Printer Friendly

Correlation and lactate threshold in years glucose threshold of muscular resistance supplementation with different percentages of maltodextrin/Correlacao do limiar de lactato e limiar glicemico em exercicios de resistencia muscular localizada com suplementacao de maltodextrina em diferentes porcentagens.

INTRODUCAO

Na primeira metade do seculo XX foi descoberta a importancia do consumo de carboidratos (CHO) durante o exercicio. Acreditava-se que com o seu consumo, ajudaria na oxidacao do mesmo, com isso, um maior aporte de glicose para o musculo esqueletico (Souza Jr. e Pereira, 2007).

Segundo Wilmore e Costill (2001), com a ingestao de carboidratos durante o exercicio, a concentracao serica de glicose e insulina sao aumentados, servindo como prevencao de uma reacao exagerada, levando a uma queda abrupta da glicemia. Com esse consumo, aumenta-se a permeabilidade da fibra muscular que diminui a necessidade de insulina, gerando uma alteracao nos sitios de ligacao da insulina durante a atividade muscular.

A alimentacao deve fornecer ao atleta combustivel e os nutrientes necessarios para otimizar o desempenho durante o treinamento. O objetivo das estrategias da Nutricao esportiva e combater fatores que levam a fadiga ou debilitacao, prejudicando o desempenho durante um evento. Entre os fatores prejudiciais estao a deplecao das reservas de glicogenio no musculo ativo, a hipoglicemia e outros mecanismos de fadiga (Maughan e Burke, 2004).

Para Wolinsky e Hickson Junior (2002), Wilmore e Costill (2001), Souza Junior e Pereira (2007), os carboidratos constituem uma importante fonte de energia para o metabolismo dos seres humanos. Sendo subdivididos em monossacarideos (glicose e frutose), dissacarideos (sacarose, maltose e lactose) e polissacarideos (celulose, hemicelulose e pectinas), componentes da fibra sintetica como a maltodextrina.

A ingestao de carboidrato antes, durante e apos a competicao pode melhorar o desempenho e minimizar o impacto dos fatores responsaveis pela fadiga e pela debilitacao do treinamento (Maughan e Burke, 2004).

Para Wolinsky e Hickson Junior (2002), a taxa de glicogenolise hepatica e a gliconeogenese sao reduzidas com a suplementacao de carboidratos em exercicios de baixa intensidade. Quanto ao exercicio de alta intensidade, requer novos estudos.

Glicogenio

Segundo Wolinsky e Hickson Junior (2002), Maughan e Burke (2004), alem de ser uma importante fonte de energia. O carboidratos e armazenado no figado e na musculatura esqueletica atraves de moleculas de glicose, denominadas glicogenio. Ha uma concentracao maior no figado de glicogenio (6%) comparando ao musculo esqueletico, cuja contribuicao e inferior a (1%), entretanto a quantidade media de armazenamento de glicose muscular e (300 a 400g), sendo maior que o armazenamento hepatico, com (80 a 90g), devido a massa geral substancialmente maior de musculo esqueletico. Na corrente circulante (20g) em media de glicose. Para Souza Jr. e Pereira (2007), o carboidratos armazenado no figado e no sangue pode ser utilizado diretamente como glicose. Ja o glicogenio muscular e utilizado nele proprio, pela falta da enzima Glicose 6 Fosfatase, responsavel pela hidrolise de G6P em glicose. McArdle e colaboradores (2003), essa glicose entao pode ser transportada aos musculos que estao em contracao e utilizada como substrato energetico.

A energia necessaria para que o organismo desempenhe suas funcoes segundo Wilmore e Costill (2001), e oriunda dos carboidratos e dos lipideos. Durante o exercicio intenso, o carboidrato se torna a principal fonte de energia e no exercicio de curta duracao, mas com intensidade maxima, o ATP e o substrato utilizado que e gerado a partir do carboidrato. A relacao de consumo de carboidratos e lipideos por seres humanos para Wolinsky e Hickson Junior (2002), pode ser avaliado atraves de trocas ventilatorias, pelo computo dos valores de R nao nitrogenados ou pelas Taxas de Trocas Respiratorias (TTR), sendo a relacao entre o volume de dioxido de carbono (C[O.sub.2]), expirado e o oxigenio ([O.sub.2]), absorvido pelos pulmoes por unidade de tempo que e indicado por TTR (0,7 ou 1,0) respectivamente. A transicao do repouso que e caracterizado quase que exclusivamente pelo consumo de acidos graxos, para a dependencia pesada sobre a glicose como substrato energetico para o musculo esqueletico.

Souza Junior e Pereira (2007), relatam que a energia quimica estocada no glicogenio e liberada por processo metabolico de degradacao como: glicogenolise, glicolise, reducao citosolica do piruvato a lactato pela LDH-M ou sua oxidacao mitocondrial a acetil-CoA pela piruvato desidrogenase.

Ja para Wilmore e Costill (2001), sao quatro hormonios para aumentar a glicose circulante no plasma. Sao eles; glucagon, adrenalina, noradrenalina e cortisol, dependendo do equilibrio, captacao muscular e liberacao hepatica. Em repouso a liberacao e facilitada pelo figado, onde o glucagon degrada e glicogenio hepatico e forma a glicose a partir de aminoacidos. No exercicio aumenta-se o glucagon, aumentando a taxa de catecolaminas pela medula adrenal, atuando juntamente com o glucagon para a glicogenolise. Evidencias relatam que o aumento de cortisol relaciona-se com o catabolismo proteico sendo utilizado no figado com a gliconeogenese. Alem dos quatro hormonios, o hormonio do crescimento aumenta a mobilizacao dos acidos graxos livres reduzindo a captacao da glicose pelo musculo. Quanto maior for a intensidade maior e a liberacao de catecolaminas, maior a concentracao plasmatica de glicose, pois o musculo possui seu proprio substrato. Apos o exercicio, ha uma diminuicao em sua concentracao plasmatica repondo o que foi depletado pela musculatura. Aumenta-se a captacao e a liberacao pelo figado. Esse processo e modificado quando se exaure o glicogenio hepatico, assim ocorre um aumento do glucagon e cortisol, levando a gliconeogenese fornecendo mais substratos.

Lactato

Hipotese proposta por Wasserman e colaboradores (1986) citado por Souza Junior e Pereira (2007), com o aumento da intensidade do exercicio, mais unidades motoras sao requisitadas, aumentando a necessidade de O2, todavia, excedendo seu suprimento, a fosforilacao de ATP se torna ineficiente pela demanda imposta, ativando a via glicolitica. Hipotese multifatorial que envolve a regulacao metabolica onde a producao de lactato depende do balanco competitivo entre o piruvato e o NADH pela enzima LDH-M e alanina-transaminase, lancadeira de NADH e transporte mitocondrial de piruvato, tendo como principal enzima a PFK-1, com o aumento da oferta de G6P e do aumento da atividade simpatica adrenal, levando um aumento da concentracao de adrenalina.

Ainda Souza Junior e Pereira (2007), relatam que o musculo alem de produtor e um grande consumidor de lactato, uma atividade moderada subsequente a uma atividade intensa esse consumo se torna mais efetivo. A velocidade de transporte de lactato em fibras de contracao lenta pode refletir o papel de substrato da mesma. As fibras de contracao rapida, com pouca velocidade de transporte, podem promover maior retencao de lactato, contudo, favorecendo a gliconeogenese.

Para Wolinsky e Hickson Junior (2002), a producao de lactato esta diretamente relacionada com o aumento da intensidade do exercicio. Uma fracao menor do lactato parece servir como um precursor gliconeogenico, desempenhando assim um papel na manutencao da glicose sanguinea. Muito desse lactato e levado para areas de intensa respiracao celular atraves do intersticio e vasculatura. O lactato serve como veiculo, onde move substratos das fibras glicoliticas para as fibras com indices respiratorios mais altos ou para o miocardio que preferencialmente utiliza o lactato como substrato ao inves de glicose e acido graxo livre (AGL). Esta claro que a producao e oxidacao de lactato, contribuem para producao de energia. Entretanto sua producao excessiva pode afetar adversamente as fibras musculares pela dissociacao em lactato e ions de [H.sup.*], diminuindo assim o seu pH. Apos o exercicio ocorre uma reducao da formacao de piruvato e NADH para atuar como combustivel para reacao lactato desidrogenase com o aumento da oxidacao do AGL havendo um decrescimo na glicolise. Para Dantas (2003), sao doze reacoes quimicas independentes e sequenciais para a sua concretizacao. Tal cadeia de reacoes foi descoberta por Gustav Embren e Otto Meyerhof, e por isso tambem chamado de "ciclo Embren-Meyerhof" ou glicolise anaerobica que significa a desintegracao da glicose sem a presenca de [O.sub.2]. No organismo os carboidratos sao ingeridos e transformados em frutose, galactose e glicose, esse que ja pode ser usado imediatamente sob esta forma, ou atraves da gliconeogenese se transformando em glicogenio, muscular ou hepatico para posterior utilizacao. Esse ciclo Embren-Meyerhof deve-se desfoforilizar para se transformar em glicose 6 fosfato, com isso, ganhar mais um mol de ATP. Para Wolinsky e Hickson Junior (2002), a oxidacao do NADH e NAD pode ser acoplada a reducao do lactato a piruvato, uma reacao catalisada por lactato desidrogenase. A glicose produzida sob condicoes anaerobicas, a energia liberada por mol de glicose oxidada chegando a (2 a 3 ATP) para a glicose derivada do sangue ou do glicogenio diferentemente da glicose oxidada na mitocondria a dioxido de carbono (C[O.sub.2]) e agua ([H.sub.2]O) com (38 ATP).

Segundo Wilmore e Costill (2001), as concentracoes musculares de ATP tambem sao mantidas pela degradacao aerobica e anaerobica do glicogenio muscular em eventos com duracao superior a alguns segundos, o glicogenio muscular torna-se a principal fonte de energia para a sintese de ATP, infelizmente essas reservas de glicogenio sao limitadas e sao rapidamente depletadas. Existem evidencias relacionando a fadiga muscular com os estoques de glicogenio proximo a deplecao. Hargreaves (1998) citado por Uchida e colaboradores (2005), o que comprometeria o treinamento sao os baixos estoques de glicogenio.

Estudos com suplementacao de carboidratos

Estudos controversos, como: Wolinsky e Hickson Junior (2002), relatam que inicialmente existia essa hipotese de que a ingestao de carboidratos durante o exercicio prolongado melhorava o desempenho, uma vez que pouparia o glicogenio muscular. Essa reducao da glicogenolise atrasaria a fadiga e aumentaria o intervalo de tempo ate a exaustao. Entretanto medicoes diretas do glicogenio antes e depois do exercicio com ou sem suplementacao nao aprovam essa hipotese. Como Willians e Branch (2000) citado por Uchida e colaboradores (2005), relaciona a fadiga muscular com a incapacidade de manter a ressintese de creatina fosfato, com isso, a deplecao da reserva de glicogenio e descartada pois o treinamento depleta apenas 20 a 40% das reservas do seu estoque.

Segundo Souza Jr. e Pereira (2007), nos relatam que existem concentracoes ergogenicas de carboidratos durante o exercicio. Ate 13 g/h foi insuficiente para alterar a resposta hormonal dos glicorreguladores ao exercicio prolongado e ou o tempo ate a inducao a fadiga, agora com uma ingestao de 30 a 60 g/h se torna eficaz ao aumento do rendimento fisico. O beneficio de sua ingestao e maior quando ocorre antes da deplecao das fontes endocrinas de carboidratos, se tornando eficaz no rendimento. Fatores ergogenicos encontrados ate 30 minutos antes da deplecao ou fadiga. Contudo, aconselha-se a suplementacao antes e durante a atividade.

Para Wolinsky e Hickson Junior (2002), suplementacao de carboidratos durante o exercicio de baixa intensidade (30% do V[O.sub.2] max.) aumenta a glicose sanguinea e as concentracoes de insulina o que resulta em aumento de duas vezes a captacao muscular. Com uma intensidade maior de (50 a 75% do V[O.sub.2] max.) parece resultar em alteracoes menores na glicose sanguinea e na insulina comparadas com aquelas observadas nos exercicios de baixa intensidade.

Portanto o objetivo deste estudo foi verificar se a suplementacao de maltodextrina em diferentes concentracoes poderia atenuar o desgaste imposto pelo exercicio de resistencia muscular localizada e fazer a correlacao entre glicose circulante e lactato sanguineo durante e apos o exercicio.

MATERIAIS E METODOS

Amostra

Foram selecionados inicialmente 11 individuos do genero masculino, ocorrendo uma mortalidade de 4, terminando o experimento com 7 individuos. Dos selecionados: (23,14 [+ or -] 1,57 anos; 77,51 [+ or -] 3,91 Kg; 173,64 [+ or -] 3,64 cm; 16,66 [+ or -] 3,69 % de G; 84 [+ or -] 10,33 mg x [dL.sup.-1], glicose em jejum). Foi estabelecido como criterio de selecao a experiencia previa de 3 meses (5,57 [+ or -] 1,62 meses). A selecao da amostra foi realizada por meio de um questionario, no qual foi avaliado o consumo de outros suplementos nutricionais e substancias controladas. Os experimentos foram conduzidos segundo a resolucao especifica do Conselho nacional de Saude (no. 196/96). Todos os individuos foram informados detalhadamente sobre os procedimentos utilizados e concordaram em participar de maneira voluntaria do estudo, assinando um termo de consentimento informado e protecao de privacidade, o qual tambem lhe deu o direito de abandonar a pesquisa sem onus em qualquer momento.

Protocolo do teste

Inicialmente os individuos foram submetidos a um teste de carga maxima (1RM) e repeticoes ate a exaustao com 50, 60 e 70% de (1RM), em 4 exercicios: supino reto, mesa flexora, pulley costas e agachamento, que posteriormente foram executados durante o treino (Tabela 1). O teste foi dividido em tres dias, com uma semana de descanso entre eles.

Protocolo de treinamento

Com o intuito de preservar integridade fisica dos sujeitos, todos os grupamentos musculares foram previamente preparados, com pouca intensidade e vinte cinco repeticoes por grupo, foram realizadas antecedendo cada sessao de treino. A sessao de treino era composta por quinze exercicios, (alternando os seguimentos) com uma serie, intensidade proporcional a 50% de 1RM, intervalo de noventa segundos entre series, repeticoes ate a falha mecanica na fase concentrica da contracao muscular. Onde foi mensurado, com dois segundos por repeticao, metrometro (personal counter), (Tabela 2). A primeira semana do experimento foi utilizada para adequacao ao protocolo.

A cada cinco exercicios eram coletados: Lactato sanguineo (tabela 3), glicose circulante (tabela 4), alem de ser realizado um teste controle, com dois exercicios: salto horizontal, medido em centimetros (cm) e o teste de supino, maior numero de repeticoes em um minuto (tabela 5). Apos cada exercicio, alem de mensurar o numero de repeticoes (REP), tambem foi mensurado o batimento cardiaco (BC), com frequencimetro (Polar) e a escala de percepcao de esforco (EPE) Borg.

Suplementacao

O desempenho dos sujeitos foi comparado de acordo com o consumo de quatro bebidas: solucao placebo, composta por suco artificial diet, (Clight [R]) sabor, laranja, com conteudo energetico desprezivel. E uma bebida carboidratada em concentracoes: 6% de maltodextrina (60g diluidos em 1L de agua), 12% de maltodextrina (120g diluidos em 1L de agua) e 18% de maltodextrina (180g diluidos em 1L de agua), vendida comercialmente. Para que as tres ultimas substancias apresentassem, coloracao, aroma e sabor semelhantes, foram acrescentados 5 g de Clight[R].

PROCEDIMENTOS

Todas as solucoes foram ministradas usando o metodo duplo cego, onde os sujeitos e nem o experimentador sabiam o que estavam consumindo. Foram oferecidos 150ml no momento inicial, apos a coleta da glicemia em jejum (duas horas), e a cada cinco exercicios completos, apos as coletas de lactato, glicose e teste controle, totalizando 600ml por sujeito. Os individuos realizaram o treinamento quatro vezes, alternando as bebidas em cada um e com uma semana de descanso entre cada treino. Como os individuos vieram em jejum de duas horas, foi recomendado que todos ingerissem 300ml de agua, assim mantendo o volume liquido no estomago e podendo evitar qualquer tipo de retardo no esvaziamento gastrico e na absorcao do carboidratos. As bebidas foram resfriadas antes da suplementacao.

Determinacao da Glicemia

A mensuracao da glicemia foi realizada em cinco momentos, (em jejum de duas horas, apos cinco minutos da suplementacao, apos o 5, 10 e 15 exercicio) utilizando o aparelho ACCU-CHECK[R] performa, Apos a preparacao do lancetador, pela troca de lanceta a cada teste; foi coletado sangue da regiao lateral da polpa digital, suficiente para preencher o espaco da tira,(tiras de teste ACCU-CHECK[R] performa), com a tira inserida se faz a coleta e mensura o resultado em cinco segundos, expressos em mg x [d.sup.-1]. (Tabela 4).

Determinacao do Lactato

A mensuracao do lactato foi realizada em tres momentos, durante o experimento (5, 10 e 15 exercicio), utilizando o aparelho ACCUTREND[R] pluss, apos a preparacao do lancetador, pela troca de lanceta a cada teste, foi coletada uma gota de sangue da regiao lateral da polpa digital, colocando-a na curva da tira (tira de teste BM-LACTATE). Apos a insercao da tira, abre-se a tampa do aparelho e preenche todo espaco da fita com uma unica gota; contudo, foi utilizado um capilar de vidro heparinizado, o qual permite a mesma quantidade de coleta. Tempo de mensuracao (um minuto), expressos em mmol x [l.sup.-1]. (Tabela-3).

As coletas sanguineas foram realizadas por puncao lateral da polpa digital, apos assepsia com alcool gel, fazendo uso de lancetas e luvas de procedimentos descartaveis.

Analise estatistica

O tratamento estatistico dos dados foi realizado por meio da analise descritiva de todas variaveis em que os valores foram expressos em media e desvio padrao. Utilizando o teste de analise de variancia (ANOVA-oneway) seguido pelo teste de tukey (Software Graph Pad), entre a media da glicemia e do lactato com as diferentes concentracoes de maltodextrina e placebo. O nivel minimo de significancia adotado no presente estudo foi de p< 0,05. Os resultados expressos em media e desvio padrao.

RESULTADOS

Analisando o desempenho dos individuos durante os testes, com o maior numero de repeticoes no exercicio supino, e a distancia mensurada em centimetros no salto horizontal com a suplementacao de placebo (PLC), e as diferentes concentracoes de carboidratos, (6%, 12% e 18%), maltodextrina, descritos na (Tabela 6).

Na comparacao entre grupos, avaliando a producao de lactato durante o experimento, utilizando PLC e o CHO em diferentes concentracoes (6%, 12% e 18%) de maltodextrina. Resultados expressos em (media e desvio padrao) aceitando como nivel minimo de significancia adotado no estudo de p<0,05. (Grafico 1).

Na comparacao entre grupos, avaliando a glicemia em mg x [dl.sup.-1], antecedendo o experimento, em jejum (J) de duas horas. Resultados expressos em (M), (DP) e (EP) aceitando como nivel minimo de significancia adotado no estudo de p<0,05. (Grafico 2).

[GRAPHIC 1 OMITTED]

[GRAPHIC 2 OMITTED]

Na comparacao entre grupos, avaliando a glicemia em mg x [dl.sup.-1], apos a suplementacao durante o experimento, utilizando PLC e o carboidratos em diferentes concentracoes. Resultados expressos em (M), (DP) e (EP) aceitando como nivel minimo de significancia adotado no estudo de p<0,05. (Grafico 3).

[GRAPHIC 3 OMITTED]

Na comparacao entre grupos, avaliando a glicemia em mg x [dl.sup.-1], apos o experimento (AE), utilizando PLC e o CHO em diferentes concentracoes. Resultados expressos em (M), (DP) e (EP) aceitando como nivel minimo de significancia adotado no estudo de p<0,05. (Grafico-4).

[GRAPHIC 4 OMITTED]

Analisando os momentos de coleta de glicose (J), (AS) e (AE), em (mg x [dl.sup.-1]), com as diferentes concentracoes: (PLC) e (CHO) de 6% e 12%, os resultados nao foram significantes, onde o p>0,05. No entanto, quando suplementaram com (CHO) 18%, os resultados foram significantes, com p<0,05. Expressos em (M) [+ or -] (DP) [+ or -] (EP). (Tabela 7).

DISCUSSAO

A ingestao de carboidrato (CHO) antes, durante e apos a competicao pode melhorar o desempenho e minimizar o impacto dos fatores responsaveis pela fadiga e pela debilitacao do treinamento (Maughan e Burke, 2004). Com o objetivo inicial em possibilitar efeito ergogenico com a suplementacao com diferentes concentracoes de bebida carboidratada, contudo, atenuar os efeitos deleterios do exercicio. Ficou evidenciado no experimento, onde no teste controle, o exercicio com maior numero de repeticoes de supino em um minuto, o grupo que fez uso de 18% de carboidrato, tiveram melhor rendimento nas repeticoes (Tabela 6), resultado expresso em (media e desvio padrao). No entanto, o outro exercicio escolhido para mensurar o desempenho dos sujeitos, (salto horizontal) o grupo com a maior concentracao de CHO 18%, foi o que teve o pior desempenho. Ate 12% de carboidrato foi encontrado efeito benefico. (Tabela 6). Uma hipotese que pode ter ocorrido, segundo Souza Junior e Pereira (2007), nos relatam que existem concentracoes ergogenicas de carboidrato durante o exercicio. Ate 13 g/h foi insuficiente para alterar a resposta hormonal dos glicorreguladores ao exercicio prolongado e ou o tempo ate a inducao a fadiga, agora com uma ingestao de 30 a 60 g/h se torna eficaz ao aumento do rendimento fisico. Sapata e colaboradores (2006), o consumo de carboidrato trinta minutos antes do exercicio, nao foram capazes de atenuar os efeitos deleterios do exercicio, quando comparados com outro grupo (PLC). Wolinsky e Hickson Junior (2002), suplementacao de carboidrato durante o exercicio de baixa intensidade (30% do V[O.sub.2] max.) aumenta a glicose sanguinea e as concentracoes de insulina e a captacao muscular. Com uma intensidade maior de (50 a 75% do V[O.sub.2] max.) parece resultar em alteracoes menores quando comparadas com aquelas observadas nos exercicios de baixa intensidade.

Analisando o indice glicemico apos a suplementacao (AS) e no final (F), com (PLC) e (CHO) em diferentes concentracoes, com (PLC), (CHO) 6% e 12% nao foram detectados significancia, p>0,05, todavia, o grupo suplementado com (CHO) 18%, foi significativo, onde p<0,05. (Tabela 7). Sapata e colaboradores (2006), nos relatam que apos o consumo de bebida carboidratada como a maltodextrina, pelo fato de ser complexa e de alto indice glicemico passa pela circulacao sanguinea de forma mais lenta. Assim, a elevacao da curva glicemica se mantem por mais tempo. Fazendo a comparacao da glicemia entre grupos nao foram encontradas significancias, p>0,05. (Graficos 2, 3 e 4). Souza Jr. e Pereira (2007) defendem a ideia de que o treinamento alem de aumentar a quantidade de proteina (GLUT-4), a qual funciona como transportador da glicose pra dentro da celula. Ocorre tambem o gradiente de concentracao o gradiente quimico que transporta a glicose sem estar acoplada a utilizacao de ATP. A glicose por ser uma molecula menor que os poros da parede do vaso capilar, o endotelio dos capilares sendo altamente permeavel, a molecula de glicose, com isso nao se tornando um fator limitante do suprimento de glicose em exercicio. Tambem ocorre fosforilazacao da glicose pela hexoquinase a G6P, ajudando na manutencao circulante e mantendo baixa a concentracao de glicose intracelular.

A resposta da producao de lactato quando comparadas com outros grupos, nao foram encontradas diferencas significantes, p>0,05. (Grafico 1). Ainda Souza Junior e Pereira (2007), relatam que o musculo alem de produtor e um grande consumidor de lactato, uma atividade moderada subsequente a uma atividade intensa esse consumo se torna mais efetivo. Para Wolinsky e Hickson Junior (2002), a producao de lactato esta diretamente relacionada com o aumento da intensidade do exercicio. Uma fracao menor do lactato parece servir como um precursor gliconeogenico, desempenhando assim um papel na manutencao da glicose sanguinea. Muito desse lactato e levado para areas de intensa respiracao celular atraves do intersticio e vasculatura. O lactato serve como veiculo, onde move substratos das fibras glicoliticas para as fibras com indices respiratorios mais altos ou para o miocardio que preferencialmente utiliza o lactato como substrato ao inves de glicose e acido graxo livre (AGL). Esta claro que a producao e oxidacao de lactato, contribuem para producao de energia. Isso pode explicar como o treinamento resistido com seus intervalos, o lactato foi tamponado no experimento.

CONCLUSAO

A suplementacao com diferentes concentracoes de carboidrato (6%, 12% e 18%), foi capaz de atenuar o efeito deleterio do treinamento de resistencia muscular localizada. Sobre a correlacao entre lactato e glicemia, apenas em um grupo que consumiu a maltodextrina com (18%) no exercicio foi significativo. Estudos invasivos correlacionando o lactato com glicemia circulante, sao necessarios para elucidar tais fatos.

REFERENCIAS

(1-) Dantas, E.H.M. A Pratica da Preparacao Fisica 5a ed. Rio de Janeiro. Shape, 2003. p. 345-358.

(2-) Maughan, R.J.; Burke, L.M. Nutricao esportiva. 1a ed. Porto Alegre. Artmed. 2004.

(3-) McArdle, W.D.; Katch, F.I.; Katch, V.L. Fisiologia do Exercicio: Energia, Nutricao e Desempenho Humano. 5a ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan. 2003.

(4-) Pereira, B.; Souza Junior, T. P. Metabolismo Celular e Exercicio Fisico: Aspectos Bioquimicos e Nutricionais. 2a ed. Sao Paulo. Phorte. 2007. p. 113-128.

(5-) Sapata, K.B.; Fayh, A.P.T.; Oliveira, A.R. Efeito do Consumo Previo de Carboidrato Sobre a Resposta Glicemica e Desempenho Sobre a Resposta Glicemica e Desempenho. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Niteroi. Vol. 12. Num. 4. Ago 2006. p. 189-194.

(6-) Tanaka, L. Y.; Junior, J. R. G. Influencia da Ingestao de Bebidas com Carboidrato no Desempenho em Treinamento Resistido. Revista da Educacao Fisica. Maringa. Vol.15. Num. 1. 2004. p. 63-68.

(7-) Uchida, M.C.; Charro, M.A.; Bacurau, R.F. P.; Navarro, F.; Pontes Junior, F.L. Manual de Musculacao: Uma Abordagem Teorico-Pratica do Treinamento de Forca. 5a ed. Sao Paulo. Phorte. 2008.

(8-) Uchida, M. C.; Charro, M. A.; Bacurau, R. F. P.; Navarro, F.; Pontes Junior, F. L. Manual da Musculacao: Uma Abordagem Teorico-Pratica do Treinamento de Forca. 3a ed. Sao Paulo. Phorte. 2005. p. 185-192.

(9-) Wilmore. J. H.; Costill. D. L. Fisiologia do Esporte e do Exercicio. 2a ed. Sao Paulo. Manole. 2001. p. 451-487.

(10-) Wolinsky, I.; Hickson Junior, J. F. Nutricao no Exercicio e no Esporte. 2a ed. Sao Paulo. Roca. 2002. p. 19-59.

Recebido para publicacao em 05/05/2010

Aceito em 27/06/2010

Andre Luiz de Moura Andrade [1], Mirian Aguiar [1], Rodrigo Miranda Rotta [1], Henrique Alves Dias [1], Andre Almeida [1]

[1-] Programa de Pos-Graduacao Lato-Sensu da Universidade Gama Filho--Fisiologia do Exercicio: prescricao do exercicio.

Endereco para correspondencia: a.andrade_personal@hotmail.com
Tabela 1. Desempenho dos sujeitos no teste de 1RM em (kg)
e repeticoes ate exaustao com 50, 60 e 70% da RM, (media
[+ or -] DP). Com o intuito de mensurar a carga de 50%
de 1 RM nos principais grupamentos musculares para o
experimento.

Grupos        Exercicios           1RM (Kg)
Musculares

Peito         Supino reto    33,71 [+ or -] 4,19
Costas       Pulley Costas   59,71 [+ or -] 10,18
Coxa          Agachamento    75,71 [+ or -] 3,45
             Mesa Flexora    52,86 [+ or -]19,55

Grupos        Exercicios         Repeticoes
Musculares

                                     50%

Peito         Supino reto    24,86 [+ or -] 2,12
Costas       Pulley Costas   16,14 [+ or -] 2,73
Coxa          Agachamento    31,00 [+ or -] 7,77
             Mesa Flexora    17,14 [+ or -] 2,73

Grupos        Exercicios         Repeticoes
Musculares

                                     60%

Peito         Supino reto    14,57 [+ or -] 2,88
Costas       Pulley Costas   13,43 [+ or -] 2,94
Coxa          Agachamento    17,14 [+ or -] 5,46
             Mesa Flexora    7,71 [+ or -] 2,75

Grupos        Exercicios         Repeticoes
Musculares

                                     70%

Peito         Supino reto    9,57 [+ or -] 3,64
Costas       Pulley Costas   8,43 [+ or -] 3,15
Coxa          Agachamento    8,86 [+ or -] 3,72
             Mesa Flexora    5,29 [+ or -] 2,29

Resultados expressos em media e desvio padrao.

Tabela 2. Exercicios propostos para o experimento com repeticoes
ate a falha mecanica na fase concentrica do movimento, com
intensidade proporcional a 50% de 1RM em (Kg). Expressos em
media (M) e desvio padrao (DP).

Exercicios                Repeticoes           50% de 1RM (Kg)

Supino reto           17,75 [+ or -] 0,50    23,00 [+ or -] 4,69
Agachamento           25,50 [+ or -] 3,32    42,50 [+ or -] 12,58
Pulley costas         20,25 [+ or -] 1,26    53,75 [+ or -] 2,50
Mesa flexora          18,00 [+ or -] 2,45    50,00 [+ or -] 9,13
Peck deck             21,50 [+ or -] 1,91    66,25 [+ or -] 2,50
Leg-press             23,25 [+ or -] 1,71   355,00 [+ or -] 77,24
Remada sentado        21,50 [+ or -] 1,91    55,00 [+ or -] 5,77
Cadeira extensora     22,25 [+ or -] 1,50    58,75 [+ or -] 4,79
Elevacao lateral      20,00 [+ or -] 0,82     8,00 [+ or -] 2,31
Cadeira abdutora      23,75 [+ or -] 0,50    83,75 [+ or -] 4,79
Cadeira adutora       22,75 [+ or -] 1,26    86,25 [+ or -] 4,79
Rosca direta          18,00 [+ or -] 0,82    27,50 [+ or -] 3,00
Panturrilha sentado   21,00 [+ or -] 1,41    71,25 [+ or -] 750
Pulley triceps        23,25 [+ or -] 2,75    45,00 [+ or -] 5,77
Abdominal (prancha)   22,00 [+ or -] 0,82    18,75 [+ or -] 2,50

Tabela 3. Lactato sanguineo, coletado em tres momentos, durante e
apos a sessao de treino, com placebo e as concentracoes diferentes
de maltodextrina (6%, 12% e 18%) apos o 5, 10 e 15 exercicio, os
dados em (mmol x [l.sup.-1]). Os resultados expressos em (M), (DP)
e erro padrao (EP), nao havendo significancia, sendo p>0,05.

Variaveis               (M)               (DP)              (EP)
Lactato
(mmol x [l.sup.[-1])

Placebo                13,34   [+ or -]   1,26   [+ or -]   0,47
CHO (6%)               13,50   [+ or -]   2,80   [+ or -]   1,06
CHO (12%)              12,76   [+ or -]   3,71   [+ or -]   1,40
CHO (18%)              13,03   [+ or -]   1,52   [+ or -]   0,57

Os resultados expressos em (Media) [+ or -] (Desvio Padrao)
[+ or -] (Erro Padrao).

Tabela 4. Glicose circulante antes, durante e apos o experimento,
expressos em (mg x [dl.sup.-1]). Foram coletados em cinco momentos,
em jejum de duas horas (J), cinco minutos apos a suplementacao (AS)
e apos o 5, 10 e 15 exercicio (AE). Os dados expressos em
(M) [+ or -] (DP) [+ or -] (EP).

Glicose                                (J)
(m x mg/[dl.sup.-1])     (M) [+ or -] (DP) [+ or -] (EP)

Placebo                96,14 [+ or -] 14,72 [+ or -] 5,57
CHO (6%)               95,75 [+ or -] 13,15 [+ or -] 4,97
CHO (12%)               86,86 [+ or -] 9,40 [+ or -] 3,53
CHO (18%)               89,29 [+ or -] 8,32 [+ or -] 3,14

Glicose                                 (AS)
(m x mg/[dl.sup.-1])      (M) [+ or -] (DP) [+ or -] (EP)

Placebo                 100,21 [+ or -] 17,31 [+ or -] 6,55
CHO (6%)                  96,29 [+ or -]18,01[+ or -] 6,80
CHO (12%)                93,14 [+ or -] 7,58 [+ or -] 2,86
CHO (18%)              104,43 * [+ or -] 14,32 [+ or -] 5,41

Glicose                                (AE)
(m x mg/[dl.sup.-1])     (M) [+ or -] (DP) [+ or -] (EP)

Placebo                 85,14 [+ or -] 6,77 [+ or -] 2,56
CHO (6%)                85,00 [+ or -] 8,91 [+ or -] 3,37
CHO (12%)               88,29 [+ or -] 10,37 [+ or -] 3,92
CHO (18%)              87,43 * [+ or -] 8,66 [+ or -] 3,27

Os resultados expressos em (Media) [+ or -] (Desvio Padrao)
[+ or -] (Erro Padrao).

Tabela 5. O teste controle, composto por dois exercicios,
Salto horizontal em cm, e o Teste de supino em um minuto,
(maior numero de repeticoes) com peso adequado para homens,
(36,50 kg), valor com barra incluso. Realizados em tres
momentos, 5[degrees], 10[degrees] e 15[degrees] exercicio.
Resultados expressos em (M) [+ or -] (DP) [+ or -] (EP).

Variaveis                  Placebo                   6%

Salto               184,58 [+ or -] 17,95   185,67 [+ or -] 9,03
  Horizontal (cm)
Teste de             29,60 [+ or -] 3,27    29,67 [+ or -] 1,37
  Supino
  (Repeticoes)

Variaveis              Maltodextrina

                            12%                     18%

Salto               192,92 [+ or -] 6,92   180,83 [+ or -] 44,25
  Horizontal (cm)
Teste de            31,50 [+ or -] 2,26     33,67 [+ or -] 3,27
  Supino
  (Repeticoes)

Os resultados expressos em media [+ or -] desvio padrao

Tabela 6. Numero de repeticoes, supino (media [+ or -]
desvio padrao) nos relata que no exercicio de
supino em um minuto, com a maior concentracao
de carboidratos (18%), apresentou o maior numero
de repeticoes. O salto horizontal o grupo que
alcancou a maior distancia, foi com a suplementacao
de carboidratos (12%) e o que apresentou a menor
distancia foi grupo com maior suplementacao carboidratos (18%)

Supino (Repeticoes em um minuto) Salto Horizontal (cm)

PLC       29,60 [+ or -] 3,27    PLC       184,58 [+ or -] 17,95
CHO 6%    29,67 [+ or -] 1,37    CHO 6%    185,67 [+ or -] 9,03
CHO 12%   31,50 [+ or -] 2,26    CHO 12%   192,92 [+ or -] 6,92 *
CHO 18%   33,67 [+ or -] 3,27 *  CHO 18%   180,83 [+ or -] 44,25

Os resultados expressos em (media [+ or -] desvio padrao)
durante o teste levando ate a falha mecanica na fase concentrica.
Distancia mensurada no salto horizontal (media [+ or -] desvio
padrao) com a suplementacao de PLC e maltodextrina (6%, 12% e
18%) concentracoes de carboidrato (CHO).

Tabela 7. Glicose circulante (J), (AS) e (AE), expressos
em (mg x [dl.sup.-1]). Com as suplementacoes de (PLC) e (CHO) em
diferentes concentracoes. Os dados expressos em
(M) [+ or -] (DP) [+ or -] (EP). Sendo significante
com o grupo que consumiu a maior concentracao de (CHO)
18%, onde o p<0,05. com 0,016 de significanca.

Glicose                      (J)                     (AS)
(m.mg/[dl.sup.-1])    (M) [+ or -] (DP)        (M) [+ or -] (DP)
                        [+ or -] (EP)            [+ or -] (EP)

Placebo              96,14 [+ or -] 14,72    100,21 [+ or -] 17,31
                        [+ or -] 5,57            [+ or -] 6,55
CHO (6%)             95,75 [+ or -] 13,15    96,29 [+ or -] 18,01
                        [+ or -] 4,97            [+ or -] 6,80
CHO (12%)            86,86 [+ or -] 9,40      93,14 [+ or -] 7,58
                        [+ or -] 3,53            [+ or -] 2,86
CHO (18%)            89,29 [+ or -] 8,32    104,43 * [+ or -] 14,32
                        [+ or -] 3,14            [+ or -] 5,41

Glicose                      (AE)
(m.mg/[dl.sup.-1])     (M) [+ or -] (DP)
                         [+ or -] (EP)

Placebo               85,14 [+ or -] 6,77
                         [+ or -] 2,56
CHO (6%)              85,00 [+ or -] 8,91
                         [+ or -] 3,37
CHO (12%)            88,29 [+ or -] 10,37
                         [+ or -] 3,92
CHO (18%)            87,43 * [+ or -] 8,66
                         [+ or -] 3,27

(Tabela--7)--Os resultados expressos em (Media) [+ or -]
(Desvio Padrao) [+ or -] (Erro Padrao).
COPYRIGHT 2010 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2010 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Andrade, Andre Luiz de Moura; Aguiar, Mirian; Rotta, Rodrigo Miranda; Dias, Henrique Alves; Almeida,
Publication:Revista Brasileira de Nutricao Esportiva
Date:May 1, 2010
Words:5371
Previous Article:Conjugated linoleic acid (CLA) and exercise: effects on body composition/Acido linoleico conjugado (CLA) e exercicio fisico: efeitos na composicao...
Next Article:Nutritional and anthropometric profile of fitness center goers, users or not users of feed supplements from five cities of the Rio Grande do Sul...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters