Printer Friendly

Daily and reproductive behavior of female crossbred (Bos indicus x Bos taurus) cattle bearing digital dermatitis/Comportamento diario e reprodutivo de femeas bovinas mesticas (Zebu x Holandesa) portadoras de dermatite digital.

Introducao

Os inconvenientes advindos das enfermidades digitais em bovinos de aptidao leiteira influenciam na lucratividade do criatorio e ocorrem independente do sexo, raca, idade e manejo (CORBELLINI, 1994; SILVA et al., 2004). Acrescente-se que, em sistemas intensivos de criacao, tais inconvenientes, alem de comprometer o bem-estar animal, podem interferir na fisiologia do sistema digestivo, contribuindo para o aumento da ocorrencia de enfermidades digitais (GREENOUGH, 1997).

Varios fatores podem estar envolvidos na etiologia das doencas dos cascos dos bovinos, como predisposicao genetica, meio ambiente, manejo, estacoes do ano, clima e nutricao (SILVA et al., 2001). Dentre as varias enfermidades, a dermatite digital bovina e caracterizada por inflamacao na pele do espaco interdigital palmar, plantar ou dorsal, podendo ocorrer tambem na regiao limitrofe entre o corio coronario e taloes. Quando a lesao adquire aspecto erosivo ou ulcerativo, e denominada de papilomatosa ou verrucosa (LEAO et al., 2008). De acordo com Nocek (1993), os sinais clinicos inespecificos da dermatite digital compreendem claudicacao de intensidade variada e, relutancia em se locomover, com marcha em passadas curtas.

As enfermidades das extremidades distais dos membros locomotores dos bovinos sao consideradas importantes agentes estressantes e, por essa razao, determinam reducoes na taxa de fertilidade e prenhez (SHELDON, 1997). Adicionalmente, Peeler et al. (1994) descreveram que a habilidade da vaca em ingerir alimento suficiente para sua producao e manutencao pode ser diminuida pelo problema podal, levando-a ao anestro.

Diante de tais informacoes, apesar da existencia de trabalhos demonstrando a importancia das enfermidades podais como fator negativo na produtividade de animais de aptidao leiteira, verifica-se a necessidade de desenvolvimento de estudos sobre o problema, especialmente relacionados ao comportamento dos animais enfermos. Nesse contexto, o presente trabalho objetivou avaliar os aspectos relacionados ao comportamento diario de femeas bovinas mesticas (Zebu x Holandesa), portadoras de dermatite digital, manejadas semi-extensivamente e o comportamento reprodutivo tanto no manejo semi-extensivo como no extensivo.

Material e metodos

O estudo foi desenvolvido em uma propriedade rural do Estado de Goias-Brasil entre maio de 2005 e maio de 2007, no municipio de Jatai (Latitude 17[degrees]53'00"S, Longitude: 051[degrees]43'00"W e Altitude: 662,86 m). A regiao e caracterizada por um longo periodo chuvoso durante o ano, opondo-se a outro, mais seco. Nesse periodo, a temperatura variou entre minima de 16,9[degrees]C e maxima de 30,7[degrees]C. A precipitacao pluviometrica media de outubro a abril foi de 221 mm, enquanto que, nos meses de seca, maio a setembro, a media foi de, aproximadamente, 19,34 mm. A umidade relativa do ar na regiao variou entre 66 e 73% durante o periodo estudado (INMET, 2007).

Foram utilizadas 30 femeas bovinas mesticas (Zebu x Holandesa), manejadas de forma semiextensiva, distribuidas em tres grupos experimentais com dez animais cada. Todos os animais encontravam-se numa faixa etaria entre 36 e 84 meses e peso corporal medio de 385,5 [+ or -] 47,2 kg. O Grupo I (GI) foi constituido por vacas portadoras de dermatite digital erosiva, o Grupo II (GII) por portadoras de dermatite digital verrucosa e o Grupo III (GIII) por animais clinicamente saudaveis. A caracterizacao das lesoes digitais baseou-se nas afirmacoes de Leao et al. (2008). Em virtude da casuistica de dermatite digital encontrada na propriedade e do numero de animais empregados, foi necessario um periodo de 24 meses para a conclusao do estudo. Entretanto, cada unidade experimental, a medida que selecionada, foi avaliada durante oito meses para as vaiaveis relacionadas ao comportamento diario e alimentar e 12 meses para as avaliacoes referentes ao comportamento reprodutivo.

Todos os animais foram manejados em piquetes coletivos de Brachiaria decumbens, obedecendo a relacao de um animal 80 m-2 de area. No periodo de seca receberam suplementacao volumosa a base de silagem de milho e, durante todo o periodo experimental, foram suplementados com racao concentrada e sal mineralizado, conforme exigencia nutricional preestabelecida e agua em bebedouros artificiais, ad libidum. Estimou-se que 10% da area do piquete fosse sombreada com vegetacao natural.

Como avaliacao do comportamento diario e alimentar, os animais foram incluidos no estudo a partir do decimo dia pos-parto e avaliados em intervalos de tempo fixos durante oito meses. Nesse periodo, as avaliacoes foram concentradas no primeiro mes (M1), quatro meses (M4) e oito meses (M8) apos M1. Nos dias da avaliacao, estabeleceu-se um periodo de 12h consecutivas, iniciadas a partir das 6h da manha. Cada bovino foi avaliado durante tres dias consecutivos estabelecendo-se a media do periodo para cada variavel. A observacao dos dados foi realizada por tres profissionais que se revezavam a cada 2h, com criterios de avaliacao baseados na metodologia proposta por Leme et al. (2005). Avaliaram-se, no piquete, o posicionamento do animal, se em posicao quadrupedal ou decubito, o periodo de alimentacao, a frequencia de ingestao de agua, ruminacao e ocio. Quanto a ingestao de agua, calculou-se o tempo total de permanencia ao redor do bebedouro, incluindo o tempo dispensado para se realizar esta atividade alternando com as interrupcoes. Os animais tambem foram observados durante a ordenha, realizada manualmente duas vezes ao dia, quanto as atividades de ruminacao e o ocio. O tempo medio em minutos, dos tres dias de avaliacao, que cada animal dispensou para exercer as atividades avaliadas foi transformado em percentual do tempo total de observacao.

O comportamento reprodutivo foi observado durante 12 meses, a partir do parto, por meio de exame ginecologico especifico e indices zootecnicos. Avaliaram-se consistencia dos ovarios, presenca de cistos ovarianos, retencao de envoltorios fetais, mastites, metrite, periodo de servico, numero de servicos por prenhez, sinais externos de cio e prenhez. Os dados referentes a presenca de retencao de envoltorios fetais, mastite, metrite, cio e numero de coberturas foram colhidos mensalmente. As observacoes relacionadas a alteracoes ovarianas e uterinas foram obtidas por meio de exames de palpacao retal e emprego de especulo vaginal. O diagnostico de gestacao foi realizado baseando-se nas datas de cio e cobertura da femea ou por meio de exames periodicos a cada dois meses.

Os resultados obtidos referentes ao comportamento diario dos bovinos portadores de dermatite digital foram analisados inicialmente pelo teste de aderencia Kologorv-Smirnov, empregando uma variavel para normalidade, verificada a distribuicao dos dados entre os grupos. As diferencas entre os grupos dentre os meses observados foram avaliadas utilizando o teste de analise de variancia. Ja a diferenca dentro dos grupos, foi analisada por meio do teste de Friedmann, seguido pelo teste de comparacoes multiplas de Tukey com o proposito de observar se havia diferencas significativas entre os grupos. O valor de p < 0,05 foi considerado de significancia minima para todas as analises estudadas (FILHO, 2004).

Resultados e discussao

No decorrer do periodo de avaliacao, houve aumento no tempo dispensado para alimentacao, ingestao de agua e ruminacao em todos os grupos. (Tabela 1).

O tempo de permanencia dos animais em ocio diminuiu em todos os grupos, com diferenca significativa entre momentos do GII e GIII (p < 0,05). Tal achado foi atribuido, em parte, ao desconforto desencadeado pelas lesoes, apesar da tendencia natural de cronificacao do processo com o decorrer do tempo. Para Watkins et al. (1995), em casos de doencas que cursam com processo inflamatorio agudo ou cronico, existe a possibilidade das citocinas proinflamatorias induzirem uma serie de respostas caracterizadas por reducao da ingestao de agua e de alimentos, aumento da liberacao de corticosteroides, diminuicao da interatividade social e hiperalgesia.

Analisando o comportamento das femeas pertencentes aos tres grupos em posicao quadrupedal no piquete, verificou-se que, em media, para os animais alocados no GI, 19,6% do tempo foi dispensado para alimentacao seguida do ocio com 7,9%, ruminacao com 5,2% e ingestao de agua que representou 1,0% do tempo total de observacao. Quanto ao grupo GII, o tempo dispensado para realizar essas atividades representou 16,7; 6,1; 3,6 e 0,8% respectivamente. Comportamento semelhante foi verificado nas femeas distribuidas no grupo GIII, cujos valores foram sequencialmente 23,1; 9,4; 5,3 e 1,1%. O fato de os bovinos alocados no grupo GII dispensarem menor tempo na realizacao dessas atividades pode estar relacionado ao estresse desencadeado pelas lesoes, as quais na sua forma proliferativa, geralmente sao mais graves. Assim, acredita-se que os animais, pertencentes a esse grupo logo apos a ingestao de agua, afastavam-se do local a procura de uma posicao mais confortavel. Nao foi observada diferenca significativa quanto ao tempo dispensado para ingestao de agua e ruminacao entre os grupos GI e GIII, enquanto os animais permaneciam em posicao quadrupedal, no piquete. De acordo com Empel et al. (1993), a ingestao de alimentos, agua e a ruminacao e considerada padrao fixo de comportamento, que podem ser alterados de acordo com a situacao enfrentada pelo animal. Broom e Molento (2004) afirmaram que situacoes de dificuldade de movimento, casos de doencas e ferimentos indicam baixo grau de bem-estar, portanto quando os animais estao doentes, o bemestar sera comprometido em relacao ao um animal saudavel. Enquanto permaneciam em decubito, no piquete, os animais alocados no grupo GII mantiveram maior tempo, em ocio ou ruminando, ao contrario dos bovinos que compuseram os grupos GI e GIII.

Esse achado pode estar relacionado a grande destruicao tecidual observada nos digitos desencadeada pela forma proliferativa da enfermidade, e para aliviar o desconforto os animais preferiam o decubito. Ressalte-se que mesmo nessa posicao, considerada mais confortavel, os animais pertencentes ao grupo GI ainda permaneceram menos tempo ruminando quando comparados aos alocados no grupo GIII, sinalizando que nem sempre a mudanca de postura e suficiente para aliviar o estresse desencadeado pelas lesoes digitais.

O comportamento dos animais no momento da ordenha, nos diferentes grupos esta descrito na Tabela 2.

Independente do grupo, os animais em posicao quadrupedal apresentaram padrao de ruminacao crescente no decorrer do experimento, com diferenca estatistica observada em GI. As vacas distribuidas no grupo GI e GIII ficaram mais tempo ruminando quando comparados aos animais alocados no grupo GII. Com relacao aos meses observados, quando os animais mantiveram-se em decubito, nao houve variacao significativa para os comportamentos ruminacao e ocio, nos tres grupos estudados. Argumenta-se que esse comportamento possa ser justificado pela adaptacao dos bovinos ao manejo alimentar e a acomodacao ao desconforto provocado pelas lesoes. Segundo Grandin (2000), bovinos, quando submetidos a situacoes que provocam dor, apresentam estresse e geralmente reagem a essa situacao aversiva, modificando o seu comportamento.

Em posicao de decubito durante o periodo que permaneceram no curral de ordenha, as femeas alocadas no grupo GII ficaram mais tempo em ocio quando relacionado aos demais grupos (Tabela 2).

De acordo com Radostits et al. (2002), bovinos de aptidao leiteira portadores de enfermidades podais tem significante reducao do seu desempenho, porem os autores nao fizeram associacoes como as evidenciadas no presente estudo.qui observadas. Ainda na posicao de decubito e no curral durante a ordenha, nao se observou variacao significativa para os comportamentos ruminacao e ocio para os tres grupos estudados, nos diferentes meses de avaliacao. Ressalte-se que as principais variaveis comportamentais aqui estudadas, especialmente as relacionadas com atividade de alimentacao, ruminacao, ocio e procura por agua tambem foram apontados por Ray e Roubicek (1971) no estudo do comportamento dos bovinos, confirmando a importancia do assunto.

Quanto aos parametros de comportamento reprodutivo, ao relaciona-los a presenca ou ausencia de dermatite digital, nao se observara diferenca estatistica significativa entre os grupos (Tabela 3).

A ocorrencia de cio variou consideravelmente quanto ao periodo em ambos os grupos. Dos animais alocados no GI, tres (30%) nao manifestaram cio, o que corrobora com as afirmacoes de Gabarino et al. (2004), em que vacas claudicantes tem, em media, 3,5 vezes mais chances de apresentarem diminuicao das funcoes ovarianas se comparadas a saudaveis. Uma (10%) femea apresentou retencao de envoltorios fetais. Nos animais alocados no GII, quatro (40%) femeas nao manifestaram cio e os que se apresentaram receptivas ao macho, cada animal, exigiu, em media, 2,3 servicos para se conseguir emprenhar. Nos bovinos que compuseram o grupo GIII, um (10%) animal manifestou cio aos 90 dias apos o parto, dois (20%) aos 120 dias, um (10%) aos 150 dias, tres (30%) aos 180 dias e dois (20%) aos 240 dias. Um (10%) animal nao manifestou cio e durante todo o periodo de avaliacao apresentou ao exame ginecologico ovarios lisos, pequenos

e cornos uterinos flacidos. No bovino que manifestou cio aos 150 dias apos o parto, observou-se um total de cinco repeticoes nos meses subsequentes. Tal fato pode ser explicado pela retencao dos envoltorios fetais e posterior metrite apos parto distocico, o que legitimam os relatos de Silva et al. (2004), os quais demonstraram que o estresse decorrente do parto, mudancas hormonais e retencao de envoltorios fetais podem tornar as femeas mais vulneraveis a infeccoes uterinas.

O numero de servicos por prenhez de acordo com a epoca de confirmacao da gestacao (em dias), a partir da data do parto em ambos os grupos estao detalhados na Figura 1.

Quanto ao periodo de servico, na literatura, em sua maioria, as medias sao muito variaveis com valores medios estimados no presente trabalho (MAKUZA; McDANIEL, 1996; PEREIRA et al., 2000). As medias e os desvios-padrao dos animais do GI, GII e GIII foram de 246 [+ or -] 93,59 dias, 273 [+ or -] 87,69 dias e 186 [+ or -] 78,48 dias, respectivamente. Tais medias estao acima dos resultados encontrados na literatura, considerando como ideal um periodo de servico de cerca de 60 dias, para que se tenha otimo desempenho reprodutivo, possibilitando intervalo de partos em torno de 13 a 14 meses. Nao foi observada diferenca estatistica entre os animais alocados no GIII e os alocados no GI e GII, fato que contraria as afirmacoes de Ramos et al. (2001), os quais relataram diferenca significativa ao comparar femeas bovinas saudaveis com femeas portadoras de dermatite digital, com relacao a media de intervalo entre o parto e a concepcao e a taxa de fertilidade ao primeiro servico. No presente estudo, apesar de nao haver sido encontrada diferencas entre os animais do grupo saudavel e dos portadores de dermatite digital, observou-se que nos animais saudaveis, o retorno ao cio ocorreu mais rapidamente. Dos dez (100%) animais pertencentes ao GIII, tres apresentaram um periodo de servico inferior a 120 dias, enquanto que, nos demais grupos, nesse mesmo periodo, nenhum animal havia emprenhado.

[FIGURE 1 OMITTED]

Conclusao

Diante dos resultados apresentados, conclui-se que a dermatite digital bovina, especialmente do tipo verrucosa, alterou de forma negativa o comportamento diario e alimentar das femeas bovinas mesticas (Zebu x Holandesa), observadas em diferentes situacoes. Com relacao ao comportamento reprodutivo, ao relaciona-lo a presenca ou ausencia de dermatite digital, nao foi possivel observar diferencas entre os grupos, em relacao aos parametros avaliados.

Agradecimentos

Ao CNPq, ao Medico Veterinario Leonardo Marcal da Silva, Classivet, Orizona, Estado de Goias e a Fazenda Boa Vista da Felicidade, Jatai, Estado de Goias.

Received on November 29, 2007. Accepted on June 3, 2009.

Referencias

BROOM, D. M.; MOLENTO, C. F. M. Bem-estar animal: conceito e questoes relacionadas: revisao. Archives of Veterinary Science, v. 9, n. 9, p. 1-11, 2004.

CORBELLINI, C. N. Fatores nutricionales relacionados com las afecciones podales en bovinos. Santiago: Navarro, 1994.

EMPEL, W.; JEZIERSKI, T.; BRZOZOWQSKI, P.; MARKIEWICZ, G. H.; GIMZEWSKA, K.; KOLAKOWSKI, T. Behavior of dairy cows within three hours after feed supply. I. Influence of housing type and time elapsing after feed supply. Animal Science Papers and Reports, v. 11, n. 4, p. 301-309, 1993.

FILHO, G. M. Segredos da estatistica em pesquisa cientifica. Goiania: Vieira, 2004.

GABARINO, E. J.; HERNANDEZ, J. A.; SHEARER, J. K.; RISCO, C. A.; THATCHER, W. W. Effect of lameness on ovarian activity in postpartum holstein cows. Journal of Dairy Science, v. 87, n. 12, p. 4123-4131, 2004.

GRANDIN, T. Livestock handling and transport. Wasllingford: Oxon, 2000.

GREENOUGH, R. Lameness in cattle. Philadelphia: W.B. Saunders, 1997.

INMET-Instituto Nacional de Meteorologia. 10[degrees] DISME/ SEOMA. Goiania: Ministerio da Agricultura, Pecuaria e Abastecimento, 2007.

LEAO, M. A.; FIORAVANTI, M. C. S.; SILVA, O. C.; SERAPHIN, J. C.; MOURA, M. A.; CAETANO, L. B.; EURIDES, D.; SILVA, L. A. F. Dermatite digital bovina: resposta terapeutica e custo dos protocolos adotados em duas propriedades rurais. Revista Brasileira de Ciencia Veterinaria, v. 15, n. 1, p. 111-116, 2008.

LEME, T. M. S. P.; PIRES, M. F. A.; VERNEQUE, R. S.; ALVIM, M. J.; AROEIRA, L. J. O. Comportamento de vacas mesticas Holandes x Zebu, em pastagem de Brachiaria decumbens em sistema silvipastoril. Ciencia e Agrotecnologia, v. 29, n. 3, p. 668-675, 2005.

MAKUZA, S. M.; McDANIEL, B. T. Effects of days dry, previous days open, and current days open on yields of cows in Zimbabwe and North Carolina. Journal of Dairy Science, v. 79, n. 4, p. 702-709, 1996.

NOCEK, J. E. Hoof care for dairy cattle. Fort Atkinson: Hoard and Company, 1993.

PEELER, E. J.; OTEE, M. J.; ESSLEMONT, R. J. Interrelationship of periparturiente diseases in dairy cows. Veterinary Record, v. 134, n. 6, p. 129-132, 1994.

PEREIRA, I. G.; GONCALVES, T. M.; OLIVEIRA, A. I. G. Fatores de variacao e parametros geneticos dos periodos de servico e seco em bovinos da raca Holandesa no estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 29, n. 4, p. 1005-1013, 2000.

RADOSTITS, O.; GAY, C. C.; BLOOD, D. C.; HINCHCLIFF, K. W. Clinica veterinaria: um tratado de doencas dos bovinos, ovinos, suinos, caprinos e equinos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2002.

RAMOS, L. S.; SILVA, L. A. F.; MEIRINHOS, M. L. G.; JULIANO, R. S.; PRADO, L. F.; CUNHA, P. H. J.; MORAES, R. R.; FIORAVANTI M. C. S. Avaliacao de parametros reprodutivos em femeas bovinas de aptidao leiteira portadoras de pododermatite necrosante. ARS Veterinaria, v. 17, n. 2, p. 98-106, 2001.

RAY, D. E.; ROUBICEK, C. B. Behavioral of feedlot cattle during two seasons. Jornal of Animal Science, v. 33, n. 1, p. 72-76, 1971.

SHELDON, M. Bovine fertility--pratical implications of the maternal reognition of pregnancy. In Practice, v. 2, n. 19, p. 546-554, 1997.

SILVA, L. A. F.; FIORAVANTI, M. C.; TRINDADE, B. R.; SILVA, O. C.; EURIDES, D.; CUNHA, P. H. J.; MOURA, M. I. Enfermidades digitais em vacas de aptidao leiteira: associacao com mastite clinica, metrites e aspectos epidemiologicos. Pesquisa Veterinaria Brasileira, v. 24, n. 4, p. 217-222, 2004.

SILVA, L. A. F.; SILVA, L. M.; ROMANI, A. F.; RABELO, R. E.; FIORAVANTI, M. C. S.; SOUZA, T. M.; SILVA, C. A. Caracteristicas clinicas e epidemiologicas das enfermidades podais em vacas lactantes do municipio de Orizona--GO. Ciencia Animal Brasileira, v. 2, n. 2, p. 119-126, 2001.

WATKINS, L. R.; MAIER, S. F.; GOEHLER, L. E. Cytokine-to-brain communication: A review and analysis of alternative mechanisms. Life Science, v. 57, n. 11, p. 1011-1026, 1995.

License information: This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.

DOI: 10.4025/actascianimsci.v31i2.499

Luiz Antonio Franco da Silva (1) *, Leandro Guimaraes Franco (2), Allice Rodrigues Ferreira (3), Karollina Moraes Bernardes (4), Anna Carolina da Costa (2) e Rogerio Elias Rabelo (5)

(1) Departamento de Medicina Veterinaria, Escola de Veterinaria, Universidade Federal de Goias, Rod. Goiania-Nova Veneza, Km 0, Cx. Postal 131, 74001-970, Goiania, Goias, Brasil.

(2) Programa de Pos-graduacao em Ciencia Animal, Escola de Veterinaria, Universidade Federal de Goias, Goiania, Goias, Brasil.

(3) Programa de Pos-graduacao em Ciencias Animais, Universidade de Brasilia, Distrito Federal, Brasil.

(4) Medica Veterinaria Autonoma, Goiania, Goias, Brasil.

(5) Departamento de Medicina Veterinaria Universidade Federal de Goias, Jatai, Goias, Brasil.

* Autor para correspondencia. E-mail: lafranco@vet.ufg.br
Tabela 1. Comportamento diario de vacas mesticas dos diferentes
grupos experimentais, em piquetes, avaliadas entre maio de 2005
a maio de 2007, no municipio de Jatai, Goias, Brasil.

Table 1. Daily behavior of crossbred cows from experimental
groups, from May 2005 to May 2007, in Jatai, Goias, Brazil.

                                  Piquete
                                  Pasture

                                Quadrupedal
                                Quadrupedal
Grupo     Mes     Alimentacao      Agua       Ruminacao
Group    Month      Feeding        Water      Rumination

I         M1       17,8 (a)       0,8 (a)      3,8 (a)
          M4       19,9 (b)       1,0 (b)      5,3 (b)
          M8       21,3 (c)       1,2 (c)      6,4 (c)
         Media     19,6 (A,C)     1,0 (A,C)    5,2 (A,C)
        Average

II        M1       15,8 (a)       0,7 (a)      3,1 (a)
          M4       16,6 (b)       0,8 (b)      3,4 (b)
          M8       17,6 (c)       0,9 (c)      4,2 (c)
         Media     16,7 (B)       0,8 (B)      3,6 (B)
        Average

III       M1       21,4 (a)       0,9 (a)      4,5 (a)
          M4       23,2 (b)       1,1 (b)      5,4 (b)
          M8       24,8 (c)       1,3 (c)      6,1 (c)
         Media     23,1 (A,C)     1,1 (A,C)    5,3 (A,C)
        Average

                               Piquete
                               Pasture

                               Decubito
                               Resting
Grupo     Mes       Ocio      Ruminacao       Ocio
Group    Month     Leisure    Rumination    Leisure

I         M1         8,4        8,0 (a)     36,6 (a)
          M4         7,9        9,3 (b)     32,7 (b)
          M8         7,3       10,1 (c)     29,5 (c)
         Media    7,9 (A,C)     9,1 (A)     32,9 (A,C)
        Average

II        M1       6,4 (a)      9,8 (a)     42,4 (a)
          M4       6,2 (b)     10,4 (b)     40,7 (b)
          M8       5,6 (c)     11,1 (c)     38,8 (c)
         Media     6,1 (B)     10,4 (B)     40,6 (B)
        Average

III       M1      10,2 (a)      9,1 (a)     31,5 (a)
          M4       9,7 (b)     10,3 (b)     27,8 (b)
          M8       8,3 (c)     11,4 (c)     25,7 (c)
         Media     9,4 (A,C)   10,3 (C)     28,4 (A,C)
        Average

(a,b,c) representam a comparacao das medias dentro do grupo;
(A, B, C) representam a comparacao das medias em relacao
entre os grupos.

(a,b,c) represent the comparison among means within a group;
(A, B, C) represent the comparison of means among groups.

Tabela 2. Comportamento diario de vacas mesticas dos
diferentes grupos, observados durante a ordenha entre maio de
2005 a maio de 2007, no municipio de Jatai, Goias, Brasil.

Table 2. Daily behavior of crossbred cows from different groups,
observed during milking from May 2005 to May 2007, in Jatai,
Goias, Brazil.

                                        Ordenha
                                        Milking

                         Quadrupedal                Decubito
                         Quadrupedal                Resting

Grupo     Mes      Ruminacao       Ocio      Ruminacao      Ocio
Group    Month    Rumination     Leisure     Rumination    Leisure

I         M1        2,0 (a)      20,3 (a)     0,6 (a)        1,7
          M4        2,8 (b)      18,2 (b)     0,9 (b)        2,2
          M8        3,7 (c)      17,9 (c)     1,2 (c)        1,5
         Media     2,8 (A,C)    18,8 (A,C)      0,9       1,8 (A,C)
        Average
II        M1          1,0          16,5         1,6          2,8
          M4          0,9          16,8         1,7          2,6
          M8          1,4          15,4         1,8          3,4
         Media      1,1 (B)      16,2 (B)     1,7 (B)      2,9 (B)
        Average
III       M1          2,1          18,9         0,8          0,6
          M4          1,9          19,2         0,9          0,5
          M8          2,7          18,4         0,8          0,5
         Media     2,2 (A,C)    18,8 (A,C)   0,8 (A,C)    0,5 (A,C)
        Average

(a,b,c) representam a comparacao das medias em relacao dentro de um
grupo; (A, B, C) representam a comparacao das medias em relacao
entre os grupos.

(a,b,c) represent the comparison among means within a group;
(A, B, C) represent the comparison of means among groups.

Tabela 3. Resultado das diferentes variaveis reprodutivas nos
animais utilizados no experimento, no periodo de maio de 2005 a
maio de 2007, no municipio de Jatai, Goias, Brasil.

Table 3. Results from reproductive variables of experimental
animals, from May 2005 to May 2007, in Jatai, Goias, Brazil.

                           GI           GII         GIII
Variaveis   Resultados
Variables    Results     n     %      N     %      n     %

Prenhez      Ausencia    3    30,0    4    40,0    1    10,0
Pregnancy    Absence
             Presenca    7    70,0    6    60,0    9    90,0
             Presence
Cio          Ausencia    7    70,0    6    60,0    9    90,0
Heat         Absence
             Presenca    3    30,0    4    40,0    1    10,0
             Presence
Cisto        Ausencia    9    90,0   10   100,0   10   100,0
Cyst         Absence
             Presenca    1    10,0   --     0,0   --     0,0
             Presence
Retencao     Ausencia    9    90,0    8    80,0    9    90,0
Retention    Absence
             Presenca    1    10,0    2    20,0    1    10,0
             Presence
Metrite      Ausencia    9    90,0   10   100,0    9    90,0
Metritis     Absence
             Presenca    1    10,0   --     0,0    1    10,0
             Presence
Mastite      Ausencia    9    90,0   10   100,0   10   100,0
Mastitis     Absence
             Presenca    1    10,0   --     0,0   --     0,0
             Presence

Variaveis   Resultados
Variables    Results     [chi square]     P

Prenhez      Ausencia         --          --
Pregnancy    Absence
             Presenca       2,386       0,303
             Presence
Cio          Ausencia         --          --
Heat         Absence
             Presenca       2,386       0,303
             Presence
Cisto        Ausencia         --          --
Cyst         Absence
             Presenca       2,069       0,355
             Presence
Retencao     Ausencia         --          --
Retention    Absence
             Presenca       0,577       0,749
             Presence
Metrite      Ausencia         --          --
Metritis     Absence
             Presenca       1,071       0,585
             Presence
Mastite      Ausencia         --          --
Mastitis     Absence
             Presenca       2,069       0,355
             Presence

Teste Qui-quadrado (p < 0,05).

Chi-square test (p < 0.05).
COPYRIGHT 2009 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2009 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Texto en Portuguese
Author:da Silva, Luiz Antonio Franco; Franco, Leandro Guimaraes; Ferreira, Allice Rodrigues; Bernardes, Kar
Publication:Acta Scientiarum Animal Sciences (UEM)
Date:Apr 1, 2009
Words:4146
Previous Article:Utilization of the spent substrate of Pleurotus sajor caju mushroom in broiler chicks ration and the effect on broiler chicken performance/Utilizacao...
Next Article:Manioc silage associated with different energy sources in goat feeding: performance/Silagem de manicoba associada a diferentes fontes energeticas na...
Topics:

Terms of use | Copyright © 2017 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters