Printer Friendly

Cruzamento industrial sobre as caracteristicas de carcaca e da carne de novilhas precoces.

Industrial crossbreeds on carcass and meat characteristics of veal heifers

Introducao

O maior desafio da bovinocultura de corte e atingir um padrao de qualidade nos seus diferentes cortes comerciais, tal como atualmente ocorre com a avicultura de corte e suinocultura, nas suas diferentes marcas. O surgimento de uma "Marca" so e possivel por meio das Aliancas Mercadologicas, as quais tem como principal objetivo a coordenacao de toda cadeia produtiva, produtor, frigorifico e comercializacao, transformando um produto sem especificacoes tecnicas em um com caracteristicas de qualidade definida (FELICIO et al., 1999).

O consumidor, quando faz a opcao de escolher e pagar um preco diferenciado por uma "Marca", exige o fornecimento de produtos com as mesmas caracteristicas de qualidade. As exigencias tambem sao cada vez maiores do mercado externo, que exigem carne com padrao de qualidade, certificando fornecedores que possam ofertar carcacas com caracteristicas semelhantes como: peso dos cortes comerciais, cobertura de gordura, maciez, marmoreio etc.

Considerando a extensao territorial, as condicoes climaticas e geograficas do Pais, a conquista da atual condicao sanitaria e principalmente o tamanho do rebanho nacional, o Brasil assume a posicao do maior potencial de producao de carne bovina do mundo, atendendo a sua vocacao: carne produzida a pasto. Porem, para continuar ganhando mercados e necessario, cada vez mais, garantir um padrao de qualidade, volume e regularidade de fornecimento. A padronizacao de materias-primas e processos devem ser sistematizados e executados permanentemente, para atingirmos os padroes de qualidade exigidos pelo mercado. A padronizacao da materia-prima e a principal base para garantir qualidade, e esta ligada a genetica dentro dos sistemas de nutricao e manejo adotados.

A raca Nelore e a mais criada no Brasil em virtude de suas boas caracteristicas de adaptacao ao ambiente. Contudo, varios autores concordam que o uso de cruzamentos bem delineados pode melhorar os indices produtivos dos rebanhos e caracteristicas de carcaca e carne (PEROTTO, 2001; EUCLIDES FILHO et al., 2003).

Nos cruzamentos industriais, normalmente temse recomendado como linha paterna o uso de racas europeias, que apresentam bom ganho de peso e boas qualidades de carcaca e de carne. Alem disso, com relacao a linha materna, as racas zebuinas tem sido indicadas por apresentar melhor adaptacao ao ambiente tropical, rusticidade e menores exigencias de mantenca. Segundo Koger (1980), a razao desse sucesso do cruzamento e o alto nivel de heterose, originaria da grande distancia genetica existente entre os grupos Bos taurus e Bos indicus.

Sendo assim, neste estudo objetivou-se comparar as caracteristicas de carcaca e a qualidade da carne de novilhas de corte oriundos de tres diferentes cruzamentos industriais, tentando encontrar semelhancas entre elas, dentro de um mesmo sistema de nutricao e manejo.

Material e metodos

O experimento foi realizado na regiao de Paranavai, Estado do Parana, localizada em altitude media de 470 m, latitude sul de 22[grados]44'57" e longitude oeste de -52[grados]11'53". O clima e classificado como tropical seco, com estacao chuvosa no verao (dezembro a marco) e seca no inverno (maio a setembro). A regiao apresenta temperatura media 22,1[grados]C e umidade relativa do ar (UR) de 69,3%.

Foram estudadas 18 novilhas, com media de idade de 18,00 [+ o -] 0,83 meses, as quais foram submetidas a um periodo de adaptacao de duas semanas a dieta e as instalacoes. Finalizado esse periodo, as novilhas foram pesadas apos 12h de jejum, e iniciou-se o experimento com media de peso de vivo de 280 [+ o -] 8,4 kg. Os cruzamentos industriais estudados foram seis animais V Nelore V Limousin (L); seis animais V Limousin V Red Angus VV Nelore (LR); e seis animais % Red Angus % Nelore (RNR). Provenientes da Estacao Experimental do Iapar, Estado do Parana, nascidas na mesma epoca de paricao, e mantidas sempre sob as mesmas condicoes de manejo e alimentacao.

Durante o periodo de terminacao em confinamento, foi fornecida a vontade, duas vezes ao dia (manha e tarde), uma racao contendo 14,80% de PB, com proporcao volumoso:concentrado 60:40 na MS, sendo o volumoso constituido de silagem de sorgo (80%) + cana-de-acucar (20%) e o concentrado a base de grao de milho triturado, farelo de soja, ureia e minerais.

Aos 112 dias de terminacao em confinamento e apos jejum de solidos de 12h, os animais foram pesados e transportados para um frigorifico comercial, onde foram abatidos apos mais 24h de jejum de solidos. O abate seguiu o fluxo normal de estabelecimento. Apos o abate, as carcacas foram identificadas, pesadas e levadas para uma camara fria, onde permaneceram por 24h a 2[grados]C de temperatura.

Apos 24h de resfriamento, foram feitas as analises de pH utilizando-se potenciometro Setron 1001, no musculo Longissimus dorsi entre as 12a e 13a costelas da meia carcaca esquerda. Em seguida, da meia carcaca esquerda foi medido o comprimento de carcaca (CCARC), comprimento de perna (CP) e espessura de coxao (EC); e retirado uma amostra do Longissimus dorsi entre as 9a e 13a costelas.

A determinacao da porcentagem de musculos, gordura e ossos da carcaca foram feitos por dissecacao da seccao HH, localizada entre as 9a e 11a costelas, segundo metodologia descrita por Ferreira et al. (2001), a qual considera teor total de: Musculo: Y = 16,08 + 0,80 X; Gordura: Y = 3,54 + 0,80 X; Ossos: Y = 5,52 + 0,57 X. em que Xea porcentagem do componente na seccao HH.

Entre as 12a e 13a costelas, no musculo Longissimus dorsi, foi medida a espessura de gordura com paquimetro e a area de olho de lombo (AOL), a qual foi obtida a partir da demarcacao do musculo usando-se um papel transparencia e caneta propria. Posteriormente, utilizando a demarcacao do musculo de cada amostra, foi determinada a AOL por meio do programa computacional AUTOCAD[R].

Apos a dissecacao da seccao HH e pesagem, foram retiradas duas amostras (bifes) do Longissimus dorsi com 2,5 cm de espessura, embaladas e congeladas para analise de composicao centesimal e qualidade da carne.

Um dos bifes foi moido, embalado e acondicionado em freezer, para determinacao da composicao centesimal. O teor de umidade foi determinado utilizando-se estufa regulada a 105[grados]C, ate peso constante. O conteudo de proteina foi determinado pelo metodo de micro-kjeldahl (N x 6,25), e o teor de cinzas foi obtido por incineracao (AOAC, 1995). O teor de lipideos foi determinado utilizando-se a metodologia de Bridi e Silva (2006), com digestao da amostra em acido cloridrico e extracao com eter de petroleo.

Do segundo bife foi retirada uma amostra de 8 g, a qual foi mantida congelada para posterior analise do comprimento de sarcomero, e do indice de fragmentacao miofibrilar. Em seguida, os bifes foram pesados antes e depois do descongelamento, para determinacao da perda de agua durante este processo. Assados em chapa quente ate atingir temperatura interna de 70[grados]C, e pesados novamente para avaliacao da perda de agua no processo de coccao. A perda de agua total e a soma da perda por descongelamento, feito em armazenamento a 2[grados]C por 24h, e por coccao.

Apos o tratamento termico, deixou-se esfriar a temperatura ambiente por 60 min., e a forca de cisalhamento foi tomada perpendicular a orientacao das fibras musculares, com a lamina Warner-Bratzler adaptada no texturometro Stable Mycro Systems TAXT2i. As velocidades utilizadas eram de 5,0 mm [s.sup.-1] no pre e 2,0 mm [s.sup.-1] no pos-teste, e os resultados expressos como forca maxima de cisalhamento em kilogramas (WHEELER et al., 1996).

O comprimento do sarcomero foi determinado utilizando-se a metodologia descrita por Heinemann et al. (2002), e 4 g de amostra congelada foram desbastadas com estilete, homogenizadas em solucao de KCl 0,6 M (10 v p-1) em Stomacher por 3 min., passadas por peneira de 18 mesh, e uma aliquota de cerca de 0,1 mL foi transferida para uma laminula, e imediatamente analisada em microscopio otico em aumento de 400 vezes. Foi utilizado o microscopio Axios Kop2plus, marca Zeiss, com captura de imagem, camera Axiocam, marca Zeiss.

O indice de fragmentacao miofibrilar foi determinado utilizando-se a metodologia descrita por Hopkins et al. (2000). Foram cortadas 4 g de musculo congelado, colocadas em becker com 20 mL de solucao tampao, e homogeneizadas por 30 segundos em um agitador tipo Ultra Turrax a 13.500 giros. Aguardaram-se 30 segundos e foi homogeneizada novamente, mantendo sempre as amostras resfriadas. Transferiram-se as solucoes para tubos de 50 mL, e centrifugou-se a 10.000 giros por 15 min. a 2[grados]C. O sobrenadante foi filtrado em papel de filtro e reservado, mantendo-se sempre em recipiente com gelo. O precipitado recebeu mais 20 mL de solucao tampao, e foi centrifugado novamente a 10.000 giros por 15 min. a 2[grados]C, filtrado e reservado. Novamente, ao precipitado foi adicionado mais 10 mL de solucao tampao, homogeneizado em vortex, e o sobrenadante foi filtrado e reservado. Juntaram-se os filtrados e retiraram-se aliquotas de 0,25 mL, as quais foram transferidas para tubos de ensaio com 0,75 mL de solucao tampao. Adicionaram-se 4 mL de reagente biureto, homogeneizaram-se em vortex, deixaram-se em ambiente escuro por 30 min., e foi feita a leitura da absorbancia em espectrofotometro (Termo Spectronic, Model Genesys 10UV) a 540 nm. O indice de fragmentacao miofibrilar e calculado multiplicando-se a absorbancia por 200.

Os dados obtidos foram submetidos a analise de variancia, e as medias comparadas pelo teste de Tukey a 5% de significancia, utilizando-se o programa SAS (1999).

Resultados e discussao

Os animais do cruzamento LR (V Limosin V Red Angus V Nelore) apresentaram os maiores parametros de carcaca, diferindo significativamente dos demais cruzamentos, com excecao do comprimento de carcaca (Tabela 1). Os maiores parametros de carcaca indicam maior rendimento comercial, e retorno financeiro ao produtor.

Com excecao do RNR, os cruzamentos apresentaram rendimentos de carcaca superiores aos citados por Fernandes et al. (2007), que encontraram medias de 52,8% para novilhas Canchim terminadas com dieta a base de silagem de milho, concentrado de cana-de-acucar e graos de girassol. Por outro lado, Abrahao et al. (2005) observaram rendimento de carcaca proximo ao RN, com medias de 49,0% para novilhas de diferentes cruzamentos, terminadas com dieta com milho ou residuo seco de fecularia de mandioca.

O cruzamento RNR apresentou a maior media para o comprimento de carcaca (CCAR), diferindo significativamente dos demais. A media observada pelo cruzamento RNR foi superior a citada por Abrahao et al. (2005), que encontram media de 125,3 cm.

Apesar de Gregory et al. (1994) afirmarem que o comprimento de carcaca esta altamente correlacionado com o peso de carcaca, e que em carcacas de mesmo comprimento as de maior peso apresentam melhor rendimento. No presente trabalho podemos observar que apesar das carcacas do cruzamento RNR apresentarem maior comprimento, elas nao apresentaram melhor rendimento, provavelmente pelo seu menor peso.

As maiores medias para comprimento de perna (CP) e espessura de coxao (EC) foram observadas no cruzamento LR, diferindo significativamente dos demais. Os valores observados foram superiores aos citados por Abrahao et al. (2005), que encontraram medias de 69,7 cm (CP) e 26,5 cm (EC); e por Marques et al. (2006), com medias de 68,6 cm (CP) e 21,6 cm (EC).

O cruzamento LR tambem apresentou a maior media para espessura de gordura, diferindo significativamente dos demais. Segundo Gregory et al. (1994), animais de racas britanicas apresentam maior espessura de gordura que os de origem europeia continental, sob mesmas condicoes de manejo. Porem, nas condicoes do experimento, o cruzamento RNR, apesar da contribuicao de 5/8 Red Angus, apresentou a menor cobertura de gordura, provavelmente pela contribuicao do sangue Nelore.

Marques et al. (2006) observaram valores para espessura de gordura proximos a do cruzamento LR, com media de 4,0 cm. Por outro lado, Muller et al. (2005) e Fernandes et al. (2007) observaram medias superiores, com 5,3 e 6,3 cm, respectivamente. Abrahao et al. (2005) observaram medias inferiores, com valores que variam de 2,37 a 3,34 mm.

Atualmente, o mercado consumidor tem buscado carcacas com cobertura de gordura entre 3,0 a 6,0 mm, sendo assim, somente o cruzamento RNR apresentou media abaixo deste limite. Valores de cobertura de gordura abaixo de 3,0 mm aumentam as perdas com a quebra de resfriamento, e queima da carcaca. Por outro lado, valores de cobertura de gordura acima de 6,0 mm aumentam as perdas no toalete (PARDI et al., 2001).

As medias para Area de Olho de Lombo (AOL) diferiram significativamente entre os cruzamentos, sendo a maior observada no LR, seguida pelo L e RNR. Segundo Moreira et al. (2003), os Bos taurus apresentam AOL superiores quando comparados aos Bos indicus, o que explica maior media observada pelo cruzamento LR (V Limousin VV Red Angus VV Nelore).

Muller et al. (2005) observaram valores para AOL proximas as do cruzamento LR, com media de 62 [cm.sup.2]. Coutinho Filho et al. (2006), estudando novilhas Santa Gertrudis confinadas por 109 dias, e Fernandes et al. (2007) observaram valores inferiores ao do cruzamento LR, com medias de 45,6 e 35,9 [cm.sup.2] , respectivamente. Porem, Abrahao et al. (2005) observaram medias superiores, que variam de 63,17 a 79,91 [cm.sup.2].

O cruzamento LR apresentou a maior percentagem de carne na carcaca (CCAR) (p < 0,05), menor percentagem de gordura (GCAR), e maior relacao musculo gordura (RMG), apesar da menor relacao musculo:osso (RMO), pela maior percentagem de osso na carcaca (OSCARC) (Tabela 2).

A porcentagem de carne magra apresentada pelas carcacas do cruzamento LR foi semelhante a observada por Marques et al. (2006), com media de 62,60%. Porem, foi inferior a citada por Abrahao et al. (2005), que observaram valores que variam de 66,29 a 69,23%.

O cruzamento L apresentou a melhor relacao musculo:osso (p < 0,05), porem a media foi inferior a observada por Abrahao et al. (2005) de 4,1; e por Marques et al. (2006) de 3,9.

Apesar da menor relacao musculo:osso, pela maior porcentagem de osso na carcaca, as novilhas do cruzamento LR apresentaram as melhores caracteristicas de carcaca, provavelmente pela menor contribuicao do sangue Nelore.

A Tabela 3 apresenta os dados de qualidade da carne das novilhas dos diferentes cruzamentos. O cruzamento RNR apresentou a maior media para o teor de gordura, diferindo significativamente dos demais.

Abularach et al. (1998), estudando machos inteiros da raca Nelore, observaram media de 1,71% para o teor de gordura, valor inferior aos encontrados nos cruzamentos estudados. Por outro lado, Marques et al. (2006) encontraram valores superiores para o teor de gordura, com media de 2,9%. Morales et al. (2003), estudando animais inteiros das racas Aberdeen Angus, Canchim e Nelore, observaram medias para teor de lipideos que variam de 2,57 a 1,80%.

Segundo Gregory et al. (1994) animais Bos indicus apresentam menores teores de gordura intramuscular do que os Bos taurus, por serem mais tardios. Sendo assim, o cruzamento LR deveria apresentar a maior media, pela menor contribuicao de sangue Nelore (1/4). Porem, a maior media foi do cruzamento RN, provavelmente pela maior contribuicao sangue Red Angus (5/8), raca britanica que apresenta maior marmoreio.

Apesar de nao diferir do cruzamento LR, o L apresentou as maiores medias para o teor de umidade, porem, valores inferiores aos citados por Abularach et al. (1998), com media de 75,65%; e por Marques et al. (2006), com media de 74,3%.

As maiores medias para os teores de proteina e cinzas foram observadas no cruzamento RNR, nao diferindo significativamente do L. Marques et al. (2006) observaram valores inferiores, com media de 21,8% para o teor de proteinas, e 1,1% para cinzas.

Como o teor de gordura e umidade da carne, a perda de agua tambem esta ligada a suculencia da carne. Porem, de forma inversa, quanto menor a perda de agua e maior o teor de gordura e umidade, maior sera a suculencia da carne (PARDI et al., 2001).

Quanto a porcentagem de perda de agua, nao foi observado diferenca significativa entre os cruzamentos. A media observada esta proxima aos valores observados por Abularach et al. (1998), com media de 27,11%. Porem, esta acima dos valores observados por Leite et al. (2006), que encontraram media variando de 13,15 a 14,08%, em carne de bovinos super jovens inteiros Charoles e mesticos Charoles e Nelore.

Entre os diferentes cruzamentos nao foi observada diferenca significativa no pH da carne, com media muito proxima a observada por Jaeger et al. (2004) de 5,69. Valores de pH final entre 5,40 e 5,60 sao considerados normais ou tipicos para a carne bovina, nas amostras estudadas observou-se media acima, porem, nao se atingiu o pH 5,8, valor limite para provocar anomalias na carne (PARDI et al., 2001).

O cruzamento LR apresentou menor (p < 0,05) forca de cisalhamento (FC), seguida do cruzamento RNR, e do cruzamento L. Crouse et al. (1989) afirmam que 46% das variacoes na maciez da carne sao pela genetica do animal, e que animais zebuinos apresentam carnes menos macias que as de taurino, que foi observado no cruzamento L, com menor contribuicao de sangue Nelore.

A media observada da FC foi de 2,80 [+ o -] 0,04 kg, valor muito abaixo do limite de 5,0 kg que considera a carne macia (PARDI et al., 2001). Sendo assim, podemos observar que a carne dos diferentes cruzamentos foi extremamente macia, podendo ser comparada a carne maturada. A grande maioria dos estudos cita medias superiores para forca de cisalhamento, como a observada por Abularach et al. (1998) de 6,70 kg.

Morales et al. (2003), estudando as mudancas na forca de cisalhamento da carne durante a maturacao, observaram medias de 4,47 kg no inicio a 2,97 kg no final de 21 dias, valores acima do presente trabalho. Leite et al. (2006), apesar de trabalhar com animais super jovens, tambem observaram valores superiores, com medias que variam de 2,84 a 3,37 kg.

Com relacao ao comprimento de sarcomero (SARC), medido no musculo Longissimus dorsi, o cruzamento LR apresentou a maior media, diferindo significativamente dos demais (Figura 1). Como podemos observar na Tabela 3, o cruzamento LR que apresentou o maior comprimento de sarcomero, tambem apresentou a menor forca de cisalhamento, indicando que estas amostras foram mais macias.

[FIGURA 1 OMITIR]

Os valores para comprimento de sarcomero encontrados estao proximos aos citados por Strydom et al. (2001), que analisando amostras de carne de machos inteiros Bonsmara e Nguni encontraram valores entre 1,77 e 1,90 |am. Heineman et al. (2002), analisando amostras obtidas de carcacas de novilhos Nelore, tambem observaram valores proximos ao presente trabalho, com media de 1,884 | m.

De acordo com Hopkins et al. (2000), amostras que apresentam valor de indice de fragmentacao miofibrilar (IFM) acima de 60 sao consideradas macias, em torno de 50 sao levemente macias, e abaixo indicam ausencia de maciez. No presente estudo, o cruzamento LR que apresentou menor forca de cisalhamento e maior comprimento de sarcomero, tambem apresentou o maior (p < 0,05) IFM. Por outro lado, todos os cruzamentos estudados apresentaram IFM acima de 60, indicando que apesar da diferenca significativa entre eles, todas as amostras podem ser consideradas macias.

Strydom et al. (2001), estudando o processo de maturacao em carne de machos inteiros Bonsmara e Nguni, observaram IMF variando de 86,5 a 94,4 no tempo zero de maturacao, chegando a 110,9 a 111,2 em 14 dias de maturacao. Os valores observados na presente pesquisa sao inferiores, pois a carne nao sofreu processo de maturacao, sao animais de outras linhagens e mais velhos. Heinemann e Pinto (2003), estudando o processo de maturacao da carne de novilhos Nelore, encontraram medias entre 171 e 294 para IFM, valores superiores pelo processo de maturacao por 14 dias, e a injecao de CaCl, que acentua a proteolise miofibrilar.

Conclusao

O cruzamento 1/2 Limosin 1/4 Red Angus 1/4 Nelore apresentou as melhores caracteristicas de carcaca, com maior rendimento de carcaca, espessura de coxao, area de olho de lombo, e porcentagem de carne magra. Esse cruzamento tambem apresentou melhor qualidade da carne, com baixa perda de agua, menor forca de cisalhamento, maior comprimento de sarcomero e maior indice de fragmentacao miofibrilar. Porem, todos os cruzamentos estudados apresentaram carne de qualidade nobre, extremamente macia, com baixissima forca de cisalhamento e alto indice de fragmentacao miofibrilar.

DOI: 10.4025/actascianimsci.v32i4.6852

Received on April 9, 2009.

Accepted on August 20, 2010.

Referencias

ABRAHAO, J. J. J.; MACEDO, L. M. A.; PEROTTO, D.; MOLETTA, J. L.; MARQUES, J. A.; PRADO, I. N.; MATSUSHITA, M.; PRADO, J. M. Caracteristicas de carcaca de novilhas mesticas confinadas, submetidas a dietas com milho ou residuo seco de fecularia de mandioca. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v. 27, n. 4, p. 459-468, 2005.

ABULARACH, M. L.; ROCHA, C. E.; FELICIO, P. E. Caracteristicas de qualidade do contrafile (m. L. dorsi) de touros jovens da raca nelore. Ciencia e Tecnologia Alimentos, v. 18, n. 2, p. 205-210, 1998.

AOAC-Association of Official Analytical Chemists. Official Methods of Analysis. 16th ed. Arlington, Virginia: AOAC International, 1995. p. 1025-1141.

BRIDI, A. M.; SILVA, C. A. Metodos de avaliacao da carcaca e de carne suina. Londrina: Midiograft, 2006.

COUTINHO FILHO, J. L. V.; PERES, R. M.; JUSTO, C. L. Producao de carne de bovinos contemporaneos, machos e femeas, terminados em confinamento. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 35, n. 5, p. 2043-2049, 2006.

CROUSE, J. D.; CUNDIFF, L. V.; KOCH, R. M.; KOOHMARAIE, M.; SEIDEMAN, S. C. Comparisons of Bos indicus and Bos taurus inheritance for carcass beef characteristics and meat palatability. Journal of Animal Science, v. 67, n. 5, p. 2661-2673, 1989.

EUCLIDES FILHO, K.; FIGUEREDO, G. R.; EUCLIDES, V. P. B. Desempenho de diferentes grupos geneticos de bovino de corte em confinamento. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 32, n. 5, p. 1114-1122, 2003. (suppl. 1).

FELICIO, P. E.; CARVALHO-ROCHA, J. C. M.; SHIBUYA, C. M. Parcerias verticais de carne bovina e servicos de alimentacao. Revista Higiene Alimentar, v. 13, n. 63, p. 9-14, 1999.

FERNANDES, A. R. M.; SAMPAIO, A. A. M.; HENRIQUE, W.; PERECIN, D.; OLIVEIRA, E. A.; TULIO, R. R. Avaliacao economica e desempenho de machos e femeas Canchim em confinamento alimentados com dietas a base de silagem de milho e concentrado ou canade-acucar e concentrado contendo graos de girassol. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 36, n. 4, p. 855-864, 2007.

FERREIRA, M. A.; VALADARES FILHO, S. C.; VERA, A. S. C.; ARAUJO, G. L.; SIGNORETTI, R. D. Predicao da composicao corporal por intermedio de metodo indireto. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 30, n. 1, p. 242-246, 2001.

GREGORY, K. E.; CUNDIFF, L. V.; KOCH, R. M.; DIKEMAN, M. E.; KOOHMARAIE, M. Breed effects, retained heterosis, and estimates of genetic and phenotypic parameters for carcass and meat traits of beef cattle. Journal of Animal Science, v. 72, n. 3, p. 1174-1196, 1994.

HEINEMANN, R. J. B.; PINTO, M. F. Efeito da injecao de diferentes concentracoes de cloreto de calcio na textura e aceitabilidade da carne bovina maturada. Ciencia e Tecnologia de Alimentos, v. 23, suppl., p. 146-150, 2003.

HEINEMANN, R. J. B.; PINTO, M. F.; PONSANO, E. H. G.; PERRI, S. H. V. Metodo simples para estimar encurtamento pelo frio em carne bovina. Ciencia Rural, v. 32, n. 2, p. 335-339, 2002.

HOPKINS, D. L.; LITTEFIELD, P. J.; TOMPSOM, J. M. A research note on factors affecting the determination of myofibrillar fragmentation. Meat Science, v. 56, n. 1, p. 19-22, 2000.

JAEGER, S. M. P. L.; DUTRA, A. R.; PEREIRA, J. P.; OLIVEIRA, I. C. Caracteristicas da carcaca de bovinos de quatro grupos geneticos submetidos a dietas com ou sem adicao de gordura protegida. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 33, n. 1, p. 1876-1887, 2004.

KOGER, M. Effective crossbreeding systems utilizing zebu cattle. Journal of Animal Science, v. 50, n. 6, p. 1213-1220, 1980.

LEITE, D. J.; ARBOITTE, M. Z.; BRONDANI, I. L.; RESTLE, J.; MISSIO, R. L.; SILVEIRA, S. R. L. Composicao fisica da carcaca e qualidade da carne de bovinos superjovens inteiros Charoles e mesticos Charoles x Nelore. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v. 28, n. 4, p. 461-467, 2006.

MARQUES, J. A.; PRADO, I. N.; MOLETTA, J. L.; PRADO, I. M.; JULIANA, M. P.; MACEDO, L. M. A.; SOUZA, N. E.; MATSUSHITA, M. Caracteristicas fisico-quimicas da carcaca e da carne de novilhas submetidas ao anestro cirurgico ou mecanico terminadas em confinamento. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 35, n. 4, p. 1514-1522, 2006.

MORALES, D. C.; CHARDULO, L. A. L.; SILVEIRA, A. C.; OLIVEIRA, H. N.; ARRIGONI, M. D. B.; MARTINS, C. L.; CERVIERI, R. C. Avaliacao da qualidade da carne de bovinos de diferentes grupos geneticos. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v. 25, n. 1, p. 171-175, 2003.

MOREIRA, F. B.; SOUZA, N. E.; MATSUSHITA, M.; PRADO, I. N.; NASCIMENTO, W. G. Evaluation of carcass characteristics and meat chemical composition of Bos indicus x Bos taurus crossbred steers finished in pasture systems. Brazilian Archives of Biology and Technology, v. 46, n. 4, p. 609-616, 2003.

MULLER, M.; PRADO, I. N.; LOBO JUNIOR, A. R.; SCOMPARIN, V. X.; RIGOLON, L. P. Diferentes fontes de gordura sobre o desempenho e caracteristicas de carcaca de novilhas de corte confinadas. Acta Scientiarum. Animal Sciences, v. 27, n. 1, p. 131-137, 2005.

PARDI, M. C.; SANTOS, I. F.; SOUZA, E. R.; PARDI, H. S. Ciencia, higiene e tecnologia da carne. 2. ed. Goiania: Universidade Federal de Santa Goias, 2001.

PEROTTO, D. Ganho de peso da desmama aos 12 meses e peso aos 12 meses de bovinos Nelore e cruzas com Nelore. Revista Brasileira de Zootecnia, v. 30, n. 3, p. 730-735, 2001.

SAS-Statistical Analyses System. Statistical analysis system user's guide. Version 8. Cary: Statistical Analysis System Institute, 1999.

STRYDOM, P. E.; NAUDE, R. T.; SMITH, M. F.; KOTZE, A.; SHOLTZ, M. M.; WYK, J. B. Relantionships between production and product traits in subpopulations of Bonsmara and Nguni cattle. South African Journal of Animal Science, v. 31, n. 3, p. 181-194, 2001.

WHEELER, T. L.; CUNDIFF, L. V.; KOCH, R. M. Characterization of biological types of cattle (Cycle IV): carcass traits and longissimus palatability. Journal of Animal Science, v. 74, n. 5, p. 1023-1035, 1996.

Vera Lucia Ferreira de Souza (1) *, Ilan Munhoz Ayer (1), Eliane Gasparino (1), Rejane Machado Cardozo (2), Maria Jose Baptista Barbosa (2) e Ligia Grisolia do Carmo Saddi (2)

(1) Departamento de Zootecnia, Centro de Ciencias Agrarias, Universidade Estadual de Maringa, Av. Colombo, 5790, 87020-900, Maringa, Parana, Brasil. (2) Departamento de Medicina Veterinaria, Centro de Ciencias Agrarias, Universidade Estadual de Maringa, Umuarama, Parana, Brasil. *Autor para correspondencia. E-mail: vlfsouza@uem.br
Tabela 1. Caracteristicas de carcacas de novilhas de diferentes
cruzamentos comercias terminadas em confinamento.

                                  Cruzamentos (1)

Parametros (2)           L              LR            RNR

RC (%)                52,18 (b)      54,72 (a)      49,34 (c)
PC (@) (3)            14,27 (b)      15,81 (a)      12,95 (c)
CCAR (cm)            123,04 (c)     127,72 (b)     131,06 (a)
CP (cm)               64,36 (c)      73,06 (a)      67,40 (b)
EC (cm)               25,25 (b)      27,87 (a)      23,54 (c)
EG (mm)                3,58 (b)       4,53 (a)       2,61 (c)
AOL ([cm.sup.2])      59,52 (b)      63,65 (a)      51,65 (c)

Parametros (2)              Medias           CV (%)

RC (%)                52,08 [+ o -] 0,41      0,78
PC (@) (3)            14,27 [+ o -] 0,35      2,42
CCAR (cm)            127,28 [+ o -] 1,00      0,78
CP (cm)               68,28 [+ o -] 0,77      1,13
EC (cm)               25,55 [+ o -] 0,63      2,45
EG (mm)                3,57 [+ o -] 0,12      3,25
AOL ([cm.sup.2])      58,27 [+ o -] 1,29      2,21

(1) L = 1/2 Limousin 1/2 Nelore; LR = 1/2 Limousin 1/4 Red Angus
1/4 Nelore; RNR = 5/8 Red Angus 3/8 Nelore. (2) RC: rendimento
comercial de carcaca; PC: peso de carcaca; CCAR: comprimento de
carcaca; CP: comprimento de perna; EC: espessura de coxao;
EG: espessura de gordura; AOL: area de olho de lombo. Medias
acompanhadas de letras diferentes na mesma linha diferem
(p < 0,05) pelo teste de Tukey. (3) @ = 15 kg.

Tabela 2. Composicao das carcacas de novilhas de diferentes
cruzamentos comerciais terminadas em confinamento.

                              Cruzamentos (1)

Parametros (2)         L            LR            RNR

GCARC (%)          17,55 (a)     13,43 (b)     15,73 (c)
CCARC (%)          62,96 (c)     64,58 (a)     63,69 (b)
OSCARC (%)         19,01 (c)     21,68 (a)     20,27 (b)
RMO (%)             3,38 (a)      2,86 (c)      3,12 (b)
RMG (%)             3,59 (c)      4,81 (a)      4,05 (b)

Parametros (2)           Medias           CV (%)

GCARC (%)          15,57 [+ o -] 0,20      1,31
CCARC (%)          63,75 [+ o -] 0,17      0,26
OSCARC (%)         20,32 [+ o -] 0,15      0,72
RMO (%)             3,15 [+ o -] 0,05      1,56
RMG (%)             4,15 [+ o -] 0,07      1,67

(1) L = 1/2 Limousin 1/2 Nelore; LR = 1/2 Limousin 1/2 Red
Angus 1/4 Nelore; RNR = 5/8 Red Angus 3/8 Nelore. (2) GCARC:
Teor de gordura na carcaca; CCARC: Teor de carne na carcaca;
OSCARC: Teor de osso na carcaca; RMO: Relacao musculo osso;
RMG: Relacao musculo gordura. Medias acompanhadas de letras
diferentes na mesma linha diferem (p < 0,05) pelo teste de
Tukey.

Tabela 3. Caracteristicas da carne de novilhas de diferentes
cruzamentos comerciais terminadas a pasto.

                                   Cruzamento (1)

Parametros                L              LR            RNR

Gordura (%)            1,88 (b)       1,46 (c)       2,67 (a)
Umidade (%)           72,46 (a)      72,02 (ab)     71,72 (b)
Cinzas (%)             1,11 (ab)      1,14 (a)       1,05 (b)
Proteina (%)          24,52 (b)      25,19 (a)      24,44 (b)
Perda de agua (%)     27,58 (b)      26,63 (a)      27,03 (a)
PH                     5,70 (b)       5,72 (a)       5,78 (a)
FC (kg) (2)            3,08 (b)       2,49 (c)       2,83 (b)
CS ([micro]m) (2)      1,77 (c)       1,91 (a)       1,81 (b)
IFM (2)               77,98 (c)      83,59 (a)      80,82 (b)

Parametros                  Medias           CV (%)

Gordura (%)            2,00 [+ o -] 0,05      2,79
Umidade (%)           72,06 [+ o -] 0,34      0,47
Cinzas (%)             1,10 [+ o -] 0,05      4,37
Proteina (%)          24,72 [+ o -] 0,23      0,93
Perda de agua (%)     27,08 [+ o -] 1,41      5,21
PH                     5,73 [+ o -] 0,22      3,89
FC (kg) (2)            2,80 [+ o -] 0,04      1,35
CS ([micro]m) (2)      1,83 [+ o -] 0,01      0,70
IFM (2)               80,83 [+ o -] 0,82      1,02

(1) L = 1/2 Limousin 1/2 Nelore; LR = 1/2 Limousin 1/4 Red Angus
1/4 Nelore; RNR = 5/8 Red Angus 3/8Nelore. (2) FC: Forca de
Cizalhamento; CS: Comprimento de Sarcomero; IFM: Indice de
Fragmentacao Miofibrilar. Medias acompanhadas de letras
diferentes na mesma linha diferem (p < 0,05) pelo teste de
Tukey.
COPYRIGHT 2010 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2010 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Ferreira de Souza, Vera Lucia; Munhoz Ayer, Ilan; Gasparino, Eliane; Machado Cardozo, Rejane; Baptis
Publication:Acta Scientiarum Animal Sciences (UEM)
Date:Oct 1, 2010
Words:5543
Previous Article:Produtividade do Capim-Cameroon estabelecida em duas classes de solos e submetido a doses crescentes de nitrogenio no norte tocantinense.
Next Article:Teores de ureia no suplemento multiplo de cordeiros mantidos em pastos de capim-buffel.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters