Printer Friendly

Activity of beef cattle in South Cacapava County: a look in agriculture family perspective/Actividad de ganado de carne en el sur Cacapava Condado: una mirada en perspectiva agricultura familiar/A atividade da pecuaria bovina no municipio de Cacapava do Sul: um olhar na perspectiva da agricultura familiar.

1. INTRODUCAO

O desenvolvimento da pecuaria bovina tem importancia destacada no Pais e no Estado do Rio Grande do Sul, este setor corresponde a uma atividade economica de importancia no cenario local, regional e nacional. Torna-se importante entender a evolucao deste sistema em particular, em um ambiente em que as transformacoes da paisagem agraria vem ocorrendo de forma acelerada, em decorrencia da expansao do sistema capitalista explorador e acumulador de capital, destacando, neste sentido, a expansao das culturas de soja e silvicultura, mais intensamente nos ultimos dez anos.

Desde o final do seculo XVII a conjuntura nacional sofre transformacoes por conta, principalmente, do surgimento de minas no centro do pais e da decadencia do acucar, despertando um novo olhar sobre o sul o pais (PESAVENTO, 1985; REVERBEL, 1986). O interesse, entao, recai no gado xucro disponivel no sul do estado do Rio Grande do Sul, que, a partir desse momento, passa a ser levado para o centro do pais para a regiao de Minas Gerais, com o intuito de atender a demanda por alimento para os escravos e para tracao.

Assim, verifica-se um novo direcionamento no uso do gado influenciado por uma nova conjuntura nacional, caracterizado pelo povoamento do territorio, subdivisao dos campos e intensificacao da exploracao rural, dando inicio as estancias de criacao extensiva de gado.

Desse modo, com o objetivo de ocupar o territorio gaucho, tentando impedir a invasao dos espanhois e, sobretudo, domesticar o gado selvagem que poderia contribuir com a economia da nacao, tem inicio a distribuicao de sesmarias por parte da coroa portuguesa, surge entao as estancias de criacao de gado (PESAVENTO, 1985; REVERBEL, 1986).

Com isso, em funcao das condicoes naturais existentes teve inicio a difusao espacial do criatorio. Esta atividade era realizada inicialmente com carater extensivo, onde o principal objetivo era extrair a carne para a fabricacao do charque,

0 couro e tropear os animais ate o centro economico do pais, naquela epoca, definido pelas regioes minerais, e posteriormente, cafeeiras.

A pecuaria de corte (1) extensiva e a atividade produtiva predominante desde o periodo de colonizacao no seculo XVIII, sendo exercida sobre areas de campos naturais. Segundo Pesavento (1986), ha mais de 300 anos a pecuaria vem fazendo parte nao so da construcao de uma regiao, mas tambem de sua historia e das caracteristicas de sua populacao.

Nas ultimas decadas a agropecuaria vem passando por um acelerado processo de transformacoes de diversas naturezas, magnitudes e complexidades, caracterizando um novo momento do capitalismo, o qual recebe diversas denominacoes e conta com diferentes interpretacoes, muitas vezes dispar e conflitante entre si (ELIAS, 1996).

Para Milton Santos, viveriamos um novo periodo historico, por ele denominado de periodo tecnicocientifico-informacional (SANTOS, 1979, 1985, 1988, 1993, 1996, 2000), que tem na globalizacao da producao e do consumo os seus pilares.

Hoje, a ciencia, a tecnologia e a informacao passaram a se constituir nas mais marcantes forcas produtivas, o homem aderiu velocidade de renovacao de tais forcas e, dessa forma, passa a ter grande poder de interferencia no espaco socioeconomico e ambiental.

Estas novas possibilidades produtivas modificaram inevitavelmente a relacao homem-natureza. Desse modo, o homem, que ja foi mero observador da natureza, torna-se agente com profunda capacidade de interferencia nela, e constroi, com grande velocidade, uma segunda natureza; natureza artificializada, na qual as dinamicas dos espacos se tornam complexos e em muitos casos contraditorios. Onde a cultura, a natureza e o capital se chocam num emaranhado de interligacoes confusas e dicotomicas neste sistema perverso e voraz denominado capitalismo.

A reestruturacao da agropecuaria brasileira perpassa a logica de intensificacao do capitalismo no campo, com todas as possibilidades advindas da revolucao tecnologica, onde se processa de forma socialmente excludente e espacialmente seletiva.

A partir da decada de 1960 vem ocorrendo uma transformacao da regiao de estudo, pois as areas vinculadas a pecuaria tradicional aos poucos vem dando lugar a agricultura convencional capitalista, onde se insere o cultivo da silvicultura (eucalipto, pinus e acacia) e da soja, principalmente, que aos poucos vai ganhando espaco e forca no mercado internacional.

Cacapava do sul ocupa, perante um olhar minucioso de analise, uma grande area de producao e produtividade sojicultora que, juntamente com a producao de acacia, pinus (em menor quantidade) e eucalipto (maior quantidade), que vem ganhando cada vez mais areas de producao nos campos do municipio.

Como consequencia do aumento das lavouras de soja e de eucaliptos no municipio, temos a reconfiguracao da paisagem natural e cultural. Na medida em que se inserem novos sistemas de cultivo, diferentes dos ate entao desenvolvidos, ocorre a descaracterizacao dessa paisagem e mudanca nos habitos culturais da populacao. 2

2. CARACTERIZACAO DA AREA DE ESTUDO

O Municipio de Cacapava do sul se localiza na Serra do Sudeste, tambem conhecida como Serra da Encantada. Incrustada no Escudo Sul-Riograndense, sua litologia predominante e granitica, mas e uma area de grandes perturbacoes como falhas e dobramentos, com ocorrencia de cobre e marmore, este ultimo comercializado com o nome de calcario. A figura 1 localiza as microrregioes geograficas do Rio Grande do Sul, e no destaque a microrregiao da Serra do Sudeste, correspondente ao numero 19.

[FIGURE 1 OMITTED]

O Municipio de Cacapava do Sul localiza-se nas proximidades de importantes vias, sua area urbana esta proxima a BR-392, conhecida como "estrada da producao" que inicia em Porto Xavier e se estende ate o porto de Rio Grande. O municipio tambem e cortado pela BR-290, que liga Uruguaiana a Porto Alegre e pela BR153 que se estende de Maraba (Para) ate Acegua (RS), divisa com o Uruguai. O municipio possui dimensao territorial de 3.047 [Km.sup.2] e uma populacao de 33.690 habitantes, segundo o censo do IBGE, 2010.

Cacapava do Sul faz divisa com os municipios de Cachoeira do Sul e Sao Sepe ao norte, Lavras do Sul a leste e sul, ainda a sul faz divisa com Bage e Pinheiro Machado e a leste com Santana da Boa vista. A figura 2 mostra a localizacao da area de estudo.

[FIGURE 2 OMITTED]

Cacapava do Sul e um dos municipios mais antigos do Rio Grande do Sul, com extensas jazidas de minerios de cobre, cal, caulim e outros. Em sua configuracao topografica observam-se campos majestosos e serras imponentes, com terras escuras e solo silicioso, prestando-se de maneira admiravel a criacao de gado e a agricultura.

Foi o desenvolvimento da agropecuaria como atividade economica tradicional, resultado da heranca cultural de portugueses, espanhois e indigenas que habitaram e colonizaram a regiao, somada aos aspectos naturais da paisagem que definiram a formacao da identidade cultural dos habitantes do municipio.

Nesse sentido, o principal aspecto a ser ressaltado e que na regiao onde hoje se encontra o municipio de Cacapava do Sul, entre o periodo de colonizacao no seculo XVII ate os dias atuais, a pecuaria de corte permanece sendo a principal atividade produtiva, e foi a partir dessa atividade e das formas de organizacoes sociais coletivas, que se constituiu o apreco e valorizacao da pecuaria.

O relato dos sujeitos entrevistadas durante a pesquisa e analise dos documentos consultados, o desenvolvimento da pecuaria se deve, principalmente, pela formacao do solo, vegetacao, clima e cultura da populacao, que favorece a formacao das paisagens naturais e culturais do lugar, das quais permitem que este tipo de atividade se desenvolva. Mesmo em nossos dias, ainda percebe-se o quanto a configuracao da natureza e importante na formacao e desenvolvimento dos sistemas produtivos e de uma determinada cultura.

A cobertura vegetal predominante e a pastagem natural (nativa), que se apresenta numa variedade de gramineas e leguminosas, em forma quase continua ou em tufos. A riqueza do solo se deve a decomposicao de rochas sedimentares e igneas, sendo possivel o desenvolvimento da agropecuaria. E notavel ainda, a presenca de coxilhas (colinas arredondadas) e das matas galerias nas margens dos rios, conforme exposto na figura 3.

[FIGURE 3 OMITTED]

Segundo dados do Atlas Socioeconomico do Rio Grande do Sul (2006), a estrutura fundiaria estadual se diferencia de acordo com cada regiao, alternando o predominio de grandes e medias unidades de producao com medias e pequenas.

Na figura 4 observamos que, do total das unidades de producao do estado, 85,71% possuem menos de 50 hectares, ocupando 24,36% da area utilizada pela producao agricola. Aquelas compreendidas entre 50 e 500 hectares representam 12,46% do numero de unidades de producao, ocupando 33,98% da area.

As unidades de producao com mais de 500 hectares representam 1,83% do total, representando 41,66% da area rural. No municipio de Cacapava do Sul, o predominio de medias propriedades sao fatores que favorecem o desenvolvimento da pecuaria extensiva.

2.1 Configuracao da agricultura familiar sobre os aspectos da pecuaria nas estrategias de desenvolvimento rural

No Brasil, onde as desigualdades sociais se multiplicam e sao geradas pela concentracao de terras e de recursos, e de fundamental importancia compreender de que forma o capital se apropria dos espacos, imprimindo profundas mudancas no territorio. Graziano da Silva (1985, p. 40), ao referir-se a expansao do capital no espaco rural considera que o mesmo "[...] privilegia apenas algumas culturas e regioes assim como alguns tipos especificos de unidades produtivas (medias e grandes propriedades)".

Apesar do predominio da agricultura convencional no municipio, um grande numero de familias trabalha sob o vies da agricultura familiar, produzindo alimentos diversificados para o consumo e comercio de excedentes. Segundo dados da Organizacao das Nacoes Unidas para Alimentacao e Agricultura e do Instituto Nacional de Colonizacao e Reforma Agraria, a definicao da agricultura familiar se da partir de tres caracteristicas centrais: primeiro, a gestao da unidade produtiva e os investimentos nela realizados sao feitos por individuos que mantem entre si lacos de sangue ou de casamento; segundo, a maior parte do trabalho e igualmente fornecida pelos membros da familia e a propriedade dos meios de producao, embora nem sempre da terra, pertence a familia e e em seu interior que se realiza sua transmissao em caso de falecimento ou de aposentadoria dos responsaveis pela unidade produtiva.

A agricultura familiar, enquanto diversidade de sistemas produtivos deve integrar-se e adaptar-se para ter condicoes de suportar as tensoes, como grupo social, causadas entre o que se pode e o que se deseja ser, e o que a sociedade cobra de seus comportamentos. Portanto, integracao entre agricultura e pecuaria e adaptacao ao meio sao exigencias para a realizacao das "agriculturas familiares".

Se as estruturas produtivas das agriculturas familiares fecham-se sobre si mesmas, torna-se impossivel o desenvolvimento de capacidades produtivas por falta de insumos, aqueles os quais nao sao capazes de produzirem; por outro lado, se o desenvolvimento dessas capacidades se posicionarem em funcao exclusiva da dinamica do mercado, certamente se desvinculara das necessidades sociais e perderao suas proprias razoes de serem, suas identidades proprias.

Por esse motivo, o lucro nao e a logica das producoes familiares, mas um componente dessa logica, uma vez que se torna necessario encontrar para suas continuadas existencias, enquanto agriculturas familiares, um ponto de convergencia entre o atendimento das necessidades sociais sem, no entanto, descuidarem-se da rentabilidade de suas atividades produtivas.

Verificamos durante o trabalho de campo a expansao da soja e da silvicultura em areas anteriormente vinculadas a pecuaria extensiva, ocorrendo uma mudanca nos sistemas produtivos convencionais e a insercao no mercado externo. As exportacoes aparecem como estimulo capaz de promover a agricultura a niveis mais elevados de modernizacao, uma vez que a extensao do mercado e os precos acabam por diminuir os riscos da atividade rural e induzindo a utilizacao de fatores modernos na producao (GONCALVES NETO, 1997).

A modernizacao da agricultura esta intimamente articulada com um aumento da producao e produtividade que ira favorecer as exportacoes brasileiras de produtos primarios. Porem, o aumento da producao se da a custa da destruicao do meio ambiente e acarretando na perda da biodiversidade que tais sistemas intensivos de insumos sinteticos geram no espaco, prejudicando a qualidade de vida das populacoes nas questoes sociais, economicas e ambientais.

2.2 A pecuaria bovina de corte como atividade de destaque no municipio de Cacapava do Sul

A pecuaria de criatorio extensivo nos campos sulinos se deu em funcao da vastidao dos campos condicionando a prea do gado xucro, que determinou a selecao e aprimoramento das racas para o fortalecimento do criatorio como atividade economica. Estas atividades fizeram do Rio Grande do Sul um grande exportador de carne e couro, atividades essas realizadas, principalmente, por Luso-brasileiros. [...] O processo de povoamento em areas nucleos realizado inicialmente em pequenas quantidades pelos jesuitas quando das instalacoes das reducoes que deram origem aos povos das missoes, desencadeou o surgimento das primeiras unidades agricolas de subsistencia, tambem estao desenvolvidas pela sociedade jesuitica guarani dos seculos XVII e XVIII (VIEIRA; RANGEL, 1993).

O avanco da criacao de gado trouxe consigo a necessidade de povoamento do territorio. O tipo de povoamento e a organizacao social do espaco geografico Sul Rio-Grandense condicionaram o estabelecimento de pequenas unidades agricolas de subsistencia, que se desenvolviam em consonancia com os campos destinados a pecuaria extensiva.

A expansao e o desenvolvimento da agricultura no RS ocorreram mais precisamente por volta do final dos seculos XVIII, em funcao da expansao da pecuaria e devido a crescente valorizacao do couro, charque e cebo, cuja multiplicacao acompanhava o processo de ocupacao que a pecuaria desenvolvia atraves das estancias. Estas se constituiam em importantes nucleos de fixacao e de irradiacao do povoamento para o interior do estado, instaurando praticas agricolas como a horticultura que ocupava peoes e escravos.

A partir deste momento, o processo de colonizacao adquiriu uma dualidade definida, de um lado pela organizacao territorial em espacos amplos e de outro pelo processo de formacao de unidades agricolas em crescimento multiplicando-se sobre novas areas produtivas.

Para Brum, 1985, p. 32 "na formacao do estado do Rio Grande do Sul, a atividade economica girava em torno do gado. As estancias de criacao e as charqueadas onde se processava a rudimentar industrializacao da carne eram os dois polos complementares da economia".

A organizacao social do espaco Rio-Grandense assumiu novas dimensoes a partir de 1752, com a colonizacao acoriana na zona costeira e no chamado Escudo Rio-Grandense. A partir da irradiacao do processo de colonizacao acoriana para o interior, a constituicao do modelo de pequena propriedade agricola baseada na subsistencia e nas relacoes comerciais de producao sobre o excedente ocorre. O processo de organizacao a partir da agricultura, o carater disciplinador desta organizacao produtiva do Rio Grande do Sul permaneceu a sombra da atividade principal que era a pecuaria, definidora de outros processos de organizacao do espaco.

Foi o desenvolvimento da agropecuaria como atividade economica tradicional, resultado da heranca cultural de portugueses, espanhois e indigenas que habitaram e colonizaram a regiao, somada aos aspectos naturais da paisagem que definiram a formacao da identidade cultural do municipio em questao.

Nesse sentido, o principal aspecto a ser ressaltado, e que na regiao onde hoje se encontra o municipio de Cacapava do Sul, entre o periodo de colonizacao no seculo XVII ate os dias atuais, a pecuaria de corte permanece sendo a principal atividade produtiva, e foi a partir dessa atividade e das formas sociais coletivas, que se constituiu o apreco e valorizacao por tal atividade.

3. RESULTADOS E DISCUSSAO

Embora existam grandes unidades de producao no municipio, as mudancas historicas aliadas ao processo de modernizacao no campo provocaram a formacao de um contingente de produtores rurais que, apesar de possuirem areas menores, continuaram com a pecuaria de corte como sua principal atividade produtiva. Os dados relativos a pecuaria disponiveis no Sistema IBGE de Recuperacao Automatica (SIDRA), do ano de 2009 a 2013, evidenciam a presenca significativa de bovinos no Brasil, no Estado e no municipio, conforme podemos visualizar na tabela 1.

As variacoes ambientais fazem com que existam tipos distintos de pecuaristas convencionais e/ou familiares. As logicas de producao e a base das atividades produtivas sao similares, porem os recursos, as producoes, os aspectos de comercializacao, o acesso as informacoes, bem como os anseios e expectativas variam.

A figura 5 destaca unidades de producao familiar, onde o agricultor utiliza remedios caseiros (homeopatia) para medicar o gado, produzido com erva medicinal (Baccharis Trimera-Carqueja), adicionando cloreto de sodio e gordura animal, formando um fluido que tem por objetivo a cura de infeccoes intestinais nos bovinos; o conhecimento e a producao deste medicamento se deram atraves de informacoes passadas de geracao para geracao. Nas imagens a seguir visualizamos o gado preso na mangueira, lugar onde se facilita os cuidados da pecuaria familiar desenvolvida pelos agricultores do municipio. Neste exemplo, se visualiza pai e filho nos cuidados com os bezerros nos dias de castracao.

[FIGURE 5 OMITTED]

Os agricultores familiares do municipio detentores de menores unidades produtivas, geralmente enfrentam dificuldades financeiras. Sua renda familiar e restrita e encontram dificuldades em adquirir capital para investimento em suas unidades de producao.

A pecuaria convencional, ao entrar na logica do capital, faz com que se torne mais dificil os agricultores se manterem na atividade, pois se o agricultor nao tiver um grande volume de capital ele nao conseguira modernizar sua producao e ficara excluido no mercado capitalista competitivo. O aparato tecnologico e tao monopolizante, que faz com que os lugares em que nao se adequaram ainda a esta forma de producao, enfrente obstaculos maiores na ora de valorar seus produtos, fruto de sua unidade de producao juntamente a sua forma e forca de trabalho.

Na analise de Porto; Bezerra; Caldas (2010 apud LAMARCHE, 1993, p. 21) a hipotese de que nas sociedades dominadas pela economia de mercado, quanto mais a exploracao familiar estiver proxima dos modelos extremos, menos ela podera acomodar as restricoes que se apresentam a essas sociedades e, por isso, mais dificuldades enfrentara na busca por sua reproducao e permanencia.

Outra constatacao e a de que, partindo de uma pecuaria praticada nos moldes extensivos por todo o pais, as inovacoes tomaram trajetorias diferentes e, as vezes, complementares e/ou adequadas entre as diferentes regioes. Na Figura 6 podemos observar a pecuaria extensiva convencional no municipio que, devido aos vastos campos agropastoris disponiveis passa a ser uma opcao de sobrevivencia para os agricultores de Cacapava do Sul.

[FIGURE 6 OMITTED]

Entre os principais indicadores agropecuarios do estado do Rio Grande do Sul (RS), analisamos que 45% de seu Produto Interno Bruto (PIB) esta vinculado ao setor primario da economia. A pecuaria ocupa em torno de 16 milhoes de hectares, representando 56% da area total do estado (Secretaria de Agricultura, Pecuaria e Agronegocio/RS, 2006).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE, 2010), o rebanho gaucho de bovinos soma 14.239.906 cabecas, participando com 6,87% do total nacional. A exploracao da pecuaria no Rio Grande do Sul, de forma geral, e desenvolvida basicamente pelo pastoreio continuo em campos nativos e cultivados.

Atualmente, em muitos espacos do Pampa Gaucho, onde se desenvolvia a pecuaria, observamos o avanco do cultivo de soja e da silvicultura, voltada para o mercado internacional.

O bioma Pampa e a producao pecuaria extensiva estao estreitamente imbricados com o modo de vida do gaucho e de seu vinculo com a terra. Nesse sentido, a expansao da silvicultura sobre os campos sulinos pode significar uma ruptura cultural e uma ameaca aos costumes e tradicoes que caracterizam o modo de vida dos atores sociais que vivem nos campos. O cultivo da silvicultura para lenha, papel e celulose ocupa a cada dia uma area maior na regiao de estudo, conforme exposto na figura 7.

[FIGURE 7 OMITTED]

As alteracoes na paisagem e no ambiente nativo, causadas pelo plantio de lavouras arboreas, acabam por prejudicar o meio ambiente e a sociedade. O ambiente nativo e estruturalmente complexo, ou seja, possui inumeros microambientes que propiciam a ocupacao de determinada area por diversas especies.

O municipio de Cacapava do Sul esta localizado em uma regiao, juntamente com os municipios de Lavras do Sul, Santana da Boa Vista e Pinheiro Machado, que sao consideradas regioes detentoras de biodiversidade diversa.

A regiao onde se localiza estes quatro municipios, possui lento processo de desenvolvimento economico e isso tem como consequencia uma natureza ainda pouco alterada. Visivel pela flora e fauna ricas, com varias especies endogenas e reconhecidas como de fundamental importancia para o equilibrio biologico da regiao. Esta analise nos permite compreender, sobre uma perspectiva critica, os pros e contras da intensificacao da modernizacao da agricultura na contemporaneidade. Aonde a modernizacao e a tecnificacao chegam mais brandamente, se observa uma preservacao da biodiversidade como um todo.

O aumento no cultivo de eucaliptos na regiao esta sendo influenciado pelo Programa Poupanca Florestal, o qual engloba 280 produtores rurais e uma area de floresta de eucaliptos com mais de 13 mil hectares. A producao de eucaliptos esta beneficiando mais de 20 produtores do municipio de Cacapava do Sul. O Programa Poupanca Florestal foi implantado em novembro de 2005, englobando 280 produtores rurais e uma area de floresta de eucaliptos com mais de 13 mil hectares, nas regioes da Campanha, Sul e Serra do Sudeste do Rio Grande do Sul. Quando surgiu a possibilidade da implantacao do programa Poupanca Florestal, os agricultores buscaram o programa no intuito de diversificar a matriz produtiva, que ate entao era a pecuaria.

De acordo com o engenheiro agronomo da Emater/RS-Ascar Oswaldo Louzada, a discussao sobre um programa de silvicultura na regiao comecou em 1984 com a criacao da Area Piloto, que abrangia os municipios de Cacapava do Sul, Lavras do Sul, Pinheiro Machado e Santana da Boa Vista. Os incentivos das empresas de celulose tambem ganham espaco no cenario do Pampa Gaucho. O Estado do Rio Grande do Sul possui areas disponiveis e clima favoravel a producao da silvicultura. Os dados do SIDRA demonstram um aumento gradativo do cultivo silvicultor no municipio em questao, conforme podemos visualizar na tabela 2.

A atividade sojicultora em expansao se deu devido ao interesse do Governo brasileiro pela expansao na producao da soja para atender os mercados internos e externos, fazendo com que a leguminosa ganhe cada vez mais incentivo fiscal e aumente suas areas produzidas.

Destaca-se que o cultivo de soja, principalmente, e o cultivo que vem ganhando forca ano apos ano. Segundo dados do SIDRA, do ano de 2009 a 2013, o cultivo da soja vem aumentando gradativamente no municipio de Cacapava do Sul, bem como no Estado e no Pais.

Sobre a questao da producao da soja, sua principal incumbencia era conquistar a independencia tecnologica para a producao brasileira, que ate entao estava concentrada nos estados do Sul do Pais, aproveitando a entressafra da cultura do trigo que, na epoca, recebia incentivos do governo. A soja se adaptou facilmente em terras do Sul do pais e a crescente demanda dos mercados internos e externos deu estabilidade aos precos do produto no mercado, o que incentivou o aumento de producao e produtividade do grao.

Ao assumir o modelo agroexportador da soja, caracterizou a nova forma de organizacao da economia do Rio Grande do Sul. A crescente demanda estimulou a producao da soja, fazendo com que o estado cumprisse a funcao geradora de divisas no processo global de acumulacao atraves das exportacoes. A lavoura empresarial da monocultura de soja teve um comportamento notavel passando a liderar o processo de acumulacao na agricultura gaucha, conforme exposto na figura 8.

[FIGURE 8 OMITTED]

A paisagem do espaco agrario do municipio vem aos poucos sendo alterada pela introducao de tecnicas avancadas na plantacao de soja. Grandes areas de vegetacao nativa estao sendo devastadas para a implantacao desta cultura. Ela se expande e gera maiores lucros, antes nao advindos destas terras. A demanda existe e basta adequar a terra para receber esta producao.

4. CONCLUSOES

A partir da analise da area de estudo, compreendemos que o trabalho e uma contribuicao para o estudo da Geografia Agraria, onde se tem destaque para a atividade da pecuaria bovina sobre sua logica contemporanea no municipio de Cacapava do Sul, identificando os elementos caracteristicos da categoria social agricultor familiar presente no municipio.

Entre os principais aspectos da pecuaria familiar em Cacapava do Sul, destaca-se a bovinocultura de corte como atividade produtiva mais representativa. Hoje, o numero estimado de cabecas e de aproximadamente 242.885 (IBGE 2012). Constatando-se a identidade cultural de "pecuaristas", de pessoas ligadas ao gado como atividade que lhes da seguranca--o mesmo gado e visto como mercadoria de reserva e comercializado de acordo com as necessidades, expectativas e desejos da familia; a mao de obra e predominantemente familiar, havendo tambem troca de servicos entre os produtores (vizinhos e parentes) em determinadas epocas; a pecuaria de corte ocupa a maior parte da area das unidades de producao, embora em alguns casos, nao responda pela maior fonte de renda dos produtores; o agricultor tem na aposentadoria rural sua principal fonte de renda nao agricola, a qual e bastante representativa na renda total para gastos em geral e manutencao da atividade produtiva. Apesar da atividade sojicultora e da silvicultura estarem em processo de expansao nas areas do Bioma Pampa, o desenvolvimento da pecuaria bovina faz com que os criadores do municipio se sintam importantes pelo fato que em seu trabalho diario contribuem para a preservacao da cultura gaucha e satisfacao de manter o trabalho de seus antepassados, haja vista que em muitos casos as propriedades eram de seus familiares.

A pecuaria bovina se destaca no espaco agrario do municipio e apresenta relevante importancia socioeconomica e ambiental para a regiao, sendo fundamental para a manutencao dos produtores e suas familias no campo, e contribuindo significativamente com a producao pecuaria e, consequentemente, com a producao de alimentos e colaborando com o desenvolvimento regional.

REFERENCIAS

BRUM, A. L. Modernizacao da Agricultura-Trigo e Soja. Fidene. Ijui-RS. 1985

ELIAS, D. Difusao do agronegocio e desintegracao competitiva dos espacos agricolas. Ensaios sobre os espacos agricolas de exclusao. Revista NERA Presidente Prudente Ano 9, no. 8 pp. 29-51 Jan.-jun./1996.

EMATER/RS-ASCAR. Associacao Riograndense Empreendimentos de Assistencia Tecnica e Extensao Rural. Disponivel em: <http://www.emater.tche.br/site/>. Acesso em: 13 de dezembro de 2014.

FAO/INCRA. Perfil da agricultura familiar no Brasil: dossie estatistico. 1996. Brasilia. In: GUANZIROLI, C.; CARDIM, S. (coord). O novo retrato da agricultura familiar: o Brasil Redescoberto. 2000. Brasilia, Convenio FAO/Incra, INCRA.

GRAZIANO DA SILVA, J. O que e questao agraria. 11 edicao. Sao Paulo: Editora Brasiliense, 1985.

GONCALVES NETO, W. Estado e agricultura no Brasil: politica agricola e modernizacao economica brasileira 1960-1980. Sao Paulo: HUCITEC, 1997. 245 p.

IBGE: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica. Municipio de Cacapava do Sul. 2010. Disponivel em:< http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=430280&search=rio-grande-do-sul|cacapava-do-sul>. Acesso em: julho de 2014.

PESAVENTO, S. J. Historia do Rio Grande do Sul. 4. ed., Porto Alegre: Mercado Aberto, 1985. 142 p. (Serie Revisao, 1).

PORTO, R. G.; BEZERRA, A. J. A.; PORTO, V. H. da F.; CALDAS, N. V. Pecuaria familiar: a emergencia de uma categoria social no Sul do Brasil. Rev. Econ. Sociol. Rural vol.48 no.2 Brasilia Apr./June 2010. Disponivel em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-20032010000200010>. Acesso em: julho de 2014

REVERBEL, C. O gaucho. Aspectos de sua formacao no Rio Grande e no Rio da Prata. Porto Alegre: L&PM, 1986. 109 p.

SEPLAG: Secretaria de Planejamento e Gestao/RS. Atlas Socioeconomico do RS, 2006. Disponivel em: < http://www.scp.rs.gov.br/atlas/conteudo.asp?cod_conteudo=1480&tipo_menu=ECONOMIA. Acesso em: Julho de 2014.

SISTEMA IBGE DE RECUPERACAO AUTOMATICA. Procurar tabela. Disponivel em: http://www.sidraibge.gov.br/bda/procurar/defaultasp?z=t&o=1&i=P. Acesso em: 06 julho 2015.

VIEIRA, E. F.; RANGEL, S. R. S. Geografia economica do Rio Grande do Sul: espacialidade/temporalidade na organizacao economica Riograndense. Porto Alegre: Sagra/DC Luzzatto, 1993.

Carla Silveira Pereira

Mestranda em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria-UFSM Carlasilveira21 @hotmail.com

Joao Silvano Zanon

Mestrando em Geografia pela Universidade Federal de Santa Maria-UFSM silvanoz94@hotmail.com
Tabela 1. Rebanho Bovino (Cabecas).

     Numero efetivo de rebanho bovino (cabecas)

Ano      Brasil          RS       Cacapava do Sul/RS

2009   205.307.954   14.366.298        254.308
2010   209.541.109   14.469.307        256.877
2011   212.815.311   14.478.312        259.885
2012   211.279.082   14.140.654        242.885
2013   211.764.292   14.037.367        230.740

Fonte: Sistema IBGE de Recuperacao Automatica
(SIDRA), 2015.

Tabela 2. Cultivo da silvicultura (Metros cubicos)

    Produtos da silvicultura (Metros cubicos)

Ano      Brasil         RS       Cacapava do Sul/RS

2009   41.410.850   13.441.431         4.946
2010   48.103.232   14.127.269         5.064
2011   51.741.429   14.364.067         5.260
2012   56.761.788   14.510.329         5.628
2013   55.294.805   13.374.146         6.077

Fonte: Sistema IBGE de Recuperacao Automatica
(SIDRA), 2015.

Tabela 3. Area de soja cultivada (Hectares)

       Area de soja plantada (Hectares)

Ano      Brasil        RS       Cacapava do Sul/RS

2009   21.948.605   3.823.246         7.000
2010   23.339.094   4.021.778         7.000
2011   24.032.410   4.074.389         7.000
2012   25.090.559   4.269.247         10.000
2013   27.948.605   4.729.833         15.000

Fonte: Sistema IBGE de Recuperacao Automatica
(SIDRA), 2015
COPYRIGHT 2015 Universidade Federal de Goias
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Pereira, Carla Silveira; Zanon, Joao Silvano
Publication:Revista Geografica Academica
Date:Jul 1, 2015
Words:4833
Previous Article:Evaluation the drought 2005 and 2010 in Amazon: analysis the Solimoes Basin/Avaliacao da seca de 2005 e 2010 na Amazonia: analise da bacia...
Next Article:Occurences of negative rainfall anomaly index in the State of Rio Grande do Sul/Ocorrencias de indices de anomalia de chuva negativos no Estado do...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters