Printer Friendly

AVALIACAO DA INTENSIDADE DE UM TESTE DE FORCA ESPECIFICO EM JUDO SEGUNDO RESPOSTA HORMONAL/Evaluation of the intensity a specific resistance test in judo according to hormonal response.

INTRODUCAO

O planeamento dos treinos e das competicoes depende da melhor compreensao do funcionamento dos diferentes sistemas do corpo humano para obter o maximo rendimento dos atletas de maneira saudavel.

Os mecanismos hormonais de regulacao sao fundamentais, para o desenvolvimento do equilibrio homeostatico entre os diferentes sistemas que constituem o corpo humano (Calleja-Gonzalez e Terrados, 2009).

O conhecimento do estado metabolico dos atletas e fundamental, especialmente num desporto Olimpico como o Judo.

Os movimentos deste desporto sao muito tecnicos e de grande intensidade com uma forte componente tatica durante todo o combate. Uma boa condicao fisiologica durante os treinos, e fundamental para alcancar o exito nas competicoes (Katralli e Goudar, 2012).

O teste de resistencia especifica de Judo TRIJ tem como objetivo levar os atletas ate ao limite das suas capacidades fisicas. Este teste esta centrado na resistencia a fadiga da forca explosiva (RPE), para os musculos flexores dos membros superiores. OTRIJ foi construido atraves de um sistema misto integrado que permite construir, diferentes protocolos de testes de resistencia integral (TRI) em funcao da modalidade desportiva (Blasco e colaboradores, 2008).

A sua aplicacao visa obter dados especificos dos judocas como a avaliacao da condicao fisica de maneira integradas atraves diferentes componentes do teste, avaliar a potencia tanto em series curtas e em series mais longas. A duracao do teste sera semelhante a duracao de um combate de judo (Blasco e colaboradores, 2008).

O controlo do treino por metodos bioquimicos e uma forma complexa de avaliacao, mas por sua vez, e um metodo efetivo de conseguir uma correta orientacao do treino desportivo, em funcao de objetivo previamente estabelecidos.

As amostras de substratos podem ser obtidas atraves de: sangue, urina, suor ou saliva, contudo o sangue e a urina resultam por vezes de uma forma evasiva, provocando momentos de stress a amostra, enquanto a saliva e o suor sao formas menos evasivas. Nos ultimos anos tem proliferado estudos que tentam encontrar relacoes entre o rendimento fisico dos atletas de alta competicao (por exemplo: Futebol, Judo, Basquetebol, Atletismo,... ) e o comportamento de biomarcadores como a T e o C (Bouget e colaboradores, 2006; Gatti e De Palo, 2011).

O exercicio e uma fonte de stress, com a capacidade de estimular o eixo hipotalamo-pituraria-adrenal (HPA). Este eixo e fundamental na resposta aguda ao stress.

Podemos analisar essa resposta atraves da testosterona (T), uma hormona esteroide e lipossoluvel usada como marcador anabolico em muitos estudos na area da fisiologia do exercicio.

Tambem o cortisol (C) e utilizado como excelente biomarcador, sendo considerado como hormona de stress. O aumento constante de C podera estar associada a fenomenos como a atrofia muscular, falta de forca e defice energetico.

O C e um biomarcador excelente para avaliar o nivel de recuperacao do sistema metabolico ao exercicio (Peeters e colaboradores, 2008).

Atraves da relacao de hormonas como a T e o C nos fluidos corporais como o sangue, saliva ou urina, podemos determinar a intensidade e duracao de um determinado exercicio.

Se o exercicio e muito intenso e de curta duracao, ambas as hormonas tendem a aumentar, mas se um exercicio e de alta intensidade e de longa duracao, os niveis de concentracao de T tendem a descer e os niveis de C tendem a aumentar (Kuoppasalmi e colaboradores, 1980; McGuigan, Ghiagiarelli, e Tod, 2005).

A relacao entre T-C sao indicadores gerais dos sistemas anabolicos e catabolicos. O racio T/C identifica o equilibrio entre o eixo HPA. Este equilibrio tem sido proposto como indicador dos sistemas anabolicos e catabolicos durante o treino desportivo (Maninger e colaboradores, 2009; Sollberger e Ehlert, 2016).

O objetivo fundamental deste estudo e identificar e analisar a intensidade do TRIJ bem com o seu impacto no sistema endocrino, nas primeiras 24 horas posteriores a sua realizacao.

MATERIAIS E METODOS

Participaram neste estudo 9 judocas masculinos treinados com uma idade media de 24 [+ o -] 3,1 anos. Os dados antropometricos foram recolhidos numa sala especifica de testes, devidamente acondicionada entre as 8:00 e 9:00 da manha.

Os atletas apresentaram um peso medio de 77,3 [+ o -] 8,8 kg e uma altura media de 180 [+ o -] 8,3 cm. Inicialmente todos os participantes foram informados sobre os procedimentos, metodos e possiveis riscos do estudo.

O estudo seguiu a Declaracao de Helsinki (ultima revisao em Fortaleza,2013) sendo aprovado pelo comite de Etica da Universidad de Valencia (UVEG).

Procedimentos

Estudo de carater longitudinal, quasi experimental e comum entre os estudos de resposta hormonal no desporto. A recolha de saliva foi obtida em 4 momentos diferentes, como demonstra a figura 1.

Descricao do TRIJ

O teste e composto por 6 exercicios, agrupados em blocos de estrutura similar (Bloco 1: exercicios de 1 a 3; bloco 2: exercicios de 4 a 6) que se repetem tres vezes.

* Estrutura temporal do teste:

Tempo de esforco em cada exercicio: 15 seg.;

Tempo de pausa entre cada exercicio: 10 seg.;

Tempo de pausa maior por cada bloco de 3 exercicios: 15 seg.;

Tempo total de esforco na parte dinamica: 4 min, 30 seg.;

Tempo total de pausa na parte dinamica: 3 min, 15 seg.;

7 min, 45 seg (parte dinamica) + 30 seg pausa + tempo limite Resistencia de Forca Integrada (RFI) (em funcao de cada atleta).

* Exercicios e estrutura do teste:

A) Parte dinamica (RFE especifica):

1) Troca de apoios na corda com os pes apoiados no solo;

2) Nage Komi (NK) simetrico (Canhoto com canhoto ou Dextro com Dextro);

3) 10 seg de Uchi Komi (UK) de Velocidade (3a; mesma tecnica que 2), seguidos, sem pausa, de 5 seg de NK (3b; sempre a mesma tecnica);

15" Pausa;

4) Elevacoes no cinto, com apoio dos pes (sem impulso);

5) NK asimetrico (Canhoto com Dextro ou Dextro com canhoto);

6) 10 seg de UK de Velocidade (6a; tecnica asimetrica de 5) seguidos, sem pausa, de 5 seg de NK (6b; idem tecnica de 5);

30 seg de pausa (Ao acabar as tres series de 18 SE x 15 seg).

B) Parte isometrica (FRI):

Tempo maximo de resitencia de forca isometrica com judogi (duas solapas).

A valoracao global do teste pode-se expresar mediante o somatorio do total de repeticoes acumulado nas tres series.

Ao acabar a primeira serie dinamica (4min, 30 seg de esforco; 7min, 45 seg de tempo real), e depois de trinta segundos de pausa, que simulam o tempo maximo de descanso que se se poderia dispor no segundo combate, o tecnica de ouro, o judoca suspende-se de novo no Kimono de Judo e tenta manter-se a RFI no maior tempo possivel.

Desta maneira o teste reproduz de forma efectiva a maneira intervalada da competicao, em sequencias de 15 segundos De esta forma o teste reproduz a estructura intervalica da competicao, em sequencias de 15 segundos (SE mais habitual); os descansos que vao alem dos 10 segundos, para premiar a possibilidade de obter a maxima explosividade na accoes proximas e chega aos 8 minutos, que e o que chega a durar um combate.

Alem disso, o (TRI) integra tanto a avaliacao da RFE especifica para a acacao de traccao, como avaliacao da RFI especifica residual para a mesma accao.

Protocolo de recolha de dados

A recolha dos dados antropometricos foi realizada nas 24 horas antecedentes a realizacao do TRIJ em uma sala de testes devidamente acondicionada. Para a medicao da estatura, foi utilizado um estadiometro (SECA 213) e para medicao do peso uma balanca digital (Tanita TBF 305).

A primeira recolha de saliva (S1) que corresponde ao momento basal, foi realizada entre as 8:00 e as 9:00 da manha na sala de testes, por ordem de chegada, 24 horas antes da realizacao do TRIJ.

A segunda recolha de saliva (S2) corresponde a recolha nos 5 minutos antecedentes a realizacao do TRIJ e a terceira (S3) corresponde a recolha nos 5 minutos posteriores a realizacao do TRIJ. A quarta e ultima (S4) correspondem ao periodo de 24 horas de recuperacao apos a ultima recolha. A ordem de recolha de saliva foi efetuada segundo a ordem de S1.

Para minimizar a contaminacao da saliva, foi pedido aos atletas para nao comer, nao beber e que nao lavassem os dentes, nos 60 minutos precedentes as analises.

Para a analise bioquimica foi utilizado o metodo ELISA. O Kit DRG Cortisol ELISA e um ensaio em fase solida de imunoabsorcao uniao a enzimas (ELISA), com base no principio de uniao competitiva.

Todos os compostos do Kit foram armazenados a uma temperatura de 2-8[grados]C.o ensaio seguiu as normas do manual de instrucoes especificas do metodo

Para a analise bioquimica de T foi utilizado o Kit Cayman Chemical's, baseado no principio da uniao competitiva entre a T e a Testosterona acetilcolinesterasa (ACHe) conjugada (Testosterona Tracer) par aum limite de testosterona serica.

O procedimento ja foi utilizado em outros estudos e demonstrou ser uma alternativa muito fiavel para determinar a concentracao hormonal. Para a colheita de saliva foram utilizados salivettes: SALI-TUBES 100 (SLV-4158) o Salivette (Sarstedt cat.# 51.1534).

Analise Estatistico

Para a analise estatistica foi utilizado o software statistical package IBM-SPSS para Windows SPSS Statistic 22. Dadas as caracteristicas do estudo e o tipo de dados, foi utilizado para avaliacao e interpretacao dos mesmos, a ANOVA de medidas repetidas.

Estabeleceu-se um valor de p [menor que o igual a] 0,05 para a significancia estadistica.

RESULTADOS

Testosterona

A tabela 1 apresenta de maneira descritiva os valores medios das concentracoes de T durante todo o estudo. A concentracao de T foi mais elevada no S3T com um valor de 71,410 pg/ml, que corresponde ao momento imediato a realizacao do TRIJ.

O momento onde a concentracao e mais baixa e o S2T, referente ao momento antes da realizacao do TRIJ com um valor de 35,037 pg/ml.

Podemos identificar diferencias estatisticamente significativas entre os diferentes momentos de avaliacao, S1T-S3T p=0,002; S2T-S3T p=0,001 e S3T-S4T p=0,004.

Cortisol

Os valores encontrados nas variacoes das concentracoes de C sao muito semelhantes as variacoes de T durantes os 4 momentos de avaliacao. O momento imediatamente a seguir a realizacao do TRIJ (S3C) apresentou o valor mais alto de C 16,169 ng/ml. O momento onde se observou o valor mais baixo foi o S4C com 9,352 ng/ml, que corresponde ao momento de recuperacao de 24 horas apos a realizacao do TRIJ.

De referir que existe um ligeiro aumento na concentracao de C do momento S1C para o S2C que se refere ao intervalo de tempo de 24 horas antes da realizacao do TRIJ e o momento imediato antes da realizacao do mesmo.

Verificaram-se diferencas estatisticamente significativas entre 3 momentos de avaliacao entre os 4 totais, entre os quais: S1-S3 p=0.015, S2-S3 p=0.046 e S3-S4p =0.005, conforme apresentado na figura 2.

Racio T/C

Com a analise das concentracoes de T e C, foi calculado o racio T/C (R T/C= (Concentracao media de T)/ (Concentracao media de C)) e observaram-se variacoes ao longo dos 4 momentos de avaliacao. As alteracoes ao longo do estudo permitem identificar o impacto hormonal na realizacao do TRIJ e na recuperacao do mesmo (Fig.3).

Quando se compara S1 e S2 existe uma diminuicao de 26.59% (p=0.026), entre S2-S3 verificou-se um aumento de 47.39% (p=0.012). Relativamente aos valores de S3 e S4 o racio diminui 4.93%, nao constituindo uma diminuicao significativa.

Quando comparados os momentos de S1 e S4, verificou-se que nao existem alteracoes significativas p=0.087, correspondente a uma alteracao de 2.87%.

DISCUSSAO

A realizacao do TRIJ aumenta as concentracoes de ambas as hormonas, testosterona e cortisol. Este resultado confirma a adaptacao metabolica ao exercicio, como quando se realiza um exercicio intenso e de curta duracao, em que ambas as hormonas tendem a aumentar (Kuoppasalmi e colaboradores, 1980).

Este estudo apresenta uma resposta hormonal de T e C a um teste de avaliacao da condicao fisica especifica, com tempo de duracao e materiais especificos de Judo (Blasco e colaboradores, 2008).

E fundamental compreender o comportamento do corpo humano em situacoes de stress fisiologico, como sao os testes de avaliacao de condicao fisica. O controlo do treino e fundamental para alcancar niveis de rendimento elevados e em simultaneo evitar o risco de sobrecarga e consequentes lesoes. O exercicio fisico e um agente stressor que ativa diferentes respostas hormonais, de maneira aguda ou cronica, como os glicocorticoides e de testosterona (Filaire e colaboradores, 2009; Hall e Guyton, 2011).

Para avaliar o impacto da atividade fisica no sistema endocrino, a testosterona e um excelente biomarcador das funcoes primarias da sintese do glicogenio muscular e consequente producao energetica (Salvador e colaboradores, 2003).

Testosterona

Estudos demonstram que a variacao das concentracoes depende fundamentalmente da intensidade do exercicio no estado agudo ou cronico (Cardinale e Stone, 2006; Marin e Junior, 2007).

Atraves da variacao de T podemos caracterizar o exercicio no que diz respeito a sua intensidade e ao seu volume. Pode-se verificar alteracoes fisiologicas em exercicios de resistencia, com aumentos na concentracao de T com niveis significativos de p [menor que o igual a] 0.005 (Marin e colaboradores, 2007), em atletas.

No caso deste estudo, verificou-se um aumento de T entre S2 e S3 cerca de 103.8 %, que corresponde a um grande significado estatistico de p=0.001.

Ao analisar a variacao entre S1 e S2, podemos observar uma diminuicao de cerca 23%, mas sem significado estatistico com p = 0.062, ao contrario de outros estudos que se verificam aumentos significativos em momentos antes da competicao ou nas primeiras horas da manha.

Este tipo de alteracoes e consequencia do ritmo circadiano. Estas diferencas podem interpretadas pelas diferencas interpessoais ou por uma resposta dupla do sistema endocrino, quando a concentracao de C e elevada.

A elevacao da concentracao de C pode diminuir a resposta de T. A ansiedade pre-competitiva tambem podera ser a causa desta menor resposta de T (Gatti e colaboradores, 2011; Mehta e Josephs, 2010; Papacosta, Nassis, e Gleeson, 2016; Peeters e colaboradores, 2008).

Entre S2 e S3, verificou-se um aumento significativo com p = 0.001, que corresponde ao intervalo de realizacao do TRIJ. Este aumento de T, tambem foi verificado em atletas que realizam sprints de alta intensidade (Kivlighan, Granger e Booth, 2005).

Quando se realiza um treino de resistencia de alta intensidade, tambem se verifica um aumento da concentracao de T (Franca e colaboradores, 2006). Os resultados alcancados neste estudo seguem a tendencia de outros estudos cientificos em que avaliaram a resposta de T antes e depois de exercicios de alta intensidade (Franca e colaboradores, 2006; McGuigan e colaboradores, 2005; Marin e colaboradores, 2007).

Com os valores anteriormente referenciados neste estudo, podemos confirmar que a realizacao do TRIJ, desenvolve uma enorme resposta de T.

O nivel de T aumentou apos a realizacao do TRIJ cerca de 103.8%, o dobro de estudos em que reportaram um aumento de 51.1% (Marin e colaboradores, 2007).

O TRIJ aumenta as concentracoes de T demonstrando-se este como um exercicio de alta intensidade na avaliacao da condicao especifica de judo.

Cortisol

O cortisol (C) e conhecido cientificamente como a hormona do stress e consequentemente uma forma de medir as adaptacoes metabolicas que sao induzidas pelo exercicio.

O C e utilizado como medidor do estado de performance e tambem como medidor do nivel de recuperacao. O cortisol e ativado por multiplos fatores que estimulam a libertacao adrenal de glicocorticoides como o C e este por sua vez mobiliza fontes de energia para o aumento da exigencia metabolica do corpo, atraves da glicogenese e a mobilizacao de lipideos.

Este tipo de resposta e fundamental para a solicitacao da vias energeticas durante o exercicio fisico. A restauracao deste eixo, e fundamental para evitar a sobre-exposicao destes compostos, que podem resultar nefastos para o atleta (Rosa, Dantas, e de Mello, 2011).

Existem valores de concentracao de C em processos de treino e recuperacao, que confirmam o nivel de treino e possiveis estados de sobre carga (Cadore e colaboradores, 2008; Filaire e colaboradores, 2001; Urhausen e colabordores., 1998).

A resposta direta ao exercicio de C pode nao ser significativa, a intensidade e a duracao do exercicio sao fatores condicionantes.

Neste estudo verificaram-se alteracoes significativas entre alguns momentos de avaliacao. A primeira alteracao foi entre o S1C (24 horas antes do TRIJ) e S2C (5 minutos antes do TRIJ), com um aumento cerca de 1.16% nao sendo significativo.

O aumento da concentracao de C pode ser explicado pela ansiedade pre-competitiva, (Filaire e colaboradores, 2001; Thatcher e colaboradores, 2003). Entre S2C e S3C, verificou-se o aumento de 26,57% da concentracao hormonal, o mais acentuado durante todo o estudo, assume um valor de p = 0.05.

Os exercicios de curta duracao e grande intensidade, estimulam um grande aumento das concentracoes de C com valores muito proximos ao do nosso estudo (p = 0.05) (Beaven, Gill, e Cook, 2008).

Estudo recentes demonstram que exercicios de curta duracao e alta intensidade requerem niveis de energia muito altos e o consequente recrutamento constante de fibras tipo II e alteracoes no equilibrio de acido-base.

Estas alteracoes provocam elevadas concentracoes de C (Wahl e colaboradoores., 2013; Wahl e colaboradores, 2010).

Quando analisado o intervalo S3C e S4C, podemos verificar uma alteracao significativa na concentracao hormonal com p = 0.004, que corresponde ao tempo de recuperacao de 24 horas apos a realizacao do TRIJ e verificar que o periodo de recuperacao de 24 horas e suficiente para estabelecer os niveis de C antes do inicio do estudo.

Todo este comportamento de C e similar a outros estudos cientificos, onde se observou a resposta de C a exercicios de curta duracao e alta intensidade com atletas).

A T e C tem efeitos anabolicos como indicadores de carga de treino e de performance em diferentes modalidades desportivas, que permite em simultaneo analisar a relacao T/C e determinar o consequente nivel de rendimento fisico.

Ratio T/C

Ao analisar o racio T/C entre os diferentes momentos de avaliacao, podemos observar uma maior resposta catabolica de C quando comparada com a resposta anabolica de T. Um elevado racio T/C esta associado a um elevado estado de saude e de rendimento desportivo (Sollberger e colaboradores, 2016).

A interpretacao deste racio de T/C e um indicador de equilibrio de ambos os sistemas /catabolico e anabolico). Diferentes variacoes do racio T/C foram relacionadas com as cargas de treino. Quando o racio T/C diminui, esta associado a uma recuperacao incompleta ou deficitaria e a um aumento da carga de treino. O aumento progressivo do racio T/C durante a competicao por um periodo de 3 horas depois do exercicio de alta intensidade e considerado como um importante indicador do estado anabolico e catabolico (Gomes, e colaboradores, 2013; Silva, e colaboradores, 2014; Viru e Viru, 2004; Wahl e colaboradores, 2013).

Quando foram analisados os intevalos entre S1 e S2, verificou-se uma dimininuicao de 26.59% no racio T/C, que corresponde a um aumento da concentracao de C e uma diminuicao de T.

Esta alteracao pode ser interpretada como uma reacao ao organismo em pre-competicao como uma resposta antecipatoria ao stress (Salvador e colaboradores, 2003). Entre os momentos de avaliacao S2 e S3, o racio T/C aumentou significativamente cerca de 47,39% que corresponde a um p=0.012.

Este valor corresponde a uma resposta anabolica de acordo com o tipo de exercicio de alta intensidade e de curta duracao (Wahl e colaboradores, 2013). A ultima variacao ocorreu durante o ultimo intervalo S3-S4, mas nao e significativa, sendo de 4.93%.

Quando comparada a variacao entre S1 e S4, verificou-se uma variacao positiva de 2,87% e em significado fisiologicos pode concluir que os atletas recuperam de um exercicio curto e intenso em 24 horas e os sujeitos deste estudo apresentam um grande nivel de recuperacao (Coffey e Hawley, 2007).

Este tipo de estudo permite guiar futuros estudos no contexto do rendimento desportivo como: identificar a nivel de performance e a saude dos atletas judocas.

CONCLUSAO

Este estudo analisou e interpretou os efeitos da realizacao do TRIJ na resposta hormonal aguda de T e C.

Podemos concluir que o TRIJ e um teste especifico de judo de alta intensidade e de curta duracao tendo em conta a resposta hormonal especifica.

O TRIJ e um fator de stress muito especifico com alta intensidade e com curta duracao, de acordo com as caracteristicas de um combate de judo.

Este teste demonstrou ser preciso na avaliacao e permite uma recuperacao total em 24 horas, funcionando como um excelente indicador do nivel de performance dos atletas judocas.

AGRADECIMENTOS

Este estudo so seria possivel com a gentil colaboracao dos estudantes/atletas de judo da Universidad de Valencia de Espanha.

Agradecer especialmente a colaboracao dos professores Vicente Carratala e Cristina Blasco.

REFERENCIAS

1-Beaven, C. M.; Gill, N. D.; Cook, C. J. Salivary testosterone and cortisol responses in professional rugby players after four resistance exercise protocols. J Strength Cond Res. Vol. 22. Num. 2. 2008. p.426-432.

2-Blasco, C.; Carratala, V.; Pablos, C.; Caus, N.; y Baydal, E. Diferencias en funcion del sexo en la resistencia especifica en Judo, medidas a traves del test Blasco. Actas del V Congreso de la Asociacion Espanola del Deporte. 2008.

3-Bouget, M.; Rouveix, M.; Michaux, O.; Pequignot, J. M.; Filaire, E. Relationships among training stress, mood and dehydroepiandrosterone sulphate/cortisol ratio in female cyclists. J Sports Sci. Vol. 24 Num. 12. 2006. p.1297-1302.

4-Cadore, E.; Lhullier, F.; Brentano, M.; Silva, E.; Ambrosini, M.; Spinelli, R.; Kruel, L. Correlations between serum and salivary hormonal concentrations in response to resistance exercise. J Sports Sci. Vol. 26. Num. 10. 2008. p.1067-1072.

5-Calleja-Gonzalez, J.; Terrados, N. Indicadores para evaluar el impacto de carga en baloncesto. Rev Andal Med. Vol. 2. Num. 2. 2009. p.56-60.

6-Cardinale, M.; Stone, M. H. Is testosterone influencing explosive performance? J Strength Cond Res. Vol. 20. Num. 1. 2006. p.103-107.

7-Coffey, V. G.; Hawley, J. A. The molecular bases of training adaptation. Sports Med. Vol. 37. Num. 9. 2007. p.737-763.

8-Filaire, E.; Alix, D.; Ferrand, C.; Verger, M. Psychophysiological stress in tennis players during the first single match of a tournament. Psychoneuroendocrinology. Vol. 34. Num. 1. 2009. p.150-157.

9-Filaire, E.; Sagnol, M.; Ferrand, C.; Maso, F.; Lac, G. Psychophysiological stress in judo athletes during competitions. J Sports Med Phys Fitness. Vol. 4. Num. 2. 2001. p.263-268.

10-Franca, S. C.; Barros Neto, T. L.; Agresta, M. C.; Lotufo, R. F.; Kater, C. E. Divergent responses of serum testosterone and cortisol in athlete men after a marathon race. Arq Bras Endocrinol Metabol. Vol. 50. Num. 6. 2006. p.1082-1087.

11-Gatti, R.; De Palo, E. F. An update: salivary hormones and physical exercise. Scand J Med Sci Sports. Vol. 21. Num. 2. 2011. p.157-169.

12-Gomes, R. V.; Moreira, A.; Lodo, L.; Nosaka, K.; Coutts, A. J.; Aoki, M. S. Monitoring training loads, stress, immune-endocrine responses and performance in tennis players. Biol Sport. Vol. 30. Num. 3. 2013. p.173-180.

13-Hall, J. E.; Guyton, A. C. Textbook of Medical Physiology. 12th Ed. PA: Saunders/Elsevier. Philadelphia. 2001.

14-Katralli, J.; Goudar, S. S. Anthropometric Profile and Special Judo Fitness levels of Indian Judo Players. Asian J Sports Med. Vol. 3. Num. 2. 2012. p.113-118.

15-Kivlighan, K. T.; Granger, D. A.; Booth, A. Gender differences in testosterone and cortisol response to competition. Psychoneuroendocrinology. Vol. 30. Num. 1. 2005. p.58-71.

16-Kuoppasalmi, K.; Naveri, H.; Harkonen, M.; Adlercreutz, H. Plasma cortisol, androstenedione, testosterone and luteinizing hormone in running exercise of different intensities. Scand J Clin Lab Invest. Vol. 40. Num. 5. 1980.p.403-409.

17-Maninger, N.; Wolkowitz, O. M.; Reus, V. I.; Epel, E. S.; Mellon, S. H. Neurobiological and neuropsychiatric effects of dehydroepiandrosterone (DHEA) and DHEA sulfate (DHEAS). Front Neuroendocrinol. Vol. 30. Num. 1. 2009. p.65-91.

18-Marin, D.; Junior, A. Responses of serum testosterone and triiodothyronine after intense resistance training. R. Bras Ci e Mov. Vol. 15. Num. 4. 2007. p.31-38.

19-McGuigan, M. R.; Ghiagiarelli, J.; Tod, D. Maximal strength and cortisol responses to psyching-up during the squat exercise. J Sports Sci. Vol. 23.Num. 7. 2005. p.687-692.

20-Mehta, P. H.; Josephs, R. A.Testosterone and cortisol jointly regulate dominance: evidence for a dual-hormone hypothesis. Horm Behav. Vol. 58. Num. 5. 2010. p.898-906.

21-Papacosta, E.; Nassis, G. P.; Gleeson, M. Salivary hormones and anxiety in winners and losers of an international judo competition. J Sports Sci. Vol. 34 Num. 13. 2016. p.1281-1287.

22-Peeters, G. M.; Van Schoor, N. M.; van Rossum, E. F.; Visser, M.; Lips, P. The relationship between cortisol, muscle mass and muscle strength in older persons and the role of genetic variations in the glucocorticoid receptor. Clin Endocrinol (Oxf). Vol. 69. Num. 4. 2008. p.673-682.

23-Rosa, G.; Dantas, E. H.; de Mello, D. B. The response of serum leptin, cortisol and zinc concentrations to concurrent training. Hormones (Athens). Vol. 10. Num. 3. 2011. p.215-221.

24-Salvador, A.; Suay, F.; Gonzalez-Bono, E.; Serrano, M. A. Anticipatory cortisol, testosterone and psychological responses to judo competition in young men. Psychoneuroendocrinology. Vol. 28. Num. 3. 2003. p.364-375.

25-Silva, J. R.; Rebelo, A.; Marques, F.; Pereira, L.; Seabra, A.; Ascensao, A.; Magalhaes, J. Biochemical impact of soccer: an analysis of hormonal, muscle damage, and redox markers during the season. Appl Physiol Nutr Metab. Vol. 39. Num. 4. 2014. p.432-438.

26-Sollberger, S.; Ehlert, U. How to use and interpret hormone ratios. Psychoneuroendocrinology. Vol. 63. 2016. p.385-397.

27-Thatcher, J.; Reeves, S.; Dorling, D.; Palmer, A. Motivation, stress, and cortisol responses in skydiving. Percept Mot Skills. Vol. 97. Num. 3. pt 1. 2003. p.995-1002.

28-Urhausen, A.; Gabriel, H. H.; Weiler, B.; Kindermann, W. Ergometric and psychological findings during overtraining: a long-term follow-up study in endurance athletes. Int J Sports Med. Vol. 19. Num. 2. 1998. p.114-120.

29-Viru, A.; Viru, M. Cortisol--essential adaptation hormone in exercise. Int J Sports Med. Vol. 25. Num. 6. 2004. p.461-464.

30-Wahl, P.; Mathes, S.; Kohler, K.; Achtzehn, S.; Bloch, W.; Mester, J. Effects of active vs. passive recovery during Wingate-based training on the acute hormonal, metabolic and psychological response. Growth Horm IGF Res. Vol. 23. Num. 6. 2013. p.201-208.

31-Wahl, P.; Zinner, C.; Achtzehn, S.; Bloch, W.; Mester, J. Effect of high- and low-intensity exercise and metabolic acidosis on levels of GH, IGF-I, IGFBP-3 and cortisol. Growth Horm IGF Res. Vol. 20. Num. 5. 2010. p.380-385.

Duarte Miguel Henriques Neto (1), Bruno Ribeiro do Couto (2) Hugo Miguel Figueiredo de Magalhaes Peres Ferraz (3), Carlos Pablos Abella (4)

1-Faculdade de Motricidade Humana-Universidade de Lisboa, Portugal.

2-Universidade de Murcia, Espanha.

3-Universidad Internacional de Valencia, Espanha.

4-Universidad Catolica de Valencia, Espanha.

E-mails dos autores:

duarteneto13@gmail.com

bruno.ribeiro@um.es

hugo.figueiredo@campusviu.es

carlos.pablos@ucv.es

Recebido para publicacao 02/12/2016

Aceito em 04/02/2017
Tabela 1 - Valores minimos, maximos e media desvio padrao em pg/ml das
concentracoes de Testosterona na Saliva ao longo do estudo.

     n  Minimo  Maximo  Media e Desvio Padrao

S1T  9  22,166  82,505  45,585 [+ o -] 18,852
S2T  9  20,345  68,521  34,916 [+ o -] 14,630
S3T  9  38,146  91,182  71,410 [+ o -] 20,303
S4T  9  17,387  70,507  42,945 [+ o -] 15,415

Tabela 2 - Valores minimos, maximos e media desvio padrao em ng/ml. das
concentracoes de Cortisol na Saliva.

     n  Minimo  Maximo  Media e Desvio Padrao

S1C  9  6,590   24,533  11,611 [+ o -] 5,556
S2C  9  6,769   26,230  12,606 [+ o -] 6,004
S3C  9  8,787   20,894  16,169 [+ o -] 4,591
S4C  9  5,882   12,277   9,345 [+ o -] 2,286
COPYRIGHT 2017 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2017 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Title Annotation:texto en portugues
Author:Neto, Duarte Miguel Henriques; do Couto, Bruno Ribeiro; de Magalhaes Peres Ferraz, Hugo Miguel Figue
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Article Type:Estudio de caso
Date:Nov 1, 2017
Words:5026
Previous Article:PRESSAO ARTERIAL POS-EXERCICIO EM JOVENS SAUDAVEIS SUBMETIDOS A UM TESTE ERGOMETRICO A ELEVADA TEMPERATURA/Blood presure after exercise in young...
Next Article:CONHECIMENTO NUTRICIONAL, PERFIL ALIMENTAR E COMPOSICAO CORPORAL DE JOGADORES UNIVERSITARIOS DE FUTEBOL/Nutritional knowledge, dietary profile and...
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters