Printer Friendly

Effect of high intensity aerobic and anaerobic exercise in oxidation of body fat: a systematic review/Efeito dos exerclcios de alta intensidade aerobios e anaerobios na oxidaqao de gordura corporal: uma revisao sistematica.

INTRODUCAO

Obesidade e suas correlates

O mundo moderno tem presenciado, uma mudanpa nos padroes alimentares e nutricionais. Necessariamente no Brasil a desnutripao foi ultrapassada pela obesidade a partir da decada de 1990 (Coqueiro e colaboradores, 2008).

Segundo Castro citado por Coqueiro e colaboradores (2008), apos diversos estudos epidemiologicos se evidenciou que a ocorrencia do sobrepeso esta ligada a qualidade da alimentapao, as atividades diarias e ao ambiente fisico e social.

De acordo com Damaso citado por Reis Filho e colaboradores (2008), a obesidade pode ser classificada quanto a origem, a distribuipao de gordura, ao crescimento do tecido adiposo e quanto a morbidade.

E considerado obeso o individuo que apresenta IMC com gordura corporal acima de 25% para os homens e de 35% ou mais para as mulheres (Wilmore e Costill citado por Reis Filho e colaboradores, 2008).

Em suma, podemos definir a obesidade como acumulo de energia sob a forma de gordura, influenciada por fatores geneticos, ambientais e comportamentais (Aronne citado por Reis Filho e colaboradores, 2008).

Em estudo realizado para identificar os motivos para a pratica de atividade fisica e analisar sua relapao com a imagem corporal em adultos frequentadores de academia, foram selecionados 90 sujeitos, 50% homens e 50% mulheres, entre 21 e 30 anos, que realizavam atividades fisicas regularmente no centro de esportes da PUC/PR. Foi realizado um estudo exploratorio correlacional e os dados foram coletados por formularios de registro antropometricos e questionario de razoes para o exercicio, escala de avaliapao da figura corporal e informapoes socio demograficas (Fermino e colaboradores, 2008).

Segundo Fermino e colaboradores (2008), com base nos resultados, pode-se concluir que, a saude, aptidao fisica, disposipao, atratividade e harmonia corporal, sao os maiores motivos da importancia para a pratica de atividade fisica e que a insatisfapao com a imagem corporal parece estar mais associada ao bem-estar do que a condipao fisica.

Segundo Oliveira e colaboradores (2007), o habito alimentar e a atividade fisica sao capazes de mudar a composipao corporal. O grau de alterapao gerada pelo exercicio depende do tipo, da intensidade e da frequencia, alem da forma de dispendio de energia (aerobia ou anaerobia). Atletas de modalidades basicamente aerobias tendem a ter menor acumulo de gordura corporal, devido a maior mobilizapao de acidos graxos.

Metabolismo dos carboidratos

Para Bergstrom e colaboradores citado por Silva e colaboradores (2007), o glicogenio muscular esta diretamente relacionado com o tempo de durapao de um determinado exercicio, principalmente na resintese de ATP. No exercicio prolongado, as reservas de glicogenio diminuem progressivamente e os triglicerideos musculares e acidos graxos livres circulantes no plasma passam a fornecer energia ao esforpo despendido (Bergstrom e colaboradores citado por Silva e colaboradores, 2007).

De acordo com Carnevali e colaboradores (2011), no exercicio aerobio de longa durapao acima de 90 minutos e na intensidade igual ou inferior a 75% do Vo2 maximo, para se manter a demanda energetica e a manutenpao da glicemia, o nosso corpo utiliza principalmente o metabolismo oxidativo da glicose e dos acidos graxos, sendo que, quanto maior a intensidade, maior e a utilizapao do sistema glicolitico.

Metabolismo dos lipideos

De acordo com Achten e colaboradores citado por Lima (2009), apos avaliar dezoito ciclistas que treinaram com 64% do V[O.sub.2]max e 74% da frequencia cardiaca, verificaram que a partir da intensidade relativa de 86% do V[O.sub.2]max foi muita pequena a contribuipao da gordura para o gasto energetico, ou seja, nessa maior intensidade pouca gordura e oxidada, sendo a glicose a maior fonte de energia.

Segundo Carnevali e colaboradores (2011), mesmo que a taxa glicolitica seja estimulada em exercicios de alta intensidade (> 60% do V[O.sub.2]max.) com declinio na oxidacao de lipideos, o treinamento intermitente de alta intensidade se mostra eficiente no trabalho de metabolismo lipidico, talvez pelo efeito cronico ou respostas metabolicas pos-exercicio.

Para Ferreira e colaboradores (2001), umas das ferramentas mais importantes dentro da pratica esportiva e a nutricao, principalmente em provas de ultra-resistencia ou longa duracao.

Segundo Paravidino e colaboradores (2007) em estudo para comparar o metabolismo energetico em atletas de endurance entre os sexos masculino e feminino, observaram que homens e mulheres apresentam diferengas em relacao a utilizacao de substratos no exercicio de endurance.

A maioria dos estudos demonstra que as atletas do sexo feminino oxidam, proporcionalmente, maior quantidade de lipideos e menor de carboidratos e proteinas, quando foram comparadas aos atletas masculinos (Paravidino e colaboradores, 2007).

Tarnopolsky e colaboradores citado por Paravidino e colaboradores (2007) em estudo para observar as concentracoes de glicogenio muscular de 15 atletas, sete homens e oito mulheres, apos quatro dias de dieta com 75% do valor energetico total (VET) de carboidratos.

Em conclusao, os homens tiveram um aumento de 41% nas concentracoes de glicogenio muscular e aumento no desempenho do exercicio em bicicleta, ja as mulheres nao aumentaram as concentracoes de glicogenio e mantiveram os tempos de performance durante o mesmo exercicio. Um possivel fator na diferenga encontrada entre os sexos pode ter sido em virtude da quantidade absoluta de carboidratos ingeridos. Os homens ingeriram 614g do substrato as mulheres ingeriram 370g, mesmo sendo 75% do VET (Tarnopolsky e colaboradores citado por Paravidino e colaboradores, 2007).

A oxidacao de acidos graxos (AGLs) no decorrer do exercicio de baixa intensidade, possibilita manter a atividade fisica por tempo mais prolongado, retardando a deplecao de glicogenio. Mesmo assim, nao conseguimos utilizar toda essa energia derivada dos AGLs sem sequer depledar alguma quantidade de glicogenio. Isso se deve a dois fatores limitantes: 1-A disponibilidade de glicogenio esqueletico e; 2-A mobilizacao de AGL do tecido adiposo e do musculo (Romijin e colaboradores citado por Curi e colaboradores, 2003).

De acordo com Romijin e colaboradores citado por Curi e colaboradores (2003), com o aumento do esforgo e intensidade, ha um aumento na captacao de glicose pelos musculos e a glicogenolise intramuscular aumenta. O glicogenio passa a ser um intermediario do Ciclo de Krebs.

Para Romijin e colaboradores citado por Curi e colaboradores (2003), no sarcoplasma os AGLs necessitam romper a barreira da membrana da mitocondria e para isso passam por algumas transformacoes que dependem da Enzima Carnitina Acil Transferase, CAT-I e CAT-II. A glicose converte-se em piruvato que por sua vez, produz acetil-coa. O acetil-coa juntamente com o oxalacetato irao formar o malonil -coa que e um grande inibidor da CAT-I. Todo esse processo inibe a oxidacao dos AGLs na mitocondria.

Frequencia cardiaca de treinamento

De acordo com Weineck (2003), a frequencia cardiaca e resultado do volume de sangue exigido por unidade de tempo, ou a quantidade de sangue ejetada, o volume sistolico. A frequencia cardiaca e entendida como o numero de batimentos cardiacos por minuto, influenciada por diversos fatores como idade, sobrecarga, condicao emocional, temperatura do corpo e periodo do dia. Em pessoas sedentarias, em repouso, a frequencia cardiaca se aproxima de 60 a 80batimentos.

Segundo Carpenter (2006), o volume de oxigenio (V[O.sub.2]), e a quantidade de oxigenio consumido por minuto. Em repouso o consumo de oxigenio e similar entre individuos treinados e sedentarios, mas, no esforgo maximo, o consumo de oxigenio dos individuos treinados pode aumentar em ate duas vezes mais do que nos sedentarios. Mesmo assim, o V[O.sub.2] mantem um linear com a intensidade do esforgo chegando a um plato. Obtemos assim, o volume maximo de oxigenio (V[O.sub.2]max), quando se trata de treinamento de resistencia.

Segundo Furtado e colaboradores (2004), em estudo realizado para identificar e avaliar o comportamento das variaveis metabolicas de uma aula de Jump, apos a identificacao da FCmax e do V[O.sub.2]max dos participantes em teste maximo de esteira, foram realizados os testes no Jump e concluise que, o consumo de oxigenio absoluto identificado foi de 81,2% do V[O.sub.2]max, com um dispendio energetico de 386,4Kcal e a frequencia cardiaca representou 87,1% da FCmax, caracterizando uma atividade de moderada a intensa.

O objetivo do presente estudo foi verificar na literatura, comparar e analisar o efeito dos exercicios de alta intensidade aerobios e anaerobios na oxidacao de gordura corporal.

MATERIAIS E METODOS

Esse estudo de revisao sistematica foi conduzido entre margo e junho de 2013. A busca foi realizada na base de dados eletronicas do Portal Capes (www.periodicos.capes.gov.br), Pubmed (www.pubmed.com), Bireme (www.bireme.br), e Scielo Brasil (www.scielo.br) utilizando os seguintes descritores em lingua portuguesa e inglesa: "Obesidade", "Lipideos", "Intensidade de exerdcios", e "EPOC". Foram pesquisados documentos a partir do ano de 2001 ate 2012, sendo identificados e selecionados 185 artigos (Scielo = 80, Bireme = 65 e Pumed = 40), que abordavam os descritores desejados. Apos a leitura na Integra dos artigos, 25 foram incluidos, os quais atenderam aos seguintes criterios de inclusao: estatisticas da obesidade mundial e nacional, metabolismo do carboidrato e dos lipideos, exercicios fisicos aerobios e anaerobios de baixa e alta intensidade, EPOC e Zone Fatmax. Em adicao, foram incluidas quatro referencias literarias nao indexadas, mas que atendiam os criterios de inclusao, sendo localizados apos pesquisa em acervo literario. Para a analise dos estudos, foram considerados os seguintes aspectos: identificacao e qualificacao dos estudos, autor, tipo de estudos, ano de publicacao, amostra, local; referenda para comparacao entre exercicios fisicos aerobios e anaerobios de baixa e alta intensidade VS oxidacao de acidos graxos, identificacao do EPOC e da frequencia cardiaca na Zone Fatmax.

RESULTADOS

Identificacao e qualificacao dos estudos

A maioria dos estudos entre os vinte e cinco selecionados, sao artigos originais de delineamento experimental (n= 15), que foram publicados na sua maioria entre os anos de 2007 e 2010 nao havendo tantas publicacoes sobre o tema em questao em anos anteriores e nem apos o ano de 2010. Quando analisada a faixa etaria, verificou-se que a media de idade das amostras foi de 31,6 [+ or -] 2 anos de idade. Grande parte dos estudos foi realizada nas regioes Sul e Sudeste (n= 19), sendo mais destacadas as cidades de Sao Paulo e Rio de Janeiro. A identificacao destes estudos estao apresentados no quadro 1.

Influencia da intensidade dos exercicios sob o gasto energetico e niveis sericos

No quadro 2, em estudo verificando as alterapoes dos niveis sericos lipidicos/ lipoproteicos em 29 cadetes da AMAN, realizadas apos um programa de exercicio aerobio na zona do Fatmax de 55 % a 72% V[O.sub.2]max em comparapao ao grupo de controle que so fez o treinamento militar, nao houve modificapoes significativas nos niveis sericos lipidicos/lipoproteicos na analise entre os dois grupos, mas dentro do grupo de intervenpao, foram verificadas diferenpas significativas (p < 0,05) de redupao dos niveis sericos. Em outro estudo apos verificar o efeito de doze semanas de treinamento de ciclismo indoor sobre a composipao corporal e nivel serico lipidico de mulheres adultas com sobrepeso na intensidade na zona alvo 55 [+ or -] 5% a 85 [+ or -] 5% FCmax, observou-se que houve redupoes significantes no indice de massa corporal e no percentual de gordura, mas a massa magra nao apresentou alterapao. Em uma intervenpao de 24 meses em homens sedentarios, que foram divididos em grupo de controle, um grupo de exercicios de media intensidade 60% do V[O.sub.2]max e outro grupo de exercicios de alta intensidade 80% do V[O.sub.2]max, verificou-se que o exercicio de alta intensidade foi mais efetivo na condipao cardiorrespiratoria desse grupo do que na composipao corporal, quando comparado com o de intensidade moderada. No entendimento desses estudos anteriores, percebe-se entao que, para se obter um gasto energetico maior e um aumento da diminuicao da gordura, o ideal e manter o exerdcio em intensidades moderadas. Em apenas um estudo nao houve alteracao na massa magra. Em contrapartida, na avaliacao da influencia do Limiar II na otimizacao da relacao entre a taxa de gasto energetico US o tempo de esforgo em cinco indrnduos nao atletas mais ativos observou-se que o gasto energetico aerobio total no Limiar II e significante maior do que nas outras intensidades e onde se encontra a melhor relacao entre a taxa de gasto calorico e tempo possivel de manutencao de esforgo. Sugerindo que exerdcios abaixo do Limiar II precisariam de maior tempo para a obtencao do mesmo gasto energetico. Em outro estudo, ficou claro que tambem o tipo de exerdcio prescrito e um fator importante para a obtencao de bons resultados, como o exerdcio intermitente de 30 minutos, juntamente com a dieta adequada, quando relativo a otimizacao do tempo de treino, diminuem o peso corporal e a adiposidade, alem de melhorar o perfil lipidico quando comparado ao exerdcio contmuo de longa duracao.

Influencia da intensidade dos exercfcios sob os niveis plasmaticos das lipoproteinas

No quadro 3, um estudo foi feito com 492 indrnduos saudaveis e sedentarios, idade entre 30 e 69, submetidos ao treinamento aerobio com quatro programas de intensidade e volume diferentes: 1- baixa intensidade e baixo volume; 2- baixa intensidade e alto volume; 3- alta intensidade e baixo volume; 4 alta intensidade e alto volume e grupo de controle. Em conclusao, o treinamento de alta intensidade e alto volume foi o unico que produziu efeito significativo sobre os niveis plasmaticos do HDL. Em outro estudo, com mulheres com a pratica de exercicios fisicos cardiorrespiratorios, em bicicletas ergometricas, por 45 minutos, na intensidade leve para moderada de 50% a 60% da FCmax, duas vezes por semana, por um periodo de 12 semanas, observaram-se redupoes significativas no colesterol total destas. Mas, parecem existir limiares de dispendio energetico para individuos treinados, sendo necessarias 800 kcal para diminuir os triglicerideos, 1100kcal para aumentar os niveis de HDL e 1300kcal para diminuir os niveis de LDL. Na revisao de 89 artigos sobre os efeitos do treinamento resistido na lipoproteina de baixa densidade (LDL), observaram que o treinamento resistido exerceu influencia na redupao dos niveis de LDL-C principalmente em homens e mulheres adultos e em pacientes com diabetes mellitus tipo I e tipo II, tambem em mulheres premenopausa.

Portanto, ja e de consenso que, os exercicios aerobio e anaerobio regulares atuam de forma terapeutica e preventiva nas doenpas cardiovasculares. Sua principal influencia positiva esta na modulapao dos niveis plasmaticos de HDL- colesterol.

A melhor relacao entre exercicios anaerobios resistidos e aerobios e o gasto energetico total

No quadro 4, o estudo para comparar a influencia do treinamento em circuito e caminhada sobre a composipao corporal de 21 mulheres sedentarias e obesas, divididas em dois grupos, sendo o 1[degrees] grupo, treinamento em circuito e o 2[degrees] so caminhada, uma hora por dia, tres vezes por semana durante 8 semanas, com intensidade de 3 a 5 na escala de Borg e frequencia cardiaca entre 60% e 70% da frequencia cardiaca maxima. Ambos obtiveram redupoes no peso corporal, no percentual de gordura e na massa gorda, porem, somente o grupo circuito apresentou maior aumento da massa magra. Em outro estudo com uma mulher de 24 anos para avaliar se o exercicio resistido executado antes do aerobico altera a mobilizapao de triglicerideo do tecido adiposo, feito em duas etapas: 1a atividade, aerobica de 60 min a uma intensidade de 40% do V[O.sub.2]max. E a 2a, anaerobia de 50% do teste de 1RM, com 12 exercicios de tres series de 15 repetipoes com 25 segundos de pausa. Chegou-se a conclusao que, a lactacemia foi levemente superior e houve uma maior mobilizapao de triglicerideo (30%) quando o exercicio aerobico prolongado era realizado apos o anaerobico.

A influencia da intensidade e volume dos exercicios aerobios e anaerobios sob a magnitude e a duracao do Consumo Maximo de Oxigenio apos o Exercicio (EPOC)

No quadro 5, atraves de uma revisao sistematica sobre a influencia das variaveis do treinamento do exercicio contra resistencia sobre o consumo de oxigenio em excesso apos o exercicio, apos variaveis analisadas, o curto intervalo de recuperapao entre as series de musculapao e a prescripao em circuito foram aquelas com maior impacto provavel sobre a magnitude do EPOC. Em outro estudo para verificar o consumo de oxigenio posexercicios de forpa, aerobio, treinamento concorrente e o efeito da ordem de execupao em oito homens com experiencia em treinamento de forpa e aerobio, conclui-se que a ordem de execupao do treinamento concorrente promove aumento no tempo de existencia do EPOC apenas para a situapao aerobio-forpa. Apos 30 minutos so o treinamento aerobio nao resultou em EPOC, e a magnitude foi similar em todas as sessoes. Para comparar, o comportamento do consumo de oxigenio em resposta a uma sessao de treinamento de forpa com objetivo de hipertrofia muscular, com outra sessao com objetivo em resistencia muscular localizada foi realizado um estudo com nove individuos do sexo masculino, que realizaram um exercicio de membros superiores (supino) e um de membros inferiores (agachamento), com a execupao de tres series de 6-8 repetipoes maximas (RM) a 80% de 1RM para hipertrofia e 15-20 RM a 55% de 1RM para resistencia muscular localizada. Verificaram que ambas as sessoes provocaram comportamento significativamente elevado de V[O.sub.2] durante os 10min de recuperapao em relapao aos valores de repouso. Nao houve diferenpas significativas, entre os valores de EPOC, nas duas sessoes.

DISCUSSAO

A presente revisao sistematica adotou procedimentos de busca e selepao dos artigos que permitiram reunir estudos associados a influencia dos exercicios de alta intensidade na oxidapao de gordura corporal. Apesar de poucos estudos selecionados entre os vinte e cinco, se evidenciou que, a intensidade de exercicios com relapao ao gasto energetico e de niveis sericos, ainda causa muita discussao. Sendo assim, na maioria, observou-se que na intensidade de 55 a 72% FCmax se obtem maiores resultados no gasto calorico. Em recente estudo cientifico determinou-se uma intensidade de exercicio fisico aerobico como ideal para o emagrecimento e uma alta taxa de oxidapao lipidica, denominada Fatmax (Jeukendrup e Achten citados por Prado e colaboradores, 2004).

Com relapao a prescripao do exercicio, Silva (2010), apos revisao concluiu que o exercicio intervalado melhora a capacidade aerobia, diminuindo a gordura corporal, ajudando a manter e aumentar a massa magra. O intervalo entre as sessoes e mais eficiente para a perda de peso se for de maneira ativa. Sendo possivel, pessoas obesas serem inseridas em um programa de treinamento intervalado, desde que haja uma seria prescripao da intensidade e recuperapao do exercicio.

Zambon e colaboradores (2009), mostram que o Exercicio Moderado (90 minutos) promove redupao no peso corporal e na adiposidade, alem de melhorar o perfil lipidico, porem com relapao a tempo e disponibilidade, exercicios intermitentes de curta durapao vem sendo amplamente utilizados.

E para reforpar a ideia de otimizapao do tempo, Schneider e colaboradores (2009), avaliando os parametros de estresse oxidativo apos uma competipao de Ironman, caracterizada por 1,9km de natapao, 90km de ciclismo e 21km de corrida com 11 sujeitos com idade de 31,1 [+ or -] 3,3 anos, perceberam que, nao houve danos a lipideos e proteinas e tambem nao sofreram estresse oxidativo, provavelmente devido a liberapao de acido urico e outros antioxidantes no plasma. As propriedades nao enzimaticas do acido urico conferem efeitos scavenger sobre os radicais livres in vivo, aumentando a concentrapao circulante do acido urico e reduzindo o estresse oxidativo induzido pelo exercicio. Os exercicios aerobio e anaerobio regulares sao fatores importantes na redupao do risco de doenpas cardiovasculares e aumento nos niveis plasmaticos da lipoproteina de alta densidade (HDL). O HDL age como transportador reverso do colesterol das paredes arteriais e remopao de macrofagos que sao levados para o figado e excretadas na bilis (Maruyama e colaboradores, 2010). E mais que certo que niveis otimos de HDL sao beneficos, pois reduzem os niveis da lipoproteina de baixa densidade (LDL).

Segundo Da Silva e colaboradores (2010), outro fator a ser observado, alem da redupao do LDL, e a possivel modificapao na estrutura lipoproteica e no numero de seus receptores, assim explicando os beneficios do exercicio. Estudos mais antigos ja apontavam para o que e encontrado hoje na literatura mais recente, que tanto o exercicio de forpa, quanto o aerobio, promovem beneficios substanciais a saude e ao condicionamento fisico, incluindo a maioria dos fatores de risco da obesidade. Santarem citado por Reis Filho e colaboradores (2008), afirmam que os exercicios anaerobios de forpa mobilizam acidos graxos livres, devido ao aumento de massa magra, mantendo o tecido muscular mais ativo e o metabolismo basal elevado por varias horas, mesmo em repouso. Nao podemos descartar os treinamentos de circuito, cujo resultados estao associados a melhora na condipao muscular, e a redupao de peso, assim como, na caminhada em especial, sugerindo um efeito benefico sobre a performance fisica em pessoas obesas (Fett citado por Reis Filho e colaboradores, 2008).

Para Meirelles e Gomes (2004), apos revisao sistematica, concluiu-se que, a atividade contra- resistencia pode aumentar o gasto energetico total de forma aguda, pelo proprio custo energetico de sua execupao, assim como, durante o periodo de recuperapao (EPOC). A atividade fisica pode intervir para reverter a crescente prevalencia da obesidade, contribuindo por meio de mudanpas fisiologicas agudas e cronicas. Em uma importante condipao encontra-se o gasto energetico do exercicio e recuperapao (EPOC --consumo excessivo de oxigenio apos o exercicio). De acordo com Bahr e colaboradores citado por Lima (2008), o EPOC aumenta linearmente com o tempo despendido no esforpo. O EPOC aumenta linearmente com a durapao do exercicio, afetando tanto a magnitude quanto a durapao do EPOC. (Foureaux e colaboradores, 2006). Na visao de Bahr e Sejersted citado por Lima (2008), o EPOC pode aumentar exponencialmente com a intensidade do exercicio. Em exercicios com intensidade inferior a 50% do V[O.sub.2]max, o EPOC tem uma menor amplitude e pouca durapao mesmo em exercicio prolongados ate 80 minutos. O exercicio prolongado ate 80 minutos, realizado em uma intensidade relativamente elevada 75% do V[O.sub.2]max gera um EPOC maior e mais duradouro, ou seja, deve haver uma combinapao otima entre intensidade e durapao do esforpo (Bahr e Sejersted citado por Lima, 2008).

Para reforpar o efeito EPOC, estudos tem sugerido que o exercicio de maior intensidade produz maior durapao do EPOC, quando comparados com exercicios de menor intensidade, possuindo volumes equivalentes (Foureaux e colaboradores, 2006).

Segundo Foureaux e colaboradores (2006), o exercicio de maior intensidade, causa maior estresse metabolico com a necessidade de maior dispendio energetico. Isso causa uma maior participapao das catecolaminas, epinefrinas e norepinefrinas, aumentando a taxa metabolica pos-exercicio, estimulando a respirapao mitocondrial e a funpao celular. O EPOC pode contribuir para o aumento do gasto energetico diario somente apos sessoes muito intensas de treinamento de forpa (Matsuura e colaboradores citado por Reis Filho e colaboradores, 2008).

CONCLUSAO

A presente revisao sugere que, para se obter um gasto energetico maior e um aumento da diminuipao da gordura, o ideal e manter o exercicio em intensidades moderadas entre 60% a 70% na Zone Fatmax, mas quanto a otimizapao do tempo de treino o exercicio de alta intensidade, produz um resultado similar na diminuipao de gordura de forma relativa.

No efeito benefico sobre as lipoproteinas, entende-se que a alta intensidade perto ou acima de 75% do V[O.sub.2]max produz efeito significativo sobre os niveis plasmaticos do HDL aumentando-o e causando diminuipao em LDL.

Em relapao a prescripao do tipo de exercicio e sua intensidade, verificou-se que exercicios de forpa e aerobio de forma circuitados e intermitentes sao mais eficientes na melhor oxidapao de gordura. Apenas na ordem, aerobio-forpa promove aumento no tempo de existencia do EPOC em uma intensidade relativamente elevada 75% do V[O.sub.2]max.

E necessario o desenvolvimento de mais estudos sobre esse tema, pois ainda nao se pensou na possibilidade do "Rombo Energetico" de glicogenio apos uma atividade de alta intensidade.

Com seu maior dispendio, os nutrientes alimentares passam a suprir a falta de glicogenio no corpo, fazendo com que gordura seja o principal mantedor de funpoes metabolicas e basais, sendo mais oxidada de forma relativa. Sugere-se entao que, os novos trabalhos, busquem esclarecer melhor esse tema, para que possam contribuir verdadeiramente no avanpo do conhecimento.

Recebido para publicacao 14/08/2013

Aceito em 02/09/2013

REFERENCIAS

(1). Almeida, I. C; Guimaraes, G. F; De Resende, C. D. Habitos Alimentares da Populapao Idosa: Padroes de Compra e Consumo. Revista Agroalimentaria. Merida. Vol. 17. Num. 33. p.95-102. 2011.

(2). Canevali, Jr. L. C.; Lima, W. P.; Zanuto. R. Exercicio, Emagrecimento e Intensidade do treinamento: Aspectos Fisiologicos e Metodologicos. Sao Paulo. Phorte. 2011.

(3). Carpenter, C. S. Treinamento Cardio Respiratorio. 2a edipao. Rio de Janeiro. Sprint. 2006.

(4). Coqueiro, R. S; Nery, A. A; Cruz, Z. V; Sa, C. K. C. Fatores associados ao Sobrepeso em Adultos acompanhados por uma Unidade de Saude da Familia. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Salvador. Vol. 10. Num. 2. p.149-154. 2008.

(5). Curi, R; Lagranha, C. J.; Hirabara, S. M.; Folador, A.; Tchaikosvski Jr.; Fernandes, L. C.; Pellegrinotti, I. L.; Curi, T. C. P; Procopio, J. Uma Etapa Limitante para a Oxidapao de Acidos Graxos durante o Exercicio Aerobio: O Ciclo de Krebs. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Vol. 11. Num. 2. p.87-94. 2003.

(6). Da Silva, J. L.; Maranhao, R. C.; Vinagre, C. G. C. M. Efeitos do Treinamento Resistido na Lipoproteina de Baixa Densidade. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 16. Num. 1. p.71-76. 2010.

(7). De Almeida, A. P. V.; Coertjens, M.; Cadore, E. L.; Geremia, J. M.; Da Silva, A. E. L.; Kruel, L. F. M. Consumo de Oxigenio de Recuperapao em Resposta a Duas Sessoes de Treinamento de Forpa com Diferentes Intensidades. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 17. Num. 2. p.132-136. 2011.

(8). De Lira, F. S.; De Oliveira, R. S. F.; Julio, U. F; Franchini, E. Consumo de Oxigenio PosExercicios de Forpa e Aerobio: Efeito da Ordem de Execupao. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 13. Num. 6. p.402-406. 2007.

(9). Dure, M. L.; Malfatti, C. R. M.; Burgos, L. T. Hidrolise do Triglicerideo e Lactacidemia Durante Exercicio Aerobico Executado Apos Exercicio de Resistencia Muscular. Fitness Performance Journal. Rio de Janeiro. Vol. 7. Num. 6. p.400-405. 2008.

(10). Fermino, R. C.; Pezzini, M. R.; Reis, R. S. Motivos para a Pratica de Atividade Fisica e Imagem Corporal em Frequentadores de Academia. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 16. Num.1. p.1823. 2010.

(11). Ferreira, A. M. D.; Ribeiro, B. G.; Soares, E. A. Consumo de Carboidratos e Lipidios no Desempenho em Exercicios de Ultraresistencia. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 7. p.67-74. 2001.

(12). Foureaux, G.; Pinto, K. M. C.; Damaso, A. Efeito do Consumo Excessivo de Oxigenio apos Exercicio e da Taxa Metabolica de Repouso no Gasto Energetico. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 12. Num. 6. p.393-398. 2006.

(13). Furtado, E.; Simao, R.; Lemos, A. Analise do Consumo de Oxigenio, Frequencia Cardiaca e Dispendio Energetico, durante as Aulas do Jump Fit. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 10. Num. 5. 2004. p.371-375.

(14). Letexier, D.; Pinteur, C.; Large, V.; Frering, V.; Beylot, M. Comparison of The Expression and Activity of The Lipogenic Pathway in Human and Rat Adipose Tissue. Journal of Lipid Research. Lyon. Vol. 44. p.2127-2134. 2003.

(15). Lima, W. P. Lipidios e exercicios: Aspectos Fisiologicos e do Treinamento. Sao Paulo. Phorte. 2009.

(16). Maruyama, M.; Da Silva, J. C. P.; Lima, W. P.; Carnevali Junior, L. C. Comparapao entre as Modulapoes dos Niveis Plasmaticos da Lipoproteina de Alta Densidade- Colesterol Induzida pelo Treinamento Aerobio de Alta e Baixa Intensidade. Revista Brasileira de Fisiologia do Exercicio. Vol. 9. Num. 3. p.193197. 2010.

(17). Meirelles, C. M.; Gomes, P. S. C. Efeito Agudos da Atividade Contra-Resistencia sobre o Gasto Energetico: Revisando o Impacto das Principais Variaveis. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 10. Num. 2. p.468-476. 2004.

(18). Neto, A. G. C; Da Silva, N. L; Farinatti, P. T. V. Influencia das Variaveis do Treinamento Contra-Resistencia Sobre o Consumo de Oxigenio em Excesso Apos o Exercicio: Uma Revisao Sistematica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 15. Num. 1. p.70-78. 2009.

(19). Oliveira, K. J. F.; Koury, J. C.; Donangelo, C. M. Micronutrientes e Capacidade Antioxidante em Adolescentes Sedentarios e Corredores. Revista de Nutricao. Campinas. Vol. 20. Num. 2. p.171-179. 2007.

(20). Paravidino, A. B.; Portella, E. S.; Soares, E. A. Metabolismo Energetico em Atletas de Endurance e Diferente Entre os Sexos. Revista de Nutricao. Campinas. Vol. 20. Num. 3. p.317-325. 2007.

(21). Prado, E. S.; Coutinho, W.; De Almeida, R. D. ; Dantas, E. H. M. Efeitos do Treinamento Aerobico com Intensidade na Zona de Intensidade do Fatmax sobre o Perfil Serico Lipidico/Lipoproteico em Cadetes da AMAN. Fitness Performance Journal. Rio de Janeiro. Vol. 3. Num. 5. p.284-290. 2004.

(22). Reis Filho, A. D.; Silva, M. L. S.; Fett, C. A.; Lima, W. P. Efeitos do Treinamento em Circuito ou Caminhada apos Oito Semanas de Intervencao na Composicao Corporal e Aptidao Fisica de Mulheres Obesas e Sedentarias. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Vol. 2. Num. 11. p.498-507. 2008. Disponivel em: <http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/arti cle/view/111/109>

(23). Schneider, C. D.; Silveira, M. M.; Moreira, J. C. F.; Klein, A. B.; De Oliveira, A. R. Efeito do Exercicio de Ultrarresistencia Sobre Parametros de Estresse Oxidativo. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Rio de Janeiro. Vol. 15. Num. 2. p.89-92. 2009.

(24). Silva, A. E. L; Fernandes, T. C.; OLiveira, F. R.; Nakamura, F. Y.; Gevaerd, M. S. Metabolismo do Glicogenio Muscular durante o Exercicio Fisico: Mecanismos de Regulacao Revista de Nutricao. Campinas. Vol. 20. Num. 4. p.417-429. 2007.

(25). Silva, A. E. L.; Pires, F. O.; Oliveira, F. R.; Kiss, M. A. P. D. M. Metabolismo Lipidico e

Gasto Energetico Durante o Exercicio. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Florianopolis. Vol. 10. Num. 3. p.308-312. 2008.

Silva, D. A. S. Efeito do Exercicio Intervalado na Capacidade Aerobia, Composicao Corporal e na Populacao Obesa: Uma Revisao

Baseada em Evidencias. Revista Motriz. Rio Claro. Vol. 16. Num. 2. p.468-476. 2010.

Valle, V. S. Efeito de Doze Semanas de Treinamento de Ciclismo Indoor sobre a Composicao Corporal e Nivel Serico Lipidico de Mulheres Adultas com Sobrepeso. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Brasilia. Vol. 20. Num. 1. p.34-40. 2012.

Weineck, J. Atividade Fisica e Esporte para que?. Sao Paulo. Manole. 2003.

Zambon, L.; Duarte, F. O.; De Freitas, L. F.; Scarmagnani, F. R. R.; Damaso, A.; Duarte, A. C. G. O.; Fiorese, M. S. Efeitos de Dois Tipos de Treinamento de Natacao sobre a Adiposidade e o Perfil Lipidico de Ratos Obesos Exogenos. Revista de Nutricao. Campinas. Vol. 22. Num. 5. p.707-715. 2009.

Paulo Barbosa Caldas Junior [1]

[1]--Programa de Pos-Graduacao Lato Sensu da Universidade Gama Filho--Fisiologia do Exercicio: Prescricao do Exercicio.

E-mail:

paulobcjr@hotmail.com

Enderego para correspondencia: Rua Jose Luciano Nava Namorado, 90, Vila Oliveira--Mogi das Cruzes, Sao Paulo CEP: 08790-720.
Quadro 1--Identificacao e qualificacao dos 25 estudos

Autor                        Tipo de estudo      Amostra

Ferreira e colaboradores     Artigo de revisao
Curi e colaboradores         Artigo de revisao
Letexier e colaboradores     Artigo original     07 mulheres e 05
                                                 homens media de
                                                 idade de 24 anos e
                                                 10 camudongos
Furtado e colaboradores      Artigo original     10 mulheres
                                                 praticantes do Jump
                                                 Fit, com idade de
                                                 26,8 anos.
Meirelles e Gomes            Artigo de revisao   Homens e mulheres
                                                 treinados, com idade
                                                 entre 17 e 36 anos
Prado e colaboradores        Artigo original     29 cadetes da AMAN
Foureaux e colaboradores     Artigo de revisao   Homens de 22 a 40
                                                 anos
De Lira e colaboradores      Artigo original     8 homens (idade: 24
                                                 [+ or -] 2 anos)
Oliveira e colaboradores     Artigo original     33 adolescentes,
                                                 sendo 15 sedentarios
                                                 e 18 praticantes de
                                                 corrida do genero
                                                 masculino, entre 14
                                                 e 18 anos,
Paravidino e colaboradores   Artigo de revisao   7 homens e 8
                                                 mulheres,
                                                 apos 4 dias de dieta
Silva e colaboradores        Artigo de revisao
Coqueiro e colaboradores     Artigo original     101 adultos com
                                                 idade entre 18 a 88
                                                 anos, sendo 75 do
                                                 sexo feminino e 26
                                                 do sexo masculino
Dure e colaboradores         Artigo original     01 sujeito do sexo
                                                 feminino, com 24
                                                 anos de idade,
                                                 treinada.
Fermino e colaboradores      Artigo original     45 homens e 45
                                                 mulheres entre 21 e
                                                 30 anos que
                                                 realizavam
                                                 atividades ffsicas
                                                 regularmente
Reis Filho e colaboradores   Artigo original     21 mulheres
                                                 sedentarias e obesas
Silva e colaboradores        Ponto de vista      05 indivfduos nao
                                                 atletas mais ativos
Neto e colaboradores         Artigo de revisao   8 homens treinados
                                                 com idade (21[+ or
                                                 -]2)
Schneider e colaboradores    Artigo original     11 homens com idade
                                                 de 31,1 [+ or -] 3,3
                                                 anos, triatletas.
Zambon e colaboradores       Artigo original     Camudongos obesos
Da Silva e colaboradores     Artigo de revisao   Homens e mulheres
                                                 adultos com diabetes
                                                 mellitus tipo I e
                                                 tipo II, e mulheres
                                                 pre-menopausa
Maruyama e colaboradores     Artigo de revisao   492 indivfduos
                                                 saudaveis e
                                                 sedentarios, idade
                                                 entre 30 e 69
Silva                        Artigo de revisao   Homens sedentarios,
                                                 com idades entre 30
                                                 e 45 anos
Almeida e colaboradores      Artigo original     115 consumidores
                                                 idosos
De Almeida                   Artigo original     Nove indivfduos do
                                                 sexo masculino (23,1
                                                 [+ or -] 2,1 Anos)
Valle                        Artigo original     20 mulheres adultas
                                                 com sobrepeso, 24,25
                                                 [+ or -] 3,27 anos

Autor                        Ano    Local

Ferreira e colaboradores     2001   Rio de Janeiro / RJ
Curi e colaboradores         2003   Sao Paulo / SP
Letexier e colaboradores     2003   Lyon / FRA
Furtado e colaboradores      2004   Rio de Janeiro / RJ
Meirelles e Gomes            2004   Rio de Janeiro / RJ
Prado e colaboradores        2004   Rio de Janeiro / RJ
Foureaux e colaboradores     2006   Rio de Janeiro / RJ
De Lira e colaboradores      2007   Sao Paulo / SP'
Oliveira e colaboradores     2007   Rio de Janeiro / RJ
Paravidino e colaboradores   2007   Rio de Janeiro / RJ
Silva e colaboradores        2007   Florianopolis / SC
Coqueiro e colaboradores     2008   Jequie / BA
Dure e colaboradores         2008   Santa Cruz do Sul / RS
Fermino e colaboradores      2008   Curitiba / PR
Reis Filho e colaboradores   2008   Cuiaba / MT
Silva e colaboradores        2008   Joinvile / SC
Neto e colaboradores         2009   Niteroi / RJ
Schneider e colaboradores    2009   Porto Alegre / RS
Zambon e colaboradores       2009   Sao Carlos / SP
Da Silva e colaboradores     2010   Sao Paulo / SP
Maruyama e colaboradores     2010   Sao Paulo / SP
Silva                        2010   Florianopolis / SC
Almeida e colaboradores      2011   Lavras / MG
De Almeida                   2011   Porto Alegre / RS
Valle                        2012   Rio de Janeiro / RJ

Quadro 2--Estudos que avaliaram a influencia da intensidade
os exerdcios sob o gasto energetico e mveis sericos.

Autor           Amostra                Perfodo

Silva e         Cinco indivfduos nao   Quatro sessoes em
colaboradores   atletas, mas ativos.   dias diferentes, de
                                       30 minutos cada.

Valle           20 mulheres adultas    Doze semanas
                com sobrepeso, 24,25
                [+ or -] 3,27 anos.

Prado e         29 Homens cadetes da   Doze semanas
colaboradores   AMAN

Silva           Homens sedentarios,    Vinte e quatro meses
                com idades entre 30
                e 45 anos

Zambon e        Camudongos obesos      Oito semanas
colaboradores

Autor           Metodologia            Resultados

Silva e         Quatro testes: 1) de   O GE aerobio e > no
colaboradores   Limiar I; 2) 50% da    Limiar II. Abaixo do
                # entre Limiar I e     Limiar II, e
                II; 3) Limiar II; 4)   necessario > tempo
                25% da # entre         de manutencao para o
                Limiar II e a carga    mesmo GE.
                maxima, durante 30
                minutos ate
                exaustao.

Valle           O GC e grupo de        [down arrow] IMC e
                ciclismo indoor, com   [down arrow] % de
                a intensidade de 55    Gordura, mas a massa
                [+ or -] 5% a 85       magra nao apresentou
                [+ or -] 5% FCmax      alteracao.
                e controle de
                percepcao de Esforco
                de Borg,

Prado e         O GC que realizou o    Na analise
colaboradores   treinamento militar    intergrupos nao
                (TFM) e Grupo de       houve modificacoes
                exercicios aerobios    nos NS, mas
                de Fatmax 55% a 72%    intragrupos houve
                do Vo2max e tambem o   uma ? no NS do grupo
                TFM.                   de intervencao se
                                       comparado com GC (p
                                       < 0,05).

Silva           (GC); (G2) Grupo de    Exercicio de 80%
                exercicios de 60%      Vo2max foi mais
                Vo2max; (G3) Grupo     efetivo na condicao
                de exercicios de 80%   cardiorrespiratoria
                Vo2max. Tres sessoes   do que na [down
                por semana, com        arrow] NS comparado
                gasto calorico =       com o de intensidade
                para o G2 e G3 =       60% Vo2max, apesar
                400Kcals.              do custo energetico
                                       ter sido igual.

Zambon e        Dois grupos: 1a        O intermitente de 30
colaboradores   Sedentarios nutridos   minutos juntamente
                com dieta padrao,      com a dieta [down
                sedentarios, e         arrow] IMC e [down
                2[degrees]             arrow] NS relativo a
                alimentado com         otimizacao do tempo
                dieta. Hiper           de treino, quando
                lipidica, ambos        comparado com o
                realizaram os          continuo.
                treinamentos de
                natacao continuo e
                intermitente.

Legenda: (GE) = Gasto energetico, (NS) = Nfveis sericos, (IMC)
indice de massa corporal, (%G) = porcentual de gordura, (GC)
grupo de controle.

Quadro 3--Estudos que avaliaram a influencia da intensidade dos
exercicios sob os niveis plasmaticos das lipoproteinas

Autor                  Amostra                Periodo

Duncan citado por      492 individuos         Quatro meses
Maruyama e             saudaveis e
colaboradores.         sedentarios, idade
                       entre 30 e 69

Vianna citado por      20 mulheres adultas    Doze semanas
Valle                  treinadas, 24,25 [+
                       or -] 3,27 anos

Da Silva e             Homens e mulheres      Oito semanas
colaboradores          adultos com diabetes
                       mellitus tipo I e
                       tipo II, e mulheres
                       pre-menopausa

Autor                  Metodologia            Resultados

Duncan citado por      Treinamento aerobio    O TA de >
Maruyama e             (TA) com quatro        intensidade e >
colaboradores.         programas: 1-[down     volume foi o unico
                       arrow] intensidade e   que produziu [up
                       [down arrow] volume;   arrow] HDL. >
                       2-[down arrow]         eficiencia de tempo
                       intensidade e [down    em relapao aos
                       arrow] volume; 3-      outros programas.
                       [down arrow]
                       intensidade e
                       jvolume; 4-[down
                       arrow] intensidade e
                       [down arrow] volume
                       e GC.

Vianna citado por      Exercicios em          Observou [down
Valle                  bicicletas             arrow] significativa
                       ergometricas, por 45   no Colesterol Total.
                       minutos, na
                       intensidade de 50% a
                       60% da FCmax, duas
                       vezes por semana.

Da Silva e             Treinamento            O TR [down arrow] o
colaboradores          resistido (TR) [down   LDL-C. Nao havendo
                       arrow] intensidade     uma resposta
                                              significante na
                                              populapao idosa.

Legenda: (TR) = Treinamento resistido, (TA) = Treinamento aerobio,
(LDL-C) = Lipoproteina de baixa densidade--protefna C,
(GC) = Grupo de controle.

Quadro 4--Estudos que avaliaram a melhor relapao entre exercicios
anaerobios resistidos e aerobios e o gasto energetico total

Autor                  Amostra                Periodo

Reis Filho e           21 mulheres            Oito semanas
colaboradores          sedentarias e obesas

Dure e colaboradores   01 sujeito do sexo     Duas sessoes
                       feminino, com 24
                       anos de idade,
                       treinada.

Autor                  Metodologia            Resultados

Reis Filho e           1[degrees] Grupo:      Os 1[degrees] e
colaboradores          treinamento            2[degrees] grupos
                       resistido em           obtiveram j IMC, j
                       circuito (TRC);        no %G, porem,
                       2[degrees] Grupo: so   somente o 1[degrees]
                       caminhada (TC), 1h     TRC apresentou maior
                       por dia; tres vezes    aumento da massa
                       por semana;            magra.
                       intensidade de 3 a 5
                       na escala de Borg e
                       frequencia cardfaca
                       (FC) entre 60% e
                       70%. (FCmax).

Dure e colaboradores   Duas etapas: 1a        Houve j mobilizacao
                       atividade aerobica     de triglicerideos de
                       60 min a uma           30%, quando
                       intensidade de 40%     comparado a ordem de
                       do VO2max. 2a          exercicios inversa,
                       atividade anaerobia    aerobio e
                       50% do teste de 1RM,   posteriormente
                       com 12 exercicios de   anaerobio.
                       tres series de 15
                       repetipoes, com 25s
                       de pausa. Ocorreram
                       com uma diferenpa de
                       48hs, entre elas na
                       situapao de ieium
                       por 12h.

Legenda: (TRC) = Treinamento resistido em circuito,
(TC) = Treinamento de caminhada, (%G) = porcentual de gordura,
(FC) = Frequencia cardfaca, (RM) = Repetipao Maxima.

Quadro 5--Estudos que avaliaram a influencia da intensidade e volume
dos exercicios aerobios e anaerobios sob a magnitude e a durapao
do consumo maximo de oxigenio apos o exercicio (EPOC)

Autor                  Amostra                Perfodo

Ratamess citado por    8 homens treinados     Uma sessao
Neto e colaboradores   com idade (21 [+ or
                       -] 2)

De Lira e              8 homens (idade: 24    Cinco dias com 48hs
colaboradores          [+ or -] 2 anos)       de intervalo.

De Almeida             Nove indivfduos do     Duas sessoes
                       sexo masculino (23,1
                       [+ or -] 2,1 anos)

Autor                  Metodologia            Resultados

Ratamess citado por    5 series a 85% ou      O curto intervalo de
Neto e colaboradores   75% 1RM, intervalos:   recuperapao entre as
                       30s, 1, 2, 3, 4 e 5    series de musculapao
                       min (1 exercicio)      e a prescripao em
                                              circuito foram
                                              aquelas com >impacto
                                              sobre a magnitude do
                                              EPOC.

De Lira e              (TA) de 30 minutos a   No treinamento
colaboradores          90% da velocidade      concorrente (A + F)
                       correspondente ao      a [up arrow] no
                                              tempo de
                       limiar anaerobio       durapao do EpOC.
                       (10,3 [+ or -] 2,2     Apos 30 minutos
                       km). O (TF) a 70% de   apenas o TA nao
                       1RM, tres series de    resultou em EPOC. Em
                       12 repetipoes.         todas as outras
                       Quatro sessoes:        sessoes a magnitude
                       aerobio (A), forpa     do EPOC foram
                       (F), aerobio-forpa     similares.
                       (A + F) e forpa
                       aerobio (F + A),

De Almeida             Um exercicio de        Ambas sessoes
                       supino e um de         provocaram
                       agachamento, com       comportamento
                       execupao de tres       [up arrow]  de
                       series de 6-8          V[O.sub.2] durante
                                              os 10min
                       repetipoes maximas     de recuperapao em
                                              relapao aos valores
                       (RM) a 80% de 1RM      de repouso. Nao
                       para HP e 15-20 RM a   houve #
                       55% de 1RM para RML.   significativas entre
                                              os valores de EPOC
                                              entre as duas
                                              sessoes.

Legenda: (TA) = Treinamento aerobio, (TF) = Treinamento de forpa, (RM)
= Repetipao Maxima, (A) = Aerobio, (F) = Forpa, (RM) = Repetipao
Maxima, (HP) = Hipertrofia, (RML) = Repetipoes maximas localizadas,
(V[O.sub.2]) = Volume de oxigenio, (#) = Di
ferenpa.
COPYRIGHT 2014 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2014 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:Caldas Junior, Paulo Barbosa
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:Jan 1, 2014
Words:6801
Previous Article:Quantification of use cryotherapy at physical performance and treatment of lesions in the database SciELO.org/Quantificacao do uso da crioterapia no...
Next Article:Comparative study of body composition among female children in pre-puberes/Estudo comparativo da composicao corporal entre idades de criancas...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters