Printer Friendly

Early loss of permanent molars and associated factors in schoolchildren aged 9, 12 and 15 years attending public schools in Campina Grande, Paraiba State, Brazil/Perda precoce de molares permanentes e fatores associados em escolares de 9, 12 e 15 anos da rede publica municipal de Campina Grande, Estado da Paraiba, Brasil.

Introducao

A distribuicao e a severidade das doencas bucais variam nas diferentes partes do mundo, como tambem em distintos locais de um mesmo pais ou regiao. De acordo com a Organizacao Mundial de Saude, a carie dentaria e ainda o maior problema de saude bucal na maioria dos paises industrializados, afetando aproximadamente 60 a 90% das criancas em idade escolar e a grande maioria da populacao adulta (WHO, 2003).

Estudos epidemiologicos tem revelado marcante reducao na prevalencia de carie dentaria. Entretanto, a polarizacao da doenca em individuos ou grupos com alta frequencia e severidade reflete as desigualdades sociais e economicas de nossa sociedade e demonstra como a carie dentaria continua sendo uma afronta para a saude publica (ANDERSON, 2002; BONECKER; CLEATON-JONES, 2003).

No Brasil, a prevalencia de carie dentaria em criancas e adolescentes acomete, com maior frequencia, grupos populacionais menos favorecidos socioeconomicamente. Na maior parte dos municipios brasileiros, em especial os mais pobres, a saude bucal constitui ainda um dos grandes desafios do Sistema Unico de Saude (SUS), principalmente no que se refere a universalizacao e a equidade do atendimento e, nesse contexto, a carie dentaria se configura em um dos principais problemas de saude bucal a serem equacionados (BRASIL, 2004).

As caracteristicas anatomicas, principalmente da face oclusal dos molares permanentes, permitem que estes sejam mais suscetiveis a carie dentaria, pela presenca de cicatriculas, fossulas e fissuras estreitas e profundas, consideradas como a primeira zona de risco na denticao permanente, dificultando a autolimpeza e o controle de higienizacao por parte do paciente, contribuindo para o alto indice de perda, ocasionando alteracoes funcionais e esteticas (NOGUEIRA et al., 1995).

A perda de um molar permanente pode gerar alteracoes, como disturbios na ATM; reducao da capacidade mastigatoria em 50%; gengivite; destruicao dos tecidos de suporte e migracao mesial dos segundos molares permanentes do mesmo lado da perda dental; extrusao, retracao gengival e hipersensibilidade do primeiro molar superior permanente com a perda do seu antagonista (AGUIAR; PINTO, 1996).

Varios estudos nacionais (FERLIN et al., 1989; MAGALHAES et al., 1996; VIEIRA; ROSENBLATT, 2003) e internacionais (GONZALEZ et al., 2001; CASANOVA-ROSADO et al., 2005) avaliaram a perda de molares permanentes em criancas e adolescentes. A prevalencia de perda desses elementos dentarios varia de 7,0% no Mexico (CASANOVAROSADO et al., 2005) a 31,6% na Venezuela (GONZALEZ et al., 2001). No Brasil, a prevalencia varia de 8,2% (BADAUY; BARBACHAN, 2001) a 19,8% (COSER et al., 2005).

O presente estudo objetivou avaliar a prevalencia de perdas precoces de molares permanentes em escolares de nove, 12 e 15 anos da rede publica municipal de Campina Grande, Estado da Paraiba, pois e preocupante a frequencia da perda dentaria na populacao brasileira, por conta de uma politica de saude publica ineficiente no combate a carie dentaria, e sendo os molares permanentes dentes importantes da arcada, e sua perda precoce considerada o primeiro fator etiologico na ocorrencia das mas oclusoes.

Material e metodos

Este estudo foi baseado no modelo epidemiologico observacional, descritivo e analitico, com metodo quantitativo (FRAZAO, 2003).

A pesquisa foi cadastrada no Sistema Nacional de Informacao sobre Etica em Pesquisa envolvendo Seres Humanos - Sisnep (CAAE 0003.0.133.000-07) e aprovada pelo Comite de Etica em Pesquisa da Universidade Estadual da Paraiba. Previamente, os pais ou responsaveis pelos escolares foram convidados a participar de uma palestra, em que foram informados sobre os beneficios da pesquisa e o tipo de exame a que os escolares seriam submetidos. Apos a leitura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido, aqueles que concordaram em participar do estudo assinaram o Termo de Consentimento Pos-Informado.

A pesquisa foi realizada no municipio de Campina Grande, localizado no interior do Estado da Paraiba, a 130 km da capital do Estado. A cidade esta situada no agreste paraibano, entre o litoral e o sertao, com altitude proxima de 552 m acima do nivel do mar, na regiao oriental do Planalto da Borborema. A area do municipio abrange 620,6 [km.sup.2] e possui uma populacao estimada de 371.060 habitantes (densidade demografica de 612 hab. [km.sup.-2]).

A populacao do estudo foi composta por 5.486 escolares de ambos os sexos, com idades de nove, 12 e 15 anos, devidamente matriculados nas escolas publicas municipais de Campina Grande, Estado da Paraiba. Adotou-se a amostragem do tipo probabilistica, por meio da tecnica de selecao estratificada. O nivel de confianca utilizado foi de 95% e nivel de significancia de 5%. Foram acrescidos 20% ao tamanho da amostra com o objetivo de minimizar possiveis perdas. Portanto, a amostra final constou de 873 escolares, sendo 460 com nove anos, 273 com 12 anos e 140 com 15 anos de idade.

As escolas foram separadas por distritos, de forma que o sorteio aleatorio fosse representativo para toda a cidade de Campina Grande, Estado da Paraiba, sendo contemplado um total de 31 escolas. Foram entregues aos pais ou responsaveis o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido e aqueles que assinaram o termo foram incluidos no estudo. Foram excluidos da pesquisa os estudantes que recusaram em participar, mesmo com o consentimento dos pais ou responsaveis, bem como aqueles que faltaram ao exame clinico.

Por meio de um estudo-piloto com 45 escolares, procedeu-se a realizacao da calibracao do pesquisador, obtendo-se um valor de Kappa de 0,82 para a perda dentaria. A coleta de dados foi realizada no periodo de abril a setembro de 2007 por meio de um formulario pre-elaborado. As informacoes referentes a identificacao foram coletadas diretamente nas fichas de matricula escolar de cada individuo. O exame bucal foi realizado por um unico pesquisador, sob luz natural, em uma sala no proprio ambiente escolar, usando apenas espatulas de madeira descartaveis apos escovacao supervisionada. Os criterios para considerar um elemento dentario como perdido ou com extracao indicada foram seguidos de acordo com o Projeto SB2000 (BRASIL, 2001).

As variaveis do estudo compreenderam os aspectos relativos a autopercepcao em saude bucal (visita ao cirurgiao-dentista, dificuldade ao mastigar e satisfacao com o sorriso), a prevencao (participacao em palestras educativas, frequencia de escovacao) e a perda dentaria (tipo de elemento dental, localizacao na arcada dentaria e a regiao do arco).

Os dados foram organizados com o auxilio do programa Epi-Info versao 3.4 de 2007 (Centers for Disease Control and Prevention, Atlanta, USA). Tambem foram utilizadas tecnicas de estatistica descritiva por meio de distribuicoes absolutas e percentuais. A associacao significativa entre as variaveis foi verificada por meio dos testes do quiquadrado e Exato de Fisher, considerando o valor para rejeicao da hipotese nula de p < 0,05. Em relacao a forca e direcao de associacao, utilizou-se a razao de chances ou o odds ratio (OR).

Resultados

Verificou-se que 82,8% dos escolares nao apresentaram perda dentaria. Dentre aqueles que possuiam perda dentaria, 58,0% apresentavam pelo menos a ausencia de um molar permanente. O arco dentario inferior foi o mais acometido (78,1%), envolvendo mais frequentemente os elementos dentarios 36 e 46 (Tabela 1).

Ao associar a perda dentaria com as variaveis relacionadas ao sexo, a frequencia de escovacao e a palestra educativa, diferencas estatisticamente significativas nao foram encontradas. No entanto, verificou-se associacao positiva entre perda dentaria e idade (Tabela 2).

Verificou-se a associacao positiva entre perda dentaria e as variaveis referentes a visita ao cirurgiao-dentista, a satisfacao com o sorriso e a dificuldade na mastigacao, como demonstrado na Tabela 3.

Discussao

A escolha das idades de nove, 12 e 15 anos para o estudo, tem como justificativa o fato de que, aos nove e aos 15 anos, o primeiro molar permanente e o segundo molar permanente, respectivamente, ja se encontram na cavidade bucal ha tres anos e com o apice radicular totalmente formado (KRONFELD, 1935); aos 12 anos porque e a idade indice da Organizacao Mundial de Saude (OMS, 1991).

Quando se analisou a perda dentaria entre os escolares (Tabela 1) encontrou-se um percentual de 17,2%. Esse resultado e superior aos 3,5% descritos por Coser et al. (2005), aos 6,3% relatados por Ferlin et al. (1989) e aos 7,5% encontrados por Casanova-Rosado et al. (2005). Porem, e proximo dos 19,2% reportados por Badauy e Barbachan (2001) em jovens da cidade de Porto Alegre, Estado do Rio Grande do Sul e dos 20,6% revelados por Vieira et al. (1988). Todavia, Gonzalez et al. (2001) reportaram uma prevalencia de 31,6% de perda de primeiros molares permanentes entre criancas venezuelanas de seis a dez anos de idade, causadas pela falta de programas preventivos nas populacoes rurais de Anzoategui. Este elevado percentual pode ser justificado pelo fato da pesquisa ter sido realizada na area rural, no Mexico.

Em se tratando do numero de dentes perdidos, os resultados revelaram que 58,8% da amostra perderam pelo menos um molar permanente (Tabela 1) discordando com os resultados encontrados por Vieira e Rosenblatt (2003) que foi de 5,5% entre estudantes das escolas publicas. No presente estudo, apenas um escolar (0,7%) apresentou-se com perda de sete molares permanentes. E importante ressaltar que a perda de um unico molar permanente pode gerar alteracoes, como disturbios na oclusao; disturbios na articulacao temporo-mandibular; reducao da capacidade mastigatoria em 50%; gengivite; destruicao dos tecidos de suporte e migracao mesial dos segundos molares permanentes do mesmo lado da perda dental; extrusao; retracao gengival e hipersensibilidade do primeiro molar superior permanente com a perda do seu antagonista (AGUIAR; PINTO, 1996).

Confirmando resultados de estudos previos (CASANOVA-ROSADO et al., 2005; COSER et al., 2005; FERLIN et al., 1989; MAGALHAES et al., 1996; GONZALEZ et al., 2001; VIEIRA; ROSENBLATT, 2003), os primeiros molares permanentes inferiores (78,1%) foram os elementos dentarios mais frequentemente perdidos (Tabela 1). A perda dos primeiros molares permanentes inferiores ocasiona elevado desvio da linha media do arco inferior e tambem leva a um aumento significativo do diastema na regiao antero-posterior. Logo, as alteracoes produzidas pela perda uni ou bilateral dos primeiros molares permanentes inferiores nao se restringem ao segmento posterior do arco dentario, acarretando graves alteracoes na regiao antero-inferior (NORMANDO et al., 2003).

Neste estudo, ao se analisar a perda dentaria, segundo a localizacao no arco, observou-se maior perda no lado esquerdo. Corroboram com essa assertiva as observacoes de Magalhaes et al. (1996), porem e oposta aos resultados verificados por Gonzalez et al. (2001) e Casanova-Rosado et al. (2005) realizados, respectivamente, na Venezuela e Mexico, os quais afirmaram existir maior prevalencia de perda de primeiros molares permanentes do lado direito.

No tocante ao tipo de elemento dentario atingido, os elementos 36 (42,5%) e 46 (33,9%), ou seja, o primeiro molar inferior esquerdo e o primeiro molar inferior direito (Tabela 1), respectivamente, obtiveram os maiores percentuais de perda, justificando que o arco inferior e o mais acometido por esse evento, estando em consonancia com resultados previamente descritos (GONZALEZ et al., 2001).

Ao se tentar estabelecer associacoes entre a presenca de perdas dentarias e variaveis como sexo, frequencia de escovacao e participacao de palestra educativa, nao foi observada diferenca estatisticamente significativa (p > 0,05). Foi registrada maior frequencia de perda dentaria entre as meninas, porem sem diferencas entre os sexos (Tabela 2), corroborando, portanto, com os estudos de Vieira et al. (1988), Ferlin et al. (1989), Magalhaes et al. (1996), Gonzalez et al. (2001) e CasanovaRosado et al. (2005), os quais tambem encontraram maior prevalencia no sexo feminino.

Ao se associar a perda dentaria com a idade, observou-se diferenca estatisticamente significante (p = 0,000). Verificou-se que apesar de existir aumento no numero de elementos perdidos dos nove para os 12 anos, houve diminuicao dessa perda entre os escolares de 12 e 15 anos (Tabela 2). Este resultado pode ser explicado, talvez, pelo fato de ter um numero menor de escolares, com 15 anos, matriculados no Ensino Fundamental. A literatura e unanime em revelar que a percentagem de dentes extraido aumenta com a idade (ANDRADE; GUIMARAES, 1997; BREGAGNOLO et al., 1990; CASANOVA-ROSADO et al., 2005; FERLIN et al., 1989; MAGALHAES et al., 1996; VIEIRA; ROSENBLATT, 2003; VIEIRA et al., 1988).

Nao houve associacao entre a perda dentaria e a frequencia de escovacao (p = 0,174), assim como entre perda dentaria e palestra educativa (p = 0,882), como demonstrado na Tabela 2. Observa-se que, apesar de os escolares escovarem os dentes tres vezes ao dia, houve elevado percentual de perda. Esse elevado percentual pode estar associado aos maus habitos alimentares, principalmente no consumo de acucar de forma inadequada, a exemplo de guloseimas vendidas no ambiente escolar, como tambem pode estar associada a qualidade da escovacao.

A educacao em saude e fundamental no processo de formacao de habitos alimentares adequados a uma boa saude bucal e geral (FREIRE, 2000). Portanto, se faz necessaria a realizacao de programas de prevencao em saude bucal por meio de palestras; cartazes e folders, de forma continuada, estendidos aos pais dos escolares, abrangendo a familia como um todo. A presenca de cicatriculas e fissuras inacessiveis a limpeza na superficie oclusal do primeiro molar permanente, somada ao nivel socioeconomico e ao tipo de dieta do brasileiro levam a rapida instalacao do processo carioso e a consequente perda do elemento dentario (ANDRADE; GUIMARAES, 1997). Esses resultados demonstram a necessidade de se fazer uma avaliacao da saude bucal dessa populacao e da eficiencia do atendimento odontologico que os escolares estao recebendo.

Ao associar a perda dentaria a visita ao cirurgiao-dentista, verifica-se um resultado estatisticamente significativo (p = 0,001), de acordo com a Tabela 3, com as criancas que visitaram o cirurgiao-dentista apresentando duas vezes mais chances de possuirem perda dentaria comparado aquelas que nao vao ao consultorio. Portanto, a visita ao cirurgiao-dentista se constituiu em um fator importante para a perda dentaria. Duas hipoteses podem tentar explicar esses resultados: a primeira relaciona-se com o Ciclo Restaurador Repetitivo que, segundo Elderton (2003), pode ser acelerado pela mudanca de cirurgiao-dentista, ou seja, a mudanca para outro profissional gera a vontade de fazer ou refazer restauracoes. Desta forma, e de vital importancia que os cirurgioes-dentistas entendam que a odontologia restauradora tradicional, representada pelo Ciclo Restaurador repetitivo esta ultrapassada e que se deve direcionar sua pratica para um modelo preventivo nao-invasivo de tratamento da doenca; a segunda hipotese pode ser o fato de que o profissional realiza a exodontia do elemento acometido por carie dentaria por nao dispor de meios para realizar um procedimento especializado (endodontia e/ou reabilitacao).

No presente estudo, quase um terco dos escolares declarou ter dificuldade ao mastigar e 89,1% dos escolares mostraram-se satisfeitos com o sorriso. Resultado semelhante foi encontrado por Moura e Leite-Cavalcanti (2008) em relacao a dificuldade ao mastigar (28,6%) e contrario a satisfacao ao sorrir, dos quais 42,5% relataram insatisfacao. Uma das hipoteses para as diferencas entre esses resultados e que, nesta pesquisa, apesar de existir perda dentaria, esta se localizava na regiao posterior do arco, nao comprometendo a estetica, enquanto que no estudo de Moura e LeiteCavalcanti (2008) a percepcao da satisfacao ao sorrir estava relacionada a presenca de maloclusao.

Verificou-se associacao positiva entre a perda dentaria e a satisfacao ao sorrir (p = 0,001), conforme descrito na Tabela 3. Estes dados revelam que mesmo havendo perda dentaria, os escolares estao satisfeitos com o sorriso. Certamente, isso se deve ao fato de a perda dentaria ter acontecido com maior prevalencia nos dentes posteriores, nao interferindo, desta forma, na estetica. Resultados contrarios foram revelados pelo estudo de Moura e Leite-Cavalcanti (2008) em que, 42,5% da amostra mostraram-se insatisfeita com sua aparencia ao sorrir. No entanto, e valido ressaltar as diferencas metodologicas entre estes estudos, posto que nesta pesquisa, a satisfacao com o sorriso relacionava-se a perda dentaria, enquanto que no trabalho de Moura e Leite-Cavalcanti (2008) a insatisfacao referiu-se a problemas oclusais, tais como: apinhamento dental, diastema, mordida aberta e overjet maxilar anterior o que indubitavelmente, interferiu na estetica bucofacial do individuo.

A analise bivariada da variavel perda dentaria e a dificuldade ao mastigar apresentou diferenca estatisticamente significante (p = 0,000) (Tabela 3), de modo que os escolares que apresentam perda dentaria possuem duas vezes mais chances de ter dificuldade ao mastigar. Logo, o desconforto ao mastigar pode estar associado a ausencia de determinado elemento dentaria perdido precocemente.

A elevada perda precoce de primeiro molar permanente verificada neste estudo pode ser embasada pelas caracteristicas da amostra, a qual pertence, exclusivamente, a rede publica municipal de ensino. A esse respeito, Vieira e Rosenblatt (2003) afirmaram que criancas que frequentam escolas publicas pertencem a familias de menor poder aquisitivo, tendo, por conseguinte, demandas de problemas bucais acumuladas.

Os resultados aqui descritos, alem de servirem de base para o desenvolvimento de estudos futuros, revelam a necessidade da implantacao de programas preventivos e de promocao de saude bucal, ressaltando a imediata adocao de acoes curativas, bem com o acesso a procedimentos de maior complexidade a exemplo do tratamento endodontico, a fim de reduzir a perda precoce dos molares permanentes nesses escolares, possibilitando-lhes melhores condicoes de saude bucal.

Conclusao

A prevalencia da perda de molares permanentes pode ser considerada elevada dada a faixa etaria da amostra, sendo os primeiros molares inferiores os mais acometidos. A perda dentaria nao foi influenciada pelo sexo dos escolares, nem pela frequencia de escovacao e participacao em palestra educativa. Porem, a perda dentaria se mostrou associada a idade, visita ao cirurgiao-dentista, satisfacao com o sorriso e a dificuldade na mastigacao.

DOI: 10.4025/actascihealthsci.v33i1.8373

Referencias

AGUIAR, S. M. H. C. A.; PINTO, R. S. Lesoes cariosas, restauracoes e extracoes por processo carioso em primeiros molares permanentes, estudo clinico e radiografico. Revista de Odontologia da Unesp, v. 25, n. 2, p. 345-355, 1996.

ANDERSON, M. Risk assessment and epidemiology of dental caries: review of literature. Pediatric Dentistry, v. 24, n. 5, p. 377-385, 2002.

ANDRADE, M. A.; GUIMARAES, M. T. Prevalencia da perda de primeiros molares permanentes em criancas de 6 a 12 anos do municipio de Maceio, Alagoas. Revista Paraense de Odontologia, v. 2, n. 2, p. 20-24, 1997.

BADAUY, C. M.; BARBACHAN, J. J. D. Frequencia de perdas de primeiros molares permanentes entre jovens da cidade de Porto Alegre. Revista da Faculdade de Odontologia de Porto Alegre, v. 43, n. 2, p. 32-34, 2001.

BONECKER, M.; CLEATON-JONES, P. Trends in dental caries in Latin American and Caribean 5-6 and 11-13-yearold children: a systematic review. Community Dentistry and Oral Epidemiology, v. 31, n. 2, p. 152-157, 2003.

BRASIL. Ministerio da Saude. Projeto SB2000: Condicoes de saude bucal da populacao brasileira no ano 2000: manual do examinador. Secretaria Politicas de Saude, Departamento de Atencao Basica, Area Tecnica de Saude Bucal. Brasilia: Ministerio da Saude, 2001. p. 49.

BRASIL. Ministerio da Saude. Divisao Nacional de Saude Bucal. Levantamento epidemiologico em saude bucal: Brasil, zona urbana. Brasilia: Ministerio da Saude, 2004. p. 1-51.

BREGAGNOLO, J. C.; LIMA, E. G.; ALMEIDA, R. T. L. S.; ENOKI, S.; ENOKI, C. A. Ocorrencia de carie dentaria nas faces do primeiro molar permanente em criancas. I dentes perdidos. Revista Paulista de Odontologia, v. 12, n. 6, p. 10-19, 1990.

CASANOVA-ROSADO, A. J.; MEDINA-SOLIS, C. E.; CASANOVA-ROSADO, J. F.; VALLEJOS-SANCHEZ, A. A.; MAUPOME, G.; KAGEYAMA-ESCOBAR, M. L. Factores asociados a la perdida del primer molar permanente em escolares de Campeche, Mexico. Acta Odontologica Venezolana, v. 43, n. 3, p. 268-275, 2005.

COSER, M. C.; COSER, R. M.; CHIAVINI, P.; BOECK, E. M.; VEDOVELLO, S.; LUCATO, A. S. Frequencia de carie e perda dos primeiros molares permanentes: estudo em pacientes assistidos na clinica integrada infantil. Revista Gaucha de Odontologia, v. 53, n.1, p. 63-66, 2005.

ELDERTON, R. J. Ciclo Restaurador Repetitivo. In: KRIGER, L. (Coord.). Aboprev: promocao de saude bucal. 3. ed. Sao Paulo: Artes Medicas, 2003. Cap. 11, p. 207-211.

FERLIN, L. H. M.; DARUGE, A. D.; DARUGE, R. J.; RACAN, S. V. Prevalencia da perda de primeiros molares permanentes, em escolares de 6 a 12 anos, de ambos os sexos, da cidade de Ribeirao Preto. Revista de Odontologia da Universidade de Sao Paulo, v. 3, n. 1, p. 239-245, 1989.

FRAZAO, P. Epidemiologia em saude bucal. In: PEREIRA, A. C. (Org.). Odontologia em saude coletiva: planejando acoes e promovendo saude. Porto Alegre: Artmed, 2003. Cap. 4, p. 64-82.

FREIRE, M. C. M. Dieta, Saude Bucal e Saude Geral. In: BUISCHI, Y. P. (Ed.). Promocao de saude bucal na clinica odontologica. Artes Medicas: EAP-APCD, 2000. Cap. 10, p. 249-278.

GONZALEZ, J. M.; MANRRIQUE, R.; CARBALLO, A.; CARBONELL, M.; CORDOVA, L.; CORONEL, G.; FIGUERA, A.; FIGUEROA, N.; NUNEZ, J.; ROJAS, H.; SANCHEZ, B.; VILLALOBOS, N. Proyecto Anaco UCV. Estudio epidemiologico sobre la perdida prematura del primer molar permanente em ninos com edad comprendidas entre 6y10 anos. Acta Odontologica Venezolana, v. 39, n. 2, p. 42-46, 2001.

KRONFELD, R. Development and calcification of the human deciduous and permanent dentition. The Bur, v. 35, p. 18, 1935.

MAGALHAES, I. C.; NEVES, M. I. R.; BARRADAS, S. O. Contribuicao ao estudo das perdas dos primeiros molares permanentes. Odontologo Moderno, v. 23, n. 2, p. 16-17, 1996.

MOURA, C.; LEITE-CAVALCANTI, A. Severity of occlusal pathologies and associated factors in 12-year-old schoolchildren. Acta Odontologica Latinoamericana, v. 21, n. 2, p. 115-119, 2008.

NOGUEIRA, A. J. S.; NETO, M. D. A.; HOSHINO, N.; GILLET, A. V. M. Comprometimento do primeiro molar apos 1 ano de sua erupcao. Revista de Odontopediatria, v. 4, n. 3, p. 135-145, 1995.

NORMANDO, A. D. C.; SIVA, M. C.; Le BIHAN, R.; SIMONE, J. L. Alteracoes oclusais espontaneas decorrentes da perda dos primeiros molares permanentes. Revista Dental Press de Ortodontia e Ortopedia Facial, v. 8, n. 3, p. 15-23, 2003.

OMS-Organizacao Mundial de Saude. Levantamentos basicos em saude bucal: manual de instrucoes. 3. ed. Sao Paulo: Santos, 1991.

VIEIRA, S. C. M.; ROSENBLATT, A. Perda de primeiros molares permanentes em escolares do Recife, Pernambuco, Brasil. Revista Brasileira de Ciencias da Saude, v. 7, n. 1, p. 9-16, 2003.

VIEIRA, R. S.; AMMON, I. O. N.; SILVA, H. C. Prevalencia da perda de primeiros molares permanentes de criancas de 6 a 12 anos matriculadas no servico de triagem do curso de graduacao em odontologia da Universidade Federal de Santa Catarina. Revista de Ciencias da Saude, v. 7/8, n. 1/2, p. 112-121, 1988.

WHO-World Health Organization. The world oral health report 2003. Geneva: WHO, 2003.

Received on September 30, 2009.

Accepted on March 4, 2010.

Francineide Guimaraes Carneiro de Melo (1), Alessandro Leite Cavalcanti (2) *, Luciana de Barros Correia Fontes (1), Ana Flavia Granville-Garcia (1) e Sergio D'Avila Lins Bezerra Cavalcanti (1)

(1) Departamento de Odontologia, Universidade Estadual da Paraiba, Campina Grande, Paraiba, Brasil. (2) Programa de Posgraduacao em Saude Publica, Universidade Estadual da Paraiba, Rua Baraunas, 351, 58429-500, Campina Grande, Paraiba, Brasil. * Autor para correspondencia. E-mail: dralessandro@ibest.com.br
Tabela 1. Distribuicao dos escolares, segundo a perda dentaria,
numero de dentes perdidos, arco dentario e o tipo de elemento
dentario. Campina Grande, Estado da Paraiba, 2007.

                    Frequencia

Variaveis            n      %

Perda Dentaria

Sim                 150   17,2
Nao                 723   82,8
Total               873   100,0

Numero de Dentes
perdidos

1                   87    58,0
2                   51    34,0
3                    8     5,3
4                    3     2,0
7                    1     0,7
Total               150   100,0

Arco Dentario

Superior            51    21,9
Inferior            182   78,1
Total (1)           233   100,0

Elemento Dentario

16                  27    11,6
26                  21     9,0
36                  99    42,5
46                  79    33,9
17                   2    0,86
27                   1    0,43
37                   1    0,43
47                   3     1,3
Total (2)          233   100,0

Tabela 2. Distribuicao dos escolares, segundo o sexo, a idade, a
frequencia de escovacao e a participacao em palestras educativas
de acordo com a existencia de perda dentaria. Campina Grande,
Estado da Paraiba, 2007.

                                      Perda Dentaria

Variaveis                     Sim          Nao      Valor de p

                           n     %      n     %

Sexo
Masculino                 73    48,7   373   51,6   p = 0,573
Feminino                  77    51,3   350   48,4
Idade
9 anos                    40    26,7   419   58,0   p = 0,000
12 anos                   58    38,7   214   29,6
15 anos                   52    34,7   90    12,4
Frequencia de Escovacao
Uma vez                   19    12,8   121   17,1   p = 0,174
Duas vezes                40    27,0   219   30,9
Tres ou mais vezes        89    60,2   368   52,0
Palestra Educativa
Sim                       40    26,7   200   27,7   p = 0,882
Nao                       110   73,3   523   72,3

Tabela 3. Associacao entre as variaveis visitas ao cirurgiao-
dentista, satisfacao com o sorriso e dificuldade na mastigacao com
a existencia de perda dentaria. Campina Grande, Estado da
Paraiba, 2007.

Variaveis                        Perda Dentaria

               Sim          Nao        Valor de p      OR (IC95%)

             n     %      n      %

Visita ao Cirurgiao-Dentista

Sim         126   84,0   510   70,5    p = 0,001           1
Nao         24    16,0   213   29,5                 2,19 (1,35-3,59)

Satisfacao com o sorriso

Sim         120   80,0   658   91,0    p = 0,001           1
Nao         30    20,0   65     9,0                 0,40 (0,24-0,65)

Dificuldade em mastigar

Sim         65    43,3   189   26,1    p = 0,000           1
Nao         85    56,7   534   73,1                 2,16 (1,48-3,16)
COPYRIGHT 2011 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2011 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Melo, Francineide Guimaraes Carneiro; Cavalcanti, Alessandro Leite; Fontes, Luciana de Barros Cor
Publication:Acta Scientiarum. Health Sciences (UEM)
Date:Jan 1, 2011
Words:4134
Previous Article:Vitamin C, carotenoids, phenolic compounds and antioxidant activity of guava, mango and papaya from Ceasa of Minas Gerais State/Vitamina C,...
Next Article:Prevalence of intestinal parasite infections among 4- to 12-year-old children in Crato, Ceara State/ Prevalencia de parasitoses intestinais entre...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters