Printer Friendly

Chemical and physical-chemical pulp noni (Morinda citrifolia) grown in the state of Ceara/Caracterizacao quimica e fisico-quimica da polpa do noni (Morinda citrifolia) cultivado no estado do ceara.

INTRODUCAO

Morinda citrifolia Linn, conhecida popularmente como noni, e uma planta da familia Rubiaceae originaria do Sudoeste da Asia que vem sendo utilizada como medicamento pelos habitantes da Polinesia ha mais de 2000 anos. (36) O Genero Morinda foi derivado de duas palavras em latim, morus, amora e indicus, India, devido a semelhanca do fruto de noni ao da verdadeira amora (Morus alba). O nome da especie indica a semelhanca da folhagem da planta para com algumas especies de citros. (22) O noni e encontrado em varias partes do mundo, como nas regioes tropicais da Africa (Centro e Sul), no Caribe, em paises como Australia, China, Malasia, Indonesia, India, (19) na America Central e America do Sul. (28)

Os frutos da Morinda citrifolia sao ovais (3-10cm de comprimento e 3-6cm de largura) e possuem uma superficie grumosa coberta de seccoes com formatos poligonais castanhos, variando da cor verde para amarelo ou branco opalescente quando maduros, podendo chegar a pesar 800 gramas. (20, 36) A polpa, creme, carnosa e suculenta, apresenta sabor e aroma nao muito agradaveis, lembrando o sabor de um queijo maturado. (34)

Na farmacopeia tradicional alega-se que a fruta previne e cura varias doencas, onde e usada principalmente para estimular o sistema imunologico, portanto, para combater bacterias, infeccoes virais, parasitarias, fungicas e tambem para prevenir a formacao e a proliferacao de tumores, incluindo malignos. (7) Baseados nisso, varias pesquisas foram direcionadas para as propriedades terapeuticas do noni com intuito de comprovar o que o conhecimento popular defende. (11, 18, 23, 24, 35) No entanto, sao poucas as informacoes cientificas relacionadas as caracteristicas fisicoquimicas e nutricionais.

Ate agora, mais de 100 metabolitos foram identificados nos frutos noni, com destaque para os compostos fenolicos, acidos organicos e alcaloides. Esses componentes ativos sao classificados como flavonoides, lignanas, irridoides, cumarinas, antraquinonas, polissacarideos, esterois, terpenoides e acidos graxos. (11, 24) Os efeitos destes componentes estao relacionados com os beneficios a saude por apresentarem propriedades antioxidante, anti-inflamatoria e efeito imune.

A fruta contem 90% de agua e os principais componentes da materia seca, parecem ser solidos soluveis, fibras alimentares e proteinas. (7) Em quantidade substancial estao os carboidratos, incluindo proporcoes variaveis de sacarose, frutose e glicose. (14) De acordo com Chunhieng (10) o noni apresenta 11,9g/L de glicose e 8,2g/L de frutose e seus principais aminoacidos sao o acido aspartico, acido glutamico e isoleucina. Elevada porcentagem de minerais, 8,4% da materia seca, tambem e verificada, e os principais sao o potassio, enxofre, calcio e fosforo. As vitaminas encontradas em maior quantidade no fruto sao o acido ascorbico, e provitamina A. (7) O noni e uma fruta rica em polifenois (51,1mg GAE/100g). Os compostos fenolicos como, a rutina (6,06 [+ or -] 0,41[micro]g/g) e a escopoletina (27,9 [+ or -] 1,7[micro]g/g) e o valor de 8,0 [+ or -] 0,4[micro]mol Trolox[R]/g mostra que o noni tem um importante poder antioxidante. (8)

A tentativa de cultivo do noni no Brasil e bastante recente, realizado empiricamente por pessoas que trouxeram algumas sementes do Caribe ou da Polinesia e se tornaram vendedores de sementes e mudas pela internet. O fruto foi introduzido como uma materia-prima de forte apelo comercial devido a todas as caracteristicas beneficas a ele atribuidas e aos beneficios relacionados ao seu consumo. (31) O cultivo do noni e relatado nos Estados do Acre, Sao Paulo, Minas Gerais, Para, Sergipe, Ceara, dentre outros. Contudo, sao poucos os trabalhos de pesquisa desenvolvidos com essa especie no pais. Alem disso, a composicao quimica dos frutos pode variar de acordo com fatores ambientais, geneticos, distribuicao geografica e estadios de maturacao. Assim, torna-se imprescindivel estudar a composicao do fruto cultivado no Brasil. Desta forma, este trabalho teve por objetivo obter dados sobre as caracteristicas quimicas e fisico-quimicas da polpa do noni (Morinda citrifolia) cultivado no Ceara (Brasil).

MATERIAL E METODOS

Materia-Prima

Frutos de noni provenientes de um plantio localizado na cidade de Horizonte (Ceara-Brasil) foram colhidos no mes de marco de 2009 no estadio maduro. Realizou-se uma pre-selecao descartando os frutos danificados e em fase de senescencia avancada. Lavaram-se os frutos em agua contendo 200mg de cloro ativo por litro em imersao durante 20 minutos. Em seguida, os frutos foram despolpados para a remocao da casca e da semente. A polpa extraida de um mix de varios frutos foi embalada em sacos de polietileno e congelada a -20[degrees]C em freezer domestico para analises posteriores.

Analises Quimicas e Fisico-Quimicas

A caracterizacao da polpa de noni in natura foi realizada no Laboratorio de Frutas e Hortalicas do Departamento de Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal do Ceara.

O teor de umidade foi determinado em estufa a 105[degrees]C ate peso constante segundo metodo descrito por IAL, (13) sendo o resultado expresso em g. 100[g.sup.-1] de polpa.

O teor de cinzas foi determinado pela calcinacao da amostra em mufla a 550[degrees]C, segundo o metodo recomendado por IAL. (13) O resultado foi expresso em g. 100[g.sup.-1] de polpa.

O teor de lipideos totais foi determinado atraves da extracao em aparelho de Soxhlet utilizando hexano como solvente, durante 6h, segundo IAL. (13) O resultado foi expresso em mg. 100[g.sup.-1] de polpa.

Para a quantificacao de proteina foi utilizado o metodo de Kjeldah tradicional. A concentracao de proteina bruta foi obtida pelo produto da quantidade de nitrogenio total, em gramas, pelo fator de conversao 6,25. (1) Os resultados foram expressos em g. 100[g.sup.-1] de polpa.

A analise de fibra bruta foi realizada submetendo as amostras a digestao acida, com solucao de acido sulfurico 1,25%, seguida por digestao alcalina com hidroxido de sodio 1,25%. (6)

O teor de carboidrato, incluindo as fibras, foi obtido pela diferenca entre o valor numerico 100 e o somatorio dos teores de umidade, cinzas, lipideos totais e proteinas.

O valor energetico total (kcal. 100[g.sup.-1]) foi estimado considerando-se os fatores de conversao de Atawer de 4kcal/g de proteina, 4kcal/g de carboidratos e 9kcal/g de lipideo, seguido do somatorio desses valores. (17)

O pH foi determinado em potenciometro digital, por imersao direta do eletrodo na polpa. (13)

O teor de solidos soluveis totais, expresso em [degrees]Brix foi obtido em refratometro digital (ATAGO PR-101) com escala de 0 a 45 [degrees]Brix, atraves da leitura direta apos filtracao, em papel de filtro qualitativo, da amostra diluida 1:1 (p/p). (13)

A determinacao da acidez total titulavel foi realizada utilizando 1mL de amostra, segundo a tecnica descrita pelo IAL, (13) sendo o resultado expresso em g de acido citrico. 100m[L.sup.-1] de amostra.

O conteudo de vitamina C foi determinado por meio do metodo titulometrico baseado na reducao do indicador 2,6-diclorofenolindofenol pelo acido ascorbico, (25) sendo o resultado expresso em mg de acido ascorbico. 100[g.sup.-1] de polpa.

As determinacoes dos acucares totais e redutores, expressos em g. 100[g.sup.-1] de polpa, foram realizados segundo Miller, (21) utilizando o acido 3,5 dinitrossalicilico (DNS).

O conteudo de Fenolicos totais foi analisado pelo metodo espectrofotometrico de Folin-Ciocalteau utilizando acido galico como padrao de referencia, segundo a metodologia descrita por Singleton & Rossi, (32) com modificacoes. Para obtencao do extrato utilizou-se uma diluicao polpa: agua (1:1), homogeneizou-se durante 1 minuto, centrifugou-se (3.000rpm/10min) e filtrou-se. Em tubo de ensaio foram pipetados 100[micro]L do extrato e adicionado 900[micro]L de agua, adicionados 1mL do reagente Folin-Ciocalteau (1:9), agitado e mantido por 5 minutos para reagir. Adicionou-se 2mL de carbonato de sodio (10%) e 2mL de agua, novamente, foram agitados e mantidos por 30 minutos para reagir, em seguida foi feita a leitura a 765nm. O resultado foi expresso em mg equivalente de acido galico (EAG). 100[g.sup.-1] de polpa.

A atividade antioxidante foi avaliada atraves da acao redutora da amostra frente ao radical [ABTS.sup.*+], o cation do acido 2,2'-azinobis-3-etil-benzotiazolino-6-sulfonico (ABTS), a partir da metodologia descrita por Re et al., (27) com modificacoes. Para obtencao do extrato, utilizou-se uma diluicao polpa: agua (1:1), homogeneizou-se durante 1 minuto, centrifugou-se (3.000rpm/10min) e filtrou-se. A partir do extrato obtido, foi preparado quatro diluicoes utilizando as aliquotas 6, 4, 2, 1mL em baloes de 10mL, em triplicata. Em ambiente escuro, transferiu-se uma aliquota de 30[micro]L de cada diluicao do extrato para tubos de ensaio e adicionou-se 3,0mL do radical ABTS*+ e homogeneizou-se. Apos 6 minutos de reacao no escuro foi realizada a leitura a 734nm. O resultado foi expressos como Capacidade Antioxidante Equivalente ao Trolox (TEAC) em mmol. 100[g.sup.-1] de polpa.

A atividade de agua foi determinada atraves do medidor digital de Aw (AQUALAB CX-2), com sensibilidade de 0,001 a temperatura de (28[degrees]C [+ or -] 2[degrees]C).

Os residuos insoluveis em alcool (pectina, hemicelulose e celulose + lignina) foram quantificados de acordo com a metodologia de Schieber et al., (29) sendo os resultados finais expressos em g. 100[g.sup.-1] de polpa.

Todas as analises foram realizadas em triplicatas e os dados foram submetidos a analise estatistica descritiva onde foram calculados a media aritmetica e o desvio padrao.

RESULTADOS E DISCUSSAO

Os valores encontrados nas analises de composicao centesimal da polpa de noni sao mostrados na Tabela 1. As maiores fracoes encontradas foram para os teores de umidade e de carboidrato e menores para lipideos e proteinas, perfil nutricional semelhante a maioria das frutas.

O teor de umidade encontrado na polpa de noni do presente estudo, 91,9%, esta de acordo com os teores di vulgados na literatura, os quais apresentam a agua como o maior componente desse fruto, variando entre 90 e 92%. (5 7 8 10, 37) o valor encontrado para Aw (0,93) caracteriza o fruto como alimento de alta umidade (Aw > 0,85), favorecendo a deterioracao por micro-organismos. (2) Diante do exposto, deve-se ter bastante cuidado com a colheita, o transporte e o processamento do noni, pois elevada umidade e Aw favorece a perecibilidade, afetando assim a estabilidade, a qualidade e a composicao do produto.

Em relacao aos lipidios encontrados, observa-se uma baixa porcentagem media de 0,08%, porem bastante relevante, haja vista que a maioria dos frutos apresenta normalmente baixos teores destes constituintes. Estudos mostram que o teor de lipideos da polpa de noni variaram de 0,016% a 0,30%, (5 8 10, 30, 37) estando o valor encontrado no intervalo de valores divulgados.

O valor medio para o teor de proteina determinado no atual trabalho, de 1,06%, se mostrou maior do que estudos com frutos provenientes de Pohnpei e da Polinesia Francesa, de 0,4 e 0,55%, respectivamente, (30, 37) porem, inferior aos 2,5% relatados por Chunhieng (10) com frutos de Cambodge. Os diferentes valores encontrados pelos diversos autores se devem ao fato de haver variacoes de clima, solo, ponto de maturacao e armazenamento de cada regiao onde foram colhidos os frutos.

O maior componente da materia seca sao os carboidratos, com 6,32% (Tabela 1), resultado este, proximo ao encontrado por West et al., (37) de 7,21%.

O conteudo de cinzas (Tabela 2) esta de acordo com o encontrado por West et al., (37) de 0,54%. As cinzas variam de 0,4% a 2,1% em frutas frescas e representam os minerais contidos nos alimentos que podem estar em grandes quantidades como o [K.sup.+], [Na.sup.+] e [Ca.sup.+] e pequenas, como o ferro, Mn e Zn. (6)

De acordo com Raseira & Antunes (26) os frutos cuja pelicula e consumida conjuntamente, apresentam teores de fibra bruta em torno de 2%, resultando em possiveis beneficios relacionados a sua ingestao como uma possivel re gulacao do trato intestinal. Em acordo com os autores, os resultados do presente estudo mostram que o valor de fibra bruta do noni e de 1,76%.

O valor energetico do noni foi de 30,25kcal. 100[g.sup.-1] de polpa, com quase totalidade atribuida aos carboidratos, que correspondeu a 83,58% das calorias contidas na polpa, ao passo que, apenas 14,04% equivalem a energia oriunda da proteina e 2,38% aos lipideos. West et al. (37) encontraram um valor bem proximo com frutos da Polinesia Francesa, 32,4kcal. 100[g.sup.-1] de polpa.

Na Tabela 2 estao apresentadas concentracoes medias das caracteristicas quimicas e fisico-quimicas da polpa de noni. O pH encontrado foi 4,25, muito proximo ao relatado por Canuto et al., (5) Chan-Blanco et al. (8) e Chunhieng (10) que obtiveram valores 4,1; 4 e 3,72 respectivamente. Baseado na classificacao de Baruffaldi & Oliveira (3) a polpa de noni e caracterizada como acida (pH entre 3,7 e 4,5).

O teor de solidos soluveis e utilizado como uma medida indireta do teor de acucares, nao representa o teor exato dos acucares porque outras substancias tambem se encontram dissolvidas. (9) Tal comportamento pode ser observado na polpa de noni estudada, a qual apresentou grande quantidade de acidos, vitamina C, polifenois e pectina (Tabela 2), conferindo um conteudo de solidos soluveis totais de 9,2 [degrees]Brix, bem maior que o de acucares totais, 5,45g. 100[g.sup.-1]. Frutos com altos teores de solidos soluveis sao geralmente preferidos para consumo in natura e para industrializacao, por oferecerem maior peso e consequentemente maior rendimento do produto processado.

Com relacao a acidez titulavel, o valor medio detectado encontra-se proximo aos valores citados por Canuto et al. (5) e Silva et al. (31) com 0,32 e 0,39g. 100[g.sup.-1], respectivamente.

A relacao SST/ATT propicia uma boa avaliacao do sabor dos frutos, sendo mais representativa do que a medicao isolada de acucares e de acidez. Canuto et al. (5) e Silva et al. (31) encontraram valores bem maiores, do que o apresentado na Tabela 2, com uma media de 28,13 e 26,69, respectivamente. Para o mercado consumidor de frutas frescas e/ou processadas, a relacao SST/ATT elevada e desejavel, indicando altos teores de solidos soluveis e baixa acidez, o que confere sabor mais agradavel e torna as frutas mais atrativas.

O conteudo de vitamina C foi de 122,54mg. 100[g.sup.-1], valor proximo aos encontrados por Shovic & Whistler, (30) de 155mg. 100[g.sup.-1] e West et al., (37) de 113mg. 100[g.sup.-1], porem superior aos 51,2mg. 100[g.sup.-1] apresentados por Canuto et al. (5) com polpa da regiao Amazonica e inferior aos 316mg. 100[g.sup.-1] apresentados por Chan-Blanco et al. (8) em estudo com o noni cultivado na Costa Rica. Silva et al. (31) estudando frutos em tres diferentes estadios de maturacao encontrou valores entre 101 a 38mg. 100[g.sup.-1], sendo que os frutos maduros apresentaram menores valores de vitamina C.

Sabendo-se que para adultos a Ingestao Diaria Recomendada (IDR) de vitamina C e de 45mg.[dia.sup.-1], (12) podese observar que a ingestao de 100g de noni fornece 272% da IDR. De acordo com o Nucleo de Estudos e Pesquisas em Alimentacao-NEPA, (33) a laranja fornece teor de vitamina C equivalente a 57mg. 100[g.sup.-1] que representa 127% da IDR. Pelos resultados obtidos o noni caracteriza-se como uma excelente fonte de vitamina C, apresentando o dobro do teor presente na laranja que e a fonte mais consumida de vitamina C, um poderoso antioxidante com potencial de oferecer protecao contra algumas doencas e contra os aspectos degenerativos do envelhecimento.

O noni apresentou alto conteudo de compostos fenolicos totais (216,67mg de EAG. 100[g.sup.-1]) quando comparado com algumas frutas como acai, uva, graviola, goiaba, abacaxi, cupuacu e maracuja, com excecao da acerola e da manga. (15) Os compostos fenolicos tem participacao no sabor, na coloracao, na vida de prateleira e na acao do produto como alimento funcional, notadamente correlacionado com a capacidade antioxidante. (9)

Burke et al. (4) sugerem que o consumo de antioxidantes pode trazer beneficios a saude atraves da protecao contra a formacao de radicais livres. A atividade antioxidante do noni e de 6,27 [+ or -] 0,15[micro]mol. TEAC.[g.sup.-1], estando este valor muito proximo dos valores encontrados em uva 7,0 [+ or -] 0,3 e acai 6,9 [+ or -] 0,2[micro]mol. TEAC.[g.sup.-1], segundo Kuskoski et al., (16) destacando-se o elevado potencial antioxidante deste fruto. Chan-Blanco et al. (8) tambem relata uma capacidade antioxidante relativamente alta de, 8 [+ or -] 0,4[micro]mol.Trolox[R] [g.sup.-1].

O conteudo de residuos insoluveis em alcool (AIR--"alcohol insoluble residues") foi quantificado em 2,8g. 100[g.sup.-1], na sua maior parte constituido por pectina; 1,138g. 100[g.sup.-1], uma vez que o conteudo de hemicelulose e celulose + lignina, foram 0,252g. 100[g.sup.-1] e 0,453 g. 100[g.sup.-1], respectivamente. Os dados apresentam a pectina como o polissacarideo presente em maior quantidade na polpa de noni, sendo os carboidratos ricos em polissacarideos pecticos.

CONCLUSAO

A caracterizacao da polpa do noni cultivada no estado do Ceara mostra que o fruto possui um baixo teor de proteina e lipideo, sendo composto predominantemente por carboidratos e a pectina e o polissacarideo presente em maior quantidade.

O noni apresenta um bom conteudo de vitamina C, onde uma porcao de 100g e suficiente para suprir o dobro do valor de referencia de ingestao diaria para um adulto.

Os resultados confirmam a alta capacidade antioxidante, bem como o alto teor de compostos fenolicos e vitamina C atribuidos a este fruto, os quais contribuem para os efeitos beneficos a saude.

Recebido em: 24/04/2011

Aprovado em: 10/10/2011

REFERENCIAS

(1.) ASSOCIATION OF OFFICIAL ANALITICAL CHEMISTS. Official methods of analysis. 11th ed. Washington, DC, 1992. 1115p.

(2.) AZEREDO, H. M. C. Fundamentos de estabilidade de alimentos. Fortaleza: Embrapa Agroindustria Tropical, 2004. 195 p.

(3.) BARUFFALDI, R.; OLIVEIRA, M. N. Fundamentos de tecnologia de alimentos. Sao Paulo: Atheneu, 1998. 317p.

(4.) BURKE, J. D.; CURRAN-CELENTANO, J.; WENZEL, A. J. Diet and serum carotenoid concentrations affect macular pigment optical density in adults 45 years and older. J. Nutr., v. 135, p. 1208-1214, 2005.

(5.) CANUTO, G. A. B. et al. Caracterizacao fisico-quimica de polpas de frutos da Amazonia e sua correlacao com a atividade anti-radical livre. Rev. Bras. Frutic., v. 32, p. 1196-1205, 2010.

(6.) CECCHI, H. M. Fundamentos teoricos e praticos em analise de alimentos. Campinas-SP: Unicamp, 2003. 207p.

(7.) CHAN-BLANCO, Y. et al. The noni fruit (Morinda citrifolia L.): a review of agricultural research, nutritional and therapeutic properties. J. Food Comp. Anal., v. 19, p. 645-654, 2006.

(8.) CHAN-BLANCO, Y. et al. The ripening and aging of noni fruits (Morinda citrifolia L.): microbiological flora and antioxidant compounds. J. Sci. Food Agric., v. 87, p. 1710-1716, 2007.

(9.) CHITARRA, A. B.; CHITARRA, M. I. F. Pos-colheita de frutos e hortalicas: fisiologia e manuseio. 2.ed. Lavras: UFLA, 2005. 783p.

(10.) CHUNHIENG, T. Developpement de nouveaux neutraceutiques a partir de graines et fruits d'origine tropicale: application a la noix du Bresil Bertholettia excelsa et au fruit de Cambodge Morinda citrifolia. 2003. 181 f. These (Docteur)--Universite de Nancy, France, 2003.

(11.) DENG, S. et al. Lipoxygenase inhibitory constituents of the fruits of noni (Morinda citrifolia) collected in Tahiti. J. Nat. Prod., v. 70, p. 859-862, 2007.

(12.) FOOD AND AGRICULTURAL ORGANIZATION/ WORLD HEALTH ORGANIZATION. Human vitamin and mineral requirements. Report of a joint FAO/WHO Expert Consultation in Bangkok, Thailand. Rome, 2001. p.73-81.

(13.) INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Metodos fisicoquimicos para analises de alimentos. 4.ed. Sao Paulo, 2005. 1018p.

(14.) JENSEN, C. J. et al. A method for freeze concentrating Morinda citrifolia. 2005. United States Patent, 6.855.354.

(15.) KUSKOSKI, E. M. et al. Aplicacion de diversos metodos quimicos para determinar actividad antioxidante em pulpa de frutos. Cienc. Tecnol. Aliment., v. 25, p. 726-732, 2005.

(16.) KUSKOSKI, E. M. et al. Frutos tropicais silvestres e polpas de frutas congeladas: atividade antioxidante, polifenois e antocianinas. Cienc. Rural, v. 36, p. 1283-1287, 2006.

(17.) LEHNINGER, A. L.; NELSON, D. L.; COX, M. M. Principios de bioquimica. 4.ed. Sao Paulo: Sarvier, 2006. 1202p.

(18.) LIU, Y. et al. Protection of Tahitian noni juice on liver injury induced by carbon tetrachloride in mice. Tianjing Pharm., v. 20, p. 6-8, 2008.

(19.) LUBECK, W.; HANNES, H. Noni el valioso tesoro de los mares del sur. Madrid: EDAF, 2001. 173p.

(20.) McCLATHEY, W. From Polynesian healers to health food stores: changing perspectives of Morinda citrifolia (Rubiaceae). Integ. Cancer Therapies, v. 1, p. 110-120, 2002.

(21.) MILLER, G. L. Use of dinitrosalicylic acid reagent for determination of reducing sugars. Anal. Chem., v. 31, p. 426-428, 1959.

(22.) NELSON, S. C.; ELEVITCH, C. R. Noni: the complete guide for consumers and growers. Holualoa-Hawaii: Permanent Agriculture Resources, 2006.104p.

(23.) PALU, A. et al. The effects of Morinda citrifolia L. (noni) on the immune system: its molecular mechanisms of action. J. Ethnopharmacol., v. 115, p. 502-506, 2008.

(24.) PAWLUS, A. D.; KINGHORN, A. D. Review of the ethnobotany, chemistry, biological activity and safety of the botanical dietary supplement Morinda citrifolia (noni). J. Pharm. Pharmacol., v. 59, p. 1587-1609, 2007.

(25.) PEARSON, D. The chemical analysis of food. 6th ed. London: J. & A. Churchill, 1976.100p.

(26.) RASEIRA, M. C. B.; ANTUNES, L. E. C. (Ed.) A cultura do Mirtilo (Vaccinium myrtillus). Pelotas: Embrapa Clima Temperado, 2004. 67p.

(27.) RE, R. et al. Antioxidant activity applying an improved ABTS radical cation decolorization assay. Free Radic. Biol. Med., v. 26, p. 1231-1237, 1999.

(28.) ROSS, I. A. Medical plants of the world: chemical constituents, traditional and modern medical uses. 2nd ed. New Jersey: Humana, 2001. 242p.

(29.) SCHIEBER, A. et al. Determination of the fruit content of strawberry fruit preparations by gravimetric quantification of hemicellulose. Food Chem., v. 91, p. 365-371, 2005.

(30.) SHOVIC, A. C.; WHISTLER, W. A. Food sources of provitamin A and vitamin C in the American Pacific. J. Trop. Sci., v.41, p. 199-202, 2001.

(31.) SILVA, L. R. D. et al. Caracterizacao fisico-quimica do fruto de Noni (Morinda citrifolia L.). 2009. 4p. Disponivel em: http://sengepb.com.brsitewpcontentuploads 200912t024.pdf. Acesso em: 07 dec. 2009.

(32.) SINGLETON, V. L.; ROSSI JR., J. A. Colorimetry of total phenolics with phosphomolybdic-phosphotungstic acid reagents. Amer. J. Enol. Viticult., v. 16, p. 144-158, 1965.

(33.) UNICAMP. Nucleo de Estudos e Pesquisas em Alimentacao. NEPA. Tabela brasileira de composicao de alimentos: TACO, versao 2. Campinas: UNICAMP, 2006. 105p.

(34.) VEIGA, R. F. A. et al. Noni: frutifera medicinal em introducao e aclimatacao no Brasil. O Agronomico, v. 57, p. 20-21, 2005.

(35.) WANG, M. Y. et al. Hepatic protection by Morinda citrifolia (noni) fruit juice against CCl4-induced chronic liver damage in female SD rats. Plant Foods Human Nutr., v. 63, p. 141-145, 2008.

(36.) WANG, M. Y. et al. Morinda citrifolia (Noni): a literature review and recent advances in Noni research. Acta Pharmacol. Sin., v. 23, p. 1127-1141, 2002.

(37.) WEST, B. J.; DENG, S.; JENSEN, C. J. Nutrient and phytochemical analyses of processed noni puree. Food Res. Int., v. 44, p. 2295-2301, 2011.

Antonia Alais da Silva CORREIA *

Maria Leonia da Costa GONZAGA *

Andrea Cardoso de AQUINO **

Paulo Henrique Machado de SOUZA *

Raimundo Wilane de FIGUEIREDO *

Geraldo Arraes MAIA *

* Departamento de Tecnologia de alimentos--Universidade Federal do Ceara--Campus Universitario do Pici--60021-970--Fortaleza--CE--Brasil. E-mail: alaisc@yahoo.com.br.

** Departamento de Engenharia quimica--Universidade Federal do Ceara--Campus Universitario do Pici--60021-970--Fortaleza--CE--Brasil.
Tabela 1--Composicao Centesimal da polpa de noni (Morinda
citrifolia).

Parametros                        Valores (1)

Umidade (%)                   91,91 [+ or -] 0,06
Cinzas (%)                    0,63 [+ or -] 0,03
Lipideos Totais (%)           0,08 [+ or -] 0,02
Proteina (%)                  1,06 [+ or -] 0,07
Fibra bruta (%)               1,76 [+ or -] 0,02
Carboidratos totais (2) (%)          6,32
Valor energetico (3)                 30,25
(kcal. 100[g.sup.-1])

(1) Valores medios obtidos a partir da analise de 3 amostras em base
umida e desvio padrao; (2) Carboidratos totais = 100--(Umidade +
Lipideos Totais + Proteina + Cinzas); (3) Valor Energetico = (9 *
Lipideos Totais + 4 * Proteina + 4 * Carboidratos totais).

Tabela 2--Caracteristicas quimicas e fisico-quimicas da polpa de noni
(Morinda citrifolia).

Parametros                                       Valores (1)

pH                                            4,25 [+ or -] 0.01
Solidos soluveis totais (Brix)                9,20 [+ or -]  0,4
Acidez total titulavel (g. 100[g.sup.-1])     0,63 [+ or -] 0,01
SST/ATT (2)                                   14,66 [+ or -] 0,6
Vitamina C (mg de AA. 100[g.sup.-1])         122,54 [+ or -] 1,35
Acucares Totais (g. 100[g.sup.-1])            5,45 [+ or -] 0,3
Acucares Redutores (g. 100[g.sup.-1])         5,32 [+ or -] 0,10
Fenolicos Totais (mg de EAG. 100[g.sup.-1])  216,67 [+ or -] 3,77
Antioxidante ([micro]mol. TEAC [g.sup.-1])    6,27 [+ or -] 0,15
Atividade de agua- AW                        0,93 [+ or -] 0,004
AIR (3) (g. 100[g.sup.-1])                    2,80 [+ or -] 0,02
Pectina * (g. 100[g.sup.-1])                  1,14 [+ or -] 0,03
Hemicelulose * (g. 100[g.sup.-1])             0,25 [+ or -] 0,03
Celulose + Lignina * (g. 100[g.sup.-1])       0,45 [+ or -] 0,02

(1) Valores medios obtidos a partir da analise de 3 amostras em base
umida e desvio padrao; (2) SST/ATT = relacao entre solidos soluveis
totais e acidez total titulavel; (3) AIR = Residuos insoluveis em
alcool; * Pectina, Hemicelulose ou celulose + lignina = (Peso do
residuo seco x Peso do AIR)/(0,8g/Peso da amostra) x100.
COPYRIGHT 2011 Faculdade de Ciencias Farmaceuticas UNESP
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2011 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 
Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Correira, Antonia Alais da Silva; Gonzaga, Maria Leonia da Costa; de Aquino, Andrea Cardoso; de Souz
Publication:Alimentos e Nutricao (Brazilian Journal of Food and Nutrition)
Date:Oct 1, 2011
Words:4222
Previous Article:Hygienic and sanitary conditions of the sale of meat in street markets paranatama, PE/Condicoes higienico-sanitarias da comercializacao de carnes em...
Next Article:Flaxseed flour effects on lipid profile and women's anthropometric/Efeitos da farinha da linhaca no perfil lipidico e antropometrico de mulheres.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters