Printer Friendly

Assessing individuals with bilateral hearing loss users and non-users of hearing aids by the SSW test/ Aplicacao do teste SSW em individuos com perda auditiva neurossensorial usuarios e nao usuarios de aparelho de amplificacao sonora individual.

INTRODUCAO

O envelhecimento provoca a degeneracao do sistema auditivo a chamada presbiacusia, tanto em sua porcao periferica quanto central. Em geral, a perda de audicao e do tipo neurossensorial bilateral, simetrica e mais acentuada nas frequencias agudas [1]. A presbiacusia e acompanhada por um decrescimo de discriminacao da fala, um declinio da funcao auditiva central que se manifesta por meio da alteracao nas habilidades de figura-fundo, fusao auditiva, atencao e julgamento auditivo e reducao na velocidade de fechamento e sinteses de informacoes auditivas [2]. Com isso, os idosos se tornam candidatos ao uso de AASI (aparelho de amplificacao sonora individual) visando nao somente melhora destas habilidades auditivas inerentes a um bom desempenho comunicativo, incluindo tambem a amplificacao de sons ambientais, dos sinais de perigo e alerta (campainhas, sinais de incendios, telefone), bem como os sons que melhoram a qualidade de vida do individuo (musica, canto dos passaros e outros) [3].

Com a finalidade de se restabelecer a funcao comunicativa do deficiente auditivo, as tecnologias desenvolvidas para o melhor desempenho das proteses auditivas visam novos recursos tecnologicos para melhorar a recepcao da fala [4].

As pessoas portadoras de perdas auditivas neurossensoriais bilaterais e que nao fazem uso de AASI sofrem do fenomeno chamado de "privacao auditiva de inicio tardio". Esta se manifesta como uma reducao estatisticamente significante nos indices de reconhecimento de fala, associada com a reducao da informacao acustica disponivel, uma vez que isso nao e observado em individuos que usam proteses auditivas bilateralmente [3].

Idosos tem dificuldade em processar auditivamente o sinal de fala recebido, o que resulta em falha na fusao central na presenca da informacao auditiva incompleta e da interacao binaura [l5]. Estas habilidades estao relacionadas com a organizacao e percepcao dos sons do meio ambiente, habilidades que dependem do uso simultaneo de ambas as orelhas, da interacao neural que ocorre com os sinais recebidos pelas duas, e de como a informacao auditiva e processada. Estas interacoes facilitam a localizacao sonora no espaco e na realizacao da figura-fundo.

A literatura revela que ha melhora no reconhecimento de fala ao longo do tempo, na medida em que o individuo aprende a utilizar as novas pistas de fala disponiveis com o uso de amplificacao. A este tipo de treinamento deu-se o nome "aclimatizacao perceptual". A aclimatizacao nao ocorre de imediato, mas apenas apos a exposicao ao ambiente acustico [6]. O cerebro necessitaria de algum tempo para utilizar a nova informacao acustica, gerada pela protese auditiva [3-7]. A principal queixa do deficiente auditivo se refere a dificuldade na comunicacao oral, sendo que esta queixa e persistente no novo usuario de proteses auditivas que, mesmo apos a amplificacao, apresenta dificuldade no reconhecimento dos sons. Dessa forma, a aclimatizacao torna-se um grande aliado do fonoaudiologo e seu paciente no processo de adaptacao de proteses auditivas [8].

O processamento auditivo refere-se aos processos envolvidos na deteccao e na interpretacao de eventos sonoros [9,10]. Envolve a deteccao de eventos acusticos, a capacidade de discriminacao quanto ao local, espectro, amplitude, tempo e a habilidade para agrupar componentes do sinal acustico em figura-fundo. De acordo com a literatura, esses processos acontecem no sistema auditivo periferico (orelha media, interna e externa e nervo auditivo) e no sistema auditivo central (tronco cerebral, vias subcorticais e corticais), podendo envolver areas corticais nao auditivas [11].

O teste SSW e um procedimento que foi proposto como uma forma de avaliar o processamento auditivo e a integridade do sistema auditivo central e apresenta caracteristicas que o tornaram um dos testes mais frequentemente empregados na avaliacao da funcao auditiva central: nao sofre interferencias de perdas perifericas; simples e de facil aplicacao, o que permite sua utilizacao em pacientes com idades variadas e portadores de patologias diversas; teste confiavel, valido e de execucao rapida [12,13]. Partindo-se do pressuposto que a principal queixa relatada pelos idosos (ouvir, mas nao entender) se deva nao somente a perda auditiva periferica, mas tambem a perda da capacidade de realizar o processamento dos sons. E considerando-se ainda que ha melhora no reconhecimento de fala ao longo do tempo, na medida em que o individuo aprende a utilizar as novas pistas de fala disponiveis com o uso de amplificacao [3], este estudo se propoe a comparar o desempenho de pacientes usuarios e nao usuarios de AASI por meio do teste SSW, reforcando a importancia da estimulacao auditiva obtida pelo uso de AASI em portadores de perda sensorio neural.

METODO

O estudo foi realizado em 13 sujeitos com idade entre 55 e 85 anos (media de idade dos usuarios = 70,8 e nao usuarios = 73,1), com perda auditiva bilateral, sendo 6 usuarios de protese auditiva digital bilateral, 7 nao usuarios de protese auditiva. A coleta dos dados foi realizada no Instituto Sao Lucas, na cidade de Uberlandia--MG. Todos os sujeitos avaliados na pesquisa foram encaminhados para avaliacao audiologica pelo medico otorrinolaringologista sendo esta realizada por meio da anamnese, inspecao do meato acustico externo, audiometria tonal limiar, limiar de recepcao de fala e indice percentual de reconhecimento de fala.

Os equipamentos utilizados na coleta de dados foram: otoscopio da marca Hinne, audiometro de dois canais da marca Interacoustics (AC 40), cabina audiometrica ,fones TDH 39, computador acoplado ao audiometro, CD anexo--volume 2, faixa numero 6, do CD integrante do livro: Processamento Auditivo Central: Manual de Avaliacao e seu protocolo de avaliacao. Foram considerados aptos para a pesquisa os sujeitos com perda auditiva neurossensorial bilateral simetrica de grau leve a moderado, seguindo os criterios de Silmam e Silvermann (1997) que leva em consideracao os limiares tonais medios obtidos nas frequencias sonoras de 500, 1000 e 2000 Hz.

O teste de processamento auditivo aplicado foi o teste de reconhecimento de dissilabos alternados em tarefa dicotica SSW. Os sujeitos avaliados usuarios de protese auditiva apresentaram um tempo de uso do mesmo entre 4 meses a 6 anos (media = 23,6 meses) (2). O teste foi realizado a 50 dBNS considerando-se as medias das frequencias de 500, 1000 e 2000 Hz ou intensidade de maior conforto, variando de 55 dBNA a 75 dBNA. Antes de iniciar a aplicacao do teste SSW, o paciente recebeu informacoes sobre a sequencia das palavras ouvidas, que seriam apresentadas em cada ouvido separadamente e simultaneamente nos ouvidos direito e esquerdo. O paciente deveria repetir o que lhe seria falado obedecendo a ordem de apresentacao das palavras. Houve um treino com 4 sequencias de 4 palavras cada uma para que o paciente compreendesse melhor a tarefa a ser realizada. Foram apresentados 40 itens de palavras (dissilabos paroxitonos), 20 iniciados na orelha direita e 20 na orelha esquerda. Cada item foi composto das seguintes condicoes: DNC (direita nao--competitiva), a palavra foi apresentada na orelha direita sem mensagem competitiva; DC (direita competitiva): a palavra foi apresentada na orelha direita com competicao simultanea na orelha esquerda; EC (esquerda competitiva): a palavra foi apresentada na orelha esquerda com simultanea competicao na orelha direita; ENC (esquerda nao--competitiva): a palavra foi apresentada na orelha esquerda sem competicao na orelha direita. Toda palavra que nao foi repetida corretamente foi riscada com um traco e em cima da mesma foi escrito o que o paciente respondeu. Os erros considerados foram: omissao, substituicao e distorcao.

Antes da coleta de dados, os participantes assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido aprovado pelo ao Comite de Etica e Pesquisa da Universidade de Ribeirao Preto com o numero de registro 170/07.

Apos a coleta dos dados foi realizado um tratamento estatistico utilizando-se a tecnica Bootstrap, baseada em um processo de re-amostragem que seleciona amostras, aleatoriamente, a partir do espaco amostral original, gerando novos conjuntos de amostras diferente do original, contudo, mantendo suas caracteristicas estatisticas a fim de relacionar o desempenho de ambos os grupos no referido teste (15). Foram utilizadas neste estudo 800 (n = 800) novas amostras, baseadas no numero de acertos, para cada conjunto de eventos. O boxplot foi uma ferramenta de analise de plotagem de dados utilizado no estudo. Por ele pode-se obter os valores de mediana e a distribuicao dos dados em quartis. A mediana e representada pela linha em vermelho, no quartil superior estao os valores acima da mediana e no quartil inferior os valores abaixo da mediana. Cada quartil dentro da caixa representa 25% da distribuicao dos dados e os outros 25% estao distribuidos nas linhas em preto denominados de bigode-de-gato ou whiskers resultando em 100% a soma dos quartis superior e inferior. Os outliers sao dados com os valores que ultrapassam os valores dos whiskers. Para comparar o desempenho dos grupos entre si, em cada condicao estudada, tambem foi utilizado na analise o Teste de Hipotese Kolmogorov-Smirnov, que e usado para determinar se duas distribuicoes de probabilidade subjacentes diferem uma da outra ou se uma das distribuicoes de probabilidade subjacentes difere da distribuicao em hipotese, em qualquer dos casos com base em amostras finitas.

RESULTADOS

Os resultados obtidos na avaliacao audiometrica estao representados na Figura 1, a qual foi utilizada a fim de melhor caracterizar a perda auditiva dos dois grupos de participantes por meio da ferramenta estatistica boxplot. A figura apresenta os dados obtidos no ouvido direito e no ouvido esquerdo para os sujeitos usuarios e nao usuarios de Aparelho de Amplificacao Sonora Individual (AASI).

No grupo de nao usuarios, no OD os limiares variaram de aproximadamente 15 dB a 60 dB, e no OE de 20 dB a 65 dB. No grupo de usuarios, os limiares audiometricos no OD variaram de 5 dB a 65 dB e no OE de 5 a 70 dB. Pode-se concluir que os melhores limiares se concentraram nas frequencias graves e os piores nas agudas, caracterizando perdas auditivas descendentes e de grau e configuracao semelhante em ambas as orelhas e grupos de participantes.

Posteriormente foi apresentado o resultado do estudo comparativo entre os grupos para o teste SSW, quantoao numero de acertos representados pela media ([bar.x]), desvio padrao ([[sigma].sub.x]) e re-amostrados por meio da tecnica bootsrap, para cada condicao estudada na Tabela1.

Nas condicoes nao competitivas foram obtidos os seguintes resultados de media ([bar.X]): direita nao --competitiva coluna A (DNC (A)) = 17,14 e 16,87, direita nao--competitiva coluna H (DNC(H)) = 15,73 e 15,75 e esquerda nao competitiva coluna D (ENC (D)) = 17,33, 17,88 e esquerda nao competitiva coluna E (ENC (E)) = 17,16 e 17,2 respectivamente para nao usuarios e usuarios de AASI.

Nas condicoes competitivas foram obtidos os seguintes resultados: direita competitiva coluna B (DC (B)) = 12,83 e 16,87 e direita competitiva coluna G (DC (G)) = 11,33 e 12,11 e esquerda competitiva coluna C (EC (C)) = 11,69 e 14,69 e esquerda competitiva coluna F(EC (F)) = 10,61 e 13,9 respectivamente para nao usuarios e usuarios.

Os valores do desvio padrao ([[sigma].sub.x]) nas condicoes nao-competitivas foram: DNC (A) = 1,35 e 1,00, DNC(H) = 1,31 e 1,77 e ENC (D) = 1,14 e 0,56 e ENC (E) = 1,47 e 1,46 respectivamente para nao usuarios e usuarios de AASI. Ja os valores do desvio padrao ([[sigma].sub.x]) nas condicoes competitivas foram: DC (B) = 1,95 e 1,00 e DC (G) = 2,11 e 2, 54 e EC (C) = 1,85 e 0,66 e EC (F) = 2,49 e 1,65 respectivamente para nao usuarios e usuarios.

Com isso pode-se observar que o desempenho do grupo de usuarios de AASI foi melhor do que o do grupo de nao usuarios, nas condicoes estudadas. As condicoes competitivas foram as que apresentaram maiores numeros de acertos no grupo de usuarios, tendo por base os valores da media de acertos e desvio padrao.

Na Tabela 2 observa-se a distribuicao dos valores de acertos de ambos os grupos segundo o teste de hipotese Kolmogorov-Smirnov/kstest2. Pode-se afirmar que a unica distribuicao onde a hipotese e nula (H = 0) pode ser confirmada, ou seja, os valores nao sao diferentes e na ENC-E, as demais sao consideradas distribuicoes diferentes entre si (H = 1). O que significa dizer que na condicao esquerda nao-competitiva (E), ambos os grupos tiveram valores de acertos estatisticamente semelhantes.

Observa-se a distribuicao dos valores de acertos totais no Teste SSW separados por condicao e re-amostrados por meio da tecnica bootstrap, para cada grupo estudado.

Na condicao DNC (Total) os valores variaram de aproximadamente 25 a 39 numeros de acertos no grupo de nao usuarios e de 28 a 39 no grupo de usuarios. Isso quer dizer que o desempenho de ambos os grupos foi semelhante, e que ambos tiveram poucos erros nesta condicao.

Na Figura 2, que corresponde a condicao DC (Total) os valores de numeros de acertos do grupo de nao usuarios variaram entre 12 a 34 e no grupo de usuarios, os numeros de acertos variaram de 15 a 38. Observou-se que nesta condicao a variacao do numero de acertos foi maior, o que mostra que ambos os grupos apresentaram maior dificuldade na execucao do teste e que, no entanto, o grupo de usuarios conseguiu melhor desempenho (variacao de aproximadamente 15 a 38 numeros de acertos).

Na Figura 3, correspondente a condicao EC (Total), os valores do grupo de nao usuarios variaram aproximadamente de 6 a 35 acertos e no outro grupo, a variacao foi de aproximadamente 24 a 34 numeros de acertos. Nesta condicao observou-se que o grupo de usuarios apresentou melhor desempenho, devido a maior quantidade de acertos e menor variacao entre estes valores.

Na condicao ENC (Total), houve variacao de 25 a 40 numeros de acertos no grupo de nao usuarios de AASI e de 30 a 38 no grupo de usuarios. Nesta condicao, ambos os grupos tiveram bom desempenho. No entanto, houve variacao do numero de acertos entre os grupos, sendo que o grupo de usuarios teve menor variacao, portanto, melhor desempenho.

DISCUSSAO

Ao se analisar a perda auditiva de ambos os grupos observou-se que o grau da perda variou de leve a moderado e a ocorrencia de simetria entre o ouvido direito e esquerdo, e que os melhores limiares se concentraram nas frequencias baixas e os piores nas frequencias altas. De acordo com os autores [1] a perda auditiva neurossensorial descendente e uma agravante para as alteracoes de processamento auditivo, mas nao um fator determinante.

Para a analise do teste SSW, as condicoes que mais apresentaram acertos foram as nao competitivas DNC e ENC, enquanto que nas condicoes competitivas DC e EC, a variacao nos numeros de acertos entre ambos os grupos, foi maior, porem com menor quantidade de acertos. Estas sao as condicoes que envolvem competicao de fala, estando de acordo com a queixa dos idosos de nao compreensao da fala em ambientes ruidosos e/ ou competitivos.

O grupo de usuarios apresentou melhor desempenho em ambas as condicoes DC e EC. Isso pode estar relacionada a estimulacao auditiva ocorrida pelo uso do AASI, o que corrobora com estudos recentes [14]. Tais autoras verificaram que usuarios de protese auditiva, quando comparados a nao usuarios, apresentavam melhor desempenho em tarefas de discriminacao da fala e sensacao de intensidade, atribuindo essa melhora a plasticidade funcional. Mudancas significantes quanto a melhora na discriminacao de fala de usuarios de AASI foram observadas ao longo dos meses, sendo que os resultados mais significantes ocorreram entre o primeiro e sexto mes de uso [15].

Pode-se observar no teste SSW que na condicao DC, o desempenho de ambos os grupos foi semelhante, ja na condicao EC, o desempenho do grupo de usuarios de AASI foi melhor do que o desempenho dos nao usuarios.

Mudancas decorrentes do envelhecimento podem ocorrer em todas as estruturas do sistema nervoso auditivo central. Existe uma reducao na eficiencia com a qual o SNAC em processo de envelhecimento processa os estimulos dificeis 16. As pesquisas comentadas pelos autores apontam que as diferencas de desempenhos de orelhas em testes de escuta dicotica podem aumentar com a idade. A deterioracao progressiva relacionada a idade tem relacao direta com o funcionamento do corpo caloso, que resulta num declinio sistematico na eficiencia da comunicacao inter-hemisferica [16,17].

Ao comentar a teoria da escuta dicotica, a autora [18] afirma que nessas condicoes de escuta a via ipsilateral e suprimida pela contralateral, com maior numero de fibras e, portanto, por ser o hemisferio esquerdo dominante, existe vantagem da orelha direita nesses casos. A orelha esquerda, nas condicoes competitivas, necessita de maior participacao do corpo caloso para que seja eficiente, porem e importante ressaltar que na populacao idosa o mesmo esta sofrendo a deterioracao natural da idade, portanto o desempenho da EC pode ser inferior ao da DC conforme observado nos resultados do presente estudo.

As diferencas inter-aurais aumentam com a idade e podem ser justificadas pelos modelos estrutural e cognitivo. Os dois modelos buscam explicar a vantagem da orelha direita e consequente desvantagem da orelha esquerda em testes dicoticos. Esta assimetria ocorre em parte por um declinio das habilidades cognitivas e em parte por um declinio na eficiencia da transferencia de informacoes inter-hemisfericas [19-25].

Segundo a literatura, o modelo estrutural, justifica a assimetria perceptual: a informacao apresentada no ouvido direito viaja diretamente para o hemisferio esquerdo. Durante a estimulacao dicotica, as vias auditivas ipsilaterais sao suprimidas favorecendo as vias contralaterais, que apresentam maior numero de fibras. A desvantagem da orelha esquerda e o resultado do maior tempo de transmissao da informacao verbal apresentada nesse ouvido, uma vez que deve ser transportada do hemisferio direito para seu processamento no hemisferio esquerdo, atraves do corpo caloso. Portanto, a orelha esquerda necessita de uma maior participacao do corpo caloso para que seja eficiente no processamento da informacao linguistica. Em idosos, essa estrutura do sistema nervoso central esta sofrendo a deterioracao natural da idade e seu desempenho torna-se inferior, gerando a assimetria de orelhas [20,21]. O modelo cognitivo ressalta a importancia da atencao, memoria de trabalho e da velocidade de processamento da informacao nas tarefas de escuta dicotica. Devido a dominancia hemisferica esquerda para processamento da fala, a maioria das pessoas e superior em atencao aos estimulos ouvidos a direita, o que as permite fazer uso predominante de um processamento acustico mais automatico dos estimulos (bottom-up). Na escuta a esquerda (tarefa dicotica), os estimulos sao naturalmente suprimidos por estimulos da orelha direita. Para atender a necessidade de direcionar a escuta para a esquerda, e necessaria uma maior ativacao e envolvimento de funcoes cognitivas (top-down). Como estas funcoes se deterioram com o envelhecimento, a assimetria de orelhas pode ser observada durante testes dicoticos aplicados em idosos [22,25-29]. Estes modelos nao conseguem justificar isoladamente o efeito do envelhecimento na assimetria de orelhas, portanto pode haver uma associacao de ambos nas situacoes de escuta dicotica.

Neste estudo, destaca-se a ausencia da privacao auditiva no grupo de usuarios de AASI, devido a amplificacao sonora e o possivel retardo no processo de degeneracao deste sistema confirmado pelos altos indices de acertos nas condicoes competitivas a direita--DC.

A literatura refere que a aclimatizacao somente pode ocorrer devido a plasticidade induzida pela reintroducao do estimulo auditivo, sendo assim, o uso de proteses auditivas garantiu a estimulacao sonora e induziu mecanismos neurofisiologicos de plasticidade que aperfeicoaram o funcionamento do sistema auditivo [27,28,30].

A aclimatizacao, portanto, se refere ao periodo que sucede a adaptacao dos amplificadores sonoros, quando ocorre uma melhora progressiva das habilidades auditivas e reconhecimento de fala decorrente das novas pistas de fala disponiveis aos usuarios de amplificacao [23,30].

CONCLUSAO

Com este estudo, foi possivel observar que o grupo de pessoas que usam AASI teve desempenho melhor no teste SSW quando comparado com o grupo de pessoas que nao usam. Que as condicoes nao-competitivas foram as que apresentaram menor variacao de acertos e que a condicao EC (esquerda competitiva) foi a condicao que apresentou melhor desempenho no grupo de usuarios quando comparado ao grupo de nao usuarios.

Com isso conclui-se que o uso de AASI contribui para a melhora no reconhecimento de fala, por meio da estimulacao auditiva, possibilitada pela aclimatizacao que ocorre meses posteriores a protetizacao.

E possivel que o uso do ASSI e, portanto, a ausencia de privacao auditiva, possa ter retardado esse processo de degeneracao do SNAC (sistema nervoso auditivo central) comum em idosos. Assim, mais uma vez os resultados obtidos nessa pesquisa apontam para a eficacia do uso do AASI na melhora da compreensao de fala da populacao estudada, nao somente pela compensacao da perda auditiva periferica, mas tambem pela interferencia no processo de envelhecimento do SNAC.

REFERENCIAS

[1.] Almeida K, Iorio MCM. Indicacao selecao e adaptacao de proteses auditivas. In: Almeida K, Iorio MCM. Fundamentos teoricos e aplicacoes clinicas. Sao Paulo: 2003. p. 36-53.

[2.] Amorim RMC, Almeida K. Estudo do beneficio e da aclimatizacao em novos usuarios de proteses auditivas. Pro-Fono. 2007; 19(1): 39-48.

[3.] Arlinger S, Gatehouse S, Bentler RA, Byrne D, Cox RM, Dirks D, et al. Report of the Eriksholm workshop on auditory deprivation and acclimatization. Ear Hear. 1996; 17(3): 87-90.

[4.] Bellis TJ. Assessment and management of central auditory processing disorders in the educational setting. San Diego: Singular Publishing Group; 1997. p 31-64.

[5.] Baran JA, Musiek FE. Avaliacao comportamental do sistema auditivo nervoso central. In: Musiek FE, Rintelmann WF. Perspectivas atuais em avaliacao auditiva. Barueri: Manole; 2001. p 390-2.

[6.] Borges ACC. Adaptacao do Teste SSW para a lingua portuguesa: Nota Preliminar. Acta Awho. 1886; 5 Suppl 1: 38-40.

[7.] Borges ACC. Dissilabos alternados: SSW. In: Pereira LD, Schochat E. Processamento auditivo Central: Manual de avaliacao. Sao Paulo: Lovise; 1997. p 168-75.

[8.] Bucuvic EC, Iorio MCM. Beneficio e dificuldades auditivas: um estudo em novos usuarios de proteses auditivas apos dois e seis meses de uso. Fono Atual. 2004; 29(7):19-29.

[9.] Costa LP, Iorio MCM. Proteses auditivas: avaliacoes objetivas e subjetivas em usuarios de amplificacao linear e nao-linear. Pro-Fono. 2006; 18(1): 21-30.

[10.] Calais LL, Russo ICP, Borges ACLC. Desempenho de idosos em um teste de fala na presenca de ruido. Pro-Fono. 2008; 20(3):147-52.

[11.] Humes LE, Watson BU, Christensen LA, Cokely CG, Halling DC, Lee L. Factors associated with individual differences in clinical measures of speech recognition among the elderly. J Speech Hear Res. 1994; 37:465-74.

[12.] Knobel KAB, Sanchez TG. Privacao Auditiva, Circuitos Inibitorios e Plasticidade: Implicacoes na Compreensao do Zumbido e da Hiperacusia. @rq otorrinolaringol.2006; 9(4):11.

[13.] Katz, J. The use of staggered spondaic words for assessing the integrity of central auditory nervous system. J Aud Res. 1962; 2:327-37.

[14.] Munro KJ, Lutman ME. The effect of speech presentation level on measurement of auditory acclimatization to amplified speech. J Accoust Soc Am. 2003; 114(1):484-95.

[15.] Naves KFP. Analise de Potenciais Evocados Auditivos de Tronco Encefalico atraves de atributos instantaneos de series temporais [dissertacao], Uberlandia: Universidade Federal de Uberlandia; 2007.

[16.] Neves VT, Feitosa MAG. Envelhecimento do processamento temporal auditivo. Psic Teor e Pesq. 2002; 18(3):275-82.

[17.] Pereira LD. Identificacao de desordem do processamento auditivo central atraves de observacao comportamental: organizacao de procedimentos padronizados. In: Schochat E (org). Processamento auditivo: atualidades em fonoaudiologia. Sao Paulo: Lovise; 1996. p 43-56.

[18.] Pereira LD, Schochat E. Processamento auditivo central, manual de avaliacao. Sao Paulo: Lovise; 1997. p 49-53.

[19.] Pereira LD, Cavadas M. Processamento Auditivo Central. In: Frota, S. Fundamentos em fonoaudiologia. Rio de janeiro: 2003; 141-55.

[20.] Penhune VB, Zatorre RJ, Mac Donald JD, Evans AC. Interhemispheric anatomical differences in human primary auditory cortex: probabilistic mapping and volume measurement from magnetic resonance scans. Cereb Cortex.1996; 6 (5): 661-72.

[21.] Pinheiro MMC, Pereira LD. Processamento auditivo em idosos: estudo da interacao por meio de testes com estimulos verbais e nao-verbais. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004: 70(2): 209-14.

[22.] Prates LPCS, Iorio MCM. Aclimatizacao: estudo do reconhecimento de fala em usuarios de proteses auditivas. Pro-Fono. 2006; (3): 259-66.

[23.] Quintero S, Murad MRMB, Marone SAM. Avaliacao do processamento auditivo de individuos idosos com e sem presbiacusia por meio do teste de reconhecimento de dissilabos em tarefa dicotica: SSW. Rev Bras Otorrinolaringol. 2003: 68: 28-33.

[24.] Samelli AG, Schochat E. Estudo da vantagem da orelha direita em teste de deteccao de gap. Rev Bras Otorrinolaringol. 2008;74(2):235-40.

[25.] Santos CCS, Juchem LS, Rossi AG. Processamento auditivo de militares expostos a ruido ocupacional. Rev CEFAC.2008; 10(1): 92-103.

[26.] Silman S, Gelfand SA, Silverman CA. Late onset auditory deprivation: effects of monoaural versus binaural hearing aids. J Acoust Soc Am. 1984; 76(5): 1357-62.

[27.] Welsh J, Welsh L, Heal M. Central Presbycusis. Laringoscope.1985; 95: 128-36.

[28.] Castro FZ, Belda RF, Prat JJB. Test de digitos dicoticos: estudio de um caso. Acta Otorrinolaringol Esp. 2008; 59: 503-05.

[29.] Martin JS, Jerger JF. Some effects of aging on central auditory processing. J Rehabil Res Dev. 2005; 42 Suppl 2: 25-44.

[30.] Goncales AS, Cury MCL. Assessment of two central auditory tests in elderly patients without hearing complaints. Braz J Otorhinolaryngol. 2011; 77(1):24-32.

Mariana Silva Freitas (1), Kheline Naves (2), Ana Claudia Figueiredo Frizzo (3), Alina Sanches Goncales (4)

(1) Fonoaudiologa clinica; Especialista em Audiologia pela Universidade de Ribeirao Preto--UNAERP--Ribeirao Preto, SP, Brasil

(2) Fonoaudiologa clinica; Doutoranda em Engenharia Biomedica-UFU; Mestre em Ciencias-UFU; Membro do Centro de Pesquisas Luigi Galvani--CPLG da Univesidade Federal de Uberlandia.

(3) Fonoaudiologa clinica; Prof Assisitente Doutor da Faculdade de Filosofia e Ciencias da Universidade Estadual Paulista--UNESP Marilia em nivel de graduacao e pos-graduacao; Doutora em Neurociencias pela Faculdade de Medicina de Ribeirao Preto--USP; Especialista em Audiologia pelo CFFa.

(4) Fonoaudiologa clinica; Doutora em Ciencias Medicas FMRP --USP; Mestre em Educacao Especial--UFSCar; Especialista em Audiologia pelo CFFa.

Conflito de interesses: inexistente

http://dx.doi.org/10.1590/S1516-18462012005000057

RECEBIDO EM: 28/07/2011

ACEITO EM: 11/11/2011

Endereco para correspondencia:

Mariana Silva Freitas

Rua Jose Resende dos Santos, 1495--Bairro Brasil--Uberlandia--MG

CEP: 38400-670

E-mail: marianafreitasfono@yahoo.com.br

Tabela 1--Media de acertos ([bar.X]) e desvio padrao ax dos pacientes
usuarios e nao usuarios de AASI, por coluna nas condicoes estudadas

                Nao usuarios                    Usuarios

            [bar.X]    [[sigma].sub.x]    [bar.X]    [[sigma].sub.x]

DNC (A)      17,14           1,35          16,87           1,00
DC (B)       12,83           1,95          16,87           1,00
EC (C)       11,69           1,85          14,79           0,66
ENC (D)      17,33           1,14          17,88           0,56
ENC (E)      17,16           1,47          17,2            1,46
EC (F)       10,61           2,49          13,9            1,65
DC (G)       11,33           2,11          12,11           2,54
DNC (H)      15,73           1,31          15,75           1,77
Total DNC    32,84           2,83          32,56           2,06
Total DC     23,47           4,04          24,85           3,81
Total EC     22,36           4,28          29,03           2,00
Total ENC    34,43           2,58          34,99           1,64

Legenda: DNC = Direita nao competitiva; DC = direita competitiva;
EC = esquerda competitiva ENC = esquerda nao-competitiva direita
competitiva.

Tabela 2--Distribuicao dos valores de acertos de ambos os grupos
usuarios e nao usuarios

              H        P            K

DCN-A         1     2,47E-31      0,3150
DC-B          1     7,49E-11      0,2025
EC-C          1    2,50E-237      0,8275
ENC-D         1     1,27E-50      0,3925
ENC-E         0     1,92E-01      0,0538
EC-F          1    7,56E-103      0,5500
DC-G          1     1,13E-10      0,2013
DNC-H         1     4,45E-01      0,1150
Total DNC     1     3,79E-10      0,1975
Total DC      1     2,16E-11      0,2063
Total EC      1    8,82E-210      0,7788
Total ENC     1     3,79E-10      0,1975

Legenda: teste de hipotese KOLMOGOROV-SMIRNOV/KSTEST2.
COPYRIGHT 2013 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2013 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues
Author:Freitas, Mariana Silva; Naves, Kheline; Frizzo, Ana Claudia Figueiredo; Goncales, Alina Sanches
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:Jan 1, 2013
Words:4543
Previous Article:Time of exclusive breastfeeding of preterm and term newborn babies/ Tempo de aleitamento materno exclusivo em recem-nascidos prematuros e a termo.
Next Article:Profile of patients using alternative feeding route in a general hospital/ Perfil de pacientes em uso de via alternativa de alimentacao internados em...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |