Printer Friendly

Desempeno economico de la mayor empresa de servicios educativos del mundo: un estudio de Kroton Educativa con base en sus segmentos operativos.

Financial Performance of the Biggest Educational Company in the World: A Study on Kroton Educacional Based on its Operative Segments

Desempenho economico da maior empresa de servicos educacionais do mundo: um estudo da Kroton Educacional com base em seus segmentos operacionais

Introducao

O setor de servicos educacionais envolve atividades que processam informacoes e conhecimentos (Tureta, Rosa e Oliveira, 2007). Conforme Campos (2017), a educacao se destaca em relacao a formacao de carater, ao conhecimento de valores eticos e ao desenvolvimento da visao critica dos individuos, o que assume um importante papel na construcao da sociedade. Observa-se que o Brasil consolidou seu sistema de educacao com duas esferas bem definidas: a publica que envolve instituicoes publicas federais, estaduais e municipais e a privada formada por instituicoes particulares, confessionais, comunitarias e filantropicas (Neves, 2012).

As instituicoes de ensino privadas tem expressiva participacao no contexto nacional, principalmente na educacao de nivel superior. Segundo Carbonari (2011), a expansao da educacao superior intensificou-se a partir dos anos 2000. De acordo com dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira (INEP, 2017), o Brasil foi o quinto maior mercado de ensino superior do mundo e o maior mercado de ensino superior da America Latina no ano de 2015, com aproximadamente 8 milhoes de matriculas. A partir da mobilizacao de recursos privados e da orientacao para o atendimento da demanda de mercado, esse setor vem apresentando grande crescimento (Sampaio, 2014).

As empresas que atuam na area de educacao precisam atender as legislacoes especificas, manter a qualidade dos servicos e disputar clientes (os alunos), ao mesmo tempo em que necessitam implementar sistemas de gestao adequados e gerar retorno financeiro para seus proprietarios. A expansao de instituicoes de ensino privadas acirrou a competitividade nesse setor (Tureta et al., 2007).

Com a maior facilidade no acesso dos alunos ao ensino superior privado, as grandes empresas de capital aberto ganharam maior espaco e passaram por processos de expansao. Atualmente, quatro grandes organizacoes do setor de servicos educacionais estao listadas na bolsa de valores brasileira, a B3 (Brasil, Bolsa, Balcao). Sao elas: Estacio Participacoes S.A., GAEC Educacao S.A., Kroton Educacional S.A. e Ser Educacional S.A. (Brasil, Bolsa, Balcao [B3], 2017). Dentre estas, a Kroton destaca-se como a maior empresa do setor, pois obteve uma receita liquida total acima de 5 bilhoes de reais no ano de 2016 e apresentou um ativo total superior a 17 bilhoes de reais em 31 de dezembro do mesmo ano.

Fundada em 1966 na cidade de Belo Horizonte (MG), a Kroton e a maior organizacao educacional privada do Brasil e do mundo, com mais de um milhao de alunos (Kroton Educacional, 2017). Conforme Andrade et al. (2013), apos diversas fusoes e aquisicoes (F&A) que foram efetuadas a partir de 2010, essa empresa possui o maior portfolio de servicos educacionais do pais (com atuacao desde o maternal ate a pos-graduacao) e e considerada uma referencia na plataforma de educacao a distancia (EAD). Assim, a empresa investiu em uma estrategia de expansao e diversificacao e atua em diferentes segmentos operacionais.

Os segmentos operacionais podem ser entendidos, de forma ampla, como as unidades que compoem as operacoes da empresa (Garrison, Noreen e Brewer, 2013). De acordo com Benjamin, Muthaiyah, Marathamuthu e Murugaiah (2010), o desempenho geral do negocio e uma combinacao do desempenho de seus elementos individuais. Assim, ao efetuar uma analise economica de uma grande companhia, como a Kroton, e importante observar os resultados auferidos por seus diferentes segmentos operacionais. Para empresas com operacoes diversificadas, e provavel que a lucratividade e a rentabilidade variem significativamente entre os segmentos (Kang & Gray, 2013).

Desde 2010, a partir da aplicacao do pronunciamento contabil CPC22: Informacoes por Segmento (Comite de Pronunciamentos Contabeis [CPC], 2009), as empresas de capital aberto brasileiras devem divulgar as informacoes contabeis por segmentos operacionais, em suas demonstracoes financeiras anuais completas. Foi no contexto do processo de adocao das normas internacionais de contabilidade, as International Financial Reporting Standards (IFRS), que essa divulgacao passou a ser obrigatoria.

O CPC 22 levou para o cenario brasileiro as exigencias da norma internacional IFRS 8 (Operating Segments), emitida pelo International Accounting Standards Board (IASB, 2006). Em linha com a tendencia das normas internacionais de contabilidade, o CPC 22 e baseado em principios (e nao em imposicoes rigidas), o que permite um elevado grau de subjetividade na sua aplicacao. A norma adota o criterio da abordagem gerencial (management approach) para a divulgacao de informacoes. De acordo com essa abordagem, a segmentacao deve refletir os mesmos criterios utilizados na contabilidade gerencial de cada instituicao e estar de acordo com politicas contabeis e formas de divulgacao internas (Aleksanyan e Danbolt, 2015; Bugeja, Czernkowski e Moran, 2015).

Essa divulgacao tem como principio basico que a entidade divulgue informacoes que permitam avaliar a natureza e os efeitos financeiros das atividades de negocio nas quais esta envolvida e os ambientes economicos nos quais opera (CPC, 2009). Dessa forma, existe a expectativa de que a utilizacao das informacoes por segmentos apresentadas pelas empresas possa contribuir para analises financeiras mais detalhadas, as quais levem em consideracao as diferencas entre os segmentos operacionais que compoem o negocio.

Destaca-se que a divulgacao de informacoes por segmentos e discutida na literatura internacional desde a decada de 1970 e que a producao cientifica brasileira sobre esse tema vem ganhando forca desde de 2011 (Souza, Neto, Mendonca e Benedicto, 2016). Entretanto, muitos dos aspectos relacionados aos impactos de tais informacoes no mercado de capitais ainda nao foram explorados pela literatura cientifica. Em especial, nao se identificou nenhum estudo anterior que abordasse a analise economica baseada em indicadores calculados utilizando as informacoes por segmentos operacionais referentes a uma empresa especifica. Nesse sentido, o presente estudo representa um avanco ao propor de maneira inedita a execucao de analises economicas de uma empresa utilizando os indicadores por segmentos operacionais.

De acordo com os aspectos apresentados, o presente trabalho tem como objetivo geral efetuar uma analise da lucratividade e da rentabilidade da Kroton Educacional S.A., no periodo de 2011 a 2016, tendo por base as informacoes por segmentos operacionais referentes a essa empresa. A analise e operacionalizada a partir do calculo e interpretacao de indicadores economicos, de forma a identificar o comportamento nao somente desses referentes a empresa como um todo, mas tambem daqueles que se referem aos seus diversos segmentos operacionais.

Assim, emerge o seguinte problema de pesquisa: como os diferentes segmentos operacionais da Kroton Educacional S.A. contribuiram para o desempenho economico dessa empresa no periodo de 2011 a 2016? A partir das informacoes por segmentos divulgadas nas demonstracoes contabeis anuais, torna-se possivel calcular os indicadores por segmento e analisar a participacao de cada um dos segmentos no desempenho total da entidade.

O trabalho pretende efetuar a identificacao de quais sao os segmentos mais lucrativos e/ou rentaveis para a Kroton Educacional e enfatizar a utilidade das informacoes por segmentos para a elaboracao de analises de desempenho economico. Conforme Benjamin et al. (2010), a analise das informacoes por segmentos pode permitir a comparacao das margens de lucro (ou prejuizo) de diferentes secoes, bem como a avaliacao da rentabilidade de cada uma delas. Como a divulgacao de informacoes por segmentos e uma tematica relativamente recente na literatura, ainda nao foram identificados artigos cientificos que explorassem empiricamente a utilizacao de dados segmentados das empresas brasileiras ao efetuar analises economicas.

Portanto, a pesquisa contribui para o desenvolvimento do conhecimento na area de contabilidade e financas e desperta interesse cientifico por preencher essa lacuna e por trazer de forma inovadora a perspectiva de analise de indicadores por segmentos operacionais para compreender mais detalhadamente a situacao economica de uma empresa. Espera-se que essa perspectiva favoreca a execucao de futuras analises e que complementem os resultados obtidos por meio da avaliacao de dados consolidados.

Ao abordar especificamente a Kroton Educacional S.A., o estudo evidencia como os indicadores por segmentos podem auxiliar para a melhor compreensao da realidade dessa organizacao. A utilizacao de dados segmentados torna-se relevante para entender as oportunidades e perspectivas futuras do negocio, pois o desempenho de uma empresa e uma combinacao do desempenho dos seus segmentos. Dessa forma, o calculo e a avaliacao dos indicadores por segmentos tem o potencial de gerar contribuicoes para diversos agentes do mercado de capitais, tais como analistas financeiros, gestores e investidores. Alem disso, o presente artigo podera servir de referencia para que futuros estudos dessa natureza sejam desenvolvidos, inclusive se abordassem outras empresas, o que permitiria o melhor detalhamento do comportamento da rentabilidade e da lucratividade destas.

A estrutura do artigo e composta por cinco secoes: apos esta introducao, primeira secao; e apresentado o referencial teorico que sustenta as discussoes efetuadas na pesquisa, segunda secao; na terceira secao, encontrase a descricao da metodologia utilizada; na quarta secao, sao apresentados os resultados da pesquisa; ja na quinta secao, encontram-se as consideracoes finais pertinentes ao estudo.

Artigo de pesquisa cientifica e tecnologica, derivado do projeto de pesquisa Divulgacao de informacoes por segmentos das empresas brasileiras: impactos sobre a qualidade das previsoes de lucros dos analistas de investimentos, executado na Universidade Federal de Lavras--UFLA (Brasil) no periodo de jun. 2016/jun. 2017--. Codigo de registro PVDAE381-2016.

Referencial teorico

Caracteristicas do cenario educacional brasileiro

No Brasil, a educacao escolar compoe-se de dois niveis: educacao basica e educacao superior. Conforme a Lei no. 9394 (1996), a educacao basica e formada pela educacao infantil, ensino fundamental e ensino medio. Por outro lado, a educacao superior envolve os cursos sequenciais, os de graduacao, os de pos-graduacao e os de extensao.

Conforme o INEP (2017), o mercado brasileiro de educacao basica privada tem crescido significativamente, com um aumento de 28% no numero de matriculas de 2008 a 2014. No ensino superior privado, tambem houve grande expansao, principalmente a partir dos anos 2000 (Carbonari, 2011). Como exposto na Sinopse da Educacao Superior do INEP (2015), do total de alunos matriculados no ensino superior em 2015, aproximadamente 76% estavam em instituicoes de ensino privadas.

A expansao no mercado de educacao foi influenciada pelas operacoes de fusoes e aquisicoes que vem sendo largamente usadas por empresas desse setor e que formaram grandes grupos que espalham suas operacoes em diversas partes do territorio nacional (Santos, 2016). A expressao "fusoes e aquisicoes" denota uma ampla gama de transacoes formalmente distintas. Conforme Teply, Starova e Cernohorsky (2010), uma aquisicao e definida como uma transacao na qual a companhia licitante adquire controle de propriedade sobre outra companhia, porem ambas permanecem como entidades legalmente independentes. O processo de fusao, por outro lado, consiste em uma transacao em que uma ou ambas das entidades envolvidas deixam de existir legalmente e os acionistas das empresas incorporadas obtem participacoes acordadas de uma unica entidade sucessora. Tais operacoes sao adotadas como parte de uma estrategia de crescimento e de ampliacao do escopo de atuacao das empresas.

Alem disso, Silvestre (2014) destaca que a Constituicao da Republica Federativa do Brasil (1988) foi um fator fundamental para o processo de desenvolvimento do setor educacional, uma vez que permitiu a livre exploracao de ensino superior pela iniciativa privada. Outro marco relevante foi a Lei de Diretrizes e Bases (LDB), que trouxe, no seu artigo 80, a possibilidade de ensino a distancia (EAD), em todos os niveis e modalidades de ensino, o que tornou possivel a oferta de cursos de graduacao a distancia (Silvestre, 2014).

Na modalidade EAD, o relacionamento entre instituicao de ensino e aluno e facilitado por tecnologias que envolvem meios eletronicos, impressos ou mecanicos, entre outros (Barth, 2014). Esse tipo de ensino teve um aumento significativo no pais devido ao seu poder de alcance e tambem a fatores economicos: os menores valores das mensalidades, para os alunos, e a reducao de custos, tais como os de instalacoes fisicas e os de mao de obra, para as empresas. Assim, a EAD e capaz de proporcionar o aumento da capilaridade das instituicoes de ensino, pois chega aos estudantes que estao em regioes em que nao ha instituicoes de ensino fisicas, e a diminuicao dos custos operacionais, por permitir atingir um numero maior de estudantes por docente e diminuir a necessidade de ocupacao de salas de aula (Secca e Souza, 2009).

Em busca de diminuir as desigualdades de classes em relacao a educacao no pais, o governo federal criou incentivos fiscais que ajudaram a formar um novo cenario educacional. Sousa (2009) afirma que o Estado brasileiro nao conseguiu assegurar a sociedade o acesso a educacao superior publica e passou a investir na expansao do ensino da educacao superior via rede privada de ensino.

Segundo Andrade et al. (2013), iniciativas do governo federal, como o Prouni (Programa Universidade para Todos) e o FIES (Fundo de Financiamento Estudantil), foram extremamente relevantes para o desenvolvimento da educacao superior privada no pais. O Prouni e destinado a concessao de bolsas de estudos para o pagamento das mensalidades de alunos em instituicoes privadas. Ja o FIES e um programa em que os alunos recebem um emprestimo para pagar as mensalidades as instituicoes e so comecam a pagar esse emprestimo um ano apos a conclusao do curso (Wainer e Melguizo, 2017).

Conforme apontado por Andrade et al. (2013), os programas de incentivo do governo federal podem ser considerados importantes para a consolidacao de grandes empresas privadas no setor brasileiro de servicos educacionais. Entretanto, Neves (2012) aponta que as instituicoes privadas de ensino apresentam ociosidade de vagas, altas taxas de evasao e expressiva inadimplencia. Para lidar com esses problemas, muitas instituicoes procuram diminuir os valores das mensalidades, o que pode prejudicar a lucratividade e a rentabilidade do negocio.

Os resultados financeiros das empresas que atuam nesse cenario dependem fortemente da cobranca de mensalidades, anuidades e taxas aos alunos. Amaral (2003) afirma que a legislacao brasileira concedeu as instituicoes privadas a oportunidade de fixar suas proprias mensalidades e deu enfase a relacao entre o consumidor (aluno) e o produto consumido (servico educacional). Observa-se, nesse sentido, que o custo do ensino privado varia de forma significativa em funcao do tipo de curso, do tipo de instituicao (por exemplo, centros universitarios ou faculdades) e da regiao em que e ofertado (Neves, 2012). Dessa forma, as empresas do setor educacional podem adotar a estrategia de atuar em diferentes segmentos operacionais (em termos de tipo de cursos ofertados, niveis de educacao, modalidades de ensino ou regioes geograficas abrangidas, dentre outras possiveis formas de segmentacao) e, assim, diversificar seus portfolios e buscar um melhor desempenho economico.

Divulgacao das informacoes por segmentos

No intuito de facilitar o processo de analise do desempenho de uma organizacao, muitos paises exigem que as empresas facam a divulgacao de informacoes contabeis por segmentos operacionais. Essa exigencia ganhou ainda mais relevancia no contexto de adocao das normas internacionais de contabilidade (as IFRS), principalmente a partir de 2006. Lemes e Carvalho (2004) afirmam que a harmonizacao contabil em ambito mundial surgiu como forma de atender a maximizacao da utilidade da informacao contabil para todos os usuarios, mas principalmente para os mercados de capitais.

As IFRS foram adotadas por diversos paises que possuem relevancia no cenario economico mundial, tais como os membros da Uniao Europeia, Australia, Hong Kong, Africa do Sul, Coreia do Sul, India e Canada (Pasini, 2015). Especificamente no Brasil, a exigencia de que as empresas de capital aberto divulguem as informacoes por segmentos passou a vigorar em 2009, a partir da emissao do pronunciamento contabil CPC 22: Informacoes por Segmento e de sua aprovacao pela Comissao de Valores Mobiliarios (CVM). O CPC 22 levou para o mercado brasileiro as exigencias da norma internacional IFRS 8, na qual estabelecem-se as diretrizes para a divulgacao de informacoes por segmento das empresas que atuam no pais (CPC, 2009).

As informacoes por segmentos devem refletir o fracionamento das atividades das empresas, ou seja, como sao estruturados internamente os negocios. De forma ampla, um segmento operacional pode ser entendido como cada unidade que compoe as operacoes da empresa (Garrison et al., 2013). Divulgar informacoes por segmentos consiste em apresentar, nas demonstracoes contabeis anuais auditadas, informacoes financeiras referentes a cada um dos segmentos operacionais identificados na empresa. Conforme Benjamin et al. (2010), a analise das informacoes por segmentos permite avaliar mais adequadamente as perspectivas futuras de uma empresa, uma vez que o desempenho do negocio e uma combinacao do desempenho de seus segmentos operacionais.

Segundo Frezatti, Rocha, Nascimento e Junqueira (2009), a maioria das medias e grandes empresas e dividida em varias unidades. Nestas empresas, pode ocorrer a adocao de um modelo de administracao descentralizada, por meio do qual a gestao e executada de forma segmentada e com resultados por atividades (Schvirck, 2014). Nas decisoes internas das empresas, a utilizacao de relatorios por segmentos tem o objetivo de auxiliar os gestores no processo de tomada de decisoes e detalhar informacoes financeiras segmentadas por linha de produtos, unidades de negocios, regioes de atuacao ou setores produtivos, entre outras formas (Garrison et al., 2013). Conforme Kang e Gray (2014), ter acesso a esses relatorios se torna fundamental tambem para os usuarios externos da contabilidade, que podem utilizar os dados desagregados com a finalidade de tomar decisoes e avaliar o desempenho do negocio--tanto no que concerne aos proprios segmentos quanto no ambito global--.

O principal argumento para a obrigatoriedade de divulgacao das informacoes por segmentos consiste na relevancia que as mesmas podem ter para seus usuarios, o que fornece subsidios para melhores analises economicas. Com o cenario de diversificacao dos negocios, os usuarios das demonstracoes contabeis passam a encontrar maior dificuldade para analisar os diferentes resultados dos segmentos na performance geral da empresa (Wilson, Davies, Curtis e Wilkinson-Riddle, 2001). Assim, cresce a necessidade de desagregacao e de maior nivel de individualizacao da informacao financeira, de forma a possibilitar a compreensao dos diversos componentes e segmentos de atuacao empresariais.

Seguindo a tendencia das Normas Internacionais de Contabilidade, o CPC 22 e baseado em principios, o que permite elevado grau de subjetividade em sua aplicacao. A norma adota o criterio da abordagem gerencial (management approach) para a divulgacao de informacoes. Aleksanyan e Danbolt (2015) explicam que, de acordo com essa abordagem gerencial, a segmentacao deve refletir os mesmos criterios utilizados na contabilidade gerencial de cada instituicao e estar de acordo com politicas contabeis e formas de divulgacao internas.

Conforme o CPC 22, um segmento operacional e definido como um componente da entidade que desenvolve atividades de negocio das quais pode obter receitas e incorrer em despesas, isto inclui receitas e despesas relacionadas com transacoes com outros componentes da mesma entidade. Estes resultados operacionais sao regularmente revistos pelo principal gestor das operacoes da entidade para a tomada de decisoes sobre recursos a serem alocados ao segmento e para a avaliacao do seu desempenho, assim como para o qual haja informacao financeira individualizada disponivel (CPC, 2009).

As empresas devem divulgar informacoes sobre cada segmento operacional identificado em sua estrutura, em suas demonstracoes contabeis anuais (CPC, 2009). O CPC 22 preconiza diversos tipos de itens qualitativos e quantitativos a serem divulgados e permite liberdade para a escolha do estilo de apresentacao das informacoes por segmentos, o que da margem a diferentes estrategias de divulgacao. Nesse sentido, Andre, Filip e Moldovan (2016) destacam que os gerentes tomam duas decisoes principais relacionadas a geracao de relatorios por segmento: quais segmentos operacionais sao reportados e quais itens sobre os segmentos sao divulgados.

Os relatorios por segmentos sao considerados como uma das mais importantes divulgacoes corporativas (Hope, Kang, Thomas e Vasvari, 2009). A utilidade desses relatorios e fundamentada na presuncao de diversidades de retornos e riscos entre os segmentos reportados. A partir das informacoes por segmentos, e possivel identificar, por exemplo, como e a estrutura de gestao da empresa, onde ela obtem maiores ganhos, com quais linhas de produto opera e quais sao as margens de lucro de cada atividade (Schirvic, 2014). Com isso, a tendencia e de que a divulgacao por segmentos permita que as analises das demonstracoes contabeis sejam efetuadas de forma mais detalhada.

Analises das demonstracoes contabeis utilizando indicadores economico-financeiros

O principal objetivo da analise das demonstracoes contabeis e extrair informacoes que favorecam a tomada de decisoes, estudando o desempenho economico-financeiro de uma empresa em determinado periodo no passado. Conforme Assaf (2012), tal analise e importante para diagnosticar a posicao atual da empresa e produzir resultados que sirvam de base para a previsao de tendencias futuras.

Uma abordagem muito utilizada para a analise do desempenho economico-financeiro das organizacoes e a criacao de indicadores baseados nos dados contabeis. Conforme Brigham e Ehrhardt (2016), esses indicadores economico-financeiros sao desenvolvidos para extrair informacoes que podem nao ser obvias ao se examinar as demonstracoes contabeis. Se forem comparados ao longo de periodos de tempo, os indicadores podem revelar uma evolucao de desempenho da entidade (Camargos e Barbosa, 2003).

Ao partir das informacoes disponiveis nas demonstracoes contabeis, e possivel verificar dois tipos de indicadores: os absolutos e os relativos. Os indicadores absolutos sao representados por dados brutos, tais como o total de vendas e o total de lucros. Ja os indicadores relativos sao aqueles calculados a partir de operacoes matematicas com diferentes dados contabeis--por exemplo, divisoes numericas que envolvem diferentes elementos contabeis (Kanesiro, 2008)--.

De acordo com Assaf (2012), o uso de indicadores e a tecnica mais utilizada para estudos do desempenho economico-financeiro das empresas. Diversos tipos de indicadores podem ser calculados, inclusive aqueles destinados a analise da lucratividade e da rentabilidade dessas organizacoes.

Conforme Kayo (2002), a lucratividade e uma medida economica que representa a capacidade da empresa em gerar lucros, enquanto que a rentabilidade e uma medida economico-financeira que relaciona os lucros da empresa a sua estrutura patrimonial. Dessa forma, uma empresa lucrativa nao e, necessariamente, uma empresa rentavel (Kayo, 2002). O conceito de rentabilidade envolve uma analise mais abrangente que considera nao apenas os lucros obtidos, mas tambem o investimento que foi efetuado no negocio.

Assim, a analise da lucratividade e da rentabilidade e fundamental para compreender o potencial de geracao de resultados de um negocio, bem como o comportamento dos resultados auferidos em periodos passados. Embora tradicionalmente os indicadores sejam calculados para a empresa como um todo (Matarazzo, 2010), existe a possibilidade de calcular indicadores referentes a diferentes segmentos operacionais de uma mesma empresa, caso os dados referentes a tais segmentos estejam disponiveis.

A partir da obrigatoriedade de divulgacao por segmentos trazida pelo CPC 22: Informacoes por Segmento (2009), muitas empresas brasileiras de capital aberto passaram a divulgar dados contabeis quantitativos sobre seus segmentos operacionais. Com isso, e possivel que seja efetuada uma analise economico-financeira que tenha por base tais segmentos, de forma a complementar a avaliacao geral do negocio.

Do ponto de vista contabil, a divulgacao de algumas informacoes especificas referentes aos segmentos (tais como os lucros, receitas e ativos segmentados) permite comparar o desempenho desses diferentes segmentos. Benjamin et al. (2010) destacam que a comparacao de lucros em termos absolutos pode ser enganosa: por exemplo, um segmento pode atingir o dobro do lucro de outro, mas ter uma base de ativos maior que o dobro da base desse outro segmento. Nesse caso, o segmento de maior lucro seria menos rentavel.

Portanto, a analise por segmentos pode alterar a percepcao sobre a realidade economica das empresas (Andre et al., 2016). Pode-se, por exemplo, identificar os segmentos que tem melhor lucratividade e/ou melhor rentabilidade, bem como qual e a participacao de cada um desses segmentos no total de atividades da empresa. Esse processo auxilia a identificar as diferencas nos elementos individuais da entidade, o que contribui para as analises economico-financeiras.

A literatura cientifica sobre as informacoes por segmentos operacionais

A literatura internacional explora diversos aspectos relacionados a divulgacao de informacoes por segmentos. Ha evidencias, inclusive, sobre os impactos que esse tipo de divulgacao gera para as empresas e para o mercado de capitais, o que reforca sua importancia.

Ao efetuar uma revisao de literatura na que se abrangeram artigos cientificos disponiveis em algumas das principais bases cientificas internacionais (Web of Science, Science Direct e Scopus), observa-se que estudos como Crawford, Helliar e Power (2016); Crawford, Ferguson, Helliar e Power (2014); Moldovan (2014) e Katselas, Birt e Kang (2011) permitem uma compreensao sobre o processo de criacao das normas sobre segmentos operacionais em diferentes paises, a evolucao destas ao longo do tempo e as diferencas entre normas utilizadas em diversos contextos ou em diferentes momentos. Garza-Gomez, Dong e Yang (2015), Franzen e Weiflenberger (2015), Aleksanyan e Danbolt (2015), Kang e Gray (2014) e Street e Nichols (2002) evidenciam que nao ha uma padronizacao das informacoes por segmentos que sao divulgadas pelas empresas. Isto ocorre porque cada empresa tem a liberdade de definir seus criterios de divulgacao e estes criterios devem ser aderentes as diferentes caracteristicas gerenciais da respectiva companhia.

Observa-se que, em diversos paises, os principais aspectos englobados nas informacoes por segmentos referem-se aos produtos ou unidades de negocios das empresas e a localizacao geografica do seu mercado consumidor (Mardini e Almujamed, 2015; Zdolsek e Kolar, 2013; Kang e Gray, 2013; Benjamin et al., 2010). Tais informacoes sao relevantes para os usuarios e exercem influencia no processo de tomada de decisoes destes. Consequentemente, as informacoes divulgadas podem afetar a composicao do valor da empresa e os precos das acoes (Joliet e Muller, 2016; Hossain, 2008; Hossain e Marks, 2005).

Os estudos de Wang (2016), Jalila e Devi (2012), Alfonso, Hollie e Yu (2012), Zdolsek e Kolar (2012) e Bens, Berger e Monahan (2011) revelam que as praticas de divulgacao de informacoes por segmentos podem ser determinadas por caracteristicas especificas das empresas ou por fatores economicos, os quais geram diferentes incentivos para as escolhas das praticas de divulgacao. Esses autores concluem que aspectos como tamanho da empresa, rentabilidade, endividamento, mecanismos de governanca corporativa e concentracao do setor sao fatores que influenciam o nivel de divulgacao de informacoes sobre segmentos. As evidencias de pesquisas anteriores tambem indicam a existencia de uma relacao positiva entre a divulgacao de informacoes por segmentos e a qualidade das analises financeiras (Hunt III, Sinha e Yin, 2012; Berger e Hann, 2003; Lobo, Kwon e Ndubizu, 1998; Herrmann, 1996).

A partir da literatura cientifica ja publicada a respeito da tematica de informacoes por segmentos, e possivel verificar que os estudos apresentam avancos consideraveis para o desenvolvimento do conhecimento na area. Entretanto, nao foram identificados trabalhos que utilizassem empiricamente os dados por segmentos para efetuar a analise economica das empresas. Ao considerar essa lacuna de pesquisa, o presente estudo tem como principal diferencial o fato de propor uma analise de indicadores economicos calculados por segmentos, de forma a permitir uma melhor compreensao sobre as caracteristicas de rentabilidade e de lucratividade de cada segmento operacional e sobre os seus impactos sobre o desempenho geral da empresa.

Procedimentos metodologicos

A presente pesquisa pode ser classificada como descritiva, pois analisa e descreve caracteristicas economicas da Kroton Educacional S.A. e de seus segmentos operacionais. Conforme Gil (2009), as pesquisas descritivas tem como objetivo a descricao de determinadas caracteristicas de uma populacao ou fenomeno.

Classifica-se, ainda, como uma pesquisa ex-post-facto. Nesse tipo de estudo, a analise e efetuada depois dos fatos e o pesquisador nao possui controle sobre as variaveis (Silva, 2003). Assim, os fenomenos sao analisados apos a sua ocorrencia, sem que se exerca influencia sobre os acontecimentos.

O trabalho tem cunho qualitativo, uma vez que procura entender diversos elementos envolvidos no desempenho economico da empresa estudada. Segundo Denzin e Lincoln (2006), a pesquisa qualitativa envolve uma abordagem interpretativa do mundo que preza pela descricao detalhada dos fenomenos e dos elementos que o envolvem.

O objeto de analise e a companhia Kroton Educacional S.A., empresa fundada em 1966 e que se destaca como a maior organizacao educacional privada do Brasil e do mundo (Kroton, 2017). Essa entidade foi selecionada para a analise devido a sua relevancia no mercado de servicos educacionais, e tambem por ter disponibilizado (em suas demonstracoes contabeis anuais) dados quantitativos sobre os seus segmentos operacionais.

A coleta de dados foi feita por meio de fontes documentais. Para a execucao do estudo, foram utilizados documentos que consistem nas demonstracoes contabeis completas da Kroton Educacional. Tais demonstracoes foram obtidas por meio do site da Comissao de Valores Mobiliarios (CVM). Nesse site, efetuou-se a busca pelo nome da empresa, o acesso ao link "Dados Economicos Financeiros" e o download dos documentos especificados como "Demonstracoes Financeiras Anuais Completas".

As demonstracoes analisadas foram aquelas que correspondem ao periodo de 2009 a 2016. O ano inicial para a analise das demonstracoes contabeis foi definido levando em consideracao a emissao do pronunciamento contabil CPC 22: Informacoes por Segmento, divulgado em 31/07/2009 (CPC, 2009). A adocao do CPC 22 foi opcional para o exercicio encerrado em 2009, e tornou-se obrigatoria para as empresas de capital aberto para os exercicios encerrados a partir de 2010. Porem, a analise economicofinanceira foi efetuada para os anos de 2011 a 2016. Isto ocorreu porque apenas a partir de 2011 foi possivel a comparabilidade entre os dados quantitativos por segmentos apresentados pela Kroton.

A analise dos dados da pesquisa ocorreu em duas etapas. Na primeira delas, observou-se quais tipos de dados por segmentos foram divulgados pela Kroton Educacional. Nas notas explicativas que tratavam da divulgacao por segmentos, foram identificadas as seguintes informacoes: quais foram os segmentos divulgados pela empresa em cada ano, os criterios para a identificacao dos segmentos, as mudancas ocorridas de um ano para o outro e quais foram os tipos de informacoes quantitativas (sobre cada segmento) que a empresa divulgou.

Um dos aspectos observados nessa primeira etapa foi que houve mudancas na forma de segmentacao da Kroton Educacional no ano de 2012 (quando a companhia tambem reapresentou as informacoes referentes a 2011). Para permitir a comparabilidade entre os segmentos, optou-se por efetuar a analise economico-financeira para o periodo de 2011 a 2016. Somente para esse periodo estavam disponiveis os dados referentes aos tres segmentos em que a companhia opera atualmente. Dessa forma, o estudo abrange o desempenho economico-financeiro da Kroton Educacional em um periodo de 6 anos.

A segunda etapa da analise dos dados foi pautada no calculo e interpretacao de indicadores de lucratividade e de rentabilidade, tanto para a empresa (com base nos dados consolidados) quanto para cada um dos seus segmentos operacionais (a partir das informacoes por segmentos). Vale mencionar que os indicadores calculados com as informacoes referentes aos diferentes segmentos operacionais foram denominados "indicadores por segmento", cuja aplicacao e proposta pelo presente estudo de maneira inovadora.

Os indicadores de lucratividade utilizados foram a margem bruta (MB) e a margem operacional (MO), enquanto que o indicador de rentabilidade foi o retorno operacional sobre o ativo (ROA). As formulas para o calculo e a interpretacao basica desses indicadores sao apresentadas na tabela 1.

A margem bruta, a margem operacional e o retorno operacional sobre o ativo sao indicadores do tipo quanto maior melhor, ou seja, maiores valores para esses indicadores estao associados a um melhor desempenho economico do negocio (Matarazzo, 2010; Assaf, 2012). O calculo desses indicadores foi operacionalizado por meio de planilhas eletronicas. Posteriormente, os resultados foram descritos e comparados. A interpretacao dos indicadores foi efetuada de forma a apresentar uma analise do desempenho geral da companhia e tambem de cada um dos seus segmentos operacionais, enfatizando a utilidade dos indicadores por segmento.

Resultados e discussoes

As informacoes por segmentos divulgadas pela Kroton Educacional

Nas demonstracoes contabeis completas referentes ao ano de 2009, a Kroton mencionou algumas normas que haviam sido publicadas e cuja aplicacao seria obrigatoria apenas para os exercicios sociais iniciados a partir de 1 de janeiro de 2010. O CPC 22 (CPC, 2009), que trata da divulgacao de informacoes por segmentos, foi apontado pela empresa como uma das normas que poderiam impactar as demonstracoes contabeis da companhia de forma mais relevante. A empresa tambem esclareceu que optou por nao adotar antecipadamente essa norma no exercicio findo em 31 de dezembro de 2009.

Ja nas demonstracoes referentes a 2010, a Kroton Educacional iniciou a divulgacao por segmentos seguindo o pronunciamento CPC 22. Tambem foi feita a reapresentacao dos dados correspondentes a 2009, divulgando-os de forma segmentada para atender a exigencia de reapresentacao imposta por tal pronunciamento.

Nos anos de 2009 a 2011, a empresa segmentou suas atividades utilizando o criterio de tipos de produtos ou servicos oferecidos na area de educacao. Foram relatados 2 segmentos operacionais: educacao basica e educacao superior. Alem destes, a empresa tambem reportou os gastos corporativos que nao foram alocados aos segmentos (denominados "parcela nao alocada").

Entretanto, em 2012 a Kroton Educacional mudou a forma de segmentacao de suas atividades, e passou a apresentar 3 segmentos operacionais: ensino superior presencial, ensino superior a distancia (EAD) e educacao basica. Essa alteracao refletiu a mudanca na forma de gestao da empresa: o Conselho de Administracao, que e o principal tomador de decisoes operacionais (responsavel, inclusive, pela tomada das decisoes estrategicas), passou a analisar a empresa com base nesses tres segmentos e utilizou relatorios internos que apresentavam dados segmentados de acordo com essa estrutura. Nas demonstracoes contabeis referentes a esse ano, foi feita tambem a reapresentacao dos dados de 2011, com a reclassificacao conforme a nova estrutura de segmentacao.

Essa mudanca nos segmentos operacionais revela o aumento da representatividade do ensino superior a distancia (EAD) para a empresa. Em julho de 2011, a Kroton Educacional adquiriu a Faculdade Atenas Maranhense e a Faculdade Uniao; em novembro, a Faculdade do Sorriso (FAIS) e em dezembro, a Universidade Norte Paranaense (Unopar). Com a aquisicao da Unopar, a Kroton Educacional S.A. tornouse a lider no mercado de graduacao a distancia. A relevancia da participacao dessa modalidade de ensino fez com que a empresa alterasse a estrutura dos seus segmentos operacionais: a gestao da atividade de educacao superior passou a ser subdividida em dois segmentos: o de ensino superior presencial e o de ensino superior a distancia (EAD).

Ate 2016, foi mantida essa mesma estrutura de segmentos operacionais. Assim, para os anos de 2011 a 2016, foram disponibilizadas as informacoes desagregadas para os 3 segmentos--ensino superior presencial, ensino superior a distancia (EAD), e educacao basica--, alem da parcela nao alocada. A Kroton Educacional descreveu os criterios de mensuracao e a forma de contabilizacao das vendas; alem disso, divulgou dados quantitativos por segmentos. As informacoes divulgadas foram: receita liquida de vendas e servicos, custo das vendas e servicos, lucro bruto, despesas (ou receitas) operacionais, lucro (ou prejuizo) operacional (antes do resultado financeiro), ativos e passivos totais (circulante e nao circulante).

A partir desses dados quantitativos divulgados pela empresa, foi possivel efetuar o calculo dos seguintes indicadores economicos que representam a lucratividade e a rentabilidade dos segmentos operacionais da Kroton Educacional: a margem bruta (MB) e a margem operacional (MO) por segmento e o retorno operacional sobre o ativo (ROA). Esses mesmos indicadores foram calculados utilizando os dados das demonstracoes contabeis consolidadas, de forma a permitir a comparabilidade do desempenho dos diferentes segmentos entre si e com o total da empresa. Assim, o presente estudo leva em consideracao que as caracteristicas de tais segmentos apresentam diferencas significativas, o que torna relevante analisar qual e a representatividade de cada um deles para o desempenho economico da empresa.

Analise do desempenho economico da Kroton Educacional

Nesta secao, sao apresentados os resultados referentes ao desempenho geral da empresa. Na figura 1, consta a evolucao na receita liquida e no lucro operacional da Kroton Educacional entre os anos de 2011 a 2016. Observa-se que a receita liquida teve um expressivo crescimento ao longo do periodo, o que reflete a estrategia de expansao adotada pela companhia.

Entre 2011 e 2016, a receita total da Kroton Educacional passou de cerca de 735 milhoes de reais para aproximadamente 5,25 bilhoes, o que representou um aumento de 614%. Em todos os anos, houve um aumento da receita em relacao ao ano anterior, com excecao para 2016 (que teve reducao de 0,39%). O lucro operacional tambem teve expressivo crescimento, passando de aproximadamente 37,8 milhoes de reais em 2011 para 1,8 bilhoes em 2016: um aumento de 4.683% (ou seja, em 2016 o lucro operacional foi mais de 46 vezes superior ao de 2011).

Em 2014, a associacao com a Anhanguera fez que a Kroton Educacional se tornasse uma gigante no setor de servicos educacionais (a maior empresa de educacao do mundo), o que se refletiu nos montantes de receitas da empresa. Complementarmente, observou-se que os ativos totais da empresa apresentaram crescimento em todos os periodos analisados. Destaca-se o crescimento de 171%, em 2011, e de 280%, em 2014. Esses expressivos aumentos dos ativos nos anos de 2011 (quando a Kroton adquiriu a Faculdade Atenas Maranhense, Faculdade Uniao, a FAIS e a Unopar) e de 2014 (quando adquiriu a Anhanguera) evidenciam ainda mais o grande processo de expansao dessa organizacao de ensino.

Ao continuar com a analise dos dados consolidados da Kroton Educacional, na figura 2, consta a evolucao dos indicadores margem bruta (MB), margem operacional (MO) e retorno operacional sobre o ativo (ROA) da empresa.

A evolucao no indicador de margem bruta (MB) revela que a eficiencia produtiva da Kroton Educacional aumentou significativamente ao longo do periodo. Essa margem indica a lucratividade da empresa apos a deducao dos custos dos produtos e/ou dos servicos. Observa-se que a MB era de 32,82% em 2011 e passou a apresentar valores superiores a 50% a partir de 2013. Assim, houve uma reducao no percentual dos custos dos produtos vendidos e/ou dos servicos prestados em relacao ao total das receitas liquidas de vendas. Em 2016, o lucro bruto da empresa representou 58,88% do valor da receita liquida total.

Ao analisar o indicador de margem operacional (MO), tambem se observa uma evolucao positiva para a empresa. A eficiencia operacional teve grandes saltos, principalmente nos anos de 2012 e 2013. Em 2011, o lucro operacional (calculado a partir da deducao dos custos dos produtos/servicos e das despesas operacionais, sem considerar as despesas financeiras) representou 5,14% do total de receitas liquidas. Como a margem bruta da empresa era superior a 32,82%, nota-se que as despesas operacionais da companhia eram relativamente altas, o que prejudicava sua lucratividade. Ao longo dos anos, houve uma expressiva melhora na eficiencia operacional dessa empresa. Em 2016, a MO atingiu seu maior percentual e o lucro operacional da Kroton Educacional representou 34,44% de suas receitas liquidas totais.

Ja em relacao a rentabilidade do negocio, o retorno operacional sobre o ativo (ROA) teve uma evolucao favoravel no periodo analisado. Esse indicador representa a capacidade da empresa para gerar lucro operacional (anteriormente aos efeitos do financiamento) a partir dos ativos que possui, ou seja, considera nao apenas o lucro obtido, mas tambem o investimento que foi efetuado no negocio. A partir da figura 2, nota-se que o ROA apresentou um crescimento entre os anos de 2011 a 2013, onde comecou em 1,27%, em 2010. Para 2013, essa rentabilidade alcancou seu valor maximo no periodo analisado; nesse ano, o lucro operacional representou 13,71% do ativo total da empresa.

Porem, em 2014, o ROA teve uma queda expressiva (de 13,71% para 6,72%). Embora a margem operacional tenha se mantido acima de 27%, o valor do ativo total da Kroton Educacional nesse ano teve um aumento de 280% (afetado, inclusive, pela aquisicao da Anhanguera). Assim, o lucro operacional passou a representar uma parcela menor do ativo total, o que se reflete no indicador de retorno operacional sobre o ativo. A partir de 2014, retoma-se a tendencia de aumento no ROA, e o lucro operacional representou 10,26% do ativo total da empresa em 2016.

Esta analise a partir dos resultados consolidados permite uma visao geral da lucratividade e da rentabilidade da empresa. Destacam-se os aumentos na eficiencia produtiva e na eficiencia operacional, refletidos na evolucao do indicador de margem operacional. Uma vez que o desempenho do negocio e uma combinacao do desempenho dos seus diferentes segmentos operacionais (Benjamin et al., 2010), este resultado foi afetado pelas estrategias adotadas pela Kroton em relacao a atuacao nos diferentes segmentos em que mantem atividades. Na proxima secao, serao detalhas as analises referentes ao desempenho desses segmentos.

Analise do desempenho economico da Kroton com base nos segmentos operacionais

No periodo de 2011 a 2016, houve mudancas relevantes na participacao das receitas dos diferentes segmentos operacionais em relacao a receita total da Kroton Educacional. Em 2011, o segmento de ensino superior a distancia (EAD) era o que apresentava a menor participacao, com apenas 2,2%. Ja em 2016, esse segmento passou a ser responsavel por 20,4% da receita total. Por outro lado, a participacao do segmento de educacao basica decaiu ao longo do periodo. Na figura 3, sao apresentados os resultados referentes ao percentual de receitas liquidas de vendas de cada segmento em relacao ao total da empresa.

Nota-se que o segmento de educacao basica era responsavel por 18,6% das receitas liquidas de vendas em 2011. Porem, com a intensificacao dos investimentos da Kroton Educacional no ensino superior (principalmente na modalidade a distancia), a educacao basica passou a representar apenas 3,6% em 2016. Em todos os anos, o segmento de ensino superior presencial foi responsavel pela maior parte da receita, o que o manteve como o principal segmento operacional da empresa.

Em 2012, houve um expressivo aumento nas receitas do segmento de ensino superior a distancia (EAD), que saltaram de 2,2% para 27,5% das receitas totais. Foi justamente nesse ano que a Kroton Educacional se tornou a lider no mercado de graduacao a distancia, ao investir fortemente nesse segmento. A aquisicao da Unopar foi um marco para esse grande aumento na representatividade da geracao de receitas com atividades de ensino superior a distancia, reflexo do novo posicionamento estrategico da empresa.

A partir de 2014, as receitas do segmento de ensino superior presencial apresentaram crescimento percentual em relacao ao total de receitas da empresa. A aquisicao da Anhanguera foi fundamental para esse resultado, ampliando as atividades da empresa nesse segmento.

Ressalta-se que as receitas dos tres segmentos operacionais tiveram crescimento ao longo do periodo analisado. No segmento de educacao basica, as receitas passaram de (aproximadamente) 136 milhoes de reais, em 2011, para 189 milhoes, em 2016; no de ensino superior presencial, foram de 581 milhoes (2011) para 3.9 bilhoes de reais (2016); e no de ensino superior a distancia (EAD) passaram de 16 milhoes (em 2011) para mais de 1 bilhao de reais (em 2016). Observa-se, assim, que o crescimento das receitas do segmento de educacao basica no periodo foi de 29%, mas nos segmentos referentes ao ensino superior o aumento foi muito mais relevante: as receitas cresceram 585% para o de ensino superior presencial e 6.562% para o de ensino superior a distancia (EAD). Alem das proprias estrategias de atuacao da empresa, esses acrescimos foram impulsionados pelo Prouni e o FIES, iniciativas do governo federal que estimularam o aumento do numero de matriculas em cursos de nivel superior.

Dando continuidade as analises, e possivel avaliar a lucratividade e a rentabilidade de cada um dos segmentos operacionais da Kroton Educacional. No Grafico 4, e apresentada a evolucao da margem bruta (MB) por segmentos.

O segmento de ensino superior a distancia (EAD) e o que apresenta a maior margem bruta ao longo de todo o periodo. Nesse segmento, o lucro bruto chega a atingir mais que 80% do valor das receitas de vendas liquidas auferidas. Dessa forma, a eficiencia produtiva e alta, devido principalmente as caracteristicas da modalidade EAD. Com a utilizacao de recursos tecnologicos e o grande alcance da EAD, o custo-beneficio dos produtos vendidos e/ou servicos prestados e atrativo para a Kroton Educacional. Por exemplo, os materiais didaticos e recursos tecnologicos desenvolvidos na modalidade EAD podem ser utilizados por um grande numero de alunos e ao longo de varios semestres letivos. Os professores tambem podem atender a um numero de alunos muito mais elevado do que aquele que seria possivel em uma sala de aula presencial. Assim, os custos tornamse relativamente baixos frente ao total de receitas obtidas pela empresa nesse segmento.

A margem bruta do segmento de educacao basica manteve-se entre 45% e 54,2% ao longo do periodo. De 2011 a 2015, o segmento com a menor margem bruta foi o de ensino superior presencial, com valores entre 28,4% e 53,8%. Porem, a lucratividade bruta desse ultimo segmento apresentou tendencia de aumento no decorrer dos anos, e, em 2016, superou a do segmento de educacao basica: em 2016, a MB do segmento de educacao basica caiu para 45%, enquanto que a do segmento de ensino superior presencial subiu para 53,7% (valor 8,7% superior). Observa-se que a eficiencia produtiva do ensino superior presencial melhorou significativamente ao longo do periodo analisado.

A analise da margem operacional (MO) por segmentos tambem aponta aspectos relevantes sobre o desempenho economico da Kroton Educacional. Conforme pode ser visualizado na figura 5, a lucratividade operacional de todos os segmentos aumentou ao longo do periodo estudado.

O segmento com a maior eficiencia operacional e o de ensino superior a distancia (EAD). O ensino superior presencial apresentou a menor MO em 2011 e 2012, ou seja, o percentual de custos e despesas operacionais em relacao a receita de vendas auferida foi superior ao dos demais nesses primeiros anos. Apesar de o ensino superior presencial ser o responsavel pela maior parte das receitas, nao e o segmento com a maior taxa de lucratividade.

A margem operacional do ensino superior a distancia (EAD) foi superior a 45% em todos os anos, fechando 2016 com 56,2%. Em contrapartida, a MO do ensino superior presencial ficou entre 9,5% e 34,5%. Nota-se a grande diferenca entre a estrutura de custos e despesas operacionais da modalidade EAD e a da modalidade presencial, que faz com que este segmento seja muito mais atrativo para a Kroton Educacional, do ponto de vista da lucratividade operacional. O segmento de educacao basica, que tem a menor representatividade no total de receitas obtidas pela empresa, passou a ser o segmento menos lucrativo a partir de 2014, se for considerada a margem operacional.

Por fim, cabe a analise do retorno operacional sobre o ativo (ROA) por segmentos. Na Figura 6, e apresentada a evolucao desse indicador para os segmentos operacionais da Kroton.

O segmento de educacao basica destacou-se como o mais rentavel para a Kroton Educacional, em termos de retorno operacional sobre o ativo. O ROA desse segmento manteve-se acima de 34% ao longo do periodo. Em 2016, esse indicador fechou em 45,2%, o que significa que, para cada R$ 100,00 investidos nos ativos desse segmento, foi gerado um lucro operacional de R$ 45,20. Embora esse nao seja o segmento com maiores margens de lucros (MB e MO), tambem exigiu um menor montante de investimentos nos ativos necessarios para manter suas atividades. Com isso, sua rentabilidade operacional foi superior a rentabilidade dos segmentos de ensino superior.

O ROA do segmento de ensino superior a distancia (EAD) aumentou nos anos de 2012 e 2013 e chegou a atingir 27,5%. Porem, em 2014 teve uma queda expressiva, que esta associada ao grande aumento no valor dos investimentos que foram efetuados ao longo do ano (em 2014, o ativo total do segmento mais do que dobrou, com um aumento de 157,1%). A Kroton Educacional passou por um forte processo de expansao nesse segmento, com a expectativa de geracao de retorno no longo prazo. Em 2015, a rentabilidade operacional do segmento retomou a tendencia de crescimento e atingiu o patamar de 14% em 2016.

Ja o segmento de ensino superior presencial teve a menor rentabilidade nos anos de 2011 a 2014 (partiu de 2,1%), mas ultrapassou o segmento de ensino superior a distancia (EAD) nos anos de 2015 e 2016. O crescimento da rentabilidade operacional desse segmento teve destaque no periodo. Observou-se que, em 2015, houve uma queda de 62,2% no montante de ativos operacionais desse segmento, o que impactou o aumento do ROA. Alem da reducao no ativo operacional, esse segmento teve um acrescimo em suas receitas liquidas de vendas e em sua margem operacional, o que impulsou o crescimento do retorno operacional sobre o ativo nos dois ultimos anos analisados (em que apresentou valores acima de 27%).

Consideracoes finais

Com base nas informacoes por segmentos divulgadas nas demonstracoes contabeis anuais da Kroton Educacional S.A., foi possivel efetuar uma analise do desempenho economico desta empresa. Essa analise permite visualizar a participacao dos diferentes segmentos para o resultado total obtido no negocio.

Observou-se que o segmento EAD foi o que mais contribuiu para a lucratividade da empresa. Esse foi o segmento com a maior margem bruta (entre 69,9% e 82,5%) e tambem a maior margem operacional (entre 45,4% e 60,4%) ao longo do periodo analisado. A Kroton Educacional investiu na expansao desse segmento e teve um grande incremento em sua lucratividade total entre os anos de 2011 e 2016.

Ja o segmento de ensino superior presencial, embora seja responsavel pela maior parte das receitas de vendas da empresa, nao se destacou nem em termos de lucratividade nem de rentabilidade. Nota-se que os custos e despesas operacionais desse segmento foram relativamente altos. Assim, sua margem bruta variou entre 28,4% e 45,0%, enquanto que a margem operacional ficou entre 9,5% e 34,5% (resultados bem inferiores ao do segmento EAD).

Por fim, conclui-se que o segmento de educacao basica foi o que teve maior rentabilidade para a Kroton Educacional. O retorno operacional sobre o ativo desse segmento oscilou entre 34,9% e 52,8%, enquanto que o ROA maximo da empresa nos anos analisados foi de 13,71%. Assim, tal segmento foi o mais eficiente na geracao de lucros operacionais a partir de seus ativos.

O presente estudo propos o calculo de indicadores economicos por segmentos, utilizando os dados divulgados de acordo com o pronunciamento contabil CPC 22 (o qual e semelhante a norma internacional IFRS 8). Ao trazer essa nova perspectiva de analise, fundamentada em indicadores por segmentos operacionais, auxilia-se para que o desempenho economico de uma empresa seja compreendido com maior nivel de detalhamento e apresentam-se conclusoes que complementam a avaliacao do desempenho consolidado do negocio.

Vale mencionar que os achados obtidos nesta pesquisa se restringem ao periodo englobado e aos resultados dos indicadores especificos que foram utilizados. As informacoes quantitativas por segmentos divulgados pela Kroton Educacional permitiram o calculo de um numero limitado de indicadores, uma vez que nem todos os dados economico-financeiros da empresa foram reportados por segmentos. Alem disso, a subjetividade inerente ao CPC 22 leva a falta de uniformidade na divulgacao de diferentes empresas, o que atrapalha a comparacao dos resultados por segmentos da Kroton com os resultados por segmentos de outras empresas brasileiras do setor educacional.

Destaca-se que cada um dos segmentos da Kroton apresentou caracteristicas distintas em relacao ao desempenho economico, o que exibiu diferentes perfis de risco e de retorno. Foi possivel identificar quais segmentos contribuiram mais para os aumentos na eficiencia produtiva e na eficiencia operacional auferida pela empresa no periodo analisado. Nesse sentido, entender o comportamento dos segmentos torna-se importante para que possam ser feitas analises mais precisas para essa empresa, e essa ideia pode ser estendida para outras empresas.

Dessa forma, este estudo fomenta a realizacao de futuras pesquisas que levem em consideracao os indicadores por segmentos ao efetuar analises financeiras. Espera-se que este trabalho inspire a realizacao de estudos envolvendo os indicadores por segmentos operacionais de outras empresas e que contribua para o aprimoramento das analises economicas referentes a diferentes organizacoes.

DOI: https://doi.org/10.11144/Javeriana.cc18-46.deme

Agradecimentos

Artigo de pesquisa cientifica e tecnologica, derivado do projeto de pesquisa Divulgacao de informacoes por segmentos das empresas brasileiras: impactos sobre a qualidade das previsoes de lucros dos analistas de investimentos, executado na Universidade Federal de Lavras--UFLA (Brasil) no periodo de jun. 2016/jun. 2017--. Codigo de registro PVDAE381-2016.

Referencias

Aleksanyan, M. e Danbolt, J. (2015). Segment reporting: Is IFRS 8 really better? Accounting in Europe, 12(1), 37-60.

Alfonso, E., Hollie, D. e Yu, S. C. (2012). Managers' segment financial reporting choice: An analysis of firms' segment reconciliations. Journal of Applied Business Research, 28(6), 1413-1444.

Amaral, N. C. (2003). Financiamento da educacao superior: Estado xMercado. Sao Paulo: Cortez.

Andrade, F. R. E. de, Silva, M. A. F., Araujo, P. M. de F., Lima, H. de S. e Almeida, A. J. S. (2013). Inovacoes nas politicas de acesso e expansao do ensino superior no Brasil: o caso da empresa Kroton Educacional. Acta Brazilian Science, 1(1), 1-9.

Andre, P., Filip, A. e Moldovan, R. (2016). Segment disclosure quantity and quality under IFRS 8: determinants and the effect on financial analysts' earnings forecast errors. The International Journal of Accounting, 51(4), 443-461.

Assaf, A. (2012). Estrutura e analise de balancos: um enfoque economico-financeiro. 10a ed. Sao Paulo: Atlas.

Barth, A. M. (2014). Um estudo de caso da empresa Kroton Educacional S/A no cenario da educacao a distancia (Monografia de especializacao, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, SC, Brasil).

Benjamin, S. J., Muthaiyah, S., Marathamuthu, M. S. e Murugaiah, U. (2010). A study of segment reporting practices: a Malaysian perspective. Journal of Applied Business Research, 26(3), 31-42.

Bens, D. A., Berger, P. G. e Monahan, S. J. (2011). Discretionary disclosure in financial reporting: an examination comparing internal firm data to externally reported segment data. The Accounting Review, 86(2), 417-449.

Berger, P. G. e Hann, R. (2003). The impact of SFAS No. 131 on information and monitoring. Journal of Accounting Research, 41(2), 163-223.

Brasil, Bolsa, Balcao. (2017). Acoes: empresas listadas. Recuperado de http://www.bmfbovespa.com.br/pt_br/produt os/listados-a-vista-e-derivativos/renda-variavel/empresas-listadas.htm

Brigham, E. F. e Ehrhardt, M. C. (2016). Administracao financeira: teoria e pratica. 14a ed. Sao Paulo: Cengage Learning.

Bugeja, M., Czernkowski, R. e Moran, D. (2015). The impact of the management approach on segment reporting. Journal of Business Finance & Accounting, 42(3-4), 310-366.

Camargos, M. A. D. e Barbosa, F. V. (2003). Teoria e evidencia da eficiencia informacional do mercado de capitais brasileiro. Caderno de Pesquisas em Administracao, 10(1), 41-55.

Campos, D. A. (2017). A avaliacao da educacao superior diante de uma colonialidade do saber e do poder: a participacao politica discente. Revista da Avaliacao da Educacao Superior, 22(1), 179-199.

Carbonari, A. (2011). O capital estrangeiro e os investimentos na educacao do Brasil. Em S. Colombo e G. M. Rodrigues, (orgs.), Desafios da gestao universitaria contemporanea (pp. 191-206). Porto Alegre: Artmed.

Comite de Pronunciamentos Contabeis. (2009). Pronunciamento Ttecnico CPC 22: Informacoes por Segmento. Recuperado de http://static.cpc.mediagroup.com.br/Documentos/292_CPC_22_rev%2008.pdf

Constituicao da Republica Federativa do Brasil. (1988). Constituicao da Republica Federativa do Brasil. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

Crawford, L., Ferguson, J., Helliar, C. V. e Power, D. M. (2014). Control over accounting standards within the European Union: The political controversy surrounding the adoption of IFRS 8. Critical Perspectives on Accounting, 25(4), 304-318.

Crawford, L., Helliar, C. e Power, D. (2016). The temporal nature of legitimation: The case of IFRS8. Accounting in Europe, 13(1), 43-64.

Damodaran, A. (2004). Financas corporativas: teoria epratica. Sao Paulo: Bookman.

Denzin, N. K. e Lincoln, Y. S. (2006). Introducao: a disciplina e a pratica da pesquisa qualitativa. Em N. K. Denzin e Y. S. Lincoln (orgs.), O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2a ed (pp. 15-41). Porto Alegre: Artmed.

Franzen, N. e Weifienberger, B. E. (2015). The adoption of IFRS 8--No headway made? Evidence from segment reporting practices in Germany. Journal of Applied Accounting Research, 16(1), 88-113.

Frezatti, F., Rocha, W., Nascimento, A. R. D. e Junqueira, E. (2009). Controle gerencial: uma abordagem da contabilidade gerencial no contexto economico, comportamental e sociologico. Sao Paulo: Atlas.

Garrison, R. H., Noreen, E. W. e Brewer, P. C. Contabilidade Gerencial. 14a ed. Porto Alegre: AMGH.

Garza-Gomez, X., Dong, X. e Yang, Z. (2015). Unusual patterns in reported segment earnings of US firms. Journal of Applied Accounting Research, 16(2), 287-304.

Gil, A. C. (2009). Como elaborar projetos de pesquisa. 5a ed. Sao Paulo: Atlas.

Herrmann, D. (1996). The predictive ability of geographic segment information at the country, continent, and consolidated levels. Journal of International Financial Management & Accounting, 7(1), 50-73.

Hope, O. K., Kang, T., dornas, W. B. e Vasvari, F. (2009). The effects of SFAS 131 geographic segment disclosures by US multinational companies on the valuation of foreign earnings. Journal of International Business Studies, 40(3), 421-443.

Hossain, M. (2008). Change in value relevance of quarterly foreign sales data of US multinational corporations after adopting SFAS 131. Review of Quantitative Finance and Accounting, 30(1), 1-23.

Hossain, M. e Marks, B. R. (2005). Information content of mandatory quarterly foreign sales data of US multinational companies under SFAS 131. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 14(2), 105-120.

Hunt III, H. G., Sinha, P. e Yin, Y. (2012). Additional evidence on analysts' decision to issue disaggregated earnings forecasts: Strategic biasing. Abacus, 48(2), 249-277.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira. (2015). Sinopse estatistica da educacao superior 2015. Recuperado de http://inep.gov.br/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira. (2017). Sinopses estatisticas. Recuperado de h ttp://portal.inep.gov.br/web/guest

International Accounting Standards Board. (2006). IFRS 8: Operating Segments. Recuperado de http://dipifr.info/li b_files/standards/eng/eng_ifrs_010109/IFRS08.pdf

Jalila, S. e Devi, J. (2012). Ownership structure effect on the extent of segment disclosure: Evidence from Malaysia. Procedia Economics and Finance, 2, 247-256.

Joliet, R. e Muller, A. (2016). Are foreign earnings disclosures value-relevant?: Disaggregation solves the puzzle. Research in International Business and Finance, 37, 170-183.

Kanesiro, J. C. (2008). Desempenho economico-financeiro e analise envoltoria de dados (DEA): um estudo em meios de hospedagem no Brasil (Dissertacao de mestrado, Universidade do Vale do Itajai, Itajai, SC, Brasil).

Kang, H. e Gray, S. J. (2014). Corporate financial reporting in the BRIC economies: A comparative international analysis of segment disclosure practices. International Finance Review, 15, 233-254.

Kang, H. e Gray, S. J. (2013). Segment reporting practices in Australia: Has IFRS 8 made a difference? Australian Accounting Review, 23(3), 232-243.

Katselas, D., Birt, J. e Kang, X. H. (2011). International firm lobbying and ED 8 operating segments. Australian Accounting Review, 21(2), 154-166.

Kayo, E. K. (2002). Estrutura de capital e o risco das empresas tangivele intangivel-intensivas: uma contribuicao ao estudo da valoracao de empresa (Monografia de especializacao, Faculdade de Economia, Administracao e Contabilidade da Universidade de Sao Paulo, Sao Paulo, SP, Brasil).

Kroton Educacional. (2017). Kroton: paixao por educar. Recuperado de http://www.kroton.com.br/

Lei 9.394 de 1996, Estabelece as diretrizes e bases da educacao nacional, Presidencia da Republica [seccion] Presidencia da Republica, 20 de dezembro de 1996. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm

Lemes, S. e Carvalho, L. N. (outubro, 2004). Efeito da convergencia das normas contabeis brasileiras para as normas internacionais do IASB. Em Congresso 40 USP de Controladoria e Contabilidade. Congresso realizado em Sao Paulo, SP, Brasil.

Lobo, G. J., Kwon, S. S. e Ndubizu, G. A. (1998). The impact of SFAS No. 14 segment information on price variability and earnings forecast accuracy. Journal of Business Finance & Accounting, 25(7-8), 969-985.

Mardini, G. H. e Almujamed, H. I. (2015). The adoption of IFRS 8: The case of Qatari listed companies. International Journal of Managerial and Financial Accounting, 7(3-4), 173-197.

Matarazzo, D. C. (2010). Analise financeira de balanco. 7a ed. Sao Paulo: Atlas.

Moldovan, R. (2014). Post-implementation reviews for IASB and FASB standards: A comparison of the process and findings for the operating segments standards. Accounting in Europe, 11(1), 113-137.

Neves, C. E. B. (maio, 2012). Ensino Superior no Brasil: expansao, diversificacao e inclusao Em Congresso Internacional da Associacao de Estudos Latino-Americanos. Documento apresentado no Sao Francisco, CA, Estados Unidos.

Pasini, A. K. (2015). As normas internacionais de contabilidade--IFRS: adocao no Brasil. Journal on Innovation and Sustainability, 6(3), 97-114.

Sampaio, H. (2014). Setor privado de ensino superior no Brasil: crescimento, mercado e Estado entre dois seculos. Em M. L. D O. Barbosa (org.), Ensino superior: expansao e democratizacao (pp. 103-126). Rio de Janeiro: 7 Letras.

Santos, M. H. S. D. (2016). Fusoes e aquisicoes como estrategia de crescimento no mercado de educacao superior no Brasil nas companhias de capital aberto. Gestao & Planejamento, 17(3), 538-552.

Schvirck, E. (2014). Relatorios por segmentos publicados pelas companhias de capital aberto no Brasil: os efeitos da divulgacao no desempenho das empresas (Tese de doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, SC, Brasil).

Secca, R. X. e Souza, R. M. L. (2009). Analise do setor de ensino superior privado no Brasil. BNDES Setorial, 30, 103-156.

Silva, A. C. R. (2003). Metodologia da pesquisa aplicada a contabilidade. Sao Paulo: Atlas.

Silvestre, G. C. (2014). Analise de desempenho economico-financeiro das companhias brasileiras de capital aberto de ensino superior (Dissertacao de mestrado, Pontificia Universidade Catolica de Sao Paulo, Sao Paulo, SP, Brasil).

Sousa, J. V. (2009). Qualidade na educacao superior: lugar e sentido na relacao publico-privado. Cadernos CEDES, 29(78), 242-256.

Souza, J. A. E., Neto, A. S., Mendonca, D. J. e Benedicto, G. C. D. (2016). Fatores que influenciam a divulgacao de informacoes por segmentos operacionais no Brasil: analise englobando os cinco primeiros anos de aplicacao do CPC 22. Revista Capital Cientifico, 14(4), 109-125.

Street, D. L. e Nichols, N. B. (2002). LOB and geographic segment disclosures: An analysis of the impact of IAS 14 revised. Journal of International Accounting, Auditing and Taxation, 11(2), 91-113.

Teply, P., Starova, H. e Cernohorsky, J. (2010). Value creation of European bank mergers and acquisitions in the 1998-2007 period. Ekonomicky Casopis, 55(5), 458-470.

Tureta, C., Rosa, A. R. e Oliveira, V. C. D. S. E. (2007). Avaliacao critica de servicos educacionais: o emprego do modelo SERVQUAL. Revista de Gestao, 14(4), 33-45.

Wainer, J. e Melguizo, T. (2017). Politicas de inclusao no ensino superior: avaliacao do desempenho dos alunos baseado no ENADE de 2012 a 2014. Educacao e Pesquisa, 15(1), 01-15.

Wang, Q. (2016). Determinants of segment disclosure deficiencies and the effect of the SEC comment letter process. Journal of Accounting and Public Policy, 55(2), 109-133.

Wilson, A., Davies, M., Curtis, M. e Wilkinson-Riddle, G. (2001). UK & International GAAP. 7a ed. London: Butterwoths Tolley.

Zdolsek, D. e Kolar, I. (2012). Does company's growth influence disclosure of company's segment information? Actual Problems of Economics, 133, 372-382.

Zdolsek, D. e Kolar, I. (2013). Management disclosure practices for disaggregated (financial) information in Slovenian unlisted companies. Journal for East European Management Studies, 15(2), 264-289.

Notas

* Artigo de pesquisa cientifica e tecnologica.

Julia Alves e Souza (a)

Faculdade Presbiteriana Gammon, Brasil

julia.jasouza@gmail.com

ORCID: http://orcid.org/0000-0003-1256-4340

Douglas Jose Mendonca

Faculdade Presbiteriana Gammon, Brasil

ORCID: http://orcid.org/0000-0001-9985-1283

Beatriz Carmo da Silva

Universidade Federal de Lavras, Brasil

ORCID: http://orcid.org/0000-0001-6459-4061

Gideon Carvalho de Benedicto

Universidade Federal de Lavras, Brasil

ORCID: http ://orcid.org/0000-0003-2865-317X

Recepcao: 18 Abril 2017

Aprovacao: 15 Junho 2017

Publicado: 15 Dezembro 2017

Autor notes

(a) Autor de correspondencia. Email: julia.jasouza@gmail.com
TABELA 1

Formulas para calculo e interpretacao basica dos indicadores

Indicador              Formula                   Interpretacao

Margem bruta      MB = Lucro bruto/       Mede a eficiencia produtiva,
(MB)               Receita liquida        ou seja, quanto restou de
                                          lucro das receitas de vendas
                                          liquidas do exercicio apos a
                                          deducao dos custos dos
                                          produtos e ou dos servicos.

Margem         ML = Lucro operacional/    Indica quanto sobrou da
operacional        Receita liquida        receita de vendas liquida
(MO)                                      apos a deducao dos custos
                                          dos produtos/servicos e das
                                          despesas operacionais,
                                          desconsiderando as despesas
                                          e receitas financeiras.

Retorno        ROA = Lucro operacional/   Mensura a eficiencia
operacional          Ativo total          operacional do negocio em
sobre o                                   gerar lucros a partir de
ativo (ROA)                               seus ativos, anteriormente
                                          aos efeitos do
                                          financiamento.

Fonte: elaborado pelos autores com base em Damodaran (2004), Matarazzo
(2010) e Assaf (2012).

FIGURA 1

Evolucao na receita liquida e no lucro operacional da Kroton (em
milhoes de reais)

       Receita liquida   Lucro operacional

2011          735               38
2012         1406              243
2013         2016              559
2014         3774             1041
2015         5265             1495
2016         5245             1806

Fonte: elaborado pelos autores

Nota: Tabla derivada de grafico de lineal.

FIGURA 2

Evolucao dos indicadores de lucratividade e de rentabilidade da Kroton

       Margem bruta   Margem operacional   Retorno operacional
            (MB)            (MO)           sobre o ativo (ROA)

2011     32,82%            5,14%                 1,27%
2012     45,73%           17,29%                 6,42%
2013     54,25%           27,72%                13,71%
2014     56,47%           27,58%                 6,72%
2015     57,44%           28,40%                 8,99%
2016     58,88%           34,44%                10,26%

Fonte: elaborado pelos autores

Nota: Tabla derivada de grafico de lineal.

FIGURA 3

Evolucao na participacao das receitas liquidas dos diferentes
segmentos operacionais em relacao a receita liquida total da Kroton

       Encino superior a   Educacao   Encino superior
        Distancia--EAD      basica      presencial

2011         2,2%           18,6%         79,2%
2012        27,5%           10,5%         61,9%
2013        30,7%            8,0%         61,3%
2014        26,3%            5,0%         68,6%
2015        22,5%            3,5%         74,0%
2016        20,4%            3,6%         76,0%

Fonte: elaborado pelos autores

Nota: Tabla derivada de grafico de lineal.

FIGURA 4

Margem bruta (MB) por segmentos operacionais da Kroton

       Encino superior   Educacao   Ensino superior a
          presencial      basica      distancia--EAD

2011        28,4%         45,8%           82,5%
2012        32,5%         49,2%           74,2%
2013        43,7%         54,2%           75,3%
2014        50,4%         53,4%           72,8%
2015        53,8%         53,6%           69,9%
2016        45,0%         53,7%           80,6%

Fonte: elaborado pelos autores

Nota: Tabla derivada de grafico de lineal.

FIGURA 5

Margem operacional (MO) por segmentos operacionais da Kroton

       Encino superior   Educacao   Ensino superior a
          presencial      basica      distancia--EAD

2011         9,5%         25,9%           45,4%
2012        10,9%         24,7%           55,7%
2013        24,3%         25,9%           60,4%
2014        24,3%         32,1%           51,4%
2015        30,6%         32,6%           48,3%
2016        30,4%         34,5%           56,2%

Fonte: elaborado pelos autores.

Nota: Tabla derivada de grafico de lineal.

FIGURA 6

Retorno operacional sobre o ativo (ROA) por segmentos operacionais da
Kroton

       Encino superior   Educacao   Ensino superior a
          presencial      basica      distancia--EAD

2011         2,1%          5,0%           34,9%
2012         4,4%         14,7%           43,5%
2013        13,1%         27,5%           44,0%
2014         7,2%         14,6%           44,5%
2015        13,7%         29,2%           52,8%
2016        14,0%         27,2%           45,2%

Fonte: elaborado pelos autores.

Nota: Tabla derivada de grafico de lineal.
COPYRIGHT 2017 Pontificia Universidad Javeriana
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Alves Souza, Julia; Mendonca, Douglas Jose; Carmo da Silva, Beatriz; Carvalho-de Benedicto, Gideon
Publication:Cuadernos de Contabilidad
Date:Jul 1, 2017
Words:12159
Previous Article:El uso de los metodos deductivo e inductivo para aumentar la eficiencia del procesamiento de adquisicion de evidencias digitales.
Next Article:Contabilidad regulatoria versus contabilidad financiera: estudio de caso de las diferencias del tratamiento contable en empresas brasilenas del...

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters