Printer Friendly

Cerebral palsy dysphagia: a systematic review/Disfagia na paralisia cerebral: uma revisao sistematica.

INTRODUCAO

A paralisia cerebral (PC) e representada por um grupo de desordens caracterizadas por alteracao do movimento, da postura e do tonus. As desordens sao decorrentes de lesao nao evolutiva do sistema nervoso central, o que impede o desenvolvimento pleno desse sistema ainda no utero, durante o parto ou nos primeiros anos de vida. A lesao nao e progressiva e debilita de forma variavel a coordenacao da acao muscular, resultando na incapacidade da crianca em manter posturas e realizar movimentos normais, podendo com o decorrer do tempo, ter mudancas em suas manifestacoes clinicas. Ela e classificada pela localizacao corporal do comprometimento neuromotor, sendo que as mais comuns sao a tetraparesia, hemiparesia e diparesia e pelo tipo de alteracao de tonus e postura: atetoide, ataxico, hipotonico, espastico (que corresponde a cerca de 80% dos casos) e misto [1-3].

A maior causa de PC e anoxia perinatal por um trabalho de parto anormal ou prolongado. A segunda maior causa e a prematuridade. Com menor frequencia estao infeccoes pre-natais, como rubeola, toxoplasmose, citomegalovirus e as infeccoes pos-natais como as meningites. Os pacientes com PC sofrem diminuicao da oxigenacao cerebral, lesando areas do controle da degluticao [4].

Os disturbios motores de paralisia cerebral sao muitas vezes acompanhados por disturbios da sensacao, percepcao, cognicao, comunicacao e comportamento, pela epilepsia, e por perturbacoes musculo esqueleticas secundarias. Estes, podem acarretar alteracoes na degluticao uma vez que alteram as fases antecipatoria, preparatoria, oral, faringea e esofagica ocasionando limitacoes de atividade que sao atribuidas a disturbios nao progressivos que ocorrem no cerebro infantil em desenvolvimento [5].

As pessoas podem ter dificuldades nas acoes motoras como no ato de comer e engolir, dificultando a hidratacao e nutricao adequada, o que compromete portanto, o estado nutricional [2,6].

As dificuldades alimentares vao desde a imaturidade neurologica ate a interferencia do estado de humor e o preparo de seus cuidadores. Dentre as dificuldades mais encontradas, estao a disfagia para solidos e liquidos, as regurgitacoes e vomitos, o tempo prolongado para ofertar a refeicao e a constipacao intestinal. Estas manifestacoes sao consideradas fatores de risco para disturbios alimentares: pela alteracao motora da dinamica orofaringeana; pela falta de compreensao do contexto alimentar e dificuldade na acao motora voluntaria da fase oral, podendo alterar a sequencializacao da fase faringea; e pela gravidade da aspiracao traqueal [3].

Disturbios no processo da degluticao podem causar problemas na alimentacao, sendo estes transtornos chamados de disfagia. Esta, pode ser, entre outras causas, secundaria a alteracoes neurologicas que geram controle inadequado da fase oral, faringea ou esofagica da degluticao. As dificuldades alimentares podem causar a aspiracao de alimentos e liquidos para as vias aereas, o que e grande causa de morbidade e mortalidade na PC [7]. As dificuldades podem se desenvolver ou piorar na fase adulta e sao sugeridas mudancas na alimentacao e degluticao e que adultos, por exemplo, o uso de sonda para dar apoio a alimentacao. E necessario que cuidadores e profissionais estejam atentos monitorando os primeiros sintomas de dificuldades alimentares. As alteracoes digestorias altas podem desencadear deficit nutricional e problemas na curva de crescimento, maior numero de hospitalizacoes e necessidade de gastrostomia [3,4].

Na tentativa de evitar comprometimentos clinicos e nutricionais, as criancas com paralisia cerebral que apresentam alteracoes na degluticao sao encaminhadas para terapia fonoaudiologica em disfagia, com o objetivo de promover uma maior funcionalidade na alimentacao e de verificar se a via de alimentacao utilizada encontra-se segura e eficiente para cada crianca [8]. O fonoaudiologo, em sua avaliacao, deve estar atento a todos os musculos e funcoes orofaciais. Nao deixando de orientar tambem quanto a postura e ao posicionamento do paciente durante a avaliacao [4].

Torna-se necessaria a presenca de uma equipe interdisciplinar que tenha conhecimento dessas alteracoes e que seja capacitada para o tratamento adequado dessas condicoes, prevenindo as repercussoes nutricionais e da saude desses individuos. Alteracoes no crescimento global, como obesidade e desnutricao, ainda representam desafios no atendimento de criancas com PC, tanto para o pediatra quanto para as equipes especializadas. Essas deficiencias nutricionais podem somar prejuizos no desenvolvimento motor e cognitivo, na socializacao, na funcao psicologica, na utilizacao de servicos de saude e necessidade de internacoes e na saude global em individuos que ja possuem todas essas esferas bem comprometidas [9].

E importante ressaltar que, alem das alteracoes do movimento, e preciso que seja investigada a presenca de outros disturbios como as anomalias cognitivas, visuais, auditivas, linguisticas, sensitivas corticais, de atencao, vigilia e comportamento, epilepsia, disfuncoes hormonais, problemas ortopedicos, gastrointestinais e retardo do crescimento. As criancas com PC podem apresentar disturbios gastrointestinais e dificuldades para alimentacao que repercutem diretamente em seu crescimento e qualidade de vida. Praticamente todos os individuos com PC apresentam algum grau de alteracoes digestorias ou do estado nutricional em algum momento de suas vidas, visto que a conexao neurologica com o trato digestorio e de primordial importancia. Portanto, uma boa relacao da terapia fonoaudiologica com o paciente e a sua familia, e necessaria para o alcance dos objetivos terapeuticos [3]. O objetivo do artigo foi investigar a contribuicao e novas descobertas da Fonoaudiologia e de outros profissionais na melhoria da intervencao e analise clinica compreendendo as caracteristicas das alteracoes da degluticao desta populacao por meio de uma revisao sistematica da literatura.

METODOS

Selecao dos estudos, criterios de inclusao e extracao dos dados. Para o levantamento dos descritores, utilizou-se o vocabulario estruturado e bilingue (ingles/postugues)-Descritores em Ciencias da Saude (DeCS). De tal modo a metodologia adotada nesse trabalho foi a revisao sistematica, estudo que serve para direcionar o desenvolvimento de projetos, norteando futuras investigacoes a partir de metodos de pesquisa existentes na area da Fonoaudiologia Hospitalar.

Foram considerados apenas os trabalhos publicados no periodo de 2009 a 2017, e utilizou-se como estrategia metodologica uma busca eletronica nas bases de dados: SciELO-Brasil e Medline/Pubmed. Foram utilizados os seguintes criterios de exclusao de artigos: trabalhos cuja populacao de estudo fosse composta por adultos (Figura 1). Foram incluidos aqueles que traziam a disfagia associada a paralisia cerebral; e dificuldades alimentares na paralisia cerebral. Para obtencao dos resultados, usaram-se os descritores: Paralisia Cerebral e Disfagia, bem como os seguintes cruzamentos: Motricidade orofacial & Fonoaudiologia e em ingles os seguintes descritores: Cerebral Palsy e Deglutition Disorders.

Na busca, foram avaliados e selecionados apenas artigos cujo pertencessem ao tema proposto. Os dados de cada um dos artigos potencialmente relevantes para a revisao sistematica foram coletados por meio de uma ficha protocolar contendo: Criterios de elegibilidade, metodo, tipo do estudo, tipo de intervencoes e desfechos mensurados e resultados obtidos. Os artigos selecionados para analise foram os que apresentavam nivel de evidencia:

* Revisoes sistematicas

* Estudos controlados

* Estudos de intervencao

Vale ressaltar que, de acordo com os principios da revisao sistematica, apenas estudos com niveis de evidencia 1 e 2 devem ser selecionados. Assim, esse trabalho foi desenvolvido por meio dos seguintes passos metodologicos: inicialmente aconteceu a selecao eletronica; classificando os artigos; em seguida foi realizada a analise e classificacao com base no tema Disfagia e Paralisia Cerebral

REVISAO DA LITERATURA

Desta forma, vinte e tres trabalhos atenderam ao criterio escolhido neste trabalho, tendo sido selecionados, procedendo-se a leitura de todos na integra a fim de se identificar o ano de publicacao, amostra e instrumentos utilizados (Figura 2).

O tema ausencia de material empirico compareceu apenas em um artigo e faz referencia ao resultado/ beneficio das intervencoes e tecnicas empregadas durante a alimentacao e a degluticao nas criancas com paralisia cerebral. O artigo confirma que sao necessarios dados empiricos e comparou as intervencoes sensorio-motoras orais de dois estudos envolvendo criancas com PC. Os autores afirmam ser impossivel comparar tratamentos que utilizam abordagens diferentes, com diferentes duracoes e intensidade. As intervencoes durante a alimentacao podem promover a funcao motora oral, mas estas nao comprovam serem eficazes na alimentacao/nutricao, devendo serem avaliados criticamente antes de serem inseridos na terapia [10].

O tema degluticao compareceu em 02 artigos. Em um, os autores buscaram documentar a prevalencia e os padroes de disfagia orofaringea em criancas pre-escolares com paralisia cerebral (PC), associando com a eficiencia da alimentacao. Em 93,8% das criancas as deficiencias de fase oral compareciam na mastigacao e degluticao, e as alteracoes foram associadas ao declinio da funcao motora grossa. No outro, referem que os padroes motores orais das criancas com PC variam de sujeito a sujeito, e que as alteracoes na funcao motora oral podem gerar um espectro de incapacidades em cada etapa do processo de degluticao, resultando em desnutricao, desidratacao, aspiracao e pneumonia [4,11,12].

O tema funcao motora oral e intervencao terapeutica compareceu em 02 artigos. Em um os autores chegaram a conclusao de que a terapia sensorio-motora oral pode ser efetiva em promover a funcao motora oral, porem pode nao ser em promover a eficiencia da alimentacao por via oral, ingesta calorica e ganho de peso. Nesse estudo, a diminuicao da presenca dos sinais sugestivos de penetracao e/ou aspiracao laringo traqueal, pode ter sido decorrente das orientacoes dadas aos cuidadores a respeito da postura, volume e consistencias alimentares mais seguras, alem da atuacao fonoaudiologica propriamente dita que, por meio de estimulacoes, manuseios e treinos de alimentacao, promoveram uma maior funcionalidade da degluticao [12]. No outro, a orientacao aos cuidadores sobre como posturar o paciente na hora da alimentacao faz-se extremamente necessaria devido a necessidade de adequado controle motor para a alimentacao [4].

Dos artigos que abordaram a disfagia, a avaliacao da disfagia e ingestao alimentar em PCs foi tema presente em 14 artigos. Descrevem o processo avaliativo, que sinaliza as questoes funcionais e anatomicas importantes relacionados com problemas de degluticao em criancas com paralisia cerebral.

Um dos artigos trouxe uma avaliacao da disfagia por meio de protocolos especificos coletados durante a entrevista e observacao da ingestao de diferentes consistencias de alimentos. Fizeram uso dos dados da ausculta cervical e oximetria de pulso, tosse ou engasgo durante ou depois da degluticao, habilidades motoras orais deficientes, atraso na resposta faringea, degluticoes multiplas, aumento da secrecao ou estridor em vias aereas superiores durante ou depois da degluticao e ritmo respiratorio modificado. Verificaram que a ingestao alimentar satisfatoria e limitada e ameaca a saude das criancas por fatores como imaturidade neurologica, a interferencia do estado de humor e o preparo dos cuidadores, alem das peculiaridades dos individuos com PC (dificuldades do posicionamento, alteracao do movimento e deformidades; epilepsia, alteracoes dentarias, atraso cognitivo e da linguagem que dificulta a comunicacao sobre fome e preferencias alimentares; dietas oferecidas em consistencia pastosa, tornando a refeicao monotona e com risco de perda de nutrientes no seu preparo, dentre outros).

Os autores de outro artigo descrevem as dificuldades alimentares (disfagia) em criancas com PC, o processo de avaliacao clinica e complementar e o tratamento fonoaudiologico, que visa estabelecer o posicionamento e tipos de utensilios, ajuste das consistencias alimentares, indicacao do uso do espessante e diminuicao do volume fracionado que e oferecido em cada oferta alimentar. Nesse artigo a disfagia e caracterizada pela presenca de sinais como tosse ou hipoxemia durante ou apos alimentacao; regurgitacao nasal; escape extraoral; coordenacao motora oral deficiente; atraso na resposta faringea para elucidar o reflexo da degluticao; multiplas degluticoes; aumento da secrecao em vias aereas; fadiga durante ou apos a alimentacao; estridor de liquido em vias aereas superiores durante ou apos alimentacao; apneia ou dispneia durante alimentacao; modificacao do ritmo respiratorio; lacrimejamento dos olhos, pigarro, caretas; tempo prolongado para degluticao e ingestao da refeicao (45-60 min); presenca de residuos na cavidade oral; protrusao da lingua; inclinacao da cabeca, opistotono, diplopia, halitose.

Um dos artigos abordou a avaliacao fonoaudiologica clinica como instrumento de investigacao na disfagia orofaringea que, embora possua acuracia variavel e distinta confiabilidade entre examinadores, pode levar o clinico a valorizar qualquer sinal de risco, na tentativa de ser mais sensivel na identificacao de aspiracao laringotraqueal silente. Constataram que a avaliacao fonoaudiologica clinica da disfagia orofaringea na ECNP apresenta maior sensibilidade que especificidade e que sao necessarios novos estudos para identificar preditores clinicos de aspiracao silente e aumentar a especificidade deste instrumento nesta populacao.

Um outro artigo buscou verificar o tempo de preparo e de transito oral da degluticao de criancas com paralisia cerebral e relaciona-lo ao grau de severidade da disfagia e ao nivel motor, de acordo com o Gross Motor Function Classification System. A media do tempo de degluticao foi de 1,33 segundos para a consistencia liquida e de 3,33 segundos para a consistencia pastosa. Constatou-se que quanto maior o nivel motor do grupo de criancas, maior o tempo de degluticao para a consistencia liquida e foi encontrada uma diferenca significativa entre os grupos para as duas consistencias, com aumento progressivo do tempo de degluticao quanto maior o comprometimento da funcao de degluticao. O tempo de transito oral nas criancas com paralisia cerebral mostrou-se maior e representando a gravidade da disfagia apresentada, demonstrando que quanto maior o comprometimento motor global apresentado, maior o tempo de transito oral [1,3,9,11,13-20].

O tema consequencias manifestacoes digestorias foi descrito em 07 artigos. Neles e confirmada a sentenca de que as alteracoes digestorias altas podem desencadear quadros de infeccoes respiratorias de repeticao, insuficiente aporte nutricional, deficit nutricional na curva de crescimento, maior numero de hospitalizacoes e necessidade de gastrostomia [1,10,1115,18-21]

As complicacoes pulmonares/aspiracao em criancas com PC foi referido em 03 artigos que abordaram a disfagia e o risco de aspiracao em criancas com paralisia cerebral. A disfagia e as potenciais consequencias pulmonares e o estado de nutricao/desnutricao provocam momentos de refeicoes estressantes. Dessa forma, criancas com disfagia de grau moderado e grave necessitam de uma intervencao multiprofissional devido comprometimento gastrointestinal, quadro pulmonar, nutricao/hidratacao, habilidades sensorio-motoras orais, questoes comportamentais e interacoes familiares [3,10,11].

A eosinofilia foi tema especifico de 01 artigo, e abordam a esofagite eosinofilica em pacientes com PC. Esse tipo de esofagite e definida por sintomas de disturbios esofagicos, inflamacao predominantemente eosinofilica restrita ao esofago e que geram a disfagia esofagica. O diagnostico precoce de esofagite eosinofilica e imprescindivel em pacientes com paralisia cerebral e deve ser feito de forma cuidadosa, devendo levar em conta os criterios regulares, pois a frequencia da esofagite eosinofilica em pacientes com paralisia cerebral encontrada neste estudo foi elevada, quando comparada a presenca de esofagite eosinofilica na populacao em geral. Sao necessarios mais estudos para estabelecer um diagnostico especifico, e um tratamento em pacientes com paralisia cerebral e eosinofilia esofagica [21].

O tema relacionado a intervencao fonoaudiologica/reabilitacao esteve presente em 10 artigos que descrevem um plano para fornecimento de orientacoes, abordagem de investigacao e tratamento de problemas de degluticao em paralisia cerebral. As acoes educativas sao abordadas como sendo essenciais para favorecer a aderencia ao tratamento fonoaudiologico, e voltadas aos cuidadores de pacientes disfagicos. Elas estao associadas ao processo terapeutico, englobando a sensibilizacao e capacitacao dos cuidadores, auxiliando-os a lidar com as questoes funcionais relacionadas a alimentacao, ou seja, com o manuseio oral, tipo de dieta, utensilios, modo de oferta, postura, sinais de dificuldade e estrategias compensatorias.

Em um dos artigos, os cuidadores sao orientados em relacao a manutencao diaria da estimulacao, otimizando os resultados terapeuticos. No estudo envolvendo criancas com ECNP e seus cuidadores foi observada melhora no conhecimento e conduta dos cuidadores quanto a alimentacao de seus filhos, apos os cuidadores serem submetidos a uma acao educativa voltada para a alimentacao de criancas disfagicas. O papel da fonoaudiologia foi descrito como sendo fundamental na orientacao, educacao de familiares e cuidadores, e na terapia destes pacientes. Um dos artigos objetivou verificar os indicadores de evolucao na funcao de alimentacao e na estabilidade clinica de criancas portadoras de PC tetraparetica espastica que se submeteram a fonoterapia para reabilitacao da disfagia orofaringea. Observou-se uma evolucao na funcao alimentar e melhora na estabilidade clinica de criancas submetidas a fonoterapia. Houve diminuicao da presenca dos sinais sugestivos de penetracao e/ ou aspiracao laringo traqueal, decorrente das orientacoes dadas aos cuidadores a respeito da postura, volume e consistencias alimentares mais seguras, alem da atuacao fonoaudiologica propriamente dita que, por meio de estimulacoes, manuseios e treinos de alimentacao, promovem uma maior funcionalidade da degluticao. Apos a intervencao junto a equipe multidisciplinar em disfagia, de acordo com os dados deste estudo, houve a diminuicao da severidade da disfagia orofaringea e da presenca dos sinais sugestivos de penetracao e/ou aspiracao laringotraqueal, assim como maior estabilidade clinica devido a diminuicao dos episodios de BCP, e do aumento do peso.

Um outro estudo buscou mensurar a eficacia da intervencao fonoaudiologica dentro de uma equipe multidisciplinar em casos de disfagia orofaringea em criancas com paralisia cerebral coreoatetoide. Esse estudo mostrou que, em virtude da diferenca do comprometimento motor global e do melhor desempenho cognitivo, apesar da intervencao fonoaudiologica poder promover maior eficacia do processo de degluticao, algumas criancas mantem a necessidade do uso da via alternativa de alimentacao, nao so pelo risco de comprometimento pulmonar, mas pela necessidade de maior suporte nutricional, visto que a alimentacao por via oral nestas criancas normalmente demanda maior tempo e compensacoes.

Um outro artigo buscou identificar os metodos de reabilitacao existentes, na area da disfagia, nos casos de paralisia cerebral, com enfase na busca por pesquisas que utilizaram os metodos neuro evolutivo Bobath, metodo Rodolfo Castillo Morales, terapia sensorio motora orofacial e educacao continuada. O artigo concluiu que ainda sao poucas as pesquisas que englobam a (re)habilitacao destas criancas no que diz respeito aos tratamentos das disfagias orofaringeas [22]. Nesta pesquisa foram encontradas apenas 22 publicacoes, entre 310 que falam de doencas neurologicas e disturbios da degluticao, que realmente enfocam a terapia fonoaudiologica. Dentre os artigos encontrados apenas 02 (9%) sao nacionais, o que demonstra uma preocupacao limitada dos pesquisadores brasileiros em investigar a eficiencia dos metodos de reabilitacao da disfagia orofaringea em criancas portadoras de paralisia cerebral [4,6,12-16,23,24].

CONCLUSAO

As Inumeras e recentes descobertas da neurociencia acerca do desenvolvimento e processamento das informacoes no cerebro estao contribuindo para o entendimento da aprendizagem. O Fonoaudiologo e os demais profissionais envolvidos no aperfeicoamento e reabilitacao das funcoes cognitivas tem criado melhores condicoes de intervencao e analise. Diante dos artigos analisados e visivel a necessidade de mais pesquisas sobre aspectos clinicos e propostas terapeuticas mais especificas as questoes de reflexos patologicos e neuropatologia.

doi: 10.1590/1982-021620171944317

REFERENCIAS

[1.] Gonzalez Jimenez D, Diaz Martin JJ, Bousono Garcia C, Jimenez Trevino S. Patologia gastrointestinal en ninos con paralisis cerebral infantil y otras discapacidades neurologicas. An. Pediatria. 2010;73(6):361:-6.

[2.] Haak P, Lenski M, Hidecker MJC, Li M, Paneth N. Cerebral palsy and aging. Dev. Med. Child Neurol. 2009;51(4):16-23.

[3.] Araujo LA, Silva LR, Mendes FAA. Digestive tract neural control and gastrointestinal disorders in cerebral palsy. J. Pediatr. 2012;88(6):455-64.

[4.] Vianna CIO, Suzuki HS. Cerebral palsy: analysis of swallowing patterns before and after speech therapy intervention. Rev. CEFAC. 2011;13(5):790-800.

[5.] Marrara JL, Duca AP, Dantas RO, Trawitzki LVV, Lima RAC, Pereira JC. Swallowing in children with neurologic disorders: clinical and videofluoroscopic evaluations. Rev Pro-Fono Atual. Cientif. 2009;20(4):231-6.

[6.] Hirata GC, Santos RS. Rehabilitation of oropharyngeal dysphagia in children with cerebral palsy: A systematic review of the speech therapy approach. Int. Arch. Otorhinolaryngol. 2012;16(3):396-9.

[7.] Furkim AM, Behlau MS, Weckx LLM. The use of cervical auscultation in tracheal aspiration in children with cerebral palsy. Rev. CEFAC. 2009;11(4):624-9.

[8.] Clancy KJ, Hustad KC. Longitudinal changes in feeding among children with cerebral palsy Between the ages of 4 and 7 years. Dev. Neurorehabilitation. 2011;14(4):191-8.

[9.] Araujo LA, Silva LR. Anthropometric assessment of patients with cerebral palsy: which curves are more appropriate? J. Pediatr. 2013;89(3):307-14.

[10.] Arvedson JC. Feeding children with cerebral palsy and swallowing difficulties. Eur. J. Clin. Nutr. 2013;67:S9-S12.

[11.] Benfer KA, Weir KA, Bell KL, Ware RS, Davies PS, Boyd RN. Oropharyngeal dysphagia in preschool children with cerebral palsy: oral phase impairments. Res. Dev. Disabil. 2014;35(12):3469-81.

[12.] Benfer KA, Weir KA, Bell KL, Ware RS, Davies PS, Boyd RN. Oropharyngeal Dysphagia and Gross Motor Skills in Children With Cerebral Palsy. Pediatrics. 2014;131(5):1553-62.

[13.] Silverio CC, Henrique CS. Indicadores da evolucao do paciente com paralisia cerebral e disfagia orofaringea apos intervencao terapeutica. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2009;14(3):381-6.

[14.] Otapowicz D, Sobaniec W, Okurowska-Zawada B, Artemowicz B. Dysphagia in children with infantile cerebral palsy. Adv. Med. Sci. 2010;55(2):222-7.

[15.] Santos RRD, Sales AVMN, Cola PC, Jorge AG, Peres FM, Furkim AM et al. Accuracy of clinical swallowing evaluation for oropharyngeal dysphagia in cerebral palsy. Rev. CEFAC. 2014;16(1):197-201.

[16.] Erasmus CE, van Hulst K, Rotteveel JJ, Willemsen MAAP, Jongerius PH. Clinical practice: swallowing problems in cerebral palsy. Eur. J. Pediatr. 2012;171(3):409-14.

[17.] Kuperminc MN, Gottrand F, Samson-Fang L, Arvedson J, Bell K, Craig GM et al. Nutritional management of children with cerebral palsy: a practical guide. Eur. J. Clin. Nutr. 2013;67(2):21-3.

[18.] Lucchi C, Florio CPF, Silverio CC, Reis TM. Incidencia de disfagia orofaringea em pacientes com paralisia cerebral do tipo tetrapareticos espasticos institucionalizados. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. 2009;14(2):172-6.

[19.] Lustre NS, Freire TRB, Silverio CC. Temporal measurements of oral transit time in children with cerebral palsy of different levels motors and the relationship with the severity of dysphagia. Audiol. Commun. Res. 2013;18(3):155-61.

[20.] Kantarcigil C, Sheppard JJ, Gordon AM, Friel KM, Malandraki GA. A telehealth approach to conducting clinical swallowing evaluations in children with cerebral palsy. Research in Developmental Disabilities. 2016; 55:207-217.

[21.] Napolis ACR, Alves FA, Rezende ER, Segunda GR. Esophageal eosinophilia in pediatric patients with cerebral palsy. Einstein. 2015;13(2):232-7.

[22.] O'Flaherty SJ, Janakan V, Morrow AM, Scheinberg AM, Waugh MCA. Adverse events and health status following botulinum toxin type A injections in children with cerebral palsy. Dev. Med. Child Neurol. 2011;53(2):125-30.

[23.] Oliveira L, Valarelli LP, Caldas CAT, Nascimento WV, Dantas RO. Therapeutic intervention and family acceptance in a case of child with cerebral palsy. Rev. CEFAC. 2015;17(1):286-90.

[24.] Silverio CC, Henrique CS. Patient with choreoathetoid cerebral palsy: post therapeutic intervention. Rev. CEFAC. 2010;12(2):250-6.

Edenia da Cunha Menezes (1) Flavia Aparecida Hora Santos (1) Flavia Lobo Alves (1)

(1) Universidade Federal de Sergipe, Sao Cristovao, SE, Brasil.

Fonte de Auxilio: FAPITEC

Conflito de interesses: inexistente

Recebido em: 19/03/2017

Aceito em: 16/06/2017

Endereco para correspondencia:

Edenia Menezes Av. Joao Ouro n. 100, edf Canto Belo, bloco Sabia, apartameto 703-Sao Cristovao, SE, Brasil.

CEP: 49095-180

E-mail: edeniamenezes@gmail.com
Figura 1. Criterios para identificacao do estudo

BASE DE DADOS    ENCONTRADOS    INCLUIDOS   EXCLUIDOS
                                             Por nao
                                             abrirem

SCIELO                8             8           0
PUBMED               203           15           4

BASE DE DADOS    EXCLUIDOS     TOTAL
                  Por nao       DE
                pertencerem   ARTIGOS
                  ao tema

SCIELO               0           8
PUBMED              183         16

TOTAL DE ARTIGOS ANALISADOS: 23

Figura 2. Artigos analisados na revisao sistematica

ESTUDO                       TIPO DE ESTUDO        METODOLOGIA

Haak e Peterson, 2009.          Revisao       Revisao mostrando
  Cerebral palsy and aging                      dados
                                                epidemiologicos,
                                                mortalidade,
                                                aspectos motores,
                                                expectativa de
                                                vida e qualidade
                                                de vida de adultos
                                                com PC.
Gonzalez e Jimenez, 2010.       Revisao       Analise da
  Patologia                                     fisiopatologia,
  gastrointestinal                              diagnostico e
  enninosconparalisis                           tratamento das
  cerebral infantil y                           principais
  otrasdiscapa-cidades                          complicacoes
  neurologicas                                  nutricionais e
                                                digestivas dos
                                                pacientes.
Otapowicz, 2010. Dysphagia    Transversal     Avaliou 67 criancas
  in Children with                              com paralisia
  Infantile Cerebral Palsy                      cerebral
                                                espastica, analise
                                                clinica e funcional
                                                da degluticao
Furkim, 2009. The use of     Retrospectivo    Analise de 101
  cervical auscultation                         prontuarios de
  in tracheal aspiration                        criancas, na faixa
  in children with                              etaria de 1 a 12
  cerebral palsy                                anos com
                                                diagnostico de
                                                paralisia cerebral
                                                tetraparetica
                                                espastica.
Hirata, 2012.                   Revisao       Revisao Sistematica
  Rehabilitation of                             sobre reabilitacao
  oropharyngeal dysphagia                       da disfa-gia
  in children with                              orofaringea em
  cerebral palsy: A                             criancas com PC,
  systematic review of                          abrangendo periodo
  the speech therapy                            de 1977 a 2010,
  approach                                      sem exclusao por
                                                lingua ou
                                                nacionalidade.
Lucchi, 2009. Incidencia     Retrospectivo    Estudo com 140
  de Disfagia Orofaringea                       pacientes com
  Em Pacientes Com                              paralisia cerebral
  Paralisia Cerebral Do                         do tipo
  Tipo Tetrapa-reticos                         tetraparesia
  Espasticos                                    espastica do setor
  Institucionalizados                           de Fonoaudiologia
                                                da Associacao Cruz
                                                Verde de Sao Paulo
                                                levantando dados
                                                do prontuario
                                                medico sobre a
                                                degluticao.
Lustre, 2013. Temporal       Retrospectivo    Trabalho realizado
  measurements of oral                          no Setor de
  transit time in children                      Fonoaudiologia,
  with cerebral palsy of                        Associacao de
  different levels motors                       Assistencia a
  and the relationship                          Crianca Deficiente
  with the severity of                          --AACD, com 50
  dysphagia                                     criancas com PC
                                                (media de 3,6
                                                anos). Foi
                                                realizada
                                                avaliacao
                                                fonoaudiologica
                                                clinica da
                                                degluticao.
Araujo, 2013,                 Transversal     Estudo com 187
  Anthropometric                                individuos com
  assessment of patients                        paralisia
  with cerebral palsy:                          cerebral,
  which curves are more                         avaliando dados
  appropriate?                                  antropometricos,
                                                descricao da
                                                presenca de
                                                disfagia,
                                                obstipacao e
                                                infeccoes
                                                respiratorias.
Arvedson, 2013. Feeding         Revisao       Revisao direcionada
  children with cerebral                        na disfagia em
  palsy and swallowing                          criancas com
  difficulties                                  paralisia
                                                cerebral: tipos
                                                de deficits,
                                                avaliacao clinica
                                                e instrumental,
                                                tomada de decisao
                                                de gestao e
                                                evidencia de
                                                eficacia de
                                                intervencoes.
Araujo, 2012. Digestive         Revisao       Revisao sistematica
  tract neural control                          de 1997 a 2012 das
  and gastrointestinal                          bases de dados
  disorders in cerebral                         MEDLINE, LILACS,
  palsy                                         SciELO e Cochrane
                                                Library..Os termos
                                                pesquisados foram:
                                                paralisia
                                                cerebral,
                                                disfagia, doenca
                                                do refluxo
                                                gastroesofa-gico
                                                e gastrostomia.
Kuperminc, 2013.             Retrospectivo    Estudo mostrando as
  Nutritional management                        evidencias e as
  of children with                              melhores praticas
  cerebral palsy                                em torno do manejo
                                                nutricional
                                                de criancas com
                                                Paralisia cerebral
                                                (PC) com
                                                sugestoes,
                                                especificidades
                                                quanto a avaliacao
                                                nutricional.
Benfer, et al, 2014.             Estudo       Estudo de base
  Oropharyngeal Dysphagia     Transversal       populacional.
  and Gross Motor Skills                        Participaram
  in Children With                              criancas com
  Cerebral Palsy                                diagnostico de
                                                paralisia
                                                cerebral,
                                                avaliadas por meio
                                                de 2 medidas
                                                diretas de OPD
                                                (Tabela de
                                                Avaliacao do Motor
                                                Oral, Pesquisa de
                                                Disturbios de
                                                Disfagia) e
                                                observacoes de
                                                sinais sugestivos
                                                de deficiencia na
                                                fase faringea e
                                                controle
                                                prejudicado da
                                                saliva (GMFCS).
Benfer, et al, 2014.             Estudo       Estudo sobre a
  Oropharyngeal dysphagia     transversal       prevalencia e os
  in preschool children                         padroes de disfa-
  with cerebral palsy:                          gia orofaringea
  oral phase impairments                        (DPO) em criancas
                                                pre-escolares com
                                                paralisia cerebral
                                                (CP), e sua
                                                associacao com a
                                                duracao, a
                                                frequencia e a
                                                eficiencia das
                                                refeicoes. Foram
                                                130 criancas com
                                                diagnostico de CP
                                                em 18-36 meses e
                                                40 criancas com
                                                desenvolvimento
                                                tipico.
Erasmus, et al, 2012.          Revisao de     Revisao que descreve
  Clinical practice:           literatura       importantes
  swallowing problems in                        questoes
  cerebral palsy                                funcionais e
                                                anatomicas
                                                relacionadas a
                                                problemas de
                                                degluticao em
                                                criancas com PC
                                                com base em
                                                Literatura e
                                                opiniao de
                                                especialistas.
Silverio, et al, 2009.       Retrospectivo    Foram consultados os
  Indicadores da evolucao                       prontuarios de
  do paciente com                               pacientes que se
  paralisia cerebral e                          submeteram a
  disfagia orofa-ringea                         terapia
  apos intervencao                              fonoaudiologica
  terapeutica                                   para reabilitacao
                                                funcional da
                                                degluticao no
                                                setor de
                                                Fonoaudiologia nos
                                                anos de 2004 e
                                              2005
Silverio, et al, 2010.       Retrospectivo    O estudo buscou
  Paciente com paralisa                         verificar a
  cerebral coreoatetoide:                       eficacia da
  evolucao clinica pos-                         intervencao
  interven-cao                                  terapeutica na
                                                funcao de
                                                degluticao e na
                                                estabilidade
                                                clinica de
                                                criancas
                                                portadoras de
                                                paralisia cerebral
                                                (PC) coreoatetoide
                                                com disfagia
                                                orofaringea.
Vianna, 2011. Cerebral        Longitudinal    O presente estudo
  palsy: analysis of                            objetivou analisar
  swallowing patterns                           os padroes da
  before and after speech                       degluticao antes e
  therapy intervention.                         apos intervencao
                                                fonoau-diologica
                                                em um grupo de
                                                criancas com
                                                Paralisia Cerebral
                                                que apresentam
                                                quadro de Disfagia
Clancy, 2011. Longitudinal    Longitudinal    O estudo buscou
  changes in feeding                            analisar as
  among children with                           diferencas de
  cerebral palsy Between                        alimentacao entre
  the ages of 4 and 7 year                      criancas com
                                                paralisia
                                                cerebral. Os dados
                                                de alimentacao
                                                foram coletados
                                                dos questionarios
                                                dos pais aos
                                                intervalos de 6
                                                meses ao longo de
                                                30 meses.
Napolis, 2015. Esophageal        Estudo       O estudo avaliou os
  eosinophilia in             transversal,      prontuarios
  pediatric patients with    retrospectivo      medicos de
  cerebral palsy             e descritivo.      pacientes
                                                pediatricos com
                                                diagnostico de
                                                paralisia cerebral
                                                e esofagite
                                                eosinofilica
                                                atendidos em um
                                                centro terciario
                                                de
                                                gastrenterologia
                                                pediatrica, entre
                                                agosto de 2005 e
                                                agosto de 2013
Oliveira, 2015.              Estudo de caso   O estudo teve como
  Therapeutic                                   objetivo descrever
  intervention and family                       o caso de uma
  acceptance in a case of                       crianca de 5 anos
  child with cerebral                           com encefalopatia
  palsy                                         cronica nao
                                                progressiva e
                                                disfagia desde o
                                                nascimento.
Santos, 2014. Accuracy of     Transversal     UNESP 45 individuos
  clinical swallowing                           com ECNP e
  evaluation for                                disfagia
  oropharyngeal dysphagia                       orofaringea, sendo
  in cerebral palsy                             28 do sexo
                                                masculino e 17 do
                                                sexo feminino,
                                                faixa etaria
                                                variando de 3 a
                                                19 anos. Estudo 45
                                                individuos com
                                                ECNP e disfagia
                                                orofaringea, sendo
                                                28 do sexo
                                                masculino e 17 do
                                                sexo feminino,
                                                faixa etaria
                                                variando de 3 a 19
                                                anos. A avaliacao
                                                clinica da
                                                degluticao
                                                utilizou protocolo
                                                especifico e a
                                                videofluoroscopia
                                                de degluticao.
Waugh, 2011. Adverse         Estudo clinico   O objetivo deste
  events and health                             estudo foi avaliar
  status following                              as mudancas no
  botulinum toxin type A                        estado de saude
  injections in children                        antes e depois,
  with cerebral palsy                           bem como os
                                                eventos adversos
                                                apos, injecoes de
                                                toxina botu-linica
                                                tipo A (BoNT-A) em
                                                criancas com
                                                paralisia cerebral
                                                (CP).
Marraca, 2009. Swallowing    Retrospectivo    analise
  in children with                              retrospectiva de
  neurologic disorders:                         24 protocolos de
  clinical and                                  avaliacao
  videofluoroscopic                             fonoaudiologica e
  evaluations                                   prontuarios
                                                medicos de
                                                criancas de ambos
                                                os sexos,
                                                encaminhadas para
                                                avaliacao clinica
                                                e
                                                videofluoroscopica
                                                da degluticao no
                                                Hospital das
                                                Clinicas da
                                                Faculdade de
                                                Medicina de
                                                Ribeirao Preto--
                                                Universidade de
                                                Sao Paulo, no
                                                periodo de janeiro
                                                de 2001 a junho
                                                de 2005
Kantarcigil, 2016. A          Transversal     Testou a
  telehealth approach to                        confiabilidade de
  conducting clinical                           um modelo
  swallowing evaluations                        assincrono para
  in children with                              avaliacao da
  cerebral palsy                                disfagia Em
                                                criancas com PC
                                                usando uma
                                                avaliacao clinica
                                                padronizada.
                                                Metodos e
                                                procedimentos:
                                                dezesseis criancas
                                                (faixa etaria
                                                6,9-17,5) foram
                                                avaliadas em tres
                                                clinicos.

ESTUDO                                    RESULTADOS

Haak e Peterson, 2009.       Por esta pesquisa ser totalmente
  Cerebral palsy and aging     informativa para os profissionais,
                               familias e pessoas com PC. Mostra
                               que falta de provas com base na
                               terapia e para qualidade de vida
                               em adultos com PC.

Gonzalez e Jimenez, 2010.    Todos os pacientes com PC
  Patologia                    apresentam sintomas
  gastrointestinal             gastrointestinais ou alteracoes
  enninosconparalisis          do seu estado nutricional em
  cerebral infantil y          algum momento da sua vida.
  otrasdiscapa-cidades
  neurologicas

Otapowicz, 2010. Dysphagia   Mostrou que mais de 50% das
  in Children with             criancas apresentam disfagia,
  Infantile Cerebral Palsy     sendo necessaria a avaliacao e
                               estimulacao precoce dessas
                               criancas com PC.

Furkim, 2009. The use of     Os resultados estatisticos mostraram
  cervical auscultation        que ha relacao significante entre
  in tracheal aspiration       a ausculta cervical positiva e a
  in children with             penetracao ou aspiracao laringea
  cerebral palsy               constatada na videofluoroscopia
                               da degluticao e que a ausculta
                               cervical negativa esta mais
                               associada a nao penetracao/
                               aspiracao.
Hirata, 2012.                Foram encontrados 408 artigos no
  Rehabilitation of            total. Desses, foram incluidos na
  oropharyngeal dysphagia      pesquisa 310 nao repetidos.
  in children with             Dentre os 310 apenas 22 abordavam
  cerebral palsy: A            a atuacao fonoaudiologica nas
  systematic review of         disfagias orofa-ringeas em
  the speech therapy           criancas com PC.
  approach

Lucchi, 2009. Incidencia     Verificou-se presenca de disfagia
  de Disfagia Orofaringea      orofaringea em diferentes graus,
  Em Pacientes Com             sendo encontrada a degluticao
  Paralisia Cerebral Do        funcional na maioria dos
  Tipo Tetrapa-reticos        pacientes (40%). Dos pacientes
  Espasticos                   com degluticao funcional e
  Institucionalizados          disfagia leve, a maioria, 65% e
                               50%. Daqueles com disfagia
                               moderada, 66,7% recebem dieta na
                               consistencia semi-liquida, e
                               94,7% de pacientes com disfagia
                               grave fazem uso de via
                               alternativa de alimentacao.
Lustre, 2013. Temporal       A media do tempo de degluticao foi
  measurements of oral         de 1,33 segundos para a
  transit time in children     consistencia liquida e de 3,33
  with cerebral palsy of       segundos para a consistencia
  different levels motors      pastosa. Encontrada diferenca
  and the relationship         significativa entre os grupos
  with the severity of         para as duas consistencias, com
  dysphagia                    aumento progressivo do tempo de
                               degluticao quanto maior o
                               comprometimento da funcao de
                               degluticao.

Araujo, 2013,                O peso da maioria dos individuos
  Anthropometric               com disfagia, infeccoes
  assessment of patients       respiratorias recorrentes, e
  with cerebral palsy:         prisao de ventre estava abaixo
  which curves are more        do percentil 50, com as
  appropriate?                 respectivas percentagens de 67%,
                               75% e 72%.

Arvedson, 2013. Feeding      As criancas com PC apresentam
  children with cerebral       alteracoes na degluticao de
  palsy and swallowing         forma abrangente e monitorados ao
  difficulties                 longo do tempo. Todas as criancas
                               merecem oportunidades para a
                               alimentacao oral na medida do
                               possivel analisando o quadro
                               pulmonar e niveis de habilidade
                               de orofaringe.

Araujo, 2012. Digestive      As desordens digestorias mais
  tract neural control         prevalentes sao disfagia, doenca
  and gastrointestinal         do refluxo gastroesofagico e
  disorders in cerebral        constipacao intestinal, com
  palsy                        consequentes quadros de infeccoes
                               respiratorias de repeticao e
                               repercussao deleteria no estado
                               nutricional.

Kuperminc, 2013.             O estudo pode orientar os
  Nutritional management       profissionais com a tomada de
  of children with             decisoes sobre a alimentacao,
  cerebral palsy               nutricao e crescimento dessas
                               criancas com necessidades
                               complexas. Uma abordagem
                               colaborativa, centrada na
                               familia, longitudinal, "grande
                               imagem" estabelece as bases para
                               uma gestao bem sucedida

Benfer, et al, 2014.         O OPD esteve presente em todos os
  Oropharyngeal Dysphagia      niveis de gravidade motora
  and Gross Motor Skills       grossa, por meio de avaliacoes
  in Children With             diretas. Isso destaca a
  Cerebral Palsy               necessidade de triagem pro-ativa
                               de todas as criancas com CF?
                               mesmo com deficiencia leve

Benfer, et al, 2014.         A dificuldade no comportamento de
  Oropharyngeal dysphagia      limpeza (70%) e mastigacao (65%)
  in preschool children        foram as deficiencias mais comuns
  with cerebral palsy:         em solidos; e a dificuldade de
  oral phase impairments       sugar de um copo (60%) para
                               fluidos.

Erasmus, et al, 2012.        Criancas com paralisia cerebral
  Clinical practice:           podem ter problemas de degluticao
  swallowing problems in       com baba grave como uma das
  cerebral palsy               consequencias. A desnutricao e a
                               pneumonia por aspiracao
                               recorrente podem aumentar o risco
                               de morbidade e mortalidade

Silverio, et al, 2009.       A maioria dos sujeitos alimentava-
  Indicadores da evolucao      se com preparo especial, antes e
  do paciente com              apos a intervencao, ocorrendo
  paralisia cerebral e         restricao de solidos e liquidos
  disfagia orofa-ringea        no segundo momento. Houve
  apos intervencao             diminuicao da severidade da
  terapeutica                  disfagia, reducao de
                               broncopneumonias e
                               hipersecretividade pulmonar,
                               aumento do peso e diminuicao dos
                               sinais sugestivos de penetracao
                               e/ou aspiracao laringotraqueal.

Silverio, et al, 2010.       Verificou-se reducao na incidencia
  Paciente com paralisa        dos sinais sugestivos de
  cerebral coreoatetoide:      penetracao e/ou aspiracao
  evolucao clinica pos-        laringotraqueal, comparando os
  interven-cao                 momentos pre e pos-intervencao.

Vianna, 2011. Cerebral       Percebeu-se discreta melhora no
  palsy: analysis of           padrao de degluticao o que
  swallowing patterns          consequentemente trouxe um melhor
  before and after speech      padrao de alimentacao aos
  therapy intervention.        pacientes avaliados e orientados

Clancy, 2011. Longitudinal   Foram observadas diferencas
  changes in feeding           Significantes entre os grupos de
  among children with          gravidade para todas as variaveis
  cerebral palsy Between       de alimentacao, exceto tosse e
  the ages of 4 and 7 year     asfixia durante as refeicoes.
                               Apenas em uma variavel que foi a
                               tosse, mostraram alteracoes
                               significativas ao longo do tempo.

Napolis, 2015. Esophageal    Dos 131 pacientes com paralisia
  eosinophilia in              cerebral, 7 tiveram o diagnostico
  pediatric patients with      de esofagite eosinofilica no
  cerebral palsy               periodo estudado. Os sintomas
                               mais frequentes associados foram
                               vomitos recorrentes e disfagia.

Oliveira, 2015.              Na videofluoroscopia foi observada
  Therapeutic                  aspiracao com a consistencia
  intervention and family      liquida e nao com a pastosa.
  acceptance in a case of
  child with cerebral
  palsy

Santos, 2014. Accuracy of    Constatou-se que a avaliacao
  clinical swallowing          fonoaudiologica clinica da
  evaluation for               disfagia orofaringea na ECNP
  oropharyngeal dysphagia      apresenta maior sensibilidade que
  in cerebral palsy            especificidade. Verificou-se que
                               houve sensibilidade de 80,0%,
                               especificidade de 46,67%, valor
                               preditivo positivo de 77,78% e
                               valor preditivo negativo de
                               77,78%.

Waugh, 2011. Adverse         Os dados recolhidos para o mes
  events and health            antes da administracao de BoNT-A
  status following             indicaram que as criancas com PC
  botulinum toxin type A       apresentaram significativas
  injections in children       morbidades fundo. Apos a injecao
  with cerebral palsy          de BoNT-A, ocorreram eventos
                               adversos em 23,2% das criancas.
                               Todos os eventos adversos foram
                               temporarios e nao houve mortes.

Marraca, 2009. Swallowing    Verificou-se maior ocorrencia do
  in children with             inadequado controle do bolo
  neurologic disorders:        alimentar. Houve correlacao
  clinical and                 estatisticamente significativa
  videofluoroscopic            entre a ausculta cervical e a
  evaluations                  excursao do hioideo e laringe, e
                               de aspiracao laringotraqueal,
                               para as consistencias liquida e
                               pastosa. Conclusao: ambos os
                               procedimentos sao importantes e
                               complementares no diagnostico da
                               disfagia

Kantarcigil, 2016. A         As avaliacoes clinicas assincronas
  telehealth approach to       de degluticao usando ferramentas
  conducting clinical          padronizadas tem niveis
  swallowing evaluations       aceitaveis de concordancia com
  in children with             as avaliacoes presenciais e podem
  cerebral palsy               ser um Alternativa para criancas
                               com acesso
COPYRIGHT 2017 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Artigos de revisao
Author:Menezes, Edenia da Cunha; Santos, Flavia Aparecida Hora; Alves, Flavia Lobo
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Article Type:Ensayo
Date:Jul 1, 2017
Words:6036
Previous Article:Contributions of neuroimaging in singing voice studies: a systematic review/ Contribuicoes da neuroimagem no estudo da voz cantada: revisao...
Next Article:Interface between psychoanalysis and speech language and hearing sciences: a literature review/Interface entre a psicanalise e a fonoaudiologia: uma...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters