Printer Friendly

Cardiovascular risk factor: obesity between children and adolescents in the brazilian macroregions/FATOR DE RISCO CARDIOVASCULAR: A OBESIDADE ENTRE CRIANCAS E ADOLESCENTES NAS MACRORREGIOES BRASILEIRAS.

INTRODUCAO

Considerada uma desordem nutricional de grande impacto nos paises desenvolvidos e em desenvolvimento, a obesidade e conceituada pela Organizacao Mundial de Saude (OMS) como o acumulo excessivo de gordura corporal capaz de afetar a saude de diversas formas (WHO, 2000).

E sabido que a obesidade e uma doenca cronica de origem multifatorial, especialmente a hereditariedade, fatores ambientais e adquiridos, sendo o balanco energetico positivo do metabolismo a principal caracteristica para o desenvolvimento dessa patologia (Sociedade Brasileira de Pediatria, 2012).

A prevalencia mundial da obesidade encontra-se tao elevada que e considerada pela OMS a epidemia do seculo atual, representando um dos principais problemas de saude publica (WHO, 2000).

No Brasil, os numeros tem crescido exponencialmente, como foi identificado no sistema de vigilancia de fatores de risco e protecao para doencas cronicas por inquerito telefonico (Ministerio da Saude, 2017).

A pesquisa divulgada pelo Ministerio da Saude aponta que 52,3% da populacao brasileira encontra-se com excesso de peso (Ministerio da Saude, 2015).

O excesso de peso na infancia e considerado o principal fator para que a obesidade se desenvolva e se estenda ate a idade adulta. Estudos evidenciam que o processo aterosclerotico inicia na infancia, influenciados por fatores hereditarios e ambientais, evoluindo clinicamente na idade adulta. A ingestao de alimentos inadequados e o sedentarismo sao responsaveis diretos para obesidade infantil que e fator predisponente para risco cardiovascular entre outros agravos a saude (Guimaraes e Guimaraes, 2006).

A prevalencia da obesidade infantil encontra-se entre 10,8% a 33,8%, em diferentes regioes do Brasil (SBP, 2012). Uma Pesquisa de Orcamentos Familiares realizada em 2008-2009 avaliou aspectos nutricionais e antropometricos em criancas de 5 a 9 anos, apresentando excesso de peso no publico infantil. Os resultados para sobrepeso foram de 34,8% meninos e 32,0% meninas e obesidade em 16,6% meninos e 11,8% meninas (IBGE, 2010).

Estudos indicam que escolares de niveis sociais diferentes podem apresentar aspectos nutricionais e antropometricos diversos, sendo possivel encontrar diferencas entre os generos, classes sociais e localidades.

Foi demonstrado por Miranda e colaboradores (2015), uma prevalencia de 45,1% de sobrepeso em estudantes da escola privada e 14,8% estudantes da escola publica.

Desta forma, o objetivo desse estudo e demonstrar os valores de sobrepeso e obesidade nas macrorregioes brasileiras.

MATERIAIS E METODOS

Foi realizada uma revisao sistematica de estudos transversais publicados em periodicos nacionais indexados. Revisao sistematica trata-se de um estudo de revisao que utiliza a literatura mediante a aplicacao de metodos sistematizados de busca, criteriosos em relacao a informacao selecionada (Sampaio e Mancini, 2007).

Os estudos transversais sao investigacoes realizadas em um unico momento nao existindo uma continuidade das medicoes nos individuos (Hochman e colaboradores, 2005).

As buscas foram realizadas nas bases de dados Scielo, Bireme, Lilacs e Google academico. Os descritores utilizados foram: Obesidade e criancas; Obesidade e escola; Sobrepeso e obesidade em escolares; Sobrepeso e Obesidade em estudantes.

Foram incluidos artigos que coletaram dados em criancas matriculadas em escolas publicas e/ou privadas, de ambos os sexos, publicados do ano de 2000 ate o atual momento e que tivessem descrito os desfechos: peso, percentual de gordura, altura, IMC, idade, serie escolar, sexo, o tipo de escola (publica e privada).

Foram excluidos artigos que tenham avaliado criancas com necessidades especiais, com doenca cronico-degenerativa ou mio-osteoarticular e que nao tivessem realizado avaliacao antropometrica nos alunos ou avaliados outros desfechos.

Os estudos incluidos foram agrupados por regiao e serie escolar.

RESULTADOS

Foram selecionados 58 artigos atraves da leitura dos resumos, apos leitura na integra dos artigos selecionados, foram incluidos 25 artigos no estudo, sendo sete artigos da Regiao Sudeste, cinco da Regiao Nordeste, seis da Regiao Sul, tres da Regiao Centro-Oeste e quatro da Regiao Norte. Os estudos totalizaram 27.625 criancas e adolescentes avaliadas.

A menor prevalencia foi descrita na regiao Norte com 7,4% no estudo de Neves e colaboradores (2006) e a maior na regiao Sul com 44% no estudo de Souza e colaboradores (2015).

O estudo com o menor numero de participantes (Conti e colaboradores, 2005) incluiu 147 estudantes e o com maior numero (Costa e colaboradores, 2006) incluiu 10.882 alunos.

Regiao Centro-Oeste

Nos achados de Baruki e colaboradores (2006), foram avaliados 403 escolares, sendo 218 meninos e 185 meninas. A prevalencia identificada foi de 12,7% da populacao acima do peso, 6,2% com risco de sobrepeso e 6,5 com sobrepeso. A prevalencia foi 39% maior no sexo feminino. Ainda constatou-se que 60,5% das meninas e 39,55 dos meninos, 9,8% da amostra avaliada, encontravam-se com percentual de gordura corporal acima de 30%.

Monego e colaboradores (2006), encontraram uma prevalencia de excesso de peso de 16% da amostra estudada. Foram avaliados 3.169 alunos na faixa etaria de sete a 14 anos, encontrando associacao significante entre excesso de peso e hipertensao arterial dos avaliados.

Em outro estudo, Giugliano e Carneiro (2004) avaliou 452 escolares e encontrou ocorrencia de obesidade e sobrepeso de 21,1% nos meninos e 22,9% nas meninas. Os valores de adiposidade excessiva se equivalem com o resultado de sobrepeso e obesidade, sendo 20% para os meninos e 25% para as meninas.

Regiao Nordeste

No estudo de Albuquerque e colaboradores (2016), numa escola da rede publica na cidade de Fortaleza-CE, foram encontrados 29,7% das criancas com peso excessivo. Dos 68 escolares avaliados, 44,1% estavam com sobrepeso, 39% com obesidade e 16,2% com obesidade grave.

Em outro estudo realizado na cidade de Natal-RN por Brasil e colaboradores (2007), foram avaliadas 1927 criancas, sendo 985 meninos e 842 meninas, 895 de escolas privadas e 1032 de escolas publicas. Foi encontrado o valor de 33,6% de excesso de peso e 22,6% de sobrepeso na amostra estudada. A prevalencia de excesso de peso e sobrepeso no sexo masculino foi de 35,4% e 23,0% respectivamente, enquanto no sexo feminino foi de 31,8% e 22,2% respectivamente, nao sendo observadas diferencas significantes entre os sexos. Quando comparado os resultados entre as escolas privadas e publicas a prevalencia foi de 54,5% de excesso de peso e 42,8% de sobrepeso nas escolas privadas e de 15,6% e 5,1% de excesso de peso e sobrepeso nas escolas publicas, respectivamente.

Nos resultados de Campos e colaboradores (2007), em Fortaleza-CE, foram avaliados 1.158 adolescentes. Foi encontrada uma prevalencia de sobrepeso/obesidade de 19,5% para toda a amostra. Quando comparado os resultados entre as escolas, a maior frequencia de sobrepeso/obesidade foi encontrada na escola privada com 23,9%, enquanto na escola publica 18,0%. No sexo masculino o valor foi de 20,0% e 19,0% nas meninas, nao havendo significancia estatistica na comparacao.

Em Salvador-BA, Leao e colaboradores (2003) avaliou 387 alunos, sendo 132 de escolas particulares e 255 de escolas publicas. Foi encontrado prevalencia de 30% dos alunos de escolas particulares e 8,2% de escolas publicas, sendo considerado uma diferenca estatisticamente significante quando comparado a prevalencia entre escola particular e publica. A prevalencia total do estudo foi de 15,8% dos alunos com obesidade.

Balaban e Silva (2001) avaliou 762 alunos, de ambos os sexos. A prevalencia de sobrepeso foi de 26,2%, enquanto obesidade foi de 8,5%. O sobrepeso e obesidade foi estatisticamente significante nas criancas que nos adolescentes, 34,3% e 14,2% para 20,0% e 4,2%, respectivamente. A diferenca entre os sexos foi de 34,6% no sexo masculino e 20,6% no sexo feminino para sobrepeso, enquanto 14,7% masculino e 4,4% feminino para obesidade.

Regiao Norte

No estudo de Cesar e colaboradores (2014), foi verificado a prevalencia de sobrepeso e obesidade de estudantes do 1[degrees] ao 5[degrees] ano de uma escola privada na cidade de Rio Branco, no Acre. O estudo encontrou uma prevalencia de 30% dos 238 alunos com sobrepeso e obesidade.

Silva Junior e colaboradores (2012), encontrou prevalencia total de excesso de peso de 29,5% em estudantes do ensino medio de escolas privadas da cidade de Rio Branco. Foram avaliados 741 alunos, o sexo masculino obteve prevalencia de 33,2% de excesso de peso, enquanto o sexo feminino apresentou 26,4%.

Farias e colaboradores (2008), realizou um estudo em 1057 estudantes de 7 a 10 anos, na cidade de Porto Velho, Rondonia. A prevalencia de sobrepeso e obesidade encontrada foi de 7% e 3%, respectivamente.

No estudo de Neves e colaboradores (2006) realizado com 637 criancas na cidade de Belem-PA, encontrou resultados de 3,0% para sobrepeso e 4,4% para obesidade. A prevalencia total de excesso de peso foi de 7,4% das criancas.

Regiao Sudeste

Em um estudo realizado na cidade de Sao Paulo-SP, Miranda e colaboradores (2015), investigou a prevalencia de sobrepeso e obesidade de 200 alunos, sendo eles distribuidos em escola publica (107) e escola privada (93). A prevalencia de sobrepeso encontrada foi tres vezes maior na EPR quando comparada com a EPU. Na EPR os valores de sobrepeso foram de 19,6% nos meninos e 25,5% nas meninas, enquanto na EPU apenas 7% dos meninos e 8,1% das meninas encontrava-se com sobrepeso. O numero de alunos obesos tambem foi maior na EPR sendo os resultados de 34,8% para os meninos e 31,9% das meninas com obesidade para 6,7% e 6,5%, meninos e meninas da EPU, respectivamente.

Pardo e colaboradores (2013) avaliou 213 estudantes na cidade de Sorocaba-SP, estando 129 dos participantes matriculados em escola privada e 84 em escola publica. Verificou-se que 12% dos estudantes da EPU estavam com sobrepeso e 20,2% eram obesos, enquanto na EPR 18,6% estavam com sobrepeso e 28,7% estavam com obesidade. Quando agrupado os resultados de sobrepeso e obesidade da amostra estudada a prevalencia total de excesso de peso foi de 41,3%. Nos meninos a prevalencia foi de 47,2%, enquanto 37,1% das meninas encontravam-se com excesso de peso. Quando comparado EPR com EPU, a frequencia de excesso de peso foi maior para os alunos da EPR, com significancia estatistica de p=0,03.

No estudo de Pereira e colaboradores (2013), dentre 397 alunos, foi identificada uma prevalencia de 21,7% de excesso de peso em meninos e 20,1% nas meninas de escolas publicas e privadas da cidade de Vitoria-ES. Foi realizada, tambem, uma relacao entre IMC e Percepcao corporal, encontrando resultados estatisticamente significantes para o excesso de peso e a percepcao corporal em ambos os sexos.

No estudo de Correa e colaboradores (2008), foram avaliados 176 adolescentes, sendo 94 meninas e 82 meninos, foram encontrados valores de sobrepeso de 20,21% para as meninas e 13,41% para os meninos, enquanto apenas 7,45% das meninas apresentaram obesidade, 13,41% dos meninos estavam obesos.

Nos estudos de Costa e colaboradores (2006), foram avaliadas 10.882 escolares da cidade de Santos-SP, encontrando uma prevalencia total de 15,7% para sobrepeso e 18,0% para obesidade. Quando comparado os sexos, os valores de sobrepeso e obesidade foram de 14,8% e 20,3% nos meninos, enquanto que as meninas apresentavam 16,6% e 15,8% sobrepeso e obesidade, respectivamente. O sobrepeso foi maior no sexo feminino, enquanto que a obesidade foi prevalente no sexo masculino. Na comparacao entre escolas particulares e publicas, a prevalencia de sobrepeso na escola publica foi de 13,7% nos meninos e 14,8% nas meninas, enquanto na escola particular foi de 17,7% nos meninos e 22,2% nas meninas. Para variavel obesidade foi encontrado a prevalencia de 16,9% dos meninos e 14,3% das meninas nas escolas publicas. Nas escolas particulares, 29,8% dos meninos e 20,3% das meninas estavam obesos.

No trabalho de Ribeiro e colaboradores (2006), a prevalencia de sobrepeso e obesidade nos 1.450 dos alunos foi de 11,5%, encontrando associacoes significantes entre o excesso de peso e colesterol total aumentado.

Conti e colaboradores (2005) realizou um estudo com 147 adolescentes associando o excesso de peso com a insatisfacao corporal na cidade de Santo Andre-SP. Detectou-se 18,9% das meninas com sobrepeso/obesidade, enquanto foi achado quase o triplo nos meninos 44,2%.

Regiao Sul

Em outro estudo realizado por Malinski e Voser (2016), foram avaliados 427 alunos, matriculados em tres escolas diferentes sendo 01 da rede privada e 02 da rede publica de ensino da cidade de Porto Alegre-RS. Foi encontrado uma ocorrencia de 43,8% de individuos acima do peso. Quando comparado os alunos da escola privada com os alunos das escolas publicas, nao houve diferenca estatisticamente significantes, sendo os valores de sobrepeso, obesidade e obesidade grave, na EPR, de 27,2%, 14,1% e 8,7%, respectivamente e na EPU os valores de 21,2%, 15,2% e 5,7%.

Souza e colaboradores (2015) realizou um estudo com 187 criancas nas cidades de Cachoeirinha e Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Os resultados apresentados foram de 17,5% de sobrepeso e 26,5% de obesidade na populacao estudada. Os valores de sobrepeso e obesidade, quando comparado o sexo, foram de 54,9% e 18,0% para o sexo masculino e de 53,3% e 11,9% para o sexo feminino, respectivamente.

Souza e Bennemann (2011) realizou um estudo na cidade de Maringa-PR, que envolveu 1058 escolares. A amostra foi dividida, segundo o sexo, em 637 meninos e 421 meninas. A prevalencia total de sobrepeso e obesidade dos escolares foi de 35,9%. Quando comparado o estado nutricional e o sexo, a prevalencia de excesso de peso das meninas foi de 34,2% e os meninos 37,1%, nao sendo um resultado estatisticamente significante.

Da Silva e colaboradores (2009) investigou 224 criancas de duas escolas da cidade de Maringa-PR. A prevalencia de sobrepeso e obesidade encontrada foi de 31% da amostra. Evidenciando o excesso de peso como fator de risco para doenca cardiovascular em criancas e adolescentes.

Sune e colaboradores (2007), encontrou 24,8% dos 719 escolares com sobrepeso e obesidade. Das escolas avaliadas, encontrou-se prevalencia de sobrepeso e obesidade em 25,7% das escolas municipais, 17,1% escolas estaduais e 39,2% nas escolas particulares.

Nos estudos de Soar e colaboradores (2004), verificou-se em 419 alunos do ensino fundamental de escolas de Florianopolis-SC, uma prevalencia de sobrepeso de 17,9% e obesidade de 6,7%. O sobrepeso foi elevado no sexo masculino com 19,1%, quando comparado aos valores encontrados no sexo feminino (16,7%), assim como a obesidade, sendo 7,9% para o sexo masculino e 5,4% para o sexo feminino.

DISCUSSAO

A obesidade e considerada uma doenca cronica, sendo o resultado do balanco energetico positivo entre a sintese de gordura (lipogenese) e a degradacao (lipolise), devido a um descontrole na ingestao de calorias em relacao ao gasto energetico, aumentando de forma gradual o tecido adiposo. Porem, por ser multifatorial, a obesidade sofre influencia de fatores combinados como hereditariedade, meio ambiente, habitos e fatores socioculturais (Cintra, Ropolle e Pauli, 2011).

Sobrepeso e obesidade constitui o sexto fator de risco mais preocupante das doencas cronicas nao transmissiveis (DCNT), pois esta associada a varias outras comorbidades como as doencas cardiovasculares, alem de Diabetes, alguns tipos de cancer e apneia do sono (Malta e colaboradores, 2014).

Considerado um orgao endocrino, o tecido adiposo e capaz de modificar o funcionamento fisiologico de outros tecidos a partir das substancias secretadas pelo mesmo (Tenorio e colaboradores, 2015).

A secrecao de moleculas biologicamente ativas pelos adipocitos estimula um processo de inflamacao cronica. Nesse estado inflamatorio pode ser encontrado um elevado nivel de moleculas determinantes da evolucao do processo de aterogenese (Tenorio e colaboradores, 2016). Ja podem ser encontrados em criancas e adolescentes niveis elevados de interleucina 6 (IL-6), fator de necrose tumoral alfa (TNF-a) e proteina C reativa (PCR), substancias que sinalizam o processo de inflamacao (Guimaraes, 2006).

Na busca de informacoes sobre a prevalencia de sobrepeso e obesidade infantil no Brasil, nosso trabalho demonstrou que os valores de prevalencia de sobrepeso sao diferentes por regiao, variando de 7,4% (Neves e colaboradores, 2001) a 44,0% (Souza e Bennemann, 2015).

De acordo com resultados encontrados, os valores na regiao Norte estao abaixo dos dados demonstrados pelo IBGE (2010). Entretanto, na regiao Sul os valores sao proporcionais aos dados encontrados em um estudo realizado pelo Ministerio da Saude em 2006, no qual foi encontrada uma prevalencia de 42,7% da populacao brasileira acima do peso.

A prevalencia de obesidade no Brasil em 2012 foi de 17,9% na Regiao Norte, 17,7% no Sudeste, 16,7% no Nordeste, 16,9"% na Regiao Sul e 15,6% na Regiao Centro-Oeste (Rech e colaboradores, 2016).

A prevalencia de obesidade infantil aumentou nas ultimas decadas de forma significativa e e consenso que ela e fator de risco desencadeante de outras complicacoes metabolicas, cardiovasculares, ortopedicas e que sua persistencia na vida adulta tem um risco aumentado de mortalidade (De Mello e colaboradores, 2004; Fisberg, 2006; SBP, 2012).

Para Fisberg (2005), fatores como desmame precoce e ingestao de alimentos complementares inapropriados sao determinantes para o desenvolvimento da obesidade na infancia.

Desta forma, a Associacao Dietetica Americana (ADA) ressalta que para um melhor desenvolvimento infantil e importante uma nutricao adequada na idade de 02 a 11 anos (Niklas e colaboradores, 2008).

Os diferentes resultados podem ser explicados por conta das diferencas de cultura de cada regiao, bem como a dinamica de cada escola estudada, a condicao socioeconomica e habitos de vida dos estudantes avaliados, alem do acesso a servicos de saude que sao diferentes em cada regiao.

Apesar dos objetivos proximos, de avaliar e comparar os niveis de sobrepeso e obesidade, os artigos incluidos tiveram numeros da amostra diferentes e avaliacoes antropometricas seguindo protocolos diferentes, tais como IMC, bioimpedancia, dobras cutaneas, nao seguindo um protocolo unico, bem como a utilizacao de nomenclaturas e comparacoes entre variaveis diferentes para os resultados.

Ate o momento, nao foi encontrada nenhuma revisao que contemplasse as prevalencias de sobrepeso e obesidade em escolares nas macrorregioes brasileiras. Os estudos encontrados dentro dessa perspectiva, na sua maioria, sao realizados com adultos e geralmente com dados de questionarios telefonicos.

Apenas dois estudos realizados por Abrantes e colaboradores (2002) e Magalhaes e colaboradores (2003) compararam os resultados de sobrepeso e obesidade em criancas e adolescentes das regioes Nordeste e Sudeste.

CONCLUSAO

Concluimos que os numeros encontrados demonstram que a prevalencia de sobrepeso e obesidade e alarmante, tornando necessaria a busca de tratamento e prevencao da obesidade infantil nas diferentes macrorregioes brasileiras, pois se sabe que a obesidade na infancia e fator predisponente para a evolucao clinica da mesma na fase adulta.

Entretanto, novos estudos devem ser delineados para verificar os fatores de risco para a obesidade em cada regiao.

Recebido para publicacao em 17/07/2017

Aceito em 24/07/2017

REFERENCIAS

[1-] Abrantes, M. M.; Lamounier, J. A.; Colosimo, E. A. Prevalencia de sobrepeso e obesidade em criancas e adolescentes das regioes Sudeste e Nordeste. J pediatr. Vol. 78. Num. 4. p. 335-340. 2002.

[2-] Albuquerque, L.; e colaboradores. Relacao da obesidade com o comportamento alimentar e o estilo de vida de escolares brasileiros. Nutricion clinica y dietetica hospitalaria. Vol. 36. Num. 1. p. 17-23. 2016.

[3-] Balaban, G.; Silva, G. A. P. Prevalencia de sobrepeso e obesidade em criancas e adolescentes de uma escola da rede privada de Recife. J Pediatr. Vol. 77. Num. 2. p. 96-100. 2001.

[4-] Baruki, S. B. S.; e colaboradores. Associacao entre estado nutricional e atividade fisica em escolares da Rede Municipal de Ensino em Corumba-MS. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 12. Num. 2. p. 90-94. 2006.

[5-] Brasil, L. M. P.; Fisberg, M.; Maranhao, H. S. Excesso de peso de escolares em regiao do Nordeste Brasileiro: contraste entre as redes de ensino publica e privada. Revista Brasileira de Saude Materno Infantil. Vol. 7. Num. 4. p. 405-412. 2007.

[6-] Campos, L. A.; Leite, A. J. M.; Almeida, P. C. Prevalencia de sobrepeso e obesidade em adolescentes escolares do municipio de Fortaleza, Brasil. Rev. bras. saude matern. Infant. Vol. 7. Num. 2. p. 183-190. 2007.

[7-] Cesar, D. J.; De Viana, A. L. P.; Agudelo, E. A. B. Prevalencia da obesidade e sobrepeso em escolares do ensino fundamental I de uma escola particular na cidade de Rio Branco-AC. South American Journal of Basic Education, Technical and Technological. Vol. 1. Num. 1. 2014.

[8-] Cintra, D. E.; Ropolle, E. R.; Pauli, J. R. Obesidade e diabetes: fisiopatologia e sinalizacao celular. Sao Paulo. Sarvier. 2011.

[9-] Conti, M. A.; Frutuoso, M. F. P.; Gambardella, A. M. D. Excesso de peso e insatisfacao corporal em adolescentes. Rev. Nutr. Vol. 18. Num. 4. p. 491-497. 2005.

[10-] Correa, T. A. F.; e colaboradores. Estado nutricional e consumo alimentar de adolescentes de uma escola municipal de Botucatu, SP. Revista Simbio-Logias. Vol. 1. Num. 1. 2008

[11-] Costa, R. F.; Cintra, I. P.; Fisberg, M. Prevalencia de sobrepeso e obesidade em escolares da cidade de Santos, SP. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia. 2006.

[12-] Da Silva, J. E. F.; Giorgetti, K. Suzan; Colosio, R. C. Obesidade e sedentarismo como fatores de risco para doencas cardiovasculares em criancas e adolescentes de escolas publicas de Maringa, PR. Saude e Pesquisa. Vol. 2. Num. 1. p. 41-51. 2009.

[13-] De Mello, E. D.; Luft, V. C.; Meyer, F. Obesidade infantil: como podemos ser eficazes. J Pediatr. Vol. 80. Num. 3. p. 173-182. 2004.

[14-] Farias, E. S.; e colaboradores. Estado nutricional de escolares em Porto Velho, Rondonia. Revista de nutricao. Vol. 21. Num. 4. 2008.

[15-] Fisberg, M. Atualizacao em obesidade na infancia e na adolescencia. In: Atualizacao em obesidade na infancia e na adolescencia. Atheneu. 2005.

[16-] Fisberg, M. Obesidade na infancia e adolescencia. Revista brasileira de Educacao Fisica e Esporte. Vol. 20. p. 163-164. 2006.

[17-] Giugliano, R.; Carneiro, E. C. Fatores associados a obesidade em escolares. J Pediatr. Vol. 80. Num. 1. p. 17-22. 2004.

[18-] Guimaraes, I. C. B.; Guimaraes, A. C. Sindrome Metabolica na infancia e adolescencia. Um fator maior de risco cardiovascular. Revista Baiana de Saude Publica. Vol. 30. Num. 2. 2014.

[19-] Hochman, B.; e colaboradores. Desenhos de pesquisa. Acta Cirurgica Brasileira. 2005.

[20-] Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Pesquisa de orcamentos familiares 2008-2009: antropometria e estado nutricional de criancas, adolescentes e adultos no Brasil. Rio de Janeiro: IBGE. 2010.

[21-] Leao, L. S. C S. Prevalencia de obesidade em escolares de Salvador, Bahia. Arq Bras Endocrinol Metab. Vol. 47. Num. 2. 2003.

[22-] Magalhaes, V. C.; Mendonca, G. A. S. Prevalencia e fatores associados a sobrepeso e obesidade em adolescentes de 15 a 19 anos das regioes Nordeste e Sudeste do Brasil, 1996 a 1997. Cad Saude Publica. Vol. 19. Num. s1. 2003.

[23-] Malinski, M. P.; Voser, R. C. Sobrepeso e obesidade em jovens escolares. Arquivos de Ciencias da Saude. Vol. 23. Num. 1. p. 68-72. 2016.

[24-] Malta, D. C.; e colaboradores. Evolucao anual da prevalencia de excesso de peso e obesidade em adultos nas capitais dos 26 estados brasileiros e no Distrito Federal entre 2006 e 2012. Rev Bras Epidemiol. Vol. 17. Supl. 1. 2014.

[25-] Ministerio da Saude, Vigitel Brasil 2015 Saude Suplementar: vigilancia de fatores de risco e protecao para doencas cronicas por inquerito telefonico [recurso eletronico] / Ministerio da Saude, Agencia Nacional de Saude Suplementar. Brasilia: Ministerio da Saude, 2017.

[26-] Ministerio da Saude. Portal da Saude. Excesso de peso atinge 52,3% da populacao do Sudeste. 2015. Disponivel em: <http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cid adao/principal/agencia-saude/17451-excesso de-peso-atinge-52-3-da-populacao-dosudeste>. Acesso em: 03/09/2016.

[27-] Miranda, J. M. Q.; e colaboradores. Prevalencia de sobrepeso e obesidade infantil em instituicoes de ensino: publicas vs. privadas. Rev. bras. med. Esporte. Vol. 21. Num. 2. p. 104-107. 2015.

[28-] Monego, E. T.; Jardim, P. C. B. V. Determinantes de risco para doencas cardiovasculares em escolares. Arq Bras Cardiol. Vol. 87. Num. 1. p. 37-45. 2006.

[29-] Neves, O. M. D.; e colaboradores. Antropometria de escolares ao ingresso no ensino fundamental na cidade de Belem, Para, 2001. Rev. Bras. Saude Mater. Infant. Vol. 6. Num. 1. p. 39-46. 2006.

[30-] Nicklas, T. A.; e colaboradores. Position of the American Dietetic Association: nutrition guidance for healthy children ages 2 to 11 years. Journal of the American Dietetic Association. Vol. 108. Num. 6. p. 1038. 2008.

[31-] Pardo, I. M.; e colaboradores. Prevalencia de excesso de peso entre estudantes de ensino fundamental de escola publica e privada em Sorocaba, Sao Paulo, Brasil. Revista Brasileira de Medicina de Familia e Comunidade. Vol. 8. Num. 26. p.43-50. 2013.

[32-] Pereira, F. N.; e colaboradores. Body weight perception and associated factors in students from Espirito Santo, Brazil; Journal of Human Growth and Development. Vol. 23. Num. 2. p.170-176. 2013.

[33-] Rech, D. C.; e colaboradores. As politicas publicas e o enfrentamento da obesidade no brasil: uma revisao reflexiva. Revista de Epidemiologia e Controle de Infeccao. Vol. 1. Num. 1. 2016.

[34-] Ribeiro, R. Q. C.; e colaboradores. Fatores adicionais de risco cardiovascular associados ao excesso de peso em criancas e adolescentes: o estudo do coracao de Belo Horizonte. Arq. Bras. Cardiol. Vol. 86. Num. 6. p. 408-418. 2006.

[35-] Sampaio, R. F.; Mancini, M. C. Estudos de revisao sistematica: um guia para sintese criteriosa da evidencia cientifica. Rev. bras. fisioter. Vol. 11. Num. 1. p. 83-89. 2007.

[36-] Silva Junior, L. M.; e colaboradores. Prevalence of excess weight and associated factors in adolescents of private schools of an Amazonic urban area, Brazil. Revista Paulista de Pediatria. Vol. 30. Num. 2. p. 217-222. 2012.

[37-] Soar, C.; Vasconcelos, F. A. G.; Assis, M. A. A. Waist-hip ratio and waist circumference associated with body mass index in a study with schoolchildren. Cadernos de Saude Publica. Vol. 20. Num. 6. p. 1609-1616. 2004.

[38-] Souza, M.; e colaboradores. Estado nutricional, idade e sexo influenciam os niveis de atividade fisica de escolares?. Revista Brasileira de Atividade Fisica & Saude. Vol. 20. Num. 6. p. 598. 2015.

[39-] Souza, M. P. S.; Bennemann, R. M. Antropometria e estado nutricional de escolares adolescentes do ensino fundamental da rede municipal de ensino da cidade de Maringa-PR no ano de 2011. VIII EPCC Encontro Internacional de Producao Cientifica Cesumar. Editora CESUMAR, 2011.

[40-] SBP, Sociedade Brasileira de Pediatria. Obesidade na infancia e adolescencia Manual de Orientacao. Departamento Cientifico de Nutrologia. 2a edicao. Sao Paulo. SBP. 2012. 142 p.

[41-] Sune, F. R.; e colaboradores. Prevalencia e fatores associados para sobrepeso e obesidade em escolares de uma cidade no Sul do Brasil [Prevalence of overweight and obesity and associated factors among schoolchildren in a southern Brazilian city]. Cad Saude Publica. Vol. 23. Num. 6. p. 1361-1371. 2007.

[42-] Tenorio, M. C. C.; e colaboradores. Continuous or interval training and inflammatory response in obese women. International Journal of Cardiovascular Sciences. Vol. 28. Num. 4. p. 282-289. 2015.

[43-] Tenorio, M. C. C.; Fraga, A. S.; de Sa, C. K. C.; Ladeia, A. M. T. Inflamacao subclinica e doenca cardiovascular na obesidade: o papel do exercicio fisico continuo e intervalado como tratamento. RBPFEX-Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 10. Num. 61. p. 692-704. 2016. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rb pfex/article/view/1054/841>

[44-] World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a who Consultation. Tech Rep Ser. Vol. 894. i-xii. p. 1-253. 2000.

Marcelo dos Santos Guimaraes Junior (1), Amanda Silva Fraga (2)

Thiago Batista Araujo (1), Mario Cesar Carvalho Tenorio (1)

(1) Faculdade Social da Bahia (FSBA), Bahia, Brasil.

(2) Escola Bahiana de Medicina e Saude Publica (EBMSP), Bahia, Brasil.

E-mails dos autores:

marcelosguimaraes@live.com

amandafraga12.2@bahiana.edu.br

thiagobafisio@gmail.com

mariocesartenorio@hotmail.com
Tabela 1--Caracteristicas dos estudos sobre a prevalencia
de sobrepeso e obesidade.

Autor                            Ano         Regiao

Albuquerque e colaboradores      2016       Nordeste
Malinski e Voser                 2016            Sul
Miranda e colaboradores          2015        Sudeste
Souza e colaboradores            2015            Sul
Cesar e colaboradores            2014          Norte
Pereira e colaboradores          2013        Sudeste
Pardo e colaboradores            2013        Sudeste
Silva Junior e colaboradores     2012          Norte
Souza e Bennemann                2011            Sul
Da Silva e colaboradores         2009            Sul
Correa e colaboradores           2008        Sudeste
Farias e colaboradores           2008          Norte
Brasil e colaboradores           2007       Nordeste
Campos e colaboradores           2007       Nordeste
Sune e colaboradores             2007            Sul
Baruki e colaboradores           2006   Centro-oeste
Costa e colaboradores            2006        Sudeste
Monego e colaboradores           2006   Centro-oeste
Ribeiro e colaboradores          2006        Sudeste
Conti e colaboradores            2005        Sudeste
Giugliano e Carneiro             2004   Centro-oeste
Soar e colaboradores             2004            Sul
Leao e colaboradores             2003       Nordeste
Balaban e Silva                  2001       Nordeste
Neves e colaboradores            2001          Norte

Autor                           Amostra   Idade (anos)

Albuquerque e colaboradores         200            7-9
Malinski e Voser                    427           5-19
Miranda e colaboradores             200           8-10
Souza e colaboradores               187            7-9
Cesar e colaboradores               238           6-10
Pereira e colaboradores             397           8-17
Pardo e colaboradores               213          10-14
Silva Junior e colaboradores        741          14-18
Souza e Bennemann                 1.058          10-16
Da Silva e colaboradores            224          10-15
Correa e colaboradores              176          10-17
Farias e colaboradores            1.057           7-10
Brasil e colaboradores            1.927           6-11
Campos e colaboradores            1.158          10-19
Sune e colaboradores                719          11-13
Baruki e colaboradores              403           7-10
Costa e colaboradores            10.822           7-10
Monego e colaboradores            3.169           7-14
Ribeiro e colaboradores           1.445           6-18
Conti e colaboradores               147          10-14
Giugliano e Carneiro                452           6-10
Soar e colaboradores                419            7-9
Leao e colaboradores                387           5-10
Balaban e Silva                     762            6-9
Neves e colaboradores               637            6-9

Tabela 2--Prevalencia de sobrepeso e obesidade nas
macrorregioes do Brasil.

Autor             Objetivo                        Principais
                                                  resultados
Regiao
Centro-Oeste
Monego e          Conhecer a ocorrencia de        Prevalencia
  colaboradores     hipertensao arterial e          Total: 16%
  (2006)            excesso de peso, estudando    Sobrepeso: 11%
                    a associacao entre ambos e    Obesidade: 4,9%
                    com algumas variaveis
                    relacionadas ao estilo de
                    vida.
Baruki e          Avaliar o estado nutricional    Prevalencia
  colaboradores     e a associacao com o            Total: 12,7%
  (2006)            padrao de atividade fisica    Risco de
                    em escolares da Rede            Sobrepeso:
                    Municipal de Ensino de          6,2%
                    Corumba (MS).                 Sobrepeso--6,5%
Giugliano e       Analisar a relacao entre        Prevalencia
  Carneiro          obesidade em escolares e        Total: 22,1%
  (2004)            atividade fisica e horas      M: 21,1%
                    de sono da crianca,             /F: 22,9%
                    escolaridade e obesidade
                    dos pais.
Regiao Nordeste
Albuquerque e     Relacionar a obesidade com o    Prevalencia
  colaboradores     comportamento alimentar e       total: 35,3%
  (2016)            o estilo de vida de           Sobrepeso:
                    escolares.                      44,1%
                                                  Obesidade:
                                                    39,7%
                                                  Obesidade
                                                    Grave: 16,2%
Brasil e          Estimar a prevalencia de        Prevalencia
  colaboradores     excesso de peso em              Total: 33,6%
  (2007)            escolares na cidade de        Sobrepeso:
                    Natal.                          22,6%
                                                  M: 23,0%
                                                    /F: 22,2%
Campos e          Determinar a prevalencia de     Prevalencia
  colaboradores     sobrepeso e obesidade em        total--19,5%
  (2007)            adolescentes escolares do     Sobrepeso
                    Municipio de Fortaleza,         /Obesidade:
                    Brasil, e estimar a           EPR: 23,9%
                    diferenca entre a             EPU: 18,0%
                    prevalencia nas escolas       M: 19,6%
                    publicas e privadas.            /F: 19,0%
Leao e            Descrever a prevalencia de      Prevalencia
  colaboradores     obesidade de alunos de          Total: 15,8%
  (2003)            escolas publicas e            EPR: 30%
                    particulares de               EPU: 8,2%
                    Salvador, Bahia.              Prevalencia
                                                    Total: 34,7%
Balaban e         Determinar e comparar a         Sobrepeso:
                    prevalencia de sobrepeso        26,2%
  Silva (2001)      e obesidade em estudantes     M: 34,6%
                    de uma escola da rede           /F: 20,6%
                    privada de Recife.            Obesidade: 8,5%
                                                  M: 14,7%
                                                    /F: 4,4%
Regiao Norte
Cesar e           Verificar a prevalencia de      Prevalencia
  colaboradores     obesidade e sobrepeso em        Total: 30%

  (2014)            alunos 1[degrees] ao          Sobrepeso: 23%
                    5[degrees] ano, em            Obesidade: 7%
                    escolares de uma escola
                    privada do municipio de
                    Rio Branco, Acre.
Silva Junior e    Analisar a prevalencia e        Prevalencia
  colaboradores     fatores associados ao           Total: 29,5%
  (2012)            excesso de peso corporal      M: 33,2%
                    em adolescentes do ensino       /F: 26,4%
                    medio.
Farias e          Avaliar o estado nutricional    Prevalencia
  colaboradores     em escolares da rede            Total: 10%
  (2008)            municipal de ensino da        Sobrepeso: 7%
                    cidade de Porto Velho         Obesidade: 3%
                    (RO).
Neves e           Realizar a antropometria em     Prevalencia
  colaboradores     escolares da 1a serie da        Total: 7,4%
  (2006)            rede publica estadual em      Sobrepeso:
                    Belem, Para.                    3,0%
                                                  Obesidade:
                                                    4,4%
Regiao Sudeste
Miranda e         Diagnosticar e comparar a       Prevalencia
  colaboradores     prevalencia de sobrepeso        Total: 33%
  (2015)            e obesidade em criancas       EPR
                    de duas escolas da cidade     Sobrepeso:
                    de Sao Paulo, com             M: 19,6%
                    caracteristicas                 /F: 25,5%
                    socioeconomicas               Obesidade:
                    diferentes.                   M: 34,8%
                                                    /F: 31,9%
                                                  EPU
                                                  Sobrepeso:
                                                  M: 7%
                                                    /F: 8,1%
                                                  Obesidade:
                                                  M: 6,0%
                                                    /F: 6,5%
Pereira e         Analisar a associacao entre     Prevalencia
  colaboradores     percepcao do peso corporal      Total:
                    e variaveis relacionadas        20,6%
  (2013)                                          Sobrepeso
                                                  M: 21,7%
                                                    /F: 20,1%
Pardo e           Avaliar a prevalencia de        Prevalencia
  colaboradores     sobrepeso e obesidade em        Total:
  (2013)            um grupo de estudantes e        41,3%
                    investigar se ha              EPR: 47,3%
                    correlacao entre IMC e        EPU: 32,1%
                    renda familiar.               M: 47,2 %
                                                    /F: 37,1 %
Correa e          Avaliar o estado nutricional    Prevalencia
  colaboradores     de alunos de uma escola         Total: 21,6%
  (2008)            municipal de Botucatu-SP      Sobrepeso:
                    por meio de indicadores       M: 13,41%
                    antropometricos e               /F: 20,21%
                    dieteticos                    Obesidade:
                                                  M: 13,41%
                                                    /F: 7,45%
Costa e           Verificar as prevalencias de    Prevalencia
  colaboradores     sobrepeso e obesidade em        Total: 33,7%
  (2006)            escolas publicas e            Sobrepeso:
                    particulares da cidade de       15,7%
                    Santos, SP.                   M: 14,8%
                                                    /F: 16,6%
                                                  Obesidade:
                                                    18,0%
                                                  M: 20,3%
                                                    /F: 15,8%
                                                  Prevalencia
                                                    entre as
                                                    escolas
                                                  EPU
                                                  Sobrepeso
                                                  M: 13,7%
                                                    /F: 14,8%
                                                  Obesidade
                                                  M: 16,8%
                                                    / F: 14,3%
                                                  EPR
                                                  Sobrepeso
                                                  M: 17,7%
                                                    /F: 22,2%
                                                  Obesidade
                                                  M: 29,8%
                                                    /F: 20,35
Ribeiro e         Examinar a associacao de        Prevalencia
  colaboradores     sobrepeso e obesidade           Total: 11,5%
  (2006)            com perfis de atividade       Sobrepeso: 8,4%
                    fisica, pressao arterial      Obesidade: 3,1%
                    (PA) e lipides sericos.
Conti e           Verificar a associacao entre    Prevalencia
  colaboradores     excesso de peso e               Total: 26,5%
  (2005)            insatisfacao corporal de      M: 44,23%
                    adolescentes de uma             /F: 18,83%
                    instituicao da rede
                    particular de ensino
                    fundamental de Santo
                    Andre, SP.
Regiao Sul
Malinski e        Conhecer o perfil de            Prevalencia
  Voser (2016)      sobrepeso e obesidade em        Total: 43,8%
                    escolares do municipio de     Sobrepeso: 22,5%
                    Porto Alegre, Rio Grande      M: 21,7%
                    do Sul.                         /F: 23,3%
                                                  Obesidade: 15%
                                                  M: 18,0%
                                                    /F: 11,9%
                                                  Obesidade
                                                    Grave: 6,3%
                                                  M: 9,7%
                                                    /F: 2,9%
Souza e           Comparar os niveis de           Prevalencia
  colaboradores     atividade fisica em             Total: 44%
  (2015)            relacao ao estado             Sobrepeso: 17,5%
                    nutricional e verificar       Obesidade: 26,5%
                    se existem diferencas em
                    relacao ao sexo e a idade.

Souza e           O objetivo do presente          Prevalencia
  Bennemann         estudo foi identificar o        Total: 35,9%
  (2011)            perfil antropometrico e       Risco para
                    nutricional de escolares        Excesso de
                    das escolas da rede             Peso: 18,9%
                    municipal da cidade de        M: 18,4%
                    Maringa-PR.                     /F: 19,7%
                                                  Excesso de
                                                    Peso: 14%
                                                  M: 14,9%
                                                    /F: 12,6 %
                                                  Obesidade: 3%
                                                  M: 3,8 %
                                                    /F: 1,9%
Da Silva e        Verificar os fatores de         Prevalencia
  colaboradores     risco de doencas                Total: 31%
  (2009)            cardiovasculares em           Excesso de
                    criancas e adolescentes         Peso: 23%
                    da rede publica de ensino     Obesidade: 8%
                    de Maringa-PR, focando
                    principalmente a questao
                    do sobrepeso e atividade
                    fisica destes individuos.

Sune e            Determinar a prevalencia de     Prevalencia
  colaboradores     obesidade entre escolares,      Total: 24,8%
  (2007)            bem como investigar sua       Sobrepeso: 21,3%
                    associacao com possiveis      Obesidade: 3,5%
                    fatores que possam            M: 27,9%
                    favorecer o excesso de          /F: 21,6%
                    peso corporal.
Soar e
  colaboradores   Determinar a prevalencia de     Prevalencia
  (2004)            sobrepeso e obesidade em        Total: 24,6%
                    escolares de sete a nove      Sobrepeso: 17,9%
                    anos de uma escola            M: 19,1%
                    publica de Florianopolis.       /F: 16,7%
                                                  Obesidade: 6,7%
                                                  M: 7,9%
                                                    /F: 5,4

Legendas: M- Masculino; F- Feminino; EPU--Escola Publica;
EPR- Escola Privada; IMC- Indice de Massa Corporal.
COPYRIGHT 2018 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

 
Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Guimaraes, Marcelo dos Santos, Jr.; Fraga, Amanda Silva; Araujo, Thiago Batista; Tenorio, Mario Cesa
Publication:Revista Brasileira de Obesidade, Nutricao e Emagrecimento
Date:Jan 1, 2018
Words:5911
Previous Article:Nutritional intervention through culinary workshops and educational lectures: application and influence in nutritional status of adults/INTERVENCAO...
Next Article:MAIS DE 40 MIL USUARIOS ACESSARAM A RBONE EM 2017.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2018 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters