Printer Friendly

Development and verification of an instrument for assessing expectations of new hearing aid users/Desenvolvimento e verificacao de um instrumento de avaliacao das expectativas de novos usuarios de aparelhos de amplificacao sonora individual.

INTRODUCAO

A perda auditiva e assunto de crescente destaque na medida em que campanhas de conscientizacao e atencao a saude auditiva ganham forca na sociedade atual. Dessa forma, a procura por auxilio frente as dificuldades ocasionadas pela perda auditiva crescem a cada dia, principalmente entre a populacao adulta e idosa.

Em casos em que nao ha outra forma de tratamento, como o cirurgico ou o medicamentoso, a opcao mais adequada, quando indicada pelo medico otorrinolaringologista, e a adaptacao de aparelho de amplificacao sonora individual.

Atualmente, a tecnologia avancada na area audiologica possibilita inumeras formas de amenizar as dificuldades enfrentadas por pacientes com perda auditiva, gerando, com frequencia, expectativas muito elevadas com relacao ao uso de aparelho de amplificacao sonora individual. A expectativa sobre os aparelho de amplificacao sonora individual parece ser o fator mais decisivo para uma adaptacao bem sucedida1 e deve ser abordada antes da adaptacao dos aparelhos de amplificacao sonora individual, constituindo-se como parte da reabilitacao auditiva [2].

Considerando que a preocupacao com o bemestar do paciente deve nortear as decisoes do audiologista, e de fundamental importancia investigar o que o paciente espera do seu processo de reabilitacao auditiva a fim de melhor orienta-lo no decorrer de sua adaptacao.

Para avaliacao de aspectos subjetivos como a expectativa, estao disponiveis na literatura, alguns estudos que utilizaram questionarios ou escalas para qualificar e quantificar as expectativas preadaptacao dos individuos candidatos ao uso de aparelho de amplificacao sonora individual [2-3]. O primeiro estudo avaliou 60 individuos adultos e idosos coma a aplicacao do 'The Expected Consequences of Hearing Aid Outcome"--ECHO [4]. O segundo, estudo brasileiro, avaliou amostra semelhante ao presente trabalho, tambem aplicando um modelo de questionario proprio, desenvolvido especialmente para o estudo. Ressalta-se que o instrumento nao se encontra disponivel na literatura. E importante salientar que, apesar de sua existencia, estes instrumentos, ou nao estao publicados ou nao se aplicam a realidade da populacao brasileira, usuaria de aparelhos de amplificacao sonora individual, principalmente quando esta, e a atendida pelo Sistema Unico de Saude--SUS.

Os propositos deste estudo foram desenvolver um instrumento que possibilite a mensuracao do grau de expectativa quanto ao uso de aparelho de amplificacao sonora individual do paciente adulto/ idoso atendido no SUS; e verificar o nivel de reprodutibilidade do mesmo.

METODO

Participaram deste estudo 19 pacientes que aguardavam o recebimento de aparelho de amplificacao sonora individual, atraves do Programa de Concessao de Proteses Auditivas de fluxo continuo da Secretaria de Assistencia a Saude do Ministerio da Saude, desenvolvido em uma clinica-escola da Universidade Federal de Santa Maria. Foram excluidos da amostra os individuos com menos de 18 anos de idade, portadores de perda auditiva de grau severo ou profundo bilateral e aqueles que ja tiveram algum tipo de experiencia previa com aparelho de amplificacao sonora individual.

A construcao do questionario baseou-se nos demais instrumentos relacionados ao tema disponiveis na literatura e, principalmente, nos relatos dos pacientes candidatos ao uso de aparelho de amplificacao sonora individual, atendidos na clinica-escola onde se realizou o estudo.

Inicialmente realizou-se o levantamento dos principais relatos dos pacientes atendidos no servico e colocando-os em forma de pergunta, resultando em uma lista de 26 questoes. A partir dai, foram realizadas quatro aplicacoes-piloto, em pacientes voluntarios que atendiam os criterios de inclusao deste estudo, tendo sido verificada a necessidade de adequacoes imediatas, que primeiramente foi reduzir ao maximo o numero de questoes do instrumento, com o objetivo de buscar uma versao viavel, em termos de praticidade de aplicacao e objetividade. Alem disso, tambem realizou-se a substituicao de alguns termos por outros que facilitassem a compreensao por parte do paciente e, principalmente, quanto a forma da resposta a ser dada.

A maior dificuldade encontrada foi especificamente quanto a escolha da melhor forma de resposta ao questionario, visto que necessitariamos empregar uma forma simples e de facil entendimento, para que nao se perdesse o proposito desafiador de objetivar um aspecto totalmente subjetivo e ainda fazer com o que o instrumento resultante fosse pratico e facil de aplicar. Utilizamos para fins de teste, as escalas numericas e tambem as respostas fechadas com necessidade de escolha de uma, dentre multiplas possibilidades. A medida que eram realizadas as aplicacoes-piloto, percebemos que os pacientes compreendiam melhor e se posicionavam mais facilmente quanto a pergunta quando havia, no maximo, tres possibilidades de resposta, dentre as quais ele deveria escolher apenas uma.

Apos as adequacoes, a versao final do questionario ficou composta de 12 questoes e sera apresentada na exposicao dos resultados, juntamente com a descricao sobre a forma de aplicacao e interpretacao do mesmo.

Para maior confiabilidade dos dados, a aplicacao do questionario foi realizada sempre pelo mesmo profissional, sob as mesmas condicoes e sempre da mesma forma. Para verificacao da reprodutibilidade do mesmo, utilizou-se a estrategia de teste e re-teste, com intervalo de sete dias entre a primeira e a segunda aplicacao.

Para a realizacao deste estudo foi obtida a autorizacao formal dos individuos participantes para a utilizacao dos dados coletados, atraves da assinatura do "Termo de Consentimento Livre e Esclarecido". Ressalta-se que este estudo e vinculado ao projeto "Pesquisa e Base de Dados em Saude Auditiva", registrado no Gabinete de Projetos sob o no. 019731 e aprovado pelo Comite de Etica em Pesquisa com certificado no. 0138.0.243.000-06, em 05/12/2006.

Os dados obtidos foram organizados em um banco de dados, atraves do programa Excel e submetidos a analise estatistica para estimar o nivel de concordancia a partir do coeficiente Kappa simples, utilizando-se o programa STATA, versao 10.0 Statistics/Data Analysis. Os valores de concordancia considerados estao de acordo com os sugeridos pela literatura especializada [5], onde k<0,10 (ausencia de concordancia); de 0,11 a 0,40 (fraca); 0,41 a 0,60 (discreta); de 0,61 a 0,80 (moderada); de 0,81 a 0,99 (substancial) e 1,0 (concordancia perfeita).

RESULTADOS

Sera apresentado a seguir o questionario desenvolvido (figura 1), apos os ajustes e consideracoes necessarias, com base no estudo de reprodutibilidade do instrumento.

O questionario contem 12 questoes, divididas em duas dimensoes. A primeira, constituida de sete questoes, aborda as expectativas do paciente quanto ao uso dos aparelhos auditivos em situacoes familiares, com pessoas desconhecidas, em locais ruidosos, ao telefone, ao assistir televisao ou ouvir radio, e a expectativa quanto ao restabelecimento de suas condicoes auditivas. Ja a segunda, constituida de cinco questoes, aborda as preocupacoes quanto ao uso da amplificacao, incluindo aspectos diretamente relacionados ao manuseio dos aparelhos de amplificacao sonora individual, aspectos emocionais, esteticos e a possivel influencia de terceiros no processo de adaptacao.

O instrumento traz como opcoes de respostas as alternativas NAO (1 ponto), TALVEZ/NAO SEI (2 pontos) e SIM (3 pontos). Dessa forma, quanto as expectativas, a pontuacao minima possivel e de 7 pontos e representa o nivel minimo ou ausencia de expectativas. Por outro lado, a pontuacao maxima nesta mesma dimensao e de 21 pontos, a qual representa o nivel maximo de expectativas do paciente quanto ao uso de aparelho de amplificacao sonora individual. Ja quanto as preocupacoes, a pontuacao minima possivel e de 5 pontos e representa o minimo de preocupacao. A pontuacao maxima possivel e de 15 pontos, e retrata o nivel maximo de preocupacao do paciente quanto ao uso de aparelho de amplificacao sonora individual.

O estudo, conforme ja exposto, seguiu a estrategia teste-reteste, sendo que o questionario foi aplicado em um grupo de 19 sujeitos, constituido por sete mulheres e 12 homens, com idades entre 24 e 88 anos, candidatos ao uso de aparelho de amplificacao sonora individual e que se adequaram aos criterios de exclusao acima descritos.

E importante ressaltar que foi verificada a necessidade de adequacao de duas questoes, diferenciando-as para aplicacao em individuos adultos e idosos. Assim sendo, o questionario foi compilado e apresenta, simultaneamente, as questoes direcionadas aos individuos adultos e idosos, novos usuarios de aparelho de amplificacao sonora individual. A diferenciacao entre as questoes dirigidas especiticamente aos individuos idosos, ficou determinada pela indicacao do asterisco (*).

Os resultados obtidos no estudo de reprodutibilidade do questionario mostraram, um nivel de concordancia satisfatorio (>0,61) para 9 questoes (75%), discreto (0,41 a 0,60) para 2 questoes (16,6%) e fraco (0,11 a 0,40) para apenas 1 questao (8,3%), conforme a tabela 1.

DISCUSSAO

O desenvolvimento de um instrumento para avaliacao das expectativas do paciente candidato ao uso de aparelhos de amplificacao sonora individual foi uma iniciativa que visou suprir as necessidades da area da audiologia em avaliar objetivamente tais aspectos.

No processo de desenvolvimento do questionario, deparamo-nos com diversos impasses, os quais serao descritos na discussao a seguir.

Inicialmente, discutiremos a forma de apresentacao do questionario. O formato das questoes apresentadas em duas dimensoes foi resultado de diversas tentativas anteriores, as quais nos permitiram observar, bem como em outros estudos [6], que os questionarios extensos e com questoes muito especificas, dificultam a sua aplicacao por parte do examinador, bem como a compreensao das questoes por parte do individuo avaliado. Da mesma forma, os aspectos relacionados com a auto-percepcao da dificuldade auditiva e aqueles relacionados com fatores extrinsecos ao individuo, mostraram-se melhor dimensionados e contextualizados, quando analisados separadamente.

Por exemplo, se o paciente possui um tipo de perda muito complexa para adaptacao da protese, as habilidades auditivas encontram-se muito alteradas, ou ainda, a idade do paciente e muito avancada e a sua expectativa e de que todos os seus problemas auditivos sejam resolvidos com a protetizacao, pode haver uma combinacao de fatores que impecam que tal expectativa seja alcancada. Dessa forma, sua satisfacao e de dificil alcance, pois a expectativa com relacao aos aspectos positivos do processo era muito alta.
Figura 1

QUESTIONARIO PARA AVALIACAO DAS EXPECTATIVAS DO ADULTO/IDOSO *,
NOVO USUARIO DE APARELHO DE AMPLIFICACAO SONORA INDIVIDUAL

Instrucoes: Este questionario constitui-se em um instrumento que
permite ao audiologista conhecer o que espera um paciente
adulto/idoso, candidato ao uso de aparelho de amplificacao sonora
individual, com relacao a sua reabilitacao. O mesmo possui 12
questoes, divididas em duas escalas ou dimensoes, das quais uma e
referente as expectativas e outra as preocupacoes destes pacientes,
abordando os principais aspectos envolvidos nos momentos que
antecedem a primeira experiencia com aparelho de amplificacao
sonora individual. O instrumento devera ser aplicado pelo
profissional responsavel, sendo que todas as questoes devem ser
lidas e explicadas ao paciente, sempre que necessario. Para todas
as questoes e possivel apenas uma opcao de resposta.

Expectativas Com o uso dos aparelhos de amplificacao sonora
individual, o(a) Sr(a):

1. Espera entender mais facilmente as pessoas com quem convive?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

2. Espera que a convivencia com a sua familia, amigos ou colegas de
trabalho melhore, pois vai conseguir compreende-los mais facilmente?

* Espera que a convivencia com a sua familia e amigos melhore, pois
vai conseguir compreende-los mais facilmente?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

3. Espera sentir-se mais a vontade para conversar com estranhos e
frequentar estabelecimentos comerciais e de servicos em geral?

* Espera sentir-se mais a vontade para conversar com estranhos
e/ou mais independente para frequentar estabelecimentos comerciais
e de servicos em geral, sem acompanhante?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

4. Espera entender melhor as pessoas em locais barulhentos como
reunioes, restaurantes, festas, cultos religiosos?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

5. Espera entender melhor ao telefone?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

6. Espera entender melhor a TV ou radio com o volume mais baixo?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

7. Espera escutar como escutava antes de ter problema de audicao?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

Preocupacoes
Quando for um usuario de protese(s) auditiva(s), o(a) Sr(a):

8. Os cuidados com a(s) protese(s) auditiva(s) serao motivo de
preocupacao (saber/lembrar de coloca-las, trocar a pilha, observar os
cuidados quanto a higiene, etc)?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

9. Pensa que a(s) protese(s) auditiva(s) farao voce parecer uma pessoa
deficiente, velha e/ou incapaz?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

10. Do ponto de vista estetico, vai se sentir
desconfortavel/incomodado usando a(s) protese(s) auditiva(s)?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

11. Espera que o uso da(s) protese(s) auditiva(s) seja temporario
e que, atraves do uso sua audicao pode vir a melhorar, ate nao
precisar mais delas?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM

12. Tem alguma experiencia previa de insucesso ou relato de
algum conhecido ou familiar que nao teve bom resultado com o uso de
aparelho de amplificacao sonora individual?

( ) NAO

( ) TALVEZ/NAO SEI

( ) SIM


Por outro lado, o paciente que chega a clinica com conceitos pre-concebidos relacionados ao aparelho de amplificacao sonora individual, pode dificultar sua propria aceitacao do processo de adaptacao, e assim influenciar a obtencao de bons resultados e, consequentemente a satisfacao. A influencia de usuarios que estao proximos ao paciente ou ate mesmo da midia podera fazer com que o paciente tenha mais dificuldade em colaborar e perceber o quanto os aparelhos de amplificacao sonora individual estao lhe proporcionando melhoras em seu processo comunicativo.

O contrario tambem pode se tornar verdadeiro, em uma situacao em que o paciente, mesmo sendo resistente ao uso de aparelhos de amplificacao sonora individual por conhecer casos de insucesso, acaba tendo suas expectativas superadas a partir da experiencia auditiva com o uso de amplificacao.

Assim sendo, verificamos que as sete questoes que envolvem as expectativas e as cinco questoes que envolvem os aspectos negativos da protetizacao, contemplam satisfatoriamente os aspectos mais frequentes e relevantes observados na rotina clinica, pois levantam de forma objetiva o que estamos investigando, alem de nao ser muito extenso, facilitando assim a aplicacao, pois nao demanda muito tempo e nem cansa o paciente.

Considerando ainda a forma de resposta fechada, acreditamos que, para tratar de um aspecto tao subjetivo quanto a expectativa, o ideal seria utilizar um material que nao oferecesse risco de direcionar o individuo a algum tipo conhecido de resposta, como ocorre nos questionarios que utilizam este tipo de respostas. No entanto, a opcao final por uma forma estruturada, onde o tipo de resposta e fechado torna a aplicacao do instrumento mais objetiva e rapida, bem como a analise das respostas obtidas [6], principalmente quando se trata do contexto de pesquisa.

Alem disso, a opcao por tres alternativas de resposta (NAO; NAO SEI/TALVEZ; SIM), objetivou possibilitar tambem a neutralidade as respostas dos individuos avaliados. A ausencia da categoria central NAO SEI/TALVEZ, poderia conduzir o entrevistado a uma tendencia positiva ou negativa irreal [7].

A escolha do tipo de questao deve estar de acordo tambem com as caracteristicas da populacao em estudo [6]. Dessa forma, a escolha de tres categorias de resposta tambem se deve ao fato de que percebemos, ao longo do estudo, que escalas de graduacao com muitas alternativas dificultam o posicionamento do individuo avaliado, principalmente, quando tratam-se de pacientes idosos.

Outro aspecto que se constitui um desafio quando se trata da elaboracao de um instrumento, e a dificil tarefa de fazer com que as questoes fiquem totalmente claras e acessiveis a populacao que se deseja estudar. Em nosso estudo, verificamos a necessidade do emprego de uma linguagem menos cientifica e mais simplificada ou, em outros casos, a reformulacao total da forma de abordar a questao.

Por sua vez, com relacao a reprodutibildade, observou-se que o questionario avaliado apresentou alto nivel de concordancia na maioria das questoes que o compoe (75%). Aquelas que nao apresentaram um nivel de concordancia aceitavel (questoes 7, 10 e 11), obtiveram niveis fracos ou discretos de concordancia.

Determinar o nivel de concordancia de um instrumento e de fundamental importancia, pois associada a este esta a qualidade dos dados que serao coletados atraves dele [8,9].

Segundo a literatura [10], e desejavel, para os estudos exploratorios, um nivel de concordancia superior a 0,61 (satisfatoria), no entanto niveis entre 0,50-0,60 sao tambem considerados. Ainda, segundo o autor, devem ser eliminadas apenas as questoes com niveis de reprodutibilidade inferior a 0,20 ou aquelas com efeito negativo. Estudos semelhantes utilizaram os mesmos parametros indicados pelo autor [11-15].

O valor minimo de concordancia encontrado no estudo foi 0,28 (fraca), nao sendo, portanto, obrigatoria a sua eliminacao.

Acredita-se que a maior variacao de respostas nas questoes apontadas se relaciona ao fato destas tratarem de experiencias novas e envolverem aspectos nunca antes pensados pelos pacientes. Dessa forma, julgamos natural que houvesse variacao das respostas, tendo em vista que o paciente poderia estar em processo de formacao de opiniao sobre o assunto. Devido a relevancia das questoes, optou-se pela manutencao das mesmas no questionario, mediante alguns ajustes.

Uma das tres questoes que apresentaram menor nivel de reprodutibilidade, pertence ao conjunto de variaveis relacionadas as expectativas: "7--Espera escutar como escutava antes de ter problema de audicao?". Esta trata dos resultados que o paciente espera alcancar com o uso dos aparelhos de amplificacao sonora individual, comparado a audicao que um dia tivera. Observamos que com a adequacao da questao para: "7--Espera escutar como escutava quando nao percebia a dificuldade auditiva?", tornou-se mais claro o objetivo da pergunta. No caso dos individuos idosos o formato "7--Espera escutar como escutava quando era mais jovem?" se tornou ainda mais claro.

O mesmo ocorreu nas outras duas questoes que apresentaram baixo nivel de concordancia, as quais pertencem ao conjunto de variaveis relacionadas as preocupacoes: "10--Do ponto de vista estetico, vai se sentir desconfortavel/incomodado usando os aparelhos de amplificacao sonora individual?" e "11--Espera que o uso dos aparelhos de amplificacao sonora individual seja temporario e que, atraves do uso, sua audicao pode vir a melhorar ate nao precisar mais delas?". Verificamos que os seguintes ajustes, tornaram mais claros tambem os objetivos destas questoes: "10--Do ponto de vista estetico, vai se sentir pouco a vontade/envergonhado usando os aparelhos de amplificacao sonora individual?" e "11--Espera que os aparelhos de amplificacao sonora individual funcionem como um 'remedio', o qual sera utilizado temporariamente e que vai 'curar' a audicao?".

Finalmente percebemos que e muito importante a preocupacao com que o paciente pensa e sente no momento de decidir sobre o uso de aparelhos de amplificacao sonora individual. Por isso ressaltamos a importancia do desenvolvimento de trabalhos como este, que visam disponibilizar instrumentos que venham a auxiliar tanto o fonoaudiologo como o paciente, contribuindo para um satisfatorio processo de reabilitacao auditiva.

CONCLUSAO

Os resultados encontrados sugerem que o instrumento testado apresenta um nivel de reprodutibilidade satisfatorio, sendo uma boa opcao para avaliar o nivel de expectativa do paciente candidato ao uso de aparelhos de amplificacao sonora individual. Este instrumento pode ser util, tambem, para nortear o trabalho de aconselhamento e preparacao do paciente dentro do processo de selecao e adaptacao de aparelhos de amplificacao sonora individual.

AGRADECIMENTOS

A Fga. Sineia Neujahr dos Santos, pelo valioso auxilio prestado na analise estatistica dos dados obtidos neste estudo.

REFERENCIAS

[1.] Suman P, Blasca WQ, Ferrari DV. Avaliacao subjetiva da expectativa quanto ao uso do aparelho de amplificacao sonora individual: correlacao com aspectos auditivos, sociais e economicos. Disturb Comun. 2008; 20(1): 107-14.

[2.] Saunders GH, Lewis MS, Forsline A. Expectations, prefitting counseling, and hearing aid outcome. J Am Acad Audiol; 2009; 20(5): 320-34.

[3.] Santos I, Couto CM. Expectativa e Satisfacao do Idoso Em Relacao a Protese Auditiva. 16o Congresso Brasileiro de Fonoaudiologia; 24 a 27 de set. Campos do Jordao, SP, Brasil; 2008.

[4.] Cox RM, Alexander GC. Expectations about hearing aids and their relationship to fitting outcome. J Am Acad Audiol. 2000;11(7):368-80.

[5.] Shout PE. Measurement reliability and agreement in psychiatry. Stat Methods Med Res. 1998; 7(3): 301-17.

[6.] Amaro A, Povoa A, Macedo l. A arte de fazer questionarios. [Trabalho de conclusao de disciplina]. Universidade do Porto; Cidade do Porto; 2005.

[7.] Alexandre JWC, Andrade DF de, Vasconcelos AP de, Araujo MAS de, Batista MJ. Analise do numero de categorias da escala de Likert aplicada a gestao pela qualidade total atraves da teoria da resposta ao item. XXIII Encontro Nac. de Eng. de Producao; 21 a 24 de out. Ouro Preto, MG, Brasil; 2003.

[8.] FariasJrJC, PiresMC, LopesAS. Reprodutibilidade de um questionario para o levantamento de informacoes sobre comportamentos relacionados a saude em adolescentes. Rev. Bras. Ciencia e Mov. 2002; 10: 43-8.

[9.] Campos MR, Leal MC, Souza Jr PR de, Cunha CB da. Consistencia entre fontes de dados e confiabilidade interobservador do Estudo da Morbimortalidade e Atencao Peri e Neonatal no Municipio do Rio de Janeiro. Cad. Saude Publica. 2004; Sup 1:S34-43.

[10.] Ravid R. Practical statistics for educators. University Press of America, New York, 2000.

[11.] Leite IHM, Waissmann W, Veggi AB. Desenvolvimento e reprodutibilidade de questionario para avaliar praticas e conhecimentos em seguranca alimentar de nutricionistas da area clinica. Rev. Nutr. 2007; 20(4): 397-404.

[12.] Nahas MV, Rabacow FM, Pereira SV, Borgatto AF. Reprodutibilidade de uma escala para avaliar a percepcao dos trabalhadores quanto ao ambiente e as condicoes de trabalho. Rev. Bras. Saude Ocup. 2009; 34 (120): 179-83.

[13.] Camara VM, Souza DPO de, Filhote MIF, Luiz RR, Souza CO de, Meyer A. Confiabilidade de questionario de conhecimento sobre exposicao ao mercurio na producao de ouro. Rev. Saude Publica. 2009; 43(2): 373-6.

[14.] Lima TC de. Elaboracao, validacao e aplicacao de um instrumento para caracterizacao de uma populacao com 50 anos ou mais portadora do HIV/ AIDS. [Dissertacao de mestrado]. Universidade Estadual de Campinas--UNICAMP--Faculdade de Ciencias Medicas, Campinas, SP, 2009.

[15.] Zanolla AF, Olinto MTA, Henn RL, Wahrlich V., Anjos LA dos. Avaliacao de reprodutibilidade e validade de um questionario de frequencia alimentar em adultos residentes em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saude Publica. 2009; 25(4): 840-8.

Larissa Cristina Schuster (1), Maristela Julio Costa (2), Karine Thais Becker (3), Tais Regina Hennig (4)

(1) Fonoaudiologa do Projeto de Promocao da Saude Auditiva da Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria, RS; Aluna de mestrado do Programa de Pos-graduacao em Disturbios da Comunicacao Humana na Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria, RS.

(2) Fonoaudiologa; Professora Adjunta do Curso de Fonoaudiologia e do Programa de Pos-Graduacao em Disturbios da Comunicacao Humana da Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria, RS; Doutora em Ciencias dos Disturbios da Comunicacao Humana pela Universidade Federal de Sao Paulo.

(3) Fonoaudiologa do Projeto de Promocao da Saude Auditiva da Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria, RS; Aluna de mestrado do Programa de Pos-graduacao em Disturbios da Comunicacao Humana na Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria, RS.

(4) Fonoaudiologa do Projeto de Promocao da Saude Auditiva da Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria, RS; Aluna de mestrado do Programa de Pos-graduacao em Disturbios da Comunicacao Humana na Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, Santa Maria, RS.

Conflito de interesses: inexistente

http://dx.doi.org/ 10.1590/S1516-18462011005000069

RECEBIDO EM: 20/08/2010

ACEITO EM: 24/03/2011

Endereco para correspondencia:

Larissa Cristina Schuster

Rua Duque de Caxias, 1505/308--Centro

Santa Maria--RS

CEP: 97015-190

E-mail: larissa.schuster@gmail.com
Tabela 1

           Porcentagem de
            concordancia      Coeficiente
Questao   teste/reteste (%)    Kappa (k)    Concordancia

1               94,7             0,88       Substancial
2                100               1          Perfeita
3                100               1          Perfeita
4               94,7             0,88       Substancial
5               94,7             0,88       Substancial
6                100               1          Perfeita
7               52,6             0,28          Fraca
8               78,9             0,78         Moderada
9               89,5             0,84       Substancial
10              63,2             0,44         Discreta
11              63,2             0,44         Discreta
12              73,7             0,75         Moderada

Analise realizada utilizando-se o coeficiente Kappa simples, onde
k<0,10 (ausencia de concordancia); de 0,11 a 0,40 (fraca); 0,41 a
0,60 (discreta); de 0,61 a 0,80 (moderada); de 0,81 a 0,99
(substancial) e 1,0 (concordancia perfeita).
COPYRIGHT 2012 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2012 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:Schuster, Larissa Cristina; Costa, Maristela Julio; Becker, Karine Thais; Hennig, Tais Regina
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:Mar 1, 2012
Words:3926
Previous Article:About the object of the speech-language clinics/sobre o objeto da fonoaudiologia.
Next Article:Respiratory muscle strength, body posture, vocal intensity and maximum phonation times in Parkinson Disease/ Forca muscular respiratoria, postura...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters