Printer Friendly

Avaliacao integrada de inteligencia e criatividade.

Inteligencia e criatividade sao fenomenos bastante estudados, embora ate hoje exista bastante divergencia quanto as suas definicoes (Furnham, Batey, Anand, & Manfield, 2008; Silvia, 2008). A conceituacao da inteligencia, e, consequentemente, a sua avaliacao, tem sofrido inumeras mudancas demonstrando assim a complexidade deste construto. As principais controversias estao pautadas nas dimensoes do construto de inteligencia, ora entendidas de forma unica ou geral, ora em forma bidimensional, ou ainda sendo composto de forma multidimensional por varias habilidades, implicando assim em diferentes modos de avaliacao (Nisbet et al., 2012; Sternberg & Kaufman, 2001). O estudo da criatividade por sua vez teve um grande impulso a partir da decada de 1950, com os trabalhos de Guilford (Plucker, 2001), demonstrando tambem ser um fenomeno complexo. O grande desafio e, portanto, como unir os conceitos de inteligencia e criatividade para avaliar melhor o potencial humano (Jank, Benedeck, Dunst & Neubauer, 2013).

Inteligencia e sua avaliacao

Dentre as teorias mais aceitas atualmente sobre inteligencia, ressalta-se a teoria CHC (Cattell, Horn e Caroll) da inteligencia, na qual uma visao multidimensional e dada ao construto, ao inves de uma visao unidimensional como os antigos modelos propostos (Carroll, 1993; Keith & Reynolds, 2010). A fim de resolver os conflitos entre os modelos sobre a estrutura da inteligencia, McGrew (1997) realizou uma sintese das formulacoes de Cattell, Horn e Carroll, propondo entao um novo modelo conhecido como CHC, reduzindo a enfase no fator "G" e concebendo a inteligencia como sendo composta de 10 habilidades amplas e 70 habilidades especificas. As habilidades amplas envolveriam: 1) inteligencia fluida (Gf), 2) inteligencia cristalizada (Gc); 3) memoria de curto prazo (Gsm); 4) processamento visual (Gv); 5) processamento auditivo (Ga); 6) recuperacao das informacoes (Glm); 7) rapidez de processamento (Gs), 8) habilidade de leitura e escrita; 9) rapidez de decisoes; 10) habilidade quantitativa. As 70 habilidades especificas, por sua vez, seriam decorrentes das diferentes possibilidades de avaliar as 10 habilidades amplas (McGrew, 2009).

A teoria CHC vem sendo utilizada para verificar os mais importantes instrumentos de avaliacao da inteligencia possibilitando uma melhor compreensao das funcoes cognitivas (Dombrowski & Watkins, 2013; Primi, 2003). A bateria Woodcock Johnson-III-WJ-III e considerada como sendo a mais completa para explicar o funcionamento intelectual, pois atende ao modelo CHC (McGrew & Woodcock, 2001). Sua proposta influenciou a revisao de outras baterias para avaliacao intelectual, tais como a quinta revisao da Wechsler Intelligence Scale for Children-WISC-V (Kaufman, Raiford, & Coalson, 2016) e a segunda revisao da Differential Ability Scale-DAS (Sanders, McIntosh, Dunham, Rothlisberg, & Finch, 2007), nas quais foram incluidos outros subtestes para subsidiar uma avaliacao diferenciada das habilidades cognitivas.

No nosso pais, entretanto, ainda predominam testes que avaliam a inteligencia de forma unidimensional, ora enfocando fatores especificos de inteligencia, ora um fator geral (Campos & Nakano, 2014; Wechsler & Nakano, 2016). Tal fato pode ser observado nos testes atualmente listados no Sistema de Avaliacao de Testes Psicologicos --SATEPSI (www.satepsi.cfp.org.br) que indicam a escassez de instrumentos baseados em uma proposta mais compreensiva de inteligencia. Considerando esta realidade e as recomendacoes da International Testing Commission (2013) sobre a necessidade de investigar a validade e a precisao de um teste originado em outro pais, assim como a regulamentacao atual do Conselho Federal de Psicologia (2011); faz-se necessario o estudo das caracteristicas psicometricas dos testes psicologicos para avaliar a inteligencia no nosso pais.

As evidencias de validade de um teste podem ser obtidas por diversos modos, como por exemplo, comprovando a estrutura interna de um teste, suas relacoes (convergencia ou divergencia) com outras variaveis criterio, como por exemplo outros testes ja validados (American Educational Research Association, American Psychological Association and National Council for Measuremente in Education, 2014). Devido a importancia da Bateria WJ-III diversos estudos brasileiros foram realizados para averiguar as evidencias de sua validade para a populacao brasileira nos quais foram desenvolvidos itens brasileiros para a area verbal e uma versao coletiva para a sua administracao. A evidencia de validade da estrutura interna, bem como as evidencias de validade por criterio externo (Wechsler, Vendramini & Schelini, 2007; Wechsler & Schelini, 2006) foram confirmadas. Outras pesquisas (Chiodi & Wechsler, 2009; Primi, Nakano & Wechsler, 2012) compararam a bateria WJ-III com outros testes ja validados no pais e foi demonstrada a necessidade de ser utilizada uma versao adaptada e validada da WJ-III para a populacao brasileira (Wechsler et al., 2010).

Outra limitacao a ser considerada na utilizacao da bateria WJ-III refere-se a sua fundamentacao no modelo CHC sendo questionavel se esta bateria estaria medindo criatividade. Carroll (1997) e Nusbaum e Silvia (2011) afirmam que caracteristicas do pensamento criativo estao presentes em algumas areas da inteligencia. Tal fato indica a necessidade de maiores investigacoes no sentido de ampliar a avaliacao cognitiva incluindo o conceito de criatividade a fim de possibilitar uma avaliacao mais completa do funcionamento cognitivo.

Criatividade e sua avaliacao

O conceito de criatividade e complexo demonstrando ser um fenomeno de natureza multidimensional, tendo sua compreensao evoluida substancialmente com o avanco do entendimento sobre o funcionamento mental (Lubart, 2007; Runco, 20007). As diversas tentativas de definicao da criatividade indicam que existe uma grande variedade de olhares sobre as facetas da criatividade, que ora enfocam a pessoa criativa, ora seu processo, outras vezes o tipo ou qualidade de produto, ou ainda a qualidade do ambiente que estimula a criatividade (Nakano & Wechsler, 2012; Wechsler, 2008). A visao da criatividade sob uma perspectiva integrada e multidisciplinar parece, portanto, ser o caminho mais recomendavel para aqueles que pretendem melhor compreender a sua dinamica (Alencar & Fleith, 2003; Sternberg, 1999).

Dentre as propostas com maior destaque para a compreensao e avaliacao da criatividade destaca-se a contribuicoes de Paul Torrance (1966), que inicialmente seguiu a proposta de Guilford para avaliacao dos componentes cognitivos da criatividade nos testes figural e verbal de criatividade (Torrance, 1966) e posteriormente adicionou outros indicadores emocionais (Torrance, 1990). Atualmente os testes de pensamento criativo de Torrance sao as medidas mais utilizadas internacionalmente para a avaliacao da criatividade (Primi, Nakano, Morais, Almeida, & David, 2013; Raina, 2006; Kaufman, Beghetto, & Pourjalali, 2011). A validacao destes testes ja foi realizada no Brasil, mostrando que seus indicadores sao preditivos de realizacoes criativas na vida (Wechsler, 2004a, 2004b, 2006).

Apesar dos avancos sobre o estudo da inteligencia e da criatividade ainda nao existe consenso sobre a natureza da relacao entre estes dois construtos (Silvia, 2008). Alguns autores afirmam que inteligencia e criatividade estariam altamente relacionadas, pois quem atinge um alto grau de pensamento abstrato tambem pode geral ideias diferentes e criativas (Sternberg, 2001), Outros autores afirmam que estes construtos seriam independentes e que outros fatores poderiam explicar a producao criativa (Kim, Crammond, & Badalos, 2006). Tambem existe a proposta para a compreensao da relacao entre estes construtos pela "teoria do limiar", ou seja que existiriam associacoes entre estes construtos somente para niveis de inteligencia acima de um QI de 120 (Jauk, Durnst, & Neubauer, 2013).

Os estudos brasileiros realizados sobre este tema tem encontrado diferentes niveis de associacoes entre inteligencia e criatividade, desde correlacoes significativas (r= .40; p [menor que o igual a] .05) entre inteligencia e criatividade (Souza e Wechsler, 2013; Nakano, 2012), ate nenhuma relacao significativa para criancas superdotadas ou nao (Goncalves & Fleith, 2011; Wechsler et al., 2010). Por exemplo, em pesquisas com amostra de criancas e adolescentes, Nakano, Wechsler, Campos e MIlian (2015) encontraram correlacoes moderadas entre inteligencia e criatividade figural (r = .25; p [menor que o igual a] .05) e altas correlacoes entre inteligencia e criatividade verbal (r = .53; p [menor que o igual a] .05). Em outros dois estudos (Alves & Nakano, 2014, 2015) verificaram esta relacao em amostras de criancas com dislexia. Em um estudo foi verificada uma relacao significativa entre inteligencia e criatividade (r = .80; p [menor que o igual a] .05) e no outro estudo a relacao entre os construtos mostrou-se pouco significativa.

As relacoes entre criatividade e inteligencia demonstram a necessidade da investigacao da inclusao destes dois construtos em baterias para avaliacao do funcionamento intelectual. Entretanto, nao existe ate o momento nenhuma bateria validada no pais que possa fornecer este tipo de avaliacao, como pode ser verificado no SATEPSI (www.satepsi. cfp.org.br). Considerando a proposta da Bateria de Avaliacao Intelectual e Criativa-BAICA, que faz a proposta da avaliacao integrada das habilidades intelectuais e criativas, o objetivo deste estudo foi investigar as evidencias de validade desta bateria para que pudesse atender aos padroes cientificos exigidos pelo Conselho Federal de Psicologia (2011).

Neste sentido, foram investigadas as evidencias de validade por criterio externo da BAICA por meio da convergencia com outros testes ja validados no pais que avaliam construtos similares com o objetivo de avaliar a inteligencia e criatividade de forma integrada. Assim sendo, hipotetizou-se que as dimensoes cognitivas avaliadas pelos subtestes da BAICA estariam relacionadas com os subtestes correspondentes da BPR-5, TEADI e TEALT; e que as dimensoes da criatividade estariam relacionadas com aquelas avaliadas pelos testes de criatividade figural e verbal de Torrance.

Metodo

Participantes

A amostra inicial desta pesquisa foi composta por 137 estudantes (53% do genero feminino) estudantes do primeiro ano do ensino medio de uma escola publica situada no interior do estado de

Sao Paulo. A amostra final foi composta por 99 estudantes (51% do genero feminino) que responderam aos testes em sua totalidade, com idades variando entre 15 e 17 anos (M= 15.29; DP= .52). A amostra foi selecionada por conveniencia.

Medidas

Bateria de Avaliacao Intelectual e Criativa - forma adulto--BAICA

Esta bateria foi gerada a partir dos estudos mencionados anteriormente com a versao brasileira da WJ-III, nos quais foi demonstrada a necessidade de ser utilizada uma versao validada para nossa populacao (Wechsler et al., 2010). Inicialmente elaborou-se uma versao somente com as areas da inteligencia denominada Bateria de Avaliacao Intelectual para Adultos (BAIAD). As evidencias de validade da sua estrutura interna foram confirmadas (Wechsler et al., 2014) demonstrando que existiriam dois grandes fatores que sao avaliados nesta bateria e que abrangem a inteligencia cristalizada (subtestes de vocabulario, sinonimos e analogias) e inteligencia fluida (subtestes de pensamento logico, viso-espacial, rapidez e memoria) (Wechsler et al., 2010). Posteriormente decidiu-se unir as areas da inteligencia com a criatividade, sendo elaborada entao a BAICA, cuja evidencia de validade e investigada neste estudo.

A BAICA e composta por 5 subtestes que medem as areas da inteligencia e 1 subteste que mede o pensamento criativo. As areas da inteligencia, avaliadas por diferentes subtestes, com formato de resposta em multipla escolha, sao as seguintes: 1) inteligencia cristalizada:- subteste de compreensao verbal, composto por atividades de sinonimos (com 31 substantivos), antonimos (com 30 adjetivos) e analogias verbais (com 30 pares de palavras); 2) Inteligencia viso-espacial - subteste pensamento viso espacial, composto por 31 formas incompletas para serem montadas como um quebra cabeca; 3) Inteligencia fluida-subteste pensamento logico, que apresenta 16 formas geometricas para serem selecionados em 31 situacoes diferentes de acordo com criterios de tamanho, forma e posicao; 4) Velocidade de processamento- subteste rapidez de raciocinio que e apresentado no formato de 60 linhas com pares de estimulos semelhantes, compostos por letras e numeros; 5) Memoria visual-auditiva: subteste memoria, composto por 21 simbolos que representam palavras que devem ser memorizadas apos serem ouvidas uma unica vez.

O pensamento criativo e avaliado pelo subteste Pensamento Criativo, sendo este composto por tres atividades: 1) criatividade figurativa- oito pares de linhas paralelas em diferentes posicoes sao apresentados e devem ser completados por desenhos livres. 2) criatividade verbal: uma figura e apresentada para a qual devem ser geradas perguntas; 3) criatividade verbal: situacoes futuristas- sendo apresentada uma situacao hipotetica para a qual e solicitado que sejam escritas consequencias da situacao.

BPR-5 - Bateria de Provas de Raciocinio (forma B) (Almeida & Primi, 2000)

Trata-se de um instrumento composto por cinco provas, que avaliam diferentes area da inteligencia. Para este estudo foram utilizadas as seguintes provas da BPR-5: 1) Prova raciocinio verbal--RV, consiste em 25 itens envolvendo analogias entre palavras. 2) Prova raciocinio espacial--RE, e composto por 20 itens de cubos tridimensionais em movimento onde o sujeito deve analisar o movimento do cubo e escolher a resposta que representa o ultimo cubo apresentado em cada item. 3) Prova raciocinio abstrato--RA, sao apresentados 25 itens envolvendo analogias com figuras geometricas. A prova de Raciocinio Mecanico nao foi utilizada pois nao existe nenhum subteste similar na BAICA para fazer comparacoes. A Forma B desta bateria e utilizada em pessoas com nivel escolar a partir do ensino medio. Os estudos sobre precisao e validade da bateria sao apresentadas no manual da BPR-5. Quanto a evidencia de validade de criterio do teste, os construtos avaliados demonstraram consistencia interna pela analise fatorial e tambem foram encontradas evidencias de validade preditiva ao serem comparados os resultados com notas escolares. Tambem foram encontradas diferencas significativas para area do conhecimento e anos escolares. A precisao foi calculada com base nos coeficientes de correlacao de Pearson e consistencia interna com base nos coeficientes de correlacao tetracorica. A analise dos itens mostrou que as provas cumpriram os requisitos necessarios [mayor que o igual a] 0,62) a composicao de escalas precisas. Os itens apresentavam adequada carga e se correlacionavam com o escore total, demonstrando assim que o teste e preciso (Almeida & Primi, 2000; Primi & Almeida, 2000).

Teste de Atencao Dividida - TEADI e Teste de Atencao Alternada - TEALT (Rueda, 2010)

O TEADI fornece uma medida referente a capacidade do individuo de dividir a atencao e o TEALT avalia a competencia que a pessoa tem de alternar a atencao ao procurar estimulos alvos com tempo marcado. Estes testes foram utilizados pois sao similares ao subteste da Bateria WJ-III (Woodcock, McGrew & Mather, 2001) que requer o mesmo tipo de atividade e considera que esta avaliando a velocidade de processamento. Na BAICA o subteste correspondente e Rapidez de Raciocinio. As evidencias de validade por idade dos testes foram calculadas pela correlacao de Pearson e pela Analise Univariada da Variancia (ANOVA), ambas apresentaram resultados estatisticamente significativos. Quanto as evidencias de validade por escolaridade dos testes, foi feita a ANOVA e post hoc de Tukey. As evidencias de validade de criterio dos testes TEADI e TEALT foram calculadas a partir de correlacoes com outros testes que mediam os mesmos construtos e as correlacoes obtidas foram positivas e significativas (p<0,05), comprovando que ambos os testes possuem evidencias de validade. O coeficiente de precisao estudado foram pelo alfa de Cronbach e pelo metodo das duas metades de Guttman e Spearman-Brown. As variacoes dos coeficientes puderam ser consideradas excelentes e desta forma mostram que a quantidade de erro medida nos instrumentos e baixa (Rueda, 2010).

Pensando Criativamente com Figuras e Pensando Criativamente com Palavras - Teste de Torrance (Torrance, 1966, 1990; Wechsler, 2004a, 2004b)

Estes testes avaliam a capacidade criativa figural e verbal do individuo, respectivamente. Na versao figural, e composto por tres atividades contendo rabiscos a serem completados. Para este estudo foi utilizado somente a atividade dois figural e verbal que apresentam atividades que requerem o mesmo tipo de pensamento daqueles existentes no subtestes de Criatividade da BAICA. Estes dois testes foram corrigidos de acordo com as caracteristicas cognitivas relacionadas a criatividade, identificados nas pesquisas relacionadas com a pessoa criativa, em estudos nacionais e internacionais (Wechsler 2004a, 2004b).

A pesquisa de investigacao de evidencias de validade de criterio externo dos testes de criatividade verbal e figural foi realizada com sujeitos regulares (nao criativos) e criativos (producao reconhecida por premios nacionais ou internacionais). Observou-se que os individuos tidos como criativos apresentaram medias significativamente maiores do que as dos individuos nao criativos em todas as variaveis observadas dos testes verbal e figural. As evidencias de validade de criterio, tipo discriminativa, foi estudada utilizando-se o Teste T a fim de investigar se os resultados nos testes poderiam discriminar o grupo criativo do nao criativo, e esta foi confirmada. A precisao dos testes foi realizada por teste reteste, tendo sido alcancadas correlacoes altamente significativas (Wechsler 2004a, 2004b; Wechsler, 2006).

Procedimento

Apos a aprovacao do projeto pelo Comite de Etica institucional (certificado de apresentacao para apreciacao etica--CAAE no 18470913.0.0000.5481) foi realizado o contato com a escola. O convite a participar da pesquisa foi feito a todos os alunos dos primeiros anos do ensino medio da escola e aos que desejavam participar foi entregue o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) para que os responsaveis assinassem. O Termo de Consentimento Livre e Esclarecido abarcava as seguintes informacoes para os responsaveis: explicacao da pesquisa, como importancia do tema e objetivo de pesquisa e tambem explicava todas as etapas da pesquisa bem como descrevia as atividades que os alunos iriam realizar. Ficou informado ainda que a participacao seria voluntaria e poderia ser cancelada a participacao a qualquer momento. No TCLE estavam informados o contato da pesquisadora bem como do Comite de Etica que aprovara a presente pesquisa. A aplicacao dos instrumentos se deu de forma coletiva e em sala de aula. Foram realizados tres encontros de uma hora e quarenta minutos cada um. Os alunos que nao participaram fizeram atividade substitutiva proposta pelo professor. Devido as faltas dos alunos somente foram considerados os resultados daqueles que fizeram todos os testes da BAICA.

As evidencias de validade da BAICA foram comparadas pelas correlacoes de Pearson com os testes validados que mediam os mesmos construtos. As provas Raciocinio Verbal, Espacial e Abstrato do BPR-5 foram comparadas com os subtestes Compreensao Verbal, Pensamento Viso Espacial e Pensamento Logico da BAICA. O subteste Rapidez de Raciocinio da BAICA, foi comparado com os dois testes de atencao, TEADI e TEALT.

O subteste de criatividade da BAICA foi comparado com os testes de Torrance. Nos testes de pensamento criativo aplicados neste estudo, foram avaliadas as caracteristicas criativas cognitivas, relacionadas ao pensamento divergente, a saber: fluencia (capacidade de gerar um grande numero de ideias e solucoes para uma situacao), flexibilidade (habilidade de olhar o problema sobre diferentes angulos e de mudar os tipos de propostas pra solucionar este problema), elaboracao (capacidade de embelezar uma ideia por meio de acrescimo de detalhes e enriquecimento de informacoes, como o uso de adjetivos) e originalidade (capacidade de produzir ideias raras ou incomuns, quebrando padroes habituais de pensar e gerando respostas incomuns). Para a correcao da caracteristica criativa originalidade nos subtestes de criatividade verbal e figural da BAICA foram criadas novas tabelas, nas quais foram somente pontuadas como originais as respostas que obtiveram uma frequencia menor que 3% na amostra. Este criterio de correcao para a originalidade e o mesmo utilizado no manual dos testes de Torrance (Wechsler 2004a, 2004b).

Para avaliar o desempenho geral em cada construto, foram criados alguns indicadores. Para avaliar a pontuacao total dos testes cognitivos da BAICA foi criado o indice "BAcognitivo", que corresponde a soma dos subtestes cognitivos da BAICA. O indice "BPRcognitivo" foi criado para avaliar a pontuacao total das provas aplicadas da BPR-5, e corresponde a soma das mesmas. Para avaliar a pontuacao total da criatividade verbal da BAICA foi criado o indice "BAICV" (BAICA indice criativo verbal total), que compreende a somas das habilidades verbais da BAICA e o mesmo se deu para a criatividade figural da BAICA ao ser criado o indice "BAICF" (BAICA indice criativo figural total). Para avaliar o total das habilidades criativas verbais de Torrance foi criado o indice "TOICV" (Torrance indice criativo verbal total), que corresponde a soma das habilidades criativas verbais de Torrance e o mesmo ocorreu com a criatividade figural, onde foi criado o "TOICF" (Torrance indice criativo figural total).

Resultados

As correlacao de Pearson entre subtestes cognitivos da BAICA com os subtestes da Bateria BPR-5 e os testes TEADI e TEALT sao demonstradas na Tabela 1.

Como pode ser observado na Tabela 1, todos os subtestes da BAICA e da BPR-5 se correlacionaram de maneira significativa. As mais altas correlacoes ocorreram entre o subteste verbal da BAICA e o subteste verbal da BPR-5 (r = .52; p [menor que o igual a] .001). Por sua vez, o total de subtestes compondo os indices cognitivo da BAICA correlacionou altamente com indice cognitivo da BPR- 5 (r = 0,56; p [menor que o igual a] 0,001). Tambem foram observadas correlacoes significativas entre e o subteste de rapidez de raciocinio da BAICA e os testes TEADI (r = .41; p [menor que o igual a] .001) e TEALT (r = .28; p [menor que o igual a] .01). Assim sendo, as evidencias de validade de criterio para os indicadores cognitivos da BAICA foram confirmadas.

Devido ao fato de que o teste de pensamento criativo da BAICA envolve habilidades criativas figurativas e tambem verbais, foram feitas correlacoes em separado com as atividades dos Testes de Pensamento Criativo de Torrance que medem habilidades semelhantes. Os resultados sao demonstrados na Tabela 2.

Como pode ser observado na Tabela 2 houve correlacoes significativas para todas as habilidades criativas verbais da BAICA quando comparadas com aquelas avaliadas pelo teste verbal de criatividade de Torrance. O total de indicadores criativos verbais da BAICA (BAICV) obteve correlacoes altamente significativas (.49; p [menor que o igual a] .001) com o total de indicadores criativos verbais de Torrance (TOCIV). Tais resultados indicam que ambos testes estao medindo construtos semelhantes.

Tres habilidades criativas figurais avaliadas pela BAICA obtiveram relacoes significativas com as mesmas habilidades no teste figurativo de Torrance (p [menor que o igual a] .05) que foram a fluencia (r = .28), flexibilidade (r = .20) e a elaboracao figurativa (r = .50). Entretanto, a originalidade figural nao se correlacionou significativamente com a mesma habilidade no teste de Torrance. Tal fato possivelmente contribuiu para a inexistencia de correlacoes significativas quando se comparou os totais dos indicadores criativos figurativos da BAICA com os mesmos totais no teste de criatividade figural de Torrance. Assim sendo, o teste de pensamento criativo da BAICA demonstrou ter 3 dentre 4 indicadores de criatividade com evidencias de validade

A questao da relacao entre inteligencia e criatividade, por sua vez foi analisada comparando-se os totais dos diferentes testes cognitivos da BAICA com as totais dos indices criativos figurais e verbais no teste de pensamento criativo da BAICI.

Como podemos observar na Tabela 3 nao foi observada nenhuma correlacao significativa entre qualquer habilidade cognitiva da BAICA com os indices criativos figurativos e verbais avaliados na mesma bateria. A baixa relacao entre inteligencia e criatividade, demonstra que estes construtos sao distintos.

Discussao

A analise da Bateria de Avaliacao Intelectual e Criativa--BAICA foi feita neste estudo a fim de verificar suas evidencias de validade. Esta nova bateria vem para preencher uma lacuna na area de avaliacao psicologica no nosso pais, uma vez que nao existe nenhum instrumento validado no Brasil que avalie dois importantes construtos, inteligencia e criatividade, de forma integrada, como aponta o Sistema de Avaliacao de Testes Psicologicos (CFP, 2011).

As analises dos indicadores cognitivos da BAICA confirmaram a existencia de evidencias de validade de criterio para o novo instrumento. Todos os subtestes da BAICA e da BPR-5 se correlacionaram de maneira significativa, assim como os indices cognitivos dos mesmos. Da mesma forma, o subteste de rapidez de raciocinio se correlacionou em niveis altamente significativos com os testes ja validados, TEADI e TEALT. Tais resultados ja haviam sido encontrados ao ser estudada a WJ-III (bateria que deu origem a BAICA) em seus estudos de evidencias de validade (Wechsler, Vendramini & Schelini, 2007, Wechsler et al., 2010). As evidencias de validade demonstraram que e possivel avaliar diferentes habilidades cognitivas por meio da BAICA, que e a nova versao da BAIAD (Wechsler et al., 2014).

Ao ser estudada a avaliacao da criatividade verbal da BAICA foram encontrados resultados bastante satisfatorios, no que tange a expectativa de um estudo de evidencias de validade. Os indices criativos verbais da BAICA e de Torrance (TOICV) se correlacionaram com resultados altamente significativos e o mesmo se deu para todas as habilidades criativas verbais da BAICA quando comparadas com as mesmas habilidades do teste de Torrance.

Quanto aos resultados encontrados na parte de criatividade figural, os indices gerais nao se correlacionaram de forma significativa, possivelmente devido ao fato que a caracteristica de originalidade da BAICA nao teve relacao significativa com o teste de Torrance. No teste Pensando Criativamente com Figuras existem mais estimulos na parte de originalidade (Wechsler, 2004a) e este dado indica a necessidade de novas pesquisas com amostras maiores, a fim de que o estudo da habilidade de originalidade possa ser melhor estruturado para as analises desta caracteristica criativa na BAICA. As demais habilidade criativas figurais da BAICA (fluencia, flexibilidade e elaboracao) obtiveram relacoes significativas com as mesmas habilidades no teste de Torrance.

Ainda nao existe um consenso sobre a relacao entre inteligencia e criatividade entre os pesquisadores da area (Silvia, 2008; Stenberg, 2001). Sabe-se da importancia e da necessidade existente de estudar esses dois construtos, de modo que uma avaliacao mais completa e integral do funcionamento intelectual humano seja passivel de ser realizada (Wechsler, 2066; Wechsler & Nakano, 2016).

Neste estudo foram encontradas relacoes nao significativas entre inteligencia e criatividade, confirmando outras pesquisas nacionais (Goncalves & Fleith, 2011; Wechsler et al., 2010; Alves & Nakano, 2015). Considerando a importancia da criatividade e do funcionamento cognitivo (Kaufman, Beghetto, & Pourjalali, 2011; Sternberg, 2001), a baixa relacao encontrada demonstra que a sua avaliacao pode complementar e ser integrada para o estudo da capacidade intelectual de um individuo. Recomenda-se, portanto, o acrescimo da medida de criatividade combinada com outros testes cognitivos demonstrando assim a importante contribuicao que a BAICA pode trazer para a avaliacao cognitiva.

Estudos futuros sao necessarios para investigar outras evidencias de validade da BAICA, por meio de diversos procedimentos assim como a sua precisao. Torna-se necessario tambem incluir amostras de outras faixas etarias e de outras regioes considerando que o estudo foi feito com estudantes paulistas. Certamente, a compreensao das diferentes habilidades que compoem o funcionamento mental podera ampliar a possibilidade de diagnostico e intervencao utilizando instrumentos validados no nosso pais.

Referencias

Alencar, E. M., & Fleith, D. S. (2003). Contribuicoes teoricas recentes ao estudo da criatividade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 19(1), 1-8. https://doi.org/10.1590/S0102-37722003000100002

Almeida, L. S., & Primi, R. (2000). Bateria de Provas de Raciocinio - BRP-5, manual tecnico. Sao Paulo: Casa do Psicologo.

Alves, R. J., & Nakano, T. C. (2014). Creativity and intelligence in children with and without developmental dyslexia. Paideia, 24(59), 361-369. https://doi.org/10.1590/1982-43272459201410

Alves, R. J., & Nakano, T. C. (2015). Desempenho criativo e suas relacoes com diferentes medidas de inteligencia em criancas com dislexia do desenvolvimento: um estudo exploratorio. Psicologia Reflexao e Critica, 28(2), 280-291. https://doi.org/10.1590/1678-7153.201528208

American Educational Research Association, American Psychological Association, & National Council for Measurement in Education. (2014). Standards for educational and psychological testing (3rd ed..). Washington, D. C: Author.

Campos, C. R., & Nakano, T. C. (2014). Producao cientifica sobre avaliacao da inteligencia: o estado da arte. Interacao em Psicologia, 16(2), 271-282.

Carroll, J. B. (1993). Human cognitive abilities: A survey of factor-analytic studies. New York: Cambridge University Press.

Carroll, J. B. (1997). The three-stratum theory of cognitive abilities. In D. P Flanagan et al. Contemporary intellectual assessment: theories, tests and issues (pp. 122-130). New York: Guilford Press. https://doi.org/10.1017/CBO9780511571312

Chiodi, M. G., & Wechsler, S. M. (2009). Escala de Inteligencia WISC III e Bateria de Habilidades Cognitivas Woodcock Johnson-III: comparacao de Instrumentos. Revista Avaliacao Psicologica, 8(3), 313-324.

Conselho Federal de Psicologia. (2011). Psicologia: legislacao, resolucoes e recomendacoes para a pratica profissional. Brasilia: Conselho Federal de Psicologia.

Dombrowski, S. C., & Watkins, M. W (2013). Exploratory and Higher Order Factor Analysis. Psychological Assessment. Advanced Online Publication. https://doi.org/10.1037/a0031335

Furnham, A., Batey, M., Anand K., & Manfield, J. (2008). Personality, hypomania, intelligence and creativity. Personality and Individual Differences, 44, 1060-1069. https://doi.org/10.1016/j.paid.2007.10.035

Goncalves, F. D., & Fleith, D. D. (2011). Estudo comparativo entre alunos superdotados e nao superdotados em relacao a inteligencia e criatividade. Psico, 42(2), 263-268.

International Testing Comission. (2013). ITC statement on use of tests and other assessment instruments for research purposes, ITC-S-TU-201331203. Retirado em 30 de julho de 2016 do www.intestcom.org

Jank, E., Benedeck, M., Dunst, B., & Neubauer, C. (2013). The relationship between intelligence and creativity: Newsupport for the threshold hypothesis by means of empirical breakpoint detection. Intelligence, 41, 212-221. https://doi.org/10.1016/j.intell.2013.03.003

Jauk, E., Benedek, M., Durnst, B., & Neubauer, A. C. (2013). Relationship between intelligence and creativity: New support for the threshold hypothesis by means of empirical breakpoint detection. Intelligence, 41, 212-221. https://doi.org/10.1016/j.intell.2013.03.003

Kaufman, J. C., Beghetto, R. A., & Pourjalali, S. (2011). Criatividade na sala de aula: uma perspectiva internacional. In S. M. Wechsler & V. L. Souza. Criatividade e aprendizagem: uma perspectiva internacional (pp. 53-72). Sao Paulo: Edicoes Loyola.

Kaufman, A. S., Raiford, S. E., & Coalson, D. L. (2016). Intelligence testing with the WISC-V. Hoboken, NJ: John Wiley & Sons.

Keith, T. Z., & Reynolds, M. R. (2010). Cattell-Horn-Carroll abilities and cognitive tests: what we have learned from 20 years of research. Psychology in the Schools, 47(7), 635-650. https://doi.org/10.1002/pits.20496

Kim, K. H., Cramond, B., & Bandalos, D. L. (2006). The latent structure and measurement invariance of scores on the Torrance tests of creative thinking-figural. Educational and Psychological Measurement, 66(3), 459-477. https://doi.org/10.1177/0013164405282456 Lubart, T. (2007). Psicologia da criatividade. Porto Alegre: Artes Medicas.

McGrew, K. S. (1997). Analysis ofthe major intelligence batteries according to a comprehensive Gf-Gc framework. In D. P. Flanagan, J. I. Genshaft & P. I. Harrison (Orgs.). Contemporary intellectual assessment: Theories, tests and issues (pp.131-150). New York: Guilford Press. https://doi.org/10.1016/j.intell.2008.08.004

McGrew, K. S., & Woodcock, R. W (2001). Technical manual: Woodcock-Johnson III. Itasca, IL: Riverside.

McGrew, K. S. (2009). CHC theory and the human cognitive abilities project: standing on the shoulders of giants of psychometric intelligence. Intelligence, 37, 1-10.

Nakano, T. C. (2012). Criatividade e Inteligencia em criancas: habilidades relacionadas? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 28(2), 149-159. https://doi.org/10.1590/S0102-37722012000200003

Nakano, T. C. & Wechsler, S. M. (2012). Criatividade: definicoes, modelos e formas de avaliacao. In C.S. Hutz (Org.). Avancos em avaliacao psicologica e neuropsicologica de criancas e adolescentes II (pp.327-361). Sao Paulo: Casa do Psicologo.

Nakano, T. C., Wechsler, S. M., Campos, C. R, & Milian, Q. G. (2015). Intelligence and Creativity: relationships and their implications for positive psychology. Psico-USF, 20(2), 195-206. https://doi.org/10.1590/1413-82712015200201

Nisbett, R. E., Aronson, J., Blair, C., Dickens, W., Flynn, J., Halpern, D., & Urkheimer, C. (2012). Intelligence: New findings and theoretical development. Intelligence, 67, 130-159. https://doi.org/10.1037/a0026699

Nusbaum, E. C., & Silvia, P. J. (2011). Are intelligence and creativity really so different? Fluid intelligence, executive process and strategy use in divergent thinking. Intelligence, 39, 36-45. https://doi.org/10.1016/j.intell.2010.11.002

Plucker, J. A. (2001). Introduction to the special issue: commemorating Guilford's 1950 presidential address. Creativity Research Journal, 13, 247-248. https://doi.org/10.1207/S15326934CRJ1334_02

Primi, R. (2003). Inteligencia: Avancos nos modelos teoricos e nos instrumentos de medida. Avaliacao Psicologica, 2(1), 67-77.

Primi, R.; Almeida, L. S. (2000). Estudo de validacao da Bateria de Provas de Raciocinio (BPR-5). Psicologia: Teoria e Pesquisa, 16(2), 165-173. https://doi.org/10.1590/S0102-37722000000200009

Primi, R., Nakano, T. C., & Wechsler, S. M. (2012). Cross-Batery Factor Analysis of the Battery of Reasoning Abilities (BPR-5) and Woodcock-Johnson Tests of Cognitive Ability (WJ-III). Temas em Psicologia, 20(1), 121-132.

Primi, R., Nakano, T., C., Morais, F., & David, A. P. (2013). Factorial structure of the Torrance Test with Portuguese students. Estudos de Psicologia (Campinas), 30, 19-28. https://doi.org/10.1590/S0103-166X2013000100003

Rueda, F.J.M. (2010). Teste de Atencao Dividida (TEADI) e Teste de Atencao Alternada (TEALT): manual. Sao Paulo: Casa do Psicologo.

Runco, M. A. (2007). Creativity: theories and themes, research, development and practice. London, UK: Elsevier Academic Press.

Sanders, S., McIntosh, D., Dunham, M., Rothlisberg, B., & Finch, H. (2007). Joint Confirmatory fator analysis of the differential ability scales and the Woodcock-Johnson tests of Cognitive abilitiesv- third edition. Psychology in the Schools, 44, 119-138. Advanced Online Publication. https://doi.org/10.1002/pits.20211.

Silvia, P. (2008). Another look at creativity and intelligence: Exploring higher-order models and probable confounds. Personality and Individual differences, 3, 1012-1021. https://doi.org/10.1016/j.paid.2007.10.027

Souza, A. A., & Wechsler, S. M. (2013). Inteligencia e Criatividade na Maturidade e Velhice. Psicologia: Reflexao e Critica, 26(4), 643-653. https://doi.org/10.1590/S0102-79722013000400004

Sternberg, R. J. (1999). The theory of successful in intelligence. Review of General Psychology, 3, 292-316. https://doi.org/10.1037/1089-2680.3.4.292

Sternberg, R. J. (2001). What is the common thread of creativity? Its dialectical relation to intelligence and wisdom. American Psychological Association, 56(4), 360-362. https://doi.org/10.1037/0003-066X.56.4.360

Sternberg, R., & Kaufman, J. (Eds.). (2001). The evolution of intelligence. Mahawah, NJ: Lawrence Erlbaum Associates.

Torrance, E. P. (1966). Torrance tests of creative thinking. Lexington, MA: Personnel Press.

Torrance, E. P. (1990). The Torrance Tests of Creative Thinking. Normstechnical manual Figural (streamlined) - Forms A and B. Bensenville: IL: Scholastic Testing Service.

Wechsler, S. M. (2004a). Avaliacao da criatividade por figuras. Teste de Torrance. Versao brasileira. Campinas: LAMP/PUC-Campinas.

Wechsler, S. M. (2004b). Avaliacao da criatividade por palavras. Teste de Torrance. Versao brasileira. Campinas: LAMP/PUC-Campinas.

Wechsler, S. M. (2006). Validity of the Torrance Tests of Creative Thinking to the brazilian culture. Creativity Research Journal, 18(1), 15-25. https://doi.org/10.1207/s15326934crj1801_3

Wechsler, S. M. (2008). Criatividade descobrindo e encorajando (3aed.). Campinas: LAMP/PUC-CAMPINAS.

Wechsler, S. M., & Schelini P. W. (2006). Bateria de Habilidades Cognitivas Woodcock-Johnson III: Validade de Construto. Psicologia, Teoria e Pesquisa, 22(3), 287-295. https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000300005

Wechsler, S. M., Vendramini, C. M., & Schelini, P. W. (2007). Adaptacao brasileira dos testes verbais da Bateria Woodcock-Johnson III. Revista Interamericana de Psicologia, 41(3), 285-294.

Wechsler, S. M., Nunes, C., Schelini, P. W., Pasian, S. R., Moretti, L., & Anache, A. (2010). Brazilian adaptation of the Woodcock-III cognitive tests. School Psychology International, 31, 409-421. https://doi.org/10.1177/0143034310377165

Wechsler, S. M., Vendramini, C. M., Schelini, P. W., Lourenconi, M. A., Souza, A. A., & Mundim, M. C. (2014). Factorial structure of the Brazilian Adult Intelligence Battery. Pychology and Neuroscience, 7(4), 559-566. https://doi.org/10.3922/j.psns.2014.4.15

Wechsler, S. M., & Nakano, T. C. (2016). Cognitive assessment of Brazilian children and youth: past and present perspectives and challenges. International Journal of School and Educational Psychology, 4(4), 215-224. https://doi.org/10.1080/21683603.2016.1163654

Woodcock, R. W., McGrew, K. S., & Matter, N. (2001). Woodcock-Johnson III. Itasca, IL: Riverside Publishing.

Queila Guise Milian (1) y Solange Muglia Wechsler (2)

Pontificia Universidade Catolica de Campinas, Brasil

(1) Magister en Psicologia por la PUC-Campinas. Estudiante de doctorado en PUC-Campinas. Direccion postal: Rua Professor Doutor Euryclides de Jesus Zerbini, 1516. Pq. Rural Fazenda Santa Candida, Campinas - SP / CEP: 13087-571. Contacto: queila-guise@yahoo.com.br

(2) Doctora en Psicologia por la University of Georgia. Profesora en la PUC-Campinas. Direcion postal: Rua Professor Doutor Euryclides de Jesus Zerbini, 1516. Pq. Rural Fazenda Santa Candida, Campinas - SP / CEP: 13087-571 Contacto: wechsler@lexxa.com.br

Recibido: 29 de agosto, 2017

Revisado: 21 de marzo, 2018

Aceptado: 26 de marzo, 2018

https://doi.org/10.18800/psico.201802.005
Tabela 1
Correlacao de Pearson entre os subtestes cognitivos da BAICA, BPR-5,
TEADI e TEALT

Subtestes      BPRverbal   BPRespacial   BPRabstrato   BPRcognitivo
BAICA

BA verbal      .52 (***)   .41 (***)     .40 (***)     .54 (**)
BA espacial    .43 (***)   .39 (***)     .32 (**)      .46 (**)
BA logico      .47 (***)   .41 (***)     .37 (***)     .51 (*)
BA rap. rac.   .28 (**)    .43 (***)     .33 (**)      .41 (***)
BA cognitivo   .57 (***)   .57 (***)     .49 (***)     .56 (***)

Subtestes      TAEDI       TEALT
BAICA

BA verbal      .18         0.20 (*)
BA espacial    .17         0.19
BA logico      .12         0.08
BA rap. rac.   .41 (***)   0.28 (**)
BA cognitivo   .35 (**)    0.29 (**)

(*) p < .05 (**) p < .01 (***) p < .001 BA- testes da BAICA BArap.rac.-
BAICA rapidez de raciocinio BAcognitivo - soma dos testes verbal,
espacial, logico e rapidez de raciocinio BPRcognitivo - soma das provas
de raciocinio verbal, espacial e abstrato da BPR-5.

Tabela 2
Relacao entre as habilidades criativas verbais e figurais da BAICA e de
Torrance

Hab.                                Habilidades Criativas Verbais
Criativas                           - Torrrance
BAICA       TOCVFlu     TOCVFlex    TOCVEla      TOCVOri     TOICV

BACVFlu     .54 (***)   .43 (***)   -.04         .36 (**)    .48 (***)

BACVFlex    .30 (**)    .36 (**)    -.02         .19         .28 (*)
BACVEla     .29 (**)    .21 (*)      .48 (***)   .38 (***)   .38 (***)
BACVOri     .44 (***)   .32 (**)    -.00         .26 (*)     .38 (***)
BAICV       .54 (***)   .42 (***)    .08         .34 (**)    .49 (***)

Hab.                                Habilidades Criativas Figurais
Criativas                           - Torrrance

BAICA       TOCFFlu     TOCFFlex    TOCFEla      TOCFOri     TOICF
BACFFlu     .28 (**)    .13         -.14         .05        -.05
BACFFlex    .24 (*)     .20 (*)      .21 (*)     .01        -.13
BACFEla     .21 (*)    -.10          .50 (***)   .18         .40 (***)
BACFOri     .23 (*)     .19         -.19         .04        -.06
BAICF       .31 (**)    .12          .01         .10         .12

(*) p < .05 (**) p < .01 (***) p < .001 BACVFlu - Fluencia verbal;
BACVFlex - flexibilidade verbal; BACVEla--Elaboracao verbal; BACVOri
- originalidade verbal; BAICV - Indice criativo verbal (soma das
habilidades verbais); TCVFlu - fluencia verbal; TCVFlex - flexibilidade
verbal; TCVEla - elaboracao verbal; TCVOri - originalidade verbal; TICV
- indice criativo verbal (soma das habilidades verbais). BACFFlu
- Fluencia figural; BACFFlex - flexibilidade figural; BACFEla
- Elaboracao figural; BACFOri - originalidade figural; BAICF - Indice
criativo figural (soma das habilidades figurais). TCFFlu - fluencia
figural; TCFFlex - flexibilidade figural; TCFEla - elaboracao figural;
TCFOri - originalidade verbal; TICF - indice criativo figural (soma das
habilidades figurais).

Tabela 3
Relacao entre os subtestes cognitivos e os indicadores totais de
criatividade da BAICA

Subtestes      Indices criativos da BAICA
Cognitivos     Verbal    Figural

BAICA          BAICV     BAICF
BA verbal      .18         .14
BA espacial    .11         .10
BA logico      .03         .01
BA rap. rac.   .10         .12
BA cognitivo   .17       15

(*) p < .05 BA- testes da BAICA; BArap.rac.- BAICA rapidez de
raciocinio; BAcognitivo - soma dos testes verbal, espacial, logico e
rapidez de raciocinio; BAICV-indice criativo verbal (soma das
habilidades criativas verbais); BAICF-indice criativo figural (soma das
habilidades criativas figurais).
COPYRIGHT 2018 Pontificia Universidad Catolica del Peru
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Milian, Queila Guise; Wechsler, Solange Muglia
Publication:Psicologia
Date:Jul 1, 2018
Words:6717
Previous Article:Projetos de vida e moralidade em adolescentes com indicios de altas habilidades/superdotacaos.
Next Article:Processo criativo de publicitarios brasileiros: Fatores motivadores e inibidores a criacao.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |