Printer Friendly

EVALUATION OF CORPORATE SOCIAL RESPONSIBILITY PROGRAMME BY APPLICATION OF BALANCED SCORECARD: A CASE STUDY OF FIAT AUTOMOBILES' COOPERARVORE PROGRAMME/AVALIACAO DE PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL COM APLICACAO DO BALANCED SCORECARD: UM ESTUDO DE CASO DA COOPERARVORE DA FIAT AUTOMOVEIS/EVALUACION DEL PROGRAMA DE RESPONSABILIDAD SOCIAL CORPORATIVA CON LA IMPLEMENTACION DEL BALANCED ...

INTRODUCAO

As crises economicas que surgem na Europa nos ultimos anos sugerem novos questionamentos sobre a sustentabilidade dos paises de Primeiro Mundo. O poder publico desses paises em crise tornou-se impotente para solucionar sozinho os problemas sociais que os acometem. Todos os atores sociais sao agentes importantes na busca de saida para a crise, principalmente as empresas, que, alem de depender de uma economia solida para sua sobrevivencia, podem contribuir de forma significativa com seus recursos e conhecimentos para o desenvolvimento da sociedade.

Assim, a Responsabilidade Social Empresarial (RSE) pode desempenhar um papelchave na reconstituicao dos lacos da sociedade por ser um fator decisivo na implementacao da politica economica, podendo influenciar positivamente nos seus resultados. A RSE e fundamental para o desenvolvimento de uma sociedade democratica e de um mundo melhor.

Cientes dessa sua importancia social, as empresas, nas ultimas decadas, vem assumindo um papel fundamental na sociedade, ao aumentar, segundo Teodosio (2002), seus investimentos em RSE e ao integrar acoes sociais em suas estrategias corporativas.

Segundo pesquisa do Ipea (2006), no periodo de 1990 a 2004 houve um crescimento expressivo, em dez pontos percentuais, de investimentos em responsabilidade social pela iniciativa privada, chegando ao final desse periodo com 69% das empresas pesquisadas declarando realizar algum tipo de acao social para a comunidade. No entanto, poucas empresas possuem uma metodologia de gestao apropriada para o desenvolvimento de suas acoes sociais e, ainda segundo a pesquisa, a restricao financeira e a principal dificuldade encontrada.

No Brasil, o cenario de avaliacao de projetos sociais e bastante incipiente, uma vez que, conforme pesquisa do Ipea (2010), apenas 16% das empresas que investem em RSE avaliam suas acoes. Esse e, tambem, um problema para as empresas que aplicam recursos financeiros, humanos e materiais em projetos sem ter uma avaliacao precisa do retorno social de seus investimentos.

Nesse contexto, o presente artigo, apresentado de forma sucinta, traduz uma proposta de aplicacao do Balanced Scorecard (BSC) como metodologia de avaliacao de resultados de um programa especifico de RSE. Trata-se de um estudo de caso na "Cooperarvore", uma cooperativa de trabalho criada a partir de um programa de responsabilidade social da Fiat Automoveis.

O objetivo deste estudo e avaliar o desempenho da cooperativa e verificar em que medida a sua gestao esta permitindo alcancar a sua missao e sua visao, como tambem a sua autossustentabilidade, segundo o esquema da Figura 1, que ilustra a estruturacao do metodo. A partir da missao da cooperativa, que esta alinhada aos objetivos do programa, buscou-se verificar se a mesma esta avancando no sentido da sua sustentabilidade (economica, social e ambiental). Ao se avaliar os recursos aplicados, os processos operacionais, o conhecimento adquirido e as relacoes com os parceiros e clientes, pode-se verificar em que medida a Cooperarvore esta contribuindo para alcancar os resultados para os quais foi criada: gerar trabalho e renda, reduzir a vulnerabilidade social e promover o desenvolvimento humano, social e economico.

Para cada premissa foram identificados indicadores que pudessem ajudar a avaliar o alcance dos objetivos almejados. A escolha desses indicadores foi realizada a partir da seguinte pergunta: Quais sao os fatores (recursos, processos, conhecimento e mercado) essenciais na gestao que podem contribuir para o desenvolvimento sustentavel da Cooperarvore e, consequentemente, contribuir para o alcance de sua missao?

Nas secoes que seguem, sera apresentada uma exposicao teorica sobre a avaliacao de programas de RSE. Em seguida, descrevem-se os procedimentos metodologicos que compoem a pesquisa e permitem a construcao dos indicadores usados na avaliacao de um projeto especifico. Na sequencia, serao discutidos os resultados da pesquisa e, finalmente, apresentadas as consideracoes finais do artigo.

AVALIACAO DE PROGRAMAS DE RSE

Segundo Sen e Kliksberg (2007), o desenvolvimento, na sua dimensao economica, social e politica, deve ser construido a partir de uma visao integrada, ja que a sociedade e formada por pessoas, portadores de valores eticos, entre eles os empresariais, que fazem parte dos ativos produtivos da sociedade, uma vez que suas acoes tem enorme influencia no progresso economico e social de cada pais. Dessa forma, os autores concluem que o capital social apoia-se no desenvolvimento sustentavel da sociedade e, quando esta atua de forma ativa, fortalece os proprios valores que lhe dao vida. Na visao desses autores, e importante que as empresas assumam a sua responsabilidade social. Esta e definida pelo Instituto Ethos de Solidariedade como:

Responsabilidade Social Empresarial e a forma de gestao que se define pela relacao etica e transparente da empresa com todos os publicos com os quais ela se relaciona pelo estabelecimento de metas empresariais que impulsionem o desenvolvimento sustentavel da sociedade, preservando recursos ambientais e culturais para as geracoes futuras, respeitando a diversidade e promovendo a reducao da desigualdade social. (ETHOS, 2011) (3)

Um programa de RSE bem-sucedido gera um reconhecimento institucional, comunitario e social. No entanto, para que isso possa acontecer, torna-se necessario que esse programa contemple, ao longo de sua execucao, o processo de monitoramento e avaliacao constante das acoes, em relacao aos principios da sustentabilidade social, ambiental e economica (Rico, 2004).

Uma metodologia de avaliacao eficaz permite melhorar o desempenho do programa durante o seu ciclo de vida, bem como dos planejamentos futuros, permitindo reduzir incertezas e riscos inerentes aos processos. Segundo Cohen e Franco (1993), a avaliacao tem como objetivo maximizar sua eficacia no alcance dos objetivos e na otimizacao dos recursos aplicados.

Segundo Clemente e Fernandes (2002) (4), citados por Santos (2008), a gestao de projetos passa pela integracao de fatores economicos, sociais, politicos e culturais que influenciam diretamente nos resultados. Os mesmos autores evidenciaram a necessidade de quantificar e mensurar os objetivos e os resultados alcancados. "Contudo deve-se atenuar que, mesmo bem elaborado, e cercado das atencoes de um gestor, isso nao garante em sua totalidade a efetividade e o sucesso" (Santos & Jeunon, 2007 apud Santos, 2008, p. 30). Assim, tornam-se necessarios criterios bem definidos que permitam mensuracao e avaliacao das acoes de cada projeto, possibilitando a medicao dos resultados obtidos em funcao dos objetivos propostos e da efetividade na sua implementacao.

Nao existe, segundo Santos (2008), uma definicao unica de avaliacao de programas sociais. O autor se baseou nos conceitos de Worthen, Sanders e Fitzpatrick (1997) e Patton (1997), que definiram a avaliacao como:

a coleta sistematica de informacoes sobre as acoes, as caracteristicas e os resultados de um programa, e a identificacao, esclarecimento e aplicacao de criterios, passiveis de serem defendidos publicamente, para determinar o valor (merito e relevancia), a qualidade, utilidade, efetividade ou importancia do programa sendo avaliado em relacao aos criterios estabelecidos, gerando recomendacoes para melhorar o programa e as informacoes para prestar contas aos publicos interno e externo ao programa do trabalho desenvolvido. (Marino, 2003, p. 16)

Ainda segundo Marino (2003), a concepcao de avaliacao contem tres componentes que sao interligados:

1) coleta sistematica de informacoes relevantes;

2) determinacao e aplicacao de parametros para determinar o valor, qualidade, utilidade, efetividade e importancia do programa avaliado;

3) garantia do uso dos resultados da avaliacao por meio da geracao de recomendacoes para o aperfeicoamento do programa e de informacoes que servem para prestar contas a pessoas e instituicoes que tem interesse direto pelo programa que esta sendo desenvolvido.

Dessa forma, a avaliacao dos resultados permite a analise da eficacia do programa de RSE e a mensuracao do alcance dos objetivos tracados na fase de planejamento por meio de indicadores de desempenho.

Em projetos sociais, os indicadores sao parametros que servem para detalhar em que medida os objetivos de um projeto foram alcancados, procurando dessa forma expressar a realidade sob uma forma mensuravel que permita avaliar ou observar os resultados.

PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS

A metodologia de avaliacao foi direcionada para verificar o alcance dos resultados objetivados da Cooperarvore, que preve a reducao da vulnerabilidade dos grupos de risco, a promocao de trabalho e renda e a contribuicao para o desenvolvimento humano, social e economico, propostos pelo programa Arvore da Vida.

Para dar conta desse proposito, adotou-se a pesquisa descritiva para avaliar cada objetivo proposto na Cooperarvore, explorando familiarizacao e percepcoes dos beneficiarios do programa. Segundo Collis e Hussey (2005), esse tipo de pesquisa e utilizado quando ha pouco ou nenhum estudo anterior sobre a questao estudada e seu foco e obter insights e familiaridade com a area do assunto pesquisado. Para atender a esse tipo de pesquisa, optou-se pela pesquisa de natureza qualitativa, que possibilitou explorar o problema proposto, reunindo uma ampla gama de dados e impressoes que permitiram analisar a interacao de diversas variaveis.

O BSC representa um aperfeicoamento do sistema de planejamento e controle gerencial desenvolvido por Kaplan e Norton (2000) que, nas ultimas decadas, tornou-se uma ferramenta amplamente difundida entre as organizacoes. Ela reflete o equilibrio entre os objetivos de curto e longo prazo, entre as medidas financeiras e nao financeiras, indicadores de desempenho internos e externos. O BSC traduz a visao e a estrategia em quatro perspectivas de desempenho da organizacao, a saber: Financeira, do Cliente, dos Negocios Internos e da Aprendizagem e Crescimento (cf. FIG. 2).

Na avaliacao da gestao da Cooperarvore, foi realizada uma pequena adaptacao nas quatro perspectivas de Kaplan e Norton (2000) para se adequar a logica institucional, conforme as areas estrategicas a seguir:

* Gestao dos Recursos Financeiros e Materiais: para ter sustentabilidade financeira, como a Cooperarvore deve gerir seus recursos financeiros e materiais?

* Gestao dos Processos Internos: para cumprir a missao de desenvolvimento socioeconomico das familias, em que processos internos a Cooperarvore deve sobressair?

* Gestao do Aprendizado e do Crescimento: para alcancar sua visao, como sustentar a habilidade de mudar e progredir?

* Gestao do Relacionamento com parceiros, clientes e comunidade: para alcancar sua visao, como a Cooperarvore deve ser vista pelos parceiros, clientes e sociedade em geral?

A partir da definicao dessas premissas, os passos metodologicos foram:

(a) Identificacao dos indicadores (questoes aplicadas na pesquisa de campo) por area estrategica da gestao--perspectivas;

(b) Definicao de parametros em uma escala de valores do tipo Likert como alternativas de escalas de verificacao para mensuracao das acoes. Segundo Junior e Costa (2014), a escala de verificacao de Likert permite mensurar o grau de avaliacao dos pesquisados sobre um determinado conjunto de afirmacoes ou construto. Nesse caso, foram definidos cinco atributos de avaliacao: Insatisfatorio, Ruim, Regular, Bom e Otimo, como criterios de avaliacao da acao. Tais atributos foram classificados em uma escala numerica de 1 a 3 com variacao de 0,5 ponto entre cada variavel.

(c) Ranqueamento da variavel em ponto FRACO (notas atribuidas entre 1 e 1,5), em estado de ALERTA (notas atribuidas com o valor 2) ou FORTE (notas atribuidas entre 2,5 e 3), de acordo com a resposta do pesquisado, conforme Figura 3

Conforme ilustrado na Figura 3, cada ponto investigado na pesquisa foi avaliado pelos entrevistados dentro de uma escala de valores composta pelas notas 1 (Insatisfatorio), 1,5 (Ruim), 2 (Regular), 2,5 (Bom) e 3 (Otimo). Assim, de posse da tabulacao de todas as respostas obtidas na pesquisa, calculou-se a media ponderada do percentual de respostas pela nota obtida, chegandose a um somatorio de pontos que pudesse ser enquadrado dentro de uma classificacao de "Ponto Fraco", "Estado de Alerta" ou "Ponto Forte", de acordo com a escala abaixo:

a) Com nota total ate 1,50 ponto, a variavel apresenta um ponto fraco para a organizacao;

b) Nota de 1,51 a 2,0 pontos significa que a situacao dessa variavel nao e fraca nem forte, no entanto o estado e de alerta;

c) Para nota acima de 2,0 pontos, a organizacao apresenta nessa variavel um ponto forte.

Esses parametros foram definidos a criterio dos pesquisadores como forma de obter uma metrica que sinalize o grau de desempenho da acao realizada, servindo como um indicador para avaliacao do resultado como Fraco, em situacao de Alerta ou razoavel e como resultado Forte ou satisfatorio.

A expectativa com a utilizacao dessa metodologia no diagnostico da gestao, logicamente adaptada as realidades da Cooperarvore, foi de poder trabalhar com indicadores de desempenho de facil compreensao, que permitam monitorar e avaliar as implementacoes das estrategias para o cumprimento da missao da mesma. Sabendo-se que a Cooperativa tem caracteristicas proprias e bem diferentes das de uma empresa com fins lucrativos, sugere-se usar o BSC como um modelo, e nao como uma camisa de forca, como recomendado por Kaplan e Norton (2000). Assim, todas as estrategias propostas poderao ser almejadas tendo como base estruturante a "Missao" da Cooperarvore.

Para tanto, o diagnostico teve como foco avaliar a gestao em tres niveis hierarquicos: Estrategico (Gestores do Programa--Fiat e AVSI), Tatico (Gerentes e Tecnicos do projeto e Diretoria da Cooperarvore) e Operacional (Membros da Cooperarvore).

O publico-alvo e formado pelas familias da comunidade, que se encontra em estado critico de vulnerabilidade. Os principais objetivos do programa sao reduzir a vulnerabilidade dos grupos de risco, a geracao de renda para as pessoas excluidas do mercado de trabalho e promover o desenvolvimento humano, social e economico. Para isso, foi criada uma cooperativa de producao formada por pessoas da comunidade para gerar trabalho, renda e desenvolvimento aos beneficiarios.

Assim, a unidade de analise e observacao da pesquisa foi a cooperativa de trabalho denominada "Cooperarvore", formada por beneficiarios moradores da comunidade e identificados como grupo de risco.

O levantamento de dados quantitativos foi realizado por meio de pesquisa documental, na busca de indicadores que permitam mensurar os resultados relacionados ao numero de participantes, evasao, progressao de receitas, geracao de renda para os beneficiarios etc. Ja as informacoes qualitativas, que permitiram complementar e aprofundar a compreensao das informacoes quantitativas, foram obtidas por meio de entrevistas, observacoes diretas e analise documental. Foram realizadas entrevistas com questionarios semiestruturados com gestores da AVSI que atuam diretamente na execucao do programa, com membros da Cooperarvore e o gestor da Fiat Automoveis, responsavel pelo programa Arvore da Vida. As observacoes diretas foram realizadas pelo primeiro autor durante o trabalho de campo. A pesquisa documental baseou-se na analise de material escrito e impresso que diz respeito ao planejamento, execucao e acompanhamento do projeto, disponivel nas tres instituicoes envolvidas na sua implementacao.

ANALISE DOS RESULTADOS DA COOPERARVORE

A Cooperarvore beneficia diretamente 26 familias da comunidade por meio da capacitacao em tecnicas em costura, silk e artesanato. As artesas utilizam materiais que sobram da producao de carros para criar pecas inovadoras. Retalhos de cinto de seguranca e tecido automotivo sao transformados em bolsas, mochilas e outros acessorios que geram ocupacao e renda a comunidade e desoneram o meio ambiente do material industrial descartavel.

Assim procedendo, chegou-se a uma lista de indicadores para cada premissa de gestao e em seguida cada indicador foi relacionado com cada um dos tres objetivos propostos pelo programa da Cooperarvore: geracao de trabalho e renda, reducao da vulnerabilidade ou desenvolvimento humano, social e economico.

Em seguida, as respostas obtidas pelas entrevistas e pela pesquisa documental foram organizadas e agrupadas dentro de uma escala de valores e classificadas em tres niveis: ponto FRACO, ALERTA ou FORTE. As novas estrategias podem ser tracadas em funcao do fortalecimento dos pontos fracos, dos ajustes dos pontos de alerta ou da potencializacao dos pontos fortes.

Os resultados da pesquisa podem permitir identificar em qual (ou quais) ponto (s) a gestao da Cooperarvore tem sido mais eficiente ou mais vulneravel; ou ainda visualizar em que medida a gestao esta contribuindo para o alcance da missao e dos objetivos almejados pelo programa.

No Quadro 01, constatou-se que, segundo a metodologia usada, a gestao da cooperativa esta contribuindo para o alcance do objetivo de geracao de trabalho e renda. A classificacao da cooperativa, como ponto forte ao atingir a nota de 2,2 na escala, significa um resultado bom e que o objetivo esta sendo alcancado.

Ja em relacao a outro objetivo--geracao de recursos materiais e financeiros--, o desempenho da cooperativa foi classificado como estado de alerta. Isso quer dizer que, apesar de possuir uma infraestrutura adequada para a producao e uma gestao adequada, ela ainda nao dispoe de capital de giro proprio suficiente para manter as suas atividades e atender as demandas de mercado, necessitando de doacoes de materias-primas e aportes de capital dos investidores para manter-se em operacao.

Os processos internos, tanto da producao quanto da gestao, sao padronizados e de dominio de toda a equipe, tanto por parte das cooperadas (de nivel operacional) quanto da equipe tecnica (nivel tatico). Tal padronizacao permite a manutencao da qualidade dos produtos, acesso ao trabalho de forma igualitaria e uma politica de remuneracao--distribuicao de renda--bem definida.

O conhecimento e o crescimento profissional sao dois outros pontos fortes da cooperativa. Foram realizados diversos treinamentos--capacitacao tecnica e formacao em cooperativismo--que proporcionaram um melhor desempenho produtivo e uma gestao mais participativa. No entanto, falta realizar treinamentos com as cooperadas no sentido de sua capacitacao em gestao financeira, vendas e marketing, para que elas possam participar cada vez mais da autogestao da cooperativa.

Quanto a outro objetivo, a relacao da cooperativa com o mercado (clientes, parceiros e comunidade), o desempenho foi classificado com o sinal de alerta, merecendo seu fortalecimento. Ha, no entanto, duas excecoes, quanto ao crescimento da carteira de clientes e ao numero de parceiros nos ultimos anos. O que compromete o funcionamento regular da Cooperativa em todos os meses e a sazonalidade do mercado, outro ponto fraco, ja que sempre ocorre por apresentar um deficit de vendas que ocorre em todo inicio de ano. Essa fragilidade gera a falta de renda para as cooperadas nessa epoca do ano porque recebem por producao e, nao havendo vendas, nao ha geracao de valor. Isso tem sido um motivo permanente de insatisfacao das cooperadas com relacao ao projeto, provocando grande rotatividade entre as socias da Cooperativa. As vendas nos demais meses nao sao suficientemente grandes para compensar as perdas da entressafra, que compreende o final das festas de fim de ano ao termino do Carnaval, quando o pais volta a operar normalmente.

Com relacao a reducao da vulnerabilidade social das cooperadas, pode-se perceber que a Cooperarvore apresenta um potencial favoravel para atingir tal objetivo. A maioria dos indicadores foi avaliada como ponto forte, com excecao dos indicadores de escolaridade, participacao das cooperadas em outras acoes do programa Arvore da Vida e o relacionamento da cooperada com os clientes conforme Quadro 02.

No geral, a cooperativa possui um bom potencial para o alcance dos objetivos de reducao da vulnerabilidade social das cooperadas, tendo atingido esse quesito nota geral de 2,4, uma classificacao considerada como ponto forte na metodologia que se vem usando.

O desenvolvimento humano das cooperadas vem sendo alcancado de forma positiva, tendo alcancado uma nota geral de 2,5, uma classificacao considerada como ponto forte na nossa metodologia, conforme o Quadro 03.

No Quadro 04, percebe-se a contribuicao da cooperativa na reducao da poluicao ambiental e isso pode ajudar no desenvolvimento social das cooperadas de forma indireta. E indireta porque as cooperadas colaboram com a preservacao do meio ambiente por meio de suas atividades realizadas na Cooperativa. Na producao, utilizam-se recursos tecnologicos de baixo impacto ambiental; e os produtos sao feitos mediante o uso de materiasprimas industriais descartadas, mas que permitem sua reciclagem e seu reaproveitamento. Os resultados demonstram que a cooperativa vem contribuindo de forma positiva no desenvolvimento social das cooperadas pela nota alta 2,5 obtida na avaliacao desse quesito, classificada como ponto forte do programa.

Na avaliacao geral, o desenvolvimento economico das cooperadas foi o objetivo que teve o menor alcance, uma nota geral de 1,8 e classificacao como ponto de alerta. Em termos de recursos, o poder aquisitivo das cooperadas aumentou, bem como o patrimonio e a capacidade de consumo de muitas delas. No entanto, o patrimonio da cooperativa adquirido com recursos proprios continua num estagio embrionario, conforme Quadro 05. Na avaliacao geral, o desempenho alcancado nesse quesito, desenvolvimento economico, nao e bem considerado ao ter obtido 1,8 de nota, indicando, pela nossa metodologia, uma situacao de alerta quanto ao cumprimento dessa missao pela cooperativa.

Finalmente, o Quadro 06 resume os resultados obtidos pela media geral das notas atribuidas a todos os indicadores de gestao. Assim, pode-se inferir que as maiores potencialidades da cooperativa estao nos seus processos internos, no conhecimento e no crescimento das cooperadas por meio da sua capacitacao e qualificacao profissional. O sinal de alerta fica para os recursos financeiros e materiais da cooperativa, indicando que ela ainda nao conseguiu atingir a sua sustentabilidade financeira nem um adequado relacionamento com o mercado, com seus parceiros e com a comunidade. Seria necessario ampliar o seu portfolio de produtos, reduzir os impactos da sazonalidade do mercado e melhorar o relacionamento das cooperadas com o publico externo. Na avaliacao global, o desempenho da gestao foi classificado pela pesquisa como um ponto forte na busca do cumprimento da missao da cooperativa, tendo obtido 2,2 como nota.

CONSIDERACOES FINAIS

A conclusao deste artigo e de que a metodologia BSC permitiu medir os resultados da Cooperarvore e chegar a um parecer positivo quanto aos resultados alcancados pela mesma e aos objetivos atingidos pelo programa de RSE da Fiat. A cooperativa vem gerando trabalho e renda, reduzindo a vulnerabilidade social e proporcionando o desenvolvimento humano, social e economico dos beneficiarios. O grande desafio da mesma e tornarse autogerida pelas cooperadas e autossustentavel, tornando-se menos dependente financeiramente de aportes assistenciais recebidos da Fiat Automoveis e/ou de sua rede de associadas.

De acordo com a metodologia do BSC aplicada a Cooperarvore, esta apresenta alguns pontos de alerta: o primeiro refere-se aos recursos materiais e financeiros, uma vez que a cooperativa ainda nao tem condicoes de se autossustentar. O segundo ponto de alerta relaciona-se com o mercado e parceiros, devido a instabilidade das vendas em alguns meses do ano e a incipiente relacao das cooperadas com os stakeholders, fornecedores e meio ambiente.

No nosso caso, deve-se lembrar que uma cooperativa tem caracteristicas proprias e bem diferentes das de uma empresa com fins lucrativos. Mesmo assim, sera possivel usar o BSC como metodologia de avaliacao e nao como uma camisa de forca, como foi recomendado por seus autores, Kaplan e Norton (2000).

A principal vantagem da aplicacao dessa metodologia e gerar indicadores de desempenho que permitem medir a eficacia da gestao da Cooperarvore no sentido de atingir os objetivos para os quais ela foi criada, foco principal deste estudo. Seu uso possibilita medir ate que ponto a gestao esta contribuindo para a reducao da vulnerabilidade social, geracao de trabalho e renda e para o desenvolvimento economico, social e humano dos seus beneficiarios.

Como outra vantagem, a metodologia permite fazer uma avaliacao conjugando os objetivos do programa com a sustentabilidade da cooperativa, por meio de indicadores que medem a eficiencia da gestao pelos seus recursos, processos, conhecimento e relacionamento com o mercado. Apos aplicar esse metodo na pesquisa, conclui-se que os resultados da gestao sao condizentes com os resultados dos depoimentos dos beneficiarios. Por esse metodo, pode-se avaliar a gestao, verificando-se se ela apresenta um resultado positivo ou nao, tanto em termos de administracao de Processos Internos, do Conhecimento e do Crescimento das pessoas envolvidas. Alem disso, ele permite destacar onde estao os pontos fortes, regulares e fracos. Na analise desses quesitos, o desempenho da Cooperarvore foi considerado forte. Ja a Gestao dos Recursos Financeiros e Gestao do Mercado e Parceiros encontram-se em estado de alerta. Sao quesitos que merecem atencao e ser trabalhados, visando seu fortalecimento e sustentabilidade, tendo-se como referencia concreta o desempenho da Cooperarvore.

Espera-se que a utilizacao dessa metodologia na realizacao do diagnostico da gestao da Cooperarvore possa ser util na avaliacao de desempenho de outras organizacoes, feitas logicamente as adaptacoes necessarias a compreensao de outras realidades. A metodologia e relativamente simples e aplicada com facilidade. Os indicadores de desempenho sao de facil compreensao. Eles permitem monitorar e avaliar as implementacoes das estrategias para o cumprimento da missao da instituicao que esta sendo avaliada.

DOI: 10.5585/geas.v5i1.478

Recebido: 16/12/2015

Aprovado: 24/03/2016

REFERENCIAS

Clemente, A., & Fernandes E. (2002). Planejamento e projetos. In: Clemente A. Projetos Empresariais e Publicos, Cap. 1. 2. ed. Sao Paulo: Atlas, p. 21-27.

Collis, J., & Hussey, R. (2005). Pesquisa em Administracao--Um guia pratico para alunos de graduacao e pos-graduacao. 2. ed. Porto Alegre: Bookman.

Cohen, E., & Franco, R. (1993). Avaliacao de projetos sociais. Petropolis: Vozes.

ETHOS--Instituto Ethos de Empresas de Responsabilidade Social. Disponivel em: http://www1.ethos.org.br/EthosWeb/pt/29/o_que_e _rse/o_que_e_rse.aspx. 2011. Acesso em: 20 jun. 2011.

IPEA. A iniciativa Privada e o Espirito Publico: a evolucao da acao social das empresas privadas no Brasil. Pesquisa publicada em Julho de 2006. Disponivel em: http://www.ipea.gov.br/acaosocial/IMG/pdf/doc 44.pdf.

IPEA. Pesquisa Acao Social das Empresas, publicada em 07 de abril de 2010. Disponivel em: http://www.ipea.gov.br/asocial. Acesso em: 15 maio 2011.

Junior, S. D. S., & Costa, F. J. (2014). Mensuracao e Escalas de Verificacao: uma Analise Comparativa das Escalas de Likert e Phrase Completion. Sao Paulo. Revista Brasileira de Pesquisa e Marketing, Opiniao e Midia. Disponivel em: http://www.revistapmkt.com.br/Portals/9/Volumes/ 15/1. Acesso em: 10 abr. 2016.

Kaplan, R. S., & Norton, D. P. (2000). A estrategia em acao: Balanced Scorecard. 11. ed. Rio de Janeiro: Campus.

Marino, E. (2003). Manual de Avaliacao de Projetos Sociais. Sao Paulo: Saraiva.

Patton, M. Q. (1997). Utilization Focused Evaluation. Newbury Park, CA: Sage.

Rico, E. M. (2004). A Responsabilidade Social Empresarial e o Estado: uma alianca para o desenvolvimento sustentavel. Sao Paulo em Perspectiva, Sao Paulo, v. 18, n. 4.

Santos, L. M. (2008). Construcao de indicadores de desempenho na gestao de projetos sociais sustentaveis--Estudo sobre os centros vocacionais tecnologicos. Dissertacao de mestrado academico da Faculdade Novos Horizontes. Belo Horizonte-MG.

Sen, A., & Kliksberg, B. (2007). As pessoas em primeiro lugar. Sao Paulo: Companhia das Letras.

Siqueira, C. A. (1999). Geracao de emprego e renda no Brasil: experiencias de sucesso. Rio de Janeiro: DP&A, p. 17-99.

Teodosio, A. S. (2002). O terceiro setor como utopia modernizadora da provisao de bens e servicos sociais: dilemas, armadilhas e perspectivas no cenario brasileiro. 2002. 110 f. Dissertacao (Mestrado em Ciencias Sociais--Gestao de Cidades) --Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Worthen, B. R., Sanders, J. R., & Fitzpatrick, J. L. (1997). Program Evaluation: alternative, approaches and practical guidelines. New York: Longman.

(1) Osvaldo Mauricio de Oliveira

(2) Domingos Antonio Giroletti

(1) Mestre pela Fundacao Pedro Leopoldo--MPA/FPL-MG, Brasil Professor pela Pontificia Universidade Catolica de Minas Gerais--PUC Minas E-mail: osvaldomo@pucminas.br

(2) Pos-Doutor pela London School of Economics--LSE, UK Professor Titular pela Fundacao Pedro Leopoldo--MPA/FPL-MG, Brasil E-mail: domingosgiroletti@gmail.com

(3) Disponivel em: http://www1.ethos.org.br/EthosWeb/pt/29/o_que_e _rse/o_que_e_rse.aspx. Acesso em: 20 jun. 2011.

(4) Clemente; Fernandes, 2002.

Caption: Figura 1--Esquema da metodologia de avaliacao da gestao.

Caption: Figura 2--Perspectivas de desempenho da organizacao.

Caption: Figura 3--Escala de valores de avaliacao.
QUADRO 01--Avaliacao dos resultados de Geracao de Trabalho e Renda na
perspectiva da gestao

PREMISSAS    RECURSOS FINANCEIROS E MATERIAIS       PROCESSOS INTERNOS

OBJETIVO     Indicador            Nota              Indicador

             Infraestrutura-               Forte    Acesso ao
                meios de                               trabalho de
                producao                               forma
                                                       igualitaria
GERACAO DE   Capital de Giro      1,0      Fraco    Padronizacao de
TRABALHO        proprio                                tarefas/
                                                       rotinas
E RENDA      Renda Gerada         2.5      Forte    Qualidade dos
                                                       produtos
                                                       politica de
                                                       remuneracao e

                                                       distribuicao
                                                       financeira

             NOTA MEDIA           2.0      ALERTA   NOTA MEDIA

PREMISSAS    PROCESSOS INTERNOSCONHECIMENTO E CRESCIMENTO

OBJETIVO        Nota              Indicador            Nota

             3;0      Forte    Capacitacao          2,5      Forte
                                  tecnica
                                  profissional

GERACAO DE   2;5      Forte    Capacitacao em       1,0      Fraco
TRABALHO                          gestao

E RENDA      2;5      Forte    Gestao               3;0      Forte
                                  Participativa
             2.5      Forte

             2,6      FORTE    NOTA MEDIA           2,2      FORTE

PREMISSAS    MERCADO E PARCEIROS E COMUNIDADE       RESULTADO POR
                                                    OBJETIVOS

OBJETIVO     Indicador            Nota

             Carteira de          2,5      Forte
                clientes

GERACAO DE   Faturamento          2,0      Alerta
TRABALHO

E RENDA      Sazonalidade do      1,0      Fraco    PONTO FORTE
                mercado
             De senvol vimento    2,0      Alerta
                de novos
                produtos
             satisfacao dos       2,0      Alerta
                clientes
                Parcerias                  Forte

             NOTA MEDIA           2,0      ALERTA    2.2

Fonte: Elaborado pelos autores.

QUADRO 02--Avaliacao dos resultados de Reducao da Vulnerabilidade
Social na perspectiva da gestao

PREMISSAS     RECURSOS FINANCEIROS E MATERIAIS      PROCESSOS INTERNOS

OBJETIVOS     Indicador           Nota                Indicador

              Acesso aos          3,0       Forte     Acesso as
                 recursos de                            decisoes--
                 producao                                participacao
                                                         das reunioes
REDUCAO DA    Participacao nas    1,0       Fraco     Direito de voto
VULNERABILI      demais
DADE             atividades do
SOCIAL           programa AV
              Acesso ao mercado   2,5       Forte     Direitos
                 de trabalho--                          societarios
                 liberdade de                           como associado
                 escolha
              Melhoria da         2,5       Forte     autonomia do
                 moradia                                 conselho
                 propria                                 fiscal e da
                                                         assembleia
              NOTA MEDIA          2,2       FORTE     NOTA MEDIA

PREMISSAS     PROCESSOS INTERNOS  CONHECIMENTO E CRESCIMENTO

OBJETIVOS         Nota                Indicador           Nota

              3,0       Forte     Escolaridade        1,0       Fraco

REDUCAO DA    3,0       Forte     Aperfeicoamento     2,5       Forte
VULNERABILI                          Profissional
DADE
SOCIAL
              3,0       Forte     Empregabilidade     2,5       Forte

              2,5       Forte     Fortalecimento      3,0       Forte
                                     dos lacos
                                     familiares

              2,8       FORTE     NOTA MEDIA          2,2       FORTE

PREMISSAS     MERCADO E PARCEIROS E COMUNIDADE        RESULTADO POR
                                                      OBJETIVOS

OBJETIVOS     Indicador           Nota

              Acesso aos          2,5       Forte
                 recursos
                 publicos

REDUCAO DA    Reconhecimento      3,0       Forte
VULNERABILI      da comunidade
DADE
SOCIAL
              Relacionamento      1,0       Fraco     PONTO FORTE
                 com clientes e
                 parceiros

              Reducao da          2,5       Forte
                 violencia

              NOTA MEDIA          2,3       FORTE       2,4

Fonte: Elaborado pelos autores.

QUADRO 03--Avaliacao dos resultados de Desenvolvimento Humano na
perspectiva da gestao

PREMISSAS     RECURSOS FINANCEIROS E MATERIAIS      PROCESSOS INTERNOS

OBJETIVOS     Indicador           Nota                Indicador

                                                      Seguranca no
                                                         trabalho

                                                     Qualidade de Vida
DESENVOLVI    Uso de tecnologia                          Trabalho
MENTO            atualizada       2,0       Alerta    Liberdade
HUMANO                                                  participativa
                                                      Discriminacao
                                                      Cooperacao e
                                                        solidariedade

              NOTA MEDIA          2,0       ALERTA    NOTA MEDIA

PREMISSAS     PROCESSOS INTERNOS  CONHECIMENTO E CRESCIMENTO

OBJETIVOS     Nota                Indicador           Nota

              2,0       Alerta    Know-How            2,5       Forte
                                     adquirido

              3,0       Forte     Formacao            3,0       Forte
DESENVOLVI                           humanistica
MENTO         3,0       Forte     Elevacao da         3,0       Forte
HUMANO                               autoestima
              3,0       Forte     Autoconfianca       3,0       Forte
              2,5       Forte     Satisfacao no       2,0       Alerta
                                     trabalho
                                  Sentimento de       3,0       Forte
                                     pertencimento
              2,7       FORTE     NOTA MEDIA          2,8       FORTE

PREMISSAS     MERCADO E PARCEIROS E COMUNIDADE        RESULTADO POR
                                                      OBJETIVOS

OBJETIVOS     Indicador           Nota

              Relacionament o     2,0       Alerta
                 com o publico
                 externo
              Autonomia nas       3,0       Forte     PONTO FORTE
DESENVOLVI       decisoes
MENTO            pessoais
HUMANO

              NOTA MEDIA          2,5       FORTE     2,5

Fonte: Elaborado pelos autores.

QUADRO 04--Avaliacao dos resultados de Desenvolvimento Social na
perspectiva da gestao

PREMISSAS     RECURSOS FINANCEIROS E MATERIAIS      PROCESSOS INTERNOS

OBJETIVOS     Indicador           Nota                Indicador

DESENVOLVI    Impacto ambiental   3,0       Forte     Regimento e
MENTO           dos produtos                           normas internas
SOCIAL
              Tecnologia limpa    2,5       Forte     Solucao de
                                                         conflitos
                                                      Tratamento de
                                                         residuos
              NOTA MEDIA          ,5        FORTE     NOTA
                                                      MEDIA

PREMISSAS     PROCESSOS INTERNOS  CONHECIMENTO E CRESCIMENTO

OBJETIVOS        Nota                Indicador           Nota

DESENVOLVI    3,0       Forte     Disseminacao e      3,0       Forte
MENTO                               socializacao
SOCIAL                              do conhecimento
              3,0       Forte     Relacionamento      3,0       Forte
                                     interpessoal
              2 ,5      Forte     Conscientizacao     ,0        Eraco
                                     ambiental
              2 ,7      FORTE     NOTA                ,5        FORTE
                                  MEDIA

PREMISSAS     MERCADO E PARCEIROS E COMUNIDADE        RESULTADO POR
                                                      OBJETIVOS

OBJETIVOS     Indicador           Nota

DESENVOLVI    Participacao em     2,0       Alerta
MENTO            eventos
SOCIAL        Participacao na     2,0       Alerta    PONTO FORTE
                 comunidade
              Produtos            ,5        Forte
                 sustentaveis
              NOTA                ,3        FORTE     2,5
              MEDIA

Fonte: elaborado pelos autores.

QUADRO 05--Avaliacao dos resultados de Desenvolvimento Economico na
perspectiva da gestao

PREMISSAS     RECURSOS FINANCEIROS E MATERIAIS      PROCESSOS INTERNOS

OBJETIVOS     Indicador               Nota                Indicador

              Patrimonio          2,5       Forte     Controle de
                 pessoal                                 resultados
              Patrimonio da       2,0       Alerta    Produtivida-de
DESENVOLVIM      cooperativa
ENTO          Sustentabilidade    1,0       Fraco     Processos que
ECONOMICO        financeira da                           permitam a
                 cooperativa                             autogestao
              Investimentos e     2,0       Alerta
                 aportes
                 financeiros
              Fundo de reserva    2,0       Alerta
              NOTA MEDIA          1,9       ALERTA    NOTA MEDIA

PREMISSAS     PROCESSOS INTERNOS  CONHECIMENTO E CRESCIMENTO

OBJETIVOS         Nota                Indicador           Nota

              2,0       alerta    Empreendedorismo    2,5       Forte

              2,0       alerta    Capacidade de       1,0       Fraco
DESENVOLVIM                          autogestao
ENTO          2,0       alerta
ECONOMICO

              2,0       ALERTA    NOTA MEDIA          1,8       ALERTA

PREMISSAS     MERCADO E PARCEIROS E COMUNIDADE        RESULTADO
                                                      POR OBJETIVOS
OBJETIVOS     Indicador               Nota

              Avaliacao de        1,0       Fraco
                 fornecedores
                                                      PONTO DE
DESENVOLVIM                                           ALERTA
ENTO          Acoes externas      1,0       Fraco
ECONOMICO        sobre meio
                 ambiente

              NOTA MEDIA          1,0       FRACO     1,8

Fonte: Elaborado pelos autores.

QUADRO 06--Avaliacao Geral dos resultados (media geral) na perspectiva
da gestao

PREMISSAS           RECURSOS      PROCESSOS INTERNOS    CONHECIMENTO E
                 FINANCEIROS E                           CRESCIMENTO
                  MATERIAIS

OBJETIVOS     Indicador   Nota    Indicador   Nota    Indicador   Nota

RESULTADO     ALERTA      2,0     FORTE       2,6     FORTE       2,3
POR AREA
(PREMISSA)

PREMISSAS     MERCADO E PARCEIROS   RESULTADO
                  E COMUNIDADE      GERAL

OBJETIVOS     Indicador   Nota

RESULTADO     ALERTA      2,0       FORTE
POR AREA
(PREMISSA)                          2,2

Fonte: Elaborado pelos autores.
COPYRIGHT 2016 Universidade Nove de Julho
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:de Oliveira, Osvaldo Mauricio; Giroletti, Domingos Antonio
Publication:Revista de Gestao Ambiental e da Sustentabilidade
Article Type:Case study
Date:Jan 1, 2016
Words:5368
Previous Article:DISCLOSURE OF ENVIRONMENTAL ITEMS: A STUDY OF METAL MINING COMPANIES REGISTERED AT BM & FBOVESPA/EVIDENCIACAO DOS ITENS AMBIENTAIS NAS EMPRESAS DO...
Next Article:ENVIRONMENTAL TECHNOLOGY MAPPING: A STUDY ON GREEN PATENTS IN BRAZIL/MAPEAMENTO DE TECNOLOGIAS AMBIENTAIS: UM ESTUDO SOBRE PATENTES VERDES NO...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |