Printer Friendly

Diagram applied to sketches in the design process: An analysis from the perspective of psychology of representation/Recursos diagramaticos aplicados ao desenho de esboco no processo de concepcao projetual: Uma analise sob a perspectiva da psicologia da imagem.

1 Introducao

O diagrama na arquitetura, se assimilado como um artificio grafico, e um conceito intrinseco a disciplina. Massironi (1982) aponta que mesmo antes do reconhecimento do diagrama arquitetonico, ja eram utilizados recursos esquematicos para comunicar determinados conceitos e Montaner (2014) afirma que a arquitetura, ao longo da sua historia, tem apresentado imagens e graficos que podem ser considerados pre-diagramas pela sua capacidade de resumir o mundo.

No entanto, a interpretacao dos diagramas arquitetonicos tem sido realizada de maneira abrangente do ponto de vista conceitual e a analise grafica deste amplo material que e explorado no processo de projeto arquitetonico tem sido negligenciada sob o aspecto da representacao na arquitetura. Propoe-se uma abordagem diferenciada do diagrama, como um recurso diagramatico, que alia a algo o poder de tornar o proposito claro, unindo, por meio de uma comunicacao sintetica, as perspectivas tecnica, realista e abstrata de uma ideia.

Nessa perspectiva, os desenhos de esboco de concepcao projetual podem ser vistos como detentores de recursos diagramaticos, pelo fato de que neles o espaco e reduzido a informacao e a informacao e reduzida a interpretacao, com o objetivo de representar graficamente um processo mental de forma sintetica.

Cada desenho de esboco e uma imagem diferente das outras, tanto nos aspectos tecnicos de representacao, quanto nos de comunicacao, visto que o tipo de desenho a ser realizado e dependente da sua funcao e das escolhas e estrategias do arquiteto em representar, por meio de um processo de enfatismo e exclusao, aquilo que o e significativo. Quem desenha, portanto, tem a possibilidade de escolher que estimulos, que valores e que interpretacao quer atribuir dentre as inumeras possibilidades.

Na fase de concepcao projetual, em que as ideias estao em constante evolucao, o arquiteto produz muitas imagens mentais e necessita da ferramenta do desenho, instrumento representativo fluido e fugaz, para transcrever e ate descobrir o conceito. Esses desenhos carregam consigo muita informacao e podem conter, como numa especie de sobreposicao, variadas camadas de informacao que fazem uso de recursos diagramaticos que apresentam informacao mais do que representam, e que explicam mais do que reduzem (Graf, 1986).

2 O desenho de esboco e os diagramas no processo de concepcao projetual

Os esbocos arquitetonicos sao desenhos carregados de significacao, que vao alem da simples representacao do objeto. Sao desenhos rapidos, muitas vezes inacabados, que nao necessariamente representam o todo, mas uma selecao da obra final. O arquiteto, por meio do esboco, interpreta a realidade para representar o objeto, dar enfase ao analisado, impor a sua percepcao do espaco e a imaginacao no papel e tornar legivel o seu pensamento. Os esbocos sao, portanto, uma ferramenta que alia ao arquiteto o poder de formar a imagem mental e se comunicar. No ato de desenhar, o arquiteto impoe imagens que sao familiares a sua memoria e as altera ou as deforma para criar ou para entender o que esta desenhando. Os esbocos geralmente sao os primeiros desenhos do processo projetual. Sao tao fugazes, que captam o maximo do pensamento e permitem que sejam formadas as primeiras impressoes mentais.

Ja os diagramas sao modos de explanar um objeto por meio de elementos geometricos, como o ponto, a linha e o plano, a fim de originar codificacoes que facilitem a interpretacao da realidade. Sao "modos de codificacao baseados no desenho--mas que nao preveem necessariamente a representacao dos objetos" (Massironi, 1982, p.112). Faz-se uso de vetores geometricos que procuram exibir alguns fluxos, materiais e fenomenos da realidade que nao tem forma ou figura precisa, para representar uma "area de conceitos e relacoes referentes a qualidade, quantidade, distribuicao, subdivisao, e suas modificacoes e variacoes". Os diagramas tem, portanto, a capacidade de traduzir analises que partem de um processo de abstracao e que tem caracteristicas ora conceituais e ora perceptivas, realizando a conexao dos "atributos conceptuais a comunicar e os estimulos perceptivos utilizados". Para isso, "e necessario que seja estabelecida uma correspondencia entre os tipos de componentes tomados em consideracao e as variaveis utilizadas no desenho" (Massironi, 1982, p.115).

Dentro da perspectiva do estudo, o diagrama, pode, portanto, ser elevado a uma categoria grafica superior: pode ser aliado a diversos tipos de representacao, configurando-se como recursos analiticos sobrepostos essenciais a captura de dados de maneira agil, por meio de elementos iconograficos (Garcia, 2010).

3 Abordagem dos desenhos de esboco baseados na psicologia da imagem

O desenho e um instrumento de facil manuseio, que impoe a realidade a interpretacao do artista que, por meio da representacao, faz uso da percepcao para revelar conceitos e descobrir relacoes intrinsecas a ideias mentais. Vai alem da simples tentativa de imitacao da realidade e procura interpreta-la a fim de obter certos conceitos ao arquiteto e transmitir sensacoes aos demais. A sua semelhanca ao original e seletiva, pois parte de uma previa interpretacao, tanto da realidade em que esta inserido, como do conceito a ser transmitido. Alem disso, e uma ferramenta que serve para obter conceitos e acompanhar o pensamento. Como comenta Gombrich (1986), e um meio de comunicacao entre duas partes para realizar o entendimento e causar impressoes no fruidor, alem de ser um instrumento de gravar imagens e de testar conceitos abstratos pertencentes a percepcao e a imaginacao da realidade. Sao tao fugazes que captam o maximo do pensamento do arquiteto e permitem que sejam formadas as primeiras impressoes mentais por meio de alusoes, para realizar a comunicacao. A alusao se da atraves de referencias realizadas de forma indireta com o intuito de, combinada por meio da percepcao e da imaginacao do artista, provocar um novo pensamento. O esboco, dessa forma, ao mesmo tempo que ilusiona a realidade ao fruidor, faz alusao por meio da memoria para encontrar relacoes abstratas, como escreve Smith (2008).

O esboco e um tipo de desenho que "nunca ninguem sentiu a necessidade de analisar para compreender o seu funcionamento e para explicar a sua ampla disponibilidade em absorver funcoes comunicativas diversas, que o diferencia" (Massironi, 1982, p.15).

A dificuldade em analisa-los e, de certa forma classifica-los, esta na influencia da percepcao, que, por meio de mecanismos do pensamento visual, contribui na representacao e na formacao da imagem mental (Hewitt, 1985, p.8). A vista disso, torna-se complexo entender como o esboco ajuda a revelar conceitos que nao podem ser visualizados e a assimilar que o desenho pode ser visto nao apenas como um meio de expressao, mas como uma linguagem de codigos que traduzem o pensamento.

Os conceitos de psicologia da imagem auxiliam o arquiteto, principalmente, na dialetica entre exclusao e enfatismo no processo de representacao (Massironi 1982, p.70), ou seja, ajudam a entender a natureza seletiva do esboco e o vinculo entre ver e entender o desenhado no papel que impulsiona o arquiteto e o fruidor a perceberem as relacoes impostas pelo mesmo.

A concepcao do esboco, alem de depender da percepcao do artista, tem significativa influencia do meio e do contexto em que esta inserido, portanto, um desenho, para ser analisado, necessita de uma abordagem que relacione a metodologia utilizada ao contexto arquitetonico. E necessario analisar elementos que complementam o desenho de esboco, como o contexto em que esta inserido, a influencia do artista, suas obras e o seu processo de projeto, para que seja realizado uma nova abordagem. Sob esse enfoque, o desenho nao e unicamente a representacao do processo mental; e, sobretudo, a interpretacao do mesmo, na qual esta imposta a experiencia do arquiteto e que, por meio do processo de enfatismo e exclusao, seleciona o que quer transmitir.

A concepcao pode ser definida como um pensamento padrao sobre a composicao de uma obra de arte que, entre fronteiras temporais e culturais, no geral e semelhante, ou, alternativamente, e peculiar a um determinado designer. (Hewitt, 1985, p.8) (1)

Portanto, os aspectos cognitivos estao relacionados diretamente com as experiencias. As experiencias do arquiteto, somam-se as do fruidor, fazendo com que o desenho seja um instrumento aproximador, que tenha como intuito conciliar expectativas, sintetizar um conceito e transmitir de forma clara a informacao. A percepcao, ou o pensamento visual, contribui, dessa forma, no que representar e como executar e atribui condicoes ao desenho de esboco.

Quanto aos aspectos comunicativos, a mensagem a ser transmitida tem grande importancia no desenho de esboco, visto que e entendido como a concretizacao da imaginacao. O arquiteto vai eleger dentre as inumeras ferramentas de representacao a ideal para comunicar a informacao e ilusionar o fruidor quanto a espacializacao da ideia, fazendo jus a sua funcao de "antecipar formas (novas ou recicladas) destinadas a satisfazer necessidades futuras" (Montaner, 2014, p.7).

Por fim, para a concretizacao do processo de troca de informacao, faz-se necessario o meio e o modo de representacao, que impoe condicoes no processo de projeto e na ideia mental. Pode-se classificar o esboco de acordo com o meio utilizado, o modo e o tipo de desenho. Para Hewitt (1985), os modos sao planta, secoes transversais e longitudinais, perspectivas isometricas, axonometricas e os meios sao a tecnica elegida (lapis, tinta, colagem, aquarela, etc). Cabe ao arquiteto eleger como representar e tomar posicao, enfatizar ou excluir dados da realidade, para que a mensagem ou o conceito chegue ao fruidor de forma clara.

Com essa atribuicao do desenho em uma esfera de relacoes intrinsecas entre o tipo de representacao, a concepcao e a percepcao projetual, faz-se necessario ampliar o campo de analise do desenho, que na maioria das vezes se concentra na representacao topologica, para que seja levado em consideracao todas as dimensoes que o envolve. Para isso, toma-se como premissa o fato de que o desenho de esboco conceptivo carrega consigo recursos diagramaticos, que tentam sintetizar ao maximo o pensamento para transmitir o conceito. Esses recursos podem ir da mais simples representacao de um conjunto de linhas que indicam os fluxos do projeto a abstracao da espacializacao em um pedaco de papel. Alem disso, tem a possibilidade de transmitir diferentes dimensoes em um so conjunto, visto que faz parte do processo, tentando antecipar o produto de projeto.

4 Parametros de analise dos desenhos de esboco

Levando em consideracao que o desenho de esboco e composto por um conjunto de informacoes que sao condensadas em um unico produto final, a analise parte do desmembramento do desenho em subcamadas de informacao de acordo com alguns parametros predeterminados. O ato de analisar separadamente essas subcamadas permite com que cada informacao seja analisada separadamente em sua respectiva dimensao tecnica, cognitiva e comunicativa (Massironi, 1982), mas que tambem possa ser analisada a juncao entre todas as camadas.

Para isso, foram separados tres grandes grupos baseados na teoria da psicologia da imagem: os aspectos tecnicos, os comunicativos e os cognitivos (Massironi, 1982). Dentro de cada um, elencam-se subcategorias que tem o intuito de analisar as subcamadas e realizar a conexao e a troca de informacao entre os tres grandes grupos. Os aspectos tecnicos estao relacionados com o modo de representacao e a analise topologica do desenho, com o auxilio de principios do Design da Informacao de aprimoramento de aquisicao da informacao, como caracteriza Bonsiepe (1999) em ordenamento, conexoes, hierarquias e distincoes visuais (a partir de variaveis como posicao, forma, cor e dimensao); os aspectos comunicativos estao relacionados com o conceito a ser transmitido, levando em consideracao a dimensao espacial e arquitetonica, ou seja, transformando os elementos basicos do desenho analisados nos aspectos tecnicos em ilusoes espaciais, para que o conceito e dimensao arquitetonica seja entregue ao fruidor; os aspectos cognitivos estao relacionados com a abstracao de mundo, com as experiencias do arquiteto e do usuario e com as tomadas de decisao que sao influenciadas por isso (Hewitt, 1985). Esses tres grandes grupos caminham intrinsecamente juntos e tem barreiras quase que imperceptiveis.

Os aspectos tecnicos tem relacao proxima com a representacao. Fato que faz com que sejam analisados neste grupo os elementos basicos do desenho. Massironi (1982) os descreve como elementos primarios do desenho em sua tentativa de sistematizacao de analise grafica e faz uma classificacao entre as caracteristicas do traco, que podem ser objeto, contorno e textura, e a posicao no plano de representacao, que pode ser frontal ou longitudinal.

Dentro dos aspectos tecnicos levou-se em consideracao dois sistemas de classificacao: o tipo de projecao utilizado e as caracteristicas dos tracos. No primeiro, o intuito e classificar as camadas do desenho de acordo com a disposicao do objeto em relacao ao plano de visao (Massironi, 1982). Podem ser projecoes paralelas ou conicas, mas sempre projecoes planas (Fantinato, 2018). O segundo tem o intuito de decompor o desenho de acordo com o tipo de traco. Para isso, levou-se em consideracao que o desenho e composto de elementos basicos que se relacionam. Dessa forma, foram separados em elementos basicos, que correspondem ao ponto e a linha; elementos objeto, que correspondem a planos, formados por uma disposicao de pontos ou linhas ou ambos, que podem assumir alguma forma fechada, como quadrados ou circulos; e elementos textura, que sao o agrupamento de elementos basicos a fim de criar uma textura que ilusiona a visao (Massironi, 1982).

Para a determinacao dos parametros de analise de cada sistema de classificacao dos aspectos tecnicos do desenho, elencou-se alguns principios do Design da Informacao. Definido como a pratica de representacao mais otimizada, que parte da investigacao do uso de figuras, simbolos, cores e palavras para comunicar ideias, ilustrar informacoes e expressar relacoes visualmente. Alem da semiotica, o processo interpretativo da psicologia da imagem tambem esta presente no design da informacao.

Os aspectos 'sintaticos', 'semanticos' e 'pragmaticos' estao relacionados com a comunicacao da informacao em funcao da estrutura grafica e comunicativa da informacao. Nesta construcao conceitual a sintaxe remete a representacao e esta relacionada com os elementos e suas relacoes graficas, a semantica esta relacionada com o entendimento da representacao, ou nos significados desses elementos, e a pragmatica esta relacionada ao uso da representacao, ou o uso desses elementos. Em suma, os aspectos sintatico, semantico e pragmatico do conceito apresentado pela Sociedade Brasileira de Design da Informacao (SBDI) seriam relativos, respectivamente a 'estrutura', ao 'significado' e ao 'uso' de sistemas de informacao (Quintao, Triska, 2014).

Baer (2010) define parametros basicos para relacionar a informacao e buscar uma sistematizacao para apresentar o conteudo. De uma maneira pratica e objetiva, a primeira etapa e a "descoberta". Tal processo envolve o uso de diagramas para compreender as fases que a informacao ficara disposta e a determinacao de quem e o publico-alvo. Com o uso do sistema alfanumerico, busca-se uma analise e uma revisao do conteudo.

Apos essa primeira fase, os instrumentos basicos definidos pela autora entram como organizadores da informacao. Kim Baer (2010) revela como artificios visuais a cor para a diferenciacao, o uso de diferentes tipografias--a fim de organizar e diferenciar os conjuntos --peso e escala--para demonstrar a hierarquia visual--e estrutura e agrupamento--para realcar semelhancas e definir grupos de imagens que apresentam o mesmo contexto.

Portanto, os aspectos 'sintaticos', relativos a estrutura das camadas diagramaticas do desenho, serao analisados de acordo com a sua posicao no plano de representacao; o peso de cada elemento grafico e a sua respectiva escala; a sua estrutura formal; o uso da cor e a utilizacao de agrupamentos para a criacao de padroes.

Em relacao aos aspectos comunicativos do desenho, pode-se eleger parametros relacionados aos aspectos 'semanticos' do design da informacao, que seriam relativos ao significado das camadas. Para esse grupo, depois de analisados separadamente os aspectos tecnicos, e realizada uma analise embasada nas caracteristicas conceptivas, com o desafio de relacionar as diversas camadas diagramaticas do desenho de esboco. Para isso, nesse grupo de analise, acrescenta-se a camada de signos textuais dos desenhos, ou seja, as legendas. As legendas sao recursos tipograficos utilizados onde a informacao exata e importante para complementar o entendimento do conceito a ser passado.

A comunicacao, portanto, que tem o objetivo de transmitir o conceito do projeto de forma clara, para cumpri-lo, necessita que seja realizada uma analise embasada nos aspectos arquitetonicos, ou seja, na aplicacao das diversas camadas analisadas nos aspectos tecnicos aplicados a espacializacao e concepcao de tridimensionalidade.

Por exemplo, uma camada diagramatica e analisada no grupo de aspectos tecnicos como um agrupamento de linhas que formam uma determinada textura, e representada em projecao planimetrica horizontal e faz uso de uma so direcao em relacao a um elemento objeto que tem forma quadrada; essa camada esta atrelada a um conceito especifico predeterminado por um processo mental por parte do arquiteto, que utiliza uma legenda para determinar que esse agrupamento de linhas representa as ranhuras do concreto na superficie do piso do edificio, que tem planta quadrada. Dessa forma, foi realizada uma atribuicao arquitetonica a uma simples representacao grafica.

Em relacao ao grupo de aspectos cognitivos, Massironi (1982) classifica em elementos secundarios os relativos ao contexto (lugar, tempo e cultura) tanto presentes por parte do arquiteto, como por parte do fruidor. Esse grupo diz respeito as experiencias e como elas sao traduzidas em desenhos e os influenciam. E importante acrescentar essa outra dimensao de analise, visto que a tomada de decisoes em relacao ao tipo de representacao e ao conceito a ser transmitido depende diretamente das condicoes impostas pelo contexto. "A uniao do pensamento arquitetonico com a representacao da simulacao de uma edificacao que pode vir a ser construida" (Scharff, 2015, p.40) e sintetizada em um unico desenho por meio de recursos diagramaticos que "antecedem a elaboracao do projeto e pretendem traduzir em formas arquitetonicas as forcas e as realidades iniciais, convertendo-as em processos" (Montaner, 2009. p.190).

Contudo, tem-se como resultado dessa classificacao um quadro final correspondente a analise das diversas camadas diagramaticas contidas no desenho de esboco de concepcao projetual (Quadro 1)

5 Aplicacao do quadro para a analise de desenhos de esboco

Esta pesquisa tem o intuito de analisar os desenhos de esboco de dois arquitetos que atuaram em diferentes periodos e viveram em paises distintos. Para este estudo, sera analisado a seguir tres desenhos de esboco da Mediateca de Sendai, de autoria do arquiteto japones Toyo Ito e depois sera analisado o desenho de esboco da Torre Einstein, em Potsdam, projeto de autoria do arquiteto Erich Mendelsohn. A reproducao destes desenhos foram executadas a partir de copias digitais dos originais. A escolha destes desenhos foi feita a partir da selecao de arquitetos que possuissem caracteristicas distintas de processo de projeto para comparar a relacao entre a representacao, a percepcao, tanto do arquiteto como do fruidor, e a concepcao nos dois casos.

Toyo Ito, nascido em Seoul em 1941, ingressou na Universidade de Toquio de 1965 e finalizou em 1969 o curso de arquitetura, dedicando-se, desde entao, inteiramente a pratica da arquitetura. O seu trabalho e contido por uma variedade de programas funcionais assim como de tipologias arquitetonicas, o que faz do arquiteto um profissional reconhecido internacionalmente pelo seu talento de projetar obras unicas, alinhadas aos fenomenos culturais contemporaneos. Ito ganhou o premio Pritzker no ano de 2013 e foi aclamado pela sua habilidade criar uma "arquitetura atemporal", segundo um dos juris do premio.

A Mediateca de Sendai, no Japao, foi concluida no ano de 2000 e tem 2.933,12 [m.sup.2] de area construida em cada um de seus sete pavimentos (Figura 2). Levou cinco anos para ser executada e o arquiteto foi o ganhador de um concurso convocado para o projeto do centro de artes da cidade. A imagem a seguir contem os desenhos de esboco dos dois primeiros pavimentos da Mediateca durante o processo de projeto (Figura 1). A pesquisa realizou a analise de todos os esbocos dos seis pavimentos, porem, para titulo de comparacao, elegeu-se os dois primeiros que possuem elementos que se repetem nos demais esbocos.

De maneira geral, esses esbocos iniciais representam os pavimentos da mediateca e auxiliaram o arquiteto no processo projetual. Como analise, sera realizado a seguir o desmembramento de alguns desses esbocos em camadas diagramaticas no quadro concebido com esta pesquisa.

Este primeiro quadro faz analise do esboco que representa a planta do pavimento terreo da Mediateca (Quadro 2). No quadro a seguir (Quadro 3), a analise realizada e referente as plantas do segundo pavimento contidas nos desenhos de esboco do arquiteto.

Percebe-se que os desenhos de esbocos fazem parte de um desenho final unico, que tem o intuito de transmitir um conceito e obter novas solucoes. Pode ser classificado como um diagrama sequencial, visto que, por meio de comparacoes, vai moldando o conceito e modificando a forma do edificio. Conclui-se que esse grupo de desenhos de esboco foi realizado em um mesmo sistema de projecao plana horizontal, ou seja, representa as plantas dos pavimentos e, por meio da abstracao de determinados elementos analisados separadamente nos quadros acima, fazem alusao a certas entidades e iludem o fruidor quanto a espacialidade. Os signos aplicados nestes exemplos utilizam da repeticao para demonstrar a presenca dos 'tubos' em todos os pavimentos e para criar agrupamentos de texturas que tem o intuito de dar origem a uma falsa tridimensionalidade. Uma peculiaridade notada e que o plano quadrado que representa a extremidade da 'chapa', ou da laje, em planta nao aparece na planta do terreo, que pode ser entendido como a abstracao do conceito de que nao existem separacoes visuais entre o que e edificio e o que e cidade. Em suma, por meio da aplicacao de recursos diagramaticos, o arquiteto tem o intuito de passar um novo entendimento de tempo e de praticas quotidianas no Japao, que faz parte do seu conceito de fluidez no sistema de "laminas, tubos e pele" (Gregory, 2009. p.108); um sistema efemero e flexivel, no qual as pessoas se apropriam do espaco de diferentes formas em diferentes periodos, mantendo dois elementos que unificam todos os pavimentos: os circulos que se repetem e as extremidade das lajes, que, no edificio, transformam-se em pele de vidro.

Erich Mendelsohn, importante arquiteto alemao, estudou Economia na Universidade de Munique no ano de 1906 e depois optou por estudar Arquitetura, ate concluir o Curso na Universidade Tecnica de Munique. Durante seus estudos, conheceu os artistas expressionistas dos grupos Der Blaue Reiter e Die Bruke com os quais se identificou. O arquiteto foi fortemente incentivado pelo movimento de arte, em um periodo pos-guerra, que clamava por mudancas em todos os sentidos, mais precisamente nos programas funcionais arquitetonicos. A cultura alema das primeiras decadas do seculo XX e critica e a arquitetura se sobressai como uma ferramenta para a melhora da vida social.

O arquiteto produz uma vasta lista de projetos que seguem esse vies expressionista, como o De la Warr Pavilion, na Inglaterra e o Hadassah University Hospital, em Jerusalem. Entretanto, a Torre de Einstein marca o inicio dessa trajetoria, que se inicia com o pos guerra; uma arquitetura moderna, com tracos organicos e idealizada com materiais construtivos inovadores para a epoca.

O proprio arquiteto costumava dizer: "Look at my sketch, there is everything in it". Ou seja, Mendelsohn fazia do desenho uma 'representacao fiel' do edificio, dessa forma, o edificio construido e o desenho de esboco tem uniao, tanto visual, como conceitual.

Alem disso, em sua maior parte dos projetos, o arquiteto defende que o edificio deve pertencer ao lugar, criar uma relacao intima entre exterior e interior, o que e possibilitado pelas tecnicas construtivas.

Mendelsohn, em seu processo de projeto, faz uso constante da representacao de desenhos de esboco em projecao perspectivada (figuras 3 e 4) e a defende como sendo uma das principais ferramentas para descrever um edificio, em contraposicao a maioria dos modernistas da epoca, que utilizavam projecoes planimetricas horizontais e verticais. A projecao perspectivada era uma estrategia utilizada para tentar representar a totalidade do edificio, como uma visao instantanea do 'todo'; representando a sua aparencia e a sua natureza arquitetonica (Figura 5).

A Torre Einstein, finalizada em 1921 (Figura 6), e um edificio que abriga um observatorio solar e uma instituicao de pesquisa que na epoca foi idealizada para que Albert Einstein pudesse comprovar a sua teoria sobre a relatividade. Foi um dos primeiros projetos do arquiteto e fez com que o mesmo obtivesse fama no periodo posguerra. O projeto parte do conceito de dinamismo e excentricidade, em conformidade com o programa funcional relacionado a conceitos cientificos e tecnologicos. O unico esboco que sera analisado faz parte do processo projetual de Mendelsohn e demonstra a sua preferencia em representar os edificios em perspectiva (Quadro 4).

O desenho de esboco analisado demonstra a capacidade do arquiteto de pensar em totalidade; com o intuito de transmitir o conceito com alguns tracos continuos e organicos. Entretanto, o conceito transmitido no desenho, de um edificio com materiais inovadores para a epoca- no caso o concreto moldado in loco -durante a execucao do edificio, teve de ser alterado, devido as restricoes de execucao da epoca-.

Com base na analise de dois projetos distintos, em todos os sentidos, tanto de programa funcional, como de periodo de construcao e arquitetos, pode-se realizar algumas comparacoes que potencializam a influencia da representacao e da percepcao na concepcao projetual. O Quadro 5 apresenta uma comparacao entre os aspectos tecnicos, comunicativos e cognitivos dos dois arquitetos descritos realizadas na pesquisa. Percebe-se fortemente a influencia dos elementos contextuais, das tecnicas construtivas disponiveis e do conceito de sociedade no qual cada um esta inserido nos meios de representacao adotados e na concepcao projetual.

6 Consideracoes finais

Neste artigo foram apresentados alguns conceitos da psicologia da imagem que justificam a escolha dos parametros do Design de Informacao para a construcao de uma ferramenta de analise da utilizacao dos recursos diagramaticos em desenhos de esboco com o intuito de esclarecer o conceito a ser transmitido. Norteada por aspectos tecnicos, comunicativos e cognitivos, a pesquisa buscou relacionar a percepcao, a representacao e a concepcao no processo projetual, enfatizando a interdependencia entre estes tres campos e a ideia de que qualquer representacao grafica da realidade e sempre uma interpretacao de dados particulares e precisos dessa mesma realidade.

Conclui-se que a variacao no tipo de representacao influencia a forma de ver, conceber e entender o projeto e que a influencia da percepcao molda a representacao dos elementos primarios. O desmembramento do esboco em varias camadas permite ver a relacao entre as suas respectivas funcoes e as suas relacoes. Alem disso, destaca a importancia do diagrama para ressaltar o conceito do projeto de maneira clara e unificada. Por fim, a comparacao de dois desenhos de esboco de arquitetos pertencentes a seculos diferentes confirma a influencia das experiencias do arquiteto no tipo de representacao adotado e na concepcao a ser transmitida.

Com este estudo, espera-se contribuir com um sistema que nao so utiliza da simples analise dos recursos graficos, mas tenta reunir e confrontar as diversas dimensoes inerentes a um desenho de esboco. Este conceito esta de acordo com as nocoes de diagrama contemporaneo, nas quais buscam analisar o projeto com o auxilio de uma escala abrangente, que leva em consideracao diversas dimensoes sintetizadas em um sistema de representacao conciso. O Design da Informacao, portanto, auxilia na busca da clareza do conteudo, seja para o usuario ou para o receptor. Ressalta-se as dificuldades em reunir essas informacoes em um mesmo quadro, visto que os limites entre essas categorias nao sao totalmente definidos. Em contraponto, contribui-se no inicio de uma nova forma de pensar a analise dos desenhos de esboco com a ajuda do Design da Informacao, a fim de demonstrar o seu grande potencial de transmitir conteudos e esclarecer conceitos.

Agradecimento

O presente trabalho foi realizado com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnologico (CNPq).

Referencias

BAER, K. 2010. Information Design Workbook: Graphic approaches, solutions, and inspiration. Los Angeles, CA: Rockport Publishers.

BONSIEPE, G. (1999). Del objeto a la interfase: mutaciones del diseno. Buenos Aires: Ediciones Infinito.

FANTINATO, D. 2018. O uso de diagramas na representacao de projetos em publicacoes de arquitetura: O caso da Domus. Dissertacao de Mestrado Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas. Campinas.

GARCIA, M. 2010. The Diagrams of Architecture: AD Reader. Hoboken, NJ: Wiley.

GOMBRICH, E. H. 1986. Arte e ilusao: um estudo da psicologia da representacao pictorica. 3. ed. Sao Paulo, SP: Martins Fontes.

GRAF, D. 1986. Diagrams. Perspecta Paradigms of Architecture, v.22, p. 42-71. GREGORY, R. 2009. As mais importantes edificacoes contemporaneas. Porto Alegre: Bookman.

HEWITT, M. 1985. Representational Forms and Modes of Conception: An Approach to the History of Architectural Drawing. Taylor and Francis Ltd., Journal of Architectural Education, vol.39, No 2, pp. 2-9. Disponivel em: <http://www.jstor.org/stable/1424961>. Acesso em: 18, jun. 2014.

MASSIRONI, M. 1982. Ver pelo desenho: aspectos tecnicos, cognitivos, comunicativos. Lisboa: Edicoes 70.

MONTANER, J. M. 2009. Sistemas contemporaneos arquitetonicos. Sao Paulo: Editorial Gustavo Gili.

QUINTAO, F. S.; TRISKA, R. 2014. Design da informacao em interfaces digitais: origens, definicoes e fundamentos. Revista Brasileira de Design da Informacao, v.11, n.1, p.105-118.

SMITH, S. K.. 2008. Architect's sketches: dialogue and design. Architectural Press.

Sobre os autores

Raissa Araujo Rodrigues

E-mail: raissaar.18@gmail.com

Graduacao em Arquitetura e Urbanismo na UNICAMP--Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo--FEC. Endereco: Av. Albert Einstein, 951--Cidade Universitaria, Campinas--SP, 13083-852

Daniel de Carvalho Moreira

E-mail: daniel@design.arq.br

Arquiteto e Urbanista, Professor Doutor na UNICAMP--Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo--FEC. Endereco: Av. Albert Einstein, 951--Cidade Universitaria, Campinas--SP, 13083-852

Artigo recebido em 05/11/2018

Artigo aceito em 12/03/2019

Caption: Figura 1 Desenhos de esboco do arquiteto Toyo Ito nos estudos do projeto da Mediateca de Sendai. Fonte: adaptado pela autora a partir do redesenho, com o intuito de manter as caracteristicas do original.

Caption: Figura 2 Imagem da Mediateca de Sendai. Fonte: foto publicada no Wikimedia Commons a partir do Flickr do autor scarletgreen sob licenca Creative Commons 2.0 no endereco https://www.flickr.com/ photos/c160678@N06/3863632754. Disponivel em https://commons.wikimedia.org/wiki/ File:Sendai_Mediatheque_2009.jpg

Caption: Figura 3 Desenho de esboco da Columbus house. Fonte: adaptado pela autora a partir de reproducoes do original.

Caption: Figura 4 Desenhos de esboco da Schocken Department Store. Fonte: adaptado pela autora a partir de reproducoes do original.

Caption: Figura 5 Desenho de esboco da Torre de Einstein. Fonte: adaptado pela autora a partir de reproducoes do original.

Caption: Figura 6 Imagem da Torre construida, 1920. Fonte: Wikimedia Commons, imagem em Dominio Publico. Disponivel em https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Torre_Einstein,_Potsdam,_ Alemanha,_1920.jpg
Quadro 1 Estrutura de analise dos desenhos de esboco. Fonte:
elaborado pela autora.

ASPECTOS TECNICOS

ELEMENTOS BASICOS

Projecao                            Plana
                                    Horizontal   Vertical   Ortogonal
Elementos    Posicao no plano
basicos      Peso / Escala
             Estrutura Formal

Objetos      Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Texturas     Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Padrao / Agrupamento

ASPECTOS TECNICOS

ELEMENTOS BASICOS

Projecao                            Plana
                                    Obliqua   Conica
Elementos    Posicao no plano
basicos      Peso / Escala
             Estrutura Formal

Objetos      Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Texturas     Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Padrao / Agrupamento

ASPECTOS TECNICOS                   ASPECTOS COMUNICATIVOS

ELEMENTOS BASICOS                   [left and right arrow]

Projecao                             Elementos     Conceito
                                    tipograficos
Elementos    Posicao no plano
basicos      Peso / Escala
             Estrutura Formal

Objetos      Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Texturas     Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Padrao / Agrupamento

ASPECTOS TECNICOS                   ASPECTOS COGNITIVOS

ELEMENTOS BASICOS                   ELEMENTOS CONTEXTUAIS

Projecao

Elementos    Posicao no plano
basicos      Peso / Escala
             Estrutura Formal

Objetos      Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Texturas     Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Padrao / Agrupamento

Quadro 2 Analise de desenhos de esboco do primeiro pavimento da
Mediateca de Sendai. Fonte: elaborado pela autora.

ASPECTOS TECNICOS
ELEMENTOS BASICOS

Projecao                         Plana
                                 Horizontal

Elementos
basicos

Objetos      Posicao no plano    Os 12 circuios estao dispostos de
                                 forma alea toria no piano
             Peso / Escala       horizontal, tem diferentes di
                                 mensoes e parecem estar contidos
             Estrutura Formal    em uma extremidade mvisivel

             Cores               Os circulos matores estao dispostos
                                 de forma concentnca agrupados em
             Composicao          7 grupos que tangenciam-se
                                 em alguns pontos Piff

Texturas

ASPECTOS TECNICOS                ASPECTOS COMUNICATIVOS
ELEMENTOS BASICOS
                                 [left and right arrow]
Projecao                               Elementos
                                      tipograficos

Elementos
basicos

Objetos      Posicao no plano        1' pavimento

             Peso / Escala                Luz
                                        Som Sem
             Estrutura Formal          barreira
                                          Agua
             Cores

             Composicao

Texturas

ASPECTOS TECNICOS                     ASPECTOS COMUNICATIVOS
ELEMENTOS BASICOS
                                      [left and right arrow]
Projecao                         Conceito

Elementos                        0 conceito do projeto 6 descrito
basicos                          em tres palavras pelo arquiteto
                                 Chapa, tuboe pele Na primeira
Objetos      Posicao no plano    camada percebe-se a representacao
                                 dos tubos que posteriormente
             Peso / Escala       foram transformados nas grandes
                                 estruturas circulares que
             Estrutura Formal    atravessam as lajes da Mediateca
                                 Oe acordo com a legenda os
             Cores               circulos representados nessas
                                 camadas analisam a incidencia e
             Composicao          influencia da luz e do som.
                                 demonstrando 0 carater fluido que
                                 0 arquiteto atribuiu ao edificio
Texturas

ASPECTOS TECNICOS                       ASPECTOS COGNITIVOS
ELEMENTOS BASICOS                      ELEMENTOS CONTEXTUAIS

Projecao

Elementos                        Toyo Ito e um arquiteto
basicos                          contemporaneo quo utiliza em
                                 grande parte de seus projetos tec
Objetos      Posicao no plano    rologia de ponta, aliando
                                 eficiencia a conceitos de
             Peso / Escala       arquitetura fluida e unica. No
                                 projeto da Mediateca os materiais
             Estrutura Formal    utilizados foram 0 vidro. 0 aco 0
                                 projeto participou de um concurso
             Cores               para 0 centro de artes da cidade
                                 de Seul. que esti pulava que 0
             Composicao          predio devia abrigar uma gale na
                                 de arte. uma biblioteca, um
                                 centro de midia e um espaco
Texturas                         dedicado aos servicos para
                                 pessoas com deficiencia Ao mesmo
                                 tempo, este equipamento devia
                                 possuir carater inovador, nao
                                 convencionai c responder as
                                 caracteristicas do local.

Quadro 3 Analise de desenhos de esboco do segundo pavimento da
Mediateca de Sendai. Fonte: elaborado pela autora.

ASPECTOS TECNICOS
ELEMENTOS BASICOS

Projecao                                        Plana
                                              Horizontal

Elementos    Posicao no plano    As primeiras      Nesta segunda
basicos      Peso / Escala       linhas  estao     opcao, as
             Estrutura Formal    distribuidas de   linhas e arcos
             Cores               forma             tem pesos
             Composicao          concentricas;     similares a
                                 os  arcos         parecem estar
                                 tambem parecem    distriuidos de
                                 emergir mesmo     forma aleatoria
                                 ponto central;    no plano
                                 as linhas que
                                 formam um x
                                 marcam uma
                                 negacao

Objetos      Posicao no plano    Os 12 circulos    Repete-se os
             Peso / Escala       da tabela 2       circuios e o
             Estrutura Formal    repetem-se        plano; sao
             Cores               nesta camada      adicio nado
             Composicao          porem o           pequenos
                                 planoque antes    circulos uma
                                 era invisivel,    forma curvide
                                 agora             linea de pesos
                                 assumeforma um    simila res,
                                 quadrado.         concentrados na
                                                   parte inferior
                                                   no plano.

Texturas     Posicao no plano    Os arcos, por     Da repeticao
             Peso / Escala       repeticao criam   das linhas
             Estrutura Formal    um determinado    onginam-se
             Cores               padrao.           padroes com
             Composicao                            forma organica

ASPECTOS TECNICOS                ASPECTOS COMUNICATIVOS
ELEMENTOS BASICOS

Projecao                               Elementos
                                      tipograficos

Elementos    Posicao no plano         2 pavimento
basicos      Peso / Escala           workshop cafe
             Estrutura Formal          escritorio
             Cores                   reuniao acesso
             Composicao

Objetos      Posicao no plano         2 pavimento
             Peso / Escala           workshop cafe
             Estrutura Formal          escritorio
             Cores                   reuniao acesso
             Composicao

Texturas     Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

ASPECTOS TECNICOS
ELEMENTOS BASICOS

Projecao                                     Conceito

Elementos    Posicao no plano    O conceito do projeto e descrito
basicos      Peso / Escala       em tres palavras pelo arquiteto
             Estrutura Formal    Chapa, tubo e pele No primeiro
             Cores               conjundo de camadas, percebe-se a
             Composicao          representacao dos tubos, a
                                 marcacao de um plano que
                                 determina as ex tremidades da
                                 laje e a livre disposicao de
                                 programas funcionais nessa laje 0
                                 conceito de fluidez esta presente
                                 na planta livre Foi desenhado um
                                 grande X. que da sentido negacao
                                 para a representacao;

Objetos      Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Texturas     Posicao no plano    No segundo grupo de camadas, esta
             Peso / Escala       representad a um outra tentativa
             Estrutura Formal    para 0 pavimento abrigando a
             Cores               mesma variedade de programa
             Composicao          funcmal mas com outra disposicao
                                 organica.

ASPECTOS TECNICOS                ASPECTOS COGNITIVOS
ELEMENTOS BASICOS                ELEMENTOS CONTEXTUAIS

Projecao

Elementos    Posicao no plano    Toyo Ito e um arquiteto
basicos      Peso / Escala       contemporaneo que utiliza em
             Estrutura Formal    grande parte de seus projetos tec
             Cores               rologia de ponta, aliando
             Composicao          eficiencia a conceitos de
                                 arquitetura fluida e unica. No
                                 projeto da Mediateca os materiais
                                 utilizados foram 0 vidro. 0 aco.
                                 0 projeto participou de um
                                 concurso para 0 centro de artes
                                 da cidade de Seoul, que es
                                 tipulava que 0 predio devia
                                 abrigar uma ga leria de arte. uma
                                 biblioteca, um centro de midia e
Objetos      Posicao no plano    um espaco dedicado aos servicos
             Peso / Escala       paia pessoas com deficiencia Ao
             Estrutura Formal    mesmo tempo, este equipamento
             Cores               devia possuir carater inovador,
             Composicao          nao convencionai c responder as
                                 caracteristicas do local.

Texturas     Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Quadro 4 Quadro 4. Analise do desenho de esboco da Torre Einstein.
Fonte: elaborado pela autora.

ASPECTOS TECNICOS
ELEMENTOS BASICOS

Projecao                                       Plana
                                           Axonometrica

Elementos    Posicao no plano     As linhas presentes no desenho
basicos      Peso / Escala       demarcam contornos possuem pesos
             Estrutura Formal             1 semelhantes:
             Cores
             Composicao

Objetos      Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Texturas     Posicao no plano    As texturas presentes no desenho
             Peso / Escala       preenches os es g pacos entre os
             Estrutura Formal            elementos basicos
             Cores
             Composicao

ASPECTOS TECNICOS                ASPECTOS COMUNICATIVOS
ELEMENTOS BASICOS                [left and right arrow]

Projecao                               Elementos
                                      tipograficos

Elementos    Posicao no plano
basicos      Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Objetos      Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Texturas     Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

ASPECTOS TECNICOS                     ASPECTOS COMUNICATIVOS
ELEMENTOS BASICOS                     [left and right arrow]

Projecao                                     Conceito

Elementos    Posicao no plano    O conceito do proieto e a
basicos      Peso / Escala       excentricidade Mendelsohn busca
             Estrutura Formal    encontrar formas unicas a fim de
             Cores               produzir um edificio inovador que
             Composicao          ao mesmo tempo pareca pertencer
                                 ao lugar As linhas de contomo
Objetos      Posicao no plano    demonstram 0 intencao de inserir
             Peso / Escala       0 edificio na linha curva que
             Estrutura Formal    pode ser traduzida nomo 0 terreno
             Cores               E interessante notar que os
             Composicao          contornos sao linhas continuas
                                 traduzindo a relacao de
Texturas     Posicao no plano    pertencimento do edificio em
             Peso / Escala       relacao ao terreno Os elementos
             Estrutura Formal    textura ilusionam uma realidade
             Cores               ao frui-dor. criando efeitos de
             Composicao          luz e sombra;

ASPECTOS TECNICOS                       ASPECTOS COGNITIVOS
ELEMENTOS BASICOS                      ELEMENTOS CONTEXTUAIS

Projecao                         Ench Mendeisonh e um arquiteto
                                 moderno com influencia do
                                 movimento expressionis ta: Foi
Elementos    Posicao no plano    ideahzado que 0 material
basicos      Peso / Escala       construtivo a ser utiizado fosse
             Estrutura Formal    0 concreto, com 0 intuito de
             Cores               ressaltar 0 conceito porem com as
             Composicao          limitacoes das tecnicas
                                 construtivas da epoca, durarte a
Objetos      Posicao no plano    construcao do edificio foram
             Peso / Escala       feitas adequacoes no projeto
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Texturas     Posicao no plano
             Peso / Escala
             Estrutura Formal
             Cores
             Composicao

Quadro 5 Comparacao entre os desenhos de esboco analisados na
pesquisa. Fonte: elaborado pela autora.

Arquiteto                 Toyo Ito               Erich Mendelsohn

Contexto                 Seculo XXI                 Seculo XX
Tecnicas             Plana, horizontal         Plana, axonometrica
  construtivas
Elementos             Uso de todos os            Predominancia de
  graficos          elementos--basicos,        elementos basicos e
                      objeto e textura               textura

Elementos           Uso de tipografia--      Nao utiliza a tipografia
  comunicativos   auxilia no entendimento
                    dos signos graficos
                  utilizados nos recursos
                       diagramaticos
COPYRIGHT 2019 Sociedade Brasileira de Design da Informacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Rodrigues, Raissa Araujo; Moreira, Daniel de Carvalho
Publication:Brazilian Journal of Information Design
Date:May 1, 2019
Words:6415
Previous Article:Graphic representation: A critical approach about the theories of representation and perception of Gombrich and Arnheim in the context of graphic...
Next Article:Information design for computational artifacts: flows and interations/Design da informacao para artefatos computacionais: fluxos e interacoes.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters