Printer Friendly

Emergency and seedling growth of sweet passion fruit according to sewage sludge and light/Emergencia e crescimento de mudas de maracuja doce em funcao de lodo de esgoto e luz.

Introducao

A fruticultura brasileira apresenta-se como um dos principais ramos na agricultura do pais. A Passiflora alata Curtis e uma especie que apresenta bom desenvolvimento por encontrar condicoes ecologicas adequadas, e uma trepadeira pertencente a familia Passifloraceae, e apresenta grande aceitacao pelos consumidores, sendo comercializada principalmente para consumo in natura.

Aculturadomaracujavemsedestacando como uma alternativa agricola para a pequena propriedade, potencializando a diversificacao (Araujo Neto et al., 2009; Furlaneto et al., 2014). A tradicional pratica para producao de mudas na fruticultura baseia-se na utilizacao de sementes. Um dos grandes problemas enfrentados pelos produtores de maracujazeiro encontra-se em sua propagacao, sendo observados frequentes relatos de desuniformidade e baixa germinacao das sementes (Osipi et al., 2011).

As plantas necessitam de substratos com caracteristicas quimicas, fisicas e microbiologicas que propiciem ao sistema radicular um crescimento adequado na fase inicial do seu desenvolvimento. Dessa forma, muitos produtos minerais e organicos podem ser importantes nesse processo, e inclusive sem apresentar custo adicional ao viveiro (Oliveira et al., 2013). O lodo de esgoto vem se caracterizando como um dos grandes problemas ambientais na atualidade no que se trata da sua destinacao, no entanto, sua aplicacao na agricultura pode ser uma importante alternativa. Diversos trabalhos tem mostrado aumento na producao e crescimento de plantas quando usado como fonte de nutrientes (Nascimento et al., 2011; Faria et al., 2013; Gomes et al., 2013).

A luz e uma fonte primaria de energia e apresenta-se primordial para o crescimento das plantas por fornecer energia para fotossintese. Plantas de sol e de sombra apresentam caracteristicas contrastantes em relacao a anatomia e fisiologia (Lacerda et al., 2010; Brant et al., 2011), havendo diversidade de manifestacoes morfologicas frente as alteracoes da intensidade de luz incidente. Quando aclimatadas em ambientes com diferentes niveis de luminosidade, as plantas desenvolvem normalmente "folhas de sol" e "de sombra" (Matos et al., 2009). A intensidade luminosa interfere diretamente na emergencia e crescimento das mudas, conforme observado em mudas de mamoeiro, cujo desenvolvimento inicial deve ser conduzido sob condicoes com intensidade luminosa de 50% (Costa et al., 2010), enquanto Reis et al. (2011) observaram que mudas de carnauba produzidas em pleno sol emergem mais rapido e apresentam maior qualidade, resultados similares aos encontrados para mudas de goiabeira (Lopes & Freitas, 2009).

Diante do exposto, objetivou-se com o presente trabalho avaliar a emergencia de sementes e o crescimento de mudas de maracujazeiro doce, em solos fertilizados com lodo de esgoto e sob diferentes intensidades luminosas.

Material e Metodos

O experimento foi conduzido no Centro de Ciencias Agrarias da Universidade Federal do Espirito Santo (CCA-UFES), em Alegre-ES, 20[degrees] 45' 49" S e 41[degrees] 31' 58" W. Os valores medios de precipitacao, temperatura maxima, minima e media foram de 83 mm, 31,7, 19,3 e 24,7[degrees]C (Incaper, 2013).

Foram utilizadas sementes de Passiflora alata Curtis de frutos maduros coletados em pomares no municipio de Alegre-ES. As sementes foram extraidas manualmente dos frutos, friccionadas em peneiras de arame com cal virgem para auxiliar a extracao do arilo e secas a sombra sobre papel de filtro. Antes da semeadura, foram escarificadas utilizandose uma garrafa plastica com areia grossa na proporcao de 1/2 - 1/2 v:v, durante 15 minutos de agitacao, no ambito de quebrar a dormencia das sementes com o uso de materiais abrasivos (Rossetto et al. 2000).

Os solos utilizados foram Latossolo Vermelho e Latossolo Amarelo, cujas analises de macronutrientes, pH, Al, H+Al, SB, CTC, T e V foram realizadas conforme metodologia proposta pela Embrapa (1997) (Tabela 1). O lodo de esgoto utilizado foi coletado junto a lagoa anaerobica da Estacao de Tratamento de Esgoto (ETE) da Companhia Espirito Santense de Saneamento (CESAN) de Valparaiso, municipio da Serra-ES, cujas analises foram realizadas para a determinacao das caracteristicas fisicoquimicas e metais pesados (Tabela 1). Os solos e o lodo foram peneirados em peneira de malha de 2 mm.

Utilizou-se a quantidade de corretivos de acordo com a analise quimica dos solos elevando a saturacao de bases para 80% e a CTC a pH 7,0 com a adicao de calcario dolomitico (PRNT 94%) nas proporcoes de 0,65 toneladas por hectare para LV e 0,83 toneladas por hectare para LA. Apos 30 dias, periodo de incubacao, foram adicionadas 60 toneladas por hectare de lodo de esgoto.

Os solos mais o lodo de esgoto que constituiram os tratamentos foram: Latossolo Amarelo (LA1); Latossolo Amarelo + lodo (LA2); Latossolo Amarelo + lodo + calcario (LA3); Latossolo Vermelho (LV1); Latossolo Vermelho + lodo (LV2); Latossolo Vermelho + lodo + calcario (LV3), que foram incubados por 45 dias. Posteriormente, foram distribuidos em vasos plasticos com capacidade de 4,5 L e mantidos sob ambiente protegido, sombreados com telas, tipo sombrite, pretas (poliolefina), cuja intensidade luminosa foi determinada utilizando-se um Luximetro Digital (TES 1332A) com resolucao de 2000 LUX, que registraram: sol pleno (0,85 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]); cobertura com uma tela preta (0,74 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]); cobertura com duas telas pretas (0,70 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]); e cobertura com tres telas pretas (0,40 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]). Em seguida, foi realizada a semeadura a uma profundidade de 20 mm, sendo distribuidas 25 sementes por vaso.

A irrigacao foi realizada manualmente determinando-se a retencao de umidade na tensao de 0,010 MPa para a capacidade de campo, em camara de pressao de Richards com placa porosa (Embrapa, 1997) e mantida a 70%, pela afericao dos vasos diariamente em balanca eletronica (0,001 g), sendo a primeira afericao as 08:00 horas e a segunda as 16:00 horas.

A avaliacao do experimento foi realizada pela porcentagem e pelo indice de velocidade de emergencia de acordo com Maguire (1962); analise de crescimento radicular e da parte aerea durante o ciclo da cultura, que foi avaliada pelo acumulo de massa fresca e seca (mg), esta utilizando-se estufa com ventilacao forcada regulada a 80[degrees]C por 72 horas (massa seca constante). Ao fim de 180 dias foram avaliados o numero de folhas, a altura das plantas (medida do coleto das plantas ate a gema apical, e os resultados expressos em milimetro), o comprimento da raiz principal (mm), a altura da planta (mm) e a area foliar ([mm.sup.2]) de 15 plantas em cada repeticao, aleatoriamente.

O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente casualizado com quatro repeticoes por tratamento, os quais foram distribuidos num esquema fatorial (6x4), constituidos pelas seguintes composicoes de solo + lodo de esgoto: LA1: Latossolo Amarelo; LA2: Latossolo Amarelo + lodo; LA3: Latossolo Amarelo + lodo + calcario; LV1: Latossolo Vermelho; LV2: Latossolo Vermelho + lodo; LV3: Latossolo Vermelho + lodo + calcario. sob os quatro niveis de intensidades luminosas [sol pleno (0,85 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]); cobertura com uma tela preta (0,74 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]); cobertura com duas telas pretas (0,70 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]); e cobertura com tres telas pretas (0,40 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1])].

Os dados referentes as caracteristicas avaliadas foram transformados: emergencia Y= [para arco seno [(x/100).sup.1/2]] e as demais, pela [[(x + 0,5).sup.1/2]], observadas as pressuposicoes do teste de normalidade e de homogeneidade de variancia. A comparacao de medias foi feita utilizando-se o teste de Tukey, em nivel de 5% de probabilidade, utilizando o pacote ExpDes do software R 2.13.1 (Ferreira et al., 2011).

Resultados e Discussao

A intensidade luminosa influenciou no processo de emergencia das plantulas e no desenvolvimento das mudas (Tabela 2). Observou-se que sob sol pleno (0,85 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]) houve maior porcentagem de emergencia e maior indice de velocidade de emergencia. No entanto, sob menores intensidades de luz com uso de duas telas (0,70 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]) e tres telas sombrite (0,40 [micron]mol [m.sup.-2] s'1) verificou-se que nao houve emergencia das mudas em solo LA1, evidenciando a importancia da luz neste processo. Entretanto, para esta segunda caracteristica, nao houve diferenca estatistica com o uso de uma tela (0,74 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]) nos solos LA2, LA3 e LV2 e sob duas telas sombrite (0,70 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]) no solo LV2 (Tabela 2). A luz destaca-se entre os componentes ambientais para o crescimento das plantas, pois, alem de fornecer energia para a fotossintese, evidencia os sinais que regulam seu desenvolvimento por meio de receptores de luz sensiveis a diferentes intensidades, qualidade espectral e estado de polarizacao (Zanella et al., 2006).

Em presenca de uma tela preta (0,74 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]), verifica-se que a adicao de lodo de esgoto ao solo, tanto Latossolo Amarelo quanto Vermelho, foi importante na promocao da emergencia de plantulas e na velocidade do processo, com valores significativamente superiores em relacao aos solos com ausencia de lodo (Tabela 2).

Com relacao a massa fresca da raiz (Tabela 3), as maiores medias foram encontradas nas plantulas desenvolvidas sob menores intensidades luminosas (duas e tres telas pretas, correspondendo a 0,70 [micron]mol [m.sup.-2] se 0,40 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1], respectivamente), a excecao das plantas cultivadas nos solos LA1, LA2 e LV1, sob duas telas e LA3 e LV2 sob tres telas pretas (0,40 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]). Comportamento semelhante foi observado quando a massa seca da raiz foi avaliada (Tabela 3).

Em nenhuma das intensidades luminosas avaliadas houve resposta no acumulo de massa seca e fresca de raiz em solos ausentes de lodo, sugerindo efeito benefico de sua adicao para a cultura. O LA2 sob duas telas (0,70 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1] foi estatisticamente superior ao avaliar as variaveis massa fresca e seca da raiz e parte aerea para as mudas

Boechat et al. (2014) concluiram que o lodo de esgoto domestico beneficiou o crescimento de pinhao-manso. Caldeira et al. (2014), em estudo com Acacia mangiume, observaram que em solos compostos por lodo de esgoto, as plantas apresentaram maiores medias dentre as variaveis de crescimento avaliadas.

Para as variaveis massa fresca e seca das parte aerea analisadas (Tabela 3), observase que as maiores medias foram encontradas sob menores intensidades de luz. Segundo Scalon et al. (2002) e Lopes et al. (2005), a germinacao e o crescimento das plantas pode refletir a habilidade de adaptacao das especies as condicoes de radiacao do ambiente em que estao se desenvolvendo.

Em todas as variaveis de crescimento avaliadas verifica-se que as plantas apresentaram maior crescimento em solos enriquecidos com lodo de esgoto (Tabela 4).

Sob regime de luz com uso de duas telas pretas (0,70 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]) ocorreram maiores valores no crescimento da raiz em todos os solos. Com relacao a altura das plantas, os maiores valores foram obtidos sob o maior intensidade de luz (sol pleno= 0,85 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1]), a excecao das plantas em LA1 e LV3, que diferiram, apresentando os menores valores. Isto se deve ao processo fotossintetico, que ocorre principalmente nas folhas, e e dependente do numero de folhas e da area foliar das plantas. Resultados similares foram encontrados no LA1 a sol pleno, LV1 sob uma tela preta e LA1, LV1 e LV3 sob duas telas pretas.

Muitas especies trepadeiras necessitam de maiores intensidades luminosas, diante disso, em areas de conservacao ou reflorestamento e necessario desenvolver manejo adequado sob a perspectiva de privilegia-las para seu bom desenvolvimento (Sfair & Martins, 2011).

Conclusoes

A aplicacao de lodo de esgoto no solo favorece a emergencia das sementes e o desenvolvimento de mudas do Passiflora alata Curtis.

As sementes de Passiflora alata Curtis apresentam maior porcentagem e velocidade de emergencia quando mantidas a sol pleno.

A utilizacao de duas e tres telas sombrite (0,70 e 0,40 [micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1], respectivamente) sao as mais indicada proporcionando maior crescimento vegetativo das mudas de maracujazeiro doce.

Agradecimentos

Ao CNPq pelo financiamento de bolsa de produtividade em pesquisa aos segundo e terceiro autores.

Referencias

Araujo Neto, S.E., Souza, R.S., Saldanha, C.S., Fontinele, Y.R., Negreiros, J.R.S., Mendes, R., Azevedo, J.M.A., Oliveira, E.B.L. 2009. Produtividade e vigor do maracujazeiro amarelo plantado em covas e plantio direto sob manejo organico. Ciencia Rural 39: 678-683.

Boechat, M.L., Ribeiro, M.O., Ribeiro, L.O., Santos, J.A.G., Accioly, A.M.A. 2014. Lodos de esgoto domestico e industrial no crescimento inicial e qualidade de mudas de pinhao-manso. Bioscience Journal 30: 782-791.

Brant, R.S., Rosal, L.F., Alves, C., Oliveira, C., Albuquerque, C.J.B. 2011. Adaptacoes fisiologicas e anatomicas de Melissa officinalis L. (Lamiaceae) cultivadas sob malhas termorrefletoras em diferentes intensidades luminosas. Revista Brasileira de Plantas Medicinais 13: 467-474.

Caldeira, M.V.W., Favalessa, M., Goncalves, E.O., Delarmelina, W.M., Santos, F.E.V., Viera, M. 2014. Lodo de esgoto como componente de substrato para producao de mudas de Acacia mangium Wild. Comunicata Scientiae 5: 34-43.

Costa, E., Leal, P.A.M., Santos, L.C.R., Vieira, L.C.R. 2010. Crescimento de mudas de mamoeiro conduzidas em diferentes ambientes protegidos, recipientes e substratos na regiao de Aquidauana, Estado do Mato Grosso do Sul. Acta Scientiarum Agronomy 32: 463-470.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuaria. 1997. Manual de metodos de analises de solos. 2.ed. Centro Nacional de Pesquisa de Solos, Rio de Janeiro, BR. 212p.

Faria, J.C.T., Caldeira, M.V.W., Delarmelina, W.M., Lacerda, L.C., Goncalves, E.O. 2013. Substratos a base de lodo de esgoto na producao de mudas de Senna alata. Comunicata Scientiae 4: 342351.

Ferreira, E.B., Cavalcanti, P.P., Nogueira, D.A. 2011. Experimental Designs: um pacote R para analise de experimentos. Revista de Estatistica da UFOP 1:1-9.

Furlaneto, F.P.B., Esperancini, M.S.T., Martins, A.N., Okamoto, F., Vidal, A.A., Bueno, O.C. 2014. Analise energetica do novo sistema de producao de maracuja amarelo na regiao de Marilia-SP. Ciencia Rural 44: 235-240.

Gomes, D.R., Caldeira, M.V.W., Delarmelina, W.M., Goncalves, E.O., Trazzi, P.A. 2013. Lodo de esgoto como substrato para producao de mudas de Tectona grandis L. Cerne 19: 123-131.

Instituto Capixaba de Pesquisa e Extensao Rural. Sistema de informacoes meteorologicas. 2014. Disponivel em: <http://www.incaper.es.gov.br>. Acesso em: 07 de mai de 2014.

Lacerda, C.F., Carvalho, C.M., Vieira, M.R., Americo, J.G., Neves, A.L.R., Rodrigues, C.F. 2010. Analise de crescimento de milho e feijao sob diferentes condicoes de sombreamento. Revista Brasileira de Ciencias Agrarias 5: 18-24.

Lopes, J.C., Capucho, M.T., Martins Filho, S., Repossi, P.A. 2005. Influencia de temperatura, substrato e luz na germinacao de sementes de bertalha. Revista Brasileira de Sementes 27: 18-24.

Lopes, J.C., Freitas, A.R. 2009. Germinacao de Sementes e Formacao de Mudas de Psidium guajava L. (Goiabeira): Efeito de Sombreamento. Revista Brasileira De Agroecologia 4: 1939-1942.

Maguire, J.B. 1962. Speed of germination-aid in selection and evaluation for seedling emergence vigor. Crop Science 2: 176-177.

Matos, F.S., Moreira, C.V., Missio, R.F., Dias, I.A.S. 2009. Caracterizacao fisiologica de mudas de Jatropha curcas L. produzidas em diferentes niveis de irradiancia. Revista Colombiana de Ciencias Horticolas 3: 126-134.

Nascimento, A.L., Sampaio, R.A., Brandao Junior, D.S., Zuba Junior, G.R., Fernandes, L.A. 2011. Crescimento e produtividade de semente de mamona tratada com lodo de esgoto. Revista Caatinga 24: 145-151.

Oliveira, F.T., Hafle, O.M., Mendonca, V., Moreira, J.N., Mendonca, L.F.M. 2013. Revista Brasileira de Fruticultura 35: 866-874.

Osipi, E.A.F., Lima, C.B., Cossa, C.A. 2011. Influencia de metodos de remocao do arilo na qualidade fisiologica de sementes de Passiflora alata Curtis. Revista Brasileira de Fruticultura VE: 680-685.

Reis, R.G.E., Pereira, M.S., Goncalves, N.R., Pereira, D.S., Bezerra, A.M.E. 2011. Emergencia e qualidade de mudas de Copernicia prunifera em funcao da embebicao das sementes e sombreamento. Revista Caatinga 24: 43-49.

Rossetto, C. A. V., Coneglian, R. C. C., Nakagawa, J., Shimizu, M. K., Marin, V. A. 2000. Germinacao de sementes de maracuja-doce (Passiflora alata Dryand.) em funcao de tratamento pregerminativo. Revista Brasileira de Sementes 22: 247-252.

Scalon, S.P.Q., Mussury, R.M., Rigoni, M.R., Veraldo, F. 2002. Crescimento inicial de mudas de especies florestais nativas sob diferentes niveis de sombreamento. Revista Arvore 26: 1-5.

Sfair, J.C., Martins, F. 2011. The role of heterogeneity on climber diversity: is liana diversity related to tree diversity. Global Journal of Biodiversity Science and Management 1: 1-10.

Zanella, F.; Soncela, R.; Lima, A.L.S. 2006. Formacao de mudas de maracujazeiro amarelo sob niveis de sombreamento em Ji-Parana/RO. Ciencia e Agrotecnologia 30: 880-884.

Allan Rocha de Freitas, Jose Carlos Lopes *, Rodrigo Sobreira Alexandre, Luan Peroni Venancio, Rafael Fonseca Zanotti

Universidade Federal do Espirito Santo, Vitoria, ES, Brasil

* Autor correspondente, e-mail: jcufes@bol.com.br
Tabela 1. Valores medios de macronutrientes no Latossolo Vermelho (LV)
e Latossolo Amarelo (LA), e valores medios da caracterizacao quimica
do lodo de esgoto. Alegre-ES, 2014

Solo     pH [H.sub.2]O   P         K        Ca       Mg       Al

                         (mg [dm.sup.-3])            --([cmol.sub.c]
                                                     [dm.sup.-3])--

LV            6,5          5,0       24      2,,5     1,0      0,0
LA            6,1         11,0       58      2,6      0,7      0,0

Lodo     pH [H.sub.2]O   Umidade   N        P        Ca       Mg
                         natural

                         %                   --([cmol.sub.c]
                                              [dm.sup.-3])--

             6,32         98,12    154,00   2,771    156,89   1,20

Tabela 2. Emergencia (E) e indice de velocidade de emergencia (IVE) de
plantulas oriundas de sementes de maracuja doce (Passiflora alata
Curtis), em solos tratados com lodo de esgoto e sob niveis de
intensidades luminosas. Alegre-ES, 2014.

         Intensidade luminosa ([micron]mol
         [m.sup.-2] [s.sup.-1])

Solo              E (%)
          0,85     0,74     0,70     0,40

LA1      22 Aab    0 Cc     4 Bc     0 Cc
LA2      18 Ac    13 Ba    6 Cbc     9 Ca
LA3      18 Ac    11 Ba    5 Cbc    7 Cab
LV1      25 Aa     6 Db    15 Ba    10 Ca
LV2      17 Ac    10 Ba     9 Bb     4 Cb
LV3      20 Abc   12 Ba    8 BCb     6 Cb
CV (%)            18,98

         Intensidade luminosa ([micron]mol
         [m.sup.-2] [s.sup.-1])

Solo                  IVE
           0,85      0,74       0,70       0,40

LA1      0,21 Ab    0,00 Cc   0,04 Bd    0,00 Cd
LA2      0,16 Ac    0,14 Aa   0,06 Bc    0,09 Ba
LA3      0,16 Ac    0,14 Aa   0,06 Bc    0,06 Bb
LV1      0,25 Aa    0,05 Db   0,17 Ba    0,11 Ca
LV2      0,12 Ad    0,11 Aa   0,10 Ab    0,03 Bcd
LV3      0,21 Ab    0,13 Ba   0,08 Bbc   0,05 Cb
CV (%)               19,89

Medias seguidas da mesma letra, minuscula nas colunas e maiuscula nas
linhas, nao diferem entre si pelo teste de Tukey, em nivel de 5% de
probabilidade. Legenda: LA1: Latossolo Amarelo; LA2: Latossolo Amarelo
+ lodo; LA3: Latossolo Amarelo + lodo + calcario; LV1: Latossolo
Vermelho; LV2: Latossolo Vermelho + lodo; LV3: Latossolo Vermelho +
lodo + calcario.

Tabela 3. Massa fresca (MFR) e seca da raiz (MSR) e massa fresca
(MFPA) e seca da parte aerea (MSPA) de mudas de maracujazeiro doce
(Passifiora alata Curtis), em solos tratados com lodo de esgoto e sob
niveis de intensidades luminosas. Alegre-ES, 2014.

         Intensidade luminosa ([micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1])

Solo                 MFR (mg)
           0,85        0,74         0,70         0,40

LA1      427,9 Bc     0,00 Bd    1233,7 Ac       0,0 Bc
LA2      3177,5 Ca   4563,6 Bb   5679, 4 Aa   1689, 8 Db
LA3      2291,9 Cb   4865,9 Ab    710,5 Dc    3398,4 Ba
LV1      195,3 Bc    195,0 Bd     739,8 Ac    628,6 ABc
LV2      2305,3 Db   7294,2 Aa   2880,7 Cb    3507,7 Ba
LV3      332,4 Cc    3263,5 Ac   3275,0 Ab    1374,3 Bb
CV (%)                        14,69

                     MFPA (mg)

LA1       65,4 Bd      0,0 Be     730,5 Ad       0,0 Bd
LA2      498,7 Db    891,71 Cd   3252,2 Aa    1759,9 Bc
LA3      530,5 Db    1993,0 Bb   1214,7 Cc    2644,7 Ab
LV1       58,7 Bd     93,0 Be     422,1 Ad    200,7 ABd
LV2      580,8 Ca    3294,5 Aa   1796, 5 Bb   3588,7 Aa
LV3      121,5 Cc    1536,2 Bc   3067,0 Aa    2910,3 Ab
CV (%)                        13,67

         Intensidade luminosa ([micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1])

Solo                   MSR (mg)
            0,85         0,74         0,70         0,40

LA1       47,36 Bc       0,0 Bd     482,4 Ad       0,0 Be
LA2      353,95 Da     722,2 Bc    1584,7 Aa      496 Cbc
LA3      222,88 Cb    1162,6 Ab     270,5 Ce     540,1 Bb
LV1       31,83 Cc      31,5 Cd     303,5 Ae     166,5 Bd
LV2      291,70 Cab   1638,2 Aa     920,2 Bc     892,5 Ba
LV3       47,63 Dc     650,7 Bc    1060,1 Ab     382,3 Cc
CV (%)                          12,35

                      MSPA (mg)

LA1        65,4 Bd       0,0 Be     730,5 Ad       0,0 Bd
LA2       498,8 Db     891,7 Cd    3252,2 Aa    1759,9 Bc
LA3       530,5 Db    1993,0 Bb    1214,7 Cc    2644,7 Ab
LV1        58,7 Bd      93,0 Be     422,0 Ad    200,7 ABd
LV2       580,8 Ca    3294,5 Aa    1796,5 Bb    3588,7 Aa
LV3       121,5 Cc    1536,2 Bc    3067,0 Aa    2910,3 Ab
CV (%)                          16,20

Medias seguidas da mesma letra, minuscula nas colunas e maiuscula nas
linhas, nao diferem entre si pelo teste de Tukey, em nivel de 5% de
probabilidade. Legenda: LA1: Latossolo Amarelo; LA2: Latossolo Amarelo
+ lodo; LA3: Latossolo Amarelo + lodo + calcario; LV1: Latossolo
Vermelho; LV2: Latossolo Vermelho + lodo; LV3: Latossolo Vermelho +
lodo + calcario.

Tabela 4. Comprimento da raiz (CR), altura (ALT), diametro do coleto
(DC) e area foliar (AF) de mudas de maracujazeiro doce (Passiflora
alata Curtis), em solos tratados com lodo de esgoto e sob niveis de
intensidades luminosas. Alegre-ES, 2014.

         Intensidade luminosa ([micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1])

Solo                 CR (mm)
           0,85        0,74        0,70         0,4

LAI      182,7 Bb      0,0 Cd    325,0 Ab      0,0 Cc
LA2      266,8 Aa    205,2 Bb    281,2 Ab    278,9 Aa
LA3      246,6 Ba    291,4 Aa    288,7 Ab    244,2 Bab
LV1      181,2 Cb    122,5 Dc    297,5 Ab    249,2 Bab
LV2      251,7 BCa   305,0 Aa    282,8 Bb    235,0 Cab
LV3      170,0 Cb    278,3 Ba    405,0 Aa    200,0 Cb
CV (%)                        11,04

                      DC (mm)

LA1       21,2 Ac      0,0 Bc     27,2 Ab      0,0 Bd
LA2       34,3 Bb     40,0 Aa     41,6 Aa     35,0 Bb
LA3       25,0 Cc     45,0 Aa    40,0 ABa     35,0 Bb
LV1       20,0 Ac     23,3 Ab     23,7 Ab     18,3 Ac
LV2      43,7 ABa     47,5 Aa     37,5 Ba     41,7 Ba
LV3       24,0 Bc     42,5 Aa     37,5 Aa     28,3 Bb
CV (%)                        14,53

         Intensidade luminosa ([micron]mol [m.sup.-2] [s.sup.-1])

Solo                  ALT (mm)
            0,85         0,74         0,70         0,40

LAI       46,6 ABb       0,0 Bd      97,5 Ac       0,0 Bd
LA2       71,7 Dab     269,0 Cc     532,2 Bb     643,2 Ab
LA3        60,2 Cb     522,7 Ba     540,5 Bb     705,0 Ab
LV1        33,7 Bc      60,4 Ad      76,2 Ac     47,4 ABd
LV2       121,2 Da     264,5 Cc     469,6 Bb     844,3 Aa
LV3        58,6 Db     416,7 Bb     608,3 Aa     190,7 Cc
CV (%)                          13,64

                      AF ([mm.sup.2])

LA1      575,4 ABbc     0,00 Bd    1493,2 Ac       0,0 Bd
LA2      1177,6 Da    4167,9 Cc    9694,4 Ba    15272,2 Ab
LA3       865,7 Cb    9260,9 Ba    10260,7 Ba   16204,8 Ab
LV1       390,4 Cc     865,6 Bd    1060,5 Ac     508,3 Cd
LV2      1981,9 Da    5285,9 Cc    7521,3 Bb    19170,2 Aa
LV3       746,0 Db    7448,5 Bb    11161,8 Aa   2800,7 Cc
CV (%)                          15,85

Medias seguidas da mesma letra, minuscula nas colunas e maiuscula nas
linhas, nao diferem entre si pelo teste de Tukey, em nivel de 5% de
probabilidade. Legenda: LA1: Latossolo Amarelo; LA2: Latossolo Amarelo
+ lodo; LA3: Latossolo Amarelo + lodo + calcario; LV1: Latossolo
Vermelho; LV2: Latossolo Vermelho + lodo; LV3: Latossolo Vermelho +
lodo + calcario.
COPYRIGHT 2015 Federal University of Piaui
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Freitas, Allan Rocha; Lopes, Jose Carlos; Alexandre, Rodrigo Sobreira; Venancio, Luan Peroni; Zan
Publication:Comunicata Scientiae
Date:Apr 1, 2015
Words:4140
Previous Article:Nutrition behavior of olive trees with the application of organomineral fertilizer/Comportamento nutricional de oliveiras com a aplicacao de...
Next Article:Harvest time in the seed quality of soybean genotypes /Epoca de colheita na qualidade de sementes de genotipos de soja.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters