Printer Friendly

Analise do jogo de voleibol: Ensino da execucao dessa tarefa com excel[R].

RESUMO

A analise do jogo de voleibol e considerada na literatura desse esporte como um instrumento util para auxiliar durante e apos a partida, ela e essencial para o tecnico estruturar e prescrever o treino com bola dos atletas. Entretanto, o uso do scout manual costuma ser um equipamento cansativo para ser realizada a analise do jogo. Como utilizar um scout no Excel[R] para efetuar a analise do jogo de voleibol? Entao, o objetivo do estudo foi ensinar a fazer a analise do jogo de voleibol com um scout elaborado no Excel[R]. O artigo foi dividido em tres partes que ensina em detalhes como utilizar o scout elaborado no Excel[R]. O estudo oferece esse scout caso o treinador queira aplicar na sua equipe. Em conclusao, a analise do jogo com scout elaborado no Excel[R] e uma tarefa imprescindivel para as equipes que nao possuem muitos recursos financeir7os.

Palavras-chave: Computadores. Estudo Observacional. Scout. Treino.

ABSTRACT

Match analysis in volleyball: teaching of the execution of that task with Excel[R]

The match analysis in volleyball is considered in the volleyball literature as a useful tool to assist during and after the match, it is essential for the coach structure and prescribes the ball training of the athletes. However, the use of the manual scout usually is an exhausting equipment to be practiced the match analysis. How to use a scout in the Excel[R] to perform the match analysis in volleyball? Then, the objective was to teach to perform the match analysis in volleyball with a scout prepared in the Excel[R]. The article was divided into three parts that teaches in details how to use the scout prepared in the Excel[R]. The study offers this scout if coaches want to apply in your team. In conclusion, the match analysis with scout prepared in the Excel[R] is an essential task for the teams that do not have much money.

Key words: Computers. Observational Study. Scout. Training.

INTRODUCAO

A analise do jogo de voleibol costuma ser efetuada com equipamento de alta tecnologia com o intuito das informacoes serem mais precisas possiveis para o tecnico realizar uma adequada tomada de decisao durante e apos a partida no "O que fazer" e "Como fazer" (Gonzalez e colaboradores, 2013; Matias e Greco, 2009; Mesquita e Marcelino, 2008).

Apesar de existirem muitos estudos com scout sobre analise do jogo de voleibol (Marques Junior, 2009, 2012, 2014; Ramos e colaboradores, 2004), durante o trabalho do treinador esse instrumento se torna muito demorado na recolha dos dados e ainda mais cansativo quando o tecnico precisa oferecer os resultados a sua equipe (Garganta, 2001; Silva, 2006).

Entao, muitos tecnicos de voleibol da iniciacao e de equipes sem muitos recursos financeiros efetuam sua tomada de decisao na orientacao dos atletas sem o uso da analise do jogo por causa dos problemas do scout manual.

Embora a analise do jogo de voleibol seja considerada na literatura desse esporte como um instrumento util nao so para auxiliar durante e apos a partida no "O que fazer" e "Como fazer", ela e essencial para o tecnico estruturar e prescrever o treino com bola dos atletas (Gonzalez, 20014; Moutinho, 1991; Tavares, 2006).

Sabendo dessa problematica, como utilizar um scout no Excel[R] para efetuar a analise do jogo de voleibol?

A literatura do voleibol nao pode responder essa questao (Campos e colaboradores, 2014; Costa e colaboradores, 2014; Joao, Beca e Vaz, 2013; Palao e Ahrabi-Fard, 2014), entao, o objetivo do estudo foi ensinar a fazer a analise do jogo de voleibol com um scout elaborado no Excel[R].

PROCEDIMENTOS DA COLETA DE DADOS DURANTE A PARTIDA

Essa tarefa e extremamente importante durante a partida de voleibol, ou seja, esta relacionada com o local da filmagem. E bom lembrar, caso essa coleta de dados seja para um estudo cientifico ou para averiguar a maneira de jogar de algumas equipes, a amostra do voleibol precisa ser da mesma categoria (por exemplo, somente o sub 16) ou conforme o delineamento da pesquisa, mais de uma categoria (sub 14, sub 16 etc) quando se deseja comparar diferentes idades na maneira de jogar.

Nao existe um consenso na literatura do voleibol, mas se voce deseja visualizar todas as acoes da sua equipe e/ou do adversario, recomenda-se que a filmagem seja na diagonal ou atras da partida--fundo da quadra (Costa e colaboradores, 2010; Castro e colaboradores, 2014; Palao e Ahrabi-Fard, 2011).

Em alguns casos, se estiver num local mais alto do que o campo de jogo, a filmagem no lado da quadra, similar a transmissao da televisao, tambem pode ficar boa (Medeiros e colaboradores, 2014; Rabaz e colaboradores, 2013).

Os dois sets desse artigo (IV Taca Curitiba sub 16 feminino, SMEL/Araucaria x Santa Monica Clube de Campo) foram filmados pela camera digital Sony[R] handycam, modelo DCR-SX20 foi fixada no tripe Mirage[R], estando posicionada na diagonal e ficou numa distancia de 4 metros da quadra.

Apos a coleta dos dois sets do jogo de voleibol sub 16 feminino da equipe Santa Monica Clube de Campo, o leitor vai aprender utilizar o scout elaborado no Excel[R] para fazer a analise do jogo de voleibol apos a partida, com o intuito de saber o coeficiente de performance dos fundamentos da sua equipe ou do adversario, visando facilitar na estruturacao e prescricao do treino.

Tambem, torna-se interessante do professor determinar o horario, o local da disputa, a temperatura, a umidade relativa do ar e a estacao do ano porque essas variaveis podem interferir na dinamica do jogo (Moutinho, 1991; Marques Junior, 2010; 2012b).

MATERIAL, PROTOCOLO DE ANALISE DO JOGO E EQUIPE DE VOLEIBOL DO ESTUDO

O material utilizado para a analise do jogo de voleibol foi um notebook Acer modelo Aspire 4320, nesse equipamento estava o scout elaborado no Excel[R] (Obs.: Esse scout se encontra na pagina da revista).

O notebook Compaq modelo Presario CQ43 foi acoplado ao data show para esse instrumento reproduzir a partida na parede (Obs.: Nao foi utilizado o telao durante essa analise do jogo porque dentro de 15 dias esta chegando esse equipamento no laboratorio).

O projetor digital (data show) usado nessa analise do jogo foi o Benq, modelo MP 515.

[FIGURE 1 OMITTED]

Sempre que possivel, utilize o mesmo material para a analise do jogo, principalmente o da reproducao da partida, que foi o data show, isso interfere se numa primeira coleta voce faz na televisao e na segunda o pesquisador utiliza o data show. Os resultados tendem diferir, e muito melhor ver o jogo de voleibol no data show.

A figura 1 ilustra o material da analise do jogo do laboratorio.

O scout elaborado no Excel utilizou a equacao de Coleman (2005) para determinar o desempenho na partida das jovens jogadoras sub 16 da equipe Santa Monica Clube de Campo.

A escolha dessa equacao e que diversos estudos utilizam esse calculo (Marcelino e colaboradores, 2008, 2009, 2010; Mesquita e Marcelino, 2008) e tambem foi detectado problema em algumas formulas para verificar a performance do voleibolista na partida. As equacoes que foram identificados problemas foram as seguintes:

American Volleyball Coaches Association (1997)

Percentual de Eficiencia (passe, levantamento e defesa) = [(acertos - erros): total de fundamentos]. 100 = ?%

Percentual de Eficiencia (saque, cortada e bloqueio) = [(pontos - erros) : total de fundamentos]. 100 = ?%

Quando a os erros possui valor superior aos acertos ou maior do que os pontos, na regra dos sinais da valor negativo, isso interfere no resultado. Por exemplo:

Passe = 20 acertos, 50 erros e total de fundamentos igual a 70, vamos verificar o percentual de eficiencia:

Percentual de Eficiencia do Passe = [(20-50): 70]. 100 = ?% [-20: 70]. 100 - 0,28. 100 = - 28,57% (o resultado nao pode ser negativo)

O mesmo problema da equacao anterior acontece no calculo utilizado por Haiachi e colaboradores (2014). A equacao e a seguinte:

Indice de Rendimento do Fundamento = (pontos - erros): numero total de pontos na partida = ?

A equacao recomendada por Baacke e Matsudaire (1983), tambem indicada por Lerbach, Dutra e Vianna Junior (2009), nao utiliza erro do fundamento na equacao, comprometendo o resultado do percentual de eficiencia. O calculo e o seguinte:

Percentual de Eficiencia do Fundamento = (pontos. 100): total de fundamentos = ?%

O coeficiente de performance dos fundamentos e um indicador do desempenho do atleta sendo coletado no scout do Excel[R] os seguintes quesitos (Coleman, 2005):

* Passe, Levantamento e Defesa foi coletado acao excelente, continuidade (uma tarefa media) e erro.

* Saque, Ataque e Bloqueio foi coletado ponto, continuidade (uma tarefa media) e erro.

Apos a coleta desses dados dos fundamentos e conforme a zona que foi executado e estabelecido o coeficiente de performance dos fundamentos (CP) com a seguinte formula que foi programada no Excel[R]:

CP (passe, levantamento e defesa) = [(3 x acao excelente) + (1,5 x continuidade) + (0 x erro)]: total de acoes (excelente, continuidade e erro) = ?

CP (saque, ataque e bloqueio) = [(4 x ponto) + (2 x continuidade) + (0 x erro)]: total de acoes (ponto, continuidade e erro) = ?

Quanto mais alto o coeficiente de performance dos fundamentos, melhor o rendimento da partida do jogador de voleibol.

Antes do tecnico de voleibol iniciar a analise do jogo com o scout elaborado no Excel[R], merece fazer uma ambientacao do que vai ser observado.

Depois observe novamente marcando algumas jogadas e realize isso por alguns segundo ou minutos. Toda essa tarefa serve como aquecimento para a coleta oficial de analise do jogo. Realize por 30 segundos a 10 minutos.

Para o leitor usar o scout elaborado no Excel[R] e da seguinte maneira.

Na tabela ao lado onde tem o nome dos fundamentos nao precisa mexer, e onde foi programado para gerar os resultados da analise do jogo. A leitura da tabela que tem os fundamentos e bem simples.

[ILLUSTRATION OMITTED]

Agora que foi explicado o scout elaborado no Excel[R], existe um procedimento para efetuar a coleta nesse instrumento. O pesquisador observa a execucao de um fundamento, pausa a partida, depois marca o que aconteceu no scout, em seguida a pausa e desfeita e toda essa tarefa e feita ate o fim da coleta de dados. A figura 2 ilustra esse ocorrido.

Quando necessario, para o pesquisador observar melhor a execucao do fundamento, foi colocado zoom na imagem gerada pelo data show. A figura 3 apresenta a imagem oferecida por esse equipamento.

Essa coleta de dados sobre analise do jogo de voleibol, referente a equipe sub 16 feminina da equipe Santa Monica Clube de Campo ocorreu numa distancia de 2,30 m do local que foi projetada a imagem da partida pelo data show. O profissional responsavel pela estatistica merece atencao nesse quesito, sempre padronizar uma distancia que ofereca boa visao para ter precisao na analise da equipe que esta sendo estudada.

Uma dica, caso o professor tenha dificuldade de memorizar as zonas da quadra durante a analise do jogo, cole um papel proximo da tela do computador com essas zonas que facilita a execucao dessa tarefa. A figura 4 ilustra essa explicacao.

[FIGURE 4 OMITTED]

So ocorreu analise de dois sets porque isso fez parte do regulamento da competicao, da IV Taca Curitiba de 2015. Aconteceram varios jogos no mesmo dia, e o torneio inicio organizado pela Federacao Paranaense de Voleibol. Outra diferenca da regra, e que cada set termina quando e feito 25 pontos, sem diferenca de dois pontos, caso ocorra um 3[degrees] set, sera de 15 pontos sem diferenca de dois pontos. Em cada set o tecnico tem direito apenas a um pedido de tempo. O jogo foi entre Santa Monica Clube de Campo versus SMEL/Araucaria pela fase de grupos da IV Taca Curitiba, o pesquisador realizou a coleta em um dia com uma pausa de 4 horas entre cada set. O tempo da analise entre cada set foi a seguinte:

* 1[degrees] set: 3 horas

* 2[degrees] set: 2 h e 30 minutos

Para o tecnico ou pesquisador ter precisao nessa coleta de dados, recomendase um intervalo de 15 dias para verificar a confiabilidade dos dados, sendo refeita a analise (Silva, Lacerda e Joao, 2013). Apos essas duas coletas os dados podem ser tratados pelo teste de Kappa de Cohen (Castro e Mesquita, 2008) e/ou pela formula de Ballack (Marques Junior e colaboradores, 2012). Caso os valores sejam satisfatorios, a analise do jogo de voleibol vai ter boa ou alta concordancia entre os dados analisados.

O leitor que nao domina essa estatistica merece verificar como fazer esses calculos nos trabalhos de Marques Junior (2014b, 2014c, 2014c), Marques Junior e colaboradores (2012) que estao disponiveis na internet.

Outro conteudo muito importante que influencia na analise do jogo de voleibol, e saber como a equipe joga. Nesse exemplo a equipe feminina sub 16 da Santa Monica Clube de Campo tinha o sistema de jogo 4x2 simples sem infiltracao. O levantamento costumava ser efetuado na zona 2 e 3, enquanto que o ataque acontecia mais na zona 3 e 4, geralmente a equipe passava em W e na defesa existia uma padronizacao nas posicoes, ou seja, na zona 1 a levantadora defendia, na zona 6 a ponta fazia a mesma tarefa e na zona 5 a central ou libero atuava defendendo. O modelo de periodizacao utilizado pelo treinador era a periodizacao tradicional de Matveev. A figura 5 ilustra essas explicacoes.

[FIGURE 5 OMITTED]

RESULTADOS DA ANALISE DO JOGO DE VOLEIBOL

Quando o responsavel da estatistica faz analise do jogo, merece destacar os aspectos positivos e negativos da equipe, onde faz anotacoes relevantes sobre os acertos e erros durante a partida, precisa identificar o material de seguranca das atletas (Exemplo: joelheira, estabilizador etc), determina a qualidade tecnica dos fundamentos das jogadoras, tambem pode chamar a atencao, mas essa tarefa e de um psicologo, referente o estado emocional da comissao tecnica e das atletas durante a partida e outros (Palao e Lopez-Martinez, 2012).

Continuando o exemplo da analise do jogo desse artigo, o da equipe sub 16 Santa Monica Clube de Campo, sera destacado os aspectos positivos e negativos desse time de voleibol e outros. Lembrando que essa tarefa foi efetuada simultaneamente com o scout elaborado no Excel[R], onde o pesquisador fez algumas anotacoes em uma folha de caderno. Tambem e importante saber como a equipe iniciou os sets e quantas substituicoes ocorreram. Veja como foi efetuada a analise:

Formacao Inicial da Equipe

A equipe sub 16 Santa Monica Clube de Campo iniciou o 1[degrees] set e o 2[degrees] set da seguinte maneira

[FIGURE 6 OMITTED]

Aspectos Positivos do 1[degrees] e do 2[degrees] set

* A equipe mostrou muita precisao na posicao em W durante o passe, geralmente ocorre muito erro nas equipes da iniciacao.

* No saque, as atletas preferem a zona 6 para sacar, isso e bem inteligente porque as chances de erro sao menores e o deslocamento para respectiva zona de defesa e mais rapido.

* A atleta de ponta 16 realizou inteligente jogada, a bola nao estava boa para atacar e no ar efetuou um toque e a bola caiu na quadra do adversario. Em outro momento similar da partida, a jogadora de ponta 13 fez a mesma tarefa. O treinador orientou bem essas jovens, nem sempre um ataque forte resolve a situacao problema para fazer o ponto.

Aspectos Negativos do 1[degrees] e do 2[degrees] set

* Verificar se todas as atletas estao usando estabilizador e tenis de voleibol, isso evita chances de lesao ou ameniza uma contusao grave. A maioria das jogadoras nao estava com estabilizador.

* As jovens jogadoras estao praticando o balanceio dos bracos na cortada e no bloqueio com ele esticado, tente orientar essas meninas para essa tarefa ser feita com o membro superior flexionado num angulo de 90[degrees] porque gera menos esforco e maior velocidade dessa acao. A figura 7 ilustra essas explicacoes.

[FIGURE 7 OMITTED]

Entretanto, apesar dessas recomendacoes para as jovens jogadoras do sub 16, ainda sao necessarios estudos de campo para comprovar se o balanceio dos bracos com o cotovelo flexionado no angulo de 90[degrees] ocasiona realmente menor esforco e maior velocidade dessa tarefa, vindo proporcionar maior impulsao do voleibolista (Marques Junior, 2012c).

* Em varios momentos do jogo as levantadoras 8 e 9 nao saltam no bloqueio na zona 2, deixando essa atividade para central que costuma fazer o bloqueio simples. Quando a levantadora 15 entrou no 2[degrees] set, ai na zona 2 passou a acontecer bloqueio duplo.

* Apesar das levantadoras serem sub 16, em varios momentos elas nao realizaram o levantamento com salto, isso aumenta a velocidade da jogada, tente estimular elas fazerem dessa maneira.

Segundo a literatura do voleibol, equipes que efetuam mais levantamentos com salto conseguem melhor resultado na partida (Palao e Ahrabi-Fard, 2014).

Sugestao para melhoria da equipe

* Quando a equipe esta preparada para o passe, a maioria dos ataques ocorre na zona 3 e 4, isso acontece da seguinte maneira: chutada ou bola alta na zona 4 e meia bola ou bola de tempo na zona 3. A figura 8 ilustra essas informacoes.

[FIGURE 8 OMITTED]

[FIGURE 9 OMITTED]

Como sugestao para dificultar ainda mais o bloqueio adversario, tente colocar uma ou duas jogadoras atacando dos 3 metros. Por exemplo, como a equipe passa em W, se o passe nao foi efetuado por alguma atleta que esta no fundo da quadra, ela automaticamente pode ser acionada no ataque dos 3 metros. Outra sugestao, a atleta que vai atacar na zona 3 poderia efetuar essa tarefa com outras bolas como chutadinha, tempo atras e bola de 2 tempos etc. Ou fazer uma jogada dificil de ser marcada, finge que vai cortar tempo no meio da rede, da um passo para lateral e corta com chutadinha ou meia bola. A figura 9 complementa essas explicacoes.

A atleta que ataca na zona 4 poderia fazer outras variacoes, como atacar tempo na zona 3 ou uma chutadinha no meio da rede e outros.

Resultados do Coeficiente de Performance dos Fundamentos

Quando ocorre a coleta dos fundamentos pelo scout elaborado no Excel[R], imediatamente e estabelecido o coeficiente de performance de cada fundamento e das suas respectivas zonas da quadra que foi executado. Tambem e gerada a media do coeficiente de performance dos fundamentos, que pode ser apresentada imediatamente para os atletas como uma breve analise. Como exemplo, temos os resultados do coeficiente de performance de cada fundamentos da equipe feminina sub 16 Santa Monica Clube de Campo.

[FIGURE 10 OMITTED]

[FIGURE 13 OMITTED]

Apos essa breve analise sobre a media do coeficiente de performance dos fundamentos, e possivel continuar o estudo sobre a equipe sub 16 feminino Santa Monica Clube de Campo. Um treinador mais criterioso ou um pesquisador que esta realizando alguma investigacao sobre analise do jogo de voleibol, merece efetuar a estatistica inferencial dos resultados coeficiente de performance dos fundamentos para fazer uma pesquisa mais detalhada sobre esse ocorrido na partida (Velez, Gonzalez e Ibanez, 2013).

A seguir sao apresentadas algumas analises da equipe feminina sub 16 Santa Monica Clube de Campo. Todos os dados foram tratados pelo pacote estatistico GraphPad Prism, version 5.0.

O leitor que nao domina essa estatistica pode verificar como fazer esses calculos nos trabalhos de Marques Junior (2014b, 2014c, 2014c) que estao disponiveis na internet em http://www.pluridoc.com/ ou em http://www.researchqate.net/.

Antes de efetuar o tratamento estatistico, todos os dados foram destacados do scout elaborado no Excel[R] para ficar mais facil a execucao das analises, veja na tabela 1.

Foi comparado o coeficiente de performance de cada fundamento das levantadoras do 1[degrees] e do 2[degrees] set, sendo comparado somente por posicao porque todas atletas exercem funcoes diferentes na partida. O mesmo deveria ser feito com as outras posicoes, mas e so um exemplo para o leitor entender como fazer a estatistica inferencial. A tabela 2 apresenta os resultados.

Apesar de nao ter diferenca significativa (p>0,05) nas comparacoes do 1[degrees] e do 2[degrees] set da levantadora, o leitor pode observar que o levantamento melhorou muito no 2[degrees] set. A figura 14 ilustra isso.

Em outro exemplo, sobre a aplicacao da estatistica inferencial para comparar o coeficiente de performance do saque do 1[degrees] e do 2[degrees] set conforme a zona da quadra da equipe feminina sub 16 Santa Monica Clube de Campo. A tabela 3 apresenta os resultados.

[FIGURE 14 OMITTED]

Apesar de nao ter diferenca significativa (p>0,05) nas comparacoes do 1[degrees] e do 2[degrees] set da zona do saque, o leitor pode observar que o saque na zona 6 durante o 2[degrees] set teve um coeficiente de performance superior ao das outras zonas. A figura 15 ilustra esse ocorrido.

Foram oferecidos alguns exemplos em como utilizar a estatistica inferencial, esperase que esse artigo seja util para os treinadores do voleibol.

[FIGURE 15 OMITTED]

CONCLUSAO

A analise do jogo de voleibol com scout elaborado no Excel[R] e uma tarefa minuciosa e de muito trabalho, mas o responsavel pela equipe de voleibol pode obter informacoes importantes que servem para otimizar a performance atraves da estruturacao e prescricao do treino baseada nessa analise.

Em conclusao, a analise do jogo com scout elaborado no Excel[R] e uma tarefa imprescindivel para as equipes que nao possuem muitos recursos financeiros.

REFERENCIAS

1-American Volleyball Coaches Association. Coaching volleyball. Chicago: Masters Press. 1997.

2-Arruda, M.; Almeida, A.; Santos, S.; Castro, P.; Batista, G. A funcao do libero na recepcao de saque e de defesa durante as partidas da superliga feminina de voleibol 2009/2010. FIEP. Vol. 81. Num. Special. p. 1-5. 2011.

3-Baacke, M.; Matsudaira, Y. Analise do jogo. In. Baacke, M.; Matsudaira, Y.; Saito, H.; Toyoda, H. (Eds.) Matsudaira, Y. Manual do treinador. Rio de Janeiro: GPS. 1983.

4-Campos, F.; Stanganelli, L; Campos, L; Pasquarelli, B.; Gomez, M-A. Performance indicators analysis at Brazilian and Italian women's volleyball leagues according to game location, game outcome, and set number. Percept Mot Skills. Vol. 118. Num. 2. p. 347-361. 2014.

5-Coleman J. Analisando o adversario e avaliando o desempenho da equipe. In. Shondell D, Reynaud C (Orgs.). A biblia do treinador de voleibol. Porto Alegre: Artmed. 2005.

6-Castro, J.; Mesquita, I. Estudo das implicacoes do esforco ofensivo nas caracteristicas do ataque no voleibol masculino de elite. Rev Port Ci Desp. Vol. 8. Num. 1.p. 114-125.2008.

7-Castro, H.; Cavalli, I.; Silva, C.; Greco, P. Interacao no curso das acoes de saque e bloqueio no voleibol juvenil. Conexoes. Vol. 12. Num. 3. p. 1-17.2014.

8-Costa, G.; Mesquita, I.; Greco, P.; Ferreira, N.; Moraes, J. Relacao entre o tempo, o tipo e o efeito do ataque no voleibol masculino juvenil de alto nivel competitivo. Rev Bras Cineantropom Desempenho Hum. Vol. 12. Num. 6. p. 428-434. 2010.

9-Costa, G.; Barbosa, R.; Freire, A.; Matias, C; Greco, P. Analise das estruturas do complexo I a luz do resultado do set no voleibol feminino. Motricidade. Vol. 10. Num. 3. p. 40-49. 2014.

10-Garganta, J. A analise da performance nos jogos desportivos. Revisao acerca da analise do jogo. Rev Port Ci Desp. Vol. 1. Num. 1. p. 57-64.2001.

11-Gonzalez, H.; Espa, U.; Martin, M.; Moreno, S. Analisis de la recepcion en voleibol y su relacion con el rendimiento de ataque en funcion del nivel de los equipos. Kronos. Vol. 12. Num.2. p. 18-29.2013.

12-Gonzalez, C. Estudio contextualizado del rendimiento de ataque em K1. Comparativa entre las selecciones absolutas de voleibol masculino de Espana y Brasil. Universidad Europea Madrid. Tesis Doctoral. Madrid. 2014.

13-Haiachi, M.; Oliveira, B.; Almeida, M.; Santos, T. Indicadores de desempenho no voleibol sentado. Rev Educ Fis/UEM. Vol. 25. Num. 3. p. 335-343. 2014.

14-Joao, P.; Beca, P.; Vaz, L. Analise do jogo em funcao do local e do numero do set na performance em jogos de voleibol de alto nivel. Rev Min Educ Fis. Vol.-. Num. 9. p. 822-827. 2013.

15-Lerbach, A.; Dutra, L; Vianna Junior, N. Apostila do curso nacional de capacitacao de treinadores de voleibol CBV - nivel II. Federacao Mineira de Voleibol. 2009.

16-Luhatanen, P. In. Winter, D.; Norman, R.; Wells, R.; Hayes, K.; Patla, A (Eds.). Biomechanics IX-B. Kinematics and kinetics of serve in volleyball at different age levels. Champaing: Human Kinetics. 1988?. p. 817-818.

17-Marcelino, R.; Mesquita, I.; Sampaio, J.; Anguera, M. Ventaja de juegar en casa em voleibol de alto rendimento. Rev Psicol Dep. Vol. 18. Num. 2. p. 181-196. 2009.

18-Marcelino, R.; Mesquita, I.; Sampaio, J.; Moraes, J. Estudo dos indicadores de rendimento em voleibol em funcao do resultado do set. Rev Bras Educ Fis Esp. Vol. 24. Num. 1.p. 69-78. 2010.

19-Marques Junior, N. Fundamentos praticados pelo defensor durante o jogo de voleibol na areia. Conexoes. Vol. 7. Num. 1. p. 61-76.2009.

20-Marques Junior, N. Selecao de testes para o jogador de voleibol. Mov Percep. Vol. 11. Num. 16. p. 169-206.2010.

21-Marques Junior, N. Fundamentos praticados pelo bloqueador do voleibol na areia. Lecturas: Educ Fis Dep. Vol. 17. Num. 167. p. 1-12.2012.

22-Marques Junior, N. Effort during the shotokan karate kumite in 13th Brazilian championship JKA, 2012. Lecturas: Educ Fis Dep. Vol. 17. Num. 172. p. 1-10. 2012b.

23-Marques Junior, N. Balanceio dos bracos na cortada do voleibol. Lecturas: Educ Fis y Dep. Vol. 17. Num. 175. p. 1-6. 2012c.

24-Marques Junior, N. Evidencias cientificas sobre os fundamentos do voleibol: importancia desse conteudo para prescrever o treino. Re v Bras Prescr Fisio Exerc. Vol. 7. Num. 37. p. 78-97.2013.

25-Marques Junior, N. Fundamentos praticados pelo central durante o jogo de voleibol. Lecturas: Educ Fis Dep. Vol. 18. Num. 188. p. 1-14.2014.

26-Marques Junior, N. Estatistica aplicada ao esporte e a atividade fisica. [2.sup.a] edicao. Vol. 1. Niteroi: s.ed. 2014b.

27-Marques Junior, N. Estatistica aplicada ao esporte e a atividade fisica. [2.sup.a] edicao. Vol. 2. Niteroi: s.ed. 2014c.

28-Marques Junior, N. Estatistica aplicada ao esporte e a atividade fisica. [2.sup.a] edicao. Vol. 3. Niteroi: s.ed. 2014d.

29-Marques Junior, N. O libero do voeibol de alto nivel melhora a recepcao? Rev Bras Ci Mov. Vol. 22. Num. 3. p. 133-138. 2014e.

30-Marques Junior, N.; Nunes, W.; Tubino, M.; Silva, V. O efeito do treino da visao periferica no ataque de iniciados do futsal: uma analise sobre os estudos de uma dissertacao. Lecturas: Educ Fis Dep. Vol. 17. Num. 171. p. 1-27.2012.

31-Matias, C; Greco, P. Analise de jogo nos jogos esportivos coletivos: a exemplo do voleibol. Pensar a Pratica. Vol. 12. Num. 3. p. 1-16.2009.

32-Medeiros, A.; Marcelino, R.; Mesquita, I.; Palao, J. Physical and temporal characteristics of under 19, under 21 and senior male beach volleyball players. J Sports Sci Med. Vol. 13. Num. 3. p. 658-665. 2014.

33-Mesquita, I.; Marcelino, R. Effect of team level on volleyball game actions performance. 5th International Scientific Conference on Kinesiology. Zangreb. Croatia. p. 966-968. 2008.

34-Moutinho, C. A importancia da analise do jogo no processo de preparacao desportiva nos jogos desportivos coletivos: o exemplo do voleibol. In. Bento, J.; Marques, A. (Eds.). As ciencias do desporto e a pratica desportiva. Vol. 2. Porto: Universidade do Porto. 1991.

35-Palao, J.; Ahrabi-Fard, I. Side-out success in relation to setter's position on court in women's college volleyball. Int J Appl Sports Sci. Vol. 23. Num. 1.p. 155-167.2011.

36-Palao, J.; Lopez-Martinez, A. Establecimiento de objetivos a partir del analisis del juego para el trabajo tecnicotactico en voley-playa. Rev Espanola Educ Fis Dep. Vol. -. Num. 396. p. 35-47. 2012.

37-Palao, J.; Ahrabi-Fard, I. Effect of jump set usage on side-out phase in women's college volleyball. J Sport Hum Perf. Vol. 2. Num. 3. p. 1-10.2014.

38-Rabaz, F.; Castuera, R.; Arias, A.; Domiguez, A.; Arroyo, M. Relationship between performance in game actions and the match result. A study in volleyball training stages. J Hum Sport Exerc. Vol. 8. Num. 3. p. 651-659.2013.

39-Ramos, M.; Nascimento, J.; Donega, A.; Novaes, A.; Souza, R.; Silva, T.; Lopes, A. Estrutura interna das acoes de levantamento das equipes finalistas da superliga masculina de voleibol. Rev Bras Ci Mov. Vol. 12. Num. 4. p. 33-37. 2004.

40-Silva, M.; Lacerda, D.; Joao, P. Match analysis of discrimination skills according to the setter attack zone position in high level volleyball. Int J Perf Analysis Sport. Vol. 13. Num.-.p. 452-460. 2013.

41-Silva, P. A analise do jogo em futebol. FMH. Dissertacao de Mestrado. Lisboa. 2006.

42-Tavares, F. Analisar o jogo nos esportes coletivos para melhorar a performance. In. Rose Junior, D (Org.). Modalidades esportivas coletivas. Rio de Janeiro: Guanabara. 2006.

43-Velez, D.; Gonzalez, J.; Ibanez, J. El uso del match analysis para la mejora del rendimiento fisico en los deportes de equipo. CCD. Vol. 8. Num. 9. p. 147-155. 2013.

Nelson Kautzner Marques Junior (1)

Danilo Arruda (2)

(1)-Mestre em Ciencia da Motricidade Humana pela Universidade Castelo Branco, RJ, Brasil.

(2)-Bacharelado em Educacao Fisica pela PUCPR, Tecnico de Voleibol da Equipe Santa Monica Clube de Campo, Brasil.

E-mails dos autores:

kautzner123456789junior@gmail.com

daniloarrudal 3@hotmail.com

Recebido para publicacao 30/03/2015

Aceito em 29/07/2015
Tabela 1 - Coeficiente de Performance (CP) Individual (1[degrees] set
azul / 2[degrees] set preto)

Atletas     Saque                   Passe

8 Lev       Zona 6 = 1,67/Media     Zona 1 = 2,5/Zona 5 =
            = 1,67/Zona6 = 0/       4 / Zona 6 = 2/ Media
            Media = 0               = 2,8 / Zona 1=3/
                                    Media = 3

9 Lev       Zona 1 = 2,67 / Zona    Zona 1=1/ Media = 1
            6 = 2/ Media = 2,33 /   / Zona 6 = 2/ Media =
            Zona 6 = 2/ Media =     2
            2

15 Lev      Zona 6 = 4/ Media =
            4

11 Central  Zona 6 = 2,5 / Media    Zona 1 e 4 = 2 / Media
            = 2,5 / Zona 6 = 3,3 /  = 2
            Media = 3,3

12 Central  Zona 6 = 2,67/Media     Zona 3 e 4 = 2 / Zona 5
            = 2,67/Zona 6 = 2,5/    e6 = 4/Media = 3
            Media = 2,5

18 Central                          Zona 2 = 1/ Zona 2 = 2
e                                   /Media =1,5
Universal
13 Ponta    Zona 1=2/ Zona 6 =      Zona 1=2/ Zona 5 = 0
            2 / Media = 2 / Zona 6  / Zona 6 = 3/ Media =
            = 2,7/Media = 2,7       1,7/Zona 4 = 2/Zona
                                    5 e 6 = 4 / Media = 2,5

16 Ponta    Zona 6 = 2/ Media =     Zona 4 = 3/ Zona 5 =
            2/Zona 6 = 2,4/         1,3/Zona 6 = 3/
            Media = 2,4             Media = 2,4/Zona 1 =
                                    2 / Zona 6 = 2/ Media
                                    = 2
5 Libero                            Zona 1=2/ Zona 4 e 5
                                    = 4/Zona 6 = 2,8/
                                    Media = 3,2 / Zona 1 =
                                    3 / Zona 5 = 3/ Zona 6
                                    = 2 / Media = 2,7

Atletas     Defesa             Lev.                Ataque

8 Lev       Zona 1=2/          Zona 2 = 3,8 /
            Media = 2          Zona 3 = 3,6 /
                               Zona 6 = 2/ Media
                               = 3,1/Zona 2 = 4/
                               Media = 4
9 Lev       Zona 1=3/ Zona     Zona 1=3/ Zona
            5 = 4/Media =      2 = 3/ Zona 3 =
            3,5                3,4/Zona 6=1/
                               Media = 2,6 / Zona
                               1=2/ Zona 2, 3 e
                               6 = 4/Media = 3,5
15 Lev                         Zona 2 = 2/ Zona
                               3 = 3,3/Zona 6 =
                               2 / Media = 2,4
11 Central  Zona 3 = 0/ Zona                       Zona 3 = 2/ Zona 4
            5 = 0/Media = 0                        = 3 / Media = 2,5 /
                                                   Zona 3 = 3/ Zona 4
                                                   = 2 / Media = 2,5
12 Central  Zona 5 e 6 = 0 /                       Zona 2 = 0/ Zona 3
            Media = 0                              = 3 / Zona 4 = 2,7 /
                                                   Media = 1,9/Zona
                                                   4 = 4/ Media = 4
18 Central                     Zona 2 = 2/ Media
e                              = 2
Universal
13 Ponta    Zona 5 = 2/ Zona                       Zona 2 = 2/ Zona 4
            6 = 2,2/Media =                        = 2,8/Zona 6 = 4/
            2,1 / Zona 6 = 4/                      Media = 2,9 / Zona
            Zona 5 = 0/                            2 = 4/ Zona 4 = 2/
            Media = 2                              Media = 3
16 Ponta    Zona 5 = 2/ Zona                       Zona 2 = 4/ Zona 4
            6 = 0/Media = 1/                       = 2 / Media = 3 /
            Zona 5 = 0/ Zona                       Zona 4 = 1,3/
            6 = 2/Media = 1                        Media = 1,3

5 Libero    Zona 5 = 3/ Zona                       Zona 5 = 4 (feito
            6 = 0/Media =                          com passe) / Media
            1,5 / Zona 5=1 /                       = 4
            Media = 1

Atletas     Bloqueio
8 Lev       Zona 2 = 2/ Media
            = 2



9 Lev





15 Lev      Zona 2 = 2/ Zona 3
            = 2 / Media = 2

11 Central  Zona 2 = 0,7/Zona
            3 = 1/ Zona 4 = 2/
            Media = 1,2/Zona
            3 = 2/Media = 2
12 Central  Zona 4 = 2/ Media
            = 2 / Zona 3 = 0/
            Media = 0

18 Central  Zona 3 = 2/ Media
e           = 2
Universal
13 Ponta




16 Ponta    Zona 4 = 2/ Media
            = 2



5 Libero



Legenda: lev - levantadora

Tabela 2 - Coeficiente de performance dos fundamentos da
levantadora sub 16.

Variaveis    Saque

             1[degrees] set: 2,11 [+ or -]0,5
             2[degrees] set: 2[+ or -]2
             Teste Shapiro Wilk
Levantadora  (p[less than or equal to]0,05): dados
             nao normais
             Teste Wilcoxon:
             Z = 0, p = 1

Variaveis    Passe
             1[degrees]set:2,37[+ or -]1,25
             2[degrees] set: 2,5[+ or -]0,7
             Teste Shapiro Wilk
Levantadora  (p[less than or equal to]0,05): dados
             nao normais
             Teste Wilcoxon:
             Z = 4, p = 0,5

Variaveis    Levantamento
             1[degrees]set:2,82[+ or -]0,99
             2[degrees] set: 3,55[+ or -]0,80
             Teste Shapiro Wilk
Levantadora  (p[less than or equal to]0,05): dados
             normais
             Teste "t" pareado:
             t(5) = 0,91,p = 0,4

Variaveis    Bloqueio
             1[degrees]set:2
             2[degrees] set: 2
             Teste Shapiro Wilk
Levantadora  (p[less than or equal to]0,05): dados
             nao normais
             Teste Wilcoxon:
             Z = -1, p = 1

Variaveis    Defesa
             1[degrees]set:3[+ or -]1
             2[degrees] set: 0
             Teste Shapiro Wilk
Levantadora  (p[less than or equal to]0,05): dados
             nao normais
             Teste Wilcoxon:
             Z = 6, p = 0,25

Tabela 3 - Coeficiente de performance do saque da equipe sub 16
conforme a zona.

Zona  Saque

1     1[degrees]set:2,33[+ or -]0,47
      Nao foi realizado saque nessa
5     zona
      1[degrees]set:2,14[+ or -]0,37
6     2[degrees] set: 2,41 [+ or -]1,25
      Teste Shapiro Wilk (p[less than or equal to]0,05):
      dados nao normais
      Anova de Kruskal-Wallis: H (2)
      = 1,54, p = 0,46
COPYRIGHT 2016 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2016 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Marques, Nelson Kautzner; Arruda, Danilo
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:Jan 1, 2016
Words:6074
Previous Article:Uma sessao de alongamento pode reduzir o desempenho de repeticoes nos membros inferiores: Um estudo randomizado.
Next Article:Perfil antropometrico dos frequentadores do projeto "passos para a saude" nos nucleos de apoio a saude da familia da cidade de Ipatinga-MG em 2014.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters