Printer Friendly

Communication dynamics: evaluation of educational technology with college nursing students/ Dinamica comunicativa: avaliacao da tecnologia educacional sobre drogas com estudantes universitarios de enfermagem/ Dinamica comunicativa: evaluacion de la tecnologia educacional sobre drogas con estudiantes universitarios de enfermeria.

Introducao

O uso de drogas e um tema relevante e de preocupacao atual, dado o numero de usuarios existentes e seu impacto social (1-4). As drogas ou substancias psicoativas alteram a consciencia, o humor, a cognicao e o comportamento humano e podem trazer diversos beneficios ou maleficios a saude, dependendo de fatores individuais e do tipo, dose, frequencia e contexto de uso da droga (56).

De acordo com a Organizacao Mundial de Saude, cerca de 10% das populacoes dos centros urbanos de todo o mundo consomem abusivamente substancias psicoativas, independentemente da idade, sexo, nivel de instrucao e poder aquisitivo (7). Contudo, ha uma crescente tendencia mundial do uso multiplo de drogas entre os jovens (3,8,9) e os estudantes universitarios compreendem uma importante parcela desse universo (2).

A especificidade deste contexto universitario deve ser destacada como um elemento relevante na formulacao de estrategias preventivas universais, tais como o processo comunicacional sobre os riscos a saude do uso abusivo e multiplo do alcool e outras drogas. Todavia, ha dificuldades de se desenvolver praticas de educacao em saude sobre drogas no ambiente universitario e o uso de uma tecnologia educacional poderia auxiliar nesse processo10. As metodologias de ensino tradicionais, quando aplicadas aos processos comunicativo-educacionais sobre drogas com universitarios, pouco contribuem para uma concepcao critica geral. Observa-se, assim, relacao de passividade e subordinacao do educando para com seu educador.

Advoga-se que tecnologias educacionais e praticas comunicativas em saude devam ser problematizadoras, construtivistas e contextualizadas na dimensao social e humana em que sao produzidas e postas em curso. As interfaces da educacao, comunicacao e tecnologia educacional com o campo da saude possuem aqui uma pertinente e tao necessaria fundamentacao, por meio dos campos da antropologia cultural, educacao, comunicacao e saude coletiva, para subsidiar processos em que se busca conhecer melhor para intervir com melhores praticas na educacao em saude (11).

Com isso, ressalta-se a importancia da elaboracao de novas estrategias educativas para se instrumentalizar e prevenir o uso abusivo de drogas e que incorporem a dimensao socioeconomica, cultural e politica deste fenomeno, assim como as representacoes e praticas da populacao relativas aos diversos aspectos do tema12. Esse processo educativo deve estar direcionado para o aprimoramento do processo de formacao do individuo, por meio do conhecimento, da atuacao e das relacoes humanas (13).

O proprio grupo universitario e heterogeneo e cada area de conhecimento possui sua peculiaridade, gerando situacoes e vivencias que podem favorecer ou nao o abuso e a multiplicidade do uso de drogas e seus riscos. Alem disso, ha fatores extrinsecos deste ambiente que tambem podem influenciar nesse processo, tais como as redes sociais que o cercam, incluindo a familia e a religiao, entre outras, pois influenciam diretamente na formacao do individuo, em suas percepcoes e atitudes de riscos, beneficios e suas relacoes com o uso de drogas (2-4).

Desse modo, esses fatores individuais, sociais e institucionais--relacionados ou nao ao contexto da universidade--devem ser considerados para a construcao e o desenvolvimento de estrategias comunicacionais e investigativas sobre o tema das drogas com estudantes universitarios da area da saude.

Com o proposito de contribuir para as reflexoes acerca do uso da comunicacao de riscos das drogas como tecnologia educacional para a reducao da vulnerabilidade universitaria, o presente trabalho teve por objetivo analisar os resultados da avaliacao dos graduandos de enfermagem acerca da tecnologia educacional Dinamica comunicativa dos riscos do uso de droga.

Revisao De Literatura

O processo educativo e um processo de trabalho que se desencadeia em funcao da presenca de sujeitos--educadores e educandos--que produzem o processo e de um objeto estado de conhecimento--a ser transformado por meio de metodos e tecnicas. Enfatiza-se, ainda, segundo a Pedagogia Freiriana, que a diretriz de ensinar nao e transferir conhecimento, mas criar a possibilidade para a sua propria producao, com base na experiencia dos educandos (14).

Tome-se o exemplo do jogo mediante a dinamica educativa como tecnologia educacional bastante utilizada em metodologias participativas em saude sobre a questao das drogas e outros temas com jovens. Ao valorizar a multidimensionalidade da percepcao e apreensao de fenomenos complexos da saude, tal como o uso de drogas e temas afins, o jogo procura incorporar uma determinada visao critica da educacao e de autonomia no campo da saude. Como um dos pressupostos dessa abordagem critica, tem-se a valorizacao do processo de capacitacao dos individuos e de grupos para a transformacao da realidade, em substituicao a persuasao sobre os riscos de doenca e agravo a saude ou a transferencia de informacao (15).

Nessa perspectiva, verifica-se que o ludico contempla os criterios para uma aprendizagem efetiva, no sentido de que desperta a atencao para um determinado assunto e seu significado pode ser discutido entre todos os participantes. Assim, o conhecimento gerado a partir da atividade ludica pode ser transportado para o campo da realidade, caracterizando a transcendencia (16). Quando visto pela opiniao dos participantes, o jogo educativo e considerado divertido, estimulante, esclarecedor de duvidas, facilitador da aprendizagem, interativo, inovador e ilustrativo (17).

Porem, na area da educacao em saude, o jogo e apenas um tipo de dinamica que pode ser implementada durante este processo, podendo existir outros recursos ou estrategias que facilitem a discussao de temas relevantes, como diabetes, infeccoes respiratorias infantis, cuidados no puerperio e, ate mesmo, temas sensiveis como uso de drogas e Sindrome da Imunodeficiencia Adquirida (AIDS) (18,19). As dinamicas sao consideradas como instrumentos pedagogicos, interativos e motivantes, capazes de gerar aprendizagem, promover dialogo, facilitar a abordagem de temas e o debate de situacoes cotidianas.

No Brasil, alguns estudos tem se apropriado de dinamicas para abordar o fenomeno das drogas com jovens universitarios (20) e, concomitantemente, investigar a percepcao destes individuos sobre esta tematica. Assim, a relevancia da producao de recursos educativos na area da saude e que sirvam, tambem, como instrumentos de coleta de dados, tem sido cada vez mais reconhecida no meio cientifico, em que metodologias participativas se mostram como caminhos para a viabilidade da aplicacao destes recursos.

As metodologias cientificas participativas sobre o tema das drogas com jovens tem favorecido a aprendizagem significativa a partir da construcao de espacos transversais do conhecimento, entre pesquisando e pesquisadores, quando ambos tambem assumem e mesclam papeis de educadores e educandos por meio da troca de experiencias, saberes e valores constituidos socialmente (15,18).

A atividade educativa constitui-se em um processo participativo por meio da compreensao e reflexao das informacoes recebidas e na producao de conhecimentos geradores de solucoes para os problemas de saude.

Nesse contexto, as dinamicas podem ser consideradas tecnologias educacionais, quando visam abordar os conceitos e efeitos das drogas, alem de gerar novos conhecimentos, atender a demandas da comunidade, pautadas em necessidades de comunicacao em saude, com vistas a qualidade de vida saudavel dos atores sociais a quem se destinam. Portanto, a finalidade da acao da tecnologia educacional e produzir nas pessoas e grupos uma discussao critica sobre dada realidade e suas repercussoes na saude de um modo geral (21).

Metodologia

Essa investigacao avaliativa com analise quantitativa e parte integrante do projeto intitulado Percepcao e comunicacao de riscos sociais e a saude associados ao uso abusivo de alcool e outras drogas entre academicos de enfermagem da Universidade Federal Fluminense (UFF), que foi implementado apos ter sido aprovado pelo Comite de Etica em Pesquisa do Hospital Universitario Antonio Pedro (HUAP)/UFF sob o Certificado de Apresentacao para Apreciacao Etica (CAAE) no. 02733312.3.0000.5243, que se fundamenta nas diretrizes sobre pesquisas que envolvem seres humanos.

Os procedimentos metodologicos adotados foram a tecnica de grupos focais, complementada com a tecnica de autoaplicacao de questionario semiestruturado e a observacao participante, todos selecionados com base nos fundamentos e objetivos da pesquisa.

As etapas metodologicas foram caracterizadas pela seguinte ordem temporal: primeiramente, foi construido um roteiro para nortear os grupos focais que abarcava a tecnologia educacional denominada Dinamica comunicativa sobre riscos do uso de drogas (15,18). Esta tecnologia objetivou tanto descrever a opiniao dos estudantes individualmente, como promover uma discussao problematizadora coletiva sobre a tematica. Em seguida, foram desenvolvidas as atividades nos grupos, com a apresentacao da comunicacao dos riscos relacionados ao uso abusivo das drogas, a partir dos temas prioritarios, duvidas e discussoes, levantados anteriormente pelos sujeitos do estudo. Posteriormente, houve a complementacao dos dados por meio do autopreenchimento de um questionario avaliativo sobre a dinamica.

A escolha da tecnica denominada grupo focal deveu-se a inter-relacao proxima com a aplicabilidade de metodologias participativas em saude. Os grupos focais, alem de tecnica de pesquisa, constituem-se num meio de reflexao e expressao dos participantes, nos seus proprios termos, de experiencias, crencas, valores e representacoes. Os dados produzidos fundamentam-se na tendencia humana de formar opinioes na interacao com outros individuos. Essa tecnica possibilitou a analise sobre o uso da Dinamica comunicativa sobre os riscos de uso das drogas, seus limites e vantagens.

Os grupos focais foram desenvolvidos durante o mes de junho do ano de 2013, com 31 estudantes dos 1, 2, 8 e 9 periodos do curso de graduacao em enfermagem, do Campus Niteroi, da Universidade Federal Fluminense, representativos da entrada e saida da graduacao. A selecao dos estudantes ocorreu apos interesse demonstrado em participar voluntariamente da pesquisa, depois de breve apresentacao da proposta e seus objetivos. A amostra intencional foi de 10 sujeitos em cada grupo; entretanto, o numero alcancado variou de seis a 10 participantes, quantitativo preconizado pela literatura para o grupo focal, dependendo de questoes relacionadas ao objetivo, finalidades, tempo e custos (18).

Para a realizacao desses grupos, os sujeitos foram identificados por meio de numeros, de acordo com a ordem de seus posicionamentos nas cadeiras, que foram dispostas em forma de semicirculo com uma cartolina colocada no centro da sala sobre uma mesa. Apos a apresentacao do moderador e de seus auxiliares, adesivos com as respectivas numeracoes foram entregues para todos os participantes, para facilitar a identificacao e interacao grupal. Em cada grupo focal participaram um moderador pesquisador e um ou dois auxiliares de pesquisa, que mediaram a acao, a partir de topicos fornecidos por um roteiro. Os assistentes de pesquisa observaram as condutas dos estudantes, fizeram anotacoes de situacoes-problema e, eventualmente, interagiram com os grupos.

O pesquisador principal apresentou, inicialmente, o projeto de pesquisa, seus objetivos e beneficios para fins de recolhimento do termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE). As questoes eticas sobre o compromisso com o anonimato dos depoimentos, a relacao de confianca e credibilidade, assim como a informacao de que o grupo era opinativo foram ressaltadas para minimizar possiveis dificuldades ao se abordar temas relacionados ao consumo de drogas.

No final de cada encontro, os jovens relataram a experiencia de participar dos grupos focais, preenchendo um questionario de avaliacao sobre a dinamica, com as seguintes questoes: Entre Muito Bom, Bom, Regular, Ruim eSem opiniao, qual conceito voce daria para a tecnologia educacional? A tecnologia favoreceu a reflexao? Os assuntos abordados foram de seu interesse? Voce mudou de opiniao a respeito de alguma questao? Voce se sentiu a vontade durante o jogo? Voce indicaria outros colegas para participar do mesmo tipo de tecnologia educacional? O que voce mais gostou da atividade? O que voce menos gostou da atividade? Sugestoes.

As falas foram gravadas e transcritas, assim como registros das observacoes dos pesquisadores na planilha tambem foram consideradas para a analise.

Resultados e Discussao

A amostra foi composta por 31 universitarios de 18 a 27 anos, sendo que 26(84%) eram do sexo feminino e 5(16%) do sexo masculino, matriculados no primeiro e ultimo anos do curso de graduacao em Enfermagem da UFF, totalizando quatro grupos focais. O numero de participantes por grupo variou de 6 a 10, tendo em media 7,75. Procurou-se evitar a participacao de mais de 10 integrantes por grupo e dinamica para que a conducao nao se tornasse mais dificil e fatores como o tempo, cansaco e outras atividades pudessem interferir no resultado final (18). O tempo dos grupos teve uma duracao media de 90 minutos.

A Dinamica comunicativa sobre os riscos de uso das drogas foi bem avaliada pelos estudantes universitarios, uma vez que 18(58%) atribuiram a essa tecnologia educacional o conceito Muito Bom e 13(42%) Bom. Nenhum participante do estudo o conceituou como Regular ou Ruim. Resultado semelhante foi encontrado em outro estudo, que utilizou uma tecnologia educacional para abordar temas relacionados ao uso de drogas, em que grande parte dos sujeitos avaliou o recurso como Muito Bom (12).

Em relacao a reflexao sobre os assuntos abordados, 29(93%) discentes afirmaram que a dinamica se constituiu num metodo capaz de promover a reflexao, considerando-o informativo, interativo, capaz de estimular o debate e promover a reflexao acerca dos riscos relacionados ao uso de drogas. Os participantes tambem relataram que, por meio do material utilizado na dinamica, foi possivel conhecer melhor a opiniao dos colegas, alem de expressar as suas proprias opinioes. Outro estudo tambem constatou que participantes adolescentes valorizaram o enfoque interativo de dinamicas educativas sobre drogas, uma vez que favore-ceram o dialogo, estimularam o compartilhamento de problemas e solucoes e promoveram a participacao (15). Tal caracteristica e percebida como essencial a pratica pedagogica efetiva, uma vez que propicia a interlocucao e a aprendizagem.

Todos os estudantes afirmaram que os assuntos abordados foram de seu interesse e que indicariam outros colegas para participar do mesmo tipo de tecnologia educacional, caso fosse reproduzido em outros momentos da vida academica.

Dentre os que participaram, 30(97%) responderam que se sentiram a vontade durante a atividade. Em discussoes de grupo, as influencias internas de fatores culturais e as estruturas de valores do grupo social aos quais os participantes pertencem e no qual eles tem modelado suas visoes se manifestam prontamente (22).

A promocao de dialogo e o debate de temas atuais, por meio de tecnologias educacionais, podem facilitar a abordagem e a inclusao desses temas em instituicoes sociais e na familia, ja que ha certa dificuldade para tratar de tais assuntos, considerados importantes para a formacao dos individuos. O carater dinamico desinibe, estimulando os participantes a propor, justificar e defender algo que acreditam, alem de possibilitar troca de vivencias, com base em conteudos tematicos sobre o assunto a ser trabalhado, na procura de proximidade a realidade vivida pelos participantes (18).

Quanto a mudanca de opiniao a respeito de alguma questao, 7(32%) estudantes afirmaram que houve mudanca de posicionamento apos a participacao na Dinamica comunicativa sobre os riscos do uso das drogas, enquanto 24(68%) referiram nao ter mudado de opiniao durante a aplicacao do instrumento. Dentre os sujeitos que nao mudaram de opiniao, alguns afirmaram que o conhecimento produzido no momento da dinamica reafirmou as suas opinioes acerca dos riscos do uso de drogas. Este fato pode ser atribuido pelos conhecimentos previos dos estudantes da area da enfermagem sobre essa tematica, adquiridos durante a graduacao. A maioria dos participantes relatou a importancia de ouvir as opinioes dos colegas, para consolidar as suas proprias opinioes.

Os pontos positivos, destacados pelos sujeitos da pesquisa, foram o carater interativo, descontraido e educativo da tecnologia utilizada, gerando a discussao dos assuntos abordados, com a promocao da reflexao e a construcao de novos conhecimentos. Os participantes ressaltaram tambem a liberdade de expor as suas opinioes e de poder ouvir as opinioes dos outros sujeitos acerca do tema abordado. Apenas quatro estudantes relataram pontos negativos da Dinamica comunicativa e que estavam relacionados ao tempo, pois um participante afirmou que o tempo foi prolongado e tres, que o tempo foi curto para as discussoes geradas.

Uma intervencao e eficaz quando atinge os resultados esperados. Neste estudo, a Dinamica comunicativa sobre os riscos do uso das drogas revelou-se eficaz como pratica educativa em saude, ao promover um ambiente propicio e agradavel para o estabelecimento de um processo de ensino-aprendizagem critico, evidenciado pelo aumento do nivel da capacidade reflexiva e da autonomia sobre aspectos mais abrangentes, como busca pela melhoria na qualidade de vida.

Sendo assim, nao se deve considerar como objetivo da educacao em saude a mudanca de comportamento, uma vez que o individuo pode ser detentor de um valor diferente daquele do educador e, portanto, pode escolher outros meios para desenvolver e reorientar suas praticas cotidianas de saude e vida (16).

A utilizacao de tecnologias educacionais facilita o entendimento de tematicas especificas, despertando curiosidades, promovendo o dialogo, a interacao e a motivacao para a aprendizagem (11). O uso de materiais ludicos e interativos propicia a deflagracao de um processo cognitivo questionador, favorecendo a reflexao e a aquisicao de conhecimento (15). Esse processo de aprendizagem implica, por um lado, mudanca na capacidade de respostas no ambito cognitivo, seja na aquisicao de novos conhecimentos, novas habilidades ou na reorganizacao de ideias. Por outro lado, a aprendizagem pode ser um movimento para o envolvimento do sujeito com a saude e a vida, com a responsabilizacao pelas situacoes, gerando maior conscientizacao (23).

A atividade educativa constitui-se em um processo de participacao ativa das pessoas, por meio da compreensao e reflexao de informacoes recebidas e na producao de conhecimentos geradores de solucoes para os problemas de saude. Portanto, a finalidade da acao educativa e produzir nas pessoas uma discussao critica sobre dada realidade e suas repercussoes na saude de modo geral21.

Um estudo utilizou uma tecnologia educacional denominada Jogo da onda, por meio de grupos focais e questionamentos de assuntos diferenciados para verificar a aceitacao dos estudantes e educadores para com a metodologia escolhida. Concluiu que essa tecnologia educacional favoreceu o dialogo, sendo essencial a pratica pedagogica efetiva, propiciando interlocucao e aprendizagem (15).

Conclusao

A tecnologia educacional Dinamica comunicativa sobre os riscos do uso das drogas mostrou ser uma ferramenta util e com boa receptividade por grande parte dos sujeitos do estudo. Por meio dos resultados, observou-se que a tecnologia utilizada para educacao em saude com estudantes universitarios de enfermagem estimulou a ampliacao do conhecimento e possibilitou reflexoes acerca dos riscos do uso de drogas. Assim, no contexto universitario da enfermagem, o uso de materiais interativos em consonancia com os principios de uma tecnologia educacional parece propiciar a deflagracao de um processo cognitivo questionador e participativo, pois podem facilitar o processo de ensinoaprendizagem e ainda serem prazerosas, interessantes e desafiantes.

A avaliacao mostrou que a Dinamica comunicativa atingiu seus objetivos, possibilitou a abertura de um espaco transversal e democratico de instrumentalizacao e construcao de conhecimento acerca dos riscos a saude do uso de drogas na universidade, uma vez que produziu informacao, gerou problematizacao e consubstanciou opinioes coletivamente, esclarecendo duvidas de forma satisfatoria.

Desse modo, sugere-se que essa tecnologia possa ser utilizada para alem de um instrumento investigativo qualitativamente, mas tambem em atividades educativas com grupos universitarios de enfermagem, abordando temas atuais, que se situem como problematicas vivenciadas pelos sujeitos em sua realidade social e repercutam com impacto em sua saude, tais como o fenomeno das drogas. Ha grande necessidade da ampliacao de espacos academicos que abordem as drogas e os riscos a saude e esse recurso pedagogico pode ser explorado de maneiras diferenciadas, de acordo com as situacoes e objetivos almejados, favorecendo os processos comunicativos no ambito universitario da enfermagem.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2016.7840

Referencias

(1.) Abarca AM, Pillon SC. Percepcao de estudantes de enfermagem sobre os preditores do uso de drogas. Rev. Latino-Am Enfermagem [Scielo-Scientific Electronic Library Online] 2008 [citado em 25 set 2013]. 16:607-13. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo/prc.

(2.) Ministerio da Justica (Br). Secretaria Nacional de Politicas sobre Drogas (SENAD). I Levantamento Nacional sobre o Uso de Alcool, Tabaco e Outras Drogas entre Universitarios das 27 Capitais Brasileiras. Brasilia (DF): Ministerio da Justica; 2010. 284 p.

(3.) Oliveira Junior HP, Brands B, Cunningham J, Strike C, Wright MGM. Percepcao dos estudantes universitarios sobre o consumo de drogas entre seus pares no ABC paulista, Sao Paulo, Brasil. Rev. Latino-Am Enfermagem. 2009; 17 (Esp.):871-7.

(4.) Silva LVER, Malbergier A, Stempliuk VA, Andrade AG. Fatores associados ao consumo de alcool e drogas entre estudantes universitarios. Rev Saude Publica 2006; 40 (2):280-8.

(5.) Santos MVF, Pereira DS, Siqueira MS. Uso de alcool e tabaco entre estudantes de Psicologia da Universidade Federal do Espirito Santo. J Bras Psiquiatr. 2013; 62(1):22-30.

(6.) Picolotto E, Libardoni LFC, Migott AMB, Geib LTC. Prevalencia e fatores associados com o consumo de substancias psicoativas por academicos de enfermagem da Universidade de Passo Fundo. Cienc saude coletiva. 2010; 15 (3):645-54.

(7.) Giacomozzi AI. Representacoes Sociais da droga e vulnerabilidade de usuarios de CAPSad em relacao as DST/HIV/AIDS.Estud. pesqui.psicol.2011;11(3):776-95.

(8.) Ministerio da Saude (Br). Secretaria de Atencao a Saude. A Politica do Ministerio da Saude para Atencao Integral a Usuarios de Alcool e outras Drogas/Ministerio da Saude. 2a ed. Rev. Ampl. Brasilia (DF): Ministerio da Saude; 2004.

(9.) Henriquez PC, Carvalho AMP. Percepcao dos beneficios do consumo de drogas e das barreiras para seu abandono entre estudantes da area da saude. Rev Latino-Am Enfermagem. 2008; 16:621-6.

(10.) Jomar RT, Ribeiro MR, Abreu AMM, Figueiredo RFS. Educacao em saude no transito para adolescentes Estudantes do ensino medio. Esc Anna Nery . 2011; 15(1):186-189.

(11.) Marcondes WB. Educacao, comunicacao e tecnologia educacional: interfaces com o campo da saude. Interface--Comunic, Saude, Educ. [online] 2008 [citado em 26 set 2013]. 12(27):92729. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.

(12.) Rebello S, Monteiro S, Vargas EP. A visao de escolares sobre drogas no uso de um jogo educativo. Interface--Comunic, Saude, Educ. 2001; l5(8):75-88.

(13.) Andrade LZC, Freitas DT, Holanda GF, Silva VM, Lopes MVO, Araujo TL. Desenvolvimento e validacao de jogo educativo: medida da pressao arterial. Rev.enferm UERJ, Rio de Janeiro, 2012; 20(3):323-7.

(14.) Soares CB, Campos CMS, Leite AS, Souza CLL. Juventude e consumo de drogas: oficinas de instrumentalizacao de trabalhadores de instituicoes sociais, na perspectiva da saude coletiva. Interface--Comunic, Saude, Educ. 2009; 13 (28):189-99.

(15.) Monteiro SS, Vargas EP, Rebello SM. Educacao, prevencao e drogas: resultados e desdobramentos da avaliacao de um jogo educativo. Educ. Soc. [online] 2003 [citado em 25 set 2013]. 24(83):659-78. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.

(16.) Coscrato G, Pina JC, Mello DF. Utilizacao de atividades ludicas na educacao em saude: uma revisao integrativa da literatura. Acta Paul Enferm. 2010; 23:257-63.

(17.) Andrade RD, Mello DF, Scochi CGS, Fonseca LMM. Jogo educativo: capacitacao de agentes comunitarios de saude sobre doencas respiratorias infantis. Acta Paul Enferm. 2008; 21(3):444-8.

(18.) Yonekura T, Soares CB. O jogo educativo como estrategia de sensibilizacao para coleta de dados com adolescentes. Rev. Latino-Am Enfermagem 2010; 18(5):968-974.

(19.) Siqueira VHF. O video educativo produzido pelo Nucleo de Tecnologia Educacional para a Saude/UFRJ: uma visao critica. Revista Brasileira de Educacao Medica, Rio de Janeiro, v. 22, 1998.

(20.) Stempliuk VA. Uso de drogas entre alunos da Universidade de Sao Paulo: 1996 versus 2001 (Tese de doutorado). Sao Paulo: USP/ Faculdade de Medicina; 2004.

(21.) Teixeira E, Mota VMSS. Tecnologias Educacionais em Foco. Sao Paulo: Difusao Editora; 2011.

(22.) Soares CB. Adolescentes, drogas e AIDS: avaliando a prevencao e levantando necessidades [tese de doutorado]. Sao Paulo: Universidade de Sao Paulo; 1997.

(23.) Andrade RD. Desenvolvimento e utilizacao de jogo educativo sobre a prevencao de doencas respiratorias no seguimento de criancas menores de cinco anos para a capacitacao dos agentes comunitarios de saude [dissertacao de mestrado]. Ribeirao Preto: Escola de Enfermagem de Ribeirao Preto da Universidade de Sao Paulo; 2004.

Vera Maria Saboia [I]; Marcela de Abreu Moniz [II] Donizete Vago Daher [III]; Eneas Teixeira Rangel [IV]; Julianna Machado Barros de Moura [V]; Fernanda Correa de Sa [VI]

[I] Pos-Doutora em Enfermagem. Professora Titular da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Niteroi, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: verasaboia@uol.com.br.

[II] Doutoranda em Saude Publica e Meio Ambiente da Escola Nacional de Saude Publica. Professora Assistente do Departamento de Enfermagem da Universidade Federal Fluminense. Rio das Ostras, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: marceladeabreumoniz@gmail.com.

[III] Doutora em Saude Coletiva. Professora Associada da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Niteroi, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: donizete@predialnet.com.br.

[IV] Pos-Doutor em Psicologia Clinica. Professor Titular. Coordenador do Mestrado Academico da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense. Niteroi, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: eneaspsi@hotmail.com.

[V] Mestranda em Ciencias do Cuidado em Saude da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa da Universidade Federal Fluminense, Niteroi, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: juliannafisio83@hotmail.com.

[VI] Mestranda em Ciencias do Cuidado em Saude da Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa , Universidade Federal Fluminense. Niteroi, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: nandaenfe@ig.com.br.
COPYRIGHT 2016 Universidade do Estado do Rio de Janeiro- Uerj
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Saboia, Vera Maria; de Abreu Moniz, Marcela; Daher, Donizete Vago; Rangel, Eneas Teixeira; de Moura,
Publication:Enfermagem Uerj
Date:Jan 1, 2016
Words:4076
Previous Article:Acesso universal em saude e os desafios para a enfermagem brasileira em uma conjuntura de crise.
Next Article:Distance continuing education on prevention of pressure ulcer/ Educacao permanente a distancia sobre a prevencao de ulcera por pressao/ Educacion...

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters