Printer Friendly

Conhecimentos sobre nutricao basica por parte de praticantes de musculacao de academias de Macapa.

RESUMO

A preocupacao com o involucro corporal e a crescente obsessao com a forma fisica nao se restringem apenas aos estratos sociais mais elevados. Por parte de praticantes de musculacao leigos a pesquisa sobre alimentacao e formulacao de dietas se da em fontes nao confiaveis ou com profissionais nao habilitados ou sem formacao na area de alimentacao. Portanto, este estudo objetiva avaliar o conhecimento de nutricao basica por parte de praticantes de musculacao de academias da cidade de Macapa, relacionando-o com o genero sexual, escolaridade e condicao financeira dos pesquisados. Pesquisa de carater descritivo e qualitativo com amostra era de 50 participantes e aplicacao de questionario adaptado ja validado, dividindo a porcentagem de acertos em quatro classificacoes: Ruim, Moderado, Bom e Excelente. Mais homens do que mulheres estao nos niveis Moderado ou Bom. Referente a classe socioeconomica e escolaridade houve homogeneidade no percentual de acertos. Avaliando de forma isolada o percentual de acerto de cada questao, 50% encaixaram-se no nivel Moderado. Ao realizar a comparacao entre os niveis e possivel observar que os homens possuem um indice de acerto relativamente igual as mulheres. Comparando a classe socioeconomica pode-se perceber homogeneidade no percentual de acertos. A escolaridade se demonstrou fator determinante para o aumento do nivel de conhecimento pesquisado. Necessitam mais estudos a fim de atestar a classe socioeconomica e genero sexual como fatores diretamente proporcionais a taxa de respostas corretas.

Palavras-chave: Metabolismo. Necessidades Nutricionais. Nutricao Esportiva.

ABSTRACT

Knowledge about basic nutrition by weight lift training practitioners from Macapa gyms

The concern with body appearance and the growing obsession with physical form is not restricted to the high social stratum. By laic weight lifting practitioners the research about alimentation and diet formulation is done at unreliable information sources with not enabled professionals or with no academic formation in the alimentary area. Therefore, this study aims to evaluate the knowledge about basic nutrition by weight training practitioners from Macapa gyms compared to the sexual gender, education degree, and financial condition of the participants. Research of qualitative and quantitative character with sample of 50 participants and application of an adapted questionnaire already validated, dividing the rate of correct answers on four classifications: bad, moderate, good and excellent. More men than women are in the moderate or good level. About the socioeconomic class and education degree, there was homogeneity in the percentage of correct answers. Individually, most of the participants are in the Moderate level. During the comparison between the knowledge levels, it is possible to observe that men have relatively the same number of correct answers than women. Comparison among the socioeconomic classes shows homogeneity in the rate of correct answers. The education degree demonstrated to be a determinant on growing the researched knowledge level. More studies aiming to attest the sexual gender and socioeconomic classes as determinative factors directly proportional to the rate of correct answers are in need.

Key words: Metabolism. Nutritional Requirements. Sporting Nutrition.

INTRODUCAO

Atualmente e possivel observar um crescente interesse pela busca da qualidade de vida, condicionamento fisico e estetica, que sao alguns dos principais motivos que tem levado as pessoas a pratica de exercicios fisicos, principalmente em academias de ginastica (Hirschbruch e Carvalho, 2008).

Segundo Iriart, Chaves e de Orleans (2009), a preocupacao com o involucro corporal e a crescente obsessao com a forma fisica nao se restringem apenas aos estratos sociais mais elevados.

A busca da construcao de um corpo adequado aos padroes valorizados na sociedade contemporanea, e difundidos pela midia, dissemina-se pelas diferentes camadas sociais.

Uma alimentacao nutricionalmente adequada e importante para o desempenho esportivo por propiciar oferta de nutrientes compativel com os treinos e por prevenir a fadiga muscular (Panza e colaboradores, 2007), o que permite aumentar a duracao do treino ou que o praticante de atividade fisica se recupere mais rapidamente entre as series de exercicios, alem de aumentar as reservas de energia e reduzir a possibilidade de contrair enfermidades (Wolinsky e Hickson, 2002).

Segundo Souza e Navarro (2011) os praticantes de musculacao nao conseguem se alimentar de forma adequada em funcao da vida social e profissional que levam, bem como pela falta de conhecimento sobre o que e quando ingerir, ausencia de acompanhamento nutricional e a influencia causada pela midia (internet e televisao principalmente).

A grande questao e: apesar de essas pessoas estarem realizando um ato equivalente a automedicar-se, elas sabem como se da o efeito desse alimento/suplemento dentro do seu corpo para acreditarem estar alcancando seus objetivos de maneira que nao comprometam sua saude?

Souza e Navarro (2011) ainda dizem que pode-se perceber que muitos dos alunos, independente do poder aquisitivo e da estrutura da academia, ainda dispensam o acompanhamento de um nutricionista. No Brasil, ele e o profissional responsavel, por lei, e habilitado em curso de nivel superior especifico para alimentacao (Brasil, 1991).

Por parte de praticantes de musculacao leigos a pesquisa sobre alimentacao e formulacao de dietas, seja qual for sua finalidade, em sua maioria, se da em fontes nao confiaveis disponiveis na internet, revistas que nao citam fontes cientificas comprobatorias ou com profissionais nao habilitados ou sem formacao na area de alimentacao. Geralmente esses profissionais sao os proprios educadores fisicos das academias.

Os estudos de Silveira e colaboradores (2012) e Portal e colaboradores (2009) mostram que esses profissionais possuem conhecimento limitado sobre nutricao em geral, sem uma base cientifica solida, muitas das vezes sem pos-graduacao especifica, tendo participado de palestras apenas (Vasconcelos, Moraes e Finelli, 2011).

Todavia, em qualquer um dos casos citados anteriormente, nao ha a aplicacao do principio da individualidade, seja por negligencia por parte do aluno da academia ou por sua falta de conhecimento em relacao ao assunto.

Com base no exposto, o presente estudo objetiva avaliar o conhecimento de nutricao basica por parte de praticantes de musculacao de academias da cidade de Macapa, relacionando-o com o genero sexual, escolaridade e condicao financeira dos pesquisados.

MATERIAIS E METODOS

Pesquisa de carater descritivo e qualitativo, desenvolvida com alunos de uma rede de academias, na cidade de Macapa (AP), no periodo de 15/09 a 15/11/2015.

O presente estudo buscou correlacionar o conhecimento sobre nutricao basica com tres fatores (classe social economica a qual o participante pertence, escolaridade do participante e seu genero sexual), objetivando analisar se o grau de instrucao e poder financeiro esta relacionados direta ou indiretamente a quantidade de respostas fornecidas de forma correta.

Definiu-se a amostra sendo o numero total de participantes igual a 50 (n=50) sendo sua metade composta por homens e a outra por mulheres (H=25 e M=25).

Os participantes da pesquisa nao foram selecionados previamente, sendo incluidos na pesquisa de forma voluntaria e aleatoria mediante abordagem direta e assinatura do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE), o qual lhes garantia anonimato e confidencia em relacao aos dados fornecidos na folha de questionario, contatos e informacoes sobre os pesquisadores, e tambem ciencia sobre a possibilidade de nao participar ou desistir de sua participacao na pesquisa apos o preenchimento do questionario.

Foi considerada participante da pesquisa a pessoa que tinha idade minima de 18 anos completos na data de aplicacao do questionario, que pratique musculacao (podendo estar associada a outras modalidades esportivas) no minimo uma vez durante a semana como aluna da rede de academias.

Aos participantes da pesquisa foi aplicado de forma presencial um questionario contendo 4 secoes: Identificacao (nome, idade, sexo e contato telefonico); Escolaridade (fundamental a ensino superior completo); Classe Social Economica, com base na renda per capita, de acordo com a Secretaria de Assuntos Estrategicos (Brasil, 2014), em classes E, D, C, B e A; Questionario.

A secao Questionario contem 10 questoes adaptadas reunidas dos questionarios ja validados e aplicados por Pereira e Cabral (2007) e Silveira e colaboradores (2012).

As questoes sao referentes a nutricao basica, envolvendo conhecimentos sobre o metabolismo humano, necessidades nutricionais do ser humano e funcao dos macro e micronutrientes dentro do organismo humano. O mesmo questionario foi aplicado a todos os alunos pesquisados.

A selecao da rede de academias deuse mediante os seguintes criterios: a distribuicao de seus estabelecimentos para a pratica de musculacao na cidade; acessibilidade financeira para os alunos; nao estar restrita a uma faixa etaria ou categoria de pessoas.

Para a analise dos dados utilizou-se a funcao estatistica descritiva do software Microsoft Excel 2013[R] com o uso de percentual.

A quantidade de acertos foi dividida em quatro niveis de classificacao do grau de conhecimento sobre nutricao basica: Ruim--zero a tres acertos; Moderado--quatro a seis acertos; Bom--sete a nove acertos; Excelente--todas as respostas corretas (10 acertos).

RESULTADOS

Comparando o genero sexual versus a quantidade de acertos foi possivel aferir que mais homens do que mulheres estao nos niveis Moderado ou Bom, sendo 92% (n=23) dos homens entrevistados e 68% (n=17) das mulheres (Tabela 1).

Comparando a classe social economica a qual o pesquisado pertence e a quantidade de respostas corretas, houve homogeneidade no percentual de acertos, havendo diferenca de apenas 6% entre os pesquisados classificados com nivel de conhecimento Ruim.

Tambem entre os diferentes niveis socioeconomicos dos pesquisados com conhecimento classificado como Bom houve apenas 6% de diferenca entre o maior (n=6; 24%) e o menor (n=2; 18%) resultado percentual obtido (Tabela 2).

Comparando a escolaridade com a quantidade de questoes respondidas de forma correta e possivel observar predominancia do nivel de conhecimento considerado Moderado. 29 participantes (58%) pertencem a esse nivel, 10 participantes (20%) pertencem nivel classificado como Ruim e 11 (22%) pertencem ao nivel de conhecimento denominado Bom (Tabela 3).

Avaliando as repostas das questoes/afirmativas de forma isolada (Tabela 4), aferiu-se predominancia do nivel de conhecimento moderado (50% das questoes foram respondidas corretamente com taxa de acerto entre 40% a 69% por parte dos 50 participantes avaliados).

O nivel de conhecimento Bom ficou 10 pontos percentuais abaixo do nivel considerado Ruim (20% e 30% respectivamente).

DISCUSSAO

No presente estudo a maior parte dos participantes eram formados em graduacao de nivel superior e pertenciam a classe socioeconomica A, B ou C, representando em ambos os parametros 50% da amostra, apresentando nivel Moderado de conhecimento sobre nutricao basica.

Referente ao genero sexual, a maioria dos pesquisados apresentou nivel Moderado de conhecimento. Ha mais mulheres em relacao aos homens no nivel considerado Ruim. Foi constatada diferenca de 24% (n=6) na soma da porcentagem de participantes por genero sexual que estao nos niveis considerados Moderado ou Bom, sendo para homens e mulheres respectivamente 92% (n=23) e 68% (n=17). Resultado obtido provavelmente pelo maior interesse dos homens em relacao as mulheres em alcancar um padrao de alimentacao considerado saudavel e que lhes propiciara hipertrofia muscular.

Comparando a classe social economica a qual o pesquisado pertence e a quantidade de respostas corretas, pode-se perceber homogeneidade no percentual de acertos, havendo diferenca de apenas 6% entre os pesquisados classificados com nivel de conhecimento Ruim.

Tambem entre os diferentes niveis socioeconomicos dos pesquisados com conhecimento classificado como Bom houve apenas 6% de diferenca entre o maior (n=6; 24%) e o menor (n=2; 18%) resultado percentual obtido. Tal achado permite implicar que o nivel socioeconomico nao esta ligado de forma direta ao nivel de conhecimento sobre nutricao basica.

Das questoes avaliadas com conhecimento classificado como Moderado a questao respondida de forma correta com menor percentual foi a Questao 8, com 21 pessoas respondendo-a de forma correta representando 42% dos 50 participantes. A questao mais respondida de forma correta na classificacao de nivel Moderado foi a Questao 4, com 58% dos 50 participantes respondendo-a de forma correta, representando 29 participantes. Respectivamente para os niveis considerados Ruim e Bom foram as questoes 6 (32%, representando 16 alunos) e 7 (36%, representando 18 alunos), questoes 3 (76%, representando 38 pesquisados) e 10 (78%, representando 39 pesquisados).

A afirmativa numero um, a energia produzida a partir dos macronutrientes (carboidratos, gorduras e proteinas) e totalmente aproveitada para a contracao muscular durante o exercicio, obteve indice de acerto de 44% No estudo de Viviani e Junior (2003), mais de 66% dos pesquisados acertaram.

De acordo com Junior (2002), Durante a contracao muscular, cerca de 70% da energia produzida pelo organismo e dissipada na forma de calor e apenas 30% desta energia e utilizada na contracao muscular, ou seja, nao ha aproveitamento total das calorias consumidas.

A afirmativa dois, dentro do organismo humano a unica funcao das gorduras e fornecer energia durante o jejum ou exercicios prolongados, obteve aproveitamento positivo de apenas 44%. Resultado muito abaixo do encontrado nos estudos de Viviani e Junior (2003) com indice de acerto superior a 90%. No estudo de Silveira e colaboradores (2012) houve 100% de indice de acerto.

O resultado obtido no presente estudo pode ser reflexo da cultura ao corpo perfeito onde a gordura e considerada um male, nao havendo ressalva de suas outras funcoes (as quais sao importantes) dentro do organismo humano.

O carboidrato em excesso na dieta pode vir a ser utilizado na sintese de gordura corporal era a afirmava de numero tres e obteve indice de acerto de 76%, sendo o conhecimento sobre o assunto classificado como Bom. Porem, o estudo de Carneiro (2008) mostra que 75% dos pesquisados acertaram a questao referente aos carboidratos e, na pesquisa de Viviani e Junior (2003), a assertiva foi respondida corretamente por aproximadamente 2/3 dos pesquisados, apontando conformidade com o estudo realizado por este trabalho cientifico.

A afirmativa numero quatro, o unico nutriente que deve ter sua quantidade diminuida numa dieta para perda de peso e o carboidrato, obteve taxa de acerto de 58%.

Margem de acerto e vista tambem no estudo de Viviani e Junior (2003). No estudo de Silveira e colaboradores (2012) houve 100% de acerto nas respostas. Assim como a gordura e considerada algo prejudicial a saude dentro da cultura do corpo perfeito, o carboidrato esta em um impasse entre ser considerado vilao ou benefico. O conhecimento sobre sua funcao energetica e bastante difundida entre os praticantes de atividade fisica, porem falta esclarecimento sobre quando e como o carboidrato deve ser o unico a ser reduzido em uma dieta.

A questao numero cinco infere que o anabolismo ocorre durante a recuperacao apos o exercicio. A taxa de acerto para essa afirmativa foi de 50%.

Viviani e Junior (2003), em seu estudo, explicam que e o anabolismo que permite o aumento da massa muscular e 2/3 de seus pesquisados responderam acertadamente que o processo de anabolismo ocorre durante o periodo de recuperacao pos-exercicio, o que torna importante a alimentacao adequada neste periodo. No estudo de Silveira e Colaboradores (2012) obteve-se indice de acerto de 76,9%.

A afirmativa numero seis, a proteina e o macronutriente que deve ser consumido em maior quantidade durante o dia, teve indice de respostas corretas de apenas 32%. Pereira e Cabral (2010) encontraram indice de 50% dos individuos pesquisados respondendo corretamente.

Conforme as recomendacoes nutricionais das Recommended Dietary Allowances (Institute of Medicine, 2005) a necessidade de proteina nao deve ultrapassar 10 a 15 % em relacao ao valor energetico total (VET) diario em uma alimentacao equilibrada para individuos normais.

A questao numero sete refere-se aos aminoacidos: aminoacidos essenciais sao os unicos importantes para o aumento da massa muscular. Obteve taxa de acerto de 37%. Para um atleta, a importancia de conhecer a diferenca entre aminoacidos essenciais (adquiridos apenas atraves da alimentacao) e nao essenciais (sintetizados pelo nosso organismo) e seu uso durante os processos fisiologicos do ser humano tornam este dado alarmante.

No estudo de Carneiro (2008), 70% dos pesquisados acertaram a questao. O estudo de Viviani e Junior (2003), 87% dos entrevistados responderam de forma correta e o estudo de Silveira e colaboradores (2012) apontou indice de acerto de 100%.

A afirmativa numero nove, em uma dieta equilibrada a distribuicao correta de energia proveniente dos macronutrientes deve ser de 15% para gorduras, 60% carboidratos e 25% proteinas, a porcentagem de participantes que respondeu de forma correta foi de apenas 28%. Resultado muito abaixo do que o encontrado no estudo de Silveira e colaboradores (2012) o qual foi de 92,3%. Tais resultados podem estar relacionados com as questoes numero dois, tres, seis e oito (quanto maior o consumo de proteinas maior sera a hipertrofia muscular) por tratarem da quantidade e efeito do consumo dos macro e micronutrientes. Alguns praticantes de atividade fisica buscam eliminar (tornar 0% o consumo de) gordura ingerida em suas dietas ou aumentam excessivamente o consumo de proteinas.

Os macronutrientes sao essenciais para a recuperacao muscular, a manutencao do sistema imunologico, ao equilibrio do sistema endocrino e a manutencao e/ou melhora da performance. Os micronutrientes desempenham papel importante na regulacao metabolica, sintese de hemoglobina, manutencao da saude ossea, funcao imunologica e a protecao dos tecidos corporais em relacao aos danos oxidativos (Tales, 2003), desse modo devemos consumi-los de maneira equilibrada seguindo o principio da individualidade biologica.

Schwarz e colaboradores (2012) diz que diversos estudos tem confirmado o consumo alimentar inadequado de atletas, atestando maior consumo do que o recomendado de lipidios e deficit no consumo de carboidratos.

Pessoas que iniciam ou realizam regularmente musculacao em academias costumam associar o ganho de massa muscular ao consumo extra de proteinas. As necessidades nutricionais de praticantes de academia sao um pouco diferenciadas de outros estilos de vida, como pessoas sedentarias e que possuem caracteristicas especificas (Damilano, 2006).

No estudo de Morais, Silva e Macedo (2011), que tratava do consumo de carboidrato e proteinas no periodo pos-treino, pode-se constatar que a maioria dos entrevistados consumia esses macronutrientes de forma insuficiente ou exagerada durante o periodo estudado. Sobrecarregar o rim com excesso de proteinas pode causar danos irreversiveis (Damilano, 2006).

Ja o excesso de lipidios pode prejudicar a saude do individuo, e no ambito da atividade fisica, impede o armazenamento de glicogenio na musculatura (Weineck, 2000) assim como o deficit reduz a taxa de transporte de vitaminas lipossoluveis e a producao de energia (Williams, 1995).

A ultima afirmativa, vitaminas e minerais nao tem funcao energetica dentro do organismo humano, obteve taxa de acerto de 78%. O resultado obtido no presente estudo cientifico foi superior aos 53,8% obtidos no estudo de Silveira e colaboradores (2012), apontando que os pesquisados afirmam que vitaminas e minerais participam nos processos energeticos dentro do organismo humano.

O resultado geral apontou taxa entre 50% a 60% do numero total de participantes com nivel de conhecimento considerado Moderado. Tal resultado, apesar de classificado como Moderado, e preocupante pois, em funcao das questoes tratarem de conhecimentos basicos acerca da alimentacao, metabolismo e nutrientes, o indice geral de acerto deveria ser de, no minimo, 70% para ser um achado considerado satisfatorio.

Os resultados foram comparados com outros trabalhos cientificos, dos quais o publico alvo eram profissionais formados em nivel superior, academicos e alguns artigos dos quais o publico alvo eram as pessoas em geral.

Os resultados se demonstraram bastante proximos quando comparados aos estudos realizados com o publico em geral, porem o indice de acerto era muito abaixo quando comparados com os trabalhos realizados com academicos ou profissionais formados em nivel superior apontando que a escolaridade e um fator diretamente proporcional ao nivel de conhecimento sobre nutricao basica.

CONCLUSAO

O indice de acerto foi maior entre os homens pesquisados do que entre as mulheres, porem a classificacao media de conhecimento em ambos os sexos ficou caracterizada como Moderada.

A condicao financeira demonstrou nao ser um fator determinante para ser considerada parametro que influencie de forma diretamente proporcional o nivel de conhecimento sobre nutricao basica dos entrevistados.

A escolaridade, por sua vez, demonstrou ser um parametro determinante para o aumento do nivel relacionado ao conhecimento pesquisado.

Faz-se necessario mais estudos com amostragem maior para definir efetivamente se a condicao financeira e o genero sexual podem ou nao ser fatores determinantes para a elevacao do conhecimento sobre a alimentacao, metabolismo e nutrientes de maneira diretamente proporcional.

REFERENCIAS

1-Brasil. Decreto Lei no 8.234, de 17 de setembro de 1991. Regulamenta a profissao do nutricionista. Diario Oficial da Uniao. Brasilia. 1991. Disponivel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1989_1994/L8234.htm> Acesso em: 08/09/2015.

2-Brasil. Secretaria de Assuntos Estrategicos da Presidencia da Republica. Social e Renda: A classe media brasileira. Brasilia. Secretaria de Assuntos Estrategicos da Presidencia da Republica. 2014. 72p.

3-Carneiro, R. F. de V.; Junior, A. C. de L.; Medeiros, A. I. A.; Soares, E. S.; Loureiro, A. C. C. Avaliacao do Conhecimento Basico em Nutricao de Profissionais de Educacao Fisica da Cidade de Fortaleza. Colecao Pesquisa em Educacao Fisica. Vol. 7 Num. 2. p.127-134. 2008.

4-Damilano, L. P. da R. Avaliacao do consumo alimentar de praticantes de musculacao em uma academia de Santa Maria-RS. Santa Maria. Rio Grande do Sul. 2006. Disponivel em: <http://nutricaoativa.com.br> Acesso em: 05/04/2015.

5-Hirschbruch, M. D.; Carvalho, J. R. Nutricao Esportiva: uma visao pratica. 2a edicao. Manole. 2008. 430p.

6-Institute of Medicine. Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids. Washington (DC): National Academy Press. 2005.

7-Iriart, J. A. B; Chaves, C. C.; Orleans, R. G de. Culto ao corpo e uso de anabolizantes entre praticantes de musculacao. Caderno de Saude Publica. Vol. 25. Num. 4. p.773-782. 2009.

8-Junior, A. H. L. Nutricao e metabolismo aplicados a atividade motora. Atheneu. 2002.

9-Morais, A. C. L.; Silva, L. L. M.; Macedo, E. M. C. Avaliacao do consumo de carboidratos e proteinas no pos-treino em praticantes de musculacao. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 8. Num. 46. p.247-253. 2014. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/455/427>

10-Panza, V. P.; Coelho, M. S. P. H.; Di Pietro, P. F.; Assis, M. A. A.; Vasconcelos, F. A. G. Consumo alimentar de atletas: reflexoes sobre recomendacoes nutricionais, habitos alimentares e metodos para avaliacao do gasto e consumo energeticos. Revista de Nutricao. Vol. 20. Num. 6. p.681-692. 2007.

11-Pereira, J. M. O.; Cabral, P. Avaliacao dos conhecimentos basicos sobre nutricao de praticantes de musculacao em uma academia da cidade de Recife. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 1. Num. 1. p.40-47. 2007. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/5/5>

12-Portal, R. D.; Silva, G. C.; Reis, F. V. F.; Filho, J. A. P. Avaliacao dos conhecimentos nutricionais de educadores fisicos em academias de Belem-PA. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 3. Num. 18. p.492-50. 2009. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/147/145>

13-Schwarz, K.; Freitas, A. R.; Tiveron, R. Z.; Gatti, R. R.; Silva, R. Avaliacao da ingestao calorica e de macronutrientes de atletas de uma equipe de futsal masculino do municipio de Guarapuava, Parana. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 6. Num. 34. p.300-309. 2012. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/310/316>

14-Silveira, C. S.; Melo, D. B.; Tonha, S. Q.; Correia, M. G. S. Avaliacao dos conhecimentos de nutricao basica e esportiva de professores de educacao fisica em uma academia de Aracaju-SE. Cadernos de Graduacao. Ciencias Biologicas e da Saude. Vol. 1. Num. 15. p. 65-74. 2012.

15-Souza, V. M.; Navarro, A. C. A educacao alimentar dos frequentadores de academias de ginastica em Salvador-BA: alimentacao associada ao exercicio fisico. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 5. Num. 25. p.51-61. 2011. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/231/229>

16-Tales, C. de. Modificacoes dieteticas, reposicao hidrica, suplementos alimentares e drogas: comprovacao de acao ergogenica e potenciais riscos para a saude. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 9. Num. 2. p.43-56. 2003.

17-Vasconcelos, G. R.; Moraes, M. I.; Finelli, S. B. Avaliacao do perfil e do conhecimento basico de educadores fisicos em relacao a suplementacao alimentar em academias de Belo Horizonte-MG. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 5. Num. 29. p.455-460. 2011. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/297/297>

18-Viviani, M. T.; Junior, J. R. G. Analise dos conhecimentos sobre nutricao basica e aplicada de profissionais de educacao fisica e nutricao. Revista Nutricao em Pauta. Vol. 63. p.48-55. 2003.

19-Weineck, J. Biologia do esporte. Manole. 2000.

20-Wolinsky, I; Hickson, J. F. Nutricao no exercicio e no esporte. Sao Paulo. Vol. 2. Num. 1. 2002.

Renato Sena Figueiredo (1)

1-Faculdade Estacio de Macapa, Amapa, Brasil.

E-mail do autor:

r_sena_f@hotmail.com

Recebido para publicacao em 27/11/2015 Aceito em 21/02/2016
Tabela 1 - Genero Sexual versus Nivel de conhecimento.

                     Genero sexual
Nivel     Masculino  Feminino   Masculino e Feminino
          (% de 25)  (% de 25)  (% de 50)

Ruim          8%        32%        20%
Moderado     68%        52%        60%
Bom          24%        16%        20%

Tabela 2 - Classe Socioeconomica versus Nivel de conhecimento.

                        Nivel
Classe          Ruim    Moderado  Bom
Socioeconomica  (em %)  (em %)    (em %l)

E                14%     64%       21%
D                18%     64%       18%
A, B ou C        20%     56%       24%

Tabela 3 - Escolaridade versus Nivel de conhecimento.

                                       Nivel
Escolaridade          Ruim             Moderado           Bom
                      (Participantes)  (Participantes)  (Participantes)

Fundamental Completo   1                1                -
Medio Incompleto       2                2                -
Medio Completo        11                5                2
Superior Incompleto   11                5                2
Superior Completo     25               16                7
Total                 12               29               11
COPYRIGHT 2016 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Figueiredo, Renato Sena
Publication:Revista Brasileira de Nutricao Esportiva
Date:Nov 1, 2016
Words:4643
Previous Article:Habito alimentar e frequencia de consumo de suplementos alimentares: Um estudo com atletas de badminton.
Next Article:Suplementacao de proteinas e aminoacidos na nutricao esportiva moderna: O Paradigma da superespecializacao.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters