Printer Friendly

Changes in eating habits in rural communities of the semi-arid, region of northeastern of Brazil/Mudancas de habitos alimentares em comunidades rurais do semiarido da regiao nordeste do Brasil/Cambios en los habitos alimenticios en comunidades rurales de la region semiarida del noreste de Brasil.

Introducao

O processo de industrializacao e, por conseguinte, o de urbanizacao tem modificado o estilo de vida e os habitos alimentares da sociedade em geral. Segundo Cartocci e Neuberger (2008), nos dias atuais, com a industrializacao dos alimentos, o feijao com arroz esta sendo gradativamente substituido por uma mistura calorica de ovos, frituras, queijos e superfluos, como creme de leite, leite condensado e biscoitos recheados. Apenas uma pequena parcela da sociedade tem conhecimento de que a alimentacao industrializada tem sido apontada como uma das causas de doencas cronicas mais dificeis de solucionar (Cartocci e Neuberger, 2008).

As praticas alimentares contemporaneas tem sido influenciadas pelos avancos tecnologicos na industria de alimentos e na agricultura, e pela globalizacao da economia, sendo objeto de preocupacao das ciencias da saude desde que os estudos epidemiologicos passaram a sinalizar estreita relacao entre a dieta e algumas doencas cronicas associadas a alimentacao (Garcia, 2003).

A busca pela praticidade e facilidade na alimentacao sao fatores impostos pelo estilo de vida urbano moderno, o qual tem levado as pessoas a consumirem alimentos ultraprocessados pondo em risco a saude. Monteiro e Castro (2009) explicam que os alimentos ultraprocessados tendem a apresentar concentracoes de gordura, acucar e sal em excesso, itens prejudiciais a saude; essas sao as materias-primas peculiares desses alimentos, alem de oleos, farinha e amido acrescidos de conservantes, estabilizantes, flavorizantes e corantes, que possuem baixo valor nutricional.

Para Garcia (2005) essa pratica alimentar tem sido responsavel pelas principais doencas cronicas nao-transmissiveis (DCNT), tipicas do mundo ocidental e que, decisivamente estao interferindo no estado de saude. As sociedades modernas parecem estar convergindo para uma dieta padrao, rica em gorduras saturadas, acucares refinados, e pobres em fibras. Essa dieta e conhecida como 'dieta ocidental'; alem desta denominacao, a alteracao na estrutura da dieta tambem e conceituada por 'transicao nutricional' (Popkin, 1993, 1999, 2002, 2004).

Estudos desenvolvidos por Nardoto et al. (2006a, 2011) e Gragnani et al. (2013), envolvendo isotopos estaveis de carbono e nitrogenio na identificacao da composicao isotopica de [sup.13]C e [sup.15]N em amostras de unhas objetivando avaliar habitos alimentares com base no consumo de alimentos oriundos de plantas [C.sub.3] (trigo, arroz, feijao) e [C.sub.4] (milho, cana-de-acucar, gramineas) chegaram a varias conclusoes; dentre elas, destaca-se um aumento no consumo de alimentos derivados de plantas [C.sub.4] em detrimento do consumo de alimentos derivados de planta [C.sub.3]. Esse cenario tambem foi observado em comunidades rurais localizadas na regiao amazonica, na medida em que se aproximam dos centros urbanos (Nardoto et al., 2006a, 2011; Gragnani et al., 2013).

Nardoto et al. (2011) lembram que as dietas baseadas em plantas [C.sub.4] associam-se ao aumento no consumo de gordura e acucar. O elevado consumo desses alimentos e frequentemente relacionado a problemas de saude como a obesidade e pressao alta, e ambos associam-se a doencas cardiacas e diabetes do tipo II (Silva et al, 2006).

Como a composicao isotopica de tecidos animais (como por exemplo, as unhas) representa uma condicao de equilibrio dinamico entre a entrada de alimentos e sua saida, esta composicao e utilizada como base para usar a composicao de tecidos e, dessa forma, inferir sobre padroes alimentares (Schwarcz e Schoeninger, 1991). Assim sendo, e possivel identificar as fontes alimentares que se diferenciam a medida que o acesso a economia de mercado e a urbanizacao aumenta (Nardoto et al., 2006a, 2011).

Estudos envolvendo padroes alimentares baseiam-se na grande diferenca que existe entre os valores de [[delta].sup.13]C de plantas [C.sub.3] e [C.sub.4] e pelo fato dos valores de [[delta].sup.15]N variarem muito mais em funcao da posicao trofica ao longo da cadeia alimentar do que em relacao ao tipo de planta (Peterson e Fry, 1987).

Ao considerar essa reflexao, verificou-se a importancia de se realizar uma pesquisa sobre as mudancas nos habitos alimentares e, de modo mais especifico, verificar tais mudancas no ambito da comunidade rural do semiarido da regiao Nordeste do Brasil, a partir da composicao isotopica de carbono e nitrogenio em amostras de unhas coletadas de pessoas residentes nas comunidades estudadas.

Metodologia

Area de estudo

O estudo foi desenvolvido em duas comunidades pertencentes a zona rural do Noreste do Brasil, especificamente nos assentamentos de Rancho da Caca e Riachinho, localizados na zona rural do municipio de Mossoro, Estado do Rio Grande do Norte. Mossoro abriga uma populacao de 259.815 habitantes e possui uma area de 2.110,21[km.sup.2], equivalente a 4,00% da superficie estadual. Esta localizado geograficamente entre os 4[degrees]53'4.60" Se 37[degrees]26'44.40"O e os 5[degrees]29'37.08"S e 37[degrees]10'25.55"O (IDEMA, 2008). As comunidades rurais Rancho da Caca e Riachinho localizam-se a uma distancia de ~18km e ~15km, respectivamente, de Mossoro, a segunda maior cidade do Rio Grande do Norte, e o acesso a estas comunidades se da pela Rodovia RN 014.

A comunidade de Rancho da Caca possui 55 familias, e Riachinho 75 familias. No entanto, apenas 80 pessoas, que representam 40 familias de cada comunidade, demonstraram interesse em participar da pesquisa. Estas comunidades tem como principais atividades a pecuaria e agricultura, que nos ultimos anos vem sofrendo em funcao da seca e escassez de agua na regiao. Os alimentos que eram produzidos pelas familias eram consumidos, no entanto, os fatores climaticos vem provocando o abandono da pratica agropecuaria em ambas as comunidades, contribuindo para a busca de outras fontes de alimentos.

Coletas dos dados

As coletas de dados em Riachinho e Rancho da Caca ocorreram durante marco de 2013 nos turnos matutino e vespertino. Nestas comunidades, foram realizadas entrevistas por meio de um questionario, sendo este realizado individualmente e de forma aleatoria.

Foram aplicados 40 questionarios em cada comunidade, totalizando a participacao de 80 pessoas. Concomitantemente com os questionarios, foram coletadas as unhas de cada pessoa indagada. O questionario e a coleta das unhas foram realizados apenas com pessoas maiores de 18 anos de idade, ou seja, com um representante adulto de cada unidade domestica amostrada. Nardoto et al. (2011) lembram ser imprescindivel determinar desde o inicio do levantamento que os individuos amostrados tenham vivido na localidade por um periodo de 4-6 meses, tempo suficiente para as unhas adquirirem o sinal isotopico da localidade em particular.

As unhas foram fornecidas voluntariamente por cada pessoa entrevistada e coletadas com a ajuda de uma tesourinha de unhas de metal. Foram recolhidas de 3 a 4 unhas da mao, sendo esta, a parte mais distal de cada voluntario. Por padronizacao, so foram coletadas as unhas das maos que, neste caso, nao poderiam apresentar nenhuma doenca cutanea. O material coletado e analisado foi acondicionado em saco plastico devidamente identificado. Este e um metodo de amostragem nao-invasivo e a unha foi escolhida porque a queratina presente na mesma e capaz de integrar a dieta dos ultimos seis meses (O'Connell et al., 2001; Nardoto et al., 2006a, 2011). A partir das unhas coletas foram realizadas as analises da razao isotopica de carbono e nitrogenio.

No que diz respeito aos centros urbanos das cidades de Natal e Mossoro, foram utilizados apenas os dados das unhas coletadas, que corresponderam respectivamente a 100 e 72 amostras de unhas. Os referidos valores foram obtidos, a partir do banco de dados do projeto 'Mapeamento isotopico da dieta no Brasil dos nucleos mais isolados aos grandes centros urbanos'. Esses dados foram utilizados como referencia, no sentido de identificar se a dieta da populacao rural estudada encontra-se semelhante a dos centros urbanos de Natal e Mossoro. Os procedimentos metodologicos utilizados na coleta e analise destas cidades foram os mesmos utilizados nas duas comunidades rurais estudadas.

Nas entrevistas realizadas com os moradores das comunidades rurais de Rancho da Caca e Riachinho abordou-se o consumo alimentar atraves do recordatorio de 24h e da frequencia de consumo alimentar, por meio de uma tabela constando os principais itens alimentares consumidos no Brasil, tais como cafe, doces, arroz, trigo, milho, feijoes (leguminosas), tuberculos, legumes, farinha de mandioca, folhas verdes, frutas, laticinios, carne bovina, carne suina, embutidos, frango, ovo de galinha, peixe agua doce, peixe marinho, frutos do mar. Durante a entrevista, os participantes informaram detalhes das suas dietas, bem como, relataram a frequencia semanal do consumo destes alimentos, isto e, se 3 vezes ou mais por semana, ate 2 vezes por semana, nunca ou raramente.

As amostras de unhas coletadas foram todas analisadas no Laboratorio de Ecologia Isotopica do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA), localizado no Campus da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (ESALQ/USP) em Piracicaba. E necessario destacar que para a concretizacao dessa pesquisa, o referido projeto foi apresentado e aprovado pelo Comite de Etica da ESALQ/ USP, no dia 15/12/2008, numero de registro COET 053, Piracicaba, Sao Paulo, Brasil.

Processamento das amostras

Inicialmente, as unhas coletadas foram limpas com solucao de cloroformio uma vez e enxaguada com agua ultrapura por tres vezes. Este procedimento tem o proposito de retirar todas as impurezas contidas na amostra, como residuos solidos, esmalte e gorduras. Em seguida, o material foi colocado na estufa com circulacao forcada de ar, a 60[degrees]C durante 24h. Depois de secas e retiradas da estufa, as amostras de unhas foram cortadas entre uma e quatro seccoes, dependendo do tamanho da amostra, e acondicionadas em capsulas de estanho para serem pesadas em sub-amostras de 1,0 a 1,2mg. A cada 10 amostras foi repetida a pesagem, e a cada 11 foi pesado o material utilizado como padrao, que eram folhas moidas de cana-de-acucar de 2,500 a 2,800mg. A pesagem foi realizada em uma balanca analitica com precisao de seis casas decimais de marca Sartorius, modelo ME - 36S.

Para determinar a razao isotopica, as capsulas de estanho fechadas contendo as unhas, foram introduzidas no carrossel do analisador elementar (equipamento Carlo Erba, modelo EA 1110), que por combustao de fluxo continuo, determinou a concentracao de nitrogenio e carbono total. O gas proveniente da combustao foi purificado numa coluna de cromatografia gasosa e introduzido diretamente num espectrometro de massas para razoes isotopicas ThermoQuest-Finnigan Delta Plus (marca Finnigan, modelo MAT). A abundancia natural de [sup.13]C e [sup.15]N sao expressas como desvios por mil ([per thousand]) criando-se a notacao denominada [delta] por mil ([per thousand]). Mais especificamente, para carbono a notacao foi [[delta].sup.13]C e para nitrogenio [[delta].sup.15]N. O erro analitico aceitavel para [sup.13]C e [sup.15]N foi de 0,30 e 0,40[per thousand], respectivamente.

O calculo da composicao isotopica realizou-se atraves da equacao

[delta][x.sub.(amostra, padrao)] =

[([R.sub.amostra]/[R.sub.padrao])-1] x [10.sup.3] (1)

onde [delta][x.sub.(amostra, padrao)]: enriquecimento da razao isotopica do elemento quimico em questao, de uma dada amostra em relacao ao seu respectivo padrao internacional em partes por mil ([per thousand]); e R: razao isotopica do isotopo pesado em relacao ao leve (ex: [sup.13]C/[sup.12]C; [sup.15]N/[sup.14]N) da amostra e do padrao, respectivamente. O padrao utilizado para o carbono e uma rocha fossil conhecida como PDB (Pee Dee Belemnite), enquanto o padrao utilizado para nitrogenio e o ar atmosferico. O valor de [[delta].sup.13]C do C[O.sub.2] atmosferico e -7 a -8[per thousand], enquanto das plantas [C.sub.3] os valores variam entre -34 e -24[per thousand] e das plantas [C.sub.4] entre -13 e -11[per thousand] (Farquhar et al., 1989). Essa diferenca existente entre os valores de [[delta].sup.13]C entre as plantas [C.sub.3] e [C.sub.4] e suficientemente elevada para ser medida com facilidade pelos espectrometros de massas.

E mister salientar que a composicao isotopica do carbono nao se altera significativamente durante o processo de ingestao, digestao e incorporacao em unhas (Nardoto et al., 2006b). Desse modo, foi possivel aferir a proporcao relativa de [C.sub.3] e [C.sub.4] utilizada em uma dieta baseando-se em um simples balanco de massa apresentado por

%[C.sub.4] = 100x[delta]13[C.sub.unha] - [delta]13C[C.sub.3] / [delta]13C[C.sub.4]-[delta]13C[C.sub.3] (2)

onde %[C.sub.4]: proporcao relativa de plantas de origem [C.sub.4] na dieta, [[delta].sup.13]Cunha: composicao isotopica do carbono da amostra de unha, [[delta].sup.13]C[C.sub.3]: composicao isotopica media do carbono oriundo de fontes [C.sub.3], e [delta]13C[C.sub.4]: composicao isotopica media do carbono oriundo de fontes [C.sub.4].

A ingestao de carbono [C.sub.4] ou [C.sub.3] ocorre atraves do consumo de produtos de origem vegetal ou animal que pode ser respondido com os valores de [[delta].sup.15]N das unhas, pois e conhecido que os valores de [[delta].sup.15]N aumentam em torno de 3[per thousand] a cada nivel trofico (Deniro e Epstein, 1981; Minagawa e Wada, 1984; Sponheimer et al., 2003; Nardoto et al., 2006b). Isto e, quanto mais alto na cadeia alimentar, mais elevados serao os valores de [[delta].sup.15]N. Esse aumento indica que ha uma crescente concentracao de atomos de 15N ao longo da cadeia trofica.

Analise estatistica

A analise de variancia (ANOVA) foi utilizada a 5% de probabilidade para verificar possiveis diferencas no [[delta].sup.13]C e [[delta].sup.15]N entre as comunidades rurais de Rancho da Caca e Riachinho e os centros urbanos de Mossoro e Natal. Apos a aplicacao da ANOVA, o teste de Tukey ([alpha]=0,05) para dados nao pareados foi utilizado para explicar possiveis diferencas significantes detectadas pela ANOVA. As analises estatisticas foram feitas usando o software Statistica, ver. 9 para Windows (StatSoft, Inc. 2009) e software R, ver. 3.0.1 (RCore Team, 2013).

Resultados e Discussao

Consumo alimentar das comunidades rurais estudadas

A partir do recordatorio de 24h, foi possivel observar que os itens alimentares consumidos nao divergem muito de uma comunidade para outra. Mesmo diante da industrializacao alimentar e do abandono de habitos alimentares culturais, verificou-se, nas duas comunidades rurais o consumo expressivo do feijao com arroz, sobretudo no almoco, bem como do cafe e laticinios no cafe da manha e no lanche, no entanto neste ultimo observou-se um elevado consumo de doces.

Constatou-se o consumo de salsicha, linguica e presunto e ainda um baixo consumo dos alimentos regionais como a tapioca, beiju, pamonha, rapadura, cocada, arroz de leite, baiao de dois e pirao de costela de boi. Os sanduiches e refrigerantes, alimentos que simbolizam a praticidade e o fastfood, foram tambem pouco citados. O mesmo se repete para o consumo de legumes e tuberculos, que igualmente foram baixos, ja as folhas verdes nao foram citadas em nenhuma das refeicoes.

Percebe-se ainda atraves do recordatorio de 24h, que os alimentos ditos industrializados, no caso deste estudo, entram na categoria dos doces, alem da salsicha, linguica e o presunto, ja se fazem presentes nas refeicoes da populacao rural. Estes alimentos condizem com o estilo de vida moderno e apresentam grande concentracao de gordura, acucar e sal, que sao altamente prejudiciais a saude.

Garcia (2011) ressalta que os alimentos industrializados pre-preparados ou prontos podem ter uma concentracao energetica mais alta do que muitas preparacoes domesticas. O Ministerio da Saude associa o consumo destes alimentos, ao aumento de DCNT como, por exemplo, a obesidade. Por outro lado, afirma que os alimentos de origem vegetal, principalmente as frutas, legumes e verduras, quando consumidos regularmente e em quantidades apropriadas, sao fatores de protecao contra varias doencas relacionadas a alimentacao (Brasil, 2008). Contudo o consumo destes com excecao das frutas mostrou-se muito aquem.

Segundo Poulain (2004) o alimento moderno esta deslocado; isto e, desconectado do seu enraizamento geografico e das dificuldades climaticas que lhe eram tradicionalmente associadas. As empresas agroalimentares transnacionais atuam distribuindo em todo o planeta carnes e peixes congelados, conservas enlatadas, queijos, refrigerantes, ketchups, hamburgueres e varios outros itens alimentares. Percebe-se, entao, que o mercado global vem ultrapassando as barreiras fisicas do espaco e trazendo alimentos dos mais variados cantos para as regioes mais remotas.

A populacao de Rancho da Caca e Riachinho, embora localizada na zona rural da cidade de Mossoro tem acesso aos mais variados alimentos nas redes de supermercados desta cidade. O recordatorio de 24h mostrou a adesao a dieta de supermercado pelas comunidades rurais e a dependencia dos produtos advindos dos centros urbanos da cidade. Essa dependencia ocorre em funcao de que todos os itens alimentares consumidos pelos habitantes destas comunidades sao oriundos de supermercados e mercadinhos localizados em Mossoro.

Os dados obtidos no recordatorio se repetem na frequencia de consumo alimentar, em que tambem se observou um elevado consumo de feijao, arroz, cafe, milho e carne bovina, ao passo que as carnes de criacao (ovelha e galinha), mao de vaca, tapioca, tuberculos e frutos do mar, apresentaram uma frequencia de consumo consideravelmente baixa. Este ultimo item se explica em virtude da pesquisa ter sido desenvolvida em uma area rural. Em relacao as carnes de criacao, embora muitos dos entrevistados tenham o habito de criar galinha, ovelha e carneiro, o seu consumo ocorre apenas em datas especiais. Assim sendo, ambas as comunidades apresentaram padroes alimentares semelhantes.

Analise de consumo alimentar a partir da composicao isotopica

Com a finalidade de conhecer de forma mais aprofundada os principais itens alimentares consumidos pelas comunidades rurais aqui amostradas, bem como inferir sobre o seu padrao alimentar, analises isotopicas de [[delta].sup.13]C e [[delta].sup.15]N em amostras de unhas coletadas nas cidades de Mossoro e Natal foram realizadas e utilizadas como referencias para identificar se esta ocorrendo mudanca no padrao alimentar rural, ou seja, se esta havendo mudanca na dieta baseada em plantas [C.sub.3] (arroz, feijao, trigo) para uma dieta baseada em plantas [C.sub.4] (milho, cana-de-acucar, gramineas forrageiras).

As variaveis [[delta].sup.13]C e [[delta].sup.15]N foram submetidas ao teste de Tukey ([alpha]=0,05), como pode ser observado nas Tabelas I e II. Com relacao a variavel [[delta].sup.13]C, observa-se que nao houve diferencas estatisticas significativas entre os tratamentos estudados. Os valores de [[delta].sup.13]C das amostras das unhas das localidades estudadas foram todos reunidos e nao diferiram entre si (p>0,05) (Tabela I).

A ausencia de diferenca estatistica entre as localidades pode ser atribuida a proximidade das comunidades rurais do centro urbano, fazendo com que nao so os habitantes urbanos, mas tambem rurais, estejam expostos a dieta de supermercado. Neste espaco de comercializacao de alimentos, a unica restricao de consumo e para Gragnani et al. (2013), economica, e nao esta relacionada a acessibilidade.

Os valores enriquecidos em [[delta].sup.13]C sugerem uma elevada contribuicao das plantas [C.sub.4] na dieta. Uma vez que nao ha diferenca na proporcao de [[delta].sup.13]C nas amostras analisadas, esses dados indicam que ha uma homogeneizacao no padrao alimentar, ou seja, as comunidades rurais estao ingerindo os mesmos alimentos consumidos nos centros urbanos.

No entanto, no que diz respeito a variavel [[delta].sup.15]N, observa-se que houve diferencas estatisticas (p<0,05) significativas entre os tratamentos estudados, como e possivel verificar na Tabela II. A comunidade rural de Riachinho diferiu (p<0,05) de Mossoro e Natal, mas nao diferiu (p>0,05) de Rancho da Caca (Tabela II). Ja Natal, Mossoro e Rancho da Caca, nao diferiram estatisticamente entre si (p>0,05).

Essa diferenca estatistica encontrada na Tabela II para comunidade de Riachinho provavelmente indica que a mesma pode estar consumindo pouca proteina animal e/ou alimentos baseados em cadeias menos complexas, quando comparada aos centros urbanos. A baixa ingestao de proteina animal com relacao aos centros urbanos pode esta associada a baixa renda dos moradores desta comunidade, a qual mais da metade dos rendimentos sao provenientes do programa de transferencia de renda Bolsa Familia.

Os valores elevados de [[delta].sup.15]N para as demais localidades ocorre em funcao de diversas causas explicadas por Nardoto et al. (2006a). Primeiro, pode indicar uma dieta baseada em alimentos marinhos, uma vez que as fontes marinhas tem os valores mais altos de [[delta].sup.15]N; segundo, este alto valor sugere uma dieta baseada no consumo de animais terrestres que receberam alimentacao cultivada com fertilizantes de origem animal, ao inves de uma dieta baseada em plantas; por ultimo, o alto valor de [[delta].sup.15]N indica uma dieta baseada no consumo de animais terrestres que receberam alimentacao cultivada em zonas aridas, ao inves de uma dieta a base de plantas, tendo em vista que as plantas das regioes aridas e semiaridas tendem a ter valores mais elevados de [[delta].sup.15]N (Heaton, 1987; Robinson, 2001). Desse modo, para o presente estudo acataremos a possibilidade de que os valores altos de [[delta].sup.15]N ocorreram em funcao do consumo de alimentos de origem animal.

Um estudo mais recente desenvolvido por Nardoto et al. (2011) na regiao amazonica revelou valores tambem semelhantes aos desta pesquisa, com [[delta].sup.15]N um pouco mais enriquecido, uma vez que nas grandes cidades da regiao da Amazonia o valor medio de [delta] [sup.13]C foi de -17,4[per thousand], e o de [[delta].sup.15]N foi de 10,8[per thousand]. Todavia, diferente desta pesquisa, os valores medios encontrados por Nardoto et al. (2011) nas amostras de unhas dos individuos residentes de areas rurais foram diferentes dos individuos que habitam os centros urbanos. Os valores das amostras foram de -23,2[per thousand] e 11,8[per thousand] para [[delta].sup.13]C e [[delta].sup.15]N respectivamente, o que representa, uma dieta com forte sinal [C.sub.3] enriquecida em [sup.15]N. Entretanto, os autores constaram que a medida que se avanca a urbanizacao e o acesso aos mercados, ocorre uma mudanca no consumo de alimentos de base [C.sub.3] para [C.sub.4] e uma reducao nos valores de [[delta].sup.15]N.

Um estudo desenvolvido por Buchardt et al. (2007) com os individuos da Dinamarca e com os inuites do Distrito de Uummannaq localizado no noroeste da Groelandia, identificou enriquecimento nos valores de [[delta].sup.13]C e [[delta].sup.15]N para unhas dos inuites, em comparacao com os Dinamarqueses, os valores daqueles foram, respectivamente, -18,2 e 16,0. Ja para os dinamarqueses foram de -21,0 e 10,4; o que indica para este ultimo uma dieta padrao baseada em [C.sub.3]. No caso dos inuites o elevado enriquecimento do [[delta].sup.15]N sugere uma forte ingestao de alimentos marinhos, conforme os dados apresentados neste estudo os autores inferiram que estes individuos possuem posicao trofica semelhante aos ursos polares.

Embora ainda possam ser encontradas dietas locais consistentes, preservadas e resistentes a mudanca, nao se pode deixar de destacar a grande influencia das plantas [C.sub.4] na dieta moderna. No sentido de conhecer a sua real influencia na alimentacao das comunidades estudadas, foi utilizada a Eq. 2 para estimar a proporcao media de [C.sub.4] nas localidades estudadas. E importante ressaltar que os valores de [C.sub.4] (-11,2[per thousand]) e a fonte [C.sub.3] (-26,1[per thousand]) foram oriundos do estudo de Nardoto et al. (2006a), a proporcao media de carbono de origem [C.sub.4] para Natal, Mossoro, Rancho da Caca e Riachinho apresenta-se na Tabela III.

A Tabela III mostra a maior proporcao de carbono de origem [C.sub.4], para as quatro localidades pesquisadas. Os valores expostos na referida tabela indicam que mais de 60% da dieta e advinda do tipo de planta [C.sub.4]. A capital do estado, Natal, se sobressai com 62,54%, seguida da comunidade rural de Rancho da Caca com 62,50%, Riachinho com 61,76%, e por ultimo, Mossoro registrando 60,33%.

O forte sinal [C.sub.4] identificado nao so centros urbanos de Mossoro e Natal, mas tambem nas comunidades rurais pode ser explicado atraves das afirmacoes de Nardoto et al. (2006a), Martinelli et al. (2011) e Coletta et al. (2012). Estes autores afirmam que o elevado sinal [C.sub.4] nos alimentos ocorre em funcao de o gado brasileiro ser alimentado quase que exclusivamente por gramineas; consequentemente, nao so a carne bovina brasileira, mas tambem os produtos lacteos, como manteiga, iogurte e queijo, possuem um forte sinal isotopico [C.sub.4]. Como consequencia disto, qualquer carne, produtos de carne bovina e lacteos tem uma caracteristica [[delta].sup.13]C de plantas [C.sub.4] (Martinelli et al, 2011).

O mesmo ocorre com alimentos como o frango e a carne de porco, pois estes se alimentam de racoes a base de milho (Nardoto et al, 2006b). Alem disso, o acucar produzido no Brasil e feito excepcionalmente da cana-de-acucar, que e uma planta [C.sub.4] e, portanto, possui um forte sinal isotopico [C.sub.4]; desse modo, qualquer produto que contenha acucar ira apresentar este elevado sinal isotopico (Yoshinaga et al., 1996; Nardoto et al., 2011).

Os dados das analises isotopicas corroboram com o que ja tinha sido observado no recordatorio de 24h e na frequencia do consumo alimentar, constando entao uma dieta rica em planta [C.sub.4] e, consequentemente enriquecida em [[delta].sup.13]C. A proximidade com o centro urbano da cidade de Mossoro trata-se de um fator que contribui diretamente para o elevado consumo de alimentos do tipo [C.sub.4]. E importante salientar que estes nao sao produzidos localmente, e sim comprados em supermercados. Nao havendo producao para subsistencia, as familias que habitam estas comunidades sao praticamente forcadas a buscar outras fontes de alimentos. Cabe as familias, que antes produziam seus alimentos, ceder ao padrao alimentar moderno imposto no mercado pelas grandes industrias alimenticias.

E valido mencionar a afirmacao de Valente (2002) ao declarar que a mudanca de habitos alimentares urbanos associadas as novas praticas agropecuarias, baseadas no uso intenso de insumos quimicos, tem causado prejuizos a saude humana, consubstanciados no aumento da incidencia de doencas cronico-degenerativas (obesidade, diabetes, doencas cardiovasculares, cancer, hipertensao arterial, entre outras) relacionadas a uma alimentacao inadequada, que se transformou durante a decada de 1990 em uma das principais causas de mortalidade.

Essa mudanca de habitos alimentares inclui, conforme Popkin (2001) aumento no consumo de gordura e acucar, bem como de alimentos de origem animal. Um dos fatores que tem contribuido para essa mudanca trata-se dos baixos custos dos alimentos de origem animal, ou seja, estes sao bem mais baratos, o que os tornam mais atraentes (Popkin et al., 2012).

Diferente da dieta atual, as dietas antigas de acordo com Lehn et al. (2011) eram, possivelmente, mais sazonalmente diversificadas do que dietas modernas, pois os individuos dependiam predominantemente das culturas produzidas localmente, assim como a disponibilidade dos alimentos dependia da temporada. Dados disponiveis para paises de baixa e media renda documentam a tendencia da mudanca na dieta em todas as areas urbanas e cada vez mais em areas rurais. Dietas ricas em legumes, verduras e graos nao refinados estao desaparecendo em todas as regioes e paises (Popkin et al, 2012).

Embora nao tenha sido realizado um estudo sobre as principais doencas que acometem a populacao estudada, este estudo pode ser apontado como um alerta para as comunidades de Rancho da Caca e Riachinho para os riscos que envolvem os alimentos industrializados disponiveis nos supermercados, sendo estes as principais fontes de alimentos que abastecem os domicilios rurais amostrados. A perda da autonomia na producao alimentar e uma das situacoes responsaveis por fazer muitos sucumbirem a dieta de supermercado, levando o homem tambem a perder a dimensao e o sentido enquanto produtor.

Consideracoes Finais

A situacao atual das comunidades rurais estudadas e de dependencia de compra de alimentos nos mercados e supermercados e de limitacoes impostas na producao de alimentos. Desta forma, o contexto em que se encontram os habitantes destas comunidades contribui diretamente para substituicao dos alimentos produzidos localmente por produtos processados e industrializados.

Mesmo diante das mudancas alimentares, detectou-se em Rancho da Caca e Riachinho, atraves do recordatoriode 24h e da frequencia de consumo alimentar, o forte consumo do feijao e do arroz, itens tradicionais na dieta dos brasileiros. Desse modo, apesar da intensa influencia das plantas [C.sub.4] na dieta moderna, bem como dos alimentos processados, ainda existe a presenca habitual destes itens tradicionais. Logo, e possivel inferir que a transicao alimentar rural esta ocorrendo, todavia nao ocorreu por completo nas comunidades pesquisadas.

E possivel que a dependencia da compra alimentar externa tenha contribuido para o sedentarismo, tendo em vista que nenhum esforco fisico e/ou gasto de energia e realizado para se obter o alimento. Desse modo, o abandono do alimento local e a aderencia aos alimentos industrializados, na maioria das vezes ricos em acucares e gorduras, poem em risco a saude humana, sendo estes uns dos itens principais na proliferacao das DCNT. Tendo em vista que fora constatada a homogeneizacao alimentar atraves da composicao isotopica de [[delta].sup.13]C e [[delta].sup.15]N nas amostras de unhas dos individuos residentes nos centros urbanos e nas comunidades rurais estudadas, pode-se inferir que os mesmos podem estar expostos a estas doencas.

O desafio para as comunidades se constitui em desenvolver estrategias de producao dos seus proprios alimentos, resgatando os seus saberes empiricos e os conciliando com tecnologias adequadas para producao em periodos de estiagem. Para que isso ocorra, e necessario apoio e incentivo por parte do poder publico, no sentido de oferecer capacitacao e mecanismos necessarios para que as familias possam produzir de forma adequada os seus proprios alimentos, dependendo apenas dos recursos naturais locais. Assim, produzindo os seus proprios alimentos, as familias de Rancho da Caca e Riachinho garantem a autonomia e seguranca alimentar e ainda potencializam os recursos naturais locais.

AGRADECIMENTOS

Este artigo faz parte de uma pesquisa maior inserida dentro do projeto intitulado 'Mapeamento isotopico da dieta no Brasil dos nucleos mais isolados aos grandes centros urbanos', financiado pela Fundacao de Amparo a Pesquisa do Estado de Sao Paulo--FAPESP, edital no. n. 2011/50345-9, desenvolvido pela Universidade de Sao Paulo (USP), com a colaboracao de outros centros universitarios, a exemplo da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).

REFERENCIAS

Brasil (2008) Guia Alimentar para a Populacao Brasileira Promovendo a Alimentacao Saudavel. Ministerio da Saude. Brasilia, Brasil. 210 pp.

Buchardt B, Bunch V, Helin P (2007) Fingernails and diet: stable isotope signatures of a marine hunting community from modern Uummannaq, North Greenland. Chem. Geol. 244: 316-329.

Cartocci CM, Neuberger SB (2008) Producao e Industrializacao de Alimentos. Universidade de Brasilia. Brasil. 85 pp.

Coletta LD, Pereira AL, Coelho AAD, Savino VJM, Menten JFM, Correr E, Franca LC, Martinelli LA (2012) Barn vs. free-range chickens: Differences in their diets determinedby-stableisotopes. Food Chem. 131: 155-160.

Deniro MJ, Epstein S (1981) Influence of diet on the distribution of nitrogen isotopes in animals. Geochim. Cosmochim. Acta 45: 341-351.

Farquhar GD, Ehleringer JR, Hubick KT (1989) Carbon isotope discrimination and photosynthesis. Annu. Rev. Plant Physiol. Plant Molec. Biol. 40: 503-537.

Garcia RWD (2003) Reflexos da globalizacao na cultura alimentar: consideracoes sobre as mudancas na alimentacao urbana. Rev. Nutr. 16: 483-49.

Garcia RWD (2005) Alimentacao e saude nas representacoes e praticas alimentares do comensal urbano. Em Canesqui AM, Garcia RWD (Eds) Antropologia e Nutricao: Um Dialogo Possivel. Fiocruz. Rio de Janeiro, Brasil. pp. 211-225.

Garcia RWD (2011) Mudancas alimentares: Implicacoes praticas, teoricas e metodologicas. Em Garcia RWD, Mancuso AMC (Eds.) Mudancas Alimentares e Educacao Nutricional. Guanabara Koogan. Rio de Janeiro, Brasil. pp. 4-16.

Gragnani JG, Garavello MEPE, Silva RJ, Nardoto GB, Martinelli LA (2013) Can stable isotope analysis reveal dietary differences among groups with distinct income levels in the city of Piracicaba (southeast region, Brazil)? J. Hum. Nutr. Diet. 27: 270-279.

Heaton THE (1987) The [sup.15]N/[sup.14]N ratios of plants in South Africa and Namibia: relationship to climate and coastal/saline environments. Oecologia 74: 236-246.

IDEMA (2008) Perfil do seu Municipio. Relatorio. Instituto de Desenvolvimiento Sustententavel e Meio Ambiente do Rio Grande do Norte. Brasil. 25 pp.

Lehn C, Mutzel E, Rossmann A (2011) Multi-element stable isotope analysis of H, C, N and S in hair and nails of contemporary human remains. Int. J. Legal Med. 125: 695-706.

Martinelli LA, Nardoto GB, Rinaldi FD, Ometto JPHB, Chesson LA, Cerling TE, Ehleringer JR (2011) Worldwide stable carbon and nitrogen isotopes of Big Mac1 patties: an example of a truly "glocal" food. Food Chem. 127: 1712-1718.

Minagawa M, Wada E (1984) Stepwise enrichments of [sup.15]N along food chains; further evidence and the relation between [sup.15]N and animal age. Geochim. Cosmochim. Acta 48: 1135-1140.

Monteiro CA, Castro IRR (2009) Por que e necessario regulamentar a publicidade de alimentos. Cienc. Cult. 61: 56-59.

Nardoto GB, Silva S, Kendall C, Ehleringer JR, Chesson LA, Ferraz ESB, Moreira MZ, Ometto JPHB, Martinelli LA (2006a) Geographical patterns of human diet derived from stable-isotope analysis of fingernails. Am. J. Phys. Anthropol. 131: 137-146.

Nardoto GB, Godoy PB, Ferraz ESB, Ometto JPHB, Martinelli LA (2006b) Stable carbon and nitrogen isotopic fractionation between diet and swine tissues. Sci. Agric. 63: 579-582.

Nardoto GB, Murrieta RSS, Prates LEG, Adams C, Garavello MEPE, Schor T, Moraes A, Rinaldi FD, Gragnani JG, Moura EAF, Duarte-Neto PJ, Martinelli LA (2011) Frozen chicken for wild fish: Nutritional transition in the Brazilian Amazon region determined by carbon and nitrogen stable isotope ratios in fingernails. Am. J. Human Biol. 23: 642-650.

O'Connell TC, Hedges REM, Healey MA, Simpson AHRW (2001) Isotopic comparison of hair, nail and bone: Modern analyses. J. Archaeol. Sci. 28: 1247-1255.

Peterson BJ, Fry B (1987) Stable isotopes in ecosystem studies. Annu. Rev. Ecol. Systemat. 18: 293-320.

Popkin BM (1993) Nutritional patterns and transitims. Populat. Devel. Rev. 19:x138-157.

Popkin BM (1999) Urbanization, lifestyle changes and the nutrition transition. World Devel. 27: 1905-1916.

Popkin BM (2001) The nutrition transition and obesity in the developing world. J. Nutr. 131: 871-873.

Popkin BM (2002) The shift in stages of the nutrition transition in the developing world differs from past experiences! Public Health Nutr. 5: 109-124 Popkin BM, Gordon-Larsen P (2004) The nutrition transition: worldwide obesity dynamics and their determinants. Int. J. Obes. 28: 2-9.

Popkin BM, Adair LS, Ng SW (2012) Now and then: The global nutrition transition: The pandemic of obesity in developing countries. Nutr. Rev. 70: 1-27.

Poulain JP (2004) Sociologia da Alimentacao. Trad. Proenca RPdC, Rial CS, Conter J. UFSC. Florianopolis, Brasil. 288 pp.

Robinson D (2001) o15N as an integrator of the nitrogen cycle. Trends Ecol. Evol. 16: 153-162.

Schwarcz HP, Schoeninger MJ (1991) Stable isotope analyses in human nutritional ecology. Yearbook Phys. Anthropol. 34: 283-321.

Silva HP, James GD, Crews DE (2006) Blood pressure, seasonal body fat, heart rate, and ecological differences in Caboclo populations of the Brazilian Amazon. Am. J. Hum. Biol. 18: 10-22.

Sponheimer M, Robinson T, Ayliffe L, Roeder B, Hammer J, Passey B, West A, Cerling T, Dearing D, Ehleringer J (2003) Nitrogen isotopes in mammalian herbivores: hair o15N values from a controlled feeding study. Int. J. Osteoarchaeol. 13: 80-87.

Valente FLS (2002) Direito Humano a Alimentacao: Desafios e Conquistas. Cortez. Sao Paulo, Brasil. 137 pp.

Yoshinaga J, Minagawa M, Suzuki RO, Kawabe T, Inaoka T, Akimichi T (1996) Stable carbon and nitrogen isotopic composition of diet and hair of Gidra-speaking Papuans. Am. J. Phys. Anthropol. 100: 23-34.

Recebido: 23/01/2014. Modificado: 27/03/2015. Aceito: 30/03/2015.

Emanoella Delfino Figueiredo Reinaldo. Gestora Ambiental e Mestre em Ciencias Naturais, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Brasil. Endereco: Rua Dom Pedro II, 59618-110, Mossoro, RN, Brasil. e-mail: emanoelladelfino@hotmail.com

Marcia Regina Farias Da Silva. Doutora em Ecologia Aplicada, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", Universidade de Sao Paulo (ESALQ-USP), Brasil. Professora, UERN. Brasil. e-mail: marciaregina@uern.br

Gabriela Bielefeld Nardoto. Doutora em Ecologia Aplicada, ESALQ-USP, Brasil. Professora, Universidade de Brasilia, Brasil.

Maria Elisa De Paula Eduardo Garavello. Doutora em Ciencias Sociais, USP, Brasil. Professora, ESALQ-USP, Brasil.
TABELA I

ESTATISTICA DESCRITIVA DOS VALORES DAS AMOSTRAS DAS UNHAS
DE [[delta].sup.13]C, NAS LOCALIDADES DE NATAL, MOSSORO, RANCHO
DA CACA E RIACHINHO, NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, 2013

                            [delta]C ([per thousand])

Localidade                           95% IC
                                                            Desvio
                  N       Media     Inferior    Superior    padrao

Natal            100    -16,78 a     -16,95      -16,61      0,65
Mossoro           72    -17,11 a     -17,26      -16,96      0,75
Rancho da Caca    40    -16,78 a     -16,92      -16,64      0,61
Riachinho         40    -16,89 a     -17,01      -16,77      0,55

Medias seguidas de mesma letra nao diferem entre si a 5% de
probabilidade pelo teste de Tukey.

TABELA II

ESTATISTICA DESCRITIVA DOS VALORES DAS AMOSTRAS DAS UNHAS DE
[[delta].sup.15]N, NAS LOCALIDADES DE NATAL, MOSSORO, RANCHO
DA CACA E RIACHINHO NO ESTADO RIO GRANDE DO NORTE, 2013

                         [[delta].sup.15]N ([per thousand])

                                      95% IC
                                                             Desvio
Localidade         N       Media     Inferior    Superior    padrao

Natal             100     10,54 b      10,44       10,64      0,53
Mossoro            72     10,51 b      10,37       10,65      0,62
Rancho da Caca     40    10,41 ab      10,15       10,67      0,83
Riachinho          40     10,16 a      9,96        10,36      0,63

Medias seguidas de mesma letra nao diferem entre si a 5% de
probabilidade pelo teste de Tukey.

TABELA III

MEDIA DO VALOR [[delta].sup.13]C ([per thousand]) E A
PROPORCAO RELATIVA DE [C.sub.4] E [C.sub.3] NA DIETA, NAS
LOCALIDADES DE NATAL, MOSSORO, RANCHO DA CACA E
RIACHINHO NO ESTADO RIO GRANDE DO NORTE, 2013

                   Media [[delta].sup.13]C
Localidades         ([per thousand])       %[C.sub.4]   %[C.sub.3]

Natal                    -16,78              62,54        37,46
Mossoro                  -17,11              60,33        39,67
Rancho da Caca           -16,79              62,50        37,50
Riachinh                 -16,90              61,76        38,24
COPYRIGHT 2015 Interciencia Association
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:Reinaldo, Emanoella Delfino Figueiredo; Da Silva, Marcia Regina Farias; Nardoto, Gabriela Bielefeld;
Publication:Interciencia
Date:May 1, 2015
Words:6282
Previous Article:Morphometric variation between disjunct populations of Melipona scutellaris latreille, 1811 (Hymenoptera: Apidae)/Variacao morfometrica entre...
Next Article:Nutritional characterization of a lupine (Lupinus rotundiflorus) ensilage with maize stubble and the effect of its inclusion in the diet of Pelibuey...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters