Printer Friendly

EFEITOS DE VINTE SEMANAS DE TREINAMENTO FISICO SOBRE A FORCA E MARCADORES SANGUINEOS EM MULHERES IDOSAS/Effects of twenty weeks of physical training on strength and blood markers in elderly women.

INTRODUCAO

O numero de idosos no Brasil vem crescendo consideravelmente, sendo que em 2005 o numero de individuos com mais de 60 anos era de 9,8% da populacao, passando para 14,3% em 2015 (IBGE, 2016).

Esse crescimento e multifatorial, onde o avanco da medicina esta entre esses fatores, pois os tratamentos estao iniciando cada vez mais cedo, trazendo sobrevida aos idosos, porem nem sempre com qualidade de vida (Camargos e Gonzaga, 2015).

Nesse sentido, o envelhecimento e um processo complexo, acompanhado de diversas modificacoes estruturais e fisiologicas, que podem contribuir ou nao para o surgimento de doencas (Distelmaier e Goliasch, 2016).

Conforme dados do Ministerio da Saude (2011) a doenca cronica nao transmissivel que mais mata idosos no Brasil diz respeito ao aparelho circulatorio.

A principal mudanca fisiologica, que parece ter relacao com as doencas cardiovasculares, esta vinculada ao metabolismo de lipidios que, acompanhado da sindrome metabolica, pode prejudicar a circulacao sanguinea e a absorcao da glicose (Saad e colaboradores, 2013).

Uma das doencas mais conhecidas diretamente ligada a hiperlipidemia e a aterosclerose. A aterosclerose e uma doenca inflamatoria, causada por diversos motivos, e que age na camada intima das arterias de medio e grosso calibre, impedindo a circulacao correta de sangue. Esta lesao no endotelio, tambem conhecida por estrias gordurosas, acumulam colesterol em macrofagos (Faludi e colaboradores, 2017).

A atualizacao da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevencao da Aterosclerose indica o exercicio fisico e a mudanca de habitos diarios como fatores importantes para o tratamento nao medicamentoso das doencas cardiovasculares (Faludi e colaboradores, 2017).

O exercicio fisico estimula a vasodilatacao das arterias, aumenta os niveis de HDL, alem de diminuir a quantidade de triglicerideos plasmaticos. Fraga e colaboradores (2017), a partir de uma revisao sistematica, investigaram estudos que utilizaram diferentes formas de exercicios fisicos com o intuito de modificar as taxas de HDL-c, destacando que nao existe um melhor tipo de exercicio para este fim. Desta forma, os autores sugerem a verificacao dos niveis de HDL, LDL, triglicerideos e glicose, utilizando-se do exercicio como um fator preventivo, de baixo custo e eficiente para a populacao idosa.

Para Fachineto e colaboradores (2016), a atividade fisica e fundamental para que o idoso permaneca apto para suas funcoes diarias, auxiliando na reducao do percentual de gordura, aumento da massa magra e aumento da atividade de leucocitos.

Coelho e colaboradores (2014), ao verificarem a capacidade funcional de idosos praticantes de musculacao, hidroginastica e nao praticantes de exercicios fisicos, identificaram niveis de forca muscular, nos membros superiores e inferiores, maiores nos praticantes de musculacao do que nos que praticavam hidroginastica ou eram inativos.

Sendo assim, o objetivo do presente estudo foi verificar o efeito de vinte semanas de treinamento fisico sobre a forca e marcadores sanguineos (HDL, colesterol total, triglicerideos e glicose) em mulheres idosas.

MATERIAIS E METODOS

Trata-se de um estudo de intervencao com acompanhamento de 20 semanas. Para tanto 18 idosas ativas (61,44 [+ or -]1,88 anos de idade), todas praticantes de musculacao a mais de seis meses, foram submetidas a um treinamento muscular em uma academia localizada na cidade de Gramado-RS.

As idosas foram convidadas a participar do estudo, sendo orientadas sobre os objetivos, a metodologia e forma de intervencao. Ja cientes, assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O estudo foi aprovado pelo Comite de Etica em Pesquisa em Seres Humanos da Universidade Luterana do Brasil sob numero CAE 890903318.4.0000.5349.

Foi utilizado como metodo excludente na pesquisa o fato de praticarem outro tipo de exercicio fisico durante o periodo de estudo.

O estudo foi dividido em tres partes: avaliacao pre-intervencao, sessoes de treino e avaliacao pos-intervencao. A avaliacao pre-intervencao contou com o teste de sentar e levantar da cadeira (Rikli, Jones, 1999) a fim de verificar a forca e resistencia de membros inferiores. Para a avaliacao da forca muscular dos membros inferiores foi utilizado o teste do Leg Press horizontal, enquanto para avaliacao da forca dos membros superiores foi utilizada a Rosca direta.

Para encontrar a carga maxima utilizou-se o teste de 1RM. Para a analise dos marcadores sanguineos, foi solicitado um exame de sangue realizado em laboratorio.

As sessoes de treino ocorreram duas vezes por semana durante 20 semanas. Apos um periodo de 15 minutos em esteira ou eliptico com frequencia cardiaca (FC) mantida entre 65 a 75% da FC maxima estimada pelo metodo de Tanaka e colaboradores (2001), eram seguidos de dez exercicios em maquinas de musculacao e dois tipos de exercicios abdominais. Os exercicios foram os seguintes: rosca direta, remada alta, triceps roldana, elevacao lateral, voador frontal, leg press horizontal, extensao de pernas, abducao, aducao e gluteo maquina. Os exercicios de membros inferiores e superiores foram realizados em tres series e doze repeticoes. Os exercicios abdominais foram realizados em quatro series de vinte repeticoes. A intensidade do treinamento foi de 75% a 80% da forca maxima individual.

As coletas de sangue foram realizadas em dias separados, de acordo com a disponibilidade de cada participante. Os marcadores sanguineos analisados foram colesterol (mg/dl), HDL (mg/dl), glicose (mg/dl) e triglicerideos (mg/dl). As mesmas foram realizadas em laboratorios de analises clinicas credenciados ao plano de saude de cada uma das participantes. Apos a coleta sanguinea, deu-se inicio as sessoes de treino. Apos as 20 sessoes de treinamento as participantes realizaram nova coleta no mesmo laboratorio. Os custos dos exames laboratoriais foram pagos pelos pesquisadores.

Para a avaliacao pos-intervencao foram seguidos os mesmos testes da avaliacao pre-intervencao, alem da requisicao do exame de sangue para os marcadores sanguineos.

Para a estatistica descritiva foram utilizados os valores de media, desvio-padrao, valores minimos e maximos, alem dos valores percentuais. Para a estatistica inferencial foi utilizado o teste t para amostras pareadas. Todas as analises foram realizadas no programa estatistico SPSS for Windows 20.0., sendo que nivel de significancia adotado foi de 5%.

RESULTADOS

Os resultados foram apresentados na forma de tabelas e graficos. As caracteristicas da amostra analisada estao descritas na tabela 1.

Quanto as comparacoes pre e pos intervencao (tabela 2), e possivel verificar alteracoes significativas (p<0,05) em todas as variaveis analisadas. Os testes de forca e o HDL apresentaram aumentos significativos, enquanto o colesterol, a glicose e os triglicerideos apresentaram reducao significativa.

Quando analisados os marcadores sanguineos (Figura 1), e possivel verificar que houve uma diminuicao dos indices considerados como nao recomendaveis para todos os marcadores analisados (Colesterol: 50% para 27,78%; HDL: 22,22% para 0%; Glicose: 11,11% para 0%; Triglicerideos: 38,89% para 27,78%).

DISCUSSAO

O presente estudo teve como objetivo verificar os efeitos de vinte semanas de treinamento fisico na forca e componentes sanguineos cronicos de idosas na Cidade de Gramado/RS. Os resultados demonstram aumento significativo da forca do teste pre-intervencao para o pos-intervencao.

Fachineto e colaboradores (2016), ao avaliarem mulheres com idades iguais ou maiores que quarenta anos, submetidas a seis meses de musculacao, treinamento funcional, jogos adaptados e caminhadas, identificaram aumentos significativas de forca muscular, tanto nos membros superiores, como inferiores.

Ja Aguiar e colaboradors (2017) avaliou a forca de membros superiores e resistencia de membros inferiores de uma amostra com idade entre 62 e 79 anos apos oito semanas de treinamento e obteve melhoras significativas nos dois parametros analisados.

Tambem Cesario e colaboradores (2014), ao compararem os ganhos de forca muscular em idosas com mais de 70 anos, quando submetidas a musculacao ou a facilitacao neuromuscular proprioceptiva (FNP), apos 12 semanas de intervencao, demonstraram que os dois metodos sao eficazes para o aumento de forca, mas apenas a tecnica de FNP resultou ganhos de forca significativos.

Ainda Coelho e colaboradores (2014), ao submeterem um grupo de idosos a musculacao, outro grupo a hidroginastica e comparando a um grupo controle, identificaram maiores indices de forca muscular no grupo que praticava musculacao.

Quando os mesmos foram submetidos ao teste de sentar e levantar da cadeira nao foram identificadas diferencas significativas entre os grupos. Mesmo existindo estudos controversos a respeito do treinamento resistido na senescencia, o mesmo vem tendo sua pratica comum nesta faixa etaria pois trata-se de um meio nao medicamentoso efetivo que pode oferecer uma vida saudavel e amenizar os efeitos deleterios do envelhecimento (Paula e colaboradores, 2014).

Com o processo de envelhecimento uma das mudancas fisicas mais relevantes e a sarcopenia, caracterizada pelo declinio da massa muscular, aumento da massa gorda e, consequente, diminuicao da forca. Essas alteracoes denotam um aumento na probabilidade de doencas musculoesqueleticas, tornando o exercicio resistido um aliado a reversao deste quadro (Steffl e colaboradores, 2017; Boutari e Mantzoros, 2017; Mayer e colaboradores, 2011; Mijnarends e colaboradores, 2016).

O American College of Sports Medicine e o American Heart Association (Nelson e colaboradores, 2007) ao atualizarem as recomendacoes de atividade fisica e saude publica para o publico de 18 a 65 anos de idade, sugerem, para o fortalecimento muscular, 8 a 10 exercicios que utilizem grandes musculaturas, realizados pelo menos duas vezes na semana, em dias nao consecutivos, com aumento de carga progressivo.

Os resultados do presente estudo tambem demonstraram aumento significativos no HDL, diminuicao do colesterol total, triglicerideos e da glicose em um grupo de idosos submetidos a exercicios resistidos. Essas sao variaveis importantes para o acometimento de doencas cronicas nao transmissiveis principalmente na faixa etaria estudada.

Takeda e colaboradores (2017), ao verificarem os indices de IMC, HDL, VLDL, triglicerideos, glicose, colesterol total, historico de tabagismo, em 129 individuos maiores de 50 anos, e relacionarem com um teste de cognicao, identificaram desempenhos piores em individuos com maiores concentracoes de triglicerideos, colesterol total, LDL e VLDL. Esses resultados sugerem que o risco de incidencia de aterosclerose em arteriais cerebrais pode comprometer a vascularizacao cerebral afetando a cognicao dos idosos.

Conforme Distelmaier e Goliasch (2016), o aumento do estresse oxidativo e a incapacidade do sistema antioxidante induzidos pelo envelhecimento pode levar a producao de uma particula modificada de LDL, altamente inflamatoria, o que pode acarretar no desenvolvimento da aterosclerose. Nesse sentido, o aumento dos niveis de HDL se torna essencial para a reducao desta acao oxidante tao nociva a saude arterial.

Com uma intervencao de tres meses, duas vezes por semana, Mazurek e colaboradores (2017), identificaram melhoras significativas nos niveis de HDL-c e LDL-c. Para tanto, a atividade necessita gerar um gasto de 900 kcal/semana, podendo melhorar ainda mais se o gasto passar de 1200 kcal/semana. Segundo o Ministerio da Saude (2011), as doencas cronicas nao transmissiveis sao as que mais matam idosos no Brasil.

Assim, Albarello e colaboradores (2017) ao investigar a influencia do treinamento resistido em pessoas com sindrome metabolica na faixa etaria de 38-66 anos, com duracao de 15 semanas e intensidade de 70% de 1RM, demonstrou melhoras significativas no aumento de HLD-c, diminuicao na concentracao de ureia e circunferencia abdominal, diminuindo assim o risco de doenca cardiovascular.

O envelhecimento tambem influencia o metabolismo da glicose, o que pode interferir nos ganhos de massa muscular, tendo em vista ser a insulina um importante estimulante da sintese proteica.

Nesse sentido, Geirsdottir e colaboradores (2012) ao compararem um grupo de idosos saudaveis, com pre-diabeticos e diabeticos do tipo II, submetidos a 12 semanas de treinamentos a 75-80% de intensidade, identificaram aumentos significativos de massa muscular em todos os grupos, havendo diminuicao significativa da glicose serica apenas no grupo pre-diabetico. No grupo saudavel foram identificadas melhora significativa nos triglicerideos e glicose, nao havendo, no entanto, alteracoes relevantes no grupo diabetico.

Castro e colaboradores (2014), ao investigarem mulheres jovens (20/30 anos) e idosas (45/83 anos) ativas nao identificaram relacao entre sarcopenia e fatores de risco cardiovascular.

Entretanto, Cordeiro e colaboradores (2014) e Dunsky e colaboradores (2017) demonstraram que a atividade fisica e capaz de frear a perda de memoria, alem de melhorar a capacidade funcional e intelectual de idosos, devido ao estimulo ao sistema nervoso central e aumento do fluxo de sangue cerebral.

CONCLUSAO

Pode-se concluir que o metodo de treinamento aplicado e o periodo de vinte sessoes de treino apresentaram melhoras significativas na forca e marcadores sanguineos.

Desta forma, o exercicio fisico orientado serve como uma ferramenta nao medicamentosa na melhora da qualidade de vida de individuos idosos.

Entretanto, sao necessarios mais estudos em relacao ao treinamento de forca em idosos, a partir da utilizacao de outros metodos, a fim de demonstrar beneficios de forma rapida e eficaz.

REFERENCIAS

1-Aguiar, P. P. L.; Lopes, C. R.; Viana, H. B.; Germano, M. D. Avaliacao da influencia do treinamento resistido de forca em idosos. Revista Kairos Gerontologia. Sao Paulo. Vol. 17. Num. 3. 2017. p. 201-217.

2-Albarello, R. A.; Farinha, J. B.; Azambuja, C. R.; Santos, D. L. Efeitos do treinamento resistido sobre o perfil lipidico de individuos com sindrome metabolica. Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Espanha. Vol. 10. Num. 3. 2017. p. 142-146.

3-Boutari, C.; Mantzoros, C. S. Decreasing Lean Body Mass with Age: Challenges and Opportunities for Novel Therapies. Endocrinology and metabolismo. Journal of the Korean Endocrine Society. Coreia. Vol. 32. 2017. p. 422-425.

4-Camargos, M. C. S.; Gonzaga, M. R. Viver mais e melhor? Estimativas de expectativa de vida saudavel para a populacao brasileira. Cadernos de Saude Publica. Rio de Janeiro. Vol. 31. Num. 7. 2015. p. 1460-1472.

5-Castro, E. A.; Lima, L. M.; Cerqueira, M. S.; Gobbi, S.; Doimo, L. A. Sarcopenia and cardiovascular risk in physically active adult and elderly women. Motriz: Revista de Educacao Fisica. Rio Claro. Vol. 20. Num. 1. 2014. p. 92-99.

6-Cesario, D. F.; Geovania, B. S. M.; Uchoa, E. P. B.; Veiga, P. H. Facilitacao neuromuscular proprioceptiva e musculacao para ganho de forca muscular em idosas. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro. Vol. 17. Num. 1. 2014. p. 67.77.

7-Coelho, B. S.; Souza, L. K.; Bortoluzzi, R.; Roncada, C.; Tiggemann, C. L.; Dias, C. P. Comparacao da forca e capacidade funcional entre idosos praticantes de musculacao, hidroginastica e nao praticantes de exercicios fisicos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro. Vol. 17. Num. 3. 2014. p.497-504.

8-Cordeiro, J.; Castilho, L. D.; Freitas, C. S.; Goncalves, M. P. Efeitos da atividade fisica na memoria declarativa, capacidade funcional e qualidade de vida em idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro. Vol. 17. 2014. p. 541-552.

9-Distelmaier, K.; Goliasch, G. Gone with the age (DL): high-density lipoprotein in senescence. Polskie Archiwum Medycyny Wewnetrznej. Polonia. Vol. 126. Num. 10. 2016. p.727-728.

10-Dunsky, A.; Abu-Rukun, M.; Tsuk, S.; Dwolatzky, T.; Carasso, R; Netz, Y. The effects of a resistance vs. an aerobic single session on attention and executive functioning in adults. Journals Plos One - San Francisco, California. Vol. 12. Num. 4. 2017. p.1-13.

11-Fachineto, S.; Berte, J.; Silva, B. M.; Guareschi, L. P. Efeitos de um programa de exercicios fisicos sobre variaveis fisiologicas, musculares e metabolicas em mulheres da meia-idade e terceira idade. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Sao Paulo. Vol. 10. Num. 58. 2016. p. 261-166. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/928>

12-Faludi, A. A.; Izar, M. C. O.; Saraiva, J. F. K.; Chacra, A. P. M.; Bianco, H. T.; Afiune Neto, A.; Bertolami, A.; Pereira, A. C.; Lottenberg, A. M.; Sposito, A. C.; Chagas, A. C. P.; Casella-Filho, A.; Simao, A. F.; Alencar Filho, A. C.; Caramelli, B.; Magalhaes, C. C.; Magnoni, D.; Negrao, C. E.; Ferreira, C. E. S.; Scherr, C.; Feio, C. M. A.; Kovacs, C.; Araujo, D. B.; Calderaro, D.; Gualandro, D. M.; Mello Junior, E. P.; Alexandre, E. R. G.; Sato, I. E.; Moriguchi, E. H.; Rached, F.H.; Santos, F. C.; Cesena, F. H. Y.; Fonseca, F. A. H.; Fonseca, H. A. R.; Xavier, H. T.; Pimentel, I. C.; Giuliano, I. C. B.; Issa, J.S.; Diament, J.; Pesquero, J. B.; Santos, J. E.; Faria Neto, J. R.; Melo Filho, J. X.; Kato, J. T.; Torres, K. P.; Bertolami, M. C.; Assad, M. H. V.; Miname, M. H.; Scartezini, M.; Forti, N. A.; Coelho, O. R.; Maranhao, R. C.; Santos Filho, R. D.; Alves, R. J.; Cassani, R. L.; Betti, R. T. B.; Carvalho, T.; Martinez, T. L. R.; Giraldez, V. Z. R.; Salgado Filho, W. Atualizacao da Diretriz Brasileira de Dislipidemias e Prevencao da Aterosclerose -2017. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. Rio de Janeiro. Vol. 109. Num. 2. 2017. p. 1-90.

13-Fraga, A.; Ladeia, A. M.; Sa, C. K. C.; Tenorio, M. C. Efeito do exercicio sobre os niveis de HDL-c: uma revisao sistematica de metanalises. Sociedade brasileira de medicina do exercicio e do esporte. Bahia. Vol. 23. Num. 6. 2017. p.488-494.

14-Geirsdottir, O. G; Arnarson, A; Briem, K; Ramel, A; Jonsson, P. V.; Thorsdottir, I. Effect of 12-Week Resistance Exercise Program on Body Composition, Muscle Strength, Physical Function, and Glucose Metabolism in Healthy, Insulin-Resistant, and Diabetic Elderly Icelanders. Journals of Gerontology: Medical Sciences. Estados Unidos. Vol. 67. Num. 11. 2012. p. 1259-1265.

15-IBGE. Sintese de indicadores Sociais do IBGE. Agencia de Noticias. 2016.

16-Mayer, F.; Rosenberger, F. S; Carlsohn, A.; Cassel, M. L.; Muller, S.; Scharhag, J. The Intensity and Effects of Strength Training in the Elderly. Deutsches Arzteblatt International. Alemanha. Vol. 24. Num. 3. 2011. p. 549-566.

17-Mazurek, K.; Zmijewski, P.; Kozdron, E.; Fojt, A.; Czajkowska, A; Szczypiorski, P.; Mazurek, T. Cardiovascular risk reduction in sedentary postmenopausal women during organised physical activity. Kardiologia Polska. Polonia. Vol. 75. Num. 5. 2017. p. 476-485.

18-Mijnarends, D. M.; Koster, A.; Schols, M. G. A.; Meijers, J. M.; Halfens, R. G.; Gudnason, V.; Eiriksdottir, G.; Siggeirsdottir, S. S.; Jonsson, P. V.; Meirelles, O.; Harris, T. Physical activity and incidence of sarcopenia: the population-based AGES - Reykjavik Study. Oxford University Press - Age and ageing. Estados Unidos. Vol. 45. 2016. p. 614-621.

19-Ministerio da Saude (Brasil). Plano de acoes estrategicas para o enfrentamento das doencas cronicas nao transmissiveis (DCNT) no Brasil 2011-2022. Brasilia: Ministerio da Saude; 2011.

20-Nelson, M. E.; Rejeski, W. J.; Blair, S. N.; Duncan, P. W.; Judge, J. O.; King, A. C.; Macera, C. A.; Castaneda-Sceppa, C. Physical activity and public health in older adults: recommendation from the American College of Sports Medicine and the American Heart Association. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 39. Num. 8. 2007. p. 1435-1445.

21-Paula, C. C.; Cunha, R. M.; Tufamin, A. T. Analise do Impacto do treinamento resistido no perfil lipidico de idosos. Revista Brasileira de ciencia & movimento. Brasilia. Vol. 22. Num. 1. 2014. p.150-156.

22-Saad, M. A. Nogueira; C., Gilberto P.; Martins, W. A.; Velarde, L. G.; Cruz Filho, R. A. Prevalencia de sindrome metabolica em idosos e concordancia entre quatro criterios diagnosticos. SBC - Sociedade Brasileira de Cardiologia. Rio de Janeiro. Vol. 102. Num. 3. 2014. p. 263-269.

23-Steffl, M.; Bohannon, R. W.; Sontakova, L.; Tufano, J. J.; Shiells, K.; Holmerova, I. Relationship between sarcopenia and physical activity in older people: a systematic review and meta-analysis. Journal Clinical Interventions in Aging. Auckland. Vol.12. 2017. p. 835-845.

24-Takeda, J. R.; Matos, T.; Talarico, J. N. Cardiovascular risk factors and cognitive. Journal Dementia & Neuropsychologia. Sao Paulo. Vol. 11. Num. 4. 2017. p. 442-448.

25-Tanaka, H.; Monahan, K. D.; Seals, D. R. Age-predicted maximal heart rate revisited. Journal of the American College of Cardiology. Vol. 37. Num. 1. 2001. p. 153-156.

Recebido para publicacao 12/10/2018

Aceito em 16/04/2019

Greice Kelly Goncalves da Rosa (1), Bruna Tegner (1) Lidiane Requia Alli Feldmann (1), Osvaldo Donizete Siqueira (2) Daniel Carlos Garlipp (2)

(1-)Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Canoas-RS, Brasil.

(2-)Laboratorio de Fisiologia e Medicina do Esporte (LAFIMED), Universidade Luterana do Brasil (ULBRA), Canoas-RS, Brasil.

E-mails dos autores:

greiiicek@hotmail.com

brutegner@hotmail.com

lidianefeldmann@gmail.com

prof.osvaldosiqueira@gmail.com

dcgarlipp@gmail.com

Endereco para correspondencia:

Daniel Carlos Garlipp.

Avenida Farroupilha, 8001, Predio 55a, Sala 1.

Bairro Sao Jose, Canoas-RS.

CEP: 92425-900.
Tabela 1 - Valores descritivos da amostra avaliada.

Variavel           n   Minimo  Maximo  Media   Desvio-Padrao

Idade (anos)       18   60,0    66,0    61,44  1,88
Estatura (cm)      18  149,0   170,0   159,56  5,48
Peso (kg)          18   47,50   93,0    65,28  9,51
IMC (kg/[m.sup.2]) 18   20,83   37,34   25,65  3,50

Tabela 2 - Comparacao dos valores de forca e componentes sanguineos pre
e pos intervencao.

                                    Pre-intervencao   Pos-intervencao
Variavel                        n   Media     DP      Media      DP

Rosca direta (kg)               18    7,22     0,878     8,72     0,895
Leg press (kg)                  18   37,50     3,930    47,78     5,483
Teste sentar e levantar (rep.)  18   15,22     2,798    18,78     2,901
Colesterol (mg/dl)              18  200,78    30,662   180,17    16,325
HDL (mg/dl)                     18   44,56     6,176    54,11     4,727
Glicose (mg/dl)                 18   89,11     7,707    84,67     6,221
Triglicerideos (mg/dl)          18  133,83    31,872   122,50    25,303

                                 t        Sig.
Variavel

Rosca direta (kg)                 -5,795  0,000
Leg press (kg)                   -10,869  0,000
Teste sentar e levantar (rep.)   -21,403  0,000
Colesterol (mg/dl)                 3,908  0,001
HDL (mg/dl)                       -9,808  0,000
Glicose (mg/dl)                    4,874  0,000
Triglicerideos (mg/dl)             2,485  0,024

Legenda: *DP: desvio-padrao.
COPYRIGHT 2019 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:da Rosa, Greice Kelly Goncalves; Tegner, Bruna; Feldmann, Lidiane Requia Alli; Siqueira, Osvaldo Don
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:May 1, 2019
Words:3929
Previous Article:CORRELACAO ENTRE AS MEDIDAS ANTROPOMETRICAS E APTIDAO CARDIORRESPIRATORIA EM MILITARES DO SEXO MASCULINO/Correlation between anthropometric measures...
Next Article:NUMERO DE LESOES E VARIAVEIS ASSOCIADAS EM ATLETAS UNIVERSITARIAS DE FUTSAL E FUTEBOL FEMININO/Number of injuries and variables associated with...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters