista da Avaliacao da Educacao Superior, v. 12, n.2, p.309-331,2007. Disponivel em: <http://www.scielo.br/pdf/aval/ v12n2/a07v12n2.pdf>. Acesso em: 2 out. 2019.

Brasil. Constituicao da Republica Federativa do Brasil. Brasilia: Senado Federal, 1988. 292p. Disponivel em: <https://www2.senado. leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/508200/CF88_EC85.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2019.

Brasil. Ministerio da Educacao. Comissao Especial de Avaliacao. Sistema Nacional de Avaliacao da Educacao Superior (Sinaes): bases para uma nova proposta de avalicao da Educacao Superior. Brasilia: MEC, 2003. Disponivel em: <http://portal.mec.gov. br/arquivos/pdf/sinaes.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2019.

Brasil. Casa Civil. Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliacao da Educacao Superior--Sinaes e da outras providencias. Diario Oficial da Uniao, 2004a. Secao 1, n.72, p.3-4. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2004-2006/2004/lei/l10.861.htm>. Acesso em: 26 jul. 2019.

Brasil. Ministerio da Educacao. Portaria n[degrees]2.051, de 9de julho de2004. Procedimentos de avaliacao do Sistema nacional de Avaliacao da Educacao Superior (Sinaes). Brasilia: MEC, 2004b. Disponivel em: <http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/PORTARIA_2051. pdf>. Acesso em: 26 jul. 2019.

Brasil. Presidencia da Republica. Decreto No 8.638 de 15 de janeiro de 2016. institui a Politica de Governanca Digital no ambito dos orgaos e das entidades da administracao publica federal direta, autarquica e fundacional. Brasilia: Casa Civil, 2016. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8638.htm>. Acesso em: 15 fev. 2019.

Brasil. Tribunal de Contas da Uniao. Acordao no 2699/2018: relatorio individual da autoavaliacao: levantamento de governanca e gestao publicas. Goiania: Tribunal Regional do Trabalho 18a regiao, 2018. Disponivel em: <http://www.trt18.jus.br/portal/ tecnologia/monitoracao/perfil-de-governanca/igovti/>. Acesso em: 15 fev. 2019.

Cunha, L.A. Nova reforma do Ensino Superior: a logica reconstruida. Cadernos de Pesquisa, n.101, p.20-49, 1997.

Durli, Z. et al. Sistema de autoavaliacao de cursos de licenciatura na modalidade de Educacao a Distancia. Avaliacao: Revista da Avaliacao da Educacao Superior, v.23, n.2, p.350-371, 2018. Disponivel em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S1414-40772018000200350&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 2 out. 2019.

Farias, S.C. Os beneficios das Tecnologias de Informacao e Comunicacao (TIC) no processo de Educacao a Distancia (EAD). RDBCi: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciencia da informacao, v.11, n.3, p.15-29, 2013. Disponivel em: < https://periodicos. sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rdbci/article/view/1628>. Acesso em: 15 fev. 2019.

Fontana, F.F.; Cordenonsi, A.Z. TDIC como mediadora do processo de ensino-aprendizagem da arquivologia. Agora: Revista do Curso de Arquivologia da UFSC, v.25, n.51, p.101-131, 2015.

Frauches, C.C. Sinaes: avancos e desafios na avaliacao da educacao superior. Brasilia: ABMES Editora, 2014. (Cadernos ABMES, 29). Gil, A.C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. Sao Paulo: Atlas, 2002.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira. Sistema Nacional de Avaliacao da Educacao Superior: Roteiro de Auto-Avaliacao institucional. Brasilia: Inep, 2004.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira. Sistema Nacional de Avaliacao da Educacao Superior (Sinaes). Brasilia: Inep, 2011. v.1.

Locatelli, A.; Zoch, A.N.; Trentin, M.A.S. TICs no ensino de quimica: um recorte do "estado da arte". Revista Tecnologias na Educacao, v.12, n.7, p.1-12, 2015. Disponivel em: <https://tecedu.pro.br/ano7-numerovol12/>. Acesso em: 1 nov. 2018.

Maccari, E.A. et al. Proposta de um modelo de gestao de programas de pos-graduacao na area de administracao a partir dos sistemas de avaliacao do Brasil (Capes) e dos Estados Unidos (AACSB). Revista de Administracao, v.49, n.2, p.369-383, 2014.

Morigi, V.J.; Pavan, C. Tecnologias de Informacao e Comunicacao: novas sociabilidades nas bibliotecas universitarias. Ciencia da informacao, v.33, n.1, p.117-125, 2004.

Oliveira, C.; Moura, S.P. TIC's na educacao: a utilizacao das Tecnologias da Informacao e Comunicacao na aprendizagem do aluno. Pedagogia em Acao, v.7, n.1, p.75-95, 2015.

Pereira, D.M.; Silva, G.S. As Tecnologias de Informacao e Comunicacao (TICs) como aliadas para o desenvolvimento. Cadernos de Ciencias Sociais Aplicadas, v.10, p.151-174, 2010.

Polidori, M.M. Politicas de avaliacao da Educacao Superior brasileira. Avaliacao: Revista da Avaliacao da Educacao Superior, v.14, n.2, p.439-452, 2009. Disponivel em: <http://www.scielo.br/pdf/aval/v14n2/a09v14n2.pdf>. Acesso em: 2 out. 2019.

Ribeiro, A.E. Tecnologia digital. Belo Horizonte: Faculdade de Educacao da UFMG, 2014. Disponivel em: <http://www.ceale.fae. ufmg.br/app/webroot/glossarioceale/verbetes/tecnologia-digital>. Acesso em: 5 jan. 2019.

Sant'anna, I.M. Por que avaliar? Como avaliar? Criterios e instrumentos. Petropolis: Vozes, 1995.

Santos, B.S. Os tribunals e as novas Tecnologias de Comunicacao e de Informacao. Sociologias, v.7, n.13, p.82-109, 2005.

Tellaroli, T.M.; Albino, J.P Da sociedade da informacao as novas TICs: questoes sobre internet, jornalismo e comunicacao de massa. In: Forum da Diversidade e Igualdade: cultura, educacao e midia, 2007, Bauru. Anais [...]. Bauru: Unesp, 2007. p.1-15.

Universidade Federal de Alfenas. Autoavaliacao institucional: relatorio de avaliacao institucional 2016. Alfenas: Unifal, 2016. Disponivel em: <https://www.unifal-mg.edu.br/cpa/system/files/imce/Avaliacoes/Relatorio_Avaliacao_2016.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2018.

Universidade Federal de Itajuba. Avaliacao institucional2015-2016: relatorio integral. Itajuba: Unifei, 2017. Disponivel em: <https:// owncloud.unifei.edu.br/index.php/s/rEmyyydI7MpVwt0>. Acesso em: 25 nov. 2018.

Universidade Federal de Juiz de Fora. Relatorio integral de autoavaliacao institucional relativo ao trienio 2015 a 2017. Juiz de Fora: UFJF, 2018. Disponivel em: <http://www.ufjf.br/cpa/files/2011/10/Relat%C3%B3rio-autoavalia%C3%A7%C3%A3o-institucionalIntegral-2015-2017-C%C3%B3pia.pdf>. Acesso em: 25 nov. 2018.

Universidade Federal de Lavras. Portaria no 1.586, de 24 de outubro de 2016. Lavras: UFLA, 2016. Disponivel em: <https://www. dgti.ufla.br/site/wp-content/uploads/2017>. Acesso em: 15 fev. 2019.

Universidade Federal de Lavras. Comissao Propria de Avaliacao. Relatorio de autoavaliacao institucional referente ao trienio 2015-2017. Lavras: UFLA, 2018. Disponivel em: <http://www.cpa.ufla.br/wp-content/uploads/2018/10/Relat%C3%B3rio-daCPA_tri%C3%AAnio.pdf>. Acesso em: 23 dez. 2018.

Universidade Federal de Minas Gerais. Relatorio parcial de autoavaliacao institucional referente ao ciclo 2012-2016. Belo Horizonte: UFMG, 2017. Disponivel em: <https://www.ufmg.br/dai/textos/Relatorio2017-de-Autoavaliacao-CPA-UFMG-2017.pdf>. Acesso em: 23 dez. 2018.

Universidade Federal de Ouro Preto. Comissao Propria de Avaliacao. 2[degrees] relatorio parcial de autoavaliacao institucional. Ouro Preto: UFOP, 2017. Disponivel em: <https://drive.google.com/file/d/0B32KHsMpp5gOQTVNdmg1TnRROGs/view>. Acesso em: 10 jan. 2019.

Universidade Federal de Sao Joao Del Rei. Comissao Propria de Avaliacao. Relatorio de autoavaliacao institucional 2017. Sao Joao Del Rey: UFSJ, 2018. Disponivel em: <https://ufsj.edu.br/portal2-repositorio/File/cpa-ufsj7Relatorio%20de%20Autoavaliacao%20 Institucional%20UFSJ%202017(2).pdf>. Acesso em: 10 jan. 2019.

Universidade Federal de Uberlandia. Comissao Propria de Avaliacao. Relatorio de autoavaliacao institucional referente ao ciclo (2015-2017). Uberlandia: UFU, 2018. Disponivel em: <http://www.cpa.ufu.br/sites/cpa.ufu.br/files/Relat%C3%B3rio%20de%20 Autoavalia%C3%A7%C3%A3o%202017%20-%20Final_0.pdf>. Acesso em: 26 nov. 2018.

Universidade Federal de Vicosa. Comissao Propria de Avaliacao. Relatorio autoavaliacao institucional VCiclo: etapa final, 2018. Vicosa: UFV, 2018. Disponivel em: <http://www.cpa.ufv.br/wp-content/uploads/Relatario-Etapa-Final-V-Ciclo-CPA-UFV.pdf>. Acesso em: 22 dez. 2018.

Universidade Federal do Triangulo Mineiro. Comissao Propria de Avaliacao. Relatorio final de autoavaliacao institucional 2018. Uberaba: UFTM, 2018. Disponivel em: <http://www.uftm.edu.br/comitesecomissoes/CPA/relatorios>. Acesso em: 22 dez. 2018.

Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Comissao Propria de Avaliacao. Relatorio de autoavaliacao institucional referente ao ciclo (2015-2017). Diamantina: UFVJM, 2018. Disponivel em: <http://media.ufvjm.edu.br/content/uploads/ sites/53/2014/10/Relat%C3%B3rio-de-Autoavalia%C3%A7%C3%A3o-Institucional-2017-12.pdf>. Acesso em: 27 nov. 2018.

Werthein, J. A sociedade da informacao e seus desafios. Ciencia da Informacao, v.29, n.2, p.71-77, 2000.

Zuanelli, E. Digital communication and sites architecture: a semiotic-linguistic approach. Guidelines for Web Design. In: Annual Conference of the European University Public Relations and Information Officers, 22., 2010, Stresa. Proceedings [...]. Stresa: Euprio, 2010. Available from: <http://www.pragmema.it/comit/pub/2010/05/02zuanelli.pdf>. Cited: Dec. 22, 2018.

Zuin, A.A.S. O Plano Nacional de Educacao e as Tecnologias da Informacao e Comunicacao. EducacaoeSociedade, v.31, n.112, p.961-980, 2010.

Recebido em 26/2/2019 e aprovado em 23/4/2019.

Carlos Antonio de Souza Perini (1) [ID] 0000-0003-1988-0653

Dirlene Aparecida Almeida e Silva (1) [ID] 0000-0002-6388-1920

Jhonny Michael Costa (1) [ID] 0000-0002-7087-602X

Paulo Cesar de Resende Andrade (1) [ID] 0000-0002-7865-8174

Rafael Miranda Abreu (1) [ID] 0000-0002-4684-4976

Riann Martinelli Batista (1) [ID] 0000-0002-9489-7298

(1) Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Instituto de Ciencia e Tecnologia, Programa de Pos-Graduacao em Educacao. Rod. MGT 367, Km 583, 5000, Alto da Jacuba, 39100-000, Campus JK, Diamantina, MG, Brasil. Correspondencia para/Correspondece to: P.C.R. ANDRADE. E-mail: <pceandrade@gmail.com>.

(2) Os termos usados sao aqueles expostos na metodologia deste artigo: Sistema; Capacitacao; Acessibilidade; Inclusao; EaD; Ensino a distancia; Divulgacao tecnologica; TIC; Infraestrutura; Rede sem fio/W/F/ e Videoconferencia.
Tabela 1. Tecnologias de Informacao e Comunicacao encontradas nos
relatorios de autoavaliacao institucional.

                         Unifal   Unifei   UFJF   UFLA   UFMG   UFOP

Sistema                    3        3       3      3      2      3
Capacitacao                3        3       1      3      3      2
Acessibilidade             3        3       3      3      3      2
Inclusao                   2        3       3      2      3      1
EaD                        3        1       3      3      1      2
Ensino a Distancia         3        3       3      3      2      3
Divulgacao Tecnologica     3        3       3      2      1      2
TIC                        1        1       1      1      1      1
Infraestrutura             3        2       2      3      3      2
WiFi                       1        1       2      3      1      1
Videoconferencia           1        1       3      3      1      2
Medias                    2,36     2,18    2,45   2,63   1,90   1,90

                         UFSJ   UFU    UFV    UFTM   UFVJM

Sistema                   2      3      3      3       3
Capacitacao               2      2      2      3       2
Acessibilidade            3      3      2      2       2
Inclusao                  3      3      2      2       2
EaD                       3      3      3      3       3
Ensino a Distancia        3      3      3      3       3
Divulgacao Tecnologica    2      2      1      2       2
TIC                       1      1      1      1       1
Infraestrutura            3      3      2      2       3
WiFi                      1      1      1      2       2
Videoconferencia          2      2      1      2       3
Medias                   2,36   2,18   1,90   2,27   2,36

Nota: EaD: Ensino a Distancia; TIC: Tecnologia da Informacao e
Comunicacao; Unifal: Universidade Federal de Alfenas; Unifei:
Universidade Federal de Itajuba; UFJF: Universidade Federal de Juiz de
Fora; UFLA: Universidade Federal de Lavras; UFMG: Universidade Federal
de Minas Gerais; UFOP: Universidade Federal de Ouro Preto; UFSJ:
Universidade Federal de Sao Joao Del Rei; UFU: Universidade Federal de
Uberlandia; UFV: Universidade Federal de Vicosa; UFTM: Universidade
Federal do Triangulo Mineiro e UFVJM: Universidade Federal dos Vales
do Jequitinhonha e Mucuri.

Fonte: Elaborado pelos autores (2019).

Tabela 2. Ranking do IGovTI versus ranking da media da pontuacao das
universidades.

Posicao   Universidade  IGovTI--2018  Universidade  Media da pontuacao
                                                         das CPA

1a            UFLA          0,91          UFLA             2,63
2a            UFJF          0,43          UFJF             2,45
3a            UFMG          0,43         Unifal            2,36
4a            UFOP          0,41          UFSJ             2,36
5a            UFV           0,39         UFVJM             2,36
6a           Unifei         0,35          UFTM             2,27
7a            UFTM          0,29         Unifei            2,18
8a           UFVJM          0,27          UFU              2,18
9a            UFU           0,25          UFMG             1,90
10a           UFSJ          0,15          UFOP             1,90
11a          Unifal         0,08          UFV              1,90

Nota: Unifal: Universidade Federal de Alfenas; Unifei: Universidade
Federal de Itajuba; UFJF: Universidade Federal de Juiz de Fora; UFLA:
Universidade Federal de Lavras; UFMG: Universidade Federal de Minas
Gerais; UFOP: Universidade Federal de Ouro Preto; UFSJ: Universidade
Federal de Sao Joao Del Rei; UFU: Universidade Federal de Uberlandia;
UFV: Universidade Federal de Vicosa; UFTM: Universidade Federal do
Triangulo Mineiro e UFVJM: Universidade Federal dos Vales do
Jequitinhonha e Mucuri.

Fonte: Elaborado pelos autores (2019), a partir do Levantamento de
Governanca e Gestao Publica (Brasil, 2018).
COPYRIGHT 2019 Pontificia Universidade Catolica de Campinas
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Perini, Carlos Antonio de Souza; Silva, Dirlene Aparecida Almeida; Costa, Jhonny Michael; Andrade, P
Publication:Revista de Educacao PUC - Campinas
Date:Sep 1, 2019
Words:9123
Previous Article:Academic performance in the freshman year of undergraduate studies: The case of the Universidade Federal de Goias Statistics course/Desempenho...
Next Article:The physical education textbook: A reading of the academic production/O livro didatico de educacao fisica: uma leitura da producao academica.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters