Printer Friendly

Acute coronary syndrome: risk in youth/Sindrome coronariana aguda: risco em jovens/ Sindrome coronario agudo: riesgo en jovenes.

Introducao

Nos ultimos anos, as doencas cardiovasculares (DCV) tem ocorrido, prematuramente, em adultos com idade inferior a 45 anos (1). A preocupacao na area medica, social, psicologica e economica tem sido relacionada a prevalencia de doencas da sociedade atual, potencializada pelo estilo de vida pouco saudavel. O diagnostico entre os jovens nao e tao bem caracterizado como em individuos mais velhos (2). Os vasos comprometidos, muitas vezes, sao unicos, o que pode estar relacionado a aspectos geneticos e historia familiar de doenca (3).

Cerca de 5% a 10% do infarto agudo do miocardio ocorre na idade adulta jovem (4-6), compreendida entre 20 e 40 anos, porem com melhores prognosticos5,6. Definindo esse perfil de risco e que se pode investir em prevencao primaria, diminuindo gastos com reabilitacao. Sendo assim, o objetivo deste estudo foi determinar os riscos em pacientes adultos jovens com sindrome coronariana aguda precoce, que se internam em um hospital-referencia em cardiologia, no Estado do Rio Grande do Sul (RS).

Referencial Teorico

Os fatores de risco (FR) que tem sido apontados como responsaveis pela maior prevalencia de DCV nesta populacao sao o tabagismo, hipercolesterolemia (modificaveis) e historia familiar positiva (nao modificavel5)- (8).

A exposicao aos FR, normalmente, inicia-se na infancia e consolida-se na juventude (9)- (11). O deposito de colesterol nas arterias coronarias, desde a infancia, preve o aumento na extensao das lesoes em idades mais avancadas (12) e e por meio da cultura alimentar iniciada na infancia que se podera diminuir o avanco na progressao das lesoes.

Estudos relatam que individuos que consomem maior quantidade de alimentos contendo gorduras saturadas possuem maior incidencia de aterosclerose coronariana do que aqueles que nao consomem. A longo prazo, as gorduras saturadas aumentam os niveis de colesterol e causam dano as coronarias (13,14).

Outro aspecto de grande importancia refere-se a prevalencia da obesidade em nossa cultura. O alto consumo de alimentos industrializados e a pratica de atividade fisica insuficiente sao dois fatores que potencializam o surgimento da DCV no futuro. Recomenda-se a realizacao de, pelo menos, 30 minutos diarios de intensidade leve ou moderada em cinco ou mais dias da semana ou, ainda, a pratica de, pelos menos, 20 minutos diarios de atividade fisica de intensidade vigorosa em tres ou mais dias da semana. Reverter estilos de vida, considerados prejudiciais a qualidade de vida, torna-se um imperativo para as politicas publicas e praticas de saude cuja orientacao e focada na prevencao (15,16).

A prevalencia das dislipidemias em criancas e adolescentes vem crescendo no decorrer dos ultimos anos, comprovada pela elevacao dos niveis plasmaticos da lipoproteina de baixa densidade (LDL), fator decisivo no desenvolvimento da aterosclerose (17).

Dados obtidos no RS, em 2008, evidenciaram 3.228 obitos por doencas do aparelho circulatorio. Destes, seis obitos tinham entre 20 e 29 anos; 31 entre 30 e 39 anos e 150 entre 40 e 49 anos (18).

Estudos em diversos paises demonstram preocupacao com adultos que precocemente sofrem um evento isquemico (19-21).

Para que seja possivel um planejamento com acoes preventivas e eficazes, e necessario conhecer as particularidades dos FR da DCV na populacao-alvo.

Metodologia

Estudo transversal, desenvolvido de setembro de 2010 a junho de 2012, que incluiu pacientes adultos jovens com diagnostico de sindrome coronariana aguda (SCA), hospitalizados em uma instituicao de referencia em cardiologia do Rio Grande do Sul.

Pacientes de ambos os sexos, com idade entre 20 e 50 anos com diagnostico de SCA de qualquer etiologia foram incluidos no estudo. Pacientes que apresentaram barreiras de comunicacao e portadores de doencas neurologicas degenerativas, instabilidade clinica ou que nao aceitaram participar do estudo foram excluidos.

Um questionario com as variaveis: sexo, idade, historia familiar positiva (HF+), hipertensao arterial sistemica (HAS), hipercolesterolemia, hipertrigliceridemia, High Density Lipoproteins (HDL), tabagismo, sedentarismo, sobrepeso/obesidade e Diabete Mellitus (DM) foram utilizadas neste estudo.

Os casos considerados, neste estudo, como SCA, foram aqueles cujo diagnostico medico foi de angina instavel (AI), infarto agudo do miocardio (IAM) com supradesnivel de segmento ST (C/SST) e IAM sem SST Todos os diagnosticos foram respaldados pelo eletrocardiograma (ECG) e pelo resultado de enzimas cardiacas alteradas (CK total para mulheres >81 U/L, e para homens >129 U/L; CK MB>10 U/L; Troponina T>100 pg/ml22). A HF+ foi considerada quando parentes de primeiro grau (pai, mae ou irmao) tivessem desenvolvido alguma cardiopatia coronariana precocemente (23). A hipertensao foi considerada quando a pressao arterial alcancou valores [greater than or equal to] 140/90 mmHg (24). A Diabete Mellitus foi caracterizada com diagnostico medico previo, ou quando o paciente declarava uso de hipoglicemiantes orais e/ou insulina ou, ainda, quando duas glicemias de jejum consecutivas alcancavam valores [greater than or equal to] 126 mg/dl, ou uma delas media valores [greater than or equal to] 200mg/dl (24). O colesterol total foi considerado quando valores plasmaticos alcancaram valores [greater than or equal to] 240 mg/dl, HDL alterado com valores [less than or equal to] 35 mg/dl (25) e triglicerideos elevados ([greater than or equal to] 150 mg/dl25.)

O tabagismo referiu-se a pacientes que fumavam qualquer quantidade de cigarro ao dia (24). Sobrepeso significou indice de massa corporea (IMC) [greater than or equal to] 25 kg/ [m.sup.2]; e obesidade IMC [greater than or equal to] 29,9 kg/[m.sup.2] (26). Sedentarismo foi avaliado mediante o questionario Internacional de Atividade Fisica (IPAQ-8) versao curta, validado no Brasil e proposto pela Organizacao Mundial de Saude (OMS). Este contem questoes sobre intensidade e duracao da atividade fisica durante uma semana habitual, tanto em atividades ocupacionais quanto de locomocao, lazer ou pratica esportiva, classificando os pacientes em: muito ativo, ativo, irregularmente ativo ou sedentario (27).

Para calcular a amostra, foi definida a prevalencia de 50% da doenca em pacientes com sindrome coronariana aguda, com margem de erro de 5% e intervalo de confianca de 90%, resultando numa estimativa de 96 pacientes.

As analises foram realizadas utilizando o pacote estatistico Statistical Package for Social Sciences (SPSS) 19.0. As variaveis categoricas foram descritas em frequencias absolutas e relativas (%). As variaveis continuas foram expressas em media e desvio-padrao ou mediana e percentis 25% e 75%, conforme seguiram ou nao distribuicao normal.

Foi utilizado o teste quiquadrado para avaliar associacao entre sexo e as variaveis qualitativas e, para as variaveis quantitativas, a comparacao entre sexo foi utilizando-se o teste T ou o teste nao parametrico de Mann-Whitney. Foram aceitos como significativos valores de P<0,05.

O projeto foi aprovado pela Comissao de Etica em Pesquisa do Instituto de Cardiologia/Fundacao Universitaria de Cardiologia, sob o numero no 4516/10. Os participantes que aceitaram participar do estudo assinaram um termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE).

Resultados e discussao

O sexo predominante foi o masculino 52(54,2%), com idade media de 43[+ or -]7,4 anos. Os FR mais prevalentes foram historia familiar (+)53(55,2%), tabagismo 49(51%), sobrepeso/obesidade 70(71,8%). Em relacao aos exames bioquimicos, 17(17,7%) eram hipercolesterolemicos, 44(45,8%) com HDL [greater than or equal to] 35mg/dl e 41(42,7%) estavam com triglicerideos (TG) [less than or equal to] 150mg/ dl. A glicemia aumentada esteve presente em 35(36,5%) sujeitos da amostra e a hipertensao em 24(25%).

A prevalencia de IAM C/SST foi de 57(59,4%); 31(32,3%) apresentaram angina instavel e 8(8,3%), IAM S/SST O IAM C/ SST esteve presente em 57(59,6%) individuos do sexo masculino e 57(59,1%) do feminino, conforme registrado Tabela 1.

O nivel da atividade fisica da amostra (IPAQ) esta classificado em: muito ativos 14(14,6%); ativos 34(35,4%); os irregularmente ativos 35(36,5%) e os sedentarios representando 13,5%. Estes dados estao demonstrados na Figura 1.

Discussao

Objetivando demonstrar que os fatores de risco cardiovasculares e as DCV nao estao presentes somente em fase da vida mais avancada, desenvolveu-se este estudo para identificar o perfil de risco em pacientes com SCA precoce, que se internam em um hospital universitario de referencia em cardiologia no RS.

As caracteristicas demograficas dos pacientes com SCA, neste estudo, demonstraram uma predominancia do sexo masculino, com idade media de 43 anos. Esses achados vem ao encontro de registros descritos na literatura, cuja prevalencia de DAC ocorre com mais frequencia em jovens do sexo masculino, tornando-se similares entre os generos por volta dos 80 anos (28).

Os fatores de risco encontrados na amostra com SCA evidenciaram a presenca de historia familiar positiva de DAC, seguida de tabagismo e sobrepeso. Em um estudo italiano conduzido com populacao da mesma faixa etaria, os achados identificaram que a maioria dos individuos apresentavam historia familiar positiva e tabagismo (29).

A Organizacao Mundial da Saude vem alertando que, embora o tabagismo tenha diminuido nos paises desenvolvidos, ele esta em ascensao de cerca de 3% ao ano nos paises em desenvolvimento. Pesquisa realizada pelo Sistema de Monitoramento de Fatores de Risco no Brasil mostrou que Porto Alegre (RS) e Rio Branco (Acre) sao as capitais brasileiras com o maior percentual de fumantes: 21,2% do total da populacao (30).

Os resultados deste estudo evidenciaram elevada proporcao de pacientes com sobrepeso e obesidade. Dados semelhantes foram registrados em diferentes cenarios nacionais (26) e internacionais (31,32). Os consensos de prevencao secundaria para DAC do American Heart Association e American College Cardiology consideram a obesidade como o maior fator de risco para doenca cardiovascular (33). Estudos referem uma maior reincidencia de infarto e morte entre individuos com indice de massa corporal elevado (34,35) e que a hipertensao e apontada como sendo um dos principais fatores de risco para SCA (36). Na amostra da presente pesquisa, a maioria dos pacientes revelou niveis tensionais normais, resultado similar a um estudo com adultos cuja idade era menor do que (46) anos (19,21). Este fato e atribuido ao grande numero de pacientes em uso de anti-hipertensivos ha longo tempo. Alem disso, esses resultados demonstram nao ser um indicativo de normalidade nos valores da pressao arterial nessa faixa etaria. A prevencao da hipertensao em fase precoce, por meio da pratica de atividade fisica e alimentacao com baixo teor de sodio, favorece os niveis tensionais normais.

Entre os individuos aqui investigados, os resultados demonstraram haver uma grande proporcao de sedentarios. Este achado mostrou um valor tres vezes maior que um estudo paulista, no qual 6% da populacao estudada era sedentaria e que 90% destes realizavam alguma atividade fisica recomendada como fator protetor as DCV (26). Vale destacar que ha diferenca entre atividade fisica e exercicio fisico. A primeira e definida como qualquer movimento corporal, produzido pelos musculos esqueleticos, que resulta em gasto energetico maior do que os niveis de repouso. Ja o exercicio fisico significa uma atividade fisica planejada, estruturada e repetitiva, cujo objetivo final ou intermediario e o de aumentar ou manter a saude/aptidao fisica (37). Portanto, pode-se inferir que os pacientes deste estudo poderao ser considerados ativos do ponto de vista da atividade fisica, mas sedentarios em relacao a conceituacao do exercicio fisico.

Valores glicemicos alterados foram detectados em 34,3% dos pacientes e o DM tipo II em 13,3%. Tal diferenca e explicada pelo criterio do uso de insulina; alguns pacientes receberam insulina, conforme sua glicemia capilar, o que pode ter mascarado os exames laboratoriais. Da mesma forma, a media do perfil lipidico dos pacientes apresentou valores ideais, justificado pelo fato de a maioria dos pacientes estar em uso de medicamentos redutores de colesterol.

Embora a fase critica da aterosclerose ocorrer principalmente na meia-idade, lesoes ateroscleroticas ja iniciam durante a infancia. Alem disso, alguns fatores de risco cardiovascular (CV), como a hipercolesterolemia, hipertensao, tabagismo e obesidade, podem ter uma associacao com o desenvolvimento de aterosclerose em adolescentes ou jovens adultos (38). A deteccao precoce de fatores de risco CV modificaveis nessa populacao pode ter um impacto em uma idade mais avancada. E necessario agir com medidas nao farmacologicas e investir na prevencao, com uma alimentacao saudavel e a pratica de exercicio fisico. A literatura (29,31) faz, ainda, referencia a importancia do perfil lipidico, como um balizador da prevencao primaria.

No entanto, os profissionais de saude, entre os quais o enfermeiro, em sua pratica de cuidar/educar/ pesquisar, devem se comprometer quanto ao provimento de informacoes que levem esta populacao a reflexao, a tomada de consciencia das medidas a serem adotadas sobre seu estilo de vida.

Conclusao

Esta pesquisa fornece subsidios a busca de dados para um estudo prospectivo com um numero maior de participantes. Os principais fatores de risco para sindrome coronariana aguda precoce entre os participantes foram: historia familiar, tabagismo e sobrepeso. Destes, os fatores de risco modificaveis podem ser reduzidos, substancialmente, se houver investimento em promocao e prevencao das doencas e danos cardiovasculares responsaveis pelo aumento da morbimortalidade. Uma das formas de atuar na prevencao e incentivar as praticas de vida saudavel na cultura familiar, fortalecendo as condutas individuais no futuro.

Entre as limitacoes deste estudo, destaca-se que outros fatores de risco, responsaveis pelo desenvolvimento da SCA, como presenca do estresse, uso de alcool e habitos alimentares nao foram analisados, justificando a ausencia da associacao deles a SCA.

DOI: http://dx.doi.org/10.12957/reuerj.2015.5934

Recebido em: 21.01.2014

Aprovado em: 20.05.2015

Referencias

(1.) Weinberger I, Rotenberg Z, Fuchs J, Sagy A, Friedmann J, Agmon J. Myocardial infarction in young adults under 30 years: risk factors and clinical course. Clin Cardiol. 1987; 10:9-15.

(2.) Maroszynska-Dmoch EM, Wozakowska-Kaplon B. Coronary artery disease in young adults: clinical and angiographic characterization. A single centre study. Kardiol Pol. 2015; 14:1-17.

(3.) Chouhan L, Hajar HA, Pompisiello JC. Comparison of thrombolytic therapy for acute myocardial infarction in patients aged <35 and >55 years. Am J Cardiol. 1993; 71:157-9.

(4.) Pasricha A, Batchelor W. When young hearts are broken: profiles of premature myocardial infarction. Am Heart J. 2002; 143:4-6.

(5.) Doughty M, Mehta R, Bruckman D, Das S, Karavite D, Tsai T, et al. Acute myocardial infarction in the young --the University of Michigan experience. Am Heart J. 2002; 143:56-62.

(6.) Cantarelli MJC, Castello Jr HJ, Goncalves R, Gioppato S, Navarro E, Guimaraes JBF et al. Intervencao coronaria percutanea em pacientes jovens. Rev Bras Cardiol Invasiva. 2014; 22:353-8.

(7.) Avezum A, Makdisse M, Spencer F, Gore JM, Fox KA, Montalescot G, et al. Impact of age on management and outcome of acute coronary syndrome: observations from the Global Registry of Acute Coronary Events (GRACE). Am Heart J. 2005; 149:67-73.

(8.) Borba CS, Lemos IGS, Hayasida NMA. Epidemiologia e fatores de risco cardiovasculares em jovens adultos: revisao de literatura. Revista Saude e Desenvolvimento Humano. 2015; 31:51-60.

(9.) Myers L, Coughlin SS, Webber LS, Srinivasan SR, Berenson GS. Prediction of adult cardiovascular multifactorial risk status from childhood risk factor levels. The Bogalusa Heart Study. Am J Epidemiol. 1995; 142:918-24.

(10.) Strong JP Malcom GT McMahan CA, Tracy RE, Newman WP Herderick EE, et al. Prevalence and extent of atherosclerosis in adolescents and young adults: implications for prevention from the Pathobiological Determinants of Atherosclerosis in Youth Study. JAMA. 1999; 281:727-35.

(11.) Collins R, Peto R, MacMahon S, Hebert I? Fiebach NH, Eberlein KA, et al. Blood pressure, stroke, and coronary heart disease. Part 2, Short-term reductions in blood pressure: overview of randomised drug trials in their epidemiological context. Lancet. 1990; 335:827-38.

(12.) Theroux P Fuster V. Acute coronary syndromes: unstable angina and non-Q-wave myocardial infarction. Circulation. 1998; 97:1195-206.

(13.) Keys A. The diet and 15-year death rate in the seven countries study. Am J Epidemiol. 1986; 124:903-15.

(14.) Krauss RM, Eckel RH, Howard B. AHA dietary guidelines: revision 2000: a statement for healthcare professionals from the Nutrition Committee of the American Heart Association. Circulation. 2000; 102:2284-99.

(15.) Santos I, Soares CS, Berardinelli LMM. Promovendo o autocuidado de clientes com obesidade e coronariopatia: aplicacao do diagrama de pender. Rev enferm UERJ. 2013; 21:301-6.

(16.) Santos LR, Brito ECC, Neto JCGL, Alves LEP Alves LRA, de Freitas RWJF. Analise do sedentarismo em estudantes universitarios. Rev enferm UERJ. 2014; 22:416-21.

(17.) Leite AHP Dantas TS, Rolim LADMM, Silva NQ, Morato CBA. Perfil lipidico em adultos jovens e fatores de risco associados a doencas cardiovasculares REBES.2015; 5 (2):15-20.

(18.) Ministerio da Saude (Br). DataSUS [site de Internet]. Sistema de Informacoes sobre Mortalidade-SIM. [citado em 15 jan 2015]. Disponivel em: http://portal.saude. gov.br/portal/-saude/profissional/visualizar_texto. cfm?idtxt=32116&janela=1.

(19.) Tungsubutra W Tresukosol D, Buddhari W Boonsom W, Sanguanwang S, Srichaiveth B. Acute coronary syndrome in young adults: The Thai ACS Registry. J Med Assoc Thai. 2007; 90:81-90.

(20.) Aguiar C. Sindrome coronaria aguda no jovem: essencialmente uma complicacao aterotrombotica evitavel. Rev Port Cardiol. 2010; 29:957-60.

(21.) Teixeira M, Sa I, Mendes JS, Martins L. Sindrome coronaria aguda no jovem. Rev Port Cardiol. 2010; 29:947-55.

(22.) Keller T Zeller T Ojeda F, Tzikas S, Lillpopp L, Sinning C, et al. Serial changes in highly sensitive troponin I assay and early diagnosis of myocardial infarction. JAMA. 2011; 306:2684-93.

(23.) Gus I, Fischmann A, Medina C. Prevalencia dos Fatores de Risco da Doenca Arterial Coronariana no Estado do Rio Grande do Sul. Arq Bras Cardiol. 2002; 78:478-83.

(24.) Sociedade Brasileira de Cardiologia, Sociedade Brasileira de Hipertensao, Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretriz Brasileira de Hipertensao. Sao Paulo: SBC; 2010.

(25.) V Diretriz brasileira de dislipidemias e prevencao da aterosclerose. Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq Bras Cardiol. 2013; 101(4 Supl.1):1-22.

(26.) Viebig R, Valero M, Araujo F, Yamada A, Mansur A. Perfil de saude cardiovascular de uma populacao adulta da regiao metropolitana de Sao Paulo. Arq Bras Cardiol. 2006; 86:353-60.

(27.) Marshall A, Baumann A. The internacional physical activity questionnaire summary report of the reliability and validity studies. Geneva (Swi): IPAQ Excecutive Commite, World Heath Organization; 2001.

(28.) Schwartz JB, Zipes DR CaBraunwald E, Bonow RO, Libby P Zipes DP editors. Braunwald's heart disease: a textbook of cardiovascular medicine. Philadelphia (USA): Elsevier Saunders; 2005.

(29.) Caimi G, Valenti A, Lo Presti R. Acute myocardial infarction in young adults: evaluation of the haemorheological pattern at the initial stage, after 3 and 12 months. Ann Ist Super Sanita. 2007; 43:139-43.

(30.) Ministerio da Saude (Br). Vigitel Brasil 2006: vigilancia de fatores de risco e protecao para doencas cronicas por inquerito telefonico. Brasilia (DF): Ministerio da Saude; 2007.

(31.) Rosengren A, Wallentin L, Simoons M, Gitt A, Behar S, Battler A, et al. Cardiovascular risk factors and clinical presentation in acute coronary syndromes. Heart. 2005; 91:1141-7.

(32.) DeVon H, Ryan C, Ochs A, Shapiro M. Symptoms across the continuum of acute coronary syndromes: differences between women and men. Am J Crit Care. 2008; 17:14-24.

(33.) Smith SCJr, Blair SN, Bonow RO, Brass LM, Cerqueira MD, Dracup K, et al. AHA/ACC Scientific Statement: AHA/ACC guidelines for preventing heart attack and death in patients with atherosclerotic cardiovascular disease: 2001 update. Circulation. 2001; 104:1577-9.

(34.) Rana JS, Mukamal KJ, Morgan JP Muller JE, Mittleman MA. Obesity and the risk of death after acute myocardial infarction. Am Heart J. 2004; 147:841-6.

(35.) Kaplan RC, Heckbert SR, Furberg CD, Psaty BM. Predictors of subsequent coronary events, stroke, and death among survivors of first hospitalized myocardial infarction. J Clin Epidemiol. 2002; 55:654-64.

(36.) Conti R, Solimene M, Luz P Benjo A, Neto P Ramires J. Comparacao entre homens e mulheres jovens com infarto agudo do miocardio. Arq Bras Cardiol. 2002; 79:510-7.

(37.) Caspersen CJ, Powell KE, Christenson GM. Physical activity, exercise, and physical fitness: definitions and distinctions for health-related research. Public Health Rep. 1985; 100:126-31.

(38.) Jee-Aee Im, Ji-Won Lee, Jae-Yong Shim, Hye-Ree Lee, Duk-Chul Lee.Association between Brachial-Ankle Pulse Wave Velocity and Cardiovascular Risk Factors in Healthy Adolescents The Journal of Pediatrics. 2014; 150:247-51.

Leticia Pereira de Souza (I); Renata Rigon (II); Maria Antonieta Moraes (III); Silvia Goldmeier (IV); Lucia Pellanda (V)

[I] Especialista em Cardiologia. Residencia Multidisciplinar Integrada em Saude: Cardiologia, Instituto de Cardiologia, Fundacao Universitaria de Cardiologia. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: leticiapds@yahoo.com.br.

[II] Especialista em Cardiologia. Programa de Pos-Graduacao Lato Sensu: Enfermagem em Cardiologia, Instituto de Cardiologia, Fundacao Universitaria de Cardiologia. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: re_rigon@yahoo.com.br.

[III] Doutora em Ciencias da Saude: Cardiologia. Professora de Pos-Graduacao Lato Sensu: Enfermagem em Cardiologia do Instituto de Cardiologia, Fundacao Universitaria de Cardiologia. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: antonieta_moraes@uol.com.br.

[IV] Doutora em Ciencias da Saude: Cardiologia. Professora de Pos-Graduacao Lato Sensu: Enfermagem em Cardiologia do Instituto de Cardiologia, Fundacao Universitaria de Cardiologia. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: pesquisa.sgold@gmail.com.

[V] Cardiologista. Doutora em Ciencias da Saude: Cardiologia. Coordenadora do Programa de Pos-Graduacao em Ciencias da Saude: Cardiologia, Fundacao Universitaria de Cardiologia. Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. E-mail: lupellanda@gmail.com.
TABELA 1: Prevalencia da Sindrome Coronaria Aguda segundo
o genero dos pacientes. Porto Alegre--RS, 2012. (N=96)

                                      Masculino    Feminino
Diagnostico                           f (%)        f (%)

Infarto agudo do miocardio com        31 (59,6)    26 (59,1)
supradesnivelamento do segmento st

Infarto agudo do miocardio sem        6 (11,5)     2 (4,5)
supradesnivelamento do segmento st

Angina instavel                       15 (28,8)    16 (36,4)

FIGURA 1: Distribuicao percentual da atividade fisica
classificada segundo IPAQ. Porto Alegre-RS, 2012. (N=96)

Multo ativo            14,6
Ativo                  35,4
Irregularmente ativo   36,5
Sedentario             13,5

Note: Table made from bar graph.
COPYRIGHT 2015 Universidade do Estado do Rio de Janeiro- Uerj
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:Original Research/Artigo de Pesquisa/Articulo de Investigacion
Author:de Souza, Leticia Pereira; Rigon, Renata; Moraes, Maria Antonieta; Goldmeier, Silvia; Pellanda, Luci
Publication:Enfermagem Uerj
Date:Nov 1, 2015
Words:3579
Previous Article:Healthcare quality indicators used in hospital nursing care management/ Indicadores de qualidade utilizados no gerenciamento da assistencia de...
Next Article:Tracking of alcohol use among drivers after implementation of Brazil's Drink'driving Law/Rastreamento do uso de alcool entre motoristas, apos a...

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters