Printer Friendly

AVALIACAO DA CAPACIDADE E POTENCIA AEROBIA DE ATLETAS DE TAEKWONDO DO AMAZONAS EM TESTE ESPECIFICO.

INTRODUCAO

O Taekwondo e uma arte marcial originaria da Coreia, "Tae" "Kwon" "Do." "Tae" significa "pe", "perna", ou "a pisar"; "Kwon" significa "punho", ou "luta"; e "Do" significa o "caminho" ou "disciplina" (WTF, 2014).

De acordo com Sant' Ana (2013) o Taekwondo e um esporte olimpico praticado em 191 paises filiados a World Taekwondo Federation.

Os combates competitivos sao realizados em tres rounds com duracao de 2 min com 1 min de intervalo entre eles. Em caso de empate, os atletas lutam mais um round de 2 min, com caracteristica de golden point (WTF, 2012).

Em alguns campeonatos os atletas chegam a realizar cinco lutas em uma mesma competicao (Chiodo e colaboradores, 2011) exigindo uma excelente condicao fisica dos competidores.

Quanto a caracterizacao das acoes motoras, o Taekwondo e considerado um esporte de caracteristica intermitente (Bouhlel e colaboradores, 2006).

Durante os combates ha realizacao de acoes motoras de ataques com tecnicas de chutes de alta intensidade (Bridge e colaboradores, 2007; Sant' Ana e colaboradores, 2014), intercalados por periodos de pausa ativa com menores intensidades, caracterizados por trabalho de step (saltitos visando o ajuste da distancia de luta e as esquivas) ao longo do combate (Santos, Franchini, Lima, 2011).

Em nivel internacional o Taekwondo requer altas demandas do sistema cardiovascular, com altas concentracoes de lactato sanguineo e aumento da percepcao de esforco ao longo do combate, sugerindo que as sessoes de treinamento, incluam exercicios que estimulem suficientemente ambos os metabolismos, aerobio e anaerobio (Bridge e Colaboradores, 2009; Franchini, Tabben, Chaabene, 2014).

Com o sistema aerobio contribuindo com 66% do fornecimento de energia em um combate simulado de Taekwondo (Campos e colaboradores, 2012).

Portanto, tendo em vista a contribuicao do sistema aerobio de fornecimento de energia em um combate de Taekwondo e importante avaliar indicadores de capacidade e potencia aerobia em atletas desta modalidade, de maneira que, se possam obter parametros que auxiliem no controle e orientacao do treinamento dos atletas.

Alem disso, uma vez que, este esporte apresenta uma exigencia motora diferenciada, com padroes de recrutamento motor totalmente especifico (Sant' Ana, Fernandes, Guglielmo, 2009), e como, atletas de Taekwondo nao pedalam, nem correm, e sim, saltitam e realizam chutes ao longo da competicao ao avaliar indicadores de capacidade e potencia aerobia em atletas de Taekwondo, deve-se levar em consideracao a acao motora do esporte em questao, ressaltando a importancia da avaliacao em um protocolo que reproduz acao motora caracteristica nas competicoes e que tenha apresentado validade cientifica para avaliacao aerobia de atletas desta modalidade, como o Teste Progressivo Especifico para Taekwondo (TET) (Sant' Ana, 2013).

Por fim, ha uma ausencia de estudos na literatura que tenham investigado se ha diferencas significativas nos indicadores de capacidade e potencia aerobia entre atletas faixa azul e preta de Taekwondo, submetidos ao Teste Progressivo Especifico para Taekwondo (TET).

Sendo assim, o presente trabalho teve como objetivo avaliar indicadores de capacidade aerobia, ponto de deflexao da frequencia cardiaca (PDFC), frequencia de Chutes de ponto de deflexao da frequencia cardiaca (FC[H.sub.PDFC]) e indicadores de potencia aerobia, frequencia cardiaca maxima (F[C.sub.Max]) frequencia de Chutes maxima (FCHMax) a partir do TET em atletas de Taekwondo faixas azul e preta do Amazonas.

MATERIAIS E METODOS

Sujeitos do estudo

A amostra foi do tipo nao probabilistico intencional composto por 12 atletas de Taekwondo, sendo estes (05 faixas azul e 07 faixas preta), (idade 21 [+ or -] 4 anos, estatura 170 [+ or -] 5 cm, massa corporal 68,94 [+ or -] 10,62 kg, massa gorda 11,67 [+ or -] 2,72 %G, massa magra 60, 59 [+ or -] 7,48 kg), todos com tempo minimo de 3 anos e Maximo 6 anos de treino na modalidade, sendo os sujeitos do sexo masculino.

Procedimentos

Todos os atletas foram esclarecidos antes de iniciar os procedimentos sobre os objetivos e metodos da pesquisa, alem dos riscos e beneficios associados com o protocolo dos testes, e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido.

Avaliacao antropometrica

Para caracterizacao do grupo de atletas foram mensuradas as seguintes variaveis antropometricas: estatura, massa corporal e espessura das dobras cutaneas. O percentual de gordura foi calculado a partir da equacao proposta por Faulkner (1968), que considera as seguintes dobras cutaneas: supra-iliaca, abdomen, triceps e subescapular.

Teste progressivo especifico para taekwondo-tet

O teste foi realizado em uma area de luta 2x2 demarcado com tatame, em um saco de pancada 1,60 por 1,20 m, o atleta realizou chutes bandal tchagui em uma altura entre o umbigo e os mamilos, sendo que esta altura marcada com um colete de taekwondo "protetor de torax" colocado em torno do saco de pancada e ajustado individualmente na altura de cada atleta.

Os sujeitos iniciaram o TET com a perna direita, com frequencia de seis chutes no primeiro estagio de 100 segundos, os testados executaram chutes alternando as pernas e a execucao do chute determinada por um sinal sonoro, ocorrendo um incremento de quatro chutes e uma reducao constante no tempo dos estagios seguintes.

Os atletas mantiveram sempre a base em step durante todo o teste. Criterios utilizados para finalizar o teste: a) o praticante nao conseguiu acompanhar a frequencia de chutes (determinada por sinal sonoro); b) nao alcancou a altura previamente estipulada; c) exaustao voluntaria (Sant' Ana e colaboradores, 2016).

Identificacao do ponto de deflexao da frequencia cardiaca

Foram identificados o Ponto de Deflexao da Frequencia Cardiaca (PDFC) pelo metodo Dmax (Kara e colaboradores, 1996), ajustado os pontos da curva de frequencia cardiaca versus a frequencia de chutes dos estagios no TET, por meio de uma funcao polinomial de terceira ordem, ligando-se os dois extremos da curva com uma reta, o ponto mais distante entre as duas linhas foi considerado como PDFC.

Foram utilizados apenas valores iguais ou superiores a 140 bpm. A frequencia de chutes do estagio do PDFC e chamada de Frequencia de Chute de Ponto de Deflexao da Frequencia Cardiaca (FC[H.sub.PDFC]).

Estatistica

Para apresentacao dos dados foi utilizada estatistica descritiva (media e desvio padrao) sendo a normalidade dos mesmos verificados mediante o teste de Shapiro-Wilk.

Para verificar se ha diferenca entre os valores medios do TET entre os faixas azuis e faixas pretas foi utilizado o test t student para amostras independentes.

Para as analises e tratamento dos dados serao utilizados os softwares Microsoft Office Excel 2007, o SPSS 17.0. Foi adotado nivel de significancia p<0,05.

RESULTADOS

A tabela 2 mostra os valores medios obtidos no TET (no 12) com a F[C.sub.Max] ficando em (202 [+ or -] 8 bpm), a F[C.sub.Max] teorica (199 [+ or -] 3 bpm), (220- idade).

O percentual da FCMax media no TET em relacao a F[C.sub.Max] (teorica) 102 [+ or -] 4%, o PDFC ficou com media de (185 [+ or -]11 bpm), e um percentual de 91 [+ or -] 3%, a frequencia de chutes maxima com media 39,3 [+ or -] 5,48, e a frequencia de chutes correspondente ao ponto de deflexao da frequencia cardiaca com a media de (18 [+ or -] 3), e o percentual da frequencia de chutes maxima com uma media de (47 [+ or -] 4%).

DISCUSSAO

O objetivo do presente estudo foi de avaliar os indicadores especificos, de capacidade (FC[H.sub.PDFC]) e potencia aerobia (FC[H.sub.Max]) em atletas de Taekwondo e se ha diferencas significativas entre atletas faixa azul e preta de Taekwondo, submetidos ao Teste Progressivo Especifico para Taekwondo (TET).

Apesar dos atletas faixa azul serem menos graduados no Taekwondo, conforme observado na tabela 3, nao foram encontradas diferencas significativas no presente estudo, tanto para a FC[H.sub.Max], quanto para FC[H.sub.PDFC] em relacao aos atletas faixa preta. Alguns motivos podem justificar essa similaridade dos atletas, o fato de os atletas faixa azul ja terem uma boa condicao fisica apos 3 anos de pratica na modalidade, desta forma eles nao diferem tanto em relacao aos faixas preta e um outro fator seria o fato de ambos os grupos de atletas serem submetidos ao mesmos programas e metodos de treinamento, levando a adaptacoes similares no desempenho do TET.

Porem, o presente estudo nos permite apontar que as variaveis identificadas sao parametros que podem auxiliar para prescricao de treinamento especifico

para cada atleta, proporcionando aos treinadores a determinacao de indices que podem ser usados para uma possivel selecao, ou classificacao de atletas em funcao do desempenho apresentado.

O PDFC e as FCH identificados no presente estudo, a partir do TET, possibilitam estabelecer relacoes de esforco/pausa em intensidade relativa de forma mais individualizada com maior controle da intensidade do treinamento ao elaborar rounds de treinamento em intensidades especifica, seja monitorando a frequencia cardiaca dos atletas ou por meio da FCH determinada por sinal sonoro (Sant' Ana e colaboradores, 2011).

Durante competicoes de nivel internacional atletas de Taekwondo realizam 8 [+ or -] 3 ataques de alta intensidade com duracao de cerca de 1,3 [+ or -] 0,4 s cada, intercalados com 9,2 [+ or -] 3,9 s de trabalho de step e 6,0 [+ or -] 3,9 s de interrupcoes resultantes das intervencoes do arbitro, uma razao de acoes de alta/baixa intensidade de 1:9 e uma razao de acoes de acoes de alta/baixa intensidade e pausa de 1:15 (Santos e colaboradores, 2011).

Sendo assim, a relacao esforco pausa se apresenta como uma caracteristica importante nas competicoes de Taekwondo e as intensidades de FCH identificadas no TET podem ser uteis para prescricao do treinamento tecnico de chutes afim de que, se controle e submetam-se os atletas de Taekwondo a intensidades proximas as vivenciadas em situacoes competitivas.

No presente estudo os resultados de PDFC (91% da F[C.sub.Max]), apresentados na tabela 2, estao de acordo com os valores encontrados em estudos anteriores realizados utilizando o TET, com 11 atletas, onde o PDFC foi identificado a 92% da F[C.sub.Max] (SANT' ANA, 2007), com 12 atletas, PDFC a 94% da F[C.sub.Max] (SANT' ANA e colaboradores, 2009), com 7 atletas, PDFC a 91% da F[C.sub.Max] (Sant' Ana, Liberali, Navarro, 2011) e com 18 atletas, PDFC a 91% da F[C.sub.Max] (Sant' Ana, 2013).

O PDFC e geralmente encontrado em intensidade semelhante ao segundo limiar de lactato ou ponto de compensacao respiratoria. E importante ressaltar que estudos recentes mostraram que as respostas VO2 associadas ao ponto de compensacao respiratoria sao semelhantes as observadas intensidade correspondente a maxima fase estavel de lactato (Keir e colaboradore, 2015; Mattioni Maturana e colaboradores, 2016).

Portanto, essa intensidade de exercicio pode ser considerada para caracterizacao da intensidade do exercicio, quanto aos dominios fisiologicos e para determinar o limiar de transicao fisiologica e que delimita os limites quanto a solicitacao aerobia ou anaerobia do exercicio.

Embora seja uma abordagem indireta para estabelecer o limite de transicao fisiologica do exercicio, o PDFC tem sido utilizado por varios autores e tem sido tipicamente encontrado em intensidade em torno de 88-94% da F[C.sub.Max] (Bodner; Rhodes, 2000; Bunc e colaboradores, 1995; Ribeiro e colaboradores, 1985), conforme observado na presente pesquisa e em estudos anteriores utilizando o TET.

Os valores absolutos (19 [+ or -] 4 e 17 [+ or -] 2 respectivamente faixas pretas e azuis) de FC[H.sub.PDFC] apresentados na tabela 3 desta pesquisa, tambem sao similares aos observados em estudos anteriores (Sant' Ana, 2007; Sant' Ana e colaboradores, 2009; Sant' Ana, Liberali, Navarro, 2011; Sant' Ana, 2013), porem o valor relativo de FC[H.sub.PDFC] (47% da FC[H.sub.Max]) foi menor do que os identificados nos estudos supracitados.

Possiveis explicacoes para tal observacao seriam o fato dos atletas do presente estudo apresentarem uma maior tolerancia ao lactato, em funcao de adaptacoes organicas associadas a seus treinamentos, o que permitiu retardar a fadiga e sustentar por mais tempo o protocolo antes de ocorrer a exaustao e um outro aspecto que poderia influenciar a manutencao do protocolo por mais tempo apos a determinacao da intensidade de limiar anaerobio (FC[H.sub.PDFC]), seria o fato de os atletas nao manter a intensidade e padrao tecnico do chute.

Por fim, o TET se mostrou como uma ferramenta de baixo custo, o teste pode ser utilizado para verificar se ha diferencas entre atletas de diferentes graduacoes, atraves de variaveis especificas como a FC[H.sub.PDFC] e a FC[H.sub.Max], medidas indicadoras de capacidade e potencia aerobia.

O teste pode ainda auxiliar treinadores tecnicos e atletas dessa modalidade, sendo que a partir dos parametros do TET e possivel dar subsidios que permitam determinar programas e intensidades de treinamentos especificos para cada atleta, respeitando os principios da especificidade.

Como sugestao para estudos futuros, seria interessante avaliar o desempenho no TET de atletas iniciantes com tempo de pratica de 6 meses ate 1 ano em relacao a atletas experientes com mais de 3 anos de pratica e a possibilidade de se verificar a influencia de diferentes programas e metodos de treinamento em grupos de atletas homogenios.

CONCLUSAO

Atletas faixas preta e azul nao apresentam diferencas significativas para os indicadores de capacidade e potencia aerobia (FC[H.sub.PDFC] e FC[H.sub.Max] respectivamente) identificados a partir do teste progressivo especifico para Taekwondo.

O TET mostra-se como um metodo simples para determinacao e controle de indicadores especificos e pode auxiliar no controle e elaboracao de um programa de treinamento individualizado para atletas de taekwondo.

REFERENCIAS

1-Bodner, M.E.; Rhodes, E.C. A Review of the Concept of the Heart Rate Deflection Point. International Journal of Sports Science. Vol. 30. Num. 1. p. 31-46. 2000.

2-Bouhlel, E.; Jouini, A.; Gmada, N.; Nefzi, A.; Abdallah, B. K.; Tabka, Z. Heart Rate and Blood Lactate Responses During Taekwondo Training and Competition. Science and Sports. Vol. 21 p. 285-290. 2006.

3-Bridge, CA, Jones, MA, Hitchen, p, Sanchez, X. Heart Rate Responses to Taekwondo Training in Experienced Practitioners. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 21. Num. 3. p. 718-23. 2007.

4-Bridge, C.A.; Jones, M.A.; Drust, B. Physiological Responses and Perceived Exertion During International Taekwondo Competition. International Journal of Sports Physiology and Performance. Vol. 4. p. 485-493. 2009.

5-Bunc, V.; Hofmann, P.; Leitner, H.; Gaisl, G. Verification of the Heart Rate Threshold. European Journal of Applied Physiology. Vol. 70. p. 263-269.1995.

6-Campos, F.A.D.; Bertuzzi, R.; Dourado, A.C.; Santos, V.G.F.; Franchini, E. Energy Demands in Taekwondo Athletes During Combat Simulation. European Journal of Applied Physiology. Vol. 112. Num. 4. p. 1221-1228. 2012.

7-Chiodo, S.; Tessitore, A.; Cortis, C.; Lupo, C.; Ammendolia, A.; Iona, T.; Capranica, L. Effects of Official Taekwondo Competitions on All-out Performances of Elite Athletes. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. p. 334-339. 2011a.

8-Faulkner, J.A. Physiology of Swimming and Diving. In Falls, H. Exercise Physiology, Baltimore: Academic Press. 1968.

9-Franchini, E.; Tabben, M.; Chaabene, H. Physiological Responses During Taekwondo Training and Competition. International SportMed Journal. Vol. 15. p. 500-515. 2014.

10-Kara, M.; Gokbel, H.; Bediz, C.; Ergene, N.; Ucok, K.; Uysal, H. Determination of the Heart Rate Deflection Point by the Dmax Method. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness. Vol. 36. Num. 1. p. 31-34. 1996.

11-Keir, D.A.; Fontana, F.Y.; Robertson, T.C.; Murias, J.M.; Paterson, D.H.; Kowalchuk, J.M.; Pogliaghi, S. Exercise Intensity Thresholds: Identifying the Boundaries of Sustainable Performance. Medicine and Science in Sports and Exercise. Vol. 47. p. 1932-1940. 2015.

12-Ribeiro, J.P.; Fielding, R.A.; Hughes, V.; Black, A.; Bochese, M.A.; Knuttgen, H.G. Heart Rate Break Point May Coincide With the Anaerobic Threshold and Not the Aerobic Threshold. International Journal of Sports Medicine. Vol. 6. p. 220-224. 1985.

13-Sant' Ana, J.; Fernandes, J.S.; Guglielmo, L.G.A. Variaveis Fisiologicas Identificadas em Teste Progressivo Especifico para Taekwondo. Motriz. Vol. 15. Num. 3. p. 611-620. 2009.

14-Sant' Ana, J.; Liberali, R.; Navarro, F. Treinamento de Resistencia Aerobia para Atletas de Taekwondo. Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio. Vol. 5. Num. 28. p. 308-316. 2011. Disponivel em: <http://www.rbpfex.com.br/index.php/rbpfex/article/view/346/333>

15-Sant' Ana, J. Validacao do Teste Progressivo Especifico para Taekwondo. Dissertacao de Mestrado. Universidade Federal de Santa Catarina. UFSC. 2013.

16-Sant' Ana, J.; Diefenthaeler, F.; Dal Pupo, J.; Detanico, D.; Guglielmo, L.G.A.; Santos, S.G. Anaerobic Evaluation of Taekwondo Athletes. International SportMed Journal. Vol. 15. p. 492-499. 2014.

17-Sant' Ana, J.; Franchini, E.; Silva, V.; Diefenthaeler, F. Effect of Fatigue on Reaction Time, Response Time, Performance Time, and Kick Impact in Taekwondo Roundhouse Kick. Sports Biomechanics. Vol. 5. p. 1-9. 2016.

18-Santos, V.G.; Franchini, E.; Lima-Silva, A.E. Relationship Between Attack and Skipping in Taekwondo Contests. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. p. 1743-1751. 2011.

Francisco Fernandes dos Santos (1), Jader Sant' Ana (2) Reginaldo Souza de Carvalho (1), Euliene Catil da Silva (1) Eduardo Leal da Costa (1)

(1-) ENAF, Desenvolvimento Servicos Educacionais, Brasil.

(2-) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianopolis-SC, Brasil.

Recebido para publicacao 23/04/2017

Aceito em 30/07/2017
Tabela 1 - Caracteristicas dos Atletas de Taekwondo (media [+ or -] dp)
n=12.

       Idade  Massa          Massa      Massa       Massa       Estatura
              corporal (kg)  gorda (%)  gorda (kg)  magra (kg)  (cm)

Media  20,92  68,94          11,67      8,27        60,59       1,70
DP      3,55  10,62           2,76      3,43         7,48%      0,05

Tabela 2 - Variaveis identificadas no Teste Progressivo Especifico para
Taekwondo (media [+ or -] dp). n=12.

       F[C.sub.Max]  FC[T.sub.Max]  F[C.sub.Max]      PDFC
       (bpm)         (bpm)          (%FC[T.sub.Max])  (bpm)

Media  202           199            102               185
DP       8             3              4                11

       PDFC             FC[H.sub.Max]  FC[H.sub.PDFC]  FC[H.sub.PDFC]
       (%F[C.sub.Max])                                 (%FC[H.sub.Max])

Media  91               39             18              47
DP      3                5              3               4

Legenda: F[C.sub.Max] = Frequencia Cardiaca maxima; FC[T.sub.Max]= 220
--idade; FCMax (%FC[T.sub.Max])= percentual da F[C.sub.Max] medida no
TET em relacao a F[C.sub.Max] (Teorica); PDFC = Ponto de Deflexao da
Frequencia Cardiaca; bpm = batimentos cardiacos por minutos; %FCmax =
percentual da Frequencia Cardiaca maxima; FC[H.sub.Max]= frequencia de
chutes maxima; FC[H.sub.PDFC]= Frequencia de Chute correspondente ao
ponto de deflexao da frequencia cardiaca; %FC[H.sub.Max]= percentual da
frequencia de chutes maxima.

Tabela 3 - Variaveis identificadas nos faixas azuis (n=5) e faixas
pretas (n=7) durante o TET (media [+ or -] dp).

                Faixa Preta    Faixa Azul     p

FC[H.sub.Max]   40 [+ or -] 6  38 [+ or -] 4  0,487
FC[H.sub.PDFC]  19 [+ or -] 4  17 [+ or -] 2  0,268

Legenda: FC[H.sub.Max] = frequencia de chutes maxima; FC[H.sub.PDFC] =
Frequencia de Chute correspondente ao ponto de deflexao da frequencia
cardiaca; (*) p<0,05.
COPYRIGHT 2018 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2018 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:dos Santos, Francisco Fernandes; Ana, Jader Sant'; de Carvalho, Reginaldo Souza; da Silva, Euliene C
Publication:Revista Brasileira de Prescricao e Fisiologia do Exercicio
Date:Jan 1, 2018
Words:3419
Previous Article:TREINAMENTO DA PRE EXAUSTAO: UMA EVIDENCIA BASEADA NA LITERATURA.
Next Article:EFEITO AGUDO DO TREINAMENTO DE FORCA SOBRE A FLEXIBILIDADE DE MEMBROS INFERIORES.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters