Printer Friendly

Avaliacao dos laboratorios de ciencias e biologia das escolas publicas e particulares de Maringa, Estado do Parana.

Introducao

As aulas experimentais sao essenciais para que os alunos tenham um aprendizado eficiente e estruturado em diversos cursos, principalmente na area das Ciencias e Biologia, pois somente neste tipo de aula os alunos utilizam os materiais, manuseiam equipamentos, presenciam fenomenos e organismos que podem ser observados a olho nu ou com a ajuda de microscopios. Alem disso, nas aulas praticas, os alunos avaliam resultados, testam experimentos e, assim, exercitam o raciocinio, solucionam problemas e sao estimulados ao desafio.

De acordo com Dourado (2001), as atividades experimentais sao essenciais para o processo de ensino-aprendizagem e devem estar adequadas as capacidades e atitudes que se pretende desenvolver nos alunos. O referido autor cita, tambem, que a inclusao das atividades laboratoriais no ensino de Ciencias comecou no inicio do seculo XIX, quando as disciplinas da area das Ciencias comecaram a fazer parte dos curriculos de muitos paises.

Galiazzi et al. (2001) explicam que as experiencias tinham o objetivo de aperfeicoar a aprendizagem do conteudo cientifico, pois os alunos aprendiam os conteudos teoricos e nao conseguiam aplica-los na pratica. Este marco foi de significativa importancia para o ensino, porem com o passar dos anos, estas atividades comecaram a ser utilizadas somente para complementar as teorias ja comprovadas. Conforme Zanon e Freitas (2007), quando as atividades experimentais demonstram unicamente o que as teorias ja explicam, estas atividades se tornam muito limitadas e nao favorecem a construcao do conhecimento.

O processo de ensino-aprendizagem dos alunos em Ciencias, por meio de situacoes experimentais, ocorre quando, alem do seu envolvimento em atividades e experiencias de ensino e aprendizagem, o aluno se sente desafiado e perturbado com situacoes presentes no seu cotidiano e, consequentemente, instigado em buscar na literatura e com os seus colegas, usando-se de discussoes e criticas, as possiveis solucoes para o problema formulado (BUSATO, 2001).

O laboratorio constitui-se em um ambiente de aprendizagem significativo no que se refere a capacidade do aluno em associar assuntos relacionados a teoria presente nos livros didaticos, pela realizacao de experiencias, sendo um local de mudancas no ambiente de aprendizagem da sala de aula, permitindo ao aluno visualizar a teoria da sala de aula de forma dinamica, vivenciando a teoria dos livros didaticos por meio da experimentacao. Na escola, esse espaco se constitui na materializacao de uma concepcao didatica, em uma maneira de visualizar e estruturar a producao dos conhecimentos cientificos. Em um sentido amplo, qualquer ambito envolvido na realizacao de experiencias de ciencias - a sala de aula, o laboratorio, a oficina, o parque, um museu ou o zoologico - recebera o impacto das atividades e posicoes explicitas ou, na maioria das vezes, implicitas diante de um modo de producao e transmissao dos conhecimentos (WEISSMANN, 1998).

Na pratica docente, as aulas teoricas ocupam boa parte da carga horaria, e as aulas praticas sao programadas conforme a disponibilidade de fatores como: laboratorio com materiais disponiveis (microscopios, reagentes), tecnicos de laboratorio e, muitas vezes, espaco fisico.

No Estado do Parana, o Conselho Estadual de Educacao fornece informacoes sobre laboratorios escolares no livro: Parana (1993), que apresenta apenas uma lista de equipamentos necessarios para laboratorios de Fisica, Quimica e Biologia, e no livro: Parana (1998), no artigo 22, que informa sobre os requisitos minimos para que as instalacoes dos laboratorios sejam aprovadas. Por outro lado, estes requisitos sao incompletos, principalmente, em relacao a estrutura fisica e a seguranca do local. Essas normas demonstram que para um laboratorio estar realmente completo e em condicoes ideais de uso, e necessario bom conhecimento do professor, pois se depender somente das normas, os laboratorios escolares sempre serao um espaco pouco aproveitado no ensino das Ciencias.

E evidente que um laboratorio bem equipado nao garante um ensino de Ciencias e Biologia que proporcione aprendizado significativo nestas disciplinas, pois os professores precisam situar, adequadamente, as atividades experimentais no processo de ensino-aprendizagem dos alunos. Para que isso se concretize, nao e suficiente apenas seguir manuais de instrucao de kits laboratoriais ou repetir tecnicas descritas em livros, porque a metodologia utilizada durante as aulas praticas e sua integracao ao conteudo abordado pelo professor sao mais valiosas a formacao cientifica dos alunos do que o simples fato de realizar experimentacoes (AXT, 1991).

O objetivo deste trabalho foi o de avaliar as condicoes estruturais, materiais e a frequencia no uso de laboratorios de ensino de Ciencias nas escolas publicas e de algumas escolas particulares de Maringa. Esta pesquisa futuramente contribuira para que diretores, professores e tecnicos das instituicoes de ensino tenham conhecimento do funcionamento e da estrutura dos laboratorios didaticos e percebam a necessidade de terem professores e tecnicos de Ciencias e Biologia que saibam usar os equipamentos laboratoriais, otimizando de forma significativa a qualidade das atividades experimentais destas disciplinas. Alem disso, a dificuldade de se encontrar literatura especifica relacionada aos laboratorios de ensino motivou a elaboracao deste trabalho, que pretende somar aos conhecimentos daqueles que atuam nas instituicoes do ensino fundamental e medio.

Material e metodos

Foram visitadas e avaliadas 17 escolas estaduais e quatro escolas particulares do Municipio de Maringa, Estado do Parana. Nestas instituicoes, foi aplicado um questionario, com a finalidade de avaliar as condicoes, a frequencia de uso, periodo de utilizacao, a localizacao, espaco fisico, quantificacao de materiais e as condicoes de seguranca dos laboratorios. Apos a coleta das informacoes, os dados obtidos foram armazenados em uma planilha EXCELL, para a elaboracao dos graficos que auxiliaram as discussoes e conclusoes finais do trabalho.

Resultados e discussao

De acordo com os dados obtidos pela aplicacao dos questionarios nos laboratorios das escolas publicas e particulares de Maringa, Estado do Parana, foi constatado que varios laboratorios estao sendo utilizados por diversas outras disciplinas alem das citadas no questionario, que seriam as disciplinas de Ciencias, Biologia, Fisica e Quimica. Esses laboratorios tambem estao sendo usados para o ensino de Geografia, Artes, Matematica e Psicologia. Foram encontrados laboratorios que sao utilizados para o ensino profissionalizante, para realizar reunioes, palestras, para aulas de Educacao Fisica e outras atividades como a realizacao de bazares beneficentes. O percentual da utilizacao das disciplinas nos laboratorios visitados, cujos professores foram entrevistados, pode ser observado na Figura 1:

A respeito da frequencia de uso dos laboratorios pelas disciplinas cientificas, os resultados obtidos com o questionamento podem ser visualizados na Figura 2:

Em relacao a frequencia de uso, pode-se constatar que grande parte dos laboratorios das escolas publicas visitados e usada semanalmente pelas disciplinas que envolvem aulas praticas. Observa-se que os laboratorios escolares (publicos e particulares) possuem maior utilizacao semanal pela quantidade de aulas semanais de Ciencias e Biologia, que geralmente sao em numero de duas a tres aulas por semana. Entretanto, foi constatado que, dos laboratorios analisados, a sua frequencia de uso diario e maior entre as escolas particulares em relacao as publicas e, alem disso, a utilizacao mensal foi conferida somente em relacao as escolas publicas. Com esses dados, pode-se afirmar que as escolas publicas possuem maior dificuldade para a realizacao de aulas laboratoriais pelas condicoes precarias de uso dos laboratorios causadas pela falta de investimentos nesses estabelecimentos, ocasionando falta de equipamentos e materiais, falta de recursos para a manutencao de equipamentos e de um espaco fisico apropriado para ser utilizado como laboratorio didatico. Com essas dificuldades, os professores, em especial nos laboratorios escolares publicos, estao diminuindo a quantidade de aulas experimentais, apesar da quantidade de aulas de Ciencias e Biologia se limitarem a duas ou tres por semana.

Em todas as escolas visitadas, com excecao de uma escola publica, as aulas experimentais sao desenvolvidas nos laboratorios e nao na propria sala de aula. Essa escola publica, que foi excecao, realiza aulas praticas semanalmente na propria sala de aula, mesmo possuindo um laboratorio, em consequencia da falta de um tecnico de laboratorio para auxiliar na preparacao de aulas praticas.

Uma sala de aula pode ser reformada para ser usada como um laboratorio. De acordo com Weissmann (1998), e fundamental que a sala tenha boas condicoes de iluminacao, presenca de pias e torneiras, cujo numero deve variar de acordo com a quantidade de alunos. As mesas devem ter cobertura de um material com boa resistencia quimica. Nao podem ser mesas fixas, sendo o tamanho de 50 x 80 cm o ideal. Pias e bancadas utilizadas para preparar os materiais a serem usados na aula pratica devem ficar em paredes laterais e tambem sao requisitados bicos de gas, tomadas eletricas, dois tanques para lavagem de materiais, vasos de plantas e um local para depositar as experiencias que ainda estao em andamento. Para complementar, a mesma autora cita que e preciso que a sala de aula possua um armario com chave para guardar materiais frageis, perigosos ou de valor. Apesar destes aspectos sobre a estrutura das salas de aula dificilmente estarem presentes, tanto nas escolas publicas quanto particulares, o ambiente da sala de aula pode ser utilizado para realizar aulas experimentais. Porem, estas experimentacoes deverao ser mais simples por causa de questoes relacionadas a seguranca das pessoas neste local e tambem pela falta de equipamentos, de materiais e ate de espaco fisico. Gioppo et al. (1998) explicam que alguns experimentos podem ser realizados com materiais e espacos alternativos, possibilitando o desenvolvimento de habilidades, como a de selecionar e aproveitar materiais nao-consagrados.

Sobre o periodo de realizacao das aulas experimentais, em todas as escolas particulares avaliadas, estas atividades sao realizadas no contraturno, evitando-se assim utilizar as aulas da carga horaria normal. Nestas escolas, os laboratorios de Ciencias e/ou Biologia, Fisica e Quimica estao em melhores condicoes para a execucao de aulas praticas quanto aos aspectos de infraestrutura, recursos para a obtencao de materiais e equipamentos e manutencao desses equipamentos, melhor organizacao por parte dos professores e da escola e, tambem, condicoes para que os alunos frequentem estas aulas no contraturno. Nas escolas publicas, as atividades experimentais sao realizadas no turno da disciplina, haja vista a dificuldade dos alunos em deslocarem-se para a escola neste periodo. Apesar de alguns laboratorios estarem em boas condicoes, pode-se constatar que os mesmos nao sao utilizados com frequencia, fato associado a muitas vezes pela dificuldade em preparar estas aulas para salas numerosas e sem a ajuda de um tecnico de laboratorio.

Durante a pesquisa, evidenciou-se que a falta de tecnicos de laboratorio e problema exclusivo das escolas publicas, pois 76% destas instituicoes visitadas nao possuem esses profissionais, fazendo com que as aulas praticas sejam drasticamente reduzidas. Os professores reclamam da falta de condicoes nos laboratorios e de tempo para elaborar as aulas praticas, em funcao do elevado numero de aulas que a grande maioria ministra em diferentes escolas, somando-se, ainda, as condicoes precarias da maioria dos laboratorios das escolas publicas avaliadas.

A falta de tecnicos de laboratorio nao justifica a diminuicao tao acentuada na quantidade das praticas e muito menos na sua qualidade, haja vista que muitas das praticas em Ciencias e Biologia nao dependem exclusivamente do laboratorio e sim da disponibilidade do professor de Ciencias e Biologia em buscar praticas que possibilitem ao aluno, visualizar, analisar, experimentar mesmo em sala de aula, utilizando-se de aulas praticas nao somente demonstrativas, mas tambem investigativas.

De acordo com Praia et al. (2002), nas aulas experimentais, o uso da investigacao nestes experimentos, transforma os alunos em sujeitos mais participantes na construcao de seus conhecimentos, exigindo, dessa forma, maior esforco intelectual deles, pois os alunos estarao exercitando a utilizacao de conceitos, metodologias, enfim, atitudes mais proximas da metodologia cientifica atual.

Os alunos nao podem ser privados de quaisquer atividades que permitam relacionar fenomenos biologicos com o cotidiano sob a alegacao da naoexistencia de condicoes materiais para a realizacao do mesmo, pois nao sao necessarios aparelhos e equipamentos caros e sofisticados para a realizacao de aulas praticas no laboratorio. Na falta deles, e possivel, de acordo com a realidade de cada escola, que o professor realize adaptacoes nas suas aulas praticas a partir do material existente e, ainda, utilize materiais de baixo custo e de facil acesso.

Atividades de campo sao fundamentais, por exemplo, no ensino de ecologia, o proprio supermercado constitui-se em uma fonte rica de pesquisa e aprendizado no cotidiano e na pratica vivencial, como por exemplo, pesquisando a composicao quimica dos alimentos, categorias de alimentos, enfim, considerando que o mundo onde o aluno vive constitui-se em um rico laboratorio de Ciencias, muitos professores assumem a ideia de que aulas praticas somente podem ser realizadas em laboratorios apropriados.

A falta de atividades de campo no processo de ensino tem como consequencia o empobrecimento didatico e isto ocorre pela falta de contato do aluno com a realidade, prejudicando o desenvolvimento de sua cidadania. Santos (2002) esclarece que as aulas de campo, alem de contribuirem para a aprendizagem dos alunos, tambem servem para aumentar o estimulo dos professores, pois estes enxergam a possibilidade de inovar nos seus trabalhos e assim se empenham mais na orientacao dos seus alunos. O referido autor mostra que os professores consideram tambem que a finalidade de utilizar o trabalho de campo e facilitar a observacao e interpretacao de conceitos e fenomenos, e o que e observado no campo nao pode ser visualizado na aula ou entao em aulas de laboratorio. Quando os alunos voltam de uma atividade de campo para a sala de aula, conseguem melhor aprendizagem sobre o conteudo abordado, assim ajudando a complementar, reforcar e enriquecer o processo de ensino-aprendizagem em Ciencias.

E importante que o professor de Ciencias levante, em primeiro lugar, em seu planejamento, quais atividades praticas demandam a utilizacao de laboratorios e quais poderiam sem realizadas sem os mesmos. Desta forma, o professor podera perceber que existe uma gama de experimentos que podem ser realizados em grupos na propria sala de aula, por exemplo, quando se trata da classificacao de seres vivos, em que insetos, plantas ou mesmo materiais como conchas, frutos entre outros materiais biologicos que nao oferecem riscos ao aluno possam ser manipulados e estudados.

Outro aspecto levantado pelo trabalho foi em relacao a formacao do tecnico de laboratorio. Sabe-se que o tecnico de laboratorio deve possuir formacao adequada para trabalhar nestes ambientes, pois o seu conhecimento e habilidade sao fundamentais para que o seu papel seja executado com seguranca e qualidade. Este problema de formacao superior inadequada tambem e percebido nos professores. Conforme Hamburger e Matos (2000), ha despreparo dos professores para realizarem as aulas praticas pelo fato de nao serem graduados na licenciatura da disciplina que trabalham na escola, fazendo com que aconteca a falta de motivacao aliada a falta de condicoes de trabalho nos laboratorios e provocando, dessa forma, o ensino completamente teorico e expositivo. Estas deficiencias na formacao de Ciencias representam uma seria limitacao para a utilizacao da experimentacao em suas aulas e estao relacionadas tanto com a formacao pedagogica como ao dominio dos conteudos especificos. Por isso, e importante destacar a importancia da educacao continuada na formacao dos professores, para que se possa dar continuidade a capacitacao aos professores de escolas publicas por meio de experiencias interativas na construcao de estruturas que possibilitem a aprendizagem dos fenomenos fisicos, quimicos e biologicos.

Nesta pesquisa, foi dado enfase aos laboratorios de Ciencias e Biologia. Para trabalhar em um laboratorio de Biologia, o tecnico necessita, no minimo, ter formacao superior em Ciencias Biologicas.

Pelos resultados obtidos por meio das entrevistas realizadas, foi constatado que grande parte dos tecnicos de laboratorio das escolas publicas (78%) nao possui formacao superior adequada para trabalhar em um laboratorio de Biologia. Ja nas escolas particulares, este problema foi registrado com menor frequencia. Alguns tecnicos de laboratorio de Biologia relataram que tinham formacao em cursos como: Pedagogia, Educacao Fisica ou mesmo Enfermagem. Assim, estes tecnicos nao possuem formacao especifica para atuar como tecnicos de laboratorio de Ciencias e Biologia. Cabe ao Estado, por meio da Secretaria de Educacao, contratar no processo seletivo pessoal qualificado para a funcao, evitando, assim, a improvisacao, que leva inevitavelmente a queda no rendimento, tanto no preparo quanto na manutencao dos laboratorios de ensino. Ja nas escolas particulares, os tecnicos em sua grande parte possui formacao ligada a area de atuacao, fato que pode estar ligado entre as exigencias para a contratacao do mesmo, o que permite ao professor de Ciencias realizar suas atividades com mais seguranca e contando com a participacao do tecnico em suas aulas.

De acordo com Krasilchik (2004), os laboratorios escolares devem estar situados no terreo das escolas, por causa de questoes de seguranca, como saidas de emergencia, por exemplo. Dos laboratorios visitados e avaliados, a maioria desses estabelecimentos esta localizada no terreo das escolas, conforme apresenta a Figura 3:

Dos laboratorios visitados e avaliados, 82% dos laboratorios das escolas particulares e 75% dos laboratorios das escolas publicas estao localizadas no terreo. Os laboratorios presentes no 1[degrees] andar sao de escolas publicas e particulares, tornando dificil o acesso e escoamento dos alunos em caso de acidentes. Portanto, e necessario maior conscientizacao e conhecimentos dos diretores e professores para a construcao de laboratorios, pois segundo Krasilchik (2004), todo projeto de construcao de um laboratorio escolar precisa ser elaborado conjuntamente pelo professor da disciplina, com o engenheiro responsavel pela construcao e com a assessoria dos orientadores educacionais.

Infelizmente, a construcao de um laboratorio nem sempre e dotada da participacao colaborativa dos profissionais que nela vao atuar, pois fatores essenciais como pias, armarios, quadro, janelas e equipamentos de seguranca muitas vezes sao inadequados a uma infraestrutura de laboratorio. Nas escolas publicas, muitos dos laboratorios visitados sao antigos, nao havendo, muitas vezes, condicoes de funcionamento ou seguranca; ja na escola particular a existencia de equipamentos mais sofisticados como microscopios com cameras de transmissao, lupas, armarios mais estruturados fazem com que o ambiente se torne funcional, mas, foram observadas, tambem, irregularidades no tocante a seguranca e ao espaco fisico.

Muitas vezes, o conhecimento sobre a estruturacao de laboratorios de Ciencias e dificil de ser encontrado na literatura, pois durante a realizacao deste trabalho, nao foram encontradas normas estaduais explicando de maneira eficiente como planejar laboratorios escolares dentro dos padroes de seguranca. Isso faz com que muitos laboratorios surjam deficientes em seguranca e tambem em outros aspectos.

Sobre o tamanho do espaco fisico de um laboratorio, Krasilchik (2004) sugere que o tamanho ideal para uma classe e de aproximadamente 90 [m.sup.2], com a capacidade maxima de 30 alunos (3 [m.sup.2] [aluno.sup.-1]). Ja Weissmann (1998), adiciona que para cada aluno ha necessidade de acrescentar mais 1[m.sup.2] para guardar material portatil e mais 0,50 [m.sup.2] para o espaco de estantes, exposicoes e circulacao das pessoas, totalizando 4,50 [m.sup.2] por aluno.

Como ja foi comentado anteriormente, o nosso Estado possui poucas normas para que um laboratorio escolar seja aprovado. Uma das raras normas que existem, de acordo com o livro Parana (1993), relata que para um laboratorio escolar ter as minimas condicoes de funcionamento, e necessario que esse estabelecimento tenha um espaco fisico de 1,20 [m.sup.2] por aluno.

Boa parcela dos laboratorios visitados obedece a essa norma estadual, porem ha casos em que certos laboratorios desconhecem ou desobedecem a essa norma vigente, conforme a Figura 4.

[FIGURA 4 OMITIR]

Pode-se notar que em 32% do total dos laboratorios escolares avaliados neste trabalho a media ([m.sup.2] [aluno.sup.-1]) nao alcanca o minimo necessario para um bom funcionamento do laboratorio, conforme obriga a norma estadual, como e o caso da escola publica numero 13, que possui uma area de aproximadamente 0,50 [m.sup.2] por aluno, o que torna a pratica perigosa e de dificil controle por parte do professor com salas numerosas.

Na Figura 5, foram comparadas medias do espaco fisico e do numero de alunos nos laboratorios das escolas publicas e particulares avaliadas nesta pesquisa:

Pode-se constatar que as escolas particulares possuem laboratorios muito melhor planejados e, consequentemente, com um maior espaco fisico, com uma capacidade para comportar uma quantidade maior de alunos, sem prejudicar a qualidade das aulas experimentais. Contrastando com as escolas publicas, grande parte dos laboratorios esta em condicoes precarias, sendo a relacao do espaco fisico e o numero de alunos muito inapropriados para a realizacao de aulas praticas. Assim, quanto ao quesito espaco fisico, pode-se concluir que os laboratorios das escolas particulares possuem o minimo necessario para um bom funcionamento de seus laboratorios, conforme preconizados nas normas estaduais vigentes.

[FIGURA 5OMITIR]

A grande maioria das escolas publicas esta de acordo com essa norma, no entanto, em algumas os laboratorios nao seguem o que seria recomendado de 1,20 [m.sup.2]. Alem disso, alguns laboratorios das escolas publicas demonstram uma serie de dificuldades em comparacao com os das escolas particulares em relacao a infraestrutura, destacandose o piso inadequado, bancadas, iluminacao, reagentes, na maioria das vezes com data de validade vencida, dificuldade de recursos para a manutencao de equipamentos e condicoes de seguranca precarias.

A disponibilidade de certos materiais e as condicoes de seguranca variam muito de laboratorio para laboratorio, independentemente se pertencem a uma escola publica ou particular.

Com os dados obtidos pela pesquisa, foi possivel concluir que todos os laboratorios das escolas visitadas possuem microscopios, reagentes e vidrarias. Quase todos os laboratorios nao possuem estufas para herbarios, com excecao de uma escola particular. Em relacao a presenca de lupas, 76% dos laboratorios visitados possuem esse material, 48% possuem cartazes para orientacao dos cuidados no laboratorio, 53% possuem balancas de precisao, em 29% dos laboratorios, esta instalada uma centrifuga, 24% tem estufas e 15% possuem destiladores, observando-se que os laboratorios que possuem destiladores sao somente de escolas particulares.

De acordo com o livro Parana (1993), grande parte dos materiais e equipamentos exigidos pelo Estado, como microscopios e reagentes, esta presente nos laboratorios das escolas publicas e tambem das particulares, com excecao da exigencia das balancas de precisao. Quanto a esse ultimo requisito, cerca de 53% dos laboratorios de escolas publicas avaliados nessa pesquisa nao possuem balancas de precisao e, assim, nao obedecem a essa norma estadual vigente.

Portanto, nao se pode afirmar que os laboratorios das escolas em geral estejam em condicoes satisfatorias em relacao a presenca desses materiais e equipamentos, pois as normas para a criacao e manutencao de laboratorios nao segue uma normativa para as escolas de ensino fundamental e medio. Em cada laboratorio avaliado, constatou-se que parte desses equipamentos e materiais presentes estava quebrado ou nao tinha condicoes de ser utilizado em aulas experimentais. Com isso, foi detectada grande diferenca em relacao a variedade, quantidade e as condicoes de utilizacao de materiais e equipamentos quando comparada as dos laboratorios das escolas particulares,

Contudo, como nao foi possivel acompanhar as aulas praticas tanto nas escolas publicas quanto nas particulares, nao se pode afirmar que a qualidade das aulas praticas ou o metodo de ensino sejam mais significativos em escolas particulares pelo fato destas apresentarem laboratorios com melhores condicoes de infraestrutura, recursos materiais ou mesmo pelo fato destas aulas serem ministradas no contraturno. O fato e que a escola na atualidade trata os conteudos de forma estanque e privilegia a memorizacao, nao contribuindo significativamente ao raciocinio logico e tambem a pratica vivencial do cotidiano. Fato que pode ser constatado nas medias obtidas pelas escolas particulares e publicas no ENEM (Exame Nacional do Ensino Medio), que mostra claramente a dificuldade dos alunos em interpretar os assuntos referentes as diversas disciplinas ministradas nas escolas.

Os tecnicos de laboratorio ou professores responsaveis pelos laboratorios, em todas as escolas publicas em que o questionario foi aplicado, reclamaram que a escola nao recebe ajuda financeira do governo o suficiente para consertar equipamentos ou entao ter materiais e equipamentos novos. Reclamaram, tambem, que materiais novos demoravam muito para serem entregues na escola. Nao ha garantias de que as aulas praticas solucionem problemas de aprendizagem e tornem os conteudos significativos por si so. E preciso que tanto professor e aluno possam caminhar de forma colaborativa, permitindo ao aluno acesso aos metodos cientificos que permitem ao mesmo compreender como os cientistas e pesquisadores procedem em seus trabalhos investigativos e desta forma tornarem as aulas de ciencias atrativas e correlatas as aulas teoricas, nao fazendo destas aulas apenas mero cumprimento da carga horaria.

Em relacao a seguranca dos laboratorios didaticos avaliados, constatou-se que grande parte dos laboratorios, tanto de escolas publicas quanto de particulares, esta despreparada no aspecto da seguranca, negligenciando as normas. Os resultados obtidos demonstram que quase todos os laboratorios avaliados, com excecao de uma escola particular, nao possuiam chuveiros e alarmes de seguranca, pois, de acordo com Pombeiro (2003), o chuveiro e necessario no laboratorio em situacoes de acidente, caso a roupa do individuo esteja em chamas. Foi visto que 15% dos laboratorios possuiam capela e esses estabelecimentos em que esse equipamento esta presente sao todos de escolas particulares. Placas de sinalizacao foram encontradas apenas em uma escola publica e luzes de emergencia foram presenciadas em uma escola publica e em uma particular. Somente 30% dos laboratorios visitados possuiam saidas de emergencia e cerca de 48% desses ambientes possuiam pelo menos um extintor.

Constata-se desta forma, que tanto os laboratorios das escolas publicas como particulares apresentam deficiencias, resultado da falta de investimento e de manutencao dos mesmos por parte das escolas, somando-se ainda ao despreparo dos professores em ministrar aulas nestes ambientes, em parte pela falta de equipamentos e tambem pela ausencia de um tecnico qualificado que possa organizar este espaco para tornar exequivel a realizacao das aulas. Tudo isso pode ser minimizado por um conhecimento adequado por parte do proprio professor que ministra a disciplina, evitando-se assim praticas que coloquem em risco o aluno tanto em laboratorio como em sala de aula.

E importante salientar que para a realizacao de praticas de laboratorio, nao sao necessarios aparelhos e equipamentos caros e sofisticados. Na falta deles, e possivel que, de acordo com a realidade de cada escola, o professor realize adaptacoes nas suas aulas praticas a partir do material existente e, ainda, utilize materiais de baixo custo e de facil acesso (CAPELETTO, 1992).

Penteado e Kovaliczn (2008) propoem em seu trabalho "Importancia de materiais de laboratorio para ensinar Ciencias" diversas possibilidades de se desenvolver junto aos alunos atividades que contemplam a pratica nas aulas de ciencias de forma interativa e de facil execucao, o que permite ao professor desenvolver criativamente novas formas de ensinar e aprender Ciencias.

Contudo, o professor deve tomar cuidado para que esses materiais pedagogicos nao se tornem meras ilustracoes das aulas teoricas. Essa preocupacao esta explicita no pensamento de Paula e Borges (2007, p. 177) quando escrevem sobre a "[...] necessidade de repensarmos o modo como os 'experimentos' escolares sao propostos aos estudantes, e a relacao que estabelecemos entre as aulas 'praticas' e as aulas 'teoricas'". Os experimentos nao podem ser trabalhados como uma receita de bolo. E preciso que o jovem associe leis, teorias, conceitos com os materiais pedagogicos e experimentos para que a aprendizagem seja de qualidade.

Essas visitas aos laboratorios das varias escolas publicas e particulares de Maringa, Estado do Parana, demoraram meses para serem realizadas, pois essas escolas demonstraram certo receio de que um pesquisador visitasse os seus laboratorios. Em varias escolas publicas, os diretores e os coordenadores pedagogicos, muitas vezes, questionaram se essa pesquisa era algum tipo de fiscalizacao que estava sendo realizada pelo governo.

Dificuldades maiores surgiram quando se iniciou a visita aos laboratorios de escolas particulares. Ocorreram casos em que pensaram ser essa pesquisa um tipo de espionagem feita por outras escolas particulares. Esse medo por parte dos diretores e coordenadores pedagogicos ocasionou,

consequentemente, maior demora para a obtencao dos dados colocados neste trabalho. Tambem o numero de escolas particulares utilizadas nesta pesquisa foi relativamente pequeno, pois os diretores e coordenadores pedagogicos recusaram-se em contribuir com o trabalho, dificultando ao maximo a sua visitacao. Portanto, pela falta de contribuicao e tambem de tempo, o numero de escolas particulares utilizadas neste trabalho foi bem menor em comparacao com o numero de escolas publicas.

Conclusao

Com os dados obtidos nesta pesquisa, conclui-se que as condicoes de utilizacao dos laboratorios de escolas publicas e particulares apresentam diferencas bem contrastantes, principalmente no aspecto de infraestrutura e condicoes materiais, em que as escolas publicas tem dificuldades em manter os laboratorios pela falta de recursos, enquanto as escolas particulares dispoem de recursos para investirem nestes ambientes, adquirindo equipamentos modernos e organizando o ambiente de forma agradavel.

E necessario, primeiramente, que as escolas se adequem as normas de seguranca e acompanhem de perto as aulas em ambientes laboratoriais, nao submetendo os alunos a espacos que oferecam periculosidade. Em seguida, e preciso que todas as escolas invistam na estruturacao de laboratorios possibilitando reformas e melhorias na grande maioria deles. E importante destacar que e de extrema necessidade que nos laboratorios estejam pessoas qualificadas para a organizacao dos mesmos, para que as aulas possam ser conduzidas com seguranca evitando-se, assim, a improvisacao e a falta de experiencia tecnica.

Vale a pena destacar que os professores de Ciencias podem e devem melhorar a qualidade de suas aulas praticas, pesquisando, experimentando e reelaborando as ja existentes, para que a desculpa da nao-existencia de um laboratorio seja o determinante na evolucao de suas aulas na disciplina. E importante destacar que aula pratica nao significa somente o espaco fisico de um laboratorio, pois o proprio ambiente pode servir como local para as aulas praticas.

Certamente, o beneficio na melhoria das condicoes dos laboratorios e inteiramente dos alunos que participarao com mais dedicacao e entusiasmo nas aulas de Ciencias, Biologia, Fisica ou Quimica, aliando a teoria a pratica em muitos assuntos que podem ser demonstrados nas aulas praticas, seja no ambito laboratorial ou na propria sala de aula.

Este trabalho teve como objetivo levantar aspectos relacionados aos laboratorios de ensino de Ciencias e Biologia nas escolas de Maringa, sendo um trabalho pioneiro, que nao procura apenas apontar as falhas e dificuldades das escolas, mas tambem destacar a importancia do papel do professor em criar, organizar materiais para suas aulas, e principalmente trabalhar as aulas praticas vinculadas ao conteudo desenvolvido na sala de aula e na medida do possivel, ligada ao contexto social do aluno. O professor atento a esses detalhes certamente estara desenvolvendo um trabalho de qualidade com seus alunos, independentemente da estrutura fisica de cada escola.

Received on April 19, 2009.

Accepted on February 18, 2010.

Referencias

AXT, R. O papel da experimentacao no ensino de Ciencias. In: MOREIRA, M. C.; AXT, R. (Org.). Topicos atuais em ensino de Ciencias. Porto Alegre: Sagra, 1991.

BUSATO, I. R. H. Desenvolvimento de metodologia adequada a disciplina de Biologia, que permita uma diminuicao da visao fragmentada do saber e contemple uma visao mais integrada e holistica. 2001. Dissertacao (Mestrado)-Programa de Pos-graduacao em Engenharia de Producao, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianopolis, 2001. Disponivel em: <teses.eps.ufsc.br/defesa>. Acesso em: 2 abr. 2008.

CAPELETTO, A. Biologia e educacao ambiental: roteiros de trabalho. Sao Paulo: Atica, 1992.

DOURADO, L. Trabalho [Pratico.sup.(TP)], Trabalho [Laboratorial.sup.(TL)], Trabalho de [Campo.sup.(TC)] e Trabalho [Experimental.sup.(TE)] no Ensino das Ciencias--contributo para uma clarificacao de termos. In: VERISSIMO, A.;

PEDROSA, M. A.; RIBEIRO, R. (Coord.). Ensino experimental das ciencias. (Re)pensar o ensino das ciencias, 2001. 1. ed. 3. v. Disponivel em: <ciencias-expno-sec.org/documentos>. Acesso em: 25 abr. 2008.

GALIAZZI, M. C.; ROCHA, J. M. B.; SCHMITZ, L. C.;

SOUZA, M. L.; GIESTA, S.; GONCALVES, F. P. Objetivos das atividades experimentais no ensino medio: a pesquisa coletiva como modo de formacao de professores de ciencias. Ciencia e Educacao, v. 7, n. 2, 2001. Disponivel em: <www2.fc.unesp.br/cienciaeeducacao>. Acesso em: 15 jun. 2008.

GIOPPO, C.; SCHEFFER E. W. O.; NEVES, M. C. D. O ensino experimental na escola fundamental: uma reflexao de caso no Parana. Educar, n. 14, p. 39-57, 1998.

HAMBURGER, E. W.; MATOS, C. Desafio de ensinar Ciencias no seculo XXI. Sao Paulo: Estacao Ciencia; Brasilia: CNPq, 2000.

KRASILCHIK, M. Pratica de ensino de biologia. 4. ed. rev. e ampl. Sao Paulo: USP, 2004.

PARANA. Secretaria de Estado da Educacao. Departamento de Ensino de 2 Grau. Legislacao para os estabelecimentos de ensino que ofertam o Ensino de 2 Grau. Curitiba, 1993. (Coletanea IV. p. 85-87; 220-226).

PARANA. Secretaria de Estado da Educacao. Superintendencia de Educacao. Estrutura e Funcionamento da Educacao Basica: Educacao Infantil, Ensino Fundamental, Ensino Medio. 1. ed. Legislacao da Educacao Basica. Curitiba, 1998. (Coletanea VII. p. 171-179; 259-262).

PAULA, H. F.; BORGES, A. T. Avaliacao e teste de explicacoes na educacao em ciencias. Ciencia e Educacao, v. 13, n. 2, p. 175-192, 2007.

PENTEADO, R. M. R.; KOVALICZN, R. A. Importancia de materiais de laboratorio para ensinar ciencias. 2008. Disponivel em: <http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/22-4.pdf>. Acesso em: 10 jul. 2009.

POMBEIRO, A. J. L. O. Tecnicas e operacoes unitarias em quimica laboratorial. 4. ed. Lisboa: Fundacao Calouste Gulhenkian, 2003.

PRAIA, J.; CACHAPUZ, A.; GIL-PEREZ, D. A hipotese e a experiencia cientifica em educacao em ciencia: contributos para uma reorientacao epistemologica. Ciencia e Educacao, v. 8, n. 2, p. 253-262, 2002.

SANTOS, S. A. M. A excursao como recurso didatico no ensino de Biologia e Educacao Ambiental. In: ENCONTRO PERSPECTIVAS DO ENSINO DE BIOLOGIA, 8., 2002, Sao Paulo. Anais... Sao Paulo: Feusp, 2002. (1 CD-ROM).

WEISSMANN, H. Didatica das ciencias naturais: contribuicoes e reflexoes. Traducao Beatriz Affonso Neves. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ZANON, D. A. V.; FREITAS, D. A aula de ciencias nas series iniciais do ensino fundamental: acoes que favorecem a sua aprendizagem. Ciencias e Cognicao, v. 10, p. 93-103, 2007. Disponivel em: <www.ciencias ecognicao.org/artigos>. Acesso em: 25 maio 2008.

DOI: 10.4025/actascihumansoc.v32i2.6895

License information: This is an open-access article distributed under the terms of the Creative Commons Attribution License, which permits unrestricted use, distribution, and reproduction in any medium, provided the original work is properly cited.

Paulo Augusto Berezuk (1) e Paulo Inada (2) *

(1) Centro de Ciencias Exatas, Universidade Estadual de Maringa, Maringa, Parana, Brasil. (2) Centro de Ciencias Biologicas, Universidade Estadual de Maringa, Av. Colombo, 5790, 87020-900, Maringa, Parana, Brasil. *Autorpara correspondencia. E-mail: pinada@uem.br
Figura 1. Frequencia de utilizacao dos laboratorios por diferentes
disciplinas nas escolas publicas e particulares de Maringa, Estado
do Parana.

Disciplinas

                      particulares   publicas

Ciencias                   94%         75%
Biologica                  94%        100%
Fisica                     76%         50%
Quimica                    82%         50%
Outras discriplinas        24%         25%

Note: Table cree d'un histogramme.

Figura 2. Frequencia do uso dos laboratorios nas escolas publicas
e particulares de Maringa, Estado do Parana, pelas disciplinas
cientificas.

Frequencia

          particulares   publicas

Diaries        12%          50%
Semanal        64%          50%
Mensal         24%           0%

Note: Table cree d'un histogramme.

Figura 3. Frequencia da localizacao dos laboratorios das escolas
publicas e particulares de Maringa, Estado do Parana.

Localizacao

          particulares   publicas

Terreo        82%          75%
1 andar       18%          25%
2 andar        0%           0%

Note: Table cree d'un histogramme.
COPYRIGHT 2010 Universidade Estadual de Maringa
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2010 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Texto en Portuguese
Author:Berezuk, Paulo Augusto; Inada, Paulo
Publication:Acta Scientiarum Human and Social Sciences (UEM)
Date:Apr 1, 2010
Words:6638
Previous Article:Participacao da sociedade civil na gestao de unidades de conservacao e seus efeitos na melhoria da qualidade ambiental da regiao Sudeste do Estado do...
Next Article:Onibus 174--a violencia velada do Estado e o panico moral.
Topics:

Terms of use | Copyright © 2017 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters