Printer Friendly

EFEITO DE UM SUPLEMENTO TERMOGENICO NA COMPOSICAO CORPORAL DE PRATICANTES DE MUSCULACAO.

INTRODUCAO

As pessoas que praticam atividades fisicas geralmente procuram por dietas que possam reduzir sua quantidade de gordura corporal, associando a pratica esportiva e ao consumo de substancias que possam acelerar o metabolismo e, consequentemente, contribuir com o processo de emagrecimento.

O processo de digestao dos alimentos promove um aumento metabolico da temperatura do corpo, favorecendo a queima de gordura, porem existem alimentos que se destacam nesse processo por acelerar o ritmo do metabolismo, gastando mais calorias, a estes se da o nome de termogenico (Cardoso e colaboradores, 2011).

Substancias termogenicas sao alimentos ou compostos que sao usados a fim de aumentar a termogenese do organismo, ou seja, o gasto energetico, assim havera mais consumo de calorias na digestao desses produtos, ocasionando a diminuicao do apetite e consequentemente o aumento do gasto energetico (Ferraz e colaboradores, 2015).

Segundo Muraro e Saldanha (2016) estudos apontam que a utilizacao de termogeniocos, do tipo, efedrina, cafeina, chas e de capsaicina possuem diferencas significativas em relacao ao aumento da queima calorica e diminuicao de gordura corporal.

O principal objetivo pra o uso de substancias termogenicas e induzir a termogenese, que se trata da producao de calor atraves da energia liberada por reacoes quimicas, controlada atraves do sistema nervoso e que promove a liberacao de hormonios.

Dessa forma, a busca por este tipo de substancia esta justamente associada a promessa de melhora no desempenho fisico, producao de energia, prevencao de fadiga, e claro, em especial, a perda de gordura corporal (Gomes e colaboradores, 2014).

Por outro lado, deve-se atentar que o uso de substancias termogenicas podem trazem perigos a saude, tais como o aumento do risco cardiovascular com reducao do peso corporal, atraves do aumentando da frequencia cardiaca, da resistencia e a capacidade respiratoria, pois agem de forma similar a adrenalina (Ferraz e colaboradores, 2015).

Xavier e colaboradores (2015) ressaltam a importancia da realizacao de estudos que avaliem o consumo de substancias termogenicas por praticantes de atividade fisica, a fim de esclarecer sobre os beneficios e maleficios de seu consumo e os possiveis riscos a saude do consumidor, e destaca ainda relevancia do profissional da area de nutricao para melhor orientar tal utilizacao.

Assim sendo, diante do exposto o objetivo deste trabalho e avaliar o efeito do consumo de um suplemento termogenico (cafeina, cha verde, capsaicinoides e citrus aurantium) na composicao corporal e risco cardiovascular em alunos praticante de musculacao, determinando o periodo de maior eficiencia para o seu consumo, pre ou postreino.

MATERIAIS E METODOS

Foi realizado um estudo transversal, descritivo e de cunho quantitativo. A populacao envolvida foi composta por 30 praticantes de musculacao frequentadores de uma academia esportiva localizada na cidade de Varginha-MG.

Foram incluidos na amostra desportistas de ambos os sexos, praticantes de musculacao, residentes em Varginha, maiores de 18 anos, alfabetizados, que assinaram um Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

Foram excluidos do estudo desportistas com diagnostico de hipertensao arterial sistemica, doenca arterial coronaria e frequencia de treino menor que 2 vezes na semana, ou ainda aqueles que apresentavam desconfortos gastrointestinais, e que recusaram a assinar o termo de consentimento livre e esclarecido-TCLE.

A coleta de dados foi realizada entre os meses de fevereiro a abril de 2018, atraves de um questionario autoaplicavel elaborado pelo pesquisador.

O questionario foi composto por questoes de identificacao pessoal (nome, genero, idade e renda familiar), questoes voltadas para a pratica de atividade fisica (tempo e frequencia), habitos de vida (etilismo e tabagismo), presenca de insonia e compulsao alimentar e por fim, por questoes especificas sobre o conhecimento do termo alimento termogenico, e efeitos adversos ao seu uso. Todas as questoes eram de multipla escolha.

Apos aplicacao do questionario os individuos entao selecionados foram divididos em 3 grupos, o Grupo 1: consumiu o suplemento termogenico (cafeina:100mg, cha verde: 150mg, capsaicinoides: 4mg, citrus aurantium: 200mg) antes do inicio dos treinos; Grupo 2: consumiu o mesmo suplemento termogenico, ate uma hora apos o termino dos treinos; e o Grupo 3: nao consumiu o suplemento termogenico.

Todos os participantes receberam orientacao para seguir um plano alimentar, contemplando uma dieta hipocalorica, normoglicidica, hipolipidica e normoproteica, e treinos frequentes.

A composicao corporal foi avaliada atraves do protocolo de Pollock, onde foram aferidas tres dobras cutaneas (peitoral, abdominal e coxa) com adipometro da marca Langer.

O peso e altura foram coletados para o calculo do Indice de Massa Corporea (IMC) e ambos foram utilizados para identificar o estado nutricional dos desportistas. Foram tambem aferidos, a circunferencia abdominal e o risco cardiovascular ou relacao cinturaquadril (RCQ), o qual foi calculado atraves da divisao dos perimetros da circunferencia da cintura (cm) e do quadril (cm).

Segundo a Organizacao Mundial de Saude (OMS) o indice corte para risco cardiovascular e igual ou maior que 0,85 para mulheres e 0,90 para homens, sendo considerando os riscos: ALTO - para valores acima destes, BAIXO - para valores abaixo destes e MODERADO - para valores iguais a destes.

Estas avaliacoes foram realizadas em dois momentos distintos, sendo uma avaliacao inicial (AI) e outra avaliacao final (AF), em um periodo de 12 semanas, sendo realizada apos 10 treinos consecutivos.

O projeto foi aprovado pelo o Comite de Etica do Centro Universitario do Sul de Minas UNIS- MG, sob o numero de registro CAE: 83939818.3.0000.5111

Para a tabulacao dos dados foi utilizado o Excel[R] versao 2010. Os dados foram expostos em tabelas e graficos para melhor visualizacao. Para as variaveis analisadas, foi aplicado o teste de normalidade Shapiro-Wilk.

Foi aplicada analise de variancia e teste de Duncan com 95% de significancia para as variaveis que apresentaram comportamento normal dos dados e teste nao parametrico de Mann-Whitney e para as variaveis que nao apresentaram comportamento normal dos dados. Para essas analises foi utilizado o programa estatistico R.

RESULTADOS

Nesta pesquisa foram entrevistados 30 praticantes de musculacao. 23% (n=7) sao do sexo masculino e 77% (n= 23) do sexo feminino, com idade entre 18 a 40 anos, sendo a maior parte acima dos 30 anos (70%).

Para a renda familiar, 43% (n=13) dos avaliados tem renda familiar superior a 6 salarios minimos. 90% (n= 27) nao sao tabagistas e que 62% (n-17) sao etilistas sociais, porem destes, 47% (n=16) consomem bebidas alcoolicas somente nos finais de semana. Quanto a frequencia de atividade fisica, 33% (n=10) praticam musculacao tres vezes por semana, 27% (n=8) quatro vezes por semana e 17% (n=5) cinco vezes por semana.

Quando perguntados sobre a definicao do termo termogenico, 70% (n=21) demonstrou ter conhecimento. Contudo, com relacao aos efeitos colaterais, 73% declararam ter consciencia de seus efeitos colaterais, porem destes, apenas 43% (n=13) realmente souberam identificar os efeitos adversos possiveis causados pelo termogenico.

Comparando as avaliacoes iniciais e finais (AI e AF) observa-se uma reducao significativamente maior (p=0,002) no percentual de gordura corporal dos Grupos 1 e 2 (2,2% e 2,1% respectivamente), comparados com o Grupo 3 (0.9%) (Figura 1).

Os alunos apresentaram, da AI para a AF, uma reducao igual no peso corporal de 1,2Kg nos Grupos 1 e 2 e uma reducao de 0,2Kg no Grupo 3. No entanto, esta diferenca nao foi estatisticamente significativa (Figura 2).

Quando se comparou o RCQ nas avaliacoes AI e AF, observa-se que nao houve variacao neste parametro, e todos os grupos mantiveram o indice em ambas as avaliacoes (Tabela 1).

O Grupo 1 apresentou apenas um aluno, do sexo masculino, com indice de RCQ ALTO, pois observou um indice superior a 0.90. Enquanto o Grupo 2 e Grupo 3, 100% dos alunos avaliados mantiveram o indice, RCQ BAIXO, em ambas as avaliacoes, ou seja, abaixo de 0.85 para mulheres e 0.90 para homens.

Os alunos do Grupo 1 apresentaram uma maior reducao na circunferencia abdominal, em media 2,9 cm, da AI para a AF, comparado com os alunos Grupo 3, que foi em media de 1,2 cm (Figura 3).

Apesar de se observar uma expressiva reducao na circunferencia abdominal no Grupo 2, de AI para AF, esta nao foi estatisticamente diferente dos demais grupos.

Quanto ao Indice de Massa Corporal (IMC), observa-se uma pequena reducao entre as avaliacoes AI e AF, no entanto, esta reducao nao foi estatisticamente significativa.

Isso pode ser explicado pela alta correlacao do IMC e o peso corporal, o qual tambem nao foi observada diferenca estatistica significativa entre as avaliacoes AI e AF (Figura 4).

Observa-se, tambem, uma correcao entre a porcentagem de gordura corporal, peso corporal, IMC e a circunferencia abdominal (Tabela 2).

DISCUSSAO

Costa e colaboradores (2008) relatam que na busca imediata pela reducao de peso e uma estetica corporal mais esguia permite que entrem em cena os suplementos alimentares, considerados por muitos como uma solucao segura, menos invasiva e de baixo custo para atingir tais objetivos.

Contudo, esse tipo de suplemento alimentar nem sempre representam uma saida eficaz, visto que, boa parte da literatura cientifica ainda levanta duvidas quanto aos beneficios dos termogenicos (Muraro e Saldanha, 2016).

Os termogenicos sao substancias usadas por praticantes de atividade fisica que visam atraves da acao termogenica manter o metabolismo acelerado para que o atleta tenha uma maior queima calorica ao longo do dia e venha a perder peso.

O exercicio fisico exige maior consumo de energia do corpo e aliado com o produto termogenico a queima de calorias e maior (Bacurau, 2007).

Essa forma, este estudo demonstra os efeitos na composicao corporal, e consequente perda de peso, em praticantes de musculacao.

Macardle (2001) relata sobre a importancia de ser consumido o termogenico junto de uma dieta balanceada feita por um nutricionista.

A atual pesquisa apresenta que o nao conhecimento sobre os efeitos das substancias termogenicas e muito comum em praticantes de musculacao, uma vez que menos da metade dos alunos avaliados demonstraram nao ter conhecimento sobre tais efeitos, bem como quanto ao uso dessas substancias associada a atividade fisica.

As substancias termogenicas estao entre os suplementos mais consumidos e comercializados atualmente, principalmente pelos alteras e praticantes de atividade fisica em geral (Ferraz e colaboradores, 2015; Gomes e colaboradores, 2014; Sussmann, 2013).

No entanto muitos usuarios nao sabem ao certo qual e o seu efeito no corpo humano, bem como o efeito das substancias que estao presentes e sua composicao (Sussmann, 2013).

Os termogenicos podem apresentar em sua composicao varios tipos de substratos como cafeina, catequinas, efedrina, ente outras, as quais prometem aumentar o desempenho atletico, elevar a oxidacao de gordura e, por conseguinte, melhorar a composicao corporal atraves da reducao da quantidade de gordura (Pecanha e colaboradores, 2017; Xavier e colaboradores, 2015). Neste estudo provou-se os efeitos um suplemento termogenico composto de cafeina, cha verde, capsaicinoides e citrus aurantium.

Forte e Schneider (2012) apresentam que os capsaicinoides, o cha verde e cafeina possuem efeito no metabolismo energetico e oxidacao lipidica, consequentemente, estimulam a termogenese, e aumentam a atividade do Sistema Nervoso Simpatico.

Os resultados do presente trabalho comprovam uma reducao significativa no percentual de gordura corporal e uma reducao nao significativa no peso corporal de praticantes de musculacao que consumiram suplemento termogenico, independente do periodo de consumo, antes ou apos os treinos.

Cardoso e colaboradores (2011) tambem observaram diferencas significativas na composicao corporal de mulheres apos o consumo de suplemento a base de cha verde. Semelhantemente ao presente estudo, os autores citados anteriormente nao obtiveram diminuicao significativa no peso corporal, o que se deve principalmente ao fato de um provavel aumento na massa muscular proveniente da pratica de atividade fisica frequente.

Maki e colaboradores (2009) comprovaram que um suplemento composto com as catequinas do extrato de cha verde junto a cafeina foi capaz de promover a diminuicao do peso corporal e reducao da gordura abdominal.

Alem disso, Forte e Schneider (2012) apontaram um potencial efeito da capsaicina, catequinas e cafeina no aumento do metabolismo basal, da oxidacao lipidica e da perda de peso. Em contrapartida, Galgani e colaboradores (2010) observaram uma maior oxidacao de gordura nos 30 e 60 minutos apos a ingestao de capsinoides em individuos com pratica de atividade fisica frequente.

RCQ e um dos recursos antropometricos utilizados para estimar o risco de doencas cardiovasculares, atraves da relacao das circunferencias cintura-quadril (Ferreira e colaboradores, 2006; Montalvao e colaboradores, 2008).

Neste estudo, apenas um individuo avaliado apresentou RCQ ALTO, enquanto os demais apresentaram RCQ BAIXO, segundo o ponto corte determinado pela OMS que e de 0.85 para mulheres e 0.90 para homens.

Entretanto, Machado e Sichieri (2002) descrevem que o ponto de corte mais utilizado de RCQ tem sido 0.80 para mulheres e 1.0 para homens.

Montalvao e colaboradores (2008) avaliaram o RCQ em mulheres praticantes de atividade fisica em academias e observaram que, aquelas com idade entre 18 a 29 anos apresentaram um RCQ BAIXO (<0,71) e mulheres entre 30 a 60 anos um RCQ MODERADO (0,72 a 0,83).

De maneira semelhante, Machado e Sichieri (2002) observaram uma maior prevalencia de RCQ elevado em homens e mulheres acima de 50 anos. Ambos os estudos utilizaram o ponto corte proposto neste ultimo estudo.

Apesar da diferenca entre as populacoes avaliadas nos trabalhos citados anteriormente, o presente estudo demonstra uma concordancia entre os resultados obtidos, no qual, destaca-se uma prevalencia de individuos com RCQ BAIXO em uma populacao com idade entre 18 a 40 anos. Com o avanco da idade ocorre o aumento da massa corporal, declinio do gasto energetico e diminuicao da taxa metabolica basal, o que leva a um aumento no acumulo de gordura associada a diminuicao da massa muscular e baixa frequencia da pratica de atividade fisica (Ferreira e colaboradores, 2008).

Hursel e colaboradores (2011) observaram que individuos com IMC elevado e que consumiram catequina-cafeina obtiveram um maior efeito estimulatorio do Sistema Nervoso Simpatico, ou seja, uma maior acao das catecolaminas (adrenalina e noradrenalina), as quais sao responsaveis pela saciedade e aumento do gasto energetico.

Filho e colaboradores (2012) encontraram alteracoes no IMC de homens apos a ingestao de um suplemento termogenico, composto por extrato de cha verde e outras substancias. No entanto, na presente pesquisa onde nao foi encontrada diferenca significativa no IMC dos praticantes de musculacao, apos o consumo do um suplemento termogenico testado.

Devido a manutencao do peso corporal dos individuos avaliados, o IMC tambem nao alterou, esse fato comprova a alta correlacao entre estes dois parametros. Essa mesma correlacao foi observada por Cardoso e colaboradores (2011) em mulheres que fizeram o uso de cha verde, associado ou nao a atividade fisica. Esse autor obteve diminuicao da massa corporal associada a diminuicao do IMC em alguns grupos e a relacao inversa, ou seja, aumento da massa corporal e aumento do IMC e outros grupos.

Xavier e colaboradores (2015) concluiram, em sua pesquisa com praticantes de atividade fisica, que 80% destes faziam uso frequente de substancias termogenicas, em especial a cafeina, visando o aumento do estimulo nos treinos, seguido da diminuicao de medidas abdominais.

Com os resultados alcancados neste estudo, pode-se comprovar esse efeito, uma vez que se observa uma reducao significativa da circunferencia abdominal nos praticantes de musculacao que consumiram o suplemento termogenico antes dos treinos.

Segundo Almeida e colaboradores (2009) os principais efeitos termogenicos relacionados a cafeina sao a melhora do rendimento fisico e a diminuicao da gordura corporal.

Adicionalmente, as catequinas sao responsaveis pela diminuicao do peso e da circunferencia abdominal (Dulloo e colaboradores, 2000).

Neste estudo ficou comprovado que nao so o uso de suplemento termogenico, mas a sua associacao a pratica de atividade fisica e uma alimentacao saudavel e balanceada sao determinantes para alcancar a forma fisica desejada.

Muraro e Saldanha (2016) evidenciaram em sua pesquisa que o uso de termogenicos resulta em alteracao nos parametros composicao corporal e taxas metabolicas, com diminuicoes significativas de peso, IMC e gordura corporal.

E ressalta, tambem, que estes resultados tambem foram evidentes em estudos que associaram a termogenicos com dieta e a pratica de exercicio fisico regular.

Cardoso e colaboradores (2011) afirmam que habitos alimentares saudaveis associados com a pratica frequentem de atividade fisica, sao consideradas condutas favoraveis para acelerar o metabolismo energetico.

CONCLUSAO

Conclui-se que o consumo de um suplemento termogenico, composto por cafeina, cha verde, capsaicinoides e citrus aurantium, mostrou-se eficiente na reducao de porcentagem de gordura corporal e circunferencia abdominal dos praticantes de musculacao.

Alem disso, mantiveram-se dentro dos padroes desejaveis o peso corporal, risco cardiovascular e indice de massa corporal.

A suplementacao apesar de gerar bons resultados traz tambem uma certa dependencia, visto que os efeitos do termogenico melhoram o desempenho fisico, fazendo o usuario buscar sempre tal suplemento para um melhor treino e disposicao.

O fato dos resultados dos grupos 1 e 2 terem sido proximos, auxilia na eliminacao de tal possivel dependencia, caso note-se que a disposicao para os treinos tem sido apenas por conta da suplementacao, pode ser feita a troca (de antes para depois) e manter bons resultados, feita como uma estrategia para evitar a dependencia e manter o auxilio no emagrecimento.

REFERENCIAS

1-Almeida, C.; Almeida, D.; Liberali; R. Cafeina: efeitos ergogenicos nos exercicios fisicos. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 3. Num. 15. 2009. p. 198-209. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article /view/117>

2-Bacuaru, R.F. Nutricao e suplementacao desportiva. Sao Paulo. Phorte, 2007.

3-Cardoso, G. A. Efeito do consumo de cha verde aliado ou nao ao treinamento de forca sobre a composicao corporal e taxa metabolica de repouso em mulheres com sobrepeso ou obesas. Tese de Doutorado. Universidade de Sao Paulo. Sao Paulo. 2011.

4-Costa, L.M.; Moura, N.F.; Marangoni, C.; Mendes, C.E.; Teixeira, A.O. Atividade antioxidante de pimentas do genero Capsicum. Ciencia e Tecnologia de Alimentos. Vol. 30. Num. 1. 2010.

5-Dulloo, A.G.; Seydoux, J.; Girardier, L.; Chantre, P.; Vandermander, J.Green tea and thermogenesis: interactions between catechin-polyphenols, caffeine and sympathetic activity. International Journal of Obesity, Vol. 24. Num. 2. 2000. p. 252.

6-Ferraz, B.S.; Ramalho, A.A.; Imada, K.S.; Martins, F.A. Consumo de suplementos alimentares por praticantes de atividade fisica em academias de ginastica: um artigo de revisao. Journal of Amazon Health Science. Vol. 1. Num. 2. 2015. p. 24-43.

7-Ferreira, M.; Matsudo, S.; Matsudo, V.; Braggion, G. Efeitos de um programa de orientacao de atividade fisica e nutricional sobre a ingestao alimentar e composicao corporal de mulheres fisicamente ativas de 50 a 72 anos de idade. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Vol. 11. Num. 1. 2008. p. 35-40.

8-Ferreira, G.M.; Valente, G.J.; Silva, G.V.M.R.; Sichieri, R. Acuracia da circunferencia da cintura e da relacao cintura/quadril como preditores de dislipidemias em estudo transversal de doadores de sangue de Cuiaba, Mato Grosso, Brasil. Caderno de Saude Publica. Vol. 22. Num. 2. 2006. p. 307-314.

9-Filho, A.D.R.; Filho, J.C.A.; Santini, E.; Ravagnani, C.D.F.C.; Voltarelli, F.A.; Fett, C.A. Efeitos de um produto termogenico sobre parametros bioquimicos e morfologicos relacionados a saude: um estudo de caso. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 6. Num. 33. 2012. p. 168-177. Disponivel em:<http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/284>

10-Forte, G.C.; Schneider, A.P. Modulacao do gasto energetico pela ingestao de capsaicina, cafeina e catequinas: uma revisao sistematica. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Vol. 5. Num. 35. 2013. Disponivel em:<http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/261>

11-Galgani, J.E.; Ryan, D.H.; Ravussin, E. Effect of capsinoids on energy metabolism in human subjects. British Journal of Nutrition. Vol. 103. Num. 1. 2010. p. 38-42.

12-Gomes, C.B.; Barreto, A.F.C.S.; Almeida, M.M.; Mello, A.O.T.; Ide, B.N.; Santos, C.P.C. Uso de suplementos termogenicos a base de cafeina e fatores associados a qualidade de vida relacionada a saude em praticantes de atividade fisica. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 8. Num. 49. 2014. p.695-704. Disponivel em:<http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/685>

13-Hursel, R.; Viechtbauer, W.; Dulloo, A.G.; Tremblay, A.; Tappy, L.; Rumpler, W.; Westerterp-Plantenga, M.S. The effects of catechin rich teas and caffeine on energy expenditure and fat oxidation: a meta-analysis. Obesity reviews. Vol. 12. Num. 7. 2011. p. 573-581.

14-Macardle, W.D. Fisiologia do Exercicio: Energia, Nutricao e Desempenho Humano. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan, 2001.

15-Maki, K.C.; Reeves, M.S.; Farmer, M.; Yasunaga, K.; Matsuo, N.; Katsuragi, Y.; Blumberg, J.B. Green tea catechin consumption enhances exercise-induced abdominal fat loss in overweight and obese adults. The Journal of Nutrition. Vol. 139. Num. 2. 2009. p. 264-270.

16-Machado, P.A.N.; Sichieri, R. Relacao cintura- quadril e fatores de dieta em adultos. Revista de Saude Publica. Sao Paulo. Vol. 36. Num.2. 2002. p.198-204.

17-Montalvao, D.M.A.; Sa, A.C.; Paixao, P.L.R.; Machado, A.L.A.; Navarro, A.C. A correlacao do risco de doencas cardiovascular e relacao cintura quadril (RCQ) em mulheres praticantes de atividade fisica. Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento. Vol. 2. Num. 10. 2012. Disponivel em:<http://www.rbone.com.br/index.php/rbone/article/view/93>

18-Muraro, C.R.; Saldanha, R.P. uma revisao de literatura sobre o uso de termogenicos e seus efeitos no organismo. Revista Perspectiva: Ciencia e Saude. Vol. 1. Num. 1. 2016.

19-Pecanha, A.M.M.; Frigeri, R.; Silva Filho, J.N. Suplementos termogenicos: evidencias sobre a sua eficacia na reducao da gordura corporal. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 11. Num. 65. 2017. p.544-553. Disponivel em:<http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/819>

20-Sussmann, K. Avaliacao do consumo de suplementos nutricionais por praticantes de exercicio fisico em academia na zona sul do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 7. Num. 37. 2013. Disponivel em:<http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/366>

21-Xavier, J.M.G.; Barbosa, J.E.P.; Macedo, E.M.; Almeida, A.M. Perfil dos consumidores de termogenicos em praticantes de atividade fisica nas academias de Santa Cruz do Capibaribe-PE. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Sao Paulo. Vol. 9. Num. 50. 2015. p.172-178. Disponivel em:<http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/527>

Recebido para publicacao em 01/04/2019 Aceito em 28/05/2019

Luiz Carlos da Silva Junior (1) Erika Aparecida de Azevedo Pereira (1) Gilmara Junqueira Machado (2)

(1) - Centro Universitario do Sul de Minas, Varginha-MG, Brasil.

(2) - Universidade Federal de Lavras (UFLA), Lavras-MG, Brasil.

E-mail dos autores:

silvaluizcarlosjunior@gmail.com

nutricao@unis.edu.br

gilmarajunqueira@gmail.com
Tabela 1 - Indice de Risco Cardiovascular - RCQ.

                         Circunferencia   Circunferencia
          Sexo           Cintura          Quadril
                         AI      AF       AI       AF

Grupo 1   Mulher (n=9)   69,67   68,67     99,11    98,56
          Homem (n=1)    89,00   89,00     98,00    98,00
Grupo 2   Mulher (n=9)   73,11   72,00     98,11    97,22
          Homem (n=1)    91,00   89,00    109,00   109,00
Grupo 3   Mulher (n=5)   70,30   70,00     95,60    96,00
          Homem (n=5)    80,60   80,40     98,00    97,60

                      RCQ

               AI             AF

Grupo 1   0,70   BAIXO   0,70   BAIXO
          0,91   ALTO    0,91   ALTO
Grupo 2   0,75   BAIXO   0,74   BAIXO
          0,83   BAIXO   0,82   BAIXO
Grupo 3   0,74   BAIXO   0,73   BAIXO
          0,82   BAIXO   0,82   BAIXO

Legenda: *AI--Avaliacao inicial e AF--Avaliacao final. Nao houve
diferenca estatistica entre os grupos.

Tabela 2 - Correlacao entre as variaveis analisadas.

                           Gordura   Peso      Circunferencia  IMC
                           corporal  corporal  abdominal

Gordura corporal           -         0,34 (*)  0,58 (*)        0,23 (ns)
Peso corporal                        -         0,34 (ns)       0,86 (*)
Circunferencia abdominal                       -               0,22 (ns)
IMC                                                            -

Legenda: (*) Correlacoes significativas (p<0,05); (ns) Correlacoes nao
significativas (p>0,05).
COPYRIGHT 2019 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Junior, Luiz Carlos da Silva; Pereira, Erika Aparecida de Azevedo; Machado, Gilmara Junqueira
Publication:Revista Brasileira de Nutricao Esportiva
Date:Jul 1, 2019
Words:4454
Previous Article:PARAMETROS MURINOMETRICOS DE RATOS SEDENTARIOS E EXERCITADOS, SUPLEMENTADOS COM OLEO DE COCO (COCOS NUCIFERA L.) EXTRA VIRGEM.
Next Article:COMPARACAO ENTRE DIFERENTES COMPASSOS DE DOBRAS CUTANEAS PARA ESTIMATIVA DA GORDURA CORPORAL RELATIVA.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters