Printer Friendly

DIAGNOSTICO DE CARCINOMA MAMARIO EM CAO MACHO: RELATO DE CASO.

1 Introducao

Um dos tipos de neoplasias mais frequentes em caes, principalmente em cadelas, sao os tumores mamarios, que nelas sao responsaveis por cerca de 52% do total das neoplasias (MENDES, 2007), onde, segundo Queiroga (2002) e Lopes (2002), pode-se observar que 50% destes, sao malignos. Sua ocorrencia em machos quase nao e descrita pela literatura. Entretanto, por conta da proximidade fisiologica dos tumores mamarios entre seres humanos e caes, pode fazer uma comparacao, uma vez que esse tipo de neoplasia em homens tambem e raro, com incidencia inferior a 1% se comparada a relatada em mulheres (KUMAR, 2013).

Os carcinomas sao um dos tipos histologicos mais presentes em neoplasias mamarias de cadelas (RIBEIRO, 2010). Eles sao classificados conforme sua penetracao ou nao na membrana basal limitante, aqueles que ficam dentro do limite sao denominados de carcinomas in situ e os que se espalham para alem dele sao chamados de carcinoma invasivo ou infiltrativo (KUMAR; ABBAS; ASTER, 2013).

O acompanhamento de certas doencas e de fundamental importancia para manutencao do bem-estar animal, sendo os tumores mamarios um risco para sua saude e qualidade de vida (FONSECA, 2000).

A identificacao dos tumores que acometem os caes, auxilia na execucao do tratamento mais indicado, sendo ele cirurgico, oncologico ou experimental e a avaliacao frequente permite constatar a eficacia dos mesmos, fornecendo um possivel prognostico (RIBEIRO, 2010).

Segundo Zachary e McGavin (2013), o desenvolvimento da neoplasia epitelial pode ser dado de diversas formas, uma delas e a progressao de uma hiperplasia ductal ou lobular para uma displasia e depois para uma neoplasia, e outra e atraves de uma forma nao invasiva para uma invasiva. Os tumores podem surgir em apenas uma ou em varias glandulas mamarias, sendo essencial o diagnostico e prognostico de todas elas, pois varios tipos de neoplasias podem ser encontrados no mesmo paciente. Geralmente, estao ligados a idade dos animais e ao fato de nao serem castrados, pois acredita-se que, em cadelas, sao altamente influenciados pela acao hormonal. A probabilidade de ocorrencia desta neoplasia aumenta em animais de meia idade e idosos, sem predisposicao racial (QUEIROGA, 2002; LOPES, 2002). Segundo Fergunsson (1985), as cadelas que passam por ovariosalpingohisterectomia (OSH) antes do primeiro estro apresentam risco de 0,5% de desenvolverem tumores de mama, 8% de risco em OSH apos o primeiro estro e 26% apos o segundo estro.

Estudos mais aprofundados sobre a ocorrencia de tumores mamarios, seus cursos e suas causas, sao importantes para que se saiba o que esta acarretando o desenvolvimento dessa forma neoplasica e qual o melhor caminho para se abordar certos tipos de tumores. Sendo assim, informacoes sobre o prognostico e manutencao da qualidade de vida do paciente podem ser fornecidas, provendo o maximo de subsidios disponiveis sobre o manejo do animal (HELLMEN et al., 1993).

O objetivo deste projeto e relatar a ocorrencia de tumor mamario em um cao sem raca definida (SRD) macho, atendido em uma clinica veterinaria na cidade de Queimados no Estado do Rio de Janeiro.

2 Relato de caso

O animal utilizado no estudo foi um cao macho, SRD de 14 anos de idade que foi atendido em uma clinica veterinaria localizada na cidade de Queimados, Estado do Rio de Janeiro.

Para a realizacao do estudo, foi utilizado tumor removido cirurgicamente para analises histopatologicas.

O animal chegou a clinica veterinaria onde a principal queixa do tutor era a presenca de um aumento de volume no abdomen ao lado do prepucio. O mesmo foi atendido e apos exame clinico completo suspeitou-se de hernia abdominal. Apos avaliacao mais criteriosa, constatou-se de que se tratava de um tumor em regiao hipogastrica periprepucial. A descricao macroscopica era de uma massa lateral ao penis de aspecto irregular parcialmente coberta por pele com pelos. Desta forma, foi indicado que o mesmo fosse internado para realizacao de procedimento cirurgico, afim de se extrair totalmente o tumor.

Apos o procedimento cirurgico o animal recuperou-se satisfatoriamente e o material coletado foi encaminhado para avaliacao histopatologica. As amostras foram coletadas em recipientes compativeis com seu tamanho contendo formol a 10% (Figura 1).

Na avaliacao macroscopica histopatologica para inicio do diagnostico, constatou-se que a massa era macia aos cortes e sua superficie de corte era, ora compacta brancacenta ora cistica com conteudo marrom gelatinoso (Figura 1B).

A massa foi fracionada e preparada para ser colocada em laminas para realizacao analise microscopica. A avaliacao microscopica revelou uma proliferacao de celulas epiteliais com discreta anaplasia, distribuidas em pequenas formacoes tubulo papilares e com grandes formacoes cisticas (Figura 2 A e B).

No permeio, verificaram-se proliferacao de celulas mioepiteliais que, em algumas areas, exibiram diferenciacao condroide (Figuras 3 A e B). Observaram-se ainda infiltrado inflamatorio mononuclear (Figura 3A). As margens cirurgicas avaliadas nao foram mantidas. O diagnostico foi de tumor misto maligno de mama (carcinoma complexo), extremamente raro em caes machos. Foi recomendado que o animal seguisse para avaliacao com medico veterinario oncologista.

3 Discussao

O cao, por se tratar de um animal idoso, vai de acordo com o que afirma Cassali (2017), que cita o aumento da expectativa de vida como uma das provaveis causas da maior ocorrencia de tumores mamarios em caes, assim como na populacao humana. Segundo Queiroga (2002), Lopes (2002) e Santos et al. (2009), essa longevidade e ainda mais seria quando o animal nao foi submetido a gonadectomia, ou passou por este procedimento tardiamente, no caso das cadelas, apos o segundo estro, aumentando as chances de desenvolvimento de tumores mamarios, que sao altamente relacionados a hormonios sexuais. Caes machos que desenvolvem tumores mamarios tendem a apresentar esta alteracao nas mamas abdominais caudais e inguinais (CASSALI, 2017).

4 Conclusao

O exame histopatologico e de suma importancia na identificacao de tumores, principalmente os mamarios. As neoplasias mamarias em caes machos sao raras e eventos como este, intensificam a necessidade para melhores diagnosticos clinicos e laboratoriais, visando uma melhor qualidade de vidas aos pacientes, principalmente os oncologicos.

5 Referencias

CASSALI, G. D. Patologia Mamaria Canina. 1. ed. Sao Paulo: Medvet, 2017.

FERGUNSSON, H. R. Canine mammary gland tumors. Veterinary Clinics of North America: Small Animal Practice, v. 15, n. 3, p. 501-511, 1985.

FONSECA, C. S.; DALECK, C. R. Neoplasias mamarias em cadelas: influencia hormonal e efeitos da ovario-histerectomia como terapia adjuvante. Ciencia Rural, v. 30, n. 4, p. 731-735, 2000.

HELLMEN, E. et al. PrognosticFactors in Canine Mammary Tumors: A MultivariateStudy of 202 Consecutive Cases. VetPathol, v. 30, n. 1, 1993.

KUMAR, V.; ABBAS, A. K.; ASTER, J. C. Robins Patologia Basica. 9. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. p. 710-714.

MENDES, T. C. et al. Comparacao entre os sistemas histomorfologicos e de graduacao histologica para classificacao prognostica de tumores mamarios em cadelas. Acta Scientiae Veterinariae, v. 35, n. 3, p. 339-343, 2007.

QUEIROGA, F.; LOPES, C. Tumores mamarios caninos--Novas perspectivas. Congresso de Ciencias Veterinarias, Oeiras, v. 10, n. 12, p. 183-190, 2002.

RIBEIRO, G. M. Carcinoma em Tumor Misto de Mama da Cadela: Avaliacao de Aspectos Morfologicos e Perfil Imunofenotipico. 2010. 115f. Tese (Mestrado) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, 2010.

SANTOS, F. C. et al. Complicacoes da esterilizacao cirurgica de femeas caninas e felinas Revisao de literatura. Veterinaria e Zootecnia. v. 16, n. 1, p. 8-18, 2009.

ZACHARY, J. F.; McGAVIN, M. D. Bases da Patologia em Veterinaria. 5. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013. p. 1089-1129.

Karine Keller REZENDE & Ana Paula de Aragao GAMA

Centro de Ensino Superior de Valenca. Valenca, Rio de Janeiro, Brasil.

* Autor para correspondencia: karinekeller.vet@gmail.com

DOI: http://dx.doi.org/10.18571/acbm.180

Caption: Figura 1: (A) Tumor de mama retirado cirurgicamente e conservado em formol a 10%. (B) Corte Medial do tumor mamario.

Caption: Figura 2: Microscopia do tumor removido. (A) Proliferacao de celulas epiteliais com discreta anaplasia. (B) Proliferacao de celulas epiteliais distribuidas em pequenas formacoes tubulo papilares (seta) e, no permeio, verificam-se areas de diferenciacao condroide (seta cheia). H.E. Obj. 4x. H.E. Obj.

Caption: Figura 3: Proliferacao de celulas mioepiteliais que, em algumas areas, exibem diferenciacao condroide. (A) H.E. Obj. 4x (seta cheia) e (B) H.E. Obj. 20x.
COPYRIGHT 2018 Universidade Federal Fluminense
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Rezende, Karine Keller; Gama, Ana Paula de Aragao
Publication:Acta Biomedica Brasiliensia
Article Type:Estudio de caso
Date:Aug 1, 2018
Words:1338
Previous Article:MOLAR DECIDUO INFRAOCLUIDO: RELATO DE UM CASO RESTAURADO COM CIMENTO IONOMERO DE VIDRO ENCAPSULADO, UM ANO DE ACOMPANHAMENTO.
Next Article:INDICADORES BIBLIOMETRICOS DOS ARTIGOS SOBRE HISTEROSCOPIA NA BASE SCOPUS.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2022 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |