Printer Friendly

AVALIACAO DO DEFICIT DE HEMOCOMPONENTES EM DUAS UNIDADES DE HEMOTERAPIA PUBLICAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

1 Introducao

No Brasil, em 1980, a criacao do Programa Nacional de Sangue e Hemocomponentes (Pro-Sangue) veio regularizar a situacao da hemoterapia brasileira determinando o fim da doacao remunerada e tornando a doacao de sangue um ato voluntario. A doacao altruista e a fonte de abastecimento das unidades de hemoterapias (LOPES, 2012).

Partindo da premissa de que ajudar o proximo e dever de todo cidadao, no Brasil, muito ainda precisa ser feito. Uma das formas de operar essa mudanca consiste em realizar um trabalho de conscientizacao e sensibilizacao da populacao quanto a doacao de sangue como ato de cidadania, solidariedade e prevencao da vida humana.

A falta de conhecimento sobre o processo de doacao de sangue e a real necessidade desse ato ainda permanecem arraigados numa grande parcela da populacao.

Sabe-se que o sangue e de extrema importancia e sempre se destacou na historia da humanidade, sendo que na antiguidade foi considerado um fluido vital, conferindo juventude, alem da vida (PEREIMA, 2007).

Mas a dificuldade em obter doacao de sangue regular e de boa qualidade vem causando uma preocupacao mundial, visto que as doacoes tem sido de reposicao, seletiva ou autologa, enquanto deveria ser voluntaria e regular (CUNHA e DIAS, 2008).

Obter sangue de qualidade em quantidade adequada para atender a crescente demanda e um grande desafio para os servicos de Hemoterapia.

A terapeutica transfusional com hemocomponentes refere-se a transfusao da parte especifica do sangue que o paciente necessita, opondo-se ao uso rotineiro de transfusao com sangue total, pratica que alem de conservar os estoques de sangue diminui a exposicao do paciente aos riscos transfusionais (LELIS, 2007).

A Organizacao das Nacoes Unidas (ONU) considera "ideal" uma taxa entre 3% a 5%, caso do Japao, dos Estados Unidos e de outras nacoes desenvolvidas (BBC, 2015).

Segundo dados do ministerio, "apenas 1,8% da populacao brasileira doa sangue, porcentagem inferior a taxa recomendada pela Organizacao Mundial da Saude (OMS), que e de 3% da populacao" (BRASIL, 2017).

Dados apresentados pela BBC Brasil (2015), 59,5% das bolsas de sangue coletadas no Brasilsao oriundas de doacoes espontaneas e osoutros 40,5% restantes de doadores de reposicao.

Segundo Ministerio da Saude (2011, apud Azevedo, 2015) o perfil do doador de sangue no Brasil, 46% deles sao jovens entre 18 e 29 anos e mais de 35% sao mulheres.

As doacoes eventuais para reposicao do estoque sao importantes, mas o foco principal da captacao de doadores deve ser aumentar o numero de doadores espontaneos e de repeticao, ou seja, os que doam regularmente.

Segundo Anvisa (2017), a Portariade Consolidacao no. 5, de 28 de setembro de 2017, preve que "a doacao de sangue deve ser voluntaria, anonima, altruista e nao remunerada, direta ou indiretamente, preservando-se o sigilo das informacoes prestadas".

Muitos concordam que nao ha gesto mais humano e altruista do que doar sangue, afinal o sangue e seus componentes salvam muitas vidas. Muitas pessoas, no entanto, nao doam em funcao de algumas crencas ou medos. Nem todos sabem que todo material utilizado na coleta do sangue e esteril e descartavel, o que elimina qualquer possibilidade de risco de contaminacao para o doador. Por isso, sempre que se precisa de uma transfusao de sangue, as pessoas so podem contar com a solidariedade de outras pessoas (PROSANGUE, 2007).

Segundo Pereima et al (2007), "A falta de doadores e consequentemente a escassez de bolsas de sangue trata-se de uma tematica muito associada a preconceitos, tabus, crencas, mitos e equivocos sobre a doacao e transfusao sanguinea, ocasionando uma demanda de sangue maior que a reposicao nos hemocentros".

Especialistas apontam a falta de conscientizacao da populacao como um dos principais limitadores para o aumento da doacao de sangue no Brasil (BBC, 2015).

Desse modo apresentamos a seguir os aspectos historicos da hemoterapia, assim como, a captacao dos doadores voluntarios de sangue.

1.1 As Primeiras Experiencias de Transfusao Sanguinea

Reportar-se aos primordios da hemoterapia e inevitavel para que possamos compreender os rumos da doacao.

Ha seculos, acredita-se que o sangue da e sustenta a vida, sendo capaz de salva-la em varias circunstancias. Decadas e mais decadas de pesquisas cientificas e estudos aprofundados foram necessarios para se descobrir a real importancia e destinar a ele o uso adequado e eficaz. Ate esse dia, o que prevaleceu foi o empirismo--as praticas fundamentadas na instituicao e na experiencia comum

A historia vem da Grecia antiga: os nobres bebiam o sangue dos gladiadores mortos nos duelos nas arenas com o intuito de obterem a cura para os mais diversos males

No ano de 1492, para se curar de uma grave doenca o papa Inocencio VIII teria ingerido o sangue de tres jovens. A tentativa heroica teve como consequencia a morte dos tres doadores por anemia e do pontifice por uma suposta reacao transfusional. O caso foi abafado pela Igrej a Catolica durante muito tempo (PEREIMA, 2007).

No ano de 1667, Jean Baptiste Dennis, medico do Rei Luis XIV, acreditando que "o sangue dos animais estaria menos contaminado de vicios e de paixoes do que dos homens", realizou a primeira transfusao animal-homem, e como se poderia esperar, nao obteve sucesso. (PROSANGUE, 2008).

Em 1818, James Blundel, um medico ingles, realizou com sucesso a primeira transfusao homem-homem, transfundindo o sangue humano em uma mulher com hemorragia pos-parto (PEREIMA, 2007).

Com a descoberta dos grupos sanguineos pelo austriaco Karl Landsteiner em 1900, tem inicio a fase cientifica da hemoterapia (TORRES, 2004).

A classificacao do sangue em diferentes grupos permitiu estabelecer as compatibilidades e incompatibilidades entre os individuos. Descoberto assim a base cientifica para a utilizacao do sangue como agente terapeutico.

Em 1911, foi elaborado o Postulado de Ottemberg: "A transfusao so e possivel quando o soro do receptor nao aglutina as hemacias do doador". Assim ocorreu a primeira transfusao precedida da realizacao de provas de compatibilidade, porem, este procedimento so passou a ser utilizado em larga escala a partir da Primeira Guerra Mundial

A hemoterapia e realizada a partir da administracao de sangue e/ou hemoderivados visando reposicao destes quando se encontram em niveis reduzidos em virtude de doencas hematologicas, processos hemorragicos, traumas, cirurgias e outras (PROIETTI, 2011; INSTITUTOHOC, 2012).

Os hemocomponentes e hemoderivados sao obtidos atraves da doacao de sangue. No Brasil, este processo esta regulamentado pela Lei no 10.205, de 21 de marco de 2001, alem de regulamentos tecnicos editados pelo Ministerio da Saude (ANVISA, 2001a).

A bolsa de sangue total coletada, tecnicamente satisfatoria, pode ser processada para a obtencao de um ou mais dos componentes eritrocitarios, plasmaticos e plaquetarios, sendo assim definidos:

Os concentrados de hemacias (CH) sao eritrocitos que permanecem na bolsa apos a centrifugacao e o plasma e extraido para uma bolsa-satelite. Quando separados em sistema fechado devem ser armazenados a 4 [+ o -] 2[grados]C e tem validade de: em ACD/CPD/CP2D de 21 dias, em CPDA-1 de 35 dias e em solucao aditiva de 42 dias. O Plasma Fresco Congelado (PFC) e o plasma separado de uma unidade de sangue total por centrifugacao ou por aferese, e congelado completamente em ate 8 horas depois da coleta, atingindo temperaturas iguais ou inferiores a--30[grados]C. O concentrado de plaqueta (CP) e obtido a partir do sangue total, sendo processada como uma suspensao de plaquetas em plasma, preparado mediante dupla centrifugacao de uma unidade de sangue total, coletada em tempo nao maior que 15 minutos e preferencialmente em ate 12 minutos ou por procedimento de aferese. Os concentrados de plaquetas devem ser conservados a 22 [+ o -] 2[grados]C, sob agitacao constante em agitador proprio para este fim, apresentando validade entre 3 (tres) a 5 (cinco) dias, dependendo do plastificante da bolsa de conservacao (ANVISA, 2017).

1.2 Historia da Hemoterapia no Brasil

Segundo Junqueira (2005), "a hemoterapia brasileira passou a caracterizar-se como especialidade medica a partir de 1940 com implantacao de servicos no Rio de Janeiro e Sao Paulo".

Nas decadas de 50 e 60 intensificaram-se os avancos no pais.

Em agosto de 1949 ocorre o "I Congresso Paulista de Hemoterapia" e a fundacao da "Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia",neste periodo ocorrem as primeiras regulamentacoes sobre doacao de sangue, a Lei 1.075 de 27 de marco de 1950 dispoe sobre a doacao voluntaria de sangue (BRASIL, 1950).

A partir de 1964 com a Comissao Nacional de Hemoterapia, ha uma regulacao disciplinadora nesta area, porem a fiscalizacao era ineficaz. As doacoes eram estimuladas por remuneracoes, tendo como voluntarios mendigos e presidiarios. Neste periodo ja ha uma cooperacao entre Brasil e Franca que se intensificou em 1977 quando foi inaugurado o Hemocentro de Pernambuco (HEMOPE), nos moldes dos centros franceses (JUNQUEIRA, 2005).

Com a criacao em 1980, do Programa Nacional de Sangue e Hemoderivados (Pro-sangue), o presidente da Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, Celso Carlos Campos Guerra lidera uma campanha para a extincao da doacao remunerada no Brasil. A adesao a proposta de doador altruista ou de reposicao atinge 80% e mais tarde exclusivamente voluntario (JUNQUEIRA, 2005).

Em 1984 surge o advento da AIDS, metade dos portadores de hemofilia e 2% dos pacientes transfundidos foram infectados na decada de 1980 (BANCO DE SANGUE ALBERT EINSTEIN, 2004), este fato mudou definitivamente os rumos da hemoterapia nacional, em termos de politicas de saude, para prevencao da transmissao de doencas pelo sangue.

Segundo Fernandes (2004):
   Apesar do grande avanco biotecnologico ocorrido nas ultimas
   decadas, a terapeutica transfusional nao e isenta de riscos, mesmo
   que adequadamente desenvolvida. O objetivo da vigilancia sanitaria
   na area de hemoterapia e minimizar os riscos pelo uso de produto
   biologico e pratica inadequada, por meio da formulacao e aplicacao
   de mecanismos que visem a melhoria da qualidade do sangue
   protegendo a saude do doador e do receptor desse produto.


A partir dos anos 90 podemos observar avancos em termos de inclusao do tema doacao de sangue nos mecanismos de difusao da informacao por parte do governo federal, tal como:

1.2.1 Semana Nacional do Doador Voluntario de Sangue

Anualmente o Dia Nacional do Doador de Sangue e celebrado em 25 de novembro, instituido atraves do Decreto Presidencial no. 53.988 de 30 de junho de 1964 (BRASIL, 1964).

A Semana do Doador Voluntario de Sangue, comemorada sempre na ultima semana do mes de novembro foi instituida por decreto presidencial publicado no Diario Oficial da Uniao em 21 de novembro de 2003 onde observa-se:

"Art. 1.--Fica instituida a Semana Nacional do Doador Voluntario de Sangue, a ser celebrada anualmente na ultima semana do mes de novembro, compreendendo as seguintes acoes: I--homenagens publicas ao doador voluntario de sangue; II--atividades informativas voltadas para os profissionais de saude, visando fomentar a doacao de sangue; III--campanhas destinadas a divulgar a importancia do ato de doar sangue, a serem desenvolvidas em todos os segmentos da sociedade; IV--processos educativos direcionados as criancas e adolescentes, com vistas a difusao de conceitos de solidariedade e cidadania, relativos a atividade de doar sangue; e-outras atividades informativas e educativas que demonstrem, para a populacao, os inumeros beneficios do ato de doacao de sangue. Paragrafo unico. As acoes referidas neste artigo devem contar, sempre que possivel, com a colaboracao de entes de todas as esferas de governo. Art. 2. --A celebracao de que trata o art. 1 deve ser intensificada no dia 25 de novembro, Dia Nacional do Doador Voluntario de Sangue, instituido pelo Decreto no. 53.988, de 30 de junho de 1964" (BRASIL, 2003).

O Termo de Compromisso e o decreto presidencial fazem parte da estrategia do governo para o Brasil atingir a meta de ter entre 3% e 5% da populacao doando sangue anualmente.

1.3 Captacao dos Doadores Voluntarios de Sangue

1.3.1 A Captacao como Pratica Educativa

A captacao de doadores tem um papel fundamental na educacao da populacao para a doacao de sangue. Tem a missao de conquistar doadores de sangue, buscando sua fidelizacao, assim como socializar informacoes, ja que nao existe um substituto para o sangue, sendo apenas fornecido pelos doadores.

Ao colaborar para a conscientizacao da populacao sobre a importancia do ato voluntario de doar sangue, o captador busca ampliar o numero de doadores espontaneos para atingir um estoque regular satisfatorio e suprir a demanda, com qualidade. E fundamental para as acoes de informacao, comunicacao e educacao, identificar os tipos de doadores de sangue visando adequar a linguagem e as estrategias para alcance dos objetivos institucionais.

Deste modo, quanto ao tipo de doadores identificamos segundo Anvisa (2017):
   Doador voluntario ou espontaneo: e todo o individuo que doa sangue
   de maneira altruista, sem conhecer o paciente que vai receber o
   sangue por ele doado; Doador de reposicao: e todo individuo que doa
   para algum paciente internado em determinado hospital e necessita
   de sangue, atendendo a solicitacao feita pelo servico social da
   Hemoterapia; Doador convocado: e todo individuo ja cadastrado e
   apto em doacoes anteriores e que vai doar sangue atendendo a uma
   convocacao do Servico de hemoterapia; Doador de primeira vez: e
   todo individuo que faz a doacao pela primeira vez naquele servico
   de hemoterapia; Doador Autologo: e todo o individuo que faz a
   doacao para o proprio e exclusivo uso; Doador de repeticao: aquele
   que repete sua doacao no intervalo de ate 12 meses.


Assim, os programas para captacao de doadores devem ser gerais, continuos e intensos, visando colaborar para a educacao da populacao sobre a importancia da doacao de sangue, focando especialmente na sua utilizacao em emergencias, cirurgias e patologias

Desta forma, a necessidade de sangue pode por vezes, parecer individual, mas na verdade e coletiva, pois o sangue pode ser utilizado por qualquer pessoa, especialmente quando por exemplo estamos expostos a acidentes de transito ou outras catastrofes que poderao acontecer com qualquer cidadao

Vale destacar que a captacao de doadores nao e exclusiva do tecnico responsavel pelo trabalho, mas sim de todos que estao nele envolvidos: equipe de transfusao, recepcao, medicos, pacientes, familiares e amigos, enfim toda a sociedade

O trabalho da captacao de doadores deve buscar a eficiencia continuamente, nao apenas para assegurar a quantidade necessaria de doadores, mas tambem para aprimorar o perfil dos candidatos a doacao, ajudando, deste modo, a manter a qualidade do sangue coletado.

1.4 O Hemocentro Regional de Campos dos Goytacazes

Fundado em 27 de outubro de 1989, o Nucleo de Hemoterapia de Campos--RJ, foi criado nas dependencias do Hospital Ferreira Machado com o objetivo de atender as demandas transfusionais do maior Hospital de Emergencia da Regiao Norte e Noroeste do estado do Rio de Janeiro (CAMPOS, 2014). Hoje denominado Hemocentro Regional de Campos (Hemocampos), este e responsavel pelo atendimento a demanda transfusional de toda a rede publica hospitalar de Campos dos Goytacazes e mais 17 municipios da Regiao Norte e Noroeste do Estado do Rio de Janeiro conforme Deliberacao 1.570 da Comissao Intergestores Bipartite (CIB) 2012 observado no anexo I (RIO DE JANEIRO, 2012).O Hemocampos tem abrangencia de atendimento a uma populacao estimada de 868.152 habitantes segundo dados do IBGE (2017).

1.5 O Hemonucleo de Rio Bonito

O Centro Municipal de Hemoterapia Dr. Edson Jose da Silva (CMHRB), tambem conhecido como Hemonucleo de Rio Bonito, foi fundado em 04 de Abril de 1994 e localiza-se na Avenida Martinho Almeida 222--Mangueirinha--Rio Bonito--RJ.

O Hemonucleo de Rio Bonito e o orgao responsavel pela execucao da politica de sangue da regiao, sendo o centro que atende a demanda transfusional das Unidades: Hospital Regional Darcy Vargas, Unidade de Pronto Atendimento e Centro de Doencas Renais, que se localizam em Rio Bonito, abrangendo as cidades de Silva Jardim, Tangua e Itaborai, sendo assim o responsavel por parte da Regiao Metropolitana II do Estado do Rio de Janeiro. O Hemonucleo tem uma localizacao estrategica, pois essa regiao e cortada pela BR101, principal e importante via de acesso que liga a Regiao Metropolitana ao Norte do estado do Rio de Janeiro. O perfil de atendimento inclui portadores de doencas oncologicas, hematologicas e renais, assim como, centro obstetrico, CTI, reservas cirurgicas e atendimentos de urgencia.

1.6 A Captacao de Doadores

A rotina de Captacao de Doadores em ambas as Unidades e essencialmente feita atraves de campanhas regionais, divulgacoes atraves de jornais, emissoras de radio e TV local e estabelecimento de parcerias com igrejas, Instituicoes de filantropia, Unidades Hospitalares e Agencias Transfusionais referenciadas, Empresas, Corporacoes Militares, Escolas Tecnicas, agentes captadores externos e voluntarios, contatos e convocacoes com os doadores ja cadastrados nas Unidades. O Hemocampos dispoe ainda de Unidade de Coleta Movel (UCM) para realizacao de coletas externas em diferentes pontos do municipio de Campos dos Goytacazes e nos demais municipios da Regiao, mediante agendamento e programacoes previas junto aos agentes de captacao.

A demanda reprimida nos atendimentos hemoterapicos representada pela incapacidade dos Servicos de Hemoterapia em atender integralmente as solicitacoes transfusionais por indisponibilidade de hemocomponentes, em especial concentrado de hemacias (CH) e concentrado de plaquetas (CP), e na atualidade um dos problemas mais enfrentados pela maioria dos Servicos Publicos de Hemoterapia e Hospitalares na atualidade.

O presente trabalho tem como principal objetivo, avaliar a necessidade de aumento nas doacoes de sangue para suprir as demandas transfusionais na regiao assistida, reduzindo assim a demanda reprimida nos atendimentos. E traz como objetivos especificos comparar o percentual medio de doacoes recebidas nas Unidades avaliadas com as estimativas definidas pelo Ministerio da Saude como ideais para manutencao dos estoques regulares de hemocomponentes, estimar os resultados alcancados com as atuais estrategias de captacao de doadores praticadas, e verificar o perfil dos candidatos a doacao de sangue nas Unidades Hemoterapicas estudadas.

2 Metodologia

O presente trabalho e baseado em pesquisa de metodologia exploratoria e retrospectiva, alem de fundamentado em levantamento bibliografico a partir de meios impressos e eletronicos, associado a uma pesquisa de carater quantitativoque busca totalizar osdados de producao do Hemocampos e CMHRB e suas respectivas demandas de atendimento pautadas nas solicitacoes medicas e de abastecimento as Agencias Transfusionais (AT) referenciadas nas Unidades Hemoterapicas avaliadas nesta pesquisa.

O cenario da presente pesquisa consiste na Regiao Norte/Noroeste do Estado do Rio de Janeiro que e abrangida pelo Hemocampos, Servico de Hemoterapia de referencia para os 17 municipios listados emAnexo I conforme Deliberacaon 1.570da CIB 2012 onde segundo IBGE (2017) estima-se uma populacao de 868.152 habitantes, e Regiao Metropolitana 2 abrangida pelo CMHRB que e o Servico de Hemoterapia de referencia para os municipios Itaborai, Rio Bonito, Silva Jardim e Tangua onde estima-se uma populacao de 346.906 habitantes (IBGE, 2017).

O levantamento de dados retrospectivos referentes aos anos 2016 e 2017 utilizados pela pesquisa foram quantificados em cada respectivo Servico de Hemoterapia a partir do modulo HEMOPROD--Relatorio de Informacao gerado segundo a RDC no. 149/01, componente do sistema HEMOVIDA[R] disponivel no Hemocampos para Gestao dos atendimentos Hemoterapicos, este software e fornecido pelo DATASUS--Departamento de Informatica do Ministerio da Saude para os Servicos publicos de saude do SUS (ANVISA, 2001b), e no CMHRB dos dados foram obtidos a partir de planilhas de registro estatistico manuais confeccionados por este Servico, visto que o mesmo nao dispoe de software para Gestao dos atendimentos Hemoterapicos.

Foram quantificados o numero de bolsas de Concentrado de Hemacias (CH) e Concentrado de Plaquetas (CP) produzidos expedidos para o atendimento transfusional, o numero de solicitacoes transfusionais recebidas atendidas e as solicitacoes nao atendidas, a partir destas informacoes, foi possivel quantificar a producao de cada Servico, o numero de atendimentos realizados e o numero de atendimentos nao realizados por indisponibilidade de hemocomponente em estoque, o que caracterizamos como a demanda reprimida de atendimento de cada respectivo Servico de Hemoterapia. Os dados foram tabulados com auxilio do software Excel[R], onde foi possivel definir os percentuais de demanda reprimida, gerar apresentacao grafica dos resultados e o tratamento estatistico de significancia dos mesmos.

Por tratar-se de pesquisa baseada em dados retrospectivos referentes a producao hemoterapica, disponivel em banco de dados do proprio sistema de informatica, e sem acesso aos prontuarios de pacientes, doadores ou entrevistas, a presente pesquisa dispensa submissao ao Comite de Etica em Pesquisa.

3 Resultados e Discussao

Abaixo apresentamos na Tabela 1 e respectivos Figuras 1 e 2, os resultados obtidos com as analises dos dados referentes ao Hemocentro Regional de Campos 2016 e 2017 respectivamente onde podemos observar uma demanda reprimida crescente tanto em Concentrados de Hemacias (22,7% e 25,2%), como em Concentrado de Plaquetas (50,3% e 61,2%) entre os anos avaliados.

A seguir apresentamos na Tabela 2 e tambem no Grafico 3, os resultados obtidos com as analises dos dados referentes ao Hemonucleo de Rio Bonito 2016 e 2017 respectivamente onde neste caso podemos observar uma reducao na demanda reprimida de Concentrados de Hemacias (39,4% e 30,5%) demonstrando ganho de eficacia nos processos de captacao de doadores. Nao foi avaliada neste caso a demanda de Concentrado de Plaquetas (CP) pois o HNRB atualmente nao produz este tipo de hemocomponente, sendo o mesmo fornecido pelo Hemorio para os atendimentos demandados da Unidade que desta forma nao controla a producao do referido hemocomponente.

Ressaltamos que nesta analise realizada, nao foi levado em consideracao a indicacao transfusional das solicitacoes de hemocomponentes relacionadas a cada paciente, visto que este nao fora objeto da presente pesquisa, porem fator este que pode apresentar relevancia para definicao da real necessidade transfusional de cada paciente.

De acordo com ABHH (2012), a media brasileira de doacoes de sangue nos ultimos cinco anos foi de 1,9%, onde 40% destes doaram pelo menos duas vezes ao ano, o que demonstra que nas respectivas Unidades estudadas, um indice de doacoes inferior a media brasileira e tambem inferior aos 3,0% recomendados pela OMS (BRASIL, 2017).

No Hemocentro de Campos que apresenta na regiao abrangida uma populacao estimada em 868.152 habitantes, foi possivel verificar atraves dos dados constantes no Sistema Hemoprodo comparecimento de um total de 2,3% (20.349 / 20.263) de candidatos a doacoes, obteve-se 1,7% (14.822 / 14.966) de doadores aptosem ambos os anos de 2016 e 2017, enquanto que no Hemonucleo de Rio Bonito com populacao estimada em 346.906 habitantes na regiao abrangida, os indices foram respectivamente 0,5% (1.761) de candidatos com 0,4% (1.425) de doadores aptos em 2016 e 0,7% (2.269) de candidatos com 0,5% (1.834)de doadores aptos em 2017.

As tabelas 3 e 4 a seguir apresentam o perfil de candidatos a doacao no Hemocentro Regional de Campos e Hemonucleo de Rio Bonito respectivamente, onde e possivel observar as caracteristicas dos doadores atendidos nas Unidades supracitadas. Sendo observado que em ambas as Unidades estudadas, existe um predominio de doadores do sexo masculino (65,6% e 70,2%). Levando em consideracao de faixa etaria, observou-se que o maior percentual de doadores que compareceram para doacao esta entre os limites 18 a 39 anos (66% e 56,7%).

Outro fato observado na pesquisa, e que em ambas as Unidades o percentual de doadores de reposicao (56,5% e 52%) e superior aos doadores espontaneos (43,5% e 48%),

Quanto a frequencia na doacao, foi possivel observar no Hemocentro Regional de Campos, uma maior fidelizacao dos doadores com um percentual de 57,6% de doadores de repeticao, enquanto que no Hemonucleo de Rio Bonito este percentual de repeticao foi de 29,2%, conforme observamos nas tabelas 3 e 4.

4 Conclusao

Foi possivel concluir com esta pesquisa, que a media anual de doacoes nas Unidades Hemoterapicas pesquisadas se encontram inferiores a media brasileira de doadores (1,9%) nos ultimos 5 anos, e abaixo do percentual recomendado pela OMS (3%), o que demonstra a necessidade de intensificacao nas campanhas de doacao de sangue e melhor oferta de acesso aos doadores nos Servicos de Hemoterapia, considerando que as demandas reprimidas apresentadas por ambas as Unidades podem ser sanadas ou drasticamente reduzidas com aumento na captacao de doadores.

O fator que mais levou o doador a procurar as respectivas Unidades Hemoterapicas para doacao, foi a reposicao de hemocomponentes para pacientes que foram ou viriam a ser submetidos a transfusao. Isso demonstra a necessidade de melhor ser trabalhado na populacao em geral o espirito altruista da doacao de sangue nos cidadaos brasileiros.

Novas estrategias de captacao e fidelizacao de doadores sao ferramentas de grande utilidade para o alcance dos resultados necessarios para melhor promocao de atendimento das demandas transfusionais.

5 Referencias

ABHH. Associacao Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. Desafios na captacao de doadores de sangue regulares no Brasil, 2012.

ANVISA. Lei No. 10.205, de 21 de marco de 2001a. Regulamenta o [seccion] 4 do art. 199 da Constituicao Federal, relativo a coleta, processamento, estocagem, distribuicao e aplicacao do sangue, seus componentes e derivados, estabelece o ordenamento institucional indispensavel a execucao adequada dessas atividades, e da outras providencias. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, 22 de mar. 2001a.

ANVISA. AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA. Resolucao da diretoria colegiada--RDC no. 149, de 14 de agosto de 2001b.

ANVISA. Portaria de Consolidacao No. 5, de 28 de setembro de 2017. Consolidacao das normas sobre as acoes e os servicos de saude do Sistema Unico de Saude: Capitulo II Do Sangue, Componentes e Hemoderivados. Diario Oficial da Uniao, Brasilia, DF, 28 de set. 2017.

AZEVEDO, A.S.; NOGUEIRA, C.S.C.; ARTILES, C.B.; DOMINGUES, C F.; ALVES, C.N.; MALHEIROS, G.C.; CAETANO, L.M.; ABREU, A.M.O.W. Fatores da Triagem Clinica que Impedem a Doacao de Sangue. Revista Cientifica da FMC. 10(2): 07-11. Campos dos Goytacazes, 2015. Disponivel em: http://www.fmc.br/wp-content/uploads/2016/04/Rev-Cient-FMC-2-2015-7-11-1.pdf. Acesso em 26 de maio de 2018.

CAMPOS DOS GOYTACAZES / RJ. Prefeitura Municipal de Campos dos Goytacazes. Hemocentro completa 25 anos. Arquivo Municipal, 2014. Disponivel em: http://www.campos.rj.gov.br/exibirNoticia.php?id_noticia=28352. Acesso em 06 de maio de 2018.

IBGE. Censo Demografico 2010--Caracteristicas Gerais da Populacao. Cidades/RJ: populacao estimada IBGE, 2017. Disponivel em http://cidades.ibge.gov.br/brasil/rj/panorama. Acesso em 06 de maio de 2018.

INSTITUTOHOC. Banco de Sangue do Hospital Alemao Oswaldo Cruz. Paraiso/SP, 2012. Disponivel em: <http://www.institutohoc.com.br/quemsomos-/banco-de-sangue-institutodehemoterapia> Acesso em 01 de maio de 2018.

LELIS, A. R. A; PINHEIRO, R. F. Manual de Hemotransfusao. 2 ed. Fortaleza: HUWC/UFC, 2007.

LOPES, E. C. S.; GUEDES, C. C. P.; AGUIAR, B. G. C. Estrategias para a captacao de doadores de sangue difundidas na literatura. Revista ACRED 2(4): 104-121. La Rioja Espanha, 2012. Disponivel em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/articulo?codigo=5626563. Acesso em 06 de maio de 2018.

PROIETTI, A. B. F. C.; CIOFFI, J. G. M. Hemovigilancia: verificacao final da qualidade da transfusao? Revista Brasileira Hematologia Hemoterapia. Sao Jose do Rio Preto, v.30, n.3, p.173-174, 2008.

RIO DE JANEIRO. Secretaria de Estado de Saude. Comissao de Intergestores Bipartite do

Estado do Rio de Janeiro: Deliberacao CIB 1.570 de 12 de janeiro de 2012. Rio de Janeiro: SES/ RJ, 2012.

Juliano Gomes Barreto (1,2) *, Melissa De Souza Moraes (1,3) & Shirley Lopes de Castilho (1)

(1) Instituto Estadual de Hematologia Arthur de Siqueira Cavalcanti--HEMORIO. Rio de Janeiro, Brasil.

(2) Hemocentro Regional de Campos dos Goytacazes. Campos dos Goytacazes, Rio de Janeiro, Brasil.

(3) Centro Municipal de Hemoterapia Dr. Edson Jose da Silva. Rio Bonito, Rio de Janeiro, Brasil

* Autor para correspondencia: julianobarreto@hotmail.com

DOI: http://dx.doi.org/10.18571/acbm.184
Tabela 1: Atendimentos X Demanda Reprimida Hemocampos
2016-2017.

 Ano     Hemocomponente        Unidades       Unidades Atendidas
                             Solicitadas

2016           CH               13.286              10.264
2017           CH               11.464               8.574
2016           CP               4.708                2.338
2017           CP               4.785                1.855

 Ano      %       Demanda       %
                 Reprimida

2016    77,3       3.022       22,7
2017    74,8       2.890       25,2
2016    49,7       2.370       50,3
2017    38,8       2.930       61,2

Fonte: Hemocampos.CH--Concentrados de Hemacias.
CP--Concentrado de Plaquetas.

Tabela 2: Atendimentos x Demanda Reprimida Hemonucleo Rio Bonito
2016-2017.

 Ano    Hemocomponente       Unidades      Unidades Atendidas
                           Solicitadas

2016          CH               2351               1425
2017          CH               2500               1738

 Ano      %        Demanda        %
                  Reprimida

2016    60,6         926        39,4
2017    69,5         762        30,5

Fonte: Hemonucleo Rio Bonito.CH--Concentrados de Hemacias.

Tabela 3: Perfil dos candidatos a doacao no Hemocentro
Regional de Campos.

Candidatos       Aptos      Inaptos     Representatividade

Espontanea       6.476      2.178,5            43,5%
Reposicao        8.418      3.233,5            56,5%
Total            14.894      5.412              --

la Vez           5.258      3.057,5            35,3%
Repeticao        8.580      2.028,5            57,6%
Esporadico       1.056        326              7,1%
Total            14.894      5.412              --

Masculino       9.763,5     2.650,5            65,6%
Feminino        5.130,5     2.761,5            34,4%
Total            14.894      5.412              --

18-29 anos       5.363       2.367             36,0%
30-39 anos       4.474      1414,5             30,0%
40-49 anos       2.946        896              19,8%
50-59 anos      1.735,5       593              11,7%
60 anos ou +     375,5       141,5             2,5%
Total            14.894      5.412              --

Tabela 4: Perfil dos candidatos a doacao no Hemonucleo de
Rio Bonito.

Candidatos        Aptos    Inaptos     Representatividade

Espontanea         782      165,5             48,0%
Reposicao         847,5      220              52,0%
Total            1629,5     385,5              --

la Vez             754      278,5             46,3%
Repeticao         475,5      51,5             29,2%
Esporadico         400       55,5             24,5%
Total            1629,5     385,5              --

Masculino        1144,5      158              70,2%
Feminino           485      227,5             29,8%
Total            1629,5     385,5              --

18-29 anos        461,5      143              28,3%
30-39 anos         462      101,5             28,4%
40-49 anos         367       80,5             22,5%
50-59 anos         251        46              15,4%
60 anos ou +       88        14,5             5,4%
Total            1629,5     385,5              --

Figura 1: Concentrados de Hemacias. Atendimentos x Demanda
Reprimida Hemocampos 2016-2017.

CH--Atendimentos x Demanda Reprimida Hemocampos 2016-2017

                              2016        2017

Total de Solicitacoes        13.826      11.464
Unidades Atendidas           10.264       8.574
                             (77,3%)     (74,8%)
Demanda Reprimida             3.022       2.890
                             (22,7%)     (25,2%)

Note: Table made from bar graph.

Figura 2: Concentrado de Plaquetas. Atendimentos x Demanda
Reprimida Hemocampos 2016-2017.

CH--Atendimentos x Demanda Reprimida Hemocampos 2016-2017

                               2016         2017

Total de Solicitacoes         4.708        4.785
Unidades Atendidas            2.338        1.855
                             (49,7%)      (38,8%)
Demanda Reprimida             2.370        2.930
                             (50,3%)      (61,2%)

Note: Table made from bar graph.

Figura 3: Concentrados de Hemacias. Atendimentos x Demanda
Reprimida Hemonucleo Rio Bonito 2016-2017.

CH--Atendimentos x Demanda Reprimida Hemocampos 2016-2017

                               2016         2017

Total de Solicitacoes          2351         2500
Unidades Atendidas             1425         1738
                             (60,6%)      (69,5%)
Demanda Reprimida              926          762
                             (39,4%)      (30,5%)

Note: Table made from bar graph.
COPYRIGHT 2018 Universidade Federal Fluminense
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Barreto, Juliano Gomes; de Souza Moraes, Melissa; de Castilho, Shirley Lopes
Publication:Acta Biomedica Brasiliensia
Date:Dec 1, 2018
Words:5041
Previous Article:FREQUENCIA DE ASC-US EM LAUDOS CITOPATOLOGICOS ALTERADOS E NAO ALTERADOS EM UM LABORATORIO DA REDE PRIVADA DE FORTALEZA, CEARA.
Next Article:ANALISE DA QUALIDADE MICROBIOLOGICA DE PASTEIS FRITOS COMERCIALIZADOS POR LANCHONETES E AMBULANTES NO CENTRO DE ITABUNA, BAHIA.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters