Printer Friendly

APTIDAO FISICA RELACIONADA AO DESEMPENHO EM ADOLESCENTES PRATICANTES DE FUTSAL.

Physical fitness related to performance in teenage futsal practitioners

INTRODUCAO

A aptidao fisica e definida como a capacidade de desempenhar niveis moderados a intensos de atividade fisica sem fadiga exagerada e a possibilidade de manter esta capacidade ao longo da vida (Kraemer e colaboradores, 2017). E amplamente aceito os beneficios proporcionados pela pratica de exercicios regulares para incrementos positivos na aptidao fisica.

Esportes intermitentes de elevada intensidade, caracterizados por periodos curtos de recuperacao e em que acoes rapidas e intensas assumem particular importancia durante a pratica, podem servir para melhora da aptidao fisica (Silva e colaboradores, 2012).

O futsal possui estas caracteristicas, sendo tambem um dos esportes mais praticados no Brasil, independente da faixa etaria (Diesporte, 2015).

Embora uma concentracao de estudos tenha sido realizada com atletas profissionais, menor atencao foi dada aos efeitos da pratica sobre a aptidao fisica de atletas de categorias de base (Nunes e colaboradores, 2017).

Sabe-se que niveis adequados de aptidao fisica podem trazer melhores resultados aos praticantes, evitando lesoes e aumentando seu desempenho (Venancio e colaboradores, 2018).

Assim, o conhecimento dos aspectos relacionados a aptidao fisica de jovens atletas parece ser relevante tanto para a escolha das estrategias de preparacao fisica a serem aplicadas como para a deteccao e selecao de jovens talentos para a modalidade (Avelar e colaboradores, 2008).

As respostas produzidas por este estudo poderao orientar profissionais envolvidos com adolescentes praticantes de futsal no desenvolvimento de estrategias que busquem melhorar o desenvolvimento fisico e motor dos atletas.

Assim, o presente estudo teve como objetivo analisar a aptidao fisica relacionada ao desempenho de atletas da categoria sub17, bem como investigar sua relacao com a frequencia semanal de treinos.

MATERIAIS E METODOS

Delineamento do estudo

Estudo transversal realizado com adolescentes praticantes de futsal da cidade de Sao Goncalo do Amarante, Ceara. A cidade de Sao Goncalo do Amarante esta localizada na regiao metropolitana de Fortaleza capital do Ceara. Possui mais 42 mil habitantes e um Indice de Desenvolvimento Humano de 0,665.

Participaram do estudo, 34 adolescentes do sexo masculino com idades entre 16 e 17 anos, todos praticantes de futsal de uma escolinha esportiva da cidade de Sao Goncalo do Amarante.

Foram selecionados apenas aqueles que participavam dos treinamentos ha pelo menos um ano, de duas a cinco vezes por semana, com uma frequencia minima de 80%.

Inicialmente foi agendada uma data para a apresentacao da pesquisa aos adolescentes (exposicao dos objetivos e relevancia do estudo, e esclarecimento de possiveis duvidas) em uma segunda vista deuse inicio a realizacao dos testes com os adolescentes selecionados.

O estudo seguiu as normas internacionais para pesquisa em seres humanos e obedeceu a resolucao 466/12 do Conselho Nacional de Saude (CNS), que regulamenta a pesquisa envolvendo seres humanos no Brasil.

Todos os adolescentes participantes entregaram o TCLE assinado pelos pais e/ou responsaveis. O presente estudo foi aprovado pelo Comite de Etica em pesquisa da Faculdade Metropolitana da Grande Fortaleza (Fametro) (protocolo no: 1.131.237).

Indice de Massa Corporal

As medidas de peso e altura foram mensuradas diretamente, utilizando-se (i) balanca digital da marca Plenna[R], com capacidade para 150 kg e precisao de 100 g, e (ii) fita metrica metalica inextensivel, de 150 cm de comprimento e precisao de 1,0 mm, afixada a um metro de altura, sobre uma parede lisa.

Mensuraram-se os adolescentes sem calcados, com o minimo de roupas possivel, em sala reservada. O estado nutricional foi avaliado segundo o Indice de Massa Corporal (IMC) (IMC= peso/ [estatura.sup.2]).

A classificacao dos adolescentes nas categorias de IMC foi baseada nos pontos de corte proposto para adolescentes ate 17 anos (Conde e Monteiro, 2006) e pela Organizacao Mundial de Saude (OMS) para as adolescentes maiores de 18 anos (WHO, 1995).

Testes de aptidao fisica relacionada ao desempenho

Como indicador da aptidao fisica relacionada ao desempenho foi utilizado a bateria de testes e os criterios de classificacao do Projeto Esporte Brasil (PROESP, 2016). Os testes realizados foram: Forca de membros inferiores (salto horizontal), forca de membros superiores (arremesso de medicineball 2kg), velocidade (corrida de 20 metros), agilidade (teste do quadrado 4 metros) e aptidao cardiorrespiratoria (corrida/caminha de 09 minutos).

Para a analise dos dados, inicialmente recorreu-se a estatistica descritiva em (medias e desvio padrao). O teste ANOVA one way com Post hoc de Tukey foi empregado para comparar os escores medios da aptidao fisica relacionada ao desempenho com a frequencia de treinos semanais, adotando-se p<0,05.

A analise descritiva em frequencia absoluta (n) e relativa (%) foi utilizada para descrever a classificacao dos testes realizados. Todos os dados foram analisados atraves do software IBM SPSSR Statistics 21.0.

RESULTADOS

As principais caracteristicas do grupo estudado sao apresentadas na tabela 1. A amostra foi composta por 34 adolescentes do sexo masculino (media de idade [+ o -] DP = 16,57 [+ o -] 0,50 anos e IMC de 21,33 [+ o -] 2,92). A media

geral para o teste de agilidade foi de (6,05 [+ o -] 64,5), velocidade (3,17 [+ o -] 38,3), forca de membros inferiores (198,6 [+ o -] 58,0), forca de membros superiores (520,3 [+ o -] 121,3) e cardiorrespiratorio (1662,6 [+ o -] 303,3). Tabela 1.

A tabela 2 apresenta as medias e desvio padrao dos testes de aptidao fisica relacionados ao desempenho de acordo com a frequencia semanal de treinos. Em relacao ao teste de 9 minutos os resultados indicaram melhor desempenho entre os adolescentes que praticavam futsal de quatro a cinco vezes por semana (1848,7 [+ o -] 76,0) comparados aqueles que praticavam duas e tres vezes por semana (respectivamente, 1414,5 [+ o -] 359,5 e 1753,2 [+ o -] 207,5; p=0,004). Tabela 2.

A diferenca no teste cardiorrespiratorio em relacao a frequencia semanal de treinos e ilustrada na figura 1.

Os resultados mostram uma maior prevalencia de adolescentes classificados como excelentes apenas no teste de velocidade (30,0%). Tambem demonstram uma maioria de adolescentes classificados como fracos no teste de agilidade (63,3%). Tabela 3.

DISCUSSAO

Este estudo mostra um melhor desempenho no teste cardiorrespiratorio entre os adolescentes que praticavam futsal de quatro a cinco vezes por semana. Tambem demonstra que apenas no teste de velocidade houve uma maior prevalencia de adolescentes classificados como excelentes.

A estimativa de aptidao cardiorrespiratoria pelo teste de 9 min estudada no presente estudo refere-se a analise dos indicadores fornecidos pela distancia percorrida. O presente achado de melhor desempenho cardiorrespiratorio entre os adolescentes que treinavam mais vezes por semana e semelhante ao relatado por Silva e colaboradores (2017) em 38 adolescentes, de 13 a 17 anos, de uma cidade de grande porte do nordeste do pais.

O aumento da capacidade de VO2 esta relacionada a regularidade na pratica de exercicios fisicos, e quanto maior a frequencia de treinos mais o individuo aumenta sua capacidade cardiorrespiratoria (McArdle, Katch e Katch, 1991).

Destaca-se que alem da regularidade nos treinos as caracteristicas do esporte praticado podem contribuir para um aumento da aptidao cardiorrespiratoria, melhorando tambem caracteristicas morfologicas, funcionais e metabolicos de criancas e adolescentes, ocasionando, assim, um aumento nos niveis de aptidao fisica para alem daqueles causados pelos processos de crescimento e maturacao (Garlipp, 2006; Silva e colaboradores, 2017).

Os resultados do presente estudo indicaram que nao houve associacao entre a frequencia de treinos com os demais testes realizados. Resultado diferente foi encontrado em outros estudos, na ocasiao os autores registraram um melhor desempenho entre os individuos que praticavam futsal mais vezes por semana (Fiorante e Pellegrinotti, 2018; Silva e colaboradores, 2017).

A literatura destaca que quanto maior a frequencia de treinos, mais o atleta aperfeicoa seus movimentos, suas acoes motoras e a capacidade de realizar com mais eficiencia suas funcoes (McArdle, Katch e Katch, 1991).

Em relacao aos testes de forca de membros inferiores e forca de membros superiores uma maior frequencia de adolescentes foi classificada como "bom" ou "muito bom" e apenas no teste de velocidade uma maior frequencia foi classificada como "excelente". Estudos realizados com atletas de futsal espanhois e brasileiros, registraram altos valores de forca de membros inferiores, alem de boa agilidade e resistencia abdominal, provavelmente pelas exigencias especificas dos movimentos desempenhados durante os treinos e partidas (Molinuevo e Ortega, 1989; Santos e colaboradores, 1991).

Resultado diferente foi encontrado em estudo realizado por Silva e colaboradores (2017), com adolescentes praticantes de futsal escolar, na ocasiao uma maior prevalencia foi classificada como "fraco" ou "razoavel" nos testes de forca de membros inferiores e superiores.

A discrepancia nos resultados, pode ser explicada pelo menos em parte, pelo nivel de envolvimento dos praticantes, sabe-se que o futsal escolar nao possui as mesmas exigencias fisicas e tecnicas de uma equipe profissional.

No entanto, acredita-se que trabalhos voltados para o aperfeicoamento das capacidades fisicas e tecnicas possam ser inseridos em equipes de base e/ou escolares (Guedes, 2002).

Esta afirmacao reforca os resultados encontrados em 37 adolescentes do sexo feminino com idades de 13 a 14 anos praticantes de futsal de uma cidade de pequeno porte do sudeste do pais, onde os resultados demonstraram melhora na aptidao fisica a partir de um programa periodizado de futsal (Fiorante e Pellegrinotti, 2018).

Em relacao ao teste de agilidade, uma maioria de adolescentes foi classificada como "fraco". No futsal, assim como nas demais modalidades esportivas, algumas capacidades fisicas tem papel fundamental para o exito na pratica, dentre elas destacam-se a agilidade. A agilidade e componente imprescindivel para a pratica esportiva, e no futsal, tal componente e ainda mais importante, pois, requer do atleta movimentos rapidos e precisos, diante da velocidade e dinamismo deste esporte (Bompa, 2002).

Os resultados obtidos no presente estudo reforcam a necessidade de analise da aptidao fisica em adolescentes praticantes de futsal, com objetivo de identificar possiveis fatores que podem influenciar positivamente ou negativamente no rendimento desse publico.

CONCLUSAO

Os resultados do presente estudo indicam que uma maior frequencia semanal de treinos esta associada a melhora na aptidao cardiorrespiratoria.

Nao foi registrado diferencas significativas em relacao a frequencia de treinos com os demais testes realizados.

Sugere-se que estudos sobre aptidao fisica tenham seus resultados apresentados aos professores e/ou tecnicos de modalidades esportivas como ferramenta de auxilio na preparacao de seus treinos.

Recomenda-se ainda a realizacao de trabalhos periodizados dentro das categorias de base e ate mesmo escolares, com objetivo de melhorar a aptidao fisica dos praticantes.

REFERENCIAS

(1)-Avelar, A.; Santos, K. M. D.; Cyrino, E. S.; Carvalho, F. O.; Dias, R. M. R.; Altimari, L. R.; Gobbo, L. A. Perfil antropometrico e de desempenho motor de atletas paranaenses de futsal de elite. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano. Vol. 10. Num. 1.2008. p. 76-80.

(2)-Bompa, P.O. Treinamento total para jovens campeoes. Traducao de Cassia Maria Nasser. Revista Cientifica de Aylton J. Figueira Jr. Barueri: Manole, 2002.

(3)-Conde, W.L; Monteiro, C.A. Body mass index cutoff points for evaluation of nutritional status in Brazilian children and adolescents. Jornal de Pediatria. Vol. 82. Num. 4. 2006. p. 266-272.

(4)-Diesporte. Diagnostico Nacional do Esporte Caderno I. Ministerio do Esporte. 2015

(5)-Fiorante, F.B.; Pellegrinotti, I.L. Efeitos de um programa periodizado de futsal na aptidao fisica de estudantes femininas de 13 e 14 anos de idade. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 10. Num. 38. 2018. p. 285-293. Disponivel em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/vi ew/589>

(6)-Garlipp, D.C. Dimorfismo sexual e estabilidade no crescimento somatico e em componentes da aptidao fisica: analise longitudinal em criancas e adolescentes. Dissertacao de Mestrado em Ciencias do Movimento Humano. Escola Superior de Educacao Fisica. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2006.

(7)-Guedes, D.P. Programas de controle do peso corporal: Atividade Fisica e Nutricao. Revista Mineira de Educacao Fisica. Vol. 101. Num. 1.2002. p. 64-90.

(8)-Kraemer, W.J.; Ratamess, N.A.; Flanagan, S.D.; Shurley, J.P.; Todd, J.S.; Todd, T. C. Understanding the science of resistance training: An evolutionary perspective. Sports Medicine. Vol. 47. Num. 12. 2017. p. 2415-2435.

(9)-Mcardle, W.D.; Katch, F.I.; Katch, V.L. Fisiologia do Exercicio: Energia, Nutricao e Desempenho Humano. Traducao de Giuseppe Taranto. 3a edicao. Guanabara Koogan. p. 510. 1991.

(10)-Molinuevo, J.S.; Ortega, A.M. Perfil morfofuncional de un equipo de futbol-sala. In: Anais do I Congresso internacional sobre ciencia y tecnica del futbol. Madrid. 1989. p.217-224.

(11)-Nunes, R.F.H.; Danieli, A.V.; Flores, L.J.F.; Coelho, T.M.; Cetolin, T.; Carminatti, L.J.; Da Silva, J. F. Potencia aerobia em atletas de futebol e futsal de diferentes niveis competitivos. Revista Brasileira de Ciencia e Movimento. Vol. 25. Num. 4. 2017. p. 5-14.

(12)-Projeto Esporte Brasil. PROESP-BR. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2016. Disponivel em: <https://www.ufrgs.br/proesp/arquivos/manualproesp-br-2016.pdf>. Acesso em: 20/06/2018.

(13)-Santos, A.F.; Giarolla, R.A.; Figueira JR., A.J. Perfil de aptidao fisica de jogadores de futebol de salao. In: Anais da II Bienal de ciencias do esporte. Sao Paulo. p.21. 1991.

(14)-Silva, V.C.; Teixeira, F.A.A.; Alves, F.R.; de Souza, E.A. Analise de aptidao fisica de adolescentes praticantes de Futsal. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 9. Num. 34. 2017. p. 250-258. Disponivel em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/vi ew/496>

(15)-Silva, J.F.; Detanico, D.; Floriano, L.T.; Dittrich, N.; Nascimento, P.C.; Santos, S.G.; Guglielmo, L.G.A. Niveis de potencia muscular em atletas de futebol e futsal em diferentes categorias e posicoes. Motricidade. Vol. 8. Num. 1.2012. p. 14-22.

(16)-Venancio, P. E. M.; de Souza Silva, J. P.; Ribeiro, H. L.; Soares, V.; Santana, F.; Tolentino, G. P. Aptidao fisica em adolescentes praticantes de Futebol. Revista Brasileira de Futsal e Futebol. Vol. 10. Num. 36. 2018. p. 41-48. Disponivel em: <http://www.rbff.com.br/index.php/rbff/article/vi ew/536>

(17)-World Health Organization. Physical status: the use and interpretation of anthropometry. Geneva: WHO; 1995. (Technical Report Series, 854).

Endereco para correspondencia:

Felipe Rocha Alves.

Educacao Fisica.

Faculdade Terra Nordeste--FATENE.

Rua Coronel Correia, 1119.

Caucaia-CE, Brasil

Recebido para publicacao em 23/12/2018

Aceito em 21/01/2019

Francisco Clauber da Rocha Silva [1]

Evanice Avelino de Souza [1]

Julio Cesar Barbosa de Lima Pinto [1]

Felipe Rocha Alves [1]

[1]-Faculdade Terra Nordeste (FATENE), Caucaia-CE, Brasil.

E-mail dos autores:

clalberrocha.cr@gmail.com

evaniceavelino@yahoo.com.br

julio.pinto@fatene.edu.br

proffelipe91@hotmail.com
Tabela 1--Caracteristicas gerias da amostra, Sao Goncalo do Amarante,
2018 (n= 30).

Variaveis             Media e desvio padrao

Idades, anos             16,57 [+ o -] 0,50
Massa (kg)               63,07 [+ o -] 10,4
Estatura (cm)             1,71 [+ o -] 0,07
IMC (kg/[m.sup.2])       21,33 [+ o -] 2,92
Agilidade (seg)           6,05 [+ o -] 64,5
Velocidade (seg)          3,17 [+ o -] 38,3
FMI (cm)                 198,6 [+ o -] 58,0
FMS (m)                 520,3 [+ o -] 121,3
Distancia 9 min (m)    1662,6 [+ o -] 303,9

Legenda: FMI=Forca de membros inferiores.
FMS=Forca de membros superiores.

Tabela 2--Media e desvio padrao das variaveis de aptidao fisica
relacionadas ao desempenho de acordo com a frequencia semanal de
treino, Sao Goncalo do Amarante, 2018 (n= 30).

Variaveis                Dois dias/semana         Tres dias/semana

                            Media e DP               Media e DP

Agilidade (seg)            6,25 [+ o -] 61,4       6,05 [+ o -] 54,4
Velocidade (seg)           3,27 [+ o -] 46,9       3,10 [+ o -] 35,3
FMI (cm)                   2,03 [+ o -] 21,1       1,93 [+ o -] 61,1
FMS (m)                    4,82 [+ o -] 2,26       5,45 [+ o -] 59,3
Distancia 9 min (m)   1414,5 [+ o -] 359,5 *    1753,2 [+ o -] 207,5

Variaveis             Quatro e cinco dias/semana
                                                    p-valor
                              Media e DP

Agilidade (seg)                5,76 [+ o -] 83,1      0,319
Velocidade (seg)               3,15 [+ o -] 31,5      0,558
FMI (cm)                       2,01 [+ o -] 89,6      0,912
FMS (m)                        5,28 [+ o -] 70,0      0,552
Distancia 9 min (m)        1848,7 [+ o -] 76,0 *      0,002

Legenda: * Diferenca estatistica entre grupos pelo teste de Post Hoc
de Tukey.

Tabela 3--Classificacao dos testes de APFRD de acordo com os criterios
propostos pelo PROESP-BR

Testes           Fraco       Razoavel       Bom

              n      %     n      %     n      %

FMI           3    10,0    5    16,7    9    30,0
FMS           3    10,0    9    30,0    9    30,0
Velocidade    8    26,7    2     6,7    4    13,3
Agilidade    19    63,3    0       0    5    16,7

Testes         Muito bom    Excelente

              n      %     n      %

FMI          10    33,3    3      10
FMS           9    30,0    0       0
Velocidade    7    23,3    9    30,0
Agilidade     4    13,3    2     6,7

Figura 1--Media do teste de 9 minutos de acordo com a frequencia de
treinos semanais.

Dois dias/semana             1414,5 *
Tres dias/semana             1753,2
Quatro e cinco dias/semana   1848,7 *

Nota: Tabla derivada de grafico lineal.
COPYRIGHT 2019 Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino em Fisiologia do Exercicio. IBPEFEX
No portion of this article can be reproduced without the express written permission from the copyright holder.
Copyright 2019 Gale, Cengage Learning. All rights reserved.

Article Details
Printer friendly Cite/link Email Feedback
Author:Clauber da Rocha Silva, Francisco; Avelino de Souza, Evanice; Barbosa de Lima Pinto, Julio Cesar; Ro
Publication:Revista Brasileira de Futsal e Futebol
Date:May 1, 2019
Words:3056
Previous Article:ANALISE DA PERFORMANCE DE JOGADORES PROFISSIONAIS DE FUTEBOL CHUTANDO PENALTIS, PREVIAMENTE ESTIMULADOS EMOCIONALMENTE: A UTILIZACAO DO EYE TRACKER...
Next Article:ESTRESSE DA INICIACAO ESPORTIVA ATE PROFISSIONALIZACAO: UMA ANALISE EXPLORATORIA DA TRAJETORIA DE ATLETAS PROFISSIONAIS DE FUTEBOL.
Topics:

Terms of use | Privacy policy | Copyright © 2020 Farlex, Inc. | Feedback | For webmasters