Printer Friendly

ATUALIDADES SOBRE A SUPLEMENTACAO NUTRICIONAL COM BETA-ALANINA NO ESPORTE.

RESUMO

O objetivo deste artigo foi discutir possiveis beneficios, formas de suplementacao, riscos e prejuizos da utilizacao da [beta]-alanina, com base nos dados disponiveis na literatura cientifica atual. Realizou-se revisao da literatura baseada em publicacoes nacionais e internacionais (2002-2014), com busca em bases de dados eletronicas: Lilacs, Pubmed, Scielo, Bireme e Quiron. A [beta]-alanina e obtida pela dieta e e precursora da carnosina, que esta fibras musculares e funciona como tampao, agindo contra a fadiga muscular induzida por acidose. Em estudo com universitarios norte-americanos, praticantes de wrestling (n=22) e jogadores de futebol (n=15), que consumiram 4g/dia/[beta]-alanina ou placebo durante 8 semanas, o grupo suplementado apresentou aumento de desempenho e maior sintese de massa magra em relacao ao placebo (p>0,05). Outro estudo, com remadores belgas (2.000m), verificou aumento de performance apos consumo de 5g/dia/[beta]-alanina (sete semanas) (p>0,05). Um estudo realizado em 2014, com 9 esquiadores de elite da Suica, suplementados com 4,8g/dia/[beta]-alanina durante 5 semanas, mostrou que o suplemento melhorou o desempenho maximo (p=0,02), reduziu o deficit de oxigenio (p=0,06), o acumulo de lactato (31%) e reforcou a energia aerobia (p=0,07) desses atletas. Estudo recente com 40 homens, ciclistas treinados e individuos nao treinados de Sao Paulo, suplementados com 6,4g/dia/[beta]-alanina (4 semanas), apontou melhora de desempenho fisico em treinados (p=0,002) e nao treinados (p=0,03). A maioria dos estudos sobre suplementacao de [beta]-alanina mostraram aumento de carnosina muscular e melhor desempenho esportivo, tanto em participantes treinados quanto nao treinados, supondo que o nivel de treinamento nao altera a eficacia da suplementacao.

Palavras-chave: Carnosina. Exercicio Fisico. Rendimento. Acidose. Suplementos Nutricionais.

ABSTRACT

Updates on nutritional supplementations with beta-alanine in sports

The aim of this article was to discuss possible benefits, forms of supplementation, risks and damages of the use of [beta]-alanine, based on available data in current scientific literature. A review of the literature was carried out based on national and international publications (2002-2014), searching in electronic databases: Pubmed, Lilacs, Scielo, Bireme and Quiron. [beta]-alanine is obtained by diet and it is a precursor of carnosine, which is in muscle fibers and acts against muscular fatigue induced by acidosis. In a study with American students, wrestling athletes (n=22) and football players (n=15), who consumed 4g/dia/[beta]-alanine or placebo for 8 weeks, the supplemented group showed increased performance and greater synthesis of lean mass compared to placebo (p>0,05). Another study, with Belgian rowers (2.000m), verified performance boost after consumption of 5g/dia/[beta]-alanine (seven weeks) (p>0,05). A study carried out in 2014, with nine elite skiers in Switzerland, supplemented with 4,8g/dia/[beta]-alanine during 5 weeks, showed that the supplement improved the maximum performance (p=0,02), reduced the oxygen deficit (p=0,06) and lactate accumulation (31%), and reinforced the aerobic energy (p=0,07) of these athletes. Recent study with 40 men, cyclists trained and untrained individuals from Sao Paulo, supplemented with 6,4g/dia/[beta]-alanine (4 weeks), pointed out physical performance improvement in trained (p=0,002) and untrained (p=0,03). Most studies on [beta]-alanine supplementation showed increased muscle carnosine and better sports performance, both trained and non-trained participants, indicating that the level of training does not alter the effectiveness of supplementation.

Key words: Carnosine. Physical Exercise. Incoming. Acidosis. Nutritional Supplements.

INTRODUCAO

O consumo de suplementos nutricionais e suas implicacoes

A busca por um melhor condicionamento fisico e uma boa forma fisica tem levado pessoas de todas as idades a pratica de exercicios fisicos. Nos ultimos anos, a insatisfacao corporal vem crescendo entre as pessoas, que com o objetivo de melhorarem a aparencia fisica, tem recorrido ao uso de recursos ergogenicos, como por exemplo, os suplementos nutricionais (Schimitz e Campagnolo, 2013).

Assim, a procura por um corpo perfeito e pela melhora do desempenho fisico tem influenciado muitas pessoas a utilizarem recursos que prometam a satisfacao de seus objetivos no menor tempo possivel. Alem disso, a crescente pressao da sociedade e da midia em relacao ao corpo padrao faz com que a popularidade dos suplementos nutricionais seja cada vez maior, tanto no meio esportivo quanto nas academias (Zeiser e Silva, 2007; Schneider e colaboradores, 2008).

Pesquisas realizadas no Brasil apontam que o uso de suplementos nutricionais, especialmente de origem proteica, dentre a populacao nao atleta e expressiva, principalmente entre o publico praticante de exercicios fisicos em academias (Hirschbruch; Fisberg; Mochikuki, 2008; Albino; Campos; Martins e colaboradores, 2009).

Os suplementos alimentares ou nutricionais sao definidos como substancias adicionadas a dieta principalmente: vitaminas, minerais, ervas e botanicos, aminoacidos, metabolicos, constituintes, extratos ou combinacoes de qualquer desses ingredientes, com os objetivos principais de complementar a dieta, suprindo as necessidades nutricionais dos individuos ou agindo como recurso ergogenico (Zeiser e Silva, 2007; Hallak, Frabrini, Peluzio, 2007).

Estes produtos sao desenvolvidos pela industria de alimentos e comercializados em diferentes locais como academias, farmacias, lojas virtuais e lojas fisicas especializadas, com a promessa de melhorar a performance em exercicios.

Dessa forma, os suplementos nutricionais sao compostos de nutrientes cujas fontes sao os alimentos consumidos na alimentacao normal, porem, estes sao vendidos, apos a industrializacao, sob diversas formas (liquidos, pos, gel, capsulas) (Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte, 2009; Schneider e colaboradores, 2008).

Segundo a Resolucao da Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria - Anvisa (Brasil, 2008), o publico alvo deste tipo de produto e o atleta, caracterizado pela resolucao como: "o praticante de exercicio fisico com especializacao e desempenhos maximos, com o objetivo de participacao em esportes e com esforco muscular intenso". Esta definicao limita o uso de suplementos para somente os individuos atletas.

A Diretriz da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (2009), por sua vez, evidenciou que, para praticantes de exercicios fisicos sem preocupacoes com desempenho, uma dieta balanceada, que atenda as necessidades dadas a populacao em geral, e suficiente para a manutencao da saude e para um bom desempenho fisico.

Assim, o uso de suplementos nutricionais relacionados a atividade fisica e destinado para atletas, como estrategia complementar a alimentacao saudavel, quando esta e insuficiente para atender as demandas do exercicio.

Entretanto, embora exista a recomendacao de que os suplementos nutricionais voltados para a atividade fisica sejam somente utilizados por atletas, estes vem sendo cada vez mais utilizados, de forma indiscriminada e sem orientacao de profissionais medicos e nutricionistas. O forte apelo do marketing populariza estes produtos, o que leva ao uso indevido, como quantidade ou tempo inapropriado.

Ainda, observa-se uma diversidade na formacao profissional dentre as pessoas que indicam o uso de suplementos nutricionais. As principais fontes de prescricao seriam os treinadores e/ou educadores fisicos, seguidos de vendedores de loja e amigos (Hirschbruch; Fisberg; Mochikuki, 2008; Araujo; Andreolo e Silva, 2002).

[beta]-alanina como suplemento nutricional

Apesar da variedade da oferta e do consumo excessivo de suplementos nutricionais, apenas algumas substancias ergogenicas tem sido efetivamente apoiadas por evidencia cientifica. Um dos suplementos que entrou recentemente para o mercado e a [beta]-alanina, que comeca a apresentar evidencias iniciais de efetividade em pesquisas cientificas (Stout e colaboradores, 2008; Derave e colaboradores, 2010; Hobson e colaboradores, 2012).

A suplementacao com [beta]-alanina tem crescido exponencialmente nos ultimos anos, principalmente em esportes que incluem exercicios de alta intensidade, e esta substancia vem sendo muito utilizada com o objetivo de melhorar a performance do exercicio e diminuir a fadiga muscular postreino (Derave e colaboradores, 2010).

Hobson e colaboradores (2012) apontaram que a [beta]-alanina parece ser mais util em atividades com duracao entre os 60 e os 240 segundos e que os efeitos da suplementacao com esta substancia em atividades com duracao inferior a 60 segundos nao sao significativos.

Pesquisas tem apontado que beneficios no desempenho esportivo observados com a suplementacao de [beta]-alanina nao sao diretamente causados pela acao da [beta]-alanina, mas principalmente, por ela ser um intermediario da sintese de carnosina no tecido muscular (Stout e colaboradores, 2008).

Por outro lado, estudos mostraram que a [beta]-alanina pode causar rubor e parestesia, o que poderia afetar a destreza, coordenacao, equilibrio, orientacao espacial, forca e resistencia. Existe ainda a possibilidade teorica de que [beta]-alanina pode reduzir os niveis de taurina no corpo, e a taurina e necessaria para ajudar a regular a composicao de fluidos corporais (Harris e colaboradores, 2006; Colina e colaboradores, 2007).

Dessa forma, dadas as controversias relacionadas as evidencias da suplementacao com [beta]-alanina, o presente estudo teve como objetivo discutir os possiveis beneficios, formas de suplementacao, riscos e prejuizos da utilizacao desta substancia, com base nos dados disponiveis na literatura atual.

METERIAIS E METODOS

O presente trabalho caracterizou-se como uma pesquisa de revisao da literatura baseada em artigos cientificos publicados em nivel nacional e internacional, em periodicos indexados, entre os anos de 2002 a 2014.

A busca foi realizada nas seguintes bases de dados e sitios eletronicos de bibliotecas virtuais: Lilacs, Pubmed, Scielo, Bireme e Catalogo online Quiron - Biblioteca do Centro Universitario Sao Camilo.

Para essa pesquisa foram usadas as tecnicas booleanas "and", "or" e "not" com os descritores, tais como: "beta-alanina", "carnosina", "suplementacao", "desempenho atletas", "exercicio fisico" e suas versoes na lingua inglesa e espanhol.

Foram encontrados 9 artigos, dentre os quais 6 representaram estudos com a administracao de [beta]-alanina e avaliacao de resultados em atletas de diferentes modalidades esportivas.

REVISAO DA LITERATURA

[beta]-alanina e metabolismo

A [beta]-alanina e precursora da carnosina e deve ser fornecida pela dieta. O musculo esqueletico nao produz nenhum dos precursores da carnosina, ja que a histidina e um aminoacido essencial e a [beta]-alanina tem sua sintese endogena restrita aos hepatocitos (Hobson e colaboradores, 2012).

A sintese de carnosina e realizada, primordialmente, no musculo esqueletico a partir dos aminoacidos L-histidina e [beta]-alanina em uma reacao catalisada pela enzima carnosina sintase. Encontrada em alguns tipos de carne, a carnosina pode ser obtida pela dieta, mas nao e absorvida em sua forma integra, ja que a enzima carnosinase presente no aparelho digestorio, rapidamente hidrolisa este dipeptideo (Hobson e colaboradores, 2012).

Como a enzima carnosina sintase tem afinidade maior para a histidina do que para a [beta]-alanina e como a concentracao de histidina tanto no meio extra quanto no intracelular e substancialmente maior do que a de [beta]-alanina, fica claro que in vivo a sintese de carnosina e, em condicoes fisiologicas, limitada pela disponibilidade de [beta]-alanina. O aumento da concentracao intramuscular de [beta]-alanina e a mais eficiente maneira de se aumentar a sintese endogena de carnosina e, consequentemente, a capacidade tamponante das celulas musculares (Harris e colaboradores, 2006).

A carnosina e uma importante molecula encontrada nas fibras musculares, que age contra a fadiga muscular, pois funciona como um tampao que inibe os efeitos negativos da liberacao de ions H+ e, deste modo, contra a fadiga muscular induzido por acidose (Hobson e colaboradores, 2012).

Suplementacao de beta-alanina no esporte

Dentre os beneficios postulados por pesquisadores para a suplementacao nutricional de atletas com [beta]-alanina estao: melhoria no desempenho geral e aumento de massa corporal magra; retardo da fadiga neuromuscular e exaustao; menor tempo de recuperacao entre os exercicios (Artioli e colaboradores, 2010; Stout e colaboradores, 2007; Derave e colaboradores, 2010, Smith e colaboradores, 2009).

Um dos maiores desafios enfrentados na pratica de exercicios de alta intensidade esta relacionado ao retardamento do inicio da fadiga muscular. Uma vez iniciado o processo de fermentacao lactea, o pH do musculo decai e, como consequencia, tem-se interrompida a glicolise, o processo normal de contracao muscular e a resintese de fosfocreatina (Hobson e colaboradores, 2012)

A manutencao do pH intracelular durante o exercicio e de extrema importancia para a funcao muscular normal em atletas. A fim de manter a homeostase do pH, varios sistemas tampoes estao envolvidos, incluindo a exportacao ativa de H+ do musculo. No entanto, a primeira linha de defesa continua sendo o tamponamento de H+ por tampoes intracelulares, principalmente compostos de fosfatos e carnosina (Harris e colaboradores, 2006).

Dessa maneira, acredita-se que o aumento dos niveis de carnosina no musculo esqueletico, devido a suplementacao com [beta]-alanina, deve melhorar a capacidade intramuscular de tamponamento, levando a um retardo no surgimento da fadiga em certos tipos de exercicio (Stout e colaboradores, 2008).

Kern e Robinson (2011), em seu estudo com 37 universitarios de Colorado - EUA, sendo 22 praticantes de wrestling e 15 jogadores de futebol consumiram 4g/dia de [beta]-alanina ou um placebo durante 8 semanas. O grupo suplementado com [beta]-alanina melhorou a sua performance e verificou um aumento de massa magra. Entretanto, as melhorias de desempenho foram maiores no grupo que recebeu o suplemento que apresentou aumento medio da massa magra em 1,1 Kg, enquanto o grupo placebo perdeu 0,98Kg de massa magra, em ambas as modalidades. Os dois grupos de jogadores de futebol ganharam peso, no entanto, o grupo suplemento ganhou um peso medio de 2,1 Kg de massa magra em comparacao com 1,1 Kg para o placebo (Kern e Robinson, 2011).

A [beta]-alanina parece ter a capacidade de aumentar o desempenho e estimular a acumulacao de massa magra em um curto espaco de tempo (8 semanas) em atletas previamente treinados. O regime de treinamento pode ter um efeito sobre o grau de beneficio de suplementacao de [beta]-alanina (Kern e Robinson, 2011).

Outro estudo, realizado com praticantes de remo na Belgica (2.000m), verificou que os atletas conseguiram aumentar a sua performance depois de consumirem 5g/dia de [beta]-alanina durante sete semanas. Apos a suplementacao, o grupo [beta]-alanina foi 4,3s mais rapido do que o grupo do placebo.

O aumento da carnosina muscular foi positivamente correlacionado com a melhoria de desempenho em 2.000m (p=0,042). Os autores concluiram que a carnosina muscular exerceu um papel importante no desempenho desses atletas, sugerindo que a carnosina muscular e um novo fator determinante do desempenho de remo (Baguet e colaboradores, 2010).

No entanto, estes efeitos positivos encontrados por Baguet e colaboradores (2010) nao foram confirmados em um estudo realizado na Australia com 16 homens bem treinados do remo ergometro (2.000m), que foram suplementados durante 28 dias com 7g/dia de [beta]-alanina. Os pesquisadores nao encontraram resultados conclusivos e estatisticamente significativos para melhoria no desempenho, visto que o periodo de suplementacao foi de quatro semanas, menor tempo em relacao aos outros estudos (Ducker; Dawson; Wallman, 2013).

Gross e colaboradores (2014), em estudo realizado com nove esquiadores de elite da Suica, que foram suplementados com 4,8g/dia de [beta]-alanina ou placebo durante 5 semanas em uma forma de duplo-cego. A [beta]-alanina melhorou o desempenho maximo desses atletas, reduziu o deficit de oxigenio (p=0,06), o acumulo de lactato e reforcou a energia aerobia (p=0,07). Estes efeitos nao foram observados com o grupo placebo (Gross e colaboradores, 2014).

Hill e colaboradores (2007), analisaram a influencia da suplementacao de [beta]-alanina em ciclistas de alta intensidade no Reino Unido. Foram suplementados 13 atletas do sexo masculino com 6,4g/dia por 4 semanas, sendo 8 destes por 10 semanas. A carnosina muscular aumentou significativamente, e foi de 58,8% para 80,1% apos a suplementacao de [beta]-alanina por 4 e 10 semanas. Os niveis de taurina nao sofreram alteracoes durante as 10 semanas de suplementacao da [beta]-alanina (Hill e colaboradores, 2007).

Outro estudo realizado com 41 nadadores de elite da Australia, sendo 23 homens e 18 mulheres. Foram suplementados com 4,8g/dia de [beta]-alanina por 4 semanas e posteriormente receberam 3,2g/dia ate atingir 10 semanas de suplementacao. Embora tenha havido uma melhoria transitoria no desempenho do treinamento apos 4 semanas de suplementacao com [beta]-alanina (-1,3% [+ o -] 1,0%), houve um claro efeito de dez semanas (-0,2% [+ o -] 1,5%). Os pesquisadores concluiram que a suplementacao de [beta]-alanina parece ter um efeito minimo sobre o desempenho postreinamento e competicao dos atletas de natacao (Chung e colaboradores, 2012).

Utilizacao da [beta]-alanina em nao treinados

Estudo realizado nos Estados Unidos com 46 homens recreativamente ativos analisou os efeitos da suplementacao de [beta]-alanina e intervalado de alta intensidade sobre o desempenho de resistencia e composicao corporal em homens por um periodo de 42 dias. Todos os individuos foram suplementados aleatoriamente com 6g/dia de placebo ou [beta]-alanina. Apos tres semanas de treinamento houve aumento da utilizacao de oxigenio durante o exercicio, menor tempo de fadiga e maior limiar ventilatorio (p=0,05). Porem, a melhora significativa desses valores alem do aumento de massa magra ocorreu somente no grupo suplementado com [beta]-alanina (Smith e colaboradores, 2009).

Del Favero e colaboradores (2012), investigaram os efeitos da suplementacao de [beta]-alanina na capacidade de exercicio e o conteudo de carnosina muscular em idosos no Brasil. Foram analisados 18 idosos saudaveis, de ambos os sexos, com idade entre 60-80 anos, os quais receberam suplementacao aleatoria de placebo (800mg 2x/dia) ou [beta]-alanina (3,2g de [beta]-alanina/dia = 800mg 2x/dia) durante 12 semanas. Um aumento significativo do conteudo de carnosina muscular do musculo gastrocnemio, de 85,4%, foi mostrado no grupo [beta]-alanina quando comparado com o grupo de placebo (7,2%) (p=0,004). A suplementacao de [beta]-alanina foi eficaz em aumentar o conteudo de carnosina no musculo do idoso, com melhorias na capacidade de exercicio fisico, podendo retardar a perda muscular devido ao envelhecimento (Del Favero e colaboradores, 2012).

Um outro estudo realizado com 40 homens, ciclistas treinados e individuos nao treinados em Sao Paulo. A suplementacao foi realizada com a ingestao de 6,4g/dia de [beta]-alanina ou placebo, durante 4 semanas. Antes e apos o periodo de suplementacao, os participantes completaram o teste de Wingate para membro inferior, com 30 segundos de duracao. O trabalho total realizado foi significativamente aumentado apos o periodo de suplementacao com [beta]-alanina em nao treinados (p=0,03) e treinados (p=0,002) em relacao aos individuos placebo. As quatro semanas de suplementacao com [beta]-alanina foram efetivas em melhorar o desempenho fisico intermitente de membros inferiores em ambos os participantes treinados e nao treinados. Estes dados ressaltam a eficacia ergogenica da suplementacao de [beta]-alanina para exercicios de alta-intensidade, independentemente do estado de treinamento do individuo (Painelli, 2013).

CONCLUSAO

Os estudos realizados com suplementacao de [beta]-alanina mostraram aumento de carnosina muscular. Alem disso, os resultados atuais mostram que tanto participantes treinados quanto os nao treinados melhoraram igualmente o seu desempenho, supondo que o nivel de treinamento nao altera a eficacia da suplementacao de [beta]-alanina (Kendrick e colaboradores, 2009).

Entretanto, a Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria - Anvisa (Brasil, 2008) e a Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte (2009) nao citam a [beta]-alanina como suplemento nutricional, provavelmente, por ser uma substancia que tem sido mais investigada recentemente. Assim, e necessaria cautela na prescricao deste suplemento no pais, pois seu uso nao e proibido e nem, ate o momento, regulamentado.

REFERENCIAS

1-Artioli, G.G.; Gualano, B.; Smith, A.; Stout, J.; Lancha, A.H.JR. Role of Beta-Alanine Supplementation on Muscle Carnosine and Exercise Performance. Medicine & Science in Sports & Exercise. Vol. 42. Num. 6. 2010. p. 1162-1173.

2-Baguet, A.; Bourgois, J.; Vanhee, L; Achten. E.; Derave, W. Important Role of Muscle Carnosine in Rowing Performance. Journal of Applied. Physiology. Vol. 109. Num. 4. 2010. p. 1096-1101.

3-Brasil, 2008. Ministerio da Saude. Agencia Nacional de Vigilancia Sanitaria. Consulta Publica n[degrees] 60, de 13 de novembro de 2008. Regulamento tecnico de Alimentos para atletas. Disponivel em: http://www4.anvisa.gov.br/base/visadoc/CP/CP %5B24416-1-0%5D.PDF. Acesso em: 18/08/2014.

4-Caruso, J.; Charles, J.; Unruh, K.; Giebel, R.; Learmonth, L.; Potter, W. Ergogenic of [beta]-Alanine and Carnosine: Proposed Future Research to Quantify Their Efficacy. Nutrients. Vol. 4. Num. 7. 2012. p. 585-601.

5-Chung, W.; Shaw, G.; Anderson, M.E.; Pyne, D.B.; Saunders, P.U.; Bishop, D.J.; Burke, L.M. Effect of 10 Week Beta-Alanine Supplementation on Competition and Training Performance in Elite Swimmers. Nutrients. Vol. 4. Num. 10. 2012. p. 1441-1453.

6-Del Favero, S.; Roschel, H.; Solis, M.Y.; Hayashi, A.P.; Artioli, G.G.; Otaduy, M.C.; Benatti, F.B.; Harris, R.C.; Wise, J.A.; Leite, C.C.; Pereira, R.M.; de Sa-Pinto, A.L.; Lancha Junior, A.H.; Gualano, B. Beta-alanine (Carnosyn[TM]) Supplementation in Elderly Subjects (60-80 years): Effects on Muscle Carnosine Content and Physical Capacity. Amino Acids. Vol. 43. Num. 1. 2012. p. 49-56.

7-Derave, W.; Everaert, I.; Beeckman, S.; Baguet, A. Muscle Carnosine Metabolism and Beta-Alanine Supplementation in Relation to Exercise and Training. Sports Medicine. Vol. 40. Num. 3. 2010. p. 247-263.

8-Ducker, K.; Dawson, B.; Wallman, K.E. Effect of Beta-Alanine Supplementation on 2000-m Rowing-Ergometer Performance. International Journal Sport Nutrition and Exercise Metabolism. Vol. 23. Num. 4. 2013. p. 336-343.

9-Gross, M.; Bieri, K.; Hoppeler, H.; Norman, B.; Vogt, M. Beta-Alanine Supplementation Improves Jumping Power and Affects Severe-Intensity Performance in Professional Alpine Skiers. International Journal of Sport Nutrition and Exercise Metabolism. 2014.

10-Hallak, A.; Frabrini, S.; Peluzio, M.C.G. Avaliacao do Consumo de Suplementos Nutricionais em Academias da Zona Sul de Belo Horizonte, MG, Brasil. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 1. Num. 2. 2007. p. 55-60. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/18/17>

11-Harris, R.C.; Tallon, M.J.; Dunnett, M.; Boobis, L; Coakley, J.; Kim, H.J.; Fallowfield, J.L.; Hill, C.A.; Sale, C; Wise, J.A. The Absorption of Orally Supplied Beta-Alanine and its Effect on Muscle Carnosine Synthesis in Human Vastus Lateralis. Amino Acids. Vol. 30. Num. 3. 2006. p. 279-289.

12-Hill, C.A.; Harris, R.C.; Kim, H.J.; Harris, B.D.; Sale, C; Boobis, L.H.; Kim, C.K.; Wise, J.A. Influence of Beta-Alanine Supplementation on Skeletal Muscle Carnosine Concentrations and High Intensity Cycling Capacity. Amino Acids. Vol. 32. Num. 2. 2007. p.225-233.

13-Hirschbruch, M.D; Carvalho, J.R. (org). Nutricao Esportiva: uma visao pratica. 2. ed. Barueri. Manole, 2002. p. 123-158.

14-Hobson, R.M.; Saunders, B.; Ball, G.; Harris, R.C.; Sale, C. Effects of [beta]-Alanine Supplementation on Exercise Performance: A Meta-Analysis. Amino Acids. Vol. 43. Num. 1. 2012. p. 25-37.

15-Kendrick, IP.; Kim, H.J.; Harris, R.C.; Kim C.K.; Dang, V.H.; Lam, T.Q.; Bui, T.T.; Wise, J.A. The Effect of 4 Weeks Beta-Alanine Supplementation and Isokinetic Training on Carnosine Concentrations in Type I and II Human Skeletal Muscle Fibres. European Journal Applied Physiology. Vol. 106. Num. 1. 2009. p. 131-138.

16-Kern, B.; Robinson, T. Effects of [beta]-alanine Supplementation on Performance and Body Composition in Collegiate Wrestlers and Football Players. Journal of Strength and Conditioning Research. Vol. 25. Num. 7. 2011. p. 1804-1815.

Aaa

17-Painelli, V. S. Influencia do Estado de Treinamento Sobre o Desempenho Fisico em Resposta a Suplementacao de Beta-Alanina. Dissertacao de mestrado. USP-RP. Sao Paulo. 2013.

18-Schmitz, J. F.; Campagnolo, P. D. B. Caracteristicas de Dismorfia Muscular em Praticantes de Musculacao: Associacao com o Consumo Alimentar. Brazil Journal Sports Nutrition. Vol. 2. Num. 2. 2013. p.1-8.

19-Schneider, C.; Machado, C.; Laska, S.M.; Liberali, R. Consumo de Suplementos Nutricionais por Praticantes de Exercicio Fisico em Academias de Musculacao de Balneario Camboriu-SC. Revista Brasileira de Nutricao Esportiva. Vol. 2. Num. 11. 2008. p. 307-322. Disponivel em: <http://www.rbne.com.br/index.php/rbne/article/view/74/72>

20-Smith, A.E.; Walter, A.A.; Crael, J.I.; Kendall, K.I.; Moon, J.R.; Lockwood, C.M.; Fukuda, D.H.; Beck, T.W.; Cramer, J.T.; Stout, J.R. Effects of Beta-Alanine Supplementation and High-Intensity Interval Training on Endurance Performance and Body Composition in Men: A Double-Blind Trial. Journal of the International Society of Sports Nutrition. Vol. 6. Num. 5. 2009. p.9.

21-Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. Diretriz da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte: Modificacoes Dieteticas, Reposicao Hidrica, Suplementos Alimentares e Drogas: Comprovacao de Acao Ergogenica e Potenciais Riscos para a Saude. Revista Brasileira de Medicina do Esporte. Vol. 15. Num. 3. 2009. p. 1-12.

22-Stout, J.R.; Cramer, J.T.; Zoeller, R.F.; Torok, D.; Costa, P.; Hoffman, J.R.; Harris, R.C.; O'Kroy, J. Effects of Beta-Alanine Supplementation on The Onset of Neuromuscular Fatigue and Ventilatory Threshold in Women. Amino Acids. Vol. 32. Num. 3. 2008. p. 381-386.

(1) -Discentes do curso de Nutricao do Centro Universitario Sao Camilo, Sao Paulo, Brasil.

(2) -Nutricionista, Especialista em Nutricao Clinica, Mestre em Saude Publica pela FSP-USP, Doutora em Medicina Preventiva pela FMUSP, Docente do Centro Universitario Sao Camilo, Sao Paulo e da Universidade Presbiteriana Mackenzie, Brasil.

(3) -Nutricionista Esportivo e Educador Fisico. Docente do curso de Nutricao e Educacao Fisica da Universidade de Sao Caetano do Sul-SP e dos cursos de pos-graduacao da Estacio, FMU, Fefisa e Enaf, Brasil.

E-mail:

carolcaberlim@gmail.com;

dannynene@ig.com.br

refurlan@gmail.com

rogeriofrade@ig.com.br

Endereco para correspondencia:

Carolina Caberlim Ferreira

Avenida Elisio Cordeiro de Siqueira, 1895.

Sao Paulo - Sao Paulo - Brasil.

Recebido para publicacao em 26/09/2014

Aceito em 10/11/2014

Carolina Caberlim Ferreira (1), Daniela Mariana dos Santos (1) Renata Furlan Viebig (2), Rogerio Eduardo Tavares Frade (3)
Quadro 1 - Resultados de pesquisas que investigaram os efeitos da
Suplementacao com [beta]-Alanina

Autor, data                    Suplementacao

Hill e colaboradores, 2007     6,4g/dia - 4 a 10 semanas

Smith e colaboradores, 2009    6g/dia - 6 semanas


Baguet e colaboradores, 2010   5g/dia - 7 semanas
Kern e Robinson, 2011          4g/dia - 8 semanas


Chung e colaboradores, 2012    3,2 a 4,8g/dia - 4 a 10
                               semanas
Del Favero e colaboradores,    3,2g/dia - 12 semanas
2012

Ducker; Dawson; Wallman, 2013  7g/dia - 4 semanas

Painelli, 2013                 6,4g/dia - 4 semanas


Gross e colaboradores, 2014    4,8g/dia - 5 semanas




Autor, data                    Perfil da Amostra

Hill e colaboradores, 2007     Homens nao treinados--Ciclismo
                               de alta intensidade
Smith e colaboradores, 2009    Homens nao treinados


Baguet e colaboradores, 2010   Remadores de elite
Kern e Robinson, 2011          Praticantes de wrestiling e
                               jogadores de futebol

Chung e colaboradores, 2012    Homens e mulheres nadadores de
                               elite
Del Favero e colaboradores,    Idosos ativos
2012

Ducker; Dawson; Wallman, 2013  Homens bem treinados de
                               remo ergometro
Painelli, 2013                 Homens treinados e nao treinados


Gross e colaboradores, 2014    Esquiadores de elite




Autor, data                    Resultados

Hill e colaboradores, 2007     [up arrow]significativo no
                               conteudo de carnosina muscular
Smith e colaboradores, 2009    [up arrow] da utilizacao de [O.sub.2]
                               durante o exercicio, menor tempo de
                               fadiga e maior limiar ventilatorio
Baguet e colaboradores, 2010   [up arrow]4,3s no desempenho de 2000m
Kern e Robinson, 2011          Wrestiling [up arrow]1,1 Kg de massa
                               magra; Jogadores de futebol [up arrow]
                               2,1Kg de massa magra
Chung e colaboradores, 2012    Efeito minimo no desempenho
                               pos-treinamento e competicao
Del Favero e colaboradores,    [up arrow] aumento do conteudo de
2012                           carnosina no musculo e na
                               capacidade de exercicio
Ducker; Dawson; Wallman, 2013  Suplementacao nao conclusiva para
                               melhora no desempenho
Painelli, 2013                 [up arrow] desempenho fisico
                               intermitente de membros inferiores
                               em ambos os participantes
Gross e colaboradores, 2014    [up arrow]desempenho maximo;
                               [up arrow]o acumulo de lactato e
                               deficit de [O.sub.2] e reforcou
                               a energia aerobia
COPYRIGHT 2015 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2015 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Caberlim Ferreira, Carolina; dos Santos, Daniela Mariana; Furlan Viebig, Renata; Tavares Frade, Roge
Publication:Revista Brasileira de Nutricao Esportiva
Date:May 1, 2015
Words:4937
Previous Article:GLUTAMINA COMO RECURSO ERGOGENICO NA PRATICA DO EXERCICIO FISICO.
Next Article:RBNE FOI INCORPORADA NA BASE ERIHPLUS.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2019 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters