Printer Friendly

Aspectos relacionados ao uso e apropriacao de pracas em areas centrais de cidades: transformacoes e permanencias.

Aspects related to the use and ownership of areas in central square of cities: transformations and residence

INTRODUCAO

O crescimento da populacao nas cidades, a partir do seculo XVIII, favoreceu o aumento de areas edificadas para a moradia, industrias, comercios e servicos. O planejamento urbano se tornou essencial na interacao do homem com a natureza devido aos problemas causados pela urbanizacao acelerada, modificando o espaco natural para atender suas necessidades fisiologicas. Os espacos publicos como as avenidas, ruas, calcadoes, pracas, parques, orla maritima tem a funcao de melhorar a qualidade ambiental proporcionando uma contribuicao no fortalecimento da identidade local com a delimitacao das areas urbanizaveis.

Macedo (1995, p. 16) conceitua espacos livres como todos aqueles nao contidos dentro das edificacoes, como "as ruas, pracas, largos, patios, quintais, parques, jardins, terrenos baldios, corredores externos, vilas, vielas", os quais sao reconhecidos na malha urbana pelos relevantes aspectos de funcionalidade.

O espaco publico e o local onde ha interacao e socializacao das pessoas. Para Sirkis (2003) tal espaco e primordial no tecido urbano pela sua mistura de usos. Alex (2008) define "publico" como um espaco aberto e acessivel a todas as pessoas, sem excecao. Na visao de Vargas (2001, p. 98), o espaco publico e tido como um "lugar onde uma pessoa pode estar sozinha sem dar a impressao de estar solitaria". No espaco urbano ha os espacos livres que estao situados em areas sem edificacoes, podendo ser publicos ou privados, ou seja, o acesso e delimitado por grupo ou pessoa.

Para Landim (2004, p. 27) o espaco livre e um "elemento de aglutinacao entre os diversos tipos de espacos edificados" que permite a apreensao, compreensao e o uso da forma urbana, cuja funcao basica seria possibilitar a circulacao na cidade. Sa Carneiro e Mesquita (2000) relacionam outras funcoes como: equilibrio ambiental (reservas ecologicas, jardins botanicos, parques nacionais, cemiterios, campi universitario), recreacao (pracas, parques, jardins, largos, patios) e circulacao (ruas, viadutos, estacionamentos). Loboda e De Angelis (2005) relatam que foi na Grecia que os espacos livres, pela primeira vez, assumiram a funcao publica, sendo considerados locais de passeio, conversa e lazer.

Dentre estes espacos publicos e abertos, destacam-se as pracas, que segundo Spirn (1995, p. 89), "sao lugares para ver e ser visto, para comprar e fazer negocios, para passear e fazer politica". A praca nasceu da necessidade de um local acessivel para a realizacao de funcoes como atividade de troca, tomada de decisoes coletivas, ponto de encontro e festividades (BARTALINI, 2005).

A origem da praca esta relacionada as agoras das cidades gregas e romanas, onde "todos os cidadaos podiam discursar e manifestar suas ideias e respeito de qualquer problema" (GRAEFF, 1986, p. 130).

De uma maneira geral, as pracas deixaram de ter a funcao primordial de lazer coletivo devido ao surgimento de novos lugares de encontro e reuniao, como o shopping center, que funciona como grande concorrente da praca publica na cidade moderna, uma vez que oferece seguranca, por ser um em espaco fechado, alem de contar com estruturas de lazer e de sociabilidade. Sao espacos onde se concentram, tambem, varios servicos, como: cinema, lan house, lojas, shows, praca de alimentacao, entre outros atraindo a populacao. Alem disso, o acesso a televisao a cabo, pay-per-view, a internet, entre outros sao inovacoes tecnologicas de lazer dentro de casa, que possibilitam conhecer novos ambientes, fazer amigos, realizar atividades ludicas, como os jogos virtuais e ate paquerar e namorar, desempenhando o papel tipico das pracas, em tempos passados.

Outro fator de abandono destes espacos diz respeito aos novos tipos de apropriacao que com o tempo resultaram na perda do referencial historico e cultural, acarretando uma desfiguracao da paisagem urbana.

A mudanca de uso e o afastamento da populacao dos espacos publicos aconteceram de forma mais significativa nas pracas centrais da maioria das cidades, pois nestas areas, acompanhando as transformacoes ocorridas na sociedade, a atividade comercial suplantou a residencial, modificando a relacao da praca com seu entorno.

Planejada e construida, em 1852, com a finalidade de ser a capital do Estado do Piaui, Teresina ja possuia em seu plano original varias areas destinadas para construcao de pracas, contando hoje, em seu centro historico com o total de sete pracas: Praca Marechal Deodoro da Fonseca, Praca Rio Branco, Praca Joao Luis Ferreira, Praca Landri Sales, Praca Pedro II, Praca da Liberdade e Praca Saraiva, que hoje fazem parte do patrimonio cultural da cidade.

Este trabalho teve como objetivo estudar a evolucao dos usos ao longo dos anos e as funcoes atuais, diagnosticar a situacao geral, estado de conservacao e infraestrutura existente e identificar como ocorre a apropriacao pela populacao de pracas em areas centrais de cidades, tendo como enfoque a Praca Landri Sales, em Teresina.

PROCEDIMENTOS METODOLOGICOS

Para realizacao da pesquisa, foi selecionada a Praca Landri Sales que, embora apresente em seu entorno a predominancia de atividades de comercio e de servicos, ainda sao encontradas edificacoes residenciais nas proximidades e o Colegio Estadual Zacarias de Gois, conhecido como Liceu Piauiense. Dessa forma, os frequentadores utilizam o espaco para o desenvolvimento de atividades de maior permanencia, como conversar, esperar o inicio das aulas, namorar e ainda pedalar, jogar, andar de patins e de skate. Alem disso, este espaco passou por reformas, efetuadas pela Prefeitura Municipal de Teresina, com o objetivo de resgatar o interesse dos usuarios pela apropriacao de pracas centrais, como espaco propicio as atividades urbanas.

Foi realizado levantamento da memoria do projeto e da construcao, resgatando as mudancas ocorridas, por meio de documentos originais, fotografias, artigos em jornais, que descrevessem o periodo de construcao das pracas e a utilizacao destes espacos pela populacao.

A observacao das estruturas funcionais e fisicas teve a finalidade de identificar os diferentes tipos de usuarios, as atividades desenvolvidas por eles e os horarios mais utilizados. Para isso, as observacoes foram feitas a partir das 7h30min ate as 18h30min, em dias da semana e finais de semana tipicos. O mapeamento comportamental foi focado nas pessoas que utilizavam o espaco da praca, nos seus percursos e no modo de utilizacao do espaco durante o tempo que permaneciam na praca em estudo (PINHEIRO et al., 2008). Para isso, foi feita uma representacao grafica da ocupacao humana na praca relacionada com o espaco fisico. A utilizacao de uma planta baixa da praca proporcionou uma melhor identificacao dos espacos preferidos, atividades desenvolvidas e caminhos percorridos.

Tambem foi realizado o diagnostico da situacao geral da praca, a partir de avaliacao qualitativa direta, com a identificacao e descricao dos equipamentos e mobiliarios existentes, como os bancos, pontos de iluminacao, lixeiras, esculturas, monumentos, pisos, canteiros, segundo o metodo utilizado por De Angelis et al. (2004), que atribui valores que variam de 0,0 (zero) a 4,0 (quatro), na seguinte escala: 0 a 0,4 (pessimo); 0,5 a 1,4 (ruim); 1,5 a 2,4 (regular); 2,5 a 3,4 (bom); 3,5 a 4,0 (otimo). A partir dos indices encontrados, foi avaliado se o ambiente atende aos requisitos de conforto do usuario e aos aspectos ligados a conservacao do lugar. Os resultados foram tabulados em planilhas especificas, analisados e descritos de forma detalhada, em consonancia com o objeto de estudo.

A CIDADE DE TERESINA

Teresina, capital do Piaui, estado da regiao Nordeste do Brasil, esta situada a margem direita do rio Parnaiba, sendo banhada tambem pelo rio Poti, apresentando a posicao geografica de 5[grados]5'12 de latitude Sul e longitude Oeste de 42[grados]48'42. De acordo com o IBGE (2007) a populacao de Teresina e de 779.939 habitantes. Devido a proximidade com a linha do Equador, os raios solares atingem a cidade com o angulo muito proximo a 90[grados], permitindo que a cidade receba intensa radiacao e apresente temperaturas elevadas na maior parte do ano (CASTELO BRANCO, 2003).

O plano da cidade de Teresina foi tracado e estruturado a partir de um rigido formato geometrico que lembrava um tabuleiro de xadrez, com suas ruas alinhadas, quarteiroes pequenos e um grande largo circundado por predios administrativos e religiosos. Suas ruas paralelas partiam do rio Parnaiba, a Oeste, em direcao ao rio Poti e sua ocupacao iniciaram nos sete primeiros quarteiroes para o sul e tres para o norte, organizado a partir da igreja do Amparo (DIAS, 2006).

Para Gomes e Soares (2003, p. 20), no Brasil, no seculo XIX, "existiam cidades que se destacavam pela quantidade expressiva do verde no seu interior, como e o caso de Teresina/PI, com densa arborizacao".

Geralmente, o cuidado com as pracas de Teresina tem sido uma preocupacao constante dos administradores municipais, ao longo dos anos. O prefeito Lindolfo do Rego Monteiro, em seu relatorio de atividades, referente ao exercicio de 1941, destaca a importancia dessas areas para a cidade de Teresina, devido as condicoes do clima local, e ainda aponta a necessidade da abertura de novas pracas e da conservacao e melhoria das existentes (MONTEIRO, 1943).

As pracas do centro de Teresina tem uma representacao significativa em relacao a quantidade de cobertura vegetal, criando grandes areas sombreadas. No entanto, esses espacos estao sofrendo descaracterizacao e destruicao, tornando-se areas marginalizadas devido a falta de infraestrutura, seguranca e educacao ambiental. Isso se deve a ma conservacao, invasao de novos usos, falta de conscientizacao quanto ao valor historico e cultural, depredacao por vandalismo dos marcos e mobiliario, entre outros. Tudo isso acaba causando o abandono e a ocupacao indevida, deixando os usuarios de utilizar seus servicos devido a falta de uma politica de melhoria urbana.

INICIO E EVOLUCAO DA PRACA LANDRI SALES

A Praca Landri Sales, conhecida tambem como Praca do Liceu, teve sua origem com a delimitacao de seu espaco fisico pelo fundador de Teresina, Conselheiro Saraiva, na planta datada de 1855. Esse espaco abrangia dois quarteiroes contiguos, com uma parte elevada, o Alto da Pitombeira, e outra parte baixa, que mais tarde seria conhecida como Baixa da Egua. No Alto da Pitombeira foi construido o Colegio Estadual Zacarias de Gois, conhecido como Liceu Piauiense (Figura 1), inaugurado em 1936, tendo a parte baixa do largo do poco sido reservada para a praca. Garcia (2000, p. 37) comenta que a praca "foi batizada com o nome de Landri Sales, mas nao pegou. O povo preferiu denomina-la vulgarmente de Praca do Liceu".

[FIGURA 1 OMITIR]

O terreno era acidentado e no inverno se transformava em ninho de cobras e mosquitos, alem de formar pocas de lama. No verao, servia de campo de futebol e hospedagem dos circos que visitavam Teresina. A sua transformacao em praca foi uma promessa de Agenor Barbosa de Almeida, candidato a prefeito. Durante o seu mandato (1955-1959) ele nao poupou esforcos para cumprir sua promessa, empregando pessoas e usando mao de obra dos presidiarios, que utilizavam dinamite para explodir as pedras. Com essas explosoes eram expelidos fragmentos que destruiam vidracas das casas proximas e, tambem, interrompiam as aulas do colegio (GARCIA, 2000).

Em 1955, foi iniciada a construcao da praca, em uma area de 8.271,23 [m.sup.2]. A sua construcao causou muitos protestos por parte da imprensa e dos adversarios politicos do prefeito Agenor Barbosa, sendo destacados nos jornais da epoca, os incidentes acontecidos durante a construcao, como o divulgado no jornal O Dia, em 1955.

A cidade quinta-feira foi abalada com a noticia de que o Sr. Jose Basilio da Silva teria sido vitima de uma pancada no craneo, motivada por um estilhaco de pedra, vindo das explosoes de dinamites aplicadas na pedreira da Praca Lanri Sales, onde estao sendo feitos servicos de pavimentacao da referida praca. [...] O Sr. Prefeito da Capital nao pode desconhecer que daquela forma tal servico e inadmissivel nas grandes arterias das cidades. Deveria ter autorizado outros processos para a quebra da pedreira, mas acima do interesse da coletividade esta o interesse pessoal do Prefeito de acelerar os servicos daquele logradouro publico onde esta encravado o seu palacete residencial (PERIGOSA ..., 1955, p. 4).

A construcao da praca nao despertou apenas criticas, tendo sido bem recebida, como pode ser comprovado, em materia de jornal local, no periodo final da construcao, que afirmava: "O prefeito Agenor Almeida esta concluindo os trabalhos de construcao da Praca Landri Sales, uma verdadeira maravilha, e por cujo trabalho aplaudimos, pelo esforco que representa para uma melhor urbanizacao da cidade, o edil" (PRACAS, 1957, p. 2).

Segundo Martins (1959, p. 41), a praca apresentava, em 1957, um aspecto magnifico, e a descreve, afirmando que:
   Toda ela foi planejada em elegante estilo tropical,
   recortada de aleias de palmeiras de nossa terra,
   transplantadas adultas; pavimentada oriundas de
   diversas regioes do Estado, contendo um abrigo de
   feitio moderno, onde funcionam cafe, bar e instalacoes
   sanitarias publicas. Tem iluminacao fluorescente
   que muito embeleza seus varios planos, em que se
   alternam balaustres, passeios, lagos, pontes e grutas
   artisticamente dispostos.


O projeto, de autoria e execucao de Raimundo Nonato de Portela de Melo, foi concebido, segundo Marques (2005, p. 12), "em estilo ecletico (lago, fonte com elementos decorativos, arco em pedra, gruta e balaustradas neocoloniais em semicirculos) com alguns elementos do estilo moderno (canteiros geometricos desestruturados distribuidos de forma organica)".

[FIGURA 2 OMITIR]

Almeida (2005, p. 49) comenta que foi exigido que no projeto fosse utilizado: "[...] arvores nativas e que aproveitasse o grotao de pedras ali existentes. Foi a primeira praca na capital piauiense a receber energia eletrica com emprego de lampadas fluorescentes e piso calcado com lajes advindas de Piracuruca" (5).

Para Marques (2005), a praca atraia babas e familias com as criancas casais de namorados, e idosos por possuir uma atmosfera acolhedora (Figuras 2 e 3). Com o passar dos anos a praca sofreu fortes descaracterizacoes em seu espaco. Ainda segundo a referida autora, no final da decada de 1970, o lago, a fonte e a gruta foram extintos por se tornarem foco de contaminacao e refugio para marginais.

[FIGURA 3 OMITIR]

Com a expansao da cidade, na decada de 1980, surgiram grandes conjuntos habitacionais, em locais afastados do centro, enquanto que no inicio dos anos 1990, teve inicio o processo de verticalizacao da cidade, concentrando-se na zona Leste, devido a localizacao e infraestrutura com edificios de alto padrao. Isto favoreceu a mudanca da populacao que residia no centro da cidade para estes bairros, fazendo com que as areas centrais adquirissem o carater comercial. Neste sentido, Lamas (2004, p. 54) afirma que, com o passar dos anos, os centros urbanos "passaram de lugar de defesa e poder a lugares de comercio, servicos e trocas culturais", havendo uma sobreposicao de funcoes, devido a complexidade e dinamica das cidades.

A partir da decada de 1990, a Praca Landri Sales comecou a ser utilizada para a realizacao de feira dos livros usados, com autorizacao da prefeitura ate 2005. No inicio, os livros eram expostos de maneira improvisada e em equipamentos removiveis (Figura 4), mas depois foram colocados boxes metalicos, dificultando a circulacao dos usuarios, como tambem, danificando o piso, o mobiliario, a vegetacao e desfigurando a paisagem da praca e do seu entorno (Figura 5).

A noite, a praca se tornava um local propicio a marginalidade, devido a presenca dos boxes que se transformavam em "labirintos". Alem disso, a feira dos livros, por ter um grande fluxo de pessoas, atraia outros tipos de comercio informal, como vendedores de lanches, vales, refrigerantes, agua, entre outros, que, ao final do dia, deixaram visivel os vestigios de sua passagem, ao deixarem a praca suja e danificada, nao primando pela limpeza e conservacao do espaco publico.

[FIGURA 4 OMITIR]

[FIGURA 5 OMITIR]

Em 2006, a praca passou por uma reforma, que manteve o tracado da epoca de 1970, recebendo a aplicacao de um novo piso, em concreto e pedra portuguesa (Figura 6), material mais propicio para locomocao. Alem disso, foram realizados trabalhos de replantio de novas especies vegetais, jardinagem e poda de arvores, e tambem, a recuperacao de todo o sistema de iluminacao, tendo sido colocados novos bancos de concreto.

[FIGURA 6 OMITIR]

A reforma teve como objetivo principal resgatar a identificacao dos usuarios com a praca, tornando o espaco, mais uma vez, um local propicio as atividades urbanas e, devidamente, apropriado pela populacao.

A praca passou a ser novamente, utilizada, admirada e contemplada pelos teresinenses. A populacao voltou a permanecer na praca, devido a sua estetica, vegetacao, conforto, historia e memoria.

A PRACA E SEUS EQUIPAMENTOS: DA CRIACAO AOS DIAS ATUAIS

O mobiliario urbano em espacos publicos passou a ser introduzido em resposta as necessidades sociais urbanas e tecnicas, com isso, as pracas passaram a ter um destaque na socializacao urbana, devido ao seu mobiliario e equipamentos urbanos.

Para Montenegro (2005, p. 35), "Em um primeiro momento, as pracas passam a ser sinonimo de lazer e descanso onde e possivel encontrar chafarizes, estatuas e marcos que caracterizam alguns locais e tambem a cidade, sendo posteriormente instalados outros elementos como bancos, iluminacao e coretos".

O terreno onde foi construida a praca possuia grandes blocos de pedras, que foram aproveitadas para a construcao da escadaria. Com a construcao concluida, este espaco tornou-se movimentado e de acordo com Garcia (2000, p. 37) "as rochas, abrigo dos estudantes com as curicas (6), foram aproveitadas e transformadas em grutas e lagos artificiais. O piso de lajes, [...], combinava com os canteiros de plantas tropicais". Com a reforma de 2006, a praca recebeu a instalacao do piso em concreto e pedra portuguesa, material mais propicio para locomocao, na escadaria o piso e em pedra de Piracuruca (Figura 7). A escadaria apresenta atualmente danificacao nos degraus.

[FIGURA 7 OMITIR]

A partir de 2006, a praca foi adaptada para dar acesso aos portadores de deficiencia, com rampas e a introducao de um orelhao adaptado para cadeirantes ou portadores de acondroplasia (nanismo). Infelizmente, estas medidas nao contemplam todos os portadores com deficiencia, como, por exemplo, os cegos. A falta de acessibilidade e de integracao dos mobiliarios e equipamentos urbanos em espacos publicos apresenta uma barreira com os usuarios, podendo provocar acidentes ou mesmo desconforto aos idosos e portadores de deficiencia.

A praca apresenta 15 bancos distribuidos em dois modelos, sendo que seis sao de concreto com encosto na cor vermelha (Figura 8), que estao localizados na parte superior e nove em concreto sem encosto e com pes adornados, cujos desenhos sao originarios do inicio da praca (Figura 9), situados na parte mais baixa da praca. Cavalcanti (1958, p.7) comenta que "o servico de bancos esta simetricamente disposto, atendendo a todos os gostos dos visitantes".

[FIGURA 8 OMITIR]

Antes da reforma, em 2006, os bancos apresentavam sinais de vandalismo (quebrados e riscados). Na reforma, foram feitas replicas dos seis bancos que ficavam em cima da escadaria, ja que nao poderiam ser recuperados e os bancos da parte baixa foram recuperados e distribuidos no entorno da praca. Hoje, os bancos da parte superior ja apresentam sinais de vandalismo, com varias pichacoes.

[FIGURA 9 OMITIR]

Foram introduzidos novos bancos com assento e encosto de madeira com estrutura de ferro e sua distribuicao foi na parte interna da praca, sempre proximas as arvores, visando proporcionar conforto aos usuarios que aproveitam a sombra das arvores e apreciam a sua beleza. Estes bancos tambem apresentam sinais de vandalismo, encontrando-se riscados e quebrados (Figura 10).

[FIGURA 10 OMITIR]

Com a reforma, foram criados espacos de encontro e convivencia, com a inclusao de mesas de jogos e bancos individuais, em concreto, situados perto da escadaria (Figura 11) e em area mais central da praca. Atualmente, ja existem mesas e bancos quebrados (Figura 12), mas que mesmo assim ainda sao locais utilizados pelos usuarios

[FIGURA 11 OMITIR]

[FIGURA 12 OMITIR]

A praca possui uma boa distribuicao de lixeiras (Figura 13), sendo que duas ja estao quebradas, restando apenas o suporte (Figura 14). A manutencao da praca e diaria, proporcionando a adequada limpeza do local.

[FIGURA 13 OMITIR]

Logo apos a inauguracao, em 1958, a iluminacao da praca chamava a atencao dos habitantes, sendo um atrativo a mais do local, como observado, no relato de Cavalcanti (1958, p. 7), ao descrever, "passei a noite pela Praca Landri Sales e fiquei maravilhado com aquela imponencia de iluminacao, por meio das celebres lampadas fluorescentes". E continua a descricao, afirmando que os visitantes nao podem "praticar nenhum ato indecente ou contra a moral publica naquele logradouro municipal devido a farta e eficiente iluminacao eletrica" (CAVALCANTI, 1958, p. 7).

[FIGURA 14 OMITIR]

[FIGURA 15 OMITIR]

Na decada de 1970, a iluminacao original da praca foi substituida por dois postes de 8 m de altura com quatro petalas cada (MARQUES, 2005). Hoje, alem destes, a praca possui nove postes com 2 m de altura, introduzidos na reforma de 2006, para proporcionar areas bem iluminadas aos frequentadores (Figura 15).

Na tabela 1 estao apresentados o levantamento, descricao e a avaliacao dos equipamentos existentes, no espaco estudado, com relacao aos tipos, a quantia dade, e ao estado de conservacao.

Em relacao aos seus equipamentos, considera-se que a praca estudada apresenta um nivel medio de conservacao. Alguns equipamentos obtiveram o conceito otimo, a partir de criterios de conservacao de utilizacao e de quantidade no espaco. Dessa forma, as placas de sinalizacao, que estao bem distribuidas na praca e a construcao, onde funciona uma lanchonete e possui instalacoes sanitarias, receberam a melhor nota.

Os equipamentos que obtiveram valor 2,0 (conceito regular) foram os postes de iluminacao alta, os bancos de madeira, as mesas de jogo e a obra de arte, devido principalmente a conservacao.

Os equipamentos urbanos existentes na praca sao pecas importantes para o bom desempenho do local, podendo contribuir diretamente para a devida apropriacao pelos usuarios. O projeto do espaco deve atender as necessidades e caracteristicas do publico alvo, sendo que, na falta de algum equipamento, muitas vezes, a propria populacao costuma improvisar. Isto pode ser observado na Praca Landri Sales onde, em razao da ausencia de um bicicletario, os postes de iluminacao sao adaptados para esta finalidade, pelas pessoas que trabalham nas proximidades ou vao ao centro para realizar alguma atividade (Figura 16).

[FIGURA 16 OMITIR]

As pessoas que apresentam algum grau de dificuldade em enxergar, ouvir ou locomover-se, encontram dificuldade em relacionar-se com o meio em que vivem, seja no lazer, trabalho, estudo, convivio social e mesmo na apropriacao do espaco, por isso e importante favorecer o acesso a locais publicos com equipamentos e mobiliarios adequados. A Praca possui um orelhao adaptado para pessoas especiais e rampas para facilitar o acesso, apesar de nao contemplar todos os portadores de deficiencias e os idosos.

O busto em homenagem ao Governador Landri Sales apresenta sinais da acao de vandalos e pichadores. O pedestal e utilizando para colocar cartazes dando um aspecto de abandono.

A PRACA E SUA RELACAO COM O ENTORNO

O entorno da Praca Landri Sales e caracterizado por pontos comerciais, predominado a venda de produtos eletronicos, seguido de salas comerciais de contabilidade, advocacia e associacao de classe. Existem, tambem, lanchonetes, bares, lan house, xerocopiadora e instituicao bancaria (Figura 17).

[FIGURA 17 OMITIR]

Em frente a praca ha o Colegio Estadual Zacarias de Gois (Figura 18) e o SEST/SENAT--Servico Social do Transporte e o Servico Nacional de Aprendizagem do Transporte--SENAT (Figura 19), nas proximidades estao o colegio Dante e a Unidade Escolar Climaco D'Almeida alem do SENAC (Servico Nacional de Aprendizagem Comercial).

[FIGURA 18 OMITIR]

[FIGURA 19 OMITIR]

Nas proximidades, ainda e grande a existencia de residencias (Figura 20), ao contrario do entorno de outras pracas centrais de Teresina. A antiga casa do ex-prefeito Agenor de Almeida ainda existe, hoje, funcionando como ponto comercial (Figura 21).

[FIGURA 20 OMITIR]

[FIGURA 21 OMITIR]

Embora no entorno da Praca Landri Sales ocorra a predominancia de atividades de comercio e de servicos, as edificacoes residenciais encontradas nas proximidades e o Colegio Estadual Zacarias de Gois fazem com que no local, ao contrario de outras pracas centrais, seja bastante utilizado, favorecendo a permanencia de usuarios, por meio de atividades ativas e passivas.

OS USUARIOS E AS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS

A percepcao da imagem urbana pela populacao e associada a determinados espacos dentro do ambiente urbano. A percepcao "e vista como um instrumento mediador entre o cidadao e o meio ambiente e a qualidade do espaco urbano" (FEIBER, 2004, p. 95).

Muitos dos frequentadores da praca sao estudantes do Colegio Estadual Zacarias de Gois, conhecido como Liceu Piauiense, que fica em frente a praca, bem como os alunos do Colegio Dante e da Unidade Escolar Climaco D'Almeida, que tambem ficam localizados nas proximidades. A praca e frequentada, tambem, pelos alunos que fazem cursos no SEST/SENAT, que fica situado na esquina com a praca.

O ponto de onibus localizado atras do Colegio Estadual Zacarias de Gois e outro fator que estimula a circulacao de pedestre neste espaco. A presenca dos estudantes e constante no espaco durante o dia todo, esperando o horario de entrada no colegio, conversando, namorando ou lanchando.

[FIGURA 22 OMITIR]

Durante a construcao da praca, em 1958, foi construido um local de apoio, com area de sombra e banheiros, que segundo Cavalcanti (1958, p. 7), era "muito artistica, tendo agua para lavar as maos e ate agua gelada para se beber, como tambem um espaco de fora para se estar ao fresco, com uma cobertura de muita arte". Este local funciona hoje como lanchonete, estando ha 20 anos com o mesmo locatario, que denominou o espaco de "Praca de Alimentacao" (Figura 22), empregando tres pessoas, possuindo rendimento mensal de aproximadamente tres salarios.

Esta construcao possui laje de cobertura em concreto e pilares e paredes revestidas de pedra, possuindo instalacoes sanitarias, cozinha, proporcionando bem-estar aos seus frequentadores. O seu funcionamento e de segunda-feira a sabado abrindo as 7h00min e fechando, geralmente, as 22h00min, oferecendo alimentacao (sanduiche, caldo de carne, salgados) e bebida (refrigerante, suco, cerveja). Neste espaco os alunos costumam lanchar. Aos sabados o movimento e grande durante a tarde, quando o comercio se fecha e as pessoas vao relaxar no espaco. Trata-se de um equipamento que funciona como elemento de atracao dos visitantes da praca.

Nos horarios em torno de 8h00min, 11h30min e 17h00min, que correspondem ao inicio do expediente comercial, horario de almoco e final de expediente aumenta o fluxo de pessoas pela praca. O entorno da praca e caracterizado praticamente por comercio e pelo ponto de onibus existente na proximidade da praca, tornando-se caminho obrigatorio para a maioria. Constatou-se, tambem, que durante a semana o fluxo de bicicletas e grande.

[FIGURA 23 OMITIR]

A escadaria da praca e muito utilizada pelos estudantes como espaco de encontro e para conversas no final da tarde (Figura 23). Acima da escadaria ha quatro bancos, mas apenas dois estao, sempre, a sombra. Este espaco acaba se tornando uma extensao do colegio. Nessa area a concentracao de alunos e maior nos horarios de entrada e saida do colegio, por isso os alunos acabam sentando na balaustrada e na escadaria (Figura 24).

[FIGURA 24 OMITIR]

Na praca, ha dois locais onde foram inseridas mesas com bancos de concreto com a finalidade de proporcionar aos usuarios a pratica de jogos de tabuleiro, como, tambem, "apoio as atividades escolares e culturais", servindo de estimulo para a ocupacao da praca (MARQUES, 2005, p. 25). Infelizmente, estes locais apresentam sinais de vandalismo. Mesmo, assim, sao espacos bastante utilizados pelos estudantes e outros usuarios. Para Castello (2007, p. 12), existem "certos espacos que se distinguem dentro do Espaco maior onde se situam as pessoas e, ao se distinguirem, se tornam percebidos de maneira diferente".

O espaco para jogos situado proximo a escadaria e mais utilizado das 11h30min ate as 13h20min e no final da tarde; o outro local e mais centralizado (Figura 25), proximo ao SEST/SENAI, sendo, este mais utilizado do que as mesas de jogos perto da escadaria. O unico horario que nao tem pessoas neste espaco e a partir das 15h00min, quando o sol atinge diretamente este local.

Ao meio-dia, foi percebido que pessoas que trabalham nas proximidades ficam descansando na praca, esperando o horario de voltar ao trabalho, por isso o fluxo de pessoas que vendem picole e sorvete em carrinhos e grande.

As atividades comerciais em pracas existem desde a Idade Media. Vargas (2001, p. 137 e 138) comenta que "a cidade necessita de um centro social" e que "a cultura da praca inclui o mercado" que em decorrencia da concentracao de pessoas apareciam "de improviso os postos provisorios, as tendas, os bancos, os errantes e os vagabundos". A Prefeitura de Teresina, depois da reforma de 2006, nao permite que o comercio informal permaneca na praca, mas no sabado, que nao tem fiscalizacao, aparecem alguns vendedores de batata-frita, agua de coco, refrigerante, bombom que se instalam na praca e permanecem enquanto tem movimento, o que ajuda a atrair mais usuarios ao local.

A praca se torna movimentada depois das 13h00min de sabado, quando o expediente comercial encerra e as pessoas vao para a Praca de alimentacao "Praca Landri Sales". Encontra-se, tambem, neste espaco, ambulantes vendendo frutas, picole, pipoca e bijuterias, que permanecem pouco tempo, dependendo da existencia de clientes (Figura 26).

[FIGURA 25 OMITIR]

[FIGURA 26 OMITIR]

Ha um trabalhador informal, lavador de carros, que se destaca dos demais, conhecido por Neguinho, que trabalha na praca, de domingo a domingo, ha 22 anos, desde 7 de janeiro de 1987. Ele coloca sua banca na praca, onde expoe os produtos de lavagem e polimento (Figuras 27 e 28), esperando os clientes e oferecendo a comodidade de pagamento, por meio de cartoes de credito, com o apoio de um estabelecimento comercial. Utiliza o ponto de agua que fica na praca, apropriando-se de um bem publico, mas em troca ele zela e nao deixa que danifiquem o equipamento que utiliza na sua atividade. O espaco para lavar o carro e a rua e tem um rendimento mensal de um salario e meio.

Existem outros lavadores de carros que utilizam o ponto de agua na praca, eles ficam nos predios em torno da praca e, ao contrario do Neguinho, nao tem bancas e nao aceitam cartoes de creditos.

[FIGURA 27 OMITIR]

[FIGURA 28 OMITIR]

As principais atividades exercidas pelos usuarios e a caracterizacao do seu entorno da praca estao descritas no mapa de uso (Figura 29).

[FIGURA 29 OMITIR]

Como pode ser visto na figura 30, as principais atividades exercidas na praca sao passivas, tais como esperar o comercio abrir ou por alguem e, ainda, conversar, totalizando 54%. A presenca dos equipamentos e mobiliarios favorece estas atividades, alem destas foram citadas outras atividades, como descansar e paquerar (6,7%).

No final de semana, a praca e utilizada pelos moradores do entorno. A atividade ativa da praca se da quando as criancas vao brincar de bola, pedalar, andar de patins e skate (Figura 31). Casais de namorados tambem utilizam a praca no final de semana.

[FIGURA 31 OMITIR]

O que da vida a uma praca e a sua utilizacao pela populacao atraves de atividades ativas e passivas. Esta praca ainda tem grande valor historico para a cidade e valor simbolico para a populacao.

CONSIDERACOES FINAIS

O resgate de um espaco publico e importante por representar o patrimonio historico e cultural ligado a imagem da cidade. As pracas centrais acumulam importante caracteristicas, configurando-se como um referencial da modificacao da paisagem urbana com o passar dos anos. A Praca Landri Sales teve seu espaco delimitado desde o planejamento de Teresina, sua construcao foi bem-vinda para os moradores do local como a populacao da cidade.

A praca, com seu estilo ecletico, atraia familias, babas com as criancas, casais de namorados e idosos por um espaco acolhedor e agradavel. Com o passar dos anos, o centro da cidade passou de area residencial para comercial, trazendo modificacoes para a paisagem urbana. A praca tambem comecou a sofrer modificacoes pelos usuarios. A instalacao da feira de livros usados tomou conta do espaco da praca por varios anos, danificando os equipamentos e mobiliarios urbanos, afastando as pessoas que ja nao se identificavam com o espaco e acabaram se afastando deste espaco de lazer.

Com a reforma, em 2006, a Praca Landri Sales recuperou a sua funcao original onde foram restabelecidos seus equipamentos e sua cobertura vegetal. Atualmente, este espaco e utilizado como circulacao de pedestres, lazer ativo, passivo, atividade comercial autorizada pela Prefeitura e no sabado, tambem e usada por alguns comerciantes informais. No final de semana, a praca e utilizada pelos moradores do entorno. As atividades ativas sao um diferencial deste espaco, que se deve a presenca de criancas que brincam no local. A Praca Landri Sales e espaco com movimento, um espaco vivo no centro de Teresina.

O orgao publico, desde a sua reforma, nao permitiu que ambulantes e camelos permanecessem no local. As atividades informais existentes na praca sao de lavadores de carros.

Apesar da reforma ter sido realizada em 2006, em dois anos a praca apresenta sinais de vandalismo com mobiliarios danificados. A quantidade de bancos, postes, placas, lixeiras sao razoaveis e bem distribuidos no espaco, mas a falta de manutencao do orgao publico e a falta de cuidado e zelo por estes equipamentos e mobiliarios por parte dos usuarios e representada em bancos, lixeiras que estao quebrados e riscados. As mesas de jogos sao o exemplo maior, mas apesar de estarem quebradas sao espacos ainda usados, principalmente pelos estudantes. Esta situacao pode ser observada em outras pracas de Teresina e em outras capitais brasileiras.

E importante para os habitantes de uma cidade a preservacao das areas que fazem parte da sua memoria. Alem disso, e necessario se formar a consciencia da importancia que as pracas desempenham nas cidades, tanto do ponto de vista social, servindo como ponto de encontro, de manifestacoes e de atividades culturais, como tambem pelo valor ambiental que essas areas representam.

REFERENCIAS

ALEX, S. Projeto da praca: convivio e exclusao no espaco publico. Sao Paulo: Editora Senac Sao Paulo, 2008.

ALMEIDA, C. M. Seguindo nossos trilhos. Teresina: Grafica Impresso, 2005. v. 1.

BARTALINI, V. Praca: a forma mais que dificil. In: Paisagens em debate. Sao Paulo: FAU, nov. 2005.

CASTELLO, L. A percepcao de lugar: repensando o conceito de lugar em arquitetura-urbanismo. Porto Alegre: PROPARUFRGS, 2007.

CASTELO BRANCO, A. E. Urbanizacao e Clima em Teresina. Caderno de Teresina, Teresina, ano XV, n. 35, p. 10-15, mar. 2003.

CAVALCANTI, G. S. A Praca Landri Sales. Jornal do Piaui, Teresina, p. 7, 31 ago. 1958.

COLEGIO exige livros novos e prejudica pais de alunos. Jornal Diario do Povo, Teresina, Cidade, p. 11. 11 jan. 1997

DE ANGELIS, B. L. D.; CASTRO, R. M. de; DE ANGELIS NETO, G. Metodologia para levantamento, diagnostico e avaliacao de pracas no Brasil. Engenharia civil UM., Guimaraes--Portugal, v. 20, n. 1, p. 57-70, 2004.

DIAS, C. de C. Piaui: projetos estruturantes. Teresina: Alinea Publicacoes Editora, 2006.

FEIBER, S. D. Areas verdes urbanas imagem de uso--o caso do Passeio Publico de Curitiba--PR. RAEGA, Curitiba: Editora UFPR, n. 8, p. 93-105, 2004.

GARCIA, J. R. Imagens da cidade verde. Rio de Janeiro: Litteris Editora, 2000.

GOMES, M. A. S.; SOARES, B. R. A vegetacao nos centros urbanos: consideracoes sobre os espacos verdes em cidades medias brasileiras. Estudos Geograficos, 1. Rio Claro, p. 19-29, 2003.

GRAEFF, E. A. Edificio. Sao Paulo: Editora Projeto, 1986 (Cadernos brasileiros de arquitetura, 7).

IBGE--Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Cidades. IBGE, Brasilia. 2007. Disponivel em: <http://www.ibge.com.br/cidadesat/default.php>. Acesso em: 24/7/2008.

LAMAS, J. M. R. G. Morfologia urbana e desenho da cidade. Porto: Fundacao Calouste Gulbenkian/Fundacao para a Ciencia e a Tecnologia, 2004.

LANDIM, P. da C. Desenho da paisagem urbana: as cidades do interior paulista. Sao Paulo: Editora UNESP, 2004.

LOBODA, C. R.; DE ANGELIS, B. L. D. Areas verdes publicas urbanas: conceitos, usos e funcoes. Ambiencia, Guarapuava--PR, v. 1, n. 1, p. 125-139, jan./jun. 2005.

MACEDO, S. S. Espacos Livres. Paisagem e Ambiente: ensaios. Sao Paulo: FAUUSP, n. 7, p.15-56, 1995.

MARANHAO, N. Feira do livro usado teve o movimento triplicado ontem. Jornal Diario do Povo, Teresina, 13 fev. 2005, Cidades, p. 5.

MARQUES, L. V. C. Praca Landri Sales (Praca do Liceu) Teresina--Piaui (1958-2005): aspectos historicos e paisagisticos, 2005, 27p. Trabalho de conclusao de Curso (Especializacao em Paisagismo)--Instituto Camilo Filho, Teresina, 2005.

MARTINS, E. Guia de Teresina. Teresina: Grafica IBGE, 1959.

MONTEIRO, L. R. Relatorio da Camara Municipal de Teresina. Teresina: Graphica Esperanca, 1943.

MONTENEGRO, G. N. A producao do mobiliario urbano em espacos publicos: o desenho do mobiliario urbano nos Projetos de Reordenamento das Orlas do Rio Grande do Norte, 2005, 192p. Dissertacao (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)--Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2005.

PERIGOSA explosao. O Dia, Teresina, ano V, n. 316, p. 4, 1955.

PINHEIRO, J. de Q.; ELALI, G. A.; FERNANDES, O. S. Observando a interacao pessoa-ambiente: vestigios ambientais e mapeamento comportamental. In: PINHEIRO, J. Q.; GUNTHER, H. (Orgs.). Metodos de pesquisa nos estudos pessoa-ambiente. Sao Paulo: Casa do Psicologo, 2008, p. 75-104.

PRACAS. Jornal do Piaui, Teresina, Cidade, p. 2. 10 nov. 1957.

SA CARNEIRO, A. R.; MESQUITA, L. B. Espacos livres do Recife. Recife: Prefeitura Municipal do Recife/ Universidade Federal de Pernambuco, 2000.

SEMPLAN--Secretaria Municipal de Planejamento. Mapa digital da Praca Landri Sales, 2006.

SIRKIS, A. O desafio ecologico das cidades. In: TRIGUEIRO, A. (Coord.). Meio ambiente no seculo 21: especialistas falam da questao ambiental nas suas areas de conhecimento. Rio de Janeiro: Sextante, 2003, p. 215-229.

SPIRN, A. W. O jardim de granito: a natureza no desenho da cidade. Traducao de: Paulo Pellegrino. Sao Paulo: Ed. Universidade de Sao Paulo, 1995.

VARGAS, H. C. Espaco terciario: o lugar, a arquitetura e a imagem do comercio. Sao Paulo: Editora SENAC Sao Paulo, 2001.

Guilhermina Castro SILVA (2)

Wilza Gomes Reis LOPES (3)

Joao Batista LOPES (4)

(1) Parte da dissertacao de mestrado apresentada pela primeira autora ao Programa Regional de Pos-Graduacao em Desenvolvimento e Meio Ambiente da Universidade Federal do Piaui (PRODEMA/UFPI/TROPEN).

(2) Tecnologa em Meio Ambiente, Mestranda do PRODEMA/UFPI (guilherminacastro@hotmail.com).

(3) Arquiteta, Professora do Departamento de Construcao Civil e Arquitetura e do Programas de Pos-Graduacao em Desenvolvimento e Meio Ambiente, PRODEMA/UFPI (izalopes@uol.com.br).

(4) Engenheiro Agronomo, Professor do Departamento de Zootecnia e dos Programas de Pos-Graduacao em Ciencia Animal e do PRODEMA da UFPI (lopesjb@pesquisador.cnpq.br).

(5) Piracuruca refere-se ao municipio do estado do Piaui, localizado a 196 km de Teresina, que entre suas atividades economicas esta o extrativismo de pedras, muito usadas na arquitetura e engenharia.

(6) De acordo com Garcia (2000), era uma expressao usada na epoca em relacao as empregadas domesticas.
TABELA 1--LEVANTAMENTO DOS EQUIPAMENTOS EXISTENTES NA DA PRACA
LANDRI SALES

Equipamentos e
Mobiliario Urbano                Quantidade e Descricao           Nota

Placas de sinalizacao         02 com nomenclatura de ruas;        3,5
                             04 com sinalizacao de transito
                              (sinalizacao de advertencia,
                             indicativa e de regulamentacao)

Quiosque de alimentacao   Local que, atualmente, funciona como    3,5
e/ou similar               ponto de alimentacao. Construcao de
                            alvenaria e cobertura em laje de
                             concreto, possuindo instalacoes
                                       sanitarias.

Escadaria                   Revestida com pedra de Piracuruca     3,0

Telefone publico          03 orelhoes tipo padrao (orelhinha),    3,0
                          de fibra de vidro (fiberglass), sendo
                           que 2 estao adaptados para pessoas
                                       especiais.

Lixeiras                    13 de material metalico (folha de     2,5
                          flandre) com suporte tambem metalico.
                          Duas delas estao quebradas, existindo
                          apenas o suporte. Estao distribuidas
                                 regularmente no local.

Bancos de concreto         09 bancos com modelo de encosto de     2,5
com encosto                         concreto vermelho

Bancos de concreto        06 sem encosto em concreto com apoios   2,5
sem encosto                            adornados;

Iluminacao baixa            09 postes com 2 m de altura para      2,5
                            propiciar iluminacao adequada aos
                           transeuntes, situados no entorno da
                                         praca.

Iluminacao alta           2 postes de ferro com 8 m com quatro    2,0
                                      petalas cada

Bancos de madeira         14 bancos de madeira com pe de ferro,   2,0
com ferro                   com assento e encosto de madeira;

Obra de arte               Busto do Interventor Landri Sales,     2,0
                            que e de cimento com pedestal em
                                        concreto.

Mesas de jogo de          04 mesas de jogo de concreto e 04 com   2,0
tabuleiro                 bancos; 04 mesas de jogo de concreto
                                    e 03 com bancos.

FIGURA 30--GRAFICO SOBRE AS ATIVIDADES NA PRACA LANDRI SALES

Esperar o comercio abrir/pessoas       29,7%
Conversar                              24,3%
Lanchar                                13,5%
Apenas passa                           12,2%
Namorar                                 9,5%
Outros                                  6,7%
Telefonar                               2,7%
Trabalhar                               1,4%

Nota: Tabla derivada de grafico de barra.
COPYRIGHT 2009 Editora da UFPR
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2009 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Silva, Guilhermina Castro; Lopes, Wilza Gomes Reis; Lopes, Joao Batista
Publication:Ra'e Ga
Article Type:Report
Date:Jul 1, 2009
Words:7584
Previous Article:A politica ambiental para a regiao dos Campos Gerais do Parana.
Next Article:Consideracoes acerca da geografia de Alexander von Humboldt: teoria, filosofia e concepcao de natureza.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters