Printer Friendly

Academic and professional training of speech and language pathology teachers in the state of Bahia/Formacao academico-profissional dos docentes fonoaudiologos do estado da Baia.

INTRODUCAO

A insercao da Fonoaudiologia no Estado da Bahia tem se configurado num aumento do numero de profissionais, na instalacao de cursos de graduacao e, por conseguinte, na oferta de novas opcoes curriculares. A evolucao das Diretrizes Curriculares Nacionais no Brasil, as mudancas mercadologicas no campo do trabalho fonoaudiologico, as demandas de saude da coletividade e a participacao deste profissional no Sistema Unico de Saude tem suscitado profundas reflexoes quanto a formacao do fonoaudiologo.

Para tanto, foi realizada uma pesquisa sobre os cursos de graduacao em Fonoaudiologia no Estado da Bahia e a formacao academico-profissional do corpo docente com vistas a se refletir sobre os projetos pedagogicos e o perfil docente dos profissionais envolvidos na formacao de sucessivas geracoes para que fornecam subsidios que possam vir a contribuir com a efetiva qualificacao da formacao profissional, certamente, o que resultara em fonoaudiologos cujo perfil respondera com maior eficacia as demandas da sociedade, valorizara o exercicio profissional interdisciplinar, promovera a saude e prevenira as patologias que possam acometer a coletividade.

Tendo em vista as possiveis mudancas que estao ocorrendo, ainda elementares, no ensino fonoaudiologico, faz-se necessario um docente com atitudes planejadas para a formacao de profissionais com perfil generalista, humanista, critico, reflexivo e que seja capaz de associar os diferentes processos que afetam o ser humano. [1-3]

A pesquisa teve como um de seus objetivos analisar a formacao do corpo docente graduado em Fonoaudiologia com vistas ao delineamento do perfil academico-profissional do mesmo.

METODO

A pesquisa tem carater observacional, descritiva e analitica, com abordagem quantitativa/ qualitativa, por meio do qual foi estudado o universo de 62 docentes fonoaudiologos, utilizando-se um questionario (Figura 1), aplicado por meio de entrevista presencial, que contemplava perguntas abertas e fechadas que incluem questoes genericas sobre o perfil academico-profissional e perguntas especificas sobre: dados pessoais; formacao academica e profissional; exercicio profissional; exercicio da docencia; e funcao social da Fonoaudiologia.

A pesquisa foi realizada com o intuito de abranger todo o Estado da Bahia, porem as instituicoes de ensino superior estao localizadas na capital Salvador (3 IES) e na regiao metropolitana (1 IES), durante o ano de 2010.

Esta pesquisa foi aprovada pelo Comite de Etica em Pesquisa da Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia sob o numero: FR: 267362 CAAE: 0027.0.368.368-09.

Concluida a coleta de dados, as perguntas foram classificadas e agrupadas, de acordo com as variaveis e os construtos que se desejava estudar, as respostas foram tabuladas e apresentadas de forma estruturada para analise estatistica no programa SPSS Statistics 17.0. Os dados obtidos foram confrontados sempre que possivel, com o intuito de assegurar as correlacoes possiveis e sua consistencia. Foram aplicados os recursos da estatistica descritiva simples (porcentagens e calculos simples). A pesquisa de campo foi o delineamento adotado, pois esta integra diferentes abordagens e tecnicas, tanto qualitativas quanto quantitativas.

RESULTADOS

A analise das quatro Instituicoes de Ensino Superior - IES que mantem o curso de graduacao em Fonoaudiologia em funcionamento no estado da Bahia revela que a distribuicao dos docentes fonoaudiologos que ministram disciplinas nos cursos de Fonoaudiologia possui um universo de 62 docentes com graduacao em Fonoaudiologia, indica que a Universidade Federal da Bahia - UFBA, instituicao publica mantida pelo Governo, detem 20 docentes do universo, seguida da Universidade do Estado da Bahia - UNEB, tambem mantida pelo governo, e da Uniao Metropolitana de Educacao e Cultura UNIME, instituicao particular, com e 15 docentes cada uma, enquanto que o Centro Universitario Jorge Amado - UNIJORGE, tambem particular, possui 12 docentes do universo.

Varios docentes exercem a docencia em mais de uma IES, sendo que a UFBA compartilha dois profissionais com a UNIJORGE e possui 18 profissionais exclusivos. A UNEB possui sete docentes exclusivos no seu quadro funcional, sete profissionais compartilhados com a UNIME e um docente compartilhado com outras duas instituicoes UNIME e UNIJORGE. A UNIJORGE possui oito docentes exclusivos, um docente compartilhado com outras duas IES, UNIME e UNEB, tres docentes compartilhados com outra instituicao, sendo dois docentes com a UFBA e um docente compartilhado com a UNIME. Na sequencia, a UNIME possui sete docentes exclusivos, sete docentes compartilhados com outra instituicao, sendo seis profissionais compartilhados com a UNEB, um docente compartilhado com a UNIJORGE, e um docente compartilhado com outras duas IES - a UNIJORGE e a

UNEB.

Do universo de 62 docentes, 60 sao do genero feminino e dois do genero masculino.

Os docentes que sao naturais de outros estados residem no estado da Bahia em torno de 13,6 anos, sendo que o docente com domicilio neste estado ha mais tempo esta ha 31 anos e o que reside ha menos tempo esta ha tres meses.

A faixa etaria de nascimento com maior numero de docentes fonoaudiologos e a de 1976-1980 com 15 profissionais, seguida pelas faixas de 19661970 e 1971-1975, cada uma com 12 profissionais cada, na sequencia 1981-1985 com 11 docentes, 1961-1965 com sete profissionais, 1960-1955 com quatro docentes, enquanto que um docente nao respondeu. O mais jovem possui 26 anos e o mais velho 55 anos, com uma media de idade e de 37,3 anos, caracterizando uma populacao jovem de docentes.

A graduacao em fonoaudiologia desses profissionais foi realizada em uma das 21 IES, distribuidas em nove estados federativos. Sendo que 29 docentes se graduaram no estado de Sao Paulo, 12 docentes no estado da Bahia, sete no estado de Pernambuco, quatro no estado do Ceara, tres no Rio Grande do Sul, tres no Parana, dois no Rio de Janeiro, um no estado de Alagoas e um em Minas Gerais.

Dos 12 docentes que se graduaram nas tres IES situadas no estado da Bahia, cinco sao graduados pela Universidade Federal da Bahia, cinco pela Universidade do Estado da Bahia e dois se graduaram pela Uniao Metropolitana de Educacao e Cultura. Dos 29 docentes se graduaram no estado de Sao Paulo em nove diferentes IES, sete se graduaram na Pontificia Universidade Catolica de Sao Paulo, cinco se graduaram na Universidade Sao Paulo, quatro na Universidade do Estado de Sao Paulo, quatro na Universidade Federal do Estado de Sao Paulo, dois na Pontificia Universidade Catolica de Campinas, dois na Universidade de Sao Paulo, campus Bauru, dois na Universidade Sagrado Coracao, um no Centro Universitario Sao Camilo e um ultimo nas Faculdades Integradas Teresa D'Avila. Dos sete docentes que se graduaram em Pernambuco, todos cursaram a Universidade Catolica de Pernambuco. Os quatro que se graduaram no estado do Ceara, cursaram a Universidade de Fortaleza. Os tres docentes que se graduaram no Rio Grande do Sul, realizaram seu curso na Universidade Federal de Santa Maria. No Parana, tres docentes cursaram a Pontificia Universidade Catolica do Parana. Dos dois docentes que se graduaram no Rio de Janeiro, um cursou a Pontificia Universidade Catolica de Petropolis e um cursou o Centro Universitario de Barra Mansa. O docente que se graduou em Alagoas, cursou a Universidade Estadual de Ciencias da Saude de Alagoas. E o docente que se graduou em Minas Gerais cursou a Faculdades Metodistas Integradas Isabela Hendrix. Mostra-se que 34 dos docentes realizaram sua graduacao em IES publicas e 28 docentes em IES privada.

Do universo de 62 docentes fonoaudiologos, 49 docentes cursaram sua graduacao em seu estado federativo de origem e 13 docentes obtiveram sua graduacao em outro estado federativo. Sendo que dos 15 docentes baianos, dez realizaram sua graduacao no proprio estado, quatro no estado de Sao Paulo e um no Rio de Janeiro. Os seis docentes pernambucanos graduaram-se em seu proprio estado, assim como os tres docentes paranaenses, o unico docente alagoano e o unico carioca. Dos 24 docentes paulistas, 23 se graduaram em Sao Paulo e um na Bahia. Dos quatro docentes gauchos, tres se graduaram em seu proprio estado e um em Sao Paulo. Entre os tres mineiros, um graduou-se em seu estado, um em Sao Paulo e outro na Bahia. Ja os tres docentes que sao originarios do Distrito Federal se graduaram no Ceara.

O ano de conclusao do curso de graduacao em fonoaudiologia foi agrupado em faixas com intervalo de cinco anos, sendo a faixa de 1996-2000 a que contem o maior numero de docentes, equivalendo a 18 pessoas, seguida da faixa de 1986-1990 com 16 docentes; na sequencia, vem as faixas de 20012005 com dez docentes, de 1991-1995 a que elenca oito docentes, a de 2006-2010 com sete docentes e a de 1976-1980 com tres docentes. A faixa de 1981-1985 nao contemplou profissional algum. O ano de conclusao da graduacao mais remoto foi 1977, e o mais recente foi 2008. O profissional mais experiente tem 33 anos de formado, e a concentracao maior e de um tempo medio de formacao de menos de 20 anos.

O tempo de duracao da graduacao em fonoaudiologia com maior numero de pessoas foi o de oito semestres com 45 docentes, na sequencia foi o de nove semestres com 12 docentes, seguida por seis semestres e dez semestres com um docente cada, tres docentes nao responderam a questao.

Foram, tambem, questionados quanto ao conteudo curricular que a graduacao que cursaram contemplava.

Do universo de 62 docentes fonoaudiologos, responderam ao questionamento de acordo com o que conhecem atualmente sobre os demais cursos de graduacao em fonoaudiologia, as diretrizes curriculares e o SUS. Contata-se que nenhum docente fonoaudiologo obteve uma formacao integral.

Em sua graduacao, 28 docentes afirmaram que a qualidade de seu curso como otimo, 27 docentes colocaram como bom, cinco profissionais como regular e dois docentes com a qualidade ruim.

Dentre eles, 53 afirmaram que existem diferencas entre o curso em que se graduou e atualmente, um docente negou, pois este concluiu o curso em 2008 e oito docentes nao responderam, muitos nao sabiam informar ou o curso foi extinto ou suspenso.

Os 45 optaram pelo curso de fonoaudiologia com primeira opcao no vestibular, um docente nao respondeu a pergunta e 16 docentes colocaram com segunda opcao, destes 16 profissionais, nove docentes optaram por medicina, dois docentes colocaram odontologia, dois profissionais por psicologia, dois docentes em jornalismo e um docente optou por fisioterapia.

Os 52 docentes afirmaram que estao realizados profissionalmente e dez docentes nao estao realizados profissionalmente. O universo de docentes afirmam que estimulam a valorizacao da profissao fonoaudiologia. Sendo que 60 docentes estimulam o discente a pesquisar e a buscar o conhecimento cientifico, dois docentes nao responderam a pergunta. E 57 docentes incentivam os discentes, quando estes apresentam duvidas com relacao a profissao escolhida.

O universo de docentes fonoaudiologos afirmam que possui pos-graduacao. Sendo que 57 docentes possuem especializacao, 48 docentes fizeram mestrado e 13 docentes doutorado.

Do universo de 62 docentes, 46 docentes realizaram cursos de atualizacao em fonoaudiologia, sendo que 13 docentes realizaram em motricidade orofacial, nove docentes fizeram em voz, oito docentes em linguagem, oito docentes em audiologia, seis docentes nao informaram a area e dois docentes realizaram em saude coletiva.

Da populacao de 57 docentes fonoaudiologos que realizaram especializacao, 16 docentes fizeram em audiologia, 13 docentes se especializaram em linguagem, nove em voz, sete em motricidade orofacial, dois em area correlata, dois em linguagem e voz, dois em linguagem e audiologia, um nao informou a area, um realizou em saude coletiva, um em saude coletiva e voz, um em voz e motricidade orofacial, um em linguagem e motricidade orofacial, um fez linguagem, motricidade orofacial e audiologia.

Dos 48 docentes fonoaudiologos que fizeram mestrado, 14 docentes fizeram em area correlata, 12 docentes realizaram na area de linguagem, dez docentes fizeram em voz, dez profissionais em audicao, quatro docentes obtiveram o mestrado em saude coletiva, um docente fez em motricidade orofacial, um em linguagem e motricidade orofacial e tres docentes nao informaram a area.

Com relacao ao doutorado apenas 13 docentes possuem esse nivel de pos-graduacao, sendo que nove docentes cursaram e quatro docentes estao cursando, todos em area correlata.

Do universo de docentes fonoaudiologos, 54 docentes afirmam que e indispensavel realizar mestrado e doutorado, quatro docentes nao responderam e quatro docentes acham dispensavel a realizacao de mestrado e doutorado.

No enquadramento profissional 27 docentes se declararam autonomos, 13 docentes nao sao e 22 nao responderam. Sao servidores publicos 46 docentes, sendo que um e servidor municipal, 27 sao servidores estaduais e 18 sao servidores federais, oito nao sao servidores e oito nao responderam. Sao prestadores de servico 21, sendo que 16 prestam servicos no setor privado e cinco no setor publico, 20 docentes nao sao prestadores de servico e 21 docentes nao responderam. Quanto a iniciativa privada 29 trabalham nela, 15 nao e 18 nao responderam.

Dos 62 docentes, 36 afirmaram que sua jornada de trabalho total semanal e maior que 40 horas, 22 colocaram 40 horas, dois colocaram como resposta 30 horas e dois responderam 20 horas semanais.

A relacao empregaticia conforme o regime de tempo de trabalho revela que 29 docentes atuam em tempo parcial de 20 horas, 22 trabalham em tempo integral de 40 horas, dez atuam em regime de dedicacao exclusiva de 40 horas e um nao respondeu a questao. Todos os dez docentes que atuam em regime de dedicacao exclusiva sao da UFBA, tambem nesta IES, seis atuam em regime de tempo parcial de 20 horas e sao professores substitutos assim como os outros quatro docentes que atuam em regime de tempo integral de 40 horas. Na UNEB, um docente atua em regime de tempo parcial e os outros 14 atuam em regime de tempo integral. Na UNIME, um docente nao respondeu a questao, 12 atuam em regime de tempo parcial e um atua em regime de tempo integral. E na UNIJORGE, dois docentes trabalham em regime de tempo integral e dez atuam em regime de tempo parcial.

A situacao na carreira dos docentes fonoaudiologos e a de que na UNEB, um docente e professor titular, um e adjunto, um e substituto, quatro sao assistentes e oito sao auxiliares, na UFBA, dez docentes sao substitutos, cinco sao adjuntos e cinco sao assistentes, na UNIME, um docente nao respondeu a pergunta, nove sao professores de ensino superior e dois sao horistas e na UNIJORGE, dois docentes sao horistas e dez sao professores de ensino superior.

Do universo, 24 docentes possuem formacao pedagogica para atuar, 40 afirmaram que foi por iniciativa propria e que o treinamento pedagogico e frequente para 15 e esporadico para 36 docentes. Dos 24 docentes que obteve formacao pedagogica, dois nao informaram qual formacao, dez obtiveram por meio do mestrado, nove pela de especializacao e tres pela graduacao.

Do universo de docentes, 21 concordaram que as diretrizes curriculares para os cursos de graduacao em Fonoaudiologia sao adequadas e suficientes, juntamente com o processo de reforma curricular; nove nao responderam o questionamento; 32 nao concordam com as Diretrizes Curriculares Nacionais.

Os conteudos abordados e os procedimentos metodologicos desenvolvidos no curso foram considerados suficientes para a formacao do fonoaudiologo segundo 41 docentes fonoaudiologos, enquanto 21 nao os consideram suficientes.

Trinta docentes fonoaudiologos consideraram que a carga horaria das disciplinas que ministram e os recursos utilizados sao satisfatorios; 28 nao consideraram satisfatorios; quatro docentes nao responderam a pergunta. Muitos frisaram que nao consideram satisfatorios os recursos utilizados por considerar baixa a carga horaria atribuida as disciplinas.

Quanto a estimular o discente a pesquisar e a buscar o conhecimento cientifico, 60 docentes fonoaudiologos declararam que assim o fazem; dois docentes nao responderam a pergunta. Como 51 dos 62 desses docentes afirmaram que trabalham com pesquisas cientificas.

Diante da duvida dos discentes em relacao a profissao escolhida, 57 docentes fonoaudiologos declararam que os auxiliam nessa dificuldade.

A totalidade dos docentes fonoaudiologos concorda que o desenvolvimento de acoes educativas e capaz de reduzir a incidencia de alteracoes fonoaudiologicas. Tambem o universo desses docentes entende que e importante focalizar o aspecto preventivo em todas as unidades curriculares e concorda que os discentes devem ter contato com o SUS e outros espacos de atendimento comunitario. Alem disso, 49 docentes debatem com os discentes as condicoes de insercao do fonoaudiologo no PSF e no SUS; 12 docentes nao abordaram esse tema; um docente nao respondeu a pergunta.

Quanto a pratica de acoes preventivo-educativas no exercicio profissional pelos docentes fonoaudiologos, 25 realizam essas acoes individualmente: dez em consultorio; oito em IES; tres em escolas; tres em UBS; um em hospital. Por outro lado, 31 docentes as exercem coletivamente: 14 em IES; sete em escolas; quatro em UBS; tres em consultorio; dois em hospitais; um em ONG.

DISCUSSAO

O processo de aprendizagem deve ocorrer por meio da dialetica entre educador e educando, possibilitando a ambos um processo de emancipacao. O trabalho de construcao do conhecimento e realizado pelas vivencias de experiencias significativas. Nesse processo, e importante que o educador sirva como um mobilizador para a aquisicao de novos conhecimentos, partindo dos conhecimentos previamente necessarios. Sendo assim, o docente deve ter a competencia pratica, cientifica e didatico-pedagogica, estando bem preparado para o trabalho interdisciplinar que possibilitara que esse processo seja integral. [4-8]

Na educacao continuada que se tras temas universais e nacionais, valorizando a cultura regional e local com suas expressoes e seus codigos, com uma educacao voltada a pratica, considerando os aspectos teoricos que fundamentam os diversos conteudos. [9-11]

O distanciamento entre a formacao academica e o da real prestacao de servicos de saude tem sido um dos responsaveis pela crise mundial do setor da saude. [12] Uma das funcoes prioritarias do Ministerio da Saude e a de ordenar a formacao de recursos humanos para a area de saude. Porem, este se defronta com a precaria disponibilidade de profissionais com formacao generalista, dotados de uma visao humanistica e preparados para prestar cuidados continuos e resolutivos a comunidade, sendo que o profissional deve estar atento ao acelerado ritmo de evolucao do conhecimento, a mudanca do processo do trabalho em saude, as transformacoes nos aspectos demograficos e epidemiologicos, tendo como perspectiva o equilibrio entre a excelencia tecnica e a relevancia social. Ate o ano de 2002, quando foi publicada as LDB para a Fonoaudiologia, era preconizado a formacao e um egresso altamente clinico e tecnicista. [8,13]

Essa migracao de profissionais oriundos das regioes sul, sudeste e do estado de Pernambuco, deve-se principalmente a origem profissional ligada a criacao e formacao da fonoaudiologia enquanto profissao e ciencia, a tradicao e a alta incidencia de profissionais, pois nesses lugares existem profissionais formados desde as decadas de 1950 e 1960.

Em pesquisa semelhante realizada com cirurgioes-dentistas docentes no Estado da Bahia, tambem foi constatado um maior contingente de profissionais do genero feminino com 120 docentes, frente ao genero masculino com 84 docentes do total de 204 docentes da amostra. [14]

E relatado que com excecao dos cursos de medicina e educacao fisica, as mulheres sao a maioria nos cursos da area de saude. [15] Ha um processo de feminilizacao nas profissoes da area da saude, aumentando a participacao do trabalho feminino, optando por profissoes liberais e autonomas, com uma maior flexibilidade de horarios e o que tambem, condiz com o historico da Fonoaudiologia. [16]

Como a graduacao em Fonoaudiologia no estado da Bahia apenas teve inicio em 1999 e com a primeira turma colando grau em 2003, em decorrencia da demanda profissional, houve a migracao de profissionais de outros estados e do Distrito Federal para a Bahia e da busca pelos baianos pela graduacao em fonoaudiologia em outros estados do Brasil. [17]

Nota-se que a regiao sudeste representada aqui pelos estados de Sao Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais, compreendem a maioria da graduacao em fonoaudiologia dos docentes vinculados as IES baianas foco do estudo, devendo acrescentar que e na regiao supracitada que houve um maior desenvolvimento da profissao e da docencia e que agora, certamente, pode estar gerando uma saturacao em seu mercado de trabalho, levando a uma busca pelos profissionais de campos de trabalho em outros estados da federacao. Sendo o exercicio da docencia parece ser o principal elemento responsavel pela migracao de profissionais dos demais estados brasileiros em que se graduaram para o estado da Bahia.

Constata-se que nenhum docente fonoaudiologo obteve uma formacao integral. Os resultados revelam que, embora o questionamento sobre as variaveis que seu curso de graduacao em fonoaudiologia contemplava nao obteve o universo de respostas em nenhuma variavel, nota-se que para 55 docentes o seu curso de graduacao possuia uma qualidade que variava entre boa e otima, constatando que mesmo com a escassez de algumas variaveis eles nao consideraram isso e sim o curso pelo todo.

A formacao na area de saude e como consequencia em Fonoaudiologia mostra que um dinamismo e um acelerado ritmo de evolucao do conhecimento requerem mudancas continuas e atuantes nas diversas estruturas da formacao, como a IES, coordenacao, corpo docente, projeto pedagogico e curriculo. [12] Nas IES baianas, atualmente, estao ocorrendo modificacoes estruturais, nos projetos e curriculos e capacitacoes do corpo docente, como por exemplo, oficinas, sensibilizacao docente, afim de que se adequem as novas DCN.

A maior opcao no vestibular e pela graduacao em Medicina, sendo o concurso vestibular mais concorrido da area de saude, o que relega mais uma vez a Fonoaudiologia como segunda opcao entre varias, parece depender da propaganda institucional e da demanda de mercado, porem muitas vezes passa pelo desconhecimento. [15,18,19] Independentemente da escolha no vestibular sobre o curso de graduacao em Fonoaudiologia ter sido primeira ou segunda opcao, apesar de ser minoritaria a pulverizacao de escolhas por outras profissoes, ainda assim a area preferencial foi a de saude.

E por meio da educacao que abrange os processos formativos que compoem e cercam o ser, que as acoes fonoaudiologicas deverao vincular-se a pratica social.

Ainda considera-se que o profissional possui competencia por ter uma tecnica altamente especializada, a excessiva especializacao ja e observada em varias profissoes da area de saude. [14,18-20] Somente no ano de 2006 que a area de saude coletiva tornou uma especialidade da Fonoaudiologia.

A formacao de doutores implica no futuro da fonoaudiologia enquanto ciencia, na sua autonomia gerando conhecimento por meio de pesquisas e na pratica clinica fundamentando a sua atuacao indo de encontro a demanda de servicos. [21]

A retrospectiva historica da fonoaudiologia mostra uma atuacao fortemente marcada pelos aspectos clinicos centralizados nas tecnicas, com uma formacao extremamente tecnicista levando a busca pela especializacao, seguindo a tendencia, a maior enfase no processo curativo reparador aliada ao mercantilismo presente no movimento do capital, caracterizado pelo consumo privado de bens e servicos sob regulacao do mercado, ou seja, e a demanda e exigencia do mercado que regula a especializacao e a insercao do profissional. [20,22,23]

Ao pensar no profissional generalista nao e reduzir o entendimento de que a sua formacao e deficiente e desqualificada e sim um profissional atuante com qualidade e resolubilidade, os docentes devem ser educadores e nao especialistas, ou seja, o fonoaudiologo clinico deve ser o profissional que atua preventivamente, participando das equipes inter e multidisciplinares e pratica o encaminhamento as especialidades requeridas. [7,13,24,25]

Observa-se que existe um predominio das areas de audicao e linguagem, o que pode ser explicada pela demanda de mercado e pela tecnologia crescente em audiologia e pela deteccao e tratamento de alteracoes da linguagem nas creches e primeiros anos de estudo. A precariedade e escassez de docentes com formacao em saude publica afastam cada vez mais os compromissos com o SUS e, por conseguinte com as equipes de saude da familia. No entanto, ja e notado que em todas as IES estudadas grandes esforcos e projetos estruturados e em funcionamento, como trabalhos com a comunidade, Pro-saude, estao mobilizando docentes e discentes para voltarem suas acoes para a promocao de saude da coletividade.

Observa-se que as instituicoes publicas possuem mais docentes com titulacao mais alta, pois e exigencia e as IES privadas apenas cumprem a exigencia minima uma vez que acarreta em custos mais elevados. Nota-se o predominio na pos-graduacao de areas correlatas, o que nao seria necessario se pelo menos uma IES publica ofertasse a pos-graduacao em fonoaudiologia, ja que conta com a equipe docente necessaria.

Muitos profissionais consideram que a realizacao de mestrado e doutorado e necessario somente para o exercicio docente, esquecendo que o estudo junto com a pratica e a melhor maneira de atualizacao profissional. [10]

O exercicio profissional do docente supre ainda as necessidades individuais e privadas, sendo elitista e ligada ao mercado de trabalho privado. Mostra-se nessa relacao que o aspecto de promocao da saude e preventivo, seja de atencao primaria ou secundaria quase inexiste, pois o que se segue e a demanda privatista da atencao terciaria. Observa-se que o numero de docentes que atuam ligados a orgaos publicos e pequeno, o que compromete sobremaneira a participacao do fonoaudiologo no SUS, nas equipes de saude da familia, trazendo prejuizos relevantes a sociedade. [16,22,26-30]

Constata-se que e uma carga horaria considerada alta se levar em consideracao que alem da atuacao docente, atuam tambem, como profissionais. Deve-se levar em consideracao que nas instituicoes publicas os docentes substitutos nao fazem parte do quadro efetivo de docentes, nao tendo, portanto estabilidade assim como os demais professores das IES privadas.

O plano de carreira nas IES publicas esta iniciando, pois a gradacao esta ocorrendo principalmente na federal, ja na estadual esta acontecendo mais lentamente. Nas IES privadas o plano de carreira nao esta integralmente implantado ou e insuficiente, pois a maioria dos docentes sao horistas. Outro motivo e que nas IES publicas a estabilidade financeira e os salarios sao maiores, ja o que acontece nas IES privadas e um acumulo de horas em varias IES por um mesmo docente para obter um melhor retorno financeiro.

As IES, ou seja, os empregadores deveriam ter e/ ou melhorarem suas politicas de educacao continuada, pois o docente, tambem deveria ser um pesquisador e a educacao e aprimoramento sao essenciais para isso. Porem nao foi citado o treinamento pedagogico especifico voltado para o ensino superior, o mestrado e o doutorado sao instrumentos de aprendizado e acumulo de informacoes, porem, muitas vezes nao e ensinada nesses cursos de pos-graduacao a melhor maneira de repassar o conhecimento. O mestrado se destina a formar profissionais voltados para o exercicio do magisterio enquanto que o doutorado se destina a formacao de pesquisadores.

Observa-se que, apesar de 32 docentes nao concordarem com as DCN, a maioria (41 docentes) considera os conteudos abordados e os procedimentos metodologicos suficientes para a formacao profissional. Isso pode sugerir, talvez, uma acomodacao na busca de melhores metodologias de ensino, de transpor o processo de ensino-aprendizagem para o discente e sua profissionalizacao, ou uma certa decepcao com a administracao das IES em que lecionam. Ja 21 docentes concordam com as DCN e consideram que os conteudos abordados e os procedimentos metodologicos nao sao suficientes para a formacao do fonoaudiologo; esses profissionais tem um posicionamento claro e buscam mudancas e adequacoes ao ensino. Esses dados sugerem uma contradicao no entendimento dos docentes entrevistados, pois somente um projeto pedagogico e um curriculo esta em fase de observacao e em inicio de implementacao das novas DCN seguindo os principios do SUS, enquanto os demais estao em fase de adequacao e reforma curricular, com sinalizacoes de que esses conteudos poderao ser revistos, ampliados, modificados e/ou atualizados e mais conhecidos pelos docentes.

Esses dados demonstram a tentativa de formar, durante a graduacao, fonoaudiologos generalistas e que se adequem as exigencias do Ministerio da Saude e do SUS, em conformidade com as Novas Diretrizes Curriculares para o curso. [1,12] As politicas publicas nao primam pelo planejamento estrategico de longo prazo, o que dificulta a insercao do fonoaudiologo nos servicos publicos de saude. A partir de mudancas decorrentes das leis e diretrizes, espera-se um avanco, mesmo que incipiente, para a situacao do profissional, ampliando-se, assim, o mercado de trabalho, uma vez que a demanda existe e e grande. [15,26] Os profissionais que formam equipes de saude devem ter uma educacao continuada, o que possibilitaria a articulacao entre eles e os saberes cientificos, da saude coletiva e da gestao publica a partir das necessidades locais. [15]

Observa-se um moderado percentual de docentes que se dedicam a acoes preventivas, tanto os fonoaudiologos quanto os de areas correlatas, o que implica prejuizos para o SUS e para os programas de saude publica. Tal situacao sugere uma dificuldade a ser futuramente assimilada, com vistas a adaptacao as exigencias das diretrizes curriculares e dos Ministerios da Saude e da Educacao. Tal situacao pode ser explicada pelo simples fato de que a maioria dos docentes obtiveram uma formacao academica anterior a instituicao da saude coletiva como area da Fonoaudiologia.

CONCLUSOES

A formacao academico-profissional dos docentes fonoaudiologos demonstrou ser, preferencialmente, tecnicista e especializada com prerrogativa dos saberes tecnicos pertinentes a profissao e com limitado envolvimento em acoes educativas preventivas e de atividades voltadas para os interesses do SUS, evidenciado pelo fato dessas acoes ocorrerem apenas nas disciplinas especificas relacionadas a saude coletiva.

A formacao pedagogica adquirida pelos docentes em geral, resulta, na maioria das vezes, de iniciativa propria e (ou) como parte de cursos de pos-graduacao realizados, o que tem evidenciado um longo caminho percorrido pelos mesmos para atender a formacao docente requerida para o exercicio pleno do magisterio superior interdisciplinar.

Os docentes com formacao em Fonoaudiologia expressaram relevante grau de envolvimento no processo de formacao discente com vistas a qualidade do exercicio profissional e a importancia e valorizacao do fonoaudiologo, demonstrando, seja de forma direta, por meio da conduta no exercicio do magisterio, seja de forma indireta, ao se referirem a propria historia academico-profissional.

Nota-se nas IES baianas que o perfil tecnicista docente nao impossibilitou o grande avanco nas modificacoes dos parametros de formacao focados nas questoes preconizadas pelo SUS, com acoes comunitarias e praticas em locus diferenciados, e isso acontecendo dentro dos cursos em que o mais antigo em funcionamento completou onze anos.

AGRADECIMENTOS

Os autores agradecem o apoio recebido da Fundacao de Amparo a Pesquisa do Estado da Bahia - Fapesb

REFERENCIAS

[1.] Brasil. Resolucao CNE/CES 3/2002. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduacao em Fonoaudiologia. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, 04 mar. 2002.

[2.] Oliveira BSA, Margall SAC. Discussao clinica interdisciplinar como instrumento na formacao do terapeuta: uma experiencia em fonoaudiologia. Mundo Saude. 2006; 30 (1): 160-5.

[3.] Santos PL, Rodrigues ML. O ensino da Psicologia na graduacao de Fonoaudiologia. Medicina. 2007; 40 (1): 78-81.

[4.] Santos LAS, Silva MCM, Santos JM, Assuncao MP, Portela ML, Soares MD et al. Projeto pedagogico do programa de graduacao em Nutricao da Escola de Nutricao da Universidade Federal da Bahia: uma proposta em construcao. Rev Nutr. 2005; 18 (1): 105-17.

[5.] Trenche MCB, Barzaghi L, Pupo AC. Mudanca curricular: construcao de um novo projeto pedagogico de formacao na area da Fonoaudiologia. Interface. 2008; 12 (27): 697-711.

[6.] Mancopes R, Cutolo LRA, Tesch D, Schultz F, Santos RB; Mafatti R et al. Interdisciplinaridade na fonoaudiologia: a concepcao do professor. Rev CEFAC. 2009; 11 (2): 175-82.

[7.] Lazzarin HC, Nakama L, Cordoni Junior L. Percepcao de professores de odontologia no processo de ensino-aprendizagem. Cienc saude coletiva. 2010; 15 (1): 1801-10.

[8.] Chieppe DC, Ferreira LP. A interlocucao entre a fonoaudiologia e a docencia. Disturb Comum. 2007; 19 (2): 247-56.

[9.] Oliveira MHMA, Gargantini MBM. Universidade, formacao e Fonoaudiologia. Pro-Posicoes. 2003; 14 (1): 39-51.

[10.] Goulart BNG, Chiari BM. Avaliacao clinica fonoaudiologica, integralidade e humanizacao: perspectivas gerais e contribuicoes para reflexao. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2007; 12 (4): 335-40.

[11.] Haddad S. A educacao continuada e as politicas publicas no Brasil. REVEJ@. 2007; 1: 27-38.

[12.] Brasil. Pro-saude: programa nacional de reorientacao da formacao profissional em saude / Ministerio da Saude, Ministerio da Educacao. (Serie C. Projetos, Programas e Relatorios). Brasilia: Ministerio da Saude, 2005. 77p. Disponivel em: <http://www.abem-educmed.org.br/pro_saude/ publicacao_pro-saude.pdf>. Acesso em: 26 set. 2010.

[13.] Feuerwerker LCM. Educacao dos profissionais de saude hoje: problemas, desafios, perspectivas e as propostas do Ministerio da Saude. Rev ABENO. 2004; 3 (1): 24-7.

[14.] Mello SMF. Os cirurgioes-dentistas docentes dos cursos de Odontologia do Estado da Bahia, 2008-2009: estudo sobre formacao e desempenho pedagogico. 2009. 183f. Dissertacao (Mestrado) Faculdade de Odontologia da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

[15.] Haddad AE, Pierantoni CR, Ristoff D, Xavier IM, Giolo J, Silva LB. (Org.). A trajetoria dos cursos de graduacao na area da saude: 1991-2004. Brasilia: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2006. 15 v.

[16.] Moimaz SAS, Saliba NA, Blanco MRB. A forca do trabalho feminino na odontologia, em Aracatuba - SP. J. Appl. Oral Sci. 2003; 11 (4): 301-5.

[17.] Cardoso C, Abreu TT. A fonoaudiologia na Bahia: uma historia recente. Rev. Baiana de Saude Publ. 2004; 28 (1): 96-9.

[18.] Ristoff D, Giolo J. (Org.). Educacao superior brasileira 1991-2004. Brasilia: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2006. 28 v.

[19.] Brasil. Resumo Tecnico. Censo da Educacao Superior 2008 (Dados preliminares). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira. Brasilia, DF, 2009.

[20.] Brasil. Instrumento de avaliacao de cursos de graduacao. Brasilia: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anisio Teixeira, 2006. 119p.

[21.] Andrade CRF. Editorial. Pro-Fono R. Atual. Cient. 2009; 21 (2): 89-94.

[22.] Secco LG, Pereira MLT. Concepcoes de qualidade de ensino dos coordenadores de graduacao: uma analise dos cursos de odontologia do Estado de Sao Paulo. Interface. 2004; 8 (15): 313-30.

[23.] Pizzatto E, Garbin CAS, Garbin AJI, Saliba NA et al. O papel do professor no ensino odontologico / The role of the professor in dental education. Saude em Debate. 2004; 28 (66): 52-7.

[24.] Kriger L. O diferente e formar o generalista. Rev. de Clin. Pesq. Odontol.Editorial. 2005; 1 (4): 7-9.

[25.] Penteado RZ, Servilha EAM. Fonoaudiologia em Saude Publica/ Coletiva: compreendendo prevencao e o paradigma da prevencao em saude. Disturb Comun. 2004; 16 (1): 107-16.

[26.] Nunes RTD'A. Fonoaudiologia e memoria: narrativas sobre o inicio das praticas fonoaudiologicas na cidade de Salvador. 2007. 199f. Dissertacao (Mestrado) - Pontificia Universidade Catolica de Sao Paulo, Sao Paulo.

[27.] Silva SLB, Musse RIP, Nemr K. Assistencia domiciliar na Cidade de Salvador-BA: possibilidade de atuacao fonoaudiologica em motricidade orofacial. Rev CEFAC. 2009; 11 (1): 94-101.

[28.] Ferreira RC, Fiorini VML, Crivelaro E. Formacao profissional no SUS: o papel da Atencao Basica em Saude na perspectiva docente. Rev Bras Educ Med. 2010; 34 (2): 207-15.

[29.] Bazzo LM. Informacao em saude: subsidios para caracterizacao da oferta de servicos fonoaudiologicos no Sistema Unico de Saude (SUS) em Salvador. Rev Cienc Med Biol. 2007; 6 (2): 214-6.

[30.] Bazzo LM, Noronha CV. A otica dos usuarios sobre a oferta do atendimento fonoaudiologico no Sistema Unico de Saude (SUS) em Salvador. Cienc saude coletiva.2009; 14 (5): 1553-63.

http://dx.doi.org/10.1590/s1516-18462012005000026 RECEBIDO EM: 07/06/2011 ACEITO EM: 13/10/2011

Endereco para correspondencia: Vanessa De Nardi Av. Gal. Severino Filho, 750, al. Sereia, 57 Cond. Pedra do Sal Residencias, Itapua Salvador - BA CEP: 41635-540 E-mail: vanessadenardi@ig.com.br

Vanessa De Nardi (1), Carla Cardoso (2), Roberto Paulo Correia de Araujo (3)

(1) Fonoaudiologa; Mestre e Doutoranda pelo Programa de Pos-Graduacao em Processos Interativos dos Orgaos e Sistemas - ICS da Universidade Federal da Bahia - UFBA, Salvador, Bahia, Brasil.

(2) Fonoaudiologa; Professora Adjunto do Departamento de Ciencias da Vida, curso de Fonoaudiologia; Docente da Universidade do Estado da Bahia - UNEB, Salvador, Bahia, Brasil; Mestre e Doutora em Ciencias pela FMUSP.

(3) Odontologo; Professor Titular de Bioquimica Oral; Livre Docente - ICS da Universidade Federal da Bahia - UFBA; Coordenador do Programa de Pos-Graduacao em Processos Interativos dos Orgaos e Sistemas - ICS da Universidade Federal da Bahia - UFBA, Salvador, Bahia, Brasil.

Conflito de interesses: inexistente
Tabela 1--Naturalidade dos docentes fonoaudiologos vinculados as
quatro IES do Estado da Bahia--Salvador (2010)

Naturalidade        Docentes

Sao Paulo              24
Bahia                  15
Pernambuco              6
Rio Grande do Sul       4
Minas Gerais            3
Distrito Federal        3
Parana                  3
Ceara                   2
Alagoas                 1
Rio de Janeiro          1
Total                  62

Tabela 2--Variaveis contempladas pelos cursos
de graduacao de docentes fonoaudiologos--Salvador (2010)

Variaveis                             Docentes N = 62

Formacao generalista                        45
Componentes curriculares                    52
  basicos
Componentes curriculares                    44
  especificos
Enfoque biopsicossocial,                    32
  cultural, tecnologico
Presenca de estagios                        59
Clinica multidisciplinar, contato           36
  com areas correlatas
Atividades extramuros                       38
Pesquisas                                   30
Incentivo a pesquisar e a                   27
  publicar

Tabela 3--Exercicio profissional de docentes fonoaudiologos--Salvador
(2010)

Variaveis                      Docentes

Clinica particular                28
Consultorio proprio               22
Assistencia domiciliar            11
Fonoaudiologia ocupacional         7
Asilos / casas de repouso          4
Escolas                            6
Creches                           --
Hospitais                         23
Maternidades                       6
Empresas                           5
Telemarketing                      2
Meios de comunicacao               3
Filantropia                       10
UBS                                8
Ambulatorio                       19
Pesquisa cientifica               51
Projetos educacionais             21
SUS, NASF, ESF                    13

Figura 1--Questionario para os Docentes Fonoaudiologos
dos Cursos de Graduacao em Fonoaudiologia do Estado da Bahia

Universidade Federal da Bahia
Instituto de Ciencias da Saude

Mestrado do Programa de Pos-Graduacao
em Processos Interativos dos Orgaos e Sistemas

Questionario para os Docentes Fonoaudiologos
dos Cursos de Graduacao em Fonoaudiologia do Estado da Bahia

Nome da Instituicao: --

Data: --/ --/ --

No: --

Parte I. Dados Pessoais

1.1- Naturalidade: --
1.2 - Se nao e natural da Bahia, reside aqui ha quanto tempo: --
1.3 - Data de Nascimento: --/ --/ --
1.4 - Genero: ( ) M ( ) F

Parte II. Formacao Academica e Profissional

2.1 - Graduacao:
2.1.1 - Nome da Instituicao --
2.1.2 - Estado: --
2.1.3 - Ano de Conclusao: --
2.1.4 - Duracao do Curso: --
2.1.5 - No seu curso de graduacao, o curriculo vigente contemplava:
( ) Formacao Generalista;
( ) Componentes Curriculares Basicos;
( ) Componentes Especificos de cada Subarea Fonoaudiologica;
( ) Enfoque Biopsicossocial, cultural e tecnologico;
( ) Estagios;
( ) Clinica Multidisciplinar/ Co-relacao com Outras Areas;
( ) Atividades Extra-Muros;
( ) Pesquisas;
( ) Incentivo a Pesquisa e a Publicar.

2.1.6 - Voce considera o curso de Graduacao que voce realizou:
( ) - Pessimo
( ) - Ruim
( ) - Regular
( ) - Bom
( ) - Otimo

2.1.7 - Ha diferencas entre o curso de graduacao que voce realizou e
esse mesmo curso, na atualidade?
( ) - Sim
( ) - Nao

2.1.8 - Qual era o tempo de duracao da graduacao em Fonoaudiologia
que cursou?
( ) - Menos que 7 semestres
( ) - 7 semestres
( ) - 8 semestres
( ) - 9 semestres
( ) - 10 semestres
( ) - Mais que 10 semestres

2.1.9 - Voce considera o tempo de oito semestres de duracao um tempo
suficiente para o curso de Graduacao em Fonoaudiologia?
( ) - Sim
( ) - Nao. Quantos semestres deveriam ter o curso? --

2.1.10 - Foi sua primeira opcao no vestibular?
( ) - Sim
( ) - Nao. Qual foi a primeira? --

2.2 - Pos-Graduacao:

2.2.1 - Voce realizou ou esta realizando Curso de Pos-graduacao?
( ) - Sim
( ) - Nao. Indique a razao:
( ) - Falta de tempo;
( ) - Nao teve oportunidade;
( ) - E recem-formado;
( ) - Nao quis investir, pois nao tem interesse;
( ) - Nao acredita no retorno financeiro ou profissional.

2.2.2 - Especializacao:
( ) - Nao
( ) - Sim
( ) - Em Fonoaudiologia. Qual a subarea:
( ) - Linguagem;
( ) - Voz;
( ) - Audicao;
( ) - Motricidade Orofacial;
( ) - Saude Coletiva.
( ) - Em area correlata. Especificar a area: --
( ) - Cursando
( ) - Concluido

2.2.3 - Mestrado:
( ) - Nao
( ) - Sim
( ) - Em Fonoaudiologia. Qual a subarea:
( ) - Linguagem;
( ) - Voz;
( ) - Audicao;
( ) - Motricidade Orofacial;
( ) - Saude Coletiva.
( ) - Em area correlata. Especificar a area: --
( ) - Cursando
( ) - Concluido

2.2.4 - Doutorado:
( ) - Nao
( ) - Sim
( ) - Em Fonoaudiologia. Qual a subarea:
( ) - Linguagem;
( ) - Voz;
( ) - Audicao;
( ) - Motricidade Orofacial;
( ) - Saude Coletiva.
( ) - Em area correlata. Especificar a area: --
( ) - Cursando
( ) - Concluido

2.2.5 - Outro:
( ) - Nao
( ) - Sim. Especificar:--

2.3 - Formacao continuada:

2.3.1 - Participou de cursos de Atualizacao com carga horaria maior
que 80h?
( ) - Nao
( ) - Sim. Qual especialidade (s): --

2.3.2 - Participou de Congressos, Jornadas e Simposios nos ultimos
anos?
( ) - Nao
( ) - Sim. Quantos? --

2.3.3 - Ja participou de alguma Atividade Cientifica Internacional?
( ) - Nao
( ) - Sim. Quantas? --

2.3.4 - Le com frequencia alguma Publicacao Periodica Cientifica?
( ) - Nao
( ) - Sim. Quantas por mes? --

2.3.5 - Acha indispensavel fazer Mestrado e (ou) Doutorado?
( ) - Sim
( ) - Nao. Por que? --

Parte III. Exercicio Profissional

3.1 - Exercicio Profissional. Trabalha:

3.1.1 - Em Clinica Particular?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.2 - Em Consultorio Proprio?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.3 - Com Assistencia Domiciliar ou Home Care?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.4 - Com Fonoaudiologia Ocupacional?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.5 - Em Asilos e Casas de Saude?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.6 - Escolas Regulares e Especiais?
( ) - Sim ( ) - Nao

3.1.7 - Em Creches e Bercarios?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.8 - Hospitais?
( ) - Nao
( ) - Sim. Quais setores em que atua? --

3.1.9 - Maternidades?
( ) - Nao
( ) - Sim. Quais setores em que atua? --

3.1.10 - Em Empresas?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.11 - Empresas de Telemarketing?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.12 - Meios de Comunicacao?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.13 - Com Projetos Assistenciais Filantropicos?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.14 - Unidades Basicas de Saude?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.15 - Ambulatorios de Especialidades?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.16 - Pesquisas Cientificas?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.17 - Projetos Fonoaudiologico-educacionais?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.18 - Em Instituicoes de Ensino Superior?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.19 - Diretamente com Programa do Governo Federal NASF, SUS e ESF?
( ) - Sim
( ) - Nao

3.1.20 - Em outro local?
( ) - Nao
( ) - Sim. Local: --

3.2 - Situacao Profissional:

3.2.1 - Enquadramento Profissional:
( ) - Autonomo
( ) - Sim
( ) - Nao
( ) - Servidor Publico
( ) - Nao
( ) - Sim. Qual?
( ) - Municipal;
( ) - Estadual;
( ) - Federal.
( ) - Prestador de Servicos
( ) - Nao
( ) - Sim. Qual?
( ) - Instituicao Privada
( ) - Instituicao Publica
( ) - Iniciativa Privada
( ) - Sim
( ) - Nao

3.2.2 - Jornada de Trabalho Total semanal:
( ) - Menos que 10h;
( ) - 10h;
( ) - 20h;
( ) - 30h;
( ) - 40h;
( ) - Mais que 40h.

3.2.3 - Participacao em Entidades de Classe:
( ) - Vinculadas a Fonoaudiologia. Indicar: --
( ) - Nao vinculadas a Fonoaudiologia. Indicar: --

3.3 - Pratica Acoes de Carater:

3.3.1 - Educativo-preventivo individualmente?
( ) - Nao
( ) - Sim. Onde? --

3.3.2 - Educativo-preventivo coletivamente?
( ) - Nao
( ) - Sim. Onde? --

3.4 - Esta realizado (a) profissionalmente?
( ) - Sim
( ) - Nao. Por que? --

3.5 - Estimula a valorizacao da Fonoaudiologia para a sociedade?
( ) - Sim
( ) - Nao. Por que?--

Parte IV. Exercicio da Docencia

4.1 - Relacao Empregaticia com a Instituicao em que leciona:

4.1.1.A - Instituicao:

4.1.1.B - Instituicao:
( ) - Publica. Qual --
( ) - Publica. Qual --
( ) - Privada. Qual --
( ) - Privada. Qual --

4.1.2.A - Horas/ aula semanais:

4.1.2.B - Horas/ aula semanais:
( ) - Tempo Parcial (20h semanais)
( ) - Tempo Parcial (20h semanais)
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --
no de h/aulas em pesquisa: --
( ) - Tempo Integral (40h semanais)
( ) - Tempo Integral (40h semanais)
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --
no de h/aulas em pesquisa: --
( ) - Dedicacao Exclusiva
( ) - Dedicacao Exclusiva no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --
no de h/aulas em pesquisa: --

4.1.3.A - Situacao na carreira:

4.1.3.B - Situacao na carreira:
( ) - Titular
( ) - Assistente
( ) - Titular
( ) - Assistente
( ) - Adjunto
( ) - Auxiliar
( ) - Adjunto
( ) - Auxiliar
( ) - Substituto
( ) - Prof.Ens. Sup.
( ) - Substituto
( ) - Prof.Ens. Sup.
( ) - Outra. Indicar: --
( ) - Outra. Indicar: --

4.1.4.A - Tempo em que atua

4.1.4.B - Tempo em que atua na Instituicao: na Instituicao:
( ) - 30 a 21 anos. --
( ) - 30 a 21 anos. --
( ) - 20 a 11 anos. --
( ) - 20 a 11 anos. --
( ) - 10 a 1 ano. --
( ) - 10 a 1 ano. --
( ) - Menos 1 ano. --
( ) - Menos 1 ano. --

4.1.5.A - Aulas que Ministra/
Componentes Curriculares?
Teorica?( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --

Pratica?( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --
4.1.5.B - Aulas que Ministra?
Componentes Curriculares
Teorica?( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --

Pratica?( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --

4.1.6.A - Exerce outra Funcao Instituicao?
( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --

4.1.6.B - Exerce outra Funcao na Instituicao?
( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --

4.1.1.C - Instituicao:
( ) - Publica. Qual --
( ) - Privada. Qual --

4.1.1.D - Instituicao:
( ) - Publica. Qual --
( ) - Privada. Qual --

4.1.2.C - Horas/ aula semanais:
( ) - Tempo Parcial (20h semanais)
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --
( ) - Tempo Integral (40h semanais)
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --

4.1.2.D - Horas/ aula semanais:
( ) - Tempo Parcial (20h semanais)
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --
( ) - Tempo Integral (40h semanais)
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --
( ) - Dedicacao Exclusiva
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --
( ) - Dedicacao Exclusiva
no de h/aulas em sala: --
no de h/aulas em pesquisa: --

4.1.3.C - Situacao na carreira:
( ) - Titular
( ) - Assistente
( ) - Adjunto
( ) - Auxiliar
( ) - Substituto
( ) - Prof. de Ens. Sup.
( ) - Outra. Indicar: --

4.1.3.D - Situacao na carreira:
( ) - Titular
( ) - Assistente
( ) - Adjunto
( ) - Auxiliar
( ) - Substituto
( ) - Prof. Ens. Sup.
( ) - Outra. Indicar: --

4.1.4.C - Tempo em que atua na Instituicao:
( ) - 30 a 21 anos. --
( ) - 20 a 11 anos. --
( ) - 10 a 1 ano. --
( ) - Menos 1 ano. --

4.1.4.D - Tempo em que atua na Instituicao:
( ) - 30 a 21 anos. --
( ) - 20 a 11 anos. --
( ) - 10 a 1 ano. --
( ) - Menos 1 ano. --

4.1.5.C - Aulas que Ministra/Componentes Curriculares?

Teorica?( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --

Pratica?( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --

4.1.5.D - Aulas que Ministra/Componentes Curriculares?

Teorica?( ) - Nao
( ) - Sim. Quais? --
Pratica?( ) - Nao
( ) - Sim. Quais?  --

4.1.6.C - Exerce outra Funcao
( ) - Nao   ( ) - Sim. Quais? --

4.1.6. D- Exerce outra na Instituicao?
( ) - Nao   ( ) - Sim. Quais?--

4.2 - E docente em outra Instituicao?
( ) - Nao   ( ) - Sim.

4.3 - Tempo total de servico como docente:
Indicar: --

4.4 - Opcao pelo exercicio da docencia foi?
( ) - Premeditado   ( ) - Casual

4.5 - Voce adquiriu alguma formacao pedagogica para o exercicio da
docencia?
( ) - Nao   ( ) - Sim. Qual? --

4.5.1 - Sua formacao pedagogica foi por iniciativa propria?
( ) - Sim   ( ) - Nao

4.5.2 - Seu treinamento pedagogico e:
( ) - Frequente   ( ) - Esporadico

4.6 - Estimula o discente a pesquisar, a buscar o conhecimento
cientifico?
( ) - Sim   ( ) - Nao

4.7 - Voce incentiva o discente quando ele apresenta duvidas com
relacao a profissao escolhida?
( ) - Sim   ( ) - Nao

Parte V. Funcao Social da Fonoaudiologia

5.1 - Voce acredita que o desenvolvimento de acoes educativas e capaz
de reduzir a incidencia de alteracoes fonoaudiologicas?
( ) - Sim   ( ) - Nao

5.2 - Como docente de graduacao, voce debate as condicoes de insercao
do fonoaudiologo no PSF e no SUS?
( ) - Sim   ( ) - Nao

5.3 - Voce acha adequada e suficiente as Diretrizes Nacionais
Curriculares para os Cursos de Fonoaudiologia e o
Processo de Reforma Curricular?
( ) - Sim   ( ) - Nao

5.4 - Voce acredita que os conteudos abordados e procedimentos
metodologicos desenvolvidos em sala de aula sao suficientes para a
formacao de um fonoaudiologo?
( ) - Sim   ( ) - Nao

5.5 - A carga horaria de sua disciplina e os recursos disponiveis para o
desenvolvimento sao satisfatorios?
( ) - Sim   ( ) - Nao

5.6 - Voce considera importante, na formacao, o contato dos alunos
com o SUS e com outros espacos de atendimento comunitario?
( ) - Sim   ( ) - Nao

5.7 - Voce acredita ser importante focalizar o aspecto preventivo e
de promocao da saude em todas as unidades curriculares?
( ) - Sim   ( ) - Nao
COPYRIGHT 2012 CEFAC - Associacao Institucional em Saude e Educacao
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2012 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:articulo en portugues; entrenamiento profesional
Author:De Nardi, Vanessa; Cardoso, Carla; de Araujo, Roberto Paulo Correia
Publication:Revista CEFAC: Atualizacao Cientifica em Fonoaudiologia e Educacao
Date:Nov 1, 2012
Words:7613
Previous Article:Occurrence of hearing screening faults in students/Ocorrencia de falhas na triagem auditiva em escolares.
Next Article:Conceptions of teacher of IES for articulated communicative and expressive development on evaluation of students on this performance/Concepcoes de...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2021 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters |